You are on page 1of 5

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA

ESTÉTICA III 1o Semestre de 2012. Disciplina Optativa Destinada: Alunos de Filosofia e de outros departamentos Código: FLF0465 Pré-requisito: FLF0113 e FLF0114 Prof. Dr. Márcio Suzuki Carga horária: 120h Créditos: 06 Número máximo de alunos por turma: 90

Título: As relações entre antropologia e estética na formação do pensamento kantiano.

I - OBJETIVOS

O curso tentará refazer algumas etapas da constituição da estética e da antropologia como disciplinas autônomas no pensamento kantiano. O objetivo será mostrar como essas duas disciplinas nascem de preocupações comuns e aos poucos se separam, sem perder, contudo, seus laços de afinidade no interior do sistema kantiano.

II - CONTEÚDO

1. A antropologia do século XVIII: a inquietação e os remédios para o tédio; 2. Delicadeza de gosto e delicadeza da paixão; 3.Ocupação, diversão e invenção: o jogo; 4. Sentimento de prazer e faculdade de desejar; 5. As formas de apreensão do tempo; 6. Imaginação passiva e imaginação ativa; 7. Riso e humor.

IV . Elements of Criticism. Biblioteca Pólen.CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO . Época e critério de recuperação: Dissertação em data a ser combinada.seminários V . Tradução de Clélia Aparecida Martins. A arte de escrever ensaio e outros ensaios. I. 2006. D. LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA III . será dado ênfase menos às aulas expositivas que à leitura detida desses textos. . 2005.participação nas aulas . especialmente. Indianápolis: Liberty Fund. que serão examinados e discutidos na forma de seminário. dos cursos de Antropologia e da Crítica do Juízo. KANT.UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA. São Paulo: Iluminuras. Bibliografia HUME. São Paulo: Iluminuras. KAMES (Henry Home). ____ Antropologia de um ponto de vista pragmático.MÉTODOS UTILIZADOS . 2011.ATIVIDADES DISCENTES .leitura dirigida de textos .dissertações e seminários.Como o principal objetivo do curso é apresentar alguns textos das reflexões e.

1991. Tempo Brasileiro. 2ª edição. _____. Tradução de Vinicius de Figueiredo. Ihre Geschichte und Systematik. In: Crítica da Razão Pura e Outros Escritos Filosóficos. In : Revue Germanique Internationale. A. Jena: Scheglmann Reprints. Tradução de M. _____. Rio de Janeiro.UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA. Schweizer. 1993. São Paulo. _____ Observações sobre o sentimento do belo e do sublime. ––––– Duas Introduções à Crítica do Juízo. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho. 2010. « Aux origines de la philosophie kantienne de l’histoire : l’anthropologie pragmatique ». Felix Meiner. Outros textos e comentários: BAEUMLER. “Da Arte e do Gênio”. Edição e comentários de Marie Rischmüller. Crítica do Juízo. BAUMGARTEN. LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA _____. R. BRANDT. Halle: Max Niemeyer. _____ . F. Berlim: de Gruyter. ––––– Lógica. Vorlesungen über Anthropologie. 1992. Organização de Ricardo Ribeiro Terra. Iluminuras. Crítica da Razão Pura. Estética. 2 volumes. Kants Kritik der Urteilskraft. 1997. Tradução para o alemão de G. R. A lógica da arte e do poema. Morujão. Campinas: Papirus. Lisboa: Calouste Gulbenkian. 2004. Meier. Edição de Reinhard Brandt e Werner Stark. G. Abril. Tradução de Guido Antônio de Almeida. A. 1974 (Coleção: Os Pensadores). 1923. ____. São Paulo.1995. 1998. Edição e tradução de H. 6/1996. Petrópolis : Vozes. Metaphysik. ––––– Bemerkungen in den “Beobachtung über das Gefühl des Schönen und Erhabenen”. 2000. In: Kant´s gesammelte Schriften. . P. Hamburgo. Hamburgo: Felix Meiner. dos Santos e A F. Theoretische Ästhetik.

Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. O. Schriften zur Philosophie und Ästhetik. 1993. Kants Architektur der Vernunft. I. MONZANI. A. Kant e o fim da metafísica. “Introduction à l’Anthropologie”. L’Élucidation critique du jugement de goût selon Kant. 2008. L. _____. De la faculté de juger. Vuillemin. 1993. In : Kant. Anthropologie d’un point de vue pragmatique. Kant et la genèse de la subjectivité esthétique : esthétique et philosophie avant la Critique de la faculté de juger. In: Kant. Desejo e Prazer na Idade Moderna./STARK. Organização de Rubens Rodrigues Torres Filho. LÉBRUN. 1991. 1999. M. Paris : Vrin. GUILLERMIT. São Paulo: Martins Fontes. A educação estética do homem. Paris : ellipses. Puf. Anthropologie d’um point de vue pragmatique. Zur methodenleitenden Metaphorik der Kritik der reinen Vernunf. M. LONGUENESSE. 2011. MENDELSSOHN. SCHLAPP. Curitiba: Champagnat. 1990. Paris : Vrin. EICHBERGER. Paris : CNRS. São Paulo : Iluminuras. Apresentação de J. Anthropologie. W. LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA BRANDT.UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA. R. B. FOUCAULT. Chicago : The University of Chicago Press. 1999. L. SCHILLER. Imagination and Interpretation in Kant. 1993. The Hermeneutical Import of the Critique of Judgment. Göttingen: Vandehoeck & Ruprecht.. R. Coleção Fermenta philosophica. MAKKREEL. 1986. Einleitung. Edição de Fritz Bamberger. G. Kant et le pouvoir de juger. T. Texto estabelecido por Elisabeth Schwartz e Julles Vuillemin. São Paulo: Iluminuras. Freiburg: Karl Alber. R. . D. Kants Lehre vom Genie und die Entstehung der “Kritik der Urteilskraft”. Vorlesungen über DUMOUCHEL. 1971. Stuttgart/Bad Cannstadt: Frommann. Paris. I. Sobre Kant. 1999. 1901. F. MAKOWIAK.

TORRES FILHO. Tese de doutorado. Iluminuras. Weidemanns Erben und Reich. Luz estética: a ciência do sensível de Baumgarten ente a arte e a iluminação.UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA. Leipzig. R. In einzeln. 2004. Há tradução para o português do verbete „Imaginação” (Rapsódia. 2007. volume 67. 2003. São Paulo. 1771 e 1774. O. nach alphabetischer Ordnung der Kunstwörter auf einander folgenden. Artikeln abgehandelt. Allgemeine Theorie der schönen Künste. “Reflexão e sistema: a propósito da Primeira introdução e da gênese da Crítica do juízo”. R. Ensaios de Filosofia Ilustrada. Edição em cd-rom. Rio de Janeiro: UFRJ. TOLLE. R. n. Estudos sobre a filosofia de Kant. In: Passagens. LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA SULZER. 4) TERRA. São Paulo: Universidade de São Paulo. R. . Digitale Bibliothek.