You are on page 1of 13

SISTEMA NERVOSO CENTRAL II

CEREBRO

Considerações Gerais

Localização – está situado na cavidade craniana, no seu andar posterior,


por cima da tenda do cerebelo.

Forma e dimensões – Tem a forma ovóide de grande extremidade


posterior. Com dimensões medias de 16,5 (diâmetro Antero-posterior); 13,5
(diâmetro transversal); 12,5 (diâmetro vertical).

Peso – cerca de 1370g, sndo o hemisfério esquerdo ligeiramente mais


pesado que o direito.

Conformação exterior

Fenda inter-hemisferica – divide o cérebro em duas porções, os


hemisférios cerebrais. É ocupada pela foice do cérebro e prolonga-se ate a
base do cérebro, a excepção da porção media, que é ocupada pelo corpo
caloso

Fenda de Bichat – fenda profunda que se encontra na base do cérebro


com a forma de uma ferradura com abertura anterior. A sua porção media
encontra-se situada por baixo da extremidade posterior do corpo caloso,
correspondendo as suas duas extremidades aos espaços perfurados
anteriores. A fenda de Bichat separa o telencefalo do diencefalo e do
mesencefalo. A porção mediana e limitada no lábio superior pelo corpo
caloso, no lábio inferior pela lâmina quadrigemia, episifise e tálamo óptico.
Entre os dois lábios, a fenda emite um prolongamento anterior, ocupado
pela tela coroideia do ventrículo médio.

Hemisferios cerebrais – distinguem-se em hemisfério direito e esquerdo.


Cada um tem 3 faces (interna, externa e inferior), três bordos (superior,
infero-interno e infero-externo) e duas extremidades (anterior e posterior).

Extremidades:

Anterior ou frontal – relaciona-se com a bossa orbitaria do frontal,


sendo o seu ponto mais saliente conhecido por pólo frontal

Posterior ou occipital – relaciona-se com a fossa cerebral superior ou


occipital superior, sendo a sua porção mais saliente conhecida por pólo
occipital

Faces:

Externa – relaciona-se com a face interna da calote craniana

Interna – plana e disposta verticalmente, encontra-se separada da


mesma face do hemisfério oposto pela foice do cérebro. A foice do cérebro
não chega ao corpo caloso, havendo uma zona em que as faces internas dos
dois hemisférios estão em contacto.

Inferior – muito irregular, encontrando-se na união do seu quarto


anterior com os seus três quartos posteriores, o rego de Silvius, que a divide
em duas porções. O rego apresenta a forma de uma curva de concavidade
posterior, sendo a porção anterior deniminada pré-silvica e posterior de
retro-silvica.

Bordos:

Bordo superior: separa as faces externa e interna e encontra-se de


cada lado da fenda inter-hemisferica, estendendo-se desde o pólo frontal
ate ao pólo occipital, relacionando-se com o seio longitdinal superior e com
o bordo convexo da foice do cérebro.

Bordo externo: ou infero-externo, separa a face externa da facer


inferior, estendendo-se igualmente do pólo frontal ao pólo occipital. É um
bordo regular, que é constituído por uma porção frontal, uma porção
temporal e uma porção occipital.

Bordo interno: ou infero-interno, separa a face interna da face inferior,


adiante e atrás é rectilíneo e relaciona-se com a fenda inter-hemisferica.

Comissuras inter-hemisfericas – os dois hemisférios estão separados na


convexidade do cérebro e nas porções anterior e posterior da base do
cérebro, estando nuidos na porção media e inferior pelas comissuras inter-
hemisfericas- Em cima, pela face superior do tronco do corpo caloso. Em
baixo, ao lado da base, enncontram-se: a extremidade anterior ou joelho do
corpo caloso; o espaço perfurado anterior, crivado de orifícios; o quiasma
óptico e as fitas ópticas; o losango opto-peduncular ou central, entre o
quiasma e a fita óptica e o bordo interior dos pedúnculos cerebrais.

Conformação interior

Corte horizontal de Flechsig – corte que passa pela porção mediana do


diencefalo, mostrando as mais importantes estruturas cinzentas e brancas.
Neste corte pode-se observar:

-ventrículo médio ou III ventrículo, ventrículos laterais – observando que o


corte passa plos cornos frontal e occipital

-A substancia cinzenta dispõe-se com núcleos em volta desta cavidade,


fazendo com uns núcleos parte das paredes da cavidade e outros
relacionando-se nitidamente com ela.

