11/08/2008

Ulbra Gravataí Curso de Enfermagem Disciplina: Módulo prático urgências e emergências

EDEMA AGUDO DE PULMÃO
Os pulmões são um dos órgãos de maior conteúdo aquoso do nosso organismo. Apesar disso os alvéolos são mantidos relativamente secos, condição fundamental para a eficácia das trocas gasosas. O edema agudo de pulmão (EAP) caracteriza-se pelo acúmulo anormal de líquidos no pulmão, isto é, aumento do líquido extravascular nos pulmões, seja nos alvéolos ou nos espaços intersticiais.

EDEMA AGUDO DE PULMÃO
Professora: Caren Mello Guimarães

Edema agudo de pulmão - fisiopatologia O EAP representa o estágio final da congestão pulmonar que ocorre quando a circulação pulmonar já tiver recebido mais sangue do que o coração é capaz de bombear.

yalenewhavenhealth.org/ Library/HealthGuide/Me...

A principal causa do EAP é a insuficiência ventricular esquerda. Este é o edema pulmonar cardiogênico e suas causas mais comuns são a doença cardíaca aterosclerótica, hipertensiva, valvular ou miopática.

O EAP não cardiogênico pode ter inúmeras causas entre elas : Inalações tóxicas SARA Embolia pulmonar Intoxicações por drogas Causas neurogênicas Excessiva ingesta hídrica em pacientes nefropatas

1

e aumento de sangue nas áreas superiores do pulmão.. pegajosa pulsos filiformes 2 .. e é expelido pela boca e narinas. Persistindo a transudação. Frente à diminuição da complacência pulmonar.fisiorespiratoria. com a instalação clínica do Edema Agudo de Pulmão. há um aumento do trabalho respiratório.br/.11/08/2008 FISIOPATOLOGIA O EAP ocorre pelo extravasamento de líquido ao interstício pulmonar.appai. A rede linfática se encarrega de drenar este líquido intersticial transudado.htm www. sendo uma parte perdida por evaporação através da respiração. No ponto em que a transudação é maior que a drenagem.br/ rxnormal. expectoração rósea B3. o paciente terá maior dificuldade respiratória. www.asp Sinais e sintomas QUADRO CLÍNICO Dispnéia súbita com sensação de asfixia Veias jugulares distendidas Ansiedade Confusão mental ( baixo débito) Crepitantes. Se as pressões que tendem a levar líquidos para o interstício sobrepujarem a pressão oncótica plasmática.com. com aumento da Fr e redução do volume corrente. A partir deste ponto há extravasamento de líquidos para o interior dos alvéolos./ferias. haverá uma transudação.org. O líquido extravasado para o interior dos alvéolos mistura-se com o ar por ocasião dos movimentos respiratórios. instala-se o edema intersticial. pele fria. diminuindo a complacência pulmonar.

IAM. QUADRO CLÍNICO O atendimento ao EAP deve ser rápido e sistematizado de forma a manter a via aérea permeável. 3 . Quadro clínico DIAGNÓSTICO ECG sobrecarga do coração. MEDIDAS TERAPÊUTICAS DIGITALIZAÇÃO: Para aumentar a força de contração do miocárdio VASODILATADORES: Promovem a dilatação venosa e arterial. dilatar as veias periféricas. uma vez que o decúbito favorece o afluxo de sangue ao coração direito. diminuem o retorno venoso. bem como a pressão dos capilares pulmonares (medida obtida através da monitorização hemodinâmica) opacidade bilateral simétrica de extensão variável Ventilação Morfina Diurético Nitrato SL ou IV Barreto SM. também porque durante o repouso a volemia pode ser incrementada pela reabsorção dos edemas. 2001 MEDIDAS TERAPÊUTICAS DIURÉTICOS : reduzir o volume intravascular de líquidos e a carga de trabalho sobre o coração. A Nitroglicerina tem efeito sobre a circulação coronariana. devido a congestão. produzindo vasodilatação e otimizando a oferta de oxigênio ao miocárdio. é utilizado o Nitroprussiato de Sódio. além de diminuir a PCP SEDAÇÃO: Morfina – tem como efeitos aliviar a ansiedade.11/08/2008 QUADRO CLÍNICO O EAP é mais freqüente durante a noite.Caso o EAP esteja associado a uma hipertensão que não responda ao diurético. distúrbios de condução Quadros de congestão grave A PVC encontra-se sempre aumentada. diminuir retorno venoso e relaxar a musculatura lisa das vias aéreas.

br 4 .11/08/2008 MEDIDAS TERAPÊUTICAS BRONCODILATADORES: diminuem o broncoespasmo. The (Swiss) Multicenter Trial of Angioplasty for Shock-(S) MASH. Ann Intern Med 1999.hc.2006. 20: 1030-8 • Barry WL. Kavinsky CJ. melhorando a ventilação alveolar VOLUME EXCESSIVO DE LÍQUIDOS Intervenções • Controlar hídrica • Aferir peso diariamente • Realizar balanço hídrico • Manter cabeceira elevada • Vigiar alterações hemodinâmicas rigorosamente Justificativas ingesta CUIDADOS DE ENFERMAGEM Oxigenoterapia (pode ser necessário o uso da ventilação com pressão positiva contínua ou intermitente) Aspiração adequada de secreções para manter permeabilidade das VAS Repouso no leito ( para reduzir as demandas sobre o coração) Referências bibliográficas • Hollenberg SM. 21: 72-80. Clinical Cardiology 1998. • Protocolo de Choque cardiogênico-Universidade do Paraná. Eur Heart J 1999. Bleed D: A randomized evaluation of early revascularization to treat shock complicating acute myocardial infarction. 131: 47-59 • Urban P. Parrillo JE: Cardiogenic shock. Stauffer JC.www.ufpr. Sarembock IJ: Cardiogenic shock: therapy and prevention.