You are on page 1of 5

ADAPTAÇÃO À ADMINISTRAÇÃO LOCAL DA REFORMA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Negociações do Governo são autêntico simulacro
Balanço do processo negocial com a Secretaria de Estado da Administração Local (SEAL) Reunião de 22 de Maio de 2009
Regime de carreiras, vínculos e remunerações Lei da mobilidade Extinção, fusão e reorganização de serviços

Da primeira reunião negocial realizada com o Secretário de Estado da Administração Local para análise dos comentários enviados pelo STAL, fica claro que ao Governo não pretende ir além do que a legislação base prevê, nem que isso passe por manter as incongruências e injustiças por esta criadas.
O que denota por um lado nenhuma preocupação com as especificidades da Administração Local e, por outro, a praticamente nula capacidade política de intervenção por parte Secretaria de Estado da Administração Local. De que resulta, naturalmente, a crítica que o STAL há muito vem fazendo sobre a crescente intenção governamental de instrumentalizar as autarquias locais e de descaracterizar o Poder Local, violando a sua autonomia. Estamos assim perante mais um passo na senda centralizadora do actual Governo, que ignora as especificidades da Administração Local e procura moldar as autarquias a regras de funcionamento por si ditadas. O STAL reafirma a necessidade de continuarmos a luta por uma efectiva adaptação da legislação às especificidades das autarquias, num processo que o governo tardou a reconhecer e que agora, na continuação da incompetência e incapacidade para respeitar as regras basilares da democracia, nomeadamente a da participação dos trabalhadores e das suas estruturas representativas e a da autonomia do Poder Local, mantém. O processo negocial tem nova reunião agendada para o próximo dia 27 de Maio, às 14.30 horas, na qual será abordada a proposta de adaptação do SIADAP, devendo o STAL enviar até à próxima terça feira, 26 de Maio, os respectivos comentários.

Consulte os projectos de lei do Governo em www.stal.pt dê-nos o seu contributo

Carreiras, vínculos e remunerações - Lei 12-A/2008
Tema, artigo da proposta Preâmbulo Comentários do STAL Resposta SEAL

Introduzir, em ordem ao cabal esclarecimento dos objectivos Dúvida prosseguidos com esta regulamentação Não foi clarificado Aplicação Deve ser esclarecido na parte em que excepciona a Negativa Vínculo de aplicação das normas respeitantes ao regime jurídico da Nada se acrescenta nomeação nomeação. em relação a esta Artº 2.º, n.º 1 matéria, lembrando Importa ter em conta o estatuto de nomeação já previsto apenas o previsto para a Polícia Municipal e lembra-se outros que o para os polícias justificam, nomeadamente os fiscais municipais que municipais e exercem funções muito próximas a estes. eventualmente para os bombeiros Aplicação – Exclui as Assembleias Distritais Negativa organismos São para extinguir, Art.º 2.º, n.º 2 não fazendo sentido a referência neste projecto, dado que se lhes aplica a legislação para a A. Local. Mapas de Para além do direito de audição, não prevê o direito Negativa pessoal de negociação dos sindicatos. Entende que esta Art.º 3.º matéria não é de adaptação, pelo que não pretende ir além do que a lei base prevê. Limites ao O STAL entende que o disposto no art. 5.º, n.º 3, trabalho Negativa trabalho extraordinário em dia de descanso semanal, obrigatório ou Não está de acordo, extraordinário complementar, e nos feriados, deve ser aplicado em todas as mantendo a Art.º 5.º n.º 3 situações em que as exigências funcionais o justifiquem, obrigatoriedade de mediante despacho devidamente fundamentado do definição das respectivo dirigente máximo do serviço, explicitando as categorias através de razões justificativas desse procedimento excepcional, o que portaria do governo implicará também a alteração do n.º 4 deste artigo. Opção Propomos a introdução de uma norma no sentido de que Negativa gestionária seja respeitado o princípio da equidade na sua atribuição Entende que vai além pelos trabalhadores das diversas carreiras/categorias. Art.º 7.º do que está na lei Regra excepcional na alteração do posicionamento remuneratório Art.º 8.º Consideramos que se deveria aproveitar também no sentido de corrigir situações de injustiça relativa, decorrentes da transição de carreiras, de que é exemplo a categoria de encarregado de brigada, através da alteração do posicionamento remuneratório, previamente à transição para a carreira e prevendo o seu reposicionamento. Dúvida Vão equacionar, mas entendem que esta matéria não cabe na adaptação na lei. 2

