Formação Profissional Co-financiada pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

1

MÓDULO: NUTRIÇÃO
TRABALHO ELABORADO POR: PAULO CAMPOS

JANEIRO 2009

Curso: Técnico/a de Controlo de Qualidade Alimentar

Governo da República

Formação Profissional Co-financiada pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

Índice
Introdução…………………………………………………………….…….....2

2

Desenvolvimento…………………………………………………………….3

Classificações………………………………………………………………….4

Informação nutricional…………………………………………………..5

Como conservar……………………………………………………………..5

Algumas frases de famosos sobre o vinho………………….6,7

Conclusão……………………………………………………………………….8

Bibliografia…………………………………………………………………….9

Curso: Técnico/a de Controlo de Qualidade Alimentar

Governo da República

Formação Profissional Co-financiada pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

INTRODUÇÃO
Registos históricos mostram que o uso medicinal do vinho pelo homem tem sido uma prática que data de mais de 2.000 anos. Importantes civilizações do mundo ocidental como os egípcios, os gregos e os romanos e do mundo oriental, como os hindus, se utilizaram do vinho como um remédio para o corpo e para a alma. Médicos eminentes da antiguidade como Hipócrates, Galeno e Celsius exaltaram as propriedades medicinais do vinho e adiantaram uma interpretação razoavelmente correcta dos seus mecanismos de acção Portanto o vinho tem grande importância histórica e religiosa, pelo seu "aparecimento" em tempos remotos. Além de vir evoluindo, desde então, junto com a humanidade, trazendo a sua essência, desde os segredos dos antigos processos de fabricação até seus empregos na culinária mundial. O vinho é uma bebida alcoólica feita, tradicionalmente, a partir da fermentação do sumo de uva (também chamado mosto). Os açúcares da fruta, por acção de microrganismos, são convertidos em álcool etílico.
3

Curso: Técnico/a de Controlo de Qualidade Alimentar

Governo da República

Formação Profissional Co-financiada pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

Desenvolvimento
4

Pesquisas estimam que o vinho tenha, na sua composição, aproximadamente duzentas substâncias. Só de vitaminas, estão presentes A, B e C, além de treze minerais essenciais. Mas os compostos que beneficiam a saúde estão na sua maior matériaprima: as uvas. E quase nem se imagina o que eles são capazes de fazer. Só o resveratrol, que é uma substância sintetizada pelas videiras para proteger as uvas de infecções por fungos, é multifuncional. Devido ao seu potencial antioxidante, ele ajuda a combater o mau colesterol (LDL), o que já é um primeiro passo para reduzir o risco de doenças cardiovasculares. "Ao resveratrol são atribuídas propriedades protectoras da camada interna das artérias. Ele actua como anti-agregante plaquetário, reduzindo a oxidação do colesterol ligado às lipoproteinas de baixa densidade e aumentando a fracção de colesterol bom, o HDL", explica o cardiologista da Casa de Saúde São José, Dr. Bruno Hellmuth. Além disso, o resveratrol possui actividade anti-inflamatória. E tem mais: em fase de estudos, há uma teoria de que essa substância seja um bom agente de prevenção do câncer, inibindo a formação, o estabelecimento e até o progresso do tumor. O vinho ainda tem mais substâncias do bem, como as procianidinas, substâncias naturais extraídas da polpa da uva. Elas aumentam a resistência das fibras colágenas, deixando as paredes dos vasos sanguíneos mais fortes. Outras são os taninos, presentes na casca da fruta, que trabalham a favor da preservação do sistema imunológico, impedindo a destruição dos linfócitos de defesa. Tem também os flavonóides, que têm propriedades antioxidantes, ou seja, protegem o organismo da acção dos radicais livres, que promovem o envelhecimento. Dentro desses flavonóides, há dois agentes, quercitina e a luteonina, que, além de impedir que os efeitos das gorduras cheguem ao coração, ainda têm poder antioxidante maior do que o da vitamina E.

Curso: Técnico/a de Controlo de Qualidade Alimentar

Governo da República

Formação Profissional Co-financiada pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

Conhecem-se 5 tipos distintos de vinhos: Os vinhos tintos, os brancos, os rosés, os espumantes e os vinhos fortificados. Em Portugal existe um tipo específico, o vinho verde, que pode ser tinto ou branco, mas devido à sua acentuada acidez, constitui uma categoria distinta.
5

Classificação Quanto à classe: — De mesa (sofre apenas uma fermentação, atingindo um grau alcoólico médio); — Espumante (sofre duas fermentações, para obter maior quantidade de gás carbónico, responsável pelas borbulhas); — Licoroso; — Fortificado (recebe uma quantidade adicional de álcool durante a fermentação, ficando com um elevado teor alcoólico) Quanto à cor: — Tinto; — Rose; — Branco; Quanto ao teor de açúcar: — Nature; — Extra-bruto; — Bruto; — Seco, sec ou dry; — Meio-doce, meio-seco ou demi-sec; — Suave; — Doce;

