You are on page 1of 13

Leased Line

A leased line (ou linha alugada) é um contrato de serviço entre um fornecedor e um cliente, em que o fornecedor se compromete a entregar uma linha de telecomunicações simétrica conectando dois ou mais locais em troca de um aluguel normalmente mensal, daí o termo de locação.

    

Na Europa, distinguem-se cinco tipos de linhas, de acordo com o seu débito:* E0 (64Kbps), E1 = 32 linhas E0 (2Mbps), E2 = 128 linhas E0 (8Mbps), E3 = 16 linhas E1 (34Mbps), E4 = 64 linhas E1 (140Mbps)

  

Nos Estados Unidos, a notação é a seguinte:* T1 (1.544 Mbps) T2 = 4 linhas T1 (6 Mbps), T3 = 28 linhas T1 (45 Mbps).,

*Kioskea Postado por Anderson Weige Dias às 17:55 Nenhum comentário: Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no Orkut Marcadores: Banda Larga

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Processo de criação da fibra óptica
Dentre os diferentes métodos de fabricação de fibra óptica existentes, os mais conhecidos são MVCD, VAD E OVD. Abaixo temos uma breve explicação sobre cada um deles: 1)MVCD Na Química, MCVD (do inglês, Modificated Chemical Vapour Deposition) inclui as fases de introdução de um córrego que se deslocam de uma mistura de vapor, incluindo pelo menos um precursor de formação de compostos de vidro, juntamente com um oxidante médio em um tubo, gerando ao mesmo tempo uma hidrogénio livre de plasma isotérmico sobre uma superfície exterior do tubo de reagir a produzirem um hialino, mistura e depositar em uma superfície interior do tubo. O método utiliza uma tocha de plasma ou um forno de rádio freqüência (Wikipedia). 2)VAD O processo VAD é atualmente considerado o processo mais avançado de deposição de preforma para fibras ópticas, e especialmente para fibras monomodo, que operam no comprimento de onda = 1.35 e 1.55 . Este processo é constituído por 3 etapas: i) deposição do “soot” (preforma porosa), ii) desidratação ou “dehydration” para a redução ou eliminação do OH, iii) consolidação em forno elétrico para o fechamento e colapsamento dos poros formando a preforma transparente. Porém, para esta preforma transparente chegar ao produto final, a fibra óptica, os processos subsequentes são: o enjaquetamento e o puxamento da fibra (Ogata, Daniela Yuri, http://www..fem.unicamp.br/~liqcqits/personnel/suzuki/IM325/daniela.doc). 3)OVD Na técnica conhecida como deposição externa de vapor OVD (Outside Vapor Deposition) a nuvem química que forma as partículas de video é depositada sobre uma haste e não no

ou podem usar impressoras da rede. As velocidades de rotação da haste e de translação em relação ao aplicador devem ser casadas para ter o crescimento uniforme das películas formadas pela deposição das partículas. Depois. obtidos através de uma chama de oxigênio e hidrogênio. A mudança no índice de refração é conseguida acrescentando dopantes formados por oxido metálicos. 31 de dezembro de 2011 Interligação DSLAM ATM e ETH . Em redes AD-HOC também podemos instalar impressoras compartilhadas. Abaixo temos um vídeo no qual demostra o processo de criação da fibra óptica: Postado por Anderson Weige Dias às 13:19 Nenhum comentário: Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no Orkut Marcadores: Banda Larga quarta-feira. Postado por Anderson Weige Dias às 17:34 Nenhum comentário: Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no Orkut Marcadores: Banda Larga sábado. A experiência demonstrou que se trata de um processo capaz de garantir materiais extremamente puros para a formação da casca e do núcleo da fibra. o tubo assim formado é submetido a uma temperatura mais alta para amolecê-lo. A matéria-prima básica é um liquido com elevada concentração de silico.interior de um tubo de silica. Basta utilizar um wireless print server. e é portanto um dispositivo wireless. Possui conexões USB ou paralela para a ligação de impressoras de rede. Possui uma antena. o pentoxido de fósforo (P2O5) e o dióxido de titânio (TiO2) O método consiste na formação de uma nuvem de partículas ou fuligem como os reagentes que formam o vidro. caso exista um access point. tais como o dióxido de germânio (GeO2). formando camadas sobre camadas. 30 de maio de 2012 Wireless Print Server Computadores que utilizam placas de rede wireless podem ter suas próprias impressoras. Obtémse um bastão sólido que constitui a preforma (Wikipedia). As minúsculas partículas assim constituídas vão sendo depositadas uniformemente ao longo do comprimento de uma haste. de maneira que a tensão superficial o faz entrar em colapso e fechar-se completamente. o tetra cloreto de germânio (GeCl4).

