You are on page 1of 24

INTRODUÇÃO

O presente trabalho é o resultado do estudo dirigido da abordagem feita por Maria Sylvia Zanella di Pietro a respeito dos Servidores Públicos, em seu livro Direito Administrativo.

A máquina da Administração Pública depende tem sua operação realizada através de órgãos, entidades e agentes com o propósito de atender às necessidades da coletividade, através de seus serviços públicos.

Para a concretização de suas atribuições, a Administração pública dependerá de um conjunto de pessoas, com vínculos variados, para que atuem como veículo da expressão da vontade e da ação do Estado.

O presente trabalho propõe uma análise do gênero Servidor Público, e suas espécies, na condição de recursos humanos, dos quais dispõe o Estado, para a consecução dos objetivos quanto à materialização da vontade do Estado na execução do bem comum.

4

1 A TERMINOLOGIA “SERVIDOR PÚBLICO”

A definição da terminologia mais adequada a respeito do ocupante de cargo público e a respectiva relação jurídica com a Administração Pública remetem a diferentes conceitos.

Primeiramente, é possível extrair da Constituição Federal de 1988, no capítulo que trata da Administração Pública, a expressão “Servidor Público Civil” empregada para estabelecer àqueles que prestam serviço à Administração Pública, com uma relação empregatícia, nas autarquias e fundações públicas. Porém, a própria Carta, ao longo de seu conteúdo, expande esse conceito a outras partes de sua estrutura, incluindo a atuação desses agentes em órgãos e entidades da Administração Pública indireta.

O conceito apresenta-se insuficiente também por desconsiderar aqueles que exercem função pública sem manter um vínculo empregatício com o Estado. Assim, para tornar mais apropriado, a doutrina passou a considerar o conceito de agente público.

5

afirma que “agente público é toda pessoa física que presta serviços ao Estado. Maria Sylvia. Essas funções são exercidas por órgãos governamentais ou pelo próprio governo. mas atuam com independência funcional e sob um regime jurídico específico. Aos agentes políticos. C) Particulares em colaboração 2. ministros e conselheiros dos tribunais de contas. e seus auxiliares imediatos. defensores. cabe ainda incluir entre os agentes políticos os juízes. cujo principal defensor é o professor Hely Lopes Meireles. e estão 6 . titulares de cargos que compõem o topo das estruturas de organização política do Estado – presidente da república. que defende que o agente político é aquele que pode estabelecer diretrizes. A segunda corrente. A classificação mais moderna. governadores. elenca as seguintes espécies de agentes públicos: A) Agentes políticos. adotada pela autora da obra que fundamenta esse trabalho. que se desdobram em fixação de metas. são atribuídas atividades de direção e as co-legislativas. prefeitos e respectivos vices.1 AGENTES POLÍTICOS A conceituação dessa espécie de Agente público envolve um conflito doutrinário. B) Servidores públicos. que lhes atribui funções públicas. e às pessoas jurídicas da administração indireta”. sob um prazo determinado ou não.2 AGENTES PÚBLICOS Agente público é toda pessoa física que funciona manifestando e expressando a vontade do Estado. diretrizes ou planos governamentais. promotores. está a corrente liderada por Celso Antônio de Melo. São apenas os chefes dos executivos e membros do legislativo. normas de conduta e comportamento estatal e de seus administrados. De um lado. pois suas atribuições são oriundas da Constituição Federal. de maneira resumida.

mediante sufrágio universal nos termos da Constituição Federal. ingressam em uma situação já previamente definida. e por esta ser uma norma de ordem pública. e providos em cargos públicos mediante nomeação. e subsidiariamente. além dos Senadores. a Defensoria Pública. Aos demais institutos. em regra. e ocupantes de cargo público. Uma vez nomeados. é obtida através da eleição. regulamentado por cada unidade da federação.2 SERVIDORES PÚBLICOS De Acordo com Maria Sylvia Zanella di Pietro.concentradas sob a atuação do Poder Executivo. arts 2º e 14. Deputados e Vereadores. no Poder Legislativo. servidores públicos são as pessoas físicas que prestam serviço ao Estado e às entidades da Administração Indireta. que são de livre escolha do chefe do executivo. podemos elencar os agentes políticos brasileiros: Chefes do Poder Executivo federal. com vínculo empregatício e mediante remuneração paga pelos cofres públicos. a No âmbito federal. não permite a modificação de pontos da relação entre o Servidor e a Administração Pública. estão sujeitos ao Estatuto do Servidor Público. juntamente com a Advocacia Geral da República. O Poder Judiciário restringe sua atuação à atividade jurisdicional. são destacados como funções essenciais à Justiça. 7 . a não ser no tocante ao controle posterior.112/90. Assim. Ministros e Secretários de Estado. A investidura do agente político. e não exerce significativa ação política. com exceção aos ministros e secretários. Lei 8. estadual e municipal. Compreendem: 1) Servidores estatutários: também chamados de funcionários públicos – sujeitos ao regime estatutário. 2. Ministério Público e Tribunal de Contas.

