You are on page 1of 9

3

1 INTRODUÇÃO

Este relatório tem como objetivo relatar o estágio supervisionado II, do curso de Serviço Social da Instituição Universidade do Tocantins - UNITINS, realizado no CRAS (Centro de Referencia de Assistência Social) de São Raimundo das Mangabeiras-MA. A Constituição Federal de 1988 definiu que a Assistência Social, junto com a Saúde e a Previdência, formaria a Seguridade Social para que todos tivessem acesso à proteção social. A partir disto,a Assistência Social passou a ser uma política pública. No dia 15 de outubro de 2004 o Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) aprovou a política Nacional de Assistência Social (PNAS),que aponta para a criação de um sistema único de assistência social – SUAS, para a política

nacional de assistência social , sendo este responsável pela reorganização de toda política de assistência social, bem como pela materialização da lei orgânica de assistência social – LOAS. Define o funcionamento do Sistema Único de

Assistência Social (SUAS) em todos os 5564 municípios brasileiros. Para proteger a família das situações de risco, o SUAS criou os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS).Os CRAS são instalados conforme o número de habitantes nos territórios com maior índice de vulnerabilidade social e pessoal nos municípios e são responsáveis pela oferta de serviços continuados de Proteção Social Básica. O CRAS é um Serviço de proteção Social Básica, que visa potencializar a família como unidade de referência, fortalecendo os vínculos internos e externos, por meio do protagonismo dos seus membros e da oferta de um conjunto de serviços locais que oportunizam à convivência,à socialização e ao acolhimento em famílias cujos vínculos familiar e comunitário não foram rompidos,além de oferecer programas para a inclusão no mercado de trabalho. BRASIL (2010).
Fundamentando que: Os projetos de enfrentamento da pobreza compreendem a instituição de investimentos econômico-social nos grupos populares, buscando subsidiar, financeira e tecnicamente, iniciativas que lhes garantem meios,capacidade produtiva e de gestão para melhoria das condições gerais de subsistência,elevação do padrão da qualidade de vida,a preservação do meio ambiente e sua organização social. Art.25 da LOAS.

que visem ao fortalecimento dos vínculos familiares. o CRÁS oferta os . benefício de prestação continuada – BPC e programa de erradicação do trabalho infantil – PETI. Segundo informações da coordenadora Elisângela Gomes dos Santos Castro.  Oficinas com idoso dentre outros. no seu fracasso de diminuir a busca do emprego. visando a orientação do convívio sócio familiar e comunitário...] Os programas tem o efeito de manter a expectativa de trabalhar.a ações de socialização e de sensibilização para a defesa dos direitos das crianças e adolescentes. Os cursos são oferecidos com o objetivo de se tornarem uma ferramenta de geração e oportunidades de renda e têm um público seletivo como famílias beneficiários do programa bolsa família. Programa de inclusão produtiva e projetos de enfrentamento da pobreza. No CRAS são realizadas atividades sócio-educativas. O objetivo dos cursos e oficinas profissionalizantes oferecidos pelo CRAS é potencializar a capacidade produtiva das famílias para deixarem de depender do auxilio financeiro que é repassado através de transferência de renda do Governo Federal (BOLSA e PELO GOVERNO MUNICIPAL). O CRAS em São Raimundo das Mangabeiras tem como objetivo facilitar o acesso dos direitos assegurados em lei tendo em suas vertentes a oferta de cursos e oficinas visando a emancipação seguintes serviços:    Programa de atenção integral às famílias (PAIF). Faleiros (2000 p 193) ensina que: [. o que motivou a realizar uma intervenção que venha minimizar a problemática. A formação profissional passou a ser ponto-chave para a inserção do trabalhador no campo da competitividade. muitos usuários concluem o curso e não buscam transformar os conhecimentos recebidos em geração de renda. como suposto meio de superação da condição de atraso e pobreza de um país. Serviços para crianças de 0 a 6 anos. o CRAS trabalha com famílias e indivíduos em seu contexto comunitário. Durante o estágio pode-se constatar que. fazer crer no esforço individual.4 A educação para o trabalho no atual contexto social se faz indispensável para acompanhar as mudanças no seio produtivo. campanhas educativas e preventivas. acompanhamento social. econômica das famílias.ao direito de brincar.

