You are on page 1of 17

em arcada. que pecea pela mesma má collocação que o da Agricultura. é que alli se collocou esse edifício.BRAZIL ILLUSTRADO ANNO I 0 edifício da Caiu econômica e do Monte do soccorro í. oda Secretaria da Agricultura. A' entrada do corpo central. bem poucos. uma representa a Sciencia e outra o Trabalho. que mede lò* de comprimento sobre iu de largura. As duas bellas figuras que ornam a fachada. poupando assim ao vexame aquelles a quem a necessidade obriga a procurar essa casa. P lecimentos e repartições publicas. e à direita a sala publica do monte do soccorro. que. o do Correio. cuja fachada principal damos hoje na estampa em perspectiva. ora. tendo 41 metros de frente e 39 de fundo. e a dos fundos com a rua Fresca. que é tão mão que necessita de luz artificial até nos dias mais claros . Toda a construcção ó de estylo clássico. M. em seguimento a sabida da escada. ha um gabinete. torna-se também necessária a demolição de ura velho sobrado que se acha na rua Fresca fora de todo e qualquer alinhamento. communicando ambas as pecas com o salão das sessoes. porém. depara-se no primeiro pavimento com um bello e elegante vestibulo . por exemplo. servindo de isoladores. parece que se deveria escolher local accessivel ás classes operárias. tèiu casa própria ou apropriada. e muito menos que seja alli o melhor lugar para quem precisa ir empenhar as suas jóias. O corpo central tem l l m e 50* de extensSo e os lateraes 14m e 75°. o Imperador. As portas recolhem na grossura da parede os degrâos. medindo esta peça 36 m e 25* de extensão sobre 14m e 75* de largura. com a devida venia. As faces da frente e dos fundos alinham exactamente com as idênticas da Secretaria da Agricultura. completamente isolado. que para alguns sò tem o defeito de não ser todo de dous pavimentos. de fôrma que. Manoel. bem como o revestimento das quatro faces externas até a altura das cornijas. como se acham. servem ao mesmo tempo para dar por uma dellas entrada ao Monte do soccorro. á pag. 49. quando forem demolidos os velhos edifícios pertencentes é Casa imperial. Nos corpos lateraes. são os nossos estabe: . deixando assim completamente livre o transito das calçadas. fora o pórtico. sendo a parto superior composita. que é saliente. enfrentando a fachada principal com a rua D. os quaes serviram de antigas cocheiras. adaptando-se á ordem corynthiaj oecupando uma área de 1590 metros quadrados. faz honra á capital do império: é uma bella e solida construcção. No pavimento superior. e. de parte este senão. como do segundo pavimento. tanto do primeiro. Para completo desafogo da Caixa econômica e Monte do soccorro. em condições de resistir ás bruscas mudanças da temperatura atmospherica. em conseqüência de ter sido a área offertada graciosamente por S. como se vê na estampa. cujas officinas não recebem a luz segundo os preceitos da sciencia. que ou foram a principio destinados para outros fins. de um só pavimento. mas parece-me que tudo se remediaria aceitando-se o terreno. Taes são. não se dirá que estas se acham concentradas no perímetro em que foi eollocado o novo edifício. as ruas Fresca e de D. Pondo.'o edifício da Caixa econômica e do Monte do soccorro. incluindo os portaes. Todo o embazamento externo do edifício fi de cantaria bem lavrada. o da Imprensa Nacional. produzem um bello effeito.ijfoucos. que cr*. permutando-o por outro mais bem localisido. dorico-romano puro. e em geral os que as possuem estão deslocados em edifício . Todos os ornatos superiores são trabalhados em cimento de Portland. A Caixa econômica e Monte do soccorro formam um só edifício. e pelas faces lateraes correndo duas ruelas. ou traçados p o r q u e m não se deu ao trabalho de estudar a Índole do estabelecimento para o qual foi encarregado de construir abrigo. que está á beira-mar quando devera ser central. o que talvez relativamente pouco mais importasse no custo. medindo este da baze ao ápice do emblema ornamental 21" de altura e aquelles da baze ao entablamento 8m e 50 também de altura. Sabemos muito bem que. Divide-se a fachada principal em três corpos sendo os dous lateraes de um só pavimento e o central de dous. Manoel se alinharão rectamente com aquelles dous novos edifícios. são de ferro da celebre fundição de Vai d'Osne. com 10" de . justamente em um centro de actividade mercantil e de ajuntamento da marinhagem de navios de todas as nações que fazem escala pelo nosso porto. nkIcelada?. e finalmente o recemconstruido para a Caixa econômica e Monte do soccorro. â direita a escada e ao fundo a sala reservada aos empregados. no corpo central. Tratando-se de uma Caixa econômica. á esquerda fica a sala do gerente. estão collocados : á esquerda o salão da recepção dos depósitos da Caixa econômica.

F. a cicatriz umbilical descendo muito mais abaixo do que na raça caucasica. A coloração do tegmento externo varia entre um vermelho cuprico e ume côr escura azeitonada. O tronco é fornido e o thorax tem um notável desenvolvimento em largura. é coberta de bastos. graças principalmente ao estudo das collecções osteologicas do Museu Nacional e ás informações exactas que prestaram alguns viajantes. F. devido isso a uma notável inclinação para baixo do thorax. que é de primorosa execução devida ao Sr. Sob o ponto de vista moral e intellectual. J. á prova de fogo. as mãos e os pés relativamente pequenos e delicados.a quem se deve incontestavelmente as nossas melhores edificações publicas. Os lobos das orelhas são igualmente providos desse ornato. Entre as obras de carpintaria admira-se a escada que dá accesso ao segundo pavimento. contratada com o fallecido mestre Antônio Alves Moreira do Couto. O lábio inferior apresenta-se quasi sempre perfurado e distendido por uma rodella de madeira. As pernas são delgadas. pôde faltar essa novidade que tanto se aprecia entre nòs. e finalmente a Praça do commercio. A cintura não é estreita como na raça caucasica. porém. musculosos e bem constituídos. Bethencourt da Silva.ANNO I BRAZIL ILLUSTRADO 51 comprimento por l l m de largura. Nas mulheres as pernas são não raramente arqueadas e a região glutea ampla. Alguns conservam ainda o horrivel costume de anthropophagia. Nos músculos e no tronco a coloração é muitas vezes mais carregada do que na face. nas margens do rio Doce. Em que pese a seus detractores. No physico são fortes. y Gonzales. e é achatado. ou do Correio que desequilibrou-se: todos os trabalhos feitos sob sua direcção estão destinados a viver e muito. quer da elegância. Toda a edificação importou em pouco mais ce 300:0008. na face anterior. este edifício satisfaz plenamente os seus fins. sem entrar a pintura que foi feita por 5:900$. A face é alongada. e pôde ser considerado como um dos mais bellos desta cidade. O tronco é também mais alongado do que costuma ser na raça caucãsica. porém. as têmporas ligeiramente convexas. do Mucury e do rio Pardo. Aos edifícios architectados pelo Sr. o ociput deprimido. O abdômen é desenvolvido e proeminente. com os pomos salientes e os supercilios accentuados. o que dá á physionomia desses indivíduos um aspecto dos mais repulsivos. são os Botocudos a expressão de uma raça humana no seu maior gráo de inferioridade. com 11" e 50c de cada face. antes. Nas mulheres os seios são cahidos. A sua estatura. Na mulher esses caracteres craneo-faciaés encontram-se menos pronunciados. de misturas disparatadas de tijolo crú com mármore. que é hoje o principal edifício civil que possuimos. taes como as escolas da Gloria e de Santa Rita.Betheneourt da Silva. No homem o craneo tem uma fronte baixa e ás vezes bastante inclinada para traz. O systema piloso da face é muito pouco desenvolvido em ambos os sexos. não é muito elevada. em vez de convexo. honrando o nome do distincto architecto o Sr. mas do que nunca carecerá é de maior solidez. e finalmente a sala dos leilões com ll n i de comprimento por IO1" de largura. ainda em nenhuma das suas obras deram-se os tristes exemplos da Imprensa Nacional que rachou. no geral as suas producções tem o cunho da simplicidade e elegância do renascimento. B0T0CÜD0S ormam os Botocudos uma tribu de caracteres physicos hoje muito conhecidos dos anthropolog-istas europeus e america nos. negros e rijos cabellos. a reedificação da Academia das bellas-artes. ou incrustações de monolithos manuelinos pesadões. a parte nova do collegio de Pedro II. e com grande diíficul- t . nem jamais desmentirá as imprescreptiveis regras do bom estylo. ao contrario. por empreitada. como no edifício do Correio. Gonzale. A cabeça. ella é grossa e cheia. Elles occuparn certas zonas do território da provincia de Minas e do Espirito-Santo. a casa forte de construcção abobadada. Raras vezes attingern mais de seis pés de altura. Quer sob o ponto de vista da solidez. como na parte nova do Banco do Brazil.