nomeação ou designação para o exercício de funções públicas relevantes (múnus público).3 PARTICULARES EM COLABORAÇÃO Nesta categoria. sem perderem a qualidade de particulares. não é necessário procedimento do concurso público. Por conta das circunstãncias de urgência. do título III. com ou sem remuneração. Eles exercem função. 3) Servidores Temporários. da Constituição. tradutores. sem estarem vinculados a cargo ou emprego público. CF). limitando-se a administração a fiscalizar o desempenho das atividades. 2.2) Empregados Públicos. contratados por tempo determinado para atender a necessidade tempora´ria de excpecional interesse público (art 37. Atuam em nome próprio. executam um trabalho em benefício do interesse público. figuram as pessoas físicas que. 8 . e adicionalmente. IX. vencimentos e outros pontos previstos no Capítulo VII. sujeitam-se a todas as normas constitucionais relacionadas a requisitos para investidura. contratados sob o regime celetista (CLT). acumulação de cargos. uma vez que este demanda várias etapas. leiloeiros. Sua remuneração é paga pelos terceiros usuários dos serviços: b) mediante requisição. os que exercem serviços notariais de registro. Suas espécies são: a)particulares por delegação: empregados das empresas concessionárias ou permissionárias de serviços públicos.

3 CARGO. 37 IX da CF. e sendo assim será contratado para exercer uma função pública sem que a ela se corresponda cargo ou emprego essa é uma das hipóteses da chamada função sem cargo. por sua vez. enquanto o ocupante de cargo público tem vínculo estatutário. está contido na lei que instituiu o regime jurídico único. mencionado no art. com base no art. corresponde a uma unidade de atribuições. Emprego público.[ quando a há uma situação de relevante e excepcional interesse público. sob regência da CLT. EMPREGO E FUNÇÃO Cargo público é a unidade de atribuições correspondente à menor célula que existe dentro da administração pública para o exercício das atribuições pelo agente investido do cargo.[26] Há ainda a previsão constitucional de uma função exercida por servidores contratados temporariamente. distinguindo-se pelo tipo de vínculo contratual. IX da CF. a Administração Pública poderá contratar sem concurso público. a principal característica é a transitoriedade. Com a possibilidade de contratar servidores sob o regime da legislação trabalhista. Nessa modalidade. 37. 9 .

do Tribunal de Contas. funções e empregos públicos é um desdobramento do principio da isonomia. direitos. contidos em uma lei denominada estatuto. quanto aos deveres e vários aspectos da sua vida funcional. aposentadoria. E quanto aos servidores públicos.. 4. de maneira mais específica. enfim. pois a Administração Pública poderá escolher o regime que lhes pareça mais adequado. ressalvados os direitos adquirido. com regras dadas pela Consolidaçao das Leis do Trabalho.1 REGIME JURÍDICO DO SERVIDOR Corresponde ao conjunto de regras que disciplinam determinado instituto dá-se o nome de regime jurídico. da Advocacia Geral da União. como os membros do Ministério Público. independentemente de sua anuência. Caberá ao regime jurídico disciplinas os vínculos com o Poder Público. também regulamentados pela EC 19. previsto inicialmente como uma igualdade em direitos e obrigações em diferentes aspectos da vida funcional. e concedeu à Administração Pública certa liberdade para adotar o regime jurídico mais conveniente e cabível diante da atuação das entidades em questão. sobre a forma em que a isonomia deveria ser observada nos regimes jurídicos. São estabelecidas normas para nomeação. as normas podem ser estabelecidas por lei ou por contrato. estabilidade. será contratual. o regime será legal. Assim. No primeiro caso. assim como quanto à remuneração e as condições de ingresso aplicáveis a tal categoria. acumulação de cargos. da Magistratura. e geralmente aqueles que detenham o poder de polícia. de maneira mais abstrata. a Constituição Federal trata. que pode ser alterado no decorrer da vida funcional do servidor. deveres e outros aspectos da vida funcional do servidor público. 10 .2 DIREITO DE ACESSO AOS CARGOS E EMPREGOS: CONCURSO PÚBLICO O princípio da ampla acessibilidade aos cargos. No segundo. de 04/06/1998. exceto para certas carreiras institucionalizadas em que a própria Constituição impõe o regime estatutário específico.4 NORMAS CONSTITUCIONAIS 4. que aboliu o regime único.

