You are on page 1of 100

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE

DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

LUCRO REAL
(com preenchimento do Lalur)

Expositor: Alberto Gonçalves
contato@agmcontadores.com.br

24/11/2011

Conselho Regional de Contabilidade
do Estado do Rio de Janeiro

2
Lucro Real

LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA
A Lei nº. 11.638, publicada no Diário Oficial em 28.12.2007, posteriormente modificada
pela Medida Provisória nº. 449, de 3 de dezembro de 2008, convertida na Lei nº. 11.941
publicada no Diário Oficial de 27 de maio de 2009, alterou profundamente a parte contábil
da Lei das Sociedades por Ações (Lei nº. 6.404/76), permitindo a convergência das
normas contábeis adotadas no Brasil às normas internacionais.
(Lei nº. 6.404/76 – Lei nº.11.638/2007, art.1º)

1.O IMPACTO SOCIETÁRIO NA APURAÇÃO DO LUCRO REAL
AJUSTE A VALOR PRESENTE – AVP
Os elementos do Ativo (Com acréscimos financeiros embutidos) decorrentes de
operações de Longo Prazo serão ajustados a valor presente, sendo os demais (Curto
Prazo) ajustados quando houver efeito relevante.
(Lei nº. 6.404/76, art.183, inc.VIII – Lei nº.11.638/2007, art.1º)
Anotações
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________
Expositor: Alberto Gonçalves

Conselho Regional de Contabilidade
do Estado do Rio de Janeiro

3
Lucro Real

PROVISÃO PARA CONTINGÊNCIAS
No balanço, os elementos do passivo serão lançados de acordo com os seguintes
critérios:
I – as obrigações, encargos e riscos, conhecidos ou calculáveis, inclusive o IRPJ e CSLL
a pagar com base no resultado do exercício, serão computados pelo valor atualizado até
a data do balanço;
II – as obrigações em moeda estrangeira, com cláusula de paridade cambial, serão
convertidos em moeda nacional à taxa de câmbio em vigor na data balanço.
III – os obrigações, encargos e riscos classificados no passivo não circulante serão
ajustados ao seu valor presente, sendo os demais ajustados quando houver efeito
relevante.

Anotações
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________
Expositor: Alberto Gonçalves

por proposta dos órgãos de administradores. art.11. destinar para a reserva de incentivos fiscais a parcela do lucro líquido decorrente de doações ou subvenções governamentais para investimentos. (Lei nº.638/2007. que poderá ser excluída da base de cálculo do dividendo obrigatório.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 4 Lucro Real INCENTIVOS FISCAIS A assembléia geral poderá.195-A) Anotações ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

tais como vendas. Assim. deve ser lançada com receita diferida no passivo. Nota: As receitas e as despesas vinculadas à mesma transação são reconhecidas simultaneamente (confrontação). A questão principal é determinar quando reconhecer a receita. honorários. juros.187/09 e Delib. CVM n° 597/09 Anotações ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . dividendos e royalties. CPC 30 – Resol. Vendas de Bens – Para configurar receita é necessário que a empresa vendedora tenha transferido para o comprador os riscos e benefícios inerentes à propriedade dos bens.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 5 Lucro Real RECEITAS (Critérios de Contabilização) A receita surge no curso das atividades contínuas da empresa e é designada por uma variedades de nomes. despesa vinculada e que incorrerá pós-venda. porém já recebida com a venda. Prestação de Serviços – A receita deve ser reconhecida tomando por base a medição ou proporção do serviço prestado (serviço incorreto) até a data do balanço. CFC n° 1.

CPC 12 – Resol. CVM n° 564/08 Anotações ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . CFC n° 1.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 6 Lucro Real AVP (Definição e Identificação) O Ajuste a Valor Presente tem como objetivo efetuar o ajuste de ativo monetário (bem como de passivo monetário) para fazer constar no balanço o valor atual (valor corrente) de um fluxo de caixa futuro e isto se alcança por meio da descapitalização no valor correspondente aos juros explícitos ou implícitos inclusos no valor do direito a receber (ou da obrigação). Nota: A identificação do valor presente deve ser feita quando do lançamento inicial do direito (ou da obrigação).151/09 e Delib.

CPC 12 – Resol. é necessário efetuar os ajustes de forma restrospectiva (ajuste de exercícios anteriores no PL). CFC n° 1. Nota: Considerando que o AVP é uma mudança de prática contábil.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 7 Lucro Real AVP (Cálculo e Contabilização) O AVP deve ser realizado em base “pro-rata die” da taxa de desconto. As reversões dos AVP dos ativos monetários (a passivos monetários ) devem ser apropriadas como receitas ou despesas financeiras.151/09 e Delib. sendo seus efeitos apropriados nas contas a que vincular. a partir da origem de cada transação. CVM n° 564/08 Anotações ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

CFC n° 1. • Depreciação contábil – a taxa deve se pautar pela vida útil empresarial. considerando o uso do bem até o seu final. CPC 27 – Resol. • Vida útil empresarial – vida útil interna.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 8 Lucro Real DEPRECIAÇÃO 55 (Novo Cálculo) A depreciação do ativo se inicia quando este está disponível para uso.177/09 e Delib. • Vida útil econômica – vida útil total. considerando o uso do bem até a data definida pela empresa. enquanto ele estiver em condições reais de proporcionar benefício econômico. podendo o uso ser por prazo determinado ou indeterminado. CVM n° 583/09 Anotações ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . segundo sua gestão estratégica.

deverá a empresa imediatamente reconhecer provisão para perda por desvalorização. • Valor em uso – é o valor presente de fluxos de caixa futuros estimados.292/10 e Delib. e quando isso ocorrer.é o maior valor entre o seu valor em uso e o valor líquido estimado de venda. CPC 01 (R1) – Resol.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 9 Lucro Real IMPAIRMENT 56 (Nova Exigência) O impairment visa assegurar que os ativos não estajam registrados por um valor superior aquele passível de ser recuperado por uso ou por venda. CFC n° 1. • Valor líquido de venda – é o valor estimado a ser obtido pela venda de um ativo. • Valor recuperável do ativo . que devem resular do uso de um ativo. menos as despesas estimadas de venda. CVM n° 639/10 Anotações ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

5 – Efetuou recolhimentos mensais no regime de estimativa.1 .Auferiram benefícios fiscais com base no lucro da exploração. 1. 1.3 . 1. 9.14 da Lei nº. ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .246 do RIR/99 • art.4 .Receita total superior a R$ 48. IN 68/95 e 86/2001).0 EMPRESAS OBRIGADAS 1.000. deverá disponibilizar o arquivo eletrônico para o fisco e mantê-lo em boa guarda pelo prazo de cinco anos.000.718/98 Comentários ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ Nota: As empresas tributadas pelo lucro real. 1.000.6 .00 no ano calendário anterior.637/2002 • art.Empresas de factoring.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 10 Lucro Real LUCRO REAL 3.Auferiram lucros.9.2 .4o. da Lei nº. • art. (Lei 8383/91. rendimentos ou ganho de capitais oriundos do exterior.00 (dois milhões de reais) no ano anterior. 1. que apresentarem Patrimônio Líquido superior a R$ 2.000.Instituições financeiras.964/00 • IN 45/00 • art.46 da Lei 10.

TRIMESTRAL  O período de apuração encerra-se em: 4.2. (Lei nº 9. Comentários ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .430/96. As pessoas jurídicas tributadas pelo lucro real poderão determinar o lucro com base no balanço anual levantado em 31 de dezembro ou mediante levantamento de balanços ou balancetes intermediários mensais ou trimestrais em conformidade com a Lei nº.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 11 Lucro Real 4.1. 1º e 2º). 4.430/96. o lucro real das pessoas jurídicas deve ser apurado na data de encerramento do período de apuração. 9. arts. Data de Apuração (Trimestral e Anual): Para efeito da incidência do imposto sobre a renda. • 31 de março • 30 de junho • 30 de setembro e. LUCRO REAL – TRIMESTRAL OU ANUAL. • 31 de dezembro ANUAL  O período de apuração encerra-se em 31 de dezembro Conceito: É à base de cálculo do imposto sobre a renda apurada segundo registros contábeis e fiscais efetuados sistematicamente de acordo com as leis comerciais e fiscais.

Conselho Regional de Contabilidade
do Estado do Rio de Janeiro

12
Lucro Real

5.0 – FORMAS DE APURAÇÃO
Quando não obrigatório o enquadramento no Lucro Real, fica a critério da empresa, a
opção de adoção do regime de tributação que melhor lhe convier.

5.1.

- IRPJ TRIMESTRAL - nessa opção, é considerado o trimestre de forma isolada
como base para cálculo do imposto de renda, devendo ser observado o limite de
30% para compensação de prejuízos fiscais gerados no(s) trimestre(s) anterior(s).

