You are on page 1of 142

Luís A. W.

Salvi

Nutrição Etérica

As Dietas dos Quatro Elementos
(Reprogramação Consciencial para uma Vida mais Livre)

2009 © LAWS - LUÍS AUGUSTO WEBER SALVI

Contato: agartha2013@yahoo.com.br

1

ÍNDICE
Introdução Apresentação PARTE I. REPROGRAMAÇÃO CONSCIENCIAL Capítulo 1. O nosso Mistério íntimo Capítulo 2. Invertendo o fluxo da Consciência Capítulo 3. O Portal da Simplicidade Capítulo 4. O Portal da Simplicidade Capítulo 5. Exercitando o discernimento Capítulo 6. A mudança de hábitos Capítulo 7. Assumindo o controle Capítulo 8. Mecânica da consciência 21 28 33 37 40 52 56 61 9 12

PARTE II. A PRÁTICA DO JEJUM Capítulo 9. Virtudes do Jejum Capítulo 10. Repouso e Jejum Capítulo 11. O Jejum e a Espiritualidade Capítulo 12. Febre, Jejum e Subsistência Capítulo 13. Os Dois Movimentos Energéticos Capítulo 14. Saneamento Psíquico Capítulo 15. Recondicionamento Geral PARTE III. ETEROVORISMO Capítulo 16. Dietas Elementares Capítulo 17. Mineralismo Capítulo 18. Fluidorismo Capítulo 19. Pneumorismo Capítulo 20. Pranivorismo PARTE IV. ETAPAS DE PREPARAÇÃO
2

71 82 92 97 106 112 122

129 143 149 155 167

Capítulo 21. Uma Etapa Espiritual? Capítulo 22. Questões Ambientais Capítulo 23. A Mudança Progressiva Capítulo 24. Sinais de Sucesso Apêndice. Hira Ratan Manek - O Mensageiro do Sol Bibliografia Sobre o Autor

183 189 196 202 210 239 242

Nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que vem da boca do Senhor. (J.C.)

3

por exemplo. 4 . incluindo algumas informações sobre o granivorismo. que no caso pode ser até algo simbólica ou parcial. desde já deixamos claro que sequer tratamos propriamente da essência luminosa ou prana como “alimento” exclusivo. Muito daquilo que se classifica hoje como “alimentação prânica” (ou pranivorismo) é feito de forma incorreta. destinada regularmente à Hierarquia. A essência luminosa é uma base nutricional especialmente do seres divinos. aquilo que se apresenta aqui integra os recursos empregados pelos mais avançados iogues dos Himalayas. A única forma de diminuir a matéria física. A luz representa o pólo oposto da matéria. o trabalho com a luz (ou aquilo que chamamos o lado interno da vida) deve se cada vez mais incrementado no caminho da nutrição etérica. Naturalmente. No livro “Os Frutos do Paraíso”. e significa que a sutilização da matéria também depende do incremento da energia sutil. como água. Após haver tratado de temas como vegetarianismo em O Evangelho da Natureza. A energia crescente faz funcionar melhor as glândulas. portanto ainda além dos próprios quadros da Hierarquia. tais como aqueles que estão se preparando para receber a sua Ascensão. considerando envolver regularmente elementos físicos. Mas nem ali se dispensa certa quantidade (e até qualidade) de matéria. permite aproveitar mais os alimentos e as substâncias nutrientes. embora também como experimento para a humanidade em vias de ascensão e eventualmente como forma de terapia -à parte a importância que tudo isto possa eventualmente apresentar ante um quadro de crise ambiental como aquela que a Terra começa a atravessar já a partir deste século. representa um padrão intermediário que se encaixaria quiçá naquele “caminho-do-meio” do Buda. A nutrição puramente luminosa. as dietas “etéricas” (ou elementares) de que tratamos aqui. nos termos divulgados por Jasmuheen). Não existe lugar para o vazio no Universo: cada coisa ocupa o seu lugar. seria válida unicamente para os últimos estágios de evolução cósmica. confere as calorias necessárias e ainda estabelece alguma ventura psíquica. Nisto. é chegado a hora de abordar objetivamente o tema do jejum e da “nutrição etérica”. é aumentando a energia – é o que diminui os riscos de uma anemia. Não obstante. E neste plano. Aqui aprofundamos este quadro. De todo modo. e especialmente do frugivorismo em Os Frutos do Paraíso. estamos tratando da importância de incrementar a meditação criativa nesta etapa. mas torna-se também cada vez mais importante para os mestres hierárquicos (ligados à esfera angelical). apresentamos o frugivorismo como uma transição (ou mesmo como alternativa) para o difícil “viver de luz” (sempre lembrando que esta “dieta” não prescinde de água. ampliando a “escada” de intermediação entre dietas não obstante ainda muito diferentes entre si.INTRODUÇÃO Trabalhar a nutrição é uma forma peculiar de “entregar-se à Providência”. como sendo as dietas superiores humanas. embora não sólidos. indo mais ou menos de encontro ao método “viver de luz” que já vem sendo difundido.

o plano geral da presente ronda cósmica de evolução. a Ciência não está muito a serviço da expansão das possibilidades humanas. Todos os experimentos pioneiros e práticas precursoras realizadas nesta esfera. Se nas dietas humanas tratamos das correlações entre raças e dietas orgânicas. Como contraponto. E nisto. procuraremos ser científicos a respeito destes complexos e inusitados assuntos. como recursos potencial para permitir atividades excepcionais. no caso.Seguindo o ditado pelo qual “o homem é aquilo que come”. isto sim. em relação ao vegetarianismo. e sim da Indústria econômica. ativadas pelo despertar de uma autêntica espiritualidade ou. e que isto represente meramente coisa do passado. mais que em qualquer outro. entre eles o da nutrição elementar. representam recursos excepcionais e exceções neste ciclo-maior. A separação feita entre o físico e mental. Neste sentido. especialmente nas suas conexões com as 5 . como ao julgar que certas estruturas permitem pensar que o homem um dia já teve um olfato apurado como o do cão. o quadro etérico já extrapola praticamente o racial e. após o exercício do frugivorismo ou do granivorismo. Neste campo. e não algo que pode ser (re)ativado. Novamente. sendo considerado bastante popular (existe muita informação a respeito na internet). uma vez que. Tudo isto são deduções. temas aos quais a Ciência afinal simplesmente não se detém. naquilo que constitui hoje a sua melhor parte. tal como a reativação de certas glândulas. além de estar em parte a serviço dela própria numa certa busca da “Verdade”. aquele que realiza experimentos nesta área. Na medida do possível e dentro das nossas limitações. como também chamamos. posto que quase toda a sua inclinação se volta para conhecer cada vez mais as “regras” comum. reflete basicamente a ignorância da ciência em relação aos caminhos práticos para explorar as potencialidades mentais. feitos que somos à imagem de Deus. presentes em nosso Plano arquetípico. interpretações e especulações que abrem possibilidades e oferecem possíveis explicações. permitindo o contato com suas origens primeiras. e abrindo caminhos para uma cultura futura. com todos os riscos que disto podem advir. ao contrário da Sabedoria. por apresentar amplas considerações sobre o desenvolvimento das potencialidades orgânicas no ser humano. De fato. num sentido maior do termo. no Oriente. Assim. está positivamente atuando no campo do pioneirismo. potencialidades latentes. a nutrição sutil e luminosa reduz a estrutura física ao mais elementar e simples. porque inexiste uma cultura geral baseada no jejum e no eterovorismo. comentar ainda a parcialidade de certos pontos de vista da ciência. daquelas realidades pertencentes ao outro lado da vida. portanto. Estas cadeias de DNA ditas “abertas” ou desativadas “representam. é preciso invocar as 90% de estruturas do DNA desativadas (tolamente descritas pelos cientistas como “lixeiras” da evolução). a menor virtude deste livro não será o esclarecimento sobre potencialidades ocultas no ser humano. Prefácio). apenas recomendaríamos as práticas descritas no presente livro. É diferente com relação aos potenciais mentais.” (Os Frutos do Paraíso. recomendamos como complemento a leitura de nossa obra citada. onde se considera que os mesmos 90% ociosos da mente ainda não foram desenvolvidos. Mesmo Jasmuheen parte destas premissas. este método se chama Bigu e Kigong. embora sem termos alcançado ainda esta integridade.

Quer dizer. Yi Fang. com o Princípio de Transubstanciação. De modo que este será o importante tema de uma Parte completa desta obra. esta é também a ocasião para explorar o jejum. a partir 6 . e seja pelo alimento em si. se sabemos que ingerir ideal. quando compreende que aquilo que deveria praticar ou almejar é. À primeira vista. já teria valido seguramente a pena... a água. para exemplificar: um médico pode prescrever “X” para um paciente habituado a ingerir “3X”. na esperança de que pelo menos ele pelo menos venha a ingerir apenas “2X” -mesmo pensando o médico que o ideal para esta pessoa seja realmente o prescrito por ele. No caso. a fim de favorecer a recuperação do paladar e do sentido das grandes verdades nutricionais. o que vai de encontro com a redução das capacidades metabólicas com a idade do indivíduo. é preciso traçar um plano mais amplo de ação (ou a “lógica do menor”). não pela ritualística e a invocação -embora a Ioga Elemental também deva ser nisto praticada-. o jejum também pode ser buscado por razões espirituais com os mesmos propósitos. vir a ingerir uma banana pode chegar a se afigurar algo simplesmente. uma dieta que tende a ser muito beneficiada através da proposta do eterovorismo. Ou seja.’ ele disse. Muitos buscam a experiência do “viver de luz” apenas como forma de perder o medo da fome. sua fisiologia irá impedi-lo. Na busca do Elemento-como-alimento. Mais um ponto para o frugivorismo.’ ‘Nós não nos forçamos. valerá muito também procurar imbuir-se com o Elemento. seja pelo sabor . “‘descreveu o bigu como um fenômeno que ocorre naturalmente e produz um estado fisiológico especial no qual a bioquímica do organismo difere daquela da pessoa que está em jejum. Por isto incluímos nesta obra passagens do “Evangelho Essênio da Paz” onde trata destas questões. tendo futuramente como pano-de-fundo perspectivas superiores e sutis. o ar e o fogo. E ainda que o jejum e o eterovorismo possam ser colocados em categoria algo distintas. na realidade. como um laboratório cada vez mais capacitado. comparando com processos paralelos como o jejum febril. Provavelmente. Deveria soar óbvio que as dietas elementares trabalham. Tudo irá depender da capacidade do organismo de realizar as necessárias transformações. inclusive os mecanismos fisiológicos que o acompanham. Além de representar quase uma panacéia de cura e de purificação psicofísica. o jejum pode ser a porta-de-entrada de alguns para o “viver de luz”. um pesquisador do tema. e cada vez mais. disse. e sim na comunhão com as forças da Natureza: a terra. segundo a premissa pela qual.ou pelo menos as “dietas elementares” aqui descritas.” Algo especial ocorre. estimulando quiçá alguns a buscar dietas menos densas. o “pranivorismo” -ou bigu. Afirmamos por isto que esta é também uma incomparável oportunidade para a prática da “lógica do menor” -algo que sempre apresentamos em nossas propostas nutricionais. torna-se mais fácil a um vegetariano se converter ao frugivorismo. Para um jejunista ou para um eterovorista. Lha dirá realmente digna do seu nome científico: “musa paradisíaca”. ‘Se você força. o “pecadilho” de comer frutas será já um maravilhoso pecado! Se estivéssemos escrito este volume apenas para isto. as bases “psicológicas” dos jejunianos parece diferir daqueles que praticam o pranivorismo.além de sentir-se forte e renovado. para seguir algum plano. algo que alguns não alcançam “apenas” com frutas.’ A glicose no sangue cairá e o indivíduo ficará cansado e com fome. por exemplo.dimensões espirituais. “divino”!.

por exemplo. a sua significativa posição na presente obra. Esta altitude pode significar muitas coisas. Já uma obra como o “Evangelho Essênio da Paz”. inclusive a de ter um lar.se orgulhava de possuir: “Sei orar. portanto. podem chegar a fazer bem mais do que o alimento físico. em contraparte. para algumas pessoas. além de abranger todas as purificações que as dietas minerais possam ainda prover. há algumas opções. quanto o seu estado de felicidade. Aquele que adota o jejum como exercício regular por motivos espirituais. quando penso nisto. sempre me vem à mente as três virtudes que o inesquecível Demian de Hermann Hesse -verdadeiro ícone da Era Hippie.desta disposição mental especial ou do “voluntarismo”. Talvez o ideal fosse ser um errante pelos caminhos do mundo. Sucede que a visão mecanicista do jejum é. mas oferece em contraparte uma série de alternativas e. a renúncia total a tudo isto e aceitar somente água resida já numa outra esfera de consciência. por exemplo). etapas preparatórias para isto que serão por si só já bastante desafiadoras. uma abordagem superficial e até “moderna” do tema. Temos de resto a experiência de que. a partir de um acordo orgânico-mental determinado. o ato de comer ou o não comer nem é assim tão determinante para a sua condição de saúde. Lembremos que o pássaro que voa coloca o seu ninho nas alturas. sei esperar”. considerando inclusive que o ambiente judaico-cristão. dizia ele. no qual passa a dominar a consciência e a força criadora. Daí a importância de conhecer os métodos e os mecanismos do jejum. razão pela qual será citada algumas vezes em nosso texto. mas que não seja só seu. integrando um estado de ser temporal que. mereceria recolocar melhor aqui a questão do jejum a fim de justificar. contudo. ainda que desde a ótica da consciência transformada ou recondicionada.já seria bem outro. Aliás. porquanto o jejum representa na verdade uma importante e tradicional terapia holística. inclusive. Ser respeitado e bem aceito pelas pessoas. representa uma exceção. É um verdadeiro Portal no tempo que se abre ali -ou uma inversão na ordem corrente da coisas-. que o “viver de luz” que tem sido veiculado “ainda” emprega a água. De resto. Muito embora o mineralismo represente apenas uma primeira etapa daquilo tudo 7 . a menos que a pessoa se decida realmente por uma medida mais radical. na realidade. tendendo antes a classificar quase tudo em torno do conceito de “Deus”. O enfoque espiritual e tradicional do assunto (e se inclui aqui um Capítulo sobre isto) -tal como realizado nos mosteiros e pelos ascetas. valendo lembrar. não é exatamente profícuo ao desenvolvimento de uma Ciência espiritual (nos moldes orientais. Contudo. Não obstante. belamente naturalista e com ampla alusão aos anjos. se aproxima já da atual prática do bigu ou do “pranivorismo”. estes mecanismos possam sofrer certas alterações no sentido de serem acelerados. para “viver de brisa” é preciso ter a consciência elevada. e o jejum também serve como purificação. como se o outro lado das coisas fosse acionado. como a comunidade dos irmãos na Boa Lei e os lugares eleitos da Terra. mesmo que muitas vezes falte um discurso mais sofisticado a respeito. sobretudo. resumindo as “ciências” que eram a síntese da sua grande liberdade. viver num lugar lindo e exercer uma atividade maravilhosa -desportiva. profissional ou intelectual-. A presente obra visa analisar estas possibilidades. Entende-se que certas “dietas” aqui propostas podem ser vistas como medidas de ascetismo. sei jejuar. assim como uma prática espiritual profunda. o que por si também já é bastante radical.

para deixar de nutrir tanto o corpo. Agartha. mas apenas sugestivo. e em muito planos. da mesma forma como alguém que tenha o grau poderá não realizar a dieta prescrita. o método é aqui usado apenas a título de sistematização. diferente de alguma coisa “que já esta lá”. Em primeiro lugar. De todo modo. já que estamos tratando de algo interno e “criador”. configurando uma verdadeira condição etérica de vida onde a pessoa vive inteiramente “por magia”. * * 8 * . reproduzidos a partir dos meios-de-comunicação. Claro que o rol de informações. etc. que na verdade vai bem além de ingerir água. a Primeira Parte desta obra trata da questão do reajuste da consciência. E tudo isto é muito bom para o Espírito. enriquecendo as informações a respeito do assunto. através do chamado Sun Gazing. assim como das possibilidades e das vantagens das mudanças. No Apêndice desta obra. oferecemos aqui algumas indicações sobre dietas preparatórias (como mineralismo e até granivorismo) e também e relação ao jejum. porém a “reprogramação da consciência”* deve receber também este impulso geral desde o começo.que se propõe aqui. se for esta a sua aspiração. sempre souberam da grande Fórmula que cura quase todos os males do corpo e da alma –até porque corpo & alma estão relacionados e interagem em sentido ambivalente. como tampouco adquirirá ela este grau apenas por ter sucesso nesta dieta. Afinal. O tempo de cada terapia dependerá da natureza da enfermidade e da disposição do paciente. Não significa um vínculo obrigatório entre dieta e iniciação. Ninguém necessita ter o grau espiritual simbolicamente “associado” para experimentar uma dieta. Este é um assunto no qual o autor tem boa experiência. Os sábios de todos os tempos. de João Batista. a respeito de práticas do tipo “viver de luz”. Ervas e barro podem completar a sagrada Medicina da Natureza. como ensina tão bem o Evangelho Essênio da Paz. Esta verdadeira panacéia universal é: jejum e oração. avaliação e acompanhamento (que não necessitam fazer parte do próprio centro). é preciso passar a nutrir melhor a Alma. A decisão da mudança -ou mesmo a busca da experiência. Sabemos perfeitamente que a “aventura da consciência” pode acontecer de forma independente de esforços e de processos temporais e externos. pulsodiagnose. sugestões e insinuações de base “científica” acompanham todo este Volume visando também fortalecer esta base. na medida em que já não resta qualquer explicação racional para a sua sobrevivência. Vale aqui então um parêntese para confessar um de nossos grandes sonhos. Por isto. Ed. uma prática importante e tradicional mas que a moderna literatura esotérica ou naturista não tem dado o devido lugar. uma mudança dentro de nós mesmos. que é organizar um hospital de terapias naturais com destaque especial na área do jejum e do reike. a par com as técnicas naturais de iridiagnose. apesar do amplo alcance terapêutico do assunto. Ver mais sobre tudo isto em nosso livro “A Cura Crística”. uma vez que é sabidamente neste plano que acontecem as bases da grande transformação. cabe ainda uma ou duas palavras. Em relação às gradações vinculadas às dietas nesta obra.deve ser apoiada pela convicção como o fundamento para toda a possibilidade de sucesso. tratando de nossos hábitos e condicionamentos mentais. trazemos uma matéria especial. mas também com barroterapia e acupuntura –tudo com assistência dos modernos recursos da medicina de diagnóstico.

e que encontrou no presente Volume uma destinação segura. Alto Paraíso. Alberto Frioli. representou de início o princípio de um projeto literário independente do autor. APRESENTAÇÃO 9 . Setembro de 2009 * O segmento assim intitulado nesta obra. havendo recebido para isto as devidas adaptações e complementos. Sonilda Freitas e Paulo Gregory.Os nossos agradecimento por esta edição vão para Claudia Bento Alves.

.. porque não vemos o vegetarianismo como nenhuma forma de dieta mais radical. acima o ar e no alto o fogo como Sol e as estrelas....... Com relação ao frugivorismo e ao granivorismo. já que... que se manifesta através de vulcões e outras formas menos perceptíveis.. especialmente as mais avançadas dentre as acima citadas. Raça Teluriana .. Raça Ariana . Os Elementos são expressões de uma cosmologia ou de uma criação progressiva... além de todo o resto (não vamos discutir aqui proporções ou hierarquias). na base de tudo a terra. é a preparação sistemática do indivíduo para as diversas formas da experiência prânica. além de óleos.. Diferentes seres vivos também habitam os ambientes dos Quatro Elementos. estamos adentrando na quarta raça humana.. Quando observamos as famosas “pirâmides alimentares” dos nutricionistas.. Talvez esta seja uma limitação relacionada ao estágio de evolução em que vivemos... é que estamos tratando de realidades progressivas.. o vegetariano abandona apenas as carnes. sendo este então o Quadro Geral das correlações raciais com os Elementos: a. não consideramos tal coisa tão necessária.. Raça Atlante . Raça Lemuriana . Assim sendo. Utopias à parte. Elemento Fogo O tema e importante. mais ou menos exclusiva ao seu meio.... nozes e lácteos. Desde o ponto de vista da evolução racial.. Uma coisa a saber aqui.. legumes e verduras.. estamos recém concluindo a terceira raça (a ariana). havendo não obstante sempre algum grau de interpenetração.. Claro que há variantes.. mas também cumulativas... cada qual com sua forma de nutrição e sua peculiar adaptação. muito embora aqui já não possamos incluir o elemento Fogo como um meio como os outros e nem nele identificar seres vivos como os conhecidos. poderá ser a conquista da percepção de novos mundos. o frugívoro abandona também cereais (com farináceos).... e às vezes os lácteos no caso dos vegans. sobre ela a água. Elemento Ar d. já seria importante contar com uma boa etapa vegetariana prévia. muito embora também haja um fogo central.. Elemento Terra b. a olho nu ao menos. Alguns se preocupam em fazer preparações para se tornar vegetarianas. organizadas por densidade. vemos que incluem carnes. esta dieta completa-padrão inclui as carnes (de diversos tipos). na qual um representa o desdobramento do anterior... na medida em que 10 . e o granívoro retoma cereais. e frutas. Raros são aqueles que pertencem regularmente a mais de um ambiente.. porque nesta obra estaremos tratando da questão das chamadas “dietas elementares”.. cereais (incluindo farináceos)... Nisto. como humanidade. verduras e lácteos. porém cruz. São mais ou menos como as camadas da Terra... o fato é que a idéia de um “viver de luz” traz consigo uma realidade sumamente importante no quadro espiritual da Nova Era.. E quanto às dietas elementares sutis então.. Todavia......... Hoje em dia existe um destaque para o crudivorismo. estas sim já demandam uma positiva etapa de preparação. Uma das conquistas da nova humanidade (a teluriana). Elemento Água c. especialmente quando se preserva os produtos lácteos.Uma das grandes funções do presente trabalho.... Assim vemos. algo importante também que pode conviver muito bem com qualquer dieta.

O medo é um sentimento forte que pode rapidamente estragar uma digestão.* Mas. e aos poucos a humanidade irá recuperando antigos conhecimentos sutis. podemos considerar o universo como algo denso ou fluído. e hoje em dia pululam aqui e ali autores e filósofos tratando do assunto. o sutil ou o luminoso. Em muitas obras tratamos dos mantras raciais. tal como a Hipótese Gaia ensina a ver a Terra como um grande organismo –e para nós a existência do Fogo central é a maior prova disto. que o Verbo é luz. o líquido e o gasoso na nossa nutrição. para empregar um ensinamento da Agni Ioga. Nós não iremos abandonar tão cedo o sólido. Não se trata daí. Não se trata tanto. Temos cada vez mais clareza que o estado de saúde é algo extremamente vinculado às condições da mente e das emoções. O Evangelho esotérico de São João afirma que o Verbo está na origem de tudo. sendo ainda o mais importante explorar o OM áryo (que conduz à iniciação solar) para alcançar o hermético IAO teluriano (capaz de levar à iluminação científica). a qual sequer depende de todo da nossa “imaginação”. Um conhecido ditado nutricionista afirma: “A pessoa é o que ela come”. o qual de resto também está presente nas outras formas de nutrição. na forma de pequenos corpúsculos luminosos erráteis distribuídos através da atmosfera da Terra. ajudado pela busca de ambientes saudáveis. naquilo que representa a própria essência da sua ioga (ver definição de ioga de Patânjali). na verdade. porém. Neste culto à energia. o pensamento entra como um fator capital. A experimentação avança. acima de tudo. O 11 . Aquilo que observamos suscita pensamentos que afetam comumente os nossos sentimentos e o nosso organismo. A nova ioga parte desta base. uma vez mais. Com efeito. modo geral a assertiva “Dize-me de que te alimentas. ao lado de um auto-controle cada vez maior. para assim aos poucos ir formatando em nossos cérebros as novas realidades luminosas. visando controlar e dominar os impulsos mentais. a raça anterior também explorou. é “tratar o céu como coisa viva”. para empregar o pensamento de uma forma criativa. deveremos nos novos tempos cultivar a energia através do pensamento. invertendo assim a antiga equação -as plantas são. passa exatamente por uma espécie de alimentação sutil. pois. capaz inclusive de levar à iluminação total de nossos seres. A conscientização e a incorporação da energia. a partir da visualização da luz. vida e criação. cabe ver a luz e iluminar a visão. de maior difusão do que se imagina. e te direi quem és” é perfeitamente válida. coisa que a ciência pode estar já preparando através de suas mais recentes conquistas. este também começa a ser melhor extraído dos nutrientes mais densos e pode começar a substituí-los. através da sua fotossíntese. de usar alimentos exclusivos ou de empregar dietas excludentes. mas. A Ciência ensina que podemos ver a luz como corpo ou onda. A realidade da frase “a energia segue o pensamento” pode ser comprovada de muitas formas. muito boas nisto.penetre em esferas mais sutis. E na medida em que avançamos e adaptamos os nossos centros à captação do alimento sutil. para criar ou para conectar mundos de luz. sob diferentes ângulos. Há que interponha relatividades a isto. mas iremos incorporar a eles o etérico. especialmente certo tipo de pensamento. de teor criativo e imaginativo. quer dizer. uma das formas mais válidas de penetrar o universo feérico luminoso. Assim. seguindo aqui a importante premissa hermética de que “o som é o veículo da energia”. de meditação de sentido quietista do termo –algo que. aliás. também iremos nos valer muito dos mantras. Aqui. O alimento da luz é uma verdade tradicional. uma vez que as partículas de prana podem ser bastante facilmente percebidas. como forma de ioga mental.

porque são mais macios. sobretudo o caráter simbólico da nutrição ígnea. é necessário incorporar um trabalho ativo com os mantras. não há que esquecer a importância da fé. Cabe enfatizar aqui. A difusão da crença na reencarnação trouxe muitas ilusões. pois nem sempre é compatível o sutil com aquilo que é excessivamente denso. vera nossa obra “Os Fruto do Paraíso”. sabidamente. líquidos e gases. Os seres da nova raça não se alimentam apenas de sólidos. vale destacar a sua importância na alimentação humana. com repulsa às carnes. cabendo destacar aqui o a própria carne. a “hipótese quântica” deve ser seriamente exercitada na consciência. defesa. o que é uma rematada tolice. um recurso que praticamente não estaria acessível ao ser humano sem o fogo. pois o ser humano não dispõe dos recursos das feras para cortar e até para matar. e a sua sobrevivência definitiva graças à iluminação. Para os nossos presentes propósitos. O que nos dá a garantia da sobrevivência da alma? Mais ainda. etc. teremos a oportunidade de relembrar que o crudivorismo (com destaque para as frutas) é especialmente útil para aquele que deseja explorar as suas capacidades criativas mentais.pranayama em si ainda podes ser usado para as etapas de energização e harmonização. mas nenhuma delas pode ser considerada como algo absolutamente vital. mas quando se almeja a iluminação. A semente é a síntese da evolução. aquele que julga ser impossível ao ser humano viver sem ingerir carnes. O “viver de luz” pode significar que se alcançou a consciência da alma. quem afirma que aquilo que sobrevive é realmente uma alma? O Budismo oferece uma ampla discussão em torno do tema. pois graças ao emprego do fogo. seria hora de repensar a fundo todas as questões que envolvem este elemento. senão talvez os peixes. A espiritualidade prática faz parte do seu alimento diário. O “viver de luz” é uma realidade acima de tudo espiritual. sem conhecimento das suas raízes. considerando o mundo material como uma realidade. Na prática. Não se pode pretender a experiência do “viver de luz”. Agora que estamos adentrando no universo do Fogo. Aquele que tem intimidade com a luz. Ed. comum entre os iogues (ver “Os Frutos do Paraíso”. cozimento. Talvez ajustes terão que ser feito às vezes. Agartha). No mínimo. queimada. Na presente obra. De resto. Agartha. ele sente “fome” disto e acha que sem tal coisa a sua vida não estará completa. Daí ser comum que as crianças comecem a nascer hoje com propensões vegetarianas. muitas utilidades para o ser humano -aquecimento. que ele está definhando e não pode estar feliz de outro modo. 12 . Acaso o pranivorista é um ser eterno? Esta é uma questão que jamais devemos esquecer: a eternidade. tal como na geração anterior elas começaram a nascer com os olhos abertos (as pessoas de hoje já mal lembram como eram as coisas antes). Esta conquista se obtém na quarta iniciação. e suas principais conclusões apontam para a meta de se iluminar para deixar de reencarnar. É praticamente impossível comer carnes sem o seu cozimento e também sem ferramentas. na medida em que uma doutrina foi pinçada de um contexto cultural antigo. O novo ser humano incorpora ao seu ritmo cotidiano a oração e até a meditação. capaz de “remover montanhas” e realizar prodígios. Procura-se ignorar que a fé pode ser um elemento ardente e transformador. Ed. um sem-número de recursos puderam passar a ser aproveitados. mas também de energia direta. em seu uso desde os primórdios da evolução.-. Para mais. a imortalidade. A chamada “domesticação” do fogo tem tido. à qual propugnamos em outra obra a dieta da granivorismo. está também a afirmar implicitamente ser impossível viver sem o fogo. é alguém que conhece a vida da alma.

Então. Com isto. Tal coisa pode vir a confirmar a profecia nahua-maia do fim deste ciclo solar de 5. que é um grau de Budas. * É a partir deste fogo. que impeça o excesso de calor solar por longo tempo. No presente volume. Esta atividade vulcânica também acarreta movimentos tectônicos.trazendo a energia do sacrifício –o quatro grau se chama por vezes “A Renúncia”. e neste grau ele está definitivamente incorporado. serão os dinossauros da cultura defasada que se extinguirão). produzindo uma capa de fuligem através de atividades vulcânicas. A partir do quarto estágio de evolução. 13 . seguramente estaremos bastante reunidos ao Arquétipo humano. mais ou menos como também aconteceu na ocasião da extinção dos dinossauros através da queda de um grande meteoro no Golfo do México. é sim apenas uma reação orgânica que visa a cura natural). é possível realizar uma polarização consciencial com o astral cósmico –e com isto. até que as coisas se normalizem. produzindo terremotos que são como convulsões de uma Terra em febre (mas a Medicina já reconhece que a febre não é doença e nem sintoma de doença. considerando a onda sísmica de 2010 que destruiu o Haiti. apenas possa ser alcançado na oitava iniciação. justamente. que a Terra poderá manifestar a sua grande reação às interferências indevidas da humanidade sobre a sua ordem e harmonia natural. quando a energia se torna estável e a consciência fluída. temos um contato natural com a força da luz. como se supõe (desta vez. sugere-se que um pranivorismo mais “puro”. se abre uma definitiva quarta-de-freqüência que acessa aspectos da oitava iniciação. estando associado ao sacerdócio pleno.2 mil anos. integrando já o plano Astral Cósmico. a suceder através de fogo e terremotos –o que na verdade pode não tardar. O prana é a “semente” da luz.

Parte I REPROGRAMAÇÃO CONSCIENCIAL 14 .

15 .

Capítulo 1

O NOSSO MISTÉRIO ÍNTIMO

A grande aventura que temos como seres humanos é aquela de descobrir quem somos,
e então explorar todos os nossos potenciais -algo nem tão fácil assim de fazer, porque estamos afinal também em evolução. Um ser evolução é de difícil definição e suas possibilidades estão sempre se ampliar. Que mistérios imensos e insondáveis pairam em torno desta criatura tão frágil que nasce como uma página em branco, e ainda leva décadas inteiras para firmar a sua maturação? Quantos conteúdos diferentes ela não será capaz de assimilar, através de variadas capas de interpretações das coisas? Ainda assim, dever haver uma programação para esta evolução, de modo que nos permita conhecer razoavelmente bem “quem somos, de onde viemos e para onde vamos”. Sabemos que “desde sempre” tem existido as religiões e as mitologias com seus ensinamentos não raro obscuros, às vezes estimulantes e outras vezes desalentadores. De outra parte, a Ciência também tem feito a sua parte, mas ainda assim sempre parece pouco para explicar tantos mistérios presentes, de resto, também na rica e curta História desta que foi a última espécie a emergir da Criação. Porém esta programação existe, da parte de uma Sabedoria ancestral que busca combinar Ciência e Religião. Talvez nem sempre ela tenha estado ao alcance da humanidade, mas hoje e em alguns outros momentos, os calendários das raças estão disponíveis para esclarecer satisfatoriamente todas estas questões. Na verdade, eles recém começam a ser realmente acessíveis para os modernos, embora os mais Antigos até tenham usufruído deles com certa frequência. É claro que esta Sabedoria não visa dar nenhuma “palavra final” sobre coisa alguma, afinal que é o homem para delimitar aquilo que Deus mesmo projetou “em aberto”? Talvez porque desejasse Ele algum dia se manifestar através dela, como teria feito realmente num ou noutro momento especial da evolução humana, sempre que tal coisa fosse muito necessária e para sinalizar as grandes mudanças de épocas. Talvez Deus ainda não se sinta muito à vontade para transitar entre os homens na época atual do planeta, demandando mais algum temo para isto, no que seguramente Ele trata de administrar sutilmente o rumo das coisas. Enquanto isto, os mortais tecem as suas questões, mais ou menos dirigidos pelas Revelações trazidas por estes Adventos notáveis, quase sempre tentando fazer as coisas ao seu modo. Felizmente, também existem alguns momentos especiais em que as coisas andam em maior harmonia, geralmente após um grande repuxo da História motivado por uma crise “sem igual”, que Deus aproveita então para conferir uma nova lição (às vezes nem tão nova assim) aos seus filhos de pouca memória. Uma das grandes
16

lembranças então, é que o mundo não é apenas do homem e que este mesmo está em evolução, de modo que necessita preparar o seu próprio futuro, e a única forma de fazer isto é convivendo com aquilo que está além dele mesmo. Ou seja, ele deve tratar de acatar com presteza os conselho e as orientações daqueles enviados de Deus, sejam os Maiores ou aqueles nem tão grandes mas ainda assim, que tem muito a auxiliar o homem médio e, de resto, andam mais próximos da humanidade e aparecem com maior frequência. Falávamos então das crianças. Temos dentro e nós muitas capas de informações. Somos treinados a ver as coisas “assim ou assado” (na verdade, “assim e assim mesmo”), e seguimos fazendo o mesmo com nossos filhos porque não sabemos fazer de outra forma, embora certamente poderíamos fazer as coisas de outra maneira. É sem dúvida que a pluralidade cultural do mundo é notável, especialmente quando temos em mente a História e mesmo a nossa pré-História, por mais que nos escapem informações mais completas e mais precisas a respeito das coisas. Tal coisa somente foi possível porque o ser humano ensinou seus filhos a viver desta ou daquela maneira. Tudo isto significa, enfim, que nós também podemos mudar. O grau desta mudança pode depender apenas de nós mesmos; tudo sugere que ele pode ser mesmo grande, de todo modo convém começar as experiências por cada um de nós mesmos, aprender o que for possível e transmitir o que pudermos aprender. A fragilidade humana, ou sua “sensibilidade”, é tal nas crianças que apreciamos dar-lhes os maiores confortos. Hoje em dia existe a tendência a fomentar o “parto-sem-dôr” e “natural”, em arte inspirado nos indígenas. Realmente pode ser muito importante -inclusive para a mãe, quase vale de métodos mais lógicos- considerando a saúde integral do bebê. Quem sabe uma mente saudável possa facilitar a evolução plena do ser humano? Claro que muito irá depender de outros fatores: carma, destino, educação, vocação, etc. A vida humana não é apenas a somatória de fatos lineares e previsíveis, grande é a complexidade da evolução e nela interferem forças algo desconhecidas, relacionadas comumente como Bem e Mal, num concerto comum onde a humanidade tem seguramente um papel central, espécie de disputa cósmica e palco onde se dá afinal o grande aprendizado da vida Por isto, pode ser útil inserir algo de relatividade aqui, tendo em vista o inusitado e a complexidade do nosso assunto - a “nutrição etérica”. Assim, quem sabe a nefanda -e aparentemente inútil- palmadinha recebida pelas crianças nos partos comuns não lhe confira um “batismo-de-dor” capaz de auxiliar a suportar melhor as agruras do mundo ao qual acaba de chegar? Afinal, estamos ainda muito longe da perfeição. Poderíamos mencionar aqui que a vida de grandes seres esteve longe de ser um “mar de rosas” desde o começo. Um grande legislador esteve órfão e foi achado nas águas antes de virar príncipe, um profeta teve o seu nascimento esperado como de um rei e no final o seu ingresso na vida foi uma verdadeira escola de dor que o preparou para vencer grandes provações. Alguém poderia talvez contestar, é claro, a utilidade de citar estas vidas “escolhidas”. De que vale afinal, tratar de exceções, em especial em temas não de todo amenos? Acontece que um ensinamento elevado pode servir numa geração a uma única pessoa,
17

mas através dela terminará servindo para muitas outras, e assim as coisas poderão seguir se multiplicando. Além disto, estamos adentrando num momento especial da História humana, no qual a exceção poderá começar a virar a regra, entre outras inversões da “normalidade”. Ora, se hoje a idéia de uma nutrição elementar surge como uma simples curiosidade, em outros momentos ela pode ter servido como medida emergencial e condição da sobrevivência da espécie. Creio que agora o caro leitor pode começar a perceber onde pretendemos chegar. À primeira vista, dentro dos quadros evolutivos futuros, o tema da Nutrição Etérica se enquadra diretamente nos Códigos de Ascensão da Hierarquia, mais ou menos como se propõe na presente obra através das correlações das Dietas Elementares com as Iniciações Superiores. Porém, na prática e ainda em maior escala, o treinamento da nutrição sutil e elementar poderá preparar a humanidade, através de expoentes especialmente adaptados e predispostos, a sobreviver a séculos de crises planetária onde a vida orgânica venha atravessas uma crise sem igual. Não nos toca precisar os detalhes ou a natureza deste panorama, algo que os ficcionistas apreciarão fazer. Apenas adiantamos que a Quarta Raça humana que chega, representa a provação da Cruz ao nível coletivo, e cuja resposta se acha no acróstico INRI: Igni Nature Renovatur Integra, “A Natureza se Renova pela Ação do Fogo.” O quadro da página seguinte intitulado “A Linha do Tempo” situa melhor a questão, e ainda demonstra a proximidade em que nos achamos da ronda cósmica vindoura. A Nova Era é o ultimo lapso do ciclo humano corrente, e se enquadra sob uma raça quaternária ou sacerdotal, a qual evolui sob o Elemento Fogo.