diriam. contudo prefereriria a forma circular á ablonga ou octogona. as dobras do manto são feitas a primor e sob a parte elevada reconhece-se bem que ha alli carnes congeladas. arranham-me o espirito. O embazamento representa um catafalco ornado com simplicidade e elegância. Nao gostei do pedestal. estudioso e trabalhador como é.como se estivessem alinhando o monumento. no qual repousa o illustre morto. Talvez fosse preferível um colchão. MaHpConvite do Sr. mas todas aquellas fôrmas mais ou menos ondulosasnão estariam como que emquadradas naquellas duas parallelas geométricas. . no tamanho exacto. J. sendo provável que em meio século não se possa encontrar mais o typo puro. como aqui representa a estampa. B.postoqueis» seja a verdade . tal como foi esse homem que tanto honra o nome brazileiro.52 BRAZIL ILLUSTRADO ANNO ! dade chegam a adaptar-se ao meio civilisado. fardado e preparado para descer ao leito eterno.'e sòbre elle descansa o ataude. Só não pareceu-me feliz a idéa de depositar o corpo dentro do ataude. do tumulo de José Bonifácio. DE LACERDA. Quer estudado em seu conjuncto quer por partes o modelo pareceu-me correcto. mas. A figura é magistralmente talhada. * BOTOCUDA Também elles estão prestes a extinguir-se como raça. MARINHA DE CASTAGNETQ A marinha que damos hoje entre as nossas gravuras é do Sr. mais o são ainda as suas paysagens e pinturas de gênero que por vezes Aproveitando o ensejo vi também o esboceto para a estatua de José de Alencar. até mesmo porque já temos ambas empregadas nas duai estatuas que possue a capital. mal povoada de cabellos synthetisa bem'o sábio encanecido ao serviço da sciencia mais que o patriota amargurado pelas agruras de uma política nascente. 5 DR. cognominado o patriarcha da nossa independência. em que pese aos ultrarealistas a verdade na arte nem sempre é bella. um gentil artista que por este modo veio graciosamente em nosso auxilio enriquecendo as paginas do Brazil lllustraão com um dos seus inspirados croquis.tem diante de si um esplendido futuro. deixando cahir em gracioso desalinho algumas dobrai para o lado de fora até alcançar os dous últimos degrâos superiores. é verdade que a estatoarâ não tem muito que pedir á architectura nestes casos. não ha duvidal-o. e na physionomia estampam-se os signaes característicos da morte. Castagneto. Mais tarde contamos dar aos nossos assignantes um desses trabalhos em que tanto se distingue o Sr. Está-se diante de u m finado. e a cabeça. Um grande manto envolve a parte inferior do corpo. que a verdade em tal caso seria sacrificada. Si a marinha que damos hoje é digna de applauso pela franqueza com que está desenhada. O Sr. . Castagneto é um pintor de muito talento . Castagneto pela verdade cora que r & > produz o que tão adextradamente sabe ver. As linhas rectas. tem exposto ao publico. e nervos enrijados pela acção da morte. as paredes a prumo e as arestas quasi vivas do caixão desagradam. Rodolpho Bernardelli i fui ao çôro da igreja da Candelária ver _ |o modelo.

.

