You are on page 1of 3

OS VENDILHÕES DO TEMPLO CONTINUAM POR AÍ...

É impressionante como as seitas e religiões dos dias atuais conseguem arregimentar e manter sob seu jugo tantas pessoas ao mesmo tempo e nos mais recônditos lugares deste planeta! Igualmente impressionantes são a desfaçatez, o cinismo, a falta de pudor, a "cara-de-pau", mesmo, com que membros de algumas dessas seitas exigem dinheiro ("dízimos" e "ofertas") de seus "rebanhos" como condição para acesso às bênçãos divinas (lembram-se da letra da música "Vida de Gado", cantada pelo brasileiro Zé Ramalho?). Temos que admitir que a maioria dessas religiões e seitas mantém alguma obra social, para amparo aos menos favorecidos; mas a verdade é que sobram evidências de que grande - senão a maior - parte de tais doações serve mesmo é para manter a riqueza, as mordomias e o poder dos espertíssimos dirigentes de tais instituições; e para ter essas evidências não é preciso ir muito longe: basta ler jornais, ver / ouvir os noticiários e acessar o YouTube e o Google. Mais impressionantes ainda são os seguintes fatos: a) as pessoas doam seu dinheiro mesmo tendo que abrir mão de melhor alimentação e de outros recursos essenciais para si e suas próprias famílias;

b) muitas das "ovelhas" desses “rebanhos” são (pelo menos supostamente) pessoas cultas, instruídas, inteligentes, "bem nascidas", personalidades até, e que, mesmo assim, deixam-se levar docilmente, sem questionar, sem raciocinar sua Fé (é claro que a Razão sem a Fé é puro materialismo; por outro lado, a Fé sem a Razão é puro fanatismo). Tal passividade dos crentes só é explicada pela extrema carência de valores e de conforto espiritual da civilização moderna, na busca desesperada por uma tábua de salvação, por um alívio imediato e definitivo para suas dores físicas e espirituais. E todo tipo de oportunista, "esperto", ladrão, escroque, charlatão etc. se aproveita disso - da boa fé das pessoas incautas, da sua carência espiritual, da sua extrema necessidade de um arrimo, da luz no fim do túnel, do "Analgésico Divino"! Assim, as pessoas tornam-se subjugadas, alienadas, fascinadas pelos falsos profetas atuais e pelas suas promessas da vida eterna no "Paraíso" e, simultaneamente, aterrorizadas pelas ameaças de queimarem e serem supliciadas eternamente, sentadas no colo do "capeta", no "inferno". E passam a entregar a esses falsos profetas - hábeis na arte de promoção da histeria coletiva, sedentos de riqueza e de poder - o dinheiro que ganharam com tanto sacrifício, e até mesmo os seus bens arduamente conquistados, na ilusão de poderem fazer comércio com a Divindade - como se Esta simplesmente admitisse isto - negociar a "salvação eterna" por dinheiro e bens materiais!

E - suprema ignomínia! - esses vendilhões vivaldinos e oportunistas ainda têm o desplante de usar o texto bíblico (que, muito convenientemente, interpretam ao seu modo) para justificar tal extorsão, rotulando tudo o mais que vá contra seus interesses materialistas e duvidosos como “coisa do demônio”! E os crentes, sempre submissos, alienados, ingênuos, seguem alimentando essa cupidez mórbida, seguem atendendo aos apelos do marketing religioso que lhes oferece a proteção divina e a salvação em suaves prestações mensais; malbaratam suas economias comprando objetos, talismãs, imagens, sem pensar, sem questionar, sem usar a dádiva com a qual todos fomos agraciados e que nos diferencia dos outros seres vivos - o raciocínio lógico - porque “raciocinar a Fé é pecado”...

Será muito mais simples quando a Humanidade acreditar e comprovar que nada se faz sozinho, que não existe geração espontânea e que, por isso, logicamente, existe algo superior que gerou e continua a gerar esse universo infinito - e é a essa origem absoluta que se convencionou chamar de "Deus" ou de "Alá" ou "Jeová" ou "Javé" ou de tantos outros nomes. Será muito mais simples quando todos souberem e comprovarem que vivemos apenas em um grãozinho de areia, nessa partícula de poeira cósmica chamada Terra, perdida num oceano infinito de galáxias, cheias de outros "grãozinhos" como o nosso.