Palestras com cursistas de corte e costura e manicure. tanto em casa como a domicílio.5 O ponto de partida foi o diagnóstico da realidade existente no sentido de concretizar algumas ações propostas tais como:   Entrevistas com a instrutora do curso de corte e costura e também com instrutora do curso manicure e pedicura. Entrevista com ex-aluna que aproveitou os conhecimentos recebidos e criou seu próprio atelier e também com ex aluna que hoje garante sua sobrevivência com a renda de manicure. Reunião com a equipe técnica do CRAS.     Visitas domiciliares para comprovação de geração de renda aproveitando os cursos recebidos. Reunião com o supervisor de campo e acadêmico .

que permita. Foi de suma importância servindo de base e aprimorando os conhecimentos tanto teóricos como os práticos. baseando-se no uso do conhecimento adquirido na vida profissional e acadêmica.um perfil profissional comprometido com valores ético-humanistas:com os valores de liberdade. Alem de ser um importante instrumento de integração entre escola.” (Lamamoto.185). Ele é uma oportunidade de crescimento profissional e pessoal. “Os rumos assumidos pelo amplo debate efetuados na década de 1980. 2007 p. como pressupostos e condição para auto-construção de sujeitos individuais e coletivos .igualdade e justiça . no campo da pesquisa e da ação. os componentes curriculares não podem ser isolados. .criadores da história. universidade e comunidade. O Estágio supervisionado é muito mais que o cumprimento de exigências acadêmicas.O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. Por isso. Entre os desafios encontrados os maiores estão relacionadas a muitos usuários que concluem o curso e não buscam transformar os conhecimentos recebidos em geração de renda e consequentemente nos programas sociais.6 2 DESENVOLVIMENTO Esta experiência é necessária para a educação profissional. a construção de respostas profissionais dotadas de eficácia e capazes de congregar forças sociais em torno de rumos ético-político voltados para uma defesa radical de democracia. pois oferece a oportunidade de integrar os discentes com a área onde atuarão e integrar teoria e prática. sobre a formação profissional apontaram para um perfil que se complementa com uma competência técnico-politica. o estágio supervisionado deve ser considerado como um componente que articula o conhecimento construído durante a vida acadêmica preparando os discentes para aplicá-lo em sala de aula como profissionais. sabendo-se que é muito grande a demanda na sua área de atuação. Foi observada na primeira semana a grande necessidade do Assistente Social ter embasamento teórico das legislações de sua área com o objetivo de saber lidar e conhecer o que ele deve atuar e como lidar com todos os programas. Marilda Vilela. Compreendendo-se que nos cursos de formação de professores devem relacionar teoria e prática de forma interdisciplinar.

isso porque precisa haver um equilíbrio entre a teoria da flexibilidade e a . melhorar a compreensão em relação a alguns temas.58. pode-se observar que existe um afastamento entre ambas as partes.A ética é extremamente necessária para regular e manter a vida humana em harmoniosa convivência.mas por sua constituição vital. Uma das atividades que pudemos detectar foi o diagnóstico da realidade existente e do público que está envolvido no contexto. Ética e Responsabilidade Social 2010 p 57. Acompanhamento de atendimentos. São justamente os problemas da convivência humana que despertam a reflexão da ética enquanto ciência do agir moral.7 Entre as várias atividades realizadas juntamente com o Assistente que nos acompanha em campo de estágio do município.São partes da ética da convivência. Brasil (1999). já realizamos.A ética se faz necessária porque os seres humanos não vivem isolados. o que aprendemos na teoria nem sempre podemos colocar em prática. Na relação teoria e prática.a realizar.a ser.As nossas possibilidades de ser são partes de nossos direitos e de nossos deveres. “A ética esta diretamente relacionada à convivência humana. As obrigações éticas da convivência humana devem pautar-se não apenas por aquilo que já temos. a exemplo da Bolsa do governo municipal através da bolsa esperança. mas também por tudo aquilo que poderemos vir a ter.Ha necessidade de ética porque há o outro ser humano. pois reflete criticamente sobre nossos comportamentos práticos. procurou-se realizar uma intervenção que venha surtir efeito ou pelo menos minimizar a problemática. pois possui uma postura critica diante da sociedade. sendo esse o nosso ponto de partida no sentido de concretizar as ações propostas como:    Reunião com idosos. já somos. Palestra sobre BPC com a Assistente Social para a comunidade.Os seres humanos convivem não por escolha. as mesmas serviram de base para aumentar nossos conhecimentos.) O objetivo das oficinas é potencializar a capacidade produtiva das famílias para que seus membros tenham autonomia e deixem de depender do auxilio financeiro que é repassado através dos programas de transferência de renda do Governo Federal.”(Jose Trasferetti.

no momento de tomada de decisões. num contexto eminentemente contraditório. uma vez que nesse processo existe vida de pessoas envolvidas. criamos e reproduzimos o Serviço social enquanto profissão”.5): “A prática do serviço social se recria a partir das relações sociais. tendo em primeiro lugar o compromisso com a ética. esteja consciente do seu papel e de como executá-lo. Segundo FAUSTINI (1995. p. É de suma importância que o Assistente Social. onde apreendemos e construímos. além de sempre priorizar o respeito para com os usuários que procuram pelos seus serviços. .8 ética. fazendo com que esse comportamento seja recíproco.

