You are on page 1of 138

FÍSICA

Caso necessário, use os seguintes dados: π = 3,14. Aceleração da gravidade = 9,8m/s2. Velocidade do som no ar = 340m/s . 1 atm = = 1,0 x 105 N/m2 . 1 cal = 4,2 J.

1 c
Sobre um plano liso e horizontal repousa um sistema constituído de duas partículas, I e II, de massas M e m, respectivamente. A partícula II é conectada a uma articulação O sobre o plano por meio de uma haste que inicialmente é disposta na posição indicada na figura. Considere a haste rígida de comprimento L, inextensível e de massa desprezível. A seguir, a partícula I desloca-se na direção de II com velocidade uniforme → VB, que forma um ângulo θ com a haste. Desprezando qualquer tipo de resistência ou atrito, pode-se afirmar que, imediatamente após a colisão (elástica) das partículas.

a) a partícula → II se movimenta na direção definida pelo vetor VB. b) o componente y do momento linear do sistema é conservado. c) o componente x do momento linear do sistema é conservado. d) a energia cinética do sistema é diferente do seu valor inicial. e) n.d.a. Resolução No ato da colisão, o sistema formado pelas esferas I e II tem como força externa a força aplicada pela haste (rígida e de massa desprezível), que tem a direção y. Isso significa que na direção x, no ato da colisão, o sistema é isolado e por isso haverá conservação do momento linear (quantidade de movimento) do sistema formado pelas esferas I e II.

2 c
OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2

A partir do repouso, uma pedra é deixada cair da borda no alto de um edifício. A figura mostra a disposição das janelas, com as pertinentes alturas h e distâncias L que se repetem igualmente para as demais janelas, até o térreo. Se a pedra percorre a altura h da primeira janela em t segundos, quanto tempo levará para percorrer, em segundos, a mesma altura h da quarta janela? (Despreze a resistência do ar).

[(͙ෆෆෆ L + h – ͙ෆ L ) / (͙ෆෆෆෆ 2L + 2h – ͙ෆ 2L ෆෆෆ + h )] t. b) [(͙ෆෆෆෆ 2L + 2h – ͙ෆ 2L ෆෆෆ + h ) / (͙ෆෆෆ L + h – ͙ෆ L )] t. c) [(͙ෆෆෆෆ 4 (L + h) – ͙ෆෆෆෆෆෆ 3 (L + h) + L ) / (͙ෆෆෆ L + h – ͙ෆ L )] t. 4 (Lෆෆ + h) – ͙ෆෆ 3 (Lෆෆෆෆ + h) + L )/(͙ෆෆ 2L + ෆෆ 2h –͙ෆ ෆ 2Lෆෆ + h )]t. d) [(͙ෆෆ e) [(͙ෆෆෆෆ 3 (L + h) – ͙ෆෆෆෆෆෆ 2 (L + h) + L ) / (͙ෆෆෆ L + h – ͙ෆ L )] t.
a) Resolução Dado: t2 – t1 = t Pede-se: t8 – t7

γ 1) ∆s = V0 t + ––– t 2 2 g 2 L = ––– t1 2 g 2 L + h = ––– t2 2 t1 = t1 = 2L ––– g 2(L + h) ––––––––– g 2(L + h) ––––––––– – g 2L ––– g

t = t 2 – t1 =

͙ළළ 2(͙ළළළළළළළළ L + h – ͙ළළ L) t = ––––––––––––––––– (1) ͙ළළ g
γ 2) ∆s = V0t + ––– t2 2 g AI: 4(L + h) = ––– t82 2 g AH: 4L + 3h = ––– t72 2
OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2

t8 =

8(L + h) ––––––––– g

t7 =

8L + 6h ––––––––– g 8L + 6h ––––––––– = g

t8 – t7 =

8(L + h) ––––––––– – g

––––––––––– 3 8(L + –– h) 4 = –––––––––––––––––––––––––– ͙ළළ g

͙ළළළළළළළළළළළ 8(L + h) –

͙

–––––––– 3 2͙ළළ 2(͙ළළළළළළළළළ (L + h) – L + –– h) 4 t8 – t7 = –––––––––––––––––––––––––– (2) ͙ළළ g

͙

(2) Fazendo-se –––– , vem: (1)
t8 – t7 ––––––– t

L+h – = ––––– (͙ළළළළළළළළළ

2͙ළළ 2

͙ළළ g

3 h) ͙ළළ g L + ––– . –––––––––––––––– 4 ͙ළළ 2(͙ළළළළළළළළ L + h – ͙ළළ L)

–––––––– 3 ͙ළළළළළළළළළ L + h – L + –– h 2 t8 – t7 4 ––––––– = ––––––––––––––––––––––– t ͙ළළළළළළළළ L + h – ͙ළළ L

(

͙

)

͙ළළළළළළළළළළළ 4(L + h) – ͙ළළළළළළළළළළළළළ 4L + 3h t8 – t7 = ––––––––––––––––––––––– t ͙ළළළළළළළළ L + h – ͙ළළ L
Como: 4L + 3h = 3(L + h) + L,

vem: t8 – t7 =

[

͙ළළළළළළළළළළළ 4(L + h) – ͙ළළළළළළළළළළළළළළළළ 3(L + h) + L ––––––––––––––––––––––– ͙ළළළළළළළළ L + h – ͙ළළ L

]

t

3 d
Variações no campo gravitacional na superfície da Terra podem advir de irregularidades na distribuição de sua massa. Considere a Terra como uma esfera de raio R e de densidade ρ, uniforme, com uma cavidade esférica de raio a, inteiramentente contida no seu interior. A distância entre os centros O, da Terra, e C, da cavidade, é d, que pode variar de 0 (zero) até R – a, causando, assim, uma variação do campo gravitacional em um ponto P, sobre a superfície da Terra, alinhado com O e C . (Veja a figura). Seja G1 a intensidade do campo gravitacional em P sem a existência da cavidade na Terra, e G2, a intensidade do campo no mesmo ponto, considerando a existência da cavidade. Então, o valor máximo da variação relativa: (G1 – G2)/G1, que se obtém ao deslocar a posição da cavidade, é a) a3/[(R – a)2R]. b) (a/R)3. c) (a/R)2. d) a/R. e) nulo.

OBJETIVO

I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2

R (1) 3 2) O valor G1 ’ do campo criado apenas por uma esferinha maciça de raio a e cujo centro está situado a uma distância de P igual a (R – d) é dado por: Gm G 4 ––––––– G’ = ––––––– . vem: (3) OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . ρ .Resolução 1) O valor de G1 é dado por: GM G 4 G1 = ––––– = ––– . é dado por: G2 = G1 – G’ 1 4 4 a3 G2 = –– π G ρ R – –– π G ρ ––––––– 3 3 (R – d)2 4 a3 G2 = –– π G ρ [R – –––––––] 3 (R – d)2 G1 – G2 Seja y = –––––––– G1 De (1) e (3). –– π a3 1= 2 2 (R – d) (R – d) 3 4 a3 G’ 1 = –– π G ρ . –– π R 3 R2 R2 3 4 G1 = –– π G ρ . ρ . G2. ––––––– 3 (R – d) 2 (2) 3) O campo criado pela esfera maior com a cavidade.

assinale a alternativa que melhor representa a temperatura absoluta T do buraco negro. a) T = h c3 / GM kB. a2 a ymáx = ––– R 4 d Considerando um buraco negro como um sistema termodinâmico. Supondo que não haja realização de trabalho com a variação de massa. d = dmáx = R – a R – d = R – (R – a) = a a3 Portanto: ymáx = ––––– ⇒ R . isto é. Resolução Do texto. sua energia interna U varia com a sua massa M de acordo com a famosa relação de Einstein: ∆U = ∆M c2. c3 / 8π G M kB ∆S –––– = –––––––––– hc ∆M ∆M 8π G M kB ∆S = –––––––––––––– hc A entropia ∆S é dada por: ∆Q ∆S = –––– T em que T é a temperatura absoluta do buraco negro. temos: d) T = h c3 / 8π GM kB. OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . b) T = 8πM c2 / kB. sabe-se que uma variação de massa acarreta uma variação de entropia dada por: ∆S / ∆M = 8π GM kB / h c.4 4 a3 –– π G ρ R – –– π G ρ [R – –––––––] 3 3 (R – d)2 y = ––––––––––––––––––––––––––––––––– 4 –– π G ρ R 3 a3 R – [R – –––––––] (R – d)2 y = ––––––––––––––––––– R a3 y = ––––––––– R (R – d) 2 Como a e R são constantes. c) T = M c2 / 8π kB. Stephen Hawking propôs que a entropia S de um buraco negro depende apenas de sua massa e de algumas constantes fundamentais da natureza. o valor máximo de y ocorre quando (R – d) for mínimo. e) T = 8π h GM kB. Desta forma.

Como ∆Q = τ + ∆U e τ = 0. em função de sua temperatura absoluta T? Resolução A taxa P de calor emitido por um corpo aquecido é dada em função da sua temperatura absoluta por meio da expressão de Stefan-Boltzmann: P(T) = k T 4 OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . vem: ∆U ∆S = –––– T Portanto: ∆M 8π G M kB ∆U –––– = –––––––––––––– hc T Como ∆U = ∆M c2. ∆M c 2 ∆M 8π G M kB então. –––––– = –––––––––––––– T hc h c3 T = –––––––––– 8π G M kB 5 c Qual dos gráficos abaixo melhor representa a taxa P de calor emitido por um corpo aquecido.

Assim. supostamente esférica. sendo nulo o trabalho trocado. o diagrama pedido na questão é melhor representado por: 6 e Uma certa massa de gás ideal realiza o ciclo ABCD de transformações. homogeneamente recoberta por uma camada de água. c) nas transformações AB e CD o gás recebe calor. ∆UDA = Q 7 e Sabe-se que a atração gravitacional da lua sobre a camada de água é a principal responsável pelo aparecimento de marés oceânicas na Terra. Como a temperatura absoluta do gás ideal é maior em A (TA > TD). A figura mostra a Terra. Pode-se afirmar que a) o ciclo ABCD corresponde a um ciclo de Carnot. OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . As curvas AB e CD são isotermas. como mostrado no diagrama pressãovolume da figura. utilizando o calor recebido do meio externo durante a transformação. a energia interna desse gás aumenta (UA > UD ). cujo valor é igual à variação da energia interna. Resolução Nota: o ciclo é ABCDA e não ABCD A transformação DA ocorre a volume constante (isométrica). b) o gás converte trabalho em calor ao realizar o ciclo. d) nas transformações AB e BC a variação da energia interna do gás é negativa. e) na transformação DA o gás recebe calor.

pode-se afirmar que. e) permanece na posição vertical. apenas a) a afirmativa I. ao piso de um vagão completamente fechado. Na região B.Nessas condições. isto é. a maré alta é explicada pelo fato de a força de inércia centrífuga (dada pela rotação da Terra) superar a soma das atrações gravitacionais da Lua e da Terra. ocorrem duas marés altas e duas marés baixas por dia (24h). Se o vagão é acelerado para frente. II) Falsa III) Correta Devido ao movimento de rotação da Terra. III. c) a afirmativa III. O fio permanece na vertical enquanto o vagão se movimenta com velocidade constante. B tem maré baixa e vice-versa. o período das marés altas é de 12h. c) se movimenta para frente e a tração no fio aumenta. por meio de um fio leve. Resolução OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . II. o balão a) se movimenta para trás e a tração no fio aumenta. Resolução I) Correta Na região A. d) as afirmativas I e II. está(ão) correta(s). b) se movimenta para trás e a tração no fio não muda. Então. b) a afirmativa II. d) se movimenta para frente e a tração no fio não muda. As massas de água próximas das regiões A e B experimentam marés altas simultaneamente. como mostra a figura. a maré alta é explicada pelo fato de a atração gravitacional da Lua somada com a força de inércia centrífuga (dada pela rotação da Terra) superar a força gravitacional de atração da Terra. quando A tem maré alta. Durante o intervalo de tempo de um dia ocorrem duas marés altas e duas marés baixas. As massas de água próximas das regiões A e B experimentam marés opostas. 8 c Um balão contendo gás hélio é fixado. e) as afirmativas I e III. em relação a ele. isto é. considere as seguintes afirmativas: I.

OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . tudo se passa → como se a gravidade fosse g R . o balão movimenta-se para frente. resulta T’ > T 9 b Durante uma tempestade. Na situação inicial. → → é dado pela soma vetorial entre g e –a O fio do balão ficará alinhado com a direção do campo → resultante g R e. Maria fecha as janelas do seu apartamento e ouve o zumbido do vento lá fora. o acidente pode ser melhor explicado pelo(a) a) princípio de conservação da massa. tinhamos: T+P=E T = E – P = µar V g – µ V g T = (µar – µ) V g Para um referencial dentro do vagão. isto equivale a criar um campo gravitacional com a mesma intensidade da aceleração e em sentido oposto. Subitamente o vidro de uma janela se quebra. no interior do vagão. T’ + P’ = E’ T’ = E’ – P’ T’ = (µar – µ) V gR Como gR > g. O campo gravitacional resultante. portanto.Quando o vagão é acelerado. Considerando que o vento tenha soprado tangencialmente à janela.

10 a A figura mostra um sistema óptico constituído de uma lente divergente. c) princípio de Arquimedes. maior e invertida em relação ao objeto. com o aumento da velocidade da massa de ar. pode-se afirmar que a imagem definitiva formada pelo sistema a) é real e o fator de ampliação linear do sistema é –0. distante 14cm de uma lente convergente com distância focal f2 = 20cm . b) é virtual.2. e) princípio de Stevin. Resolução Em virtude do vento. c) é real. maior e invertida em relação ao objeto. temos: 1 1 1 Equação de Gauss: –– = –– + ––– f1 p1 p1 ’ 1 1 1 – ––– = –– + ––– ⇒ p1 ’ 20 80 p1 ’ = –16 cm A imagem produzida por L1 é virtual e está situada a 16 cm à esquerda desta lente.b) equação de Bernoulli. Resolução Seja L1 a lente divergente e L2 a lente convergente. O aumento linear provocado por L1 fica determinado por: (–16) ’ p1 A1 = – ––– ⇒ A1 = – ––––– ⇒ 80 p1 1 A1 = ––– 5 OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . a pressão externa à janela diminui de acordo com a equação de Bernoulli. e) é virtual. menor e direita em relação ao objeto. Em relação a L1.4. d) princípio de Pascal. A diferença entre a pressão interna (maior) e a externa (menor) quebra a janela com os fragmentos de vidro jogados para fora. d) é real e o fator de ampliação linear do sistema é –0. com distância focal f1 = –20cm. Se um objeto linear é posicionado a 80cm à esquerda da lente divergente.

4 11 e Num oftalmologista. O aumento linear provocado por L2 fica determinado por: 60 p2’ A2 = – ––– ⇒ A2 = – ––– ⇒ 30 p2 A2 = –2 A imagem produzida por L2 é invertida e maior que o objeto que lhe deu origem.A imagem produzida por L1 é direita e menor que o objeto e funciona como objeto real para L2. A2 ⇒ Asist = –– . Em relação a L2. respectivamente. Qual das afirmações é verdadeira? a) O paciente é míope e deve usar lentes divergentes OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .0m e 8.0cm. Sua visão deve ser corrigida pelo uso de uma lente que lhe permita ver com clareza objetos no “infinito”. ––– i1 o o 1 Asist = A1 . temos: 1 1 1 Equação de Gauss: –– = –– + ––– f2 p2 p2’ 1 1 1 ––– = ––––––– + ––– ⇒ p2’ 20 16 + 14 p2’ = 60 cm A imagem produzida por L2 é real e está situada a 60cm à direita desta lente. constata-se que um certo paciente tem uma distância máxima e uma distância mínima de visão distinta de 5. (–2) 5 Asist = –0. O esquema abaixo ilustra a situação proposta: O aumento linear transversal produzido pelo sistema fica dado por: i2 i1 i2 Asist = ––– = ––– .

b) O paciente é míope e deve usar lentes convergentes cuja vergência é 0. seu defeito visual é a miopia. calculemos a distância p entre o objeto e o olho.0 + 500 –– = ––––––––––– ⇒ p = ––––– (cm) p 492 4000 OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Resolução Se o ponto remoto da visão do indivíduo está a uma distância finita do globo ocular. 1 1 1 Equação de Gauss: –– = –– + –– p’ f p 1 1 1 1 1 1 – –––– = –– – ––– ⇒ –– = – –––– + ––– 8.2dioptrias.0 1 4000 –8. trata-se de uma imagem virtual que funciona como objeto real para o olho). aumentando a distância mínima de visão distinta do indivíduo quando usa os óculos.2 dioptrias.0m f = –5.2 dioptrias.0cm.0m 1 1 V = –– ⇒ V = – ––– dioptria f 5.1 cm.0 p 500 500 p 8. cuja vergência é negativa.0m neste caso.2 dioptrias . Considerando f = –5.0 V = –0. | f | = Dmáx = 5. d) O paciente é hipermétrope e deve usar lentes divergentes cuja vergência é – 0. igual a 5. e) A lente corretora de defeito visual desloca a distância mínima de visão distinta para 8.0m = –500cm e supondo-se que a imagem produzida pela lente corretiva esteja a uma distância de 8. c) O paciente é hipermétrope e deve usar lentes convergentes cuja vergência é 0.cuja vergência é 0.0cm do sistema ocular (p’ = –8.2 dioptria A lente corretiva altera também a posição do ponto próximo. A determinação dessa vergência é feita com base no esquema abaixo. recomendando-se para a correção lentes divergentes.

já que o sinal que parte da fenda à esquerOBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . como mostra a figura 2.p ≅ 8. ocorra interferência destrutiva. a nova figura da variação da intensidade luminosa em função da posição das franjas de interferência é melhor representada por Resolução A onda que parte da fenda na qual se encontra a lâmina de vidro está em oposição de fase com a onda que parte da fenda na qual se encontra o filtro. a apresentar brilho nulo. no entanto. esse experimento é modificado. de duas fendas. Após essas modificações. A seguir. Isso faz com que no ponto do anteparo eqüidistante das duas fendas. com luz monocromática. determinando nesse local um aclaramento de mínima intensidade. e inserindo um filtro sobre a fenda do lado esquerdo.1cm 12 a A figura 1 mostra o experimento típico de Young. Suponha que o único efeito da peça de vidro é alterar a fase da onda emitida pela fenda. em que m indica a posição do máximo central. inserindo uma pequena peça de vidro de faces paralelas em frente à fenda do lado direito. e o único efeito do filtro é reduzir a intensidade da luz emitida pela respectiva fenda. Esse aclaramento não chega.

3 m e) 19. deve-se ao Efeito Doppler-Fizeau. o que é justificado pelo fato de o filtro óptico emitir uma onda de menor intensidade que a emitida pela lâmina de vidro (a lâmina de vidro de onde parte o sinal mais intenso “atrai” m para perto de si). a intensidade da onda resultante é menor que A pelo fato do enfraquecimento do sinal enviado pelo filtro.1 m d) 18. à medida que a corneta afasta-se do estudante em repouso no alto do edifício. uma corneta elétrica emite um som de freqüência 512 Hz. durante a queda. a) 13. 13 d Quando em repouso.2 m c) 16. devido à presença do filtro.2 m b) 15. Numa experiência acústica. f0 fF = ––––––––– ––––––––– Vsom ± V0 Vsom ± VF 512 485 ––––––––– = ––––––––– 340 + VF 340 + 0 OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . intensidade menor que o que parte da fenda à direita. A posição m na qual se forma o máximo central fica deslocada para a direita em relação à posição original. Nos locais onde ocorre interferência construtiva. Qual a distância percorrida pela corneta. um estudante deixa cair a corneta do alto de um edifício.da tem.3 m Resolução (I) A percepção de um som mais baixo (menor freqüência). até o instante em que o estudante detecta o som na freqüência de 485 Hz? (Despreze a resistência do ar).

Então. IV) Incorreta Um polarizador transmite os componentes da luz incidente não-polarizada que vibram na direção de transmissão do polarizador. está(ão) correta(s) a) nenhuma das afirmativas. 9.512 . Os fenômenos de interferência e difração ocorrem apenas com ondas transversais. c) apenas a afirmativa II. Os fenômenos de interferência. III) Incorreta As ondas eletromagnéticas apresentam o fenômeno da polarização. OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . por exemplo.8 ∆h ∆h ≅ 18. III. Resolução I) Incorreta A polarização. As ondas eletromagnéticas apresentam o fenômeno de polarização. 340 340 + VF = ––––––––– 485 VF ≅ 18. d) apenas as afirmativas I e II.93m/s (II) A queda livre da corneta é um movimento uniformemente acelerado. II) Incorreta O som propagando-se no ar. porém essas ondas são transversais. cujo vetor campo elétrico → E é perpendicular à direção de transmissão do polarizador . logo: 2 = V 2 + 2g ∆h Equação de Torricelli: VF 0 F (18. difração e polarização ocorrem com todos os tipos de onda. IV.3m 14 a Considere as afirmativas: I. b) apenas a afirmativa I. é uma onde longitudinal que pode sofrer interferência e também difração. e) apenas as afirmativas I e IV. por exemplo. Um polarizador transmite os componentes da luz incidente não polarizada. só ocorre com ondas transversais. pois são ondas longitudinais. II.93)2 = 2 .

10 A . 10–9 m d) 9. P1 e P2. 10–9 cm b) 4. a) 4.0 cm.6 . qual deve ser a espessura e do filme? (resistividade do alumínio ρ = 2. estando ligados a dois eletrodos retangulares e paralelos. Resolução OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Supondo que após certo tempo de deposição é formada sobre o vidro uma camada uniforme de alumínio entre os eletrodos. os dois geradores são idênticos.0 Ω. de largura b = 1. 10–9 m e) n. 10–9 m c) 4. Na figura. como indicado.0 cm e separados por uma distância a = 3.1 . é possível medir a espessura e de cada filme.0 V e resistência r = 1.7 . e que o amperímetro acusa uma corrente i = 0. Com o auxílio do dispositivo mostrado na figura.1 . E = 1. 10–8 Ω. Um amperímetro ideal A é inserido no circuito.m. de f.a.15 c No Laboratório de Plasmas Frios do ITA é possível obter filmes metálicos finos.3 . vaporizando o metal e depositando-o por condensação sobre uma placa de vidro.m).d.e.

b) após as ligações. Pode-se afirmar que a) antes das ligações. 1 e 2.0 . ligadas uma a outra por um fio metálico. temos: l R = ρ –––– A em que: l=a A=eb Assim: 2. A diferença de potencial (ddp) do capacitor 2 é a metade da ddp do capacitor 1. longo e fino.10 = ––––––– 2. as capacitâncias dos dois capacitores aumentam. Em seguida. inicialmente isolados um do outro.No circuito esquematizado. 1. e) a capacitância equivalente do arranjo final é igual a duas vezes a capacitância do capacitor 1. o potencial final em N é maior do que o potencial em O.0 + R R = 18. 10–2 e = 4. as positivas. vem: ∑E i = –––– ∑R 2. as placas negativas dos capacitores são ligadas à Terra e.0 0.3 . 10–8 x 3. 10–2 18.0 . carregados com uma mesma carga Q.0Ω Aplicando-se a 2ª lei de Ohm para o condutor. d) a ddp do arranjo final entre O e P é igual a 2/3 da ddp inicial do capacitor 1.0 = ––––––––––––––––––––– e . c) após as ligações. 10–9m 16 d A figura mostra dois capacitores. OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . a capacitância do capacitor 1 é maior do que a do capacitor 2.6 . da Lei de Pouillet.

