You are on page 1of 3

Psicometria

Alessandra Costa Penna. Extrato de: Estilos de aprendizagem e ambientes de ensino: Estudo comparativo dos estilos verbalizados e visualizador nos contextos presencial e a distância.– Rio de Janeiro: UFRJ / Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, 2007, pg 17-20

Conteúdo 1 Psicometria 2 Referências Bibliográficas:

...

Psicometria

O estudo da psicologia diferencial, aqui mais especificamente do aprendizado e da instrução, permitiu a melhor compreensão do papel do indivíduo na produção da aprendizagem e despertou, em mim, a vontade de conhecer melhor os possíveis testes capazes de medir as diferentes formas de aprender dos aprendizes. A área da psicologia que faz a ponte entre as ciências exatas, principalmente a matemática aplicada à estatística e a Psicologia, é chamada de Psicometria. Segundo Baquero Miguel (1974), em psicologia, as provas recebem o nome de testes, e esta última palavra, de origem inglesa, já é aceita em nosso idioma. Um teste é uma medida objetiva e estandardizada que se obtém ao examinar cientificamente algum aspecto da conduta humana. E conduta humana, em um sentido amplo, é o objeto da Psicologia. Um teste é, por conseguinte, um instrumento que se emprega, em Psicologia, para apreciar quantitativamente e com bases estatísticas, uma forma de conduta. Este mesmo autor, afirma que um teste precisa reunir certo número de qualidades, sem as quais não podemos considerá-lo verdadeira prova psicológica. Entre as principais qualidades estarão sempre a padronização, a precisão e a validade. A Psicometria teve origem em diferentes tendências. Pasquali (1997) se refere à psicometria como tendo origem em duas situações bastante distintas: a psicologia de orientação empiricista (fazia uso de processos comportamentais, mais especificamente sensoriais) e a psicologia mais mentalista (fazia uso dos processos mentais) de Binet (1905), na França. De fato, as duas tendências entraram em cena na mesma época para resolver problemas semelhantes: avaliar objetivamente as aptidões humanas. A origem da Psicometria também deve ser procurada nos trabalhos do estatístico Spearman (1904. Apud: Pasquali, 1997), e não se deve estranhar que esta surgisse no campo das aptidões humanas (mentais, físicas, psicofísicas). Pois além das aptidões humanas serem a temática psicológica da época, elas se juntavam melhor a um estudo quantitativo, pois se podia ali contabilizar o comportamento em termos de acertos e erros.