Nota: O imposto de renda trimestral real é considerado definitivo, não cabendo, portanto
apurar diferença (a pagar ou a compensar) no ajuste anual.
(art.220 e 222 do RIR/99)

Sistemática de Apuração do Lucro Real
(+) Lucro líquido contábil antes do IRPJ
(+) Adições
(-) Exclusões
(=) Lucro Real do Período-Base
(-) Compensações de Prejuízos Fiscais (Limitada a 30% do Lucro Real apurado)
(=) Lucro Real (Se positivo)
(=) Prejuízo Fiscal (Se negativo)
(x) Alíquota (s) do IRPJ
(=) IRPJ devido
(-) IRRF sobre Serviços Prestados
(=) IRPJ a Pagar
Comentários
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
Expositor: Alberto Gonçalves

Conselho Regional de Contabilidade
do Estado do Rio de Janeiro

13
Lucro Real

5.2. - IRPJ ANUAL
Nessa opção, é considerado o número de meses de forma acumulada não cabendo
observar o limite de 30% para compensar prejuízos fiscais gerados no decorrer no ano
calendário.
(art.221 a 231 do RIR/99)

Exemplo:
Determinada empresa que apura o Lucro Real Anual apresenta os seguintes dados
relativos ao primeiro quadrimestre de X1.(em reais)
Prejuízos fiscais de períodos anteriores – 100.000,00
Janeiro - Lucro Real –
Fevereiro – (Acumulado) - Lucro Real –
Março – (Acumulado) Lucro Real –
Abril – (Acumulado) Prejuízo Fiscal –

80.000,00
100.000,00
60.000,00
5.000,00

Comentários
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
Expositor: Alberto Gonçalves

Conselho Regional de Contabilidade
do Estado do Rio de Janeiro

14
Lucro Real

6.0 - IRPJ MENSAL ESTIMADO
Nessa opção, é considerado o mês de forma independente para a obtenção e
recolhimento do imposto, sendo este(s) valor(s) considerado(s) antecipação (s) do devido.

Nota:
O IR mensal deverá/poderá ser pago sobre:
o lucro estimado mensal, ou
o lucro real mensal acumulado
(art.221 a 231 do RIR/99)

Nota: A opção da escolha da forma de pagamento será irretratável para todo o ano
calendário.

Data da opção:

IRPJ mensal estimado

28/02 - DARF e DCTF

IRPJ trimestral real

=> 30/04 (DARF e DCTF)

(art. 232 do RIR/99)

IR MENSAL ESTIMADO
Como apurar: 
Identificar a atividade operacional da empresa 
Aplicar o % específico sobre a atividade

________________________________________________________________________________
Expositor: Alberto Gonçalves

conforme a atividade geradora.6% 8% esteie previsto percentual específico. §§ 1º e 2º. cuja receita bruta anual não seja superior a R$ 16% 120. da IN SRF nº. 518 e 519. (arts. I. • Venda de mercadoria ou produto (exceto revenda de combustíveis) • Transporte de cargas • Serviços hospitalares • Atividade rural • Industrialização com materiais fornecidos pelo encomendante • Construção por empreitada com emprego de materiais próprios • Qualquer outra atividade (exceto prestação de serviços) para a qual não 1.00) • Instituições financeiras e as entidades a elas equiparadas • Serviços em geral. para os quais não esteja previsto o percentual específico. álcool etílico carburante e gás natural). apurada em cada trimestre. locação ou cessão de bens imóveis. inclusive os prestados por sociedades civis de profissão regulamentada 4 • Intermediação de negócios • Administração. do RIR/99) (arts. 3º. • Factoring • Construção para administração ou empreitada unicamente de mão de obra ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . sobre a receita bruta de vendas de mercadorias e/ou produtos e/ou de prestação. os percentuais constantes da tabela seguinte. parágrafo único. e 36.º ESPÉCIES DE ATIVIDADES GERADORAS DA RECEITA • 1 2 % Revenda para consumo de combustíveis (petróleo. móveis e direito de 32% qualquer natureza. • Serviços de transporte (exceto o de cargas) • Serviços (exceto hospitalares de transporte e de sociedade civil de 3 profissão regulamentada.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 15 Lucro Real DETERMINAÇÃO DO LUCRO PRESUMIDO O lucro presumido será determinado aplicando-se.000. 93/97) N.

8) Reversão de provisões.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 16 Lucro Real ADIÇÕES (+) Demais receitas (não operacionais). (+) Resultados positivos (não operacionais). (=) (Base de cálculo do imposto de renda estimado) (art. 7) Recuperação de despesas. 5) Lucros ou dividendos recebidos. 9) Receitas provenientes de atividade incentivada. parágrafo . 2) Descontos incondicionais constantes das notas fiscais. do RIR/99) Comentários ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .223 a 225 do RIR/99) Não se incluem na base de cálculo do imposto de renda apurado 1) Vendas canceladas e ou devolvidas. 4) ICMS substituição tributária. 3) Imposto sobre produtos industrializados. (art.único.224. 10) Juros sobre capital próprio auferido. 6) Resultado positivo da equivalência patrimonial. (+) Ganhos de capital.

balancetes trimestrais definitivos (isolados). para o lucro real acumulado relativo ao período janeiro a maio. estão sujeitas ao adicional de 10% sobre a parcela do lucro real trimestral que exceder a R$ 60. incidente sobre a totalidade do lucro real apurado.00 pelo número de meses envolvidos na apuração (ex.000. por terem optado pelo pagamento do IRPJ Mensal Estimado. de acordo com as seguintes normas. o adicional incidirá sobre a parcela que exceder a: R$ 20.0 – ALÍQUOTAS DO IRPJ A alíquota do IRJ é de 15% . fechando.aplicável tanto sobre o Lucro Real Trimestral .000.00.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 17 Lucro Real 7.as empresas que apuram o lucro real anualmente . (art.as empresas que apuram o lucro real trimestralmente. que ultrapassar a R$ 240. Anual ou com base na Estimativa.00. que ultrapassar o valor resultante da multiplicação de R$ 20. para efeitos fiscais.000.000. apurado com base em balanço ou balancete de suspensão ou redução. II .00 x 5 = R$ 100. Comentários ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .000. as empresas estão sujeitas ao adicional de 10%. (art. estão sujeitas ao adicional de 10% sobre a parcela: a) do lucro real anual.00). b) do lucro real do período em curso.501 do RIR/99) Alem do imposto de 15%.542 do RIR/99) I .

00 • = Base de cálculo do adicional federal • (x) Alíquota de 10% • = IRPJ adicional a pagar (art .430/1996) (-) IR Retido na Fonte por Demais Entidades da Administração Pública Federal (Lei nº 10.1.000. DEDUÇÕES DO IR MENSAL ESTIMADO (+) IR Estimado (+) IR Adicional (-) Operações de Caráter Cultural e Artístico (-) Programa de Alimentação ao Trabalhador(4%) (-) Desenvolvimento Tecnológico Industrial / Agropecuário (-) Atividade de Caráter Desportivo (-) Isenção de Empresas Estrangeiras de Transporte (-) Isenção e Redução do Imposto (-) Redução por Reinvestimento (-) Valor Remuneração da Prorrogação Licença-Maternidade (Lei nº. 11. IRPJ MENSAL • Base de cálculo do IR estimado (x) alíquota de 15% = IRPJ a pagar 7.833/2003) (-) Imposto Pago Incidente s/ Ganhos no Mercado de Renda Variável (-) Imposto de Renda Pago por Estimativa (-) Parcelamento Formalizado por IR sobre a Base de Cálculo Estimada ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .222 do RIR/99) 8. Autarquias e Fundações Federais (Lei nº 9. IRPJ ADICIONAL FEDERAL MENSAL • (+) Base de cálculo do IR estimado • (-) Parcela isenta R$ 20.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 18 Lucro Real Como calcular: 7.770/2008) (-) Imposto Pago no Exterior s/Lucros. Rendimentos e Ganhos de Capital (-) Imposto de Renda Retido na Fonte (-) IR Retido na Fonte por Órgãos.2.

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 19 Lucro Real 9. e no momento da apuração. 9. seja demonstrado em papel de trabalho e contabilizado a débito do passivo circulante. IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE SOBRE NOTAS FISCAIS DE SERVIÇOS PRESTADOS: Para um controle efetivo.0.1. recomenda-se que o valor do imposto de renda retido na fonte nos serviços prestados seja contabilizado em contas contábeis específicas no ativo circulante no momento da emissão da Nota Fiscal. (art. visto que poderão ocorrer divergências na retenção do imposto pelo órgão.409 do RIR/99) Comentários ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . O IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS PARA ÓRGÃOS PÚBLICOS GOVERNAMENTAIS O Imposto de Renda Retido na Fonte sobre serviços prestados para os órgãos públicos deverão ser apropriados pelo regime de caixa.

99 estabelecido pelo legislador como limite legal. inclusive com incidência dos encargos . Comentários ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO AO TRABALHADOR O total das despesas com Ticket Refeição ou Cesta Básica ou Cozinha Industrial terá sua dedutibilidade normal na empresa. sendo que o valor deverá ser transportado para a parte B do Lalur.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 20 Lucro Real 10. sua compensação poderá se dar até o final do exercício.Caso haja excesso ao limite. a mesma deverá estar inscrita no Programa de Alimentação ao Trabalhador de acordo com o DL. OBS. Como solução temporária deverá solicitar ao fornecedor das Cestas Básicas. sob pena de vir a ser tratada como salário indireto.No caso de a empresa fornecer Cesta Básica.9º) 2 . (IN-93/97. 05/91. onde será demonstrada a apropriação do percentual permitido e observado o valor de R$ 1. 1 . o valor individual de cada uma na Nota Fiscal. art.