O Talamo óptimo (III ventrículo e o núcleo caudado)


Núcleo lenticular (putame e globo pálido [com a forma de uma
pirâmide] e o claustro ou antemuro, relacionando-se com o lobo da ínsula
que se encontra no fundo do rego de Silvius.

O córtex cerebral (contorna os hemisférios cerebrais ate ao corpo


caloso)

A substancia branca insinua-se entre os diferentes núcleos. A cápsula


interna esta entre o tálamo e o globo pálido, por um lado, e o núcleo
caudado por outro, apresentando o braço posterior e o braço anterior
reunidos pelo joelho. A cápsula externa separa o antemuro do putame. A
cápsula estrema entre o claustro ou antemuro e o córtex da ínsula.

O corpo caloso, o speto pelucido e o trigono cerebral ou fornix,


marcam o fundo da fenda inter-hemisferica.

A fenda de bichat insinua-se entre o tecto do III ventrículo e as


formações inter-hemisferiacas, separando com os seus plexos coroideus, o
ventrículo médio dos ventrículos laterais.

Corte frontal de Charcot

Corte que passa pelo diencefalo ao nível dos corpos mamilares, mostrando
as mais importantes estruturas cinzentas e brancas. A substancia cinzenta
apresenta por baixo do tálamo óptico, vários núcleos que consittuem o
hipotalamo, alem de núcleos que constituem o subtalamo, entre os quais o
corpo de Luys e a zona incerta.

O núcleo caudado, o núcleo lenticular, e o claustro ou antemuro estão


relacionados com o ventrículo lateral.

O córtex cerebral cobre os hemisférios cerebrais.

A bustancia branca apresenta cápsula interna, cápsula externa, cápsula


extrema e também o centro oval de Flechsig.

Anfractuosidades do cérebro – classificam-se em 4 grupos: fendas (1º


ordem), regos (2º ordem), sulcos (3º ordem) e cisuras (4º ordem).

Rego de Silvius – inicia-se na face inferior do hemisfério cerebral, ao nível


do ângulo externo do espaço perfurado anterior. Dirige-se depois para fora,
descrevendo uma curva de concavidade posterior, acabando por contornar
o bordo externo do hemisfério. Depois de alcançar a face externa deste,
dirige-se obliquamente para cima e para trás, terminando nesta face,
constituindo a circunvolução supramarginal ou prega marginal superior.

É muito profundo, encontrando-se no fundo de uma escavação que se


designa por fossa silvica, preenchida pelo lobo da ínsula.
Ao nível da face externa do hemisfério, o rego de Silvius envia para o lobo
frontal dois curtos prolongamentos: o prolongamento anterior ou horizontal
– que se dirige para diante; o prolongamento posterior ou vertical – que se
dirige para cima.

Rego de Rolando – encontra-se situado na face externa do hemisfério


cerebral, separando o lobo fontal do lobo pareital. Começa na face interna
do hemisfério, um pouco atrás do bordo superior. Cruza depois o bordo
hemisférico superior e alcança a face externa, dirigindo-se então
obliquamente para baixo e para diante, terminando um pouco por cima do
rego de Silvius. Durante o seu trajecto descreve 3 curvas: superior convexa
para diante (joelho superior), media convexa para trás (joelho médio)
inferior convexa para diante (joelho inferior).

Rego perpendicular – origina-se no bordo superior do hemisfério cerebral,


estendendo-se para as faces externa e interna do hemisfério. Ao nível da
face externa, dirige-se obliquamente para baixo e para diante, terminando
um pouco por cima do bordo externo do hemisfério. Ao nível da face interna
dirige-se para baixo e para diante, terminando um pouco por cima do
esplenio do corpo caloso, lançando-se no sulco calcarino. O rego
prependicular é muito incompleto na face externa do hemisfério reduzindo-
se por vezes a uma pequena porção perto do bordo superior e outra preto
do bordo externo do hemisfério. Entre estas porções encontram-se as
pregas de passagem de Gratiolet, que unem o lobo occipital aos lobos
parietal e temporal.

