You are on page 1of 29

MANUAL BASICO VOLANTE

PARA

PROFISSIONAL

DO

1. SAIBA O SIGNIFICADO DAS LETRAS E NÚMEROS
O número colocado antes da letra W (de winter, inverno em inglês) corresponde ao código da temperatura mínima que o óleo é capaz de suportar sem perder suas propriedades lubrificantes, e o número que vem em seguida está relacionado à temperatura máxima em que pode ser usado. O número depois da letra W varia de 0 a 25. Quanto menor ele for, menor será a temperatura que ele suportará. O outro fica entre 30 e 60, seguindo a mesma lógica: quanto maior ele for, maior será a temperatura a que ele irá resistir. Citando um exemplo: um óleo 0W30 vai lubrificar o motor com a mesma eficiência entre -60ºC e 300ºC (há uma tabela que indica a correspondência entre os números e a temperatura. Já o nível de aditivos é medido pela norma API (American Petroleum Institute). Da seguinte forma: sempre depois da letra S existe outra letra correspondente à quantidade de aditivos. Quanto mais próxima da letra Z, maior será a quantidade de aditivos. Assim, um óleo API SJ terá mais aditivos do que um SE. Por isso é importante respeitar os códigos de óleo indicados pelo fabricante do carro, no manual do proprietário.

2. QUAL ÓLEO É O MAIS INDICADO PARA O MOTOR DO MEU CARRO?
A boa lubrificação é um dos aspectos mais importantes para a longevidade do motor. Usar óleos de boa qualidade e respeitar os prazos de troca que constam no manual do proprietário é fundamental. Na hora de escolher o melhor lubrificante, é preciso saber não apenas o significado das siglas e dos números relacionados à viscosidade e ao nível de aditivos, mas também os tipos de óleo disponíveis. Confira o que cada um deles significa e qual é o tipo mais adequado para o motor do seu carro. MINERAIS MULTIVISCOSOS: são os mais comuns no mercado. Adequados para motores convencionais de qualquer cilindrada, têm a viscosidade

adaptada à temperatura de funcionamento do motor, atingindo os principais pontos de lubrificação com eficiência mesmo no inverno, quando há maior SEMI-SINTÉTICOS: são os de base sintética e mineral, recomendados para motores mais potentes e que atingem um nível de rotação acima da média. Por terem menor quantidade de compostos de carbono mineral, provocam menos carbonização das câmaras de combustão, o que facilita a entrada e saída dos gases de admissão e escape, além de evitar problemas de batida de pino. Outra propriedade desse tipo de óleo é a de formar uma película protetora nas paredes dos cilindros, diminuindo o atrito entre as partes móveis durante a partida. SINTÉTICOS: são os mais caros, usados nos carros das categorias mais importantes do automobilismo mundial pela curva de viscosidade constante, independentemente da temperatura de funcionamento do motor, e por não provocarem carbonização. Também podem ser usados nos modelos esportivos com alta taxa de compressão ou nos turbinados. Devem ser usados desde os primeiros quilômetros, por causa dos aditivos dispersantes, que desprendem a carbonização (o uso tardio pode entupir as galerias de óleo). O único problema em usá-los em carros convencionais é o desperdício de dinheiro. Importante: Ao contrário do que muitos pensam os óleos sintéticos NÃO SÃO os mais indicados para os carros 1.0, só porque estes trabalham em regime de alto giro. Para escolha do óleo, o que conta é o nível de potência e a taxa de compressão, e não a faixa de giro do motor. Portanto, carros econômicos pedem óleos também de preço mais acessível, como os minerais.

é fundamental conhecer as causas do mau cheiro e saber como agir em determinadas situações. nos sapatos e na roupa de pessoas que possam habitar o seu interior”. até mesmo. explica Lito Rodriguez. pode prejudicar em uma possível venda e. mas não resolve totalmente o problema. ele corre risco de não ser totalmente solucionado. é bom ficar atento. ainda assim. sujeira nas mãos. Por se tratar de um ambiente fechado.3. a umidade e as manchas que se formam no interior do veículo levam muito mais tempo para oxidar e serem eliminadas que em ambientes abertos. folhas de plantas ou dejetos). O odor no interior de veículos. dependendo do problema. Manter a higiene do veículo é essencial. além de ser um problema extremamente embaraçoso. a saúde do proprietário. O mau cheiro é provocado principalmente por fungos e bactérias que proliferam-se com a presença de umidade e de restos de resíduos orgânicos (alimentos. O carro deve ser submetido a cuidados profissionais e. Por ser um . Por isso. sócio-diretor da Dry Wash. dependendo de sua intensidade. MAU CHEIRO: COMO EVITAR? Se o seu carro apresenta sinais de mau cheiro. empresa especializada em limpeza automotiva. O QUE CAUSA O MAU CHEIRO? “Nós levamos a poluição constantemente para dentro do carro por meio de nossa transpiração.

Contra a umidade também é indicado sempre desligar o ar-condicionado instantes antes de desembarcar do carro. conta Rosangela Bernardo. por exemplo. é necessário remover os bancos. a pessoa pode danificá-las tornando o prejuízo ainda maior” diz. líquidos derramados. não é recomendável fazer a higienização com água. os tecidos internos correm risco de apodrecer caso não seja tomada uma medida imediata. multiuso e limpa-carpetes”. Outro fator que influencia o aparecimento de agentes causadores do mau cheiro é a umidade presente no interior do veículo. não deixar as janelas totalmente fechadas. deixando que a ventilação natural seque completamente os dutos do aparelho. completa. o material pode penetrar ainda mais nos tecidos e atingir a placa termo-acústica do carro. segundo Takao Kawano. diminuindo a umidade e prevenindo o mau cheiro. o veículo sofrer alagamento durante uma chuva forte. o veículo é um local propício para o surgimento de bactérias e fungos. proprietário da empresa 247 Limpeza Automotiva. Nesse caso. Ela surge graças à constante variação da temperatura provocada pelo calor e o uso do arcondicionado. Uma dica é. supervisora de vendas da Auto Shine. Isso porque. etc. aquela em que o produto não contaminou o tecido. o console e os carpetes para que seja feita a higienização. uma vez diluído.ambiente fechado. na maioria das vezes. pois ao tentar remover essas partes. muitos deles prejudiciais a saúde. como carpete e estofados são ótimos alojamentos para bactérias”. empresa do ramo de produtos para limpeza automotiva. “Quando a sujeira for superficial. “É sempre melhor procurar um especialista. o dono poderá realizar a limpeza em sua própria residência”. Isso irá favorecer a circulação do ar no interior do automóvel. o ideal é apenas enxugar a substância com uma toalha ou papel . No caso de sustâncias líquidas e pastosas. “Para isso. ela deverá ter a mão produtos domésticos como desodorizadores. Isso porque. que é coberta por feltro e carpete. que se alimentam de restos de comida. Assim. ele não tem um foco e atinge o automóvel de uma maneira geral. Quem transporta freqüentemente crianças e animais também corre sério risco de dar carona a bactérias. os dutos do ar condicionado e os materiais com tecidos porosos. sempre que possível. Se. “Além disso.