Após as ligações. temos: Ceq = C1 + C2 = C1 + 2C1 ⇒ Ceq = 3C1 OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . c) Errada. vem: C2 = 2 C1 U U/2 U Logo. temos os esquemas: Q Q 2Q De C1 = ––– e C2 = ––– = ––– . As capacitâncias não variam. d) Correta. N e O têm o mesmo potencial.Resolução a) Errada Antes das ligações. C2 > C1 b) Errada.

b) a intensidade i da corrente no circuito é dada por Pc sen θ / (B l). Desprezando possíveis atritos. Ceq = 3C1 ⇒ 2 U’ = ––– U 3 17 c Na figura. e) o sentido da corrente na barra é de M para N. apoiada em dois trilhos condutores retos. resistência desprezível e peso Pb) puxada por um → → peso Pc .2Q 2Q U’ = –––– = –––– Ceq 3C1 e) Errada. paralelos e de resistência desprezível. Nas extremidades dos trilhos está ligado um gerador de força eletromotriz E com resistência r. vertical e uniforme B . pode-se afirmar que a) o módulo da força eletromotriz induzida é ε = B l v sen θ. c) nas condições dadas. que formam um ângulo θ com o plano horizontal. o condutor descola dos trilhos quando i ≥ Pb / (B l tg θ). Resolução OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . d) a força eletromotriz do gerador é dada por E = r Pc sen θ / (B l) – B l v cos θ. uma barra condutora MN (de comprimento → l. desloca-se com velocidade constante v. e considerando que o sistema está imerso em um campo→ de indução magnética constante.

b) E = (m1’ – m2’)c2. Da equivalência entre massa e energia traduzida pela equação de Einstein. respectivamente. Resolução A diferença entre m2 ’ e m2 é provocada pelo acréscimo da energia trazida pelo fóton. colocados no vácuo. e) E = (m1 + m1’)c2. assinale a opção que apresenta a relação correta entre a energia do fóton e as massas dos blocos. Considere um sistema isolado formado por dois blocos de massas m1 e m2. analogamente. e separados entre si de uma distância L.Para que haja descolamento. No instante t = 0. Assim. o bloco de massa m1 emite um fóton que é posteriormente absorvido inteiramente por m2. a componente da força magnética na direção normal ao plano inclinado deve ser maior ou igual à componente normal da força peso da barra. Suponha que m1 se torne m1’ em razão da emissão do fóton e. (Ver figura). d) E = (m2‘ – m2 )c2. c) E = (m2’ – m2)c2/2. a) E = (m2 – m1)c2. Fmag senθ ≥ Pb cosθ Bil senθ ≥ Pb cosθ Pb cosθ i ≥ ––––––––– Bl senθ Pb i ≥ –––––––– B l tgθ 18 d Experimentos de absorção de radiação mostram que a relação entre a energia E e a quantidade de movimento p de um fóton é E = p c. Lembrando que esta questão também pode ser resolvida com recursos da Mecânica Clássica. temos: E m2 ’ – m2 = ––– c2 Portanto: Analogamente. m2 se torne m2’ devido à absorção desse fóton. não havendo qualquer outro tipo de interação entre os blocos. a OBJETIVO E = (m2 ’ – m2 ) c 2 I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .

calcule o número aproximado de revoluções efetuadas por um elétron no primeiro estado excitado do átomo de hidrogênio. São dados: o raio da órbita do estado fundamental é de 5.. r) é um h h múltiplo inteiro de –– – . 5. a quantidade de elétrons emitidos pelo metal é diretamente proporcional à intensidade do feixe incidente. A natureza complementar do mundo quântico é expressa. As órbitas permitidas ao elétron em um átomo são aquelas em que o momento angular orbital é n h / 2π. do tipo n –– – . 2. 3. No efeito fotoelétrico. III. Para que ocorra o efeito fotoelétrico. IV. A natureza complementar está ligada ao fato de não podermos medir simultaneamente com precisão a posição e a quantidade de movimento de uma partícula..em que 2π 2π n = 1. nesse estado excitado. d) II e III. IV) Correta. em que τ é a função de trabah lho do átomo do metal e h a constante de Planck. e) III e IV. É a hipótese da dualidade proposta por Louis de Broglie. no formalismo da Mecânica Quântica.3 x 1 0–11m e a velocidade OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .. b) I e IIl. III) Correta. . 3. o que traduz o Princípio da Incerteza de Heisenberg. II) Falsa. Os aspectos corpuscular e ondulatório são necessários para a descrição completa de um sistema quântico. é de 10–8 s. II. pelo princípio de incerteza de Heisenberg. a freqüência da luz incidente deve ser maior que um τ certo valor f0 = –– . c) I e IV. Quais estão corretas ? a) I e Il. As órbitas permitidas ao elétron são aquelas em que o momento angular orbital ( m V . se o tempo de vida do elétron. sendo n = 1. quando um metal é iluminado por um feixe de luz monocromática.. 20 d Utilizando o modelo de Bohr para o átomo.. Resolução I) Falsa.perda de massa m1 – m’ 1 é provocada pela redução da energia correspondente ao fóton emitido: E m1 – m’ 1 = ––– c2 2 E = (m1 – m’ 1) c 19 e Considere as seguintes afirmações: I. isto é. independentemente da freqüência da luz.

2 .3 . –––– = m . 21 Na figura. 106 = ––– . em que rB = 5. 106 revoluções As questões dissertativas. 4 .3 . r = 2 2 . 5. No átomo de Bohr.1 . n = 1 e para o primeiro estado excitado. numeradas de 21 a 30. Para o estado fundamental. 10 –11 m (raio da órbita do estado fundamental) e n = 1. rB. concluímos que a velocidade do elétron no primeiro estado excitado é a metade da velocidade no estado fundamental: m m 2.2 . r.1 . que é o tempo de vida do elétron. → OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . e) 9 x 106 revoluções. 7 c) 5 x 10 revoluções. 10 6 v = –––––––––– ––– = 1.1 . a) 1 x 106 revoluções. rB = 4 .. Resolução No modelo do átomo de Bohr.r Sendo r = 4 rB. vem: T 2π 1. 10 –11 T = ––––––––––––––––– (s) 1. a força coulombiana é centrípeta: e. devem ser respondidas no caderno de soluções.3 . 10 –15s No intervalo de tempo 10 –8s. 10–11 T 2π . n = 2. 3. rB .. 4 . o carrinho com rampa movimenta-se com uma aceleração constante A ..2 . Assim. o número de revoluções efetuadas é dado por: 10 –8 n = –––––––––– 1. 10 6 T ≅ 1. 10 –15 n ≅ 8 .2 x 106 m/s . e2 v2 k .e k .do elétron nesta órbita é de 2. 5. ––– ⇒ v 2 = ––––– 2 r r m. b) 4 x 107 revoluções. 106 ––– s s 2 2π De v = ––– . 2. d) 8 x 106 revoluções. o raio r da órbita é dado por r = n 2 .

no qual o bloco permanecerá em repouso sobre a rampa. determine o intervalo para o módulo de A . temos: Rn + Fn = Pn (2) Em (1): mg sen α + m A cos α = Fat Em (2): Rn + F sen α = P cos α Rn = P cos α – F sen α Rn = mg cos α – m A sen α Sendo Fat ≤ µ Rn. temos: Pt + Ft = Fat (1) Na direção normal ao plano. com componentes Ft e Fn. Resolução → Para um referencial fixo no carrinho.Sobre a rampa repousa um bloco de massa m. devemos con→ → siderar uma força de inércia Fi = – m A atuando sobre o bloco. teremos: Ft = F cos α Fn = F sen α Na direção paralela ao plano. vem: mg sen α + m A cos α ≤ µ (mg cos α – m A sen α) g sen α + a cos α ≤ µ g cos α – µA sen α A (cos α + µ sen α) ≤ g (µ cos α – sen α) g (µ cos α – sen α) 0 ≤ A ≤ –––––––––––––––––– cos α + µ sen α com µ cos α > sen α OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Isto posto. Se µ é o coeficiente de atrito estático entre o bloco e a rampa.

cujo coeficiente de atrito dinâmico é igual a 0. o bloco desliza sobre uma superfície rugosa. Considere que após a colisão.22 Quando solto na posição angular de 45° (mostrada na figura). o pêndulo alcance uma posição angular máxima de 30°. M e L. Resolução 1) Da figura: ͙ළළ 2 h = L – L cos 45° = L 1 – –––– 2 ( ) ( =L 2 2 – ͙ළළ ––––––– 2 ) 2) Conservação da energia mecânica entre A e B: m V1 ––––––– = m g h 2 2 V1 = ͙ළළළළළ 2gh = 3) OBJETIVO ( ) ͙ළළළළළළළළළ 2gL 2 – ͙ළළ 2 ––––––– 2 = ͙ළළළළළළළළළළළ gL (2 – ͙ළළළ 2) I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . um pêndulo simples de massa m e comprimento L colide com um bloco de massa M. Determine a distância percorrida pelo bloco em função de m. ao retornar.3. Após a colisão.

Da figura: ͙ළළ 3 h1 = L – L cos 30° = L 1 – –––– 2 ( ) ( =L 2 3 2 – ͙ළළ –––––––– 2 ) 4) Conservação da energia entre B e C: m V2 m g h1 = ––––––– 2 V2 = ͙ළළළළළ 2gh1 = ( ) ͙ළළළළළළළළළ 2gL 2 – ͙ළළ 3 ––––––– 2 ∆Q = m (V1 + V2) = ͙ළළළළළළළළළළළ gL (2 – ͙ළළළ 3) 5) A variação da quantidade de movimento da esfera: ∆Q = m [͙ළළළළළළළළළළළ gL (2 – ͙ළළළ 2 ) + ͙ළළළළළළළළළළළ gL (2 – ͙ළළළ 3) ] ͙ළළළළ gL ∆Q = m (͙ළ ළළළළ 2ළළළළළ – ͙ළළ 2 + ͙ළළළළ ළ 2ළළළළළ – ͙ළළ 3) 6) A quantidade de movimento adquirida pelo bloco tem o mesmo módulo de ∆Q. por ser o sistema isolado no ato de colisão: MV = m ͙ළළළළ gL m V = ––– ͙ළළළළ gL M (͙ළ ළළළළ 2ළළළළළ – ͙ළළ 2 + ͙ළළළළ ළ 2ළළළළළ – ͙ළළ 3) (͙ළ ළළළළ 2ළළළළළ – ͙ළළ 2 + ͙ළළළළ ළ 2ළළළළළ – ͙ළළ 3) 7) Aplicando-se o teorema da energia cinética: τat = ∆Ecin OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .

num processo à pressão constante de 1.6g M 2 2 [(͙ළ ළළළළ 2ළළළළළ – ͙ළළ 2 + ͙ළළළළ ළ 2ළළළළළ – ͙ළළ 3 )] m2 L d = ––––––– 0. se transforma integralmente em vapor 3.0 atm. bem como sendo adiabáticas as paredes que confinam o gás. Uma mola não deformada é fixada no êmbolo e num anteparo fixo.4 x 105 cal/ kg Resolução A variação de entropia (∆S) de um sistema com temperatura constante é dada por: Q ∆S = –––– T em que Q é o calor recebido pelo sistema e T a sua temperatura absoluta. de algum modo é fornecida ao gás uma certa quantidade de calor Q. OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .M µ M g d (–1) = – ––– V 2 2 V2 d = ––––– 2 µg 1 m2 d = ––––– . 5. Em seguida. –––– . inicialmente sob uma pressão Pi igual à pressão atmosférica. com êmbolo. determine a variação do comprimento da mola em função dos parâmetros intervenientes. contendo um volume inicial Vi de gás ideal.4 . Dado: calor de vaporização da água: Lv = 5. gL 0. 105 m Lv ∆S = ––––– = ––––––––––––– cal/K (100 + 273) T ∆S ≅ 4343 cal/K 24 A figura mostra um recipiente.0 . Pat. Sabendo que a energia interna do gás é U = ( 3/2) PV.0 kg de água que se encontram inicialmente no estado líquido. à temperatura de 100°C. Assim: 3. a constante da mola é k e a área da seção transversal do recipiente é A.6 M 2 2 [ (͙ළ ළළළළ 2ළළළළළ – ͙ළළ 2 + ͙ළළළළ ළ 2ළළළළළ – ͙ළළ 3 )] 23 Calcule a variação de entropia quando. Despreze os atritos e considere o êmbolo sem massa.

x 2 A variação de energia interna do gás é obtida por: 3 ∆U = Uf – Ui = –– (pfVf – pat Vi ) 2 3 ∆U = –– [(pat + ∆p) (Vi + ∆V) – pat Vi)] 2 3 ∆U = –– [pat Vi + pat ∆V + Vi ∆p + ∆p∆V – pat Vi ] 2 3 kx kx ∆U = –– pat A x + Vi . A x 2 A A [ [ ] 3 kx ∆U = –– pat A x + Vi ––– + k x 2 A 2 ] Assim: k x2 3 3 kx 3 Q = –––– + pat A x + –– pat A x + –– Vi ––– + –– k x 2 2 2 2 A 2 OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . ––– + ––– . vem: Q = τ + ∆U O trabalho (τ) corresponde à energia armazenada na mola mais o trabalho realizado pelo gás contra a atmosfera: k x2 τ = –––– + pat . A .Resolução Usando a primeira lei da Termodinâmica.

5 pat A + 1. Sendo d a densidade do mercúrio.5 pat A + 1.kx Q = 2 k x2 + 2. vem: Vi k – 2. como mostra a figura.5 pat A + 1. a coluna de mercúrio possui uma altura H.5 ––– A 2 +8kQ – ( Vi k 2.5 Vi ––– A Vi k 2 k x 2 + 2.5 ––– A +8kQ Como apenas a solução positiva deve ser considerada.5 ––– A ) 25 Num barômetro elementar de Torricelli. temos: x = ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4k ( ) ͙ළළළළළළළළළළළළළළළළ Vi k 2.5 ––– A x = –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4k ( ) ± ( ) ͙ළළළළළළළළළළළළළළළළ Vi k 2.5 ––– A ( )x–Q=0 2 Resolvendo a equação do 2º grau. no caso de esta OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .5 pat A x + 1. que se altera para X quando este barômetro é mergulhado num líquido de densidade D. D e d a altura do líquido. determine em função de H. cujo nível se eleva a uma altura h.5 pat A + 1.5 pat A + 1.

Resolução 1º caso: Barômetro em operação no ar atmosférico. vem: d H + D X = d X ⇒ d H = (d – D)X Donde: OBJETIVO d X = –––––– H d–D I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . p3 = p4 ⇒ patm + pcoluna de = p’ coluna de Hg líquido dgH+Dgh=dgX Fazendo h = X. p1 = p2 ⇒ patm = pcoluna de Hg patm = d g H 2º caso: Barômetro em operação imerso no líquido.coincidir com a altura X da coluna de mercúrio.

0 kHz. propagando-se no ar a uma velocidade de 340 m/s. no entanto. sen r = VCO sen i 2 340 . sen r = 280 . Lei de Snell: VAr . como representa o esquema a seguir. Logo: fCO = fAr = 6. Calcule o valor aproximado do ângulo de refração e indique o valor da freqüência do som no CO2.60 m/s para cada 1°C de elevação da temperatura.71 Donde: r ≅ 45° A freqüência do som no CO2 é igual à freqüência do som no ar.0kHz 2 27 Uma flauta doce. Calcule qual deveria ser o comprimento da flauta a 30°C para que ela emitisse a mesma freqüência de 251 Hz. no qual a velocidade de propagação do som é de 280 m/s. à temperatura ambiente de 0°C. Para obtermos. Resolução A flauta doce geralmente opera como um tubo sonoro aberto. Suponha que a película separa o ar de uma região que contém o gás CO2. velocidades do som no ar próximas daquela fornecida no cabeçalho da prova (340 m/s). atinge uma película plana com um ângulo de incidência de 60°. Verifica-se experimentalmente que a velocidade do som no ar aumenta de 0. devemos admitir a flauta funcionando como um tubo sonoro fechado. a freqüência da onda não se altera. Resolução A situação proposta está esquematizada abaixo. emite sua nota mais grave numa freqüência de 251 Hz. na refração. de 33 cm de comprimento. Isso ocorre porque.26 Uma onda acústica plana de 6. sen 60° ⇒ sen r ≅ 0. OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .

251 (m/s) ⇒ 2º caso: Temperatura de 30°C V30° = λ30° f ⇒ V30° = 4L30° f 0. Como cada célula é capaz de gerar uma tensão de 0. capazes de converter a energia solar em energia elétrica. 103 W/m2 .10W. Sendo de 10% a eficiência de conversão de energia solar em energia elétrica.32 = 4 L30° .λ L = –– ⇒ λ = 4L 4 1º caso: Temperatura de 0°C V0° = λ0° f ⇒ V0° = 4L0° f V0° = 4 . Considere que cada célula tenha 10 cm2 de área coletora.6 . 30 + 331. 103 W/m2. 10 . 251 L30° ≅ 0.8 V e corrente mínima de 0. concluímos que a intensidade da corrente fornecida por uma célula é P’ 0. com eficiência de 10%. resulta que a potência elétrica fornecida por célula é P’ = 0. pretende utilizar células solares de silício. e que o fluxo de energia solar médio incidente é da ordem de 1. 10–4 m2 = 1.10W 1 i = –– = –––––– = –– A U 0. Em caso de necessidade.0 . 0.70 V. 10–4 m2 recebe a potência P = 1.348 m = 34.35 A.0 . concluímos que cada célula de área 10 cm2 = 10 .70V 7 OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .0W.70V.0 x 103 W/m2.8 cm V0° = 331. João porta um rádio para comunicar-se. Resolução Sendo o fluxo de energia solar médio incidente igual a 1.33 . Projete um circuito que deverá ser montado com as células solares para obter uma tensão de 2. necessárias para operar o rádio. sendo capaz de gerar uma tensão de 0.32m/s 28 Em sua aventura pela Amazônia.

35 ⇒ n = 2. antes de R1 ser rompido. devemos associar n conjuntos de 4 células em série.35A. agora.Para obtermos uma tensão de 2. –– = 0. Em um dado momento o resistor R1 é rompido. determinar o número de conjuntos.8V. temos o circuito: 29 Um gerador de força eletromotriz ε e resistência interna r = 5 R está ligado a um circuito conforme mostra a figura. Assim. OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . vem: 1 n . com resistência ajustada para que o gerador transfira máxima potência. Resolução Vamos calcular a resistência equivalente do circuito externo ao gerador. Lembrando que a corrente mínima deve ser 0. Vamos. O elemento Rs é um reostato. concluímos que o número mínimo de conjuntos é três. devendo a resistência do reostato ser novamente ajustada para que o gerador continue transferindo máxima potência. Determine a variação da resistência do reostato. em termos de R.45 7 Sendo n um número inteiro.

Nas condições de potência transferida máxima. concluímos que a variação da resistência do reostato é. temos: 25R 30R Rs + ––––– = 5R ⇒ Rs = ––––– 11 11 (2) De (1) e (2). em módulo. temos: (1) Nas condições de potência transferida máxima. temos: 15R 15R Rs + ––––– = r ⇒ Rs + ––––– = 5R 7 7 20R Rs = ––––– 7 Com a ruptura de R1. dada por: 25R 20R ∆Rs = ––––– – ––––– ⇒ 11 7 – 45R ∆Rs = –––––– 77 OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .

em torno de um eixo que passa pelo seu centro O. orientado para cima. na posição indicada. paralelas. A figura mostra um capacitor preso ao disco (com placas metálicas planas. em repouso em relação ao disco. a uma distância R do centro. Para que a partícula descreva o movimento circular. um disco gira com velocidade angular ω constante. → Resolução De acordo com a regra da mão esquerda. O disco encontra-se imerso numa região do espaço onde existe um campo magnético constante B . paralelamente ao eixo vertical de rotação. vem: m ω2 R L U = –––––––––– + ω R B L q OBJETIVO I T A ( 1 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . se encontra uma partícula de massa m e carga q > 0.30 Situado num plano horizontal. devemos ter a força elétrica atuante com sentido oposto. determina-se → o sentido da força magnética (F mag) que atua sobre a carga “q”. Determine a diferença de potencial elétrico entre as placas do capacitor. separadas entre si de uma distância L) onde. B = m ω2 R L Isolando a diferença de potencial U. de modo que: F –F =R e mag cp qE – q v B = m ω2 R U q –– – q ω R . em função dos parâmetros intervenientes.

seja de modo absoluto.” (Roberto Carlos. do jogador da seleção brasileira de futebol.0 [199_] Rio de Janeiro: Lexikon Informática. Ofereceram-se. Ela depende das escolhas humanas. quatro fragmentos: dois depoimentos. sobre A importância da ética nas atividades e relações humanas. “Temos de dar os parabéns ao Rivaldo. o Ita propôs a elaboração de um texto dissertativo. jogador da seleção brasileira de futebol. escreva uma dissertação em prosa. (Dicionário Aurélio Eletrônico. São lances como esses que te colocam na Copa do Mundo. e o segundo. cada um a seu OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . FAPESP. com base no que abordam. Folha de S. Tem de ser malandro. Versão 2. n. em Tudo. 06/06/2002) 3. “O que se deve fazer quando um concorrente está se afogando? Pegar uma mangueira e jogar água em sua boca”. de aproximadamente 25 (vinte e cinco) linhas. Nova Fronteira. (Ray Kroc. Roberto Carlos. Suplemento Especial) Redação – Comentário Fiel à tradição. A aplicação da ciência ao mundo prático nunca é mecânica ou automática. março 2002. Mas a ciência não produz automaticamente efeitos nocivos no plano ético. Estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal. Ética. ela comporta riscos éticos. 15/04/2001. 73. que fingiu ter sido atingido no rosto pela bola chutada por um adversário. Paulo. 1. ambos defendendo. comentando a atitude de Rivaldo. n. s. In Pesquisa: clonagem. Só quem joga futebol sabe disso. 11. como subsídios à produção textual do candidato. seja relativamente a determinada sociedade. p. Como toda descoberta científica exige que o pesquisador suspenda seus preconceitos. CD-ROM) 4. (Renato Janine Ribeiro.REDAÇÃO REDAÇÃO Leia os seguintes textos e. 23) 2. fundador do McDonald’s. a cadeia Mc Donald’s.f. desta vez sobre a importância da ética nas atividades e relações humanas. A jogada dele foi a mais inteligente da partida contra os turcos. sendo o primeiro do fundador da cadeia de lanchonetes mais famosa do mundo.

o quarto texto continha transcrição do parecer de Renato Janine Ribeiro sobre experiências de clonagem que comportariam. involuntariamente. além de prestigiar os “espertos” e “malandros” que gostam de “levar vantagem em tudo”. considerando. quer no âmbito científico e político. e tanto mais no futuro. sociais e profissionais. têm-se tornado cada vez mais comuns as transgressões éticas. para tanto. não hesita em defender a desconsideração de princípios éticos quando se trata de obter vantagens. para além da constatação dessa prática. riscos éticos. quer nas relações pessoais. Argumentos que comprovassem essa tendência não devem ter faltado ao candidato – afinal. Contudo. que. De posse dessas informações e de outras pertencentes a seu próprio repertório. “estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal”. o candidato registrasse suas impressões sobre questão que o envolve desde agora. a influência de uma sociedade por excelência competitiva. o candidato pôde contar com a definição de ética – segundo o dicionário Aurélio. sempre em nome de uma “boa causa”. No terceiro fragmento. como vestibulando. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . o candidato deveria proceder a uma análise crítica do comportamento humano.modo. Ampliando as possibilidades de abordagem do tema. esperava-se que. a violação da ética como “necessária” ou justificável quando se trata de vencer – ou derrotar – adversários.

imagens • grounds = motivo • dismissal = demissão • to plead = alegar • harmlessly = inofensivamente • screen = tela • to demand = exigir • godless = mau.INGLÊS As questões de 1 a 4 referem-se às tiras abaixo: Star Tribune – Comics – SCOTT ADAMS Sunday. • pictures = fotos. perverso • to be fired = ser demitido • too much trouble = incômodo demais • to be served = ser cumprida OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . 2000. June 4. Vocabulário para as questões de 1 a 4.

1 c
A palavra grounds (2o quadrinho) quer dizer: a) chão. b) possibilidade. c) motivo. d) terra. e) necessidade. Resolução grounds = motivo

2 d
A palavra fired, (6o quadrinho) no contexto em questão: a) significa “alvejado” (por arma de fogo). b) tem o significado de “interrogados”. c) pode ser traduzida pelo particípio “presos”. d) é sinônimo de “dismissed”. e) é particípio passado do verbo queimar . Resolução A palavra fired é sinônima de dismissed (demitidos).

3 c
Das considerações abaixo: I. Wally fazia uso indevido do computador. II. Wally era inocente da acusação dos auditores. III. Os argumentos de defesa de Wally foram, provavelmente, acatados pela justiça. IV. A atitude de Wally pode ser expressa pelo provérbio “a justiça tarda mas não falha”. estão corretas: a) apenas as I e lI. b) apenas as I, III e IV. c) apenas as I e III. d) apenas as II, III e IV. e) todas.