Rego Caloso-Marginal ou Subfrontal – encontra-se na face interna do


hemisfério cerebral, tendo a forma de um S itálico, iniciando-se um pouco
por baixo do joelho do corpo caloso. Emite a cisura paracentral ou pré-
ovalar de Broca, que limita adiante o lóbulo paracentral. A cisura supra-
orbitaria de Broca ou rostral de Eberstaller origina-se na porção anterior do
rego caloso-marginal, dirigindo-se depois obliquamente para cima e para
diante, terminando próximo do bordo superior do hemisfério cerebral.

Lobos e circunvoluções

Lobo frontal – tem a forma de uma pirâmide triangular, cujo vértice e


anterior e constitui o pólo frontal do hemisfério cerebral. A face externa,
convexa é limitada atrás pelo rego de Rolando e em baixo pelo rego de
Silvius. A face interna, plana, esta situada por cima do rego caloso-marginal
e adiante do rego de Rolando. A face inferior, concava esta limitada atrás
pelo rego de Silvius. A face inferior do lobo frontal é habitualmente também
denominada lobo orbitario.

Lobo parietal – o lobo parietal tem uma forma de prisma quadrangular. Na


face externa, convexa, esta limitado adiante pelo rego de Rolando, em baixo
pelo rego de Silvius, e atrás pelo rego perpendicular. Na face interna, plana,
encontra-se limitado adiante pelo rego caloso-marginal, atrás pelo rego
perpendicular e em bixo pelo sulco subparietal. O lobo parietal apresenta
dois sulcos que vão condicionar três circunvoluções.

Lobo Occipital – encontra-se situado na porção posterior do hemisfério


cerebral, tendo a forma de uma pirâmide triangular, cujo vértice
corresponde ao pólo occipital. O lobo occipital ocupa as faces externa,
inferior e interna do hemisfério, estando separado dos lobos parietal e
temporal pelo rego perpendicular.

Lobo Temporal – ocupa as porções media e inferior do hemisfério cerebral,


apresentando a forma de um prisma quadrangular, dispondo-se as suas
circunvoluções nas faces externa e inferior do lobo temporal. A face externa
esta limitada em cima e adiante pelo rego de Silvius e atrás pelo rego
perpendicular. A face inferior esta limitada adiante pelo rego de Silvius e
atrás pelo sulco perpendicular.

Lobo Límbico – denomina-se lobo límbico de Broca o conjunto da


circunvolução do hipocampo, da circunvolução do corpo caloso e da
circunvolução subcalosa ou para-olfactiva.

Lobo da ínsula – encontra-se situado no fundo do rego de Silvius, numa


larga escavação que constitui a fossa silvica. Apresenta uma forma
triangular, cuja base confunde-se com o hemisfério cerebral, ao nível dos
lobos frontal e parietal, e cujo vértice constitui o limiar da ínsula, que se
dirige para fora em direcção ao rego de Silvius. As porções dos lobos que
cobrem o lobo da ínsula são chamadas opérculos, encontrando-se um
opérculo frontal, um parietal e um temporal.

DIENCÉFALO

Constituição

Epitálamo

-habenula: formação de superfície triangular, constituída pelo


trigono da habenula, que esta situado entre a porção posterior e interna da
face superior do tálamo óptico e a epifise, encontrando-se no centro, o
gânglio da habenula, sendo este gânglio constituído pelos núcleos
habenulares, interno e externo.

-epifise ou glândula pineal: encontra-se situada por baixo do


esplenio do corpo caloso, entre os dois tubérculos quadrigemios Antero-
superiores, que lhe formam uma goteira, conhecida por leito da epifise. Tem
a forma de um caroço de cereja, sendo constituída pelo vértice corpo e base

Vertice é livre e situa-se por cima dos tubérculos quadrigemios


Antero.superiores.
O corpo é achatado de cima para baixo, repousando a sua face
inferior sobre o leito da epifise. A sua face superior relaciona-se com o
esplenio do corpo caloso. As suas faces laterais relacionam-se com os plexos
coroideus do III ventrículo.

A base esta fixada a parede postero-superior do III ventrículo, sendo


formada por duas laminas, uma superior e outra inferior, delimitando os
fundos de saco epifisarios, o fundo de saco superior e o fundo de saco
inferior.

