You are on page 1of 1

Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Aluno: Luan Resende Rangel Disciplina: Teoria III ( noite, terça N1 N2) Avaliação Individual 1-RETIRAR E EXPLICAR 05 (CINCO) REFERÊNCIAS DO CONTO DE MACHADO DE ASSIS
"A IGREJA DO DIABO". APRESENTAR EM FORMA DE ESQUEMA, NUMERANDO CADA REFERÊNCIA E RESPECTIVA EXPLICAÇÃO.

Maomé e Lutero – Líderes religiosos, fundadores de vertentes religiosas. Fausto – Famoso personagem que vende sua alma ao diabo. Homero – Poeta épico da Grécia Antiga. Aquiles – Personagem mitológico grego, herói da Grécia antiga, e personagem principal da Ilíada de Homero. 5- Ilíada – Obra que relata os acontecimentos da guerra de Tróia. 12342- DEFINIR, BREVEMENTE, A PERSPECTIVA FILOSÓFICA DA "PROJEÇÃO" (CERCA DE
04 LINHAS). DESENVOLVER UMA INTERPRETAÇÃO DO CONTO "A IGREJA DO DIABO" PELA "PROJEÇÃO" CUJA PERSPECTIVA SEJA FILOSÓFICA (ENTRE 15 E 20 LINHAS).

Projeção é uma prática interpretativa que compreende a literatura como reflexo ou produto de algo que lhe é externo, sendo que esse dado externo é nomeado “origem”. Essa “origem” se subdivide em 3 perspectivas distintas, sendo uma delas a filosófica que leva em conta questões atemporais, subjetivas e correntes de pensamento a respeito de determinado assunto.Todo o texto é um duplo de escritura/leitura, uma rede de conexões. E a partir da noção de intertextualidade, as relações entre obras literárias são compreendidas como um procedimento natural de reescrita dos textos. A vertente filosófica mais intensamente presente no conto de Machado é a que diz respeito à contradição humana, entendendo essa como uma relação de instabilidade e conflito em que o ser humano se encontra, principalmente nas questões das leis morais. A contradição vivida pelo homem pode ser entendida como uma situação de instabilidade, a qual identifico aqui com um estado de insatisfação do ser humano, na medida em que este encontra-se em uma determinada ordem1. Essa insatisfação é a expressão do conflito humano entre a licenciosidade própria da vontade (a busca pela satisfação de necessidades e desejos do corpo, bem como do intelecto2) e a liberdade socialmente admitida e de acordo com as determinações das leis morais. No conto de Machado de Assis, o que determina a situação de conflito (de como o homem deve agir) são as idéias de imortalidade e egoísmo. Porém, é possível ultrapassar esses “fundamentos de valores de conduta” para deter-se estritamente no conflito entre a vontade do homem e a coação das leis instituídas pelo homem. Assim, é possível delimitar a discussão na consideração de que a relação que o homem estabelece com as leis que regulam o seu agir não é uma relação estável. E, mais especificamente, é possível perceber que a linha divisória entre o permitido e o não permitido é facilmente ultrapassada pelo homem.