entre outros: nome e senha do usuário. Nele. Na parte esquerda da imagem. temos outro conversor que é ligado a um switch e posteriormente a rede Internet. No desenho ao lado direito. Neste caso é instalada no SDH uma placa ethernet com varias portas a fim de transportar o trafego de dados. Tecnicamente a autenticação é a etapa conclusiva do processo de recepção do sinal do cliente. validação final da conexão. No terceiro caso o DSLAM esta no mesmo local da rede IP central e se interliga diretamente a esta via cabo LAN. *Radius: RADIUS (Remote Authentication Dial In User Service) é um protocolo AAA para .Clique na imagem para ampliar: A rede de transporte para interligar DSLAM com tecnologia ethernet está exemplificada no desenho acima. direitos de acesso e navegação. Com a autenticação o provedor de serviço ADSL tem maior controle sobre o cliente com a autenticação. Postado por Jadel às 15:40 Nenhum comentário: Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no Orkut Marcadores: Banda Larga segunda-feira. A sua correta homologação dentro do ambiente da rede é realizado pelo servidor de autenticação (radius*). são verificados. 28 de novembro de 2011 Autenticação ADSL A autenticação ADSL é feita quando o cliente coloca o usuário e senha (fornecidas pelo provedor) nas configurações de seu ADSL. Para ilustrar segue modelo de conversor DATACOM: Na ponta remota. pois fica mais fácil identificar o usuário e monitorar/controlar suas ações. o DSLAM é interligado via rede SDH. Um conversor de porta ethernet para links E1 de 2M é utilizado no circuito. contas disponibilizadas. o DSLAM utiliza como meio de transporte de dados uma rede SDH ou via rádio.

uma estação que deseja se associar a um Access Point. Cada ciclo demora um determinado tempo para ocorrer. O protocolo RADIUS é um serviço baseado em UDP de pergunta e resposta. inteiro (numero). Numa rede que usa RADIUS. e os tipos comuns são: string. A variável não possui um nome e sim um número. chamado de período T. Os computadores manipulam informações em bits que correspondem a dois níveis discretos de tensão ou corrente. há funções distintas para os equipamentos: Cliente: é o host que deseja usufruir de um recurso da rede. As informações geradas por fontes sonoras apresentam variações contínuas de amplitude (informação analógica) Sinal Elétrico Analógico A onda senoidal possui um padrão que se repete (esse padrão é chamdo de ciclo). ______________________________ Definição de Radius retirada de Wikipédia Postado por Anderson Weige Dias às 09:32 Nenhum comentário: Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no Orkut Marcadores: Banda Larga quinta-feira. representando valores lógicos 0 ou 1 (informação digital). Servidor RADIUS: é o host que validará o pedido do NAS. O RADIUS tem uma porta para autenticação (UDP 1645 ou UDP 1812) e outra para contabilidade (UDP 1646 ou UDP 1813). A relação entre este número e seu nome é obtida através de dicionários. O número de vezes que o ciclo se repete por segundo é chamado de frequência. como por exemplo.aplicações para acesso à rede de computadores e mobilidade através de rede IP. 10 de novembro de 2011 Sinal Analógico x Digital Esses termos (analógico e digital) são frequentemente utilizadas para qualificar tanto a natureza quanto as características dos sinais elétricos utilizados p/ transmissão através dos meios físicos. As requisições e respostas seguem uma padrão de tabelas (variável=valor). Eles correspondem a variação de corrente contínua e discreta respectivamente. Exemplo de dicionário padrão: ATTRIBUTE User-Name 1 string ATTRIBUTE Password 2 string ATTRIBUTE CHAP-Password 3 string ATTRIBUTE NAS-IP-Address 4 ipaddr ATTRIBUTE NAS-Port-Id 5 integer ATTRIBUTE Service-Type 6 integer ATTRIBUTE Framed-Protocol 7 integer ATTRIBUTE Framed-IP-Address 8 ipaddr ATTRIBUTE Framed-IP-Netmask 9 ipaddr O valor tem um tipo definido no dicionário. octeto ou ipaddr (endereço IP: 4 bytes) e tipo estendido (usado para transportar parâmetros personalizados de fabricantes de equipamentos). A resposta do pedido de autenticação pode ser positiva (Access-Accept) acompanhada da tabela de parâmetros de resposta ou negativa (Access-Reject) sem nenhum parâmetro. NAS (Network Autentication Server): é o host que recebe uma solicitação do cliente (o Access Point por exemplo) e autentica esse pedido no servidor RADIUS. medida em .