A lamina superior é a comissura inter-habenular e a lamina


inferior corresponde a comissura branca posterior.

A epifise esta ligada ao cérebro pelos pedúnculos da epifise, dipostos


em 3 pares. Pedunculos anteriores ou habenulas, pedúnculos médios e
pedúnculos inferiores.

-comissura branca posterior: faz saliência na cavidade do III


ventrículo encontrando-se por baixo da epifise e por cima dos tubérculos
quadrigemios Antero-superiores, no ponto de abertuda do aqueduto de
Silvius no III ventrículo. É a lamina da base da epifise e liga entre si os
pulvinares do tálamo óptico.

Talamo óptico

-localização: mais volumoso dos núcleos cinzentos centrais do


cérebro. Tem uma forma ovalar de grande extremidade posterior e
encontra-se separado do tálamo óptico do lado oposto pelo III ventrículo ou
ventrículo médio. Relaciona-se por fora com o núcleo lenticular, constituído
pelo globo pálido e pelo putame e com a cápsula interna. Atras responde
aos tubérculos quadrigemios. Adiante relaciona-se com a cabeça do núcleo
caudado. Por baixo responde ao hipotalamo ao subtalamo e aos pedúnculos
cerebrais.

-constituição: é constituído por quatro faces e por duas


extremidades

-face superior: ligeiramente convexa e praticamente toda livre. É


coberta por uma camada fina de substancia branca, conhecida por estrato
zonal. É limitada externamente pelo sulco opto-estriado e internamente
pelos pedúnculos anteriores da epifise ou habenulas. É atravessada pelo
sulco coroideu e difice em duas porções, a asa externa e interna. A asa
externa é limitada adiante pelo tubérculo anterior que corresponde ao
nuclero anterior. A asa interna com base posterior, que corresponde ao
pulinar.

-face inferior: mais larga atrás do que adiante, é aderente em toda a


sua extensão, estando em relação de frente para trás com o hipotalamo, o
subtalamo, em especial a zona incerta e os pedúnculos cerebrais.
-face externa: aderente em toda a sua extensão a cápsula interna,
particularmente ao seu braço posterior, que a separa do globo pálido.

-face interna: os três quartos anteriores desta face são livres e


constituem a parede lateral do III ventrículo, estando a este nível o tálamo
revestido pela membrana ependimaria,. No quarto posterior da face interna
encontram-se a comissura branca posterior, o tubérculo quadrigemio
Antero-superior e a calote do pedúnculo cerebral.

-extremidade anterior: o tálamo óptimo esta relacionado pela sua


extremidade anterior com o pilar anterior do trigono cerebral ou fornix,
sendo esta formação com a do lado oposto que separam a extremidade
anterior dos dois tálamos. Um pouco para fora relaciona-se com a cabeça do
núcleo caudado

-extremidade posterior: é constituída pelo pulvinar, contornada pelo


pilar posterior do trigono cerebral e pelo plexo coroideu dos ventrículos
laterais. Esta extremidade relaciona-se com o corpo geniculado interno e o
corpo geniculado esterno que consittuem o metatalamo.

Subtalamo

Núcleos:

-Zona incerta: estende-se ao longo da face inferior do tálamo.

-Corpo de Luys ou Núcleo subtalamico: tem a forma de uma lente


grande.

-Núcleos da cápsula interna: são pequenos núcleos em número


variável que estão localizados na porção mais externa da cápsula interna.
Estão situados por baixo do tálamo óptico entre a zona incerta e o globo
pálido. Para alguns autores estes núcleos são grupos nucleares aberrantes
do tálamo óptico.

-Núcleos dos campos de Forel: núcleos vegetativos em numero


variável que se encontram interpostos entre os feixes de substancia branca,
que constituem os campos de forel. Divide-se em campo de forel H1 ou
feixe talamico de forel, que esta situado entre o tálamo óptico e a zona
incerta, e o campo de forel H2 ou feixe lenticular de forel, esta situado entre
a zona incerta e o corpo de luys.

-Núcleo de darkschewitsch: é um pequeno núcleo que se enconra por


baixo do III ventrículo e para dentro do núcleo rubro.