a Lei 8.37. de acordo com a natureza do cargo ou emprego. que dispõem sobre a contratação de servidor temporário foi alterada pela lei 9. e tal disposição foi alterada pela Emenda Constitucional supracitada. IX. em razão das regras impostas. 11 . descritas na Lei nº 8.745/93. A análise do inciso I do artigo 37 permite concluir inicialmente que era assegurado o direito de acesso aos cargos. já que a Constituição não faz diferença. entre outros casos admitindo a contratação com base no referido dispositivo. Todavia. II. A autora do livro utilizado como base para os estudos apresentados nesse trabalho discorre sobre as exceções as regras. empregos e funções públicas apenas aos brasileiros que preenchessem os requisitos estabelecidos em lei.745. a lei 8.849/99. 4. autarquias e fundações públicas. para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público era possível a contratação (CF art. incluindo. bem como o regime jurídico. a Cf/88 dispoe sobre as condições de investidura em cargo público através da prévia aprovação em concurso público de provas ou provas e títulos. empregos e funções públicas na administração. foi regulamentada a possibilidade de estrangeiros ocupar cargos. e até nas ocasiões especificadas. o que abrangia os natos e naturalizados. deverão estabelecer através de lei as hipóteses em que serão adotados. estabeleceu o regime estatutário único para os servidores da administração direta.3 CONDIÇÕES DE INGRESSO Em seu art 37.Na esfera federal. IX). a satisfação em caráter de urgência em determinadas ocasiões. assim permitindo a coexistência com o regime contratual. 2º. com redação dada pela Emenda Constitucional nº 19. perpassando pelos casos de excepcional interesse público. e faz uma ressalva quanto às nomeações em cargos em comissão declarado em lei como de livre nomeação e exoneração.112 de 11/12/1990. V) Com a EC 19. o de professor estrangeiro e pesquisador visitante estrangeiro (art. de 21-5-98. Estados e Municípios que queiram contratar servidores temporários com base no artigo n 37. A respeito dos estrangeiros. no qual a aplicação da regra colocaria em risco. havia um entendimento que. haverá um processo seletivo específico.

que são denominadas genericamente de vantagens pecuniárias. os Estados. por igual período. que corresponde a uma parcela única. Em seus parágrafos. Coexistem. além dos demais componentes do sistema remuneratório. integrado por servidores designados pelos respectivos Poderes”. além das singularidades de cada cargo. e outra parte variável. compreendem as gratificações. no qual devem ser observados necessariamente e a priori. normalmente pagas aos agentes políticos. a natureza.4 SISTEMA REMUNERATÓRIO A composição do sistema remuneratório.Quanto à validade do certame. é assegurada ao candidato aprovado a prioridade à nomeação. e outras situações. ainda que a Administração tiver realizado outro concurso. em seu artigo 39 estabelece que “a União.1 NORMAS CONSTITUCIONAIS PERTINENTES À REMUNERAÇÃO OU VENCIMENTO A Constituição Federal. da qual é possível extrair que houve uma ponderação a respeito da isonomia deve ser considerada a partir da compatibilidade do candidato às limitações que o cargo ou emprego exige. há a previsão de dois anos. duas modalidades: a) remuneração ou vencimentos. o Distrito Federal e os Municípios instituirão conselho de política de administração e remuneração de pessoal. e b) subsídio.4. a abordagem sobre questões relativas à idade e sexo. 12 . adicionais e verbas indenizatórias. cumprindo fazer a referência ao princípio da isonomia salarial presente na Constituição. prorrogável uma vez. compõese basicamente de uma parte fixa. em razão do tempo de serviço. em função das condições especiais da prestação de serviço. dessa maneira. 4. Há também a previsão da reserva de percentual de cargos e empregos públicos aos portadores de necessidades especiais. em todos os níveis de governo. na doutrina que orienta esta presente atividade. No mesmo artigo. 4. o grau de responsabilidade e a complexidade dos cargos componentes de cada carreira e os requisitos para a investidura no serviço público. o referido artigo trata da fixação dos padrões de vencimento. Há ainda. representada pelo padrão fixado em lei.