foi a partir da oportunidade que foram abertas inúmeras reflexões fortalecendo assim a postura profissional em acordo com o código de ética. e o estágio é sem dúvidas uma etapa para o encontro entre essas subdivisões. oferecidas pelo CRAS. o discente pode visualizar conhecimento acadêmico e a a capacidade de ao envolvimento entre o prática necessária cotidiano profissional. já que um complementa o outro. a prática está sempre ligada à compreensão teórica a qual nos é atribuída ao longo da formação profissional. sendo este dividido em teorização e a prática. este proporcionou o contado com os usuários no qual é muito importante na abrangência da visão da realidade social. Direitos e outros. Entretanto ao se evidenciar os momentos escandidos não há a dissociação entre eles. . percebeu-se que as oficinas de inserção produtiva. A vinculação da teoria com a prática é resultando de um processo histórico profissional. sem respaldo fundamentado através de técnicas e diretrizes que norteiam o Serviço Social. dissolvendo muitos equívocos atribuídos nos senso.9 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS O Estagio é um momento único que contribuiu para o aprendizado de forma sistemática. podendo assim se perceber as reais necessidades do público alvo. O contato com a Política de Assistência em sua execução propriamente dita ligou os saberes através da interlocução com os profissionais de Serviço Social. Sem o conhecimento teórico as ações seriam meras atividades impensadas. podendo assim perceber as demandas e a sabedoria de lidar com as mesmas. Nesse sentido. o estágio está sendo uma complementação do aprendizado. Ou seja. não estão despertando o interesse dos usuários de se profissionalizarem. Como demanda principal no campo de estágio foram vistos que muitos usuários que concluem o curso não buscam transformar os conhecimentos recebidos em geração de renda havendo assim uma discrepância A aprendizagem é um processo construído em base estruturante que nos capacita para o exercício de diversas atividades. no campo acadêmico o alicerce deve está pautado na apreensão de conhecimento. Psicologia. Após a realização de todas as etapas do curso de Serviço Social. A inserção através do estágio obrigatório proporcionou um amadurecimento quanto ao arcabouço teórico apreendido durante todo o curso.

do melhor intervir sob os olhares dos supervisores. principalmente no surgimento de novas demandas evidenciadas pelos usuários. uma prévia do que cada futuro profissional vivenciará. não só pela confirmação da necessidade de enfretamento da Questão Social. que é apenas um recorte. principalmente pela busca constante do saber. que são peças indispensáveis ao processo de execução. o processo de estágio contribuiu para o entendimento conjuntural da profissão do Serviço Social. No geral. . mas também pela complexibilidade em lidar com diversas demandas no campo de atuação. A experiência de estágio foi muito importante à aprendizagem.10 possibilitando uma miscelânea de informações e aguçando cada vez mais a troca de experiência.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Eloiza da Silva Gomes de.Paulo. O Direito social e a Assistência social na sociedade Brasileira: uma equação possível? 3 ed. A cabeça bem feita. SP: Editora Alínea 2006. Año V. 2009.185) MORIN. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 2010. Lélia de Cássia Faleiros . 67-71.31 de Marzo de 2006. Discussões conceituais sobre política social como política pública e direito de cidadania. Ministério da Educação. Berenice Rojas. MARILDA Vilela. O Serviço Social na Contemporaneidade:trabalho e formação profissional. v. São Paulo. TRASFERETTI. et al (org. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Política Social: fundamentos e história. 61. 20. Prática do Serviço Social. COUTO. PEREIRA. J. Vera Lúcia. Edla Yara Priess. E. In: Serviço Social e Sociedade.I. ed. Yolanda. In: BOSCHETTI. Publicación en línea. Número 14. 1995 GUERRA.R. OLIVEIRA. Ivanete. 2008.2007 p. Campinas.). São Paulo: Cortez. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino Médio/Ministério da Educação. 1999. Eduacação nos tempos atuais. Porto Alegre: EDIPUCRS. OLIVEIRA. 2. 2008. Murcia (España). CUNHA. S. Universidade do Vale do Itajaí. O desafio da construção. Ética e responsabilidade social. São Paulo: Cortez. BEHRING. número 62. p. e BOSCHETTI. Psicopedagogia. Instrumentalidade do processo de trabalho e Serviço Social. Política Social no Capitalismo: Tendências Contemporâneas. 2000.11 REFERÊNCIAS BRASIL. Localização das Unidades CRAS nos Estados brasileiros. 2006. 2000. .. Edgar. Cortez. Potyara Amazoneida Pereira. Brasília DF: MEC/SEF. O Papel do Estágio Curricular Supervisionado na formação inicial de professores: o olhar critico dos egressos e professores do curso de pedagogia. O estágio Supervisionado na formação continuada docente a distância: desafios a vencer e Construção de novas subjetividades. Associação Brasileira de Psicopedagogia. Márcia Salete Arruda. . BRASIL. PERINI. Itajaí. São Paulo. FAUSTINI. n. Cortez. 2003.