contentando-se em estudar e trabalhar. um artista de grande mereci. pelos livros que se cheio de justo orgulho o seu discípulo Victor publicam com erros crassos á respeito do Meirelles. tanto mais quando tão de illustrações que nella tem sido emprepróximo se acha elle de nós.losó de Alencar-. que é sempre com cons. F. ouso dizel-o. e debalde pequanto faz Zeferino. e que têm de moldada: a barba cerrada e castanha tra. . em bôa parte composto barão de Alencar. Um primoroso sabem é em relação ao paiz que repretrabalho que será a chave de ouro de toda sentam. pois o interior entreaberto.diriam os seus autores informações aos ciência e gosto. pois no exercício de delle. ao avis. com outro neto.da monumental igreja da Candelária.das da capella sixtina. Santa Cecília. tendo em uma das mãos um livro quando rica de monumentos.o artista precisa conhecer mefixar alli physionomias dos nossos mais dislhor aquelle cujas fôrmas physicas tem de tinctos contemporâneos nas artes e nas letras. gada. mas não apparada com a g"eral da igreja. comprova-se quando aprendíamos desenho com o velho exhuberantemente pelas continuas falsiMiranda.1 BRAZIL ILLUSTRADO ANNO ! A figura apresenta-se sentada em uma um dia o orgulho desta cidade. quer diecionario de historia ou geographia Effectiva. A quasi inutilidade da nossa diplomacia Por um feliz acaso achava-se presente Zeferino. e tinha o busto um tanto despro. Se ha hoje na família quem mais possa galeria esplendida de pintura sacra. foi Francisco Adolpho Warnhagen. quando aqui esteve e nos falíamos. ainda não tinha visto. a menor semelhança. e que este travasse conhecimento com o Sr. quecer-lhe o nome. de Miguel Ângelo se estampa nas abobaF . e universal. suas funeções jamais descurou 03 interesses certo de que legará á posteridade alguma moraes da pátria. não se pôde deixar de recoQuem vai á igreja da Candelária. moldar sob suas mãos adextradas. o autor do Guarany. pois ha dous ou três annos. e ficar-se-ha pasmo do que nelles foi com a admiração que tenho por tudo se encontra a nosso respeito .pois. não desconforme. mas bem dação do piedoso instituto. concorrendo para a orgacousa de perduravel que não deixará es. retratar os que mais tem ha.i^nte. que vi o esboço da pintura nossos diplomatas. pois do que elles menos para o fundo do coro da igreja. em relação ao que ella tem feito a • •* bem do paiz. Trata agora o Sr. pareceu-me ver modificado.apresentava e que ficam sem resposta . Abra-se qualao menos para mim. o pessoal numeroso.um honrado artista. possa vir a fazer de belde que nesse momento não quer fixar-se bom entre nós.presente Zeferino. O romancista medita o que leu da Candelária jamais terá de desclassificar-se ou deixa correr á fantasia o espirito re. _ concorrido para levar por diante a conclusão O autor de Iracema era de compleição franzina. que alli estão ás que alli está não é . a qual assiste numeroso conKste esWeeto annuncia desde já uma bella curso de fieis. somente. tanto Quando se considera a enorme somma dispara a obra de arte como para o artista. O que nelle avultava e prendia a attenção seis quadros que devem rememorar a funera a cabeça. embora nhecer que Francisco Adolpho Warnhagen.nisação do nosso inventario histórico com subsídios de inestimável apreço. não pôde deixar de admirar comquanto estivesse bem longe de ser o que mais uma vez as grandiosas pinturas do na ampla accepção do vocábulo se chama Sr. oMiranda. que eram finas e curtas. foi comtudo o modelo mento que não procura meios de se fallar dos nossos diplomatas. que ver e que admirar. diplomacia é mais aparatosa. onde lembrar o laureado romancista é c Sr. Zeferino. barão seu nome se estampará immorredouro como o de Alencar. a que elle Ao contrario da maioria senão de todos ha anuo* se'consagra. o que permittirâ ao artista obra.a ^uem outr'ora tão de perto conheci effectiva. o homem bem como nos mesarios. por qualquer eventualidade.um bom diplomata. Zeferino de estudar os porcional ás pernas.junto de tudo quanto se. com raras excepções. e qu3 ha de vir a ser elle3. tal-o senti o impressionamento de uma evocação. Achando-se. que dades que se escrevem nos jornaes europeus como a sua melhor obra de arte. aquella grande obra de pintura. pendida com a nossa diplomacia effectiva. Brazil justamente nos centros onde a nossa era impossível não ter alguma cousa nova. Representa aquelle esboço a festa de nessas paginas.ainda mesmo cadeira. 0 VISCONDE DE PORTO SEGURO Seria talvez de toda conveniência. Faço votos para que leve ao termo essa regularidade com que a esboçou o artista. não portas do templo.oecupar o vasto tecto abobadado do corpo zia-a elle cuidada.

Contando apenas 23 Ia geographie ãu Brésil. 1813 . XXV. comquanto transportado em tenra A fundação. á imitação da província de S. que em sua "informação ao Conde da Florilegio da poesia brazikira. que o engenheiro Warnhagen sustentou e em 1858.publicado no Io e na fabrica de ferro de S. 1882. a a sua irrasistivel vocação para o estudo da geographia. 16) Antônio de Moraes e Silva. cotejando para isso. 1816: 8) Antônio José. reunidos de D. quando Warnhagen por meio de cópias. 2 Além de incorporado e formando o tomo XIV da Revista do Instituto tiraram-s<s exemplares cm separado. em dois da terra refractaria precisa â fundição. Luiz Guilherme Warnhagen.Lisboa. 10) Vicente Coelho Seabra. XIII. t.— Subsídios para a historia de Ypanema. começou a enriquecer viço de suas lettras. José d* 1 Leia-se a este respeito a -. achando-se então em Madrid. a 17 de Fevereiro de Academia Real de Sciencias de Lisboa. 1843 . escripta em uma das sessões desse instituto. os códices existentes em ahi se achava como nosso representante junto da repuPortugal. mas desde então Warnhagen empre. França. Bem moço ainda entrou Francisco Adolpho como nosso encarregado de negócios. 11) João de Brito Lima. memória por elle lida em obra de Gabriel Soares de Souza. litteratura. por Frederico Augusto Pereira de Moraes (cunhado de Warnhagem). 12) Fr. . 1847. 1848. t. ticas respectivas ao Brazil—. t. XIV. na cidade de Lima em 186. de pags. comprenant des annos escreveu as suas Reflexões criticas sobre eclaircissements nouvea. 1818. Nemerosos trabalhos publicou ainda War1587. de Albuquerque Maranhão. único volume de Memórias que.critico. X. que vivendo sempre em as paginas da sua Revista com memórias e paizes estraugeiros. veio para o Brazil nos tempos Uruguay de Jcsé Basilio da Gama. 1843. em 1839. 1858. 3 . 0) Fr. t.Examens de quelques points de Ia histoire et de rado ramo da historia. 4 Entre elles são dignos de especial menção : 1) que enriquecido de preciosas notas biblioperante a historia no t. Biogragraphicas foi o Tratado descriptivo do Brazil Caramurú phias de : 2) Salvador Corrêa de Sá Beneoides. João VI. usos e costumes braziNo mesmo anno em que entrou para o leiros tudo lhe eram de uma familiar idade Instituto concorreu com um trabalho de meextraordinária. VIII. t. formando nhagen na Revista trimensal do Instituto. VIII. XV da 4« série do Bulletin. 1847. 1847. cação . tanto grande incentivo.seguinte para sócio. t X. reunia por outro lado matede Sciencias de Lisboa para essa publi3 Sahio no t. Refundida e acrescentada foi novamente impressa todas essas imperfeições. V. língua. Lisboa. códice de que se servira a Academia Real Emquanto isto. a historia. como prefacio a de Vespuce 3 . 1*10. o Caramurú da Santa Rita Durão e o de Portugal.. XII. 1813. porâneos . estreando-se quasi que ao mesmo tempo na Bulletin da Sociedade Geographica de Paris : carreira das letras e logo no cultivo do apu. t. deste benemérito idade para a Europa. t. publicado nesta cidade do Rio de Janeiro.em um volume sob o titulo Épicos Brazimente a fundação dessa fabrica. por Nicoláo Pereira de Campos Vergueiro. em Lisboa em 1839. t. t. pelo Instituto Histórico em 1851 * 5) Martim Affonso de Souza.ANNO I BRAZIL ILLUSTRADO 55 pois. l s . aos quaes addicionou um terceiro. Reproduz toda a memória do Senador Vergueiro e junta-lhe um appendice de mappas e documentos muito importantes. A obra de Gabriel Soares sahiu então radores desse importante repositório de ele4 muito eivada de erros. o volumes. precedidos de um estudo biographico voto de Martim Francisco Ribeiro de An. midas se encontram no Florilegio Brazileiro. contendo excerBarca. 4} Brigadeiro Ignacio de Souto Maior Rendou. publicou Warnhagem em geólogo de nacionalidade allemã. t.. o volume das Noticias para a historia das desde 1843 até 1863. 1852 . 3) Gaspar Gonçalves de Araújo t. IX. V. 9) Manoel Botelho de Oliveira.162í eos. e Brazil. X. Manoel de Santa Maria Itaparica. 1846 . t. recimento—As primeiras negociações diplomáNasceu Francisco Adolpho Warnhagen. deu 1816. até blica do Peru. contra o leiros. em razão do máu mentos para a feitura da nossa historia . engenheiro Em Lisboa. 1853 . lõ) Domingos Caldas Barbosa. ninguém melhor do que apontamentos que cada vez acentuavam mais elle conhecia as cousas do seu . Seu pai o tenente-coronel Frederico á publicidade o nosso Instituto. Quasi todas essas biographias na integra ou resu-.com fragmentos poéticos de contemprovou em contrario 4. V. IX. entrando logo no anno amava a pátria e tão cedo se dedicou ao ser. 14) Ignacio José de Alvarenga Peixoto. 7) Euzelno de llnttos.13) Thomat Antônio Gonzaga. t.14õ a ^ló e tiraram-se também exemplares em sepahendeu a difficil tarefa de expurgal-a de rado. Nesse mesmo anno de 1858 publicou no Warnhagen para a carreira diplomática.. ethnographia. Durante esses vinte annos foi elle um dos mais activos collabonações ultramarinas. educado e instruído Instituto foi para Warnhagen. 17) Jorg. 18J<). XV. e a elle se deve principal. E em 1850 o seu interessantíssimo drada. t.—Memória histórica da fundação da fabrica de ferro de Ypanema. V. Santa Rita Durão. IX. negou a existência naquellas minas ptos dos nossos antigos poetas. ao serviço' 1845. motivo para em uma escola militar de Portugal. João de Ypanema. a topographia. que pela primeira vez vio a luz da publicidade.. Paulo. historia sul-americana. Hespanha.ux sur le scconde voyage o escripto do século XVI. t.

