You are on page 1of 13

8/4/13  

Introdução  Geral  da  Disciplina   Ciências  Sociais  
Professora  Maria  Elisa  Soares  Rosa  

Introdução  
•  Desde  que  o  ser  humano  desenvolveu  a  capacidade  de   pensar,  está  em  busca  de  explicações  para  os  fenômenos  que   o  circundam.     •  A  parJr  dessa  preocupação  básica,  o  homem  se  tornou   produtor  de  conhecimento  sobre  o  mundo.     •  Num  primeiro  momento,  as  explicações  sobre  o   funcionamento  da  natureza  e  da  vida  humana  eram  dadas  a   parJr  de  mitos  e  explicações  mágicas  não  pautadas  em  um   sistema  lógico  e  coerente.     •  Posteriormente,  foram  criadas  outras  formas  de  conhecer  e   explicar  o  mundo,  como  as  religiões,  a  filosofia  e  a  ciência.   •  Nesta  unidade,  nosso  propósito  é  idenJficar  as  diferentes   formas  de  se  pensar  a  vida  social  e  delimitar  nosso  campo  de   estudo  cienRfico.  

1  

8/4/13   O  conhecimento  míJco     •  O  conhecimento  míJco  se  manifesta  através  de  um  conjunto  de   histórias.   •   Na  medida  em  que  o  homem  desenvolveu  sua  consciência.   unicamente  recorrendo  às  luzes  da  razão  humana”.  não  precisa  de  comprovação.  porém.  39).   •  Segundo  Meksenas  (1993.  senJu   necessidade  de  descobrir  as  leis  que  regem  o  mundo  e  procurou   entendê-­‐lo  de  um  modo  racional.     •  O  mito  se  explica  pela  fé.  p.  “o  mito  fez  com  que  o  ser   humano  procurasse  entender  o  mundo  através  do  sen6mento  e   busca  da  ordem  das  coisas”.  a  filosofia  atuou  no   senJdo  de  permiJr  o  entendimento  das  coisas  através  da  reflexão   sobre  elas.  “o   conhecimento  filosófico  é  caracterizado  pelo  esforço   da  razão  pura  para  ques6onar  os  problemas   humanos  e  poder  discernir  entre  o  certo  e  o  errado.     •  Como  ilustram  Lakatos  e  Marconi  (2009.  Os  mitos  carregam  mensagens  que   traduzem  os  costumes  de  um  povo  e  consJtuem  um  discurso   explicaJvo  da  vida  social.   O  conhecimento  filosófico     •  O  conhecimento  filosófico  é  valoraJvo  (com  o   senJdo  de  emiJr  juízo  de  valor).   2   .  p.  se  apoia  na   formulação  de  hipóteses.  19).  lendas  e  crenças.  ou  seja.  é  pautado  na  razão  e  tem   como  finalidade  buscar  uma  representação   coerente  da  realidade  estudada.  Enquanto  o  mito  contribuía  para   o  homem  aceitar  o  mundo  através  de  histórias.

 41):   –   “não  existe  no  mundo  conhecimento  pronto.  se  desejamos  chegar  à  raiz  do   conhecimento.8/4/13   •  De  acordo  com  Sócrates  (apud  MEKSENAS.   o  crisJanismo  impediu  o  florescimento  de  outras   maneiras  de  conhecer  a  realidade  e  se  consJtuiu  um   saber  absoluto  que  jusJficava  o  poder  de  uma   insJtuição:  a  igreja  Católica.  assim.   O  conhecimento  religioso     •  O  conhecimento  religioso  também  se  baseia  em   doutrinas  valoraJvas.  p.  mas  sim  da  fé  na  revelação  divina.   1993.   acabado  e  que.  mas  suas  verdades  são   consideradas  indiscuRveis.   3   .     •  Esse  conhecimento  se  impôs  como  dominante  no   mundo  ocidental  durante  o  período  medieval  e.  É  um  Jpo  de  conhecimento   que  não  se  vale  diretamente  da  razão  e  da   experimentação.  devemos  –  em  primeiro  lugar  –   cri6car  o  que  já  conhecemos”.