Procedimento concursal – regularização das situações de trabalho precário Art.º 9.º

Lembrando o panorama assustador nas autarquias locais, o STAL considera que devem ser criadas condições que permitam a integração dos trabalhadores em situação precária nos mapas de pessoal, através da abertura de concursos internos, nos quais os trabalhadores sejam candidatos únicos. Os métodos de selecção deverão ser a avaliação curricular e a entrevista, os contratos de trabalho deverão ser renovados automaticamente até ao fim dos concursos em causa e os mapas de pessoal automaticamente alterados. O STAL considera que é necessário clarificar a forma de aplicação deste regime. O STAL afirma desde já que em nenhuma situação aceitará qualquer automatismo para este regime e empenhar-se-á na inconstitucionalidade desta norma, se necessário através do recurso aos tribunais, não excluindo a adopção de outras formas de luta. Consideramos que esta matéria deve ser convenientemente adaptada à realidade autárquica, tendo em conta, por um lado, processos de mobilidade ajustados às necessidades funcionais das autarquias, aproveitando racionalmente os recursos internos e, por outro lado, se possibilite a transferência para outras entidades, que não deve ficar sujeita a um prazo máximo de um ano. Por outro lado ainda, deve ser expressamente prevista a consolidação da mobilidade inter-carreiras e inter-categorias e não só a mobilidade na categoria que o art. 64.º da Lei adaptanda prevê, figuras cuja aplicação entendemos dever ser extensiva às situações de trabalhadores cuja falta de habilitações é suprida pelo bom desempenho e experiência revelada nas funções efectivamente desempenhadas.

Negativa Entendem que o panorama não é tão grave e de qualquer das formas a solução não deve ser encontrada neste espaço, mas sim no âmbito central. Dúvida Estão a equacionar a clarificação sobre a manutenção do estatuto de origem. Negativa Consideram que não se enquadra no espírito da adaptação, não sendo este o espaço para as alterações propostas.

Regime de cedência de interesse público Art.º 11.º Regime de mobilidade interna Art.º 12

Prémios de desempenho Artº 13.º

O STAL discorda e considera que se trata de um procedimento muito discutível e até conducente à discriminação dos trabalhadores, defendendo antes a assunção de normas incentivadoras dos trabalhadores, nomeadamente através de processos reclassificativos e de reposicionamento remuneratório. O STAL chama a atenção para o facto de, em muitas Autarquias, nomeadamente nas Freguesias ou em serviços com poucos trabalhadores, atenta a sua dimensão, ser acautelado este problema, propondo que, em adaptação ao art. 49.º da Lei 12-A/2008, se institua uma regra que permita a promoção desses trabalhadores à adequada categoria quando, por motivos organizacionais, não seja possível observar as regras de densidade consignadas nesse normativo.

Negativa Registam a opinião do STAL.

Acesso a grupos de chefia e exercício das suas funções em serviços e autarquias de dimensão reduzida Não previsto no projecto

Talvez Vão equacionar.

3

Carreiras por regulamentar Não previsto no projecto

Chamámos a atenção para o substancial conjunto de carreiras da A. Local que continuam por regular, incluindo carreiras de regime geral, de regime especial e corpos especiais, pelo que também urge dar cumprimento ao disposto na Lei 12-A/2008, que prevê para o efeito o prazo de 180 dias, largamente ultrapassado. O STAL alertou para o facto de ter sido já largamente ultrapassado o prazo de 180 dias que a Lei12-A/2008 previa para a sua regulamentação, considerando que o Governo dá um mau exemplo de incumprimento da Lei. O STAL lembra que estão neste momento a aguardar solução diversos problemas nesta matéria, designadamente o dos trabalhadores da higiene urbana da Câmara Municipal do Porto, para o qual existem aliás deliberações da própria Assembleia da República. Mais um mau exemplo de incumprimento da Lei por parte do Governo, tendo em conta o historial deste suplemento, nomeadamente a violação do artigo 3.º do D. Lei 53-A/98, de 11/3, que previa 150 dias para a sua regulamentação à Administração Local. O STAL propõe por isso que o projecto preveja a sua regulamentação, tomando como referência o projecto de diploma que foi discutido na SEAL e chegou a ser agendado para aprovação em Conselho de Ministros do anterior governo PS, em 1999, no final do seu mandato. O STAL propôs a instituição destes subsídios praticados em diversos organismos da Administração Central mas cuja regulamentação não está efectuada para as autarquias locais, pese embora a necessidade inquestionável, tendo em conta a realidade existente.

