You are on page 1of 66

Figura da cepa constante de “O Livro dos Espíritos” (manter na tela, aguardando o início da exposição

)

A cepa (ramo de parreira) que se vê acima foi desenhada pelos Espíritos que arrimaram Allan Kardec na codificação do Espiritismo, quando lhe disseram: (...) Coloca no início do livro a cepa de vinha

que te desenhamos, como emblema do trabalho do Criador; todos os princípios materiais que podem melhor representar o corpo e o Espírito estão nela reunidos: o corpo é a cepa; o Espírito é o licor; a alma ou espírito unido à matéria é o bago da uva. (“O Livro dos Espíritos” – Princípios Básicos, p.42, Edit.PETIT, 1999, SP/SP)

1

A
SOCIEDADE ESPÍRITA ALLAN ALLAN KARDEC
(RIBEIRÃO PRETO/SP)

APRESENTA: APR ESENTA:

CURSO É BÁSICO: BÁSICO: PONTOS FUNDAMENTAIS
2

Equipe responsável:

Elaboração:
Eurípedes Kühl: texto, digitação, montagem João F. Calabrese: figuras Nilson J. Guiselini: apresentador Fernando Neres: digitalização das figuras

3

devendo nesse caso os slides ser reproduzidos em transparências. em projeção de power-point (sem efeitos especiais). tê-lo e emprestá-lo. contendo figuras. pois as opções são incontáveis. acompanhadas de textos. apenas o que imaginamos básico. que é o de se fazer entender pelos os que o ouvem e vêem. se possível. deixando que seja feita a gosto e preferência de quem quiser e puder realizá-la. Favor atentar para o título do curso: básico.ORIENTAÇÕES AOS CENTROS ESPÍRITAS AOS EXPOSITORES E AOS LEITORES .). tanto para o Curso em WORD. Essa hipótese é para o caso do C.E. só que nesse caso há exposição de 54 slides. Fica a critério do responsável pela exposição inserir “animação” nos slides referidos (abrir item “Apresentações” do programa power-point. destinado a exposição nos Centros Espíritas (C. no qual as pessoas se movimentem e não se estressem. Textos: (apostila complementar). visando a que o público assistente não se canse nem perca o interesse pela exposição. De nossa parte não fizemos nenhuma animação em cada slide. no mínimo.Apostila O presente Curso Básico – O que é o Espiritismo. A apostila complementar se destina a que o expositor a estude nas obras citadas e assim tenha subsídios para ir oralmente explicando e comentando à platéia o significado de cada uma das figuras seqüencialmente expostas na tela de projeção. havendo um intervalo de alguns minutos (15 a 30) entre esses tempos. O expositor que conhece bem o que explana tem grande probabilidade de obter sucesso. Para tanto. que poderão ser apresentados na forma como estão. apenas com título. recomendamos que a exposição seja dividida. sugerimos que interajam com o público.E. Reiteramos: não registramos tudo sobre o Espiritismo. em dois tempos. contendo texto explicativo de cada um dos slides).E. Apresentação em Power-point: 54 (cinqüenta e quatro) slides. mas há também apostila complementar. * * * Apresentamos o Curso em power-point de forma pedagógica: figuras com texto mínimo (apenas para auxiliar a memória do[s] expositor[es]). como para a apresentação em power-point. nem algum freqüentador do C. Este mesmo Curso está também à disposição em power-point. em termos de conhecimento espírita. 4 . contém instruções e explicações de cada slide exibido na tela. Isso significa que o material ora apresentado é apenas um alicerce. Assim. A atual configuração (em power-point) poderá também ser transformada em projeção de retroprojetor. o tempo todo.) está elaborado em WORD. ou do expositor não contarem com o equipamento de informática necessário.

bem sabemos que nessa segunda hipótese o custo será muito mais elevado. isto é.1906 . Sugerimos cerca de 15 minutos.06. Tudo o que aqui é registrado acha-se na extensa literatura espírita. no máximo. Texto projetado. O Curso com figuras e textos (em WORD) poderá também ser impresso. seja a em WORD ou em Power-point. palestra. contudo.. com pequenos comentários. Aos ensinamentos colhidos inserimos. pouco domínio do tema.. enfatizando quais são seus ensinamentos e práticas fundamentais e quais não são. vez que se observa muita confusão nessa área.. da parte de quem o explana.E. para não alongar a permanência dos assistentes. Espiritismo e Obras Sociais) e posteriormente reeditado pela Federação Espírita Brasileira. Mas. Concluída a apresentação. em particular junto à mídia. longo. Esse tempo. apenas situar o Espiritismo no seu campo justo. a critério da diretoria do C. não deverá ser extenso. primordialmente nas obras de Allan Kardec. Concluída a apresentação. principalmente quanto à mediunidade.04. Procuramos. aqui. em hipótese alguma. que o expositor tenha em mãos essa apostila. poderá ser distribuído um exemplar impresso da apostila complementar (só da parte de textos) para cada um dos assistentes. nossa humilde contribuição. para auxiliá-lo mesmo no decorrer da sua apresentação. porém. lembra uma “colinha escolar”. seminário. de autoria do saudoso Professor Pedro Franco Barbosa (29. O livro do Professor Pedro é obra monumental para o aprendizado do Espiritismo! DESEJAMOS MUITAS FELICIDADES PARA TODOS! 5 .A experiência registra ser altamente recomendável.06. aqui e ali. o que configura alguma dificuldade por parte dos responsáveis pela exposição em conhecer plenamente o assunto. etc) que os assistentes não sejam induzidos a leituras de textos projetados. por indeclinável dever de gratidão... indicamos aos interessados que consultem o livro ESPIRITISMO BÁSICO. Antes de encerrarmos estes singelos esclarecimentos é indeclinável sublinhar que o texto que apresentamos não configura confronto entre a Doutrina dos Espíritos e qualquer religião ou credo. pois sempre há alguém que levanta dúvidas. editado originalmente pelo CBHEOS (Centro Brasileiro de Homeopatia. será de bom alvitre que haja um tempo para perguntas e respostas.1997). em termos de qualquer apresentação (conferência. Nada objeta.