4 b
Assinale a opção cujo adjetivo melhor descreve a atitude de Wally no referido contexto: a) intempestiva. b) dissimulada. c) corajosa. d) recatada. e) precipitada. As questões de 5 a 13 referem-se ao texto abaixo: About Men Card Sharks
By Erick Lundegaard

If all my relatives suddenly died and all my friendships dried up and all of my subscriptions were cancelled I and all of my bills were paid, I _______ guaranteed mail – two pieces a week, by my estimation – for the credit II card companies ______ me. They are the one constant in my ever-changing life. They are hot for what they think lies in my wallet. They are not just hot for me, either. I realize this. They want everyone, send mail to everyone. Everyone, that is, except those who need them most. The absurdity in my case is the puny sum being
OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2

sought. I work in a bookstore warehouse, lugging boxes and books around, at $8 per hour for 25 hours per week. That’s roughly $10,000 per year. One would think that such a number could not possibly interest massive, internetted corporations and conglomerations. Yet they all vie for my attention. Visa, Mastercard, Discover Card – it doesn’t matter – American Express, People’s Bank, Citibank, Household Bank F.S.B., Choice, the GM Card, Norwest, Chevy Chase F.S.B. Not only am I preapproved, they tell me I’II have no annual fee. Their A.P.R. keeps dipping, like an auction in reverse, as each strives to undercut the other: from 14.98 to 9.98 to, now, 6.98 percent. I am titillated with each newer, lower number, as if it were an inverse indication of my self-worth. (...) At some point, in passing from computer to computer, my name even got smudged, so now many of the offers are coming not to Erik A. Lundegaard but to Erik A. Lundefreen. He may not exist, but he has already been preapproved for a $4,200 credit line on one of America’s best credit card values. After several of these letters, I began to wonder: What if Erik A. Lundefreen did sign up for their cards? What if he went on a major spending spree, maxing them out and never paying them off? What would happen when the authorities finally arrived at his door? (...) In the old days, it was necessary to hide behind trees or inside farmhouses to outwit the authorities. Now it seems there’s no better hiding place than an improperly spelled, computer-generated name. It is the ultimate camouflage for our bureaucratic age. Meanwhile, the offers keep coming. A $2,000 credit line, a $3,000 credit line, a $5,000 credit line. If a paltry income can’t keep them away, what will? Death? Probably not even death. I’ll be six feet under and still receiving mail. “Dear Mr. Lundefreen. Membership criteria are becoming increasingly stringent. You, however, have demonstrated exceptional financial responsibility. Sign up now for this once in a lifetime offer.”
A.P.R. = Annual Percentage Rate

Vocabulário para as questões de 5 a 13. • sharks = tubarões • to dry up = desaparecer • subscriptions = assinaturas • bills = contas • still = ainda • ever-changing life = vida em constante mudança • hot = ávidos • to lie = estar, ficar • wallet = carteira • either= também • to realize = perceber • that is = quer dizer • puny sum = quantia ínfima
OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2

• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

to seek (sought, sought) = procurar warehouse = depósito to lug = arrastar roughly = aproximadamente yet = contudo, entretanto to vie for = competir, disputar annual fee = taxa anual to dip = diminuir, baixar auction = leilão in reverse = ao contrário to strive = esforçar-se, empenhar-se to undercut = vender por preço inferior, superar titillated = excitado, animado self-worth = valor próprio to get smudged = ser manchado, ser trocado to wonder = imaginar to sign up = contratar, aceitar major = enorme, muito grande spree = farra, pândega to max out = chegar ao extremo to pay off = quitar (dívida) to hide = esconder-se to outwit = enganar spelled = soletrado ultimate = mais recente meanwhile = enquanto isso paltry = insignificante income = ganho, renda to keep away = manter afastados not even = nem mesmo membership = associação criteria = critérios increasingly = cada vez mais stringent = rigoroso, severo once in a lifetime = uma única vez na vida

5 a
Assinale a opção que poderia preencher respectiva e corretamente as lacunas I e II nas linhas 3 e 5 do texto: a) would still be / would still want b) will still be / will still want c) would still have been / would still have wanted d) still am / still want e) may still be / may still want Resolução If + simple past (died) → simple conditional (would still be) (would still want)

6 c
O significado da palavra hot, nas linhas 6 e 7, é semelhante, em português, a: a) insistentes. b) quentes. c) ávidos. d) ousados. e) competitivos.
OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2

Resolução Os comparativos newer e lower referem-se à taxa cobrada pelos cartões de crédito. c) apenas as II e III. Resolução O pronome it substitui “o nome gerado pelo computador e inadequadamente soletrado”. e) stringent (linha 49) → severe. b) spree (linha 35) → bank. institution. 10 e Das afirmações abaixo: I. unimportant. IV. e) the authorities. o autor faz uso do Present Perfect Tense porque se refere a uma ação que começou no passado e continua no presente. cheat. Assinale a opção em que isso não ocorre: a) puny (linha 11) → small. c) bureaucratic age. he has already been preapproved = já foi aprovado O Present Perfect Tense é usado com a palavra-chave already. Yet. na linha 17. estão corretas: a) todas. computer-generated name. c) outwit (linha 39) → trick. limited. b) improperly spelled. III. Em he has already been preapproved. d) paltry (linha 45) → insignificant. na linha 11. na linha 25. Resolução spree = farra. e) apenas as I e II. d) ultimate camouflage. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . na voz ativa. refere-se a: a) hiding place. d) but. na linha 41 do texto. e) because.7 e A palavra for. equivale. referem-se às administradoras de cartão de crédito que entram no mercado a cada ano. poderia ser substituída por: a) yet. b) why. II. na linha 4. devendo ser seguida de outras duas palavras que lhe sejam sinônimas. restrictive. a “the puny sum they seek”. d) apenas as III e IV. tem função de conjunção. nas linhas 30/31. Os comparativos newer e lower. c) still. Resolução For = because (= porque) 8 b Cada uma das opções abaixo é iniciada com uma palavra extraída do texto. II e IV. The puny sum being sought. b) apenas as I. pândega 9 b O pronome it.

III. II. b) apenas as II e III. III. Resolução No texto: “I work in a bookstore warehouse. está(ão) correta(s): a) apenas as I e II.11 a Das afirmações abaixo: I. Erick acredita que a avalanche de correspondência enviada pelas administradoras de cartão de crédito tem o mérito de manter os usuários de seus serviços informados sobre as taxas por elas praticadas. II. d) nenhuma. 12 d De acordo com o texto: I. b) A vida de Lundegaard é marcada por constantes mudanças. hugging boxes and books around. Resolução Em nenhum momento no texto. Determinadas práticas das administradoras de cartão de crédito mencionadas pelo autor parecem fazê-Io sentir-se reduzido a uma cifra. extraído da internet: I want to be six again OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . c) O autor considera seu trabalho bastante interessante. c) apenas a III. O autor do texto é usuário contumaz de cartão de crédito. entre as considerações abaixo. b) apenas as II e III. c) apenas as I e III. está(ão) correta(s): a) apenas as I e II. 13 c Assinale. A correspondência gerada pelas administradoras de cartão de crédito atenua a sensação de abandono de um número considerável de pessoas. Erick Lundegaard vislumbrou a possibilidade de “calote” em administradoras de cartão de crédito. d) Operadoras de cartão de crédito oferecem isenção de taxa a seus clientes. d) nenhuma. Só a morte do destinatário pode interromper o envio frenético de correspondência feito pelas administradoras de cartões de crédito. e) todas. o autor afirma utilizar os cartões que recebe. e) Inovações tecnológicas podem influir para a mudança de comportamentos criminosos. e) todas.” As questões 14 e 15 referem-se ao texto abaixo. a que não pode ser depreendida da leitura do texto: a) As administradoras de cartão de crédito não se interessam por aqueles indivíduos que mais necessitam delas.

the Wall of Fear – everything there was! Wow! Five hours later she staggered out of the theme park. Resolução No texto. Right to a McDonald’s they went. dear. On the morning of her birthday. he got her up bright and early and off they went to a local theme park. d) Não é aconselhável tentar repetir. What a day! He put her on every ride in the park: the Death Slide. where her husband ordered a Big Mac for her along with extra fries and a refreshing chocolate shake. the Screaming Loop. Pepsi Cola and M&Ms. he will get it wrong anyway”. b) Voltar a ser criança era o desejo da referida esposa no dia de seu aniversário.A man asked his wife what she’d like for her birthday. “Well.” she replied. “… if a woman speaks and a man is there to hear her. I meant my dress size.” The moral of this story is: if a woman speaks and a man is there to hear her. her head reeling and her stomach upside down. Then it was off to a movie – the latest Star Wars epic. what was it like being six again? One eye opened. o padrão de atividade física exercido na infância. • to reply = responder • ride = brinquedos • to stagger out = sair cambaleando • to reel = rodopiar. What a fabulous adventure! Finally she wobbled home with her husband and collapsed into bed. and hot dogs. Vocabulário para as questões de 14 e 15. he will get it wrong anyway. girar • upside down = revirado • to order = pedir • fries = batatas fritas • the latest = o mais recente • to wobble = cambalear • to collapse = desmoronar • to lean over = inclinar-se • to mean = querer dizer • size = tamanho • anyway = de qualquer forma 14 e Segundo o texto: a) O marido em questão tem por costume proporcionar à esposa experiências que a fazem sentir jovem e feliz. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . He leaned over and lovingly asked. c) A esposa em questão é do tipo de pessoa que come compulsivamente. “I’d love to be six again. “You idiot. na idade adulta. e) Os homens nunca entendem o que as mulheres pretendem comunicar-lhes. popcorn.

As questões de 17 a 20 referem-se ao texto abaixo: What is life? To the physicist the two distinguishing features of living systems are complexity and organization. Consider. é atribuída a Indira Gandhi. em relação à filha. or phosphorus inside a living cell is no different from a similar atom outOBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . • to take the credit = ficar com o mérito 16 b A frase: “My father once told me that there were two kinds of people: those who do the work and those who take the credit. Vocabulário para a questão 16.) It is important to appreciate that a biological organism is made from perfectly ordinary atoms. e) prepará-la para a crescente competição no mercado de trabalho. there was much less competition there”. b) transmitir-lhe valores relativos à atitude diante do trabalho.. He told me to try to be in the first group. d) apontar-lhe um caminho curto para a obtenção do sucesso profissional. Much of the control rests with the cell nucleus. era provavelmente a) fazê-Ia saber da existência de conflitos em ambiente de trabalho. d) “de mal com a vida”.15 e O texto revela uma mulher: a) imatura. e) preocupada com a forma física. A intenção do pai de Indira. exchanging material in a controlled fashion. (. Even a simple single-celled organism. Close inspection reveals a complex network of function and form. The chemical structures that control and direct all this activity may involve molecules with as many as a million atoms strung together in a complicated yet highly specific way.. b) jovial. c) preveni-la contra a competição no mercado de trabalho. The bacterium may interact with its environment in a variety of ways. for example. Its internal workings resemble a vast city in organization. c) rancorosa. moving towards or away from external stimuli. displays an intricacy and fidelity unmatched by any product of human ingenuity. a lowly bacterium. Resolução No texto: “You idiot.) An atom of carbon. wherein is also contained the genetic ‘code’. primitive as it is. oxygen.. I meant my dress size”. hydrogen. (. attacking enemies. propelling itself. the chemical blue print that enables the bacterium to replicate..

amarradas • steady stream = corrente contínua • to doubt = duvidar • to search = buscar • to argue = argumentar. na linha 3. na linha 6. c) lowly. b) single-celled. to God.Y. weight. A characteristic feature of living things is that they appear to behave in a purposive way. é adjetivo. we would search in vain for any sign that an individual catatom or geranium-atom is living. Vocabulário para as questões de 17 a 20.1984. so there must be an additional. God and the New Physics. and there is a steady stream of such atoms passing into and out of all biological organisms. An argument frequently used in support of vitalism concerns behaviour.. é advérbio. discutir • to owe = dever • ultimately = basicamente. Clearly. na linha 2. This is the ancient doctrine of vitalism. d) close. For though we may not doubt that a cat or a geranium is living. Sometimes this appears paradoxical. significa “fechada”. PAUL DAVIES. N. non-material. then. Life is not a cumulative phenomenon like. • physicist = físico • features = características • single-celled = unicelular • to display = mostrar. How can a collection of inanimate atoms be animate? Some people have argued that it is impossible to build life out of non-life. ultimately. ingredient within all living things – a life-force – or spiritual essence which owes its origin. na linha 6. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . as though towards a specific end. exibir • intricacy = complexidade • unmatched = único. life cannot be reduced to a property of an organism’s constituent parts. Inc. tem a função de verbo. for example.side. simples • close = detalhada • network = rede • environment = ambiente • to propel = impulsionar • to resemble = assemelhar-se • to rest with = ser responsabilidade de • wherein = na qual • to enable = capacitar • as many as = aproximadamente • strung together = enfileiradas. fundamentalmente • support = apoio • to appear = parecer • purposive = intencional • towards = em direção a 17 b Assinale a opção cuja afirmação contenha a informação correta: a) living. inigualável • ingenuity = criatividade • lowly = mera. – Simon & Schuster.

OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Resolução No texto: “An argument frequently used in support of vitalism concerns behaviour”. e) o comportamento das coisas vivas parece corroborar a doutrina do vitalismo. está no singular . d) reveals (linha 7). b) fidelity (linha 4). quer dizer: a) resta ao. d) é possível obter vida a partir de átomos inanimados. b) o comportamento dos organismos biológicos é definido pela forma com que os átomos se organizam no interior das células. e) external (linha 10). e) descansa no. na linha 13 do texto. Resolução to rest with = ser responsabilidade de 20 e De acordo com o texto: a) as formas superiores de vida caracterizam-se pela complexidade e organização. c) ingenuity (linha 5). Resolução living → adjetivo (vivos) lowly → adjetivo (mera. d) interage com. c) responde pelo. na linha 11. Resolução ingenuity = criatividade 19 b A expressão rests with. c) a vida resulta pura e simplesmente de uma combinação química.e) stimuli. b) é responsabilidade do. simples) close → adjetivo (detalhada) stimuli → substantivo plural. singular → stimulus 18 c Qual das palavras abaixo constitui um falso cognato? a) physicist (linha 1).

muitas vezes subjetivas ou com significados próximos.Comentário de Inglês O exame de Inglês do ITA. o exame torna-se ainda mais complexo com o estilo de questões propostas. Portanto. Com conteúdo denso e de difícil interpretação por parte do aluno. como de costume. o aluno teria que demonstrar não somente um sólido conhecimento da língua inglesa. exige um hábito de leitura constante e variado: desde tiras cômicas a textos extraídos de jornais e revistas. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . mas também alta capacidade de interpretação dos fatos lidos a fim de levá-lo à alternativa correta.

o autor a) marcou que a leitura do texto acontece simultaneamente ao processo de produção do texto. que o presente do leitor (ou seja. propriamente. por motivos que já devem ter ficado evidentes. há ainda o erro de associar o leitor ao passado e o escritor ao presente. e) lançou mão de um recurso que. 13/06/2002. Porém. não gramaticalmente incorreta. pois não se entende o que seria “adequar” o advérbio à locução verbal. Não obstante. explicitamente.”.P O RT U G U Ê S 21 d Leia o texto abaixo e assinale a alternativa correta: Sonolento leitor.. Resolução A frase “como estou escrevendo ontem” indica. Em c. Paulo. respectivamente. A-1) Com o uso do advérbio em “Como estou escrevendo ontem. Folha de S. tentei adivinhar a atuação dos jogadores. o momento da produção do texto). por combinar o presente durativo da locução verbal “estou escrevendo” com o passado do advérbio de tempo “ontem”. o jogo do Brasil já aconteceu. Como estou escrevendo ontem.. pois resolvida pelo contexto) de natureza semântica. a frase em questão é. (TORERO. de infração de regra gramatical. como se afirma na alternativa e. Em a. “simultaneamente” é uma indicação errada. mas sim de inadequação (aparente. quando o oposto seria correto. embora gramaticalmente incorreto. não faço idéia do que ocorreu. a incorreção se deve ao fato de não se tratar. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Cabe ao leitor avaliar minha avaliação e darme a nota final. Na alternativa e. c) não observou a regra gramatical que impede o uso do verbo no presente com aspecto durativo juntamente com um marcador de passado. b) adequou esse elemento à forma verbal composta de auxiliar + gerúndio. d) sinalizou explicitamente que a produção e a leitura do texto acontecem em momentos distintos. o momento da leitura) não é o mesmo que o presente da escrita (ou seja. coloca o leitor e o produtor do texto em momentos distintos: passado e presente. A alternativa b não é precisa. mas estranha. para guiar a interpretação do leitor. José Roberto.

. c) há muitos universitários saindo para o mercado de trabalho... e tal não ocorre. e) embora muitos universitários estejam saindo para o mercado de trabalho. pois ainda é um mercado inexplorado. A universidade de Taubaté (UNITAU) conta. o Vale do Paraíba tem potencial de absorver os formandos. pois ainda é um mercado inexplorado. apresenta a relação mais coerente entre as idéias.. No entanto. completando a oração abaixo. c) finalidade. março 2002.. d) muitos universitários saem para o mercado de trabalho. e) proporção. (Jornal ComunicAção. portanto. uma a) conseqüência. pois ainda é um mercado inexplorado. b) como muitos universitários saem para o mercado de trabalho. sendo 130 formandos. no total.” – seria uma oração principal que indicasse a conseqüência da circunstância enunciada. Resolução O que se esperaria da construção iniciada com a oração subordinada adverbial causal reduzida de gerúndio que inicia o período – “Com tantos universitários saindo para o mercado de trabalho. n. o Vale do Paraíba tem potencial de absorver os formandos. O coordenador do curso de Comunicação Social mencionou que. p. Com tantos universitários saindo para o mercado de trabalho. pois o leitor poderia esperar. 23 e Considerando ainda o período abordado na questão anterior. com 720 universitários [no curso de Comunicação Social].” com o que é mencionado pelo coordenador do curso de Comunicação Social da UNITAU. a) à medida que muitos universitários saem para o mercado de trabalho. o coordenador do curso de Comunicação Social da UNITAU (. d) condição.. o Vale do Paraíba tem potencial de absorver os formandos. pois ainda é um merOBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . de modo que o Vale do Paraíba tem potencial de absorver os formandos. assinale a alternativa que. b) causa. pois ainda é um mercado inexplorado.As questões 22 e 23 referem-se ao texto abaixo. a partir daquela construção.3) 22 a Um leitor pode relacionar o conteúdo da construção “com tantos universitários saindo para o mercado de trabalho.) mencionou que o Vale do Paraíba é inexplorado e tem potencial de absorver os formandos. o Vale do Paraíba tem potencial de absorver os formandos. essa leitura torna-se problemática.1.

os estudos da língua estão prioritariamente voltados para a prática lingüística. mesmo assim.cado inexplorado. já que tal idéia se contraporia à capacidade de absorção de tais forman- dos pela região.. e) O conhecimento gramatical não garante que as pessoas se expressem com clareza. diz Antô25 nio Suárez Abreu. n. a) Freqüentemente. a principal dificuldade é com clareza. d) A escola de qualidade inferior não favorece o aprendizado da gramática. a que não teve acesso a uma boa escola e. Falar e escrever. Em ge20 ral. 1725) 24 c Aponte a alternativa que contém uma inferência que NÃO pode ser feita com base nas idéias explicitadas no texto. Antigamente. conseguiu galgar posi5 ções. “É fascinante. (. 7/11/2001.) 1 As angústias dos brasileiros em relação ao português são de duas ordens. livre-docente pela Universidade de São Paulo (.. porque deixamos de viver a teoria para enfrentar a língua do mundo real”.. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . eis a questão. em que as regras básicas do idioma são apresentadas de forma clara e bem-humorada. o problema é sobretudo com a gramática.) (JOÃO GABRIEL DE LIMA. De uns tempos para cá. Veja.. É esse o público que consome avidamente os fascículos e livros do professor Pasquale. b) O conjunto que abrange “gente de nível superior” não contém o subconjunto “secretárias”. os cursos dados no escritório eram de gramática básica e se destinavam principalmente a secretárias. Para uma parte da população. É para satisfazer a essa demanda que um novo tipo de profissional surgiu: o professor de português especializado em adestrar funcio15 nários de empresas. os professores que atuam em firmas são acadêmicos que fazem esse tipo de trabalho esporadicamente para ganhar um dinheiro extra. porque nela se formula concessivamente (“embora”) a idéia relativa à grande quantidade de formandos. c) No âmbito da Universidade. As questões de 24 a 26 referem-se ao texto abaixo. eles passaram a atender primordialmente gente de nível superior. Resolução A redação que “apresenta a relação mais coerente entre as idéias” é a da alternativa e. uma boa escola é uma espécie de passaporte para a ascensão. Para o 10 segmento que teve oportunidade de estudar em bons colégios.

através de pedido ou exigência. como se vê no título do célebre relato medieval. antigamente. A Demanda do Santo Graal. também presente entre as possibilidades semânticas da palavra (e também dicionarizado). os estudos de língua estão prioritariamente voltados para a teoria lingüística”. indicando o que se situa “acima de tudo”. procurar” (Aurélio) ou “tentar obter. reclamar” (Houaiss). principalmente. Resolução Na alternativa d. reivindicar. Portanto. que se refere àqueles “que procuram um curso de língua portuguesa”. no contexto. primordialmente. principalmente.Resolução Conforme a observação do professor universitário mencionado no final do trecho transcrito. primordialmente. d) sobretudo. 26 d O adjetivo “principal” (linha 11) permite inferir que a clareza é apenas um elemento dentro de um conjunto de dificuldades. primordialmente. Semelhante inferência pode ser realizada pelos advérbios: a) avidamente. e) principalmente. que. c) avidamente. b) sobretudo. trata-se de um teste com defeito de formulação. principalmente. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . aponte o sentido que a palavra “demanda” assume no texto. 25 a (teste defeituoso) Considerando que o autor do texto apresenta os fatos a partir da perspectiva daqueles que procuram um curso de língua portuguesa. O correto seria afirmar que “No âmbito da Universidade. os três advérbios propostos são sinônimos. o que se coloca “em primeiro lugar”. principalmente. talvez o mais significativo. a) busca b) necessidade c) exigência d) pedido e) disputa Resolução O sentido primeiro do verbo demandar é “ir em busca de. há sempre um ou dois advérbios discrepantes: “avidamente”. porém. ao sair do ambiente universitário para “enfrentar a língua do mundo real” o que ocorre é que “deixamos de viver a teoria”. avidamente. requerer. Preferimos “busca” por ser o sentido mais básico e por ser sugerido pelo próprio Examinador no caput do teste. De qualquer forma. Nas demais alternativas. a conclusão é o oposto do que se propõe na alternativa c. Todas as demais alternativas estão de acordo com o que se afirma no texto ou contêm inferências por ele autorizadas. quadram bem tanto o sentido de “busca” (alternativa a) quanto o de “necessidade” (alternativa b). Ocorre. esporadicamente. por apresentar duas alternativas cabíveis. sendo “busca” o sentido primeiro do substantivo demanda. “antigamente” ou “esporadicamente”.

27 a Durante a Copa do Mundo deste ano. Poderão aposentar-se os trabalhadores com 65 anos e 30 anos de contribuição para o INSS. 30 anos de contribuição para o INSS. pelo menos. uma pessoa deve ter simultaneamente. pelo menos. em programa esportivo de uma emissora de TV. 30 anos. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . o advérbio “simultaneamente” é inaceitável. b) de acordo com (II). a seguinte observação: “Já vi muito comentarista burro. Assinale a alternativa em que isso NÃO ocorre: a) obra grandiosa b) jovem estudante c) brasileiro trabalhador d) velho chinês e) fanático religioso Resolução Em “obra grandiosa”.” Percebe-se que a classe gramatical das palavras se altera em função da ordem que elas assumem na expressão. e) de acordo com (II). Poderão aposentar-se os trabalhadores com 65 anos ou 30 anos de contribuição para o INSS. que é “65 anos [de idade] ou 30 anos de contribuição”. Resolução Na interpretação proposta na alternativa b para a frase II. pelo menos. para aposentar-se. adjetivo. a notícia de que um apostador inglês acertou o resultado de uma partida. basta que uma pessoa tenha contribuído para o INSS por. 65 anos de idade e. Um dos comentaristas fez. não há simultaneidade. uma pessoa deve ter simultaneamente. envolvendo duas teses que podem ser expressas nas sentenças abaixo: I. pois ele contraria o que diz a frase. para aposentar-se. Aponte a alternativa que apresenta a interpretação que NÃO pode ser feita a partir dessas sentenças: a) de acordo com (I). 28 b Há algum tempo. a alteração na posição dos termos não muda sua classe gramatical. pois “obra” continuará sendo substantivo e “grandiosa”. II. pelo menos 30 anos de contribuição para o INSS. mas alternância. o elemento que vier primeiro será o substantivo e o segundo. Portanto. d) de acordo com (II). foi veiculada. para aposentar-se. pelo menos. mas burro comentarista é a primeira vez. para aposentar-se. porque seguiu os prognósticos de seu burro de estimação. 65 anos de idade e. basta que uma pessoa tenha 65 anos de idade. c) de acordo com (II). adjetivo. então. Em todos os outros casos. pelo menos. uma pessoa que tenha 65 anos de idade e 5 anos de contribuição para o INSS poderá se aposentar. apareceu na imprensa a notícia de uma controvérsia sobre a Lei de Aposentadoria.