Para a sujeira sólida. um produto anti-bacterostático. A oleosidade dos vidros é outro inimigo do ambiente saudável. 4. “Quando estofado é de espuma. Ela aplica e aspira. que cria uma zona que inibe a ploriferação de bactérias”. discos e . como farelos de biscoito ou areia. É importante fazer sempre a limpeza das janelas e pára-brisa com uma flanela umedecida com álcool ou limpavidros. dependendo do modelo do veículo e do nível de contaminação. acelerando o desgaste de peças. ATENÇÃO FUMANTES! O odor provocado pelo cigarro é muito difícil de ser eliminado. evite pulverizar óleo mineral ou óleo de mamona por baixo do chassi ou monobloco e também no motor. maior será o nível de impregnação. Existem tipos de estofados que são mais difíceis de remover a sujeira. CUIDADOS COM O CARRO Evite pulverizar óleo após a lavagem Durante a lavagem do carro. Por isso. “Ao proceder dessa maneira. Quanto mais tempo levar para que o local seja limpo. Os mais recomendados são aqueles que exalam odores por meio da evaporação. Também existem produtos à venda no mercado que ajudam a disfarçar o cheiro. a pessoa deve observar o local afetado durante uns dois dias. Para Rodriguez. como polias. deve procurar ajuda especializada” alerta Kawano. “Na Dry Wash. resíduos de terra e areia aderem ao chassi e componentes externos do motor. Além disso. a eliminação do odor é quase impossível. a além da limpeza.absorvente. o processo é realizado por uma máquina de retrolavagem. Caso ela identifique a presença de odor ou umidade. por exemplo. Geralmente. O preço de uma higienização completa varia entre R$100 e R$400. Aplicados com freqüência. é recomendada a troca do estofamento”. ao mesmo tempo. um aspirador de pó é uma boa solução. afirma Kawano. é necessária a utilização do neutralizador de odores para eliminar o mau cheiro. o período ideal para realizar uma higienização completa no carro é a cada seis meses. como coxins e mangueiras em geral. esses lubrificantes causam o ressecamento de componentes de plástico e de borracha.

tambores de freios. que aos poucos podem danificar o catalisador. Sem óleo suficiente no sistema. como cabeçote e cilindros. Evite dar bombeadas no acelerador ou fazer o carro pegar no tranco. Hábitos como dar bombeadas no acelerador ao ligar ou desligar o motor. o catalisador é um componente caro e bastante delicado. devem ser evitados a qualquer custo. Essa gasolina não queimada infiltra -através dos anéis dos cilindros. Nos dias mais frios. ou mesmo fazer o carro pegar no tranco. o catalisador chega a atingir temperatura de até 800 graus e isso pode provocar risco de . e o que é melhor. puxe levemente o afogador (nos carros com injeção esse sistema funciona automaticamente) e dê a partida. há um maior desgaste nessas peças. pistões etc. Quando o motor está em funcionamento. o motor atingirá mais rapidamente sua temperatura ideal de funcionamento. A explicação é simples: quando se dá a partida. Como aquecer o motor pela manhã A melhor maneira de aquecer o motor pela manhã é rodando com o carro. Desse modo. que são dispensáveis nos carros equipados com carburador. o óleo leva alguns segundos para chegar às partes superiores. Injeção eletrônica requer cuidados especiais O sistema de injeção eletrônica requer alguns cuidados especiais. Esses procedimentos provocam um excesso de combustível dentro da câmara de combustão.no cárter e dilui o lubrificante. Ande devagar nos primeiros minutos para não forçar o motor e vá desativando gradativamente o afogador. A seguir. Batidas em lombadas ou excesso de combustível no motor podem danificar irremediavelmente esse aparelho. responsável pela "limpeza" dos gases do escapamento lançados na atmosfera. o que também aumenta o atrito e reduz a durabilidade do motor. Prolongando a vida útil do motor Aquecer o carro em rotações elevadas reduz a vida útil do motor. sem poluir a garagem e sem desperdício de combustível. Como aumentar a durabilidade do catalisador Responsável pela "purificação" dos gases lançados na atmosfera pelo escapamento. Outra recomendação: nunca estacione sobre o mato ou folhas secas. Durante esse tempo alguns componentes móveis -como comando de válvulas. O mesmo é válido para o motor. Já o afogador acionado no ponto máximo provoca excesso de combustível dentro da câmara de combustão.ficam sem a lubrificação adequada. que só deve ser lavado se estiver muito sujo. saia logo com o veículo.

mantenha os vidros fechados e não rode com peso desnecessário dentro do porta-malas. em caso de falha em algum dos componentes do sistema de ignição ou alimentação. alguns itens importantes não podem ser esquecidos. essa sujeira entope filtros e prejudica o funcionamento da injeção eletrônica. Mantenha velas. Se ocorrer uma pane em qualquer de seus componentes. Os pneus devem ser regularmente calibrados. uma luz-espia acenderá no painel. o que pode acabar danificando esse componete. mesmo com a ignição desligada. além do motor bem regulado. desligue o afogador assim que o motor atingir a temperatura ideal De funcionamento. imersa na gasolina). que a central eletrônica modifique seus parâmetros de operação. Ele permite. Pouca gasolina no reservatório faz com que os resíduos naturalmente depositados dentro do tanque entrem no sistema de alimentação. não abuse do acelerador. sinalizando que o carro está com algum tipo de problema. tanque com pouco combustível provoca o aquecimento excessivo da bomba elétrica (na maioria dos modelos ela trabalha mergulhada dentro do reservatório. Quando isso ocorrer leve o veículo imediatamente a uma oficina especializada. sem comprometer o rendimento. . Como manter o carro sempre econômico Nos tempos de gasolina cara. Dispositivo detecta falhas na injeção Todo carro equipado com sistema de injeção eletrônica traz um dispositivo conhecido como "volta para casa". Além disso. Evite rodar com o tanque na reserva Um hábito que traz problemas para o carro é rodar com o tanque sempre na reserva. Para obter o mínimo de consumo. para que o veículo continue rodando (mesmo que funcionando de modo irregular) e chegue à oficina mais próxima.incêndio no automóvel. a saída é economizar combustível. Ao volante. sujando e obstruindo também os bicos injetores. No caso dos carros dotados de carburador. Com o tempo. filtros (de combustível e de ar) e bicos injetores sempre limpos.