1857: Lançamento de “O LIVRO DOS ESPÍRITOS” O Espiritismo é o consolador prometido por Jesus Necessidade de estudo do Espiritismo (1) Necessidade de estudo do Espiritismo (2)-Amai-vos e Instruí-vos Necessidade de estudo do Espiritismo (3) Revelações espíritas Os Espíritos (1) – Criação Divina Os Espíritos (2) – Diferentes ordens evolutivas O Homem – Criação Divina! Origem e atributos Orientação Espírita (1) – Razão da existência: a evolução Orientação Espírita (2) – Como evoluir Orientação Espírita (3) – Evoluir é decisão individual Orientação Espírita (4) – O verdadeiro “homem de bem” Orientação Espírita (5) – Razão da dor (provas e expiações) Ensinamentos básicos espíritas Ensinamentos espíritas (1) – Deus! Ensinamentos espíritas (2) – Jesus Ensinamentos espíritas (3) – As Leis Divinas Ensinamentos espíritas (4) – A reencarnação (vidas sucessivas) Ensinamentos espíritas (5) – A vida em outros mundos Princípios Espíritas: O livre-arbítrio / A prece / Os princípios 1 A prática espírita / A mediunidade Página 1 2 3 4 6 8 9 10 11 12 14 15 16 17 19 20 21 23 24 25 26 27 29 31 33 34 35 36 38 39 40 41 42 44 45 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 6 .Abril.1848) Primórdios do Espiritismo (2) – As mesas girantes (1853 a 1855) Primórdios do Espiritismo (3) – Allan Kardec: pesquisa + análise + reflexão) Primórdios do Espiritismo (4) – Allan Kardec: dedução (existência do mundo espiritual) A CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO (“Pentateuco Kardequiano”) 18. aguardando o início da exposição) Apresentação do Curso Básico O QUE É O ESPIRITISMO Equipe responsável pela elaboração do Curso Orientações aos Centros Espíritas Índice – Apresentação em WORD (Figuras e texto) As três Revelações – A primeira: Moisés As três Revelações – A segunda: Jesus As três Revelações – A terceira: o Espiritismo Objetivo primordial do Espiritismo: a reforma íntima do homem Primórdios do Espiritismo (1) – Hydesville/EUA (31.Março.ÍNDICE – Apresentação em WORD (Figuras e texto) Slide 1 2 3 A S S U N T O Figura da cepa constante de “O Livro dos Espíritos” (manter na tela.

agradecer Princípios espíritas (5) – Fé raciocinada Princípios espíritas (6) – Respeito a todas as religiões Princípios espíritas (7) – Respeitar não é concordar Práticas espíritas (1) – Mediunidade: o que é Práticas espíritas (2) – Mediunidade: finalidades Práticas espíritas (3) – Prática mediúnica espírita Práticas espíritas (4) – Sem dogmas. sacerdócio.Slide 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 A S S U N T O Princípios espíritas (1) – O livre-arbítrio Princípios espíritas (2) – Ação e reação Princípios espíritas (3) – A prece Princípios espíritas (4) – A prece: 1º . 2º .pedir. etc Não são práticas espíritas: (várias atividades “religiosas”) Centro Espírita: Pronto-Socorro Espiritual Unificação do Movimento Espírita: Dr Bezerra de Menezes e a união de esforços = SUCESSO! Encerramento da apresentação Slide para ser usado em intervalo da exposição (se houver) Prece de encerramento (garotinho e cão) Slide para ficar na tela à saída dos assistentes (paisagem calmante) Bibliografia Página 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 60 62 63 64 65 66 7 . liturgia. símbolos.

Revelação individual .A primeira - O Decálogo: .As três Revelações .Despótica .Impunha-se pelo medo 8 .

As três Revelações .Conselheira: Amor ao próximo / perdão das ofensas 9 .a segunda- O Evangelho Cristão: .Obediência a Deus .Revelação individual .

1.Dinâmica (nenhum dogma). em termos claros e para toda gente. nº 7) 10 . (“Evangelho Segundo o Espiritismo”. o que foi dito apenas sob forma alegórica.Universal (destina-se a todos os povos) .Filosófica (ditada pelos Espíritos do Senhor) . Desenvolve.Científica (baseada em experimentações e fatos) . O Espiritismo é obra do Cristo.Coletiva (enunciada por vários Espíritos/vários médiuns) . completa e explica. ou em parábolas.As três Revelações .Progressiva (está sempre se atualizando) .a terceira - O ESPIRITISMO: Codificação dos ensinos dos Espíritos . pois nada ensina em contrário aos seus ensinamentos. cap.

Esta. com base nos ensinamentos de Jesus é o meio.Objetivo primordial do Espiritismo: . a pedra angular da evolução moral: a AUTORREFORMA 11 . Reconhece-se o verdadeiro espírita por sua transformação moral e pelos esforços que faz para dominar suas más tendências. 17.a reforma íntima do homem - Desenvolvimento e melhoria permanentes das perfeições insculpidas por Deus no Espírito. A renovação mental. a evolução. o objetivo. 195). intransferível. p. cap. item 4. (O Evangelho Segundo o Espiritismo. Essa reforma é pessoal. as quais se encontram em estado latente. desde sua criação.

A data: 31 de março de 1848 . faça o que eu faço. 11 anos. . travou-se intenso diálogo. 12 .o episódio de Hydesville - O Episódio de Hydesville: . desafiou o mistério: “Senhor Pé-rachado.Primórdios do Espiritismo (1) . dê duas batidas” Duas pancadas fortes se fizeram ouvir.O local: vilarejo situado próximo à cidade de Rochester. tendo o Espírito comunicante informado que fora assassinado ali e que seus despojos também ali estavam enterrados.A casa: da família Fox (casal e três filhas) . batidas – sem que ninguém identificasse a origem .Por intermédio de pancadas associadas a letras. no Condado de Wayne. Prosseguiu Kate: “É um espírito?! Se for. batendo palmas” Resultado: Imediatamente se ouviram pancadas.O fato: pancadas.A coragem: Kate Fox. em número igual ao das palmas. no Estado de Nova Iorque/EUA . ruídos.