-Núcleo intersticial de Cajal, é um pekeno núcleo que se encontra por


baixo do núcleo de Darkschewitsch e para dentro do núcleo Rubro

-globo Palido: apresenta a forma de uma pirâmide triangular com


vértice inferior e interno, e o putame a forma de um tronco de pirâmide
triangular cuja área de secção truncada olha para dentro e para baixo. O
globo palido apresenta 3 faces, 1 extremidade ou vértice e uma base.

Face inferior: esta relacionada com a substancia branca da


cápsula interna, que separa esta face da cauda do núcleo caudado.

Face Antero-interna: esta separada do tálamo óptico pelo braço


posterior da cápsula interna.

Face postero-interna esta separada do tálamo óptico pelo braço


posterior da cápsula interna

A extremidade ou vértice relaciona-se com o joelho da cápsula


interna ficando situada entre a cabeça do núcleo caudado e a extremidade
anterior do tálamo óptico.

A base esta relacionada com a lamina medular externa que


separa o putame, por intermédio do qual o núcleo lenticular se relaciona
com o claustro ou antemuro, do qual esta separado pela cápsula externa.

O globo pálido está dividido em duas porções pela lâmina medular


interna, que é uma lâmina de substancia branca. A porção mais interna do
globo pálido que é o globo pálido interno e a sua porção mais externa globo
pálido externo (duh).

Hipotalámo

Corpos mamilares: são 2 (direito e esquerdo) encontram-se


situados atrás do tuber cinéreo e adiante do ponto de afastamento dos
pedúnculos cerebrais e do espaço perfurado posterior. Têm a forma de duas
saliências esbranquiçadas e hemisféricas, separadas entre si pelo sulco
intermamilar. Constituído por dois núcleos um interno e um externo.

Hipotalamo propriamente dito: a substancia cinzenta dispõe-se


em grupos de núcleos formados por grandes células que se
distribuem em duas zonas em volta do III ventrículo. Estas zonas são,
indo da profundidade para a superfície a interna e a externa.

Zona periventricular: zona delgada que se relaciona com a face


interna do tálamo óptico.

Zona interna: constitui praticamente a totalidade do


hipotalamo, encontrando-se os núcleos dispostos em três
regiões: supraquiasmaticos, infundibular e paramamilar.

Zona externa: constituída por numerosas células que


normalmente se agrupam para consittuir o núcleo latero-
mamilar que se encontra próximo do tuber cinéreo.

Telencefalo (constituição)
Núcleos cinzentos centrais

-Estriado ou neo-estriado

.Núcleo caudado: tem a forma de uma vírgula em que a


grossa extremidade é anterior. Encontra-se enrolado a volta do
putame e do globo pálido e ainda em volta do ventrículo
lateral. Constituído por duas extemidades, a cabeça (Caput) e a
cauda, reunidas por uma porção intermedia (Corpus). Face
superior, convexa faz parte do pavimento do corno frontal do
ventrículo lateral. A face inferior relaciona-se com a cápsula
interna. O bordo externo côncavo para fora limita
externamente o pavimento do corno frontal do ventrículo
lateral, relacionando-se ainda com o centro oval. O bordo
interno, convexo relaciona-se com o tálamo óptico de que esta
separado pelo sulco opto-estriado, onde se encontra a veia
opto-estriada e a ténia semicircular. Extremidade anterior ou
cabeça, arredondada, repousa no espaço perfurado anterior,
sendo contronada pelo joelho do corpo caloso. Extremidade
posterior ou cauda faz parte da abobada do corno temporal od
ventrículo lateral, estando relacionada com o tapete, por forma
e com a ténia smicircular por dentro e a sua parte superior
encontra-se separada do putame pelo segmento sublenticular
da cápsula interna.

.Putame: encontra-se separado do globo pálido por


intermédio da lâmina medular externa. Tem a forma de um
tronco de pirâmide triangular. A face inferioresta relacionada
com o segmento sublenticular da cápsula interna que separa
esta face da cauda do núcleo caudado. A face Antero-interna
esta separada da cabeça do núcleo caudado pelo braço
anterior da cápsula interna. A face postero-interna esta
separada do tálamo óptico através do braço posterior da
cápsula interna. A face externa ou base esta relacionada com a
cápsula externa que a separa do claustro ou antemuro. A base
truncada esta relacionada com a lamina medular externa que
separa do globo pálido.