A “LINHA DO TEMPO”
Q
S

u

a r t a

R

o n

a d Q a u P i nl a t n

e R t á o r n i da

a

P

l a n

e g u n H u m

R a ç a dT a e r R c ea i ç r Q a a u R a a r çt a a n a H au m a nH a u m a n

E

r a s

A

s t r o l ó g i c a s M A o m T e r n a t no s i ç ã o t u aC l ó s m i c a

Mas certamente será um momento global de reconstrução onde todos os recursos disponíveis serão empregados tendo em vista esta regeneração das bases da vida organizada na Terra. Entre eles, será muito valorizado os poderes iogues, por sua especial capacidade de adaptação às condições adversas e de restrições. Os iogues darão cursos em larga escala para a sociedade civil e oferecerão treinamento ostensivo para as
18

o qual terá um papel cada vez mais destacado no futuro próximo da Terra.fileiras militares. depois. Até lá. a Cura e a Medicina. também investigar para. Capítulo 2 19 . na certeza de que “toda” informação ou conhecimento é dado para ser usado e se destina a um Plano sempre maior. Dele participam certas hostes de Anjos e de mestres especialmente atentos para difundir as possibilidades inauditas da consciência e proteger aqueles que se aventuram pelo desconhecido. Razão pela qual as forças internas da evolução e da espiritualidade também estão presentes como anteparo para prestar o habitual auxílio que sempre dão aos esforços dos iniciados. E a Ciência finalmente se esforçará para “explicar” e. finalmente. Ainda assim. a cautela sempre é a Regra número 1. os pioneiros têm o seu lugar reservado na História. junto à ousadia de procurar o novo. existe um Departamento especialmente voltado para a Ciência. tendo como elan as conquistas destes exploradores da mística e dos mundos internos. No Governo Interno do Mundo. explorar estas possibilidades desconhecidas do homem. e se quiserem poderão ter em vista panoramas como estes quais estímulos adicionais.

sem aquela famosa “ditadura do real”. embora respeitando as necessidades da formação do instrumento da razão e outros necessários para a vida prática. realidades que comumente forçam a nossa reflexão. sobrevivendo ainda assim como mitos. As crenças podem ser ensinadas mesmo que elas não sejam de todo provadas. coisa que habitualmente também demandaria um processo sensível e delicado de reestruturação mental. Quando fazemos viagens ou estudamos outras culturas. Porém. Contudo. Aquele que modifica a sua maneira de ver as coisas. E assim é que. A boa educação é a conduta natural de uma mente alinhada e pacificada. descobrimos que outros consensos também são possíveis. e então eles têm que contar apenas com os próprios impulsos errantes. Acontece que as pessoas sequer gostam de imaginar que outra forma de ver as coisas é possível. não é a nossa intenção fazer nenhuma apologia do condicionamento (o qual nem sempre será mau). é verdade. Pode acontecer que um trauma nos leve a questionar valores arraigados ou nos force a enxergar coisas que hesitamos em querer ver. Pelo contrário. seja pela força do hábito. ali e ali vascila. Um consenso que. geração após geração pode alimentar este mito. como também de todo o consenso que nos cerca. os quais terminam por se transformar em modelos na pele de um ou de outro personagem “rebelde”. em nossa vida interior podemos eventualmente passar por algumas experiências “desestabilizadoras”. oscila. mas isto acontece porque os adultos não apresentam modelos que instiguem os jovens. como aquelas relacionadas à morte e à enfermidade. Ter certezas tão sólidas num mundo em mutação e quando temos tanto para explorar dentro de nós mesmos. se alguma coisa for solidamente inculcada na mente da criança e depois se souber seduzir o adolescente. tende a ser visto pelos outros como visionário e até como demente. fruto não apenas das nossas estruturas íntimas. seja pelo custo da contestação. Ter uma educação aberta é seguramente uma dádiva. até que ele cresça e se fortaleça e -quem sabe. culturais. antes pelo contrário. muitas vezes também temos a oportunidade de nos “reprogramar”. mas a grande maioria simplesmente não deseja modificar os seus hábitos e convicções. especialmente sob o influxo da religião. Tais coisas começam a nos fazer questionar a solidez de nossas convicções. As pressões da vida aprisionam muita gente.INVERTENDO O FLUXO DA CONSCIÊNCIA O fato é que aquilo que aprendemos nos dá fortes convicções das coisas. porque afinal nada de interessante tem sido mesmo outorgado e a “rebeldia” merece posar como um ícone cultural. Uma delas podem ser as crises sociais. trepida. É que também podemos praticar uma educação com modelos flexíveis. quando o questionamento surge respaldado pela autoridade de algum personagem insigne da História espiritual. e passamos a desejar cada vez mais mudar os nossos referenciais de vida. A tendência ao questionamento é comum na adolescência.vire uma realidade. etc. certamente quase tudo será possível fazer. é verdade. às vezes com razão. No mesmo sentido. outras vezes não. 20 . começa a se tornar desconfortável e passamos a desejar realizar experimentos com esta ou aquela forma de viver.

d. respaldada nos diferentes movimentos dos “rios celestes” ou zodíacos que regem a nossa evolução mundial. Tal coisa proporciona uma maravilhosa sensação de renascimento. ou que podemos recondicionar a nossa consciência para assim acreditar e ser. A linguagem de Deus serão as respostas de Vida na sua vida. c. A Ciência também começa a perceber que o movimento de sentido anti-horário apresenta peculiaridades em relação à anulação da gravidade terrena. Neste quadro. Procure então conversar com Deus. Assim. Deus é quem é. é importante levantar o Inventário do Fluxo Energético Cósmico (IFEC). Pensar no futuro e não no passado beneficia o Centro da base-da-coluna. De resto. Não sejamos onipotentes. etc. alguns ainda persistem e seguem a sua aventura de autorenovação. A necessidade verbal é apenas sua. porque ensina que em verdade somos feitos de luz. com efeito. O paradigma quântico auxilia o “viver de luz”. Por isto reunimos indícios aqui e ali. “Escolhemos o espírito quando escolhemos agir com valores” (Laurent Dauzou). pois Ele sempre está à escura daqueles que O procuram. Olhar para dentro e não para fora beneficia o Centro entre-os-olhos. para efetuar um resgate e transferência de energias desde o antigo para o novo. pois coordena todo o conjunto. A idéia da “inversão” da linha da energia não é apenas uma expressão retórica. uma quintessência. todavia. na busca da auto-reeducação. do pequeno para o grande. de reprogramação consciencial enfim. Certa literatura ocultista expõe a questão em termos astrológicos.Apesar disto tudo. um esforço contínuo porque vai de encontro a toda uma maré que caminha no sentido contrário. recebemos sinais do “outro lado” e procuramos recursos que possam fortalecer a nossa busca. existe realmente uma alteração no movimento das energias em função da mudança da consciência. no caso. Temos o livre-arbítrio para aprender a fazer opções corretas e desenvolver a consciência. Toda esta alquimia sucede daí nestes termos: a. quer dizer. o quinto e último aspecto representa. Daí a famosa sentença do Bhagavad Gita: 21 . na direção oposta que a vida cotidiana nos leva. sinalizando todo um novo universo de possibilidades e a abertura de outra faceta desconhecida e misteriosa da vida. Atentar para o aqui e não para o alhures beneficia o Centro da garganta. com tudo o que isto possa significar. Buscar o superior e não o inferior beneficia o Centro do plexo solar. nem que Ele está ocupado demais para atender-lhe. Valorizar o coletivo e não o individual beneficia o Centro do coração. existe toda uma simbologia tradicional que aponta para energias que conduzem “para cima e para dentro”. trazendo consigo novas possibilidades de experiência e ao menos a promessa de enriquecer a nossa vida e torná-la mais bela e com maior sentido. A inversão do fluxo da consciência é. sem imaginar que Ele não lhe responde. É especialmente difícil numa época como esta porque ainda somos pioneiros. de reeducação. e serve acima de tudo para que você mesmo se conscientize da importância deste diálogo. b. e. de renovação e de descoberta -e também de poder jogar com o tempo de uma maneira diferente.

nasce-lhe a atração por eles.” Tal coisa tem a ver também com o exercício do discernimento. a vida eterna ou atemporal. invertendo o processo acima. ou construir o Antahkarana. Da confusão do pensamento. “Assim. nos seguintes termos: “Esta seqüência corresponde a todo o elo causal que encadeia no processo de samsara. Assim. se a atenção dirige-se às coisas espirituais. tratamos de analisar e de avaliar a solução deste quadro. Da cólera nasce o desvio. em nossa obra “Alquimia Espiritual”. do desvio. A atenção é uma energia criadora. gerando retidão e ordenamento do pensamento com a iluminação da razão e. ela deriva do influxo vital criador que em sua origem é divino. de que trataremos logo adiante. por fim. gera um desejo purificado. a confusão do pensamento. o ciclo de encarnações. Da atração surge o desejo. Claro que tudo isto já representa parte de um Caminho de Iniciação. Capítulo 3 O CHAMADO INTERIOR 22 . a ruína da razão. disto nasce a aspiração superior que dá por sua vez lugar a um amor puro.Se o homem detém sua atenção sobre os objetos dos sentidos. da ruína da razão ele morre. do desejo forma-se a cólera. a “Ponte do Arco-Íris” que representa a nossa grande travessia para a liberdade. que é Trino. chamado “trilhar o Caminho Interior”.

É como reza o ditado. após um longo processo de preparação inconsciente. Em alguns casos a luz resulta de uma percepção inesperada. para a humanidade. e a pessoa geralmente termina tendo que percorrer uma estrada mais espinhosa. seguindo as orientações tradicionais. Mas de um modo geral. a natureza das energias espirituais é.A vida espiritual tem caminhos muito próprios para assinalar os seus desígnios.–. a qual nos estende a sua Mão para nos libertar da ignorância e integrar-nos à corrente de salvação das almas no planeta. embora por vezes tal coisa aconteça por carma pessoal. de uma crise pessoal ou de outra forma qualquer –uma sensação. Os atalhos são também sempre enganosos no caminho espiritual. etc. mesmo que em certos períodos predominem a título de preparação. mas que no fim também pode render os seus frutos de luz. Mas todos vêem a luz como revelação. uma informação. trabalhos isolados dentro de um plano sempre maior. e deveria ser conscientizada: todo Chamado espiritual tem por base uma indicação de trabalho e serviço. Além disto. A hesitação no seguimento a um Chamado é também danosa.. costumam cobrar para isto um preço dificilmente estimado: nada há gratuito no cosmos. além de abrirem no máximo uma janela e jamais a Porta necessária para a liberação. de uma urgência. Ora. enquanto para outros é menos árduo. É um pouco como o drama de Adão. de maneira que também podem diferir de um para outro. coletiva em si mesma! A revelação da existência de mundos superiores também nos conecta com a realidade da Hierarquia de Luz. já que os instrumentos a serem manejados e as habilidades a serem desenvolvidas também diferem entre si. Uma coisa. e tudo o que existe são sendeiros alternativos árduos os quais poucos estão preparados para trilhar. pois. este Chamamento tem como objetivo uma entrada no Grande Serviço. de modo a reforçar a idéia do contraste existente entre a luz e as sombras. Esta corrente de luz necessita 23 .” E uma vez recebida a revelação inicial. Aquele que não é fiel ao seu sonho termina os seus dias como um simples sonhador. as energias do cosmos jamais se repetem de todo e raramente se assemelham. e em outros como fruto de alguma enfermidade ou trauma qualquer. sempre e quando o indivíduo está preparado.. embora tenham sempre coisas em comum. é certa. ou a Iniciação em um caminho espiritual que não deve permitir o regresso às antigas condições. Não são caminhos únicos. sendo sempre melhor buscar a forma mais natural de trabalhar as energias. o indivíduo se torna como que marcado. Um chamado interno pode vir através de um livro. de missão a ser cumprida numa dada direção transformadora. ou entre as coisas divinas e as terrenas –num processo certamente sempre muito doloroso para o indivíduo e todos que o cercam. como sabem os astrólogos. o caminho preliminar é mais doloroso. inclusive no sentido de liderança. enfim. E isto não se refere a recursos artificiais que. no entanto. com o menor desgaste interno possível. na grande sinfonia da Criação que o divino Maestro necessita sempre edificar no mundo. talvez muito depois. segundo a natureza do Chamado recebido. Para uns. a ninguém é dado ver a luz apenas para mantê-la em sua própria e estrita circunferência. ao invés daquela Via plana e feliz que de início lhe era oferecida. adaptado aqui para o sentido coletivo que realmente possui: “Quando os músicos estão preparados. o Maestro aparece. e que pode também conter embutida a preparação para alguma tarefa social.

Texto revisto e adaptado para a presente edição. recebendo a necessária proteção.de trabalhadores em todos os planos. Agosto 1994. a um verdadeiro voto de silêncio. FEEU. A Hierarquia conecta a alma dos eleitos a determinadas esferas superiores e mantém este vínculo protetor enquanto necessário. Para cada missão existe um Chamado específico que já a delineia em termos. O selo disposto sobre o discípulo pode ser muito poderoso. de modo a formar aquela Escada de Jacó que possibilita a contínua ascensão espiritual desde a base na terra até o cume nas “nuvens”. Serve para conter e elevar as energias nascentes do indivíduo. Mas se o silêncio seria uma base para toda Iniciação na Era de Taurus (vide Egito) por ser Escorpião o complemento de Touro.a Cultura da Idade de Ouro. assim como para protegêlo de forças negativas. servindo como proteção e conduzindo pelos caminhos espirituais. e logo depois em Piscis a grande marca foi a do serviço (Cristianismo: "o maior de vós é o que mais vos serve") por ser Virgo o complemento de Piscis. o valor. de modo geral. e se em Aries tivemos nesta função a arte e a beleza (gregos) por ser Libra o complemento de Aries. detendo amplos poderes sobre as trevas nos planos mais sutis. por estar Leo na base da Cruz cósmica atual. * Jornal Paralelo 30 . embora no mundo físico ou cármico os poderes da Luz não tenham geralmente tanta penetração –razão pela qual devemos servir de elos às energias superiores. a responsabilidade e a nobreza. e buscando um contínuo saneamento dos planos inferiores de nosso mundo. Porto Alegre. Capítulo 4 O PORTAL DA SIMPLICIDADE 24 . Corresponde. a ousadia. agora em Aquarius será a coragem. N° 4. o que deve ser entendido num sentido amplo de recato e de disciplina.

Como

seres conscientes, temos imensa facilidade de sonhar, imaginar e idealizar grandes coisas, algumas vezes realmente geniais. Paradoxalmente, soa-nos mais difícil saber o que fazer de concreto para alcançar estes ideais, de modo que terminamos é por viver num mundo de sonhos e fantasias, enquanto levamos na prática uma existência mais ou menos medíocre. Por isto, não seria despropositado cultivar o seguinte pensamento: “mesmo que eu dê o melhor de mim, e por todo o tempo, jamais alcançarei tudo aquilo que eu sonho para mim mesmo e para os demais.” Mais ainda do que isto, a própria vida nos aporta por si só questões simplesmente vitalícias, tal como a conquista definitiva de uma alma ou uma consciência permanente, dentro da qual se acham tarefas específicas às vezes aparentemente banais, tal como aprender a ser um verdadeiro ser humano e até mesmo um autêntico homem ou mulher, respeitando a Natureza e, através dela, o seu Criador. E assim, a partir disto tudo, é possível que nos convençamos a atuar de forma mais “impecável” e a não perder tanto tempo em nossa preciosa jornada com ilusões. Nada pode existir de mais revolucionário do que a simplicidade. Pois a simplicidade nos abre as portas para a liberdade, na medida em que simplifica a nossa vida e deixa as energias mais disponíveis para investigar outros universos e para sermos também... por eles investigados. Pois felizmente estes mundos também são habitados como o nosso -e não apenas por entidades esquisitas navegando em geringonças interplanetárias-, apenas que estes seres não podem chegar até nós sem que demos um sinal para isto. Nada existe mais libertador do que a simplicidade. Talvez necessitemos coragem para assumir a simplicidade, porém isto nos renova e faz regenerar a alma. Não há o que temer, pois estamos nos caminhos do amor, e sabemos que o amor é a grande proteção que possuímos. O contato com as nossas energias mais recônditas é o portal para a transcendência. O trabalho da respiração é uma chave clássica. E o jejum é outra. Através destes expedientes exploramos os nossos limites e as nossas origens. A respiração pacifica e energiza, centraliza. O jejum purifica e fortalece. No mais, estes exercícios fortalecem a mente, e rompem hábitos e condicionamentos Ao chegarmos aos nossos extremos, abre-se o portal das novas possibilidades. Pois este extremo é apenas o limite de um plano auto-determinado de ser, ao qual nos habituamos ou fomos levando a considerar, porque é assim que as pessoas costumam fazer isto ou aquilo. Às vezes ouvimos notícias de que este ou aquele personagem quebrou os limites, mas nos limitamos a julgar isto uma excentricidade ou uma exceção à regra, esquecendo que uma regra é apenas isto, uma regra, e que as normas são feitas por nós mesmos. E quem faz as normas pode rompê-las se o desejar. Certamente existe um caminho a percorrer, porque não podemos “misturar as estações”. Aquilo que se chama de “profanação” é a impureza e é um conflito de leis opostas. Combinações até podem ser feitas, porém dentro de uma hierarquia de valores bem definida. Na busca da simplicidade encontramos então as nossas raízes, como seria lógico de esperar. Tal coisa nos remete basicamente à Natureza, nossa mãe ou matriz última. Nela encontramos os elementos dos quais nossos corpos são formados: terra, água, ar e fogo. Por empatia natural, este contato então nos fortalece, robustece, dando resistência para
25

enfrentar desafios e dificuldades. No caminho espiritual muitas vezes necessitaremos destas virtudes, destes poderes naturais. De todo modo, o grande portal é o encontro consigo mesmo, sem anteparos, sem amarras. Experimentar as nossas energias mais elementares é ampliar as nossas possibilidades. Podemos ir além, se tivermos a ousadia. De todo modo, somente poderemos saber experimentando. Para isto, pode ser importante poder contar com um manual e com um guia. Por isto estudamos e frequentamos cursos, mesmo sabendo que parte do caminho devemos trilhar sozinhos. De fato, o melhor guia é a prudência. A ousadia é o nosso motor mais importante, porém de nada vale se não tivermos discernimento. Saber quando começar e quando parar, pode muitas vezes representar tudo na vida.

Capítulo 5

EXERCITANDO O DISCERNIMENTO

26

Viveka,

o discernimento, é tido na filosofia mística indiana com a primeira das virtudes do buscador. O símbolo do verdadeiro iniciado (3a iniciação) é Hamsa, o cisne, cuja lenda afirma ser capaz se separar a água do leite. Trata-se da iniciação mais própria da raça árya, a terceira humanidade, de natureza mental e que elegeu o discernimento como a sua virtude maior. Relaciona-se também ao olho-de-Shiva, a “terceira visão” que é desperta nesta mesma iniciação. No caminho da iluminação, é preciso adquirir a antes os conhecimentos da iniciação -a dita iniciação solar”-, da qual temos alguma chaves capitais na sequência: ‘A palavra Hamsa se descompõe em A-ham-sa, ‘Eu (sou) Ele’; ou antes, dividida de outra maneira, So-ham, ‘Ele (é) Eu’. Assim é que nesta única palavra está contido o mistério universal, a doutrina da identidade da essência humana com a essência divina. Daí o hieroglífico e a alegoria de Kâlahansa (ou Hamsa) e o nome dado a Brahma (neutro), e posteriormente a Brahman (masculino), de Hansa-Vâhana, ‘o que utiliza a Hamsa (cisne) como seu veículo’. A mesma palavra pode ler-se Kâlahamsa, ou ‘Eu sou Eu, na eternidade do tempo’, correspondendo ao bíblico ou, melhor, ao zoroastriano ‘Eu sou aquele que É’. Esta mesma doutrina se encontra também na Cabala (H. P. Blavatsky “Doctrina Secreta”, I, 106, 107). A vedantina indagação “Que Sou Eu?”, revitalizada em nossos tempos por Ramana Maharishi, tem a sua resposta na bíblica definição divina “Eu Sou Aquele que É”, ou apenas “Eu Sou”. A busca do Ser concentra a súmula da arte do discernimento do iniciado, o qual deve tratar de fixar a sua consciência na Verdade e na Essência, afastando-se das coisas do tempo e das ilusões. Neste aspecto, Hamsa define-se, num primeiro momento, através da afirmação ontológica do Ser, relacionada ao grande Brahman, que reúne a Trimurti divina, achando-se assim além das alterações dos tempos ou dos ritmos, gunas. Tal como afirma Krishna no Bhagavad Gita: “Em Mim o discernimento entre o Campo e o Conhecedor do Campo é a verdadeira Sabedoria.” (Xlll, 3). Logo, porém, se expressa como poder de criação e ciência espiritual, ligado a Brahma, a saber: “Hamsa representa a sabedoria divina, a sabedoria oculta e fora do alcance humano. Está intimamente relacionado com o Pranava (a sagrada palavra AUM); a asa direita do cisne é A; a esquerda, U, e a cauda M. (“Voz do Silêncio”, I). (Helena P. Blavatsky, “Glossário Teosófico”)* Hamsa é, portanto, igualmente o veículo de Brahma, o deus criador, significando que apenas os iniciados podem realmente auxiliar Deus a organizar um mundo superior, e que somente eles têm acesso aos mistérios da Criação, porquanto os restantes se perdem nas teias de maya, as ilusões. Tudo isto quer significar, que o discernimento é um apanágio dos iniciados.

27

para auxiliar Brahma a renovar o mundo. ter humildade. e assim por diante.BRAHMA E SEU VEÍCULO HAMSA Hamsa é considerado ainda o nome de uma casta especial que surge nas épocas mundiais de transição das raças. como uma forma de ajuste da própria visão. mas não quanto a renunciar à ambição de saber antes de estar preparado. Quando eu era criança. Este pode haver sido. mas nem tudo me convém. o conveniente e o inconveniente. novamente. as virtudes não são adquiridas isoladas. no mínimo elas se esteiam sobre outras já assimiladas. esta é uma colocação metafórica. Como sempre. então ele se apóia sobre os dons dos iniciantes e dos iniciandos. a profanação é inevitável. posto que na nova raçaraiz caberá a participação crucial dos espiritualistas para desencadear o novo ciclo da civilização. agia como criança. as sentenças de São Paulo: “Tudo posso. cabe não fantasiar. Cabe lembrar. por isto os profetas são amiúde chamados de “videntes”. ou vice-versa. tais como são a disciplina e a humildade. por isto. certamente não enxerga o seu centro. o útil e o inútil. Quem está no meio do turbilhão. A visão clara das coisas é difícil. mas agora como adulto busco as coisas dos adultos. Vale. acima de tudo buscar o equilíbrio em todas as coisas. 28 . as riquezas que a nada levam. Para os hindus. fetichistas de toda a sorte. que podem ser também os idólatras que seguiam as religiões antigas -e passados dois mil anos.” Naturalmente. Por isto devemos no começo saber enxergar pelos olhos dos sábios. É neste sentido que Paulo fala das crianças. No caminho da Verdade. iniciativa e. acima de tudo. afinal os Mistérios são realmente muitos elevados. daí os sábios viverem retirados. quando o vulgo tem acesso a um saber misterioso. o mundo prossegue cheio deles: adoradores de Mammon. além de astrólatras. discernir entre o real e o irreal. É que o conhecimento sagrado tampouco é coisa para leigos. um quadro mais especificamente áryo. “crianças” é sinônimo de materialista. Talvez seja pedir muito ter discernimento a este nível. Sendo o discernimento o dote dos iniciados.

antes de tudo. onde entra a arte da alquimia. E vice-versa em todos os casos. que a verdadeira Sabedoria não deixa muita margem para os preconceitos. Trata-se. o interior se identifica com o exterior. 2007. para culminar na Identificação final (samadhi).Julgamos muitas vezes. de integrar e unificar as energias. “os Espelhos de Sabedoria” verdadeiros portais de sabedoria eterna que são (ver também o Comentário da doutrina em nossa obra “Dharma . a manifestação do masculino traz uma resposta do feminino. que trata do novo dharma de Maitreya através da doutrina Mayatri. razão pela qual a sua grande chave é a do equilíbrio. ou seja. comumente citado em parte ou no todo nas Escrituras. ele não é irresponsável e nem egoísta. Porém. Percebe-se daí. Segue então uma imagem destes sagrados “Espelhos” na forma de Portais de Luz. o verdadeiro discernimento não se volta parcialmente contra as coisas. Quem busca a harmonia. Agartha. etc. de modo que a observância destes Espelhos em nossas vidas proporciona equilíbrio e auxilia poderosamente no discernimento das coisas.a Canção da Vida”. aquilo que vem do passado reflete-se no futuro. etc. Ed. almas-gêmeas. é acima de tudo equilibrado e integrador. Uma das formas de alcançar o conhecimento é através do Inventário Dimensional. de saber incluir. yoga.. Este Inventário cósmico de energias. Pelo contrário. Evitando preconceitos.o Reino da Felicidade”. AP): A DOUTRINA DOS ESPELHOS Assim como é em cima é em baixo. a meditação. trazendo assim a supremo estado de Felicidade (tushti) do Ser. O objetivo do dharma parte então destes pares-de-opostos. nos Oráculos. engloba seguramente todos os grandes dharmas raciais.. economiza muito tempo e trabalho na vida. que é a grande Meta do Dharma Tushita. o sábio procura se posicionar no centro das coisas. fomenta o seu equilíbrio -na arte de “andar sobre o fio da navalha”-. que discernir é apenas enxergar o erro “óbvio”. Reproduzimos para isto uma passagem central do nosso livro “Tushita . etc. conformando a Grande “Cruz da Vida”: OS QUATRO PORTAIS DE SABEDORIA 29 . como fazem aqueles que protestam. nas Cosmologias.

I L

U

M

I N

A

Ç

Ã

O

H ie r a r q u ia

E T E R N ID A D E

Este equilíbrio se reflete no fomento de uma precisa realidade: a consciência. Não é casual que os signos fixos ou a cruz central do Zodíaco está relacionada à iniciação. Quando observamos os signos dos buscadores da Verdade, notamos que a maioria pertence a este grupo de signos. Por esta razão os Portais acima terminam se conformando também à estrutura natural zodiacal (em agrupamentos por Elementos). Assim, o iniciado do Caminho dos Espelhos pode, com a Mandala dimensional em mente, prostrar-se simbolicamente ante as Quatro Direções, e decretar: (Ao Norte): “Eu Sou a Harmonia Iluminada do Superior e do Inferior.” (Ao Leste): “Eu Sou a Harmonia Eterna do Passado e do Futuro.” (Ao Sul): “Eu Sou a Harmonia Bem-Aventurada do Masculino e do Feminino.” (Ao Oeste): “Eu Sou a Harmonia Infinita do Exterior e do Interior.” Concluímos com a seguinte citação de nossa obra “Fundamentos de Esoterismo” (Ed. Agartha, 2009, AP): “O Grande Mistério é o Equilíbrio, e para o profano existe aqui uma névoa intransponível, pois se trata do tênue território da magia. Daí a necessidade do Guia para este Mundo sutil, situado além da matéria e aquém do espírito, no mundo da alma tecido de mitos, mas que tampouco velam sonhos vãos, e sim a grande liberdade do Ser.”
30

IN F IN IT U D E

A questão do discernimento afeta diretamente o fator axiológico, ou o nosso sentido de valores. O que atesta por si só o quanto este assunto todo é de importância capital. Ainda assim valores pode se frutos de educação, sentido moral e condição psíquica -enfim, sempre elementos sujeitos à uma reeducação interior. Seguramente o sentido moral está na base do discernimento. Assim, ser homem e ser mulher demandam uma integridade de espírito que recusa a concessão à luxúria, vista como um desrespeito às regras morais e naturais. E tampouco acata a humilhação e a exploração do próximo, na medida em que vê nele um templo vivo de Deus. Do mesmo modo, trata o ateísmo e todo o desrespeito à Natureza como ignorância, inexperiência, arrogância e vaidade. São os nossos valores que nos levam a tomar decisões e a escolher caminhos. Ora, se temos valores frágeis e um discernimento débil, podemos facilmente cair na farsa dos falsos profetas e dos lobos-em-pele-de-cordeiro, ou até querer inventar coisas “sem pé nem cabeça” achando que somos geniais ou divinamente “inspirados”. O estereótipo do “gênio maluco” não é casual. Todo gênio é um gênio setorial, por isto muitos pecam em coisas que para outros parece elementar. Mas, além disto, a própria idéia da invenção também é polêmica. Geralmente as melhores inovações se apóiam sobre aquilo que outros já vem desenvolvendo, de modo que o “inventor” acaba na prática por integrar toda uma escola de criação. Aquilo que não tem nenhum passado geralmente tampouco tem algum futuro. No mais, o que existe é invencionice, pessoas que forjam uma novidade para lucrar com as atenções do público ingênuo. Na área da filosofia é semelhante. Um falso mensageiro procura disfarçar o velho com uma nova roupagem, para ocultar que está tratando do antigo através de palavras nova e “misteriosas” supostamente reveladas, sabendo que desta forma pode ludibriar aqueles que se apegam às formalidades externas. Já o verdadeiro mensageiro se ocupa menos das palavras que dos seus conteúdos. O bom mensageiro é aquele que fala coisas realmente novas sobre antigas verdades, tratando assim de retirar os seus véus. Na verdade, a preservação da forma pode servir de atestado de Tradição e Escola, um espírito de respeito e prova de continuidade e evolução regular das coisas. Infelizmente o assunto nem é assim tão simples, pois o embuste às vezes se disfarça de respeito aparente. Há também quem trata de preservar aparentemente as formas e os termos, mas investe em interpretações absurdas -e provavelmente o leitor há de conhecer exemplos famosos destes dois casos em sua experiência de vida, afinal são coisas que sempre têm o seu público cativo, do contrária ela nem seria cogitada. Para alguns, fazer evoluir os mistérios é investir em idéias cada vez mais irracionais e desconexas, ao invés de promover a verdadeira revelação, o esclarecimento e buscar a sã exegese. O misteriosofismo obsessivo é a pérola dos mistificadores empolados e dos falsos sábios, com seus ares de amar e velar mistérios “insondáveis para os mortais”. Certamente a Tradição de Sabedoria vela grandes mistérios dificilmente apreensíveis pelo ser humano, porém existe aqui uma charada interessante para o discernimento de cada um, que é tratar de distinguir o pré-racional do pós-racional. Mais uma vez, a questão não se resolve facilmente e demanda certas balizas. Vale como custódio, por exemplo, o contexto da informação. De todo modo, o pós-racional não afronta e nem despreza a razão. Não cabe perder os instrumentos de apreensão do real que adquirimos com a evolução. Se ele foi dado é
31

porque alguma função há de ter. Podem até querer dizer que a mente racional se destina apenas ao manejo concreto do cotidiano, porém existem fartas razões para pensar que ela poder ser útil de muitas maneiras, a começar pela sensível questão do discernimento. O tema seguinte parte também desta questão. O discernimento é importante porque denota integridade, alinhamento e robustez mental. Para poder discernir é preciso lucidez, desapego e serenidade. Não é possível enfrentar com segurança as transformações da mente sem todas estas qualidades, as quais necessitam neste caso ser criteriosamente cultivadas. Seria quase um excesso dizer que o discernimento depende, acima de tudo, de ter uma mente clara. Para chegar a isto, vale “qualquer coisa” -ou quase: meditação, boa alimentação, sossego, espiritualidade, desapego, altruísmo, e daí por diante. A mente deve estar com energia, manifestar curiosidade e ter vivacidade. Por esta razão, as drogas de todo o tipo são a maior agressão contra o nosso próprio discernimento. Não seria preciso insistir que as drogas turvam a mente, às vezes até por razões outras que a da própria química, na medida em que facilitam em muito o acesso dos obsessores astrais. Trata-se, assim, de uma forma de suicídio espiritual, que é o pior de todos porque afeta a nossa própria essência eterna que é a “luz” da nossa consciência, a qual ao invés de ser apagada, deve antes brilhar e ser fortalecida. Paradoxalmente, até quando as drogas parecem aclarar a mente, elas confundem porque mexem com o nosso carma. De repente, já não sabemos realmente quem somos, onde estamos e o que devemos fazer. Como elas conduzem para estágios pré-racionais da consciência, fragilizam o ser humano e prejudicam o seu o sentido prático. A mente é frágil demais para ser sujeita a jogos perigosos. Deve dar graças a Deus aquele para quem ainda não é tarde demais, e então abandonar o quanto antes estes falsos atalhos, mantendo na memória as “boas experiências” e buscando vias naturais ou iniciáticas para alcançar a paz, a força e a felicidade. As drogas iludem porque são, como muito já se disse, apenas “paraísos artificiais”, e então consumi-las é um ato individualista e até irresponsável, um atentado contra nós mesmos para começar, e logo contra para todos aqueles para quem podemos chegar a significar alguma coisa. Em nossa obra “2013 - a Cidade Portal”, escrevemos: “(...) antes de pretender encontrar algo, devemos saber em que direção buscar, isto é, devemos aprender a buscar. De outra forma, permaneceremos andando em círculos e sujeitos a contínuas ilusões.” Os místicos pecam muitas vezes por um anarquismo inconsequente. Existirá um anarquismo que seja consequente, quer dizer, que tenha consequências positivas? Talvez a resposta para isto esteja oculta nas dobras dos milênios. Todavia, chegaria a ser um paradoxo pedir tal coisa de uma doutrina que se nega a estruturar-se. De fato muitas vezes se fala de Hierarquia no céu e de Anarquia na Terra, mal se dando consta da enorme contradição e da esquizofrenia cultural a que se está sujeito. Parte desta confusão se deve à transição dos ciclos históricos, pois há um mundo que termina e um mundo que começa, no tempo e no espaço. Em qual exatamente nós iremos nos enquadrar?
32

mas para isto é preciso conhecer o antigo naquilo que ele tem ou teve de positivo -considerando que a evolução é apenas uma continuidade transformada-. largar os seus vícios remanescentes. Porém. Certamente uma das grandes causas das crises mundiais -senão a maior e a única verdadeira causa. mas sim ter bases para ensaiar novas variáveis a partir de alguma eventual obra-prima. É o Futuro que lhes cobra. apenas porque a forma já não serve mais. Balbúcios e lamúrias é tudo o que se entende. não tendo o que ensinar. não acatando a necessidade de transformação gradual das coisas. Cada pedra solta que encontra. analisa as ruínas para tentar conhecer o seu plano original. mesmo das mais enfáticas argumentações.É natural que daí os místicos andem como perdidos no oceano da sua desconstrução. pois ele tampouco é um simples faxineiro. O que ele deseja no fundo é apenas conhecer o Esquema original. O único motivo razoável para alguém não querer um líder (ou um professor) sobre sí. Isto é autêntico amor ao conhecimento. Verdade que em boa parte se tem sido inspirado por falsos-profetas oportunistas que. dando por resultado a estagnação. uma vez renegados os velhos rumos. e quando vê ele nem tem mais onde morar. De fato. ele tenta encaixar no esquema. Um desconstrutor se assemelha às vezes a um arqueólogo. uma vez conhecido o Esquema. internos e exteriores. na medida em que “aquilo que não ajuda atrapalha”. se limitar a jogar pedras nas ruínas alheias. De fato ele não quer reconstruir nada. em busca de pistas para reconstruir uma cena ou uma peça. e nem mesmo um reformador. porém. A falta de sentido prático e o individualismo radical do anarquista. o anarquista é este visionário que ao fim e ao cabo termina por auxiliar a manutenção dos status quo decadente. Perde muito aqueles que destroem tudo. e sem ter exatamente ainda para onde ir. como se costuma dizer. aquilo que ele realmente busca já nem é a forma. quer dizer. Onde há anarquismo na Tradição? Shiva não é um destruidor. pois nem é preciso ser um sábio ou filósofo para isto. a Alma resgatada de algo que apenas certa reconstrução pode prover. desconstruir já é uma arte tremenda! Existe muita diferença entre um destruidor e um desconstrutor. pois respeita a ação do tempo. é a capacidade adquirida de liderar. que recusa as trocas por simples preconceito. O desconstrutor em sua busca de conhecimento. além da possível raridade de líderes verdadeiros. que é a única coisa capaz de promover a efetiva mudança do mundo. Eventualmente. como certamente cobrará na voz de cada ser humano que vier ao 33 . um restaurador. Um desconstrutor não se limita a limpar o pó das idades. Pois tampouco ele quer o Esquema para construir algo. O seu radicalismo impede a evolução porque não passa de sonho irrealizável de imediato. e empreender um esforço para fazer avançar a cultura e assim o mundo poder dar um novo passo. quando se entende ter em mãos algo que já teve muito valor. É isto sim um renovador. Um destruidor raivoso simplesmente põe tudo abaixo até os próprios alicerces. hoje desconhecida e vilipendiada. e sim um desconstrutor.é mesmo esta: a lamentável desunião daqueles que sonham com algo novo. poderá até chegar a desmontar tudo para analisar pedra por pedra ainda mais detidamente. Por isto. isto não acontece no anarquismo. impede a união das pessoas. É muito fácil ser um destruidor. mas sim o estilo original. mas cuja imensa luz do passado ele sonha vislumbrar para se inspirar a compor uma nova sinfonia. Em algum momento estas pessoas deverão se purificar. quer dizer.

2007. Capítulo 6 A MUDANÇA DE HÁBITOS O ser humano é uma entidade rotineira. ver a nossa obra “Magia Branca e Teurgia .Oriens et Ocidens”. talvez em condições tão lamentáveis que odiará toda a pessoa com mais de trinta anos de idade -coisa que. já vem aliás acontecendo há algum tempo.mundo já nas próximas gerações. como de resto toda a Criação parece obedecer ao ritmo natural para poder manter a ordem. a harmonia e a evolução. Nada pode ser 34 . num certo nível. Agartha. * Sobre o uso técnico e iniciático do pranava OM. Ed. AP.

em função da importância capital desta “necessidade” em nossas vidas. É claro que podemos pensar em mudar muita coisa. antes de entregar-nos à “lendária” busca pelo auto-conhecimento. Por isto muitos de nós nos imbuímos e nos fartamos da literatura mística que fala dos poderes e das belezas da vida espiritual -sufis. e está mesmo disponível à nossa própria experimentação. No entanto. etc. E nisto. A importância da mudança de hábitos. Esta rotina muitas vezes favorece a saúde física. a busca por centros especiais de treinamento e de vida alternativa. está em que permite realizar um ajuste nos mecanismos da nossa Conscientização. contudo também já tem sido experimentada e convivemos com pessoas que exercitam esta inusitada prática no seu dia-a-dia. que para alguns poderá ser até alguma iluminação mais decisiva e mesmo o contato de almas-gêmeas. Como seria viver “apenas como almas” antes do tempo? Certamente uma coisa inacreditável. talvez até demais e com limitações filosóficas (não que as alternativas não sejam igualmente tortuosas). quem sabe. o bebê sabe por instinto inato que deve ser alimentar no peito da mãe. apesar das vantagens que oferece no sentido da tradição e da garantia de seguir um curso seguro e retilíneo. até alcançarmos algumas experiências realmente marcantes. tendem a nos fornecer novas experiências de alma. capaz de marcar de forma definitiva uma existência. não deveríamos duvidar tanto. Podemos fazer práticas saudáveis como exercícios ou ioga. Porém. curadores. não é nada saudável não ter hábitos. Um dos Capítulos desta obra. realmente revolucionária de todo. e começar a contestar a própria necessidade de nos alimentar. a não ser talvez que ingressemos num Seminário onde as coisas se afiguram mais ou menos previsíveis. Nisto começamos com algumas práticas de resultados imediatos. A qualidade da Consciência é a grande luz da nossa vida. devemos sempre que possível é buscar cultivar hábitos mais saudáveis. até mesmo represente uma das mais revolucionárias medidas possíveis. santos. a grande mudança se dá mesmo em relação à transformação de nosso Projeto de Vida -se é que podemos chamar assim a algo que. como mudança de alimentação. Porém. ioga e. antes de mais nada soa apenas ao abandono de um antigo modo de ser. convém fazer algo apenas porque “tudo mundo sempre fez assim”? Podemos querer quebrar hábitos arraigados. Ora. do que realmente à assumir algo novo que nunca está totalmente claro em seus caminhos e nos resultados que oferece. De fato.-. a continuidade do esforço. a alimentação é talvez a única coisa que não necessitamos aprender. aquilo que deveríamos mais prezar e dar a maior atenção. Na verdade. como também a saúde mental. Porém. iogues. inconscientes e limitadores -como aquilo que fazemos apenas porque sempre fizemos assim. um dos hábitos cotidianos mais importantes de mudar diz mesmo respeito à nossa alimentação. Talvez por isto seja algo tão sensível modificar esta prática. se somos realmente Almas. razão pela qual tal coisa está na essência da tática da guerrilha. e acima de tudo isto.mais destrutivo do que a irregularidade e a imprevisibilidade. e ainda assim nada que se possa dizer estabelecido sem a manutenção contínua da consciência. cabe afrouxar um 35 . a perseverança e a sabedoria. propõe a comunidade dos pranívoros. xamãs. podemos mudar de cidade e até ir residir num mosteiro.

japamalas ou rosários.pouco as cordas da razão. vibre e faça estas Palavras acontecerem na sua vida. Pois uma coisa é certa: quando você estiver realmente preparado para decidir-se. A simples afirmação do “Eu Sou” em relação às virtudes assinaladas já podem fazer o seu efeito. “Eu Sou” a Luz do Senhor. OM “Eu Sou” o Ser do Senhor. Para alcançar o céu. OM Recite muitas vezes ao dia estes singelos mas poderosos Decretos -digamos 3x7 vezes ao dia. Também é sempre recomendável fazer uso do pranava OM. Esta é a Ciência da Invocação e da Evocação. Assim. portanto. nunca totalmente é claro. ecumênico e ainda detém uma métrica perfeita Decrete. não basta soltar as amarras e saltar do ninho. decretando assim que você está em Deus e que Deus está em você. a prática mostra a importância de empregar reforços diários e até constantes em favor de uma nova conscientização. mas modo geral eles podem feitos na forma de decretos e orações. Com o passar dos dias certamente nos fortalecemos e podemos aos poucos “baixar a guarda”. “Eu Sou” a Paz do Senhor. é preciso também abrir as asas e voar. “Eu Sou” é uma afirmação ontológica profunda. Todo o resto pode depender da sua vontade e determinação. voltadas para o Ser. a Paz. Claro está que os anjos virão te confortar. a Luz e o Poder. tal como os muçulmanos que param três vezes durante o dia para rezar a Alá. que segundo Alice A. Assim. Sabemos que depois que a roda começa a girar. “Eu Sou” o Poder do Senhor. Bailey será um dos grandes fundamentos da religião da Nova Era. sinta. bastam pequenos toques para que ela siga no seu ritmo. Tais reforços podem ser de distintas naturezas. tudo então poderá acontecer. O mantra dado é. que é um som-de-poder com grande efeito harmonizador. o Amor. “Eu Sou” o Amor do Senhor. relacionada à idéia bíblica de Deus e muito usada na mística moderna. Talvez a principal dúvida seja mesmo em relação ao apego aos velhos hábitos. Trata-se do manuseio dos aspectos criadores e espirituais das Leis cósmicas de Causa e Efeito... você não necessita usar mantras ou ladainhas. 36 . Mas a menos que deseje.

Capítulo7 ASSUMINDO O CONTROLE Uma pessoa é aquilo em que ela acredita. como acontece comumente. Tudo são passos e etapas -e na verdade é assim que as coisa 37 . Porém entre acreditar a ser de fato o que se crê. sem ter toda a realização daquela verdade. pode haver um caminho a seguir. Podemos certamente dar passos em função de crenças adquiridas ou fatos revelados.

pelo contrário. e sobretudo para eles. Por isto ele é mais afeito ao governo e ao poder. e apenas abandonam o “controle” ao senso comum. devamos outorgar o controle para uma outra pessoa.porque nos é difícil seguir uma disciplina mais apurada. Queremos ter um negócio. raciocinar. Recebemos uma informação espiritual instigante. assim como a nossa própria ignorância. O descontrole é quando somos invadidos por aquilo que não interessa. para poder avançar ainda mais. mas é nesta arena de conflitos que devemos lutar. e assim por diante. não em busca de vitórias porque os oponentes na verdade são apenas amantes em desacordo temporário. sendo este um dom feminino por excelência. e a forma mais equivocada de 38 . a questão do controle é mesmo tema polêmico -embora esteja no cerce da problemática humana e nos mitos da Queda do Homem-. da parte dos mestres a tutela ainda é necessária. cabe investigar e praticar. A juventude tem poder. Podemos nos enamorar de alguém. Naturalmente. porque representa independência. Afinal. porque a massa caminha como manada. Tudo isto representa acessar o controle do nosso destino. Para alguns a própria fé se torna caminho -uma fé que pode “remover montanhas”-. razão pela qual as mulheres estavam tão à vontade na Era de Peixes. ou para merecer o seu salário. mas ela é. É um paradoxo que. geralmente a ambição parte do poder coletivo e a vocação parte da vontade individual. Controle é: Só ver aquilo que se deseja ver Só ouvir aquilo que se deseja ouvir Só ingerir aquilo que se deseja ingerir Só sentir aquilo que se deseja sentir. Outorgamos muitas vezes a uma autoridade (e ao grupo) o controle -e é natural fazê-lo. o instrutor tem quase a mesma “dependência” auto-imposta porque necessita transmitir aquilo que sabe. podemos dizer que estamos no controle? Raramente podemos afirmá-lo sem hesitações. isto pode ser até destrutivo.são na vida. Então. Pelo contrário. sistematizar. isto faz toda a diferença. talvez entre um político e um sacerdote. e para isto devemos estudar. E na outra ponta. O homem necessita compreender. para chegar a ter o auto-controle. Contudo. A concessão do controle para o senso comum é a renúncia do auto-conhecimento (e da liberdade interior). Tal coisa põe a descoberto os nossos conflitos internos. Por analogia. Podemos almejar uma profissão. cabe daí investir. A educação é em parte um treinamento de controle e de direção. a vida do buscador da Verdade é um campo de batalhas. O controle é chamada a virtude da maturidade. mas não tem controle. o mesmo se passa em relação à auto-reeducação que tratamos de empreender no caminho espiritual. sacrificada. Ter o controle das coisas naquilo que nos diz respeito é a grande meta. o que nos perturba e prejudica a nossa paz e a nossa evolução. A criança não tem controle porque obedece aos seus impulsos e necessita muitas vezes ser controlada desde fora. quem assim age está em vantagem em relação àqueles que preferem nada buscar. De nada adianta ter um poder ser controlá-lo. Ambição e vocação podem nortear a busca pelo controle. mas para ter esta pessoa existem passos a dar. tocada daqui para ali ao sabor dos desejos daqueles que detém algum controle. Contudo.

onde pode ser enunciada uma capital diferença entre permanecer no meio-do-caminho como os iniciantes. Nele tratamos de realizar os desígnios mais profundos do Criador. sem que nada disto modifique substancialmente o modo de vida que temos. mesmo quando cristalizada num anarquismo mais ou menos superficial. nem tanto à terra. ali se travam os embates entre as forças opostas em busca de supremacia. na auto-ilusão de estarem exercitando o seu livre-arbítrio. Pois a realidade é que -como a Psicologia vem ensinando. com fidelidade e coerência. Realizamos alguns serviços sociais e somos úteis à Deus e à comunidade. Existe o instinto que deseja enraizar-se na Terra e no tempo. mas também existe a aspiração superior que almeja libertar-nos para a eternidade e alcançar o Céu. tendo em vista o desenvolvimento de uma forma superior em nós mesmos. que às vezes até podemos chamar de bem e mal. Neste caminho podemos conhecer glórias e alegrias puras. Ceder o controle de forma inconsciente é o que as pessoas mais fazem. A iluminação e a alma-gêmea passam por tais definições. Na verdade. de modo a. e nisto nunca se vai muito além da “terapia” e do “bem estar”. Já foi dito que a Alma do homem é o verdadeiro campo de batalhas. grandes revoluções ou conquistas interiores por estes meios. podemos alcançá-la sem renúncias significativas e participando de grupos. Então. a rebeldia adolescente tampouco traz a solução. quando já sabemos até cientificamente estarmos sujeitos a forças de condicionamento social e cultural poderosas que iniciam antes mesmo do nosso nascimento. é natural. E sim para adquirir experiência interna profunda e fixar a consciência solidamente no “outro lado das coisas”. porque representa apenas uma reação irracional. Certamente as renúncias estão a cada passo neste caminho. Na segunda opção.temos muitos “eus” dentro de nós. E em meio a tudo. fazendo práticas e estudos que aos poucos podem ampliar a nossa consciência e depurar as nossas energias.encarar o assunto é julgando que somos realmente livres para exercer o nosso livrearbítrio. ou alcançar o verdadeiro Caminho-do-Meio dos iluminados. até onde queremos ir é que faz toda a diferença em relação aos métodos a seguir. Este é o caminho das boas pessoas ou dotadas de uma vontade-para-bem. devemos começar a remanejar positivamente a nossa forma de ser e de viver. existe a Natureza que busca harmonizar a tudo num universo de pura Magia. nós apenas cedemos o controle de forma consciente. planejando todo um novo curso de vida tendo em vista a auto-reeducação e o auto-recondicionamento. mas tampouco para retornar àquilo que fora no passado.” Porém. É mais como “arejar a casa” para mantê-la saudável e pura. assumir as rédeas destas energias é que representa a Grande Arte. oportunamente vir a adquirir experiências de síntese e. Tampouco devemos esperar. verdadeiramente transformadoras. A primeira opção é simples. como também sofrimentos e padecimentos. não necessariamente para ser um asceta ou um monge para sempre. Este é o caminho das pessoas-de-bem ou de boa-vontade. São forças de tendências opostas. quem sabe. A verdadeira Sabedoria afirma: “nem tanto ao céu. embora a Verdade se firme isto sim é no equilíbrio. Nisto. estes sim. 39 . e possibilitamos toda a sociedade a mudar e avançar. pois segue a via ascensional.