. e o meu navio chegue ao fundo e o meu sonho desapareça.... aliteração IV..... o nome de uma dessas figuras. águas ordenadas.... “e o meu navio chegue ao fundo / e o meu sonho desapareça” . dentro de um navio. “o vento vem vindo de longe” ........ para fazer com que o mar cresça.. a sinestesia (mistura de estímulos de órgãos sensoriais diferentes) corresponde à mistura das sensações táctil (“molhadas”) e visual (“azul”)... de Cecília Meireles. debaixo da água vai morrendo meu sonho. personificação V.. Canção Pus o meu sonho num navio e o navio em cima do mar... há algumas figuras de linguagem..... Depois. c) apenas II está incorreta... – depois.. tudo estará perfeito. abri o mar com as mãos para o meu sonho naufragar Minhas mãos ainda estão molhadas do azul das ondas entreabertas e a cor que escorre dos meus dedos colore as areias desertas. em II.... “e a cor que escorre dos meus dedos” ... IV e V estão corretas. sinestesia II. b) apenas I.. d) apenas I.. Chorarei quanto for preciso.. II e III estão corretas......... Resolução Em I. e) todas estão corretas. III e IV estão corretas... do outro.. meus olhos secos como pedras e as minhas duas mãos quebradas 29 e Neste poema. praia lisa... os versos e. O vento vem vindo de longe.As questões de 29 a 31 referem-se ao poema “Canção”...... “Minhas mãos ainda estão molhadas / do azul das ondas entreabertas” . Abaixo. a metonímia (substituição por contigüidade) está em OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .......... Observe: I. metonímia III. pode-se afirmar que a) apenas I.. de um lado.. a noite se curva de frio...... polissíndeto Considerando-se a relação verso/figura de linguagem. “a noite se curva de frio” ....... você tem.....

em V. ao que tudo indica. no caso. e) a dúvida existencial. em III. corretas. não pode ser aceita. Tal alternativa. na verdade. 30 b Pode-se apontar como tema do poema a) a transitoriedade das coisas. uma subclasse (a sinédoque) do conjunto de que faz parte (a metonímia). em IV. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . o polissíndeto consiste na repetição do conectivo “e”. geralmente no início de palavras). c) a desilusão. Resolução No poema relata-se o naufrágio de um sonho. sua cor. na alternativa c. engajada e musical. Como tal naufrágio é provocado ou preparado pelo eu-lírico. trata-se. pois é descabido exigir que se distinga. porém. produzindo uma obra de traços parnasianos. ao se atribuírem a ela sensação (frio) e gesto (curvar-se de frio) próprios de pessoas. d) a fugacidade do tempo. que o Examinador. portanto. propôs. mais do que de uma desilusão (alternativa c). podendo-se classificar tal figura também como sinédoque (substituição todo/parte). Sobre esta autora e seu estilo. Todas as classificações propostas para as figuras de linguagem apresentadas estão. a noite é personificada. produzindo uma poesia lírica. consultem-se os escritos do lingüista Roman Jakobson a respeito do assunto. 31 d Cecília Meireles. assim como sua tendência ao misticismo. do problema envolvido na distinção entre sinédoque e metonímia. produzindo uma poesia histórica. é CORRETO afirmar que ela a) seguiu rigidamente o Modernismo Brasileiro. d) não seguiu rigidamente nenhuma corrente do Modernismo Brasileiro. c) seguiu rigidamente o Modernismo Brasileiro. a opção “apenas II está incorreta”. faz parte da chamada “Poesia de 30”. Ocorre. Resolução Cecília Meireles produziu poesia fortemente marcada por traços pós-simbolistas. não consciente. b) não seguiu rigidamente o Modernismo Brasileiro. incluindo-se aí o tipo de musicalidade envolvente que caracteriza seus poemas. produzindo uma poesia de consciência histórica. porém. da experiência de renúncia a um sonho (alternativa b).designar a água por uma característica dela. Se pairar alguma dúvida. há aliteração do v (consistindo a figura na repetição de fonema consonântico. b) a renúncia. e) não seguiu rigidamente nenhuma corrente do Modernismo Brasileiro. produzindo uma poesia panfletária e musical. mística e musical. poeta da segunda fase do Modernismo Brasileiro. que é um caso especial de metonímia.

a razão do emprego do imperfeito. se considerarmos que a intenção do Examinador foi afirmar que o “ser herói” é anterior ao momento da fala. b) o pretérito imperfeito indica um processo concluído num período definido no passado. ignora-se que o advérbio “agora” não indica apenas tempo presente (“neste momento”). no entanto. indicar tempo passado (“naquele momento”. o momento da fala ou “ser herói”? Não obstante. ou seja. Não se deveria. indicação de OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . próprio do universo infantil. Mas não é o que ocorre neste teste de formulação problemática. entre o momento da fala e “ser herói” é de anterioridade. pois outros tempos verbais também se prestam a “instaurar um mundo imaginário. como é o caso no texto em questão. mas a sua combinação com o advérbio “agora”. mas pode também.. Resolução A alternativa a é confusa.32 c (teste defeituoso) Quanto ao tempo verbal. que indica uma ação contínua. c) o pretérito imperfeito é usado para instaurar um mundo imaginário. no texto abaixo. se ele se referisse não apenas ao pretérito imperfeito. pois ele deveria tê-la deixado clara na formulação do teste. próprio do universo infantil”. A alternativa b caracteriza equivocadamente o pretérito imperfeito. no caso. nem é essa. a resposta c poderia ser aceita sem restrições. pois não é clara a referência de “anterioridade”: o que seria anterior. no entanto. numa prova como esta. essa alternativa seria aceitável. o Examinador exigisse o conhecimento prévio da canção por parte do candidato (pois o trecho transcrito não basta para a conclusão pedida) e. Na alternativa d. A afirmação da alternativa c pode ser tomada como igualmente descabida. João e Maria Agora eu era herói E o meu cavalo só falava inglês A noiva do cawboy Era você além das outras três Eu enfrentava os batalhões Os alemães e os seus canhões Guardava o meu bodoque Ensaiava o rock Para as matinês (. ter de supor qual teria sido a intenção do Examinador. não-acabada (im-perfeita) no passado. no primeiro verso. e) o pretérito imperfeito é usado para exprimir cortesia.) (CHICO BUARQUE DE HOLANDA) a) a relação cronológica. também. d) o conflito entre a marca do presente – no advérbio “agora” – e a do passado – nos verbos – leva à intemporalidade. é CORRETO afirmar que.. Se. perguntando sobre o sintagma “agora eu era” (“agora eu era isso. agora eu era aquilo”).

não ajuda?" – não ocorreria o mal-entendido e não haveria a piada. São Paulo: Contexto. ou seja. nos dicionários Aurélio e Houaiss. Introdução à Semântica. como ocorreria na interpretação correta da pergunta – "E teu marido. evidenciadas na fala da segunda mulher. cheguei em casa e lavei a roupa e a louça. Mais descabida que as anteriores é a alternativa e. pois o que ocorreu foi que a primeira mulher interpretou a pergunta da segunda como se "teu marido" fosse "alvo". a alternativa b é correta. Portanto. do ponto de vista das funções gramaticais. exemplos semelhantes ao do texto). a piada fundamenta-se num mal-entendido. do verbo "lavar" – caso em que a segunda estaria perguntando à primeira se ela não lavava também o marido – e não como se "teu marido" fosse "agente". o verbo “poder”. Rodolfo. não ajuda?" ou "não lava OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . e) a primeira mulher confundir as funções sintáticas pertinentes. na sua justificativa para a recusa. indicando que o marido tinha condições de se lavar sozinho. Mas a alternativa d não se pode considerar errada. 2001) podemos afirmar que. ou seja. nascido do fato de a) a primeira mulher ter usado o pronome “isso” para retomar um predicado que ficou implícito na fala da segunda mulher. Segunda mulher: Então? E teu marido? Primeira mulher: Ah! Isso eu não faço de maneira alguma! Ele pode muito bem se lavar sozinho! (ILARI.que se encontram. d) a primeira mulher ter atribuído a “teu marido” o papel de alvo e não de agente. 33 b e d (teste defeituoso) Com relação ao texto abaixo: Primeira mulher: Trabalhar o tempo inteiro e tomar conta da casa está me levando à loucura! Depois do trabalho. no caso. sujeito do mesmo ou outro verbo. Resolução Se a segunda mulher formulasse a frase completa em sua pergunta – que seria algo como "E teu marido. b) a segunda mulher não ter enunciado uma frase completa com a pergunta “E teu marido?” c) a primeira mulher ter usado. objeto. Amanhã tenho de lavar o chão da cozinha e as janelas da frente.

salvo e. só seria aceitável a alternativa a) As mulheres devem evitar o uso de produtos de higiene feminina perfumados. não é possível encontrar o sujeito de “permite”. (Folha Equilíbrio. Panfleto de divulgação do curso de Fonoaudiologia. de Caetano Veloso. há omissão inepta do sujeito: em a.) (Infecção urinária. se não afirmasse que as funções sintáticas confundidas se encontram "evidenciadas na fala da segunda mulher". Lorena. (Boletim informativo sobre o uso de medicamentos.. o que reduz as chances de infecção. na frase truncada da pergunta. Folha de S. março/2002. Lorena. 3) Resolução Em todas as alternativas.. Paulo.nada?". especificamente a construções em que está em jogo a omissão do sujeito. em c. Lorena. ano IV. não se sabe qual é o sujeito de “merecem” – “nódulos”. (Infecção uririária. o sujeito de “podem causar” poderia ser tanto “mulheres” quanto “produtos”. produzido por M & R Comunicações) d) Já a rouquidão persistente é sinal de abuso excessivo da voz. não são nada evidentes. 42) b) E recomendável também não usar roupas justas. 42) c) Alguns medicamentos devem ser ingeridos ao levantar-se (manhã). p. aproveitando assim seu efeito quando ele é mais necessário. “calos” ou ambos? As questões 35 e 36 referem-se ao texto “Língua”. e outros antes de dormir (noite). n. In A Cidade. pois tais funções. embora seja logicamente este último. 34 e Para uma pessoa mais exigente no que se refere à redação. (Rouquidão: o que é e como ela afeta sua saúde vocal. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . 27/06/2002. pois assim permite uma boa ventilação (. pois podem causar irritações (. “dormir” e “aproveitando” não aparece na frase. In A Cidade. em d. março/2002. ano IV. A alternativa e também estaria certa. o sujeito de “levantar-se”. o que pode levar à formação de nódulos (calos) ou pólipos. e merecem atenção especial. abril de 2001) e) As seqüelas [causadas pelo herpes] variam de paciente para paciente e podem ou não ser permanentes. em b... n.). exposto abaixo.

têm estilos diferentes. utiliza-se da seguinte expressão: a) Língua de Luís de Camões. sem considerar as peculiaridades relativas ao uso do idioma no Brasil e em Portugal. a língua do Brasil. ou seja. latim em pó.Gosto de sentir a minha língua roçar A língua de Luís de Camões Gosto de ser e de estar E quero me dedicar A criar confusões de prosódia E uma profusão de paródias Que encurtem dores E furtem cores como camaleões Gosto do Pessoa na pessoa Da rosa no Rosa E sei que a poesia está para a prosa Assim como o amor está para a amizade E quem há de negar que esta lhe é superior? E deixa os portugais morrerem à míngua “Minha pátria é minha língua” Fala. o vocábulo “lusamérica” refere-se à América portuguesa. d) Flor do Lácio.) 35 c A idéia central é que a) a língua portuguesa está repleta de dificuldades. a referência é à língua de Portugal. em determinado ponto do texto. superando as fronteiras geopolíticas. ou seja. ao Brasil. em c. para os falantes brasileiros. como Fernando Pessoa. b) Lusamérica.. Mangueira! Flor do Lácio. e) a escola de samba Mangueira é uma legítima representante dos falantes da língua portuguesa. “minha língua” indica. Resolução A frase central do texto de Caetano Veloso é a forma alterada de uma célebre afirmação de Fernando Pessoa: “Minha pátria é a língua portuguesa. e) Latim em pó. a língua do compositor. d) na língua portuguesa. é fundamental a associação de palavras para criar efeitos sonoros. c) Minha língua. Resolução Em a.” 36 e Caetano Veloso. em d. Sambódromo Lusamérica. principalmente prosódias e paródias. Para fazer tal referência. O que quer O que pode Esta língua? (. em b. Guimarães Rosa e Camões. refere-se à Língua Portuguesa de modo geral. no contexto.. c) a pátria dos falantes é a língua. “Flor do Lácio” refere-se à língua portuguesa em OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . b) autores de língua portuguesa.

políticas. jocoso. sem mais especificação. armando uma “pegada” para o candidato (a menos que se trate aqui de mais um dos testes mal formulados desta prova). d) Culto da forma. indicado através do princípio “arte pela arte”. Em qual das alternativas abaixo o segundo texto NÃO parodia o primeiro? a) Penso. retorno aos motivos clássicos. Daí o “culto da forma”. e) Subjetivismo. a) Subjetivismo. “latim em pó” se refere apenas à língua portuguesa como transformação do latim. subjetivismo. Um dos ideais do Parnasianismo. / Em terra de cego. b) Quem vê cara não vê coração. religiosas e outras. satírico. / Quem vê cara não vê Aids. / Nunca deixe para amanhã o que pode fazer depois de amanhã. foi o desvinculamento da arte em relação a questões sociais. Caetano Veloso fala de “paródias”. não expressão de Caetano Veloso. produzido na segunda metade do século XIX. / Penso. culto da forma. c e d. 37 c A expressão “Flor do Lácio” também faz parte de um famoso poema da Literatura Brasileira. Em a. b) Culto da forma. misticismo. resultando tal ideal numa concepção de arte em que o objetivo da obra artística é apenas estético. não ético. 38 b e e (teste defeituoso) No texto. em e. logo desisto. quem tem um olho não abre cinema. misticismo. d) Em terra de cego. arte pela arte. mas é citação de Olavo Bilac. c) Arte pela arte. Resolução Trata-se de um poema do poeta parnasiano Olavo Bilac. quem tem um olho é rei. arte pela arte. é apenas a criação de beleza. Assinale a alternativa que apresenta características pertencentes ao estilo da época em que foi produzido esse poema. e) Antes só do que mal acompanhado. retorno aos motivos clássicos. essencial à caracterização da paródia (assim a palavra é definida no Dicionário OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . misticismo. culto da forma. pois estes conteriam a tradição de beleza elaborada pelos grandes mestres antigos da arte e consagrada ao longo dos séculos. ou seja. / Antes mal acompanhado do que só. logo existo. intitulado “Língua Portuguesa”.geral. como parece exigir o teste. c) Nunca deixe para amanhã o que pode fazer hoje. ou formalismo. há propósito zombeteiro. e daí também o “retorno aos motivos clássicos”. pois a forma seria o principal elemento garantidor da beleza almejada. Resolução Em todas as alternativas há uma “deformação” do dito apresentado de início.

39 a Os anúncios apresentam semelhanças porque seus criadores a) exploram. com criatividade. pode indicar tanto o portador do cheque quanto o portador da doença. (Agência Norton) Bi Bi . Aproveite o Dia Mundial da Aids e faça um cheque ao portador. conclui-se que há duas respostas para este teste.General Motors: duas vezes bicampeã do carro do ano. e sintático. teatral. quanto a repetição da redução da palavra “bicampeã”. (Agência Colucci e Associados) lI. celebrado na frase. que. os publicitários utilizaram recursos gramaticais diferentes para possibilitar. pela função de adjunto adnominal de “ao portador”. 093-0. negando. arremedo”. ou os procedimentos de uma corrente artística. C/C 076095-1. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Ag. apresentam a redundância como um problema de redação.Houaiss: “obra literária. pois “bi bi” pode tanto ser a onomatopéia consagrada da buzina do automóvel. c) utilizam processos de abreviação vocabular. pela exploração da repetição de som. aludindo ao fato. As questões 39 e 40 referem-se às propagandas abaixo. de a empresa ter sido duas vezes bicampeã. ocorre algo semelhante. com objetivo jocoso ou satírico. por uma sigla e uma onomatopéia. a) sintático. no entanto. no contexto. 40 d Nos anúncios. e. pela polissemia do termo “cheque”. Bradesco. b) exploram expressões consagradas. respectivamente. que imita outra obra. e) elaboram textos que. o potencial de significação das palavras. o sentido popular de cada uma delas. usada quando alguém pede passagem. d) apostam nas sugestões sonoras produzidas pelos textos e no conhecimento vocabular dos leitores. na expressão corrente “cheque ao portador”. Na segunda frase. na construção do texto. de forma semelhante. I. respectivamente. representados. musical etc. Aponte o tipo de recurso utilizado em cada um desses anúncios. o autor explorou habilmente as possibilidades semânticas da palavra “portador”. b) semântico. ao menos. pela utilização de sigla. apesar de criativos. c) morfológico. pela elipse do verbo de ligação “ser”. escola etc. funcionando o primeiro “bi” também como prefixo do segundo. Como tal “objetivo jocoso ou satírico” não se encontra nem na frase da alternativa b nem na da alternativa e. duas leituras. e fonético. e fonético. pela exploração da repetição de som. no Dicionário Aurélio: “imitação cômica de uma composição literária”). Resolução Na primeira frase.

O favo da jati não era doce como o seu sorriso. de vocábulos OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Essa criança é que chamaram de Macunaíma. que o examinador transcreveu. De primeiro passou mais de seis anos não falando. mal roçando. no sentido de “duas vezes bicampeã”. que ainda azula no horizonte. e morfológico. Com base nessa afirmação. herói de nossa gente. pela elipse de um termo. que a índia tapanhumas pariu uma criança feia. Já na meninice fez coisas de sarapantar. nasceu Iracema. muito além daquela serra. no segundo. não só como onomatopéia (em “bi bi”). nem a baunilha recendia no bosque como o seu hálito perfumado.. Resolução a) Os parágrafos iniciais de Iracema e Macunaína. já nos títulos das obras.d) semântico. mas também como redução de “bicampeã” e como prefixo acrescido ao segundo “bi”. alisava apenas a verde pelúcia que vestia a terra com as primeiras águas. a virgem dos lábios de mel. O pé grácil e nu. Houve momento em que o silêncio foi tão grande escutando o murmurejo do Uiracoera. evidenciam. a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipu. indique pontos de contato entre as obras Iracema e Macunaíma que podem ser comprovados pelos excertos acima. pela exploração de um prefixo latino. ao menos. e morfológico. da grande nação tabajara. Se o incitavam a falar exclamava: – Ai! que preguiça. que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna. (JOSÉ DE ALENCAR) MACUNAÍMA – CAPÍTULO I No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma. Mais rápida que a ema selvagem. a presença do indianismo. pela polissemia de “portador”. IRACEMA – CAPÍTULO II Além. onde campeava sua guerreira tribo. e mais longos que seu talhe de palmeira. usou “bi”. (MÁRIO DE ANDRADE) a) Romantismo e Modernismo são dois movimentos literários de fundo nacionalista. Iracema. Era preto e retinto e filho do medo da noite. As questões de número 41 a 45 devem ser respondidas no caderno de soluções.. e) sintático. uma diferença entre o estilo de Mário de Andrade e o de José de Alencar. pela formação de palavra por prefixação. 41 Leia com atenção os textos abaixo. Resolução No primeiro caso o autor explorou duas possibilidades de sentido da palavra “portador”. b) Encontre nos textos.

o indianismo “às avessas”. à subordinação. o perfume das flores etc. de incorporar o registro oral ao seu trabalho artístico. como na linguagem que. O examinador violentou o texto original que registra “Si” e não “Se”. ambos revestidos de grande carga simbólica e nacionalista. ainda que inspiradas em atitudes diversas e divergentes: em Alencar. “Uraricoera”. pospostos ao nome do romancista.de extração indígena (graúna. b) Justifique a colocação dos dois pontos após o nome Graciliano Ramos no título do poema. Estes versos configuram um dos principais atributos do romancista alagoano. em Mário de Andrade. associando-a às virtudes da terra: as cores. que visam a compor uma imagem belamente idealizada da heroína. João Cabral faz referência ao estilo de Graciliano Ramos.) (JOÃO CABRAL DE MELO NETO) a) No poema. e da natureza brasileira. ao ornamental. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . o porte altaneiro. cenário paradisíaco que assistiu ao nascimento dos protagonistas. a doçura do mel. que fica na lâmina e cega seu gosto da cicatriz clara. preguiçoso. transgride a norma: “sarapantar”. na direção da irreverência “antropofágica” de Oswald de Andrade. a atitude crítica. a idealização lírica e heróica. “tapanhumas”). a economia vocabular. b) Os dois-pontos. “jati”. objetiva. “Ipu”. dentro do propósito do autor de “escrever brasileiro”. intencionalmente. apegada ao essencial e refratária à adjetivação. convertida em espaço mítico.. Resolução a) “Com as mesmas vinte palavras / girando ao redor do sol”. Destaque um trecho do excerto acima e comente a caracterização feita pelo autor do poema. Óbvio que não se trata de falha tipográfica. que o poeta pernambucano admira: a concisão. mas de desvio intencional e constante. “tabajara”. resto de janta abaianada. (. 42 Leia o texto seguinte.. b) O estilo romântico de José de Alencar explora os efeitos plásticos de comparações em cadeia (símiles). O modernismo crítico e irreverente de Mário de Andrade revela-se não só na configuração de um herói desidealizado (“criança feia”). Graciliano Ramos: Falo somente com o que falo: Com as mesmas vinte palavras girando ao redor do sol que as limpa do que não é faca: de toda uma crosta viscosa. a proverbial “secura” de sua dicção exata.

como. diretor do centro de Medicina da Atividade Física e do Esporte da Universidade Federal de São Paulo (Cemafe/Unifesp) e fisiologista da equipe do São Paulo Futebol Clube há 15 anos. A-16) Resolução A questão oferece inúmeras possibilidades. 42) a) O texto contém termos do universo do futebol. apresenta termos coloquiais que. eles pararam o crescimento do tumor. poder-se-ia reescrever o período como se segue: “A ciência procura meios para superar.” 44 Leia o texto abaixo. Explique esse sentido. Melhor ainda: quando a substância que suprimia o gene parava de agir. digamos. (JOSÉ REINALDO LOPES. utilizando a linguagem no nível formal. produziu um estudo que traça o perfil do futebol praticado hoje no Brasil do ponto de vista das exigências físicas a que os jogadores de cada posição do time são submetidos numa partida. Gene “vira-casaca” derruba tumor. tanto na ciência quanto no futebol.indicam a enumeração de seus atributos. 5/07/2002. de divulgação científica. maio de 2002. p. A ciência vive atrás de truques para dar uma rasteira genética no câncer. mas desta vez parece que pesquisadores americanos deram de cara com um ovo de Colombo. outra vez – mas a favor do organismo. também assumem outro sentido. o câncer. Turíbio Leite de Barros. ele se ativava. (MARCOS PIVETTA. Numa situação privilegiada nos dois campos. Reescreva o primeiro período. dar bola para o que os pesquisadores dizem sobre o esporte mais popular do planeta. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . “tabelinha”. Assim. não são comuns em textos científicos. 43 O texto abaixo. por exemplo. BoIeiros sob medida Ciência e futebol é uma tabelinha raramente esboçada no Brasil. Retire do texto outras duas expressões que. A academia não costuma eleger os gramados como objeto de estudo e o mundo dos boleiros tampouco tem o hábito de. das qualidades que constituem o texto do poema e seu conteúdo. ordenando a morte do câncer. apesar de muito expressivos. Desligando um só gene.Paulo. FAPESP. dado que o examinador não impôs outros requisitos que não a utilização do “nível formal”. Pesquisadores americanos podem ter econtrado uma nova solução. Pesquisa. através da genética. Folha de S. embora caracterizem esse universo. uma jogada rápida e entrosada normalmente entre dois jogadores.

