You are on page 1of 3

JUBILEU – PERGUNTAS E RESPOSTAS

1. Qual é o significado da palavra “jubileu”?
Jubileu significa júbilo, alegria. Não é apenas júbilo interior, mas alegria que se manifesta
exteriormente. Em hebraico jubileu significa “toque da trombeta de Deus", convocando para
uma grande celebração festiva.

2. 0 que diz a Bíblia a respeito da celebração de um jubileu?
No livro do Levítico, capítulo 25, versículos 8 e 10, lemos: "Contarás sete semanas de anos,
isto é, sete vezes sete anos; esse período de sete semanas de anos representará, portanto,
quarenta e nove anos...; declarareis santo o quinquagésimo ano... será para vós um jubileu".

3. 0 que a Bíblia manda fazer no ano jubilar?
No ano jubilar a Bíblia determina que se deve dar descanso à terra por um ano (Lv 25, 4-5);
resgatar as terras penhoradas e vendidas (Lv 25,28); retornar ao grupo familiar (Lv 25,35ss);
perdoar as dívidas (Lv 25,37ss); libertar e emancipar os escravos (Lv 25,54). As leis relativas
ao ano jubilar tinham como objectivo recordar que Deus é o Senhor da terra e de tudo o que
nela existe; restabelecer a igualdade entre os filhos de Israel; evitar a concentração da terra e
da riqueza, porque a terra é um dom de Deus para todos; proteger os mais fracos, por serem
os predilectos de Deus; restabelecer a justiça social; e motivar para a conversão.

4. Desde quando os cristãos celebram o Ano Jubilar?
Desde 1300 a Igreja Católica celebra regularmente o Ano Jubilar, primeiramente de 50 em 50
anos; a partir do século XV, de 25 em 25 anos. Desde 1500 emprega-se também a expressão
"Ano Santo" para o Ano Jubilar. "A Igreja sempre celebrou o Jubileu como uma etapa
significativa do seu caminhar para a plenitude em Cristo" (IM 5). E um tempo em que se faz
sentir mais intensamente o convite de Jesus à conversão.

5. Quais os objectivos do ano jubilar?
O ano jubilar visa reconstruir o Plano de Deus, e isso vale não somente para o Povo de Israel
mas também para nós, hoje. Somos chamados a celebrar o Jubileu do Ano 2000 no espírito
jubilar bíblico.

6. 0 que é "Ano da graça do Senhor?
O profeta Isaías anunciou a presença de Deus como um "ano da graça do Senhor" (Is 61,2),
isto é, um tempo de especial misericórdia e renovação. Jesus iniciou sua pregação dizendo
que nele se realizava esta promessa: "cumpriu-se hoje esta passagem da Escritura que acabais
de ouvir". (Lc 4,21).

7. Porque é que o Jubileu do Ano 2000 é chamado de "Ano da graça do Senhor"?
O Jubileu do Ano 2000 é chamado de "Ano da graça do Senhor" porque comemora os 2000
anos do nascimento de Jesus, o grande dom de Deus para a humanidade.

8. 0 que é uma bula?
A bula é um documento do Papa de carácter solene, que contém ordens e instruções e que
concede certos benefícios. Em vista do Ano 2000, o Papa João Paulo II escreveu a bula
Incarnationis Mysterium (O mistério da encarnação - IM - 29.11.98). Ela proclama
solenemente o Grande Jubileu do Ano 2000.
9. Onde acontecerá a celebração do Grande Jubileu do Ano 2000?
Trata-se de um evento que será celebrado simultaneamente em Roma e em todas as Igrejas
Particulares ( Dioceses) espalhadas pelo mundo e terá, por assim dizer, dois centros: um será
a Cidade onde a Providência quis colocar a sede do Sucessor de Pedro e o outro, a Terra
Santa onde o Filho de Deus nasceu como homem, tomando a nossa carne de uma Virgem,
chamada Maria (cf. Lc 1,27). Por isso o Jubileu, além de ser celebrado em Roma, será
celebrado também, com igual dignidade e importância, naquela Terra justamente chamada
'santa' por ter visto nascer e morrer Jesus. (IM, 2)

10. Qual o apelo mais forte deste Grande Jubileu do Ano 2000?
O Ano Jubilar, também chamado de Ano Santo, será um tempo em que se fará sentir mais
intensamente o convite de Jesus à conversão (cf. IM 5). Precisaremos tomar consciência do
mal que causamos com nosso pecado, que "impediu a acção do Espírito Santo no coração de
muitas pessoas. A nossa pouca fé fez cair na indiferença e afastou muitos de um autêntico
encontro com Cristo" (IM 11). Os cristãos serão convidados a assumir, perante Deus e os
homens ofendidos pelos seus comportamentos, as faltas que cometeram. No ano jubilar,
ninguém queira excluir-se do abraço do Pai. O Pai misericordioso não levará em conta os
pecados de que verdadeiramente estiverem arrependidos (cf. Is 38,17) (cf. IM 11). Além
disso, "de toda a Igreja elevar-se-á o hino de louvor e acção de graças ao Pai que no seu amor
incomparável, nos concedeu em Cristo a graça de sermos "concidadãos dos santos e
membros da família de Deus" (Ef 2,19)" (IM 6).

