You are on page 1of 7

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2012.0000220017

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0009448-32.2011.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SÃO PAULO - ACSP sendo apelado PAULO CÉSAR ROSA MARTINS.

ACORDAM, em 3ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "Recurso Provido. V.U.", de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão.

O

julgamento

teve

a

participação

dos

Exmos.

Desembargadores DONEGÁ MORANDINI (Presidente sem voto), JOÃO PAZINE NETO E EGIDIO GIACOIA.

São Paulo, 15 de maio de 2012. BERETTA DA SILVEIRA RELATOR Assinatura Eletrônica

de informações contidas em registro público – Inocorrência de conduta culposa – Descabimento do dano moral pleiteado – Exclusão de anotação – Impossibilidade – Providência que o autor deve adotar junto ao juízo por onde tem curso a ação – Sentença reformada – Recurso provido.São José dos Campos .2011.0577 COMARCA: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS APELANTE: ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SÃO PAULO . Cuida-se de demanda proposta pelo recorrido em que deseja tornar nulo cadastro existente em seu nome perante a apelante. pedido de indenização por dano moral.26. ainda.PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO VOTO Nº: 27010 APELAÇÃO Nº 0009448-32. Apelação nº 0009448-32. desfechando.2011.8.26. Recorre a apelante com o escopo de vergar o julgado em seu favor. sob o argumento de não ser o réu da contenda exibida.Voto nº 27010 2 . pleitos esses que foram acolhidos pela r.0577 . sentença exarada. em anotações próprias. Trata-se de ação de obrigação de fazer à qual se cumulou pedido de indenização por dano moral.8.ACSP APELADO: PAULO CÉSAR ROSA MARTINS Apelação – Ação de obrigação de fazer cumulada com pedido de indenização por dano moral – Inserção. cujo relatório fica somado a este pronunciamento. É o relatório.

desenhando seu escudo nas preliminares de falta de interesse de agir e ilegitimidade passiva.PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO A apelante opôs resistência aos pedidos arrojados. pretendendo. sob o rótulo da eventualidade. pela aplicação dos princípios de moderação e proporcionalidade à fortuita fixação.0577 . em viés alternativo. Assinalou. De seu turno. A apelante recorreu insistindo em sua vetusta tese defensiva.Voto nº 27010 3 . bem como na regularidade da formação de seu banco de dados. Apelação nº 0009448-32. que tal modalidade de informação prescinde de expressa notificação e que nenhum ato lesivo cometeu em relação à pessoa do apelado. haja vista a utilização de informações que constam em cartórios distribuidores judiciais. a minoração do valor fincado à guisa de dano extrapatrimonial. de modo que a ofensa ficou demonstrada. de induvidosa natureza pública. também. O desate da atual pendenga deve ser visto sob um único vetor: a natureza da informação tomada.São José dos Campos . 121/124). A sentença julgou procedentes os pedidos ao fundamento de que a apelante não se houve com zelo na coleta dos dados junto ao lançamento público levado a termo. ponteando.26.8.2011. o apelado festejou o decisum (fls. de sorte que o dano moral querido há de ser repelido. Determinou o cancelamento da restrição e o pagamento da cifra de dez mil reais a título de indenização.

