You are on page 1of 4

Inteiro Teor (403763

)
Acórdão Publicado no D.J.U. de 16/6/2005

INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO JEF (RS E PR) Nº 2003.70.00.042475−7/PR RELATOR : Juiz HERMES S DA CONCEIÇÃO JR REL. ACÓRDÃO : Eliana Paggiarin Marinho RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL − INSS ADVOGADO : Clovis Juarez Kemmerich RECORRIDO : MARIA ALBERTON ADVOGADO : Dani Leonardo Giacomini e outros EMENTA PREVIDENCIÁRIO. REVISÃO DE BENEFÍCIO. SÚMULA Nº 02 DO TRF4. INTERRUPÇÃO DA PRESCRIÇÃO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. 1. Ajuizada Ação Civil Pública pelo Ministério Público Federal, na condição de substituto processual, objetivando a revisão dos benefícios previdenciários alcançados pelo teor da Súmula nº 02 do TRF4, a citação válida do INSS interrompe a prescrição qüinqüenal em favor de todos os substituídos. 2. Interrupção que tem seu marco inicial fixado coincidentemente com o ajuizamento da Ação Civil Pública e produz efeitos inclusive no tocante às ações individuais posteriormente propostas pelos substituídos. 3. Irrelevância de a Ação Civil Pública ter sido posteriormente extinta sem exame do mérito, pois presente a citação válida, ato suficiente à interrupção da prescrição. 4. Recurso conhecido e improvido.

ACÓRDÃO Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Egrégia Turma Regional de Uniformização do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por maioria, negar provimento ao recurso, nos termos do relatório, voto e notas taquigráficas que ficam fazendo parte integrante do presente julgado. Curitiba, 15 de abril de 2005. Eliana Paggiarin Marinho Relatora para o acórdão

INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO JEF (RS E PR) Nº 2003.70.00.042475−7/PR RELATOR : Juiz HERMES S DA CONCEIÇÃO JR RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL − INSS ADVOGADO : Clovis Juarez Kemmerich RECORRIDO : MARIA ALBERTON ADVOGADO : Dani Leonardo Giacomini e outros RELATÓRIO Trata−se de Pedido de Uniformização de Jurisprudência formulado pela Recorrente em face de Acórdão proferido pela Turma Recursal do Juizado Especial Federal do Paraná, com base no art. 14, caput, e § 2º da Lei 10.259/01. Inicialmente a ora requerida formulou pedido, perante o Juizado Especial Cível, no desiderato de obter a revisão da sua renda mensal inicial nos termos da Súmula n.º 2 do Tribunal Regional Federal da 4º Região. O Douto Juiz Monocrático acolheu parcialmente a pretensão da autora, condenando o INSS a revisar−lhe a renda mensal inicial, a efetuar o pagamento do montante apurado corrigido monetariamente pelo IGP−DI a 1