) Esta a “Certidão de Nascimento” do Novo Espiritualismo.. 1ª Parte. OBS: Em 1904 (56 anos depois!). “Espiritismo Básico”.. 43 e 44). quando uma parede daquela casa ruiu deixou a descoberto o esqueleto do morto e alguns dos seus pertences. Notícia histórica. p..O caso causou alvoroço mundial (sempre a mídia norteamericana. 13 .

Era o despertar das consciências adormecidas no comodismo de religiões paternalistas ou narcotizadas pelo materialismo sem perspectivas espirituais. bailando no ar. deslocamentos retos.Causando: medo. respondendo a perguntas dos pesquisadores: ..Em vários países: EUA / Canadá / França / Alemanha / Itália / Inglaterra / Brasil (1853).Primórdios do Espiritismo (2) Mesas que se movimentavam. .. sem que ninguém as tocasse. curiosidade.. assombro. . 14 . etc. executando círculos. inclinados.

há de ter uma inteligência por trás do fenômeno. analisou e refletiu profundamente sobre o fenômeno das “mesas girantes”.Primórdios do Espiritismo (3) . .Convidado para uma “distração”. . mas continua vivo. membro honorário de diversas Sociedades Filosóficas e Científicas. e que essa inteligência só pode ser mesmo de um ser humano que já morreu..Allan Kardec: análise + reflexão - (Léon Hippolyte Denizard Rivail – 1804-1869) . profundo sentido da vida e da morte.Emérito homem público. identificando nele a presença de um princípio inteligente. altamente conceituado na França e em vários países.Descortinou ali. 15 . Allan Kardec pesquisou. Raciocinando que uma mesa é apenas um objeto e que se esse objeto oferta respostas lógicas..

anotando as respostas. catalogando e codificando as milhares de mensagens que recebia.Primórdios do Espiritismo (4) . Remetia as mesmas perguntas a vários médiuns e depois comparava as respostas que eram coincidentes. submetendo-as a rigoroso exame de lógica e bom senso. Codificou-as! Daí surgiu a autoridade da Doutrina dos Espíritos: sua universalidade! 16 . os quais se comunicavam com ele via médiuns responsáveis. Sempre sob orientação de Espíritos Superiores. inclusive do Brasil. Realizou verdadeira “radiografia” do mundo espiritual.dedução de Allan Kardec EXISTÊNCIA DO MUNDO ESPIRITUAL! Uma vez comprovada a existência do mundo espiritual (em continuidade à vida física). Allan Kardec prosseguiu em criterioso trabalho de análises e pesquisas. mantendo contato com milhares de médiuns do mundo todo. Kardec passou a fazer-lhes a esses Mentores uma série de perguntas.

O Céu e o Inferno: .1864 .compreendida em cinco obras básicas: 1ª . contendo os ensinamentos de Jesus.O Livro dos Espíritos – 1857 .1865 .notícias do mundo espiritual.(estrutura e processualística das comunicações entre os dois planos: espiritual e material) 3ª .(base moral.código de conduta moral. dadas por diversos depoimentos de Espíritos desencarnados. filosófica e religiosa) 2ª .A Codificação do Espiritismo (“Pentateuco Kardequiano”) Tarefa missionária realizada por Allan Kardec: a Codificação do Espiritismo . comentados por Allan Kardec e com “Instruções dos Espíritos” 4ª .O Livro dos Médiuns – 1861 .O Evangelho Segundo o Espiritismo: . desmistificando “céu” e “inferno” 17 .

18 . a obra “OBRAS PÓSTUMAS”. Allan Kardec fundou a “Revista Espírita”.aspectos científicos do Universo e explicação racional dos chamados “milagres” de Jesus.1868 . OBS: Em 1858. É obra utilíssima para o estudo da Doutrina dos Espíritos. jornal mensal de estudos psicológicos. coletânea de escritos e estudos sobre os bastidores da fundação do Espiritismo (anotações pessoais inéditas do Codificador).A Gênese: .5ª . Após a desencarnação de Kardec amigos seus editaram.1890. dirigindo-a até sua desencarnação (1869). em Janeiro.

Com efeito. foi considerada a definitiva. . de 18 de março de 1860. revisada e acrescida de novas questões (passou a ter 1. por Allan Kardec. 19 .O LIVRO DOS ESPÍRITOS De nossa parte consideramos o “O LIVRO DOS ESPÍRITOS” o livro espírita número um! . solidamente baseadas na lógica. foi a 18 de abril de 1857 que Kardec lançou a público o fulgurante “O LIVRO DOS ESPÍRITOS”.019). contendo 501 questões. formando verdadeiro alicerce moral para o sublime edifício que é o Espiritismo.A 2ª edição dessa obra.

v. 15 a 17 e 26) O Espiritismo é o Consolador prometido. 14.conhecimento das coisas.O Espiritismo é o consolador prometido por Jesus (João. o Espiritismo realiza o que Jesus disse do Consolador prometido: . “restabelecendo todas as coisas no seu verdadeiro sentido”. Dessa forma. à Humanidade. fazendo que o homem saiba donde vem. trazendo. no devido tempo. assim. cap. .atrai para os verdadeiros princípios da Lei de Deus e consola pela fé e pela esperança. as bases reais para sua espiritualização. para onde vai e por que está na Terra. recordar e complementar o que Jesus ensinou. 20 . que veio.

tal como a Doutrina Espírita. freqüentemente.No item 8: O Estudo de uma doutrina.No item 12: Não será demasiado repetir: ela (a Doutrina dos Espíritos) exige um estudo assíduo e. em se tratando do estudo do Espiritismo.. não pode ser feito com resultado senão por homens sérios. que nos lança de repente numa ordem de coisas tão novas e tão grandes.No item 17: A verdadeira Doutrina Espírita está no ensinamento dado pelos Espíritos. . e os conhecimentos que esse ensinamento comporta são muito sérios para serem adquiridos de 21 . consignou: . Introdução: .Em “O Livro dos Espíritos”. isentos de prevenções e animados de uma firme e sincera vontade de atingir um resultado.. perseverantes. .Necessidade de estudo do Espiritismo (1) Allan Kardec. longo demais.

qualquer outro modo que não seja por um estudo atencioso e contínuo. (Grifamos) 22 . feito no silêncio e no recolhimento.