colocando alguns litrinhos a mais. Além do risco de uma colisão iminente entre os dois veículos. Escolha sempre os postos certificados pelas distribuidoras e que tenham equipamentos de controle de qualidade do combustível. um cabo ou corda esticado é um perigo para pedestres e motociclistas. em baixa velocidade. que podem ser surpreendidos ao cruzar os veículos no trânsito. Dê preferência sempre à gasolina aditivada. para maior segurança. Faça isso sempre que notar alguma alteração na marcha-lenta. Se depois desses cuidados. parte desse combustível acaba se perdendo pelo bocal ou pela válvula de alívio. conduza o veículo para o acostamento. Como identificar o combustível adulterado Quando for abastecer. procure postos confiáveis. Cubra o painel com um jornal (papelão ou toalha) e com . Descarte de vez aquela mania de arredondar o valor. Lembre-se: o nível correto do tanque é quando o combustível atinge o bico da bomba. mude imediatamente de posto. o excesso de gasolina provoca uma contrapressão interna que pode danificar a bomba elétrica de combustível e a válvula reguladora de pressão. Rebocando o carro corretamente Rebocar o carro com o auxílio de cabo flexível ou corda é proibido pelo Código de Trânsito Brasileiro e pode render uma boa multa para o motorista. Para advertir os demais motoristas. Desconfie de gasolinas muito baratas. Tudo isso. deixando o motorista sem visibilidade. Isso pode ser percebido quando o gatilho da mangueira desarma automaticamente.Evite abastecer o tanque até a boca Nunca encha o tanque de combustível até a boca. Nos carros com carburador. Se isso acontecer. dotados de dispositivo de retorno e que trabalham com o sistema de alimentação sob pressurização constante. cuja composição contém dispersantes e detergentes que ajudam a reduzir a carbonização interna do motor. de marcas conhecidas. O que fazer quando o pára-brisa quebra É comum na estrada uma pedra bater no pára-brisa e estilhaçar o vidro. o motor de seu carro começar a engasgar e falhar repentinamente. Nos modelos com injeção eletrônica. o carro rebocado deve ter o pisca-alerta ligado durante todo o percurso. O correto é puxar o automóvel acoplado a outro com um cambão (tubo de aço rígido). pois podem estar adulteradas.

o Carsale conversou com mecânicos. Renato Romio. feche todos os vidros e siga devagar até o posto mais próximo. basta apenas se preparar.um sapato ou ferramenta e a mão protegida por uma flanela. “O calor apenas potencializa problemas já . E se você leitor não quiser imprevistos. dê uma boa aspirada no interior do veículo. aliada ao excesso de calor. vá batendo no pára-brisa até remover todos os fragmentos. 5. É importante ficar atento aos cuidados com o automóvel para não ficar na mão. OS CUIDADOS COM O CALOR Falta pouco para o verão. Com motor de apenas 1. o calor em si não é o causador de nenhum problema específico no automóvel. Tirando o máximo proveito do motor Dirigir carro popular exige uma conduta diferente da usada em outros modelos. Mas nada que um bom planejamento não resolva. retire o jornal e jogue fora todos os estilhaços. consulte o manual do proprietário para saber quais são os regimes de rotação em que o torque (força) e a potência máxima são atingidos. Já nos demais. Nos modelos dotados de conta-giros. estradas intransitáveis e calor insuportável. Limpe os resíduos do painel e dos bancos para não se cortar. Lá. Depois vá até a oficina ou revenda mais próxima para fazer a troca do vidro. basta dirigir entre o regime de torque máximo e o de potência máxima. Na verdade. Depois. com cuidado. a falta de uma manutenção adequada. esses carrinhos exigem o uso excessivo do acelerador e freqüentes reduções de marchas para acompanhar os demais veículos. os populares equipados com injeção eletrônica trazem um dispositivo que corta a ignição/alimentação quando a rotação atinge seu limite. ruas lotadas por conta das compras de fim de ano. o jeito é esticar bem as marchas. evitando danos ao motor. Por outro lado. viagens e festas. especialistas e engenheiros que deram algumas dicas para o bom desempenho de seu veículo durante esse período. Atualmente. Então. é que pode contribuir para o surgimento de problemas. Época de férias. Para extrair o máximo rendimento de um popular.000 cc. E para te ajudar. De acordo com o supervisor do laboratório de motores do Instituto Mauá de Tecnologia.

Os mais cuidadosos dificilmente terão algum imprevisto relacionado ao calor. evitando o acúmulo de fungos. sempre lubrificados. É tudo muito simples. não tem nada de muito diferente a ser feito. pode gerar a perda total do sistema de frenagem. Na esteira de Ferreira. que aos poucos pode ir oxidando. recuperação de peças e auto center. também salientou a necessidade de atenção nestes quesitos. o proprietário da oficina RPC comércio. Romio frisou a importância da manutenção da qualidade e quantidade da água adequada no radiador. O gerente também fez questão de destacar a importância do fluído de freio que. existem alguns procedimentos que podem melhorar a qualidade e desempenho do equipamento. “Verificar periodicamente estes componentes fará com que dificilmente algum imprevisto venha a acontecer. “O ideal é ligar o ar-condicionado pelo menos uma vez por semana. caso supere o limite de aquecimento permitido. pode ser colocado um aditivo para melhorar a qualidade. segundo ela. por cerca de dez minutos. o que pode acarretar em sérios problemas no motor. ventoinha e o ar-condicionado. que são cerca de 30% do total. “Na água.” . Nada que afete muito no bolso do consumidor. A troca. para manter os componentes de borracha como juntas. Além disso. por exemplo.” O ar-condicionado também é outro equipamento que merece atenção especial. dependendo do carro. Raphael Schurt.existentes. a falta de cuidado com a água pode gerar o empenamento das válvulas do cabeçote. afirma Laura Monteiro. José Roberto Ferreira. assim como os cuidados com freio.00. mangueiras e anéis. “Só a retífica de um cabeçote fica na casa dos R$ 600.” Apesar de minimizar os efeitos do calor. mais nada. deve ser feita a cada 10 mil quilômetros rodados ou anualmente e fica em torno de apenas R$ 55. além da higienização. afirma ele. deve ser feita anualmente para o bom funcionamento”.“A troca do filtro anti-pólem. gerente da Porto Ar-condicionado. Fora isso. A influência da temperatura mais alta fica por conta apenas da oscilação de pressão nos pneus. É bom também depois do uso prolongado acionar o ar-quente por alguns minutos para que o excesso de água depositado na caixa de ar seja eliminado. em São Paulo.” Segundo o gerente da oficina Top Stop da Lapa. Uma coisa boba pode gerar uma dor de cabeça sem tamanho”. segundo ele.