  •  As  transformações  que  ocorreram  no  mundo  a  parJr  do  século  XVI  —  como   as  grandes  navegações  e  a  internacionalização  do  comércio  —  foram   acompanhadas  pela  críJca  ao  poder  eclesiásJco  de  explicar  a  realidade.  É  um  conhecimento  transmiJdo  de  geração  em  geração  por  meio   da  educação  informal  e  é  baseado  em  imitações  e  experiências  pessoais.   •  Todos  os  seres  humanos  possuem  conhecimentos  práJcos  de  como  agir  e   de  como  parJcipar  das  insJtuições.  É  um  conhecimento  que   se  volta  à  compreensão  dos  dados  imediatos  e  não  procura  explicações   profundas  dos  eventos.  do  não  especialista.  ele  é  a  nossa  primeira  forma  de  compreensão  do   mundo.  foi  conferida  uma  importância  única   ao  conhecimento  cien?fico.   Questão  inicial   •  Todos  nós  somos  capazes  de  estabelecer   opiniões  sobre  os  eventos  políJcos  e  sociais   que  ocorrem  em  nossa  sociedade.     •  O  que  diferencia  o  pensamento  do  homem   comum  em  seu  coAdiano  das    reflexões   estabelecidas  na  Universidade?       4   .   •  Com  a  desagregação  do  mundo  feudal.8/4/13   Senso  Comum  e  Conhecimento  cienRfico   •  Quanto  ao  senso  comum.  Surgiu  uma  necessidade  histórica  de  formular   um  saber  que  permiJsse  estabelecer  um  critério  de  verdade  pautado  na   razão  e  na  funcionalidade.  O  senso  comum  é  um  saber  que  parte   da  práJca  do  homem  comum.  resultante  da  herança  cultural  dos  grupos  sociais  onde  estamos   inseridos.

 A  caracterísJca  elementar  do   pensamento  cienRfico  é  a  procura  pela  verdade  através  do   desenvolvimento  de  métodos  de  análise  e  de  uma  linguagem   objeJva  que  evite  ambiguidades.  O  desenvolvimento   da  razão  conduziu  a  uma  nova  aAtude  diante  da  possibilidade  de   explicar  os  fatos  sociais  de  maneira  lógica  e  coerente  (COSTA.  Busca  um   conhecimento  exato  sobre  a  realidade.  O  pensamento  religioso  é   amplamente  difundido  por  insJtuições  religiosas.  sistemáJco.  foi  definida  como  elemento  essencial  para  confrontar  o   dogmaJsmo  religioso  e  a  autoridade  eclesial.       Para  refleAr:     •  Qual  a  diferença  entre  conhecimento  míAco.  É  um  conhecimento  avulso.  superficial.  Mas.   2005).8/4/13   Senso  Comum  X  Ciência   •  A  razão.  O   senso  comum  está  disseminado  por  toda  a   sociedade  e  encontra  nos  meios  de  comunicação  de   massa  espaço  para  sua  expressão.  UJliza   métodos  adequados  de  análise  e  formula  teorias.  O  conhecimento  cienRfico   se  pauta  na  realidade  concreta  e  é  baseado  na  experimentação  e   não  apenas  na  razão.   •  Senso  comum:  é  o  conhecimento  do  homem  comum.  racional.   •  Ciência:  conhecimento  críJco.  ou  capacidade  racional  do  homem  de  conhecer  a   realidade.  não   especialista.   filosófico  e  cien?fico?     •  Por  que  a  universidade  é  o  espaço  do  pensamento   cienRfico?   •  Cada  forma  de  conhecer  o  mundo  é  representada   por  insJtuições  próprias.  É  um  saber  que  possui  uma  ordenação  lógica   e  busca  constantemente  se  repensar.  e  o   conhecimento  cien?fico?   5   .

