You are on page 1of 5

SOCIEDADE E DIREITO

Texto para leitura/estudo Aula 1 – 1º semestre/2011
Copyright Fulvio Lessa da Rosa Fundasul - 2011

O homem é um ser social. O ser humano é defectível, e, por isso, já nasce em sociedade. Já a criança quando nasce, forma uma sociedade em relação à mãe. Aliás, para nascer o ser humano precisa da sociedade formada por um homem e uma mulher. Unus homo nullus homo diziam os romanos. O homem isolado é homem nenhum. Robinson Crusoé viveu isolado na sua ilha até a chegada do índio Sexta Feira, porque já tinha vivido em sociedade, tendo levado consigo o conhecimento que adquirira em sociedade e necessário para a sua sobrevivência. O meio social é indispensável. O que caracteriza a existência do homem em sociedade é que cada um está em relação aos demais, recebendo uns dos outros benefícios e vantagens. É a interdependência, a dependência recíproca e não a prestação de serviços que caracteriza o vínculo social, pois há seres humanos que não prestam serviços a ninguém, como, por exemplo, as crianças, os inválidos, e, alguns, por defeito de organização social, como os mendigos. Diz Gilberto Freire que biologicamente o homem pode viver só, porém, só se realiza como ser racional, pensante que é, vivendo em sociedade. O homem tem necessidade não só de sobrevivência mas ainda de progresso, e, só a sociedade oportuniza isto. Por isso mesmo distinguimos o homem, animal racional, dos irracionais, pois enquanto os seres racionais se agrupam visando o desenvolvimento, os irracionais para a proteção e sobrevivência biológica instintiva, ou seja, por impulso natural. O homem sabe, conhece, compreende que só em sociedade poderá se realizar como homem e como tal progredir, tem consciência de sua necessidade de sobrevivência e progresso, embora também tenha instinto. Definimos sociedade como o conjunto constante de pessoas tendo em vista um fim comum. Assim, são elementos desta definição: a) pluralidade de pessoas; b) permanência maior ou menor; c) finalidade comum. A sociedade é formada por uma rede de interação humana que se opera entre indivíduos que tem modo de comportamento comum. Não só o contato físico como o psicológico influencia no social. A sociedade é o conjunto de modos especiais de conduta: dos modos de conduta do indivíduo influenciados por outros seres humanos, dos modos de conduta em que o agente orienta seu agir a outras pessoas, como diz Recásens Siches. O homem é sua individualidade mais o que o rodeia. O fator individual não pode ser esquecido junto ao ambiente sócio-cultural. Daí porque sob as mesmas influências sócio-culturais, desenvolvem-se tipos muito diferentes de personalidade individual, ainda que, entre eles, possa existir características comuns. Falamos acima em interação. Interação ( do latim inter + ação = ação entre) é um conjunto de ação e reação recíprocas entre dois indivíduos, um indivíduo e um grupo social ou dois ou mais grupos sociais. O grupo social constitui-se na reunião de homens com fim comum e com certa permanência. Grupo social poderia ser definido como a sociedade formada por um grupo pouco numeroso de pessoas. Assim, a família é um grupo social. Vimos que os homens em sociedade são solidários e interdependentes. Desta interdependência e do fato de que os homens em sociedade lutam pela obtenção daquilo que se chama os bens da vida, bens que se destinam à utilização pelo homem

