You are on page 1of 4

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA

ESTÉTICA II 1º Semestre de 2013 Disciplina optativa Código: FLF0219 Profº Marco Aurélio Werle Carga Horária: 120 Créditos: 06 Título: ARTE E VERDADE EM HEIDEGGER

I - OBJETIVOS Nesse curso pretende-se abordar o pensamento estético de Heidegger, a partir do ensaio A origem da obra de arte (1935-36) e dos textos dedicados à linguagem e à poesia. Heidegger pensa a verdade da arte desde sua origem e o sentido do Ser, segundo o método fenomenológico-hermenêutico. Na arte e na poesia ocorre um produzir e um modo de pensar que cultiva o Ser, em oposição à estética moderna, à concepção de arte como mera vivência cultural subjetiva e à técnica (“armação” [Gestell]) como cálculo científico.

II - CONTEÚDO 1. A coisa, o instrumento e a obra; 2. O conflito entre terra e mundo; 3. O pôr-se-em-obra [Ins-Werk-Setzen] da verdade; 4. Paralelos com a arte contemporânea; 5. A poesia como iniciar, instituir e presentear; 6. A crítica à estética tradicional e o dialógo com Nietzsche; 7. Arte, técnica e imagem de mundo na época moderna; 8. Hölderlin: poesia como fundação e dizer do sagrado; 9. Rilke: para quê poeta em tempo de indigência? 10. Trakl: linguagem, silêncio e solidão;

VI . publicada na Kritérion. de Maria da Conceição Costa. Petrópolis. Auflage. Auflage. 4. In: Gesamtausgabe. LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA III . Erläuterungen zu Hölderlins Dichtung. Campos. Frankfurt am Main. Klostermann. V . M. Lisboa. trad. Tübingen. 1952 (A origem da obra de arte. Barcelona. Neske. Critérios de recuperação: Prova escrita sobre o conteúdo ministrado no curso. Lisboa. de Irene Borges-Duarte e Filipa Pedroso. 79/80 (1987/88) e 86 (1992)/trad. e notas de Maria José R. IV . (1944. 1983) _______. Vozes. de Márcia de Sá Cavalcanti Schuback. números 76 (1986). trad. 2003) . trad. Klostermann. de José Maria Valverde. Edições 70. V. Frankfurt am Main. 2. 1958 (A caminho da linguagem. "Der Ursprung des Kunstwerkes" In: Holzwege. Ariel. In: Caminhos da floresta. apres. Gulbenkian. herausgegeben von Friedrich-Wilhelm von Herrmann.MÉTODOS UTILIZADOS Aulas expositivas. 1989) _______. 1981 Band 4.ATIVIDADES DISCENTES Dissertação (com tema a ser definido). 1989/trad.UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA. erste Auflage) (Interpretaciones sobre la poesía de Hölderlin. Revista de Filosofia.CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Dissertação.BIBLIOGRAFIA Básica HEIDEGGER. Unterwegs zur Sprache.

C. Neske. Forense Universitária. LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA _______. 1997. de Marco Aurélio Werle. Vozes. trad. Ensaios e conferências . trad. trad. 1963 . 1992/Die Zeit des Weltbildes. Hermenêutica e poesia. São Paulo. Rio de Janeiro. Ática. O pensamento poético. Was heisst Denken? Stuttgart. 2007) _______. 1986 _______. Tübingen. n 2 (reedição pela Revista Scientia Studia. “Der Wille zur Macht als Kunst” (1936/37). 2005) _______. Ésthétique de Martin Heidegger. Wegmarken. Petrópolis. In: Vorträge und Aufsätze. Passagem para o poético. 2007)/A questão da técnica. coleção "Os pensadores". 1959 (“A questão da técnica” In: Cadernos de Tradução. Klostermann. Neske. Departamento de Filosofia/USP. de Emanuel Carneiro Leão. 2. Editora Unijuí. Neske. B. Editora UFMG. 1998 (2. Heidegger: Introdução a uma leitura. O outro pensar. 1952 (“O que significa pensar?”/ “A época da imagem do mundo”. Tübingen. Jorge Zahar Editor. M. Belo Horizonte. 2007 _______. trad. in: Nietzsche I. Crivo de papel. 1961 (“Vontade de poder como arte” in: Nietzsche I. Reclam. Frankfurt am Main. São Paulo. Paris. Ática. 2. Vorträge und Aufsätze. Ática. Frankfurt am Main. Klostermann. Pfullingen. Rio de Janeiro. e notas de Ernildo Stein. Ed. “Die Frage nach der Technik”. com apres. 1989) _______. de Franklin Leopoldo e Silva. São Paulo. São Paulo.UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA. Departamento de Filosofia/USP. vários tradutores. Editions Universitaires. in: Schneider. 2004 HEIDEGGER. Nova Cultural. Rudi.) SADZIK. 2002) NUNES. Vozes. J. de Marco Antônio Casanova. Petrópolis. No tempo do niilismo e outros ensaios. 1959 (Ensaios e conferências. São Paulo. 1993 _______. 2002) Complementar DUBOIS. Auflage. In: Holzwege. Auflage. 1978 (Conferências e escritos filosóficos. Ijuí.

Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação – Número especial: Heidegger e a educação. A. Rio de Janeiro. org.). “Martin Heidegger. 151-165 Obs. nº10. 70-78. “Heidegger e a produção técnica e artística da natureza” In: Trans/Form/Ação (UNESP/Marília). p. v. “A pergunta e o caminho no pensamento de Heidegger” In: Roberto Wu. por Mário Vítor Santos. 2006 (reedição: Casa da Palavra. o nada e a morte em Heidegger” In: Trans/Form/Ação. G. E. 26. Cláudio Reichert do Nascimento. trad. Lisboa. “Heidegger e a origem da obra de arte” In: Contextura (UFMG). v. p. (org. “Nietzsche e Heidegger: a arte como vontade ou fundada na origem?” In: Cadernos Nietzsche. ano VI. "A imaginação transcendental como origem da razão prática no KantBuch de Heidegger" In: ROCHA FRAGOSO. São Paulo.). Rilke e Trakl. 95-108. 2012. Edições 70. 2011 _______. quando disponíveis. v. 2006 _______. /COSTA. Fortaleza: Editora da UECE. Relume Dumará. . Rio de Janeiro. 2005 _______. de João Gama. “A angústia. LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA VATTIMO. 34.: Para a abordagem das obras literárias de Hölderlin. In: Os Pensadores. . Introdução a Heidegger.UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA. R. traduções em língua portuguesa. v. 2003 _______. o homem na clareira do ser”. 2008 _______. A obra inédita de Heidegger. 2011/2. Edunesp. Vitória da Conquista. Poesia e pensamento em Hölderlin e Heidegger. “Heidegger e a arte de questionar” In: APRENDER. 2011 _______. 2011 _______. p. um curso. M. v. 1989 WERLE. serão utilizadas edições alemãs e. A. 2009) _______. 21. (Org. Ética e subjetividade. São Paulo: Liber Ars.