Curso: Técnico/a de Controlo de Qualidade Alimentar

Governo da República

Formação Profissional Co-financiada pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

Informação nutricional

Os vinhos são compostos basicamente por água (85 a 90%), álcool (7 a 24%), ácidos e açúcares provenientes das uvas. O teor alcoólico do vinho pode variar entre 10 a 15%, podendo alcançar valores superiores (cerca de 20%) no caso de vinhos fortificados, como o Vinho do Porto ou o da Madeira.
Tabela de composição nutricional (por 100g de porção edível)
Espumante Doce Energia (kcal) Água (g) Proteína (g) Lípidos (g) Hidratos de carbono (g) Álcool (g) 9 9,2 9,6 8,8 15,5 82 84,9 0,1 0 4,9 Vinho Tinto 66 89,7 0,1 0 0,2 Vinho Branco 72 88,7 0,1 0 1,2 Vinho rosé 71 87,8 0,2 0 2,4 Vinho do Porto doce 162 68,6 0,1 0 14

6

Comentários: Na tabela em cima nota-se que o vinho do Porto doce é o que mais “foge” da média, apenas mantendo-se nas proteínas e lipidos. Verifica-se a não existência de lipidos em nenhum dos produtos.

Como conservar Os vinhos devem conservar-se em local seco e fresco (12 a 18º). Em adega, as garrafas devem estar na posição horizontal ou na vertical, de cabeça para baixo. Os vinhos brancos e alguns verdes apenas conservam-se por 2 anos. Os bons vinhos tintos conservam-se geralmente até 7 anos, no entanto, os tintos de menor qualidade apenas conservam-se por 3 a 4 anos. Os vinhos tintos de melhor qualidade chegam a conservar-se até 15 a 20 anos. Os vinhos licorosos, como o vinho do Porto e da Madeira atingem 50 anos ou mais, com a qualidade máxima.

Curso: Técnico/a de Controlo de Qualidade Alimentar

Governo da República

Formação Profissional Co-financiada pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

Algumas frases de famosos sobre o vinho.

"Nas vitórias, é merecido, mas nas derrotas é necessário" (Napoleão Bonaparte, sobre o Champanhe) "Os vinhos são como os homens: com o tempo, os maus azedam e os bons apuram." (Cícero) "O vinho é a prova constante de que Deus nos ama e nos deseja ver felizes." (Benjamin Franklin) "O vinho revela os sentimentos." (Horácio) "O vinho faz esquecer as maiores preocupações." (Sêneca) "Com o vinho se alimentam as forças, o sangue e o calor dos homens." (Plínio, o velho) "Quando o vinho entra, os segredos saem." (Textos Judaicos) "O bom vinho é um camarada bondoso e de confiança, quando tomado com sabedoria." (William Shakespeare) "O vinho e a música sempre foram para mim um magnífico saca-rolhas." (Anton Pavlovitch Tchékhov) "Quando o vinho desce, solta-se a língua do homem." (Textos Judaicos) "O vinho é o amigo do moderado e o inimigo do beberrão." (Avicena) "O vinho consola os tristes, rejuvenesce os velhos, inspira os jovens, alivia os deprimidos do peso das suas preocupações." (Lord Byron)
Curso: Técnico/a de Controlo de Qualidade Alimentar

7

Governo da República

Formação Profissional Co-financiada pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

“O vinho que se bebe com medida jamais foi causa de dano algum." (Miguel de Cervantes)

8

"O vinho foi dado ao homem para acalmar suas fadigas." (Eurípedes) "O vinho é composto de humor líquido e luz." (Galileu Galilei) "Vence as preocupações com o vinho." (Petrônio) "O vinho é o sangue da terra." (Plínio)

Curso: Técnico/a de Controlo de Qualidade Alimentar

Governo da República

Formação Profissional Co-financiada pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

CONCLUSÃO

Ainda que se encontrem vozes discordantes, o efeito protector do consumo moderado de vinho em relação às doenças coronárias parece estar bem documentado, através de um número bastante grande de investigações conduzidas criteriosamente. Contudo, cabe aqui uma nota de cautela: o consumo regular de grandes quantidades de álcool é certamente indesejável, por acarretar danos à saúde sobejamente conhecidos, enquanto que o consumo moderado pode ser ou não desejável, dependendo de características individuais. Além disso, mesmo o consumo moderado de álcool aumenta o risco de doenças como o cancro da mama e do intestino grosso, o que desaconselharia o seu uso em indivíduos que já possuam o risco de desenvolver essas doenças. Assim sendo, o uso indiscriminado de bebidas alcoólicas, inclusive de vinho, por razões de saúde, não deve ser incentivado. No entanto, se os riscos forem criteriosamente avaliados, o seu consumo moderado pode ser benéfico para muitas pessoas.

9

Curso: Técnico/a de Controlo de Qualidade Alimentar

Governo da República

Formação Profissional Co-financiada pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

Bibliografia

http://www.nestle.pt

10

Curso: Técnico/a de Controlo de Qualidade Alimentar

Governo da República

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful