You are on page 1of 4

O artigo de Ricardo Mariano busca explicar os principais fatores, mais especificamente os internos, que possibilitam o crescimento pentecostal no Brasil

. As estratégias para o a alcance do público e as formas de gestão das maiores igrejas pentecostais e neopentecostais são analisadas, mostrando como elas operam e alcançam sucesso, não apenas no Brasil, mas em toda a América latina. Uma pesquisa realizada pelo instituto Datafolha e divulgada em 6 de setembro de 2007 pela Folha de S. Paulo mostrava que o número de católicos no Brasil tinha caído para 64%, enquanto o conjunto dos evangélicos subiu para 22% da população, sendo 17% deles pentecostais e 5% protestantes. Sendo mantido, portanto, um crescimento contínuo do pentecostalismo desde a década de 50, mas que se intensificou a partir década de 1980, fato esse, que se deve principalmente ao advento da Igreja Universal do Reino de Deus, fundada em 1977, liderada pelo bispo e empresário Edir Macedo. Essa pesquisa é mais uma, no meio de muitas que vêm confirmar as principais tendências dos decênios anteriores: forte declínio católico e elevada expansão pentecostal. Apesar da diversidade denominacional, fato que é muito peculiar no pentecostalismo, observa-se que, com base nos dados do Censo Demográfico de 2000, cinco igrejas concentram nada menos que 85% dos pentecostais do país: Assembleia de Deus (8.418.154 adeptos), Congregação Cristã no Brasil (2.489.079), Igreja Universal do Reino de Deus (2.101.884), Igreja do Evangelho Quadrangular (1.318.812) e Igreja Pentecostal Deus é Amor (774.827). Apesar da grande variedade de ritmos de crescimento dessas igrejas, sendo a IURD, disparadamente a igreja que mais cresce entre elas, podemos listar fatores em comum desses crescimentos e principalmente uma tendência geral do perfil socioeconômico dos fiéis dessas igrejas. Mariano explica que o Pentecostalismo cresce, sobretudo, nas populações mais pobres e na periferia das regiões metropolitanas. Seus fiéis concentram-se majoritariamente na base da pirâmide socioeconômica. Comparados à média da população brasileira, os pentecostais congregam mais mulheres do que homens, mais crianças e adolescentes do que adultos, mais negros, pardos e indígenas do que brancos, apresentam maior proporção de pessoas com cursos de alfabetização de adultos, antigo primário e primeiro grau, ocupam mais empregos domésticos e precários e, em sua maioria, recebem até três salários mínimos. O Autor afirma que se pode deduzir, portanto, que o pentecostalismo poderia sofrer uma desaceleração em seu crescimento se ocorresse acentuada melhoria nos indicativos sociais, nas taxas de escolarização e nas condições de vida da população. O contexto socioeconômico brasileiro, porém, não é o único responsável pelo sucesso da prédica pentecostal. A vulnerabilidade e o desespero de grandes contingentes populacionais, em especial das mulheres pobres e mais ainda das negras pobres, vítimas de discriminações de gênero e raça, sem dúvida facilitam seu trabalho e ampliam sua probabilidade de êxito. Mas seu sucesso proselitista não depende da existência de tais problemas em si mesmos, e, sim, justamente de sua elevada capacidade de explorá-los, oferecendo recursos simbólicos e comunitários para seus fiéis e potenciais adeptos lidarem com eles. Conforme Peter Berger (1985:150), a situação pluralista e de mercado estimula a racionalização e burocratização das estruturas denominacionais, resultando na profissionalização de seus quadros eclesiásticos e administrativos. Isso passou a ser muito

Mariano reitera. adota estratégias de marketing. dilatando a capacidade de sua oferta religiosa atingir um público mais amplo e. por exemplo. próprias de igrejas dirigidas por governos eclesiásticos mais democráticos. na ampliação de sua presença eletrônica e geográfica e de seu número de pontos de pregação. criar novas demandas e clientelas. como. concentram o poder eclesiástico. promovendo a concentração do poder através da adoção de gestão centralizada e do estabelecimento de governos eclesiásticos episcopais. as decisões religiosas. Pois quem arrecada mais tem maior capacidade para investir mais que as concorrentes no evangelismo eletrônico. al concentração financeira permite bancar investimentos estratégicos para a expansão da igreja. Outro fator fundamental na expansão do pentecostalismo é a arrecadação e o proselitismo eletrônico. missionários. administrativas. estabelece metas de produtividade para os pastores. Nas últimas décadas. dado que as deliberações dos líderes prescindem da anuência do baixo clero. editora. gestão de tipo empresarial. a aquisição de emissoras de rádio e TV. financeiro. o estabelecimento de novas frentes de evangelização e a construção de templos de grande porte. em empresas de comunicação (gravadora. pesquisas . Mariano afirma que nos anos 90. quadros eclesiástico e administrativo profissionalizados. agilizando a realização dos trabalhos. valores outrora priorizados no cristianismo primitivo. obreiros e militantes leigos. os pesquisadores atentaram de vez para o modelo empresarial de gestão. conta com governo eclesiástico verticalizado. comandados verticalmente por bispos. arrecada recursos com eficiência e os investe no evangelismo eletrônico. possui grande disciplina eleitoral (para eleger suas bancadas políticas). para a estruturação da igreja como “negócio” (Prandi 1996) e para a concepção e inovação da “igreja como empresa econômica e a religião como fonte de lucro e enriquecimento pessoal” (Pierucci 1996: 282). como Igreja Universal e Deus é Amor. midiático e político. Além disso. centralizam a administração e os recursos financeiros e adotam modelo de gestão em moldes empresariais. Para granjear tamanho sucesso religioso. dinamiza o processo decisório. em detrimento de valores mais elevados como amor. altruísmo.perceptível principalmente a analisarmos a IURD que se organiza claramente enquanto empresa destinada à produção e distribuição de bens e de serviços religiosos. provê seus fiéis e clientes de oferta sistemática de serviços mágico-religiosos. para as estratégias de marketing (Fonseca 1997. sem dúvida. patrimonial. é o caso pentecostal mais emblemático da opção denominacional pelas estratégias de mercado e o mais bem sucedido. organizacionais e evangelísticas dos líderes tendem a ser repassadas mais rapidamente aos pastores. Campos 1996). a lógica de mercado tornou-se cada vez mais presente nesse meio religioso. Exemplificamos isso através do fato de que as denominações pentecostais que mais crescem no país. felicidade e vitória terrenas. redes de rádio e TV). paz. apóstolos e profetas. afirmando que a Igreja Universal. na contratação de pastores. com isso. Ao não ter de passar por morosos trâmites em diversas instâncias decisórias e deliberativas. ao refletirem sobre o estrondoso crescimento da Igreja Universal. pago para se incumbir da execução imediata das ordens superiores. na abertura de novas congregações e de novos campos missionários. de congregações e de templos. O carro chefe de toda essa engrenagem de mercado na IURD é a famosa teologia da prosperidade que como o próprio nome sugere promete prosperidade.

ou simplesmente o fato de ser “usado por Deus” já lhe garantem gr andes possiblidades . afirma Estevam Hernandes. são mais “dedicados” em ofertar e dizimar tanto em continuidade como em quantidade. Willems (1967) e D’Epinay (1970) compartilham o ponto de vista de que o Pentecostalismo democratiza o acesso ao sagrado e à hierarquia eclesiástica. antes de serem atraídos e recrutados por determinada igreja. No pentecostalismo. Sua poderosa rede de tevê funciona de forma eminentemente comercial. Esse sistema tende a desestimular os mercadores da fé. amizade e parentesco com crentes pentecostais. uma vez que crentes pobres e pouco instruídos detêm o direito de exercer dons do Espírito Santo e. Pesquisa realizada no Rio de Janeiro revela que mais da metade dos “atingidos pela mídia” evangélica não tinha vínculos familiares com evangélicos (FONSECA 1997: 188). resulta em benefício proselista inferior ao proporcionado pelo radioevangelismo. São pelo menos três as razões para a predileção: o menor preço de locação ou de compra das emissoras. o televangelismo. por exemplo: “Mais de 60% dos novos convertidos”. como a presbiteriana. “vêm aos cultos através da mídia eletrônica” (Vinde. Daí o entusiasmo dos pregadores eletrônicos pelo evangelismo no rádio e na tevê. Em igrejas pentecostais é comum a rápida ascensão ao pastorado. Por sua inigualável capacidade de introduzir-se diariamente nos lares. cursos com vários anos de duração. metodista e batista. No rádio. apesar de renda igual ou parecida com fiéis de outras igrejas pentecostais. O evangelismo midiático em rádio e tevê constitui o mais poderoso meio para atrair e recrutar rapidamente elevado número de adeptos.mostram que os membros da IURD. Nas igrejas protestantes. Em igrejas protestantes. segundo Fonseca (1997). além de períodos de avaliação por conselhos para que só assim se possa exercer o pastorado em uma igreja. não possuíam relação de confiança. que preferem algo que lhe tenha retorno mais rápido. 13.1996). de ascender a cargos ministeriais. Sendo que grande parte deles doam mais que a décima parte do seu salário. em menor proporção. as lideranças pentecostais preferem o rádio à TV. exibe canções de cantores e bandas evangélicos e mensagens pastorais e incessantes convites aos ouvintes para comparecer a seus cultos e campanhas. ser dedicado aos trabalhos litúrgicos da igreja. transmite testemunhos e promessas de bênçãos. Caso da Renascer em Cristo. Em geral. seu baixo custo de manutenção e sua elevada audiência entre os estratos mais pobres da população. diferentemente das igrejas protestantes históricas não há rigidez acadêmica para que algum líder possa assumir cargos ministeriais.11. visto que credos. em horários diurnos. geralmente vinculada à própria igreja à qual se deseja seguir carreira ministerial. laços de sociabilidade tradicionalmente importantes para o recrutamento de novos adeptos. mesmo sem formação teológica. reservando preferencialmente no período da madrugada para a programação religiosa e. Características como possuir uma melhor oratória em comparação aos demais membros. Ao contrário do que geralmente se supõe. luterana. Além de demandar maior custo financeiro. a Universal prioriza o uso proselitista do rádio. dogmas e doutrina mudam muito de denominação para denominação. existem estruturas que tornam demasiadamente desencorajantes a ascensão ao pastorado. é necessário um mínimo de conhecimento teológico formal em cursos ministrados em seminários ou faculdades de teologia. Exames de admissão. o evangelismo eletrônico apresenta a vantagem de alcançar aqueles que.