Que estratégia de construção é usada para transmitir o ideal de impessoalização? Resolução a) A marca da subjetividade é a imposição da primeira pessoa pronominal. reações (“arrepios”. 1991. (RUBEM ALVES. extraia os aspectos da forma e do conteúdo que vão contra a idéia de que “o cientista não deve falar”. justeza. por sinal. 45 Leia o texto seguinte. pertinentes a essas esferas do saber. A expressão “campos” significa também “âmbito” e. que me causou arrepios. Daí o estilo impessoal. vazio de emoções e valores: Observa-se Constata-se Obtém-se Conclui-se. b) O autor exemplifica com uma seqüência de verbos a idéia de que o estilo deve ser impessoal. “dor de dentes”) e ações (“dependurei…”) impertinentes em um texto que se pretende científico. e vencendo uma terrível dor de dentes. um dos meus favoritos. de estudo científico. trabalhando com tripanossomas. “No dia 13 de agosto de 1979. O cientista não deve falar. com o sentido de “dar importância”. em função das posições táticas que desempenham nas partidas. No texto. nessa acepção. a Física. sensações. Aponte dois sentidos possíveis para a expressão... dia cinzento e triste. ainda que os resultados fossem soberbos. “[eu] fui”.. previamente destinado a determinada função ou finalidade. “meus favoritos”. tem largo emprego. relacionando-os ao conteúdo do texto. São Paulo: Brasiliense. como a de algo construído a priori.b) O título pode ser considerado ambíguo devido à expressão “sob medida”. “produzidos” pela medicina esportiva. De saída tal artigo seria rejeitado.” Não. Filosofia da ciência. É o objeto que deve falar por meio dele. como também que estejam sendo “fabricados”. “meu laboratório”. fui para o meu laboratório. a Medicina dão também à palavra ”campo” significações próprias.. O estilo. pode-se entender tanto que os “boleiros” são objeto de mensuração. implícita ou elíptica: “me causou”. Quem? Não faz diferença. que simula um artigo científico. pendurei uma tela de Bruegel. b) “Sob medida” encerra tanto a noção de exatidão. Lá. “[eu] pendurei”.. além das referências a sentimentos (“triste”). Resolução a) “Dar bola” é uma expressão que o uso coloquial consagrou. p. 149) a) Do primeiro parágrafo. “importar-se” com algo. b) A “estratégia de construção” utilizada pelo autor paOBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . a Sociologia. onde..

março 2002. a ação é impessoal. seja quando se liga a verbos transitivos diretos. “O que se deve fazer quando um concorrente está se afogando? Pegar uma mangueira e jogar água em sua boca”. Suplemento Especial) Redação – Comentário Fiel à tradição.ra “transmitir o ideal de impessoalização” é o acréscimo do pronome se aos verbos. o ITA propôs a elaboração de um texto dissertativo. de aproximadamente 25 (vinte e cinco) linhas. desta vez sobre a importância da ética nas atividades e relações humanas. escreva uma dissertação em prosa. p. FAPESP. OfereceOBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . n. “Temos de dar os parabéns ao Rivaldo. Tal pronome é impessoalizador. A aplicação da ciência ao mundo prático nunca é mecânica ou automática. 1.f. que corresponderia ao sujeito da voz ativa. transformando a construção de ativa em passiva. seja relativamente a determinada sociedade. também chamada sintética. Paulo. comentando a atitude de Rivaldo.” (Roberto Carlos. (Dicionário Aurélio Eletrônico.0 [199_] Rio de Janeiro: Lexikon Informática. In Pesquisa: clonagem. sendo então chamado “índice de indeterminação do sujeito”. 73. sobre A importância da ética nas atividades e relações humanas. fundador do McDonald’s. 06/06/2002) 3. (Renato Janine Ribeiro. CD-ROM) 4. com base no que abordam. REDAÇÃO Leia os seguintes textos e. 15/04/2001. s. Ética. No caso dessa voz passiva pronominal. São lances como esses que te colocam na Copa do Mundo. 23) 2. Folha de S. Só quem joga futebol sabe disso. Ela depende das escolhas humanas. sendo então chamado “partícula apassivadora”. Nova Fronteira. Mas a ciência não produz automaticamente efeitos nocivos no plano ético. em Tudo. n. em português moderno. ela comporta riscos éticos. seja quando se liga a verbos que não-transitivos diretos. pois nela não ocorre. A jogada dele foi a mais inteligente da partida contra os turcos. que fingiu ter sido atingido no rosto pela bola chutada por um adversário. o agente da passiva. seja de modo absoluto. Estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal. (Ray Kroc. Tem de ser malandro. Versão 2. jogador da seleção brasileira de futebol. 11. Como toda descoberta científica exige que o pesquisador suspenda seus preconceitos.

o candidato pôde contar com a definição de ética – segundo o dicionário Aurélio. quer nas relações pessoais. o quarto texto continha transcrição do parecer de Renato Janine Ribeiro sobre experiências de clonagem que comportariam. e o segundo. Roberto Carlos. considerando. têm-se tornado cada vez mais comuns as transgressões éticas. quatro fragmentos: dois depoimentos. De posse dessas informações e de outras pertencentes a seu próprio repertório. riscos éticos. esperava-se que. sempre em nome de uma “boa causa”. além de prestigiar os “espertos” e “malandros” que gostam de “levar vantagem em tudo”. sociais e profissionais. como subsídios à produção textual do candidato. não hesita em defender a desconsideração de princípios éticos quando se trata de obter vantagens. o candidato registrasse suas impressões sobre questão que o envolve desde agora. para além da constatação dessa prática. do jogador da seleção brasileira de futebol. ambos defendendo. para tanto. sendo o primeiro do fundador da cadeia de lanchonetes mais famosa do mundo. involuntariamente. Ampliando as possibilidades de abordagem do tema. cada um a seu modo.ram-se. o candidato deveria proceder a uma análise crítica do comportamento humano. e tanto mais no futuro. a influência de uma sociedade por excelência competitiva. No terceiro fragmento. Argumentos que comprovassem essa tendência não devem ter faltado ao candidato – afinal. que. quer no âmbito científico e político. a cadeia Mc Donald’s. OBJETIVO I T A ( 2 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Contudo. “estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal”. a violação da ética como “necessária” ou justificável quando se trata de vencer – ou derrotar – adversários. como vestibulando.

e) apenas II. arg z : um argumento de z ∈ ‫{ \ ރ‬0}. — — m( AB) : medida (comprimento) de AB.1. d) apenas I e III. z: i : unidade imaginária. x ∉ B}. Resolução I) Verdadeira..ޒ‬a ≤ x ≤ b}. – conjugado do número z ∈ ‫ރ‬.M AT E M Á T I C A NOTAÇÕES ‫ރ‬: conjunto dos números complexos. então – 2 + 2i z + 3͉z͉2 + 2͉z͉ 1 + 3z – 2 i– z 2 + 5z + i — w = –––––––––––––––––––––––––– . . Se w = –––––––––– . [a.3.2.b] = {x ∈ ‫ . ͙ළළ 5 ͉z͉ π (1 + i)z2 III. ‫{ = *ގ‬1. ]a.}. 3. Das seguintes afirmações independentes: ––i 2 iz2 + 5z I. ‫ ޚ‬: conjunto dos números inteiros. A\B={x ∈ A. i2 = – 1. 1 + 3z 2 – 2i – z + 3͉– z͉2 + 2͉z͉ 2i z + 3i + 3 II. ‫{ = ގ‬0. ‫ ޒ‬: conjunto dos números reais.. Se w = –––––––––––––––––––––––––– . c) apenas II e III. é (são) verdadeira(s): a) todas. U ≠ Ø. . AT : transposta da matriz A. b) apenas I e II. Se z ≠ 0 e w = –––––––––––– . . 1 a Seja z ∈ ‫ރ‬. }. I : matriz identidade n x n. — AB: segmento de reta unindo os pontos A e B. pois –– i 2 i z2 + 5 z w = ––––––––––––––––––––––––––––– – 2 + 2 i z + 3 | z | 2 + 2 |z| ⇔ 1 + 3z OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .b[ = {x ∈ ‫ . XC = U \ X..ޒ‬a < x < b}. para X ʚ U. A– 1: inversa da matriz inversível A. então 2arg z + –––– é um 12 4͙ළළ 3 + 4i argumento de w.2. Ø: conjunto vazio. então (1 + 2i)z 2͉z͉ + 3͙ළළ 2 ͉w͉ ≤ –––––––––––– .

z2] – arg (4 ͙ෆ = arg (1 + i) + 2 arg z – arg (4 ͙ෆ 3 + 4 i) = π π π = –––– + 2 arg z – –––– = 2 arg z + –––– 4 6 12 2 d π O valor de y2 – xz para o qual os números sen –––. z 2 –––––––––––––– 4 ͙ෆ 3+4i ] = 3 + 4 i) = = arg [(1 + i) . x. pois (1 + i) z 2 w = –––––––––––––– ⇒ 4 ͙ෆ 3+4i ⇒ arg w = arg [ (1 + i) . |z| 2 2 | z | + 3 ͙ෆ = ––––––––––––– ͙ෆ 5 . x. sen 75°) é PA ⇒ ⇒ sen 75° – z = z – y = y – x = x – sen 15° π OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . z –– ––––––––––– ⇔ w = ––––––––––––––––– –+3 – | 2 + 2 |z| . z. z. (z 2) + (5 . z e sen 75°. nesta ordem. pois 2iz+3i+3 w = –––––––––––––– ⇒ (1 + 2 i) z ⇒ |w| = 2iz+3i+3 ––––––––––––– (1 + 2 i) z |2 i z| + |3 i + 3| ≤ ––––––––––––––– = | 1 + 2 i | . visto que 1 + 3 z2 – 2 i z |z – | z | = |z| II) Verdadeira. z –– ⇔ w = –––––––––––––––––––––––––––––––– –––– –– – ––––– ––– – ⇔ – 2) + 2 1 + (3 z i .––––––––––––– – – i) (2 i z 2 + 5 z –– w = –––––––––––––––––––––––––––––––––– ⇔ –––––––––––––––––––––––––––– – 2 + 2 i z + 3 | z | 2 + 2 |z|) (1 + 3 z –– ––– –––– – –) – i 2 i . y. formam uma progressão aritmética. é: a) 3– 4 b) 2– 6 c) 6– 2 d) 2– 5 2 – ͙ළළ 3 e) –––––––– 4 Resolução 1) . z + 3 | z | 2 + 2 |z| –2 + 5 z + i –2i . sen 75° ) = (sen –––– 12 = (sen 15°. x. |z| III) Verdadeira. 12 y. y.

f(x) = ͙ළළළළළ 3x – 2 (92x + 1)1/(2x) – (32x + 5)1/x + 1.2) sen 75° = sen (45° + 30°) = = sen 45° . sen 45° . –––– . cos 45° = 1 ͙ෆ 2 ͙ෆ 3 ͙ෆ 2 ͙ෆ 6 – ͙ෆ 2 = –––– . cos 30° ⇒ ͙ෆ 2 ͙ෆ 3 ͙ෆ 6 ⇒ x + z = 2 . y 2 – xz = –––– – –––––––––– . cos 2 ΂ ΃ 75° – 15° ΂ ––––––––– ΃⇒ 2 ⇒ x + z = 2 . –––– – –– . –––– + –– . –––– ⇒ x + z = –––– 2 2 2 5) z – y = y – x ⇒ x + z = 2y ͙ෆ 6 ͙ෆ 6 Logo. 2y = –––– ⇒ y = –––– 2 4 6) y – x = x – sen 15° ⇒ 2x = y + sen 15° ⇒ ͙ෆ 6 6 – ͙ෆ 2 2 ͙ෆ ͙ෆ 6 – ͙ෆ 2 ⇒ 2x = –––– + –––––––– ⇒ x = –––––––––– 4 8 4 ͙ෆ 6 ͙ෆ 6 7) x + z = –––– ⇒ z = –––– – x ⇒ 2 2 ͙ෆ 6 2 ͙ෆ 6 + ͙ෆ 2 2 ͙ෆ 6 – ͙ෆ 2 ⇒ z = –––– – –––––––––– ⇒ z = –––––––––– 2 8 8 ͙ෆ 6 2 2 ͙ෆ 6 + ͙ෆ 2 6 – ͙ෆ 2 2 ͙ෆ Portanto. –––– = –––––––– 2 2 2 2 4 4) sen 75° – z = x – sen 15° ⇒ ⇒ sen 75° + sen 15° = x + z ⇒ 75° + 15° ⇒ x + z = 2 . –––– = –––––––– 2 2 2 2 4 3) sen 15° = sen (45° – 30°) = = sen 45° . sen ––––––––– .6–2 1 = ––– – –––––––– = ––– = 2–5 16 64 32 3 c Considere a função f: ‫{ \ ޚ‬0} → ‫ޒ‬. cos 30° + sen 30° . cos 30° – sen 30° . cos 45° = 1 ͙ෆ 2 ͙ෆ 3 ͙ෆ 2 ͙ෆ 6 + ͙ෆ 2 = –––– . –––––––––– = 4 8 8 ( ) 6 4. A soma de todos os valores de x para os quais a equação y2 + 2y + f(x) = 0 tem raiz dupla é: a) 0 b) 1 c) 2 d) 4 e) 6 OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .

f(x) = [f(x)]k+1 Dos itens (1) e (2) tem-se f(nx) = [f(x)] n . visto que f x –– ∈ ‫*ޒ‬. é (são) verdadeira(s): a) apenas I e II. ∀x ∈ ‫ޒ‬. f(y) ⇒ f(0 + 0) = f(0) . f(nx) = [f(x)]n. portanto: ∆ = 2 2 – 4 . f é par. II. pois. ∀n ∈ ‫*ގ‬. 1 f(x) = 0 ⇔ f(x) = 1 2) A função f: ‫{ \ ޚ‬0} → ‫ޒ‬. Resolução Observemos que f(a) ≠ 0. ∀n ∈ ‫*ގ‬. ∀x ∈ ‫ޒ‬.Resolução 1) A equação em y. e) nenhuma. ∀x ∈ ‫ޒ‬. f 2 x –– = 2 x –– 2 > 0. f(x) = [f(x)]k . tem raiz dupla e. definida por f(x) = ͙ෆෆෆ. III.3 4x + 2 –––––– 2x – (3 2x + 5 ) x 2x + 5 –––––– x 1 –– +1=1⇔ x–2 ––––– 2 x2 =3 ⇔ ⇔ 3 + 2x + 2 ––––––––––– 2x = 3 2x + 5 –––––– x ⇔ 2x + 5 x2 + 2x + 2 ⇔ –––––––––––– = ––––––– ⇔ x 2x ⇔ x 2 + 2x + 2 = 4x + 10 ⇔ ⇔ x 2 – 2x – 8 = 0 ⇔ x = 4 ou x = –2 4 a Considere uma função f : ‫ ޒ → ޒ‬não-constante e tal que f(x + y) = f(x) f(y). c) apenas I e III. de outra forma f(x) = f (x – a + a) = f(x – a) . ∀x. pois f(x) = f = f ) ( )( ) [ ( )] ( ) x x –– + –– = f 2 2 2 ( x –– . I) Verdadeira. b) apenas lI e llI. f(0) OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . 2 II) Verdadeira. III) Falsa 1) De f(x + y) = f(x) . 3 x–2 (9 2x + 1) 2x 1 ––– 1 ––– – (32x + 5) x 1 –– + 1 é tal que f(x) = 1. Demonstremos por indução finita: 1) Para n = 1 tem-se f(nx) = f(1x) = [f(x)]1 = [f(x)]n 2) Se. d) todas. tem-se f(kx) = [f(x)] k. Assim sendo. Logo: ͙ෆෆෆ. ∀a ∈ ‫ޒ‬. para n = k ∈ ‫ ގ‬. Das afirmações: I. contrariando a hipótese de f não ser constante. ∀x ∈ ‫ޒ‬. 0 = 0. f(x) > 0. então para n = k + 1 tem-se f((k + 1)x) = f(kx) . 3 x–2 ⇔3 (9 2x + 1) 2x . y 2 + 2y + f(x) = 0. f(a) = f(x – a) .y ∈ ‫ޒ‬.

nesta ordem. tem-se P – –– = 0 ⇒ 2 2 1 q 2 – ––– . …. …. pois 2n > 0 e. a2. an = 2qn –1 e P(x) = 2x + a2x2 + a3x3 + … + anxn = = 2x + 2qx2 + 2q2x3 + … + 2qn – 1 . então a2 = 2q. tem-se 2 n2 – q3 que o valor de ––––––– é igual a: q4 5 a) ––– 4 3 b) ––– 2 7 c) ––– 4 11 d) ––– 6 15 e) ––– 8 Resolução 1) Se 2. an formam. Sabendo 1 que – ––– é uma raiz de P e que P(2) = 5460. desta forma. n é obrigatoriamente par. …. a3 = 2q2. (–q)n = qn = 2 n ⇒ q = 2. a3. xn ⇒ 2x [(qx)n – 1] ⇒ P(x) = –––––––––––– qx – 1 1 1 2) Como – –– é raiz. 5 c Considere o polinômio P(x) = 2x + a2x2 + … + anxn. f(x) = 1 ⇒ f(–x) = ––– . contrariando a hipótese de ser “não constante”. 2)n – 1] 3) P(2) = 5460 ⇒ –––––––––––––––– = 5460 ⇒ q. f(x) 1 3) Se f fosse par. nesta ordem. 2 [(q . – ––– n – 1 2 2 ⇒ ––––––––––––––––––––––– = 0 ⇒ q – ––– – 1 2 q ⇒ – –– 2 ( ) ( ) ( ) [( ) ] n ( ) = 1 ⇒ (–q)n = 2n.2–1 OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . cujos coeficientes 2. a2. an formam. Se q > 0. uma progressão geométrica de razão q > 0.⇒ f(0) = 0 (não serve) ou f(0) = 1 1 2) f(0) = f(–x + x) = f(–x) . teríamos f(–x) = ––– = f(x) f(x) ⇒ f(x) = 1 ou f(x) = – 1. 2 . uma progressão geométrica de razão q > 0.

III. uma raiz de módulo menor que 1 e uma raiz de módulo maior que 1. Se n ∈ ‫ *ގ‬e r é uma raiz qualquer desta equação. Dividindo-se P(x) por (x + 1).4 [(2 . –––– a. tem-se que o valor de ––– é igual c a: a) – 6 b) – 4 Resolução c) 4 d) 7 e) 9 Ά P(x) ͉––––––– x–1 2 ͉ P(x) ͉––––––– x+1 3 ͉ P(x) ͉––––––– x–2 0 ͉ ⇒ ⇒ Ά Ά Ά P(1) = 2 P(– 1) = 3 P(2) = 0 ⇒ 1+a+b+c+1=2 –1+a+b–c+1=3 32 + 16a + 4b + 2c + 1 = 0 a+b+c=0 a+b–c=3 16a + 4b + 2c = – 33 a=–3 9 b = ––– 2 3 c = – ––– 2 ⇒ ⇒ ⇒ ⇒ Ά 9 (– 3) . 2)n – 1] ⇒ ––––––––––––– = 5460 ⇒ 4n = 4096 ⇒ n = 6 2.b 2 ⇒ ––––– = –––––––––––– = 9 c 3 – ––– 2 7 d Das afirmações abaixo sobre a equação z4 + z3 + z2 + z + 1 = 0 e suas soluções no plano complexo: I. obtém-se resto igual a 3. A equação possui pelo menos um par de raízes reais. OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . II. obtém-se resto igual a 2.2–1 n2 – q3 62 – 23 36 – 8 7 4) ––––––– = = ––––––– = ––– ––––––– 4 4 16 4 q 2 6 e Dividindo-se o polinômio P(x) = x5 + ax4 + bx2 + cx + 1 por (x – 1). A equação possui duas raízes de módulo 1. Sabendo que P(x) ab é divisível por (x – 2).

para 5 5 k = 0. 3) Como z5 – 1 = 0 ⇔ z5 = 1 = [cos 0 + i sen 0]. (I) e (II) são falsas e (III) é verdadei- 8 b Seja k ∈ ‫ ޒ‬tal que a equação 2x3 + 7x2 + 4x + k = 0 possua uma raiz dupla e inteira x1 e uma raiz x2. pois z5 – 1 = (z – 1) . c) apenas lI. (k + x1)x2 é igual a: a) – 6 b) – 3 c) 1 d) 2 e) 8 Resolução 1) Se x1 for raiz inteira e dupla da equação 2x3 + 7x2 + 4x + k = 0. (z4 + z3 + + z2 + z + 1). Então. Resolução 1) 1 não é raiz de z 4 + z 3 + z 2 + z + 1 = 0. Assim sendo. Desta forma. 3 e 4. portanto. distinta de x1. OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . 2) As raízes de z4 + z3 + z2 + z + 1 = 0 são também raízes de z5 – 1 = 0. 1. 2 é (são) verdadeira(s) : a) nenhuma. também. 2 ra. então | r | = | z | = 1 e ∑ k=1 n ( ( ( ( ) ) ) ) | | r ––– < 3 k k ∑ k=1 ∞ | | r ––– = 3 k ∑ k=1 ∞ ( ) |r| ––– = 3 k = ∑ k=1 ∞ ( ) 1 ––– 3 1 = ––– . z1 = cos 0 + i sen 0 = 1 (não serve) 2π 2π z2 = cos –––– + i sen –––– ∉ ‫ޒ‬ 5 5 4π 4π z3 = cos –––– + i sen –––– ∉ ‫ޒ‬ 5 5 6π 6π z4 = cos –––– + i sen –––– ∉ ‫ޒ‬ 5 5 8π 8π z5 = cos –––– + i sen –––– ∉ ‫ޒ‬ 5 5 5) Se r é uma raiz.então ∑ k=1 n r –– 3 k 1 < –– . b) apenas I. pois 14 + 13 + 12 + 1 + 1 ≠ 0. d) apenas III. |z| = 1. 2. da equação 6x2 + 14x + 4 = 0. [ ( ) ( )] 4) Os valores de z são. tem-se 2 kπ 2 kπ que z = cos –––– + i sen –––– . e) apenas I e III. então x1 será raiz.