-Corpo Amigdalino: esta dividido em dois grupos nucleares:


cortiço-interno e baso-externo. O cortiço interno é constituído pelo
núcleo cortical e pelo núcleo central. O grupo baso-externo é
constituído pelo núcleo basal e pelo núcleo externo.

Cortex Cerebral (sistematização)

Paleocortex: (constituído pelo bulbo olfactivo, fita olfactiva,


estrias olfactivas, espaço perfurado anterior, área piriforme ou
entorrinal, claustro ou antemuro).
Estria olfactiva interna: via de sensibilidade olfactiva.
Chega a área septal, que corresponde a parede interna do
telencefalo primitivo.

Estria olfactiva externa: termina na área piriforme ou


entorrinal e ainda no núcleo amigdalino.

Comissura branca anterior: reúne as regiões do paleo-


cortex de anbox os lados: fibras k unem os dois bulbos
olfactivos, fibras k ligam 2 espaços perfurados
anteriores, k unem 2 corpos amigdalinos, fibras que
estabelecem a ligação entre as 2 estrias terminais, fitas
semicirculares ou ténias semicirculares.

Arquicortex: (constituído pelo Hipocampo, corpo franjado ou


fímbria, corpo tugado ou circunvolução, fasciola cinérea, nervos de
lancisi, fita diagonal de broca, fita de giacomini)

Isocortex: dividido em áreas de motricidade voluntaria, de


motricidade autmatica, somato-sensitivas, visuais, auditivas .

Cerebelo

Localização: encontra-se no andar posterior da base do crânio,


nas fossas cerebelosas ou occipitais inferiores do ccipital. Esta situado
atrás da protuberância anular e dos tubérculos quadrigemeos, por
cima do bulbo raquidiano e por baixo do cérebro.

Dimensoes e peso: diâmetro transversal 10cm, diâmetro


vertical 5cm, diâmetro Antero-posterior 6cm. Pesa cerca de
140g

Descrição:

Face superior: coberta pela tenda do cerebelo que a


separa do cérebro. É convexa em todos os sentidos,
apresentando na sua linha mediana uma saliência longitudinal,
o verme do cerebelo, representado nesta face pela sua porção
superior conhecida por eminência vermicular superior, que se
estende desde a chanfradura posterior ate aos tubérculos
quadrigemeos.

Face inferior: convexa, relacionando-se com as fossas


cerebelosas do occipital, apresentando na sua linha mediana
um sulco muito profundo com disposição Antero-posterior, a
grande cisura mediana do cerebelo ou valecula cereberosa de
Reil. No fundo desta cisura encontra-se o verme do cerebelo,
representado nesta face pela sua porção inferior, conhecida por
eminancia vermicular inferior.
Bordo circunferencial: limita as duas faces do cerebelo.
Este bordo apresenta na linha mediana duas chanfraduras e
lateralmente na sua porção mais externa o ângulo lateral do
cerebelo. A chanfradura anterior ou incisura semilunar
corresponde a face postero-superior da protuberância anular. O
bordo externo desta chanfradura esta relacionado com a face
postero-superior do rochedo, numa zona conhecida por
triangulo de Eagleton, limitado em cima pelo bordo superior do
rochedo, em baixo pela goteira do seio lateral e por fora pelo
bordo externo do orifício do canal auditivo interno. A
chanfradura posterior ou incisura marsupial é muito profunda
correspondendo a foice do cerebelo e a crista occipital interior.

Classificação e divisão:

Clássica: o cerebelo e constituído por uma porção


mediana, o verme do cerebelo e por duas porções laterais, os
dois hemisférios cerebelosos. Na superfície exterior existem
sulcos, 1º ordem (limitam os lóbulos), 2º ordem (laminas), 3º
ordem (lamelas).

Anatomo-funcional: o cerebelo é dividido em três lobos: o


lobo floculo-nodular, o lobo anterior e o lobo posterior.

Constituição:

Substancia cinzenta:

Cortex Cerebeloso: constituído por três camadas, a


externa ou molecular, a media formada por células de
Purkinje, e a interna ou granulsa.

