You are on page 1of 4

Módulo 5 – Sistemas de Tutoria em Cursos a Distância

Turma: 11
Tutor(a): Marilene da Silva
Tarefa: Termo de Compromisso Parte I
Aluno(a): Walney Machado Franco Apnig

A interatividade do sistema de tutoria e o ambiente de aprendizagem.

O meu compromisso como Tutor que atende as necessidades essenciais da educação a distância é
não permitir o isolamento nem a divisão. Ao contrário, é permitir que, no exercício de minha atuação no
Ambiente Virtual de Aprendizagem, se aprofundem as relações humanas transcendendo as diferenças
étnicas, econômicas e sociais; trabalhando no favorecimento da aprendizagem do aluno, com espaços e
possibilidades de criação coletiva, orientando a sua “livre” caminhada, ou seja, a construção de sua
autonomia no contexto da discussão para a criação, compreendendo que o saber científico permite
desconstruir e reconstruir significados na sua ação formativa.

Educador contemporâneo que sou, tenho consciência que o meu compromisso não está apenas
ligado ao apoio do docente e minhas ações não são limitadas e voltadas apenas para o conteúdo. O meu
papel mais abrangente é ultrapassar a visão puramente técnica e adotar novos conceitos, tais como:

1. A coordenação e seleção de conteúdos.

2. A discussão das estratégias de aprendizagem.

3. A problematização do conhecimento.

4. O estabelecimento do diálogo

5. Mediar os problemas de aprendizagem

6. Organizar situações didáticas juntamente com os alunos procurando desvelar as


subjetividades presentes na construção de saberes dos sujeitos envolvidos.

7. Promover a criação de pesquisadores que evoluem seus pensamentos na prática da


educação humanística interativa através da troca contínua de experiências, na transmissão,
construção, desconstrução e criação de novos conhecimentos.

Alem dos pontos anteriormente propostos, farei também uma análise diagnóstica do ambiente
interativo AVA sempre atento para a aprendizagem e intencionalidade pedagógica, pois estes estabelecem
um caminho aos objetivos traçados contendo elementos básicos promotores de interatividade tais como:

Menu de opções, via de comunicação e feedback com possibilidade de diálogo (Bidirecionalidade),


co-autoria e publicação. Ainda sobre o ambiente virtual de aprendizagem, eu preciso priorizar àquele que
possuir uma expressão clara da presença humana, pois é real a necessidade de expor as competências
interpessoais para que a criação do ambiente coletivo seja um espaço para a colaboração e
desenvolvimento da autonomia. Outro fator que propõe alguns comentários, por fim, é o respeito para que a
expressão do aluno se evidencie como esforço de participação, e para que o que ele produza possa ser
incluído no processo de colaboração e autonomia nos ensinos, contando, como parte indispensável para
este processo, com a minha intensa presença para indicar caminhos e melhor forma de utilizar o ambiente.
Sendo assim, poderei criar uma sintonia entre as minhas ações e o ambiente de aprendizagem podendo me
posicionar como um elemento interativo a mais, com inteligência, sensibilidade, e acima de tudo com
humanidade.

A interatividade do sistema de tutoria e as relações interpessoais.


Em relação ao sistema de tutoria e as relações interpessoais, tenho por meta estabelecer o uso da
linguagem no seu sentido mais amplo, que é o ato de se comunicar, valorizando cada postagem como uma
contribuição imprescindível para a fluidez do curso, de modo que, se possa refletir como as emoções

humanas se desenvolvem. A linguagem configura-se, na teoria de Vygotsky, como um lugar de constituição


e expressão dos modos de vida culturalmente elaborados. A linguagem forneceria, pois, os conceitos e as
formas de organização do real. Em suma, "um modo de compreender o mundo, se compreender diante e a
partir dele e de se relacionar com ele".

Na perspectiva do uso da linguagem, meu o objetivo é construir uma rede de relações onde as
experiências profissionais e pessoais serão acrescentadas, comentadas e discutidas solicitando sempre o
aprofundamento no assunto para aumentar a interatividade e começar o processo de troca de experiências
propiciando a socialização e a afetividade da turma.

Na construção da aprendizagem colaborativa proponho que o conhecimento seja adquirido através


do estabelecimento da relação do conteúdo com a prática das experiências já vividas e mencionadas por
mim e pelos alunos; assistida através de outras mídias e também em outros momentos ou ocasiões. Sendo
assim, todos os envolvidos no processo têm a oportunidade de analisar na perspectiva de diferentes
culturas dando um significado cada vez mais amplo ao conteúdo apresentado, transpondo o campo da
passividade para a construção, recriação e co-criação dando maiores significados ao conteúdo.