CONTRIBUIÇÃO SOCIAL MENSAL ESTIMADA (+) Receita Bruta Mensal da Atividade Empresarial (x) Percentual de 12% ou 32% (=) Subtotal (+) Ganhos de Capital (+) Rendimentos de Aplicações Financeiras (Renda Fixa ou Variável) (+) Demais Receitas não Operacionais (+) Resultados Positivos (Não Operacionais) (=) Base de Cálculo da Contribuição Social Estimada (x) Alíquota de 9% (-) Contribuição Social Retida na Fonte na prestação de serviços (*) (=) Contribuição Social Mensal Estimada a Pagar (art.30 da Lei no.2113-26/00 e MP 22/02) Comentários ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 21 Lucro Real 11.9430/96 e Art.6º da MP.

CONTRIBUIÇÃO SOCIAL RETIDA NA FONTE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS (-) CSLL Retida na Fonte por Órgãos. Autarquias e Fundações dos Estados.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 22 Lucro Real 12. Autarquias e Fundações Federais (Lei nº 9. 34) (-) CSLL Retida na Fonte por Pessoas Jurídicas de Direito Privado (Lei n° 10.833/2003. 64) (-) CSLL Retida na Fonte pelas Demais Entidades da Administração Pública Federal (Lei n° 10.833/2003. art.430/1996. Distrito Federal e Municípios (Lei n° 10. 33) Anotações ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . art. 30) (-) CSLL Retida na Fonte por Órgãos. art. art.833/2003.

ISS incidente (Incluído na Nota Fiscal) R$ 35.00 Notas: 1) .00 07 .00 14 – Rendimentos Brutos de Aplicações Financeiras de Renda Fixa R$ 24.IPI incidente (Incluído na Nota Fiscal) R$ 500.000.000.Receita c/ Vendas de Produtos de Fabricação Própria R$ 5.Variável R$ 3. Indústria e Prestação de Serviços.Retenções na Fonte ( 6.ICMS incidente R$ 950.000.500.00 10 .000.ICMS Substituição Tributária (Incluído na Nota Fiscal) 04 . ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .000 refeições aos empregados no valor total de R$ 20.00 R$ 700.500.000.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 23 Lucro Real Caso prático.00 09 .Descontos obtidos no pagamento a fornecedores R$ 1. por meio do PAT.000.000.00 13 . 2) – O objeto social da empresa conforme seu contrato social prevê atividades de Comércio.15% do item 8) R$ 43.000.050. descontando dos empregados R$ 4.00).000.Receita de Intermediação de Negócios ( a vista e ISS incluído) 12 .000.Ganho na venda de bens do Ativo Permanente R$ 10.00 (gasto assumido pela empresa: R$ 16.A empresa forneceu 5.00 (Incluído na Nota Fiscal) 03 .000.000.Vendas devolvidas R$ 300.Receitas de alugueis de imóveis próprios R$ 20. Apurar o IRPJ e CSLL com base na Receita Bruta e Acréscimos (ESTIMATIVA) para o mês de janeiro de X1 a partir dos dados a seguir: 01 .050.00 06 .ICMS incidente R$ 190.00 (Incluído na Nota Fiscal) 08 .00 R$ 50.00 05 .00.000.Receita c/ Revenda de Mercadorias R$ 1.00 15 – Rendimentos Líquidos de Aplicações Financeiras de R.00 02 .000.000.00 11 .000.

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 24 Lucro Real Anotações ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

230 do RIR/99 e arts.2º da Lei no.9. BALANÇOS OU BALANCETES DE REDUÇÃO OU SUSPENSÃO (BALANCETES MENSAIS INTERMEDIÁRIOS) Para suspensão ou redução do Imposto de Renda e Contribuição Social recolhidos com base na estimativa.430/96) 13. deverá ser providenciado balancete mensal intermediário (acumulado no período em curso) (art. 10 a 13 da IN 93/97) ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 25 Lucro Real PRAZO PARA RECOLHIMENTO DO IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL MENSAL ESTIMADA Ultimo dia útil do mês subseqüente. (art.

000 Despesas com alimentação no período – R$ 32.000. Imobilizado - R$ 2.00 CSLL retida na fonte sobre serviços prestados – R$ 14.00 ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .000.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 26 Lucro Real Caso prático: Apurar e contabilizar o IRPJ e CSLL através de Balanço/balancete acumulado até fevereiro X1 considerando os recolhimentos por estimativa no caso prático anterior conforme a seguir: Resultado contábil - R$ 650.000.000.00 Refeições servidas no período – 10.00 Despesas indedutíveis - R$ 35.000.00 IRRF sobre serviços prestados – R$ 21.00 Variação cambial ativa(competência) - R$ 13.00 Prejuízos fiscais de períodos anteriores – R$ 600.00 Imóvel recebido em doação de órgão público Ativo.000.00 Resultado positivo de equivalência patrimonial - R$ 2.000.000.000.

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 27 Lucro Real ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

Conselho Regional de Contabilidade
do Estado do Rio de Janeiro

28
Lucro Real

13.1 - AJUSTE ANUAL
As empresas que recolheram IRPJ e CSSL mensal estimado ao longo do período,
inclusive no mês de dezembro, deverão apurar no balanço de encerramento do exercício
em 31/12/ o Lucro Real Anual e escrituração do Lalur.
(art.221 do RIR/99)

APURAÇÃO DO IRPJ FINAL A PAGAR OU A COMPENSAR.
Resultado Contábil
(+) Adições
(-) Exclusões
(=) Lucro Real Anual
(-) Compensações com prejuízos fiscais anteriores
(+) 15% do Lucro Real Anual
(+) 10% do Adicional Federal
(=) IRPJ Anual a Pagar
(-) IRPJ mensal recolhido por estimativa
(-) IRRF s/Notas Fiscais de Serviços
(-) IRRF s/Aplicações de Renda Fixa
(-) IRPJ pago nas Aplicações de Renda Variável
(-) IRRF s/Juros Remuneratórios sobre Capital Próprio Recebidos
(-) IRPJ s/ negócios com órgãos governamentais
(-) Incentivos Fiscais Permitidos
(=) IRPJ final a pagar ou a Compensar
(art.221 do RIR/99)

Nota:
Caso a empresa tenha saldo de IRPJ a Compensar relativo a exercício (s) anterior(s), a
mesma deverá transferir os valores para a conta de SALDO NEGATIVO DE IRPJ no Ativo
Circulante e aplicar a taxa SELIC para a atualização dos valores, já as antecipações
efetuadas ao longo do exercício, deverão ser compensadas pelo valor original.

________________________________________________________________________________
Expositor: Alberto Gonçalves

Conselho Regional de Contabilidade
do Estado do Rio de Janeiro

29
Lucro Real

13.2 - PRAZO PARA RECOLHIMENTO DO IRPJ A PAGAR APURADO NO AJUSTE
ANUAL
Se for apurado IRPJ final a pagar, deverá ser recolhido o saldo em quota única até o
último dia útil do mês de março do ano subseqüente, acrescidos dos juros SELIC.

Nota: 1
A empresa apenas apresentará saldo a pagar em março do ano subseqüente, se o IRPJ
estimado em dezembro do ano anterior tiver sido recolhido com base na receita bruta
(Estimativa) e se apresentado insuficiente para cobrir o IRPJ devido pelo ajuste anual
(Lucro Real)

Nota: 2
Com o objetivo de evitar o recolhimento com os juros selic no mês de março do ano
subseqüente, recomenda-se a adoção de apuração do Lucro Real Mensal, mesmo que a
empresa opte pelo recolhimento por estimativa.

13.3 - IRPJ FINAL A COMPENSAR
Se for apurado IRPJ final a compensar, este valor poderá ser compensado com o IRPJ a
ser pago a partir do mês de fevereiro (competência janeiro) do ano subseqüente
acrescido da Taxa de Juros Selic.
(art.73 da Lei no.9.532/97 e AD SRF 03/00)

13.4 - APURAÇÃO DO LUCRO REAL ANUAL
(+) Lucro líquido contábil antes do IRPJ
(+) Adições exigidas
(-) Exclusões permitidas
(=) Lucro real
(-) Compensação de prejuízos não operacionais
(-) Compensação de prejuízos fiscais (limitados a 30% do lucro real atual)
(=) Lucro real final
(art.275 e 509 a 511 do RIR/99)

________________________________________________________________________________
Expositor: Alberto Gonçalves

Conselho Regional de Contabilidade
do Estado do Rio de Janeiro

30
Lucro Real

14. - PREJUÍZOS NÃO OPERACIONAIS
Os prejuízos não operacionais, somente poderão ser compensados com lucros da mesma
natureza.
Devem ser considerados prejuízos ou lucros não operacionais apenas os resultados
decorrentes de alienação de bens ou direitos do ativo permanente.
(art.31 da Lei nº. 9.249/95)
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________
Expositor: Alberto Gonçalves

(art.1 .409. 4. Contratos de fornecimento a entidades governamentais.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 31 Lucro Real 15. Atividade Imobiliária. Anotações ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . 413 e 421 do RIR/99 e art.REGIME DE CAIXA (Exceções Aplicáveis) 1.2113-26/00) Nota (*) O regime adotado (competência ou caixa deverá ser adotado durante todo o ano calendário). 58/77) 15.251 do RIR/99 e PN no. as receitas são computadas em função do momento em que nasce o direito de recebê-las e as despesas no momento em que nasce a obrigação de pagá-las.(*) (art. 2.30 do MP no. 3. Variação Cambial. .REGIME DE COMPETÊNCIA (Aplicável ao Lucro Real) Como regra na apuração do Lucro Real. Venda a prazo de permanente.

