You are on page 1of 6

SUMÁRIO

1. História da Loucura --------------------------------------------------------------- 01 1.1 Sociedades Pré-Históricas e Antigas --------------------------------------------- 01 1.2 Grécia e Roma Antigas ------------------------------------------------------------- 02 1.3 Idade Média -------------------------------------------------------------------------- 03 1.4 Renascimento ------------------------------------------------------------------------- 04 1.5 Idade Clássica ------------------------------------------------------------------------ 05 2. O Surgimento da Clínica Psiquiátrica ------------------------------------------ 08 3. O Normal e o Patológico ----------------------------------------------------------- 15 3.1 A normalidade como média estatística: análise do conto “O Alienista” ------------- 16 3.2 A normalidade como normatividade segundo G. Canguilhem ------------------ 20 3.3 Caso clínico ilustrativo “Witty Ticcy Ray” ---------------------------------------- 24 4. A Psicopatologia como um Campo de Dispersão do Saber ------------------ 27 5. Diagnóstico psicopatológico e diagnóstico estrutural ------------------------- 34 6. Semiologia Psicopatológica --------------------------------------------------------- 55 6.1 A consciência e suas alterações ------------------------------------------------------ 57 6.2 A atenção, a orientação, as vivências do tempo e do espaço e suas alterações ------------------------- 68 6.3 A sensopercepção e suas alterações ------------------------------------------------- 73 6.4 A memória e suas alterações --------------------------------------------------------- 80 6.5 A afetividade e suas alterações ------------------------------------------------------- 85 6.6 A vontade, a psicomotricidade e suas alterações ---------------------------------- 91 6.7 O pensamento e suas alterações ------------------------------------------------------ 95 6.8 A linguagem e suas alterações ------------------------------------------------------ 104 7. Considerações finais ------------------------------------------------------------------ 110

Psicopatologia crítica: guia didático para estudantes e profissionais de Psicologia Rogério Paes Henriques .

com ênfase em Saúde Mental e Atenção Básica. Tem experiência prática na área de Saúde Coletiva. Contato: rsphenriques@hotmail. Vem se dedicando ao estudo da chamada "clínica da psicose".Sobre o autor: Psicólogo pela Universidade Federal do Espírito Santo (1999) — tendo sido bolsista do PET/CAPES de 1995 a 1999. a partir de 2009. de uma perspectiva psicanalítica. onde leciona a cátedra de Psicopatologia para os cursos de Psicologia e Medicina. é professor adjunto do Departamento de Psicologia (DPS) da Universidade Federal de Sergipe (UFS).com . compondo uma equipe matricial em Saúde Mental junto à Estratégia de Saúde da Família (ESF). Mestre em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social (IMS) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) (2003). Doutor em Saúde Coletiva pelo IMS/UERJ (2008). e como docente na iniciativa privada (20042008) e. Atuou como psicólogo estatutário da Prefeitura Municipal de Serra/ES. pensando-a na sua interseção com os dispositivos da saúde.

O delírio e os sonhos na Gradiva de Jensen). (.) em nossa profissão. homens comuns. Eurípedes. Bastos. (C. Freud. e seu testemunho deve ser altamente estimado. do que decorar síndromes. Manual do Exame Psíquico) . Karamazovs e Bentinhos.. é muito melhor conhecer bem a obra de Sófocles. ainda não tornamos acessíveis à ciência. L. Dostoievsky e Machado. Shakespeare.Poetas e romancistas são nossos preciosos aliados. e não as siglas vazias do DSM-IV. (S. Nossos mestres conhecem a psique porque se abeberaram em fontes que nós. Orestes e Electras. pois eles conhecem muitas coisas entre o céu e a terra com que nossa sabedoria escolar não poderia ainda sonhar. O que vemos realmente todos os dias em nossos consultórios e enfermarias são frustrados Édipos. ou prosaicos Hamlets.. códigos e listas. sem dúvida alguma.

e como tais. portanto. e não a mais um especialismo emergente. no decorrer dos seus seis anos de magistério nessa área. fomentando discussões e contemplando reflexões pertinentes a essa disciplina específica das ciências humanas. Convidamos. o leitor à apreciação deste trabalho sem a garantia de que seu esforço será recompensado no final. incompatível com qualquer fragmentação desse saber em especialidades. que clama por sistematização. Aracaju.PREFÁCIO Este livro propõe-se a suprir uma lacuna nos escritos sobre psicopatologia — cuja ênfase tecnicista voltada ao pragmatismo médico costuma. Este guia surgiu de um esforço de compilação e construção narrativa de planos e esquemas de aulas da disciplina de Psicopatologia Geral I. pretendemos. (2) este não constitui um guia prático. no sentido de explicar ou compreender. além disso. agradeço às leituras atentas e críticas. antes. Não temos a pretensão de escrever um manual de psicopatologia. A adjetivação da expressão “psicopatologia” no título deste trabalho é meramente descritiva. formular tais questões de forma correta. portanto. sentimo-nos mais “portavozes” de um discurso polifônico já existente. ao menos por dois motivos principais: (1) este guia não substitui os textos didáticos básicos a partir dos quais redigimos cada capítulo. primeiro. cabendo a ele julgar sua pertinência e relevância. preparadas e ministradas pelo autor aos cursos de graduação em psicologia. no geral. sistematizar o debate pertinente à psicopatologia. . mas sim de problematizar. pretendemos. assim. referindo-se tão-somente à dimensão de criticidade que tentamos resgatar aqui. do que “autores” no sentido “poiético” (do grego poiesis = “criação”) do termo. condição indispensável para qualquer esboço de resposta que se pretenda consistente. De antemão. Nossa abordagem crítica em psicopatologia é holista (do grego holos = “todo”) sendo. a partir das leituras desses textos básicos. assinalando para os estudantes de psicologia e psicólogos os pontos cruciais que lhes dizem respeito. os quais continuam sendo leituras indispensáveis à formação ou à atuação profissional. que ocorre no campo multiprofissional da saúde mental. afastar os leitores mais críticos — servindo como guia didático de leitura aos estudantes e profissionais da psicologia. refletem as idiossincrasias (positivas e negativas) do registro de transmissão oral. 30 de março de 2010. ao invés de fornecermos respostas aos problemas pertinentes à psicopatologia com os quais os profissionais da psicologia lidam na sua prática clínica cotidiana.

.Aos meus alunos e ex-alunos. que exigem ou exigiram de mim este esforço de poesia.