72. (2 + 1) . Desses. b) ∈ S é 18! 18! 18! 18! ––––– + ––––– + ––––– + . a solução do problema é 96. 11 d Sejam A e P matrizes n x n inversíveis e B = P–1 AP. então x1 = –2 e. 18). (2 + 1) = 72. A 18! soma de todos os números da forma –––– . (1. 17). (18.. + ( ) 18 18 = 218 = 86 10 c O número de divisores de 17640 que. (1 + 1) . o número de divisores de 17640 que. –7 1 4) x1 + x1 + x2 = –2 – 2 + x2 = ––– ⇔ x2 = ––– 2 2 1 5) O valor de (k + x1) . 30 . 32 . que são em número de (3 + 1) . OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .2) 6x2 + 14x + 4 = 0 ⇔ 3x2 + 7x + 2 = 0 ⇔ –7 ± 5 ⇔ x = –1 ou x = –2 ⇔ x = –––––– ––– 6 3 3) Como x1 é inteira. (1 + 1) .. ∀(a. 51 . Das afirmações: I. Obs. –– = – 3 2 9 a Considere o conjunto S = {(a. não são divisíveis por 3 os divisores de 23 . BT é inversível e (BT)– 1 = (B– 1)T. x2 = (–4 – 2) . + ––––– = 0!18! 1!17! 2!16! 18!0! = ( )( )( ) + + 18 0 18 1 18 2 + . . 15) . (2 + 1) = 24. a!b! ∀(a. 51 .. são divisíveis por 3 é igual a 72 – 24 = 48 . 0)} 18! 2) A soma de todos os números da forma ––––– . por sua vez. b) ∈ ‫ ގ‬x ‫ގ‬: a + b= 18}. (3. por sua vez.. Portanto... b) ∈ ‫ ގ‬x ‫ ގ‬: a + b = 18} = = {(0. são divisíveis por 3 é: a) 24 b) 36 c) 48 d) 54 e) 72 Resolução O número de divisores naturais de 17640 = 23 . (2. 16). 72 é igual a n [D+ (17640)] = (3 + 1) . é: a!b! a) 86 b) 9! c) 96 d ) 6 12 e) 12! Resolução 1) S = {(a. b) ∈ S.: em ‫ޚ‬. portanto: –16 + 28 – 8 + k = 0 ⇔ k = –4.

tem-se 2 3 5 1 ΄ –1 3 –2 1 4 –1 1 3 –2 1 . { OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . III) Verdadeira. A . então B também o é.A.II. (B – λI)] ⇒ ⇒ det(A – λI) . (B –1)T = (B –1)T II) Falsa. det P = det P . Se A é simétrica. para os quais o sistema nas incógnitas x. é igual a: a) 2 b) 3 c) 4 d) 5 e) 6 Resolução No sistema –4x + y – 6z = cos 3a x + 2y – 5z = sen 2a 6x + 3y – 4z = – 2 cos a O sistema não é homogêneo e portanto. e) apenas lI e III.΄ ΅. det(A – λI) = det(B – λI). pois 1) det BT = det B = det(P–1 . P) = 1 = –––––– . c) apenas I e lI. det A . visto que A det P é inversível.΄ ΅=΄ ΅= ΅. ∀ λ ∈ ‫ޒ‬. det (B – λI) ⇒ ⇒ det(A – λI) = det(B – λI). pois det P ≠ 0 12 a O número de todos os valores de a ∈ [0. b) apenas I. tem-se: B = P –1 . IT = = (BT) –1 . det P = det A ≠ 0. P] = det[P . Nesse caso.P= 1 1 3 0 ΄ –1 ΄ –1 ΅. I = (BT) –1 . distintos. III. d) apenas I e III. P = P . 2) (BT) –1 = (BT) –1 . pois Se A = P –1 = = = ΄ 2 1 1 2 ΅ eP= ΄ ΅ eB=P 2 1 1 1 1 2 2 3 –1 1 1 2 3 ΅ .΄ ΅. Assim sendo. B)T = (BT) –1 . (B – λI) ⇒ ⇒ det[(A – λI) . BT . A . Resolução I) Verdadeiro. B é inversível. cos a ≠ 0. dado por –4x + y – 6z = cos 3a x + 2y – 5z = sen 2a 6x + 3y – 4z = –2 cos a. é(são) verdadeira(s): a) todas. y e z. (B –1 . 2π]. pois para qualquer λ ∈ ‫ޒ‬. { é possível e não-homogêneo. A é simétrica e B não o é. P ⇔ PB = AP ⇔ AP = PB ⇔ ⇔ AP – λP = PB – λP ⇔ (A – λI) . (B –1)T = = I .

cos (2x) –––––– –––––––––––––– 2 ] 2 . sen (4x) = 1 = – –– . –4 1 det(MI) = 1 2 6 3 de (MI) e q a característica de –6 –5 –4 | | =0 e sendo | 1 2 3 –4 1 1 2 | ≠ 0. (– 4cos2a + 5 + 4 sen a) = 0 ⇔ ⇔ cos a = 0 ou – 4cos2a + 5 + 4 sen a = 0 ⇔ ⇔ 4sen2a + 4 sen a + 1 = 0 (pois cos a ≠ 0) ⇔ 1 ⇔ sen a = – –– 2 Então: 1 sen a = – –– 7π ou a = –––– 11π 2 ⇒ a = ––– 6 6 0 ≤ a ≤ 2π 13 b Para todo x ∈ ‫ޒ‬. sen (4x) . teremos p = 2. Como o sistema é possível. c) 2– 4 [– sen(2x) – sen (3x) +sen(7x)]. [ cos (5x) – cos (3x)] . Resolução Para todo x ∈ ‫ޒ‬. temos: [cos (2x)]2 . sen x –––––– ––––––––––––– –2 ] . deve-se ter q = 2 e. d) 2– 4 [– sen x + 2 sen (5x) – sen (9x)]. sen x = 4 1 = –– . sen x = = [ 2 . [sen (2x)]2 . [ sen (4x)]2 . portanto: | { –4 1 6 cos 3a sen 2a –2 cos a | =0⇔ ⇔ –cos 3a + 2 sen 2a + 2 cos a = 0 ⇔ ⇔ – 4 cos3a + 3 cos a + 4 sen a . a expressão [cos(2x)]2[sen (2x)]2sen x é igual a: a) 2 – 4 [sen(2x) +sen (5x) +sen (7x)]. 4 [ – 2 . sen (2x) . sen x = 1 = –– .Seja p a característica (MC). sen (4x) = 8 OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . e) 2– 4(senx + 2sen(3x) + sen(5x)]. b) 2– 4 [2 sen x + sen (7x) – sen (9x )]. cos a + 2 cos a = 0 ⇔ ⇔ cos a .

e) da reta y = – x. Resolução π 3π Seja f: [– 1. Então. o lugar geométrico dos centros destas circunferências é parte: a) de uma elipse. [2 . distantes entre si de 4 cm. π]. sen (4x) . 2 2 ΄ ΅ temos que: a) f é não-crescente e ímpar. [sen (9x) – sen x – sen (7x) – sen x] = 16 1 = ––– . ––– . f(x) = arcsen x + arccos x. b) de uma parábola. d) de duas retas concorrentes. Com respeito à função π 3π f: [– 1. c) f é sobrejetora. sen (4x) 2 .1 2 . 15 c Considere a família de circunferências com centros no segundo quadrante e tangentes ao eixo Oy. cos (3x) = – –– . c) de uma hipérbole. b) f não é par nem ímpar. ––– e [0. ––– . sen x + sen (7x) – sen (9x)] = 16 = 2–4 . sen x + sen (7x) – sen (9x)] 14 e Considere os contradomínios das funções arco-seno e π π arco-cosseno como sendo – –––. 1] → – –––. temos α + β = ––– 2 π 4) f(x) = arc sen x + arc cos x = α + β = ––– e por2 tanto f é constante. Cada uma destas circunferências corta o eixo Ox em dois pontos. d) f é injetora. 2 2 ΄ ΅ f(x) = arc sen x + arc cos x π π 1) – ––– ≤ α ≤ ––– e arc sen x = α ⇒ sen α = x 2 2 2) 0 ≤ β ≤ π e arc cos x = β ⇔ cos β = x π 3) De (1) e (2). Resolução OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . cos (5x) . –––––– –––––––––– ––– – –––––– ––––––– –––––– = 8 2 2 [ ] 1 = – ––– . res2 2 ΄ ΅ pectivamente. 1] → – –––. [2 . e) f é constante.

16 b A área do polígono. resulta: AC2 = AM2 + CM2 ⇒ x2 = 22 + y2 ⇔ x2 – y2 = 4. representadas a seguir: OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .1º) A circunferência. é tal que AB = 4 e AM = 2 (pois M é o –– – ponto médio de AB). tem centro C (x. com x < 0 e y > 0. Dessa forma. é igual a: 5 10 a) ͙ළළ 6 b) ––– c) 2͙ළළ 2 d) 3 e) ––– 2 3 Resolução 3x2 + 2y2+ 5xy – 9x – 8y + 6 = 0 ⇔ ⇔ 3x2 + 2y2+ 3xy + 2xy – 3x – 6x – 2y – 6y + 6 = 0 ⇔ ⇔ 3x (x + y) + 2y (y + x) – (3x + 2y) – 6 (x + y – 1) = 0 ⇔ ⇔ (x + y) (3x + 2y) – (3x + 2y) – 6 (x + y – 1) = 0 ⇔ ⇔ (3x + 2y) (x + y – 1) – 6 (x + y – 1) = 0 ⇔ ⇔ (x + y – 1) (3x + 2y – 6) = 0 ⇔ ⇔ x + y – 1 = 0 ou 3x + 2y – 6 = 0. que são as equações de duas retas em ‫ޒ‬2. com x < 0 e y > 0 e raio r = CT = ͉x͉. y) ∈ ‫ޒ‬2 : 3x2 + 2y2 + 5xy – 9x – 8y + 6 = 0}. com o eixo x. 3º) Considerando o triângulo retângulo AMC. nas condições acima. com centro no 2º quadrante e tangente ao eixo y. situado no primeiro quadrante. o lugar geométrico dos centros das circunferências. que é delimitado pelos eixos coordenados e pelo conjunto {(x. resulta pontos da hipérbole de equação x2 – y2 = 4. y). com AM = 2. 2º) A corda determinada por essa circunferência. CM = y e AC = ͉x͉.

em cm2. 2. sobre as retas r e s. então. A área do triângulo equilátero PQR. 2 2 2 17 b Sejam r e s duas retas paralelas distando entre si 5 cm.A área do polígono ABCD pedido é igual à diferença entre as áreas dos triângulos OBC e OAD da figura. de cada lado do triângulo eqüilátero PQR e S a sua área. é igual.3 1.1 5 Resulta. em centímetros. a: 15 b) 7͙ළළ 3 c) 5͙ළළ 6 a) 3͙ළළළ 15 7 d) ––– ͙ළළ 3 e) ––– ͙ළළළ 15 2 2 Resolução Sendo l a medida. ––––– – ––––– = ––– . tem-se: 1º) QT = ͙ෆෆෆ l2 – 16 . em centímetros quadrados. distando 4 cm de r. cujos vértices Q e R estão. no retângulo RSTU da figura acima. SQ = ͙ෆෆෆ l2 – 25 e UR = ͙ෆෆ l 2 –1 2º) SQ + QT = UR Assim: ͙ෆෆෆ l2 – 25 + OBJETIVO ͙ෆෆෆ l2 – 16 = ͙ෆෆ l 2 –1 ⇔ ͙ෆෆෆ l2 – 25 = ͙ෆෆ l 2 –1 – ͙ෆෆෆ l2 – 16 ⇔ ⇔ I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Seja P um ponto na região interior a estas retas. respectivamente.

de acordo com o enunciado. 10 Sd = ––––– + ––––– + –––––––– = 97 2 2 2 — Considere o triângulo isósceles OAB. têm-se: 1º) (n – p – 2) 180° + (n – 2) 180° + (n + p – 2) 180° = 3780° ⇔ ⇔ n – p – 2 + n – 2 + n + p – 2 = 21 ⇔ 3n – 6 = 21 ⇔ ⇔ 3n = 27 ⇔ n = 9 2º) (n – p) . n e n + p os números naturais que expressam a quantidade de lados destes três polígonos e Sd o número total das diagonais nestes três polígonos. com lados OA e — — 2 R e lado AB de comprimento OB de comprimento ͙ළළ 2R. é igual a: 4π π a) ––– R3 b) π R3 c) –––– R3 2 3 d) ͙ළළ 2 πR3 Resolução OBJETIVO 19 c e) ͙ළළ 3 πR3 I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . O volume do sólido. Sabe-se que o produto destes três números é igual a 585 e que a soma de todos os ângulos internos dos três polígonos é igual a 3780°.2 9.6 13 . pois p ∈ ‫ގ‬ Os polígonos têm 5. n . 9 e 13 lados e portanto. O número total das diagonais nestes três polígonos é igual a: a) 63 b) 69 c) 90 d) 97 e) 106 Resolução Sendo n – p. ͙ෆ 3 Assim: S = ––––––– ⇔ 4 S = 7 ͙ෆ 3 18 d Considere três polígonos regulares tais que os números que expressam a quantidade de lados de cada um constituam uma progressão aritmética. obtido pela rotação deste triângulo em — torno da reta que passa por O e é paralela ao lado AB. (n + p) = 585 Assim: (9 – p) .⇔ 2 ͙ෆෆෆෆෆෆ l4 – 17l2 + 16 = l 2 + 8 ⇔ 3l 4 – 84l 2 = 0 ⇔ 84 ⇔ l 2 = ––– ⇔ l 2 = 28 3 l 2͙ෆ 3 3º) S = ––––––– 4 28 . 9 (9 + p) = 585 ⇔ 81 – p 2 = 65 ⇔ ⇔ p 2 = 16 ⇔ p = 4. o número total de diagonais é 5.

–– . x 2 . é igual a: 7 4͙ළළ ͙ළළළ 15 5͙ළළ 6 3 a) –––– b) –––– c) –––– d) ––– e) ͙ළළ 3 5 3 9 5 Resolução Seja d = OP. a distância. em cm. em que x é a distância ↔ entre o ponto O e a reta AB. R 2 ⇔ 3 4π V = ––– R 3 3 20 b Considere uma pirâmide regular de altura igual a 5 cm e cuja base é formada por um quadrado de área igual a 8 cm2. de cada face OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Assim: 1º) x2 + R2 = ( ͙ෆ 2 R) 2 ⇔ x 2 = R 2 4π 1 2º) V = π x2 2R – 2 . em centímetros. A distância de cada face desta pirâmide ao centro de sua base. e o volume de dois cones retos congruentes de altura R e raio da base x.O volume V deste sólido é dado pela diferença entre o volume de um cilindro circular reto de altura 2R e raio da base x. R ⇔ V = ––– R x 2 3 3 Logo: 4π V = ––– R . π .

∀ x) ⇒ (x ∈ B ⇒ x ∈ AC. Resolução 1) Para A ʝ B = Ø: (x ∈ B ⇒ x ∉ A. reunião. Interprete (ou identifique) este conjunto geometricamente e faça um esboço do mesmo. em que i é a unidade imaginária. prove que: I. ∀ x ⇔ ⇔ (x ∈ B e x ∉ AC). ∀ x ⇔ ⇔ (x ∈ A ʝ B). tem-se: (x + yi) + (x – yi) + 2 w = –––––––––––––––––––––––––––––––––––––– = ͙ෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆ ͙ෆෆෆෆෆෆෆ (x – 1) 2 + y 2 + ͙ෆෆෆෆෆෆෆ (x + 1) 2 + y 2 – 3 2 (x + 1) = –––––––––––––––––––––––––––––––––––––– ͙ෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆ ͙ෆෆෆෆෆෆෆ (x – 1) 2 + y 2 + ͙ෆෆෆෆෆෆෆ (x + 1) 2 + y 2 – 3 assim. OV = VM . para que w ∈ ‫ޒ‬. B \ AC = B ʝ A. Se A ʝ B = Ø. então B ʚ AC. 5 = 3 ͙ළළ 3 . B ʚ U. intersecção e complementar. ∀ x ⇔ ⇔ (x ∈ B e x ∈ A). Resolução Sendo x e y reais tais que z = x + yi. II. ∀ x ⇔ B \ AC = A ʝ B Resposta: Demonstrações 22 Determine o conjunto dos números complexos z para os quais o número z+– z+2 w = –––––––––––––––––––– ͙ළළළළළළළළළළළළළළළළළළළ ͉z – 1͉ + ͉z + 1͉ – 3 pertence ao conjunto dos números reais. Usando apenas as definições de igualdade. tem-se: 1º) (VM)2 = (OM)2 + (OV)2 ⇔ (VM)2 = (͙ළළ 2) 2 + 52 ⇔ ⇔ (VM)2 = 27 ⇔ VM = 3͙ළළ 3 2º) OM . deve-se ter: ͙ෆෆෆෆෆෆෆ (x – 1) 2 + y 2 + ͙ෆෆෆෆෆෆෆ (x + 1) 2 + y 2 – 3 > 0 ⇔ OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . ∀ x) ⇒ B ʚ AC 2) x ∈ B \ AC. d ⇔ d = –––––– ⇔ d = –––––– 9 3͙ළළ 3 21 Sejam U um conjunto não-vazio e A ʚ U. OP 5͙ළළ 2 5͙ළළ 6 Assim: ͙ළළ 2 . No triângulo retângulo OMV.lateral ao centro da base.

. A0.. que Aquiles precisa para percorrer as distâncias d1. determine sua soma e dê o significado desta soma. . Calcule os tempos t1. 23 Considere a seguinte situação baseada num dos paradoxos de Zenão de Eléia. com 0 < vT < vA. 1....... tem-se o esquema seguinte.. conforme a figura seguinte: Resposta: É o conjunto dos números complexos cujos afixos são os pontos externos à elipse representada acima. y).. . A2. 0) e F2 (– 1.⇔ ͙ෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆ (x – 1) 2 + (y – 0) 2 + ͙ෆෆෆෆෆෆෆෆෆෆ (x + 1) 2 + (y – 0) 2 > 3 ⇔ ⇔ PF1 + PF2 > 3. 0). para todo n ≥ 2.. A1. ... F1 (1. 2.. k = 1. respectivamente.. assim. 0). P2. 0) e F2 (–1. focos F1 (1. filósofo grego do século V A.. formam uma progressão geométrica infinita. Conclui-se. OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .. nos instantes t = 0.. t3. dn denota a distância entre a tarn–1 taruga e Aquiles no instante k=1 ∑t k da corrida.. é-lhe dada uma vantagem inicial.. Suponha que o atleta Aquiles e uma tartaruga apostam uma corrida em linha reta.. 2...... sendo que. de modo a começar a corrida no instante t = 0 a uma distância d1 > 0 na frente de Aquiles. que os pontos P(x. 3. representam as posições de Aquiles e P0. 0) e eixo maior de medida 3. d2.... Resolução Conforme o enunciado. Como a tartaruga é mais lenta. |––––––––––|––––––––––|––––––––––|–––––––––– A3 Nele. em que P(x. d3. d1 A0 t1 P0 A1 d2 t2 P1 A2 d3 t3 P2 . y) são todos os pontos do plano cartesiano exteriores à elipse de centro C(0. Verifique que os termos tk.. representam as posições da tartaruga. correndo com velocidades constantes vA e vT. respectivamente. P1. t2.C.

x 2 + b ≡ x 4 + (m + 2) . Sabendo que a divisão de P1(x) = x4 + ax2 + b por P2(x) = x2 + 2x + 4 é exata. (x 2 + m . tem-se dn = vT . tn – 1 e dn vT . tempo necesvB vA – vB sário para Aquiles alcançar a tartaruga. ∀z ∈ ‫{ \ ޒ‬0} ⇒ ⇒ f(–z) = f(z). infinita de primeiro termo ––– . ∀z ∈ ‫{ \ ޒ‬0} Resposta: Demonstração 25 Sejam a. x + 4) . vA vA d1 razão ––– e soma ––––––– . tn – 1 vT tn = ––– = –––––––– = ––– . determine o valor de a + b + c + d. e que a divisão de P3(x) = x3 + cx2 + dx – 3 por P4(x) = x2 – x + 2 tem resto igual a – 5. 24 Mostre que toda função f : ‫{ \ ޒ‬0} → ‫ޒ‬. vA vA A soma S dos termos da progressão é tal que d1 ––– ∞ d1 vA t1 S = ∑ tk = ––––– = –––––––– = ––––––– . satisfazendo f (xy) = f (x) + f (y) em todo seu domínio. deve-se ter quociente Q(x) = x 2 + m . x 3 + + (2m + 4 + n) x 2 + (4m + 2n) . ∀z ∈ ‫{ \ ޒ‬0} ⇒ f é par. tn – 1 vA vA vA Dessa forma. vA – vT vT 1–q k=1 1 – ––– vA Essa soma é o tempo necessário para Aquiles alcançar a tartaruga. a seqüência (tn) é uma progressão geod1 vT métrica de primeiro termo t1 = ––– e razão q = ––– . Resolução 1º) Na divisão de P1(x) por P2(x). x + n) ⇔ ⇔ x 4 + a . é par.Para n ≥ 2. x + n e resto R(x) ≡ 0. b. x + 4n Então: OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . d1 Resposta: É uma P. portanto: x 4 + a .G. x2 + b ≡ (x 2 + 2 . f(z2) = 2 f(z) = 2 f(–z). c e d constantes reais. Resolução ∀z ∈ ‫{ \ ޒ‬0}: 1) x = z e y = z ⇒ f(z2) = f(z) + f(z) ⇒ f(z2) = 2f(z) 2) x = – z e y = – z ⇒ f(z2) = f(– z) + f(– z) ⇒ ⇒ f(z2) = 2f(– z) Logo.

b. e os da quarta por d. multiplicando-se os elementos da primeira linha por a. Resolução Sendo D o valor do determinante da matriz dada. = abcd D ⇔ | ⇔D= | 1 1 1 1 a3 b3 c3 d3 | ⇔ ⇔ D = (b – a) (c – a) (d – a) (c – b) (d – b) (d – c) Resposta: (b – a) (c – a) (d – a) (c – b) (d – b) (d – c) 27 OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . os da segunda linha por b. x2 + d . tem-se: | 1 1 1 1 abcd abcd abcd abcd a b c d a2 b2 c2 d2 a3 b3 c3 d3 | ⇔ = abcd D ⇔ a b c d a2 b2 c2 d2 a3 b3 c3 d3 a b c d | a2 b2 c2 d2 abcd . deve-se ter quociente Q(x) = x + p e resto r = – 5. x – 3 ≡ (x2 – x + 2) . x2 + d . (x + p) + (–5) ⇔ ⇔ x3 + c . os da terceira por c. x2 + (2 – p) x + (2p – 5) Então p–1=c 2–p=d 2p – 5 = – 3 ⇒ p=1 c=0 d=1 Resposta: a + b + c + d = 21 26 Sejam a. Exprima o valor do determinante da matriz [ bcd acd abd abc 1 1 1 1 a2 b2 c2 d2 ] na forma de um produto de números reais.{ { m+2=0 2m + 4 + n = a 4m + 2n = 0 4n = b ⇒ { { a b c d m = –2 n=4 a=4 b = 16 2º) Na divisão de P3(x) por P4(x). c e d números reais não-nulos. portanto x3 + c . x – 3 ≡ x3 + + (p – 1) .

tg β = (͙ළළ 2 – 1)2 – ––– 2 ( ) tg α + tg β tg(α + β) = –––––––––––––– 1 – tg α . tg β · 2 ⇒ 2(͙ළළ 2 – 1) ⇒ tg(α + β) = ––––––––––––––––––––– = tg a ⇒ ex 2 1 – (͙ළළ 2 – 1)2 + ––– 2 ( ) 2 – 1) 2(͙ළළ ⇒ ––––––––––– = 2(͙ළළ 2 – 1) + tg a 2(͙ළළ 2 – 1)(1 – tg a) ⇒ –––––––––––––––––– = tg a ex ––– 2 ΂ ΃ ex ––– 2 ⇒ 2 ⇒ ΂ ΃ 2(͙ළළ 2 – 1)(1 – tg a) ⇒ –––––––––––––––––– > 0 ⇒ tg a π ⇒ 0 < tg a < 1 ⇒ 0 < a < ––– 4 π Resposta: 0 < a < ––– 4 28 OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . –– 2 2 quais a equação na variável real x. admite solução. + –– 2 2 Para a ∈ ] [ ΃ : ex ex 1) arc tg ͙ළළ 2 – 1 + ––– + arc tg ͙ළළ 2 – 1 – ––– = a ⇒ 2 2 144424443 144424443 α β ΂ ΂ ΃ ⇒ Ά α+β=a ex tg α = ͙ළළ 2 – 1 + ––– 2 ex tg β = ͙ළළ 2 – 1 – ––– 2 2) tg α + tg β = 2(͙ළළ 2 – 1) ex 2 tg α .π π Encontre todos os valores de a ∈ – –– . ] [ 2 para os arctg ( ͙ෆ 2 – 1+ ––– 2 ex ) + arctg ( ͙ෆ 2 – 1 – ––– ex ) = a. Resolução π π – –– .

Sejam E o ponto OBJETIVO . ––– 9 3 ( ) ( ) I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 29 Considere um quadrado ABCD. Logo: (36a2)2 – 4(20 + 9a2) 16a2 = 0 ⇔ ⇔ 720a4 – 1280a2 = 0 ⇔ 16 ⇔ 80a2 (9a2 – 16) = 0 ⇔ a2 = ––– . ––– 9 3 8 5 Resposta: P –––.5 ⇔ (20 + 9a2)x2 – 36a2x + 16a2 = 0 deve apresentar o seu discriminante (∆) igual a zero. pois a ≠ 0 9 Portanto. para se obter as coordenadas do ponto P. a equação: ––– + =1⇔ a2 4. Determine as coordenadas de P. Resolução Se a reta r de equação 3x + 2y – 6 = 0 tangencia a elipx2 y2 ––– se de equação ––– + = 1. ena2 5 tão o sistema formado por essas equações nas variáveis x e y tem uma única solução (x0. y0). finalmente. tem-se: P –––. x2 (6 – 3x)2 –––––––– Assim. num ponto P. basta resolver-se o sistema: 8 9x2 y2 x = ––– –––– + ––– = 1 9 16 5 ⇔ 5 y = ––– 3x + 2y = 6 3 { { 8 5 Assim. em que x0 é a abscissa de P e y0 a ordenada de P.x2 y2 Sabe-se que uma elipse de equação –– + –– = 1 a2 b2 tangencia internamente a circunferência de equação x2 + y2 = 5 e que a reta de equação 3x + 2y = 6 é tangente à elipse no ponto P.