  •  Portanto.  pois  nosso   compromisso  insJtucional  é  com  o  desenvolvimento  da   ciência.8/4/13   Papel  da  universidade   •  A  universidade  é  concebida  como  centro  de  criação  e  difusão   do  conhecimento  cienRfico.     •  É  um  conhecimento  capaz  de  conduzir  o   homem  comum  a  compreender  os  nexos  que   formam  a  realidade.  nosso  compromisso  é  com  pensamento  cienRfico.   Por  que  estudar  Ciências  Sociais?   •  As  Ciências  Sociais  desempenham  papel   central  para  a  compreensão  das  forças  sociais   que  vêm  transformando  nossas  vidas.     6   .  Seu  compromisso  é   com  o  desenvolvimento  da  ciência  e  da  sociedade  através  da   formação  de  profissionais  competentes  e  com  sólida   formação  cienRfica.   •  Materializa-­‐se  pela  união  de  professores  e  alunos  para  o   avanço  do  conhecimento  e  do  estudo.  centro  do  saber.  nosso  foco  neste  curso  se   volta  para  a  análise  cienRfica  da  sociedade.  rigor  da   aprendizagem  e  o  progresso  da  ciência.  insJtuição   preocupada  com  a  qualificação  do  ensino.  Desse  modo.

8/4/13   O  Que  é  sociologia?   •  Conhecimento  cienRfico  sobre  a  realidade   social  que  visa  estabelecer  teorias  e   confrontá-­‐las  com  a  realidade.     7   .  para  a  expansão  comercial.  para  a   circulação  crescente  de  mercadorias  e  para  o   consumo  de  bens  materiais.     •  O  lucro  se  torna  a  finalidade  principal  de   qualquer  aJvidade  econômica.       Objeto  de  Estudo  da  Sociologia   •  O  Objeto  de  Estudo  da  Sociologia  é  a   sociedade  capitalista.   •  Pressuposto  básico:  a    sociedade  possui  uma   lógica  passível  de  ser  apreendida.  é  obra  dos  próprios   indivíduos.   ao  contrário  da  natureza.   •  E  o  que  é  o  capitalismo  ?  É  um  sistema   econômico  voltado  para  a  produção  e  para  a   troca.  A  sociedade.

  do  contato  com  outros  povos.  momento    de   desenvolvimento    do  comércio  e  da  navegação.  burguês  e   comercial.     8   .  urbano.    e   formação  do  mundo  moderno.     Uma  nova  mentalidade   •  Formação  de  uma  mentalidade  laica.     •  O  conhecimento  deixa  de  ser  revelado  como   resultado  de  uma  aJtude  de  contemplação  e   fé  e  volta-­‐se  a  reflexão  baseada  na  razão.   com  caracterísJcas  agrária  e  teocráJca.  Formação  de  uma   nova  classe  social:  burguesia  comercial.8/4/13   Formação  da  sociedade  capitalista   •  Renascimento:  Movimento  filosófico  e  arRsJco   que  conduziu  à  ruptura  com  o  mundo  medieval.   •  O  homem  passa  a  se  senJr  livre  para  pensar  e   criJcar  a  realidade  e  se  concebe  como  agente   dos  acontecimentos.     •  Contexto  histórico:  Século  XVI.  na   medida  em  que  o  homem  vai  se  desligando   dos  dogmas  religiosos.

    •  Propunha  uma  nova  forma  de  governo  pautada  na   legiJmidade  popular.  de  forma  temporária  e     representaJva.   •  O  poder  é  visto  como  construção  lógica  e  jurídica.   •  Defesa  da  igualdade  jurídica.  da  democracia  e  da   liberdade  de  manifestação  políJca.   •  Busca  da  novas  formas  de  organização  social  que   garanJam  a  realização  do  homem    na  comunidade  e  o   exercício  da  liberdade.8/4/13   Ilustração  seculo  XVIII   •  Movimento  filosófico  que  propunha  uma  aJtude   curiosa  e  livre.   9   .     •  A  nação  deveria  se  orientar    por  uma  políJca  que   favorecesse  a  prosperidade  e  a  acumulação  de   riqueza  e    que  Jvesse  o  indivíduo  agente.       Estado  Nacional     •  Surge  o  conceito  de  Estado  Nacional  –  um  território   soberano  onde  imperava  uma  políJca  que   privilegiava  o  desenvolvimento  econômico  e  as   necessidades  do  mercado.   independente  de  quem  ocupa.  convicção  na  razão  como  fonte  de   conhecimento.   •  Valorização  da  pesquisa  cienRfica  e  disseminação  de   aJtudes  de  planejamento.