23 . sem autenticidade.De "O Livro dos Médiuns" (Allan Kardec) . eis o primeiro mandamento. dele se abusa nas comunicações evidentemente apócrifas. 31 . deixando a cada um o cuidado de julgar se aquele de quem traz o nome não as desmentiria”. constatamos apenas uma coisa: a superioridade incontestável da linguagem e dos pensamentos.Dissertações Espíritas 9 .cap. foi assinada por um nome que o respeito nos permite reproduzir apenas sob todas as reservas. eis o segundo. obtida por um dos melhores médiuns da Sociedade de Paris.Necessidade de estudo do Espiritismo (2) ."Espíritas! amai-vos. esse nome é Jesus de Nazaré. Essa comunicação. instruí-vos. (Kardec anota sobre a mensagem): Na comunicação acima. tão grande seria o insigne favor de sua autenticidade e porque. muito freqüentemente.

Necessidade de estudo do Espiritismo (3)

O saudoso Professor José Herculano Pires (1914-1979), em mensagem intitulada “Pense Nisso”, reproduzida em vários sites da internet, leciona:

- Não se pode exercer qualquer atividade sem primeiro aprender o que ela é, qual a sua finalidade, quais são as suas regras, suas dificuldades, quais inconvenientes que devem ser evitados.
- De "O CONSOLADOR" (Emmanuel):

Questão 392 - Pode contar um médium, de maneira absoluta, com os seus guias espirituais, dispensando os estudos? R: - (...) O médium tem obrigação de estudar muito, observar intensamente e trabalhar em todos os instantes pela sua própria iluminação. Somente desse modo poderá habilitar-se para o desempenho da tarefa que lhe foi confiada, cooperando eficazmente com os Espíritos sinceros e devotados ao bem e à verdade.
24

Revelações espíritas

17

A Revelação Espírita é divina, posto que repassada pelos Espíritos de Deus. É também científica, pois resultou de métodos e pesquisas praticados pela Ciência, na busca do conhecimento e da explicação racional dos fatos observados. Podemos afirmar que é coletiva, eis que promana de várias fontes, através vários médiuns, que registraram os ensinamentos dados pelos Espíritos, em diferentes locais, em nenhum momento havendo discordância entre o que foi dito ou revelado.

25

Os Espíritos (1) - Criação Divina!
-

- Características divinas: são os seres inteligentes da criação; - Constituem o mundo dos Espíritos, que preexiste e sobrevive a tudo; - São criados simples e ignorantes. Evoluem, intelectual e moralmente, passando de uma ordem inferior para outra mais elevada, até a perfeição, onde gozam de inalterável felicidade; - Preservam sua individualidade, antes, durante e depois de cada encarnação; - Reencarnam tantas vezes quantas forem necessárias ao seu próprio aprimoramento; - Evoluem sempre. - Em suas múltiplas existências corpóreas podem estacionar, mas nunca regridem. A rapidez do seu progresso, intelectual e moral, depende dos esforços que faça para chegar à perfeição; - Diferentes ordens: pertencem a diferentes ordens, conforme o grau de perfeição a que tenham alcançado: - Espíritos Puros – que atingiram a perfeição máxima - Bons Espíritos - nos quais o desejo do bem é o que predomina - Espíritos Imperfeitos – caracterizados pela sua ignorância, pelo desejo do mal e pelas paixões inferiores. 26

. 27 . nossas companhias espirituais serão aquelas que nosso comportamento eleger. 12:1). pela lei de sintonia vibratória. Assim.Os Espíritos (2) – Escala espírita OBS: Julgamos oportuno registrar importante alerta: - Estaremos sempre rodeados pela “nuvem de testemunhas” a que se referiu o Apóstolo Paulo (Hebreus.. Também na questão n° 459 de “O Livro dos Espíritos” os Espíritos Protetores reafirmam que: Os Espíritos influem sobre nossos pensamentos e ações e essa influencia é maior do que podeis imaginar. Muitas vezes são eles que vos dirigem.

28 . nem maus) 3ª 8ª Espíritos pseudoConhecimento + Provas (*) sábios orgulho e Expiações (**) 9ª Espíritos levianos Ignorância + malícia 10ª Espíritos impuros Inclinação para o mal (*) = Estes Espíritos. nas cores do arco-íris. Cada categoria apenas apresenta um caráter nítido em seu conjunto. 1 – “Dos Espíritos”.Diferentes ordens evolutivas dos Espíritos: Apresentamos o quadro abaixo. propriamente falando.Observações preliminares: A classificação feita é baseada no grau de adiantamento dos Espíritos. 1ª Espíritos Puros Superioridade moral absoluta 2ª Espíritos Ciência + Sabedoria + Felizes Superiores Bondade 3ª Espíritos de Conhecimento + Juízo Felizes Sabedoria reto 2ª 4ª Espíritos sábios Conhecimento voltado Felizes para questões científicas 5ª Espíritos benévolos Bondade + Felizes ou de Conhecimentos Regeneração limitados 6ª Espíritos batedores Aptidão para coisas De materiais Regeneração Apego às coisas do 7ª Espíritos neutros mundo (nem bons. ou. Podem caber em todas as classes da terceira ordem (**) = A Terra está configurada nessa categoria de mundos habitados. como nos diferentes períodos da vida do homem. cap. organizado com base em “O Livro dos Espíritos”. Essa classificação não tem nada de absoluto: é puramente didática. ORDEM CLASSE 1ª (Única) NÍVEL EVOLUTIVO ESPIRITUAL ATRIBUTOS MORAIS MUNDOS EM QUE RESIDEM Celestes ou Divinos Ministros de DEUS. Pode-se formar um número de classes mais ou menos grande. Questão nº 100 . Parte Segunda. mas de um grau a outro a transição é insensível e nos extremos as diferenças se apagam como nos reinos da natureza. segundo o ponto de vista de que se considere a questão. ainda. não formam uma classe distinta pelas suas qualidades pessoais. nas qualidades que adquiriram e nas imperfeições de que ainda devam se livrar.

