CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS DA CNIC

A CNIC elaborou um conjunto de critérios que tem como objetivo auxiliar na formulação dos projetos culturais e melhorar a qualidade do processo de avaliação e aprovação dos projetos.
CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS 1- Será concedido destaque, devidamente justificado, a projetos que evidenciem atributos diferenciados, para que façam parte de um banco de projetos a ser divulgado pelo Ministério da Cultura. 2- Não serão contemplados projetos: · voltados para o turismo, assistência social, esportes, educação escolar, saúde, meio ambiente, indústria e comércio, ciência e tecnologia, que não possuírem finalidade predominantemente cultural; · que prevejam a realização de feiras e/ou exposições de produtos predominantemente comerciais, não-culturais; · que contemplem festas populares fora do calendário oficial tradicional (carnaval fora de época, festa julina e outras), com objetivo nitidamente comercial ou voltadas para público restrito; · de cunho essencialmente religioso ou de auto-ajuda; · de natureza sectária, isto é, vinculados a seitas; · contrários às disposições constitucionais (ofensa aos direitos das minorias, preconceitos de quaisquer espécies) · destinados à restauração, conservação e/ou manutenção de edificações que não sejam tombadas pelo poder público, em qualquer nível, ou que não tenham valor histórico ou cultural referendado pelo Ministério da Cultura. · destinados a construção e/ou reforma de edificações sem finalidade cultural. 3- Os projetos culturais deverão conter alternativas para a ampliação do acesso da população aos bens culturais, a título de contrapartida. Em caso de não haver previsão por parte do proponente, a CNIC definirá as formas de acesso de que trata este critério. 4- Não serão prorrogados projetos relativos a planos anuais de atividades e eventos com calendários específicos. 5- Os projetos de planos anuais e de manutenção de grupos artísticos, deverão apresentar planilhas de custos separadas por áreas ou eventos, sendo os custos administrativos inerentes ao projeto contabilizado de forma global. 6- A apresentação de carta de intenção de patrocínio não priorizará ou agilizará a tramitação do projeto. 7- Não será autorizado o custeio de atividades relacionadas ao pagamento do agenciamento, nos seguintes casos: · projetos com patrocínio vinculado;

1

00 para grupos artísticos e no caso de orquestras R$ 1.Não serão admitidas despesas para realização de recepção. 13.A apresentação de projetos cujo proponente seja pessoa física.Não serão admitidas despesas para pagamento de auditoria. não tenham captado 20% (vinte por cento) do valor aprovado. os recursos deverão ser recolhidos ao Fundo Nacional da Cultura. 9. conforme o disposto no DecretoLei nº 25 de 30/11/1937. 18.Serão indeferidos projetos que sofrerem cortes iguais ou superiores a 50% (cinqüenta por 2 . ou · por terceiros. desde que.Projetos que no prazo de vinte e quatro meses. 50% dos recursos aprovados. 15. 12. deverá atender às seguintes condições: · pelo próprio artista. R$ 30. ou · pelo proprietário ou detentor da posse de bens tombados. · projetos aprovados em programas de patrocínio. festas.O limite para pagamento de cachês artísticos.Projetos que objetivam a realização de cursos ou oficinas. em atendimento ao disposto na IN nº 01.Será observada a adequação entre os recursos previstos para divulgação e publicidade e as características.00 por músico e R$ 30. poderão ser autorizados desde que não haja mudança nos objetivos do projeto. redução de custos e mudanças de data para realização dos projetos em função de recursos captados. 17. 14. responsáveis pela execução do projeto. ressalvados os casos de impedimento por motivo de força maior.000. de 13 de setembro de 2003.· projetos ou planos anuais de instituições vinculadas ao patrocinador. serviços de bufê e outros similares. duração e dimensão do projeto.000. · ter o orçamento ou o somatório dos orçamentos apresentados limitado a hum mil salários mínimos. com recursos incentivados. autorizados expressamente pelo artista. 8. por mais doze meses projetos com até dois anos de aprovação que possuam valor captado igual ou superior a 20% (vinte por cento). quando for o caso.Serão prorrogados. autor ou detentor dos direitos da obra e/ou da reprodução. a pedido.Terminado este prazo e não havendo captação suficiente para realização do projeto.00 para o maestro. coquetéis. no mínimo. 11. 10. deverão apresentar projeto pedagógico e curriculum do Coordenador Pedagógico. R$ 60. exceto nos casos de restauração/recuperação de bens tombados.000.A complementação orçamentária estará condicionada à captação de. em atendimento ao disposto no Acórdão 1155/2003. 16. desde que o imóvel seja sua única propriedade e utilizado para sua moradia.00 (trinta mil reais) para artista solo. não poderão ser prorrogados e os recursos deverão ser recolhidos ao Fundo Nacional de Cultura. que deverão ser apreciados pela CNIC.500.Será vedada a alteração de proponente após iniciada a captação de recursos. 19. autor ou detentor da obra. do Tribunal de Contas da União-TCU. será de no máximo.A alteração de metas.

313/91. de 04 de agosto de 2000.000. parte do empregador. 22. podendo a Comissão.000. que cria o instrumento legal do registro. Orçamentos inferiores a R$ 1. será admitida .Para projetos cujo orçamento seja igual ou superior a R$1. não sendo aceitos pedidos de reconsideração. quando for o caso. nos projetos.000 (três mil). 27-No caso de projetos cuja realização preveja mais de uma etapa.Os projetos que prevejam atividades elencadas nas áreas contempladas nos Artigos 18 e 26.A inclusão de impostos e contribuições. apenas nos seguintes casos: CPMF e INSS. acompanhado de cronograma físico-financeiro e de documentação fotográfica do andamento do projeto. Os demais impostos deverão estar incluídos nos valores a serem pagos a terceiros .000. 28-Casos omissos. CD e CDRoom que forem produzidos com recursos provenientes de incentivos referentes à Lei nº 8. 25.cento) do orçamento proposto. com exceção daqueles em que são analisados somente os ítens referentes a parte artística e/ou cultural. 23.Para fins de enquadramento no Artigo 18 da Lei 8.Recurso a qualquer decisão da CNIC sobre os projetos por ela analisados poderá ser apresentado uma única vez.00.313.551. de 23 de novembro de 1999. 21. autorizar a ampliação desse limite. a autorização para captação de novos recursos será concedida após apresentação de relatório circunstanciado da execução da etapa anterior. a tiragem de livros. serão considerados os bens materiais tombados por um dos três níveis do Poder Público e os bens culturais imateriais. serão decididos pela Comissão Nacional de Incentivo à Cultura. desde que reconhecidos pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.Limitar-se-à a 3. 24.874.IPHAN por meio do Decreto nº 3.00 permanecerão enquadrados no percentual de até 10% do valor total do projeto. uma vez que esses recolhimentos são da competência dos prestadores de serviços. 26. em casos especiais.000. 20. COMISSÃO NACIONAL DE INCENTIVO À CULTURA 3 .00 (hum milhão de reais) o valor para o pagamento das despesas relacionadas com a elaboração e agenciamento não poderá ultrapassar o teto de R$ 100.000. serão enquadrados neste último.Será vedada a tramitação de projetos cujo proponente efetue a mudança nos objetivos da entidade com vistas a alterar a natureza cultural da instituição. alterada pela Lei 9. durante o andamento do processo. de 1991.