You are on page 1of 9

ALINE BARONI

CONSIDERAÇÕES DE MCLUHAN NA ERA DA INTERNET

Trabalho apresentado à disciplina de Teoria da Comunicação II,


Curso de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo,
Universidade Federal do Paraná.

Professor(a) orientador(a): Juliane Bazzo

CURITIBA
2006
“Mas, veja! Que luz é aquela, que passa pela janela?
Ela fala – e não diz nada.”

Romeu e Julieta, de Shakespeare


A evolução na comunicação

Desde a invenção da linguagem, a comunicação já passou por várias evoluções e


revoluções. A simples transmissão dos conhecimentos adquiridos transformou-se na escrita,
que se baseava na decodificação do que se pretendia comunicar em símbolos e, mais tarde, em
alfabetos. A escrita permitiu que o conhecimento ultrapassasse a barreira do tempo e que a
mensagem pudesse existir independentemente de um emissor, podendo ser recebida a
qualquer momento por alguém que soubesse decifrar o código, colaborando, assim, para a
transmissão e desenvolvimento da cultura dos povos.
Quando Gutenberg criou a prensa de tipos móveis, no século XV, a escrita tornou-se
não apenas um meio de transmissão de conteúdo, mas também tornou possível a difusão de
mensagens em grande escala. O telégrafo e o telefone, apesar de não serem considerados
veículos de comunicação de massa, foram elementos importantes para a acumulação de
tecnologia. A invenção do rádio e da televisão, nas décadas de 20 e 40, e suas saturações, nos
anos 50 e 60, respectivamente, representou mudanças tecnológicas nunca antes vistas. Cada
um desses veículos aumentou as oportunidade do uso da linguagem por parte dos cidadãos
das classes não-abastadas.
O marco, então, é a conquista do controle da luz pelo homem:

“A luz elétrica é informação pura. É algo assim como um meio sem mensagem (...).
Não percebemos a luz elétrica como meio de comunicação simplesmente porque ela
não possui conteúdo” (McLUHAN, 1964)

“A tecnologia elétrica tem conseqüências para nossas percepções e hábitos de ação


mais comuns e que tais conseqüências estão recriando rapidamente em nós os
processos mentais dos homens mais primitivos. Elas não afetam propriamente nossos
pensamentos e ações, matéria em que estamos treinados para ser críticos, mas afetam
nosso mais comum senso de vida, o qual cria vértices e as matrizes de pensamento e
ação” (McLUHAN, 1977)

De acordo com McLuhan (1911), o que ocorreu foi a passagem de uma civilização
familiarizada com a comunicação através da palavra impressa para a sociedade
contemporânea, em que predomina a base eletrônica1.

1
Seguindo as análises de McLuhan, Gabriel Cohn (1987) acrescenta: “De uma comunicação fragmentada, linear, de propagação lenta e de
caráter individualizante, (à qual corresponde, no plano sócio-político, o Estado nacional moderno e, no plano econômico, a Revolução
Industrial) passa-se para outra, integrada, não-linear e de propagação instantânea (mítica) e de caráter comunitário (todos participam da vida
de todos, e o envolvimento social é global: é a fase da sociedade mundial no plano sócio-político e da automação do plano econômico). O
mundo transforma-se num grande ‘vilarejo’; há uma ‘tribalização’ em escala ecumênica”.
Todas essas evoluções foram decisivas no sentido de acumulação tecnológica para o
que hoje tem-se como a talvez mais inovadora forma de comunicação: a internet.

“A história da humanidade se divide em três eras: a comunicação natural, oral e


gestual, que mobiliza todos os sentidos, era do pensamento mágico e do ritualismo; a
era da tirania da visão, aberta pela escrita alfabética e pela imprensa, era do
racionalismo abstrato e do nacionalismo; a era da transmissão eletrônica que consagra
o retorno de toda a gama sensorial, era de um novo tribalismo, agora planetário”
(MATELLART, 2001, p. 75)

Características da evolução

Para Logan (1999), todo o desenvolvimento da humanidade deu-se sobre as tentativas


