You are on page 1of 3

Pentecostes

por

Leonard Ravenhill

Lorde Montgomery, aquele imprevisível Marshall Inglês, disse recentemente que a


Inglaterra entrou na Segunda Guerra Mundial equipada para lutar a Primeira
Guerra Mundial. Isto foi um modo gentil de dizer que na Segunda Guerra Mundial
a Inglaterra estava atrasada em equipamento e estratégia para batalha.

Quando o Sr. Christopher Wren desenhou a grande catedral de São Paulo em


Londres, ele planejou uma coisa de permanente beleza e imarcescível encanto,
porém não a pediu com ar condicionado. Quando George Stephenson construiu
seu potente motor, ele não era silencioso e à diesel, mas uma máquina pouco
motorizada que assobiava. Em outras palavras, tanto Wren como Stephenson
subestimaram as necessidades de nossos dias, pois projetaram unicamente para os
seus dias.

Muitos têm hoje um patrocínio benevolente da igreja de Jesus Cristo (ou do que
eles equivocadamente pensam ser a igreja de Jesus Cristo). Estes "sábios" pensam
que estes santos que ainda cantam salmos estão tão fora de lugar com a era
atômica, como uma bicicleta sem valor estaria comparada com um motor
comprimido numa rodovia de quatro vias. Foi Jesus Cristo culpado, então, de
subestimar a necessidade deste século vinte? É a Igreja que Cristo fundou uma
coisa enfadonha e de lenta mudança, gravemente necessitando de uma gigantesca
revisão e de um subsídio do governo para conseguir ser atualizada e comovente?
Não! A igreja não necessita de auxílio do estado.

Admitimos, contudo, que a Igreja necessita de um poderoso recondicionamento


pelas mãos Divinas, isto é, ela necessita o batismo com o Espírito Santo e com fogo.
Quando o Senhor Jesus Cristo ascendeu aos céus no Monte das Oliveiras, Ele
declarou aos seus discípulos que eles deveriam "esperar a promessa do Pai" - o
"batismo do Espírito Santo" com seu poder resultante.

A promessa foi exclusiva - "Vós recebereis poder". Quem recebeu esta promessa?
Somente os seguidores de Cristo.
A promessa foi emocionante - "Vós recebereis poder". Em ávida antecipação desta
benção, a espera podia ver toda sua fraqueza evaporando no batismo de fogo.

A promessa foi explícita - "Não muito depois destes dias".

A promessa foi expansiva - Esta coisa não era para ser feita em uma esquina, nem
sussurrada entre os redimidos. Ela deveria estender-se através deles à Judéia,
Samaria, e até aos confins da terra.

A promessa foi exaltante - No mundo inteiro das coisas criadas não há poder maior
do que o do Espírito Santo de Deus. Eles foram cheios com o Espírito do Deus
vivo. A terra não poderia ter nenhuma honra maior do que esta.

Anjos, contemplai e maravilhai-vos!

Cada coisa que há em cima nos céus, ou em baixo na terra, ou nas águas debaixo
da terra - todas estas são obras dos Seus dedos e Poderoso é Aquele que
condescendeu em vir e habitar entre os mortais.

Mas apesar do Pentecostes significar poder aos discípulos - ele também significou
prisão para eles. Pentecostes significava revestimento - ele também significava
exclusão. Pentecostes significava favor com Deus - ele também trazia ódio da parte
dos homens. Pentecostes trouxe grandes milagres - ele também trouxe poderosos
obstáculos. Pentecostes trouxe unção para os pregadores do cenáculo - ele também
trouxe unção para um mero diácono que virou Samaria de cabeça para baixo.

Na Europa, o Domingo de Pentecostes é sempre chamado Domingo Branco, e as


crianças usualmente vestem-se de branco. Os discípulos foram "feitos brancos" no
primeiro Pentecoste - isto é, seus corações foram "purificados pela fé" (Atos 15:8,9).
Esta purificação é uma ênfase perdida atualmente na interpretação do Batismo
com o Espírito. Sob o título de igrejas cheias do Espírito, há algumas coisas
estranhas e frívolas operando no presente.

Se muita ênfase não fosse dada aos dons do Espírito, então não seria tão pouco
falado sobre os frutos do Espírito. Note quão poucos livros disponíveis falam sobre
os frutos do Espírito; porém, quantos sobre os dons do Espírito. Todavia o Filho de
Deus disse: "Pelos seus frutos os conhecereis".

A primeira coisa essencial para a vinda do Espírito Santo em um coração hoje é:


que o coração esteja limpo do pecado, porque o Espírito Santo não enche um
coração sujo. O que Deus limpou, Ele então enche. Finalmente, quem Deus enche,
Ele usa. Uma vida santa é o autêntico sinal de ser cheio do Espírito.
Necessitamos hoje de um reavivamento de vida santa. Porque temos que pendurar
um letreiro do lado de fora de nossas igrejas para anunciar que somos
Fundamentais e Bíblicos? Porque sem um letreiro ninguém poderia nos identificar?
Quando passei por uma cidade que há poucos dias tinha sido despedaçada por um
tornado, lhes asseguro que não precisava que alguém me contasse que um
poderoso vento tinha despedaçado o lugar. Um incêndio não necessita de
publicidade. Quando o fogo do Espírito Santo cai novamente e o poderoso vento
do Espírito vem (estou certo de que Ele está vindo), então nossa "sarça" queimará
também, e um Moisés tornará a ver uma grande visão. Assim pois, venha Espírito
Santo! Venha rapidamente!

Traduzido por: Felipe Sabino de Araújo Neto


Cuiabá-MT, 11 de Março de 2003.

www.monergismo.com

Este site da web é uma realização de


Felipe Sabino de Araújo Neto®
Proclamando o Evangelho Genuíno de CRISTO JESUS, que é o poder de DEUS para salvação de todo aquele
que crê.

TOPO DA PÁGINA

Estamos às ordens para comentários e sugestões.

Livros Recomendados

Recomendamos os sites abaixo:

Academia Calvínia/Arquivo Spurgeon/ Arthur Pink / IPCB / Solano Portela /Textos da reforma / Thirdmill
Editora Cultura Cristã /Edirora Fiel / Editora Os Puritanos / Editora PES / Editora Vida Nova