a Doutrina Espírita nos ensina (no que. (Rodolfo Calligaris.Origem e atributos - 1 — O homem: de onde veio? Contrariando a Teologia tradicional. que veio a decair depois por obra de Satanás. mas como um ser rude e ignorante. carecendo tão somente que os desenvolva. Criado. à imagem e semelhança de Deus. latentes. entretanto. todos os atributos da perfeição. em Páginas de Espiritismo Cristão. inclusive o Amor. é apoiada pela Ciência) que o Homem surgiu neste mundo. cap. possui. não como uma criatura perfeita.p. aliás. 41) 29 . guardando traços fortes de sua passagem pela animalidade.O Homem – Criação Divina! .12.

. há o Corpo Mental. revestindo todas as camadas do inconsciente. . com funções de interligação perispírito-corpo físico.Possui diferentes corpos: . . decidindo pelo bem ou pelo mal. 30 . há o Duplo Etérico (podemos considerar como uma extensão do perispírito.Entre o Espírito e o perispírito. ou Espírito.Consciência: bússola infalível de a direção moral a seguir .Inteligência: entendimento / análise / decisão . representando o envoltório da mente.2 — O homem: o que é? .Para auxiliar o homem a evoluir.Livre-arbítrio: atributo individual de escolher. corpo semimaterial.A união Espírito-corpo físico se processa pelo Perispírito. propriamente dito. como que uma das suas “capas”). Deus dotou-o de: .Entre o perispírito e o corpo físico.É um Espírito encarnado em um corpo material. 3 .

166. em “Obras Póstumas”.Orientação espírita (1) Razão da existência na Terra: Evolução.a. Parte 1ª . a alma tem que passar por muitas existências corporais. 166. de tempos a tempos o viajor parasse durante algumas horas. absolutamente como se. em síntese. rumo à felicidade! Registramos abaixo. (Allan Kardec. questões 166. Kardec perguntou e os Espíritos responderam: A alma que não alcançou a perfeição durante a vida corporal. 166.As existências corpóreas são apenas intervalos. por mais longa. 31 . cap. melhoramento progressivo da humanidade e a cada nova existência um passo no caminho do progresso individual. numa viagem de muitos anos. Usando nova máquina fisiológica entre os semelhantes. deve atender à renovação que lhe diz respeito. a alma.“O caminho da Vida”).b. o objetivo da alma que deixa um corpo físico e a seguir reencarna em um novo corpo tem por objetivo: expiação. mas para isso é preciso que passe pela prova da vida corporal. apenas três: 1ª) .c e seguintes.A existência humana. é simples aprendizado em que o Espírito reclama benéficas restrições para restaurar o seu caminho. sendo a soma de todas as estações apenas uma parcela mínima da existência normal. ao se depurar. dentre inúmeras assertivas. IV (Pluralidade das existências). sofre sem dúvida uma transformação. pode acabar de se depurar submetendo-se à prova de uma nova existência. 3ª) . 2ª) – No “O Livro dos Espíritos”. curtas estações na existência espiritual.

17). p. 32 . cap. em “Ação e Reação”.(Espírito André Luiz. 1º.

33 .A prática dos ensinamentos do Mestre Jesus é a solução para todos os problemas humanos e o objetivo a ser atingido pela humanidade. .Lei Áurea Cristã : “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”.Orientação espírita (2) Como evoluir: .

segundo suas obras” 34 .Orientação espírita (3) Evoluir é decisão individual De posse do livre-arbítrio o homem escolhe que caminhos percorrer. Soam eternas as palavras de Jesus. Será sempre responsável pelo que fizer — como também como por aquilo que deixar de fazer. quando as circunstâncias e o Bem indicavam ação. definindo a Justiça Divina: “A cada um.

de sublime inspiração. encontramos: O Espiritismo reconhece que “o verdadeiro homem de bem é aquele que pratica a lei de justiça. sobre as inúmeras características de quem pode ser considerado um homem de bem. cap. 17. É uma das mais belas e instrutivas páginas dessa obra. encontra-se copioso texto. item 3.Orientação espírita (4) O verdadeiro “homem de bem” Em o “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. 35 . “Sede perfeitos”. na sua maior pureza. De início. de amor e de caridade.

embora paradoxal. da dor resulta a recuperação. Assim. em O Evangelho Segundo o Espiritismo. p. 11. ao mesmo tempo. cap. tornar-nos mais rapidamente 36 . Sobre a dor. diz Léon Denis. a propósito de “provas e expiações”: “A dor é um meio de elevação: o sofrimento do presente repara os erros de outrora e engendra as felicidades do futuro” (“Cristianismo e Espiritismo”. cap. 248). item 7) O Espiritismo esclarece que a dor é a professora magna que age sempre com o objetivo de reconduzir ao bem a todos os que trilharam descaminhos. por mais empedernidos que sejam.Orientação espírita (5) Razão da dor (provas e expiações) “A dor é uma bênção que Deus envia a seus eleitos” (Allan Kardec.9. “A dor é apenas um meio de que usa o Poder Infinito para nos chamar a si e.

também demonstram a dor? Na literatura espírita encontraremos dezenas e dezenas de assertivas de Espíritos amigos e de estudiosos do Espiritismo. pois. p. 3ª parte. item 26. como aceitar isso. não passa de um bondoso mecanismo divino de alerta.acessíveis à felicidade espiritual. posto que os animais também sofrem e até os vegetais. 37 . em si. única duradoura. — Ora. 380) OBS: A questão da origem e autoria da dor resulta em controvérsia em alguns espíritas. que a dor é criação humana. que Deus envia o sofrimento” (“O Problema do Ser. É. Há os que até chegam a dizer. no limiar da sensibilidade. equivocadamente. asseverando que a dor. realmente. do Destino e da Dor”. Simples. pelo amor que nos tem. assim. Mas grandioso. na concepção.