e assumiu um caráter retributório e alimentar. adicional de férias. Abandonou o conceito ligado à ideia de ajuda. ou por autorização específica na lei de diretrizes orçamentárias. na redação dada pela Emenda Constitucional nº 19/98. X e XI”. pois há alguns dispositivos que não foram alcançados pela Emenda. a 50% à do normal. ao proibir equiparação ou vinculação de espécies remuneratórias. verba de representação ou outra espécie remuneratória.aplicável também aos servidores públicos. Não foi unânime o sucesso na alteração do conceito. o dispositivo do art. adicional. remuneração do serviço extraordinário superior. alterado pela pela Emenda Constitucional n. 4. e mais adiante mostrado na Lei 8. Com relação à fixação e alteração da remuneração dos servidores públicos. 39 § 4º. salário-família. A alteração teve como objetivo coibir os “supersalários” praticados comumente no serviço público. em qualquer caso. que o prevê como “parcela única. ressalvadas as empresas públicas e as sociedades de economia mista). inciso X.2 REGIME DE SUBSÍDIOS O conceito de subsídios pode ser extraído do Art. pois estas tem caráter indenizatório. vedado acréscimo de qualquer gratificação. obedecido. Há ainda um dispositivo que veda os reajustes automáticos de vencimentos. abono.4. conforme artigo 37.4. 37. só pode ser feita por lei específica. no mínimo. socorro. que elenca taxativamente as situações excetuadas (por previsão orçamentária suficiente com projeção de despesa de pessoal.3 AGENTES PÚBLICOS EM REGIME DE SUBSIDIO Serão obrigatoriamente remunerados por meio de subsídios: 13 . observada a iniciativa privativa em cada caso. especialmente antes da CF/88. e assim continuará o servidor a fazer jus décimo terceiro salário. consubstanciada também no artigo 169 § 1º. 19/98. prêmio. adicional noturno.112/1990. 4. e as devidas compensações por despesas feitas no exercício de suas funções. também estendidos aos inativos e aposentados.

do Governador. Secretários Municipais e Vereadores serão fixados por lei de iniciativa da Câmara Municipal. alterados pela Emenda Constitucional nº. Ministros de Estado e Secretários Estaduais e Municipais. Vice-Prefeito. da Constituição.. 73. § 4º. a saber: membro de Poder (o que compreende os membros do Legislativo. 19. b) os membros do Ministério Público (art. 4. a fixação dos subsídios não se faz por lei. com a sanção do Presidente da República.). 135.a) todos os agentes públicos mencionados no artigo 39. do Vice-Governador e dos Secretários de Estado serão fixados por lei de iniciativa da Assembléia Legislativa. competência para “fixação do subsídio dos Ministros do 14 . 19). 19). Para os Deputados Federais.. conforme previsto no artigo 39.1 Competência para fixação e alteração dos subsídios Para os subsídios dos Deputados Estaduais. c. Executivo e Judiciário da União. Senadores. o detentor de mandato eletivo (já considerado tal qual membro de Poder). tem seus subsídios regulados porduas normas diversas: o artigo 48.4. com a redação da Emenda nº19). na redação da Emenda nº. poderão facultativamente ser remunerados mediante subsídios os servidores públicos organizados em carreira. Estados e Municípios). Presidente e Vice-Presidente da República e Ministros de Estado. os Procuradores dos Estados e do Distrito Federal e os Defensores Públicos (art. e 28... § 2º.. Os aos membros da Magistratura. com a redação da Emenda nº. inciso XV atribui ao Congresso Nacional.3. d) os Ministros do Tribunal de Contas da União (art. § 9º. 144. sem sanção do Chefe do Poder Executivo. I. o que constituirá opção para o legislador de cada uma das esferas de governo. § 5º. Quanto aos de Prefeito. conforme artigo 29. conforme artigos 27. e) os servidores públicos policiais (art. na presunção de que todos receberão igualitariamente. § 3º.. § 8º.§ 2º. c) os integrantes da Advocacia Geral da União. Além desses. portanto. incisos V e VI. por ter sido prevista no artigo 49 entre as competências exclusivas do Congresso Nacional. 128.