. ou redes TCP/IP . porém em muitos casos não ficam nas companhias. o sinal digital binário só assume dois valores: 0 ou 1. em calçadas. Este é um DSLAM Alcatel outdoor: Aqui está um DSLAM outdoor: . situado geralmente na central da companhia telefônica (Oi.ciclos por segundo). GVT. frame-relay . Postado por Anderson Weige Dias às 08:13 Nenhum comentário: Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no Orkut Marcadores: Banda Larga quarta-feira. saltando de um valor para o outro instantaneamente no formato de uma onda quadrada na qual permite a codificação de letras e números de forma mais prática do que o sinal analógico. Sinal Elétrico Digital Diferente do sinal analógico que pode assumir todos os valores entre sua amplitude. 9 de novembro de 2011 Digital Subscriber Line Access Multiplexer .Hertz (Hz . etc.). A amplitude da onda é a altura da onda medida em Volts no caso de ondas elétricas.DSLAM O Multiplexador de Acesso Digital de Linha de Assinante ( DSLAM) é um dispositivo de rede. mas por exemplo. os multiplexadores DSLAM conectam linhas do DSL com combinações de Asynchronous Transfer Mode (ATM). Dependendo do produto. O DSLAM recebe sinais de múltiplas conexões de Linha Digital de Assinante (DSL) e coloca os sinais sobre uma linha de alta velocidade ( backbone ) usando técnicas de multiplexação. O DSLAM permite a uma companhia telefônica oferecer acesso a usuários corporativos ou pessoais sobre tecnologia de acesso de alta velocidade (DSL) conectados a backbones de alta velocidade ( tecnologia ATM) .

O silício é cinza escuro e obstrui a passagem da luz. Um núcleo de vidro muito fino. Embora a sílica seja um material abundante. composto por um átomo de silício e dois de oxigênio. 19 de novembro de 2010 Fibra Óptica Os cabos de fibra óptica utilizam o fenômeno da refração interna total para transmitir feixes de luz a longas distâncias. que são produzidos a partir do silício. O núcleo e o cladding são os dois componentes funcionais da fibra óptica. chamada de cladding. Eles formam um conjunto muito fino (com cerca de 125 microns. enquanto a sílica é transparente. os cabos de fibra óptica são caros devido ao complicado processo de fabricação. assim como no caso dos processadores. feito de sílica com alto grau de pureza é envolvido por uma camada (também de sílica) com índice de refração mais baixo. pouco mais de um décimo de um . o que faz com que a luz transmitida pelo núcleo de fibra seja refletida pelas paredes internas do cabo. apesar de ser transparente. A diferença entre sílica e silício é que o silício é o elemento Si puro. ou seja. com um índice de perda muito pequeno. Com isso.Imagens: Portal ADSL Postado por Anderson Weige Dias às 10:01 Nenhum comentário: Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no Orkut Marcadores: Banda Larga sexta-feira. a fibra é capaz de conduzir a luz por longas distâncias. enquanto a sílica é composta por dióxido de silício.

mas cabos destinados a links de longa distância e ao uso na área de telecomunicações contêm vários fios. que compartilham as fibras de kevlar e a cobertura externa: . ou buffer. chamada de jacket. que é recoberto por uma camada mais espessa de um material protetor. que sela o cabo: Cabos destinados a redes locais tipicamente contêm um único fio de fibra.milímetro) e frágil. que tem a finalidade de fortalecer o cabo e atenuar impactos chamado de coating. ou jaqueta. O cabo resultante é então protegido por uma malha de fibras protetoras. composta de fibras de kevlar (que têm a função de evitar que o cabo seja danificado ou partido quando puxado) e por uma nova cobertura plástica.

