Tiristor O nome Tiristor vem do termo grego "thyr" (que significa porta) e engloba uma família de dispositivos semicondutores

multicamadas, que operam em regime de chaveamento, tendo em comum uma estrutura de no mínimo quatro camadas semicondutoras numa seqüência P-N-P-N (três junções semicondutoras), apresentando um comportamento funcional biestável. A invenção do tiristor no fim dos anos 50 do século passado foi responsável por um grande surto de evolução tecnológica da eletrônica de potência, que se estendeu pelos anos 60 e propiciou no anos 70 o início da implantação da eletrônica de potência em escala industrial. A principal vantagem dos tiristores é o controle de grande quantidade de energia. Essa característica faz com que esses dispositivos sejam utilizados tanto no controle eletrônico de potência quanto na conversão de energia. Os tiristores permitem por meio da adequada ativação do terminal de controle, o chaveamento do estado de bloqueio para estado de condução, sendo que alguns tiristores (mas não todos) permitem também o chaveamento do estado de condução para estado de bloqueio, também pelo terminal de controle. Como exemplo de tiristores, podemos citar o SCR, o TRIAC e o DIAC. Características do tiristor SCR O Tiristor SCR (Silicon Controlled Rectifier) foi desenvolvido por um grupo de engenheiros do Bell Telephone Laboratory (EUA) em 1957. É o mais conhecido e aplicado dos Tiristores existentes. Tiristor é o nome genérico dado à família dos componentes compostos por quatro camadas semicondutoras (PNPN). Os Tiristores SCR’s funcionam analogamente a um diodo, porém possuem um terceiro terminal conhecido como Gatilho (Gate ou Porta). Este terminal é responsável pelo controle da condução (disparo). Em condições normais de operação, para um SCR conduzir, além de polarizado adequadamente (tensão positiva no Ânodo), deve receber um sinal de corrente no gatilho, geralmente um pulso. A principal aplicação que os SCR têm é a conversão e o controle de grandes quantidades de potência em sistemas CC e CA, utilizando apenas uma pequena potência para o controle. Isso se deve à sua ação de chaveamento rápido, ao seu pequeno porte e aos altos valores nominais de corrente e tensão em que podem operar. Algumas características dos SCR’s:  São chaves estáticas bi-estáveis, ou seja, trabalham em dois estados: não condução e condução, com a possibilidade de controle.  Em muitas aplicações podem ser considerados chaves ideais, mas há limitações e características na prática.  São compostos por 4 camadas semicondutoras (P-N-P-N), três junções (P-N) e 3 terminais (Ânodo, Cátodo e Gatilho).  São semicondutores de silício. O uso do silício foi utilizado devido a sua alta capacidade de potência e capacidade de suportar altas temperaturas.  Apresentam alta velocidade de comutação e elevada vida útil;  Possuem resistência elétrica variável com a temperatura, portanto, dependem da potência que estiverem conduzindo.  São aplicados em controles de relés, fontes de tensão reguladas, controles de motores, Choppers (variadores de tensão CC), Inversores CC-CA, Ciclo-conversores (variadores de frequência), carregadores de baterias, circuitos de proteção, controles de iluminação e de aquecedores e controles de fase, entre outras.

.1 apresenta a simbologia utilizada e as camadas. já acoplado a um dissipador de calor.A figura 1. junções e terminais.2 apresenta um tipo de estrutura construtiva para as camadas de um SCR. A figura 1. A figura 1.3 mostra a aparência do encapsulamento tipo TO de um SCR muito utilizado.