Será muito mais simples quando todos souberem e comprovarem (e hoje a Ciência já começa a comprovar) que aqueles pontinhos luminosos que aparecem à noite no céu não foram criados apenas para que nós, os "privilegiadíssimos" habitantes desse grãozinho de areia, possamos olhar para cima, contemplá-los e "achá-los bonitos". Se assim fosse, Deus ou Alá ou Jeová - ou que nome tenha essa força superior e criadora - seria o maior poluidor do universo, pois o desperdício é uma das graves formas de poluição. Será muito mais simples quando todos aceitarem e entenderem que, se e quando houver o tão propalado "fim do mundo", será apenas o fim do NOSSO mundo, do NOSSO grãozinho, e que o resto do universo vai continuar lá, em sua perpétua rota evolutiva, como se nada tivesse acontecido... Quando todos souberem e compreenderem que a Criação jamais se interrompeu, que ela é contínua e eterna, e que a cada "segundo" novos mundos são criados e outros tantos "destruídos"... ...Quando todos entenderem que a Bíblia foi reescrita nos castelos da Idade Média, atendendo aos vis interesses mundanos da Igreja Católica da época, e que outras versões do Livro dos Livros igualmente foram escritas ou reescritas ou adaptadas por seres humanos, atendendo aos seus mesquinhos interesses de riqueza, poder e domínio... E que a linguagem em que a Bíblia foi escrita destinava-se ao limitado entendimento das pessoas daquela época... ...Quando todos aceitarem o simples e lógico fato de que todas essas religiões e seitas foram criadas / fundadas por simples seres humanos e, portanto, TODAS são imperfeitas, TODAS carregam consigo as virtudes, a maldade, as imperfeições e os vícios do ser humano... ...Quando todos aceitarem que temos um destino muito mais grandioso do que simplesmente nascermos, vivermos um átimo nesse grãozinho de areia, morrermos e, depois, ou nos tornarmos eternos e improdutivos imbecis a escutar eternamente a enfadonha música de harpas e liras celestiais ou, então, nos tornarmos em "churrascos" eternos, a queimar eternamente no "inferno"... ...Quando todos aceitarem e entenderem que o "tempo" é apenas mais uma entre tantas outras formas de medição criadas pelo ser humano, e que ele não significa absolutamente nada para aquela força criadora superior... Quando todos compreenderem que o universo e tudo o que há nele está sujeito à Lei da Ação e Reação (Isaac Newton estava muito mais certo do que ele próprio imaginava ao formular essa Lei) e que, por isso mesmo, receberemos de volta a conseqüência de nossas ações, boas e más, aqui mesmo, devendo reparar nossos erros mais hoje, mais amanhã - ainda que esse amanhã seja só daqui a alguns séculos... ...Enfim, quando todos entenderem que, para estar em paz e harmonia consigo mesmos e com a força criadora superior basta fazer ao próximo aquilo que desejamos para nós próprios e que, para “orar”, para falar com essa força criadora, basta dirigir o pensamento até ela e com ela conversar, simplesmente, como um(a) filho(a) conversa com seu pai ou sua mãe - SEM IMAGENS, SEM RITUAIS, SEM ÍCONES, SEM OBJETOS “MÁGICOS” OU “SAGRADOS”, SEM INTERMEDIÁRIOS... ...Aí, sim - e embora os falsos profetas se recusem a aceitar esse fato inexorável e façam de tudo para evitá-lo - não serão mais necessárias religiões nem seitas, e o Ser Humano estará definitiva e eternamente livre da submissão insana e impensada a elas, libertar-se-á dos vendilhões do templo, do jugo econômico, da chantagem religiosa e do temor do castigo eterno que estes lhe impõem... Aí, sim, o Ser Humano estará pronto para abrir suas asas e voar em direção à sua origem, à força superior da qual emana, e, definitivamente, reconciliar-se com ela!