Que é da Vida afinal sem a consciência? E o contrário. e é único na verdade. Quer dizer: “sabemos de algo”.mistério maior da Vida. simplesmente. na verdade a própria essência da Vida.Capítulo 8 MECÂNICA DA CONSCIÊNCIA Consciência . Tal coisa faz toda a diferença. Disto deriva a condição humana. Podemos analisar a palavra assim mesmo: “com-Ciência”. é totalmente revolucionário. 40 . pode haver consciência sem vida? A consciência é a própria Vida.

Estes períodos.E nisto. vivemos já na transição para um novo ciclo mundial completo. sucedem na verdade uma grande crise mundial que resulta em penoso aprendizado. mas de seres superiores que com ele convivem. começam pela perda de qualidade das relações tutelares iniciais. que são os melhores da Humanidade (ou as chamadas Idades de Ouro e de Prata). pois somente a vontade criativa é capaz de levar à divinização. Há períodos em que a humanidade acata esta tutela. As época críticas da humanidade (ou as chamadas Idades de Bronze e de Ferro) de velhice e morte. não de forma hipócrita através de livros (a “letra morta” 41 . Sendo este noviço no profundo mistério da consciência. de modo que através disto se alcança a manutenção da Ordem cósmica. e que pouca coisa não é. e livremente consentida a partir da aceitação dos próprios limites humanos. segue deste a integração para a desintegração. ela é superiormente mais livre. ela alcança se organizar internamente de uma forma mais rica e profunda. Um dos paradoxos é que. Na verdade. e há outros em que ela recusa. Ele existe para que aprendamos a fazer opções corretas e assim nos igualemos aos deuses -o Bem e o Mal devem a sua existência a isto-. no período tutelado. uma raça humana também nasce. Dizem inclusive que as melhores coisas que já se fez na Terra nem partiram inicialmente do próprio ser humano. A crise em vista permitirá realizar um novo Ajuste de Conscientização. mais que desde o espiritualismo para o materialismo. envelhece e por fim morre. de modo que. Esta é realmente uma questão bastante delicada. de uma tutela superior. a humanidade sente-se livre das antigas estruturas tutelares para “fazer aquilo que ela bem entende”. Depois vem o ciclo sem-tutelas. o reino humano está condenado à tutela superior tal como uma criança. amadurece. o ciclo da tutela contava de início com a orientação da Alta Sabedoria. começando pela República e culmina na cultura de massa que é a Democracia. e acatando a orientação superior. graças aos esforços de Hierarquias antigas que vêm evoluindo paralelamente com a Humanidade. certamente sob grandes dores e padecimentos. a consciência se associa de forma muito direta a outra grande característica basicamente humana. cresce. Conhecer o verdadeiro sentido do livrearbítrio é a grande questão da vida. depois veio Religião e por fim a Monarquia. a qual resulta na grande crise mundial. portanto o período máximo de desintegração. Se trata. nete caso. e daí as coisas se complicam bastante. talvez por se tratar da primeira espécie consciente da Terra. Este curso histórico. ou na “Idade do Diamante” que prepara toda uma nova ascensão da História humana. Esta recusa acontece pela involução natural dos tempos. pois embora orientada por sábios. Ora. e tudo vai bem. No entanto. porque tal como um organismo qualquer. e que levará outra vez à aceitação da tutela superior. crise esta gerada pelo período anterior de materialismo e de recusa tutelar. e repleta de paradoxos. A primeira vítima disto é a Religião e tudo o que está nisto implicado como ordem coletiva e individual. alcançando assim maior integração. tal como numa adolescência racial. que é o livre-arbítrio. Vivemos hoje o ocaso da Idade de Ferro. o ser humano pena bastante para afirmar uma consciência realmente apurada. no sentido da humanidade voltar a reconhecer humilde e devidamente os seus limites.

a técnica e a criatividade. esta tutela.. então.. a disciplina.. A ética.. desde sempre prescrita como condição sine qua non para regeneração e a evolução humana... oferecemos o seguinte quadro. O cálice receptivo. A Consciência está representada na simbologia tradicional pela imagem do Cálice. é um caminho de transcendência. depende de haver um equilíbrio. mas tendo ante si como Luminares Perpétuos a figura dos mestres e dos instrutores da Verdade. O uso seguro da espada depende do cálice. habilitado e “vazio”. Desejo . Como tal.. se de início a tutela adotava a forma de um látego.. ou a hóstia no cálice do amor. a purificação... o poder. os dois grandes dínamos da vida são o amor e o desejo. depois passou a ter a forma aproximada de canção.. À primeira vista.” (Roerich. a saúde e a ética. mais que uma regra social. ou mesmo da bainha. que nos habilita a gerar manifestações mais nobres e qualificadas.* porque este é realmente o Maior dos ensinamentos. pela Espada. o Cristo que nasce na manjedoura. de uma forma ritmada e cíclica. uma polaridade e se completa com o aspecto ativo da energia. o amor e a compaixão. desejo e compaixão são forças de tendências opostas dentro do psiquismo cósmico. da afirmação.. o Taoísmo e Lao Tsé e Hermes Trismegisto imortalizaram. símbolo da mente por sua vez.. a vontade. com a receptividade. de disciplina e de economia de energias. Amor . seguramente. o qual serve também para simbolizar o coração. por sua vez. Somente assim podemos ser agentes verdadeiramente criativos. Tudo isto denota a evolução da consciência humana. que o nosso grande elan com a realidade reside realmente na dimensão psíquica -e não apenas como homens. A vontade é a jóia no lótus da consciência.que Jesus denunciou) ou de “inspiração” interior. ele também pode reunir elementos dos restantes e assumir uma dimensão de todo transcendente. A imagem das “jóias” internas é o mais comum nas Tradições 42 . A tensão representada pela espada. humanidade 2. no caso. e que Maitreya novamente retoma em nossos dias através de seu Dharma revelado. mantidas as devidas reservas: 1. vale explorar as dimensões que esta energia pode adquirir em nossas vidas.... porquanto a humanidade também avança mais. não obstante. tendo em vista a necessidade de inversão da direção do poder psíquico criador.. Cabe admitir... Nisto. lembrando o sagrado Caminho-do-Meio que Buda.. que é a mesma coisa. será cada vez mais “frouxa”. # 156).. no entanto. pois as esferas espirituais parece também se valerem disto como “âncora”.. Compaixão . Assim. a renúncia. hierarquia 3. Reza daí outra inspirada sabedoria de lavra recente: “No Cálice está a criança alada –assim relembrava a sabedoria antiga acerca da origem da consciência. para mais tarde soar a um sussuro.. até que ao final de tudo ela se assemelha mais a uma benção. Naturalmente. Tudo isto forma. ao passo que o amor é neutro. “Agni Ioga”. Trata-se da entrega.. que pode ser simbolizada. divindade Assim.. Numa tentativa de ampliar a análise. contudo. a contemplação.

A vontade é cega e a consciência é coxa. de modo que separadas elas quase nada podem fazer. Como estas energias estão relacionadas à Alma ou à Consciência. E a importância deste assunto é tal. A consciência necessita se relacionar dinamicamente com a vontade criativa. fazendo com que a semeadura de aspiração floresça em chuvas de bençãos. a Chave da Unidade cósmica está em aprender em dialogar com o céu. a consciência brota ou se afirma desta mesma relação. O ideal é chegar a uma fórmula em que tal coisa se apresente de uma forma espontânea. o espírito à matéria. Tal coisa resume toda a tarefa que devemos realizar para nos alinhar com a Verdade Maior e abrir e manter abertos os canais com o “outro lado” da Vida. e configura a verdadeira essência do nosso Tesouro Interior. Na verdade. porque a consciência é o verdadeiro mundo do ser humano. a verdadeira consciência é antes Amor. No cotidiano assomam-se as dificuldades por causa do convívio. de reforçar e consolidar esta convicção. Assim. o Cristo cósmico.de Sabedoria. A forma de fazer isto na prática. que é a consciência universal. mas juntas podem fazer tudo e ir a toda parte. o Amor pode adotar muitas formas e facetas. se a idéia é viver como uma Alma. A Lei de causa-e-efeito deve ser usada em nosso favor. Afinal. que somos não um “animal racional” vivendo a experiência de ter uma Alma. dela emanam Sete Raios. talvez seja preciso pensar a fundo na forma como uma Alma vive e como ela pode viver realmente. da rotina e do ambiente. Ora. A consciência empresta direção à vontade e esta confere dinamismo à consciência. não se pode chamar de espiritual uma mensagem que não esteja direcionada para a Alma. afim nisto ao trabalho da consciência e à energia do Amor. Naturalmente. A Alma é a esfera da Consciência. A Teosofia ensina que os Sete Raios do nosso sistema solar são uma emanação conjunta do Segundo Raio Cósmico e do Segundo Logos. Apenas a conduta corrobora a nossa convicção e é ela realmente quem dita e testemunha a nossa convicção. Certamente existem muitos ensinamentos direcionados para a Alma. Fora isto tudo o que temos é uma fé lírica e um desejo teórico. e que a demanda pela luz resulte num oceano de poder. Nem alguém pode ser considerado um Mestre se o seu discurso tem um foco menor do que o da Alma. é unicamente pela conduta cotidiana. E embora a consciência seja o primado da (com-) Ciência. De fato. A Humanidade também é um reino intermediário. 43 . Podemos realmente dizer que os Sete Raios da Divindade são aspectos do Amor e da Alma de Deus. quer dizer. Ou seja. destinada a relacionar o superior ao inferior. mas o grande farol de “reprogramação consciencial” há de ser a firme convicção e a realização de que SOMOS UMA ALMA. com destaque para as do Oriente. que é a estrutura da Alma. embora tenha aquela mais própria. podemos realizar muitas tarefas para nos recondicionar internamente. mensagens de “Alma para Alma”. mas que somos realmente uma Alma vivendo a experiência de ter um corpo físico.

podemos dizer que as duas classes mais elevadas. Ed. Sociologicamente. especialmente nesta Nova Era. nada disto há de ser assim não difícil. Agartha. para se tornarem modelos e bases de estruturas sócio-culturais dentro de uma nova oficialidade justa e sábia. Modo geral. Ibrasa. o objetivo humano é realmente aprender a viver como Alma.Não obstante. AP. têm a tarefa de buscar criteriosa e cientificamente esta conexão. SP. 209. através da procura pela iniciação e pela iluminação. os idealistas e os místicos tratarão de resgatar este “sentido de classe” em nome de um serviço maior pela humanidade. Neste sentido. E nisto as Igrejas têm o seu papel. aristocracia e clero. respectivamente. para a quais rumamos nos próximos séculos no Novo Mundo. 44 . 2000.o Reino da Felicidade”. saindo da “marginalidade” e do “alternativismo” em que permanecem alijados pelo fato de serem ainda pioneiros. as Idades de Ouro e de Prata. Ed. considerando que nova raça-raiz completa as estruturas humanas de evolução. E também o volume “Dharma .Canção da Vida”. tal como sucede nas Idades maiores da Terra. * Ver a nossa obra “Tushita . considerando que está ao alcance da Humanidade. pela disposição da energia quaternária. assim como as religiões em geral.

Aquele que entra e permanece em jejum 45 . ocorrendo. sobretudo. O jejum favorece a força mental e. um excelente fator depurativo e regenerativo do corpo físico. inclusive de ordem sutil. inicialmente. de curar-se de sua enfermidade mediante tal expediente. no entanto. a espiritual. É muito ilustrativo o caso da pessoa desenganada que pensava em suicidar-se através do jejum. E nisto. pode apresentar também múltiplos poderes curativos.Parte II A PRÁTICA DO JEJUM Capítulo 9 VIRTUDES DO JEJUM O jejum é. O jejum desencadeia recursos pouco conhecidos e pouco valorizados que contribuem fortemente para a autonomia humana.

“Celibato Alimentar” É óbvio que o processo de alimentação tem o seu custo –para o organismo humano.seguramente receberá inspiração dos céus. A menstruação expele sangue. assim como o cabelo. O suor também serve para expelir toxinas (especialmente através do processo febril). A atividade sexual expele calor e sêmen. Existem vínculos fisiológicos com recursos de aquecimento corporal em relação ao jejum. Todos estes representam recursos excedentes que poderiam ser empregadas e reconvertidas como matérias-primas em caso de necessidade. sólidos. cujos valores interferem na sua capacidade de percepção dos fatos. o jejum representa um importante elemento de saneamento psíquico. Os cabelos são uma reserva especial de proteínas. Muitas delas são desconhecidas ou estão adormecidas. neste caso. e no entanto despendemos tanta energia para produzir. ou até para questões mais sutis. devemos avaliar a palavra oração como or-ação. no momento em que o ser humano deixa de absorver novos nutrientes externos. pelo simples fato de estarem sendo continuamente substituídas através de uma alimentação mais ou menos enriquecida ou substancial. O suor e a urina expelem água e sais. Não deixa de ser um paradoxo que nos alimentamos para adquirir energia. Mas o corpo apenas os “recicla” realmente. juntamente às questões do jejum e do alimento sintético. Ao lado destes processos de depuração física. um dos fatos a ter em mente é que o jejum economiza energias. No contexto do trabalho com a energia. tem funções como o de estimular órgãos e o metabolismo. alcançar e processar o alimento! Assim. Ambos devem estar unidos porque se complementam de uma forma excelente. A oração canaliza a energia e preenche o vazio provocado pelo jejum. as quais poderão ser direcionadas para outras áreas. As secreções externas também são depurativas. A energia empregada para assimilar um alimento não é pouca. ou “luz-em-movimento”. As secreções. A pele expele gordura e água. através do processo chamado de autofagia. e é com que ele desenvolva uma arte ou ciência para poder plasmar algo bom. Certas correntes espirituais prescrevem como as principais atitudes espirituais o jejum e a oração. E ele pode ensinar sobre novas possibilidades. Já as excreções (urina e fezes). Quando nos alimentamos fisicamente estamos na realidade realizando um investimento. é desenvolvido em nossa obra Os Frutos do Paraíso. E isto se aplica a outras 46 . incluindo processos novos. sobretudo. E o jejum dá forças à oração. à parte expelirem toxinas. Devemos aqui aternos às secreções e excreções humanas. Pois a verdade é que o corpo possui recursos desconhecidos do homem moderno. emanadas por glândulas. Os mucos expelem matérias graxas e líquidos. Os intestinos expelem fibras. como a de manter-nos de forma mais ou menos prolongada sem alimentos físicos e. são em boa parte reservas de nutrientes que estão sendo expelidas por não fazerem falta. Mas mesmo as secreções possuem função análoga. O tema.

ao concentrar energias no estômago e nos intestinos. psíquicas e mentais regularmente. Ingerir alimento além do necessário e ainda de má qualidade e de forma irregular. vitamínica. De fato. 47 . estimula também todos os centros inferiores. É preciso fazer uma opção. ou da gordura saturada à água.formas de atividades naturais. Volume e densidade se compensam como uma gangorra na natureza. incluídas naquilo que se pode denominar como necessidades instintivas. e de outro lado desgastam. Observa-se que a digestão. ou mesmo sem uma existência errante e totalmente despojada. É claro que nem todo o alimento é pesado – da carne ao mel. se a comida é o alimento físico. a roda dos ciclos de existência material. que procura por sua vez a sua evasão através da atividade sexual. ou a dieta racional e rala. No caminho espiritual. Outra solução seria ingerir alimentos de boa qualidade e não muito pesados. a depender do volume. O jejum. Tanto o alimento como o sexo. como forma de refinar e elevar a energia. e fazê-lo todos os dias pode ser estressante para a média das pessoas. Esta. devemos destacar alimentação e sexo. a grande emissão de energia da atividade sexual deve ser necessariamente compensada pela alimentação física. Sabidamente o sexo. etc. também é por sua vez fisicamente desgastante. vamos tratar aqui portanto de alimentos mais difíceis e artificiais. é também muito mais difícil manter o celibato se temos uma alimentação mais ou menos densa ou pesada. basta observar justamente como a prática corrente do sexo dá fome e frio. Dentro do quadro dos instintos. é muito difícil encontrar soluções fora da vida comunitária (como nos mosteiros). Para ter uma clara idéia da relação alimento-energia. existe toda uma hierarquia de custos para o organismo assimilar–. além de fazer disciplinas físicas. precisamente. como sopas e frutas. Cabe ter em mente que a alimentação leve representa um fator de equilíbrio e. pois despende muitas calorias. podemos considerar que. pode concentrar um excesso de atividade energética nos centros inferiores. representa um poderoso equilibrante. Mas reunir ambos os fatores como tantas vezes se faz hoje em dia. o jejum sexual também tem em vista a economia energética. o ser humano é “onívoro” e todas as possibilidades se abrem diante dele. de modo que a alimentação volumosa dos herbívoros é pouco densa. O problema é que muitos místicos buscam compensar suas ansiedades sexuais enchendo demais o estômago. Neste caso. Quando desejamos seriamente concentrar energias para a evolução espiritual.. ao passo que a alimentação densa (ou concentrada) dos carnívoros é pouco volumosa. o índice de “normalidade” desejável. O alimento produz base calorífica. é a própria fórmula do suicídio. do ritmo e da qualidade. deveriam pelo menos se alimentar de forma regrada e com um mínimo de ansiedade. ou mesmo assimilados sob más condições. pode tornar incontrolável o desejo sexual. Por sua vez. Neste ciclo interminável podemos encontrar uma das mais fortes imagens do samsara. o sexo seja o alimento emocional (deixemos de lado por ora o fator mental e seu instinto de auto-afirmação). são processos com ônus e bônus: de um lado alimentam. nosso grande estímulo emocional. Nisto. mas requer grande energia para ser processado. a atividade sexual gera uma profunda necessidade de alimentação física. por sua vez. portanto.

mas para separar o joio do trigo é preciso muita prática e controle. Para não falar de todo o trabalho e desgaste com a obtenção do alimento diário. desconhecendo inclusive a suprema angústia que é a da degeneração e mortalidade do corpo e da alma. Com isto estaremos fortalecendo a vontade sem debilitar o corpo – e este é um ponto muito importante. ao avançar sobre um instinto ainda mais básico. comendo de forma regular. toca contar com a orientação exata de um instrutor. Da mesma forma podemos fazer com o jejum. O Genesis é taxativo quanto ao fato de o ser humano apenas ter passado a morrer após o Pecado. etc.Assim. Por esta razão os manuais taoístas de sexo prescrevem para o homem a contenção do sêmem. também em relação a ele deveríamos buscar economizar maiormente as energias. que auxilie o discernimento e a fusão energética. E ao lado da economia de energias com a digestão. Busquemos alimentos leves. digestivo e sexual. cujos cuidados passarão a ser mínimos.). vender a idéia de que o jejum é uma espécie de celibato alimentar. o retorno sofrido mas vigoroso ao planeta que realizam os altos iniciados a fim de servir de forma perfeita. Evitemos temperos e temperaturas não-naturais. Se poderia falar da alma-gêmea. Representa de certo modo a etapa final de um caminho de retorno. onde tudo isto se reúne à perfeição. e sim que está disponibilizando para amar novas coisas e de outra maneira. A atividade sexual pode ser realizada. E evitemos cozimentos. Mais simples e básico seria começar com o alimento físico. e que pode inclusive ser visto de uma forma positiva como se faz hoje através da idéia do “viver de luz”. o pranivorismo possibilita a preservação de todo o aparelho digestivo. evitando consumo desnecessário e irregular. Queremos. No entanto. ambos os processos. porque a vontade é um dos fatores que possibilita a recanalização das energias. Idealmente. permitindo um realinhamento geral de energias em torno desta base última que é o plano físico. mas para alcançar isto é preciso harmonizar nossos corpos e elevar nossa consciência. os quais formam uma unidade funcional. em termos. apresentando em contraparte maior capacidade de recuperação. O Paraíso existiu 48 . Cálculos modernos afirmam que nele a energia emitida no orgasmo é nove vezes mais forte que na mulher. ele gozava de uma plenitude completa. existem formas mais sutis de fazer estas coisas sem tanto desperdício de energia. é importante um(a) parceiro(a) especial. Devemos começar a disciplinar a alimentação. a iniciar pelos dentes. mas seguindo a mesma lógica de economia e ética. sem o enorme desperdício de energia produzida pela emissão de sêmen. pois pertencem ao complexo biológico-instintivo dos centros inferiores. o que exigirá também a elevação de pensamentos e sentimentos. nenhum celibatário mantém sua atitude pensando que está sendo privado de algo. como as frutas. Neste caso. que podem ser naturalmente saborosos. Isto não significa privar-se de todo do orgasmo. Este procedimento é particularmente importante para o homem. pois. Mais ainda. estão interligados. Enquanto a sua consciência estava firmemente ancorada na Lei espiritual. sendo na verdade um passo além do celibato. Ora. mas muito raros são aqueles que têm esta oportunidade no caótico mundo atual. selecionada e natural. O pranivorismo significa que o homem está abrindo mão de certos ciclos (alimentação. sexo comum. recondicionando-nos a pensar que estamos apenas modificando a nossa maneira de nos nutrir.

sem real necessidade de alimentar-se dele. aromas e sabores. Assim. seja por alimentar-se de frutos. apenas vamos reduzir paulatinamente a ingestão de alimentos e refinar a sua qualidade. Somente depois do Dilúvio é que o homem passou a viver no máximo120 anos. permitem que o homem contemple a imortalidade da alma. O Dharma Lunar dos Budas Manushi (humanos) como Gautama. Cada Idade tem o seu nutriente. como parece sugerir a cultura mexicana. “As flores são botões celestiais”. Afinal.. podemos também alimentar-nos de beleza (será que os apaixonados não fazem vez por outra isto?)–particularmente relacionada às flores. O universo é repleto de mistérios e de belezas. também apresenta suas variantes.enquanto o homem não destruía a Terra e a si próprio. pois. pois estamos entrando em um ciclo de retorno à Unidade. mesmo quando estes se acham altamente refinados.. enfim. já na Idade de Bronze. alcançam um grau de totalidade que integra todas as coisas. é providenciar os meios. pois na sua excelência são belos. seja semeando amplos jardins. a chave das Idades superiores da Terra. Não existe necessidade de se sentir “vazio” pelo fato de não se alimentar fisicamente. Um dia seremos seres cósmicos livres para transitar através dos mundos no Espaço sem fim. são portas de ingresso para mundos paradisíacos. Porque não iniciar esta aprendizagem aqui e agora. Este quadro começa hoje a se reverter em certas partes do mundo. como afirmou um Mestre Morya. Quem sabe o homem não poderá um dia degustar de um fruto por um prazer quase. O que poderá ser necessário. Enquanto estivermos encarnados. representando um prazer para todos os sentidos. Da mesma forma como as frutas oferecem todo um arco-íris de cores. seja por empregar diretamente o prana. uma vez mais–. 90% do prana da Terra está acumulado nas flores. especialmente na forma dos perfumes das flores. visando economizar energia e contatar com fontes superiores.. tal como pode ser a música para outro de nossos sentidos. posto que. Mas os Dharma solares dos Budas Dhyani como Maitreya. que mesmo após o Pecado viviam ainda quase um milênio. De resto. estes produtos da Natureza merecem o mais alto respeito. naquela que foi a Idade de Prata da humanidade. elevando nossa consciência e refinando os nossos sentidos? O sistema digestivo não será necessariamente inutilizado ou desprezado.. ou a variedade e a beleza que. contemplando o espetáculo da vida sem participar ativamente de seu drama a não ser para auxiliar. ele mal alcançava a média de 50 anos. 49 . sim. E no ocaso da Idade de ferro. estético? Isto é. Esta é. bons e perfumados. mais pelo deleite que possa representar a sua unidade. Temos muitos sentidos e podemos perfeitamente empregar novas fontes de estímulos. e esta seria uma explicação para a longevidade dos Patriarcas. liberando também a matéria para comungar com a luz e a Eternidade. tanto atrai o ser humano e dá sentido à sua existência? Tudo pode ser refinado nesta Terra. o prana. riquezas e densidades. seja plantando fartos pomares. à parte o elevado teor de gratificação à nossa sensibilidade que oferecem as flores. pois não deixaremos de nos alimentar de todo fisicamente. elas ainda nos proporcionam alimento sutil! Quem disse que o prana também não tem os seus sabores e aromas. Mesmo os pranivoristas ingerem água regularmente. isto.

com os nadis (nervos sutis) abertos e integrados. aqui duas premissas mais ou menos bem conhecidas (a outra se acha no Capítulo “O Pranivorismo”. adiante): 1. com todos os seus desgastes. Isto é bem conhecido com os alimentos sólidos. uma das bases da Ascensão da consciência. com qualidade e quantidade apreciáveis. A santa estigmatizada Teresa Newman e a indiana Giri Bala deram exemplos disto no século XX. além de ser feita com regularidade. Ou seja. líquidos e gasosos. da australiana Jasmuheen (publicado no Brasil pela Editora Aquariana). e o valor 40 (ou 42) estaria associado ao processo de Ascensão (através de 6 x 7). que podem ser de diferentes qualidades e ainda afetam os corpos de forma bem definida. com o testemunho de indivíduos que têm passados por processos desta natureza e têm permanecido praticamente sem se alimentar por anos a fio. Mas para que isto seja possível é necessário também deixar de se alimentar de forma densa. Toda a forma de alimentação é cíclica. Quando o homem começa a sua evolução espiritual.Vamos adotar. 50 . é que podemos pensar em abandonar os ciclos mais densos e desagradáveis da existência. Existem informações na literatura mística sobre iniciados que não morreram. Talvez os piores odores da Terra sejam os dos excrementos e o da carne apodrecida. abrindo um portal transdimensional à sua vontade para retornar ou não a este mundo (ver a respeito na obra de Carlos Castañeda). e a menos que se deseje pensar em usar o corpo físico (juntamente com os corpos emocional. assim como procedimentos que podem ser adotados para alcançar esta experiência que seria. através das emanações nervosas. traz certas informações este respeito. ele também deve refinar a alimentação. Com o tempo poderá desejar reduzir ou eliminar todo o ciclo material de nutrientes. Dizem os cronistas que o Conde de Saint Germain jamais se alimentava. Consta que hoje muitas pessoas do mundo ocidental estão realizando experimentos nesta área. ou o descondicionamento de nossa leitura de mundo. mas foram diretamente para outra dimensão. ainda assim ele frequentava as cortes européias e as rodas da alta sociedade da época. A obra Viver de Luz. Jesus jejuou 40 dias. posto ser o instinto alimentar o mais básico e arraigado de todos os nossos instintos. num circuito prânico equilibrado e saudável. portanto. mental e a aura) como uma espécie de “processador atômico”. sem dúvidas. Este é um dos mais importantes recursos da Ascensão. Porém o mesmo também acontece com as energias prânicas. Neste plano deveríamos falar da “qualidade da aura” e das emanações mais ou menos sutis que todo o ser humano produz. a lógica seria extrair diretamente a energia do éter e das fontes luminosas. toda a nutrição. envolve necessariamente os processos de absorção e eliminação. buscando com isto eliminar os desgastes naturais em todo o mecanismo. até porque ele recupera a sua sensibilidade natural e até desperta sentidos superiores. É bem possível que um Ser superior tenha mesmo ojeriza de qualquer possibilidade de excressão. Apenas quando encaramos seriamente a nutrição prânica. Isto prontamente o afasta de odores menos agradáveis. A chave disto é a reprogramação mental.

porque nem sempre uma pausa alimentar consiste realmente em jejum. poderá ser sempre vinculado à alimentação prânica ou sutil. processo este com grande potencial curativo. na forma como a palavra é empregada. comer pouco (ou “apenas” o suficiente) é uma das fórmulas da prolongada juventude. ou seja. E naturalmente. Tendo em vista que este processo tarda em média três dias para iniciar o seu ciclo (com pequenas variações de organismo para organismo). não podem ser consideradas como jejum. mas simples descansos ou mesmo repousos naturais -naturalmente também muito úteis 51 . Tratemos de esclarecer esta diferença. as pausas dadas nas refeições ou mesmo de um ou dois dias na alimentação. porém. Existe muita confusão. O verdadeiro jejum apenas acontece quando o organismo inicia o processo de autofagia. O jejum consiste em evitar a ingestão de alimentos.Capítulo 10 REPOUSO E JEJUM O jejum sempre foi visto como uma prática universal de cura do corpo e do espírito – além de ser o jejum a única fórmula comprovadamente eficaz contra o envelhecimento. especialmente os sólidos. a ingestão interna de reservas e resíduos de toda a ordem.

Como o organismo está processando suas reservas e seus resíduos em geral – inclusive suas próprias toxinas– sem empregar os meios regulares de digestão. 52 .. a autofagia segura apenas tem início com uma completa limpeza intestinal. A primeira refeição deve ser leve e consistir de frutas. Conhecemos um caso extremo em que. faça o devido preparo antes de tentar um jejum de cinco a sete dias. nem geram verdadeira carência alimentar ou interferem na retomada do ritmo normal de alimentação. a fim de fazer uma seleção e até um reprocessamento desta “matéria-prima”. Se não tiver mamão. Evite. pois. (.” (Os Campeões são Vegetarianos. e isto tem reflexos mentais. Tais pausas não têm maiores consequências físicas. seguido de sopas e alimentos brandos até poder tolerá-los bem. Por isto é até perigoso fazer jejum com resíduos nos intestinos. quando se registra a carência da reposição alimentar dando início à autofagia. Contudo..) Um período curto de jejum será benéfico em qualquer tempo. acrescente um caldo. “Um período prolongado de jejum pode ser quebrado com segurança comendose pequenas quantidades de mamão fresco. O organismo retira regularmente nutrientes do intestino delgado e líquidos do intestino grosso. e o frugivorismo também dispensa a necessidade dos 21 dias de adaptação para a prática do bingu ou o “viver de luz”. a pessoa quebrou de súbito o processo e voltou à sua antiga alimentação “densa”. Mas uma vez iniciado o jejum –ou seja. Um frugívoro tampouco deveria padecer destes riscos. A presença de fezes nos intestinos é sempre um fator de impureza e toxidade. o limite do jejum pode ser de três dias. Tomando suco de frutas pode ser de uma semana. O resultado foi uma enorme autointoxicação que o deixou todo inchado. tendendo a gerar intoxicação. pois confirma a natureza essencialmente frugívora do ser humano. Como diz M. então a quebra abrupta do jejum se torna perigosa. Por isto o jejum deve ser rompido de forma gradual. cabendo aos praticantes conhecer os mecanismos biológicos e os processos nele envolvidos. uma vez que as enzimas propícias à digestão de frutas jamais abandonam o organismo humano. a quebra de ritmo jogaria todo este lixo no sangue e as consequências seriam calamitosas. Charlotte Holmes: “Tomando só água. Existe.. Uma adaptação progressiva da dieta também atenua estes perigos. 90-91) Como muitos outros. e até com propriedades curativas. Prosseguindo com nossas reflexões sobre os mecanismos do jejum.e Você?. Depois de uma evacuação sentimo-nos “mais leves”. Este quadro oferece então algumas questões para a reflexão em torno do frugivorismo.e importantes. É melhor quebrar o jejum à tarde. toda uma ciência para realizar o jejum. sendo sábio realizar uma limpeza intestinal evitando o risco de auto-intoxicação. o autor menciona o uso de frutas como a forma correta de romper o jejum. mas sobretudo tonificantes. após realizar os 21 dias de preparação para o “viver de luz”.. Deve-se tomar cuidado para não retornar à dieta normal rapidamente. pgs. use suco de frutas nas primeiras 24 horas. após três dias sem ingestão de sólidos–. pois equivale a ingerir toxinas em quantidade. intoxicar-se jogando no sangue aquilo que o organismo está extraindo de suas reservas mais recônditas. pois.

no reino do Pai Celestial. fortalece a vontade e estabelece um ritmo de vida superior. e deveria ser praticado por todos de uma forma regular. A regularidade é muito importante. porque tal conquista requer tanto um corpo sadio como uma mente forte. chamada “dia de Guru (Júpiter)”. 53 . O monge está mais para o filósofo do que para o faquir: ele não se entrega a extremos de qualquer ordem (e muito menos pratica exibicionismos).. mas também como forma de manter a tonicidade do organismo. deste modo. Durante seis dias alimentai vosso corpo com os dons da Mãe Terrestre. quando Deus criou o céu e a terra. os animais se alimentam no geral apenas uma vez ao dia. para que tenhais vida eterna no reino dos céus. mas no sétimo dia santificai vosso corpo para vosso Pai Celestial. vivereis para sempre no reino dos céus. E no sétimo dia deixai que os anjos de Deus levantem o reino dos céus em vosso corpo. vos digo que se não conheceis mais enfermidades sobre a terra. mas as regras monásticas lhe dão muitas diretrizes sobre as quais se guiar.. Seja como for. O jejum é com certeza um ótimo expediente espiritual. Passou então a uma dieta racional e. E não deixeis que nenhum alimento entorpeça a obra dos anjos em vosso corpo ao longo do sétimo dia. A mudança de dieta auxilia. cit. Nos seus ensinamentos.” Naturalmente. Já que trabalhastes durante seis dias no reino da Mãe Terrestre. o futuro Buda concluiu que este caminho não servia para conduzir à iluminação. As pausas reais também são comuns. op. Na Natureza vemos ser praticadas não apenas em caso de doenças. Pois em verdade. encontramos várias posturas de equilíbrio. Os muçulmanos poderiam jejuar todas as sextas-feiras. que para eles são sagradas. “o dia de jejum deveria ser o mesmo cada semana. Os hindus provavelmente consagrariam-lhe a quinta-feira. E Deus os concederá longa vida sobre a terra.” (Holmes. mas um de seus pilares básicos repousa precisamente na questão alimentar. Sua existência é realmente um andar sobre o fioda-navalha. Os cristãos deveriam fazê-lo aos domingos. E estejais todo o dia com os anjos do Senhor. Mas.O fato é que muita coisa que para a média da humanidade parece ascetismo. após haver se mortificado e enfraquecido ao extremo. Jesus o empregou em momentos cruciais. A Índia desenvolveu uma grande tradição ascética. mas o descanso é o ideal. Encontrando alimento suficiente. estabeleceu o seu caminho-do-meio. uma vez que neste dia nada fazem de trabalhos físicos. o jejum depura a consciência. Os próprios essênios jejuavam no quarto dia. pg. O organismo agradeceria imensamente esta medida. Normalmente. o dia ideal para este descanso será um dia de repouso geral. Os judeus deveriam jejuar no seu Sabath. embora já o façam durante todo o período diurno do mês de Ramadã. Espiritualmente. um dia por semana –tal como prescreve o Evangelho Essênio da Paz baseado no “descanso divino” ao sétimo dia:* “E não esqueçais que cada sétimo dia é santo e está consagrado a Deus. senão que vivei só das palavras de Deus.. ninguém deveria ter necessidade de se alimentar mais que uma vez ao dia. Surge assim a importante distinção entre o monge e o asceta. A refeição diária e única prescrita pelo Buda aos monges é um bom exemplo disto. e foi neste ambiente que o príncipe Gautama iniciou suas buscas espirituais. representa nada mais do que mero bom senso. e era uma prática corrente entre os seguidores de João Batista. 91). E no sétimo dia não comais nenhum alimento terrenal.

e dentro dele o frugivorismo representa com certeza a perfeição. Na obra “Frugivorismo” tratamos do tema das calorias e vinculamos a 54 . recomendou formas corretas de ver. O primeiro sermão de Buda é dirigido aos cinco ascetas com os quais compartilhava as suas primeiras buscas. é fazer as coisas corretamente. nem o prazer permitem realizar o caminho”. tão fugaz como o crepúsculo. contemplativos e os estudiosos. em torno das 10 horas da manhã. de se esforçar. Tudo isto constitui o Óctuple Caminho pelo qual o ser humano se emancipa da dor existencial e das ilusões. antes de nos privar de qualquer coisa. podem perfeitamente permanecer unicamente com a refeição prescrita. nem seco nem úmido. e até nos leva a identificar com outras dimensões. atividade luminosa. nem doce nem salgado. inclusive permitindo-nos maior intimidade com a alimentação prânica.Algumas delas tratam sobre a forma de se alimentar. Tal coisa imprime a marca de um reformador. funde na verdade os extremos. tão importante quanto saber o que fazer e o que não fazer. a prática ocasional do jejum pode ser de utilidade física e espiritual. de falar. nem quente nem frio. Além disto. Seu segredo está justamente na sutileza de seu equilíbrio. aqueles que não realizam tarefas pesadas. dando-nos tudo a um só tempo. Os grandes manuais de espiritualidade prescrevem. com visão arguta e íntegro sentido-de-causa. nos permitindo alcançar o mistério e a transcendência. Gautama chegou mesmo a se tornar anoréxico com seus intensos ascetismos iniciais. ou seja. jejum e oração. Nem todos seguem à risca o preceito. onde não agredimos os seres vivos animados. Além de seus eficazes aspectos terapêuticos. foram algumas de suas primeiras palavras como Buda. “Nem o ascetismo. nem duro nem brando. o jejum ensina também sobre coisas espirituais. e é comum se acrescentar nos mosteiros uma pequena refeição ao cair da tarde ou ingerir uma sopa rala no princípio da noite. ou seja. de viver. A oração deve necessariamente completar o jejum –podemos aqui ler a palavra oração como or-ação. Mas os monges mendicantes. Torna-nos mais sensíveis e refinados. O Buda obeso tão difundido no Ocidente não representa Gautama. dentre as quais se acha a Senda Óctuple como o elemento prático de equilíbrio. mas certamente único em sua maravilhosa magia capaz de abrir uma fresta entre os mundos. dada a própria natureza ideal das frutas e a sua adequação exata ao nosso organismo. a meio-caminho entre a dor e o prazer. o mais importante é a prescrição de uma única refeição ao dia. no qual o monge tomava uma única refeição. É claro que isto não ajudará a aumentar o peso. Existe. antes permanecendo serenos e sábios. Afinal. E nisto tocamos a questão do aquecimento corporal através de recursos totalmente espontâneos. mas tampouco a diminuí-lo. e com isto percebeu que seu corpo e sua mente tornavam-se débeis até para a busca espiritual. O vegetarianismo faz parte deste meio-correto e equilibrado. mas outro Buda-de-boa-fortuna material (que às vezes termina por ser identificado a Maitreya pelo hábito vulgar de relacionar fortuna e alegria). Organizou então o caminho-do-meio. Nisto. nem cedo nem tarde. e o tema foi as Quatro Nobres Verdades. tão estreito como o fio-da-navalha. preferencialmente empregando alimento perfeitamente equilibrado (frutas?): nem abastado nem ralo. um caminho-do-meio pelo qual podemos viver e nos alimentar sem cair nos extremos. de intenção e de meditar. acima de tudo. Outrossim. de agir. pois. de pensar. A grande magia é que este caminho-central.

portanto. o corpo humano não é uma máquina de satisfazer neuroses. Uma harmonia geral deve ser procurada. Se ligamos muitos aparelhos ao mesmo tempo. Nosso propósito inclui demonstrar que a energia excessivamente comprometida num processo pode fazer falta em outros. que visa expelir o excesso de toxinas através do suor. que foi um avatar “científico”! Nisto teríamos o funcionamento pleno de um organismo realmente equilibrado e saudável. que fica prejudicado caso o estômago esteja cheio. Em sentido contrário. Se as energias estão sendo frequentemente exigidas no processo digestivo. e na velhice dará mostras crescentes disto. através do suor. Existem outros menos dramáticos e regulares. o estado psicológico seria também importante. e nisto podemos ver uma fórmula perfeitamente adequada às necessidades aqui focalizadas. os mais físico e básicos. E nisto vamos encontrar a sabedoria do Buda. Existem outros mais profundos que apenas são desencadeados sob a ação do sistema nervoso voluntário. O corpo não foi feito para uso tão múltiplo. é obtido também através da economia de energias alcançada pela privação de alimentos densos. quiçá vinculadas ao sistema nervoso voluntário. de uma pausa. podemos facilmente conceber que o organismo seja capaz de ativar sem muita dificuldade processos análogos de auto-aquecimento. faltará para outros dispositivos naturais. A prova disto é que a febre não é tão facilmente desencadeada caso o indivíduo ingira algo sólido. Se fossemos monges. o corpo também apresenta processos de resfriamento. O Buda insistia que os monges não deveriam ingerir nada depois do meio-dia. como se isto anulasse todo um redirecionamento de energias que o organismo pretende realizar. que prescrevia uma única refeição diária (muitos animais tampouco se alimentam mais de uma vez ao dia). visando o processo de autofagia. como demonstra o de natureza febril. O organismo é como uma central elétrica com energias limitadas e que devem ser empregadas de forma econômica e em seu próprio turno. a fim de desencadear o processo térmico. associados ao sistema nervoso autônomo e periférico. Por isto. O calor febril. pois isto não é natural e nem necessário. sem as cargas desnecessárias de fundo emocional que amiúde o esgotam. a ser tomada de preferência antes do meio-dia. Esta energia é. Embora tenha uma resistência fantástica. a ausência de apetite que acompanha a febre não se deveria apenas ao “mal-estar” e à importância que assume o jejum neste momento. deveríamos respeitar muito seriamente a prescrição de um Buda. Neste caso. Bastaria que por várias horas nada se ingerisse para ativar o processo de auto-regulação térmica. positivamente recanalizada para a cura do indivíduo. inevitavelmente o sistema entrará em colapso. Mas estes são apenas alguns meios que o corpo conhece. ou recursos que costumam gastar amplamente as calorias. meramente. O corpo é realmente capaz de gerar outros processos caloríficos. na medida em que requer de qualquer modo um ato de 55 . especialmente de Gautama. mediante a emissão interna de hormônios especiais. Então. O mecanismo de autofagia e febril são apenas exemplos extremos dos processos de auto-defesa do organismo. tal como aquela que se obtém no sono. mas neste caso o repouso do organismo revela-se importante até para a preservação destes processos.certos recursos mais ou menos espontâneos que o corpo possui. inclusive para outras formas de alimentação. dependendo pelo menos de jejum –ou talvez pudéssemos dizer. e tudo isto ativaria reações especiais do organismo.

comer frutas leves) para retonificar os intestinos. Na verdade a cor em questão é o púrpura ou bordô (vermelho com um pigmento de azul). esta necessidade foi superada. associada aos métodos de “geração de energia”. a “ioga do calor interno”.vontade –para não dizer de fé. Tais métodos de ioga foram especialmente desenvolvidos no Tibet. uma cor estimulante e quente. que seriam o plexo solar e o coração. onde a madeira era escassa e o combustível limitava-se a quase tão somente o esterco seco. E nisto entramos no que os tibetanos chamam de tummo. o seu aspecto calorífico. Já como frugívoros. identificado à cor vermelha ou à chamada parte quente da chama. podemos identificar os centros associados ao Fogo. a observação do jejum se deve aqui mais ao seu valor espiritual. A dieta prescrita no Evangelho Essênio da Paz é das mais saudáveis: “viva” e “crua”. Já dentro do campo do ioguismo (que é o treinamento consciente do sistema nervoso voluntário). Os ensinamentos espirituais falam da “substância da graça”. a parte amarela serviria para a mente e a parte azul para a cura). Estas são algumas das razões pelas quais os tibetanos cultuam especialmente esta cor. Assim. 56 . um lugar muito frio e com poucos recursos caloríficos. que serve especialmente para o aquecimento físico e o incremento da energia psíquica (em termos simplificados. * Como declaramos em “Os Frutos do Paraíso”. na decoração de seus templos e nas indumentárias dos monges. o vermelho como tal prevalece antes na China. que é um subproduto das técnicas tradicionais de meditação. São também os glóbulos vermelhos do sangue os portadores do oxigênio. e mentalizá-los em plena atividade. como vegetarianos sentíamos a necessidade de jejuar um dia por semana (na verdade. É de resto a cor da compaixão. que poderia estar associada a uma secreção glandular. focalizada neste caso em certo aspecto da chama. reforçados quiçá pelo pranayama.