do Senado Federal e do Supremo Tribunal Federal”.Supremo Tribunal Federal. 150. e possibilita.. II. Cabe ainda fazer algumas observações: 1) a irredutibilidade de vencimentos e subsídios não impede a observância do teto fixado pelo inciso XI. 2) também a irredutibilidade de vencimentos e subsídios não impede a aplicação da norma do inciso XIV segundo a qual “os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão computados nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores”. da Câmara dos Deputados.. isto significa que. a partir da alteração. 4. reforçando a manutenção do princípio da irredutibilidade. Fácil é perceber as dificuldades que essa iniciativa conjunta pode suscitar em sua aplicação e as controvérsias que se travarão para obter-se um consenso. ressalvado o disposto nos incisos XI e XIV deste artigo e nos artigos 39. assim não se poderá arguir a irredutibilidade para manter remunerações que hoje superam o teto. por lei de iniciativa conjunta dos Presidentes da República. Os alguns gentes terão seus subsídios pagos utilizando o teto salarial como parâmetro (Ministros dos Tribunais Superiores). 4.3 Irredutibilidade de remuneração e subsídio Nos termos do inciso XV do art 37.2 Teto das remunerações e subsídios A razão principal da manifestação taxativa quanto aos subsídios dos Ministros do STF é que os valores pagos àos Ministros passam a constituir o teto salarial para todos os as categorias de agentes públicos. “o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e empregos públicos são irredutíveis.4. § 4º. poderá sofrer redução para adaptar a forma de cálculo à nova redação 15 . Daí a iniciativa conjunta.4. Os demais servidores terão seus subsídios fixados por lei específica.3. § 2º.3.153. embora o servidor estivesse percebendo vantagens pecuniárias calculadas por forma que se coadunava com a redação original do dispositivo. I”.

tendo desaparecido a exigência de correlação de matérias constante da Constituição anterior”. que pode exercer em horário compatível o magistério. e estabelece três hipóteses de exceção: a) a de dois cargos de professor. “ inexistindo qualquer hipótese de tríplice acumulação. 19 impõe uma vedação à acumulação de cargos. o direito de greve e de livre associação atualmente é garantido aos servidores públicos e empregados públicos. 4. não impedindo que o valor líquido seja inferior ao teto. c) a de dois cargos privativos de médico.5 DIREITO DE GREVE E DE LIVRE ASSOCIAÇÃO SINDICAL Anteriormente vetado por textos constitucionais anteriores à Carta de 1988. É importante destacar que a vedação só existe quando ambos os cargos. 4. Abre ainda a exceção a outras funções. 4. como a do magistrado. a não ser que uma das funções não seja remunerada. em decorrência da incidência do imposto de renda. empregos ou funções forem remunerados. depende de regulamentação de lei específica. Segundo Maria Sylvia. b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico. empregos ou funções forem remunerados.7 ESTABILIDADE 16 . VI e VII com redação dada pela EC 19. todavia o exercício de prerrogativas ligadas à greve. XVI.3) o teto salarial corresponde ao valor bruto. pois as exceções so admitem dois cargos. empregos ou funções.6 PROIBIÇÃO DE ACUMULAÇÃO DE CARGOS A taxatividade do artigo nº 37. as exceções somente são possíveis quando haja compatibilidade de horário. nos termos do artigo nº 37. da Constituição. alterado pela Emenda Constitucional nº. A restrição só existe quando ambos os cargos.