de organização da complexidade e do caos da realidade que circundava os primeiros seres
humanos. Assim, como tentativas de organizar todo seu raciocínio e a sua compreensão do
mundo surgiram a fala, a escrita, a matemática, a ciência, a informática e, por fim, a internet.
Cada linguagem surgia quando a anterior não era mais suficiente.
As mudanças trouxeram conseqüências para toda a configuração da sociedade. O
espaço e as distâncias foram reduzidas pelo fato de que se tem uma maior rapidez e eficiência
na transmissão da mensagem. A nova comunicação derruba barreiras, já que representa novas
extensões de capacidades naturais dos seres humanos e modificou profundamente a sua
estrutura de percepção do mundo – e também da própria comunicação.
Estudos antigos examinavam o fenômeno da comunicação por sua capacidade de
reduzir ou derrubar as barreiras do tempo e do espaço na aproximação das pessoas
(RÜDIGER, 1998). Hoje as telecomunicações provocaram formas de interação tão intensas
que o indivíduo já não consegue viver normalmente, em sociedade, se não estiver conectado
com o ambiente midiático.
Segundo Oldenburg (1997), a vida cada vez mais atribulada das pessoas, o surgimento
das metrópoles e o aumento da violência estariam contribuindo para o desaparecimento dos
lugares mais fundamentais para sociedades humanas: os terceiros lugares, os lugares lúdicos,
de prazer e lazer. Com o desaparecimento desses lugares, estaria havendo uma queda no
sentimento de comunidade, levando a uma exacerbação do individualismo e o fim do social. A
rede, através de uma nova forma de estabelecer laços sociais, propiciou o renascimento dos
terceiros lugares.
Internet

A internet possibilitou a reorganização dos hábitos de socialização. Não há interação


física, nem proximidade geográfica. As comunidades estruturam-se fundamentalmente sob um
único aspecto: o interesse comum de seus membros. Para Reinghold (1997), o sentimento
comunitário permeia todos os participantes dos fóruns e essas relações, a princípio virtuais,
foram estendidas para o mundo real. Ou seja: através das comunidades virtuais, a internet
estaria atuando como meio de encontro e formação de grupos sociais.
A internet é o primeiro meio a conjugar duas características dos meios anteriores:
massividade e interatividade. É possível não somente ler o que é produzido para a massa, mas
também produzir todo tipo de documento e compartilhá-lo com qualquer pessoa do mundo,
desde que conectada, em questão de instantes. Como usuários da rede, cada indivíduo é um
emissor e receptor massivo em potencial.
Por propiciar uma comunicação entre muitos e para muitos, pode representar um
futuro democrático para a sociedade. Segundo Barbrook (1999), a participação democrática se
daria de forma pessoal e não mais representativa, ou seja, a cidadania poderia ser exercida
livremente e destituída de intermediários, como acontece em países democráticos
contemporâneos.
O mundo, de acordo com McLuhan, estava tornando-se rapidamente uma aldeia
global, como resultado da difusão da rede inconsútil2 – unificação das experiências adquiridas
pelos homens através dos seus sentidos – da televisão por toda a terra. O mesmo, até mesmo
com mais intensidade, pode-se pensar sobre a internet nos dias atuais. Tal uso de vários
sentidos mutuamente é o que se tem como convergência de mídias, conceito já esboçado por
McLuhan em sua análise da televisão.
Os meios de comunicação contribuíram para a redução do espaço, ou seja, para a
rapidez e eficiência da comunicação entre as pessoas em localidades diferentes. Para
McLuhan, atuam como extensões das capacidades naturais dos seres humanos. A internet, no
entanto, proporcionou a extensão de várias capacidades naturais.
Portanto, as tecnologias modernas desenvolveram-se ao ponto de superar as barreiras
de espaço e tempo. Noções de desterritorialização das pessoas e de desenraizamento das

2
A rede inconsútil é citada por Tom Wolfe em seu artigo “Os desdobramentos da aldeia global”, entre diversos
de outros autores, não é um conceito criado ou sequer abordado por McLuhan.
experiências estão presentes no espaço globalizado da mídia que transmite em tempo real,
intercomunicando realidades dos lugares mais distantes e díspares.

Aldeia global

E é então que o mais conhecido conceito criado por McLuhan – o conceito de aldeia
global – pode ser aplicado.

“O nosso é o mundo novo do tudo-agora. O ‘tempo’ cessou, o ‘espaço’ desapareceu.


Vivemos hoje numa aldeia global... num acontecer simultâneo (...). Começamos de
novo a estruturar o sentimento primordial, as emoções tribais de que alguns séculos de
literacidade nos divorciaram” (McLUHAN, 1969).

A causa dessa retribalização, segundo ele, eram as inovações tecnológicas no campo


da comunicação, ou seja, o uso crescente dos meios elétricos.
O conceito de aldeia global, criado na década de 60, começa agora a ser redefinido
com as novas tecnologias da comunicação. Os pressupostos são os mesmos de antes, assim
como os efeitos. O diálogo e a tomada de consciência se dão a nível global3; a instantaneidade
e a continuidade4 são instrínsicas à comunicação; há uma mudança no modelo de percepção5 e
o choque entre as grandes tecnologias6.
McLuhan advertia, no entanto, que a aldeia global não era uma utopia. Na verdade, ela
poderia, com a mesma facilidade, tornar-se um banho de sangue, já que é nas aldeias onde são
3
“Hoje em dia na medida em que a eletricidade cria condições de extrema interdependência em escala global,
movimentamo-nos de novo celeremente para um mundo auditivo de eventos simultâneos e de tomada global de
consciência.” (McLUHAN, 1977, p.54). “Os sistemas de circuitos elétricos derrubaram o regime de ‘tempo’ e
‘espaço’ e despejam sobre todos nós instantaneamente e continuamente as preocupações de todos os outros seres
humanos. Eles reconstituíram o diálogo em escala global” (McLUHAN, 1969, p. 44)