 da  liberdade  individual  e  respeito  à   propriedade.   •  Decretar  a  autonomia  do  Estado  face  da  Igreja.   •  Adam  Smith  (1732-­‐1790)    revela  a  importância  do   trabalho  na  formação  das  riquezas.   confisco  das  suas  propriedades.       Transformações  sociais  do     séc.     •  John  Locke  (1632-­‐1704)    Defesa  do  sistema   consJtucional.   10   .   •  Amparar  e  incenJvar  a  aJvidade  empresarial.8/4/13   Principais  representantes  da  ilustração   •  Jean-­‐Jacques  Rousseau  (1712-­‐1778)  Afirmava    que   a  vida  social  deveria    se  basear  no  interesse  comum   e  no  consenJmento  unânime  dos  homens  em   renunciar  às  suas  vontades  parJculares  em  favor  da   coleJvidade.   •  Influenciada  pelos  filósofos  iluministas    conduziu   a  sociedade  francesa  à:   •  Pôr  fim  aos  privilégios  da  nobreza.  A  economia   deveria  ser  regida  por  leis  naturais  da  oferta  e  da   procura  (a  livre  concorrência).  XVIII  –  Revolução  Francesa     •  Revolução  popular  que  põem  fim  a  monarquia   absoluJsta  na  França.

  11   .  com   significaJva  migração  da  população  para  os   centros  urbanos.     Nova  estrutura  da  sociedade   •  Reordenação  da  sociedade  rural.  XVIII  –  Revolução  Industrial   •  Acumulação  de  capital  ocorrida  desde  o  século   XVI.   •  Surgimento  de  um  novo  Jpo  de  trabalhador  (o   operário).    fruto  da  brutal  exploração  colonial  e  do   escravismo.   •  Destruição  das  relações  de  servidão.8/4/13   Transformações  sociais  do     séc.  e  de  uma  intensa  divisão  do   trabalho.     •  Desenvolvimento  da  manufatura  e  do     parcelamento  do  trabalho.   •  O  desenvolvimento  de  novas  tecnologias   oriundas  do  desenvolvimento  cienRfico.

  •  Momento  de  consolidação  do  capitalismo  como   modo  de  organização  social  e  da  burguesia  como   classe  social  dominante.   Consequências  da  revolução  industrial   •  Formação  da  mulJdão    e  da  preocupação  com  a   pobreza  que  essa  mulJdão  revela.   12   .  exibindo  nas  ruas   suas  necessidades.   •  UJlização  da  mão-­‐de-­‐obra  infanJl  e  feminina.   •  Epidemia  de  doenças  como  Jfo.8/4/13   Condições  da  classe  trabalhadora   •  Extensas  jornadas  de  trabalho  que  chegavam  a   16  horas  por  dia.  cólera  e  febre   amarela.   •  Precárias    condições  de  habitação  na  periferia   das  grandes  cidades.

 bancos.  meios  de  comunicação.   •  Organicismo:  A  sociedade  era  concebida  como  um   organismo  consJtuído  de  partes  integradas  e   coesas  que  funcionavam  harmonicamente.  transportes.  que   levou  a  afirmação  do  capitalismo  como  modo  de  produção   dominante.   13   .  Quais  são  as  classes  sociais  básicas  do  capitalismo?   a) Nobreza  e  camponeses   b) Senhores  feudais  e  servos   c) Patrícios  e  plebeus   d) Burguesia  e  proletariado   e) Classes  médias     RESPOSTA:   Burguesia  e  proletariado   O  pensamento  cienRfico  sobre  o   social  :  o  PosiJvismo   Influências:     •  Darwinismo  social:  crença  de  que  todas  as   sociedades  evoluiriam  num  mesmo  senJdo.   agricultura.  etc).8/4/13   Pergunta  e  Resposta   •  A  Revolução  Industrial  significou  um  conjunto  de  transformações   em  diferentes  aspectos  da  aJvidade  econômica  (indústria.