administrativamente. O servidor investido em mandato eletivo não poderá ser removido ou redistribuído de oficio para localidade diversa daquela onde exerca o mandato. aquele investido em cargo. Prevista no art. ou seja. os servidores nomeados em virtude de concurso público. Como condição para a aquisição da estabilidade. 4.8 AFASTAMENTO PARA O EXERCICIO DE MANDATO ELETIVO O art. produtividade e responsabilidade) Segundo Maria Sylvia Zanella Di Pietro: “O período de três anos para aquisição de estabilidade pode ser desde logo aplicado” Comprovada. 38 da CF dispõe sobre o afastamento do servidor para o exercício de mandato eletivo. O período aquisitivo da estabilidade é denominado estado probatório. e que no caso de afastamento do cargo. ele será exonerado. o servidor contribuirá normalmente para a seguridade social. no caput.. o servidor publico ocupante de cargo publico de provimento efetivo adquirirá a estabilidade.9 DIREITOS SOCIAIS DOS SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS 17 . após três anos de efetivo exercício. a estabilidade somente beneficiará o funcionário público.Nas palavras de Maria Sylvia: “A estabilidade corresponder a uma garantia de permanência no serviço público assegurada após dois anos de exercício ao servidor nomeado por concurso que somente pode perder o cargo em virtude de sentença judicial transitada em julgado ou mediante processo administrativo em que lhe seja assegurado a ampla defesa e o contraditório”. a incapacidade ou inadequação do servidor ao fim do período do estagio probatório para o serviço publico. capacidade de iniciativa. O dispositivo. é obrigatória a avaliação especial de desempenho por comissão instituída para essa finalidade. e corresponde ao intervalo de tempo no qual a Administração verificará se o servidor preenche os requisitos estabelecidos em lei para a aquisição de estabilidade (disciplina. 41 da Constituição. Ao fim dos três anos. 4. assiduidade. diz que “são estáveis.

· 13o salário. · Licença paternidade. · Adicional noturno. funções ou admissão por motivo de sexo. · Repouso semanal remunerado. cor ou estado civil. · Jornada máxima de 8 horas ou 44 semanais (possível a compensação de horários e redução de jornada por convenção coletiva).O artigo nº 39. · Proibição de diferença de salários. · Horas extras. · Férias anuais com um terço. idade. · Garantia de salário. · Redução dos riscos inerentes ao trabalho. · Proteção do trabalho da mulher. por normas de saúde. pelo artigo 7º. entre eles: · Salário mínimo. com incentivos legais específicos. independentemente da natureza de seu vínculo de trabalho com o Estado. § 3º. com remuneração no mínimo 50% superior à hora normal. · Licença gestante de 120 dias. · Salário-família. uma série de direitos sociais previstos. nunca inferior ao mínimo. higiene e segurança. da Constituição Federal de 1988 estendeu aos servidores. 18 . nos termos da lei. para trabalhador de baixa renda.

haja visto que o provimento desses cargos pode ser feito através de nomeação pelo chefe do Executivo. de caráter transitório. por exemplo. o aproveitamento. é o preenchimento de cargo decorrente de vínculo anterior entre o servidor e a Administração.5 PROVIMENTO Provimento constitui o preenchimento do cargo criado por lei. ou seja. do qual só pode ser destituído por sentença judicial. quanto à idade mínima de 21 anos como 19 . é a quanto ao tempo em que ocorre – originário é o que vincula inicialmente o servidor ao cargo. permanência no cargo. do Tribunal de Contas e ao Ministério Público. a lei pode estabelecer certas regras. o ato pelo qual o servidor público é investido no exercício do cargo. variando de acordo com o regime jurídico aplicável). A doutrina de Maria Sylvia ainda traz a classificação quanto à durabilidade. que será preenchido via concurso público e que garante ao nomeado estabilidade após três anos de efetivo exercício. Provimento efetivo é aquele assim definido em lei.112/90 são a promoção. A referida espécie de provimento é relacionada taxativamente no texto constitucional e se aplica aos membros da magistratura. a readaptação. Provimento em nomeação é aquele que ocorre nos cargos nos quais a lei declare de livre nomeação e exoneração. Provimento derivado. do qual só pode ser destituído após sentença judicial transitada em julgado. Sua primeira classificação. ou. Todavia. emprego ou função (nomeação ou contratação. onde também será assegurada a ampla defesa. Tal característica difere-se do provimento efetivo também por não haver a mesma exigência quanto ao acesso via Concurso Público. 8º da Lei nº 8. por processo administrativo em que seja assegurada ampla defesa ou por procedimento de avaliação periódica de desempenho. Provimento vitalício também gera direito à estabilidade. a reintegração e a recondução. a reversão. por sua vez. fundamental para o exercício do múnus publico. e as modalidades compatíveis com a CF/88 e enumeradas no art.