Ensinamentos básicos espíritas Pontos fundamentais DEUS Jesus A vida em outros mundos As Leis Divinas A reencarnação (vidas sucessivas) OBS: Detalhes nos próximos slides. 38 .

soberanamente bom e justo. habitação dos Espíritos encarnados (homens).Ensinamentos espíritas (1) DEUS Deus é a inteligência suprema e causa primária de todas as coisas. Abrange todos os seres racionais e irracionais. . . materiais e imateriais. 39 . existe o mundo espiritual. animados e inanimados. imaterial. onipotente.O Universo: é criação de Deus. imutável.O mundo espiritual: além do mundo corporal. habitação dos Espíritos desencarnados. único. É eterno.

Allan Kardec.Ensinamentos espíritas (2) JESUS Jesus é o guia e modelo para toda a Humanidade. Cap. o caminho da salvação. 10. it. por ela. (“O Céu e o Inferno”. e. 18) 40 . A doutrina que ensinou e exemplificou é a expressão mais pura da Lei de Deus – o Amor! Não há dúvida de que Jesus é o mensageiro divino enviado aos homens para ensinar-lhes a verdade.

Leis Morais: sobre o homem e a humanidade b. Leis Físicas: sobre os minerais e os fenômenos geológicos. vegetais e animais — (vida e conservação das espécies) 41 . pois que Deus é o seu autor. abrangem: a.Ensinamentos espíritas (3) As Leis Divinas Leis Divinas: todas as Leis da Natureza são leis divinas. c. imutáveis. Perfeitas. eternas. Leis Naturais: sobre os seres vivos — homens.

a razão nos demonstra essa doutrina e os Espíritos a ensinam. porque nos oferece o meio de resgatar nossos erros por novas provações. item 4. q..) A doutrina da reencarnação. 4. p. IV.A reencarnação é a volta da alma ou Espírito à vida corporal. Prossegue Allan Kardec. em “As Leis Morais”. . 4.56 . 171: .a única que pode nos explicar o futuro e firmar nossas esperanças. Diz-nos Rodolfo Calligaris. cap. que consiste em admitir para o homem diversas existências sucessivas é a única que responde à idéia que fazemos da justiça de DEUS em relação aos homens que se acham numa condição moral inferior.(. mas em um outro corpo formado novamente para ele e que não tem nada de comum com o que se desintegrou. . 32: 42 . cap..Ensinamentos espíritas (4) A reencarnação (vidas sucessivas) Registra Allan Kardec em “O Livro dos Espíritos”. agora em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. p. cap.

.. sem solução de continuidade! 43 . evolvendo incessantemente através das gerações de um determinado mundo. e. de mundo em mundo. em seguida.(..) é o Homem um ser imortal. até à perfeição.

Ensinamentos espíritas (5) A vida em outros mundos No Universo há outros mundos habitados. Espírito e Universo”. 44 . p. OBS: A propósito deste tema Eurípedes Kühl elaborou um estudo detalhado dos registros existentes na Literatura Espírita. 2009. mais evoluídos e menos evoluídos do que os homens. Edit.Na casa de meu Pai há muitas moradas (João. Citado estudo acha-se publicado no livro de sua autoria: “Deus. PETIT.245. Com conhecimento pleno de causa lecionou o Mestre Jesus: . 14:2). com seres de diferentes graus de evolução: iguais. SP/SP.

pelos quais se norteia e nos quais apoóia as verdades que proclama”. do Brasil: “Há.E. Pedro F.CBHEOS. como toda doutrina. in ANAIS do Instituto de C. Ed. um lastro de conceitos básicos. Diz-nos Deolindo Amorim. de características próprias e. RJ/RJ.Barbosa. 1976) 45 . de caráter definitivo. e a substituição desses conceitos seria a desfiguração radical da Doutrina” (Notas extraídas de ESPIRITISMO BÁSICO.Princípios Espíritas “O Espiritismo é uma doutrina espiritualista. tem princípios básicos claramente definidos. no corpo da Doutrina.

Lei de Causa e Efeito .Choque de retorno .Princípios Espíritas (1) O livre-arbítrio O livre-arbítrio é a liberdade de fazer ou não fazer. 1ª Parte. mas responde pelas conseqüências de suas ações.Lei de Ação e Reação . q. 46 .Carma (expressão sânscrita) – que tanto pode ser bom. como mau. Essa responsabilidade vem sendo denominada de várias maneiras: .16) O homem tem livre-arbítrio para agir. o que é um dos atributos essenciais do Espírito. em “Obras Póstumas”. de seguir este ou aquele caminho para seu adiantamento. (Allan Kardec.

obrigatória”.Más ações : “Quem semeia ventos colhe tempestade”. encontramos: . 16:27). mas de forte conteúdo.Boas ações: “Quem dá aos pobres empresta a Deus”. Popularmente.Princípios Espíritas (2) Ação e reação A questão do livre-arbítrio foi magistralmente sintetizada por Jesus: A cada um. segundo suas obras (Mateus. de forma muito jocosa. mas a colheita. No Espiritismo também encontramos uma boa definição das escolhas humanas: “A plantação é livre. . 47 .

cap. item 9 e 22. sobre a prece. Torna melhor o homem: aquele que ora com fervor e confiança as faz mais forte contra as tentações do mal e Deus lhe envia bons Espíritos para assisti-lo. OBS: Em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. A glorificação a Deus é a elevação do homem. 48 . 27. e é o resultado de um sentimento inato do homem.Princípios Espíritas (3) A prece Está na Lei Natural. quando pedido com sinceridade. assim como é inata a idéia da existência do Criador. A prece é um socorro que jamais a Providência Divina se lhe recusa. aos pés da Majestade Divina. Allan Kardec enfeixa uma série de reflexões. em agradecimento pela vida e com humildade. suas e de Espíritos amigos.