em 1936. e era perseguida por psicólogos de orientação estatística. 1997): 1. sobretudo.A década da análise fatorial (1930): os psicólogos estatísticos começaram a repensar as idéias de Spearman. e sobre a inteligência. Na mesma época.A era da sistematização (1940-1980): é marcada por duas tendências opostas. que iniciou o desenvolvimento de . diferenças. os artigos de Spearman. ambas dedicadas ao estudo e avanço da psicometria. Nas obras de síntese. a American Psychological Association – APA .A década de Binet (1900): predominaram os interesses pelas avaliações das aptidões humanas. a teoria clássica dos testes psicológicos. 6. e procurou-se sistematizar uma teoria sobre a inteligência. Embora Binet tenha predominado nesta época.A era dos testes de inteligência (1910-1930): desenvolveu-se sob a influência dos testes de inteligência de Binet. de uma forma geral. levantou-se os problemas das escalas de medida. tentou-se sistematizar os avanços da Psicometria até então conseguidos. sobretudo quando se mostrou que estes eram demasiadamente dependentes da cultura onde eram criados. “General inteligence objectively determined and measured”. de início bastante independentes. que mais tarde se unificaram no que se chamou de psicometria clássica. testes Army Alpha e Army Beta). e desenvolveu a análise fatorial múltipla. e a teoria sobre a medida escalar. Este autor teve grande impacto na orientação prática e teórica da psicometria. os trabalhos de síntese e os trabalhos de crítica. e sob a influência do impacto da Primeira Guerra Mundial. a Sociedade Psicométrica Americana. com a influência decisiva da orientação dos psicólogos da análise fatorial. Então. que impôs a necessidade de uma seleção rápida e eficiente de recrutas para o exército (ex. cujo interesse nas provas psicológicas era detectar. Surgiu a primeira grande crítica à teoria clássica dos testes.introduziu as normas de elaboração e uso dos testes. o qual deu os fundamentos da teoria da psicometria clássica com suas obras “The proof and measurement of association between two things”. 2. o que acarretou e ainda acarreta muita polêmica.A década de Cattell (1890): sob a influência de Galton. esta década também pôde ser considerada a era de Spearman. Esta polaridade somente foi superada lá pelos anos de 1940. obras que falavam sobre a correlação entre medidas.A década de Galton (1880): os trabalhos visavam à avaliação das aptidões humana por meio da media sensorial. A outra tendência visava mais o desenvolvimento da própria teoria psicométrica. e fundou. o retardo mental e o potencial dos sujeitos para fins de predição na área acadêmica. 5. “Demonstration of formulae for true measurement of correlation” e “Correlations of sums and differences”. Kelley quebrou a tradição de Spearman. É possível esquematizar a história da avaliação psicológica da seguinte maneira (Pasquali. Além disto. na obra de Lord e Novick (1968 – Statistical theory of mental tests scores). 3. a escalagem psicológica. Já nas obras de crítica. juntamente com a revista Psycometrika. uma vez que o entusiasmo com os testes de inteligência vinha caindo muito. recolheram-se os avanços na área de análise fatorial. especialmente de Thurstone (1938). visando à predição na área acadêmica e na área da saúde. procurouse sintetizar os dados da medida em personalidade. 4. Pasquali (1997) relata que esta seguiu duas orientações. Portanto. inaugurando a terminologia mental test. somas. desenvolveu medidas das diferenças individuais.Ainda a respeito da origem da Psicometria. A primeira tendência era mais visível em psicólogos com preocupações psicopedagógicas e clínicas.

Outra tendência de crítica para superar as dificuldades da psicometria clássica foi iniciada pela psicologia cognitiva de Sternberg (1977. O estudo da psicologia diferencial. Brasília. 7. 1974. testes sob medida – Computer Adaptive Testing. Neste contexto. mais tarde sintetizada por Lord (1980). .uma teoria alternativa. com seu modelo de procedimentos e pesquisas sobre os componentes cognitivos na área da inteligência. nos aprofundarmos nos aspectos individuais dos aprendizes. pois desta forma estaria construindo relações entre a área de educação e a fonoaudiologia. PASQUALI.A era da psicometria moderna (Item Response Theory . pode-se dizer que a psicometria consiste no conjunto de técnicas utilizadas para mensurar. A Teoria clássica dos testes psicológicos. Psicometria: Teoria e Aplicação. Luiz. 1985). Optamos pelo foco nos estilos relacionados aos canais vocal e visual. Godeardo. construção de itens). sua história e os testes psicométricos existentes até então. 1982. Editora Universidade de Brasília. por meio do estudo dos componentes cognitivos. que desembocou na teoria moderna da psicometria. abriu caminho para. arrolando três linhas genéricas em que os psicometristas vêm atuando: a)     Sistematização da psicometria clássica b)    Sistematização e pesquisa na IRT c)     Pesquisa em várias áreas paralelas da psicometria (testes com referência a critério. Logo.1980): é o que há de mais novo no campo. um conjunto ou uma gama de comportamentos que se deseja conhecer melhor. equiparação dos escores.IRT. 1997. nesta pesquisa. É possível sintetizar melhor o que está ocorrendo hoje no mundo da psicometria. de forma adequada e comprovada experimentalmente. podemos situar o impacto dos trabalhos da psicologia cognitiva com suas pesquisas na área das aptidões. banco de itens – Applied Psychological Measurement. São Paulo: Loyola. a do traço latente. Testes Psicométricos e Projetivos: Medidas PsicoEducacionais. validade dos testes. juntamente ao estudo sobre a psicometria. vieses dos testes. em seus estilos de aprendizagem. Referências Bibliográficas: BAQUERO MIGUEL.