20 .no caso de Ministros de Estados. e exigir diploma de bacharel em Direito para os Diretores de Secretaria na Justiça Federal.

este se tratando de cargo em comissão. Já a demissão corresponde uma penalidade correspondente à pratica de um ilícito administrativo. promoção. constitui provimento em cargo superior. readaptação.112/90. está sem titular. A exoneração não significa penalidade. 21 . e encerra o vínculo do servidor com os quadros do funcionalismo público. nos termos do artigo 24 da Lei nº 8. e ao mesmo tempo. possui dois desdobramentos simultâneos. ou no caso de aproveitamento insatisfatório das condições de estagio probatório. posse em outro cargo inacumulável e falecimento. aposentadoria. o servidor não entra em em exercício no prazo de quinze dias.6 VACÂNCIA Vacância é a situação que indica que determinado cargo não está provido. verificada por inspeção médica. isto é. ou ex officio. A promoção. A readaptação é a investidura do servidor em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que tenha sofrido em sua capacidade laboral. demissão. Vários são os fatos que geram a situação de vacância: exoneração. ou quando tendo tomado posse. podendo dar-se a pedido. por sua vez. Gera vacância no cargo inferior.

em condições anormais – propter laborem) e gratificação pessoal. vedado o acréscimo de vantagens outras de qualquer espécie. Dentre os direitos. observando também o disposto nos arts. 2) As gratificações. Dividem-se em: gratificação de serviço ( retribuição paga por um serviço prestado pelo servidor público. 61 IV a VIII da lei 8112/90. incluem-se os concernentes a férias. 73. na CLT. 68. compreendendo em ajuda de custo . da referida lei.7 DIREITOS E DEVERES A maior parte dos direitos e deveres do servidor público está elencada no Estatuto do Servidor. No tocante aos subsídios. enquanto a remuneração é o vencimento somado com as vantagens pecuniárias atribuídas em lei de acordo com a lei 8. Dentre os direitos. Ambos têm como base e complementação na Constituição Federal de 1988. este é a retribuição pecuniária fixada em lei pelo exercício do cargo público. disponibilidade e aposentadoria. assistência. direito de petição. transporte e auxílio-moradia.112/90 São três as espécies de vantagens pecuniárias: 1) As indenizações. 76[82]. estes são direitos quecompõem-se de uma parcela única. que juntamente com o vencimento formam a remuneração do servidor público. e dos servidores celetistas. São exemplos o salário-esposa e o salário-família) 3) O adicional como expõe o art. Quanto ao vencimento. indivisas. que correspondem ao ressarcimento de despesas que o servidor tenha sido obrigado a realizar em razão do serviço.diárias. 22 . Gratificação de serviço: (acréscimo devido em razão de situações individuais do servidor. que correspondem à espécie de vantagem pecuniária e constituem acréscimos de estipêndio. Todavia. vencimento ou remuneração e demais vantagens pecuniárias. ou seja. licenças. 75. podem ser acrescidos direitos por iniciativa de Estados através de Lei Ordinária.

que trata do auxílio natalidade e do salário família.4) Benefícios da seguridade social regulado pelos arts. abrangendo. pontualidade. lealdade. os de assiduidade. obediência. entre outros. urbanidade. Maria Sylvia Zanello di Pietro diz resumidamente que “os deveres dos servidores públicos vêm normalmente previstos nas leis estatutárias. O descumprimento dos deveres enseja punição disciplina”. discrição. 196 e 197 da lei 8. 23 .112/90.