11. Que lugar terão os pobres e marginalizados no Ano Jubilar?
No Jubileu do Ano 2000, os cristãos serão chamados a ter uma particular atenção para a
caridade, expressivo sinal da misericórdia de Deus. "O género humano tem pela frente novas
formas de escravatura, mais subtis do que as conhecidas no passado; para muitas pessoas, a
liberdade continua a ser uma palavra destituída de conteúdo. Numerosas nações,
especialmente as mais pobres, vivem oprimidas por uma dívida que assumiu tais proporções
que o seu pagamento se tornou praticamente impossível.(...) Deve-se criar uma nova cultura
de solidariedade. (...) Não deve ser prorrogado ulteriormente o tempo em que também o
pobre Lázaro possa sentar-se ao lado do rico para partilhar do mesmo banquete". Remediar a
pobreza "é trabalhar pela justiça e, consequentemente, pela paz. O Jubileu... recorda que não
se deve dar prioridade aos bens da terra, porque não são Deus" (IM 12).

12. Porque é que no Ano Santo, será feita uma memória especial dos mártires?
No Ano Santo será feita uma memória especial dos mártires porque ela é um sinal
"particularmente eloquente da verdade do amor cristão. (...)Os mártires anunciaram o
Evangelho, dando a vida por amor. O fiel que tenha considerado seriamente a sua vocação
cristã, dentro da qual o martírio aparece como uma possibilidade preanunciada na Revelação,
não pode excluir essa perspectiva do horizonte da própria vida. (...) O martírio é a prova mais
eloquente da verdade da fé." (IM 13).

13. Quando começará e terminará o Grande Jubileu do Ano 2000?
"O Grande Jubileu do Ano 2000 teve início na noite de Natal de 1999, com a abertura da
porta santa da Basílica de S.Pedro, do Vaticano, e antecedeu de poucas horas, tanto a
celebração inaugural prevista em Jerusalém e em Belém, como a abertura da porta santa nas
outras Basílicas Patriarcais de Roma. Quanto à Basílica de S.Paulo, a abertura da porta santa
ficou adiada para o dia 18 de Janeiro seguinte." O encerramento do Ano jubilar "será no dia
da Epifania de Nosso Senhor Jesus Cristo, a 6 de janeiro do ano 2001" (IM 6).
14. Quais são as práticas características do Jubileu?
O Ano Jubilar (Ano Santo) tem várias práticas que o caracterizam: a peregrinação, a porta
santa e a indulgência. A peregrinação "reproduz a condição do homem, que gosta de
descrever a sua própria existência como um caminho. (...) Submetendo-se voluntariamente à
Lei, também Jesus, com Maria e José, foi como peregrino à cidade santa de Jerusalém (cf. Lc
2,41). (...) A peregrinação lembra o caminho pessoal do fiel seguindo as pegadas do
Redentor: é exercício de ascese activa, de arrependimento pelas faltas humanas, de vigilância
constante sobre a própria fragilidade, de preparação interior para a conversão do coração. Por
meio da vigilância, do jejum e da oração, o peregrino avança pela estrada da perfeição cristã,
esforçando-se por chegar, com a ajuda da graça de Deus, "ao estado de homem perfeito, à
medida da estatura completa de Cristo" (Ef 4,13)." (IM 7).

15. 0 que se entende por porta santa?
Outro sinal característico do ano jubilar é a porta santa, que "evoca a passagem do pecado à
graça, que cada cristão é chamado a realizar. Jesus disse: "Eu sou a porta" (Jo 10,7), para
indicar que ninguém pode ter acesso ao Pai senão por Ele. (...) O sinal da porta lembra a
responsabilidade de todo fiel quando atravessa o seu limiar." Passar por uma das quatro
grandes basílicas de Roma - S.Pedro, S.João do Latrão, Santa Maria Maior e S.Paulo
-"significa confessar que Jesus Cristo é o Senhor, revigorando a fé nele para viver a vida
nova que nos deu. É uma decisão que supõe a liberdade de escolher e ao mesmo tempo a
coragem de abandonar alguma coisa, na certeza de adquirir a vida divina (cf. Mt 13,44-46)"
(IM 8).

16. 0 que se entende por indulgência jubilar?
A indulgência "manifesta a plenitude da misericórdia do Pai, que vem ao encontro de todos
com o seu amor, expresso primariamente no perdão das culpas. Ordinariamente Deus Pai
concede o seu perdão por meio do sacramento da Penitência e da Reconciliação. (...) A
realização da reconciliação com Deus não exclui a permanência de algumas consequências
do pecado, das quais é necessário purificar-se. É precisamente nesse âmbito que ganha relevo
a indulgência, por meio da qual se manifesta o "dom total da misericórdia de Deus". Pela
indulgência é concedida, ao pecador arrependido, a remissão da pena temporal devida pelos
seus pecados já perdoados quanto à culpa. (IM 9).

17. Uma novidade na maneira de se ganhar uma indulgência jubilar?
"Em qualquer lugar, se forem visitar, durante um razoável período de tempo, os irmãos que se
encontram em necessidade ou dificuldade (doentes, presos, idosos que vivem sozinhos,
deficientes, etc.), como que realizando uma peregrinação a Cristo presente neles (cf. Mt
25,34-36), e cumprindo as habituais condições espirituais, sacramentais e de oração." Ao
longo do Ano Santo, essas visitas poderão ser repetidas, sendo que em cada uma delas se
poderá obter a indulgência plenária, obviamente apenas uma vez por dia.