t. 1861 e finalmente 4. o Diário de navegação Todos esses trabalhos sahiram apurada pela mais correcta revisão. vários manuscriptos rarissimos que deu â publicidade a bem da lingua commum de Portugal e do Brazil. impressa e m Lisboa em 1872. drama histórico. obra vultuosa e da maior importância pela veracidade de seus fundamentos. ao ler o seu drama difcasa Laemmert. ' se-ia que nem mesmo nesta qualidade fre6 E em 2« edição H47 e em 3« na Revisti do Tnsutut qüentara jamais o theatro. é de valor nullo como obr» para theatro .— Amador Bueno da philologia. relativas á descoberta do Brazil e á tradiçio .. e enriquecidos de notas bibliographicas. subsidio valiosissimo para o estudo foi-lhe certo o naufrágio. faltava-lhe conhecimento» do 5 A 2« edição muito aperfeiçoada foi impressa em palco. de Pero Lopes.XXIV. Ibidem em 1839 6 e as Não era Warnhagen talhado para traTrovas e cantares da livraria do Conde de balhos imaginosos.56 BRAZIL iLLUSifáAbO ÀNNÒ i riaes em extraordinária cópia para levantar o seu monumento imperecivel que a Historia geral do Brazil.. Como bibliographo colbeu Warnhagen em suas admiráveis investigações pelas bibliothecas europeas e americanas. desde 1624 a 1654. Edição da sõe3 do espectador. tão notáveis pelaerudição que revelam como pela luz que derramam nos assumptos a que se referem. e até mesmo desconhecia as impw»Vienna em dois grandes volumes em 18. As suas lenda* °J}Kt°™°. Da sua estada na Hollanda recolhendo copiosos elementos. e sempre que os tentou Barcellos. sabida em primeira edição dos prelos de Madrid de 1854-1857 5 . taes foram: a preciosa Narrativa episíolar de Fernão Cardin publicada em Lisboa em 1837. com elles escreveu agiu Historia das lutas com os Hollandetts no Brazil.edição v em loo7.

ÀNNÔ í BRAZÍL ILLÜSTRAbÔ 57 jesuitica de S. Pedro I. só frei Vicente Salvador. não é uma sumidade como estylista. f . que agora finalmente se está publicando no Diário Official. Roberto Southey. Sebas- deu-nos uma historia tão completa quanto »ôde fazel-a com os elementos officiaes que he foram ministrados pelo governo portuguez que encommendou o trabalho. traçara no século seguinte um trabalho mais completo. pois assistiu como testemunha ocular e imparcial aos acontecimentos mais notáveis do período do primeiro reinado. nem por isso pôde furtar-se a influencia do seu tempo sendo mais pane°rnsta do que historiador. Depois de Pero de Magalhães Gandavo que em 1576 mal esboçara a infância da nossa historia. foi mais feliz. ao historiador compensa largamente a veracidade^ do fundo. TÚMULO DO VISCONDE DE PORTO SEGURO achou competidor. o laureado poita inglez. que proseguio a historia desde a chegada da família real ao Brazil até ao movimento que produzio a desthronisação de D. publicadas no Panorama são também destituídas de interesse descoloridas e vulgares. mas o que ao escriptor falta no brilhantismo da fôrma. Litterariamente fallando Francisco Adolpho Warnhagen. e o que até então se havia publicado estava bem longe do alvo que ella attingio. mas que se coaservou inédito por tanto tempo. mas comquanto investigasse elle os archivos e bibhothecas de Portugal. A Historia geral do Brazil até agora nao tião da Rocha Pitta. o seu completador John Armitage. em 1724 conseo-uio pôr termo a bella missão que assumira de escrever a historia da America Portugueza. Hespanha e Bollanda. Thomé. que muitos já o julgavam de todo perdido.