de modo que. Fala-se assim. DIREITO É O CONJUNTO DE NORMAS SOCIAIS BILATERAIS E COERCÍVEIS. pois este é a vontade dinamizada. se não obedecido ou não cumpridas suas normas. consoante antigo aforisma do direito romano: ubi societas ibi jus. fatalmente. Esta é a definição dada pelos professores da cadeira. A ordem. onde há sociedade há direito. do Estado. O direito é.é função dos próprios grupos sociais que se constituíram para a satisfação. O direito é o resultado espontâneo de todo o agrupamento humano. esta definição. Destas normas. do Sindicato. assim. No interesse individual a relação é entre o bem e o homem. se duas ou mais pessoas ou dois ou mais grupos têm interesse pelo mesmo bem que a só um (pessoa ou grupo) pode satisfazer. moris. Exemplo disto é a moda. suporte e escudo da ordem e sem esta não há sociedade. superficialmente em hora. O direito é consequência do coexistir. inicialmente. necessidades de sobrevivência e de desenvolvimento ou aperfeiçoamento. surgindo a necessidade de limitar-se o comportamento de cada um. assim como a linguagem surge espontaneamente em toda a sociedade. Como o homem não vive isolado. como para dirimi-los ou solucioná-los sempre que surjam. No interesse coletivo a relação ainda está entre o bem e o homem. como um sistema normativo de regras de conduta. condicionando-o ao comportamento dos demais. O costume tem grande força e até mesmo força coativa. conforme suas necessidades. O direito surge assim como normas de comportamento. que previne e dirime ou soluciona os conflitos de interesses entre os homens ou grupos ou homens e grupos. . dar-se-á um conflito intersubjetivo de interesse ou apenas um conflito de interesse. de maneira a assegurar a ordem e a paz social é que surgem as normas jurídicas reguladoras do comportamento dos homens em sociedade. no domínio da moral. surge a necessidade de disciplinar as relações entre os homens. conflito de interesses individuais. donde moral) e fica. inicialmente pelos costumes ( do latim mors. . O conjunto generalizado das normas costumeiras chama-se moral. por isso mesmo. em interesse individual e interesse coletivo. pois. ofenderiam a estrutura social. Assim. A sua formação é constante e sua fisionomia depende do grau de adiantamento de cada povo e das idéias dominantes numa determinada época. mas não basta a vontade para haver interesse. Sujeito do interesse é o homem. isto faz com que surja. Para evitar estes conflitos. Por isso. a realização e o desenvolvimento daqueles interesses. a par de suas necessidades individuais surgem necessidades do agrupamento a que pertence e que são aquelas mesmas necessidades consideradas em função do grupo. Ao direito compete regular o comportamento dos homens em sociedade. Esta limitação é feita. IMPOSTAS PELO PODER DOMINANTE E QUE SE DESTINAM A REGULAR A CONDUTA DOS INDIVÍDUOS EM SUAS RELAÇÕES DE CONVÍVIO. Assim. pois. atingidas suas normas desorganizada estaria a sociedade. mas apreciadas as suas necessidades em relação a necessidades idênticas do grupo social. algumas são tão necessárias que se tornaram obrigatórias: são as normas jurídicas. Interesse ( do latim inter-est ) é uma relação entre uma pessoa e um bem. necessidades sempre muito maiores do que os bens referidos. etc. Recapitulando: pelo simples fato do homem existir em sociedade surgem os conflitos de interesses. Todo o interesse tem por fundamento a vontade. regulada pelo direito. o bem é seu objeto. a determinação dos interesses coletivos .da família. do Município. que influencia de tal maneira a pessoa que passa muitas vezes a usar o que os outros usam mas de que não gosta. é a chamada ordem jurídica.para satisfação de suas necessidades. Analisemos.

são impostas aos homens. E exatamente porque os homens sabem que se descumprirem a norma jurídica ela lhes poderá ser imposta de maneira a ser obedecida mesmo sem o concurso de sua vontade (tal como acontece nas execuções). “Impostas pelo poder dominante” . formado por duas Casas: Senado Federal e Câmara de Deputados.Há em toda a sociedade organizada. Só dizemos que uma norma social é também jurídica quando. garantidamente. na esfera federal. garantindo a exigibilidade. como regula o comportamento. Recapitulando: Há padrões coletivos de conduta que são chamados normas. suas relações com os outros homens. quando os sujeitos nela envolvidos ficam autorizados a pretender. coagem a um determinado comportamento. é o . o único nexo que existe entre o mendigo e a pessoa a quem pede é a solidariedade humanam. temos uma relação entre duas pessoas e sobre a qual incide o direito. Porque as normas se dirigem aos homens são normas sociais. sejam elas as normas costumeiras. No primeiro caso. e. como diz Edmond Picard em seu livro O DIREITO PURO e como afirma Miguel Reale em suas LIÇÕES PRELIMINARES DE DIREITO entre o mendigo que pede uma esmola e o credor que cobra uma dívida. Há uma sensível diferença. pela Assembléia Legislativa do Estado. mas nem todas as normas sociais são jurídicas. de caridade. pela Câmara de Vereadores)“e que se destinam a regular a conduta dos indivíduos em suas relações de convívio” É a finalidade do direito. Toda a norma estabelece um preceito relativamente a um comportamento que se deve ter. têm força obrigatória. Por isso mesmo o direito constitui o que se chama a ordem jurídica. exigir. pelo fato de que o direito se fundamenta na moral. Há aí uma relação jurídica. além de criarem “direitos e deveres” para as pessoas sobre as quais incidem. ela obriga aqueles a quem se dirige. Na esfera municipal. morais ou jurídicas. é que em princípio todos cumprem as normas jurídicas (elas são obedecidas) com espontaneidade. ela se impõe coativamente. como diz Miguel Reale. seja jurídica ou não. A norma jurídica nos impõe alguma coisa. estabelecendo uma relação entre os homens chamada de “relação jurídica”. estabelecem como devemos agir. isto é.ou seja. ou a fazer. As normas nos orientam para um determinado caminho. nos constrange.Todas as normas que regulam o comportamento humano são normas sociais. Não importa que o poder dominante exerça este mesmo poder em nome do povo ou em nome do Estado. e. por exemplo. “São coercíveis” . Toda a norma jurídica é uma norma social mas nem toda a norma social e uma norma jurídica. estabelecendo algo que deve ser ela impõe alguma sanção pelo descumprimento da norma.ou seja. algo. assim como todo o fato sobre o qual incide o direito é um fato jurídico. mas para que sejam normas jurídicas. A sanção mínima a que alguém está sujeito pelo descumprimento de uma norma moral. como conjunto de normas agendi . normas de direito devem apresentar outras características: “São bilaterais”. Como norma de agir. norma geral e obrigatória emanada do Poder Legislativo (Congresso Nacional. as normas são sempre impostas pelo poder dominante.“Direito é um conjunto de normas sociais” . No segundo caso. pois sua principal fonte é a lei. Por isso. governantes e governados. uma relação é regulada por uma norma jurídica. a conduta do Estado e suas relações com os homens. Toda a norma. sem a participação da vontade do obrigado. pode se fazer cumprir coativamente. na esfera estadual. o direito regula o comportamento do homem. entretanto. ela deve ser respeitada.