(art. Salário 3. Provisões técnicas (Seguradoras) (art.N. Provisão para 13º. 4. Provisões para Férias 2.310 do RIR/99 e I.335 a 343 do RIR/99) DEPRECIAÇÃO A depreciação deve ser calculada com base na taxa anual prevista na relação de bens publicada pela Receita Federal. Provisão para devedores duvidosos (Com base nas perdas efetivas). – DESPESAS NÃO DEDUTÍVEIS 17.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 32 Lucro Real 16.162/98 e 130/99) Anotações ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . nº. – RECEITAS NÃO TRIBUTÁVEIS VER LEGISLAÇÃO (ÚNICAS PROVISÕES DEDUTÍVEIS PARA IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAIS) 1.

2) . 88 da Lei no.9.JUROS REMUNERATÓRIOS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO PARA APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL. da Lei no. Para a apuração da base de cálculo da Contribuição Social. O rendimento está sujeito à tributação de 15% na fonte.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 33 Lucro Real 18.REMUNERAÇÃO DE DIRIGENTES 18.JUROS REMUNERATÓRIOS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO PARA APURAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA. é dedutível o pagamento ou crédito de rendimentos aos sócios ou acionistas.807/99) Anotações ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . (art. sendo esta tributação considerada como definitiva.1.9o.13 de MP no. no momento do crédito ou pagamento. limitado o rendimento ‘a variação da Taxa de juros de longo prazo (TJLP).430/96 e Art.Até o ano base 1996 o mesmo não era dedutível. .249/95 Art.9.2 .1. a título de Juros sobre o Capital Próprio.1 . 347 do RIR/99) 18.A partir do ano base 1997 é dedutível (art. Para a apuração do Lucro Real. vale ressaltar que: 1) .

(art. é integralmente dedutível. exceto quando o pagamento destinar-se a diretor que não resida no País.357 do RIR/99) Anotações ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . em qualquer circunstância. mesmo que a empresa apresente prejuízo no período.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 34 Lucro Real 18.RETIRADA PRÓ-LABORE A retirada pró-labore.2 .

DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS Os lucros constantes em balanço levantado a partir de 01.654 do RIR/99) Anotações ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . pessoas físicas ou jurídicas.01.3 . poderão ser distribuídos com isenção do imposto de renda retido na fonte. domiciliadas no País ou não.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 35 Lucro Real 18. (art.1996. aos sócios ou acionistas.

de 22 de dezembro de 2009) Fica instituído o Livro Eletrônico de Escrituração e apuração do Imposto de Renda sobre a Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido da Pessoa Jurídica Tributada pelo Lucro Real (e-Lalur).2º) O que deve ser informado Todas as operações que influenciem. referente à apuração do Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). imediata ou futuramente.ao detalhamento dos ajustes do lucro líquido na apuração do Lucro Real.à associação das contas do plano de contas contábil com plano de contas referencial. será obrigatória para as pessoas jurídicas sujeitas à apuração do Imposto sobre a Renda pelo Regime do Lucro Real. constar da escrituração comercial.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 36 Lucro Real 19 – LIVRO ELETRÔNICO DE ESCRITURAÇÃO E APURAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA SOBRE A RENDA E DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO (e – Lalur). a composição da base de cálculo e o valor devido dos tributos referidos no art. VI .1º) Pessoas Jurídicas obrigadas A escrituração e entrega do e-Lalur. especialmente quanto: (art. V . IV .ao detalhamento dos ajustes da base de cálculo da CSLL. quando não devam. inclusive prejuízo fiscal e base de cálculo negativa da CSLL. 2º. ou sejam diferentes dos lançamentos dessa escrituração.aos lançamentos constantes da Entrada de Dados para o Controle Fiscal Contábil de Transição (FCont). definido em ato específico da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB). 7º a 9º da Instrução ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . (art. (art. lançamentos e ajustes que forem necessários para a observância de preceitos da lei tributária relativos à determinação do lucro real e da base de cálculo da CSLL. III . de que tratam os arts. direta ou indiretamente.aos registros. adicionar ou compensar em exercícios subsequentes. II . por sua natureza exclusivamente fiscal.989.aos registros de controle de todos os valores a excluir.3º) I . (Instrução Normativa nº.

4º) Excepcionalmente. nos casos dos eventos mencionados no parágrafo § 1º. nos casos de: I – cisão total ou parcial. no caso da procuração a que se refere o inciso VI do art. de 12 de dezembro de 2005. O e-Lalur deverá ser apresentado pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica.do contribuinte.do contabilista responsável pela escrituração do e-Lalur.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 37 Lucro Real Normativa RFB nº 949. III – incorporação. de 16 de junho de 2009. no endereço eletrônico <www. cinquenta e nove minutos e cinquenta e nove segundos). e a Instrução Normativa RFB nº 967.fazenda.br>. 4º) Situações Especiais. até as 23h59min59s (vinte e três horas. (§ 2º. O e-Lalur deverá ser entregue até o último dia útil do mês subseqüente ao da ocorrência do evento. e IV . art. ou IV – extinção.gov. por intermédio de aplicativo a ser disponibilizado pela RFB na Internet.4º) Forma de Transmissão O arquivo eletrônico contendo os registros do e-Lalur será assinado digitalmente pelo contribuinte com Certificado Digital emitido por Autoridade Certificadora credenciada pela Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileiras (ICP-Brasil).6º) ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . do último dia útil do mês de junho do ano subsequente ao ano-calendário de referência. ocorridos entre 1º de janeiro de 2010 e 31 de abril de 2011. o e-Lalur poderá ser entregue no prazo previsto no caput. (art.do representante legal do contribuinte. art. de 15 de outubro de 2009.receita. 2º da Instrução Normativa SRF nº 580.do procurador. ou III . mediante utilização de certificado digital: I . ou II . Prazo para apresentação. horário oficial de Brasília. (§ 1º. II – fusão. (art.

de 15 de outubro de 2009. encargos. móveis ou imóveis. 8º As pessoas jurídicas que apresentarem o e-Lalur ficam dispensadas. taxas. 4º sujeitar-se-á à multa de R$ 5. e pela Instrução Normativa RFB nº 975. reparo. manutenção. impostos. participações e quaisquer outros valores deduzidos na apuração do lucro líquido que. seguros. despesas. contraprestações de arrendamento mercantil e aluguel de bens. LEGISLAÇÃO ADIÇÕES Na determinação do lucro real serão adicionados ao lucro líquido do período-base (art. 249 do RIR/99): Os custos. perdas.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 38 Lucro Real Penalidades pela não apresentação A pessoa jurídica abrangida pelo disposto no art. em relação aos fatos ocorridos a partir de 1º de janeiro de 2010.000.00 (cinco mil reais) por mês-calendário ou fração. 2º que deixar de apresentar o e-Lalur no prazo estabelecido no art. conservação. tais como: As despesas de depreciação. provisões. da escrituração do Livro de Apuração do Lucro Real no modelo e normas estabelecidos pela Instrução Normativa SRF nº 28. não sejam dedutíveis na determinação do lucro real. com a redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 970 de 23 de outubro de 2009. amortização. não relacionados intrinsecamente (*) com a produção ou comercialização dos bens e serviços A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido O resultado negativo de avaliação de investimentos pela equivalência patrimonial ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . de 7 de dezembro de 2009. de acordo com a legislação do Imposto de Renda. de 13 de junho de 1978.7º) Art. (art. e da utilização do Programa Validador e Assinador da Entrada de Dados para o FCont de que trata a Instrução Normativa RFB nº 967.

429 do RIR/99) As doações.381/91. projetos que dão direito a deduzir incentivo fiscal (diretamente do imposto devido) de valor até 40% das doações. • Instituições de ensino e pesquisa sem finalidade lucrativa ou de entidades civis sem fins lucrativos que prestem serviços gratuitos em benefício de empregados da pessoa jurídica doadora e seus dependentes ou da comunidade em que atuem desde que observados os limites e demais condições. (art.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 39 Lucro Real A amortização de ágio pago na aquisição de participações societárias sujeitas a equivalência patrimonial. As multas por infrações fiscais. ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . (art. cujo valor deve ser registrado na parte B do LALUR para ser computado no lucro real do período base em que ocorrer a alienação ou liquidação de investimento. com exceção das seguintes: • Para férias e 13º salário de empregados. • Para reservas técnicas das companhias de seguro e de capitalização.475 do RIR/99).391 do RIR/99) Qualquer provisão.25 e 26 da Lei no. exceto as efetuadas em favor de: • Projetos de natureza cultural aprovados pela Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) com base nos arts.13 da Lei 9. cuja constituição é exigida pela legislação especial a elas aplicável. (art.8. ou seja. bem como as entidades de previdência privada. O prejuízo na alienação ou baixa de investimentos adquiridos mediante incentivo fiscal de dedução do Imposto de Renda. (art. salvo as de natureza compensatória (multa de mora) e as impostas por infrações de não resultem falta ou insuficiência de pagamento de tributo ou contribuição.249/95).