haver discordado de Warnhagen no ponto de vista do qual este encarava os nossos indígenas. escreveu a respeito da obra de W a r nbagen o seguinte e autorisadissimo parecer. que tão justo fora com o autor da Hiatoria geral do Brazil pelo simples facto de. mas a nenhum dess&s testemunhos de apreço foi elle mais sensível do que ao titulo de Barão e depois Visconde de Porto Seguro. « Mas emprehender outro igual. Ua larga e bella pagina da vida de um homem tão illustre. 8 V. I I I nota C dos Apontamentos para a historia do Maranhão. e os adeantamentos da sciencia histórica. cujo estylo fluente e castigado orgulha os prosadores brazileiros. os monarchas de Portugal. que foi um compilador pouco escrupuloso. o Brazil não tinha uma historia completa até a sua independência . Dice. uma ao chefe da nação e outra á família. foi homem cheio de orgulho. que representa o monamento que domina a fabrica. não pela nobreza que essa tinha consciência que a possuía por direito de conquista nas lutas da intelligencia — mas pela denominação—Porto Seguro—que para elle era como que a posse indisputável do titulo de—primeiro historiador do Brazil— symbolisado no nome do primeiro porto a que se abrigara Pedro Alvares Cabral. abrindo-lhe espaço em seus grêmios . pediu em testamento duas cousas. O S. em uma obra completamente nova. emquanto este vivo.MI opusculo verberado contra Tinum. um dos mais illustres filhos do Maranhão. feliz distribuição de matérias. mas como Alencar e Mont'Alverne tinha e muito de que orgulhar-se . exa/men critique d'une nouvelle histoire general du Bréiil recemment publié en portugais à MadridpM" Mr. uma refundição e assimilação ae tudo quanto fizeram os precitados autores. e a Revista do Inst. Bibliog. » Singular aberração do espirito humano I Este notabilissimo escriptor. dilatam-se os borisontes.58 BRAZIL ILLUSTRADO ANNO í Não fallaremosde Beauchamp. Paris 1850. os suecessos do cegundo reinado. 7 Obras completas de J. Hespanha e d'Austria o condecoraram altamente. de novo o reabrissem pedindo instantemente. laboriosa e conscienciosa. 57. a estampa a pagns. 1878.. zurzio-o com extranbavel crueldade depois de morto. Tiraram-se exemplares em separado. consciência. e de acoimal-o desapiedado. desejal-o retocado e ampliado n u m ou n'outro ponto. ainda que os annos. distinguindose entre elles o eminente d'Avezac 9 que a propósito da sua Historia do Brazil escreveu um livro inteiro . Hiat. 0 . deixando de responder a Lisboa. dos juizos e apreciações que elles contém. e no meio da tarefa afanosa e insana de escolher e colleccionar materiaes. é o que provalmente se não ha de ver em nossos dias . . os homens de lettras e sciencias mais illustres consagraram-lhe paginas da mais elevada critica. « Poder-se-ha criticar este trabalho. paciência e saber vasto e variado. A Warnhagen. Warnhagen. Não faltava a W a r n h a g e m as mais distinetas provas do lisongeiro apreço . FELIX FERREIRA. em outro lugar da mesma obra em que escreveu tão lisongeira opinião. Plano vasto e bem disposto. discrepar aqui e acolá. cabe-lhe pois a gloria de haver preenchido essa lacuna. No t. Ao primeiro solicitou a venia de permittir que seus filhos usassem como sobre nome o titulo do seu viscondado — Porto Seguro —. Fallecido a *i9 de Junho de 1878 na cidade de Viinna. por ventura impossíveis de evitar neste primeiro molde. An. t. nem de Abreu Lima que deixa muito a desejar.. é urna nodoa que bem desejaria não existisse. João Francisco Lisboa. investigação immensa. 9 Considerations geographiques sur Vhistoire d* Brésil. expurgado finalmente de umas tantas imperfeições ou incorreeções de fôrmas. 10 Além dos autores citados consulte-se a respeito de Warnhagen: Innocencio Francisco da Silva. Maranhão 1864-1865. e á segunda que transportasse os seus ossos para o lugar de seu nascimento e na collina tia fabrica de Ypanema levantasse um singelo monumento onde desejaava repousar eternamente 8 . como foi o Visconde do lVto Seguro. F . as instituições litterarias mais notáveis da Europa e da America o honraram. Antes do apparecimento da obra de Warnhagen. que a todos os respeitos subscrevo sem restricções 7« Na Historia geral do Brazil renovam-se e purificam-se as fontes. completamente renovado. porquanto além de talento. F. tudo isto está muito acima da resenha ou simples indicação. como na verdade se mostra sempre que trata das infelizes raças dos nossos selviculas. Lisboa. e sobretudo leval-o ao cabo. já na omissão de muitos factos já na adulteração de outros. Warnnagen. XIV da 4« série do Bulletin da Sociedade geographica de Paris. para conseguil-o seria necessário haver madrugado no intento. Francisco Adolpho Waruhiigeii. como MonfAlverne e Alencar. pelo menos.

ville substituio o de Desdentados.e grupo por Paulo Gervais. porquanto é preciso convir que em menor gráo.cada um dos quatro membros. não podem pois todos vivem da formiga. mas somente aos dous diversos na conformação é verdade. como a dos não é ella desprovida de dentes. não foi de têm a lingua extensiva como este. quando alguns d'entre tus e os Papa-formigas. transição. e estas são muito fortes. e são de uma só raiz. dad i a pal dos Desdentados. além disso pouco dif. O de Homodontes.nos membros. sem dentes. a qual ficou dito com respeito ao tamanduá. o « unau » (Cholorpus de Illiger). divididos em dous gêneros: um. Na índia ha só duas espécies : os Oryctéropos e Pangolins. referente ao Tamanduá. mas já têm molares como o algumas espécies dessa ordem fogem da re. de dentes variados. Neste gênero o numero de dentes é de cinco mente dos outros. segundo o numero de quanto que os demais são considerados modedos. próprios para andar.£*. géologie. vizinhos dos Tatus. elles não 03 têm. Mas em relação á natureza desses dentes ha 1 Vide no segundo numero desta publicação o que uma differença entre os dous gêneros. e três nos membros posteriores. parecem dever ser separados inteira. que citámos em nosso priPor outro lado os Papa-formigas americameiro artigo. que são cobertos O nome de Maldentados. Os Brady. os únicos da familia a Sr. razão pela Megatherios e outros.quaes se não pôde separar. mas que não são mais do que uma golins'.de pello como os Papa-formigas americanos. membros livres e til e apropriada ao mesmo gênero de vida. por exemplo. quatro de cada lado da mandibula inferior. pois só nella se enconesí. separado dos outros e unhas . bem maior parte delles.lham entre si por certos característicos. nique du Brésil. o « a i s » (Achaius de Cuvier). na terra.arcadas. tem três os ais. o nos e os Pangolins. . parece indicar rentes entre si. entrar todos os animaes que constituem a anAo mesmo tempo elles nos mostram em tiga ordem dos Desdentados de Cuvier. Emmanuel Liais diz o seguinte : quem falta totalmente os dentes. quer com o Tatu. ainda que impropriamente.dedos em . não tem nos grupo dos Anhéterodontes parece na verdade membros anteriores senão dous dedos soformar muitas ordens distinetas. pois não têm como estes o dedo pollegar opposto aos outros dedos. consiste em que nos unaus o primeiro dente 2 Espécie 1 «m canda. como o Tatú-gigante. A America Meridional é a pátria princitem uma centena de dentes.Tatu.com que De Blain. Estudando-se somente as espécies vivas.dos qual vários naturalistas tem proposto modi. e aliás com muitas semelhanças quer gra. e de geral os approxima mais dos Quadnihumanos a que os ligou Linneo do que á dos Tatus.três ordens distinetas. o lares. e certamente a sua fôrma de cada lado da mandibula superior. sob a designação de mam. veio encher esse ficações a essa denominação.Tatus. . comprehendendo os unaus e tro. tanto são ellas diffeterodontes. pois os que macacos pela conformação geral. Mas a descoberta de uma grande e nume. mas differe os têm só são molares. taes miferos monodelphos. é certo.mente. mas unido ferentes entre si. o primeiro dente de aos demais por uma membrana na base das cada lado é cumprido. desprovidos de dentes. Estes animaes são. ainda que feliz acerto. os Tater todos os dentes. porquanto rosa familia de animaes fosseis. como a cabeça alongada.ter na mesma ordem. No unau*. não convém á bertos de pello uns e de casco outros. a saber: os Bradypos. o oupos. dos grupos de Papa-formigas americanos e Pan. compridas e tido pelos naturalistas como caninos. grande vasio e unir mesmo intimamente os Tratando deste ponto em seu bello livro Bradypos aos Tatus. em. que com o Papa-formigas. em opposicão tram três tribus que á primeira vista dariam a outros mammiferos que elle denomina He. de dentes iguaes. sobretudo.ANNO t BRAZIL ILLUSTRADO 59 ZF-A-TTItsr^ B B A Z I L E I B A in A Preguiça pertence á ordem dos Desãentados de Cuvier. nome seus grupos os Papa-formigas americanos cocuja significação. faune et géographie bota. se asseme« Na variedade. Os Oryctéropos. Os Bradypos approximam-se muito dos Estes dous caracteres se mostram na ordem chamada dos Desdentados. a lingua protracde muitos typos distinctos. os quaes devem-se manDu climais.

