You are on page 1of 2

Disciplina Limnologia - UFERSA Gustavo Henrique G.

Silva

2.2. Ecossistemas Híbridos (Represas) A zona de influência fluvial do reservatório assemelha-se a ambientes lóticos, sendo que as sua principais características são: bacia estreita e em forma de canal; altos valores de turbidez e zona eufótica com espessura menor que a zona de mistura; velocidade e renovação de água relativamente elevadas; concentrações de nutrientes mais elevadas; alta taxa de sedimentação; input alóctone de matéria orgânica proveniente da bacia de drenagem e status trófico de natureza eutrófica. A zona intermediária ou de transição apresenta bacia mais larga e profunda; velocidade e renovação de água mais baixas; menores valores de turbidez e, conseqüentemente, uma ampliação da zona eufótica; produção de matéria orgânica autóctone; sedimentação de material em menor proporção; status trófico de natureza mesotrófica. Já a zona lacustre (próxima a barragem) é mais ampla, profunda e tem uma bacia que se assemelha a um ambiente lótico, onde a velocidade e a renovação da água são muito baixas; a turbidez é reduzida, sendo que a camada eufótica pode ter uma extensão que ultrapassa a zona de mistura; os teores de nutrientes são muito baixos, sendo que estes, especialmente nitrogênio e fósforo, são muitas vezes fatores limitantes para a produção de matéria orgânica (figura 13). Desta forma, a zona lacustre é muitas vezes identificada como um compartimento oligotrófico (Tundisi, 1985; Henry, 1999). Apesar do reconhecimento destas três zonas em represas como a de Jurumirim por Henry et al. (1995), nem sempre estes ecossistemas híbridos apresentam-se compartimentalizados. Esta compartimentalização geralmente é encontrada em reservatórios com tempo de residência relativamente elevado. Geralmente os reservatórios que se seguem

1

de acordo com Henry (1999) esta hipótese ainda necessita ser testada em represas brasileiras. Zonas longitudinais de um reservatório 2 . Entretanto. Silva após a represa de cabeceira (represas em "cascata" em um determinado rio) não apresentam de forma bem definida a clássica divisão em compartimentos (zonas de características fluvial. principalmente porque os reservatórios a jusante da represa de cabeceira podem receber cargas de sedimentos alóctones de tributários que desembocam nos ambientes a jusante do primeiro reservatório de acumulação de água. provavelmente em função do tempo de residência ser mais baixo em relação à represa de cabeceira e em parte pela elevada retenção de sedimentos e nutrientes no primeiro ambiente da seqüência em "cascata". de transição e lacustre).Disciplina Limnologia . Figura 13.UFERSA Gustavo Henrique G.