A boa refrigeração está diretamente ligada à durabilidade e ao rendimento do motor. “A água utilizada pelo ar-quente é a mesma do motor. explica. informada pelo sensor de temperatura. Acompanhe o que fazer para rodar sempre dentro dos níveis ideais de temperatura. que é responsável pelo controle de água utilizado. É recomendável trocar o líquido de arrefecimento anualmente. e não force o carro se ele estiver perto do vermelho. além de problemas no motor. Fique de olho também no indicador de temperatura do painel. Apesar de ter evoluído ao longo do tempo. de acordo com Laura. Com o ressecamento. pode provocar um ressecamento na válvula do ar-quente. Ter o sistema de arrefecimento em ordem é fundamental para enfrentar o verão sem problemas. 2-Verifique o estado da válvula termostática. responsável por manter a temperatura ideal de funcionamento do motor. com que o motor venha a fundir”. O mais importante é adicionar bons aditivos ao líquido de arrefecimento. Sem ela. além de enferrujar a válvula termostática e a bomba d'água. o sistema responsável pela refrigeração do motor não está livre de manutenção. deve ser substituído. 6. e na proporção correta. até mesmo com o ar-desligado. e não apenas do reservatório. O ideal para esse serviço é procurar postos especializados em lubrificação. em situação limite. de boa procedência. já que a unidade de controle de injeção eletrônica. causando um aumento do calor interno. vai .00 para a troca do filtro antipólen e higienização. 1-O líquido do sistema deve estar sempre no nível máximo do vaso de expansão e conter 20% a 50% de aditivo à base de etilenoglicol. controlando o fluxo do líquido de arrefecimento.O excesso de calor. a água evapora mais rapidamente. a válvula pode quebrar. ou a cada 30 mil km. Sem o aditivo na proporção certa. sem esquecer de fazer a limpeza de todo o sistema. Se o líquido estiver sujo. por causa do calor. gastando menos e garantindo bom desempenho mesmo sob o sol forte. segundo a gerente. os motores mais modernos gastam mais e perdem rendimento. Para um bom funcionamento do equipamento. A quebra desta válvula pode fazer. CUIDANDO DO SISTEMA DE ARREFECIMENTO A possibilidade de o motor fundir é muito maior nessa época do ano. basta desembolsar anualmente R$ 90. aliado aos congestionamentos.

ou por pequenas unidades monitoradas por sensores que transmitem energia para as velas sem passar pelo distribuidor (este foi extinto como parte do processo de evolução). Sem ele. As bobinas foram substituídas por transformadores de ignição. Se estiverem danificadas. causando falhas por excesso de combustível injetado na câmara de combustão.enriquecer a mistura. Independentemente do tipo e de quando o carro foi fabricado. troque-as para não correr o risco de ter um vazamento. 4-O radiador deve estar sempre limpo. a cada 30 mil km basta . 6-Também deve ser verificado se o sensor (cebolão) do radiador está funcionando adequadamente. O prazo médio de troca das velas com eletrodo de platina já chega a 80 mil km. As braçadeiras enferrujadas também devem ser substituídas para evitar o mesmo problema. Assim. 3-As mangueiras não podem ter rachaduras e sempre devem estar flexíveis. o radiador deve ser trocado. a corrente elétrica e o tamanho da faísca precisam estar de acordo com os parâmetros estabelecidos pelos fabricantes. troque-as para que líquido não ferva com facilidade. Para tê-las funcionando bem. Se houver partes danificadas. que se reflete na economia de combustível e no desempenho. COMO MANTER IGNIÇÃO? A EFICIÊNCIA DO SISTEMA DE A queima eficiente da mistura ar/combustível na câmara de combustão é fundamental para que o motor produza potência. o sistema de ignição teve seus componentes reduzidos e passou a ser controlado pelo mesmo módulo da injeção eletrônica. Nos carros atuais. Limpe-o por fora com ajuda de um pincel e com água corrente em direção à grade dianteira. Como existe muita turbulência nos cilindros durante a fase de compressão. para manter o sistema com a pressão estabelecida pelo fabricante. 7. ante os 20 mil km das velas convencionais. ficou mais simples manter o sistema funcionando com perfeição. a ventoinha não será acionada quando o motor estiver quente e o carro parado. 5-As tampas do vaso de expansão e a do próprio radiador devem estar livres de ferrugem. com as aletas de refrigeração desobstruídas. Ao longo do tempo. ou movendo-se devagar. o risco de superaquecimento durante os congestionamentos será bem maior. a centelha que salta das velas é a principal responsável pela explosão. Se estiverem inchadas e ressecadas.

As de platina geralmente passam a ser trocadas a cada 60 mil km. seqüentemente. A não ser que a preparação exija um sistema de ignição mais eficiente.verificar se a folga do eletrodo está de acordo com as especificações de cada fabricante. o que causa fuga de corrente e. Nos motores preparados.mantendo o carro em solo e absorvendo ondulações . Normalmente. Já nas velas convencionais essa verificação deve ser feita a cada 10 mil km. Responsáveis contato com o por controlar a ação das molas . não é recomendável regular velas com mais de um eletrodo e fazer qualquer tipo de limpeza com produtos químicos e jatos de areia.os amortecedores . os cabos de vela não podem estar descascados e sujos. com a quantidade de mistura ar/combustível enriquecida (há mais combustível a ser queimado) e a taxa de compressão aumentada. as bobinas originais são trocadas por outras com maior voltagem. perda de eficiência. mas também a segurança. Em regiões com eventuais problemas de qualidade de combustível. Por isso. ainda existe a necessidade de regular o ponto de ignição com mais freqüência. o recomendável é usar velas originais e seguir o plano de manutenção estabelecido pelo fabricante. perda de eficiência. o prazo de troca das velas pode cair. Como parte do sistema. Veja como detectar as principais falhas na suspensão e como manter o plano de manutenção em dia. Já nos modelos com distribuidor. consequentemente. Rodar com molas e amortecedores em mau estado compromete não apenas o conforto ao rodar. As bobinas antigas (com filamentos e refrigeradas por óleo) devem estar sempre limpas e secas. é preciso que a centelha das velas seja maior e mais forte. 8. SAIBA COMO MANTER A SUSPENSÃO EM BOM ESTADO Com a grande quantidade de buracos e irregularidades que se espalham pelas ruas e estradas brasileiras. Além disso. as peças da suspensão acabam sendo muito afetadas. No caso dos carros com platinado. além da regulagem e da limpeza a cada 5 mil km. essas modificações não melhorarão o rendimento do motor. A tampa do distribuidor não deve ter rachaduras e os contatos precisam estar em bom estado e livres de umidade. o rotor (cachimbo) que distribui a energia para as velas deve ser verificado a cada 5 mil km e trocado a cada 20 mil. Ainda como parte do plano de manutenção. são instaladas velas com mais de um eletrodo que dissipam melhor o calor ( são mais "frias") e os cabos de vela geralmente passam a conduzir a maior corrente elétrica por fios de cobre mais espessos.