4
“A cultura letrada terá uma ênfase visual baseada na continuidade, na uniformidade e no nexo seqüencial,
visualidade que, durante a modernidade, procurará ser reproduzida pelos meios de comunicação incentivando a
continuidade e a linearidade, mesmo que mediante a repetição” (McLUHAN, 1998 in: Revista FAMECOS,
12/2003). “As informações despencam sobre nós, instantaneamente e continuamente. Tão pronto se adquire um
novo conhecimento, este é rapidamente substituído por informação ainda mais recente. Nosso mundo,
eletricamente configurado, forçou-nos a abandonar o hábito de dados classificados para usar o sistema de
identificação de padrões” (McLUHAN, 1969, p. 91)

5
“Os efeitos da tecnologia não ocorrem aos níveis das opiniões e dos conceitos: eles se manifestam nas relações
entre os sentidos e nas estruturas da percepção, num passo firme e sem qualquer resistência” (McLUHAN, 1964,
p.34)

6
“Nossa cultura oficial se esforça para obrigar os novos meios a fazerem o trabalho dos antigos. Atravessamos
tempos difíceis, pois somos testemunhas de um choque de proporções cataclísmicas entre duas grandes
tecnologias. Abordamos o novo com o condicionamento psicológico e as reações sensoriais antigos. Esse choque
sempre se produz em períodos de transição” (McLUHAN, 1969, p. 120)
encontrados os mais completos carniceiros. A aldeia global poderia reunir toda a humanidade
para a violência tão facilmente como para qualquer outra coisa. Segundo o historiador Eric
Hobsbawm, o século XX foi de brilhantes avanços tecnológicos, mas também foi o mais
bárbaro da história humana.
Outro problema da comunicação na época de aldeia global – ou da aldeia global na
época da comunicação de massa – é que os avanços tecnológicos vieram suprir a carência de
informação, mas a inserção dessas máquinas tem condicionado os homens. Já não se trata
mais de sede, mas sim de dependência de informação. Segundo Rüdiger (1998), a mídia
eletrônica, fundada na instantaneidade, torna-se instrumental, sem margem a reflexão, ao
aprofundamento, outro tipo de condicionamento.
Referências bibliográficas

COHN, Gabriel. O meio é a mensagem: análise de McLuhan. In: _________ (org.).


Comunicação e indústria cultural. São Paulo: Nacional, 1975. p. 363-371.

GASTAL, Susana. McLuhan: desdobramentos polêmicos de uma teoria (ainda) polêmica.


Revista Famecos, Porto Alegre, número 22, Dez. 2003. p. 46-54.

LARANGEIRA, Álvaro. A polêmica é conteúdo. Revista Famecos, Porto Alegre, número 7,


Nov. 1997. p. 83-88.

MCLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação de massa como extensões do homem.


(understanding media). 3 ed. São Paulo: Cultrix, 1964. p. 21-50.

MCLUHAN, Marshall. A galáxia de Gutenberg. 2 ed. São Paulo: Nacional, 1977. p. 54-60 e
p. 340-342.

MCLUHAN, Marshall e FIORE, Quentim. O meio são as massa-gens. Rio de Janeiro:


Record, 1969.

MATTELART, Armand e Michèle. História das teorias da comunicação. 7 ed. São Paulo:
Loyola, 1995.

MATTELART, Armand. História da sociedade da informação. ed. São Paulo: Loyola, 2001.

CÁDIMA, Rui. Modelos e profecias da aldeia global: Marshall McLuhan.


<http://irrealtv.blogspot.com/2004_07_25_irrealtv_archive.html> (18/04/2006)

CAMPOS, Pedro Celso. O jornalismo, a indústria cultural e a "civilização bárbara".


<http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos/da0711200198.htm> (18/04/2006)

GRECCO, Sheila. TV e (midi)ação.


<http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos/pb050699.htm> (18/04/2006)
MACHADO, Irene. Ah, se não fosse McLuhan!....
<http://arthurvarela.ubbihp.com.br/irenemachado.htm> (18/04/2006)

RECUERO, Raquel da Cunha. A internet e a nova revolução na comunicação mundial.


<www.pontomidia.com.br/raquel/revolucao.htm> (18/04/2006)

WOLFE, Tom. Os desdobramentos da aldeia global.


<http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=360AZL004> (18/04/2006)