juntando os arestos. 14. Não conformado com o teor do acórdão lavrado. o Instituto Nacional do Seguro Social interpôs o recurso de Incidente de Uniformização. porquanto a ação n. respeitada a prescrição qüinqüenal. 103. deu parcial provimento (fl. e conseqüentemente. mais as parcelas que venceram no curso de sobredita ação civil pública (desde seu ajuizamento até seu trânsito em julgado)". ainda. computando assim. entendendo que restou suspensa no Curso da Ação Civil Pública 99.Inteiro Teor (403763) partir do vencimento de cada parcela. Vislumbra−se essa ocorrência. por fim.00. insurgindo−se quanto ao termo fixado para incidência dos juros moratórios. que o Código de Defesa do Consumidor. ao tratar dos efeitos da coisa julgada nas ações coletivas − erga omnes e ultra partes − . que não tendo a autora integrado a lide na condição de litisconsorte. da legitimação do ente coletivo. que a interrupção do prazo prescricional qüinqüenal deu−se com a propositura da Ação Coletiva. "as parcelas vencidas referentes à prescrição qüinqüenal.0012873−7 foi extinta sem julgamento do mérito. defende a Autarquia que o Acórdão confere efeitos não previstos no ordenamento pátrio à Ação Civil Pública. Entretanto.259/01. da Lei 10. Pugna. 104. não podendo aproveitar−se de quaisquer efeitos advindos da Ação Civil neste caso. §2º. outrossim. no que diz respeito ao fato da decisão recorrida divergir de decisões de Turmas de diferentes regiões ou contrariar súmula ou jurisprudência dominante do STJ. pela reforma do acórdão recorrido. resta manifesta a sua vontade de excluir a tutela do seu direito. que torna possível o ajuizamento da ação individual mesmo que pendente ação coletiva para a tutela de direito difuso. A Turma Recursal conheceu do recurso e à unanimidade. a fixação do marco inicial da interrupção da prescrição somente a partir da citação ocorrida na Ação Individual. 50 A) no que pertine à prescrição. no caso de ajuizamento concomitante de ação coletiva e individual. primeiramente.70. no caso do ajuizamento das ações individuais concomitantemente com as ações coletivas. o que não se amolda ao caso dos autos.0012873−7. em regra.042475−7/PR RELATOR : Juiz HERMES S DA CONCEIÇÃO JR RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL − INSS ADVOGADO : Clovis Juarez Kemmerich RECORRIDO : MARIA ALBERTON ADVOGADO : Dani Leonardo Giacomini e outros VOTO Em primeiro lugar deve ser verificado se o presente recurso obedece ao requisito da admissibilidade quanto ao que disciplina o art. em seu art. excepcionalmente verificam−se algumas situações que excluem os titulares do direito dos efeitos das decisões proferidas nas ações coletivas. apontando as divergências observadas entre Acórdãos proferidos pela Turma Recursal do Juizado Especial do Paraná e a Turma do Rio Grande do Sul. alegando. No bojo do Recurso. É o relatório. No caso dos autos. incidindo. quanto ao momento da interrupção da prescrição. Hermes Siedler da Conceição Júnior Relator INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO JEF (RS E PR) Nº 2003. restou plenamente demonstrada a divergência alegada em razão do posicionamento diverso adotado pelas Turmas que vem discrepando. Cumpre assinalar. juros de 1% ao mês.347/85 prevê extensão dos efeitos − "erga omnes" ou "ultra partes" − somente quando julgada procedente.º 99. afetando também indivíduos que não integraram formalmente a relação jurídico−processual. À deliberação da Turma de Uniformização Regional. tendo em vista que a Lei 7. Não é outro o objetivo do art. coletivo e individual homogêneo. Irresignada com o decisum. 2 . permite. Acrescenta ainda. a autora interpôs recurso inominado. determinada com o aforamento da Ação Civil Pública. sejam alcançados todos os titulares do direito material.