Daí a importância tradicional do jejum e o fato de ser tão enfatizado pelos sábios. portanto. a sua grande capacidade de combater o desejo em geral. que é. se poderá afigurar ser este realmente o único caminho para combater a força do desejo e do instinto. uma verdadeira clavis universalis do caminho-do-meio. coisa que o frugivorismo em si é ainda em parte incapaz. tal como se acha prescrita na Tábua Esmeraldina de Hermes Trismegisto. Muitas vezes. Mas o caminho-do-meio não é viver um pouco de céu e um pouco de terra um após o outro no tempo. Esta seria. por exemplo. o meio-do-caminho não é senão a redução no tempo do movimento pendular de uso & renúncia. é apenas usar os ciclos dialéticos do fazer e não-fazer em menor escala. é preciso adotar a nutrição mínima ou a fórmula de subsistência. Caminho-do-meio e meio-do-caminho As pessoas confundem muitas vezes o caminho-do-meio com o meio-do-caminho. De maneira mais regular.Capítulo 11 JEJUM E ESPIRITUALIDADE Outra vantagem muito importante do jejum é. A rigôr. abrindo assim 57 . pois. Não raro. a refeição única do Buda (ver Capítulo seguinte). É antes viver o céu na terra e a terra no céu. o caminho-do-meio ou o equilíbrio apenas poderá ser alcançado no fim de um movimento pendular de experienciar os opostos.

ter pouco será muito –ou o suficiente. 58 . até mesmo de vocação. O fato é que o caminho-do-meio é inatacável. isto não estará de todo errado. Mas aqueles que detém autêntica sede da perfeição e o anelo de completar a própria evolução. Poderá ser realmente. todavia. não importa: ele passa por uma cura. portanto. nisto. a condição de monge já seria terciária (ver abaixo). tal como também difundidos por muitas escolas e religiões desde a mais remota antiguidade. levar a suplantar os instintos e conduzir à iluminação do homem. cabendo. é preciso seguir a estrutura evolutiva do seguinte modo: O devoto está baseado no asceta. O monge está baseado no devoto. Este maior aproveitamento do tempo e da energia não é a menor das vantagens do jejum ou da microdieta. e não o do ascetismo primário. nisto o cuidado para não se exceder nos esforços e labores. daqueles que não alimentam maiores pretensões espirituais e à perfeição pessoal. sendo capaz de abarcar todos os opostos. É a chamada vida simples. Afinal. se isto nos aproxima da perfeição. É experimentar o verdadeiro equilíbrio em todas as coisas. pode ser necessário certos sacrifícios. Sejamos monges então. é uma daquelas coisas que melhor atestam a importância de se contar com um guia experiente. e também possui vocação ao serviço maior. tal como também o é a intemperança. o que tampouco significa monotonia. sendo pautada. o serviço meritório e as chaves devocionais. Mas a rigor. conquanto sirvam ao dharma através de suas capacidades naturais e seus esforços cotidianos. de forma fecunda e permanente. Mas que ainda assim podem contar com a graça dos seres de luz. Esta diferença entre o meio-do-caminho e o caminho-do-meio. Os predestinados compreenderão tudo em suas almas e não lhes será necessário dizer quase nada. incluindo quiçá a compaixão redentora que deseja salvar o mundo. Para estes existe a religião. estas podem se contentar com o meio-do-caminho. Para estes é feita a ioga e os mecanismos ascéticos de auto-aperfeiçoamento interior. mas harmonia. E para chegar a isto.verdadeiramente novas possibilidades de experiências. Para a consciência acostumada à privação –ou a ter apenas o necessário–. dentro de uma criação espiritual. e esta é uma dádiva rara. O verdadeiro equilíbrio (que já é na verdade unidade) é uma questão de experiência. no caso). As pessoas que não aspiram à perfeição. em nossos dias existe muita atividade intelectual a ser realizada e. já por um verdadeiro caminho-do-meio – coisa que certamente deve apresentar consistência num terceiro momento evolutivo. dos humildes. e toda a cura é radical (retorno às “raízes” da saúde. estes devem dar os passos necessários para alcançar o verdadeiro caminho-do-meio. Para isto. ao menos por um tempo delimitado. mas à vida comum. E se alguém chamar o jejum de “atitude radical”. A via ascética: um ponto de partida Se alguém disser que este caminho-do-meio é uma via monacal. a dieta mínima também será útil.

e a coroação é a santidade. E então já teremos a seguinte seqüência completa: asceta –> devoto –> monge –> santo –> sábio. e inclui a iluminação sempre que a jornada está devidamente assentada e consumada. de uma questão formulada já há milênios. cuja base é. Trata-se. yang é o santo. abaixo. o autor de Tao-Te-King. o chamamento interior ou a vocação espiritual. ying é o asceta. e sempre que houver uma liberação especial e certa predestinação. Para adquirir o dom do mundo. sempre se destina a forjar uma liderança. a “lâmpada de cada um deve ser colocada bem no alto.. portanto. a partir do nascimento da sabedoria universal. coroada pela iluminação. a conduzir à este estado de perfeição e sabedoria. o meio-do-caminho são os dois extremos ying e yang (em formato de peixes ou gotas). portanto. E este é um ensinamento tão antigo quanto o próprio mundo. Já a síntese universal do sábio é a globalidade do Tao. Dir-se-ia que ascética se destina. um símbolo da harmonia das quatro classes sociais sob o Estado perfeito. o “Livro do Caminho Perfeito”. a “Grande Harmonia”.” É conveniente ao Bem Geral poder contar com seres despojados e desinteressados. assentado no próprio bojo do movimento criador oposto. numa experiência pendular. E o caminho-do-meio são os dois pontos que centralizam a estes opostos originais. S A D E S C V E O T T A O Á B I O M O N G E S A N T O Neste diagrama. também. portanto. o ascetismo. Sobre esta base quaternária-elemental. No dizer de Jesus. a perfeição humana.E o santo está baseado no monge. o pequeno ying é o monge e o pequeno yang é o devoto. Esta conclui. É nisto. Por aí é possível ver o quão relativos podem ser os caminhos da “renúncia”. No símbolo do Tao. tema caro a Lao Tsé. paradoxalmente. Estas quatro condições resumem o quadro ou a evolução espiritual humana. e nunca de outro modo. incluindo em si os quatro elementos e etapas humanas. A síntese apenas pode advir na coroação da experiência universal. Afinal. pode-se realizar uma síntese e transcender a esfera humana. complementar e cíclica como do dia e da noite. é preciso renunciar ao mundo. 59 .. alcançando o plano da hierarquia. a qual em muitos sistemas políticos da Antiguidade (mesmo ainda em Platão) era coroado com o próprio reinado.

porém dentro de um quadro elementar de subsistência. até o estado de mais plena condição de saúde. procedendo com isto uma verdadeira revolução alimentar capaz de despertar recursos inauditos. ao lado de uma profunda autonomia e harmonia. assimilando especialmente as toxinas depositadas em suas reservas. 60 . o jejum. que vão desde o estado mais precário. por assim dizer (como uma invasão viral). a. externa ou interna. buscando antes se depurar e repousar ao máximo. A febre. realizando a sua depuração através de elementos líquidos. Aqui o organismo manifesta uma ativa evolução. onde o organismo alimenta-se normalmente. recebendo apenas uma refeição mediana ao dia.Capítulo 12 FEBRE. Trata-se de um processo de regeneração interna. O primeiro deles envolve a cura dentro de um processo crítico de enfermidade. uma vez que não se debilita por falta e nem por excesso. necessitando para isto também de certo repouso físico e de privação alimentar. desencadeando a febre como recurso de depuração de toxinas externas. e de concentração de energias. onde o corpo desdenha toda a forma de nutrição e de atividade física. O segundo processo se manifesta através de uma privação voluntária de alimento. JEJUM E SUBSISTÊNCIA Vamos analisar agora três processos de manutenção do organismo. Comentemos agora mais detidamente estes mecanismos. O terceiro momento é quando o corpo já não apresenta praticamente qualquer espécie de toxina.

os índices de infecção hospitalar têm crescido de forma alarmante. associados ao movimento energético positivo ou espiritual de que trataremos adiante. vemos como a urina se torna extremamente espessa ou escura. não se trata do mesmo processo. Não se trata apena de mecanismo orgânico. b. representando uma alternativa ao jejum completo. porque esta faz parte afinal dos seus próprios recursos depurativos. De resto. porém útil. a natureza também “prescreve” deter a assimilação de alimentos quando o organismo necessita de depurar. O jejum é o recurso natural para a cura das enfermidades infecciosas e tóxicas –aliás. A febre requer um jejum quase absoluto. o jejum estimularia a manutenção do ciclo de líquidos. a água não chega a representar um fator de inibição das suas funções. também existem substâncias que não quebram o jejum. Embora a febre empregue o princípio do jejum. e pode ser por vezes mantido até com uma alimentação leve. E a subsistência aceita refeições leves e exclusivas. tornando prudente evitar estes ambientes. Entramos na condição de equilíbrio em 61 . que se tornam compactas. o que não acontece com o jejum. Por outro lado. O líquido é até retirado das fezes. Caso o corpo esteja purificado e não tenha necessidade de fazer jejum. nota-se que o jejum é a forma natural e mais imediata de curar enfermidades virais. O jejum tolera regularmente os líquidos. A febre é uma espécie de jejum forçado: trata-se de uma ativação involuntária de mecanismos de proteção que o ser humano negligenciou deliberadamente. demonstrando o grande número de toxinas expelidas através dela. Tal coisa não acontece a não ser sob jejum. como a água ou líquidos ralos. Como o jejum é um processo de autofagia e o líquido é um veículo importante nele. Tal como os médicos imobilizam um membro fraturado visando a sua recomposição. porque de outro modo ele não tem condições de desencadear este processo. da mesma forma como este não é igual ao processo normal de subsistência. ao passo que o jejum veicula sua purificação através da urina. A febre apresenta a sua principal forma de expedição de toxinas através do suor. O farto suor que acompanha a febre visa a depuração rápida de toxinas. Pelo contrário. demonstrando como o jejum emprega fortemente o recurso de eliminação de toxinas através de líquidos. Não obstante. mesmo não tendo passado tempo suficiente desde a última refeição para desencadear qualquer espécie de processo autofágico profundo. que não aceita muito mais substâncias que a água. e sugere a importância de manter a ingestão de líquidos no organismo. e uma das razões é porque o jejum implica numa atitude interna de vontade concentrada. capaz de ativar outros recursos metabólicos. O suor febril tem entre suas funções aliviar o excesso de envio de toxinas para a bexiga. expelindo água de forma espontânea através do suor. O jejum.O processo febril não é idêntico ao do jejum. Deste modo. ele passa então a uma etapa superior de alquimia interna. e uma prova disto é que a autofagia pode ser ativada em certo grau no mesmo momento em que alguém se auto-determina sinceramente a jejuar. o processo febril é mais dramático.

Trata-se de um mecanismo basicamente físico. forte neste processo. depois que a enfermidade se instaura. pela pausa alimentar. podendo ser. estimulados com técnicas de meditação e de respiração (pranayama. tal como alcançada através da refeição única preconizada pela Buda.que podemos fazer apenas uma refeição diária. como dizemos. que permite ao fim o sucesso da auto-regulação térmica no nível necessário. quando o corpo necessita o máximo de energia para proporcionar os melhores resultados. Corresponderia também à prática que os muçulmanos fazem durante o mês do Ramadã. uma atividade do sistema nervoso autônomo. e existe sabedoria na antiga recomendação da reza antes do sono. portanto. O jejum já é algo pelo qual o indivíduo decide por realizar tendo em vista a cura física ou o saneamento psíquico. a ser tomada de forma afastada do momento do sono. e assim termina por curar os seus males e sobrevive. não fosse esta inversa na medida em que as refeições são tomadas à noite. envolvendo-os ativamente num processo criador. Um chá quente e um bom aquecimento com cobertas e agasalhos numa pessoa resfriada. já que ao dia o organismo assimila melhor os nutrientes. apenas com os recursos orgânicos. As ingestões realizadas logo antes de dormir tendem a estimular os processos caloríficos. Ainda mais interessantes. 62 . sendo. pela nutrição com ritmo espaçado ou. sendo a ainda forma de alimento dos iogues e ascetas. portanto. A meditação é em geral muito útil antes de dormir. Da mesma forma. e o estado de debilidade do organismo estimula o jejum. pelo jejum parcial. O elemento psíquico é. Neste caso. psíquicos e mentais. os quais dependeriam pelo menos de uma dieta rala. por conferir a maior autonomia e fortalecer os diversos níveis do ser humano. todavia. caso trocassem o horário este “jejum” poderia proporcionar frutos mais amplos. Neste caso. já em si sugerido pelo organismo. resolve se suicidar deixando de se alimentar. são os experimentos de calor interno sem quaisquer artifícios exteriores. O processo febril é desencadeado de forma involuntária. físicos. e como forma de apurar a cura. pertencendo assim à esfera do sistema nervoso voluntário. O estado de subsistência se caracteriza. o chá quente e mesmo uma bolsa de água num organismo saudável colaboram na manutenção do calor corporal e estimulam processos térmicos internos. tummo). desenganado pela medicina. É bem conhecida a história do homem que. uma prática interna antes de dormir também apresenta efeitos duradouros e estimula os processos sutis de aquecimento. É este conjunto de recursos. portanto. que neste caso costumam empregar grãos crus umidificados. A subsistência. antes pelo contrário. a assimilação de líquidos quentes à noite não impediria o desencadeamento de calor interno. Esta última seria a mais sábia e elevada. c. pois o indivíduo poderá ter que se defrontar com apegos. psíquicos e mentais. uma vez que a sua saúde não se acha de todo debilitada. ajudam a ativar um processo febril –as pessoas hoje sabem que suar numa enfermidade é algo positivo.

Sem este repouso dos músculos e da mente. depende muito de nosso estado de consciência. inclusive do organismo. Na verdade. a energia sutil apresenta-se pesada como uma roda parada. Por isto é a condição ideal para se obter os melhores resultados na meditação. o corpo se desgasta e a mente se esgota. que o iogue encontra sentido para a sua existência. Até lá se deve buscar o recolhimento e ater-se à sua busca. Todos estes processos estão associados a repouso. até porque. A experiência do sono em geral revela a importância da energia psíquica em nossa natureza. e seu pensamento. no caso da febre. sabem que este tipo de processo é. despojado de formalidades. A explicação disto seria que nesta condição estamos mais próximos de nossa verdadeira natureza. sendo necessário pouco esforço para fazê-la alcançar o ritmo necessário. Aqueles que conhecem a experiência de saída em corpo astral. Se partirmos de uma consciência física. com o propósito de trazer informações e cura. o sono é em si mesmo um amplo processo natural de restauração. quanto mais permanecemos em condição sutil.No estado de subsistência desenvolvemos as energias mentais. antes. até que se esteja suficientemente fortalecido. Ora. Se temos como base uma condição psíquica. onde merecemos estar. estabelecendo estados-deconsciência duradouros e assim galgar degraus internos. as únicas capazes de consolidar realizações. que deve ser sempre recolocada em movimento. ao contrário do estado de vigília. algo que mantenha em estado elevado e estimula a perseverança. traz aquilo que se semeia e nos conduz onde desejamos ou. psíquicas e mentais. ali a temperatura alcança o grau necessário para desencadear a purificação através do suor. antes de ser desgastante. construindo um mundo adequado para si. No organismo saudável ele tem função de recuperar energias físicas. a energia sutil se apresenta como uma roda girando lentamente. que é puramente consciencial. que deve ser acelerada com certo esforço para dar os frutos necessários. Nesta etapa o ser humano atua quase que meramente ao nível mental e interno. auxiliado pela 63 . mais energia física e psíquica condensamos. A lei do carma ou de causa-e-efeito. Mas o importante são as atitudes práticas. O momento de sono é aquele no qual tais processos alcançam a maior eficácia. Mas se iniciamos de uma posição mental. Aqui o ser humano necessita de templos e ritos para poder sentir a energia psíquica. O estado de subsistência é aquele no qual as experiências mais elevadas podem acontecer. A mente está concentrada e a vontade desenvolvida. Nele prevalecem as atitudes mais racionais e lógicas. Neste plano o ser humano emprega longas e elaboradas meditações. Através do simples pensamento. profundamente restaurador. A relação que temos com as energias espirituais. Nesta condição podemos também receber auxílio de seres de outros planos.é evitar as tentações. A palavra-de-ordem em todos estes processos –inclusive no estado de subsistência. então encontramos sempre a roda da energia num movimento acelerado. O ser humano possui o dom do livrearbítrio que simboliza as suas amplas possibilidades. É nestas experiências superiores e tão especiais. ele é capaz de perceber todo um leque de energias.

E uma única refeição se vincula ao estado de consciência mental. com uma refeição diária. porque isto também representará a força da alma. como se auto-intitulam) como Jasmuheen ingerem água. a assimilação e a digestão. Este é um momento muito especial devido às energias profundas destas horas. como estudo e mesmo meditação. Os pranivoristas conseguem reduzir à metade o seu período de sono e o frugivorismo também oferece muitas destas vantagens. “Pranivoristas” (ou respiratorianos. como uma sopa rala ou um pedaço de chocolate -ver sua obra “Viver de Luz” e também a nossa obra “Nutrição Etérica”. certos iogues procuravam os meios para isto. Três refeições relacionam-se ao plano físico. nervoso: Febre Jejum Físico Psíquico autônomo voluntário Subsistência Mental ambos 64 . e depois podemos dormir mais um turno ou permanecer despertos. demonstrando o despertar do seu idealismo. Esta é a condição daquele que mantém uma nutrição de subsistência. Estes recursos voluntários proporcionam as melhores possibilidades para a conquista de um destino promissor. Processo: plano: sist. preparar-nos para o sono com o organismo em repouso e tonificado –existe um vínculo direto entre o corpo astral e a região abdominal com seus órgãos. porque mantém a energia no estado mais baixo possível. provavelmente despertaremos de madrugada. ao invés de esperar o desgaste completo do corpo. Um dos subprodutos disto é a pouca necessidade de sono.força do desejo e dirigido e por algum mantra ou oração eficiente. pois. A morte natural é uma via de sabedoria. Ir aquém dos recursos e dos ritmos alimentares da condição de subsistência pode colocar o indivíduo num processo de decadência física e psicológica. Quando sentiam que era chegado o momento. mas é preciso poder para realizar isto. É muito importante. de modo que poderá mais cedo ou mais tarde ter de proceder a um processo de regeneração (febre) ou de evolução (jejum). Dormindo cedo e de jejum. sendo esta uma das provas de nosso elevado nível energético. quando o ser humano ainda possui desejos mas abre mão de uma etapa. Nisto. também podemos associar os planos ao número de refeições que o indivíduo faz –sem deixar de considerar a sua qualidade. O quadro abaixo oferece um resumo destes três processos de purificação. quando podemos fazer alguma atividade mental. sempre voltada para a busca. embora as coisas tendam a estar relacionadas. havendo superado o peso da matéria e a atração dos sentidos. da mesma forma que o sábio busca uma boa hora para morrer. caracterizado pela razão e pela clareza. inclusive reforçando o pranayama. Duas refeições se associam ao estado de consciência psíquica. No caso do sono diário isto corresponderia à uma boa pausa alimentar. E devemos procurar não dormir excessivamente esgotados. assim como chás e apenas algum alimento semanal. e um deles era uma forma de auto-mumificação ingerindo substâncias ressecantes. recebendo uma nova carga de energia. servirá para acionar energias importantes.

motivados por uma grande determinação. Sabemos que o organismo possui recursos especiais. Muitos atletas. Nisto. febre e subsistência a dois movimentos da energia. Ainda podemos ver o equilíbrio nos raios de uma circunferência. combatentes e iogues têm podido superar os limites habituais das capacidades humanas. associados respectivamente ao desejo e à vontade. o voluntário e o involuntário.via de depuração: suor urina meditação Capítulo 13 OS DOIS MOVIMENTOS ENERGÉTICOS Os distintos processos fisiológicos envolvem energias específicas. A dieta e o jejum representam técnicas que fornecem etapas neste processo de conhecimento. nos diversos graus em que ela é ativada. Os faquires dão espetáculos habituais desta natureza. No geral. do que outros. A forma de acionar estes recursos é atravessando a ponte existente entre o desejo “feminino” e a vontade “masculina”. por assim dizer. sujeitos a leis opostas e relacionados aos dois sistemas nervosos do ser humano. unificadas pela cruz de braços iguais. Outro são os triângulos voltados para cima e para baixo. alguns mais dramáticos. no sentido de que os movimentos orgânicos ora se voltam para o externo e o material. ora para o interno e o espiritual. Um deles são as suásticas em direções contrárias. por assim dizer. um externo e outro interno. A vontade é sempre um fato determinante. também existem muitos graus de reversão energética. 65 . Os movimentos das energias são difíceis de quantificar ou de qualificar. caracterizadas de maneira oposta como energia material e energia espiritual – ou aquilo que também chamamos de lado interno e lado externo da vida. não podemos deixar de vincular os processos especiais de jejum. de naturezas e formas próprias. expressão do “caminhodo-meio” que o Buda considerava ideal. reunidos no Selo de Salomão. realizando esforços físicos excepcionais. mas Sol e Lua também expressam estas mesmas dualidades. Os dois pentagramas opostos podem ser unificados no símbolo do Sol. podendo também existir uma espécie de meio-termo. Existem vários símbolos tradicionais para isto. como se fosse realmente ativados por sistemas nervosos distintos. mas para simplificar as coisas podemos falar de uma reversão energética.

por assim dizer. porque espirituais e sutis. o organismo já assimila elementos sutis presentes nos alimentos e na atmosfera. a energia se interioriza e a atenção se concentra. já não é apenas tema religioso. O tempo passa a andar numa outra direção (é Kairos. e isto se reflete em todo o direcionamento energético do organismo. de modo que a capacidade de tratar com o abstrato aumenta e se consolida. psíquicos. como que ritualizamos o processo digestivo. paz. um processo radiativo. Através disto encontramos o equilíbrio. A geração de calor num processo febril pode ser encarada como uma forma fluída de energia. e ainda com resultados distintos e de outra qualidade. Automaticamente invertemos o processo de desgaste e de envelhecimento. o tempo ceifador). tal como formulado pelo ioguismo. Dividir uma refeição é sempre um ato de aceitação. pois o alimento não deixa de ser algo íntimo. sede da consciência. oposto a Kronos. É. pelo exercício da consciência e da vontade. num universo ilimitado de liberdade. onde temos elevada independência e autonomia. tal como muitas outras atividades fisiológicas e nutricionais. consciente e inconsciente. sacramento ou eucaristia. o voluntário e o autônomo. que colocamos em atividade a este último. atuando com os dois sistemas nervosos. E o sistema nervoso voluntário é a Árvore da Vida. o tempo criador. o material e o espiritual. portanto. se baseia neste procedimento. ou de forma densa e passiva como partícula. e onde encontramos enfim a estrada do arco-íris e se rompem os véus dos planos celestiais. Pois. vindo a se desenvolver paulatinamente e a abranger a totalidade dos mecanismos orgânicos.Devemos então associar as direções energéticas à duas formas de enfocar a realidade. Todos estes fatores estão intrinsecamente conectados. Sempre ouvimos dizer que a alimentação física produz melhores resultados se ingerida de forma consciente. mas científicos. que expele calor e líquido. segundo a dupla modalidade da luz e da matéria. sede dos instintos ou dos desejos. As Duas Árvores Os dois paradigmas vitais. nos termos da Física quântica. Mas é especialmente durante o sono que o corpo realiza respirações profundas e especiais visando assimilar 66 . coisa que pode iniciar desde a semeadura do alimento. vistas seja de forma fluída e ativa como onda. Princípio semelhante é o que se segue na nutrição prânica. envolvendo também a dimensão psíquica de compartilhar e dividir algo fraternalmente envolvendo assim maior complexidade e sutileza.. através do amor. a alimentação com luz pode dar-se em dois níveis. O princípio litúrgico do alimento como ágape. ali onde tocamos a terra com suavidade e quase flutuamos. O sistema nervoso autônomo ou mecânico é a bíblica Árvore do Conhecimento Dual. onde as possibilidades se abrem para o mundo dos sonhos e seres de outros universos habitam. etc. Podemos ainda dizer que passa a haver uma definitiva polarização da energia para a tríade superior. E por este enfoque de luz e de harmonia estaremos certamente entrando no mundo dos anjos. Por natureza. A noção de que o jejum transporta para outra dimensão psíquica é nítida e consagrada... Deste modo. beleza e harmonia infinitas.

Sua base se alterou. Acreditamos na geração de nutrientes-sintéticos ou universais. a produção de toda a gama de nutrientes catalogados pelos cientistas. Perceberam assim a possibilidade de inverter as prioridades humanas. o que estiver disponível. imaginação. poderá comprovar os seus efeitos. incluindo-os no rol dos milagres. e com todo o significado universal do número sete. Até o ponto de transformar inteiramente a energia pessoal. sendo o corpo um grande laboratório.energia. Às vezes. o pranivorista necessita dormir menos. os iogues há muito convertem a luz em energia mental. pode transformar a sua forma de lidar com o mundo e de empregar a matéria. os iogues começaram a inverter as premissas. vendo que a forma comum do homem se alimentar e viver é apenas uma convenção. Ainda assim. quando a energia subverte definitivamente as premissas do corpo. o uso da luz como elemento vitalizador e combustível nunca foi simples assunto de fé. mas. o viver de luz não é uma dieta e nem jejum. Como diz Jasmuheen em sua obra Os Embaixadores da Luz. Por isto os iogues recomendam dormir bastante. mesmo nas formas básicas. O corpo irá cada vez mais processar os recursos necessários. que por isto serão tomados em menor número. denominada por Helena Roerich de a “sétima vitamina”. As religiões certamente usaram estes processos em muitos momentos. algum nutriente. Na medida em que explora os seus recursos ocultos. A questão não é tanto saber qual o nutriente que falta. ele agora pauta a sua vida pela energia. com a prática eles se tornam cada vez mais tangíveis. Considerando estes recursos sutis. através de elementos básicos e abundantes na natureza. bastam minutos para nos recompor. ver se existe matéria-prima para a sua confecção. todavia. Através do pranayama. Esta é uma das chaves do grande poder restaurador do sono. Por outro lado. de fórmula talvez desconhecida. E o uso consciente da luz se revelou capaz ainda de suprir as várias necessidades do corpo. O desequilíbrio apenas vem pela falta de algum elemento. mas há quem diga que se trata da própria luz. Todos estes métodos foram observados e então reproduzidos pelos iogues.). sentimento. Qualquer um que faça o experimento. Assim. culminando na iluminação. a prática de respiração prânica pode suprir o corpo de energias e permitir também um melhor aproveitamento dos alimentos físicos. pretendendo manter as restantes formas de nos relacionar com o mundo. indicando que a economia de energia para o trato digestivo (muita gente perceber que “comer dá sono”) tem nisto a sua porção. sendo matéria sutil. Supomos não ser necessária. não devemos ver a luz como mero substituto do alimento físico. a depender do fortalecimento dos sentidos internos (concentração. No entanto. 67 . valorizando os métodos de respiração e energização como fontes de equilíbrio e nutrição direta. É claro que. mas o resultado da fé em Deus. e sim de experiência. etc.

entidades maléficas poderosas. E por vossa conta e sacrifício em solitário. O Deus vivo o verá e grande será vossa recompensa. Poucas enfermidades infecciosas ou virais resistem a um jejum mais ou menos prolongado. assim como as doenças produzidas por toxinas e até outros distúrbios e disfunções. reconecta-se com suas origens espirituais e restaura aspectos de sua consciência maior. Tradicionalmente associadas à humanidade. o jejum também tem sido empregado há muito como um elemento depurador e restaurador. Pois em verdade vos digo que a não ser que vos sacrifiqueis. incluindo algumas formas de fazer o jejum: “Renovai-vos e sacrificai-vos. Em termos psíquicos. Não se trata apenas dos homens possuídos e das vítimas de feitiçaria. com efeito. inicialmente no aparelho digestivo. e depois no corpo como um todo. chamando o jejum de um “sacrifício” capaz de renovar o ser humano. eviteis a todos os filhos dos homens e buscai os anjos de nossa Mãe Terrestre. São bastante conhecidos os potentes efeitos depuradores que o jejum apresenta.Capítulo 14 SANEAMENTO PSÍQUICO Com o fomento da sensibilidade e a abertura para outras dimensões. Sacrificai e orai fervorosamente. o jejum torna-se um potente instrumento de reprogramação física e psicológica. O “Evangelho Essênio da Paz” coloca muita ênfase na questão. sem mostrar vosso sacrifício a homem algum. Seu poder depurativo permite a eliminação de entidades astrais. Aliado à alimentação prânica.” Existem. E sacrificai-vos até que Belzebu e todos os seus demônios vos abandonem e todos os anjos de vossa Mãe Terrestre venham a servir-vos. Através dele o ser humano se recorda de outras dimensões. pois aquele que busca. Pois em verdade vos digo que Satã e suas pragas somente podem ser expulsos por meio do sacrifício e da oração. A humanidade como um todo existe mais ou menos dominada por estes seres: 68 . achará. Enquanto estiverdes vos sacrificando. algumas delas são tão vorazes e endêmicas que até empregam o reino humano como uma espécie de criadouro. por se tratar basicamente de um grande depurador. buscando o poder do Deus vivo para vossa cura. nunca vos livrareis do poder de Satã nem de todas as enfermidades que vêm de Satã. na medida em que o jejum possibilita uma reorganização energética ativando o conjunto dos processos curativos. verdadeiros vampiros astrais que apenas o jejum é capaz de remover. se sentirá o alimento físico como algo intragavelmente denso.

Se queremos protestar. mestre de Carlos Castañeda. O desejo irracional e a compulsão que sentimos por coisas que não nos fazem exatamente bem. Se queremos atuar independentemente. deriva desta influência oculta. nos ordena que não o façamos. suprimem nossos protestos. apegados e domésticos. graças aos hábitos arraigados e à própria influência que estas entidades exercem.aquilo que ela julga ser a sua própria consciência e mentalidade é. aquilo que estes predadores devoram é a luminosidade do ser humano –justamente a chamada “capa brilhante da consciência”. mas que se orienta basicamente pelo prazer e o hábito adquirido. resíduos de consciência pesada impossibilitadas de ascender ou de se desfazer graças à sua grande densidade. mas também de sua condição habitual em decorrência dos hábitos nocivos da humanidade. Assim como nós criamos galinhas em galinheiros. cit. As seitas de feitiçaria. esta questão representou a última grande revelação feita pelo nagual Juan Matus. Tomaram posse (da humanidade) porque para eles somos comida. pois. Estes predadores surgiram de evoluções antigas da Terra. partes deles devem ainda permanecer neste plano ou a ele ligado por simples ação de inércia. op. na verdade. particularmente. quando se desenvolveu amplamente a feitiçaria. elas estão presentes como parte importante de nossa cultura. Nos têm feito dóceis. Os xamãs apresentam uma “explicação” para a sua existência: “Existe uma explicação. segundo os xamãs. Não obstante considerá-la como o “tema dos temas dos xamãs” toltecas. e algumas são mais fortes e complexas do que outras. assim também eles nos criam em humaneiros. Não obstante. graças em parte às influências de seus próprios hospedeiros. Durante a vida. Este era um fato energético para os xamãs do México antigo. especialmente se houver qualquer tendência neste sentido. estes seres geraram tanto carma negativo que. indefesos. mas não a ponto de destruí-la de todo. Portanto. a consciência e a mentalidade destes seres enfadonhos.” (Castañeda. que chamamos às vezes “currais e consumo”. com destaque para as cidades. trabalham com entidades viciosas de maior poder. e as empregam para gerar situações determinadas. Pois estes predadores são verdadeiros parasitas que pouco se importam com a destruição de seus hospedeiros. e é a explicação mais simples do mundo. sensuais.” Certamente algo nos tem como prisioneiros. que cerca a nossa aura–. Os seres humanos são seus prisioneiros. após a morte. Citemos passagens a respeito do assunto presente na derradeira obra legada por este autor. e nos exprimem sem compaixão porque somos seu sustento. conectando-se aos vivos que alimentam atitudes similares às que tinham em vida. porque estes são milhões e estão sempre se reproduzindo. Os místicos há muito falam das almas penadas e “cascões” astrais. a fim de não esgotar o 69 . porque elas podem estimular os vícios. Certamente existem muitos graus de entidades. Temos um predador que vem das profundezas do cosmos e tomou conta de nossas vidas. intitulada “O Lado Ativo do Infinito”: “(Os xamãs do México antigo) descobriram que temos um companheiro de por vida.) Estes “humaneiros” seriam. produzindo a famosa “tentação”. o ambiente humano comum. sempre tem comida a seu alcance. De qualquer modo. Os predadores são nosso amo e senhor.

purificando o ser humano de hábitos mais nocivos. Em sua revelação sobre estes seres. cit. inveja. a mesquinharia e a covardia. etc. a qual se torna a nossa mente. mesmo quando auto-destrutivo. quando na verdade estamos sendo usados e espiritualmente devorados.) É esta mente que nos torna viciosos e hedonistas. amar e odiar e outras contradições destrutivas. dóceis e débeis. Porque é esta a terrível forma como eles nos mantém prisioneiros.ser humano. como cura. contraditória. por estes “encostos” horrorosos– que mantém realmente de pé a maior parte de nossos sistemas de crenças. hoje em dia. mórbida. cheia de medo de ser descoberta a qualquer momento. possuir sem usar. A mente do predador é barroca.) Por mais chocante que pareça.” (Castañeda.. gula. O reino humano é aquele para o qual todos os reinos inferiores se esforçam por alcançar a fim de evoluir. Pois se a religião não é uma criação alienígena. op. os predadores se envolveram em uma manobra estupenda (desde o ponto de vista da estratégia). op. Don Juan procura demonstrar a existência de tais entidades através das graves contradições que existem na vida do ser humano. Os videntes chamam a estas entidades de “instalações alienígenas”. rotineiros e egomaníacos. os trevosos imitam todos os seus métodos externos. É o predador que nos torna complacentes. com certeza resulta da necessidade de se contrapor a tais forças. tais como a necessidade de comer e de praticar sexo regularmente.).. e nisto está a base do ditado que diz: “a maior das artes do diabo é fazer crer que ele não existe”. é esta a base que emprega o ser humano para expandir a sua própria natureza. disciplina e jejum!” Mas julgamos fazer uso de nosso livrearbítrio. na medida em que gera uma quintessência ou uma síntese dos mesmos. O predador se oculta. cit. Sigamos a citação: “Os xamãs acreditam que os predadores nos têm dado nosso sistema de crenças. É o desejo psicológico alimentado por estas instalações alienígenas –como dizem os toltecas ou. meditação e ciência espiritual (ver trabalhos de Alice Bailey e Helena Roerich). castidade. a um ponto que mal imaginamos ou suportamos.” (Castañeda. nossas idéias sobre o bem e o mal. De modo que o ser humano termina por ser realmente o repasto destes “predadores” espirituais. nossos costumes sociais. desejando comer sem fome. A própria religião deriva da condição oprimida do ser humano sob as forças da ilusão. Da sua parte. “Para manter-nos obedientes. com certeza ele prontamente diria: “austeridade. Por isto a Loja Branca vem denunciando que. em bom portugês. Conectada a estes seres. é uma descrição fiel do trabalho destes predadores. a Loja Negra também atua de forma cada vez mais dissimulada. sejam elementais. as posses e muitos outros fatores derivados do Pecado Original (cobiça.. elementales ou elementares. sem pretender com isto pretender fazer alusões extraterrestres. ódio. De fato.. Nos outorgaram a cobiça. fazendo-nos pensar que aquilo que desejamos pertence realmente a nós. Uma manobra horrível desde o ponto de vista de quem a sofre! Nos deram a sua mente!. nossos sonhos de triunfo e fracasso. 70 . Eles são que estabeleceram nossas esperanças e expectativas. sobretudo dos hábitos mentais que nos concedem. se fôssemos perguntar ao nosso corpo o que ele mais aprecia. mesmo quando sabemos que apenas pode nos fazer mal.

um pouco de cereais e leite. op. # 331) Vendo estas entidades. ao auxiliar a concentração e a contemplação. as pessoas podem purificar-se não só internamente. Diz Don Juan: “A disciplina é o único repelente. Mas com disciplina não me refiro a árduas rotinas. justamente. tanto estas entidades como o prana não representam nada de muito refinado. além de inversão de horário de sono e outros.” (H. recursos como o jejum. Coração. que por suposto é um ser inorgânico. Quando vemos um voador se aproximar. que facilita a visão e o seu desprendimento. os xamãs do México antigo as denominaram de voadores. estas entidades tornam-se particularmente fortes quando manejadas por feiticeiros e dirigidas intencionalmente contra alguém. era sobrecarregar a mente do voador com 71 . o jejum. Os xamãs entendem por disciplina a capacidade de enfrentar com serenidade circunstâncias que não estão incluídas em nossas expectativas. No caso do prana. Não servem tanto austeridades. Assim. Diz Don Juan a este respeito: Este predador. acreditamos. o jejum também permite maior capacidade de visão e de trabalho ativo sobre a energia. pois. como o são outros seres inorgânicos. Não obstante.) A dinâmica da consciência e a adaptabilidade são assim fundamentais. o jejum poderá permitir a sua observação. Tratam-se de bolas astrais flutuantes que pousam aqui e ali. O Ensinamento da Agni Ioga parece confirmar isto: “As pessoas necessitam de pouco –duas frutas. Apesar de estarem regularmente presentes nos seres humanos. Uma das técnicas ensinadas pelos xamãs mexicanos. que para deles livrar-se levam uma vida austera e regular. não é de todo invisível. como também livrar-se de muitos vizinhos indesejáveis. teria o seu equivalente no Óctuple Caminho do Budismo). especialmente se elas estiverem de algum modo conectadas a nós. No caso das entidades. Roerich. ritos ou flagelações. é unicamente através de uma existência impecável (o que. O grande truque destes xamãs de tempos antigos. A visão destes seres não é difícil de ser alcançada. Uma destas medidas é. Cremos que de crianças os vemos.Muitas crises sofridas por homens mais ou menos evoluídos tiveram origem em ataques provenientes destes trevosos. São o foco principal dos trabalhos dos guerreiros. tão densos eles são no astral. Não me refiro a levantar-se às cinco e meia* e dar-se banhos de água gelada a cada manhã até ficar azul. razão pela qual podem ser percebidos sem muitas dificuldades por aqueles que se dispõe a isto e tomam as medidas necessárias – mas não se descarta que esta visão seja favorecida pelo grau espiritual do guerreiro espiritual. a forma como o ser humano –no caso. e decidimos que são tão terroríficos que não queremos pensar neles. penetrando no indivíduo e outorgando-lhe a sua própria energia densa e pesada.” (Castañeda. permitindo a revelação da existência destas entidades sutis. Segundo os xamãs. até porque seriam atitudes transitórias. cit. o guerreiro– pode se libertar ou afastar destes predadores regularmente. a meditação surge como a grande solução. podem neutralizar satisfatoriamente estes ataques. é formar uma “barreira energética” ao nosso redor. dentro do silêncio profundo. devemos tomar medidas para nos proteger. Apesar de serem elementos sutis. E acima de tudo.

