You are on page 1of 2

Matrículas: a gota d’água da burocracia universitária

O mês de junho foi turbulento no Brasil inteiro e não haveria de ser diferente dentro de nossa faculdade. Em meio às mobilizações recentes, sofremos com arbitrariedade e descaso com as e os estudantes. Na contramão do momento atual, em que as pessoas tomam as ruas por maior participação política, o diretor de nossa faculdade fechou os portões da SF reiteradamente. Durante as semanas de provas, os estudantes foram avisados dos fechamentos com antecedência de minutos, sendo obrigados a sair do prédio, ainda que com provas marcadas e eventos agendados. Vale dizer que, em uma das ocasiões em que a faculdade foi fechada, os alunos foram expulsos, mas um evento no mesmo dia e horário para celebrar a posse do Ministério Público não foi interrompido, tendo o governador do Estado dentre os convidados. Enquanto os membros do MP e do Governo do Estado de São Paulo entravam na faculdade, estudantes que tinham se preparado para as provas, além dos que assistiam a um evento do Canto Geral eram expulsos do prédio sob o argumento de que o edifício seria fechado para preservação do patrimônio físico e histórico. As arbitrariedades das portarias da Diretoria fizeram com que essas medidas disparatadas atrasassem as férias e a graduação das e dos estudantes. Já estamos em Agosto, e diversos estudantes ainda não passaram em matérias do semestre passado, graças aos desmandos do atual diretor, que até então era considerado bem aberto ao diálogo. A facilidade com que os alunos são impedidos de realizar as provas finais, a expulsão dos estudantes do prédio da faculdade e uma portaria que impede a afixação de cartazes nas paredes da faculdade são exemplos de como a estrutura do poder na FDUSP é vertical, e os alunos não conseguem interferir na própria faculdade que estudam. Exemplo cabal dessa verticalidade é como nossa grade atual foi aprovada: de forma autocrática pelo então diretor Rodas, em 2006, sem qualquer espécie de consulta ou participação das outras partes da comunidade franciscana. As arbitrariedades também se viram presentes no recente período de matrículas das e dos estudantes. Não foi possível garantir vaga em optativas na FDUSP por conta de matérias pré-requisito - os professores não lançaram as notas das matérias necessárias como aprovadas para que se curse outras matérias da mesma área. Além disso, alunos foram matriculados em pouquíssimas matérias, ou em nenhuma, não sendo possível se matricular no contraturno, e muitos estudantes foram excluídos de matérias que já tinham conseguido se matricular pelo JupiterWeb. Se de um lado a Faculdade exige o cumprimento de 240 créditos para a e o discente obter seu diploma, por outro oferece escasso número de vagas nas matérias, uma vez que o número reduzido de créditos livres que podem ser cursados ao longo dos 5 anos de graduação obriga que as alunas e os alunos cumpram quase toda a sua graduação apenas em salas de aulas, dificultando o interesse por outros ramos da Universidade. Qualquer Universidade deveria se apoiar em 3 pilares: Ensino, Pesquisa, e Extensão – o que é passado aos alunos em sala de aula, o conhecimento novo que é gerado pelas pessoas que a frequentam, e a interação entre a Universidade e a comunidade. Ao observar a distribuição de créditos atribuídos a cada um dos pilares, fica claro o desequilíbrio. O Ensino toma 95%, e os outros 5% dividem-se entre Pesquisa e Extensão Assim sendo, estudos desenvolvidos pelos alunos acerca de Direitos Humanos, Diversidade Sexual, Direito e Pobreza, assessorias como o SAJU e o NDC, ou entidades como o DJ, dentre outros ramos da pesquisa e da extensão, não somam mais do que 5% da formação de um aluno da FDUSP O desenvolvimento de uma sociedade melhor por meio da Universidade ficará prejudicado enquanto suas fundações impedirem um amplo diálogo. Devemos nos organizar para que as matrículas sejam regularizadas e que tenhamos maior transparência e participação nos órgãos da Faculdade. A expansão do número de vagas nas aulas a consolidação das matrículas devem representar, para além de uma reivindicação, a possibilidade de formação de uma Universidade verdadeiramente pública e democrática.

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SEÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO
Rua Riachuelo, nº 185 – 2º andar intermediário – telefones: (11) 3111-4046, 4095 e 4113 (fone/fax) Correspondência: Largo São Francisco, nº 95 – CEP 01005-010 – Centro – SP - Brasil

PEDIDO DE MATRÍCULA

À Comissão de Graduação,

Estudante de Direito da USP, matriculado no período que sobrou vagas, venho requerer as minhas matriculas nas
Eu , disciplinas abaixo:

ano, no

EXCLUIR AS DISCIPLINAS ABAIXO Nome da disciplina Código da disciplina Turma

Engenharia de Grade Matérias Optatórias Bilhete de loteria Retificação Aprovada

GDE0256 OPT0115 BIL0035

XI XI XI

INCLUIR AS DISCIPLINAS ABAIXO Nome da disciplina Código da disciplina Turma

Autonomia na Escolha de Aulas e do Curso Maior transparência da Administração Participação Estudantil nas Decisões I Desburocratização das Matrículas

CON0256

XI

TRA0213 T0M0115 MAT0115

XI XI XI

Telefone(s) p/ contato: Assinatura: _______________________________________________________________ São Paulo, 11 de Agosto de 1827.