You are on page 1of 2

Universidade Estadual do Ceará – UECE

PRO-REITORIA PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA - PROPGPq

Coordenação de Ensino Lato Sensu

CURSO: Especialização em Ensino de Língua Portuguesa DISCIPLINA: Metodologia e Didática do Ensino Superior PROFESSORAS: Maria de Jesus Oliveira – MS e Maria Marina Dias Cavalcante - Dra EQUIPE: Aristene, Benigna, Brilhante, Gilnete, Luana e Silvia ANÁLISE DA PRÁTICA DE PLANEJAMENTO REALIZADA NO FILME “COMO ESTRELAS NA TERRA – TODA CRIANÇA É ESPECIAL”, DE AAMIR KHAN, À LUZ DOS ESTUDOS REALIZADOS NA DISCIPLINA METODOLOGIA E DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR 1. SINOPSE DO FILME O filme apresenta um assunto muito delicado e importante, a dislexia. Nele é retratada a história de um menino indiano, Ishaan Awasthi, que tem entre 8 e 9 anos de idade e havia repetido o ano duas vezes. Ishaan tem muita dificuldade na escola, pois não consegue acompanhar seus colegas de classe nos estudos, com isto ele é taxado de burro, preguiçoso, indisciplinado etc. Até seu pai o julga desta maneira. Certa vez seus pais são chamados para uma reunião na escola e seus professores fazem absurdos comentários sobre ele e sérias reclamações. Assim seu pai decide mandá-lo para um colégio interno. No internato, sofre mais ainda com os pré-julgamentos de seus professores e colegas a seu respeito. Longe da família, ele se isola ainda mais, perdendo totalmente a vontade de aprender e viver, refugiando-se num mundo de muita tristeza. Sua sorte começa a mudar quando um professor substituto de artes, Ram, chega à escola. Não demora para que ele (o professor) perceba o que está acontecendo com Ishaan, pois, no passado, também sofreu com o mesmo problema. Prontamente se dedica a ajudá-lo e, pouco a pouco, Ishaan aprende e recupera sua alegria e vontade de viver. O menino consegue superar grande parte das suas dificuldades, aprende a ler e a escrever e volta a pintar. Porém, mais do que aprender a ler e a escrever, Ishaan aprende a sentir prazer em realizar atividades que antes o deixavam entediado, adquire autonomia para realizar atividades simples, como amarrar os sapatos, e aprende a viver com maior felicidade, ciente de que suas dificuldades não o tornam menor nem pior que os demais, apenas diferente. 2. PLANEJAMENTO Planejar é uma atividade processual e dinâmica que contribui para mediar, pensar, refletir e agir. Projeta, organiza, contextualiza e sistematiza a prática educativa, interligando teoria e prática. É uma atividade viva, contínua, estando permanentemente marcada pela avaliação e reflexão, de modo a revisar o que fazemos e o que precisamos fazer para atingir os objetivos propostos. Por tudo isso, é um ato decisório, portanto, político, pois exige escolhas teóricas e metodológicas (FARIAS, 2008). Considerando que planejamento, conforme Vasconcelos (1989) “ é tentar intervir no vir-a-ser” e que, para isso acontecer, “é preciso conhecer o campo que se quer intervir, sua estrutura e seu funcionamento”, podemos dizer que no filme “Toda criança é especial” Ishaan Awasthi é vítima, à princípio, do planejamento motivado pela perspectiva tradicional, cujo objetivo estava contido nas tarefas. Até que surge outro personagem na história, que é o novo professor de Artes, chamado Ram. Ele tem um papel muito importante, pois é a partir dele que as coisas começam a tomar um rumo diferente. Nas aulas, ele dá liberdade para as crianças usarem a imaginação em seus desenhos e não apenas reproduzirem um objeto. Ram adota o planejamento participativo, uma vez que

o executar. Nessa superação. partindo da diversidade para chegar à unidade. transforma o educando. Identificada a dislexia. assim como o professor. na qual consegue mostrar as habilidades de Ishan para todos. enfim. criativo etc. quanto para o mal. seja ele emancipador ou castrativo. REELABORAÇÃO DA PRÁTICA SOCIAL/ TRANSFORMAÇÃO DO EDUCANDO Há. O diagnóstico pode ser muito benéfico quando utilizado da forma correta. fica claro que todo processo de ensino-aprendizagem. Para isto. Pediu ao diretor que permitisse que ele trabalhasse com Ishaan a fim de superar suas dificuldades na leitura e na escrita. mas apenas decodificar regras e memorizálas. o avaliar e o (re)planejar. fechada nela mesma. ENSINAR/APRENDER/AVALIAR No filme. uma forte crítica ao processo pedagógico descontextualizado. Ram empenhou-se em desenvolver estratégias para aproximar o aluno da aprendizagem. dos dedos. 3. com o objetivo de fazer com que as pessoas sejam compreensivas e lidem melhor com a situação. de pincéis com tintas. é possível notar que a criança volta a sorrir. 4. no filme. e começa a buscar informações sobre a história do menino. ágil. ou melhor. a avaliação acontece diariamente. dotado de várias competências. mostra o que pode ser feito e como isso pode acontecer. que não percebe o aluno como sujeito individual. da massinha. ao respeito pelo outro. sendo algumas impossíveis de serem cicatrizadas. reflexão. mais do que aprender a ler e a escrever. isso não acontece completamente. o aluno. MOMENTOS PARTICIPATIVA DO PLANEJAMENTO DE ENSINO NUMA PERSPECTIVA O planejamento comporta o diagnosticar. o filme reelabora essa prática social. Ao mostrar o outro lado desse processo. ao conviver com todas as imposições arbitrárias e incoerentes da escola. É importante ressaltar que. mas apenas como máquina de um sistema que reproduz comportamentos ditos corretos. trabalhou com atividades concretas para posteriormente utilizar o caderno. aos “mundos” em que professores e alunos se constroem e se reconhecem como sujeitos. o processo de recuperação. Ishaan adquiriu autonomia para realizar atividades simples. ensinagem. inflexível e punitivo. corpo docente e demais funcionários do colégio a fim de reintegrar a criança e. também. executando com êxito as atividades planejadas O menino conseguiu superar grande parte das suas dificuldades. mais do que isso. No filme. devolver-lhe a capacidade de sonhar e acreditar nele mesmo. tanto para o bem. às suas diferenças. depois. é sujeito do processo e responsável pelo processo de ensino-aprendizagem. Ao perceber o comportamento apático de Ishan nas aulas. depois de ter identificado o problema do aluno. No início. o professor se dá conta de que ali há algum conflito. mas que nela estão todas as marcas do que passou. para (re)planejar. o professor utilizou a escrita do alfabeto por meio da areia. fica evidente a importância do diagnóstico no planejamento. transforma-se completamente. Porém. Quanto ao educando. depois de todas as tentativas do professor de recuperar a alegria do aluno. a primeira. Depois de reintegrar o aluno ao convívio social. o professor envolve familiares. entra o momento do avaliar. combinando experiência. o aluno é feliz. antes de impossíveis. Nesse momento. na segunda. aposta numa prática intencionada. o professor consegue envolver toda a comunidade escolar numa atividade de pintura. curioso. preocupa-se unicamente com a transmissão de informações a um aluno que não deve interagir em sala de aula. aprendeu a ler e escrever e voltou a pintar. é possível identificarmos duas modalidades de práticas docentes. Nessa última modalidade de ensino. 5. . assim como.