à capacidade do ser humano de viver de forma livre e soberana. Verdadeiro marco no caminho. uma liberdade para a qual poucos estão preparados. Devemos para isto. A instalação alienígena retorna. abre as portas para o completo recondicionamento da mente.” Esta liberação é capaz de proporcionar a experiência de vazio de que falam os budistas. que: Somos seres que habitam um corpo. quando isto acontece. até o dia em que desaparece de forma permanente. Mas. é pela limpeza completa e permanente de nossos corpos físico. porque ele já não tem quem ditar os seus passos: “A verdadeira batalha de um xamã começa neste momento. estão sugerindo que estes seres estarão livres das influências das entidades astrais. Mais que isto. Uma das formas de manter esta condição. gozando de toda a liberdade de que dispõe sem os comprometimentos do Pecado Original que afirma que o ser humano é material e limitado. é neste ponto que devemos abrir-nos a novas possibilidades e buscar outros referenciais. quando então certamente a Consciência estará de todo liberada de seus inimigos. sábio da cultura vedanta. porque eles ainda estão aqui? Metafisicamente. Somos mais que a forma e a substância. podemos ensaiar ou praticar o pranivorismo. Eles são uma prova que contrapõe o ridículo e o absurdo. dando ao praticante envolto nesta manobra a certeza da origem externa da mente. Numa etapa seguinte. mas não com a mesma força. os xamãs consideram que estas entidades são “o meio pelo qual o universo nos põe a prova”. Consta que “os Rishis. Somos uma consciência cósmica capaz de se liberar de todos os limites físicos * Esta passagem soa evocativa de certa prática iogue. exercitar positivamente a idéia de que somos mais que a matéria. já na etapa frugívora ou mesmo antes.disciplina. é o dia mais duro da vida de um xamã. Podemos aceitar este pacto de imbecilidade –verdadeiro suicídio existencial–. buscavam se energizar e meditar no ´Brahma Muhurta´ o momento espiritual que ocorre à partir de 1 hora e 40 min antes do sol nascer até 30 minutos após como sendo o melhor 72 . o discernimento e a organização para a sua liberdade completa. ou então lutar contra o seu domínio. O resto é mera preparação. Somos uma essência original capaz de converter-se em energia pura. Nosso destino como homens é ativar a consciência cósmica. e não um corpo que possui uma alma. Descobriram que se esgotassem a mente do voador com silêncio interno. Quando as profecias orientais anunciam que os discípulos do Kalki Avatar terão a “mente limpa como cristal”. a instalação alienígena sairia correndo. empregando a sabedoria. O frugivorismo enfraquece poderosamente a atração destas entidades sobre o ser humano. Segundo Don Juan. emocional e mental. envolvendo-nos assim numa questão capital para a condição humana. subindo a um patamar superior de consciência com esforço. a da reconquista de sua verdadeira consciência. Os voadores são um desafio à conscientização de nosso próprio destino como homens.

” (cf.momento ´Akasha´. Ainda que nossos hábitos noturnos possam dificultar isso. 73 . Kirtan) Nossa própria experiência. é também muito positiva. de meditar na madrugada ou em meio à noite. para a meditação.

E esta transição é feita melhor que qualquer outra coisa através de um prolongado jejum. para não falar do necessário fortalecimento psíquico que. capaz até de ser nutrido de forma sutil. É importante nesta altura jogar para o alto muitos conceitos adquiridos sobre o envelhecimento. surgimento de gorduras localizadas. sinais. usando o símbolo do renascimento espiritual (ressurreição). Mas. Por sua vez. Aliás. De qualquer forma. O jejum prolongado é capaz de reverter uma série de problemas. De resto. ou seja. etc. simbolizando uma passagem ou mudança de vida. o ideal é que isto também seja realizado antes dos primeiros sinais de decrepitude. fortalecer o psiquismo e recondicionar a mente. Não se trata de tentar imitar os jovens nas suas inconsequências. pois.Capítulo 15 RECONDICIONAMENTO GERAL Tal como o frugivorismo prepara para o pranivorismo. é triste ter que fazer mais tarde. é a oportunidade de buscar a cura de males de saúde que a esta altura provavelmente terão surgido e até acumulado. E ao invés de julgar que o ser humano tem uma vida útil de 80 anos. projetá-la para 120 ou até para 200 anos. Observaremos. e o corpo físico uma espécie de ilusão. o jejum também prepara para o frugivorismo. Ora. Melhor ainda é pensar que somos seres atemporais. sob condições favoráveis. 74 . perda de massa muscular. o jejum também é um procedimento revolucionário e integral. isto não é raro de acontecer. e acompanhar esta atitude mental de uma forma de vida condizente. Isto era feito na Índia através da etapa de vida de estudante-casto ou brahmachary. É possível que o próprio Jesus Cristo tenha feito isto quando realizou o seu prolongado jejum após o batismo no Jordão. chega uma hora na vida de todo o indivíduo. aquilo que se deixou de fazer de início. o emprego do jejum como elemento profundo e universal de transformação. se torna necessário ser incrementado. em que nos deparamos com os primeiros sinais de envelhecimento: diminuição do vigor. É fácil ser idealista quando se é um jovem repleto de vigor. em torno dos 40 anos. na qual passaremos a ter maiores cuidados com os nossos veículos. na medida em que ajuda a ver nesta dieta uma espécie de caminho intermediário. pois se manifesta como perda do sentido de transcendência e idealismo. seria aconselhável que tal coisa fosse feita durante o período da Quaresma. Nada melhor neste momento do que fazer uma profunda revisão das atitudes existenciais de corpo e mente. mas de adotar o pensamento do Eterno (“Ontologia”). físicos. tal como a ciência estima hoje em dia ser possível o ser humano alcançar. e sob condições desfavoráveis. pelo qual é possível purificar profundamente o organismo. com o tempo. em si mesmo. preparando-os para uma nova etapa de vida. sendo nisto quase uma panacéia. cabelos brancos. psíquicos e mentais. para culminar na Páscoa. No entanto. Por isto é importante aproveitar este momento inicial para dar o maior impulso possível no caminho espiritual.

é o pensamento de que em essência não somos um corpo. de qualquer modo. E isto certamente não pode ser feito em idade muito avançada. Estamos tratando da possível adoção da forma de vida de um sannyasin (“renunciante”). até agora a única “fonte” milagrosa encontrada para este fim. Mais que renúncia. onde a mãe é a Natureza. melhor seria pensar que o sannyasin é alguém que está nascendo para uma nova vida. Feliz daquele que alcançou esta idade com experiência de vida e com poderes mentais desenvolvidos. o conhecido poder rejuvenescedor do jejum. faz parte deste ideal de perfeição. mais ou menos como fazem os esquimós com seus velhos. e nisto ele pode sentir-se inclinado a incluir uma forma de existência errante ou. estaria realmente enfrentando uma morte mais provável. ao contrário do que se postula comumente. é capaz de gerar o dinamismo interior necessário a esta nova fase de vida. lembremo-nos. razão pela qual tem sido sempre prescrito pelas Escrituras de sabedoria.A chave para a conquista de tais desafios. não representa um abandonar-se à morte. Uma coisa é fazer algo assim quando se é jovem. outra quando as forças já se estão indo. por exemplo. onde atuam pessoas realmente mais velhas. nada existe que se lhe equipare para certos propósitos. É também a idade na qual o indivíduo trata de fazer uma síntese de sua existência. e tendo sempre em mente que já não tem tempo a perder. Não é nada disto. viver de forma mais austera. Por isto é importante dar este passo antes que a 75 . E ao invés de pensar que está perdendo ou renunciando a coisas. A degeneração dos costumes na Índia criou um quadro postiço desta realidade. buscando identificar-se com aquilo que está além das formas. o jejum é realmente imbatível para purificar o organismo. para aquele que se propõe a entrar numa etapa de vida que requer muito de suas condições de saúde. Mas para sentir-se jovem não basta imaginá-lo: é preciso fazer coisas que os jovens fariam. a fim de torná-lo resistente. De fato. Por isto se costuma dizer que o ideal é ter a experiência do velho e o vigor do jovem. Envolve purificação física. coisa comum no Oriente. quando na realidade implica em mais uma etapa de existência onde se busca antes enfrentar a morte para vencê-la em vida. deve imbuir-se de princípios ontológicos. capaz de tudo. sobretudo. inconsequência e inexperiência. O jejum implica em todo um conjunto de medidas e uma preparação de valor incomparável. fortalecimento psíquico e recondicionamento mental. É verdade que aquele que renuncia a tudo na idade madura da vida. Tudo isto permite projetar no indivíduo uma nova esfera de consciência e lhe abrir as portas para outra etapa de existência. especialmente no que diz respeito à resistência às intempéries e à mudanças climáticas. Mas colocamos tudo isto tendo em vista. O frugivorismo. o pai é Deus e seu irmão é o Próximo. A juventude é fascinante porque ela expressa o ideal. contemplando antes uma profunda síntese existencial. fazendo uso de todos os recursos disponíveis. está na verdade renascendo para uma forma mais ampla de existência. E aquele que enfrenta o jejum prolongado (ou mesmo um mais breve). Apenas este contexto positivo. sem excessos ou desequilíbrios. a perfeição e a exuberância –embora também tenha um lado de imaturidade. embora a meta verdadeira seja sentir-nos eternos e perfazer uma imagem de ser imortal e sagrado. A condição de sannyasin. poderosos e inabaláveis. Neste sentido. e que pode (ou deve) ocorrer já em torno dos 40 anos de idade. mas u’a mente. E é isto que o sábio deveria lutar para alcançar na medida do possível.

sem alimentos sólidos. 76 . Nisto. ou a Via dos Bodhisatwas). incluindo o desapego. E quando se reúne a necessidade do rejuvenescimento e a renúncia. o frugivorismo. o jejum é importante não somente como uma purificação física. à base de água unicamente. “O Chamado”). simbolizado pelo batismo nas águas do Jordão. Estamos falando de um jejum completo. caldos). Para isto. torna-se necessário uma purificação mais radical. Como diz o ensinamento da Agni Ioga. O caminho-do-meio. “é mais fácil aceitar um milagre com o estômago vazio” (Folhas do Jardim de Morya. visando também retardar a sua queda o máximo possível. mas também espiritual. Se vamos enfrentar condições desafiadoras de vida (e o envelhecimento sempre o é). Não se trata de sugerir uma ascese exagerada e depauperadora da saúde.curva da vida decline em demasia. I. tudo isto é muito bom para preservar as condições psico-físicas e até avançar na sua depuração com o tempo. Mais uma vez nos deparamos com a possível atitude de Jesus. é sempre recomendada a entrada e a saída progressivas com o uso de alimentos leves (frutas. no entanto. Não obstante. Às vezes. no momento em que se decidia em definitivo pelo Sendeiro de Serviço na Terra (o primeiro dos Sete Sendeiros de Evolução Superior. e ainda mais a espiritual. que no seu caso representava a comunhão plena com a humanidade. assim como uma provação mais intensa. o jejum torna-se imprescindível. o jejum é imbatível. a pureza física é importante. quando se deve enfrentar situações muito novas na vida.

Parte III O ETEROVORISMO Capítulo 16 77 .

muitos venham a arguir a superioridade do “caminho-do-meio”. a tradicional questão do jejum (sempre muito prescrito na Bíblia) com todas as suas implicações: espirituais.‘Aquilo’ eternamente existente. Blavstsky. abaixo comentado no “Glossário Teosófico”: “Tattva [Tattva ou Tatwa] (Sânscrito). Tais Elementos correspondem aos Tattva da Filosofia (Sankya) hindu -os quais incluem todavia o “Éter”-. Assim. que são correlativos com os cinco e os sete sentidos no plano físico. o Tattva do Ar (Vâyu Tattva). água. P. o do Fogo (Tejas Tattva). compensando os nutrientes pelo despertar das potencialidades internas do ser humano. (. físicas e metafísicas. Na presente análise. Tattva Samâsa é uma obra de filosofia sânkhya atribuída ao próprio Kapila. e também os diferentes princípios da Naturaleza. É natural que. Água. Obrando sobre a natureza material (Prakriti) o Grande Alento a coloca em cinco estados. “Glossário Teosófico”) * As dietas elementares –envolvendo minerais. no mínimo.. o da Água (Apas Tattva) e o da Terra (Prithivî Tattva). diante das presentes propostas.DIETAS ELEMENTARES Eterovorismo é a nutrição realizada mediante elementos não-orgânicos. desde os recursos elementares dos minerais simples. fisicamente falando. já que atua de forma bastante precisa com os elementos Terra. Os elementos sutis -cinco exotericamente. para quem a melhor opção é a do equilíbrio. mas serão desenvolvidos nas duas últimas raças-mães. sete na filosofia esotérica-. nos quais tem distintos movimentos vibratórios e executa diferentes funções. até alcançar a forma de nutrição inteiramente subjetiva e “luminosa” (coisa que a rigor ultrapassa o plano de trabalho da Hierarquia espiritual). Pese tudo o que se possa dizer a respeito..)” (H. apresentaremos vários degraus. vem por orden de sucessão. Igualmente se dá o nombre de Tattva aos princípios abstratos de existência ou categorias. Mas a rigor representa de uma forma precisa um “Elementovorismo”.. em seu significado oculto. as classificações de elementos & éteres é empregada aqui em termos simbólicos. O primeiro resultado do estado evolutivo de Parabrahman é o Tattva do Éter (Akâsha Tattva). os dois últimos sentidos estão todavia latentes no homem. cabendo se considerar. etc. Depois deste. o capítulo nutricional é indubitavelmente importante na ascese mística e um dos mais fundamentais códigos de Ascensão. -[Em sua famosa obra As Forças Sutis da Natureza. São também conhecidos com o nome de Grandes Elementos (Mahâbhûtas). não deixa de ser um tema subjetivo o ponto onde se situa este equilíbrio. ar e luz– são modalidades nutricionais sutis ou simples que representam progressivos graus de renúncia alimentar. Para Hermes Trismegisto. conforme propugnado pelo Buda. Não obstante. cabia primeiro purificar o espírito e 78 . diz seu autor: Os Tattvas são as cinco modificações do Grande Alento. já que a debilidade do organismo impede a conquista da iluminação tanto quanto a luxúria. terapêuticas. Ar e Fogo. por exemplo.

isto será perfeitamente aceitável. Não obstante. Afinal. o correto era uma única alimentação diária. do famoso iogue Milarepa). Não vale a pena. compreendendo racionalmente um sistema (de modo distinto da mulher que. deixe tudo isto. em princípio como tese para ele. baseado na informação e na experiência. mais pragmática. a renúncia deve ser precedida pela perfeita consciência do que se busca. na prática. pode e deve ser importante.. desde a amena fórmula do Buda até a rigorosa nutrição fluídica –que é o ponto máximo a que. é claro: “Mas para os que levam uma vida agitada ou têm um trabalho pesado nem isto é possível. nem estamos falando de debilitar o organismo. Procure uma eqüação-de-equilíbrio mais sábia e mais útil para você e para todos. correção e circunspecção. mas que segundo consta tem os seus adeptos e testemunhos. mas de desenvolver formas superiores e sutis de nutrição –ainda que. e nisto estava sendo perfeitamente racional. Para o Buda não seria muito diferente. enfim. Mas para os que não vêem outra via. sobretudo no Tibet (com possível destaque para a escola Kagyu. C. e quiçá para aventar novas possibilidades. para assim permanecer no caminho-do-meio livre de compulsões e ascetismos (ver “A Tábua de Esmeraldas” em Corpus Hermeticum). rigorosamente universal. aquilo que aqui se oferece pode ser útil. se contenta em seguir um caminho sem necessariamente entendê-lo). algo incompleto enfim. Nisto. quase diríamos. Acaso não se diz que no paraíso o pão não era obtido com o “suor do rosto”? E os hebreus não encontraram alimento celeste na sua jornada ininterrupta pelo deserto? E não disse Jesus (que também jejuou de início). Poderíamos dizer porém o contrário: a atividade material é que se apresenta como “debilitante” para aquele que deseja um nível superior de consciência. como afirma o mestre Morya (segundo H. É também uma ciência que vem sendo hoje difundida nos círculos esotéricos da Nova Era. Se dirá. se alguém pensa não serem as presentes propostas para ele. 79 . Castañeda) segundo a qual o homem (ou o ser humano masculino) necessita saber exatamente do que se trata. As digressões seguintes também se enquadram na tese tolteca (cf.” A estes o Buda provavelmente responderia com a fórmula do trabalho correto: “Se você chegou a conhecer o dharma. não seria por nada que o ascetismo se desenvolveu tanto no próprio seio do Budismo. para efeitos de atividade material isto possa ser às vezes realmente “debilitante”. nos proporíamos a alcançar no plano desta obra– existe um amplo caminho. é ilusão (maya).depois retornar à terra. talvez ainda sem o devido enquadramento. todo o suporte intelectual e científico. ou que almejam caminhos mais rápidos e quiçá mais avançados. Consta que um dos mais importantes paradigmas de Ascensão está associado à chamada alimentação prânica. a partir de certo momento o “caminho-domeio” pode se tornar novamente um simples “meio-de-caminho”. para o grau das respostas necessárias –lembremos que estamos tratando aqui de sendeiros de mestres. Não desperdice a sua preciosa vida!” Certamente. No mais.. ou mesmo. além de à este “caminho-do-meio” ser imprescindível o contexto Buda-Dharma-Sangha (Mestre-Doutrina-Comunidade) –coisa que o próprio Buda não contava quando praticou as suas asceses–. Roerich). que seu “fardo era leve” e ainda que “nem só de pão vive o homem”? Para concluir este assunto. Especialmente numa época racional como a nossa.

integrando já o chamado Cânone do Paraíso (ciclo espiritual). habitualmente. Podem ser definidos como chama. “Fluidorismo” 3. já não iremos tratar tanto da questão terapêutica. naquilo que diz respeito às dietas baseadas exclusivamente em nutrientes inorgânicos. representam realidades distintas. 80 . “Fotonismo” ELEMENTO físico líquido gasoso ígneo GRAU 5° 6° 7° 8° 1° 2° 3° 4° ÉTER Poderia ser útil explicitar a equiparação de “elementos terrenos” e “éteres solares” num mesmo quadro. E em “Os Frutos do Paraíso”. mas “etérica” ou sutil. trataremos de algo bem mais complexo. com relativa exceção do último –o “ígneo”– porque o “fogo” aqui empregado não é apenas o de natureza física ou material. Não obstante. Porém. “Gaseirismo” 4. considerando ambos os conjuntos: agni. São muitos os nomes destes diferentes fogos. classificamos como dietas avançadas no plano humano o frugivorismo (3o grau) e o granivorismo (4o grau). a natureza energética ou espiritual da consciência nestes graus superiores não é ordem “elemental” (ou elementar). hoje já em plena defasagem. gêiseres. O programa dietético sutil apresentado nos Capítulos seguintes. No quadro das dietas orgânicas ou “humanas”. etc. contrário às primeiras que. em nossa obra “O Evangelho da Natureza” tratamos do vegetarianismo (2o grau) como uma dieta de média dificuldade (o carnivorismo está nesta classificação como de 1o grau). A rigor. entre o comer e o não-comer existe toda uma escala de práticas (ou tipos de nutrição). tejas. da mesma forma que entre a saúde e a doença existe todo um espectro de ações. prana. Mesmo aqui o jejum aparece com de importância ímpar. akasha. estamos tratando de elementos reais enquanto estados da matéria (ou seja: terra/mineral=físico. Na presente obra. como regiões quentes. água=líquido e ar=gasoso) –tornando literal o ditado de que “elementos são alimentos”–. É verdade que.Na sequência apresentamos também várias reflexões sobre este processo. luz. integra o Cânone da Perfeição (ciclo terapêutico). no presente caso. mas positivamente sutil – embora o iogue também possa aqui desejar se aproximar de fontes físicas de calor. ou mesmo do próprio Sol e das estrelas. que poderão auxiliar aqueles que estão dispostos a empreender uma experiência desta natureza. juntamente com a o carnivorismo “ritual”. como sugerem algumas práticas de assimilação controlada de energia solar de que também iremos tratar. no plano dos Mestres. segue daí o seguinte plano: REGIME 1. avançando dentro do Cânone superior ou do Paraíso. atrelado a isto também. e sim da espiritual. e por isto também podemos reunir conhecimentos acerca de dietas especiais. dado que. fohat. A última aparece hoje uma proposta positiva de evolução dietética para a humanidade. calor. quando por “elementos” se entende algo simbólico. “Mineralismo” 2.

as dietas sutis (na verdade. que o ar é energia em terceiro grau e que o mineral é energia em quarto grau. o 8° grau ultrapassa de todo este quadro porque integra a própria esfera da divindade. E o pranivorista ingere apenas luz (calor. Nisto. Da mesma forma como. o ar é mais importante que a água. inversamente. restando amplo espaço para o trabalho interior de qualificação da energia já existente. Mas também contribuem positivamente para a mudança espiritual. porque hoje aumenta o interesse por temas como “pranivorismo” e “respiratorianismo”. Comentemos. esplendor. São incluídos para fins de esclarecimento e reflexão. no caráter essencial. este último. etc. Patânjali apresenta a técnica de Samyama (que inclui: concentração. O gaseirista ingere gás (ar) e luz. O fluidorista ingere água. Naturalmente. Assim. estamos aqui no campo da yoga (“alimentar”) e da ascese. no entanto. que são as cinco formas de Bhutas ou elementos. no sutil. basilares. ou seja: a água é mais importante que o mineral. em termos de quantidade. Ou seja. Podemos assim dizer que o ar é energia em segundo grau. tratados de maneira algo confusa e simplista. (Praticando Samyama) na traquéia. Deve-se entender que todo o trabalho interior comporta duas etapas. O mineralista ingere minerais. ar e luz. Por isto a necessidade de cultivo específico de energia se torna secundário. 81 . Alguns deles seriam de direto interesse para o praticante eterovorista ou para o jejunista. fome e sede são restringidas. brilho. e ainda num aporte “científico”. no tocante à urgência nutricional. Por isto. mas que vêm sendo. por serem dietas leves. economia) e outra de qualidade (amor. a “alimentação” aqui proposta é naturalmente cumulativa. meditação e identificação) como um meio para adquirir uma série de poderes iogues. a inerência e a objetividade. maestria sobre Bhutas é conseguida. Tais componentes “dietéticos” são apresentados como adequados às iniciações superiores que fazem parte. Através de Samyama no denso. da estrutura mais simples imaginável. primárias. extensíveis ao frugivorismo e ao fluidorismo) representam um equilíbrio entre o denso e o sutil. ao passo que o 7° grau representa uma transição. desnecessário seria dizer que o quadro também evolui no sentido do seu elementarismo ou essencialidade. uma de quantidade (cultivo. da esfera da Hierarquia –mais uma vez. em tais “dietas” não estão ausentes os aspectos caloríficos de toda a natureza. estas dietas também são elementares no sentido de serem essenciais. ar e luz. sobretudo. e por último o fogo é mais importante que o ar. “44. Por “fogo” podemos entender aqui tanto o calor como a luz e o impulso elétrico responsável pelas sinapses nervosas.). água. consciência).” Qual a importância dos regimes sutis para o espírito? Inicialmente. Os regimes de transição (granivorismo e o mineralismo. não acarretam em maiores desgastes do organismo.glória. as quais dão a última palavra em relação à vida. ao lado da luz e da energia. porém. a temperatura surge como a essência suprema. Nos seus “Yoga Sutras” (Livro III). apenas resta associar as dietas hierárquicas aos Quatro Éteres. etc. Finalmente. Citemos então:** “30. já a partir do próprio frugivorismo) tornam menos necessárias as pausas ou jejuns alimentares. Ademais. como já relacionamos as dietas humanas aos Quatro Elementos.

Aos poucos ele começa a se tornar natural. boa saúde. ele realiza uma sondagem geral e absorve até as suas próprias toxinas. Percebe-se que após três dias de jejum. constrói e se transforma de fato em matéria física. pois exigem toda uma reformulação energética e metabólica. Naturalmente. E após uma semana. Afinal. governa. na paz de suas renúncias. que é tamanha e até transformada maiormente em “refugo”. existem grandes vantagens: acurácia mental. o dr. Porém estão prontamente disponíveis ao homem que resolver pautar a sua vida na fé e nas possibilidades maiores da vida. A existência de refugos é uma prova de que existem reservas e a expectativa de novos nutrientes. Nisto. sobretudo sólidos. Quando o iogue estiver lá. Podemos ver que na Natureza os organismos não possuem funções isoladas. fortalecimento interior. como o consumo. É a consciência que concebe. estão geralmente associados a ciclos. Tudo o que é ingerido é assimilado. sendo em parte também transformados em elementos úteis ou mantidos como reserva. e conseguir levar a vida sem ver o jejum como uma carga. o que representa o começo da libertação. estas são faculdades latentes e refinadas que apenas são ativadas com a demanda. sujeitos a distintas leis. as dietas elementares possuem uma particularidade importante: são regimes que não resultam em detritos importantes. O importante é perseverar no jejum até se acostumar. onde o ato de comer não fosse necessário ou inerente (especialmente aquela cota de comida habitual. as moléculas é que se estruturam a partir de flutuações das informações num campo que contém uma quantidade infinita de informações. terá a satisfação de saber que estará despertando ao máximo os seus processos metabólicos. Isto é um importante sinal de transcendência.A idéia aqui é a de formular uma relatividade. Deepak Chopra diz: “Os cientistas estão começando a ver que não são os pensamentos que são produtos das moléculas mas que. Por mais incrível que isto possa parecer. como se acionasse um outro lado da coisas. e deixamos de apreciar antigos gostos. comer também pode ser visto como um hábito. Esta é 82 . gerando um aproveitamento total do pouco que consome. as quais são novamente depuradas. que refletissem dimensões e ângulos diferentes do real. tal como vem fazendo a Física moderna. É ver o corpo subordinado aos pensamentos e aos sentimentos e não o contrário. o ar e até o foigo ou a energia pura (como fazem as plantas. revelando que existe na verdade uma interdependência entre o objetivo e o subjetivo. Pertencem a cadeias biológicas cujos componentes interagem continuamente. senão mesmo de inverter a subordinação dos princípios. pouca necessidade de sono. simples gasto irracional de energia portanto). Depois disto ele começa a realmente transformar as matérias-primas existentes ou fornecidas.” O homem pensa normalmente que seu corpo depende muito de nutrientes externos. etc. Estão começando a ver que a consciência é que é o fenômeno e a matéria é que é o epifenômeno. já se sente um estranhamento em ingerir algo. Como se a vida fosse feita de espelhos. Mas rapidamente a Ciência está apresentando o “outro lado da moeda”. na verdade. Quando o organismo não recebe novos nutrientes. Isto percebemos inicialmente quando mudamos de dieta. pode ocorrer uma verdadeira repulsa. Esta é a função do jejum. porque os refugos. Em A Natureza da Realidade. cujo nutriente físico extraído do solo não passa de oito por cento). seja a água.

ao menos como atmosfera. e infelizmente tudo isto é inevitável. As dietas elementares escapam a este ciclo. Pior ainda quando estes charlatões são magos negros que mantém uma imagem santa com fins escusos. tendem a tomar as coisas pelas aparências e a dar crédito alimentando a charlatanice. e superam também por isto o plano temporal ou cíclico. inclusive. As fórmulas são muitas. Não é porque alguém se alimenta apenas de água que ele será um Mestre. sendo bem conhecida em Medicina e em Psicologia. Os verdadeiros Mestres não serão reconhecidos tão facilmente –por isto Jesus. Advertimos. Isto se chama lei de compensação. com relação a tudo isto. por exemplo. mas apresentam as possibilidades e os caminhos como opções pessoais para aqueles que se acham preparados para andar sós. 83 . Por isto. que jejuava ostensivamente. Existe uma lei pela qual podemos alimentar indiretamente um centro através da atenção especial a um centro contíguo. ou que sequer adquira vínculos com tais Mestres. ou mesmo um discípulo avançado. Isto é possível porque os elementos não são homogêneos. que o que se propõe aqui pode ser muito útil desde o ponto de vista pessoal.uma forma de compreender os detritos em sua função dentro desta cadeia. a alimentação do mestre pode fugir na aparência aos padrões apresentados a seguir. Em resumo. fascinados por fenômenos. confundia os religiosos formais. Com certeza há aqueles que usarão tal dieta por razões de enfermidades. aparentemente indulgente com os hábitos humanos. enquanto o oxigênio (ou o ar) contém água. não será por não fazê-lo que alguém deixará de se tornar um iniciado. mas certamente também contribui para o problema do saneamento externo. Tudo isto cria obviamente um dilema. Uma característica dos farsantes (sempre existem exceções) é que suas opções serão evidentes: eles querem chamar atenção para a sua suposta santidade. E inversamente. No mais. Ele poderá realmente preferir compartilhar com a humanidade o ágape sagrado. Os hindus sustentam multidões de mendigos e faquires pensando se tratar de santos e iogues. Por isto insistimos: não é por ingerir apenas nutrientes sutis ou elementares que alguém se torna um iluminado. sobretudo no ambiente urbano (que talvez não fosse o caso para o jejuante). mas que se declarava seu seguidor. Mas no momento em que se torna uma “bandeira” pode adquirir conotação indesejável. Por exemplo: a água contém oxigênio (por isto os peixes podem respirar na água). tal como do outro lado também sempre existem aqueles que. no entanto. sustentada pela renúncia a certos deleites materiais. não se deve jamais tomar tais questões por sinais de que um homem seja um mestre ou não. Aquele que compartilha o alimento deve saber que estará recebendo o melhor alimento que existe no mundo dos homens. diante de João Batista. contendo antes princípios em comum. sendo isto inclusive um sinal de seu poder de transmutação. dados apenas como referência. É por tais questões que os verdadeiros hierarcas não dão ênfase a estes detalhes. ou mesmo para compartilhar positivamente com um grupo disposto a se reunir para estudar e até para praticar juntos. E aquele que renuncia ao alimento deve saber que estará recebendo o melhor alimento que existe no mundo de Deus. evitar produzir refugos é antes de tudo uma questão de ecologia interior. por exemplo. ou até por estarem habituados à fome.

tornando-se seres imortais na Natureza. e a ela devolvereis algum dia. Este recurso também pode ser usado com os nutrientes sutis ou elementares. o quadro das dietas humanas superiores (frugivorismo e granivorismo) pode ser estudado em Os Frutos do Paraíso. O enaltecido “Evangelho Essênio da Paz” oferece abordagens importantes aqui. Aquele que faz emprego de nutrientes orgânicos. os chamados florais. e vós nela. Pois o poder de nossa Mãe está acima de tudo. e estão ocultos nas profundidades da terra. e tem governo sobre todos os vossos corpos e todas as coisas vivas. ondeia sobre os trigais. uma parte deste espírito de integração com a Natureza que os atlantes tinham.” “A dureza de nossos ossos nasceu dos ossos de nossa Mãe Terrestre. quando desejavam sepultar-se nas plantas e nos rochedos da terra. passando a ser essenciais nos regimes inorgânicos da hierarquia. A rápida agitação do frasco produz uma ativação dos elétrons. dormita nos vales profundos e abrasa no deserto. sussurra entre as pétalas do bosque. Citemos: “Vossa Mãe está em vós. dorme nos lagos e se enfurece nos mares tempestuosos. Emprega como matéria-prima as flores. depois suplantada pelas iniciações solares e cósmicas. Felizes sereis quando chegardes a conhecê-la. Sabe-se que o Sol favorece a vitamina. Seu sangue cai das nuvens.” “O ar que respiramos nasceu do alento de nossa Mãe Terrestre. Em adição aos elementos inorgânicos. sutil. estas “dietas” para serem eficientes demandam não obstante uma profunda comunhão com os Elementos e as forças vivas que estão por detrás deles na Natureza. Erguem-se desnudas aos céus no alto das montanhas. o praticante pode empregar certos nutrientes sintéticos (não estamos falando de produtos artificiais).” Devemos desejar resgatar então. inorgânicas ou pósorgânicas. brota no seio da terra. nesta grande Magia natural. Foi ela quem deu vosso corpo. por exemplo. assim como a seu reino. flui espaçosamente nos rios das planícies. silva nos cumes das montanhas. Sua respiração é azul celeste nas alturas dos céus. embora a um nível mais “psicológico”. Para concluir. murmura nos regatos das montanhas. como ídolos levantados no deserto. Na seqüência comentaremos unicamente questões relativas às dietas elementares. das rochas e das pedras.Podemos também aproveitar os métodos da homeopatia de dinamizar os princípios ativos. não deve se preocupar muito com alimentos sintéticos. expostas ao Sol em água. se receberdes os anjos de vossa Mãe e cumprirdes suas leis. presentes nas dietas humanas. Em verdade vos digo que quem fizer isso nunca conhecerá a enfermidade. Esta água teria efeito medicamentoso. e isto potencializa o poder dos medicamentos. são como gigantes que jazem adormecidos nos pés das montanhas. 84 . E destrói a Satã e seu reino. embora estes cresçam em importância à medida que a dieta evolui. Assim como certos elementos sintéticos de nutrição. Mais recentemente foi criada outra forma de medicina. e como temos anunciado. Ela vos ilumina e ela vos dá vida. visando obter um produto alimentício muito mais poderoso.” “O sangue que corre em vós nasceu do sangue de nossa Mãe Terrestre.

Não obstante. E no tocante às “duas últimas raças-mães”.* Estes Elementos são equiparados por H. pois a humanidade desenvolveu em si apenas três tatwas. prova disto e que os Tatwas ocultos são chamados de Adi e Anupadaka. Calcutta Universit Press. nas duas últimas rondas. especialmente a última delas. o que significa falar de uma pequena elite. isto sim. apenas a Hierarquia poderia chegar a isto. aos Planos de evolução. ** “Yoga Philosophy of Patanjali”. os cinco tatwas apenas estão realmente ativos no plano da Hierarquia -embora a humanidade usufrua indiretamente de sua presença ali-.P. De todo modo. Swami Hariharananda Aranya. Algum tipo de “humanidade” apenas poderá alcançar tais patamares.B. Capítulo 17 O MINERALISMO 85 . elas serão na realidade parcialmente nirvânicas.

trata-se do símbolo do mestre e rei. porque todos os expiamos em ti. A escolha pode envolver cores e aromas diferenciados. a pedra fundamental da Igreja e do Estado. tal como acontece em relação aos outros Elementos (ver Capítulos seguintes). a cura é dada neste Evangelho partindo da estrita observação do princípio da analogia. pois. compõem a estrutura básica dos ossos e dos dentes e são os componentes dos hormônios. Destacam-se o sódio. para separar as partículas mais leves das mais pesadas. e nisto tal coisa pode ser extensiva à nutrição. 2. o corpo e a saúde. A dieta mineral pode ser obtida através de pós de pedras. pode ser conveniente ao mestre adotar um regime à base de minerais. No “Evangelho Essênio da Paz” do Jesus-terapeuta. o magnésio. na forma de medicamentos.O reino mineral está representado pela imagem da “pedra”. além de metais nobres como ouro. Em compensação. Um mestre carrega um poder alquímico de em tudo produzir luz e transfiguração. Os sais minerais compõem as enzimas. Existe. de modo que transcrevemos aqui a “Oração da Mãe Natureza” dada para o final do texto . São essenciais para o sistema nervoso. no trato desta dieta. Venha a nós teu reino e faça-se tua vontade em nós assim como em ti se faz. Os pós podem ser obtidos pela fricção de duas pedras ou pelo uso de lima fina. devem ser rejeitadas porque o corpo tampouco as poderá assimilar. muito usado na medicina e na ritualística oriental e ocidental. transportam oxigênio. embora neste caso às vezes também se possa obter resultados pela solução dos metais através da oxidação em líquidos.” A Dieta de 5° Grau (Asekha) Por analogia. inexiste um ensinamento mais extensivo a respeito do Elemento Terra. estando presente na maioria dos compostos químicos.num complemento perfeito ao “Pai Nosso que está no céu”: “Mãe nossa que está na terra. prata e cobre. como auxiliar na ingestão. as últimas. envia-os também a nós. Assim como envias cada dia a teus anjos. pois tua é a terra. senão livra-nos do mal. Não nos conduzas à enfermidade. O carbono é oriundo do 86 . senão pela prescrição de barro para a cura dos ossos prejudicados. Perdoa nossos pecados. além de uma pequena vassoura macia para varrer superfícies). proteínas que participam de várias reações químicas fundamentais ao funcionamento do organismo. ampla é a pregação sobre a importância da Terra e da Natureza como um todo. bendito seja teu nome. O carbono é chamado “a matéria-prima da vida”. A homeopatia emprega doze tipos de sais existentes no corpo humano. Como na analogia de cefas por parte de Jesus que resultou na eleição de (São) Pedro. É também a lenda da Pedra Filosofal com a qual seu portador transforma tudo em ouro. muitas vezes nos lembraremos das operações elementares dos antigos Alquimistas. útil também na obtenção de limalhas metálicas (outros instrumentos úteis são um pequena pilão de bronze para macerações. que ficam no fundo mesmo quando sacudido o recipiente. Como de fato. uma ampla gama de minerais que podem ser usada na nutrição.* De fato. é o elemento mais abundante do universo. o potássio e o cálcio. Amém. A emulsão ou a diluição na água é também importante por duas razões: 1.

ricos de nutrientes. e devem ser recomendadas a uma equipe de investigadores. onde devemos começar a trabalhar ativamente com recursos sintéticos. devemos ter em conta a maneira de prover as vitaminas necessárias. como os cientistas têm feito para os astronautas. berilo. Deve conhecer os lugares por onde transita e qual a composição dos solos e dos afloramentos rochosos. isto é. tal como na obra O Poder de Cura das Pedras Preciosas. a vitamina D. de Harish Johari (Ed. porque a luz exterior já é identificada a uma vitamina. Para fins mágicos e medicinais é possível encontrar abundante informação sobre o emprego de pedras. topázio. como um recurso inaudito e original. esmeralda. As plantas empregam o oxigênio de dia e expelem gás carbônico à noite. neste caso. É claro que. se vamos enfatizar de tal forma os minerais. embora às vezes também exista pesquisa experimental e científica. Nos grãos ainda tínhamos compostos e organismos complexos. ônix e jaspe (Ex 39. Mas agora entramos numa fase elementar. diamante.carvão. Mas não será isto porque ela mesmo representa um agente? Será que a luz não é ela mesmo a própria vitamina-de-síntese? Trata-se da luz interior (espiritual). o carvão vegetal é mais tóxico para a alimentação. Sabe-se que o gás carbônico também é muito tóxico para o ser humano. Aqueles que utilizam as dietas minerais (desde a água) deveriam realizar um estudo da composição e da forma dos elementos químicos. na forma de xarope ou de pílula. tampouco o faremos se mantivermos o emprego de sucos. Uma listagem clássica é encontrada na indumentária peitoral dos sacerdotes hebreus com suas doze pedras. carbúnculo. No mais. ágata. Os textos indianos dão nove pedras principais associados aos planetas. É sabida a importância da luz solar para acionar as vitaminas. No Ocidente. Existem muitas tabelas de minerais ou de metais relacionadas aos órgãos. Porém. É aqui que entra a meditação. onde informa o uso medicinal das pedras e alguns de seus componentes químicos (o uso pode ser feita por infusão ou por diluição de pós). safira. Pensamento. a saber: sardônica. sintético ou natural. E que dizer da importância da luz solar na fotossíntese? A fotossíntese é a transformação da energia da luz na energia química que a planta necessita (ao decompor 87 . De qualquer modo. 13). ametista. E mesmo além. Um bom livro sobre pedras e rochas poderá conferir abundante informação sobre as suas propriedades químicas e minerais. jacinto. Qualquer elemento setenário representa uma síntese de todo o conjunto. não seria difícil elaborar um composto de minerais. da queima de matérias vegetais ou minerais. no fluidorismo. e o Ensinamento da Agni Ioga considera que a luz possa ser a própria “sétima vitamina” sintetizadora. este conhecimento tradicional é de base mais analógica. O que representa a síntese no plano das vitaminas? Existem seis grupos de vitaminas. até aqui não afrontamos gravemente nenhuma premissa da Medicina ocidental. Não obstante. sobretudo. SP). é ela que torna possível a assimilação de certas vitaminas. mas geralmente se trata de astrologia e medicina. as pesquisas no campo do mineralismo ou dos minerais em bruto aplicado à alimentação são ainda incipientes.

A luz. Quanto mais sutil o princípio. seja a exterior luz do sol ou a interior luz mental da meditação. uma obra considerada complementar ao presente Volume. ela mesma. o postulante pode apresentar a sua base teórica e tentar angariar a simpatia do profissional. É sabida a importância da luz para acionar vitaminas. Agartha. LIFE) Qualquer elemento setenário representa uma síntese de todo o conjunto. sempre age como um acelerador. descobriram que os elétrons eram difratados por uma superfície de cristal. o que naturalmente tem sido feito já em diversas ocasiões com diferentes finalidades. A luz. seria importante recorrer à experiência dos iogues. cujas capacidades assombram comumente a comunidade científica. quiçá favorável à concentração material (segundo a fórmula de Einstein E=mc2). a própria vitamina de síntese? E as proteínas? O corpo humano possui várias reservas. tal como a germinação potencializa milhares de vezes o poder nutriente do grão. A própria matéria estaria sujeita à síntese e refração: “Dois americanos. no que seria recomendável a supervisão médica. * Ver mais a respeito em “A Cura Crística” (Ed. por exemplo). H. 88 . que se concentram nestas regiões. Não terá o laboratório do corpo humano também algumas destas habilidades. maior a sua capacidade dinamizadora. não será a luz não. por sua própria conta e risco. um dinamizador. como é buscada em certas técnicas de meditação. De fato. e nem deixaria de ser recomendável a convivência por certo tempo com estes elementos. Estamos sugerindo que a refração da luz seria capaz de reproduzir os seis grupos de vitaminas. Bibl. Por outro lado.a água. A menos que cada pessoa e cada sociedade deseje recomeçar tudo. inclusive de reverter o processo de fotossíntese e gerar novas moléculas? Estamos falando ainda de uma luz física. J. Davisson e L. apresenta um efeito potencializado. mas existem energias que a Ciência desconhece por inteiro.” (A Matéria. além de purificar. Os longos cabelos e unhas dos iogues têm uma função precisa: prover o organismo de reservas de proteínas e sais minerais. O fato é que a síntese dos princípios universais não se limita à luz (e às cores). Com certeza existem hoje muitos bons médicos “alternativos” interessados em participar de experiências pioneiras desta natureza. Germer. Da sua parte. C. Cient. A iluminação representa uma intensificação de energia. sugerimos a criação de um conselho interdisciplinar disposto a realizar experimentos e observações com tais iogues. 2009). Novamente. ou como a dinamização homeopática potencializa milhões de vezes o efeito de um medicamento qualquer. ou que a própria luz as substituiria. de modo semelhante ao dos raios X e do mesmo modo pelo qual uma rede de difração refrata a luz.