entre outros. Um TRIAC pode ser disparado tanto por uma corrente positiva quanto negativa aplicada no terminal de disparo. no final de cada semi-ciclo de alimentação elétrica. Isto torna o TRIAC um conveniente dispositivo de controle para circuitos de corrente alternada. Contudo.A figura 1.4 – SCR com encapsulamentos tipo rosca e tipo disco para altas potências TRIAC Um TRIAC (Triode for Alternating Current) é um componente eletrônico equivalente a dois retificadores controlados de silício (SCR/tiristores) ligados em antiparalelo e com os terminais de disparo (gate) ligados juntos. o dispositivo continua a conduzir até que a corrente elétrica caia abaixo do valor de corte. Este tipo de ligação resulta em uma chave eletrônica bidirecional. que permite acionar grandes potências com circuitos acionados por correntes da ordem de mA. é necessário que se assegure que o TRIAC seja desligado corretamente. não importando a natureza da carga. que pode conduzir a corrente elétrica nos dois sentidos. Para circuitos de maior potência. aplicando um pulso em um ponto pré-determinado do ciclo de corrente alternada. Figura 1. o que garante que cada SCR estará controlando um semi-ciclo independente. o que permite controlar a percentagem do ciclo que estará alimentando a carga (também chamado de controle de fase).4 mostra alguns SCR de alta potência com encapsulamento tipo rosca e tipo disco. . como motores elétricos. Também podemos controlar o início da condução do dispositivo. controles de velocidade para ventiladores. Uma vez disparado. quando usado com cargas indutivas. podemos utilizar dois SCRs ligados em antiparalelo. O TRIAC de baixa potência é utilizado em várias aplicações como controles de potência para lâmpadas dimmers.

seus terminais não são marcados como anodo ou catodo mas a maioria é marcada como A1 ou MT1 e A2 ou MT2. O DIAC é normalmente usado para disparar TRIACs e SCRs. Este comportamento é o mesmo nas duas direções de condução de corrente. chamado de corrente de corte. Abaixo encontram-se ilustrados o símbolo do DIAC e um exemplo de componente comercial.O símbolo do componente e um exemplo comercial estão demonstrados na figura abaixo: DIAC O DIAC (Diode for Alternating Current) é um gatilho bidirecional ou diodo que conduz corrente apenas após a tensão de disparo ser atingida e para de conduzir quando a corrente elétrica cai abaixo de um valor característico. Como um DIAC é um gatilho bidirecional. . A tensão de disparo é por volta dos 30 volts para a maioria destes dispositivos.

Exemplo de um retificador de potência RETIFICADOR BIFÁSICO DE MEIA-ONDA (OU DE UM CAMINHO) O circuito de retificador bifásico de meia-onda está desenhado na figura 5 (a). porém defasada de 180º entre si. 5 (a). mas não recebeu impulso de gate. No caso de T1. que transforma energia DC em energia AC. e ambas iguais a 2 Vmax. O circuito de disparo foi omitido. somente um dispositivo (diodo ou tiristor) estará conduzindo a corrente elétrica. devido à indutância. analogamente T2. e. Logo. como mostram os gráficos de Ig1 e Ig2. televisores e sistemas de videogame. aparecerá uma tensão negativa na carga. T1 é bloqueado e a tensão sobre ele é V = V1 + V2. É alimentado por duas tensões senoidais. nos tiristores a tensão direta máxima é igual à tensão reversa máxima.RETIFICADOR DE POTENCIA Um retificador de potência é um dispositivo usado para transformar corrente alternada (AC) em corrente direta (DC). e. V1 e V2. No caso de diodos. Quando T1 é disparado. . Um equipamento retificador de corrente é o oposto de um inversor de energia. obtidas de um transformador com tomada central (N). usam retificadores de energia para criar energia utilizável. A tensão sobre os tiristores tem a mesma forma de onda. Condições análogas ocorrem quanto T2 é disparado. Portanto não está conduzindo. Após o impulso de gate entra em condução. aquele ligado à fase de maior tensão entrará em condução. a tensão cai a zero (desprezível). que é o valor máximo da tensão nos terminais do secundário do transformador de entrada. dentro do semi-ciclo de V2. os tiristores se comportarão como se fossem diodos. Entretanto basta construir um circuito que forneça pulsos. no caso de tiristores. Com relação à Fig. tenta-se disparar os dois simultaneamente. defasadas de 180º entre si. Como T2 é acionado quando V1 é negativo. após o disparo de T2. T1. a tensão é positiva. Se o ângulo de disparo for igual à zero. tais como laptops. e. T1 só deixará de conduzir quando T2 for acionado. Muitos eletrodomésticos eletroeletrônicos. a corrente na carga aumenta. Em qualquer instante. conduzirá aquele que estiver ligado à fase com maior tensão. inicialmente.