a analogia de um adágio popular é tão válida: “Filho de pastor. Sendo inclusive. a continuidade que seus ritos trazem com a religiosidade popular. O pentecostalismo tem como um de seus mais importantes trunfos. O pentecostalismo tem seu poder em sua proposta de preencher lacunas que nunca foram preenchidas em um passado colonial frustrante e de um emergente estado moderno com sociedades extremamente estratificadas. Multiplicando cada vez mais o número de fiéis dizimistas que vão ajudando gradativamente na expansão midiática dessas igrejas em um círculo vicioso. que constitui uma forte tradição do catolicismo. fogueiras santas. a fé e prestação de serviços mágico-religiosos como mercadoria é potencializada nas igrejas pentecostais. Igreja Internacional da Graça de Deus e Igreja Mundial do Poder de Deus. muito comum ofertas doo mercado religioso exatamente como mercado formal. Poucas vezes. Em Fortaleza(CE) é muito comum ver faixas em determinadas épocas do ano que anunciam concursos para o cargo de pastor. as antigas práticas e ofertas de serviços mágico-religiosos que ainda permeiam o imaginário popular têm um público crescente pelo fato de prometer melhorias e supostos benefícios que nenhuma outra esfera da sociedade. ou seja. Isso tudo se deve principalmente a forma de gestão dessas igrejas pentecostais que já discorremos mais acima. aquelas que possuem uma maior renda para poder ser administrada e ampliada através da abertura de novos locais para criação de novas igrejas. tem um aparelho empresarial e administrativo muito verticalizado e pouco democrático. como a base doutrinária e litúrgica. Para muitos estudiosos da religião brasileira o pentecostalismo mais parece uma reparação do catolicismo popular do que uma nova reforma dos movimentos protestantes. Estão misturados e arraigados elementos da religião protestante. Estão fundidos em uma única religião um emaranhado de práticas já consolidadas em um imaginário coletivo popular do que seria sagrado e consequentemente buscado pelo divino. O que facilita que muitos pastores sejam produzidos em larga escala. sem grandes processos de preparação e avaliação em comparação às igrejas protestantes históricas. É interessante perceber que apesar da crescente secularização das igrejas para atender uma sociedade menos receptiva ao sagrado. da forte tradição de formar pastores “hereditariamente”. Galhos de arruda. É muito comum nas igrejas neopentecostais. o forte sincretismo de suas práticas ritualísticas. mas também práticas comuns do espiritismo e de religiões afro-brasileiras como a umbanda e candomblé. meias e medalhas. Além disso. como a IURD. travesseiros. . sal grosso. pastorzinho é”. são objetos que depois de “ungidos” recebem grande valor espiritual. Supostamente. rosas brancas. os detentores de melhor desempenho receberiam as melhores igrejas. por exemplo. Isso sem falarmos. além da materialização da fé em objetos que são transferidos aquilo que é metafísico e abstrato ao concreto e ao palpável. principalmente a estatal é capaz de oferecer.de alcançar “status clerical” e cargos ministeriais de importância. A IURD.