que amplifica o sinal recebido e o transforma novamente nos sinais elétricos que são processados. eram utilizados LEDs nos transmissores. O transmissor utiliza uma fonte de luz. tenha em mente que são justamente padrões de transmissão adaptados para uso de fibras antigas ou de mais baixa qualidade. As fibras monomodo possuem um núcleo muito mais fino. como repetidores. a velocidade de transmissão exigida pelos novos padrões de rede. tipicamente com 62. Como a capacidade de transmissão de cada fio de fibra é bem maior que a de cada fio de cobre e eles precisam de um volume muito menor de circuitos de apoio. já que os circuitos eletrônicos utilizam eletricidade e não luz. Do outro lado. é usado um receptor ótico. Quando ouvir falar em padrões "para fibras escuras".Como os fios de fibra são muito finos. de 8 a 10 mícrons de diâmetro. já que transmitem luz e não sinais elétricos. mas com o lançamento dos padrões de 10 gigabits a utilização vem crescendo.5 microns: . combinada com uma lente. é normal que seja usado um volume de cabos muito maior que o necessário. que estão disponíveis como sobras de instalações anteriores. o que permite que sejam usados mesmo em ambientes onde o uso de fios de cobre é problemático. Os cabos adicionais são chamados de fibra escura (dark fiber). Como criar links de longa distância cavando valas ou usando cabos submarinos é muito caro. é utilizado um transmissor óptico. que converte o sinal elétrico no sinal luminoso enviado através da fibra e um receptor. Existem padrões de fibra óptica para uso em redes Ethernet desde as redes de 10 megabits. Existem dois tipos de cabos de fibra óptica. Outra vantagem é que os cabos de fibra são imunes a interferência eletromagnética. que faz o processo inverso. já que eles são uma tecnologia mais barata. assim. usar fibra em links de longa distância acaba saindo mais barato. é possível incluir um grande volume deles em um cabo de tamanho modesto. o uso de fibra óptica em redes Ethernet era bastante raro. enquanto as multimodo utilizam núcleos mais espessos. não por causa da cor. não é utilizada luz visível. mas sim luz infravermelha. Para reduzir a atenuação. A transmissão de dados usando sinais luminosos oferece desafios. Eles ficam disponíveis para expansões futuras e para substituição de cabos rompidos ou danificados. mas pelo fato de não serem usados. de acordo com o padrão de rede usado. mas com a introdução dos padrões Gigabit e 10 Gigabit eles foram quase que inteiramente substituídos por laseres. os multimodo ou MMF (multimode fibre) e os monomodo ou SMF (singlemode fibre). Antigamente. o que é uma grande vantagem sobre os fios de cobre. Antigamente. com comprimentos de onda de 850 a 1550 nanômetros. aumentando a percentagem que é efetivamente transmitida pelo cabo. que concentra o sinal luminoso. suportando. que oferecem um chaveamento mais rápido. Para solucionar o problema. com os links de fibra sendo usados sobretudo para criar backbones e links de longa distância.