basta pressionar com força os cantos da carroceria (sobre as rodas) para baixo. Por isso. Caso esteja. os pneus sofrem desgaste irregular e acima do normal. também é bom verificar se não vale a pena trocá-las por novas. é sinal de que o amortecedor já está gasto. Olhando o carro com cuidado. Outro problema freqüente é o desequilíbrio das rodas causado pela alteração da regulagem dos componentes móveis da suspensão. Geralmente duram em torno de 50 mil quilômetros. que absorvem os ruídos e vibrações. Apoiar as rodas na guia quando for estacionar em ladeiras também causa desgaste prematuro dos pivôs e bandejas. Para saber se estão funcionando bem. notando se ela oscila mais de uma vez e meia. veja se a carroceria está pendendo para um dos lados. lombadas e valetas (mas não frear em cima deles). resultando na perda do conforto na rodagem. Mas. É recomendável que sejam verificados a cada 30 mil quilômetros. . Se isso acontecer. o que evita danos mais graves aos componentes da suspensão. a cada 10 mil quilômetros é recomendável fazer o balanceamento das rodas e o alinhamento da direção. bem como trincas e lascas . Outra precaução é diminuir a velocidade ao passar por trechos esburacados. Para ter certeza de que estão cumprindo adequadamente seu papel. para uma rápida verificação. o que prejudica a estabilidade.também devem evitar que a carroceria incline demais nas curvas. verifique se existem marcas de desgaste entre os elos. o ideal é fazer um teste em oficina com aparelhos especializados. Um alerta para quem gosta de lavar a parte inferior do carro com óleo de mamona: isso causa ressecamento das buchas de suspensão. Não menos importantes do que os amortecedores. as molas sustentam o peso da carroceria e evitam choques entre ela e alguns componentes da suspensão. Vale lembrar que eles devem ser substituídos sempre aos pares. Ao entrar em contado com o solo fora dos ângulos estabelecidos pelos fabricantes.indícios de desgaste excessivo.

indicadas para os esportivos e para os carros mais pesados. Na hora de escolher a marca do fluido. assim como o nível do fluido de freio. componentes que também devem ser verificados. A maior diferença entre esses tipos de fluido é o ponto de ebulição. acompanhando a periodicidade de trocar do fluido de freio. Esse procedimento (conhecido como "sangria") também deve ser feito todo ano. dos vazamentos de fluido e dos sinais de ineficiência ou demora na hora de pisar fundo no pedal. a maioria dos carros contam com tambores e lonas como parte do sistema. mas continua precisando de manutenção constante. O ITEM DE SEGURANÇA QUE MAIS EXIGE ATENÇÃO O sistema de freios evoluiu muito nos últimos anos. o ideal é optar pelas mais conhecidas. mas também existem a DOT4 e a DOT5. No caso dos freios a tambor. 70% do peso do carro são transferidos para a parte da frente. O pedal do freio baixo. O estado dos discos e pastilhas. o carro "puxando" para um lado durante as frenagens e um chiado acima do normal são sinais de que há algo de errado no sistema de freio. o que acentua mais o desgaste dos itens do eixo dianteiro. além da regulagem. Segundo especialistas. mas também desgasta demais os discos. Além. levando em conta a especificação correta.9. devem ser verificados a cada 5 mil km. Tanto o disco como a pastilha precisam estar dentro da espessura mínima recomendada. o que acaba custando caro porque será preciso que sejam retificados ou trocados. também deve-se retirar o ar do sistema. principalmente os discos e as pastilhas de freio. os componentes desgastam-se rapidamente. A especificação mais comum é a DOT 3. Atrás. Insistir em usar pastilhas gastas não apenas prejudica a eficiência de frenagem. o mais comum é ter de alinhar as lonas e retificar os tambores. ao pisar no pedal do freio. Como funciona em alta temperatura e produzindo atrito. Toda vez que as pastilhas forem trocadas ou as pinças de freio reparadas. é claro. mas que geralmente exigem menos manutenção. que varia de 205ºC (DOT3) até 260ºC .

com freadas bruscas constantes. Verifique. o que não chega a ser verdade em todos os casos. Por isso. O recomendável é pisar no freio progressivamente e com suavidade. Para reduzir o desgaste e evitar a perda de eficiência da força de frenagem por superaquecimento. no hidrovácuo. ou de qualidade superior. também acelera o desgaste dos principais componentes. qual é a melhor opção: ir ao concessionário autorizado ou recorrer ao mercado paralelo? A primeira idéia que vem à cabeça é de que a primeira opção pode sair mais caro. 10. convém usar uma marcha mais reduzida para poupar os freios. Esse procedimento também pode ser usado nas curvas. A origem do problema pode estar nas pequenas mangueiras de borracha atrás das rodas (que são chamadas pelos mecânicos de "flexíveis"). a principal solução é usar o freio motor. Vazamentos também fazem parte dos defeitos mais freqüentes do sistema de freio. o importante é escolher o tipo de fluido recomendado pelo manual do proprietário. tomando como base carros . ou no cilindro-mestre. Dirigir de forma afoita no trânsito. Assim. no local onde o carro fica estacionado a maior parte do tempo. principalmente nas descidas.(DOT5). conforme o levantamento de preços feito por Carsale entre os dias 21 e 25 de junho de 2004. nos dutos de cobre. prejudicando a eficiência da força de frenagem. se existem manchas de fluido perto das rodas. O motorista também pode contribuir para aumentar a durabilidade dos componentes do freio. PEÇAS ORIGINAIS X MERCADO PARALELO: QUAL ESCOLHER? Na hora de comprar peças. A parte de trás dos freios manchada de fluido é outro sinal de que o líquido está vazando.

50 24.50 130.80 34. a diferença para o mercado paralelo.50 25.00 24.00 350.50 10.00 105.99 14.10 8.70 180. o preço médio desse item é R$ 9. Um item que apresenta preço bem competitivo no mercado paralelo é a calota. Outra peça que leva vantagem em lojas independentes é a pastilha de freio: a do Ford Ka pode ser encontrada por R$ 45.60 29.90 no mercado paralelo.13 127.63 117.00 215.00 163. valor que cai para R$ 145.00 160. aproximadamente 80% mais barato do que nas revendas autorizadas.60 9.56 130.00 185.30 25.90 342.30 8.00 12. enquanto nas concessionárias o preço médio é R$ 55.50 15.00 341.99 87.20.50 37.50 11.00 145.50 260. No caso do Ka.00 5.21 105.00 7. em média. Neste caso.50 nas concessionárias Volkswagen e no mercado paralelo custa cerca de R$ 7. cujo preço médio do jogo (dois dianteiros e dois traseiros). a situação se inverte. A calota do Gol tem preço médio de R$ 34.Outro ponto que apuramos junto aos fabricantes foi a razão pela qual alguns itens originais têm uma diferença de custo considerável se comparados aos do mercado paralelo.00 105.70. esse item pode ser adquirido por R$ 5.37 .50 7.40 132. não é grande.83 212.20 17. Confira o resultado abaixo.30.00 76.00 285. R$ 25 na rede de concessionárias da montadora. A do Fiat Mille custa.60 para o Celta. Em lojas independentes.00 16.00 129. O mesmo não acontece com os amortecedores.50 98. Nas revendas autorizadas da Chevrolet. por exemplo.52 12. O jogo original é mais em conta que o encontrado nas lojas do ramo: R$ 132 ante R$ 350.00 222. no qual a peça custa cerca de R$ 8.00 252.ano/modelo 2003.00 108. para o Gol.00 183.00 9.00 71.20 275. é R$ 275 em revendas autorizadas. PREÇOS DAS PEÇAS (R$) CHEVROLET VW GOL FIAT UNO CELTA origin paralel origin paralel origin paralel origin paralel al o al o al o al o FORD KA VEÍCULO Calotas (unidade) Bateria* Filtro de combustível Filtro de ar Amortecedor es (jogo) Pára-choque dianteiro Lanterna 32.00 90.60 9.00 60. Os filtros são outras peças que merecem atenção especial.