Prove que cos α = cos 2 β . têm-se: 1º) (AE)2 = (AD)2 + (DE)2 ⇔ (AE)2 = l 2 + l ͙ෆ 5 ⇔ AE = –––––– 2 2 l AD 2º) cos β = ––– ⇔ cos β = –––––– ⇔ cos β = ––––– AE l ͙ෆ 5 ͙ෆ 5 ––––– 2 3º) cos 2 β = 2 cos2 β – 1 Assim: cos 2 β = 2 . Resolução –– –– –– –– –– –– –– –– –– –– Sendo l a medida de cada lado do quadrado ABCD e x a medida do segmento GB. tem-se: 1º) (AF) 2 = (AG) 2 + (GF)2 ⇔ (l + x) 2 = (l – x)2 + l 2 ⇔ l ⇔ 4l x = l 2 ⇔ x = –– 4 AG l –x 2º) cos α = ––– ⇔ cos α = ––––– ⇔ AF l+ x 3l l – –– l –– 3 4 ⇔ cos α = –– 4 ⇔ cos α = –––– ⇔ cos α = –––––– (I) 5l l +–– l 5 –– 4 4 No triângulo retângulo DAE. ( ) l –– 2 2 ⇔ ( ) 2 ––––– ͙ෆ 5 3 – 1 ⇔ cos 2 β = –– (II) 5 De (I) e (II) tem-se.médio do segmento CD e F um ponto sobre o segmento CE tal que m ( BC ) + m ( CF ) = m ( AF ). sendo os ângulos α = BÂF e β = EÂD. no triângulo retângulo GAF. final- 2 mente: cos α = cos 2 β I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 OBJETIVO .

Resposta: Demonstração 30 Quatro esferas de mesmo raio R > 0 são tangentes externamente duas a duas. H a altura do tetraedro regular T circunscrito a elas. a expressão do volume do tetraedro circunscrito às quatro esferas. de forma que seus centros formam um tetraedro regular com arestas de comprimento 2R. Determine. L a medida de cada aresta de T e V o volume do tetraedro T. têm-se: 6 2R ͙ෆ 1º) h = ––––––– 3 H h 2º) ––– = ––– + R ⇔ H = h + 4R 4 4 2R ͙ෆ 6 6 + 6) 2R (͙ෆ Assim: H = ––––––– + 4R ⇔ H = –––––––——— 3 3 L ͙ෆ 6 3º) H = ––––– 3 2R (͙ෆ 6 + 6) 6 L ͙ෆ Assim: ––––——––– = ––––– ⇔ L = 2R (1 + ͙ෆ 6) 3 3 L3 ͙ෆ 2 ––––– 12 [2R (1 + ͙ෆ 6)] 3 . Resolução Sendo h a altura do tetraedro regular t cujos vértices são os centros das quatro esferas. em função de R. ͙ෆ 2 = ––––——––––––––––– ⇔ 12 4º) V = 2 ͙ෆ 2 (1 + ͙ෆ 6) 3R3 Resposta: V = –––––––––––––––– 3 Comentário e Gráfico OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .

Com 16 questões de Álgebra. 5 de Geometria. de tal sorte que os candidatos mais bem preparados devem ter deixado os locais das provas totalmente extenuados e desanimados. OBJETIVO I T A ( 3 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . apresentando um número exacerbado de questões para serem resolvidas no tempo pré-estabelecido de quatro horas. 5 de Trigonometria e apenas 4 de Geometria Analítica. os examinadores propuseram uma prova extremamente difícil.

1 atm.31 J K–1 moI–1 = = 62. (aq) = aquoso.99 26.06 35.21 x 10–2 atm L K–1 moI–1 = 8.00 22. [A] = concentração da espécie química A em mol L1– e (ua) = unidades arbitrárias.98 28.10 40. Condições-padrão: 25°C.01 16.602 x 10–19 C Constante dos gases (R) = = 8.95 39.09 30. (1) = (l) = líquido.4 L (CNTP) Carga elementar = 1.98 cal mol–1 K–1 DEFINIÇÕES Condições normais de temperatura e pressão (CNTP): 0°C e 760 mmHg. Condições ambientes: 25°C e 1 atm.02 x 1023 mol–1 Constante de Faraday (F) = 9.QUÍMICA CONSTANTES Constante de Avogadro = 6.00 19.01 12.08 OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .45 39.65 x 104C mol–1 Volume molar de gás ideal = 22. concentração das soluções: 1 mol L–1 (rigorosamente: atividade unitária das espécies). sólido com estrutura cristalina mais estável nas condições de pressão e temperatura em questão. MASSAS MOLARES Elemento Químico H C N O F Na Al Si P S Cl Ar K Ca Número Atômico 1 6 7 8 9 11 13 14 15 16 17 18 19 20 Massa Molar (g mol–1) 1. (g) = gás.4 mmHg L K–1 mol–1 = 1.97 32. (CM) = circuito metálico.01 14. (s) ou (c) = sólido cristalino.

87 121. i d) K3[Fe(CN)6]. e) K4[Fe(CN)6].Elemento Químico Ti Cr Mn Fe Zn Br Ag Sb I Xe Ba Pt Hg Pb Número Atômico 22 24 25 26 30 35 47 51 53 54 56 78 80 82 Massa Molar (g mol–1) 47. marque a opção escolhida para cada questão na folha de leitura óptica e na reprodução da folha de leitura óptica (que se encontra na última página do caderno de soluções). Para respondê-Ias.59 207.37 79.86°C kg mol–1.00 54. 0. 1 b O abaixamento da temperatura de congelamento da água numa solução aquosa com concentração molal de soluto igual a 0.86°C .94 55. 0. mol –1 . Resolução O abaixamento da temperatura de congelamento da água é dado pela expressão: ∆tc = Kc .91 107.100 mol kg –1 .09 200.75 126. b) [Pt(NH3)4Cl2]Cl2.34 195. Sabe-se que a constante crioscópica da água é igual a 1. M l . c) [Na[Al(OH)4].21 As questões de 01 a 20 NÃO devem ser resolvidas no caderno de soluções.30 137. kg .88 52.55°C.100 mol kg–1 é 0.85 65. i i≅3 A fórmula molecular correta do soluto é → [Pt(NH ) Cl ] 2+ + 2Cl1– [Pt(NH3)4Cl2]Cl2 ← 34 2 H2O OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .90 131. Qual das opções abaixo contém a fórmula molecular CORRETA do soluto? a) [Ag(NH3)]Cl.55°C = 1.

OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . c) ciclobutano. Resolução H O [O] H3C — C — OH → H2O + H3C — C → H H etanol etanal O [O] → H3C — C OH ácido etanóico O 2-propanol (álcool secundário). d) propanona. produz um ácido carboxílico? a) 2-propanol. b) 2-metil-2-propanol. em excesso. produz cetona enquanto o 2-metil-2-propanol (álcool terciário). por oxidação. e) etanol. a propanona e o ciclobutano resistem aos agentes oxidantes não muito poderosos.QUÍMICA 2 e Qual das opções apresenta uma substância que ao reagir com um agente oxidante ([O]).

2 mmHg + 76.42.60 PC3H4Br2 = X C3H4Br2 . A 85°C.2 mmHg A pressão de vapor total da solução a esta temperatura será a soma das pressões de vapor dos componentes individuais. XC H Br 2 2 2 2 2 2 2 2 2 PC2H2Br2 = 173 mmHg .2 mmHg Cálculo da pressão de vapor do 2.40 PC2H2Br2 = 69.3dibromo propeno puros são.2-dibromoetileno na mistura 0 PC H Br = PC H Br .52.3-dibromo propeno (C3H4Br2).48.2 mmHg P = 145.QUÍMICA 3 d Uma solução líquida é constituída de 1.3-dibromo propeno na fase gasosa é igual a a) 0. iguais a 173 mmHg e 127 mmHg. Nessa temperatura as pressões de vapor saturantes do 1. c) 0. a concentração do 1.3-dibromopropeno XC2H2Br2 + XC3H4Br2 = 1 0.60 PC3H4Br2 = 76.60.4 mmHg Cálculo da concentração em mol/mol na fase gasosa do C3H4Br2 PC3H4Br2 = XC3H4Br2 . 0. b) 0. Admitindo que a solução tem comportamento ideal. XC3H4Br2 PC3H4Br2 = 127 mmHg . P = PC2H2Br2 + PC3H4Br2 P = 69.40. 0. Resolução Cálculo da pressão de vapor do 1. é CORRETO afirmar que a concentração (em moI/mol) de 2.40 + XC3H4Br2 = 1 XC3H4Br2 = 0. d) 0.40 (moI/mol). P OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 0 .2-dibromo etileno nesta solução é igual a 0.2-dibromo etileno e do 2.2-dibromo etileno (C2H2Br2) e 2. respectivamente. e) 0.

145.52.4 mmHg XC3H4Br2 = 0.76.2 mmHg = XC3H4Br2 . OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .

e) 9. b) 1. d) 3. NaN3(c). OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .QUÍMICA 4 e Uma mistura de azoteto de sódio. Resolução A equação incompleta e não-balanceada da reação é a seguinte: redução ∆ = 3 1+ 1/3– 3+ 2– 0 0 Na N3 (c) + Fe2 O3 (c) → N2 (g) + Fe (s) + outros produtos oxidação ∆ = 1/3 –1/3 0 NaN3 1/3 . nitrogênio gasoso e ferro metálico. Fe2O3(c). e de óxido de ferro (IlI). entre outras substâncias. c) 3/2. a relação (em mol/mol) N2 (g) / Fe2O3 (c) é igual a a) 1/2. 3 = 1 6 Fe2O3 3.2=6 1 6 NaN3 (c) + 1 Fe2O3 (c) → 9 N2 (g) + 2 Fe(s) + outros produtos relação (mol/mol) N2 (g) / Fe2O3 (c) = 9/1. submetida a uma centelha elétrica reage muito rapidamente produzindo. Na reação entre o azoteto de sódio e o óxido de ferro (IlI) misturados em proporções estequiométricas.

Volume da célula unitária = Z 3 – – Cálculo do volume molar da espécie ( V ): massa molar massa específica = –––––––––––– volume molar – – M –––– µ= – – V – – M – – V = –––– µ Cálculo do número de espécies na célula unitária: Número de Avogadro de espécies ↓ Nav X Volume molar da espécie ↓ – – M ––––––––––––––– –––– µ ––––––––––––––– Z3 (volume da célula unitária) OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . a massa específica por µ e a massa ––– molar por M. qual é a expressão algébrica que permite determinar o número de espécies que formam a célula unitária desta substância? Z3 µ a) –––– ––– . ––– M ––– Z3 c) –––– µ . Sendo Nav igual ao número de Avogadro. µ Resolução ––– Z3 M b) –––– µ . A aresta da célula unitária dessa substância é representada por Z.QUÍMICA 5 e Uma determinada substância cristaliza no sistema cúbico. Z3 µ Nav e) ––––––––– . M Z3 M Nav d) ––––––––– .

µ X = –––––––––––– – – M OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .Nav . Z 3 .

os valores energéticos também o serão. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . IV.6 e V.6 eV → H+(g) + e– 1ª energia (potencial) de ionização III. IV.6 e V. E Como os fenômenos são diferentes. b) apenas I e IlI.6) e V. Resolução Níveis de energia permitidos para o átomo de hidrogênio: pelo gráfico. IlI. c) apenas II e V.IV e V. A energia do estado fundamental da molécula de hidrogênio.6 e V. A energia do orbital no átomo de hidrogênio é igual a – 13. é igual a – (2 x 13. estão ERRADAS a) apenas I. H2(g). considere as seguintes afirmações: I. II e IlI. A energia necessária para excitar o elétron do átomo de hidrogênio do estado fundamental para o orbital 2s é menor do que 13. II. A afinidade eletrônica do átomo de hidrogênio é igual a – 13. verificamos que as afirmações I e II são certas: H(g) + 13. Errada. Das afirmações feitas.6 e V.QUÍMICA 6 d Sabendo que o estado fundamental do átomo de hidrogênio tem energia igual a – 13. Errada. d) apenas IlI e IV.6 e V. O potencial de ionização do átomo de hidrogênio é igual a 13. H(g) + e– → H–(g) + A . V. e) apenas IlI.

A energia do estado fundamental da molécula de H2(g) é menor que o estado fundamental dos átomos de H(g). V. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Certa. temos que: y < x. Verificando o gráfico das energias permitidas.

OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . e) C2H5Cl. isto é. c) C2Cl6. b) CHCl3. das interações entre as partículas do líquido. maior será o ponto de ebulição e menor será a pressão de vapor. devido ao tamanho da cadeia carbônica e da sua massa molecular: Cl Cl Cl — C — C — Cl Cl Cl Os demais compostos são apolares ou fracamente apolares e apresentam massa molecular menor que a do C2 Cl6. O composto C2 Cl6 apresenta uma interação elevada entre as moléculas.QUÍMICA 7 c Qual das substâncias abaixo apresenta o menor valor de pressão de vapor saturante na temperatura ambiente? a) CCl4. d) CH2Cl2. Quanto maior a força de Van der Waals entre as partículas. Resolução A pressão de vapor depende da natureza do líquido.

sp3. sp3 e dsp3. III e IV são respectivamente: a) sp2. e) sp. II. ICl3 e F4ClO– Os orbitais híbridos dos átomos assinalados por I. d2sp3 e sp3. bem como os respectivos átomos assinalados pelos algarismos romanos: I II III IV ↓ ↓ ↓ ↓ ONNO2. b) sp2. FClO2. sp3 e dsp3. dsp3. sp2. Resolução O ↑ I) ONNO2 ⇒ O = N — N = O N (Z=7) hibridação sp2 Hibridação do nitrogênio: sp2 O ↑ II) FClO2 ⇒ F — Cl → O •• OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . d) sp3. dsp3 e d2sp3. dsp3 e d2sp3. dsp3. sp2.QUÍMICA 8 a Considere as seguintes espécies químicas no estado gasoso. c) sp3.

hibridação sp3 Hibridação do cloro: sp3 •• •• | Cl III) ICl3 → Cl — I — Cl I(Z=53) hibridação dsp3 Hibridação do iodo: dsp3 OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .

IV) F4ClO– ⇒ Cl(Z=17) hibridação d2sp3 Hibridação do cloro: d2sp3 OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .

Resolução O diagrama de fases pode ser representado por: Como a temperatura de sublimação é igual a 195k a 1 atm. tem-se que o estado mais estável do CO2 é o sólido. Assinale a opção que contém a afirmação CORRETA sobre as propriedades do CO2. b) A temperatura do ponto triplo está acima de 298 K. o ponto triplo será maior que 1 atm. a temperatura de sublimação do CO2 é igual a 195 K. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . tem-se que o estado mais estável do CO2 é o líquido. Na pressão de 67 atm.QUÍMICA 9 a Na pressão de 1 atm. a) A pressão do ponto triplo está acima de 1 atm. a temperatura de ebulição é igual a 298 K. c) A uma temperatura acima de 298 K e na pressão de 67 atm. d) Na temperatura de 195 K e pressões menores do que 1 atm. tem-se que o estado mais estável do CO2 é o gasoso. e) Na temperatura de 298 K e pressões maiores do que 67 atm.

Assinale a opção que apresenta o par de soluções aquosas que ao serem misturadas formam uma solução tampão com pH próximo de 10. válidos para a temperatura de 25°C (K representa constante de equilíbrio químico).34 Anilina C6H5NH2(l) + H2O(l) ← 6 5 3 → CH COO–(aq) + H+(aq) Ácido CH3COOH(aq) ← 3 acético → NH+(aq) + OH–(aq) Amônia NH (g) + H O(l) ← 3 2 4 4.QUÍMICA 10 d Considere os equilíbrios químicos abaixo e seus respectivos valores de pK (pK = – log K). a) C6H5OH(aq) / C6H5NH2(aq). analisemos as situações: I) Máxima concentração do sal = 10 . Resolução Como desejamos preparar uma solução-tampão de pH próximo a 10. devemos misturar uma solução de uma substância básica e uma solução de um sal derivado dessa base.74 4. e) NaCH3COO(aq) / NH4Cl(aq) . misturam-se pares de soluções aquosas de mesma concentração.89 → C H NH (aq) + OH–(aq) 9. b) C6H5NH2(aq) / C6H5NH3Cl(aq). d) NH3(aq) / NH4Cl(aq). x OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . na razão de volume menor ou igual a 10. O pH dessa solução pode ser expresso por: [sal] pOH = pK + log ––––––– ou [base] [sal] pH = 14 – pK – log ––––––– (Equação de Henderson[base] Hasselback) [sal] 10 = 14 – pK – log ––––––– [base] [sal] log ––––––– = 4 – pK (equação 1) [base] Como faremos misturas das soluções.74 Na temperatura de 25 °C e numa razão de volumes ≤ 10. c) CH3COOH(aq) / NaCH3COO(aq). → H+(aq) + C H O–(aq) Fenol C6H5OH(aq) ← 6 5 + pK 9.

que poderia ser o NH4Cl(aq). por apresentar pK = 4.Mínima concentração da base = 1 .74. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . devemos usar amônia (substância básica). x [sal] 10x log ––––––– = log ––––– = + 1 [base] 1x II)Mínima concentração do sal = 1x Máxima concentração da base = 10x [sal] 1x log ––––––– = log ––––– = – 1 [base] 10x Logo: [sal] – 1 ≤ log ––––––– ≤ 1 [base] Substituindo na equação 1. temos: – 1 ≤ 4 – pK ≤ 1 ∴ – 5 ≤ – pK ≤ – 3 3 ≤ pK ≤ 5 Dentre as opções. A solução-tampão seria formada por NH3(aq) e um sal derivado dessa base.

693 —––– k (t1/2)I = 0.693 —––– kI kI (t1/2)II = —––– —––– kII (t1/2)I A variação de entalpia da reação é igual nos dois caminhos (∆HI = ∆HII). A reação pode ocorrer numa mesma temperatura por dois caminhos diferentes (I e II).693 —––– kII OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . [A] A relação entre a meia-vida (t1/2) e a constante de velocidade (k) é dada pela expressão: t1/2 = 0. respectivamente: vI = kI [A] vII = kII [A] A relação entre as velocidades será: kI vI = —– —– vII kII [B] . a) ∆HI < ∆HII. [A] vI kII e) ––– = ––– .QUÍMICA 11 b A decomposição química de um determinado gás A (g) é representada pela equação: A (g) → B (g) + C (g). [C] d) vII = kII ––––––– . [C] c) kI = ––––––– . k a constante de velocidade. é CORRETO afirmar que (t1/2)II kI b) ––– = –––––– . (t1/2)II = 0. vII kI Resolução As equações da velocidade são. kII (t1/2)I [B] . ambos com lei de velocidade de primeira ordem. ∆H a variação de entalpia da reação e t1/2 o tempo de meia-vida da espécie A. Sendo v a velocidade da reação.

na pressão ambiente. III e IV. pois o ar retido nos pequenos poros pode servir como um núcleo de bolha. a pressão de vapor da água não é aumentada. Resolução Um líquido pode em alguns casos ser aquecido até acima de seu ponto de ebulição sem ebulir. b) apenas I. Este fenômeno é conhecido como superaquecimento. devemos colocar pedaços de porcelana. II. o valor da variação de entalpia de vaporização da água é diminuído. d) apenas II e IV. Os poros da cerâmica são preenchidos com ar atmosférico. uma prática comum é adicionar pedaços de cerâmica porosa ao recipiente que contém a água a ser aquecida. a pressão de vapor da água e o valor da variação de entalpia de vaporização da água permanecem constantes. que é vagarosamente substituído por água antes e durante o aquecimento. Durante a ebulição. As seguintes afirmações estão erradas: I.QUÍMICA 12 b Para minimizar a possibilidade de ocorrência de superaquecimento da água durante o processo de aquecimento. reduzindo a tendência do líquido superaquecer-se. a temperatura de ebulição da água é aumentada. Para dar início à ebulição. III e IV. Das afirmações acima está(ão) ERRADA(S) a) apenas I e III. a temperatura de ebulição da água. Concluímos que a energia de ativação para o processo de formação de bolhas de vapor de água é diminuída. a energia de ativação para o processo de formação de bolhas de vapor de água é diminuída. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . III. e) todas. c) apenas II. IV. A respeito do papel desempenhado pelos pedaços de cerâmica porosa no processo de aquecimento da água são feitas as seguintes afirmações: I.

25°C) > metanol (l. –5 °C) > água pura (s. O alumínio tem maior calor específico que o óxido de alumínio (Al2O3). II. pois no estado líquido. mais calor é necessário para provocar um dado aumento na temperatura. isopor (s. Uma pequena quantidade de calor acarreta grande variação de temperatura. tetracloreto de carbono (l. 25 °C) > alumínio (s. III) Errada. d) apenas III e IV. Das comparações feitas. e) apenas IV. 25 °C). as moléculas estão livres para transladar-se. O calor específico de um sólido é menor que o de sua forma líquida. b) apenas I. vibrar. II e III. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . 25 °C). IV) Correta. liberando calor. I. III. rotacionar e vibrar. água pura (l. Resolução Quanto maior o calor específico. A água líquida a – 5°C está em um estado metaestável. É comum ingerir-se um líquido quente usando copos de isopor no lugar de copos de vidro. é mais difícil rotacionar e vibrar as moléculas. IV. c) apenas II. pois mais modos de armazenamento de energia ficam disponíveis à medida que aumenta o mínimo de átomos. pois moléculas têm mais modos de armazenar energia na forma de movimento vibracional. alumina (s. 25 °C). O calor específico aumenta com o aumento da complexidade molecular. No CCl4. –5 °C). 25 °C) > vidro de janela (s. Sólidos moleculares têm calor específico maior que a dos sólidos atômicos como metais. II) Errada. O calor será usado para rotacionar. além de translacionar as moléculas. O isopor apresenta poros cheios de gás. pois a água solidifica-se. I) Errada. está(ão) CORRETA(S) a) apenas I e II. A força intermolecular no metanol é mais fraca.QUÍMICA 13 e Considere as seguintes comparações de calores específicos dos respectivos pares das substâncias indicadas.

OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .

0 ∆E x = –––––––– = 6.0 mol s–1 . com relação à espécie A(g).7 ∴ VE = – ––– = – 6.0.7mol .0mol → x 5.0 . Resolução A etapa determinante da velocidade de reação global é dada pela etapa lenta. c) 6.0mol 5. e) 60. s–1. Esta reação ocorre em várias etapas.0 ∆t OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .8. Qual ∆t é a velocidade inicial da reação (mol s–1) em relação à espécie E? a) 3. 3. b) 5. sendo que a etapa mais lenta corresponde à reação representada pela seguinte equação química: A(g) + C(g) → D(g). d) 20.QUÍMICA 14 c Considere a reação representada pela equação química 3A(g) + 2B(g) → 4E(g).0mol → 4. A velocidade inicial desta última rea∆ [A] ção pode ser expressa por – ——— = 5. Então temos: 3A(g) + 2B(g) → 4E(g) 3. então a velocidade. 4. determina a velocidade de formação do produto E(g).7.

nesse caso. ácido é a espécie que recebe par de elétrons e base é a espécie que cede par de elétrons. b) NaNH2 + H2O ← 3 → NaHCO + NaOH. e) TiCl4 + 2H2O ← 2 Resolução Segundo Brönsted. c) Na2CO3 + H2O ← 3 → 2H PO . ácido é a espécie que cede prótons (H+) e base é a espécie que recebe prótons (H+). produzindo gás clorídrico (HCl).QUÍMICA 15 d Indique a opção que contém a equação química de uma reação ácido-base na qual a água se comporta como base. → NH OH a) NH3 + H2O ← 4 equação iônica H+ → NH + + OH– NH3 + H2O ← 4 base ácido → NH + NaOH b) NaNH2 + H2O ← 3 equação iônica H+ – → NH + OH– NH 2 + H2O ← 3 base ácido → NaHCO + NaOH c) Na2CO3 + H2O ← 3 equação iônica H+ 2– → HCO – + OH– CO3 + H2O ← 3 base ácido Segundo Lewis. d) P2O5 + 3H2O ← 3 4 → TiO + 4HCl. •• → 2H PO d) P2O5 + 3H2O ← 3 4 ácido base complexo coordenado ⇑ → TiO + 4HCl e) TiCl4 + 2H2O ← 2 O cloreto de titânio é um líquido que se hidrolisa facilmente. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . → NH OH. a) NH3 + H2O ← 4 → NH + NaOH. a água não atua como ácido.

mist. a pressão total no compartimento ቢ é PH = 1atm. Concluímos que vai ocorrer passagem de H2 do compartimento ቢ para o compartimento ባ. 2 2 2 e) Pcompartimento 2 = 2 atm. puro = Pmist. puro = 1 atm. temos: PH 2(puro) 2(puro) 2 2 = PH 2(mistura) OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . No início. ambos no estado gasoso. Resolução A pressão total no compartimento ባ é PH + PN = 1atm. o compartimento 1 contém hidrogênio puro (gasoso) na Pressão PH . puro = PN . com pressão total Pmist = (PH + PN ) = 1 atm. é CORRETO afirmar que: a) PH . 2 2 então a PH = 1atm – PN . maior que a pressão do H2 no compartimento ባ. logo. b) PH . 2 2 2 c) PH .QUÍMICA 16 d Dois compartimentos. ou seja. até que a pressão de H2 na mistura fique igual à pressão do H2 no compartimento ቢ. permeável apenas à passagem de hidrogênio. d) PH . 1 e 2. Inicialmente. têm volumes iguais e estão separados por uma membrana de paládio. puro = 0. enquanto que o comparti2 mento 2 contém uma mistura de hidrogênio e nitrogênio. puro = PH . mist. no equilíbrio termodinâmico. Após o equilíbrio termodi2 2 nâmico entre os dois compartimentos ter sido atingido.