a aferição de ausência de condição da ação fundada em indireta verificação da improcedência do pleito deduzido. que a tutela coletiva não trará benefícios para aquele que não requerer a suspensão do processo individual no prazo de 30 dias após obter a ciência do ajuizamento da ação coletiva. assumindo o risco inerente à sua ventura processual individual. na hipótese de concomitância entre ação individual e ação coletiva para a tutela de direitos individuais homogêneos. UF: RJ. é incontestável. que seja concebida a propositura. beneficiando a ação individual ajuizada posteriormente ao trânsito em julgado daquela. é imperativo.1990). ao referir "que. o autor individual. o qual será prévio. V − Impertinente. de conseguinte. Não é outro o entendimento da doutrina. faz−se mister o exercício do direito de opção (right to opt in ou right to opt out das class action norte−americana) ao autor a título singular. posteriormente ao ingresso da ACP. o próprio ajuizamento concebido como o exercício do right to opt out. (TRF 2º Região − APELAÇÃO CIVEL − 201342. bem que o ajuizamento da demanda individual ulteriormente à propositura daquela importa na exclusão. II − A existência de ação civil pública não atenta contra o interesse de agir em ação individual quando coincidentes ditas demandas em causa de pedir e pedido. A jurisprudência corrobora o entendimento supra. exerce o autor o direito de excluir−se − right to opt out − dos efeitos das decisões advindas da ação coletiva. se a demanda individual anteceder à coletiva. exceto após a formulação do pedido de suspensão. Em decorrência disso. DJU 3 . VI − Apelação provida para reformar a sentença e determinar o retorno dos autos à Vara de origem a fim de que o feito tenha regular prosseguimento. a teor do artigo 104 do Código de Defesa do Consumidor. Tendo as ações coletivas nitidamente inspiração no sistema das class actions do direito norte−americano. do autor individual do âmbito do processo coletivo. Desse modo. ulterior ou anterior. Dita noção é extensível à hipótese de ação coletiva em defesa de interesse ou direitos individuais homogêneos.09. Data da decisão: 20/06/2001.Inteiro Teor (403763) Em vista disso. I − É literal a dicção do art. de 11. consagrou o CDC os sistemas do right to opt in e right to opt out. Seria. IV − À ausência de expresso requerimento do litigante a título individual pela opção dos efeitos da coisa julgada coletiva. ou ulterior. Processo: 9902214029. in limine." [Tab][Tab]Mesmo que se entendesse possível ampliar os efeitos da interrupção da prescrição na ACP. 5°. plenamente. com vistas no noção da representatividade adequada. pode o autor individual estar inserto também na ação coletiva. momento em que passa o autor a sofrer as conseqüências provenientes da Ação Civil Pública. mas quando a propõe. ocorrido em 23/09/2003. imediata. Agindo assim. para fins de indeferimento da inicial. possibilitando ao autor. ao tratar: PROCESSUAL CIVIL − AÇÃO CIVIL PÚBLICA E AÇÃO INDIVIDUAL − LITISPENDÊNCIA − INTERESSE PROCESSUAL − EFEITOS DA COISA JULGADA COLETIVA −DIREITO DE OPÇÃO − TAXA PROGRESSIVA DE JUROS E INDEFERIMENTO MERITORIO DA INICIAL. Isso porque o autor ajuizou ação individual em 27/08/2003. 8. havendo a efetivação da suspensão da ação individual opera−se o right to opt in. verifica−se que não apenas quando deixa de suspender a ação individual.078. III − Para o autor da demanda individual aproveitar−se dos efeitos erga omnes e ultra partes da coisa julgada coletiva. Em contrapartida. e antes de seu julgamento. Órgão Julgador: SEXTA TURMA. com ulterior pronunciamento acerca do meritum causae. 104. há que se considerar que a ação coletiva ajuizada posteriormente à individual não abrange o autor desta desde o início. Portanto. assume ele. para que possa ser beneficiado pela coisa julgada "erga omnes". ao preconizar que as ações coletivas em defesa de interesses ou direitos difusos ou coletivos não induzem litispendência para as ações individuais. concepção que inviabiliza a existência de conflitos práticos entre as decisões judiciais. XXXV. justamente para se conferir racionalidade ao sistema do Código de Defesa do Consumidor. optou pela exclusão dos efeitos da coisa julgada coletiva. da Constituição Federal). sujeitar−se às decisões da ação coletiva. uma vez ciente da ação coletiva. da ação individual como o exercício tácito do direito à exclusão. Nesse diapasão. sob pena de constrangimento do direito de ação constitucionalmente garantido (art. em momento algum. se aquela for ajuizada posteriormente. positivando o magistrado verdadeiro e apriorístico juízo de valor por meio de extensiva exegese sobre as normas de regência do tema de direito material subjacente à demanda. do Código de Defesa do Consumidor (Lei n. ainda assim não se adequaria ao caso dos autos. o risco inerente à sua ventura processual individual. deve requerer a suspensão do processo por prazo indeterminado.

voto no sentido de dar provimento ao presente Pedido de Uniformização de Jurisprudência requerido pelo Instituto Nacional do Seguro Social. Isso posto. JUIZ SERGIO SCHWAITZER).Inteiro Teor (403763) DATA:24/07/2001. para declarar a prescrição das parcelas anteriores ao qüinqüênio que antecedeu o ajuizamento da presente ação. não há como valer−se da citação efetuada na Ação Civil Publica para surtir efeitos em sua ação individual. Hermes Siedler da Conceição Júnior Relator 4 . Diante do contexto.