fazendo a troca na concessionária autorizada. por meio de sua assessoria de imprensa. mas até o fechamento desta matéria. Para a montadora. em média. por exemplo. Nossa reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Fiat. ela traz evidentes . as revendas da montadora ainda saem perdendo para as lojas independentes. os itens do mercado paralelo. alguns postos de abastecimento costumam recorrer à misturas ilegais. como adição de mais álcool (além dos 25% permitidos) ou mesmo água na gasolina ou. Entramos em contato com todos os fabricantes para saber porque a maioria das peças das revendas autorizadas são mais caras do que a das lojas independentes. A Ford garante que seus kits de peças de reposição apresentam preço mais competitivo do que os do mercado paralelo. A Volkswagen esclareceu que suas peças seguem padrão de qualidade dos veículos e. a colocação no combustível de solventes químicos industriais. A GM. A maior diferença encontrada do preço médio foi no Gol (R$ 341 nas concessionárias e R$ 185 no mercado paralelo). Seja qual for a adulteração. cujos preços nas concessionárias sempre ultrapassam os R$ 100. também são bem mais atrativas em lojas independentes. diz Oswaldo Ramos.Os preços são uma média entre as concessionárias e lojas independentes consultadas por nossa reportagem *Baterias da marca ACDelco no caso do mercado paralelo As baterias. quando estes itens são vendidos separadamente. Para o Fiat Mille. "O que acontece é que estes estabelecimentos vendem o produto como original. em grande parte das vezes. Outro item que é bem mais em conta nas lojas independentes (exceto no caso do Ford Ka) é o pára-choque. o consumidor pode contar com profissionais treinados e equipamentos especializados para aquele tipo de serviço. 11. a montadora não havia dado sua opinião sobre o assunto. mas muitas vezes eles não têm certos itens que os deixam mais caros. Exemplo disso é a pastilha de freio: as do mercado paralelo geralmente não têm o controlador de ruído que disponibilizamos para nossas pastilhas originais". gerente de marketing e serviço ao cliente da Ford. esta peça custa. COMO IDENTIFICAR SE A GASOLINA É "BATIZADA" Com a alta dos combustíveis e um controle mais rígido de seu preço pelo governo. apresentam defeitos com pouco tempo de uso. R$ 163 nas concessionárias e R$ 105 no mercado paralelo. ainda. informou que as peças originais apresentam maior qualidade e garantem a originalidade do carro. Porém.

Desempenho e rendimento diminuem. CONSEQUÊNCIAS A MÉDIO PRAZO Motor "engasga" ou chega a parar. Trocar os diafragmas no caso do carburador. COMO ELIMINAR O PROBLEMA Limpar o carburador ou bicos injetores de combustível. Motor começa a falhar de repente. Marcha lenta se torna irregular. Trocar as mangueiras e conexões de alimentação. DANOS PROVOCADOS POR QUÍMICOS SOLVENTES Borrachas do sistema de alimentação se desmancham. Elevação do consumo. Aceleração do desgaste das partes móveis do motor. Escoar o combustível adulterado ou limpar o tanque. Resíduos provocam entupimentos generalizados. Motor "bate pino" (sinal de pré-ignição). Substituir todos os filtros de combustível. Aumento do depósito de carvão nas válvulas e velas. Óleo do cárter vai perdendo o poder lubrificante. Escapamento jorra água com o motor frio. . Acelerações ficam cada vez mais lentas.alterações no desempenho do veículo e sérios prejuízos ao funcionamento e à vida útil do motor. Perda gradativa da potência e do torque. Partidas ficam mais difíceis. Testar válvula reguladora de pressão (injeção). Maior emissão de poluentes. Veja os cuidados a tomar na hora de abastecer e os danos que o combustível "batizado" pode causar ao seu carro.

retorne ao posto e exija um teste do produto. que evita a . aditivada ou premium. Caso desconfie do combustível. pois pode estar misturado ou adulterado. Se houver irregularidades. 12. elas se diferenciam pela resistência à detonação (octanagem) e pela quantidade de aditivos. Além de ser menos adulterada. Além do preço.Testar a vazão da bomba mecânica ou elétrica. poderá diluí-lo com gasolina aditivada. Desconfie de combustível com preço muito baixo. Veja se o posto de sua preferência faz o controle da qualidade do combustível anunciado pela distribuidora. É um direito do consumidor. embora seja preferível optar pela aditivada. Se o combustível estiver adulterado será mais fácil identificá-lo. ADITIVADA OU PREMIUM? Quem abastece o carro hoje em dia pode escolher entre três tipos de gasolina: comum. TIPOS DE GASOLINA: COMUM. COMO ESCOLHER UM POSTO PARA ABASTECER Abasteça sempre no mesmo posto. Use sempre gasolina aditivada. denuncie para a distribuidora ou órgãos de fiscalização. contém detergentes que limpam o motor. Se o combustível estiver adulterado. Abasteça até 1/4 de tanque. Cheque no posto se há lacres eletrônicos instalados nos bocais dos reservatórios de combustíveis. a gasolina comum pode ser usada normalmente. Na maioria dos carros nacionais. e mude de posto.

Com a camada carbonizada no cabeçote. Ainda no caso dos carros importados sem adaptações. Limpo e lubrificado pelos aditivos. usar a comum ou a aditivada causa perda de rendimento. os efeitos causados pela gasolina comum são menos sensíveis. Portanto. o uso da gasolina aditivada é mais recomendável. Já no caso dos modelos alimentados por carburador. Para quem sempre usou gasolina comum no tanque e está pensando em mudar para a aditivada. surgem falhas durante a aceleração. para manter o motor sempre livre de impurezas. o motor é capaz de aspirar melhor a mistura ar-combustível e queimá-la com mais eficiência. de menor precisão. causando corrosão. uma advertência: a carbonização impregnada no cabeçote e nas sedes das válvulas tende a desprender-se pela ação dos aditivos dispersantes e detergentes. prejudicando o desempenho. Como a resistência à detonação (octanagem) da gasolina americana é compatível com a premium daqui (98 octanas RON). por exemplo. o recomendável é utilizar o combustível aditivado desde o início ou após uma retífica. os sensores que detectam "batidas de pino" na câmara de combustão tendem a acusar o problema constantemente. Assim. OS PREJUÍZOS CAUSADOS PELOS BURACOS . Nos carros equipados com injeção eletrônica. 13. Os bicos injetores. marcha lenta irregular e perda de rendimento em geral. devem estar sempre desobstruídos. já que o sensor de detonação atrasa o disparo da centelha das velas. os 24% de álcool anidro da gasolina brasileira (de qualquer tipo) atacam as partes do motor em contato com o combustível. já que os componentes desse sistema precisam funcionar com o motor livre de impurezas. o que faz cair a rotação do motor. Já a gasolina premium deve ser usada nos esportivos de alto desempenho e nos modelos importados dos Estados Unidos sem as adaptações necessárias às condições brasileiras.carbonização de partes internas do motor. o que se traduz em melhores números de desempenho e economia. o que pode entupir os dutos de admissão e prejudicar a queima da mistura ar-combustível na câmara de combustão.

