You are on page 1of 8
RESOLUÇÃO DA PROVA ESPECÍFICA TJ-SP (2005) - REPRODUÇÃO PROIBIDA –
RESOLUÇÃO DA PROVA ESPECÍFICA TJ-SP (2005) - REPRODUÇÃO PROIBIDA –

RESOLUÇÃO DA PROVA ESPECÍFICA TJ-SP

(2005)

- REPRODUÇÃO PROIBIDA –

Elaboradores: Mariana de Oliveira Farias www.educapsico.com.br Revisor: Viviane Akemi Uemura / Alla Lettera Serviços

Elaboradores: Mariana de Oliveira Farias

www.educapsico.com.br

Revisor: Viviane Akemi Uemura / Alla Lettera Serviços Editoriais

Apresentação:

Você adquiriu um material com 32 questões específicas da parte de Psicologia do concurso TJ/SP de 2005 (banca Vunesp). As questões foram resolvidas e

explicadas pela psicóloga Mariana Farias , tendo como base a bibliografia cobrada no referido edital. As questões 26, 28 e 42 desta prova foram anuladas pela Fundação Vunesp, conforme consta no Edital publicado em 18/10/2005:

“Determinou a ANULAÇÃO das questões de nº. 26, 28 e 42, acatando proposta da Fundação VUNESP, devendo ser acrescido os pontos necessários a todos os candidatos que prestaram as provas escritas”.

As questões de 1 a 25 não serão resolvidas nesta apostila por não pertencerem à área de Psicologia. A resolução de questões cobradas em concursos anteriores, assim como a compreensão do raciocínio que foi usado para se chegar à resposta correta é uma estratégia de estudo muito importante para a preparação do candidato a concursos públicos. Por isso, aproveite o material que você acabou de adquirir e potencialize seu desempenho no próximo concurso! Bons estudos! Equipe Educa Psico

Mariana de Oliveira Farias é psicóloga, graduada em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), Mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela Unesp e professora universitária. Aprovada no concurso do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/ SP) em 2005.

www.educapsico.com.br SUMÁRIO Questão 26 4 Questão 27 4 Questão 28 6 Questão 29 6

www.educapsico.com.br

SUMÁRIO

Questão 26

4

Questão 27

4

Questão 28

6

Questão 29

6

Questão 30

8

Questão 31

10

Questão 32

11

Questão 33

12

Questão 34

13

Questão 35

16

Questão 36

17

Questão 37

19

Questão 38

20

Questão 39

21

Questão 40

22

Questão 41

23

Questão 42

25

Questão 43

25

Questão 44

27

Questão 45

28

Questão 46

29

Questão 47

31

Questão 48

32

Questão 49

33

www.educapsico.com.br Questão 50 35 Questão 51 36 Questão 52 39 Questão 53 41 Questão 54

www.educapsico.com.br

Questão 50

35

Questão 51

36

Questão 52

39

Questão 53

41

Questão 54

44

Questão 55

46

Questão 56

48

Questão 57

49

Questão 58

50

Questão 59

52

Questão 60

52

Referências bibliográficas

55

www.educapsico.com.br CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 27 De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente,

www.educapsico.com.br

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

QUESTÃO 27

De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente, a execução direta das políticas e programas destinados às crianças e aos adolescentes cabe:

(A)

aos municípios, em parceria com a sociedade civil, no Conselho de Direitos.

(B)

aos estados, através da Secretaria do Bem-Estar do Menor.

(C)

à União, através do Ministério da Educação.

(D)

às escolas, em parceria com organizações não governamentais.

(E)

às igrejas, em parceria com a comunidade em que se inserem.

RESOLUÇÃO:

A alternativa correta é a “(A) aos municípios, em parceria com a sociedade civil, no Conselho de Direitos”. Para entender a resolução desta questão, vamos recorrer ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Lei nº 8.068, de 13 de julho de 1990:

Art. 86. A política de atendimento dos direitos da criança e do adolescente far-se-á através de um conjunto articulado de ações governamentais e não-governamentais, da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.

No artigo 86 do ECA pode-se perceber a que a política de atendimento aos direitos da criança e do adolescente deve envolver ações tanto governamentais como não- governamentais, da sociedade civil.

Art. 88. São diretrizes da política de atendimento:

I - municipalização do atendimento; [

]

II - criação de conselhos municipais, estaduais e nacional dos direitos da criança e do adolescente, órgãos deliberativos e controladores das ações em todos os níveis, assegurada a participação popular paritária por meio de organizações representativas, segundo leis federal, estaduais e municipais;

www.educapsico.com.br VII - mobilização da opinião pública para a indispensável participação dos diversos segmentos

www.educapsico.com.br

VII - mobilização da opinião pública para a indispensável participação dos diversos segmentos da sociedade.

No artigo 88 do ECA, percebemos que as políticas de atendimento à criança e ao adolescente devem ocorrer no âmbito municipal, que deve haver a criação de conselhos dos direitos da criança e do adolescente em níveis municipal, estadual e nacional. Nota-se, também, a importância da opinião pública por meio de segmentos da sociedade. De acordo com os trechos explicitados do ECA, justifica-se a alternativa (A) como correta: De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente, a execução direta das políticas e programas destinados às crianças e aos adolescentes cabe aos municípios, em parceria com a sociedade civil, no Conselho de Direitos.