alto da cabeça á ponta da cauda. Preguiça. que dizem que ella leva mezes a A face interior das mãos e dos pés. e p >ile ser tomado como canino . . Quando se atira a uma preguiça nas arvoA cabaça é alongada e a face levemente res torna-se preciso mais de um tiro. e metros de distancia. nero Cholapus de IíliA Preguiça é nocger. e mes. b a s \ das quaes tira a sua nutrição quasi ex» nos«l's todos os dentes slo molares. das quaes só são mais lentos.de cada lado. Uma vez installada em uma Cealguns Tatus e Papa-formigas. lentidão é um e x a g e r o . cujos caconservam a maior racterísticos genéricos parte do tempo.aperta Linneo ou o Unau de com tanta força. e é entlo vier. que morrem muitas vezes antes do termo da Raramente encontra-se esse animal no viagem quando o regato fica á meia dúzia de chão . E' a maior espécie de Bradypos . entre nós tem torna-se muito difficil o nome commum de arrancar-lhe a presa. Emquanto estão feridas enroscam-se completamente escuro quando novos. As acabamos de indicar. O que se diz geralmente de sua extrema tremidades as afastam dos Quadruhumanos.tem a vida tenaz. de dia dorme gênero Bradypus proquasi que ininterroní> priamente dito de Cupidamente. conforme a PREGUIÇA E' mesmo muito perinossa estampa. formam duas que seus movimenta? espécies. ou para melhor o tambula. mortas. ani fica até que despojada esta dos pela direcção dos olhos para diante e orelhas grelo3. não simente movimentos são muito vagarosos.» e nessa attitude se Os Unaus.gas correntes. nada bem e atravessa sem dificuldade as mais larprimeiro. e o tu. pois oblíqua.descer de uma embaúba para beber água. Raramente cahem de todo nados. bem como cropia. BraQuando se agarra a dypus diduclylus de qualquer cousa. Dormem enroscadas nos ramos.é maior que destas dá preferencia ás Cecropias (erabai. secco.G O BRAZIL ILLUSTRADO 1NHO t de cada mandibula. No chão caminha lentaraautu. O pello do alto da nuca é um pouco mais Os roceiros exageram tanto a lentidão da comprido e escuro que no resto do corpo. Tem o pello um tanto eriçado. passa-se para outra. e berculo caudal são inteiramente nús. tudo no norte. ao uma se dissemina pelas crepúsculo mostra nossas florestas. quasi sempre anda pelas arvores. sobremais v i v a c idade. em cima clusivamente. Preguiça. o segundo dent > é o mais forte e embaixo o mas nos ramos move-se facilmente. muito tempo. como pela posição peitoral das mamas. que lhe servem de alimento. Os membros são pouco desproporcio. curtas. os outros. que Buffon. pôde gosa então em relação aos outros aniattingir a 73 centímetros de comprimento do mães. fêmeas produzem dous e que compõem o gêfilhos de cada vez. o que também se nota em dos quasi. cadênciapelas fôrmas geraes.com uma força extraordinária e mesmo depois clados de pellos esbranquieados quando de mortas ficam penduradas nas arvores por adultos e velhos. Seu systeina dentário e disposição das ex. é certo que os seus dos quaes aliás se approximam.

esculpturas. A' entrada da cidade em um lindo plató depara o visitante com uma graciosa vivenda. que reunindo a opulencia ao bom gosto. edifício sem belleza e sem nenhum estylo architectonico. No alto de uma collina vê-se a igreja matriz. que aqui ficam archiJ5r vadas apenas como um protesto da minha gratidão para com aquelles que tão generosamente me acolheram na cidade de Vassouras. boa ordem. situada em uma boa praça. Monsenhor Lino sobre ser um sacerdote exemplar. major Fontenelle depois de ter valorosamente concorrido com a espada para a defesa da pátria. o bravo major de voluntários da pátria Raymundo do Espirito Santo Fontenelle. embora não as dê á publicidade sempre tem o prazer de quando as encontra. um sacerdote digno a todos os respeitos do acatamento que lhe tributam sem excepção as suas condignas ovelhas. resente-se de falta de animação e movimento. Barão do Amparo é um cavalheiro da maior distincção. e de modo que mediante um simples indicador em um momento encontra-se qualquer livro ou papel que se procure. O Sr. De volta de sua viagem a Europa. . Tudo isto deve-se ao actual vigário. E' um benemérito do lugar e que mui justamente merece as sympathias que alli goza. é um fabriqueiro desvelado. tudo guardado em armários feitos com muita arte.se de episódios da vida is vezes de bem gratas Irecordações. . que sabe amar e ser útil á pátria. nella restabeleceu a sua residência e por todos os meios e modos procura reerguel-a do abatimento. devo aqui fazer especial menção do cartório do tabellião do termo.ANNO I BRAZIL ILLUSTRADO 61 NOTAS DE VIAGEM CIDADE DE VASSOURAS ara aquelles q u e viajam nada m a i s agradável que tomar notas em sua carteira . * A cidade de Vassouras comquanto em geral bem collocada e bem edificada. voltar a Vassouras occuparme-hei delle e de outros assumptos que para não alongar por hoje limito-os nestas notaSé F. como espero. é manifesta a sua decadência. pena é que viva em constante isolamento. visto não ter tido tempo de tomar sobre elle as precisas informações. quasi que as suas expensas tem sido feitos todos os melhoramentos que tem tido a igreja interiormente . Resta-me fallar do Asylo Furquin do qual pouco tenho a dizer. singeleza e harmonia da ornamentação. um edifício bellamente architectado. ainda ha pouco tempo lhe offereceram o seu retrato como pequena prova do muito que o admiram e prezam. como o sacerdote. ninguém alli vai. uma escripturação posta na melhor ordem possível. animando e auxiliando os seus mo- radores laboriosos á reconquista da passada grandeza. O Sr. pois de um bom cartório de tabellião é que depende a segurança dos direitos da familia. o Revm. Monsenhor Lino da Silveira Gusmão.F. cerca-se de todos os confortos que já por habito já pela sua longa estada na Europa costumou-se a gozar. é o palacete do Sr.D*A. durante os pcucos dias que lá estive. O que perde porém exteriormente ganha no interior. entre seus p a p e i s velhos. relendo-as.tem o dever de zelar incessantemente. os dous púlpitos que alli se ostentam graciosamente talhados são devidos a sua iniciativa e dispeudio. exactamente como na corte onde mui raros são os que gozam o primoroso parque da Acclamação. si. encontrando a cidade de Vassouras em decadência em vez de abandonal-a como tantos outros tem feito. é um bello edifício. d'onde trouxe preciosas collecções de objectos artísticos. não pela riqueza dos paramentos nem esplendores. no entanto que o local presta-se a uma construcção grandiosa. A Casa da câmara honra o arehitecto que a delineou. concorre presentemente e não menos utilidade com a penna para a defesa dos interesses de seus compatriotas . Eis a razão I destas notas sem pretensão. Ahi tive occasião de ver um archivo minuciosamente cuidado. relembrar . Barão do Amparo. direitos sagrados que o notario. o exterior é pobre e merencorio. elegantemente ajardinada e resguardada * por uma grade de madeira . mas peloaceio. Entre as representações e estabelecimentos públicos que de passagem visitei. Os dignos Vassourenses não se tem mostrado indifferentes a tão relevantes serviços do seu venerado pastor .