Capítulo 18 O FLUIDORISMO 89 .

pois vosso corpo se banha no rio da vida terrena e vosso espírito se banha no rio da vida eterna. De fato. simbolizada pela água.” A Dieta de 6° Grau (Chohan) A água. e nisto ela é condizente com o novo grau hierárquico. seria um erro (ou um sensacionalismo). Afirmar que o regime propugnado nas obras de Jasmuheen. pois. Nenhum homem a quem não deixe passar o anjo da água poderá acudir ante a face de Deus. Daí ser associado à Ascensão. Neste dia talvez resgatemos a nudez original de Adão e Eva. preparando o espírito e o organismo para maiores provações. Em verdade que tudo deve nascer de novo da água e da verdade. A água é o 2° elemento e o Chohan tem o 6° grau. tal como os grãos (in natura. que é o segundo plano registrado às inversas. o “Pranivorismo” atualmente divulgado é. seja uma “dieta de luz”. Em verdade vos digo que sagrado é o anjo da água que limpa o quanto está sujo. Regimes à base de água estão sendo hoje divulgados. Esta seria. igual à imundície das vestiduras. O Elemento Água é considerado particularmente purificador.. A simples contemplação da água induz ao psiquismo. sobretudo uma dieta à base de água (com o devido complemento prânico.. Pois recebeis vosso sangue de nossa Mãe Terrestre e a verdade de nosso Pai Celestial. se vai e se perde na corrente do rio. uma vez que estão presentes 90 . e que confere a todas as coisas imundas um odor agradável. O “Evangelho Essênio da Paz” enfatiza a depuração realizada por este Elemento e seus Anjos: “(. Cada regime serve de base para o seguinte. Assim atua a consciência. Entregai-vos por inteiro a seus acolhedores braços e. Em verdade vos digo que o anjo da água expulsará de vosso corpo toda imundície que vos manche por fora e por dentro. por exemplo. o fluidorismo é para aqueles que transcendem a condição humana. até ele ser inteiramente capaz de sobreviver de forma independente. Retirais vosso calçado e vossas roupas e deixai que o anjo da Água abrace todo vosso corpo. crus ou brotados) representam a nutrição da nova humanidade. lavada nos rios. na verdade. unicamente de substâncias etéreas e universais. embora sob uma capa algo inusitada. ou à natureza e à atividade dos Mestres. assim como o ar penetra em vossa respiração. A consciência possui uma vertente psíquica. abandonando a estas vestes carnais.As águas formam os rios e o destino do rio é se converter no oceano. e a dos oceanos a um psiquismo de nível superior. E toda coisa suja e horrenda fluirá fora de vós. pura e cristalina. é verdade).) buscai o anjo da Água. é a nova nutrição da esfera da Hierarquia. Não estamos propondo nenhuma novidade. Os princípios frugívoros representam também uma ótima preparação para as novas dietas. cujo destino é sempre se fundir com a consciência maior a fim de alcança a imortalidade. E se o granivorismo é a alimentação do homem perfeito. com sais rarefeitos ou na forma de sucos. Existe este vínculo de analogia porquanto ambos ocupam posições simétricas dentro do setenário. que a água também penetre em vosso corpo. a dieta adequada ao grau de Chohan. e os testemunhos destas possibilidades se alastram diariamente nos meios abertos de comunicação.

De fato. encontra o dínamo de sua existência. o desejo e o exemplo. cactus). A compaixão pode surgir de uma simpatia profunda por todos os seres. é claro. poços e a própria chuva. lagos. a compaixão. sobretudo pelo uso ostensivo de líquido. agora ele deverá encarar o celibato alimentar. deve-se poder contar com outros recursos. por exemplo. Para isto necessitamos ter um sistema espírito-corporal evoluído e purificado. Seu grau (6°) ocupa a mesma posição daquele de discípulo (2°) na ordem inversa do setenário. porque implica abandonar hábitos arraigados. O Chohan é o discípulo de uma escala maior. motivandonos a trabalhar espiritualmente desta forma pela salvação do mundo. é um candidato a produzir funções calóricas. Assim. que dificilmente negarão água para beber. ajudam a dinamizar o organismo com calorias e outros recursos ou processos necessários à (re)ativação das glândulas superiores e outros processos de metabolismo. deixando de ingerir tudo de material. preparando o espírito e o organismo para maiores provações. porque a água é o principal componente do corpo físico e porque este contém abundantes reservas de nutrientes. Cada regime serve de base para o seguinte. é um elemento singular e um dos mais abundantes do universo. tal como o próprio oxigênio. por exemplo. Vejamos então o que significa este processo de ascensão. nascentes. É isto na verdade que possibilita uma sobrevivência regular. Ainda assim tudo isto é certamente difícil. que encontra os verdadeiros nutrientes de seu Ser e se capacita a encontrar a sua real Identidade cósmica. É apenas no momento em que o hierarca passa a se alimentar diretamente de energia e de fluídos. base da água.nas bases físicas nesta dieta. Se na etapa terrena de evolução necessitou encarar o celibato sexual educando a energia responsável pela geração exterior da vida. isto sim. para manter o espírito em estado de alerta e. e pode-se indagar aos habitantes dos locais. Obviamente. 91 . E isto é obtido a partir da Terceira Iniciação. Como auxiliar podemos contar com alguns “facilitadores”. cuja combustão respiratória aquece as células. até vir na Sexta iniciação a tornar-se ele essencialmente luz. Os cientistas afirmam que o ser humano pode sobreviver longos períodos apenas com água. e por vezes é mesmo difícil separá-los. e recondicionando a energia responsável pela geração interior da vida. Quando ele concebe a energia pura como um fator estimulante. O hidrogênio. As práticas de meditação servem. A necessidade pode ser a da fome pura e simples. Existem vegetais que armazenam água nas folhas (bromélias) e no interior dos caules (cipós. ou mesmo de uma enfermidade que não permita alimentar-nos normalmente. ele é o discípulo do Caminho de Retorno. logo na Quinta iniciação o amor se revela como conhecimento. até ele ser inteiramente capaz de sobreviver de forma independente. As gorduras armazenam açúcares e os cabelos e unhas são reservas de proteínas. Onde poderá o peregrino encontrar a sua água? À parte os rios. esta seria uma tarefa para os seres já iluminados. para então na Quarta Iniciação ele conhecer a “luz divina que existe por sí só”. tal como a necessidade. Muito depende da região e da estação. e não tanto a suposta prática “respiratória”. unicamente de substâncias etéreas e universais. dois ou mais destes fatores podem estar combinados. Simples e explosivo.

a cura de uma enfermidade. que se estendam pelas pradarias. quiçá até no plano físico. a Ascensão como a reunificação à Fonte e.O desejo surge quando associamos este processo a alguma esperança maior. o desejo de atenuar o problema da fome no mundo. posto não depender este em absoluto da respiração. Tampouco deve ser diretamente identificado ao pranivorismo. que se assomem pelas montanhas. e ainda mais. ilustrando caminhos e facilitando os processos. É ainda uma característica do Chohan se alimentar de espaço. atuando antes basicamente a nível 92 . O 6° grau consuma a esfera da hierarquia. Pode ser por isto também denominada de dieta “dévica” ou angélica. o verdadeiro “respiratorianismo”. Que representem enfim tudo o que a Natureza é. e isto alcança um plano de amadurecimento neste grau. A alimentação elementar fortalece as possibilidades de integração com a Fonte cósmica e de sua reabsorção nela. ou ainda auxiliar na busca de soluções para o problema ecológico. que se fundam nas florestas. É claro que deste quadro de “anti-dietas” deve participar de forma intensa o componente angélico. em sua busca pela cosmificação da consciência. base dos reinos angelicais. O exemplo vem da existência de modelos que nos mostrem ser possível esta experiência e nos inspirem a buscá-la. Este é. como por exemplo. portanto. que se encontrem entre as estrelas. Devemos entender. Capítulo 19 O PNEUMORISMO Trata-se de “ingerir” (aspirar) unicamente gases e aromas. Que tenham então também por alimento as grandes vastidões naturais. É isto no fundo que se busca referir por “alimentação prânica. sendo possível abandonar este sistema solar. pois. a conquista da Imortalidade. que percorram os grandes rios. em alusão às diferentes formas de energias existentes. pois. E isto não se obtém em qualquer ambiente.

e vosso espírito respira a verdade do Pai Celestial. oxigena o corpo. Alimentos e Evolução Humana. O interessante é que. para que o Anjo do Ar penetre em vós. “Nenhum homem que não deixe passar o Anjo do Ar poderá acudir ante a face de Deus. pg. cuja principal base de ação é o ferro. (três vezes maior que o esperado). pois vosso corpo respira o ar da Mãe Terrestre. por fora e por dentro. pg. graças ao componente regulador do metabolismo. cérebros maiores que os dos outros primatas. as necessidades totais de energia em repouso do corpo humano não são maiores que a de qualquer outro mamífero de mesmo porte. como o cérebro é constituído especialmente de tecidos nervosos. é o quanto de energia ele consome –aproximadamente 16 vezes mais que um tecido muscular por unidade de peso. igual a fumaça do fogo que ascende em forma de plumagem.mental. op. se se quer. que limpa o quanto está sujo e confere às coisas fétidas um odor agradável. E isto naturalmente acarreta um custo especial de energia: “O que é extraordinário em nosso cérebro grande. através do oxigênio especialmente. sob uma perspectiva nutricional.” O pneumorismo ou gaseirismo é o verdadeiro “viver de brisa”.” (William R. “Verdadeiramente. Pois em verdade vos digo que sagrado é o Anjo do Ar. a energia requerida pelo organismo humano não excede o dos animais em geral: “(. que é um mineral não muito difícil de se obter. A respiração profunda ativa a glicose no cérebro. Leonard. tranquilizador da mente e concentrador de energias.. “E assim sairá de vós toda coisa suja e fétida. O ar é transportado no corpo através dos glóbulos vermelhos. no conjunto. quanto ao peso corporal..) apesar de os humanos apresentarem. 78) 93 . O “Evangelho Essênio da Paz” assim coloca a questão em termos terapêuticos: “Buscai o ar fresco do bosque e dos campos. pois. retira gás carbônico do coração e dos vasos e massageia órgãos e nervos espinhais. O principal gás do respiratoriano é obviamente o oxigênio. cit. A “dieta” pneumorista deve passar pela purificação do Elemento Ar e pelo fortalecimento de suas forças vivas. e se perde no oceano do ar. 78) A quota é. A respiração é apenas um instrumento. Afinal. significativa: dezesseis vezes mais energia que o tecido muscular. e em meio deles achareis o Anjo do Ar. embora tecnicamente importante. Tirai vossas roupas e vosso calçado e deixai que o Anjo do Ar abrace vosso corpo..” (Leonard. Oxigênio: o grande alimento cerebral A proporção avantajada do cérebro humano tem sido apontada como uma das grandes características do homem. Respirai então longa e profundamente. é natural que tenha um grande gasto de caloria. tudo deve nascer de novo pelo ar e pela verdade. Em verdade vos digo que o Anjo do Ar expulsará de vosso corpo toda imundície que o profane.

a mente desregrada também pode desperdiçá-la melhor. cit. e chegar a um gasto significativamente inferior –sem esquecer porém que usamos habitualmente apenas uma pequena parte de nossos recursos cerebrais. se o uso da mente é importante para captá-la. O sétimo escalão situa-se naturalmente no umbral de dois universos. e que os 3 a 5% em outros mamíferos. A Dieta de 7° Grau (Bodhisatwa) Certamente um iluminado coloca toda a sua atenção na respiração para dela extrair o máximo. porém sob outra equação interna –diríamos que numa vida mais contemplativa ou mais intelectual. Vale-se da mesma necessidade de nutrição. pois. é a própria respiração de Brahma (deidade vinculada a este grau civilizatório. Por isto qualquer alteração significativa no “modelo energético” deve ser acompanhada de toda uma mudança no modo de vida. o oxigênio é o alimento especial dos nervos. 78) Ou seja: nada menos que a quarta parte de nossa energia total é gasta apenas no cérebro. que cria e que desfaz o mundo. “mente-de-harmonia”-. Na verdade. por assim dizer. Juntamente com o fósforo. O bom funcionamento do cérebro requer energia leve e constante. porém. ele que nada confere de material porque nada possui. de forma consciente. pg. ser possível reduzir ainda mais tudo isto.Como conclusão. 94 . Flutua. Por isto é a neutralidade absoluta. sempre que possível. um ato criador. Ele que nada deseja porque tudo tem e tudo é. a natureza da “atividade” humana é maiormente cerebral e menormente física. e está solidificada nos gestos do Bodhisatwa. sobre a terra. o pivô de equilíbrio entre os mundos. entre o denso e o sutil. O fato é que a respiração é capaz de prover –e de prover melhor– a maior parte das calorias necessárias ao cérebro. E quanto isto significa em termos de porcentual energético? A resposta pode ser ainda mais surpreendente: “Usamos grande parte de nossa quota diária de energia para alimentar nossos cérebros vorazes. Por isto é importante respirar bem e. E quando os cientistas falam em “organismo em repouso” querem mesmo dizer sob estado de sono e. o alimento cerebral por excelência. também em estado de jejum ou repouso alimentar. o oxigênio é caloria direta para uso imediato. entre o ser e o não-ser. o Grande Vazio. O oxigênio é. o gasto seria em princípio semelhante ao do organismo em estado de meditação profunda. entre o imanifesto e a manifestação. que a energia prânica seja mais volátil que a armazenada na forma de gordura. entre o nirvana e o samsara. o metabolismo de um cérebro em repouso ultrapassa de 20 a 25% as necessidades de um humano adulto –bem mais que os 8 a 10% observados em primatas não-humanos. Por isto. É possível. Assim. Ah. com que vigôr respira o Bodhisatwa! Sua respiração é um vórtice poderoso. portanto. Mais que o açúcar. também chamado Maha-Chohan). coisa que apenas o oxigênio pode proporcionar. porém. e entre o passado e o futuro. op. o equilíbrio perfeito –é o sentido da palavra bodhisatwa.” (Leonard. levita e anda sobre as águas. através de técnicas iogues.. Sabemos.

como as frutas. embora nem mesmo isto deva gerar aberrações. poderá simplesmente se desmaterializar ou. Ingerir líquidos seria um passo. De outra forma. ervas e grãos destinados ao homem. existentes mais ou menos naturalmente na Natureza. Este procedimento é comum entre os iogues dos Himalayas que. Caso tiver suficiente poder. Isto explica a sobrevivência humana sob condições alimentares aparentemente não ideais. Tudo seria uma questão de saber o quanto de energia é necessária para gerar matéria. de modo que passaríamos a nutrir-nos diretamente dos gases atmosféricos. É realizada pelos vegetais. é 95 . que é a retirada de carbono da atmosfera transformando-o em substância orgânica sob o estímulo da luz solar. Explorando a Respiração Imagina-se que um pranivorista –ou alguém que empregue alguma outra forma sutil de nutrição– não possa executar grandes trabalhos físicos. e usamos o Sol para processar certas vitaminas. quiçá se possam condensar livremente as energias de que se necessita de forma direta. Mas. Depois. quem sabe se poderia eliminar também isto. poderia ser importante poder contar com alguma “matéria-prima”. poderá abandonar este corpo. Melhor ainda. adotar um “corpo-de-arco-íris”. mais ou menos como fazem as plantas (que ainda usam água e nutrientes do solo. posto adentrar num plano de energias cósmicas. ou como o manah celeste que descreve o Êxodo. como dizem os budistas. Também poderíamos processar energias e mesmo outros recursos a partir de elementos básicos presentes na atmosfera. e será o momento para o mestre definir se permanece ou não neste mundo. Que tal pensar sobre o processo de materialização? Na magia. como o hidrogênio –o mais simples e abundante dos elementos no universo e de cujos componentes se obtém os restantes elementos– e o oxigênio. invoca a idéia de uma nutrição natural e espontânea. Quando o Genesis fala que no Paraíso o homem não necessitava ganhar seu sustento com o suor de seu rosto. inclusive empregando métodos para controlar ou para acelerar este processo. pois os animais não podem empregar este processo. não é raro o poder de produzir o aparecimento de objetos. um alimento leve e relativamente fácil de encontrar.Após se deixar a “água” tudo entra num outro patamar. alcançando certa idade. capaz de gerar muitos elementos a partir de certas matérias-primas básicas. Sabe-se que o corpo é um grande laboratório. Algo semelhante ocorreria com a energia extraída diretamente do universo. somos uma síntese dos reinos inferiores. quem sabe o ser humano possa fazê-lo. que seria condensada da forma necessária. Se resolver deixar este mundo. ou senão de ambos combinados na forma da água. capaz de alimentar o povo hebreu em suas peregrinações pelo deserto por toda uma geração. adotam um processo de auto-mumificação pela ingestão de substâncias que ressecam o organismo. Sua existência é basicamente contemplativa por uma série de razões. pois habituaria o corpo a extrair deles aquilo de que necessita. ele poderá fazê-lo por duas vias. Enfim. É claro que nos deve bastar o necessário para sobreviver. mais ou menos como fazem as plantas através da fotossíntese. na medida em que ative as suas faculdades superiores? Afinal.

à sutilização. e Corpo. Deveriam ser feito estudos da nutrição pelo prana nas alturas. Já foi afirmado claramente que o ar puro fornece muito mais nutrição essencial que o ar da cidade. As pessoas nas montanhas podem viver mais tempo sem comida e necessitam menos sono. o pranivorista. Diz um Ensinamento: “Talvez a sétima vitamina seja o Fogo. sentir o fluir dos panchavayus por todos estes setores. sejam luminosos ou de partículas físicas. e teremos um quadro de grandes possibilidades. à leveza. Os iogues dividem a respiração em três setores e fases: abdominal.” (Helena Roerich. A função do iogue é descobrir as potencialidades de seus sistemas e corpos. Com certeza teremos maiores recursos no ambiente natural. Sua consciência vai se aprofundando e adquirindo novos poderes. samana (região do umbigo). deve aproveitar ao máximo os benefícios da respiração –que é a primeira e a mais importante fonte de alimento–. o trabalho com a luz. E o Espaço é a dimensão buscada pelos Mestres ascensos. Mundo Ardente. Elementos ou “forças da Natureza”: “Os tratados indiano citam os cinco vayus principais. A respiração possui um efeito direto sobre a energia do ser humano. Neste fator calorífico temos um importante elemento de autonomia do iogue. Cada uma delas serviria para alimentar um nível do ser humano. “Dicionário Esotérico”) Não estaria mal. A associação do pulmão a um balão não é gratuita. à expansão. ou controle do prana. ou Agni. ou seja. Mas por pureza deve-se compreender uma saciedade ardente especial. e explorando todas as suas potencialidades. onde vyana provavelmente possuiria uma especial relação com a cabeça -tudo ao modo do sistema budista de cinco chakras. Espírito. Para isto poderia ser importante conhecer a natureza dos elementos suspensos na atmosfera. apana (anus). pulmonar e clavicular. # 404) De qualquer modo. quem sabe. Seria importante também estudar aqui os cinco vayus. pois o oxigênio é o mais básico e imediato dos combustíveis. estimulado pelas técnicas respiratórias de pranayana.” (Zaniah. No Tibet desenvolveu-se a prática do tumo. seus corpos e veículos sutis. pode satisfazê-las sem necessidade de alimentos pesados. que é a geração especial do calor interior. 96 . cabendo notar o forte vínculo existente entre os vayus e os chakras. à liberdade. portanto. apenas com o seu calor corporal. udana (garganta) e vyana (todo o corpo). Com isto ele vai desenvolvendo as suas faculdades internas. Alma.verdade). sendo responsável direto pelo calor e pela vitalidade. A isto pode ser acrescentado o prana. substituindo em grande parte a necessidade de combustão química de açúcares. tal como o Tempo é a meta a ser conquistada pela humanidade. a saber: prana (que atua no coração). além do vapor de água e poeira. tornando-se progressivamente independente de recursos externos. A respiração está associada à geração e à conquista do espaço. I. ao preenchimento. respectivamente. aprofundando os seus processos em todos os níveis. ou os ventos do corpo segundo a medicina védica. A respiração é altamente calorífica. um dos cinco tatwas. também chamado respiratoriano. Diz-se que seus praticantes eram capazes de derreter grandes quantidades de gelo. A nutrição do espírito.

Na verdade isto representa um desequilíbrio. a respiração é o elo entre as funções conscientes e inconscientes. O pranayana é um importante rito para a assimilação do prana. mas sim usar de forma inadequada. Cap. Hoje a ciência apenas aceita como verdadeira a morte cerebral. O pulmão e tudo que nele está envolvido–respiração. Devido a esta dupla natureza. Deus prescrevera ao homem alimentar-se da Árvore da Vida. Assim. Um dos simbolismos tradicionais do sistema nervoso voluntário é a Árvore da Vida. porque na os centros superiores estariam sobrecarregados. Parte III. Sobrecarga não significa usar plenamente. Por meio de técnicas iogues desta natureza. porque isto o levaria à separatividade e à morte. coração. volitivas e automáticas. mentais e emocionais. Os iogues alcançam expandir os pulmões e ampliar a caixa toráxica apenas através deste expediente. E como ensina o Quarto Caminho. materiais burdas e materiais sutis. digamos. pode ser elevada a uma função consciente. algumas delas trabalhando com a alternância das energias internas através das duas narinas ou. desaconselhando-o a alimentar-se da Árvore do Conhecimento. Assim. o ser humano emprega uma pequena porção de seu cérebro. isto faz com que se procure transferir funções para áreas que não são de sua competência. a respiração pode converter-se em mediadora entre a mente e o corpo. Do coração ele usaria. situado na orla do Jardim –que é o plexo solar. centralidade– possui um vínculo simbólico com a Alma. apesar de sua independência de nossa consciência normal e de seu subconsciente de auto-regulação e auto-perpetuação. Meditação Criadora e Consciência Multidimensional. acessível à mente. e a prática da respiração consciente –também prescrita pelo Buda– é um dos métodos mais eficazes para o controle dos mecanismos corporais. a verdadeira fonte vital é a energia. e em consequência. calor. despertando a auto-consciência. por meio de nossa participação consciente nas funções mais vitais e universais de nosso organismo psicossomático. E do plexo solar usaria quase a sua totalidade. A assimilação da energia pelos pulmões e sua distribuição pelos nervos através da coluna e pelo sangue através do coração. e esta acontece não diretamente pela falta do oxigênio. Existem muitas técnicas de pranayana. 3) A cabeça representaria um terceiro centro cujas verdadeiras funções seriam ativadas numa fase ainda posterior. veicula o prana para todo o organismo e para aura. e se 97 . O processo de respiração mínima conhecida como respiração cerebral é deles bem conhecido. o ser humano desenvolve o sistema nervoso voluntário. antes. Vejamos o seguinte: “A respiração é a única função vital que. Um dos aspectos do pranayama é reproduzir o processo de respiração profunda. mas pela interrupção do envio de energia ou de fluxo nervoso ou estímulo elétrico que decorre da ausência do ar. circulação. Os iogues há muito praticam a morte aparente e ficam dias enterrados.” (Lama Anagarika Govinda. cerca da metade. Sabidamente. situada no meio do Jardim do Éden. que é o coração. é a expressão mais perfeita da natureza de toda a vida.O emprego da respiração no treinamento ocultista é fundamental. luz ou eletricidade. os dois nadis ou canais sutis polarizados. Alma é sinônimo de consciência. sede do sistema nervoso autônomo–.

As vitaminas são as substâncias que acionam o metabolismo e o sete é um valor universal. deve-se notar que a respiração profunda permite um relaxamento da coluna e em consequência uma liberação dos nervos que dela saem. tal como se sabe ser capaz de produzir calor através de açúcares e outras formas de combustão. Esta experiência representa uma das etapas do treinamento para o aproveitamento da respiração. O emprego consciente do prana seria um dos aspectos estimulantes destes processos químicos complexos. e assim suprir todas as suas necessidades. Através de sua captação pela respiração pulmonar e pelos poros da pele. não apresentando qualquer movimento fisiológico aparente. É claro que a “Ciência” tem as suas opiniões a respeito. sendo. Existe pois muito mito sobre a necessidade de nutrição externa. Talvez o organismo tenha recursos de compor praticamente todos os elementos químicos de que necessita dentro de si. porque ela caminha muito devagar. Uma das consequências da tensão nervosa é a má respiração. Por isto ela depende tanto daqueles pioneiros que ousam andar mais depressa. seja na variedade como na quantidade prescrita. que poderiam ser acionados em resposta a um estímulo igualmente universal. capaz de resumir um todo. a partir de matérias-primas originais. quando o iogue é capaz de reduzir imensamente as suas batidas cardíacas. E nisto cada vez mais nos compenetramos com energias sutis. inclusive de natureza mais ou menos sutil como o próprio hidrogênio. irrigando praticamente todo o corpo. uma substância gasosa presente em toda a parte e que participa da composição de quase todos os elementos. o organismo seria capaz de construir as cadeias moleculares necessárias. Neste sentido. com o tensionamento dos músculos prejudicando a circulação e o fluxo neurológico. ele poderia quiçá até mesmo gerar certos nutrientes sintéticos. é precisamente a sua natureza consciente e voluntária. tal como o da luz. até que estaremos vivendo totalmente de prana –tal como supõe-se que realizará toda a humanidade na sétima ronda mundial. como qualquer setenário. definida como a “sétima vitamina”. mas sabemos que as opiniões da Ciência estão sempre mudando. Tampouco se descarta que o organismo tenha capacidade de gerar fusões e fissões nucleares.caracteriza por ocupar o mínimo de oxigênio com o máximo de aproveitamento. 98 . Ainda no campo fisiológico. sendo semelhante a certos estados de catalepsia e coma. associados ao sistema nervoso voluntário. A característica dos processos superiores.

Porém. permitindo-o sobreviver fora da atmosfera dos 99 . Como as sucessivas dietas trabalham com a eliminação de tipos de alimentos –e até de elementos–. teríamos neste grau unicamente o fogo. a “dieta” de fogo ou de luz pura (pranivorismo ou fotorismo) seria mais condizente à condição dos Budas –se é que tal coisa seria de todo possível em corpo físico. ou seja: sequer o ar. segundo o quadro geral de nutrição apresentado em nossa obra Os Frutos do Paraíso. III. do qual o mestre teria se tornado também independente (“dieta” prânica e dieta “respiratória” não são coisas necessariamente conectadas).Capítulo 20 O PRANIVORISMO A condição de viver sem alimentos de qualquer espécie é um poder iogue mencionado nos Ioga Sutras de Patânjali. 31.

No mais. A força da imaginação criadora e a pulsação da Luz crística (ver nossa obra “A Cura Crística”) poderiam trazer uma primeira solução. mais uma vez poderemos procurar as verdadeiras respostas no “dínamo” da Consciência. com efeitos simbólicos sacramentais. aprendeu a subsistir sem se alimentar normalmente. A Dieta de 8° Grau (Budas) Trata-se de se alimentar de forma exclusiva de energia. de Paramahansa Iogananda. pois.planetas. e porque era. É claro que por sí só isto pouco indica. Já mencionamos a habilidade de certos iogues de deterem praticamente o seu metabolismo. tomava unicamente uma pequena óstia diária.” (Anne Chayet. Temos ali uma representante do Ocidente e outra do Oriente. Por isto a idéia de viver totalmente sem ar também é relativa -a menos que o sistema nervoso passe a ser alimentado de uma outra forma. o único alimento físico do cérebro é a glicose. podendo ser enterrados vivos por vários dias. afinal. na Baviera. Salvo períodos especiais de jejum. uma existência física sem respiração? Inicialmente. assim como estóicos. Existem alguns iogues conhecidos que não se alimentavam fisicamente (e nem com líquidos). Certamente eles mantém algum nível de absorção de oxigênio. Podemos admitir. faquires ou charlatães podem fazer uso (ou apenas parecer fazê-lo) do método para impressionar as mentes sempre desejosas por fenômenos. A ocidental foi a santa estigmatizada Tereza Newman. podem tender a este caminho sem por isto serem santos. observar a todo um conjunto de dados. um ser inteiramente liberado. Isto elimina de imediato a utilidade do pranayama como prática respiratória neste grau. Enfermos físicos e mentais. Adiante retornaremos ao tema. uma ioguini tibetana do século XIX que teria alcançado a mais alta realização. a morte verdadeira é a morte cerebral. Porém. Esta 100 .298) Cabe destacar também as famosas ioguines ou santas descritas na obra Autobiografia de um Iogue. A Mulher no Tempo dos Dalai-Lamas. despertando formas alternativas de alimentar as sinapses. Não é por deixar de respirar que o ser humano é considerado morto. consideremos que. que assim caem facilmente em truques ou sob os poderes de magos não necessariamente iluminados. esta Estado de Ser que supera tempo e os mecanismos da evolução. Cabe. “praticava o (rito do) chö e as técnicas de produção de calor interno. Jesus se alimentava normalmente. capaz de sublimar muitas desarmonias no mundo. representando isto um poder espiritual. até para não chamar a atenção sobre si. porém mínimo e imperceptível. porém. e isto a energia pura seria capaz de substituir. A capacidade de despertar a energia interna estaria diretamente vinculada à capacidade de se abstrair de alimentos físicos. Diz-se que Ayu Khadro. Apesar da perda ocasional de sangue e dos ferimentos que sofria sob a estigmatização. para a ciência moderna. sendo a atenção chamada sobre si um dos menos recomendáveis. atrelando-se diretamente ao Ponto-Ômega das coisas através da conexão com o Ponto-Alfa dos arquétipos originais. Pois a realidade é que sem nenhum ar o cérebro morre. pg.

Pois a rigor não somos este corpo. Nossa consciência. a nível interno. Recondicionando as Idéias Toda a possibilidade da Imortalidade. não devemos encarar a idéia da nutrição inorgânica (mesmo a luminosa) como um “nãocomer”. afrontar os produtores de alimentos e os comerciantes locais). Também caberia haver já empregado alguma dieta especial e restrita. Eliminando o desejo artificial. nós apenas o habitamos. um verdadeiro “viver de amor”! A oriental é Giri Bala. Na continuidade apresentaremos idéias gerais sobre as bases da nutrição elementar. tais como aqueles que nos purificam de energias que nos mantém atados a crenças ilusórias. o frugivorismo ou o granivorismo. devemos cultivar em relação à dieta inorgânica. Finalmente. realizando o chamado processo de Ascensão no todo ou em alguns de seus aspectos. 4. o recondicionamento do chakra da garganta capacita o iogue a viver de energia sutil. devemos ter alguma experiência de jejum. do sul da Índia. O iniciado em busca da Ascensão deve identificar-se com outras Fontes divinas que não a Criação: ele está polarizado com o próprio Criador. estaremos diante da possibilidade do controle superior.santa parece ter levado às últimas conseqüências a idéia da transubstanciação do corpo do Cristo. em alguns casos. mas isto deve ser iniciado na consciência. temporariamente. de forma crescente. Depois. está relacionada a uma vigorosa polarização da consciência com os planos superiores. o jejum entra como uma prática fundamental. desejavam apena servir como um sinal das possibilidades disponíveis ao ser humano em Deus (nota-se que temiam. porém. nem buscavam discípulos. é um raio deste manancial eterno e infinito. que viveu mais de cinquenta anos sem nada ingerir. é justamente aquele de comer para viver. 1. ou um condicionamento social que alimentamos. ou nossa essência. ao invés de viver para comer. em princípio. mais uma crença que nutrimos. parte de fontes mais sutis. muito proselitismo de suas condições. conhecendo os seus “mecanismos”. para fins de aprendizado e serviço. apenas isto – uma idéia. cabe estimular pensamentos construtivos. Vamos observar alguns passos importantes. Esta elevação consciencial permitirá a seu tempo a sutilização completa do corpo e a sua reintegração na luz. 3. como o vegetarianismo. Pelo contrário. A idéia de que necessitamos alimentar-nos fisicamente é. Neste processo. Não faziam. relacionada aos Quatro Elementos. com ênfase para o emprego da energia. 2. Ambas confirmavam sobreviver graças a “técnicas prânicas” ou da “fé e do poder de Deus”. sobretudo física. através de recursos de progressiva sutilização. No caminho espiritual. um pensamento semelhante àquele que temos 101 . a não ser de uma forma relativa. O primeiro passo para viver sem comer. de resto essencial. em todas as dietas elementares. “Guardada as devidas proporções”. inclusive. Como existe toda uma hierarquia de nutrientes. E entre estes elementos se encontra a eliminação de toda a forma de alimentação densa. e confirma a idéia de que o viver-de-luz pode ser na verdade. Pelo que consta.

Por sua vez. Os próprios quantuns. Neste processo é claro que reativamos várias glândulas desativadas pelo modo de vida que mantemos. que a matéria é apenas energia condensada. akasha e fohat. tal como a fórmula descreve uma realidade óbvia. a alimentação prânica direta é apenas o corolário de um processo nutricional. dizemos “pranivorismo” apenas para efeitos gerais. mais acima”): 2. subordinados ao fator velocidade segundo esta fórmula. Quanto mais elevado o ser humano. é que o ser humano pode chegar a pensar em termos de imortalidade de toda a ordem. e empregamos esta fórmula para obter energia e até para fins menos nobres. são de natureza dual: onda ou corpúsculo. Existe toda uma hierarquia alimentar à disposição do ser humano. Na verdade. as quais alimentam sutilmente os níveis físico-somático. astral-anímico e pneumáticoespiritual. O trabalho espiritual requer progressivos alinhamentos energéticos. qualidade e quantidade. Assim. onde a energia é alcançada diretamente da luz (prana). sendo aquilo de que o pranivorista necessita para manter e nutrir os seus veículos sutis e também os densos. também cabe assimilar muita energia para suprir a nossa necessidade material. como o akasha e fohat. então. A luz parece realizar a ponte entre a matéria e a energia através da sua dupla natureza do fóton como partícula e onda. que é a prática mais básica e a mais comum. ainda mais sutis que o prana. Temos aqui. que é a chave da dimensão tempo (ou da Eternidade)–. Contudo. pois não excluímos outras formas de energias sutis além do prana. fato que apenas pode gerar um perigoso desequilíbrio na Terra. A Energia é o resultado transcendente da fusão entre massa e luz. Os nutricionistas comumente elaboram “pirâmides alimentares” que não deixam de ser também hierarquias. Os recursos alimentares podem ser classificados em termos de hierarquias. tais como densidade. deveríamos procurar de todas as formas vivenciar esta realidade. na medida em que evoca símbolos tradicionais da Tradição de Sabedoria. e estas fusões ou ascensões vibratórias é que produzem as energias de prana. especialmente quando trocamos o carnivorismo pelo vegetarianismo. sem passar por estágios mais densos (carbono). e não deixar que apenas os materialistas a empreguem. Apenas aprendendo a retirar os recursos nutricionais diretamente do universo e das fontes primeiras. 102 . a energia também se acelera na medida e que os elétrons trocam as suas órbitas. E isto deve se feito com o aumento da capacidade de assimilação. Este é o grande segredo dos poderes dos iogues em suas façanhas assombrosas. a nossa segunda grande premissa alimentar (a primeira está no Capítulo “Virtudes do Jejum”. E a transição da substância para a energia é um salto quântico que emprega a fórmula de Einstein de conversão de massa em energia. de forma massiva e eficiente para os fins de Ascensão. Nós que vivemos numa cultura ciente da fórmula e=mc2 –ou seja. partículas subatômicas da matéria. A própria fórmula de Einstein pode contribuir também para o uso direto da energia prânica. Envolve ainda diferentes aspectos dos alimentos. mais ele enfatiza os recursos sutis e dispensa os densos. a de que um pouco de matéria contém muita energia potencial.quando trocamos de regimes habituais.

mas é uma conquista “natural” destinada àqueles que portam a chama da Verdade cósmica. Assim. mas ninguém até agora havia declarado textualmente o quanto esta energia pode substituir os outros alimentos. de pouco ajuda também. cuja fonte energética é a fissão nuclear. talvez a verdadeira potência envolvida neste processo de alimentação prânica exija aspectos como o da. emocionais e mentais que possamos passar na manutenção do processo de alimentação prânica. consciência cósmica. aquela que sintetiza todas as outras.. e não seria casual que a luz solar seja algo essencial para a absorção das vitaminas pelo nosso organismo. Ora. além de ser uma prática que aqueles que não detém maiores conhecimentos podem acessar através da vontade. derivam basicamente da ausência deste componente consciencial. a sua energia deve também concentrar todas as nossas necessidades. para quem a técnica intitulada de Sungazing não apenas pode cura os males do corpo e da mente. mais ainda do que os esforços “técnicos” que se busque porventura proceder. Viver de prana é uma realização grande demais para a mente comum. mas se perde a consciência pela acomodação ou o poder. Esta é mais sólida na aparência. está reproduzida na íntegra no Apêndice da presente obra. Por isto. número 7. a fonte de todas as coisas. devemos neste caso poder contar com um volume de energia considerável para obter a massa de que necessitamos na manutenção do corpo físico.”). Já na página oficial sobre Fosfenismo (“O Fosfenismo. uma mente expandida e um corpo plenificado. O “alimento solar” O Sol é para nós uma imagem do Logos. ao passo que os homens optam mais pela técnica ou pela ciência espiritual. sobre este assunto. como ainda pode substituir os próprios alimentos. A matéria publicada na Revista Athanor. E é maravilhoso poder viver num mundo de experimentações sobre as novas possibilidades do ser humano. com destaque para as estrelas. é aprender a transformar a energia luminosa em energia mental. O Estado de consciência é uma questão capital aqui.. O mestre búlgaro Mikael Aivanhov já ensinava a “beber” e a “comer” a energia do Sol. que transcende como que por magia todos os mecanismos do tempo.Os mecanismos físicos que desencadeiam a energia atômica possuem fortes paralelos com o processo de iluminação. encontramos a seguinte comparação entre o Sungazing e Fosfenismo: 103 . A chave da consciência e da religião (=“religação”) é feminina e muito usada por mulheres. Todas as dificuldades físicas. Através do portal da Consciência estendemos uma ponte direta com o infinito. uma fórmula limpa de conversão energética de que Paracelso já falava. prenhe de novos referenciais e que traz consigo um amor universal. É para onde parece querer apontar o sábio indiano Hira Ratan Manek. sob a ação da vontade. Sabendo que uma pequena quantidade de massa emite uma grande quantidade de energia. a dieta sutil é um excelente instrumento na busca da consciência cósmica. A energia pode ser processada no homem a partir da luz. pois ela depende basicamente de uma sólida remodelação de nossas convicções mais arraigadas. Há quem considere que a luz é “a sétima vitamina”. É uma forma de “fixar” a consciência no “além”.

Retirai vossos calçados e vossas roupas e deixai que o Anjo da Luz do Sol abrace todo vosso corpo. “O Doutor Lefebure foi o inventor do FOSFENISMO. método que permite transformar a energia luminosa em energia mental. Foi o que lhe permitiu apresentar exercícios muito precisos após ter eliminado tudo o que estava ligado ao folclore religioso ou esotérico. na Índia. E o Anjo da Luz do Sol expulsará de vosso corpo toda coisa fétida e suja que o manche por fora e por 104 . nem todos conhecidos já da Ciência. o trabalho com o Sol é a uma realidade que comporta muitas dimensões.fosfenicas.” (http://www. sob vários aspectos. mas o traço de gênio consiste a ter levado um olhar científico sobre os fenômenos iniciadores. Esta prática. Seguindo a premissa hermética e astrológica de que “assim como é em cima é em baixo”. aos poucos vão chegando informações preciosas sobre a importância da luz e do Sol na manutenção da vida. Respirai então longa e profundamente para que o Anjo da Luz do Sol vos penetre. Ed. que fixam o sol nascente ou o sol posto.html) Assim.600 anos. “Este método. obtêm diversos benefícios: saúde. trata-se apenas de saber como empregar estas fontes de energia inesgotáveis. tais abordagens são muito válidas. com/zpt_sungazing. Esta prática existia igualmente nos Ameríndios. Basta fazer uma investigação na Internet sobre o assunto para se aperceber do entusiasmo provocado por esta prática. que também em termos ecológicos vem se apresentando cada vez mais como a verdadeira e a única fonte de energia que deveríamos aproveitar. podemos partir do estudo das estrelas –quer dizer. descrevia já os exercícios de fixação do Sol.“Hoje ainda.. por extensão. atualizada por Hira Ratan Manek (HRM) desde 1992. permite estimular o cérebro graças energia à luminosa do Sol. havendo permanecido durante muito tempo secreto e ensinado de Mestre a Discípulo. Tantos benefícios expostos pelo Doutor Lefebure na prática científica do FOSFENISMO: mais de 10 anos antes de HRM. uma palavra inglesa que significa ‘fixação do sol’. é o sungazing. Iniciado ele mesmo na via sensorial por GALIP. Vale também aqui adotar as medidas de purificação do “Evangelho Essênio da Paz” “(. “Esta prática ancestral era reservada aos iniciados. assim como as suas dinâmicas em geral. HRM redescobriu-a nos trabalhos de antigos yoguis que praticavam a fixação do sol há 2. para aprender muita coisa sobre a espiritualidade. 2009).) buscai ao Anjo da Luz do Sol. nos Egípcios e nos Gregos.. mesmo estas detém comumente propósitos espirituais mais profundos que transcendem os terápicos. Os sungazers. O Doutor Lefebure apoiou-se sobre uma longa tradição esotérica. zoroastra e diplomata ucraniano. pratica-se um exercício iniciador procedente da noite dos tempos. os seus mecanismos formadores. serenidade. pela sua simplicidade e sua eficácia. de cura (ver também a nossa obra complementar a esta. não obstante afirmarmos sempre que a cura e a espiritualidade são duas coisas bastante aproximadas. intitulada “A Cura Crística”. desenvolvimento das capacidades espirituais. o que já tinha constatado o Doutor Lefebure. Contudo. bemestar. Sendo a presente uma obra de nutrição sutil e. uniu-se a encontrar um critério científico que permite saber precisamente o que funcionava nos exercícios iniciadores. Quer dizer... Agartha. retorna à superfície neste XX° século e parece atrair muita gente.

pois vosso corpo se banha na luz da Mãe Terrestre. Assim como a matéria pode ser decomposta em energia. que limpa toda imundície e confere ao fétido um odor agradável. A fotossíntese atua neste nível. que acumulou tanta massa que explodiu. e vosso espírito se banha na luz do sol da verdade do Pai Celestial. para “fora” ou para “dentro”. praticamente um moto-contínuo. O Sol foi um dia um corpo físico. ou seja. os “instrumentos de captação” poderão não estar eficientes ou as fontes energéticas não ser adequadamente contatadas. do mesmo modo que a escuridão da noite se dissipa ante a luz do sol nascente. “Pois em verdade vos digo que sagrado é o Anjo da Luz do Sol. a energia também pode ser recomposta em matéria. também deverá ser capaz de criar inversamente substância a partir da energia. E assim sairá de vós essas coisas horrendas e imundas. mesmo ocorrendo esta nutrição de forma mais ou menos automática. Ninguém a quem não deixe passar o Anjo da Luz do Sol poderá acudir ante a Face de Deus. dispensando aparentemente a alimentação exterior. ou mais especialmente do iluminado. podemos começar a pensar em alimentação positiva: é tudo uma questão de quantidade. Daí a importância de economia e cultivo. com o avanço das práticas e o aumento das forças internas. É claro que as plantas empregam alguns nutrientes físicos (apenas 18%). O reator é a aura do iniciado. um dos fatores é. Vamos agora tratar de analogias úteis no entendimento do processo fotovorista. pois. O instrumento para isto ele dispõe. Aquilo que se concebe normalmente com o trabalho espiritual é a sutilização ou a aceleração da energia. um verdadeiro dínamo. ele deverá persistir na meditação até equilibrar os seus corpos. Se ele foi capaz de acelerar os seus átomos a ponto de gerar uma fissão nuclear sutil (que é a iluminação). bastando redirecionar as suas energias à vontade.” Buscando Modelos Mencionamos de início alguns modelos humanos. de concentração. Esta forma de alimentação existe em toda a vida humana. Em princípio. descobrir quanto de energia o ser humano necessitará para se manter. Seria necessário haver um conversor de partículas para isto. mediante técnicas como castidade e meditação. mas a fonte da energia é a luz. Representam 105 . E ele não se esgota não apenas porque é grande. Neste processo experimental. A alimentação prânica deve estar presente desde o início do caminho espiritual. Em verdade que tudo deve nascer de novo do Sol e da Verdade. Sua origem remota está na concentração de poeira cósmica. No entanto. mas porque segue recebendo e reprocessando continuamente matéria do espaço -quer dizer. Para elaborar a nutrição prânica. pois. quando começa o realinhamento de nossas energias. Estas forças convergentes-divergentes reúnem os poderes do Sol e da Lua e são simbolizadas por estes mesmos luminares. tornando-se predominante com o tempo. é uma espécie de aparente “moto contínuo”. devemos ser um centro concentrador-irradiador como o Sol. Ela começa realmente o seu ciclo na Iniciação. embora de modo inconsciente.dentro.