). muitas vezes angustiados. 2°) agradecer “Pediu. 28. que atendia a centenas de funcionários que ali compareciam. cap.. 49 . deriva da deslembrada virtude da gratidão.Princípios Espíritas (4) A prece: dois tipos: 1°) pedir. Sumiu” (Inscrição na parede dos fundos — sem vistas para o público — de uma repartição pública do Rio de Janeiro. solicitando à chefia reconsideração de transferência para outro Estado ou cidade. Allan Kardec enfeixa uma “coletânea de preces espíritas”.. ditada pelos Espíritos amigos. Conseguiu. nem formulário único — apenas sugestões. talvez de muitos. OBS: Em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. quase sempre sendo atendidos. Esse procedimento. Adverte que não se trata de modelos de preces. idéias de como orar.

Princípios Espíritas (5) A fé raciocinada O Espiritismo não impõe os seus princípios: convida os interessados em conhecê-los. a submeter os seus ensinos ao crivo da razão. a fé é a crença nos dogmas particulares que constituem as diferentes religiões. a fé pode ser raciocinada ou cega. Sob esse aspecto. nada examina. é que devem procurá-la. daí. aceita sem verificar tanto o falso como o verdadeiro. elas sim.. já a fé raciocinada é aquela que tem por base a verdade. A fé cega. 50 . Diz-se vulgarmente que a “fé não se receita”. muitas pessoas dizerem que não são culpadas por não terem fé.) Não cabe à fé procurar essas pessoas. itens 6 e 7). pois nada tem a temer com o progresso dos conhecimentos. não se impõe. com sinceridade. No seu aspecto religioso. 19. antes de aceitá-los.. é a única que tem o futuro assegurado. (Allan Kardec. “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. (. cap. e todas as religiões têm seus artigos de fé. a encontrarão.

independentemente de sua raça.Princípios Espíritas (6) Respeito a todas as religiões O Espiritismo respeita todas as religiões. crença. nacionalidade. cor. nível cultural ou social. valoriza todos os esforços para a prática do bem e trabalha pela confraternização entre todos os homens. 51 .

. em “Espiritismo Básico”. (Pedro Franco Barbosa. 21). pois seu tríplice aspecto: ciência. de forma alguma isso pode ser interpretado como concordância com as práticas religiosas delas. Conquanto o Espiritismo respeite todas as religiões. O estudo sistemático e permanente da Doutrina dos Espíritos levará o pensador à conclusão de que ela não pode ser comparada com nenhuma outra religião.Princípios Espíritas (7) Respeitar não é concordar.. p. item “Esclarecendo dúvidas”. filosofia e religião. Difere o Espiritismo de todas as religiões conhecidas por demonstrar a lógica dos seus ensinos através de experiências científicas e por apresentar uma filosofia também baseada em experimentos e observações e documentada por uma legião de sábios de renome universal. 52 . coloca-a em campo e contexto único.

Práticas espíritas (1) Mediunidade: o que é A faculdade mediúnica é uma propriedade do organismo e não depende das qualidades morais do médium. o mesmo com a preferência que os Espíritos bons dão ao médium. 179). 2. “O que é o Espiritismo”. porém. tanto nos mais dignos. cap. p. como nos mais indignos. que permite a comunicação dos Espíritos com os homens. independentemente da religião ou da diretriz doutrinária de vida que adote. a mediunidade. item 79. Assim. (Allan Kardec. é uma faculdade (não é dom) — orgânica — que muitas pessoas trazem consigo ao nascer. 53 . Não se dá. ela se mostra desenvolvida.

2ª Parte. roteiros seguros para nossas vidas. A experiência demonstra também que pelas comunicações mediúnicas os encarnados ficam sabendo detalhes da vida espiritual e das conseqüências inexoráveis. conselhos. 135136). sujeitos que estamos a difíceis provas. em “Espiritismo Básico”. p. pelas mensagens recebidas de entidades categorizadas e que constituem advertências. 54 . (Pedro Franco Barbosa. individuais e coletivas. reflexivas dos atos praticados durante a jornada terrena.Práticas espíritas (2) Mediunidade: finalidades O intercâmbio com os irmãos da espiritualidade também nos proporciona ensinamentos preciosos.

item 2. feita a Pedro. Dai gratuitamente o que recebestes gratuitamente (Mateus. para que ninguém se faça pagar daquilo que nada pagou. que ela não pode tornar-se profissão. Isso porque os Apóstolos haviam recebido gratuitamente a faculdade de curar os doentes e de expulsar os demônios (desobsessão). 10:8). Diz mais.Práticas espíritas (3) Prática mediúnica espírita Prática mediúnica espírita só é aquela que é exercida com base nos princípios da Doutrina Espírita e dentro da moral cristã. no capítulo 26. nem um talento é. Kardec (item 9 do mesmo cap. Em "O Evangelho Segundo o Espiritismo". 55 . por isso. Allan Kardec estuda a recomendação de Jesus.): A mediunidade não é nem uma arte.

liturgia. sacerdócio. símbolos. etc. no próximo slide) 56 . OBS: No livro ESPIRITISMO BÁSICO. já citado. há ainda citação de várias outras práticas religiosas não-espíritas. (Enumeraremos algumas.Práticas espíritas (4) Sem dogmas.