Núcleos Centrais do Cerebelo: 4 de cada lado,


estando 2 situados ao nível do verme e dois ao nível dos
hemisférios cerebelosos. Núcleos do verme: o núcleo do
tecto ou fastigial, o núcleo globoso. Núcleo dos
hemisférios cerebelosos: núcleo emboliforme ou embolo,
núcleo dentado.

Substancia Branca: constituída pelo centro medular do


cerebelo, sendo formada por todos os axonios das células de
Purkinje, que unem o córtex aos núcleos centrais e ainda por
todas as fibras que saem dos núcleos centrais para fora do
orgao, através dos pedúnculos cerebelosos.

SISTEMA NERVOSO PERIFERICO


NERVOS CRANIANOS (12 pares)

MOTORES:

-III Motor ocular comum: inerva todos os músculos extrínsecos


do olho, a excepção dos músculos recto externo e grande obliquo do olho.

-IV Patetico: inerva o musculo grande obliquo do olho

-VI Motor ocular externo: inerva o musculo recto externo do


olho.

-XI Espinhal ou Acessorio: destina-se aos músculos


esternocleidomastoideu e trapézio, por intermédio de um dos ramos,
enquanto que o outro une-se ao nervo pneumogastrico.

-XII Grande Hipoglosso: nervo que vai invervar os músculos da


região infra-hioideia, o musculo génio-hioideu e todos os músculos da
língua.

MISTOS:

-V Trigemio: nervo constituído por duas raízes, uma sensitiva e


outra motora. Inerva os músculos mastigadores e fornece a sensibilidade da
face, orbita, fossas nasais e cavidade bucal. Divide-se em 3: Nervo oftálmico
de willis, Maxilar superior e Maxilar inferior.

.Nervo oftálmico de willis: o mais interno dos três ramos


do trigémio, destacando-se da porção mais interna do bordo convexo do
gânglio de Gasser. Introduz-se na parede externa do seio cavernoso,
atravessando a fenda esfenoidal ate a cavidade orbitaria

.Nervo Maxilar Superior: nasce do bordo convexo do


gânglio de Gasser, entre o nervo oftálmico de willis e o nervo maxilar
inferior. Sai do crânio pelo buraco grande redondo, atravessando depois o
fundo da fossa pterigo-maxilar, a goteira infra-orbitaria e o canal infra-
orbitario. Depois de alcançar o buraco infra-orbitario, origina vários ramos
terminais.

.Nervo Maxilar Inferior: origina-se no bordo convexo do


gânglio de Gasser, por fora do nervo maxilar superior. É constituído por uma
raiz sensitiva que vem do gânglio de Gasser e por uma raiz motora, que não
é mais do que a raiz motora do trigemeo. Ambas as raízes dirigem-se para
fora ate alcançar o buraco oval, reunindo-se para originar o nervo maxilar
inferior, que da origem a ramos colaterais e terminais.

-VII Facial – inerva todos os músculos subcutâneos da cabeça e


do pescoço, os músculos dos ossinhos do ouvido e alguns dos músculos do
véu do paladar. Por intermédio de um dos seus ramos, a corda do tímpano,
faz a secreção salivar das glândulas submaxilar e sublingual. É formado por
uma raiz motora que constitui o nervo facial propriamente dito e uma raiz
sensitiva que constitui o nervo intermediário de Wrisberg.

-X Pneumogastrico: é o mais longo dos nervos cranianos,


inervando orgaos do pescoço, tórax e do abdómen.

SENSORIAIS

-I Olfactivo: é o nervo do olfacto, sendo constituído por quatro


pares: as raízes olfactivas, a fita olfactiva, o bulbo olfactivo, e os nervos
olfactivos propriamente ditos. Os nervos olfactivos propriamente ditos
originam-se na mucosa da porção superior das fossas nasais e terminam no
bulbo olfactivo. O bulbo olfactivo, a fica olfactiva e as raízes olfactivas são
formações olfactivas centrais.

-II Optico: é o nervo da visão, inicia-se na retina, atravessa a


coroideia e a esclerótica, passando então a constituir um volumoso nervo
que termina nas vias ópticas.

-VIII Estatico-acustico: é o único nervo craniano que não tem


trajecto extracraniano. É constituído pelo nervo coclear, que recolhe as
sensações auditivas e pelo nervo vestibular, que recolhe mensagens que
conduzem a manutenção do equilíbrio.