que ricocheteiam dentro do cabo em pontos diferentes. favorece a divisão do sinal em vários feixes separados. mas. a atenuação do sinal luminoso é muito maior. Isso acontece porque o pequeno diâmetro do núcleo das fibras monomodo faz com que a luz se concentre em um único feixe. portanto. várias empresas que exploram o acesso à telecomunicação — são. obrigatoriamente. um por cada utilizador do sistema. o backbone deve ser concebido com protocolos e interfaces apropriados ao débito que se pretende manter. Por exemplo. o backbone terá que ser. em compensação. que por sua vez derivam nos backbones nacionais. que percorre todo o cabo com um número relativamente pequeno de reflexões. enquanto as fibras monomodo podem atingir até 80 km no padrão 10 Gigabit. etc). superior a 10 Mbit (fora uma margem especial de .com. tipicamente. imagem. como você pode ver nos desenhos a seguir: Para efeito de comparação.gdhpress. Na Internet. O núcleo mais espesso das fibras multimodo. aumentando brutalmente a perda durante a transmissão. Fonte: http://www.As fibras multimodo são mais baratas e o núcleo mais espesso demanda uma precisão menor nas conexões. Na periferia. podem-se encontrar. o que torna a instalação mais simples. É cada um dos pontos de acesso (vulgarmente referidos como POP's) que irão impor a velocidade total do backbone. numa rede de escala planetária. os operadores de telecomunicações mantêm sistemas internos de elevadíssimo desempenho para comutar os diferentes tipos e fluxos de dados (voz. 19 de fevereiro de 2010 Backbone O backbone designa o esquema de ligações centrais de um sistema mais amplo. hierarquicamente divididos. Neste nível encontram-se. consideradas a periferia do backbone nacional. texto. por sua vez. vários backbones: os de ligação intercontinental. tipicamente de elevado desempenho. desdobra-se o conceito de ponto de acesso. Esta brutal diferença faz com que as fibras multimodo sejam utilizadas apenas em conexões de curta distância. se um operador deseja fornecer 10 linhas de 1 Mbit com garantia de qualidade de serviço.br/redes/leia/index. as fibras multimodo permitem um alcance de até 550 metros no Gigabit Ethernet e 300 metros no 10 Gigabit. já que sairia muito mais caro usar cabos multimodo e repetidores do que usar um único cabo monomodo de um ponto ao outro. Por exemplo. Em termos de composição. que derivam nos backbones internacionais.php?p=cap1-12 Postado por Anderson Weige Dias às 16:32 Nenhum comentário: Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no Orkut Marcadores: Banda Larga sexta-feira.

Postado por Anderson Weige Dias às 19:30 Nenhum comentário: Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no Orkut Marcadores: Banda Larga terça-feira. A cada dia. 26 de janeiro de 2010 ADSL: o que é e como funciona ADSL é a sigla para Assymmetric Digital Subscriber Line ou "Linha Digital Assimétrica para Assinante". Backbone da Rede Nacional de Pesquisa (RNP) no Brasil . .Figura exibindo o backbone não comercial utilizado pelas Universidades e Centros de Pesquisa brasileiros.tolerância). Trata-se de uma tecnologia que permite a transferência digital de dados em alta velocidade por meio de linhas telefônicas comuns. tanto é que este é o tipo de conexão à internet em banda larga mais usado no Brasil e um dos mais conhecidos no mundo. a tecnologia ADSL ganha novos usuários.

Teoricamente. No caso do upload essas taxas variam de 16 Kbps até 640 Kbps.Public Switched Telephone Network) e procede pelo seu caminho habitual. um para download (de velocidade alta) e um para upload (com velocidade média se comparado ao canal de download). sendo um para voz. o que indica que essas taxas podem ter valores diferentes dos mencionados. Para separar voz de dados na linha telefônica. as velocidades de download podem ir de 256 Kbps até 6. as chamadas utilizam freqüências baixas. Repare que entre os três canais há um disponível para voz. Quando você utiliza a internet. Quando uma linha telefônica é usada somente para voz. Na linha telefônica é possível usar taxas mais altas. É por causa dessas características que o ADSL ganhou o termo "assymmetric" (assimétrica) no nome. o que o ADSL faz é aproveitar para a transmissão de dados as freqüências que não são usadas. Nele é conectado um cabo que sai do aparelho telefônico e outro que sai do modem. Assim. o sinal é encaminhado para a rede de comutação de circuitos da companhia telefônica (PSTN . mas tudo depente da infra-estrutura do fornecedor do serviço. quando você realiza uma chamada telefônica (voz). geralmente entre 300 Hz e 4000 Hz. Isso permite que o usuário fale ao telefone e ao mesmo tempo navegue na internet. pois indica que a tecnologia possui maior velocidade para download e menor velocidade para upload. que é explicado logo abaixo.Modem ADSL Funcionamento da tecnologia ADSL A tecnologia ADSL basicamente divide a linha telefônica em três canais virtuais.1 Mbps. Na central telefônica também há uma espécie de Splitter. é instalado na linha do usuário um pequeno aparelho chamado Splitter. mas elas acabam sendo desperdiçadas. Como é possível usar mais de uma freqüência ao mesmo tempo na linha telefônica. Explicando de maneira simples. A ilustração abaixo exemplifica este esquema: . ou seja. não é necessário desconectar para falar ao telefone. é então possível usar o telefone para voz e dados ao mesmo tempo. o sinal é encaminhado ao DSLAN.