§ 2º. Confira-se que a mens legis concentra-se na oportunidade aberta à correção dos lançamentos. sem dar valor ao seu sentido sistêmico. os quais. como. oportuno realçar que esta relatoria alterou seu pretérito posicionamento em relação à leitura do art. se for o caso. está trazendo à baila algo novo de maneira a agredir a honra do devedor.0577 . estes sim de caráter privado. nesta hipótese. 43. o cartório de protestos. inclusive para.São José dos Campos . daquele em que a notícia provém de informações de conhecimento público. promover a correspondente emenda.2011. todavia. verbi gratia.26. do CDC. só podem ser veiculados depois de o devedor ter inequívoca ciência de que eles serão divulgados. Não é possível entender que o cadastrador. dos quais se apartam os que integram os repertórios públicos.PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Desde já. é a moldura representada pelos anais concebidos com os dados disponibilizados pelas empresas ou pessoas físicas conveniadas. De fato. era preciso distinguir a criação e alimentação do banco de dados a partir de elementos gerados pelo cliente do registrador. Qualquer pessoa pode obter certidão contendo a relação das impontualidades anotadas em nome do devedor.8. de sorte que nenhuma ilegalidade está sendo cometida. Deveras. que legitimidade detém o devedor contra Apelação nº 0009448-32. Diversa.Voto nº 27010 4 . Aquela intelecção pendia para uma exegese puramente literal do texto.

calha realçar que a questão em mira espelha o apossamento de anotação que teve origem em informação obtida junto ao cartório distribuidor. o que.Voto nº 27010 5 . afasta-se a ocorrência de dano moral imputável à recorrida”.8. inserção de dado verídico. À vista do somatório das peculiaridades do caso sub judice. diga-se. Apelação nº 0009448-32.2010.2011.26. público e previamente conhecido pela recorrente. ainda que não passasse a constar de cadastro mantido por órgão de proteção ao crédito. não obstante a ausência de prévia comunicação acerca do cadastramento. pelo que inviável cogitar-se de prejuízo moral originário da sistematização de dados públicos pela SERASA. em banco de dados mantido pela SERASA. já possuía acesso franqueado ao público. Min. 01/07/2005).0577 . daí a alteração do pensar desta relatoria. j.26. quais sejam.8. Feitas estas breves observações.227479-9 e 0001588-19.0058. (REsp 720493/SP. rel.10. encontra apoio não apenas no firme entendimento do STJ.São José dos Campos . É essa a posição do Superior Tribunal de Justiça: “Em se cuidando de dado extraído do Diário Oficial e constante do Cartório Distribuidor da Justiça Federal. Jorge Scartezzini. com precedentes nas Apelações 990.PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO as anotações empreendidas pelo distribuidor forense ou outra de mesma natureza? Por certo que a resposta só pode ser negativa. já que não demonstrado abuso de direito. mas também no de meus ilustres pares. não configurando ato ilícito.

a tríade formadora da responsabilidade civil encontra-se manca. Nessa liça. Se não. sua alteração é imperativa e inadiável.26. e art. considerando-se que a sentença andou na contramão do entendimento pretoriano cravado. terá o direito de mantê-los. Se houver algo a questionar. Portanto. a apelante poderá retomar os marcos de seus apontamentos caso os tenha cancelado. a impossibilitar o acolhimento da querência manejada.0577 . não há mesmo como acolher o pedido de indenização. não havendo conduta culposa da apelante.8. pretensão essa com a qual o Direito não pode se conformar.PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Logo. impossível amparar o pedido de cancelamento dos registros existentes. Por derradeiro. I.2011. ato lícito fundado no exercício de um direito (art. do CC/1916. Ante o exposto. E se assim é. 180 do CC/2002).São José dos Campos . dá-se provimento ao recurso para julgar os pedidos improcedentes. que acabaria por atingir direito de terceiros sem a indispensável comunicação para formar a relação processual. pois tal diretriz significaria conferir escopo oblíquo à atual contenda.Voto nº 27010 6 . em verdade. a anotação consistiu. Com efeito. condenando-se o autor a pagar as custas do processo e Apelação nº 0009448-32. com a imediata restauração dos registros da ré ao seu estado anterior. 160. deverá o apelado apresentar seus pedidos junto à autoridade judiciária que preside a lide pendente.

2011.0577 . que são fixados. por equidade.8.Voto nº 27010 7 . BERETTA DA SILVEIRA Relator Apelação nº 0009448-32.São José dos Campos .00 (quinhentos reais).26.PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO os honorários advocatícios dos ilustres patronos daquela. em R$ 500.