QUESTÃO 32

Sidney Shine, em sua pesquisa sobre a atividade pericial no Brasil, conclui que

(A) a aplicação do modelo clínico às avaliações psicológicas periciais é a melhor

opção para corresponder às demandas dos operadores do Direito ao perito. (B) de modo geral, os psicólogos não têm clareza sobre como as questões

psicológicas fazem a interface com as questões legais que devem ser apreciadas.

(C) o Código de Ética do Psicólogo e as resoluções e documentos do Sistema de

Conselhos de Psicologia definem com clareza o escopo e os limites da atuação do psicólogo na área jurídica.

(D) é impossível identificar um modelo preferencial na atividade pericial, de modo geral

deixada a critério de cada profissional.

(E) embora a demanda de laudos periciais seja crescente, as autoridades judiciárias

tendem a considerar pouco relevantes as informações apresentadas nos laudos.

RESOLUÇÃO:

Nesta questão, a alternativa correta é a letra “B”: Sidney Shine, em sua pesquisa sobre a atividade pericial no Brasil, conclui que “de modo geral, os psicólogos não têm clareza sobre como as questões psicológicas fazem a interface com as questões legais que devem ser apreciadas”.

www.educapsico.com.br Para resolver esta questão, vamos consultar o livro A espada de Salomão , de

www.educapsico.com.br

Para resolver esta questão, vamos consultar o livro A espada de Salomão, de Sidney

Shine (2003, p. 247), e verificar o que afirma o autor:

Podemos dizer que o nosso código, tanto quanto o norte-ameri- cano (Perrin e Sales, 1994), não deixa claro que existem questões psicológicas que têm uma interface com a questão legal e que são exatamente estas que devem ser endereçadas na sua manifestação. Em suas palavras, que fazemos as nossas:

Os psicólogos, sem uma especialização forense formal, frequentemente não consideram a forma como as questões psicológicas fazem a interface com as questões legais que devem ser apreciadas.

Assim, fica clara a justificativa da alternativa “B” como a correta: “de modo geral, os psicólogos não têm clareza sobre como as questões psicológicas fazem a interface com as questões legais que devem ser apreciadas”.

QUESTÃO 33

Com base em sua experiência como perita da Vara de Família, Lidia R. Folgueira de

Castro ressalta que, nos casos de disputa de guarda, o laudo psicológico elaborado pelo perito deve

(A) restringir-se a uma descrição dos dados coletados sobre a dinâmica familiar e o

funcionamento mental dos pais e dos filhos envolvidos, a fim de não influenciar o juiz.

(B) abordar explicitamente questões tais como quem deve permanecer com a guarda

dos filhos, evidências de abuso, e outras, para que o juiz possa apreciar as consequências psicológicas das várias medidas possíveis. (C) apresentar todas as informações levantadas durante o processo de

psicodiagnóstico dos pais e dos filhos, a fim de dar ao juiz o máximo de subsídios para a tomada da decisão.

(D) basear-se, principalmente, nos dados obtidos por meio de entrevistas com os pais

e os filhos, pois as hipóteses levantadas a partir de técnicas projetivas não podem ser

comprovadas a curto prazo.

www.educapsico.com.br (E) ater-se à comprovação de doença mental de um ou de ambos os genitores,

www.educapsico.com.br

(E) ater-se à comprovação de doença mental de um ou de ambos os genitores, com

base em critérios objetivos como categorias nosológicas e sintomas descritos no DSM-

IV.

RESOLUÇÃO:

A alternativa correta é a letra “B”: Com base em sua experiência como perita da Vara

de Família, Lidia R. Folgueira de Castro ressalta que, nos casos de disputa de guarda,

o laudo psicológico elaborado pelo perito deve “abordar explicitamente questões tais como quem deve permanecer com a guarda dos filhos, evidências de abuso, e outras, para que o juiz possa apreciar as consequências psicológicas das várias medidas

possíveis”.

Para resolver esta questão, vamos verificar um trec ho do livro Disputa de guarda e visitas: no interesse dos pais ou dos filhos?. Lidia Castro (2003, p. 36), diz que:

O laudo pericial, decorrente do psicodiagnóstico, visa fornecer subsídios a fim de que o juiz decida vidas: prender ou não algum suspeito de abuso sexual ou sevícias, dar a guarda dos filhos a um dos pais, internar ou não a criança em algum abrigo, dar ou não a criança para adoção a determinado casal e outras decisões de semelhante teor.

A alternativa “C” poderia gerar dúvidas, levando o candidato a acreditar que ela poderia ser correta. Esta diz que Com base em sua experiência como perita da Vara

de Família, Lidia R. Folgueira de Castro ressalta que, nos casos de disputa de guarda,

o laudo psicológico elaborado pelo perito deve apresentar todas as informações

levantadas durante o processo de psicodiagnóstico dos pais e dos filhos, a fim de dar

ao juiz o máximo de subsídios para a tomada da decisão.

Por que esta alternativa (alternativa C) estaria incorreta? Vamos mais uma vez consultar o que diz Lidia Castro (2003, p. 39), sobre a escrita do laudo psicológico: “(o laudo psicológico) Deverá conter dados úteis para elucidar as questões ao juiz, com o cuidado de não expor elementos desnecessários, que possam abalar psiquicamente as partes, que poderão ter acesso ao laudo”.

Assim, fica mais claro por que a alternativa correta é a letra “B”.