24 a 28 da IN SRF 93/97.18 a 24 da Lei 9. serviços e direitos adquiridos no exterior. (art.249/95 e arts. Os juros remuneratórios sobre o capital próprio que excederem aos limites de dedutibilidade ou houverem sido contabilizados sem observância das condições constantes no art. da Lei nº 9.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 40 Lucro Real As despesas com brindes. vinculadas ao referido plano. cujo ônus seja da pessoa jurídica.430/96 IN SRF 38/97). As perdas decorrentes de créditos não liquidados que houverem sido computados no resultado sem observância dos limites constantes dos artigos 9º ao 14º da Lei 9.249/95) A parcela do custo de bens. e arts. (art.13 da Lei 9. ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . em virtude de: a) Depósito de seu montante integral b) Reclamações ou recursos em processo administrativo c) Concessão de medida liminar em mandato de segurança.532/97). que exceder ao limite de vinte por cento (20%) do total dos salários dos empregados e da remuneração dos dirigentes da empresa.430/96.11 parag. da Lei nº.430/96). Os tributos e as contribuições cuja exigibilidade esteja suspensa. 9. 9º. que exceder o valor apurado mediante a aplicação de um dos métodos. (art.78 e 88 da Lei 9. de pessoas vinculadas ou domiciliadas em países com tributação favorecida "paraísos fiscais”. O resultado negativo apurado em sociedade em conta de participação A parcela da soma das despesas com contribuições para entidades de previdência privada e com contribuição para o Fundo de Aposentadoria Programada Individual (FAPI).2o e 3o.

art. de 1991.383. § 3º Os dispêndios de que trata este artigo terão o seguinte tratamento tributário na pessoa jurídica: I . poderão ser dedutíveis na apuração do lucro real. 74): (art. 304). 675. observado o disposto no art. bem como o imposto de Renda na fonte incidente sobre essa remuneração. e Lei nº 8. § 3º). § 1º O rendimento será considerado líquido. art. implicará a tributação exclusiva na fonte dos respectivos valores. 74. de 1991.981.981. b) as participações no lucro atribuídas a dirigentes ou administradores. § 1º). 61. (*) Integrarão a remuneração dos beneficiários (Lei nº 8. e Lei nº 8. § 2º. Art. 622 e a sua não incorporação ao salário dos beneficiários. art. A remuneração indireta de sócios.981. art. dos quais podemos citar: a) as despesas com alimentação de sócios. II . § 2º). 622 (Lei nº 8. art. observado o disposto no art.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 41 Lucro Real Outros valores debitados ao resultado e não dedutíveis para efeitos do lucro real. à alíquota de trinta e cinco por cento (Lei nº 8. exclusivamente na fonte. art. A falta de identificação do beneficiário das despesas e vantagens a que se refere o art. § 2º Considera-se vencido o imposto no dia do pagamento da referida importância (Lei nº 8. inclusive o imposto incidente na fonte de que trata o parágrafo anterior. cabendo o reajustamento do respectivo rendimento bruto sobre o qual recairá o imposto (Lei nº 8. 358 do RIR/99) § 1º A empresa identificará os beneficiários das despesas e adicionará aos respectivos salários os valores a elas correspondentes. ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . de 1995. acionistas e administradores. de 1995.quando pagos a beneficiários identificados e individualizados. § 1º). 74. de 1995. de 1991. de 1995. § 1º). 61. 61. dirigentes ou administradores (fringe beneficits). 675 (Lei nº 8. art. § 2º. art.quando pagos a beneficiários não identificados ou beneficiários identificados e não individualizados (art. 74.383. § 2º A inobservância do disposto neste artigo implicará a tributação dos respectivos valores.383. 61. quando não identificados os beneficiários (*).981. são indedutíveis na apuração do lucro real. de 1991.383.

e Lei nº 8.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 42 Lucro Real Reajustamento do Rendimento Art.35] RR = R$ 10. § 2º).00: [1.000.62 X 35% = R$ 5. será considerada líquida.62 Cálculo do valor do IR Fonte a ser descontado e do valor a pagar líquido do IR Fonte.675 do RIR/99) ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . ressalvadas as hipóteses a que se referem os arts.00 (Valor líquido a pagar ao beneficiário) Responsável pelo recolhimento A responsabilidade pelo recolhimento será da fonte pagadora.0. Quando a fonte pagadora assumir o ônus do imposto devido pelo beneficiário. (art.65 RR = R$ 15. a importância paga.717 do RIR/99) Prazo do recolhimento O imposto deverá ser pago na data do pagamento da remuneração (§ 2º do art. de 1962.Reajustamento do rendimento de acordo com o art. cabendo o reajustamento do respectivo rendimento bruto.981. art. de 1995.00: [1 – (35/100) ] RR = R$ 10.62 (IR Fonte a Recolher) R$ 15.154.000.384.00: 0. 725. remetida ou entregue.384. RR = R$ 10. (art.717 do RIR/99) Cálculo do Imposto de Renda na Fonte Recolher Considerando que a remuneração é de R$ 10. creditada.384. art. 63.62 – R$ 5.000.000. R$ 15. correspondente à base de cálculo T = alíquota aplicável RR = rendimento reajustado Logo. 725 do RIR/99 RR = RP:[ 1 – (T/100)] Onde: RP = rendimento pago.000. 677 e 703.384.384.00 . parágrafo único (Lei nº 4. Fato Gerador do Imposto de Renda na Fonte O imposto deverá ser descontado no ato do pagamento da remuneração. empregada.62 = R$ 10. 5º. sobre o qual recairá o imposto.

ou baixa por perecimento dos reavaliados. (art. relativos a empréstimos contraídos. não são computáveis no lucro real tais como: ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 43 Lucro Real Os juros pagos ou creditados a empresas controladas ou coligadas domiciliadas no exterior. (art. exaustão. amortização. alienação.1.8. EXCLUSÕES Na determinação do lucro real poderão ser excluídos do lucro líquido: I .589/97 e direito a deduzir incentivo fiscal (diretamente do imposto devido) de até 100% do valor das doações. A parcela do ganho de capital auferido na alienação de bens do ativo permanente.resultados.435 do RIR/94).532/97). (art.18 da Lei no. rendimentos.3o da Lei 9. cuja tributação foi diferida proporcional à parcela do preço da alienação recebida no período base.313/91. que tenham sido alienadas ou liquidadas no período base. de acordo com a legislação do Imposto de Renda vigente. com base no art. ainda que no balanço da controlada ou coligada conste à existência de lucros não disponibilizados para a controladora ou coligada no Brasil (art. receitas e quaisquer outros valores computados a crédito da conta de resultado e que. relativo à amortização de deságio obtido na aquisição de participações societárias permanentes. 391 do RIR/99). com a redação dada pela MP no. O valor excluído do lucro líquido e registrado na parte B do LALUR em período base anterior.1o parag. avaliadas pela equivalência patrimonial.421do RIR/99). O valor da reserva de reavaliação que for realizado no período base em virtude de sua capitalização (exceto no caso de reavaliação de imóveis e de patentes ou direitos de exploração de patentes decorrentes de pesquisa ou tecnologia desenvolvida no País) ou mediante depreciação. O valor das doações feitas a favor de projetos culturais aprovados pela Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC).