A SEGUIR. incluindo troca de amortecedores. pode custar de R$ 800 a R$ 2 mil. "O cliente pode gastar de R$ 80 (que é o valor médio de um pneu para Gol) até R$ 300. o risco de danificar os pneus ou os componentes da suspensão também cresce. Vale a pena lembrar que o seguro pode ser acionado se o estrago for causado pelo buraco e não pelo desgaste normal das peças da suspensão. caso seja pego por uma dessas armadilhas cravadas no asfalto. ALGUMAS DICAS DE MANUTENÇÃO: . o segurado não deve fazer nenhum conserto e acionar o guincho da seguradora para vistoria. mas isso é feito apenas quando as peças já sofreram algum desgaste". molas e buchas. braço de suspensão. Segundo o engenheiro responsável pela oficina paulista Motor-Max. a única solução é substituir as que foram danificadas. pagar a franquia sai mais em conta. As rodas de aço podem ser soldadas e desamassadas. Com nossas ruas e estradas cada vez mais esburacadas. Para enfrentar esse verdadeiro rali diário. Rubens Venosa.Se você utiliza o carro todos os dias. diz ele. a saída é procurar uma boa oficina. dependendo do tamanho do buraco e da velocidade do carro no momento do impacto. o custo do conserto dos danos causados por buracos varia bastante. Em alguns casos. caso haja a necessidade de trocar algumas peças como bandeja. a revisão de um carro importado pode chegar a R$ 10 mil" . completa Venosa. Saiba quais são os reparos mais comuns e até quanto pode custar o prejuízo. preparese. mas no caso das de alumínio. Não são apenas os pneus e a suspensão que sofrem com a má conservação do asfalto. a dica é dirigir com cautela e manter uma boa distância do carro da frente. Porém. Uma revisão completa. buchas e terminais. A roda também pode ser danificada. no caso de um carro nacional. "Dependendo do estrago. Para ser ressarcido.

os principais consumidores de remoldados eram . Remold. os "remold" tiveram 10% de participação no mercado de veículos de passeio em 2003. Segundo a ANIP (Associação Nacional da Indústria de Pneumático). ou remoldado. 3-A calibragem dos pneus deve ser feita semanalmente e logo depois do carro sair da garagem. 2-Em dias de chuva. evite passar em velocidade sobre poças d'água. estão se transformando em uma opção econômica para quem tem carros de passeio. é o termo usado pela portaria INMETRO 133 para pneus reindustrializados a partir de carcaças. PNEUS REFORMADOS: VALEM A PENA OU NÃO? Os pneus chamados "remold" que eram utilizados principalmente em veículos comerciais. podendo causar danos graves à suspensão dianteira. 4-Pressionar com força os cantos da carroceria para testar os amortecedores. 7-Fazer o alinhamento e o balanceamento a cada 10 mil quilômetros. a maioria delas importadas. 50% menos do que os novos. vale verificar a necessidade de substituí-los (sempre aos pares). Há alguns anos. ou se as rodas e a suspensão foram danificadas por batidas e riscos profundos. o que faz 70% do peso do carro ser transferido para a frente. 14. quando ainda estão frios. fatia que representa cerca de 12. 5-Verificar se as molas estão desgastadas entre os elos. em média. já que custam. Lembre-se que pneus vazios facilitam a formação de bolhas e rasgos. 6-Substituir as molas a cada 50 mil quilômetros.1-Não pisar no freio sobre um buraco. sinal de desgaste excessivo. Se o carro oscilar mais de uma vez e meia.5 milhões de unidades comercializadas. que costumam esconder verdadeiras crateras.

o INMETRO exige que as carcaças utilizadas na reforma de pneus tenham idade máxima de 7 anos. a empresa não tem como precisar estes dados. o crescimento dos pneus reformados no mercado devese às tecnologias avançadas que estão sendo incorporadas por algumas empresas na fabricação dos "remold". "Toda a nossa linha tem entre 3 e 4 anos de uso". De acordo com a BS Colway. "São produtos totalmente diferentes". segundo os fabricantes de pneus novos. já existem casos em que esse tipo de pneu é escolhido na primeira troca (que acontece com cerca de 50 mil quilômetros)". A Pneuback. diz Idaci Mendes. o consumidor nem sempre terá a mesma segurança e desempenho quando optar pela utilização de um remoldado. explica esta diferença: "Os recauchutados recebem apenas uma camada de borracha sobre a banda de rodagem. Entretanto. enquanto nossos pneus utilizam matrizes de seis partes". favorece o balanceamento do pneu. Idaci Mendes. "O fator mais importante na escolha de uma estrutura é seu estado de conservação. cuja fixação é feita por meio de colagem física. "Hoje. Este material é uma manta de borracha resistente que. o processo é o mesmo que o utilizado na produção de um produto novo. segundo a empresa. Eles utilizam matrizes de duas ou três partes. Além do preço convidativo.donos de carros que já estavam fazendo a terceira troca de pneus. do departamento de marketing da Pneuback. explica que utiliza o Camel Back. Segundo a Pneuback. e não seu tempo de vida". informa Ozil Coelho Neto. uma das empresas pioneiras na fabricação de "remold". produzido pela Pirelli. A idade das carcaças é outro ponto importante na concepção dos pneus remold. o pneu usado é raspado de talão a talão até chegar a carcaça original. outra fabricante de remoldados. A partir deste ponto. afirma Coelho. Os dois fabricantes de remoldados afirmam que os "remold" apresentam melhor acabamento que os pneus recauchutados. da BS Colway. Mas. na concepção de seus produtos. . Consultamos duas das principais fabricantes de pneus "remold" para saber quais são as técnicas empregadas na fabricação destes produtos. diretor comercial da BS Colway.