Diante de tudo que já foi dito, deixarei para toda a turma um trecho de texto: As muitas formas de
comunicar-nos de José Manuel Moran que diz: “Pela comunicação intrapessoal procuramos equilibrar as
nossas contradições, comunicar-nos entre o nosso universo organizado e o desorganizado, o visível e o
invisível, entre o que controlamos e o que se nos escapa. Comunicamo-nos melhor se aprendemos a
dialogar com as nossas tendências contraditórias”.

Finalizando, construirei uma nova questão a ser avaliada. O acompanhamento de todo o processo
realizando uma avaliação de todo o percurso para analisar de uma forma global se o conhecimento foi
construído, se os propósitos foram atingidos, se os alunos foram desenvolvidos e se os envolvidos neste
processo se tornaram amigos mesmo sem se encontrarem fisicamente.

A interatividade do sistema de tutoria e a construção da autonomia do aluno.


O meu objetivo para a promoção da autonomia do aluno de modo que, a presença constante do
professor e dos alunos possa ser sentida está baseado em cinco pontos que considero como compromisso
fundamental e pessoal, tais como:

1. Avaliar o Design Instrucional. O meu objetivo é avaliar se está inserida no ambiente pedagógico a
possibilidade do aluno desenvolver-se como sujeito ativo no processo de conhecimento, verificando

as ferramentas necessárias, o AVA e sinalizando sempre que necessário, auxiliando na remoção de


obstáculos que possam retardar ou impedir o processo de aprendizagem autônoma.

2. Incentivar a participação. Promoverei a comunicação e o intercambio de informações na


comunidade de aprendizagem, incentivando as experiências e a circulação do saber entre os
agentes do processo, suas características sócio-culturais e econômicas, idade e familiaridade com
os meios.

3. Promover a Interatividade. Neste ponto, meu compromisso é criar condições dos alunos pela
comunicação que acontece durante o processo, seja individualmente ou em grupos possam
estabelecer relações, interligando informações através da participação com os outros nas atividades

planejadas pelo programa, reconstruindo significados.

4. Estabelecer a Cooperação. Vou estabelecer uma relação desenvolvendo uma relação de troca
dada pelos diferentes perfis profissionais com o objetivo de desenvolver e estimular o interesse
comum que é a realização da tarefa proposta e a solução dos problemas. Onde a particularidade de
conhecimento de cada um, será importante para a construção do conhecimento de todos os

participantes.

5. Desenvolver a Autonomia do Aluno. É imprescindível que eu tenha a convicção de que o aluno


possui a capacidade em autodeterminação, escolher, apropriar-se e reconstruir o conhecimento
produzido culturalmente em função de suas necessidades e interesses. Caracterizando-se pela
responsabilização, autodeterminação, decisão, auto-avaliação e compromissos a partir da reflexão
de suas próprias experiências e vivências.

Baseado nestes cinco pontos, o meu compromisso é me colocar sempre com uma postura investigativa
fazendo de início uma avaliação diagnóstica do ambiente, das ferramentas, da tecnologia e do Design
Instrucional para viabilizar a proposta de desenvolvimento da autonomia do aluno, para que posteriormente,
eu possa me posicionar de forma estratégica no acompanhamento dos estudos; incentivando a
participação, sendo uma pessoa presente, buscando a participação de todos, fomentando discussões,
motivando os alunos e respondendo prontamente a todos os questionamentos surgidos respeitando as
diferenças e singularidade de cada indivíduo, buscando assim promover situações onde os alunos possam
se expressar, trocar idéias e compartilhar experiências.

Enfim, participar do processo de intercambio de conhecimentos através da interação das pessoas do


ambiente de aprendizagem, no qual se constroem uma memória coletiva, segundo Lévy, possibilitando a
construção e reconstrução do pensamento através de atos dos grupos e de atos dos próprios indivíduos.

Referências bibliográficas:

As muitas formas de comunicar-nos_ José Manuel Moran e Afetividade e cognição – Rompendo a


Dicotomia na Educação. Valéria Amorim Arantes.

Texto Base, SISTEMAS DE TUTORIA EM CURSOA A DISTÂNCIA.

Texto 12, UM AMBIENTE CONSTRUTIVISTA DE APRENDIZAGEM A


DISTÂNCIA: ESTUDO DA INTERATIVIDADE, DA

COOPERAÇÃO E DA AUTONOMIA EM UM CURSO DE

GESTÃO DESCENTRALIZADA DE RECURSOS HUMANOS EM

SAÚDE.

Pierre Lévy, NO RODA VIVA (VIDEOCLIP).