Os encargos financeiros incidentes sobre créditos vencidos e não recebidos. da Lei nº. por terem excedido aos ganhos auferidos em operações da mesma natureza. até o limite da diferença positiva entre ganhos e perdas decorrentes de operações no mesmo mercado. mas ainda não recebida. de participações societárias em sociedades coligadas. decorrentes de contratos celebrados com pessoa jurídica de direito público ou empresa sob seu controle. ou controladas. arts. a preço predeterminado. cujo valor deve ser registrado em conta de controle na parte B do LALUR para ser computado no lucro real do período base em que ocorrer a alienação ou baixa do investimento. auferidos após decorridos dois meses do vencimento do crédito. computados no resultado do período base.430/96.391 do RIR/99) Os lucros ou dividendos recebidos de participações societárias avaliadas pelo custo de aquisição. 9º. A parcela do lucro correspondente à receita apropriada no resultado.9. (art. ao 14º. sociedade de economia mista ou sua subsidiária. empresa pública. nos casos de empreiteira ou fornecimento.409 do RIR/99) O resultado positivo correspondente às operações realizadas pelas sociedades cooperativas com seus associados As perdas em operações de renda variável que tenham sido adicionadas ao lucro líquido do período base anterior. (art.389 do RIR/99) A amortização do deságio obtido na aquisição de participações societárias sujeitas à avaliação pela equivalência patrimonial.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 44 Lucro Real Os rendimentos positivos da avaliação pela equivalência patrimonial.(arts. (art. 24 e 28 da IN SRF 93/97) ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

O FCONT deverá (obrigatoriamente) ser escriturado pelas Pessoas Jurídicas enquadradas ou optantes pelo Lucro Real não podendo. que considera os métodos e critérios contábeis aplicados pela legislação tributária.638/2007 e pelos artigos 37 e 38 da Lei nº. ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .00 (cinco mil reais) por mês calendário. a Receita Federal do Brasil institui o FCONT – Controle Fiscal contábil de Transição.941/2009. em partidas dobradas. O objetivo do FCONT conforme definido pela RFB é a escrituração da contas patrimoniais e de resultado. No decorrer do curso. ressaltando que a não transmissão acarretará em multa de R$ 5. vir a ser substituído por qualquer outro controle ou memória de cálculo.000. 11. em consonância com as alterações promovidas pela Lei nº 11. serão discutidos alguns aspectos relacionados às orientações ditadas pelo Conselho Federal de Contabilidade através do CPC – Comitê de Pronunciamentos Contábeis que obrigarão a entidade escriturar o FCONT conforme norma legal editada pela RFB. portanto.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 45 Lucro Real APRESENTAÇÃO FCONT – (Controle Fiscal Contábil de Transição) e-LALUR Eletrônico Através da Instrução Normativa nº 949 de 16/06/2009.

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 46 Lucro Real ESCRITURAÇÃO DO LALUR OBJETIVO: Orientar os participantes de forma clara. 3. CARGA HORÁRIA : 12 HORAS EXPOSITOR: Alberto Gonçalves ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .Obrigatoriedade de Escrituração. Falta da Escrituração. Escrituração. 4. Casos práticos: 1. Época da Escrituração. Características. A QUEM SE DESTINA: Contadores. Técnicos. Prejuízos não Operacionais apurados a partir de 1º. Restrição à compensação no Lucro Real. quanto aos procedimentos necessários para a Escrituração do LALUR (Livro de Apuração do Lucro Real) visando desta forma o atendimento as normas determinadas pela Receita Federal do Brasil através da Secretaria da Receita Federal no tocante a Apuração e Escrituração do Lucro Real. Adições ao Lucro Líquido. Conceito de Lucro de Real. Revisão. Adições e Exclusões de valores gerados até 31/12/1995. tanto teórica quanto prática. Demonstração do Lucro Real. PROGRAMA: Finalidade . retificação e controles necessários no preenchimento da DIPJ. Compensação de Prejuízos Fiscais / Limite máximo de compensação em cada período de apuração. Classificação das despesas não dedutíveis. Parte B . Analistas. Dispensa de Autenticação. Assistentes e Estudantes.Valores a Controlar.1996. Exclusões do Lucro Líquido. 2. Efeitos contábeis fiscais após a retificação. Apuração mensal do Lucro Real concomitante com o recolhimento por estimativa (Balanço de Suspensão ou Redução) visando economia de mensal ou desembolso não previsto no final do exercício.01. O trabalho abordará tanto os conhecimentos contábeis necessários à escrituração como as implicações fiscais que afetam a contabilidade atual.

Funcionamento Página 8 .Época da escrituração Páginas 18 .Obrigatoriedade da escrituração Páginas 17 . Multa pelo Atraso ou Falta da entrega Módulo II – Escrituração do Lalur Página 11 .Finalidade Páginas 12 .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 47 Lucro Real Sumário Módulo I FCONT – Controle Fiscal Contábil de Transição Página 5 .Caso Prático ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .Obrigatoriedade Página 9 .Conceito Página 7 .Programa de Alimentação ao Trabalhador Páginas 15 .Características Página 21 .Forma de escrituração Página 13 .Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Páginas 16 .Compensação de Prejuízos Fiscais e Falta da Escrituração Página 23 .Prazo de entrega Página 10 – Contabilização.Conceito de Lucro Real Página 22 .Balanços / Balancetes de redução e ou exclusão Página 19 .

2007. temos: ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . 191 da Lei nº 6. das contas patrimoniais e de resultado. em partidas dobradas. b) não efetuados na escrituração comercial. de 15 de dezembro de 1976. e pelos arts.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 48 Lucro Real CONCEITO Conforme disciplina a Instrução Normativa RFB nº 949/09.12.12. no Programa Validador e Assinador da entrada de dados do FCont devem ser informados os lançamentos que: a) efetuados na escrituração comercial. que modifiquem o critério de reconhecimento de receitas. os lançamentos que existem na escrituração comercial. Ou seja.638.2007. que considera os métodos e critérios contábeis vigentes em 31. Graficamente. para apuração do lucro líquido do exercício definido no art. 37 e 38 da Lei nº 11. mas que devam ser incluídos para fins de apuração do resultado com base na legislação vigente em 31.12. de 2009. de 28 de dezembro de 2007. mas que devem ser expurgados para remover os reflexos das alterações introduzidas pela Lei nº 11.404.941. Em termos práticos. O FCONT é uma escrituração.2007. não devam ser considerados para fins de apuração do resultado com base na legislação vigente em 31. custos e despesas computadas na escrituração contábil.

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 49 Lucro Real Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

• Comandar a transmissão do arquivo ao Sped. Em relação a estes mesmos lançamentos contábeis.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 50 Lucro Real FUNCIONAMENTO A empresa deverá apresentar os lançamentos da contabilidade societária que foram efetuados utilizando os novos critérios introduzidos pela Lei 11. O programa gerador de escrituração possibilitará: • Criar ou importar o arquivo com o leiaute do FCONT definido em legislação. As diferenças apuradas entre as duas metodologias comporão ajuste específico a ser efetuado no Livro de Apuração do Lucro Real (LALUR). Esta escrituração deverá ser criada a partir de programa de programa gerador a ser disponibilizado pela RFB. Este arquivo constituirá parte da entrada de dados da escrituração de controle fiscal contábil de transição .638/07 e pelos artigos 37 e 38 da Lei 11.941/09. a empresa apresentará arquivo digital em leiaute semelhante da Escrituração Contábil Digital. A outra parte é a própria escrituração comercial da empresa. • Comentários: __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . Para estas operações. • Assinar do arquivo gerado por certificado digital. a empresa deverá efetuar os lançamentos utilizando os métodos e critérios contábeis aplicáveis à legislação tributária. • Validar do conteúdo da escrituração e indicar dos erros e advertências. • Editar via digitação os registros criados ou importados.FCONT. • Geração do arquivo FCONT para assinatura e transmissão ao Sped.

não será exigida da Pessoa Jurídica dispensada. nos termos do § 4º do art. cumulativamente: + apurem a base de cálculo do IRPJ pelo lucro real + optado pelo Regime Tributário de Transição (IN RFB 949/09) + existam lançamentos com base em critérios diferentes entre a legislação societária e fiscal Atenção: as pessoas jurídicas que não atenderem a pelo menos uma das condições acima NÃO ESTÃO ORIGADAS À APRESENTAÇÃO DO FCONT. Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . a que se refere o art. 8º da Instrução Normativa RFB nº 949. Assim. 5º A apresentação dos dados. 1º.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 51 Lucro Real OBRIGATORIEDADE Conforme a IN RFB 967/09 (Com a redação dada pela IN RFB 970/09): Art. estão obrigadas à apresentação do FCont as pessoas jurídicas que. de 16 de junho de 2009.da elaboração do FCONT por inexistência de lançamento com base em métodos e critérios diferentes daqueles aplicáveis para fins tributários. O fato da pessoa jurídica não ter entregue a ECD (Escrituração Contábil Digital) é irrelevante determinação da obrigatoriedade.

no endereço <http://www.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 52 Lucro Real PRAZO DE ENTREGA Art. São. obrigatoriamente. 1º. Constatou-se. Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . uma demora excessiva na identificação de certificados na Escrituração Contábil Digital. via Receitanet no site da RFB (eCAC) O contabilista só pode assinar com certificado de pessoa física. na sua instalação. Remova o driver e instale aquele fornecido pelo Serasa. gov. 2º O prazo de entrega dos dados a que se refere o art. também. não foi possível identificar a causa. para a procuração eletrônica. da pessoa física responsável legal pela pessoa jurídica ou do procurador. mediante a utilização de aplicativo de que trata o art.fazenda. segundo relato de contribuintes. horário de Brasília. O sistema só identifica os certificados das pessoas relacionadas como signatários na escrituração. o prazo a que se refere o caput será encerrado às 23h59min (vinte e três horas e cinquenta e nove minutos). § 1º Excepcionalmente para dados relativos ao ano-calendário de 2008. Uma delas. O que pode estar se repetindo no PVA do Fcont.receita. br>. Atenção: foi identificada uma incompatibilidade com certificados emitidos pelo Serasa quando. pode ser a quantidade de certificados instalados. podendo ser pessoa física ou jurídica. Como a equipe de desenvolvimento não conseguiu reproduzir o problema. utilizar a opção Entreta de Declarações e ARquivos com Assinatura Digital. foi aceita a sugestão de driver feita pelo Windows. do dia 18 de dezembro de 2009. duas assinaturas: • • Pela pessoa jurídica podem ser utilizados certificados de pessoa jurídica. a ser disponibilizado no sítio da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) na Internet. 1º será o mesmo prazo fixado para apresentação da DIPJ.

todos os lançamentos devem ser feitos com utilização do método das partidas dobradas. 57.” Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .00 (cinco mil reais) por mês-calendário.000. MULTA PELO ATRASO OU FALTA DA ENTREGA ”Art. O descumprimento das obrigações acessórias exigidas nos termos do art. relativamente às pessoas jurídicas que deixarem de fornecer. 16 da Lei nº 9. identificando. as informações ou esclarecimentos solicitados.R$ 5. de forma precisa. acarretará a aplicação das seguintes penalidades: I . origem e aplicação.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 53 Lucro Real CONTABILIZAÇÃO Como o Fcont é uma escrituração. de 1999. nos prazos estabelecidos.779.