desde que este tenha agido com o dolo ou culpa. aquele se revela em duas possibilidades: dano causado ao Estado. Quanto se tratar de dano causado ao terceiro. 8. ou dano causado a terceiros.2 RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA A responsabilidade administrativa é atribuída ao servidor quando ele pratica um ilícito administrativo.1 RESPONSABILIDADE CIVIL A responsabilidade civil é de ordem patrimonial. em que serão asseguradas todas as garantias de defesa do servidor. penal e administrativa. A 24 . o Estado responderá de maneira objetiva. o servidor poderá ter de responder simultaneamente a um processo administrativo disciplinar. remanescendo o direito de regresso contra o servidor que causou o dano. e os fatos que o configuram são previstos na legislação estatutária. A reparação na forma de descontos dos vencimentos é cabível. a responsabilidade é apurada pela própria administração.8 RESPONSABILIDADE No desempenho de suas funções. o servidor se sujeita à responsabilidade civil. Cabe destacar que na ocorrência de um dano causado por servidor público. em seu art. a um processo penal e a um processo civil. por meio de um processo administrativo. Pode configurar-se por uma conduta omissiva ou comissiva. se prevista em lei. em decorrência de conduta culposa ou dolosa. As responsabilidades do servidor público são independentes entre si. independentemente da comprovação do dolo ou culpa. de caráter omissivo ou comissivo. dependendo da natureza do ato. ou seja. Corresponde a uma obrigação que se impõe ao servidor de reparar dano causado à Administração. sendo perfeitamente válido. 24. Na primeira hipótese. por um mesmo ato. 8. e seu processamento conta com a auto-executoriedade dos atos administrativos.

3 RESPONSABILIDADE PENAL A responsabilidade penal do agente público é a que decorre de uma conduta tipificada por Lei como infração penal. 171. parágrafo único). o servidor se sujeitará a penas disciplinares (na esfera federal. Se durante a apuração da responsabilidade administrativa a autoridade competente verificar que o ilícito administrativo também está capitulada como ilícito penal. no processo criminal. 154. quando o fato realmente existiu. suspensão. 25 . destituição de cargos em comissão. atos praticados na função. e o processo administrativo disciplinar. 8.º 8. arts. com procedimento sumário. 8. demissão. que irá mover ação penal contra o servidor (Lei n. inclusive revelada na abertura para que sejam avaliadas a natureza e a gravidade da infração e dos danos cometidos para o serviço público. Comprovada a infração.112/90.apuração é feita pela própria Administração Pública. Como não há uma tipificação específica como na seara penal. sob a égide da Lei nº 8112/90: advertência.4 COMUNICABILIDADE DE INSTÂNCIAS Apurada por causa da responsabilidade penal do servidor. deve encaminhar cópia do processo administrativo ao Ministério Público. ou seja. a decisão penal só refletirá na responsabilidade civil do servidor se o ilícito penal representar um prejuízo patrimonial (ilícito civil). A responsabilidade civil do servidor será afastada se. pois só assim poderá ser entendido como crime funcional. destituição de função comissionada. a Administração dispõe de certa discricionariedade na classificação da falta cometida pelo agente. É apurada pelo Poder Judiciário. e é assegurado o auxílio reculsao à família. cassação de aposentadoria). não tenha sido imputada sua autoria ao servidor. o servidor for absolvido por ter sido declarada a inexistência do fato ou. Sendo que esta abrange crimes e contravenções realizadas pelo servidor na qualidade de servidor.

Ocorrendo uma absolvição criminal por falta ou insuficiência de provas. 126).Quanto à responsabilidade administrativa. ela será afastada somente no caso de absolvição criminal que negue a existência do fato ou sua autoria (Lei n. não será excluída a responsabilidade administrativa do servidor. A doutrina que orientou o presente estudo traz ainda alguns destaques feitos pela autora. levando-a a punir disciplinarmente a má conduta fora do cargo. como atos praticados na esfera da vida privada do funcionário.º 8. art. Não havendo falta residual.112/90. a absolvição na esfera criminal tem que ser reconhecida na órbita administrativa. na medida em que afete o serviço. 26 . Maria Sylvia Zanello di Pietro. pode interessar à Administração.

92. 2008.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Di PIETRO. In: Âmbito Jurídico.com.br/site/index. Disponível em: http://www.set/2011. Eliane Gomes de Bastos. Servidores Públicos: Um breve estudo. Direito Administrativo. ed. Nívea Simone de Freitas. CARDOSO. PEDRO. n. 21ª. Acesso em jun 2013.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=10324. 27 . XIV. São Paulo: Atlas. Maria Sylvia Zanella. Rio Grande.ambitojuridico..