No experimento 2. o pH da solução aumenta. o pH não se altera e a concentração de íons iodeto (I –) diminui. a concentração de íons manganês presentes no sólido diminui. o gás formado é o iodo (I2). Resolução Experimento 1 MnO2(s) + 4HCl(aq) → MnCl2(aq) + Cl2(g) + 2H2O(l) Experimento 2 Cl2(g) + 2KI(aq) → 2KCl(aq) + I2(g) No experimento 1. c) No Experimento 2. observando-se a liberação de um outro gás com coloração violeta (Experimento 2). a concentração de iodeto na solução diminui. Durante a reação química do sólido com o ácido observou-se a liberação de um gás (Experimento 1). d) No Experimento 2. adicionou-se um certo volume de ácido clorídrico concentrado até o desaparecimento completo do sólido. O gás liberado no Experimento 1 foi borbulhado em uma solução aquosa ácida de iodeto de potássio. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . o gás formado é o cloro (Cl2). a) No Experimento 1.QUÍMICA 17 d A uma determinada quantidade de dióxido de manganês sólido. ocorre formação de H2(g). Assinale a opção que contém a afirmação CORRETA relativa às observações realizadas nos experimentos acima descritos. b) No Experimento 1. ocorre formação de O2(g). e) Durante a realização do Experimento 1.

respectivamente? Resolução • Situação inicial solução I: ácido forte. quantidades iguais (em moI) e desconhecidas de um ácido forte. baixa concentração de íons. alta concentração de íons. logo. K ≅ 10–10 (K = constante de dissociação do ácido). • Adição de solução de NaOH até neutralização solução I: 1H+(aq) + NaOH(aq) → 1Na+(aq) + H2O a quantidade de íons na solução não varia. alta condutância elétrica. essas soluções são tituladas com uma solução aquosa 0.) com o volume de NaOH (VNaOH) adicionado às soluções I e lI. e de um ácido fraco. a condutância elétrica diminui. o volume aumenta.1 moI L–1 de NaOH. K >> 1. baixa condutância elétrica. logo. Na temperatura constante de 25°C. A titulação é acompanhada pela medição das respectivas condutâncias elétricas das soluções resultantes.QUÍMICA 18 c Duas soluções aquosas (I e lI) contêm. Qual das opções abaixo contém a figura com o par de curvas que melhor representa a variação da condutância elétrica (Cond. solução II: ácido fraco. a concentração de íons diminui. solução II: → H+(aq) + X–(aq) HX(aq) ← ácido I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 OBJETIVO . respectivamente. logo.

logo. solução II Como a concentração de íons na solução de NaOH é maior que a concentração de íons na solução neutralizada. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . a concentração de íons aumenta. logo. aumento na condutância elétrica.fraco o equilíbrio de ionização do ácido fraco é deslocado para a direita pela adição de íons (OH)–. • Adição de NaOH após a neutralização total solução I: Como a concentração de íons na solução inicial é maior que a concentração da solução neutralizada. logo. aumenta a condutância elétrica. a adição de NaOH implicará o aumento da concentração. aumento na condutância elétrica. a partir daí a adição de NaOH implicará o aumento da concentração. pois H+(aq) reage com OH–(aq) H+(aq) + OH–(aq) → H2O A equação total será igual a: HX + NaOH → 1Na+(aq) + 1X–(aq) + H2O a quantidade de íons aumenta.

b) apenas I e IV. é realizada a combustão completa de carbono (grafita). III. As afirmações corretas são II e IV. Resolução A equação química da combustão completa da grafita é: C(s) + O2(g) → CO2(g) 1 mol 1 mol A relação entre energia interna (∆U). d) apenas II e IV. está(ão) CORRETA(S) a) apenas I. A variação da energia interna do sistema é igual a zero. IV. A temperatura no interior do cilindro é mantida constante desde a introdução dos reagentes até o final da reação. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .QUÍMICA 19 d Num cilindro. Destas afirmações. O trabalho realizado pelo sistema é igual a zero. provido de um pistão móvel sem atrito. Considere as seguintes afirmações: I. II. c) apenas I. ∆U = ∆H. e) apenas III e IV. variação de entalpia (∆H) e o trabalho é: ∆U = ∆H – τ τ = 0. A quantidade de calor trocada entre o sistema e a vizinhança é igual a zero. pois ∆n = 0 (τ = ∆n RT) Portanto. II e III. A variação da entalpia do sistema é igual à variação da energia interna.

Enquanto o valor da corrente elétrica for diferente de zero.118 log (3/2). Enquanto corrente elétrica fluir pelo circuito. Resolução No semi-elemento A.3 moI L–1 em Fe3+. II e IV. M é um condutor metálico (platina). V. pois apresenta maior concentração em mol/L. IV. a diferença de potencial entre os dois semi-elementos será maior do que 0. d) apenas IV e V. a relação entre as concentrações [Fe3+(aq)] / [Fe2+(aq)] permanece constante nos dois semi-elementos. pois apresenta maior concentração em mol/L. Quando a corrente elétrica for igual a zero. Fe3+ + e– → Fe2+ O fluxo de elétrons vai do semi-elemento A para o OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . teremos a redução de Fe3+. II e III. III.3 moI L–1 em Fe2+ e 0. a relação de concentrações [Fe3+(aq)] / [Fe2+(aq)] tem o mesmo valor tanto no semi-elemento A como no semi-elemento B. teremos a oxidação de Fe2+. Fe2+ → Fe3+ + e– No semi-elemento B.3 mol L–1. A partir do instante em que a chave “S” é fechada. Quando a corrente elétrica for igual a zero. isenta de oxigênio. II. A temperatura do elemento galvânico é mantida constante num valor igual a 25°C.QUÍMICA 20 a Considere o elementogalvânico mostrado na figura abaixo. O sentido convencional de corrente elétrica ocorre do semi-elemento B para o semi-elemento A.2 moI L–1 em Fe3+. estão CORRETAS a) apenas I. e) todas. b) apenas I.2 moI L–1 em Fe2+ e 0. considere as seguintes afirmações: I. também isenta de oxigênio. c) apenas III e V. O semi-elemento B contém uma solução aquosa. a concentração de Fe2+ (aq) no semi-elemento A será menor do que 0. Das afirmações feitas. 0. 0. O semi-elemento A contém uma solução aquosa.

semi-elemento B, portanto, o sentido convencional de corrente elétrica ocorre do semi-elemento B para o semi-elemento A. Quando a corrente elétrica for igual a zero, os valores dos potenciais serão iguais, portanto, a relação entre [Fe3+] as concentrações –––––– tem o mesmo valor tanto no [Fe2+] semi-elemento A como no semi-elemento B. Quando a corrente elétrica for igual a zero, a concentração de Fe2+ no semi-elemento A será menor que 0,3 mol/L, pois o Fe2+ está sofrendo oxidação. Enquanto a corrente elétrica fluir pelo circuito, a rela[Fe3+] ção entre as concentrações –––––– vai variando. [Fe2+] Aplicando a equação de Nernst, temos 0,592 [Fe3+] ∆E = ∆E0 – –––––– log –––––– n [Fe2+] Para a corrente elétrica ser diferente de zero, ∆E > 0 3 ∆E0 > 0,592 log ––– 2 São corretas as afirmações I, II e III.
As questões dissertativas, numeradas de 21 a 30, devem ser respondidas no caderno de soluções.

OBJETIVO

I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2

QUÍMICA
21
Quando submersos em “águas profundas”, os mergulhadores necessitam voltar lentamente à superfície para evitar a formação de bolhas de gás no sangue. i) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se de regiões próximas à superfície para as regiões de “águas profundas”. ii) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se muito lentamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície. iii) Explique o motivo da FORMAÇÃO de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se muito rapidamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície. Resolução i) O motivo de não formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador se desloca de regiões próximas à superfície para as regiões de “água profundas” é o aumento da solubilidade do gás no sangue devido ao aumento da pressão. ii) O motivo da não formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador se desloca muito lentamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície é o fato da variação de pressão ser lenta, e portanto a liberação de gás ser pequena. iii) O motivo da formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador se desloca muito rapidamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície é a repentina variação de pressão, diminuindo a solubilidade do gás no sangue. A liberação do gás é intensa, com formação de bolhas

OBJETIVO

I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2

QUÍMICA
22
Descreva um processo que possa ser utilizado na preparação de álcool etílico absoluto, 99,5% (m/m), a partir de álcool etílico comercial, 95,6% (m/m). Sua descrição deve conter: i) A justificativa para o fato da concentração de álcool etílico comercial ser 95,6% (m/m). ii) O esquema da aparelhagem utilizada e a função de cada um dos componentes desta aparelhagem. iii) Os reagentes utilizados na obtenção do álcool etílico absoluto. iv) As equações químicas balanceadas para as reações químicas envolvidas na preparação do álcool etílico absoluto. v) Seqüência das etapas envolvidas no processo de obtenção do álcool etílico absoluto. Resolução O álcool obtido a partir da destilação não é puro, pois forma com a água uma mistura azeotrópica contendo 95,6% em massa de álcool e 4,4% de água, que ferve a uma temperatura constante e inferior ao ponto de ebulição do álcool, e esse álcool é o comercializado. Para se obter o álcool absoluto (99,5% em massa de álcool), devemos retirar água do sistema usando uma substância desidratante. Podemos adicionar cal virgem (CaO) ao álcool comercial, a qual reage com a água, formando cal hidratada (Ca(OH)2). CaO + H2O → Ca(OH)2 Podemos fazer agora uma destilação simples e obter o álcool absoluto.

OBJETIVO

I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2

QUÍMICA
23
Determine a massa específica do ar úmido, a 25°C e pressão de 1 atm, quando a umidade relativa do ar for igual a 60%. Nessa temperatura, a pressão de vapor saturante da água é igual a 23,8 mmHg. Assuma que o ar seco é constituído por N2(g) e O2(g) e que as concentrações dessas espécies no ar seco são iguais a 79 e 21% (v/v), respectivamente. Resolução Cálculo da pressão parcial da água no ar úmido. pH O 2 UR = –––––– pv

pH O 2 0,60 = ––––––––– –– 23,8 mmHg pH
2O

= 14,3 mmHg

Cálculo da pressão da mistura N2 + O2 760,0 mmHg – 14,3 mmHg = 745,7 mmHg Cálculo da fração em mol de N2 760 mmHg –––––––– 0,79 745,7 mmHg –––––– x x = 0,77 Cálculo da fração em mol de O2 760 mmHg ––––––– 0,21 745,7 mmHg ––––– –y y = 0,21 Cálculo da fração em mol de H2O xH O + 0,77 + 0,21 = 1,00 2 xH O = 0,02
2

Cálculo da massa aparente do ar úmido M = xN MN + xO MO + xH O MH O
2 2 2 2 2 2

M = (0,77 . 28,02 + 0,21 . 32,00 + 0,02 . 18,02) g/mol M = 28,66 g/mol Cálculo da massa específica do ar úmido PM d = ––––––––– –– RT

OBJETIVO

I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2

760 mmHg . 298K K .17 g/L OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . 28. L 62.66 g/mol d = –––––––––––––––––––––––– –– mmHg . mol d = 1.4 ––––––––– .

verifica-se que inicialmente o aumento da temperatura provoca um aumento significativo na velocidade da reação catalisada por enzima. Resolução A temperatura aumenta a velocidade de qualquer reação. para cada uma das Figuras.QUÍMICA 24 A figura abaixo apresenta esboços de curvas representativas da dependência da velocidade de reações químicas com a temperatura. a enzima é desnaturada e ocorre uma diminuição significativa da velocidade da reação. Na Figura A é mostrado como a velocidade de uma reação de combustão de explosivos depende da temperatura. mesmo com o aumento da temperatura. Na Figura B é mostrado como a velocidade de uma reação catalisada por enzimas depende da temperatura. Na figura B. verifica-se que inicialmente o aumento da temperatura não aumenta consideravelmente a velocidade da reação até uma determinada temperatura. Justifique. Na figura A. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . A partir de uma determinada temperatura. na qual ocorre uma aumento significativo da velocidade (explosão). o efeito da temperatura sobre a velocidade das respectivas reações químicas.

OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 .

QUÍMICA 25 A corrosão da ferragem de estruturas de concreto ocorre devido à penetração de água através da estrutura. ilustra esquematicamente a célula de corrosão formada. que dissolve cloretos e/ou sais provenientes da atmosfera ou da própria decomposição do concreto. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . A Figura A. A Figura B. faça uma cópia desta figura. ilustra um dos métodos utilizados para a proteção da ferragem metálica contra corrosão. No caderno de soluções. faça uma cópia desta figura no espaço correspondente à resposta a esta questão. abaixo. Essa solução eletrolítica em contacto com a ferragem forma uma célula de corrosão. No caderno de soluções. Nesta cópia I) identifique os componentes da célula de corrosão que funcionam como ânodo e cátodo durante o processo de corrosão e II) escreva as meia-reações balanceadas para as reações anódicas e catódicas. Nesta cópia I) identifique os componentes da célula eletrolítica que funcionam como ânodo e cátodo durante o processo de proteção contra corrosão e II) escreva as meia-reações balanceadas para as reações anódicas e catódicas. no espaço correspondente à resposta a esta questão. abaixo.

Sugira um método alternativo para proteção da ferragem de estruturas de concreto contra corrosão. ocorre o impedimento do processo anódico. Resolução A corrosão do ferro ocorre segundo as reações: Ânodo: 2Fe(s) → 2F2+(aq) + 4e– semi-equação de oxidação Cátodo: O2(g)+2H2O(l)+ 4e– → 4(OH)–(aq) semi-equação de redução –––––––––––––––––––––––––––– 2Fe(s)+O2(g)+2H2O(l)→ 2Fe(OH)2(s) equação global As baterias fornecem elétrons para o ferro (cátodo) que assim é preservado da oxidação e. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . com isso.

A superfície do ferro é oxidada por um sal de cromo (IV) para formar os óxidos de ferro (III) e cromo (III). O melhor exemplo é usar o zinco ou magnésio.O cátodo é o ferro. Reações: Ânodo: Zn0(s) → Zn2+(aq) + 2e– Cátodo: 4e– + O2(g) + 2H2O(l) → 4(OH)–(aq) OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . que se oxida com maior facilidade do que o ferro. e o ânodo é o ânodo das baterias. 2Fe(s) + 2Na2CrO4(aq) + 2H2O(l) → → Fe2O3(s) + Cr2O3(s) + 4NaOH(aq) b) Proteção catódica Acopla-se um metal ao ferro. no qual ocorre redução. e a oxidação atmosférica torna-se impossível. Cátodo: Fe2+(aq) + 2e– → Fe0(s) Ânodo: X0(s) → 2e– + X2+(aq) (bateria) Métodos alternativos: a) Revestir o metal com uma camada de tinta ou de óxido protetor. Estes óxidos constituem um revestimento impermeável ao O2 e à água.

a) XeOF4 b) XeOF2 c) XeO4 d) XeF4 Resolução Se considerarmos que as ligações de oxigênio com xenônio são do tipo covalente coordenada (dativa).QUÍMICA 26 Escreva a estrutura de Lewis para cada uma das moléculas abaixo. •• •F •• •• • •• O Xe •• •• •• F• • •• •• •• Fórmula de Lewis OBJETIVO •• b) •• •• •• a) I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . a ligação entre Xe e O é dupla e a hibridação é d3sp3. prevendo a geometria molecular (incluindo os ângulos de ligação) e os orbitais híbridos no átomo central. teremos: •• • • • O •• F • • • • • F• • • • Xe •• •• •• •• F• F• • • •• •• •• •• •• Fórmula de Lewis Geometria: pirâmide quadrada Ângulo entre as ligações: 90° hibridação: d2sp3 Nota: Para um estudo mais aprofundado.

a ligação entre Xe e O é dupla.Geometria: plana triangular Ângulo entre as ligações: 120° hibridação: dsp3 Nota: Para um estudo mais aprofundado. O •• O Xe O •• •• •• •• •• •• •• •• •• •• •• c) •• •• •• •• O Fórmula de Lewis Geometria: tetraédrica Ângulo entre as ligações: 109°28’ hibridação: sp3 OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . e a hibridação é d2sp3.

•• •• F• • • • • F • • • Xe • • • •• • • • F• F • • • •• •• •• •• d) Fórmula de Lewis Geometria: quadrado planar Ângulo entre as ligações: 90° hibridação: d2sp3 OBJETIVO •• •• I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . há quatro ligações duplas e a hibridação seria d4sp3 (existe controvérsia).Nota: Para um estudo mais aprofundado.

QUÍMICA 27 Explique por que a temperatura de hidrogenação de cicloalcanos. Isso cria uma tensão nas valências e uma conseqüente instabilidade na molécula. No entanto. OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . para formar o anel do ciclopropano. pois a estabilidade da cadeia cíclica está aumentando. O ângulo normal dos carbonos com ligações simples é de 109°28’. aumenta com o aumento da quantidade de átomos de carbono presentes nos cicloalcanos. as valências devem ser entortadas ou flexionadas até o ângulo de 60°. catalisada por níquel metálico. por exemplo. Resolução A temperatura de hidrogenação de cicloalcanos aumenta com o aumento da quantidade de átomos de carbono na cadeia.

3 x 1.7 .3 Idade da rocha: 3. xP 89.3 0.3g de K → ––––––– g de K 2x xP 10.7 – –––– 2x ––––––––––––––––– = 0. 40 19 40 19 K → K + 40 20 0 –1 Ca + 0 –1 40 18 e Ar e → O processo representado pela equação I é responsável 40 por 89. enquanto que o representado pela equação II contribui com os 10. 2x – 10.7 (2 x – 1) = 95 2 x = 9.3 89. produzindo Ca.7 10. II.7 10.3g desintegram-se.27 x 109 anos.7 ––––––––––––––––– = 0.7 10.95. Seu de- caimento envolve os dois processos representados pelas equações seguintes: I.88 x log 2 = log 9. Sabe-se.7g produzem Ar. e 10. Resolução Para 100g de K.7 – ––––– g de Ar 2x ) 10.7g de K → ––––––– g de K e 2x ( 10.3 10. também.7% restantes. cuja razão em massa 40 40 Ar / 19 K é igual a 0.27 x 10 9 anos = 4. que a razão em 40 40 massa de 18 Ar e 19 K pode ser utilizada para a datação de materiais geológicos.2 x 10 9 anos OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . 89. Determine a idade de uma rocha.QUÍMICA 28 O tempo de meia-vida (t1/2)do decaimento radioativo do potássio 40 40 ( 19 K) é igual a 1.95 89.7 ––––– + ––––– 2x 2x 10. Mostre os cálculos e raciode 18 cínios utilizados.3% do decaimento radioativo do 19 K .88 ≅ 1 1 x = –––– = 3.95 100 10.

Ba2+ e Cr3+ eram espécies constituintes de um sólido de origem desconhecida e solúvel em água. o que se pode concluir após as observações realizadas no i) Experimento B? ii) Experimento C? iii) Experimento D? Sua resposta deve incluir equações químicas balanceadas para as reações químicas observadas e mostrar os raciocínios utilizados. Sb2+. Ag+(aq) + Cl–(aq) → AgCl(s) ↓ ppt –(s) ↓ Pb2+(aq) + 2Cl–(aq) → PbCl 2 ppt Esses íons reagem com Cl–(aq). podemos concluir que esse sólido não é composto por cátions Ag+ nem por cátions Pb2+. Qual(ais) dentre os cátions Ag+. Ba2+ e Cr3+. a) Uma porção do sólido foi dissolvida em água. c) Sulfeto de hidrogênio gasoso. Pb2+. solução aquosa concentrada em hidróxido de amônio. Pb2+. podemos concluir que os possíveis cátions presentes no sólido são o I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 OBJETIVO . Sb2+. d) A uma segunda alíquota de X foi adicionada.QUÍMICA 29 Os seguintes experimentos foram realizados para determinar se os cátions Ag+. obtendo-se uma solução aquosa chamada de X. à solução X. Pb2+. não sendo observada nenhuma alteração visível nessa mistura. Como nada foi observado. foi observada a turvação da mistura e posterior desaparecimento dessa turvação por adição de mais gotas da solução de hidróxido de amônio. Sb2+. até saturação. ii) Experimento C: adição de sulfeto de hidrogênio gasoso. Como nada foi observado. gota a gota. b) A uma alíquota de X foram adicionadas algumas gotas de solução aquosa concentrada em ácido clorídrico. formando substâncias insolúveis. não sendo observada nenhuma alteração visível na solução. Ba2+ e Cr3+ está(ão) presente(s) no sólido? Resolução i) Experimento B: adição de solução de ácido clorídrico concentrado à solução X. foi borbulhado na mistura resultante do Experimento B. A respeito da presença ou ausência dos cátions Ag+. Inicialmente. em quantidade suficiente para garantir a saturação da mistura.

Ba2+ e o Cr3+. iii) Experimento D: adição gota a gota de solução concentrada de hidróxido de amônio à solução X. 2Ag+(aq) + S2–(aq) → Ag2S(s) ↓ ppt Pb2+(aq) + S2–(aq) → PbS(s) ↓ ppt Sb2+(aq) + S2–(aq) → SbS(s) ↓ ppt Nota: O antinômio forma os íons Sb3+ e Sb5+. podemos concluir que o único íon presente no sólido é o Cr3+. Como foi observada turvação da mistura e posterior desaparecimento. pois todos os outros formariam precipitado com íons sulfeto. Reações que ocorrem: I) Precipitação + (aq) Cr3+(aq) + 3NH4OH → Cr(OH)3↓ + 3NH4 ppt II) Complexação Cr(OH)3 + 6NH3(aq) → Cr(NH3)6(OH)3(aq) OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Concluímos que na solução podem existir íons Ba2+ e ou Cr3+. uma vez que hidróxido de bário é solúvel.

IB. também separados por uma membrana porosa: lIA. IIA e IIB e V) as meia-reações eletroquímicas balanceadas para cada um dos eletrodos. Chapa de prata metálica. chamado de I. As conexões são feitas através de fios de cobre. é constituído pelos dois seguintes eletrodos.QUÍMICA 30 Um elemento galvânico. Chapa de zinco metálico. praticamente puro. praticamente pura. praticamente puro. A respeito desta montagem I) faça um desenho esquemático dos elementos galvânicos I e II ligados em série. chamado de II. mergulhada em uma solução 1 moI L–1 de sulfato de zinco. pois apresenta maior diferença de potencial (Ag/Zn) que o elemento II (Cu/Zn) (elemento passivo). IV) a polaridade de cada um dos eletrodos: IA. Neste desenho indique: II) quem é o elemento ativo (aquele que fornece energia elétrica) e quem é o elemento passivo (aquele que recebe energia elétrica). enquanto o eletrodo IB é conectado ao IIB. é constituído pelos dois eletrodos seguintes. IIB. praticamente puro. mergulhada em uma solução 1 moI L–1 de sulfato de zinco. Os elementos galvânicos I e II são ligados em série de tal forma que o eletrodo IA é conectado ao lIA. mergulhada em uma solução 1 mol L–1 de nitrato de prata. separados por uma membrana porosa: IA. IB. mergulhada em uma solução 1 moI L–1 de sulfato de cobre. Chapa de zinco metálico. Um outro elemento galvânico. Chapa de cobre metálico. iii) fluxo de elétrons OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . Resolução i) ii) elemento ativo (fornece energia elétrica) (I). III) o sentido do fluxo de elétrons.

Cu(IIA) → Ag(IA) Zn(IB) → Zn (IIB) iV) IA → positivo ᮍ. IB → positivo ᮍ OBJETIVO I T A ( 4 º D i a ) – D e z e m b r o /2 0 0 2 . IB → negativo ᮎ. IIA → negativo ᮎ.