A Pneuback também garante que o consumidor de seus pneus estará tão seguro quanto um usuário de produtos novos. A Pirelli fabrica pneus de veículos comerciais prevendo sua reconstrução. com a . "Sua estrutura interna não é preparada para ser reformada e conseqüentemente reutilizada. "Este fator também enfraquece o desempenho e o balanceamento do pneu. inspecionadas e que passam por um controle de qualidade em nossa fábrica". afirma Renato Silva. "Trabalhamos com estruturas importadas. se o pneu "remold" foi muito solicitado em sua vida original. Ele afirma que a redução do desempenho faz parte da rigorosa política de segurança da empresa. Consultamos alguns fabricantes de pneus novos para saber a opinião deles sobre este e outros aspectos. Outro ponto importante mencionado por Bridgestone. Outro ponto importante que os fabricantes de pneus novos destacam é a variedade de estruturas utilizadas na concepção do "remold". gerente de marketing produto da Michelin América do Sul. são concebidos para rodarem apenas uma vida com segurança. "Se a carcaça foi concebida para um pneu dimensionado para rodar a 220 km/h. diz Inácio Caltabiano. pois as carcaças são fabricadas por empresas diferentes. Michelin e Pirelli é que os pneus de carros de passeio.afirma Coelho Neto. "Mas os de menor porte. Para José Carlos Quadrelli. que dependem da total interação de seus componentes". diz Coelho Neto. diz Idaci Mendes. com exceção de alguns pneus de camionetes. A BS Colway admite que seus pneus perdem mesmo o desempenho em relação aos novos. Este procedimento pode comprometer a estrutura da carcaça". são produzidos para rodar apenas uma vida". diz Renato Silva. diferente dos de veículos comerciais. gerente de marketing da Pirelli. 15. ele não oferecerá ao veículo um bom nível de segurança e terá um desempenho fraco. nós reduzimos este índice para 190 km/h". PNEUS: ENTENDA O SIGNIFICADO DAS MEDIDAS Os pneus radiais surgiram para substituir os diagonais. da engenharia de vendas da Bridgestone.

Assim. Para trocar a roda original por outra com aro de diâmetro maior. De acordo com uma tabela pré-estabelecida como padrão. mais economia de combustível e melhor desempenho. Para citar um exemplo. . deve-se seguir a seguinte regra: para cada polegada a mais no diâmetro da roda. é preciso constatar se os novos pneus não raspam na parte interna dos pára-lamas ou nos componentes da suspensão e da direção.Já a letra H. Assim. deve-se escolher um pneu 10 mm mais largo e com seção lateral que represente 10% menos em relação à banda de rodagem. refere-se à largura da banda de rodagem medida em milímetros. mas esta porcentagem pode variar entre 70% e 90%. o número 14 representa o diâmetro do aro em polegadas. O "S" significa que o pneu pode suportar uma velocidade máxima em torno de 180 km/h.O "R" apenas identifica um pneu radial. um pneu 175/70R/13 pode ser trocado por outro 185/60R/14. têm suas medidas relacionadas não apenas à largura e ao diâmetro do aro das rodas. um pneu original de 165 milímetros de largura montado numa roda de 127 mm (5 polegadas) pode ser trocado por outro de 185 mm utilizando-se a mesma roda.vantagem de garantir melhor estabilidade nas curvas.Em seguida. é uma sigla relacionada à velocidade máxima aproximada que o pneu é capaz de suportar.Por último. têm-se o seguinte: . 60%.O número 185. . enquanto que o "Z" (que normalmente aparece nos pneus dos carros esportivos mais velozes) representa uma velocidade máxima superior a 240km/h. mas também à altura da seção lateral e à velocidade máxima que são capazes de suportar. têm-se a porcentagem que a seção lateral representa em relação à banda de rodagem. Vale lembrar que ao trocar os pneus originais por outros mais largos e com aro maior. No caso do exemplo citado. tomando-se um pneu 185/60/HR/14 como exemplo. . o "H" equivale a uma velocidade de 210km/h. Reforçados por cordonéis de aço. . . O ideal é que a largura da roda ocupe 80% da largura do pneu.

se necessário d) Substitua o elemento do filtro de ar e) Troque as velas de ignição. Essa inspeção.000 km -. que antes era realizada pela fábrica. dependendo do modelo) Injeção: a) Limpe o bico ou bicos injetores b) Teste a vazão da bomba elétrica do tanque c) Troque o filtro de combustível da bomba elétrica.000 km e 60. acaba ficando sob a responsabilidade do dono do carro. COMO FAZER UM CHECKUP BÁSICO FORA DO PLANO DE GARANTIA? Com a primeira revisão ocorrendo em prazos cada vez mais longos nos carros novos -atualmente ela acontece em torno dos 15.000 km. são poucos os modelos que conseguem fazer esse checape inicial ainda dentro do prazo da garantia de um ano.000 km ou 20. se estiverem em mau estado f) Troque o óleo do motor e substitua o filtro de óleo .000 km Pneus: a) Verifique se há bolhas ou rasgos nos pneus e troque-os se estiverem avariados b) Faça o rodízio dos pneus conforme o indicado no manual do proprietário c) Providencie o balanceamento das rodas e do estepe Direção: a) Cheque a geometria da direção e alinhe-a se necessário b) Verifique o estado de pivôs ou terminais Freios: a) Verifique o nível do fluido de freio b) Troque as pastilhas dianteiras se estiverem excessivamente gastas c) Veja o estado dos discos de freio e troque-os se necessário d) Observe se há vazamentos de fluido nos cilindros de rodas e) Regule o freio de estacionamento Motor: a) Verifique o reaperto da tampa de válvulas e da tampa do cárter b) Cheque o estado da sonda lambda e do catalisador c) Veja o estado da correia dentada do comando de válvulas (ela deve ser trocada apenas entre 40. Revisão dos 15.16.000 km ou 20. Siga a planilha abaixo e veja o que verificar ou os componentes a serem trocados em seu veículo.

o nível do: a) fluido de freio b) fluido da direção hidráulica c) nível do óleo de câmbio d) nível da água do esguichador dos vidros f) nível da solução da bateria (se houver) Correias: Verifique a tensão e ajuste se necessário as correias da: a) bomba d' água b) alternador c) direção hidráulica d) ar-condicionado Sistema elétrico: a) Faça a regulagem dos faróis b) Substitua as lâmpadas queimadas ou com defeito c) Teste o funcionamento de comandos e equipamentos elétricos d) Verifique o nível da solução da bateria (se não for a do tipo sem manutenção) e limpe os orifícios de respiro e os terminais elétricos se necessário Segurança: a) Troque as palhetas dos limpadores Obs: O roteiro mencionado é apenas uma referência de serviços a serem verificados em seu carro.Suspensão: a) Verifique a existência de vazamentos ou batentes danificados nos amortecedores b) Cheque estado dos calços e das molas helicoidais c) Verifique o estado e a existência de folgas nas buchas de bandejas Sistema de refrigeração: a) Inspecione o estado de conservação e aperto das mangueiras b) Cheque o estado e tensão da correia da bomba dágua c) Verifique o funcionamento da ventoinha elétrica d) Troque o líquido e o aditivo do reservatório de expansão Fluidos: Verifique e complete. especialmente os importados. se necessário. a troca de . Esse trabalho deve ser executado por um mecânico especializado. Em alguns modelos.

certos componentes tem intervalos mais longos. . Antes de substituir qualquer peça. Devido a qualidade do combustível. alguns itens podem ter sua vida útil reduzida ou operação comprometida antes do prazo estipulado para troca. procure por informações adicionais no manual de proprietário do veículo.