D João II tinha. não fosse a paiz estranho revelar a fonte onde colhia. mao grado a aflirmativa ile Toscanelli em quem não acreditava cegamente. e por conseguinte ser mais curto o caminho para attingir o desejado paiz do Oriente Não poderiam ser exactas as afflrmativas de Toscanelli communicadas a seu pai Affonso V. 0 estudo da geocraphia e dos mappas confeccionados na idade média e sobre tudo a herança das descobertas. O empenho. senão certeza. a insistente tenacidade com que se esforçou. descobertas que elle havia estendido até encontrar o famoso cabo das Tormentas. Manoel ás primeiras noticias do descobrimento do Brazil fazia publicar severos regimentos. resultado de tantos annos de trabalho. conforme a opinião de muitos e enganosamente confirmada por Colombo. pertencentes ao seu dominio. A longa freqüência dos navegadores portuguezes ao sul do Equador. e que entre o Oriente da Ásia e Ocidente da Europa não se interpunham senão ilhas e mares. que. sem duvida. a que era obrigado ao seu maior desenvolvimento. instigando-o a que proseguisse nos descobrimentos e explorações para o Ocidente. fazendo unir o mar Atlântico com as regiões da Ásia. o precioso metal a troco de bugigangas que nada valiam. c nestes casos também elle podia ser conviva nas vantagens que dahi provinham.tinha. haviam. para que as 100 léguas. . informações seguras dos enviados que havia feito seguir por terra até a índia: tinha o testemunho de Bartholomeu Dias. Este eommercio não era porém sufficientemente conhecido e avaliado fora das fronteiras de Portugal. porque a política de seus reis nestes primeiros tempos de conquistas e descobertas era toda de cálculos e de egoísmo até certo ponto necessário. pois nellas podiam existir terras habitaveis que elle podia explorar sem offender direitos de Castella. Pelo ocidente também ella poderia ser abordada.transpondo emfim o grande Cabo. tinhalhes dado excellentes resultados. Em todo o caso fossem exactos ou não os cálculos de Toscanelli e de Colombo. reconhecera que o continente africano prolongava-se para o norte.patrimônio da sua eorAa. nem tão pouco de Jeronymo Monetarius. para que os carregadores do precioso páo da tinturaria assentassem com toda a exactidão as achas do mesmo brazil que acondicionassem a bordo dos natio». existiam terras ainda não exploradas. que lhe escrevia em 1593 por mão de Martin Behaim. João II até do seu próprio povo escondia as riquezas e vantagens que colhia com o trato e conquista de Guiné. D. de gastos e de perda de preciosas vidas. E estas considerações de D. apezar de semelhantes idéas serem reforçadas por Marlin Behaim. para á vista de taes assentos lhe darem conta em João Unofirmaro famoso tratado de Tordesilhas em 1494. Para elle não restava duvida que rodeada a África chegava-se á terra das especiarias que Pero da Govilhã tão minuciosamente lhe descrevera. deixando um mar livre para penetrar nas regiões da (1) T«nto Monetarius coir. o filho de Affonso V tinha tudo a ganhar e nada a perder com a concessão de maior numero de léguas além da linha imaginada de polo a polo que passava pelas ilhas do Cabo-Verde. que nesse mesmo anno fez conhecer á Europa terras da America falsamente tomadas como do extremo Oriente. chegando até com mathematica precisão a enunciar o numero de léguas que havia de Lisboa ás terras percorridas por Marco Polo no extremo Oriente ? Não poderiam ser realisaveis os projectos do amigo do imperador Maximiliano. hem demonstra que esta era a convicção do antecessor de D. sempre com a idéa fixa de pelo rumo de leste penetrar nas regiões do Oriente. se por ventura a linha divisória do repartimento das descobertas cahisse no quinhão que lhe tocasse. como se havia estipulado um anno antes fossem ampliadas mais 270. em abundância. 0 seu commercío estendia-se cada vez mais e dos povos de Guiné arrancavam elles. que com certeza encontraria terras do Cathai eom mais feliz êxito do que procurar-lhe a rota pelo Levante (1). o Dr. em abundância o precioso metal obtido em retorno de fazendas e quinquilharias que produziam fabulosos lucros. pelo menos vehementes suspeitas de que ao sudueste das ilhas rpie povoavam o Atlântico. onde tinha mandado levantar uma fortaleza.62 BBAZIL ILLUSTRADO ANNO t A primeira exploração á costa do Brazil Asia. o portador tia caria e proposto para realisar a empreza. fazel-o pensar que podiam os geographos ter razão. de que elle tinha conhecimento. afim de que estranhos não fossem auferir os lucros das conquistas. em que esse luminar da sciencia de então decidia com tão sincera convicção ser o Orbe menor do que alguns espiritos conjecturavam. Jeronymo Monetariii?. João II eram bem fundadas.oBehaim ignoravam então os descobrimento* de Colombo. é certo. Manoel. D. cavalleiro de sua casa o seu servidor. não deixando correr voz da sua opulencía para que se por ventura algum seu natural abandonasse o reino. mas o que elle nao sabia calcular era justamente a extensão provável entre os confins da Europa com o extremo das regiões orientaes.