Por isto os egípcios chamavam o Duat de paraíso de Osíris. A rigor. a coronária (12 x 80 pétalas) e a cardíaca (8 ou 12 pétalas). A idéia de alimentação sutil não está afastada dos processos superiores. todos os outros devem solicitar permissão para dela participar. sobretudo na medida em que o indivíduo se “programa” para isto. Os mecanismos autômatos passam a requerer um mínimo de estímulo. Através da sexualidade cósmica. O conceito hindu de pralaya é. inclui processos com energias de natureza positivamente absorvente.na prática energia mental e energia emocional. Pralaya é o mesmo que nirvana no plano do microcosmo. reunindo assim as “Três Jóias” (Triratna). participando assim de seus benefícios. porque os Buda e Bodhisatwas são os únicos realmente capazes de compor para si esta imensa aura cósmica. de um lado. No entanto. São como a parte interna e a parte externa da mandala. aprendemos a cultivar e a relacionar estes fatores através de técnicas que incluem procedimentos de alimentação prânica. Por uma questão de ordem. esta aura não pertence pessoalmente ao Buda. e o mesmo fazem os Arhats e Adeptos que chegam até ela. trata-se de uma energia cósmica que ele apenas “administra”. Diz-se que a nutrição prânica é realizada automaticamente. Nem sempre podemos possuir tal glória. a essência e a forma. É por isto tanto o instrumento para a revelação do espírito. e de outro o de “(re)absorção” do universo. o do “sono” ou da “noite” de Brahma. É precisamente a existência destas duas auras -as quais proporcionam “vastidão” e “profundidade”. embora a tenha gerado e/ou conectado grandemente com seus próprios esforços (e isto limita a sua “autoria”). ela seria dura e agressiva. Se a essência se manifestasse de forma direta e crua. É como se pedíssemos emprestado um grande e poderoso reator prânico. E este nirvana. como para a cura do corpo. por ser o aspecto do poder. É preciso educar. Mas havendo um equipamento potente e adequado isto se torna muito mais lógico e facilitado. A alma é o elemento que favorece o relacionamento dialético entre espírito e matéria. tal como se pratica nas meditações tântricas – como aquela que emprega o mantra OM MANI PADME HUM–. Em termos acabados –pois necessitamos de nossos modelos– isto se refere também às Duas Auras dos Budas e Bodhisatwas. alcança os seus objetivos através do equilíbrio. quiçá mesmo indireto. 106 .que traz o equilíbrio entre o poder e a santidade. se desejam também a suprema imortalidade. refinar e equilibrar a vontade e o desejo para que se combinem de uma forma superior. que costuma ser definido como uma “aniquilação”. Na verdade esta é uma necessidade. observando uma ética superior e a direção do pensamento. Mas se ela se revela através da forma suave. assim como vontade e desejo. podemos realizar uma conexão coma aura do Buda através do alinhamento com o Dharma e participando da Sanga.

Parte IV ETAPAS DE PREPARAÇÃO 107 .

o grau da Ascensão situa-se entre a 4ª iniciação e a 5ª iniciação. Trata-se de um peculiar quadro de iluminação associado à saída deste universo. abrindo as portas para a síntese superior. Já segundo Alice A. que conduz o vidente para a outra dimensão mesmo fisicamente. De fato. Jasmuheen também apresenta a alimentação prânica como uma espécie de paradigma de ascensão.Capítulo 21 UMA ETAPA ESPIRITUAL? Segundo Jasmuheen. próprio da esfera da 3ª Iniciação. não estavam tampouco liberados para experimentar a iluminação durante a existência terrena. mais comumente ele tem sido associado aos Chohans. ou seja. especialmente o rito inicial de 21 dias de jejum. Tais contrastes parecem refletir os ângulos de aproximação do tema. semelhante ao processo de Ascensão “total”. –inclusive em função de não pertencerem a um contexto racial ativo–. Dito em outras palavras. Devemos nesta altura associar esta prática ao que os videntes toltecas denominam “combustão interna”. a prática da alimentação prânica. Porém. suplantam a esfera do Eu Superior (cf. como a Agni Ioga (Ioga do Fogo). as técnicas próprias deste grau. este grau já permite um contato inicial com a Mônada. através de um dos Sendeiros de Evolução Superior (distinto daquele de Serviço na Terra). Aquilo que acontecia com os videntes toltecas é que. os 108 . Bailey. por não estarem integrados ao trabalho hierárquico através do Sendeiro de Serviço Terreno. Para Bailey. após a crucificação espiritual e a própria iluminação (ver “Os Raios e as Iniciações” e “De Belém ao Calvário”). mestres de 6ª iniciação. “Miragem – Um Problema Mundial”).* resultaria em um alinhamento da Personalidade pelo contato com o Eu Superior.

xamãs atuam na esfera da iniciação humana. Mas ainda assim merecem uma resposta. e até mesmo no decurso de uma única existência. Certamente a alimentação prânica. incluindo apenas a ingestão de líquidos – preferencialmente simples água. a própria essência da Ascensão. porque ele pode mudar de pessoa para pessoa.’ Assim. vemos toda a criação –incluindo nossos corpos– como um lótus receptivo e sensível. beleza e magia feminina. na verdade. Quando descobrimos a possibilidade de subsistir sem alimentos densos. e para o homem evoluído será o espírito. concebe. como de resto sempre o fizeram. vitaliza e purifica. O verdadeiro “sentido da vida” é um tema filosófico. # 333) A força da consagração. A Consagração à Luz Muitos ainda perguntarão com certeza: “qual o sentido da vida com tais privações?” Estes não estão preparados sequer para ouvir falar sobre paradigmas de ascensão. de maior elevação. tudo isto fortalece a energia da luz. assim como um novo sentido para a convivência e para a própria existência. assim como de abrigos para 109 . I. mais alinhados e próximos da Fonte original. Podemos ver a alimentação prânica como uma forma de fortalecer a “jóia do lótus”. E quando um transeunte perguntou a razão disto. a luz ou força que fecunda. começamos a viver a realidade do milagre.. devem ser sublimados. uma ascensão para elementos mais sutis. transcendentes. o dom de sacrifício. necessitamos menos esforços para as conexões superiores. ele respondeu: ‘Para te amar melhor. Estaremos certamente realizando uma alquimia. emocionais e mentais. Descobrimos que nossos recursos são muito mais amplos do que se imagina.. harmonia e sublimação. No lótus. e nem mesmo de agasalhos para nos aquecer. Devemos buscar novas formas de existência e de expressão. Para o homem involuido será a matéria. Diz Morya: “Não é sem razão que certo eremita fazia sua comida diária de ervas e folhas para refinar seu paladar. O Chohan é a jóia e deve afirmar a luz divina. cada refinamento é útil para o conhecimento dos fundamentos. alcançar possibilidades inimagináveis. E na jóia. e que o chamado onivorismo do homem pode. físicos. Quanto mais consagrados. Mundo Ardente. na forma. É uma grande liberdade acreditar que não necessitamos de alimento físico para sobreviver. o aspecto positivo da energia na forma da vontade. Todos os ciclos densos. pelo amor e para o amor. O sacrifício da alimentação densa representa a renúncia a um ciclo material. a compenetração. e não haveria sentido em manter antigos hábitos. buscando os códigos de Ascensão ou de unidade cósmica. Mas é também a abertura a um ciclo mais espiritual e a opção por algo mais sutil. ou dentro do quadro dos Quatro Elementos da Natureza. e cada um deve observar aquilo que dá sentido à sua vida. a água da vida– representa uma condição especial de existência. mais próximos às fontes originais dos poderes cósmicos. Este é um sacrifício a ser empreendido com amor.” (Helena Roerich. eternos e infinitos.

Deve ser coordenada e sujeita a um centro focal de consciência. A idéia subjacente é que a realidade do samsara obedece a outra economia energética. da beleza e da harmonia. onde a fé surgiria como o elemento emocional e a percepção contribuiria com o elemento mental. Como resultado. Estes conhecimentos e valores poderão não ser úteis para o homem comum. Por si só estes fatores são capazes de fazer milagres em seus organismos. em termos de cura. esta visão de novidade é um dos grandes dons do Nagual. Seria importante. Recomendamos neste sentido a leitura do famoso Salmo 23. o guia espiritual tolteca. também se diz que samsara é nirvana e nirvana é samsara. A forma deve se tornar sutil a ponto de não impedir suas correlações. a experiência da meditação e da contemplação para buscar a percepção do vazio e de modo que a forma perca seu aspecto denso. Mas para aquele que desperta para o espírito alado e para o amor à liberdade total. É preciso aprender a ver a vida como um mistério. como ele mesmo praticou. vindo no mesmo sentido a prédica do Cristo sobre remover montanhas através da fé. A percepção do vazio contribuiria na consolidação de uma consciência superior e livre. então para este se torna um conhecimento precioso. a um nível que não deixaria de ser surpreender. “Não é o homem mais que o alimento e mais que as roupas?” A pergunta de Jesus permanece ressoando em nossas vidas. ali onde tudo é puro e contém a semente do sagrado. que está aberto a novos desafios e despojamentos. De fato. E ao lado destas visões de fé. É possível ver que a visão da novidade (que é a mesma do vazio) em nada estranha o ambiente natural. adaptação e até de produção de nutrientes. No Zen-Budismo se diz que “a forma é vazio e vazio é forma”.. com os olhos do novo. porque se trata acima de tudo de entregar-se à Providência. seria também importante para o guerreiro-viajante (para empregar uma expressão da filosofia tolteca-castañediana) cultivar a sabedoria budista do vazio (sunya) ou da subjetividade dos fenômenos externos. pois.. É isto que poderá explicar grande parte do sucesso dos buscadores no caminho das privações materiais. sedentário e rotineiro. a alma não adoece e nem padece frio. 110 . encerrado em seus objetivos pessoais. pertencendo ao foco de criação e não ao foco do criador. os alimentos mais saudáveis e eficazes são a simples liberdade e a beleza. É claro que o único ambiente que proporciona isto realmente é a Natureza. também no sentido de que tudo o que existe é apenas uma “descrição” entre outras. servindo antes como referência para experiências progressivamente mais espirituais. em pessoas evoluídas. mas em compensação. julga totalmente absurdas quase todas as engendrações humanas! Segundo Castañeda e seus colegas. conducente à sabedoria plena. E a forma se identifica por sua vez com a matéria. E isto não afronta o “caminho-do-meio” do Buda. sendo aquilo que permite que o grupo possa avançar e finalmente se libertar. fazendo desta o campo básico dos trabalhos espirituais.nos proteger. Pois também se pode falar de “viver de fé e de amor”. A alma não queima e nem molha. readquirindo antes a sua função liberadora de símbolo e de mistério.

Jasmuheen afirma que na atualidade este processo de 21 dias já pode ser eliminado. Seguindo o ensinamento dos seis nós do Buda. isto sinalizaria uma pré-condição de 3° grau (ou “iniciação simbólica”) estabelecida para os mais preparados através dos recentes trabalhos hierárquicos. isto pode ser correto porque ali as formas não estão degradadas.Na Natureza. não apenas porque esta é a mais tangível. Simbolicamente. Assim. pelo menos. passando-se diretamente para a dieta de água. como também por ter sido a última a haver sido estabelecida na formação do indivíduo. * No final de sua obra. através das etapas dadas na sequência. devemos começar a desenrolá-los pela ordem inversa em que foram enrolados. 111 . o caminho espiritual inicia pela etapa física.

vêem esta possibilidade antes como uma questão de fé do que propriamente de técnica. pois. representam aspectos bastante mais complexos numa prática que. Não existe. afirma-se que os “respiratorianos” (como também se denominam os pranivoristas) buscam antes o sexo tântrico ou taoísta. Mais que buscar energia nos alimentos. Contornando Controvérsias Um dos grandes inconvenientes da alimentação prânica. Mas. embora possa reduzi-lo “elegantemente”. tema este por demais elevado para ser misturado às questões mundanas e até humanas. Consideremos isto como uma fase de preparação para a dieta superior. neste caso a “fé” apenas apóia atitudes. A alimentação sutil deve necessariamente trabalhar com a economia de energias. Aliás. com relação ao instinto sexual. É claro que a fé é fundamental. Além disto. o que deveria suceder é o contrário. está ainda em fase de experimentação. ativando como compensação outros centros e recursos internos. de modo que se acha amparada nas “obras”. necessidade de aumentar as controvérsias. a renúncia ao ato de ingerir alimentos físicos. pois estrutura todo um sistema de crenças. ao mesmo tempo. A reflexão sobre o tema nos levará a uma conclusão natural: a importância de ter um ambiente especial para o desenvolvimento destas práticas. isto não implica na “atrofia’ do estômago. surge dos eventuais incômodos que outras pessoas poderiam sentir com estas atitudes alimentares. Para o próprio pranivorista. afirmar ser possível ter filhos e até adotar o pranivorismo já na infância.Capítulo 22 QUESTÕES AMBIENTAIS Muitos que adotam a alimentação prânica. Isto pode ter relação com o que Jesus afirma que. Na prática. como declaram seus próprios divulgadores. já naturais em torno das chamadas “dietas etéricas”. Por isto também. no Paraíso. os anjos não se casarão e nem se darão em casamento. ou seja. já poderá ser desagradável ter 112 . o sábio evita desperdiçar a energia que acumula e trata de buscá-la em fontes sutis.

para “quebrar o tédio” ou a angústia. Alguém poderia limitar-se a comer de forma intermitente. poderá eventualmente quebrar suas rotinas de “privações” a fim de acompanhar outras pessoas. Por isto tudo farão para taxar o pranivorista de embusteiro ou sua prática como algo excepcional ou absolutamente milagroso e único –e até certo ponto isto poderia estar correto. ingere algum líquido. Quê dizer quando alguém simplesmente nada come e. De modo que o pranivorista deve ser sábio também nisto. No entanto. Não existem razões para produzir conflitos em caso de necessidade de convivência. aceitando a solidão e sabendo se adequar ao mundo para não chocar ninguém. Assim. Pensemos então na virtude da modéstia que representaria ocultar esta prática. Ora.de conviver com certas tentações do mundo. tal como a manifestação da consciência cósmica–. e já não se tem a liberdade de chegar às mesas e 113 . Nisto. Talvez a situação de um viajante despojado ilustre bem o quadro. Geralmente o pranivorista terá atrás de si décadas de vegetarianismo e de meditação. “comer socialmente” seria interessante até do ponto de vista da sobrevivência normal. Sempre existe alguém nestas condições. a presença deste elemento pranívoro poderá representar algo incômodo. lembrando possibilidades ignoradas. seria profana. uma vez que os seus hábitos são especiais. a própria Jasmuheen afirma que viver de prana seria apenas um “subproduto” de uma elevação da consciência e da “reprogramação celular”. razão pela qual cultivava o sacramento do ágape e da eucaristia. Supostamente é assim que agia Jesus. Então ele deve tomar as medidas necessárias. Mas para outros. ou sugerindo debilidades de vontade por parte daqueles que não fazem esforços semelhantes. como a da águia sobrevoando as alturas. podemos flexibilizar o nosso comportamento. embora de forma parcimoniosa. Quer dizer: a comunhão do alimento adquire uma dimensão sócio-espiritual. Tomar o pranivorismo como uma bandeira pode resultar na perda de liberdade do indivíduo e comprometer até a sua espiritualização. Era inclusive uma forma de sacralizar uma atividade que. estamos realmente proibidos de nos alimentar. Afirma que apenas come socialmente – embora confesse que também o faz regularmente. sempre que isto não o afaste demais de seu próprio caminho. Quando alguém apenas não come carne. é mais fácil a convivência. deve compreender que se encontra realmente num outro nível de consciência –não foram poucos os esforços e sofrimentos que o motivaram a chegar ao que é. E é com certeza uma atitude radical a que adota. costuma ser repreendida e criticada por alguns. Mas nem por isto ele necessita escandalizar as pessoas sem necessidade. mesmo assim pode acontecer certa estranheza. Afinal. A autora de Viver de Luz dá testemunho de ter encontrado este obstáculo. a menos que o indivíduo esteja realmente capacitado a assumir o seu patamar superior e seja capaz de contornar todas as possíveis controvérsias com elegância. Para isto. uma vez que se faz a profissão de não-comer. de outra forma. seja por razões de saúde ou por opção pessoal. a menos que se queira fazer conscientemente deste hábito uma bandeira –o que em princípio não seria recomendável por se tratar apenas de uma consequência de processos mais amplos que são o seu objetivo final. em caso de necessidade. ajudando a transmutar ou a transubstanciar a sua natureza profana e material. isto é. se muito. ele somente se alimentava em grupo. empregando apenas a oportunidade social. Inicialmente.

Não havendo excessos e sendo feito em nome de algo maior. apenas comesse e bebesse “socialmente” (quiçá mesmo sem a necessidade de fazê-lo). Visando socializar e facilitar o processo. mais comumente este comportamento tenderá a se reduzir a algo mais particular. alguém que “come socialmente” já não pode dizer que não come. sem praticar sexo e sem ao menos comer. Para ele comer e beber adquiria uma conotação ritual de sacramento. pois caso alguém faça alarde de suas práticas. onde ele provavelmente seria o instrutor ou o grande iogue. Aquele que apenas “come socialmente” compromete a possibilidade do convívio social regular. Aquele que declara não comer não tem liberdade de fazê-lo sequer “socialmente”. porque o praticante necessita realmente de ambientes especiais. Riscos existem.compartilhar as refeições. E neste caso o comer não tinha um caráter cármico. é que dão sentido às suas existências. Por isto pode ser útil um caminho menos radical. Isto não é em absoluto um assunto secundário. o alimento se purifica e se torna até objeto de purificação. Não obstante. que poderá mesmo conviver de forma fixa numa comunidade ou num ashram espiritual. comia mel e gafanhotos–. estas coisas. Centros de Luz Muitos todavia perguntarão: “Ora. Fazer do alimento um estrito sacramento seria a via natural neste caso. elas não são filósofos. Afinal. Provavelmente Jesus também seguia um “caminho-do-meio”. pelo contrário. buscando uma média compatível a todos. limitado ou não a um indivíduo. ou se alimentava apenas “socialmente”.* Porém. da pureza e da meditação. existe na vida muita coisa importante para além disto. apesar de ser criticado por comer e beber –ao contrário de João Batista que. não colocava um véu entre ele e o mundo e se adaptava até certo ponto às contingências seculares. ostentar virtudes é que o teria. e termina por se afastar em demasia do comum. mostrando tais códigos revolucionários de existência. sua posição de autoridade espiritual poderia ficar algo comprometida (embora muitos também admirem tais capacidades). sequer por sociabilidade. mas que tampoco deixará ser um 114 . como se dizia. onde possam receber os estímulos sutis de que necessitam. Como ele desejava chegar às pessoas e compartilhar de momentos talvez únicos. através da beleza. que na verdade estaria inserido num quadro mais amplo de aspirações –tal como o de um ashram de hierarquia– deverão surgir centros ou comunidades de dietistas etéricos com pessoas que se reunirão para formar um ambiente adequado. o mesmo valendo para quem apenas “bebe socialmente” de forma sistemática. Porém. certamente elas atrairão mais atenção do mundo. E à medida que se formem grupos de pessoas ascendidas. Isto gerará novos referenciais para toda a humanidade. estendida à criação dos filhos. É muito possível que Jesus Cristo. onde os mais evoluídos abrem mão de certa ascese. “para quê serve viver”? Para a imensa maioria das pessoas. comia uma vez por dia. de resto alguém pode optar por assim permanecer como uma missão terrena. ou seja. mais ou menos como havia na Índia. e os menos evoluídos fazem um esforço especial de ascetismo (ou de ascensão).

* O presente autor dirigiu no sul do Brasil uma comunidade com orientação frugivorista. ascetas. à medida que a crise do planeta e da sociedade se agrave. Serão chamados de fanáticos. Estas pessoas serão buscadas para ajudar nas soluções dos problemas mundiais. Os povos verão as graves consequências de obedecer ou não às suas diretrizes. faquires. Ed. eles é que serão a Autoridade Suprema. AP. Agartha. Eles não serão tanto governantes. tratarão de orientar superiormente os governantes. tal como os profetas que sempre estiveram acima dos Estados e das organizações temporais. E com o passar dos tempos. e descreve a sua experiência no livro “Os Frutos do Paraíso”. mas ninguém poderá negar o testemunho das suas existências. O “estar no mundo sem ser do mundo”. Pois sendo sábios e santos consumados. e assim aprenderão a segui-las fielmente. sem ambição e nem fome.foco de conflito. mas sim Conselheiros Sagrados. bruxos. Estarão por detrás dos administradores da Terra. porque esta é a verdadeira função dos Chohans. etc. 115 . Então será chegado o momento de reunir os caminhos. da Justiça e da Verdade. milagreiros. pode ser uma resposta oportuna num mundo de dor e sofrimento. como Senhores das Leis sagradas. e nele se buscarão as respostas para um mundo sem conflitos. Não obstante.. Mais que administrar. Será reconhecido que em suas mãos se encontra o único Plano de evolução possível para o planeta. 2008. este grupo será cada vez mais procurado. o mundo sentirá maior segurança na sua presença.

É um investimento nos planos superiores. pois a energia que economizamos nos permite trabalhar em outros níveis. passamos do carnivorismo para o vegetarianismo.Capítulo 23 A MUDANÇA PROGRESSIVA Da mesma forma que os ciclos densos são investimentos materiais (por exemplo: gerar um filho). devemos recondicionar nosso corpo. sendo recomendado até para a amamentação. é com a forma de alimentação que iremos trabalhar. Primeiramente com mudanças de dietas. quando evitamos ingerir produtos densos estamos fazendo uma economia. poderá ser apenas aparente. representando a fase densa da redução alimentar. e nisto recomendamos a banana por ser um alimento completo e de fácil obtenção). porque comemos em demasia). Tudo isto irá habituando o corpo e a mente a novos paradigmas. subimos um degrau. Alguns relatos limitam geralmente a isto o que se pode renunciar. Mas como não vamos nos apegar sempre a nutrientes externos. Assim. e depois através da sutilização dos próprios elementos associados às etapas de transformação e de redução alimentar (esta redução. Para isto. nossos sentimentos e nossa mente. O negócio continua porque a vida prossegue. na fase final de redução alimentar iniciamos o trabalho com os elementos. E isto deve ser feito aos poucos. poderemos eventualmente ir além e permanecer sem nenhum tipo de 116 . E vamos reduzindo o seu volume até chegar a três bananas ao dia. Como se trata de um processo alimentar. e despertando os seus recursos adormecidos. Deixamos de andar no mesmo circuito e no mesmo círculo. adotamos inicialmente o monismo. alimentando-nos com uma substância única por certo tempo (preferencialmente alguma fruta. adormecendo certos hábitos culturais arraigados. em etapas. passando pelo frutivorismo e pelo crudivorismo. Logo passamos para o consumo exclusivo de líquidos. Mas na busca das perfeita Ascensão. Então. com ciclos de um novo sentido. numa nova volta da espiral. Neste processo. e deste para o frugivorismo. um negócio e um investimento num outro sentido. na fase inicial de transformação alimentar através da evolução das dietas. até ingerirmos unicamente água pura –um litro ou três copos ao dia serão suficientes. Água de coco é um verdadeiro soro. notemos. os líquidos deverão tornar-se cada vez mais ralos. acostumando a consciência com a idéia da sutilização. segue o movimento da existência.

. O fato de já oferecermos ao corpo muitos nutrientes através de uma alimentação mais ou menos enriquecida. necessário para assimilar todos estes nutrientes. esta é a mentalidade “oficial”. No entanto. Entre elas. embutidos nos custos totais do alimento. devemos considerar que estamos trabalhando com o despertar das potencialidades latentes do organismo. que será a de levar ao mundo as verdades sagradas para a humanidade. todo o necessário ao nosso metabolismo (afinal. Por outro lado. Ar e Fogo –note-se que os símbolos destes elementos são triângulos voltados para cima. etc. não é mais econômico ingerir já prontos sais minerais. porque na verdade todos os elementos estão de algum modo relacionados. é claro. proteínas. pode parecer mais fácil ingerir estes elementos prontos do que produzi-los no próprio organismo. mas deve ser progressivamente encurtado. e entre os elementos positivos Ar e Fogo de outro lado. de seus ciclos inferiores estritamente biológicos. que busca prover matematicamente “aquilo tudo de que necessitamos”)? Inicialmente. se o propósito de ingerir alimentos simples e líquidos é diminuir o trabalho do organismo. Não seria possível assimilar o sólido sem alguma porção líquida. se poderá conviver com certa flexibilidade visando o cumprimento de nossos compromissos com a vida e nossa missão nesta existência. até se estabilizarem no patamar ideal. Tampouco podemos descartar a idéia de binômio existente nestes pares de elementos. que será o da alimentação prânica exclusiva. E assim estará consumado este importante código de Ascensão. etc. as fases finais de redução alimentar podem levar meses e semanas. enfim. ou seja. Aqui estaremos convivendo plenamente com os elementos superiores e ascendentes. a verdade da liberação da matéria densa. sais. gorduras. O tempo que tardamos em cada uma destas etapas poderá ser algo pessoal. ao passo que o fogo necessita do ar para existir. implica que as possibilidades de produção orgânica destes elementos ficam em segundo plano. recordemos. ainda que em partículas infinitesimais. ou em outras palavras. açúcares.combustível denso. é que a produção interna de nutrientes seja mais econômica de obter do que através do processo digestivo tradicional. embora. Devemos nos lembrar que estamos no campo de uma lógica desconhecida e que trabalha com 117 . e sem considerar os processos de obtenção dos mesmos. a partir de uma matéria-prima tão simples? Ou seja. À primeira vista. o parentesco entre os elementos negativos Terra e Água de um lado. não existirá uma contradição no fato de alimentos pobres em nutrientes como água pura vir a acarretar num trabalho excepcional do metabolismo para a produção do necessário. minerais. devemos ter em mente os elevados gastos energéticos do processo de digestão. vitaminas. ali onde não há mudanças. Entre muitos outros. Ou seja. e nem o oxigênio pode ser assimilado sem combustão. Alguém poderá colocar a seguinte questão: Considerando a possibilidade de o organismo produzir ele mesmo o que necessita a partir de materiais simples. senão daqueles que vem através do ar e da luz. assim como dos desgastes e desperdícios de toda a espécie. São variantes de graus de densidade. a verdade da matéria liberada de seus elos densos. se as primeiras etapas de transformação alimentar levam décadas ou anos. A idéia subjacente à nutrição prânica. o sólido está presente no líquido. vitaminas. Assim. o organismo tratará de produzir dentro de si o necessário – proteínas. Mas isto não acontecendo. da forma mais pura e elevada possível.

até agora pouco empregadas e conhecidas. das emoções e dos pensamentos. Passarão a nascer então seres que se alimentam de prana já desde o nascimento. aliás. podemos facilmente imaginar que aquilo que será produzido. formando novos elos e combinações genéticas. e o iniciado deverá praticar também formas de transmutação dos alimentos. e que estas formas de existência se tornem realmente um estado ou um modo de vida. requer a consciência ativa de seus processos –e com isto já estamos falando da meditação como um processo nutricional superior.. 118 . e que manifestarão estranheza completa pelo ato de se alimentar fisicamente. mais ou menos como há quem diga ser a luz –sabidamente essencial para a produção das vitaminas– em si mesma uma síntese vitamínica. esta adaptação deve ser relativa e sutil. que a maior parte de seu cérebro e do seu código genético são ociosos. uma das grandes chaves –a consciência –. O certo é que.energias e processos ignorados. serão ativadas. Assim sendo.. exatamente igual aos elementos normalmente ingeridos.. na qual se pode experimentar a própria esfera da imortalidade física que existe para além dos ciclos da matéria. a partir de elementos retirados diretamente do cosmos. Com certeza. se possa transmitir seus conteúdos normalmente por vias de procriação. Por isto. devemos observar o alto preço que pode custar o emprego de antigas práticas num organismo refinado. ou quase. não será. porque não passam por ora de teorias. porém. para alcançar tudo isto o frugivorismo representa uma excelente escola. na realidade. Nisto. também é possível que. no homem. e são coisas assim que fazem o sucesso dos chamados “atletas de Deus”. é preciso uma atitude estável e definitiva. mas vamos nos deter aqui com estas especulações. mas sim substâncias sintéticas. Além disso. capaz de ser transmitido às novas gerações de forma espiritual e física. Esta seria. de um elemento que. Existem outros mecanismos e recursos desconhecidos do homem moderno. Os esportistas têm conhecimento de possibilidades que surgem no momento em que eles esgotam os seus recursos naturais. no entanto. que não ignora. Ivanhov –cuja base de trabalho é precisamente o elemento-luz–. O homem comum conhece apenas uma faceta das coisas. Trata-se. conduzindo até as portas desta experiência final que é a alimentação prânica. Sábios como Omraam M. Mas para isto. e o símbolo da Árvore da Vida se relaciona ao sistema nervoso voluntário. produzindo uma atividade diferenciada no metabolismo. Outras glândulas. estas transformações se refletem em nosso DNA.. afirmam que o iniciado não necessita tomar remédios porque seu organismo é capaz de produzir todos os recursos necessários para a cura. uma vez alcançadas as mutações genéticas empregando o organismo como um laboratório. e recém estamos iniciando a parte prática de tudo isto. reeducando a vontade e os sentimentos dos homens.

eventualmente até mesmo capaz de se expressar na matéria. devemos retroceder voltando a nos alimentar com os recursos necessários. O pranivorista é um nirvani. Esta já pode ser considerada uma etapa ideal. No dia em que isto for possível. mas sim outra forma de expressão. ou seja. uma vez que este grau possui um vínculo direto com este elemento. deixaremos também o líquido denso. Jasmuheen afirma ter encontrado a solução para o problema da perda de peso invocando o “elemental” do corpo físico e ordenando-lhe que mantenha o corpo num patamar determinado. prévio à grande magia da não-absorção de qualquer matéria densa. seria recomendável também aproveitar as melhores horas de sono. uma forma de reeducação energética. obedecendo às determinações de nosso arquétipo original. no entanto. tanto quanto poderá desfrutar do dia. 119 . e a um passo da suprema renúncia. porque a recuperação de peso sem alimentação seria muito difícil. Acordar de madrugada para ler e contemplar pode se tornar uma das delícias da vida. As horas de sono poderão facilmente se reduzir à metade. Que ele desfrute então da noite. não uma verdadeira privação. Somos testemunhas da possibilidade de aumento de peso (não na direção da obesidade. que é algo sempre equilibrado. Podemos meditar e refletir com grande proveito nestas horas silentes e profundas da madrugada. está associado à esta condição. É certo que o recondicionamento mental é fundamental neste caso. inclusive alcançando e mantendo-se num padrão ideal. que são das 21:00 h da noite às 3:00 h da madrugada. Mesmo a ingestão de água representa um patamar adequado para a subsistência da consciência chohânica. através da matéria ou com a matéria. interna e sublimada. com seus mistérios e intimidades naturais. atitudes condizentes com estados de consciência superior serviriam ainda melhor para que o corpo se mantenha saudável. é claro) sem o uso de alimentos. E já que evitamos alimentos densos. tal como se acha presente no seu arquétipo.Capítulo 24 SINAIS DE SUCESSO Uma das consequências do bom condicionamento prânico é a manutenção do peso. ainda que na forma superior ou etérica-solar. Não sendo isto possível. e o símbolo da noite. apenas com o concurso de condições de vida adequadas. Somente então poderemos dizer que estamos verdadeiramente empregando a alimentação prânica integral. Outro dos efeitos especiais da alimentação prânica é a grande diminuição na necessidade de dormir. Que encare a sua não-alimentação física da mesma forma como encarava o celibato. estaremos renunciando a uma série de mitos existentes sobre a nutrição. pese receber o corpo quase tão somente água.

A perda de peso é consequência direta da crença na necessidade de alimento. um instrumento de que se dispõe no concerto da existência. Este processo é que vai dando confiança ao ser humano sobre novas possibilidades. por tirar vidas sensíveis e “animadas”. sempre que haja simpatia pelo processo. um longo caminho a percorrer até chegar a isto. porque assim como a soma de vontades multiplica as possibilidades do grupo. devendo adotar em seguida o vegetarianismo. ampliando suas capacidades e despertando potenciais físicos. Por esta razão nos propusemos a oferecer uma série de dados que possam explicar o funcionamento do organismo e a natureza de seus recursos. A crença é uma das bases mais importantes.empregando novos códigos e referências e descobrindo quiçá mistérios muito especiais e transcendentes. e por não colaborar com a elevadíssima poluição atmosférica produzida pelo gado . a sua divisão também as diminui. Vamos resumir estes processos em três etapas preparatórias principais.além do carma astral associado ao tudo isto. já que também habita o corpo físico. Muitos no Ocidente partirão naturalmente da base do carnivorismo. inclusive o fato de não ser esta uma dieta radicalmente distinta à do carnívoro. na medida em que emprega ostensivamente o cozimento e o tempero. pela higiene que representa não empregar produtos semi-putrefatos. por evitar contribuir para o desemprego no campo. muitos experimentos podem ser feitos e várias etapas devem ser percorridas. dificuldades de assimilação). a maior parte das dificuldades com o processo de privação alimentar (tal como a perda de peso). psíquicos. De fato. se deverá antes à ausência de uma completa compenetração em seus princípios. tudo isto representa um grande treinamento para a Vida Total. mentais e espirituais. do que a problemas oriundos do método em si. a partir de suas idéias sobre a alimentação. o qual para ele já não é tão denso – é apenas mais um elemento da magia divina -a maya ou a lila cósmica-. Existe. No caminho da prática. inclusive sem privação real de nutrientes desde fontes externas de início. no entanto. O vegetarianismo quase apenas melhora a qualidade do alimento (buscando produtos 120 . e inclusive de certo alimento. Etapa 1: Física. sabendo-se dos terríveis malefícios físicos que produz (toxinas. Afinal. Ultrapassar a etapa elementar da carne não é difícil para aquele que possui um mínimo de aspiração. Conclusão Estamos tratando da possibilidade da alimentação completa do ser humana empregando como fonte meramente a energia sutil: o pranivorismo. envolvendo todos os níveis do ser humano. mas apenas uma mudança para hábitos mais racionais. Acrescentamos que estes processos poderão ser melhor compatíveis com uma forma de vida nômade ou comunitária –isto é. e não teria muito cabimento jejuar sem acreditar naquilo que se faz ou sem desejá-lo profundamente. muitos dos quais pouco conhecidos. E também pelas facilidades e recursos hoje existentes para o vegetariano. através destas supremas fusões.

Alimentos crus entram no amplo rol do frutivorismo (dieta de frutos. Nesta fase o buscador deve adotar o crudivorismo e o frugivorismo. o “tédio” a levava a se alimentar de algum doce. com estabilidade e controle emocional. tudo que nasce da flor – não confundir com o frugivorismo das frutas). A alma fluirá então. que tampouco privarão o ser humano dos nutrientes físicos. vegetais). sem abrir mão dos nutrientes físicos mas privando-se de fatores psíquicos e abandonando recursos absolutamente desnecessários (e até contraproducentes) à manutenção física. agravados pela alteração de sua natureza através do cozimento. sobretudo. Ainda assim possui uma série de fatores onerosos para o organismo. É preciso gerar um novo estado de consciência a fim de que as tantas “renúncias” não pesem. meramente a atapa de adaptação física. destruindo as vitaminas e o paladar natural. lógica e imediata ao carnivorismo. Depois virá a etapa dos sucos enriquecidos. Esta é. ao passo que a alma se consolidará e o espírito se revelará. como nutrientes sintéticos (naturais. o seu desejo ou o seu apego. e alimenta o corpo etérico através das vitaminas. Nesta fase o homem exercita. Nesta fase o corpo passará por uma verdadeira revolução. Existem ervas e raízes com grande teôr vitamínico. Os símios. no entanto. tratando de produzir cada vez mais aquilo que necessita. integrais e. É melhor que ele enfrente a batalha de Arjuna contra seus próprios parentes (apegos). Sabemos ser possível viver à base de frutas. A vida num ambiente puro poderá ser essencial. chocolate). mas é nas frutas que encontraremos o leque mais amplo de vitaminas. porque restitui o ser humano à sua Natureza física. trazendo um amplo enriquecimento de vitaminas. assim como talvez a 121 . sublimando-se plenamente. devendo ser canalizada para atividades superiores. A vitamina é beneficiada pelo crudivorismo em geral. Etapa 2: Emocional. do que minta para si sobre as suas reais necessidades. no caso. preenchendo com aspirações superiores o “vazio” negativo que se poderia sentir (Jasmuheen escreve que. Chegou o momento de exercitar positivamente a vontade criativa. O ser humano deve tratar de ser honesto nesta fase e não falsear as suas necessidades. mesmo sendo pranívora. A adoção do frugivorismo representa realmente um grande passo. sobretudo. com o qual o homem tem parentesco físico. O resultado será. portanto. por assim dizer. como resinas e grãos crus) e água pura. sem qualquer apelo mais dramático à mente ou aos apegos materiais. como gorduras e farináceos.limpos. surgindo assim como uma alternativa natural. a aquisição de saúde mais abundante e maior vitalidade -o que aponta o quão graves são os malefícios diretos da dieta carnívora e tudo aquilo que a acompanha habitualmente. são frugívoros. Agora o ser humano deve tratar de empregar apenas recursos especiais. A energia não gasta com processos digestivos será acumulada e reaproveitada. Etapa 3: Mental. manifestando suas energias de amor espiritual.

Melhor aproveitamento dos combustíveis assimilados (boa respiração e boa mastigação). 7. e na iluminação seria já um processo mais autônomo. como demonstra o Lama Govinda. como: 1. etc. etc. Inicialmente se faz evoluir os regimes (carnivorismo. Dinamização dos nutrientes mediante movimento rítmico. gases). nutrição. Reconversão de depósitos alimentares nos nutrientes necessários (gorduras em açúcares. mas certamente estarão condicionados à expansão da consciência. O espírito então se manifestará revelando sua natureza de paz profunda e com uma mente clara e lúcida. líquido. a partir de certas fontes primárias externas (como água).). os esforços internos devem ser incrementados na medida em que se avance. regeneração. é porque na verdade aquilo que somos é mesmo esta alma.. 6. 2. temos uma associação com forças superiores. frugivorismo e granivorismo) e depois se faz sutilizar os elementos (sólido. crescimento.). é sobre a beleza e a liberdade que representa ser. 3. então é dele que deverá retirar os seus nutrientes. vegetarianismo. buscando o auto-conhecimento e os caminhos para a própria libertação. seria necessário uma grande quantidade de energia. Geração de secreções glandulares especiais (para cura.companhia e ritmo de vida. 122 . Geração de nutrientes pelo próprio organismo. aquilo que todas estas experiências de ampliação dos limites físicos nos ensinam. Outra forma de definir estas etapas é como etapas dietéticas e etapas elementais.). Se. emulsões). apresentamos aqui uma série de possibilidades que. 5. 4. o corpo do iniciado é o próprio Universo. Todos estes fatores também podem ser acionados mais ou menos ao mesmo tempo. Que estas possibilidades possam estimular os experimentos com novas formas de nutrição. uma alma! Afinal. etc. e esta apenas pode ser absorvida num contexto espiritual de alta envergadura.. Isto pode ser obtido pela iniciação e pela iluminação. Captação de nutrientes diretamente da atmosfera (poeiras suspensas. E como é natural. 8. almíscares. gasoso e luminoso). Uso de nutrientes denso-sintéticos da Natureza (resinas. Apenas depois que esta fase estiver estabilizada. Mas para que o prana possa se transformar em nutrientes físicos. sem descartar a da conversão real de luz em substância. se todas estas possibilidades são reais. Pois no fim. inclui outras alternativas importantes. No caso da iniciação. Conversão de prana em vitaminas e matéria densa (sais. aumentando a independência e a liberdade do ser humano. Enfim. é que se poderá pensar em alimentação prânica.