mas inviável o uso de ADSL. menos velocidade o usuário pode ter e a conexão pode sofrer instabilidades ocasionais. você deve se perguntar porque em muitos casos é necessário usar um programa para se conectar à internet. que trabalha com os sinais elétricos que serão enviados e recebidos. o uso de provedor é obrigatório por regras da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Funcionando dessa forma. O protocolo PPPoE trabalha com a tecnologia Ethernet. Como a linha telefônica é usada unicamente como um meio de comunicação entre o modem do usuário e a central telefônica. não é necessário pagar pulsos telefônicos. Isso se deve ao ruído (interferência) que ocorre entre um ponto e outro. permitindo a autenticação para a conexão e aquisição de um endereço IP à máquina do usuário. depois de enviado à central telefônica. como se fosse uma única conexão. o sinal vai para um roteador. pois esta é apenas um "caminho". Protocolo PPPoE Diante das informações acima. No Brasil. Para que haja uma conexão aceitável é utilizado o limite de 5 Km. Essa comunicação ocorre em freqüências acima de 5000 Hz. é . a central telefônica suporta uma certa quantidade de usuários ao mesmo tempo. é separado e os dados vão para um equipamento DSLAN (Digital Subscriber Line Access Multiplexer). "agrupá-las" e enviar esse grupo de conexões à linha ATM. que limita a velocidade do usuário e uni varias linhas ADSL (é este equipamento que faz com você navegue à 256 Kbps mesmo quando sua conexão suporta 2 Mbps) enviando o sinal para uma linha ATM (Asynchronous Transfer Mode) de alta velocidade que está conectada à internet. Praticamente todas as empresas que fornecem ADSL só o fazem se o local do usuário não estiver a mais de 5 Km da central telefônica. não interferindo na comunicação de voz (que funciona entre 300 Hz e 4000 Hz).A tecnologia ADSL funciona instalando-se um modem específico para esse tipo de conexão na residência ou empresa do usuário e fazendo-o se conectar a um equipamento na central telefônica. É importante frisar que é possível que este sinal saia diretamente do roteador para a internet. Em outras palavras. No entanto. pois a conexão ocorre por intermédio do modem e não discando para um número específico. maior é a taxa de ruído. O sinal citado acima. O ADSL por si só é um meio físico de conexão. Autenticando. a linha telefônica serve como "estrada" para a comunicação entre esses dois pontos. mas sim ao modem. Quanto maior essa distância. Cabe ao DSLAN gerenciar todas essas conexões. essa questão não será discutida aqui. Isso deixa claro que todo o funcionamento do ADSL não se refere à linha telefônica. como é feito com o acesso à internet via conexão discada. que é usada para ligar sua placa de rede ao modem. em seguida para o provedor e finalmente para a internet. se o ADSL permite uma conexão permanente usando unicamente o modem. É por isso que cada vez mais as empresas que oferecem ADSL usam programas ou o navegador de internet do usuário para que este se autentique. é necessário um protocolo para encapsular os dados de seu computador até a central telefônica. Quando seu modem estabelece uma conexão com o modem da central telefônica. O protocolo mais utilizado para essa finalidade é o PPPoE (Point-to-Point over Ethernet RFC 2516). Acima disso pode ser possível. Neste caso. Quanto mais longe estiver.

conseqüentemente.mais fácil identificar o usuário conectado e controlar suas ações. ou seja. PPPoA (point-to-point protocol over AAL5 . pouco conhecido. sem necessidade de usar o PPPoE.ou over ATM) é uma adaptação do PPP para funcionar em redes ATM. . Você pode estar se perguntando: por que os primeiros serviços de ADSL do país davam IP fixo ao usuário. Mas quando as empresas começaram a descobrir as vantagens do PPPoE passaram a implantá-lo. sem necessidade de autenticar. Com isso. Isso permite à companhia ter mais controle sobre as ações do usuário Protocolo PPPoA PPP (point-to-point protocol) é um protocolo desenvolvido para permitir acesso autenticado e transmissão de pacotes de diversos protocolos. o protocolo PPPoE era novo (foi homologado em 1999) e. originalmente em conexões de ponto a ponto (como uma conexão serial). o usuário usava ADSL através de uma conexão direta do modem à central telefônica. porque o PPPoE não foi usado antes? Naquela época.