1598/77. da Lei no. do Decreto-lei nº. 260º. art. (Lei das S/A)). item I. art. e a apuração de resultados e as demonstrações financeiras exigidas pela lei comercial não devem ser distorcidas em razão de conveniência ou imperativos da legislação tributária. Conforme foi esclarecido na Exposição de Motivos que acompanhou o Projeto do Decreto-Lei no.177. Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . 1598/77. 6404/76.8ºº. item III e 262 do RIR/99. a lei seguiu a orientação de manter nítida separação entre as escritas comercial e fiscal. porque as informações sobre a posição e os resultados financeiros das sociedades são regulados na lei comercial com objetivos diversos dos que orientam a legislação tributária.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 54 Lucro Real LIVRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL FINALIDADE ASSEGURAR A DISTINÇÃO ENTRE A ESCRITURAÇÃO COMERCIAL E A FISCAL (art.2o. § .

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 55 Lucro Real FORMA DE ESCRITURAÇÃO NO LALUR A PESSOA JURÍDICA DEVERÁ • lançar os ajustes do lucro líquido do período base (apurado na escrituração comercial). • transcrever a demonstração do lucro real. e outros previstos na legislação do Imposto de Renda. • manter os registros de controle dos valores excedentes a serem utilizados no cálculo das deduções nos períodos-base subseqüentes. necessários para a determinação do lucro real (base de cálculo do Imposto de Renda). • manter os registros de controle dos prejuízos fiscais a compensar em períodosbase subseqüentes dos valores que devam influenciar a determinação do lucro real de períodos-base futuros e não constem da escrituração comercial. Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . dos dispêndios com o Programa de Alimentação ao Trabalhador (PAT).

99. Exemplo: Valor do IRPJ (sem adicional) devido: R$ 100.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 56 Lucro Real PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO AO TRABALHADOR Forma de Aproveitamento do Incentivo A pessoa jurídica poderá deduzir do Imposto de Renda devido a alíquota de 15% (sem inclusão do IR Adicional) o valor equivalente a 4% a título de PAT.000. encontra-se o limite dedutivel por refeição (R$ 0..00 Tanto o incentivo do PAT quanto o PDTI/PDTA (Programas de Desenvolvimento Tecnológico Industrial / Agropecuário) estão limitados a 4% do IRPJ devido (também sem inclusão do adicional). parágrafo 2 da I.N. Participação do trabalhador no custo direto da refeição Limitada a 20% do custo direto da refeição (parágrafo. (art.000. • apuração através de Balanços ou balancetes de suspensão ou redução.4º da Portaria SIT 3/2002) Limite de custo de refeição dedutível do Imposto de Renda Para efeito de utilização do incentivo fiscal a Programa de Alimentação ao Trabalhador (PAT).585 do RIR/99 e art.2º. • apuração através do lucro real trimestral. Extensão da dedução do incentivo na apuração do IRPJ • devido mensalmente por estimativa.99) a alíquota do Imposto de Renda (15%).2985).SRF.000. o custo máximo por refeição é de R$ 1. 267/2002) ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .00 = R$ 4. 2º.art. • Aplicação sobre a base do incentivo (R$ 1.00 Limite de dedução do PAT: 4% de R$ 100.

(art.000. 2.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 57 Lucro Real Cálculo do Incentivo • O incentivo do PAT. corresponderá ao menor dos seguintes valores: 1. descontável diretamente do IRPJ.00 Quantidade de refeições servidas – 4.X0 – R$ 200. R$ 0.12.99). multiplicado pelo número de refeições fornecidas no período.590 do RIR/99) Exemplo: Lucro Real apurado em 31. aplicação da alíquota de 15% sobre a soma das despesas de custeio realizadas com o PAT.00 Despesas com PAT(empresa) – R$ 10.500 ( 25 funcionários x 180 dias úteis) Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .000. Os excessos de dispêndio com o Programa de Alimentação ao Trabalhador poderão ser utilizados até nos 2 anos-calendário subseqüentes.2985 (15% de R$ 1.

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 58 Lucro Real CONTRIBUIÇÕ SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO A pessoa jurídica poderá utilizar o Lalur ou livro específico para a apuração da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSL). (arts. 28 e 42 de IN SRF nº 390/2004). Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

encerrados até 31. nos quais tenha sido tributada pelo lucro real). para efeito da adição desses valores ao lucro presumido de cada trimestre à medida que fossem sendo realizados.1995.SRF nº.36. Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . § 7º da IN SRF nº 93/97).12.N.28/78 A pessoa jurídica optante pela tributação com base no lucro presumido desde o anocalendário de 1996. que tivesse saldos de lucros diferidos a tributar (oriundos de período de apuração. deve continuar controlando esses saldos na Parte B do Lalur. INCLUSIVE: I.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 59 Lucro Real OBRIGATORIEDADE DE ESCRITURAÇÃO ESTÃO OBRIGADAS À ESCRITURAÇÃO DESSE LIVRO TODAS AS PESSOAS JURÍDICAS CONTRIBUINTES DO IMPOSTO DE RENDA COM BASE NO LUCRO REAL. (art.

Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . durante o curso de período-base. nada impede que a empresa vá procedendo nele. Empresas que apuram o Lucro Real Trimestral • 31 de março • 30 de junho • 30 de setembro • 31 de dezembro Empresas que apuram o Lucro Real Anual • 31 de dezembro Empresas que apuram o Lucro Real Mensal Através de Balanços ou Balancetes de Suspensão ou Redução • Mensalmente ou no mês em que efetuar a Suspensão ou Redução.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 60 Lucro Real ÉPOCA DA ESCRITURAÇÃO No encerramento de cada período-base de apuração do lucro real (art. 9.1ºº da Lei no.430/96). Não obstante que a escrituração do LALUR é obrigatória no encerramento do períodobase. aos registros de valores consignados na escrituração mercantil e que devam ser objeto de adição ou exclusão do lucro líquido. na determinação do lucro real.

As adições. desconsiderando aqueles apurados em meses anteriores do mesmo ano-calendário.28 e 42 da IN SRF nº 390/2004) Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . discriminadamente. não cabendo nenhum registro na Parte B do livro. correspondentes aos balanços ou balancetes.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 61 Lucro Real BALANÇOS OU BALANCETES DE REDUÇÃO OU SUSPENSÃO Cada balanço ou balancete levantado para fins de suspensão ou redução do Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. o contribuinte deverá determinar um novo resultado ajustado para o período em curso. computadas na apuração do resultado ajustado. na Parte A do Lalur. para fins de elaboração da demonstração do resultado ajustado do período em curso. deverão constar. as exclusões e as compensações. (art.

incorporado no art. 5. b) Parte B (cuja numeração é seqüencial à da Parte A). dos mesmos requisitos exigidos para o livro tradicional. a) Parte A.1. Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .218/91. exclusões e compensações) em ordem cronológica. no sistema de escrituração eletrônica. integralmente.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 62 Lucro Real CARACTERÍSTICAS Escrituração mediante utilização de processamento eletrônico de dados. folha após folha. destinada exclusivamente ao controle dos valores que devam influenciar a determinação do lucro real de períodos-base futuros e não constem da escrituração comercial utilizando-se uma folha para cada conta ou fato que requeira controle individualizado. com a transcrição da demonstração do lucro real completando-se com a assinatura do responsável pela pessoa jurídica e de contabilista legalmente habilitado. 18 da Lei nº 8. prosseguindo a escrituração. mediante cancelamento das páginas não utilizadas. MODELO • O livro deve conter as folhas numeradas tipograficamente de forma seqüencial e contínua. nº 68/95). 263 do RIR/99) (Portaria Cosif nº 13/95 (Decisões nºs 323/97 e 405 a 409/98)) . c) Completada a utilização das páginas destinadas a uma das partes do livro. destinada aos lançamentos de ajustes do lucro líquido do período-base (adições. no livro subseqüente. sem intervalos nem entrelinhas encerrados período a período. Observância.(IN SRF n° 28/78. a outra parte deve ser encerrada. (art. dividido em duas partes distintas (cada uma delas contém 50% das folhas) reunidas em um só volume encadernado.