Nem sequer tem que se preocupar com as suas dietas. que se aplicava na Antiguidade em todo o mundo. 123 . Hoje restam poucos povos ou grupos que a aplicam. leva-nos ao desenvolvimento espiritual. cujos protocolos estabeleceu ele mesmo. Se as pessoas estiverem desligadas do Sol podem ser exploradas pelos demais. Passou de ser um empresário preocupado a ser um mestre sem discípulos. Assistimos a um seminário que ele deu pessoalmente em Murcia em maio de 2008. as religiões estabelecidas erradicaram o culto ao Sol. Trata-se do Sun Gazing. As suas palavras chegam-nos juntamente com o seu porte impassível. Apenas se paga o bilhete de avião. mental e física. A dita ferramenta.Apêndice HIRA RATAN MANEK .O MENSAGEIRO DO SOL* Viaja pelo mundo sem cobrar pelos seus cursos e conferências. o Sun Gazing? – É uma técnica milenar. não resta quase nenhum. e nos transmite uma perfeita segurança. Não demora nem meio segundo em trivialidades ou em nenhum tipo de interesse turístico. – A que se atribui? – Definitivamente nos textos religiosos modificados eliminaram as referências ao Sun Gazing. na Bulgária inclusive hoje é aplicada por alguns médicos. AS ORIGENS DO SUN GAZING – Qual é a origem da técnica de olhar ao Sol que nos propõe. dá a sua mensagem e parte. Modificaram todos os textos. passando antes pela limpeza emocional. No entanto. em qualquer lugar onde seja convocado. para que as pessoas estivessem sob a influência dos sacerdotes e não pudessem ser realmente independentes. afirma. Na Bulgária e na Grécia é uma prática que prevaleceu até há pouco tempo. já que ele não come. Ratan Manek chega. incluindo a Europa. um sereno e tenaz transmissor de uma técnica singela baseada no olhar ao Sol. o seu ser integrado. garante-lhe o alojamento e ele vem comunicar a sua sabedoria. o qual constitui a fonte desta reportagem.

estudei tradições do México e do Peru. Comecei em 1962. que qualquer pessoa pode aplicar. A Mãe. contava então com 25 anos de idade. foi estabelecida por mim. o sentimento de fome ia desaparecendo.C. (papiro). Tinha problemas para dormir e problemas com a alimentação. por causa dos meus negócios. 124 . Ano 1150 A. À medida que praticava. Igualmente. Investiguei práticas egípcias relacionadas com o deus Ra. A regra de olhar o Sol durante nove meses com uma progressão de dez segundos. estive em contacto com os nativos americanos.As 12 posturas do Surya Namaskar “O caso é. e é uma maneira segura. Quando comecei padecia de depressões. Custaram-me três anos de ensaio e de erro para o instaurar. Depois de muitos anos pesquisando comecei a praticar com o meu próprio ritual. e conheci o Dia da Saudação ao Sol boliviano. de se chegar ao máximo benefício na sua relação com o Sol. também entrei em contacto com crenças que ainda hoje vigoram na Bulgária e na Grécia. que o Sol tem poder e o homem pode alinhar-se com ele e conseguir a sua liberdade. a companheira de Sri Aurobindo. Levei a cabo uma investigação durante vários anos. Pesquisei várias culturas e descobri que o autêntico Surya Namaskar (a Saudação ao Sol) de que se fala no yoga consiste na realidade em olhar ao Sol. Adoração ao Sol na forma de um Falcão Re-Horakhty. ensinoume a prática de olhar ao Sol.

vida e saúde. Isso é anterior a qualquer cura do corpo e a qualquer caminho espiritual. A luz solar penetra dentro da terra. e continuar com a manutenção. É assim como se geram o ouro. Afinal. “Eu distingo claramente três fases. auto. Com o Sun Gazing fazemos a nossa própria fotossíntese. e isso torna possível que nos três meses seguintes o corpo obtenha a saúde. e seguir uma manutenção já sem prolongar mais os tempos de olhar o Sol. a mente deixa de bombardear o corpo com negatividade. No entanto. você mesmo. A pessoa pode abandonar o processo depois dos três primeiros meses. há grupos que se juntam para praticar e para difundir a mensagem. os quais constituem uma energia muito poderosa. – Por quê nos incita a fazer a prática do Sun Gazing? Que benefícios vamos obter? – Na nossa cultura ensinaram-nos a temer o Sol e a esconder-nos dele. as gemas preciosas. nem forçá-lo. Ao conseguir isto. Não recomendo enfrentar o processo com pressas. tendo recuperado a saúde. Se há um dia em que você não pode olhar tanto. Quem depende de chefes religiosos torna-se fraco. “No final dos três primeiros meses.organizam-se. começando porque nutre os vegetais que estão no princípio da cadeia alimentar. invejas. se a pessoa tem expectativas espirituais deverá completar os 125 . quando na realidade toda a nossa vida depende do Sol. os diamantes. medos. o Sol diretamente o nutrirá e lhe dará o quanto necessita. Pegamos os fótons do Sol. Grátis! Ninguém o fará pagar impostos por estar olhando o Sol. a qual leva a cabo a sua própria fotossíntese. como os vegetais poderá incorporar diretamente a energia do Sol. físicos e espirituais. Este é o requisito para chegar a conseguir todos os benefícios psicológicos. uma pessoa pode decidir abandonar o processo depois dos seis meses. a pessoa consegue uma saúde mental perfeita. de três em três meses. por si mesmo. Porque pode ser que uma pessoa queira chegar até ao final dos nove meses. se já se sentir satisfeita com isso. e o total de horas de visão acumuladas serão 111. O Sol não é fast food (comida rápida). Não há chefes. um néctar que não está polarizado em positivo-negativo. Ou então. Oferece-nos.** A fotossíntese não é uma prerrogativa dos vegetais. ciúmes. equilibra a natureza e a ecologia. a prata. o cobre. ou pode ser que persiga outros objetivos. Está sempre aí. Depois desses três meses a pessoa se desprende das suas inseguranças. Terá saúde física e perfeita estabilidade mental. – Hoje em dia. que correspondem a 15 minutos olhando o Sol. o Sun Gazing está estruturado como um movimento? – Este método está a expandir-se por todo o mundo. etc. depressões. Ele é o nosso grande benfeitor. e todo o mundo pode praticá-lo de forma independente. No entanto. não trate de compensar olhando por mais tempo no dia seguinte. Com o Sun Gazing recuperamos a independência perdida. Dá resultados perfeitos se é feito com calma e regularidade. Sem necessidade de tornar-se dependente de nenhum guru ou mestre.– Por quê? Poderíamos ir mais depressa? – Ao todo serão 270 dias olhando o Sol. mas sim slow food (comida lenta). e conseguir assim uma realização espiritual. grátis e para sempre.

O Sun Gazing é inofensivo e carece de efeitos secundários adversos. A primeira hora posterior ao nascer do Sol e a hora anterior ao ocaso são horas seguras. Quem evite a luz solar suave sofrerá de problemas de saúde. etc. “Que o sol seja perigoso ou não depende da incidência dos raios ultravioleta. como a possibilidade de deixar de comer. sempre nos advertiram que é muito perigoso olhar o Sol. coincidindo com o final da segunda fase. e a cada dia seguinte acrescentam-se dez segundos. poderíamos ficar cegos… – Porque os especialistas nunca analisam como a intensidade do sol se altera desde o amanhecer até o anoitecer. “O Sol tem alma e se o olhamos com respeito e com intenção. Volte a fazer a revisão ao fim de dois ou três meses: se usa óculos. certamente terá que mudar as 126 . Inclusive. – Mas. você estará a olhar o Sol durante 45 minutos. obviamente. Eu recomendo que faça uma revisão ocular antes de começar a prática. constitui um poderoso medicamento. sintonizaremos com ele. Muito poucos estão abertos a estas coisas. especialmente se sofre de algum problema de visão. durante apenas dez segundos no primeiro dia. senhor Manek. Ao cabo de três meses. quando nos chegam menos raios ultravioletas. ao fim de seis meses. não vai achar muita graça… – Efetivamente. ele nos cuidará e guiará. você estará a olhar o Sol durante quinze minutos. não se considera. e é quando eu recomendo a realização da prática. que o Sol sai quando o vês aparecer.*** Estamos a fazer o curso em Murcia e nos entregam umas folhas com os horários do nascer e do pôr-do-sol correspondentes à região de Murcia. contrariamente ao que acontece com a medicina alopática. o Sol indicará a todos os planetas para que sejam favoráveis a você. ao final de nove meses. coincidindo com o final do processo. incluindo os oftalmologistas. creio que se digo ao meu médico que me estou a dedicar a olhar o Sol. torna-nos necessário conhecer estes horários. coincidindo com o final da primeira fase. não pode haver nenhum problema. Pois. uma vez que o Sol rege todos os planetas do sistema solar. padecerá de insônia. se você é dado à astrologia.nove meses.” OS OLHOS E O SOL A técnica é tão simples que se pode explicar em muito poucas linhas: olha-se o Sol numa hora segura. se mantém boas relações com o Sol. A frequente irregularidade dos nossos relevos. onde alguns médicos dizem que todos e cada um dos medicamentos deixam algum efeito secundário. durante os quais receberá dons especiais. Provou-se que o sol é suave. você estará a olhar o Sol durante meia hora. – De qualquer maneira. e é melhor que não o saiba. Se o índice é inferior a 2. Vivemos na sociedade do cancro. para todo o ano de 2008.

se se diverte com ela. observando a imagem do Sol projetada sobre o fundo escuro. os de mente mais aberta começam a recomendá-lo. 127 . e deram a conhecer os resultados num jornal local. Com o Sun Gazing você estará a fazer um tratamento laser natural. sempre que este não seja colorido e esteja limpo. “No ano passado. Se o olho lacrimeja um pouco. de outro modo o olho se secará e sofrerá. “Com o Sun Gazing o olho se nutre de VITAMINA A. que apareça um pouco de conjuntivite.lentes. acrescentando dez a cada dia? – Exatamente. que lhe é tão necessária. Você pode piscar com normalidade. Nada mais. (ver adiante) – A técnica é tão simples como parece? Trata-se apenas de olhar o Sol durante essa quantidade de segundos. É algo normal. permitir-lhe-á melhorar a visão ocular e fortalecerá a glândula pineal. a sua visão melhora. Já sabe que há pessoas que são operadas aos olhos e por laser para corrigir a visão. No princípio de olhar o Sol pode acontecer que o olho lacrimeje um pouco. não deve preocupar-se. descontraidamente. O Sun Gazing é benéfico em caso de cataratas. é um bom recurso para os doentes. – Exige alguma atitude especial? – Você simplesmente coloca-se em atitude de respeito diante do Sol. Quando termina com os seus segundos de prática. feche os olhos durante uns minutos. de preferência em pé e descalço. De qualquer modo. você pode pôr um simples colírio no olho para resolver. calmo. quarenta pessoas olharam o Sol como um desafio ao ponto de vista de que fazêlo é prejudicial. Neste caso a janela até pode estar fechada: é possível olhar o Sol através do vidro. se é dos que passam horas em frente ao computador ou ao televisor. com o olhar descontraído. muitos oculistas estão a mudar de opinião a respeito do Sol. Como consequência deste tipo de experiências. – Que atitude devemos ter para com esta luz que vemos projetada sobre a pálpebra. ou até na cama. ainda que também possa estar sentado numa cadeira. Nem um único! São grupos praticando em muitos países do mundo. em Atlanta. daltonismo ou visão dupla (patologias que não impliquem lesão do olho). olhando através de uma janela. pois estará a ver melhor. miopia. Quantas horas passamos diante da televisão ou do computador? O televisor e o computador são muito bem mais perigosos para a vista do que olhar o Sol nas horas seguras. depois da prática da visão? – Se você usufrui dela. está a limpar-se. astigmatismo. Ainda que dificilmente. – Poderia acontecer que o meu olho se lesionasse? – Não se conhece nem um único caso de lesão atuando sob o meu método. Fizeram-se testes oculares. nos adverte de algumas patologias para as quais é necessário ter prudência com a prática.

na segunda parte aborda o tema da saúde. através dos quais se pode ver. Temos negatividade. imagine que nesse dia lhe correspondem cinco minutos de prática. terá que controlar para que não olhem o Sol por demasiado tempo. Em qualquer caso. se entender conveniente fechar os olhos por um momento e ato seguido retomar. O clima tem um efeito sobre 128 . Inclusive se podem complementar os tempos. Por exemplo. pode usá-los. mas muito lentamente. ao finalizar o dia. que não olhem mais de 5 minutos. Pode decidir fazer alguns dos ditos minutos de manhã e o resto à tarde. não poderemos praticar o exercício… – Isto não deve preocupá-lo. retome-o no dia seguinte do ponto onde o deixou. Vendem-se em algumas lojas de produtos dietéticos/naturais. – Posso usar óculos de sol? – Os óculos de sol evitam que entrem os fótons e provocam insônia Quanto menos se usem. use-os nas horas seguras. Se o praticarem. Não há problema. E sem saúde mental individual não vamos ter paz mundial. nem uma mente equilibrada.– Haverá dias nublados ou dias que. E durante uma mesma sessão de prática. – É útil para os invisuais? – Irão recebendo os benefícios. melhor. por qualquer motivo. vícios e muitos outros tipos de problemas. CURAR A MENTE Hira Ratan Manek estruturou perfeitamente o seu seminário em três partes. Começa por falar-nos da conveniência de uma correta saúde mental: – Hoje em dia todas as pessoas têm algum tipo de desordem mental. mas não forçá-los a praticá-lo. – O Sun Gazing é recomendável também para as crianças? – Se têm até 14 ou 15 anos. Existem uns óculos que consistem numa tela negra com pontinhos. – É indiferente praticar de manhã ou à tarde? – Completamente. Nalguns dias falhará você. você tenha somado os 300 segundos que corresponderiam aos cinco minutos deste exemplo. pode-se explicar-lhes os benefícios do Sun Gazing. De qualquer maneira. Depois de ter dedicado a primeira delas a generalidades e a falar do olho. “Não temos um pensamento positivo. noutros dias falhará o Sol. Se sente que o halo do Sol o prejudica. tão-pouco há problema Unicamente tente que. Se está algum dia sem o fazer.

se não quiserem ir mais além. “Para que o Sun Gazing se difunda como prática curadora para nós de maneira ótima. O software do cérebro começa a ativar-se. desaparecerão. Então podemos contribuir de um modo efetivo à paz mundial. não poderá fazer outra coisa senão limpar a negatividade dos pensamentos. primeiro a mente tem que o aceitar. cobiça. Se essas mesmas pessoas estivessem em climas cálidos ou temperados não teriam. muita gente se estonteia no inverno. “Quando chegarem aos 15 minutos de visão. ou então caminhar descalços sobre terra morna e seca durante 45 minutos diários. Isso é assim por dois motivos: primeiro.” – O que acontece se. de qualquer modo. regeneram-se. etc. a importância da mente. Segundo. o corpo sairia danificado com estas práticas. com o Sun Gazing os neurônios multiplicam-se. por isso tem um efeito bactericida. aparentemente. fisicamente beneficia a nosso cérebro? – Relativamente ao cérebro. as mesmas tendências depressivas. É 129 . depois de três meses de prática. Assim. que consiste em olhar o Sol durante cinco minutos por dia. mas. obrigou à revisão destas conclusões. mas essas pessoas saem ilesas. e há muitos suicídios. a compaixão. podem dar por finalizado o seu processo. mas levará um pouco mais de tempo. de modo algum. trata-se de energizá-lo. Nos climas frios. primeiramente. Efetivamente. e decide olhar. uma pessoa começa a praticar o Sun Gazing com dúvidas ou receios? – Se você não acolhe dúvidas o processo desenvolver-se-á de acordo com os tempos previstos. porque o Sol é sempre positivo.. É fácil: uma pessoa saber quais os benefícios que vai obter. este igualmente terá lugar. Bastar-lhes-á uma manutenção. Poderão enfrentar todos os seus problemas e encontrar soluções para os mesmos. Há pessoas que a partir deste princípio tão simples são capazes de resultados.isso. e é assim como a mente consegue um equilíbrio perfeito. Se a mente o aceita. porque o olho é uma extensão de nosso cérebro. no fim dos medos. No seu lugar afluirão o amor. Antes acreditava-se que os neurônios não podiam regenerar-se. “Está provado que a luz solar é a solução perfeita para a saúde mental. E somente quando estamos livres de defeitos merecemos ser chamados de seres humanos. de modo que o que absorva o nosso olho chegará diretamente ao cérebro. mas o resultado de centenas de análises aplicadas a pessoas que olham o Sol. Não vamos subestimar. fortalecem-se. – Falou do efeito do Sol referindo-se aos defeitos e às virtudes. a equanimidade. Todas as virtudes serão desenvolvidas. Os neurônios cerebrais degeneram-se e têm que voltar a um estado normal. engolem serpentes… Em circunstâncias normais. se você sente insegurança ou falta de fé no processo. Os defeitos psicológicos de ciúmes. hostilidade. manterse-ão livres dos problemas mentais. extraordinários: mastigam navalhas de barbear. Quando vocês estejam três meses olhando o Sol começarão a gozar de uma saúde mental praticamente perfeita. Inclusivamente nos climas temperados o tempo nublado afeta negativamente a nossa estrutura mental. Isso repercutirá no fim dos conflitos com outras pessoas. A função do Sol é purificar o mundo. Aplicado à mente. o corpo se adapta.

emitem luz. – Doenças mentais como a esquizofrenia podem ser curadas com o Sun Gazing? – Com certeza. mais poder terá para curar os outros. seguindo como sempre com a progressão de dez segundos diários. – O Sun Gazing é eficaz contra a insônia? – Sem dúvida alguma. – Por que foi importante chegar a um bom equilíbrio mental antes de aspirar a curar o nosso corpo? – Porque todo o nosso corpo se encontra contido na nossa mente. E pode carregar-se com serotonina por meio da exposição à luz solar suave. Por conseguinte. Se deseja que o processo de cura seja mais rápido. que consistirá em olhar o Sol durante 10 minutos por dia ou caminhar descalço sobre a terra morna durante 45 minutos diários. que está justamente no centro do cérebro. Inclusive o medo à morte se desvanece. os medos desaparecem. pelo único fato de vivermos. Acontece que não temos fé em Deus. Quem se torna forte interiormente. ao tomar a energia do Sol. se antecipadamente tomou serotonina durante o dia. quem tem medo dele é a doença. Recebemos a luz acidentalmente. Quem tem energia suficiente é são. se desejar. dar por terminado o seu processo e seguir uma manutenção. uma pessoa se carrega. já não tem medo de adoecer ou morrer: ao contrário. OBTER A SAÚDE – Os nossos corpos são corpos solares. Não nos rendemos a Deus. A melatonina é a substância que está relacionada com o bom dormir. cancro. A sua aura expandir-se-á. A esquizofrenia é falta de luz. e quanto mais poderosa seja a sua aura. – Que doenças podem ser curadas? – Muitas: artrite. Se a luz entra no cérebro. Desta maneira. primeiro trata-se de que a mente esteja bem. sob a coroa. Aí pode. “A doença é medo. osteoporose. Além disso. no final do sexto mês você estará olhando o Sol durante 30 minutos e os seus problemas físicos terão desaparecido. 25% dos medicamentos estão destinados a facilitar o sono. Com o Sun Gazing iremos ativá-lo. segrega melatonina durante a noite. tente visualizar que a luz vai ao órgão afectado pela doença. e a sua vida será mais longa. através do Sun Gazing. nunca pode sobrecarregar-se: o excedente de energia passará a encorpar a sua aura. sida… 130 .bem sabido que usamos uma escassa percentagem do nosso cérebro. e por isso surge o medo. A glândula pineal. estamos indo à causa dos problemas. “Praticando o Sun Gazing do terceiro ao sexto mês. mas se a recebemos com intenção reforçaremos o nosso corpo de luz.

nos quais o Sun Gazing se mostrou efetivo: Asma. evitando as horas mais fortes de radiação solar. é útil contra qualquer tumor. sempre que não se façam asneiras. todas as células do corpo começam a armazenar energia do Sol. Até chegar a 5 o Sol não vai realmente causar-lhe um prejuízo. Os banhos de sol constituem a quimioterapia natural. se o seu caso é urgente. Como bem sabe. Bulimia. a quimioterapia médica é muito problemática. o índice de ultravioleta não vai ser superior a dois. a energia do Sol é muito bem recebida pelas células. suponho que há que ir com cuidado. a qual é muito benéfica também em caso de artrite. Anorexia. os neurônios costumam ser afetados.– Disse cancro e sida? – A sida guarda relação com a perda de luz do corpo. Leucemia. “No caso de problemas físicos acentuados tente tomar banhos de sol. podendo provocar um grande prejuízo. “Como é possível isto? Aos seis meses de prática. com paciência tem solução. especialmente da cara. São-nos recomendados um par de livros: Atualmente. No entanto. é prejudicial. Nas horas seguras que mencionamos. recomendo-lhe que se submeta a operação cirúrgica. Etc. – No entanto. O Sun Gazing ajuda também a curar o cancro. sem roupa ou com pouca roupa. Desta maneira a insulina se equilibra (adeus diabetes) e as células cancerígenas rejuvenescem. Usufrua do calor do sol. muita gente que se guia pelo meu método está sendo observada. artrose. Use o senso comum. durante 30 ou 45 minutos diários. não tem nada que temer. o Sun Gazing é compatível? – Sim – O Sun Gazing é também eficaz no caso de cancro linfático? – Se o detecta a tempo. O resto da tarde decorre com uma ladainha de exemplos. Com os banhos de sol o corpo se carrega de vitamina D. – Se decido seguir um tratamento de quimioterapia. A partir de 5. reumatismo. Se você não se expuser a um índice de ultravioleta superior ao recomendado. O cancro de pele se vê favorecido com todas essas cremes (ou loções) cheios de químicos os quais. que coincide com estar olhando o Sol durante 30 minutos. gente que está a começar a viver da luz solar. Evite estender-se ao sol nas horas fortes do verão. Para além dos seis meses. Para os problemas de pele é importante sentir o calor do sol. entram dentro da pele. Se você tem um tumor e tem tempo. o Sun Gazing o irá desfazer. por transpiração. Convertem-se em células fotovoltaicas. pois poderíamos gerar um cancro de pele… – O sol não é prejudicial. sim. inclusivamente quando funciona. são como um painel solar. osteoporose. etc. que estão capacitadas para 131 .

Faz tempo que este grupo se deu a conhecer no maior jornal da União Soviética. a qual pôde desenvolver-se graças ao Sol. a fome pode desaparecer para sempre. porque ninguém quer práticas gratuitas. Ela propunha um programa de jejum de 21 dias. não porque necessite. sentimos fome porque o corpo precisa de energia. Assim. o Sun Gazing tem um problema: é uma prática gratuita. Os investigadores ainda não querem expor à luz pública as suas conclusões. essa famosa mulher australiana que escreveu livros sobre viver de luz. Paradoxalmente. Aí finaliza a prática.armazená-la. mas os interesses do petróleo o estão a impedir. Com o Sun Gazing. duma maneira normal. como suscitaram troças não revelaram o segredo que estava por detrás do seu sucesso. tomamos energia ingerindo comida. e o Sun Gazing entra dentro das suas possibilidades. Este secretismo é algo muito comum entre as pessoas e os grupos que conseguem este resultado. as comodidades estão a ser limitadas… Ver-nos-emos obrigados a comer menos. Infelizmente. são centenas de pessoas. “Os cientistas do espaço estão interessados neste processo. Então. Entre elas há mulheres que ficam grávidas e que produzem leite. irão conseguindo um estado de meditação natural ao longo do dia. “Conheço uma comunidade de pessoas em Moscovo que vivem somente da energia solar. VIVER SEM COMER – A espiritualidade está a crescer em todo o mundo. Pois bem: agora o mundo já está preparado. com o que a fome diminui. porque o mundo não estava preparado para conhecer esta prática divina. De fato. pois querem capacitar os astronautas a realizarem longas viagens espaciais. “Creio que é o momento oportuno para dar a conhecer o Sun Gazing: a comida está encarecendo. Muita gente quer elevar o seu nível de consciência. não interessa.” “Decorridos nove meses chega aos 45 minutos olhando o Sol. É como com os automóveis: poderiam estar a funcionar perfeitamente com o Sol. Esta meditação se integra de maneira natural com as vossas actividades 132 . inclusive se realiza um trabalho corporal pesado. Cada dia o corpo se sacia desta energia e uma pessoa cada vez depende menos da comida física. Estão a pesquisar formas de microcomida. poderão meditar de maneira simples e perfeita. por ser mais fácil e suave do que o seu. pouco a pouco. e além disso está ansioso por conhecê-la. Paramahansa Yogananda conta-nos na “Auto-biografia de um yogui”. mas encontra-se confundida com os muitos métodos que estão à sua disposição. “Conhecem o programa de Jasmuheen?. Jasmuheen veio ver-me quando jejuei no ano 2001 e decidiu aceitar o meu programa. Pois bem. sem comer. o Pravda. sem que a atenção se distraia. as quais não queriam revelar o segredo. Agora tomamos a energia do lugar primário: o próprio Sol. e durante todo o dia. a base de consumir água e sumos. especificamente de comer. Qual é a base do desenvolvimento espiritual? – Em primeiro lugar devem aprender a meditar adequadamente. que entre 1900 e 1920 conheceu muitas pessoas que viviam da luz solar. “Geralmente. Previamente precisam ter adquirido uma saúde física e mental admirável.

uma equipa internacional composta por 21 médicos observou-me dia e noite em Ahmadabad (Índia). quer voltar a comer. A maior parte dos desejos são inúteis. têm que o sentir de modo contínuo. também o seria noutros. em universidades subsidiadas pela NASA. oficialmente leva tempo a tirar conclusões. começam também a transitar pelo caminho da Iluminação. Além disso. oftalmologistas… Podem encontrar mais pormenores a respeito no site: http://www. – Pode-se prescindir também de beber? – O nosso corpo é água em 80%.solarhealing. Quando o desejo de comer se vai. Há que chegar a um acordo com a família e os amigos. como chegas à conclusão de que já não precisas comer mais? – Uma pessoa sente se tem ou não apetite. – Fale-nos da experiência de viver sem comer. 133 . é conveniente comer um pouquinho. por motivos sociais. Viram que se isto era possível no meu caso. uma vez mais. Sem dúvida. O que comemos contém mais de 50% de água. para que a deixem fazer. poderá fazê-lo lentamente. Isto foi publicado em jornais médicos hindus. Nenhuma outra coisa é tão necessária para o organismo.” – Você vive sem necessidade de ingerir alimentos. às vezes. Constituem um peso pesado. Eu bebo água e. criam tensão e problemas. de modo permanente.quotidianas. Ora bem. Como relaciona este facto com o progresso espiritual? – O desejo material nos cria muito sofrimento. Se depois de uma temporada sem comer. De qualquer modo. – Eu mesmo provei em três ocasiões que é possível viver sem comer. durante 411 dias. em 2001.com/. – Como sabes. Assim seremos nossos próprios mestres. Em 2000-2001. é verdade que está documentada casos de pessoas que viveram sem sequer beber água. Isto apareceu publicado nos meios de comunicação. Nos Estados Unidos. durante os quais. Entre 1995 e 1996. se vão os demais. “Mas. um psiquiatra. e a vida torna-se simples. Então. quando me oferecem. e constataram que durante esses dias bebi apenas água. O Deus no qual crêem tem que estar convosco. Entre os que me observaram estava um especialista mundial na observação da glândula pineal. resolveremos os nossos próprios problemas. este mecanismo pode falhar. só me viram ingerir água. “O nosso primeiro sonho é entrar no Reino de Deus. observaram-me durante 130 dias. Temos que estar no presente. Viveremos com um sentimento de agradecimento a Deus e a nossa vida será harmoniosa. um especialista no cérebro. a família quererá forçá-la a comer. Mas está escrito que o presente de cada dia é muito importante. doutores do colégio médico de Kerala me observaram durante 211 dias. Também pode sofrer pressões do meio para que coma. se alguém come mais do que pela fome que tem. consumo também chá ou sumos de frutas. nos quais igualmente somente ingeri água. porque estudar uma só pessoa não é suficiente.

ter a mesma energia. em qualidades divinas. volte a comer quando seja necessário. Não colocar nunca num pote que contenha metais pesados. mas nunca no frigorífico. Recomendo pôr esta água num pote de barro natural. A quarta glândula é o hipotálamo. apesar disso. e o seu cérebro abre-se mais e mais. Graças a esta os diferentes raios de luz que entram através dos nossos olhos. ao andar descalços. não passem diretamente de olhar durante 45 minutos a 15 no dia seguinte. Isto também ajuda a energizar o cérebro e os neurônios. “Ao caminhar descalço durante 45 minutos por dia. dois ou três de dias por semana. ativada pelo sol. considerada a base da alma e está ligada ao dedo grande do pé. E todas as nossas emoções são de natureza tóxica. onde se conservará salutar e fresca. se convertem em boas qualidades. fortalecem-se. A última glândula. Esta água conserva-se energizada durante 24 horas e tem um efeito mais potente e. num elixir de vida. ou quando caminha descalço. o que estimula diretamente o chakra da coroa. dediquem 30 dias à adaptação. Todas estas glândulas criam um campo magnético e o corpo/cérebro se recarrega com a 134 . o peso corporal estimula e fortalece estas glândulas através dos 5 dedos dos pés. por ser muito benéfico: num recipiente de vidro. o simples facto de andar a mostrar os braços ao Sol já lhes será de utilidade de maneira a recarregar-se. Bem. ferva-a e deixe-a arrefecer. é a amígdala. que tem que ver com a manifestação da fome. Depois disto. as suas glândulas endócrinas do cérebro (temos cinco) recarregam. antes de expô-la ao sol. Quem não possa fazer nenhuma destas práticas de manutenção durante muitos dias. O efeito é reforçado pela terra. ao tomar o sol na cabeça. bem mais saudável do que qualquer bebida energética que encontre no supermercado. com tampa também de vidro. conhecida também como O Terceiro Olho. pela energia e o pelo prana. A glândula pituitária corresponde ao chakra Ajna. poderão seguir uma manutenção mais suave. se você se carrega energeticamente com o Sol. Uma destas glândulas é a glândula pineal. “A prática de andar descalço resulta particularmente interessante porque exerce um efeito ativante sobre umas glândulas muito importantes que estão localizadas na zona do cérebro. e ir consumindo dentro das 24 horas. Segundo a ciência. Mas. E se tem dúvidas sobre a sua salubridade. até chegar a 15. poderá comer muito menos e. baixo. Quanto menos calorias se consuma. pelo calor. convertem-se em raios laser e se transformam num néctar. melhor será o nosso funcionamento mental. de uma maneira natural se tornam não tóxicas.“A ingestão de água energizada. constitui um aspecto interessante. Depois deste ano. Depois de 9 meses a olhar o Sol. com o contacto com a Mãe Terra. aplicando algumas destas técnicas. que pode ser aplicado desde o princípio. garantidamente. retire-o do sol e resguarde a água à sombra para que se refresque por si mesma. reduzindo a cada dia um minuto de visão. A terceira glândula é o hipotálamo. – O Sun Gazing deve ser um bom recurso contra a obesidade… – Muita gente está a consumir um excesso de calorias. que governa o cérebro e tem ligação com o segundo dedo do pé. redondo. todas as nossas emoções emergem daí. as calorias excessivas favorecem o Alzheimer e o Parkinson. Por exemplo. logo por detrás dos dois olhos. quando você pratica 15 minutos de visão para recarregar. não ponha mais de dois litros de água e mantenha-o todo o dia ao sol.

Sabemos que em Hollywood modelos que querem emagrecer por meio de programas dietéticos. Depois dos nove meses só precisarão seguir uma manutenção. Dêem-lhe a eletricidade que precisa para funcionar através do Sun Gazing. O Sun Gazing é. aminoácidos. Essa é a razão pela qual nos tempos antigos. as dificuldades na relação de casal. deverão olhar diariamente o Sol durante quinze minutos ou andar descalços. vai a outro lugar. será sempre uma energia feliz. etc. descalças sobre terra seca. Lemos na Internet que com o Sun Gazing podemos desenvolver aptidões psíquicas tais como a telepatia. à jurisdição da sua alma. as pessoas que se aproximem de si. Temos que compreender e utilizar os nossos próprios recursos. Se a nossa energia se encontra fortalecida pelo sol. A ciência nova deve ser avaliada pelos resultados. Por outro lado. “Assim nos tornamos poderosos. “Todos nós estamos destinados a ser Deus. conseguiremos uma morte pacífica e uma boa vida depois da morte. se não comemos? – Não tratem de comparar a velha ciência com a nova. Como produzir estes componentes. chegaram à bulimia e à anorexia. durante 45 minutos diários. “O nosso corpo funciona graças à energia. o céu o abençoa. e será o seguinte: durante um ano. obviamente) é importante para a saúde. A obesidade tem a sua origem num desequilíbrio emocional. quando está cálida (não a queimar. Todos estes componentes vêm da energia e podem ser extraídos do Sol. Quando morremos a energia que está alimentando o nosso corpo. a desorientação que padecem as crianças fruto da desorientação dos seus pais… Comer de maneira desordenada é um modo de combater a ansiedade.” – Isto de tomar energia dos fótons está bem. a visão à distância. Há que dar oportunidade àquilo que se está a comprovar que está funcionando. Sabe-se que a energia não pode ser destruída. que é considerada a Mãe em todas as culturas. só muda de forma. – O que acontece quando chegamos ao final do processo. um bom remédio para a obesidade. e não existem métodos efetivos contra ela. O contacto com ela. provocado pelos problemas familiares. através do despertar das vossas fontes energéticas internas. naturalmente. O seu corpo ter-se-á transformado num painel solar. são beneficiadas. os divórcios. A Mãe Terra nos sente. cheios de divindade. Deste modo. Sejam vocês os seus próprios gurus. O computador cerebral é uma derivação do Grande Computador. e ter o corpo em diferentes lugares ao mesmo 135 . Somente quando a terra o abençoa. Quando uma pessoa está emocionalmente equilibrada. ao andar descalço.” “A obesidade prolifera. não come mais do que o necessário. mas o nosso corpo precisa de uma grande variedade de componentes químicos: precisamos de proteínas. depois dos nove meses? – As vossas células estarão aptas a absorver diretamente a energia do Sol.energia do sol que penetra em você. morna. “Estamos a perder os poderes da Mãe Terra. os yoguis e xamãs sempre andavam descalços. tem o seu próprio software.

o presente e o futuro. não tinha saúde na sua mente e no seu corpo então estava bloqueado. pois podemos perder de vista o objetivo fundamental. Desta maneira consumimos muita energia. – Em todo este processo. Com o Sun Gazing você pratica o verdadeiro pranayama e pode controlar a sua respiração. Também podemos ler o passado. inclusive há pessoas que podem estar alguns dias com o pulso sanguíneo suspenso. – Vimos pessoas na Índia com a cabeça enterrada sob o solo. Deste modo a luz do sol entrava diretamente no cérebro. O Sun Gazing pode-nos levar a este tipo de resultados em relação à respiração? – Sim. mas poucos tivemos a experiência deste despertar… – Se anteriormente ao seu desenvolvimento espiritual.000 ou 15.000 anos atrás havia uma civilização no Peru que fazia o seguinte: quando uma criança nascia. De fato. Com o Sun Gazing se separam em vez de aproximarem-se.tempo. o que faz com que o processo de envelhecimento se torne mais lento. que é a saúde integral. os pássaros têm a glândula pineal muito desenvolvida. a pessoa morre. De maneira que há que evitar andar sobre a erva para fazer esta manutenção. esta também será absorvida. –Ao andar descalços podemos fazê-lo sobre a erva? – Andar sobre a erva é bom se você se sente com negatividade. até poderíamos voar… – Quais as capacidades psíquicas que se podem desenvolver com o Sun Gazing? – Quase todas. quando chegam a tocar-se. à medida que a pessoa envelhece os dois extremos da glândula pineal se vão aproximando. “Há 10. abriam-lhe um orifício na parte superior da cabeça. porque será absorvida. O efeito direto do sol sobre a glândula pineal concedia poderes psíquicos àquelas pessoas. por isso podem voar. Eventualmente. Com o Sun Gazing a respiração se acalma. há pessoas que fazem isto que você diz. Recomendo integar o Sun Gazing a qualquer prática. que podiam inclusivamente voar. 136 . e as suas terminações se separam. a respiração desempenha algum papel? – Geralmente comemos muito e também respiramos muito. – Muitas práticas prometeram-nos o despertar dos nossos poderes. Mas se você se sente com energia. – Pode explicar-nos mais sobre a glândula pineal? – Com o Sun Gazing a glândula pineal fortalece-se. Em geral. É preciso iniciar o processo de desbloqueamento. O autêntico pranayama dá lugar a cada vez menos respirações por minuto. não respiram. Mas não me agrada colocar a ênfase aí. quinze vezes por minuto. Tudo é possível quando uma pessoa funciona com a energia incorporada diretamente do Sol.

que querem entender o processo que ele propõe.A. Em 2003 HRM deu cerca de 147 137 . encarregou-se dos negócios familiares. ASPECTOS BIOGRÁFICOS DE HIRA RATAN MANEK Hira Ratan Manek (HRM) nasceu a 12 de Setembro de 1937 em Bodhavad. A felicidade derivada de não comer é superior à felicidade resultante de comer. ao beber água energizada pelo sol nos religamos com a água. e cresceu em Calicut (Kerala. “Quais são os meus estímulos? A minha missão é difundir esta mensagem por todo o mundo. dizem-nos que o Sol ganha força e que a Terra está a aquecer. e a isso dedico todo o meu tempo: falo com as pessoas. às glândulas endócrinas e a todo o corpo. e daí vai ao cérebro. A mente humana está limitada pelo que conheceu até o momento presente. ao olhar o Sol e ao estar sob o sol. muita gente tem medo. Continuou trabalhando até que se retirou em 1992. onde obteve os estudos de engenheiro mecânico pela universidade de Kerala. Garante o presente e o futuro. As primeiras coisas que devemos fazer são reconciliar-nos com a natureza da qual fazemos parte. Atinge uma independência real. Por outro. a liberdade individual. respondo a todos os mail’s que me chegam. por meio do Sun Gazing vá incorporando os fótons do Sol. “No que diz respeito ao ano 2012 concretamente. O que nos pode dizer a esse respeito? – A informação científica que nos oferece é contraditória: por um lado. bebe chá e outras infusões. Foi convidado por agências do governo de muitos países. Ao andar sobre a terra. estão a dizer-nos que o Sol perde força e que a Terra está a arrefecer. convém que esteja abaixo de 2". Relativamente à sua característica de não comer. – Por quais estímulo se orienta a pessoa que já não precisa comer? – Sem estar condicionado pelo estímulo da comida você será mais feliz. que eram de navegação e comércio. Desde 18 de Junho de 1995. encontramo-nos com novas fontes de felicidade. viajo… – O ano 2012 aproxima-se e prevêem-se grandes mudanças. inclusivamente em relação ao comportamento do Sol. HRM entregou-se à observação e experiências científicas por longos períodos de tempo. estará a salvo e sem problemas. nos reconciliamos com o Sol. Índia). O único cálculo fiável que nos deve preocupar é o índice ultravioleta. “É bem sabido que hoje em dia vivemos desligados da natureza e dos elementos. Mas quando ultrapassamos estes limites. Índia. Aquele que. dou conferências. Em 2002 HRM deu 136 conferências nos U. nos religamos com a terra. por hospitalidade e propósitos sociais. HRM vive só da energia solar e da água.“Mas não é necessário andar por aí com um buraco no crânio. Através dos olhos a luz também chega à glândula pineal. que para realizar a prática. Ocasionalmente.S. Depois da sua graduação.

abrangendo doze posições num ciclo completo que. Em http://www.es/suscripciones/index. o individualismo e um conhecimento menor. Atualmente. F. Adicionalmente. BIBLIOGRAFIA Anagarika Govinda. segundo alguns. “método” este já “consagrado” por Krishnamurti e por Osho.S. RJ 138 . há centros de cura solar ao redor de todo o mundo. Contacto com Hira Ratan Manek sobre o Sun Gazing : hrmanek@solarhealing. Serviços do Mundo. cujos facilitadores são grupos de praticantes do fenômeno que Hira Ratan Manek desencadeou. com o paradoxo do instrutor que rejeita o princípio da instrução. o Anarquismo. Alice Miragem – Um Problema Mundial. e aproximadamente 400 jornais de todo o mundo publicaram um artigo seu. *** Nos deparamos aqui. Os nossos próprios comentários seguem em notas-de-rodapé. ** Trata-se da popular “Saudação ao Sol” usada pelos iogues.htm. Reprodução de reportagem da revista Athanor publicada no número 70. sob as suas diferentes formas. Canadá. RJ Os Raios e as Iniciações.C. Caribe e Reino Unido. Acima ilustramos este pequeno “rito solar” matinal. Avatar. F. têm relação com a estimulação de todos os chakras e ainda com os signos do Zodíaco na medida em que cada signo rege uma parte do corpo humano.. Lama Meditação Criadora e Consciência Multidimensional Bailey. Não obstante.athanor.C. muitos canais de televisão tinham documentários da sua história. tem nas suas bases invariavelmente certo elitismo. HRM interveio na BBC.conferências nos U.A. mais uma vez.com (escrever em inglês). se comparado àquele que os verdadeiros gurus espirituais professam. Avatar. * Reportagem de Francesc Prims.

. Ed. Avatar. Helena P. 2008 A Cura Crística. Record. Swami Yoga Philosophy of Patanjali. Ed. Nova Era. C. C. Luís A.Signos de Agni Ioga. I. Avatar.De Belém ao Calvário. Scientific American (BR). Pensamento. Ed. Ed. Ed. SP. Janeiro de 2003 Roerich. Aquariana Leonard. William R. I. SP Holmes.e Você? Jasmuhenn Viver de Luz. SP A Doutrina Secreta. RJ Chayet. Avatar.C. Avatar. Calcutta Universit Press Hesse. Pensamento. Agartha. O Evangelho da Natureza.Signos de Agni Ioga. Agartha. C. 2009 139 . Carlos O Lado Ativo do Infinito. Charlotte Os Campeões são Vegetarianos. Ed. F. Hermann Demian. W.. M. Deepak A Natureza da Realidade Johari. Glossário Teosófico. F. Harish O Poder de Cura das Pedras Preciosas. RJ Blavatsky. IBRASA. Ed. Alimentos e Evolução Hunmana. Pensamento. Ed. RJ Agni Ioga. F. RJ Salvi. SP A Voz do Silêncio. F. 2001 Os Frutos do Paraíso. Helena Coração . Avatar. RJ Mundo Ardente . SP Castañeda. F. C. Ed. Ground. RJ Folhas do Jardim de Morya. Ed. Anne A Mulher no Tempo dos Dalai-Lamas Chopra. SP Hariharananda Aranya.

IBRASA.o Reino da Felicidade. RJ Tsé. 1937 Trismegisto. Ed. Bs. Ibrasa. Aires OUTRAS OBRAS A Matéria. SP. 2009 Tushita . Paramahansa Autobiografia de um Iogue Zaniah Dicionário Esotérico. Bibl. Ed. Hermes Corpus Hermeticum. Londres. Ed. LIFE Ioga Sutras de Patânjali Bhagavad Gita 140 . 2007. AP Fundamentos de Esoterismo.Oriens et Ocidens. 2000 Magia Branca e Teurgia . Agartha. Agartha. Cient. Ed. Edmond Bordeaux (editor) O Evangelho Essênio da Paz. Ed.Tushita . AP Szekely. 2000 A Alquimia Espiritual. Kier. Hemus. Ed. 2009. Ed. Agartha. SP.o Reino da Felicidade. Lao Tao-Te-King Yogananda.

nascido em 1959. dirige a conceituada “Revista Órion de Ciência Astrológica” e é autor de mais de 120 obras. WEBER SALVI é escritor polígrafo brasileiro. Especialista em geografia sagrada e astrologia profunda.O Autor LUÍS A. várias delas publicadas. 141 .

Estudioso e praticante de diferentes ensinamentos. vinculou-se em especial à linhagem teosófica através dos trabalhos de Alice Ann Bailey.com/ 142 . Iogue e arauto da Tradição de Sabedoria.blogspot. vindo a pontificar a Terceira Geração de Sabedoria Teosófica. Atualmente coordena o Projeto-Exodus – Um Mundo para Todos. reforma & renovação dos Augustos Mistérios. Mantém na internet os seguintes blogs: http://cartografia-da-transformacao. residiu em ashramas e fundou entidades.blogspot. a partir da região Centro-Oeste.blogspot.com/ http://agartha-edicoes. pela prática do ecumenismo solar de restauração. como também de muitas novas escolas de pensamento. e depois a Sociedade Universalista Nova Albion (SUNA). não apenas em favor das antigas tradições de Oriente e Ocidente.com http://o-vitriolo. como a Escola Agartha de Filosofia & Mistérios. e também dirige o Editorial Agartha.