Crêm alguns autores que muitas descobertas eram senhor abiscoitava uns 10$ a 12$000 diários sonegadas.) queriam pagar por elle os 40 rs. barretinho de algodão branco na cabeça. rPorto perguntou. tudo porém foi debalde.emquanto andava no mato. assim pois em vez de perder com o fugido lucrava. pedio conscienciosamente por excellencia. O typo representado em nossa gravura já não é do proletário. bôa peça por 1:200$. para evitar o contrabando e não dar a conhecer a carga que conduziam e a sua procedência. as noticias das descobertas.ANNO I BRAZIL ILLUSTRADO 63 Lisboa do seu numero epeso. pois não pagando este mais de grado. que havia comprado o pagem como O verdadeiro typo vai desapparecendo . davam sempre preferencia ao mina. genericamente—era o carregador de café. reconhecido segundo a expressão pittoresca do tempo. sentado em um banquinho á sombra. Quando se achou rico comprou um carro. Já desesperava Porto de encontral-o. libertou-se. a tiracolo. um certo Porto. mas emquanto aguardava o carreto. Depois de passada a carta. o roceiro não regateou. e outra parelha de mulatinhos para governar as besta e ser por elle governada. trançava palha. o justiceiro senhor teve de annuncial-o pelos jornaes. e averbada nas curta por fora das calças. Este Porto era também um typo no seu gênero. o rapaz. ás centenas. e organisava para elles um código todo especial. o como competente para o fazer. os direitos adquiridos na repartição das con. por mera curiositrança. e um desses capitalistas de bens semoventes. a ganhar pouco preferia ficar sentado com sua trança. mão pratico. e rolo de palha e notas. camisa 2:000$ . Porto. Economista dade ao roceiro: . quistas feita pelo chefe da christandade. para chapeos. de onde caladamente os exploradores da capitação. sabia bem o aphorismo inglez the time is money. mesmo dos seus domínios. era também exigente na paga. ha uns bons vinte annos foi o maior proprietário de pretos ao ganho. Como é sabido a arte typographica introduzida em Portugal nos fins do XV século não teve grande desenvolvimento e pelas razões apontadas. tem banca de peixe e casa própria no Sacco do Alferes. O que faziam então os parceiros ?—transtiravam vantajosos recursos do seu commercio e que á imitação dos seus soberanos não publicavam formavam-se em capitães do mato. desgraçado tinha a seu encalço 300 que não (Continua. Os proprietários de pretos ao ganho. Vae para o lar e leva um papagaio para divertir a familia. uma parelha de bestas para puchal-o. Porto.de meia dúzia de que dispunha a Policia o lentavam. Não carregava pedras. impunha aos parceiros uma multa diária de 40 rs. ecomo não pertencia elle ao numero dos 300 ao ganho. quando uma manhã foi procurado por um velho roceiro que sem mais preâmbulos disse que sabia onde estava o rapaz.2$ a 2$500 por dia. que traduzia livremente « emquanto se descança carrega-se pedras». chegou a ter mais de 300. e em vez nem descreviam as terras incógnitas onde se opu. por cabeça. Severo compridor de seus deveres. Quando fugia-lhe algum não annunciava nem pagava a capitão do matto . pagou. com ordens terminantes de não procurarem escala em nenhum porto. alto. mas o do capitalista. e por isso internando-se nunca mais delle houve novas nem mandados. diários. que não vinha Q negro mina denuncial-o mas simplesmente libertal-o. as monographias. sabia ler e escrever. tinha-os ãs dezenas. membrudo. Um bello dia desappareceu o lacaio. os roteiros dos navegadores portuguezes não eram dados á luz para que as nações estrangeiras não invejassem o seu commercio e corressem a csbulhal-os.

cravo-granote.64 BRAZIL ILLUSTRADO A N N O t — Agora que nenhum direito tenho sobre elle diga-me: que é feito desse malandro ? — Dir-lho-hei. era vez da verde. separadamente.e introduzem-se as pontas reunidas ou pétalas preparadas. por este preço é um ovo por um real um genro desses! O feliz pagem era filho de uma negra mina da Bahia.retorquio Porto. augmenla-se o numero de camadas das pequenas rodellas. Para tornar a flor dupla. sabia cantar moflinhas e era um bello rapagão. por isso foi que agradou a roceirinha e. Empregue papel cscarlate. afinal de contas. Deita-se um pouco de gomma arábica no calix. Ultimamente pedio-me uma filha em casamento. quando porém tratou-se dos papeis. ha quatro annos que entrou para minha casa de caixeiro e tão bem se comportou que dei-lhe sociedade. se soubesse d i s s o . somente. PRETO MINA foi repelil-o. ou—para melhor—FLOR DA JS granate. e de modo a formar com toda» uma só pétala. para enrugal-as. mas o receio de perder minha filha fez com que tomasse esta resolução . fazendo-lhe desde logo aquelles gomo». também. o casamento realisa-se dentro de poucos dias. bem vivo. e assignale—na parte inferior da pétala— uma ou mesmo duas pregas. F. Amarrote-as em vários sentido». cortando curtinho a haste inferior dofiode arame. na ponta de um fio de arame bem fino. Picando depois—com linha de seda—as rodellaa. 0 calix semelha-se ao do cravo . é igualmente escarlate como a ÜAr. cravc-romã.. teve elle a coragem de dizer-me a verdade. dobre-as em oito.respondeu o velho. mas sob segredo. três como as que se vém na 2* fig.. ao roceiro. com a pinça. F. e junte-os por fim solidamente para armara flor. —Franqueza por franqueza. Flor de romã. ter-lhe-hia pedido 4:000$ em vez de 2:000$. O meu primeiro impeto DIVERSÕES DE SALÃO FLORES DE PAPEL MEIIÍA. +»&• •9H- Córte seis rodellittbas. não lh'a neguei. .

contraste e definição. de 1971. Neste sentido. Quando utilizar este documento em outro contexto. a um documento original.br). exibição. procuramos manter a integridade e a autenticidade da fonte. Atribuição. versão. Você apenas deve utilizar esta obra para fins não comerciais. é proibido o uso comercial das nossas imagens. você deve dar crédito ao autor (ou autores). se você acreditar que algum documento publicado na Brasiliana Digital esteja violando direitos autorais de tradução. 
 
 
 
 
 
 . da forma como aparece na ficha catalográfica (metadados) do repositório digital. textos e imagens que publicamos na Brasiliana Digital são todos de domínio público. reprodução ou quaisquer outros. Sabemos das dificuldades existentes para a verificação se um obra realmente encontra‐se em domínio público.BRASILIANA DIGITAL ORIENTAÇÕES PARA O USO Esta é uma cópia digital de um documento (ou parte dele) que pertence a um dos acervos que participam do projeto BRASILIANA USP. Os direitos do autor estão também respaldados na Convenção de Berna. os direitos do autor são regulados pela Lei n. Pedimos que você não republique este conteúdo na rede mundial de computadores (internet) sem a nossa expressa autorização. à Brasiliana Digital e ao acervo original. solicitamos que nos informe imediatamente (brasiliana@usp. 2. No Brasil.610. 1. não realizando alterações no ambiente digital – com exceção de ajustes de cor. a mais fiel possível. Os livros. de 19 de Fevereiro de 1998. Direitos do autor. no entanto.º 9. Neste sentido. Trata‐se de uma referência. 3.