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 63 Lucro Real DISPENSA DE AUTENTICAÇÃO O LALUR não precisa ser autenticado por qualquer órgão oficial. Entretanto. é exigido que este livro contenha. Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . na primeira e na última pagina os termos de abertura e encerramento com identificação do contribuinte (firma ou razão social. respectivamente. número e data do arquivamento dos atos constitutivos no órgão de registro competente e número do CNPJ).

194 do RIR/94). O lucro líquido é a soma algébrica do lucro operacional. 247 e 262 do RIR/99). Comentários: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . 247. A determinação do lucro real deve ser precedida da apuração do lucro líquido de cada período-base (na escrituração mercantil). (arts.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 64 Lucro Real CONCEITO DE LUCRO REAL Lucro Real é o lucro líquido ajustado (no LALUR) pelas adições. com observância dos preceitos da lei comercial. dos resultados não operacionais. (arts. 193 195 e 196 do RIR/94 e arts.249 e 250 do RIR/99). serão feitos os ajustes tratados a seguir. exclusões ou compensações prescritas ou autorizadas pela legislação tributária. e deve ser determinado na escrituração mercantil. com observância das disposições das leis comerciais. (art. No Livro de apuração do Lucro Real (Lalur). das participações.

e. § único. 2.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 65 Lucro Real COMPENSAÇÃO DE PREJUÍZOS FISCAIS Os prejuízos fiscais de períodos base anteriores poderão ser compensados com o lucro real apurado . sendo inadmissível compensar prejuízos de períodos nos quais a empresa submeteu-se à tributação pelo lucro presumido. Notas: 1. somente podem compensar prejuízos fiscais às pessoas jurídicas que mantiverem os livros e documentos. FALTA DA ESCRITURAÇÃO A falta de escrituração do LALUR pode justificar o arbitramento do lucro pela autoridade fiscal. (art. IN SRF nº 79/93) Comentários:____________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . alínea a. comprobatórios do montante do prejuízo fiscal utilizado para compensação. exigidos pela legislação fiscal. respeitado o teto máximo de 30% do lucro real.1º. os prejuízos fiscais apurados em períodos nos quais a empresa foi tributada pelo lucro real. ainda que esses valores tenham sido apurados no LALUR.

1.00.R$ 1.05) em 20.12.R$ 600. 8) Despesas com Doação (4801. ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . 2) Efetuou recolhimentos por estimativa de: 2.2 – IRPJ – R$ 540. apurar o IRPJ.00 4) Auto de Infração em 31/01/X2 no valor de R$ 15.00 (Total do ano 72.04) de uso dos diretores no valor de – R$ 6.000.000.03 – Pagamentos a Beneficiários não identificados (DARF – 5217) – art.00 sendo: • Multa (Conta 4801. (*) 4801.200.000.000. 674 e 675 do RIR/99.00 7) Despesas não comprovadas (4801.X2. – X0 – R$ 900.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 66 Lucro Real Caso Prático: Com os dados a seguir.000.000.01) valores constantes na conta Adiantamento de Despesas de Viagens sem condições de análise.000.00.000. sabendo-se que: 1) A empresa apresenta resultado contábil (lucro líquido) em 31/12/X2 de R$ 2.000.00 3) Prejuízos fiscais apurados nos exercícios X0 e X1 de: 3. • Em 20.12.200. 6) Contabilização em Despesas de viagens (4402.00 3.06) de R$ 1.00).X2 – 1.00 2. CSLL e Escriturar o Lalur da empresa XYZ.500.000.X2 .00 5) Despesas mensais de depreciações de veículos (Conta 4801.1 – CSLL – R$ 380.12.R$ 10.01) .00 para Maria da Silva conforme recibo de 23. – X1.2.

000.000.12.000.X3 conforme canhotos.X2 no total de R$ 20.200.12.000.13 12) Despesas com PAT no exercício: R$ 300.01.310 do RIR/99) (CPC 01) 1.2.000.00 com a vida útil reduzida para 6 (seis) anos.Despesas com amortização de ágio – 4801.00 dos quais R$ 2.12 12.3 .X0 sobre os quais foi efetuado o Teste de Recuperabilidade dos Ativos “Impairment” em 31.4 – Receita com amortização de deságio – 4801.00 • Patrimônio líquido em 31/12/X2 R$ 800. ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .000.00 • Amortização do deságio em 10 anos.10 12.Resultado positivo na equivalência patrimonial – 4801.200.00 120.11 12.000.00 em 31.000.000.00 equivalente a 81.1 – Resultado negativo na equivalência patrimonial – 4801.12.00 • Patrimônio líquido em 31/12/X2 R$ 720.000 refeições servidas ( 450 funcionários x 180 dias úteis).00 10) Receita de Bruta de Vendas (Faturamento) em 31.000.000.000. Empresa C • Patrimônio Líquido em 31/12/X1 R$ 600.X1 chegando-se ao valor de R$ 810.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 67 Lucro Real 9) Despesas de depreciação apropriadas mensalmente relativa aos bens constantes do imobilizado operacional com custo de aquisição de R$ 1. 12.000.00 • Amortização de ágio em 10 anos.00 • Aquisição de 30% com pagamento de R$ 420.00 • Aquisição de 40% com pagamento de R$ 200. (CPC 30) 11) Aquisição de investimentos no ano de X1 nas empresas B e C conforme a seguir: Empresa B • Patrimônio Líquido em 31/12/X1 R$ 1.000. Item Máquinas e Equipamentos Valor Original Depreciação normal Depreciação (31.000.X0) (art.00 180.12.000.000.00 somente foram recebidos pelos clientes em 04.

número 2.N.*** C. de Ordem 01 TERMO DE ABERTURA Contêm este livro 50 (Cinqüenta) folhas numeradas eletronicamente.***.MF número: **.P.J. de Diretor de Contador ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves . e servirá para o lançamento das operações próprias do estabelecimento do contribuinte abaixo identificado: Nome: X Y Z Endereço: Avenida Rio Branco.***/0001-** Registrado na Junta Comercial sob o número: Rio de Janeiro. Município: Rio de Janeiro . do número 01 ao número 50.***.Estado: Rio de Janeiro Inscrição Estadual número: **.965 .Bairro Centro.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 68 Lucro Real 1 REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL No.

***.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .P.N.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 69 Lucro Real Empresa: X Y Z C.J: **.

J: **.N.P.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .***.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 70 Lucro Real 3 Empresa: X Y Z C.

***.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .P.N.J: **.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 71 Lucro Real 4 Empresa: X Y Z C.

P.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 72 Lucro Real 5 Empresa: X Y Z C.***.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .N.J: **.

***.J: **.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 73 Lucro Real 6 Empresa: X Y Z C.N.P.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 74 Lucro Real 7 Empresa: X Y Z C.***.P.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .N.J: **.

N.J: **.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .***.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 75 Lucro Real 8 Empresa: X Y Z C.P.

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 76 Lucro Real 9 Empresa: X Y Z C.***.J: **.N.P.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 77 Lucro Real 10 Empresa: X Y Z C.***.N.J: **.P.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .***.P.N.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 78 Lucro Real 1 Empresa: X Y Z C.J: **.

***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .P.J: **.***.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 79 Lucro Real 12 Empresa: X Y Z C.N.

P.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 80 Lucro Real 13 Empresa: X Y Z C.J: **.N.***.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .

***.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 81 Lucro Real 14 Empresa: X Y Z C.P.J: **.N.

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 82 Lucro Real 15 Empresa: X Y Z C.***.N.J: **.***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .P.

***/0001-** PARTE A DATA - REGISTRO DOS AJUSTES HISTÓRICO DO LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO Adições Exclusões ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .J: **.Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 83 Lucro Real 16 Empresa: X Y Z C.P.N.***.

Estado: Rio de Janeiro Inscrição Estadual número: **.P.MF número: **.***. do número 01 ao número 50 que serviu para o lançamento das operações próprias do estabelecimento do contribuinte abaixo identificado: Nome: X Y Z Endereço: Avenida Rio Branco .***/0001-** Registrado na Junta Comercial sob o número: Rio de Janeiro. Município: Rio de Janeiro . Diretor de dezembro de Contador ________________________________________________________________________________ Expositor: Alberto Gonçalves .N.***.J. de Ordem TERMO DE ENCERRAMENTO Contém este livro 50 (Cinqüenta) folhas numeradas eletronicamente. número 1965 .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 84 Lucro Real 50 REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL No.*** C.Bairro Centro .

CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) .REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 2 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .

CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 3 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 4 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 5 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .

CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 6 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .

CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 7 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .

CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 8 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 9 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .

CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 10 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .

CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 11 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 12 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .

CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 13 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 14 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 15 Lucro Real REGISTRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REAL PARTE B .CONTROLE DE VALORES QUE CONSTITUIRÃO AJUSTE DO LUCRO LÍQUIDO DE EXERCICIOS FUTUROS CONTA: DATA DO LANÇA MENTO (1) CONTROLE DE VALORES PARA EFEITO DE CORREÇÃO MONETÁRIA MÊS DE HISTÓRICO (2) SALDO REFEREÊNCIA VALOR A CORRIGIR COEFICIENTE DÉBITO CRÉDITO R$ D/C (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro 16 Lucro Real ________________________________________________________________________________Expositor: Alberto Gonçalves .