Dúvida Ficaram com uma relação e será visto

Suplementos remuneratórios Não previsto no projecto

Negativa Consideram que não é neste espaço, mas sim no âmbito da central.

Suplemento de Insalubridade, Penosidade e Risco Não previsto no projecto

Negativa Também não é este o espaço e não vão criar especificidades antes de ser publicada o regulamento geral

Subsídio de disponibilidade e subsídio de isenção de horário de trabalho Não previsto no projecto Contratação colectiva Não previsto no projecto

Negativa A mesma resposta que para o suplemento de risco

O STAL colocou, no inicio da reunião e em complemento aos comentários enviados por escrito, a necessidade de serem clarificadas questões sobre o processo de contratação colectiva para a Administração Local, particularmente a clarificação dos interlocutores.

Talvez Vão equacionar

Ainda à margem das negociações, o STAL lembrou a necessidade de ser encontrada uma solução para os descontos dos trabalhadores que, estando a desempenhar funções em empresas privadas ou municipais, mantêm o seu estatuto de origem mas são remunerados pela tabela salarial da respectiva empresa. O Sindicato considera que lhes deve ser possibilitada a faculdade de efectuarem os descontos para a Caixa Geral de Aposentações e para a ADSE sobre o total das remunerações, tendo o Secretário de Estado assumido o compromisso de estudar o problema. 4

Regime de mobilidade especial – Lei 53/2006 Extinção, fusão e reorganização de serviços – Dec. Lei 200/2006
Tema, artigo da proposta Considerações gerais Comentários do STAL O STAL entendeu numa primeira fase não proceder a comentários específicos ao articulado da proposta, tecendo antes as seguintes considerações: Resposta Governo

O Secretário de Estado partilha da leitura do STAL sobre a não Consideramos que esta matéria deveria ser tratada em projecto existência de específico, não fazendo sentido a sua junção com a matéria de trabalhadores excedentários nas vínculos, carreiras e remunerações autarquias, nomeadamente Reiteramos a nossa critica geral às questões da mobilidade tendo em conta os especial, lembrando o que já considerámos no que concerne à mobilidade inter-carreiras e serviços (Art.º 12.º do projecto que processos de adapta a Lei 12-A). descentralização. Acrescentamos que consideramos completamente irracional e descabida a pretensão de aplicar à Administração Local um regime de mobilidade especial, porquanto: Não é compreensível que num quadro de profunda crise e desemprego se promovam medidas que visem colocar trabalhadores em situação excedentária; Tanto mais que estamos num processo de descentralização de competências para a Administração Local; E é inquestionável a inexistência de trabalhadores excedentários nas autarquias, assistindo-se antes a uma carência de recursos humanos, a que acresce a já referida necessidade de serem regularizadas inúmeras situações de emprego precário. Manifestando pois a sua oposição a esta adaptação, o STAL considera no entanto que, caso o governo insista em tais propósitos: Sejam quais forem as modificações orgânicas que resultem desta aplicação, devem sempre ser detalhadamente fundamentadas, com a explicitação das razões de facto e de direito que as suportam; Os referidos procedimentos têm de ser objecto de prévia e adequada negociação com os Sindicatos; A decisão final sobre qualquer processo reorganizacional em causa pertence sempre aos respectivos órgãos deliberativos; Deverão ser salvaguardadas as situações de trabalhadores que exercem ou tenham exercido funções de interesse público, nomeadamente actividade sindical. ??? No entanto considera que são instrumentos de gestão de recursos humanos que hoje estão à disposição da Administração Pública, fazendo sentido colocá-los também à disposição da Administração Local. ??? Esta matéria está ainda a ser alvo de alteração, pelo que brevemente nos enviarão um projecto reformulado. ???

5