Assim. E o direito tem os mesmos fins da sociedade. Coativa. como diz Miguel Reale. Coativa. o direito visa solucioná-los. a sua socialidade. não pagou o que deve. Ele varia. contra a nossa vontade. FUNÇÃO SOCIAL DO DIREITO O direito é um fato social. repito. não existe senão na sociedade e não pode ser concebido fora dela. surge na sociedade e se dirige a ela. passível de ser aplicada pela força. diz Reale. como por exemplo. e só então. Como “onde há sociedade há direito”. vai ser executado. o direito é um fato social. Fato social é tudo o que acontece na sociedade como causa ou como efeito do fenômeno da convivência humana. se estes ocorrem. . toda a norma jurídica é necessariamente coercível. Coercível significa. a mesma palavra serve para designar a realidade jurídica e a respectiva ordem de conhecimentos. é a opinião pública. pois se supõe que a norma seja cumprida. Também Miguel Reale explica muito bem a diferença entre o direito como fenômeno social. um fato ou fenômeno social. portanto. mas. é necessário. mas. Não é demais. portanto. como fato social e o direito como ciência. é o ideal da sociedade. salientar essa correlação essencial entre o direito como fato social e o Direito como ciência. Foi a conscientização do direito a semente da Ciência do Direito. independente das normas religiosas ou costumeiras. Sempre que o direito é cumprido por todos reina a paz que é a finalidade de todo o agrupamento humano. como disse a professora da cadeira. A finalidade social do direito. O que muda é a sua fisionomia. ela é imposta contra a vontade daquele que a descumpriu. Coercitividade = possibilidade essencial de forçar o cumprimento. sofrerá a aplicação da pena. O direito é. O direito é um meio e não um fim. paz e segurança de toda a sociedade. isto é. no descumprimento da norma.julgamento de seus semelhantes. É somente num estágio bem maduro da civilização que as regras jurídicas adquirem estrutura e valor próprios. a tal ponto que. coativa. a norma jurídica tem em si a coercitividade. pois. sendo cumprida não há aplicação de força. Uma das características da realidade jurídica é a sua qualidade de ser social. desde logo. o direito regula o comportamento dos homens em sociedade procurando evitar os conflitos de interesses. ainda hoje. e daí. É coercível porque representa uma mera possibilidade de aplicação da força. quando não cumprida a norma é ela aplicada pela força. Diz ele: Admitido que as formas mais rudimentares e toscas de vida social já implicam um esboço de ordem jurídica. o seu conteúdo conforme o grau de adiantamento de um povo. no tempo e no espaço. a humanidade passa a considerar o direito como algo merecedor de estudos autônomos. e sua força também. mas. não cumpriu a norma penal. como o direito sempre existiu. Dito de outra forma. ou. mas sempre é direito. é realizar o ideal de ordem. Como já foi dito. pois. Já a norma jurídica se desrespeitada pode se impor coativamente. eventualmente. quando. observar que durante milênios o homem viveu ou cumpriu o direito sem se propor o problema de seu significado.

ordena o comportamento em sociedade.diritto francês . em linha reta. Deste mesmo radical temos: Em espanhol .derecho italiano . cuja tradução é lei. mas usada no sentido de direito e right = radical . Interpretando. etimologicamente = o direito procura manter uma linha de conduta. Já directum da idéia de que o direito é aquilo que está conforme as regras. No direito romano o vocábulo utilizado pra exprimir o direito era outro: jus. de rectum = reto. regula o comportamento. isto é. de onde deriva também regula = régua. não torcido. ordenar.ETIMOLOGIA DA PALAVRA A palavra direito vem do latim directum.usa mais law. Assim.droit romeno . que externava a idéia de jugo. de vínculo que o direito cria entre as pessoas. juris.dreptu alemão .recht anglo americano . directus = dirigir.recht holandês .