Não são PRÁTICAS ESPÍRITAS 57 .

com base no Evangelho de Jesus.É posto de atendimento fraternal a todos os que o procuram — encarnados e desencarnados — com o propósito de obter orientação. de fraternidade. ajuda ou consolação. esclarecimento. à luz da Doutrina Espírita. os adultos e os idosos tenham oportunidade de conviver. dentro dos princípios espíritas.É núcleo de estudo. . 58 . baseada no Espiritismo.CENTRO ESPÍRITA Pronto-Socorro Espiritual (*) (*) – Título de livro de Eurípedes Kühl O Centro Espírita . os jovens. . de oração e de trabalho.É casa onde as crianças. estudar e trabalhar. .É a escola de formação espiritual e moral.

Visando a benéfica renovação de quadros. sacramentos ou outras quaisquer manifestações exteriores.Caracteriza-se pela simplicidade própria das primeiras Casas do Cristianismo nascente na prática da caridade. . da Federação Espírita Brasileira/FEB). . a Diretoria Executiva não deve se reeleger mais de uma vez. Ed.. paramentos.Para os bons resultados das suas atividades é indispensável constituir Estatuto. ..É oficina de trabalho que proporciona aos seus freqüentadores oportunidade de exercitar o aprimoramento íntimo.E. com registro em Cartório. propiciando a união de seus freqüentadores na vivência da recomendação de Jesus: “Amai-vos uns aos outros”. é aconselhável que dos estatutos conste a realização periódica de eleições para os cargos de Diretoria e Conselho Fiscal. A prática demonstra que para o bem da administração do C.É a unidade fundamental do Movimento Espírita. . . símbolos..É recanto de paz construtiva. na total ausência de imagens.Deve assumir responsabilidade jurídica (Consultar “Orientação aos Centros Espíritas”. rituais. (Essa informação é aqui registrada apenas a título de sugestão) 59 . pela vivência do Evangelho em suas atividades. .

Unificação do Movimento Espírita Dr Bezerra de Menezes O SUCESSO: Individual: alegria Em dupla: amizade Em equipe: O BEM COLETIVO!!! 60 .

Sob os auspícios de Bezerra de Menezes.08. trabalhavam de forma autônoma. e acatando importantes instruções. despreocupado em conhecer as atividades dos demais. assumiu a presidência da Federação Espírita Brasileira. (Grifamos) 61 . Esse estado de coisas levou-os a fundação da Federação Espírita Brasileira (FEB). Em 1894. onde se ministrava a Doutrina. Permanecei fiéis à proposta que herdastes do Egrégio Codificador do Espiritismo. Iniciava-se o ano de 1900. que o prostrou no leito. e Bezerra de Menezes foi acometido de violento ataque de congestão cerebral. dadas por Allan Kardec. no encerramento da reunião do Conselho Federativo Nacional da FEB. e os que dirigiam os núcleos espíritas do Rio de Janeiro sentiam a necessidade de uma união mais estreita e indestrutível. em 12. Em vida e desencarnado.) Não desanimeis. através do médium Frederico Júnior. sendo companheiros uns dos outros em nosso Movimento Espírita. reinava um ambiente francamente dispersivo no seio do Espiritismo no Brasil. o ambiente demonstrou tendências de melhora e o nome de Bezerra foi lembrado como o único capaz de unificar a família espírita. Desencarnou em 11 de abril de 1900.Nov. editada pela FEB): Meus filhos: Que o Senhor nos abençoe e nos guarde na Sua paz. Permitam-nos um pouco da História do Espiritismo no Brasil: No ano de 1883. abnegado defensor da Unificação do Movimento Espírita. O infatigável batalhador. de onde não mais se levantaria. o médium Divaldo Pereira Franco recebeu mensagem psicofônica desse abençoado benfeitor (publicada na edição de dezembro/2006 da revista Reformador.1900)..Dr Bezerra de Menezes Dr Bezerra de Menezes (29..1831 – 11. preparando-vos para a lídima fraternidade no organismo social tumultuado da Terra dos vossos dias. nunca! O instante mais perturbador da noite é também o instante que abre o leque de luz na direção da alvorada. Os Centros Espíritas.2006.04. com 63 anos de idade. Mais de cem anos depois. foi fundado o famoso Centro Espírita porem nem por isso deixava Bezerra de dar a sua cooperação a todas as outras instituições. Cada um deles exercia sua atividade em um determinado setor. (. vem propugnando pela unificação do Movimento Espírita no Brasil.

Encerrando a apresentação a equipe que elaborou este Curso agradece a Deus por mais uma oportunidade de servir. Ribeirão Preto/SP – Verão de 2010 62 .

(Slide para ser usado no intervalo da exposição =café e “xx”=.. se houver) INTERVALO (CAPÍTULO.. “XX”) 15 (ou mais) MINUTOS 52 63 .

(Prece de encerramento: a cargo do expositor) “Pai Nosso.. 53 64 ..

. na discussão entre familiares.. a respeitar o Templo que é o seu corpo.(Slide com paisagem (calmante) na tela. Aprende com o silêncio a respeitar o seu "eu". e o Santuário que é a sua vida. 54 * * * 65 . na briga mais acalorada. a valorizar o ser humano que você é. mesmo no pior trânsito. à saída dos assistentes) Aprende com o silêncio a relaxar. na maior das cobranças.

9ª Ed. Léon — Cristianismo e Espiritismo. 1999 — O Livro dos Médiuns. Rodolfo — Páginas de Espiritismo Cristão. FEB. Rio de Janeiro/RJ.1ª Ed. FEB. Edit. FEB.1ª Ed.. 35ª Ed. 2002 * * * 66 . Edit. Centro Brasileiro de Homeopatia... PAULUS Editora. 5ª Ed. Rio de Janeiro/RJ. São Paulo/SP. Espiritismo e Obras Sociais (CBHEOS). PETIT. 1991 BARBOSA.. Rio de Janeiro/RJ. (Médium psicógrafo) Pelo Espírito Emmanuel — O Consolador. 1997 — Obras Póstumas.. FEB. 2001 — As Leis Morais. Rio de Janeiro/RJ. FEB.Obras Consultadas: KARDEC. 9ª Ed. São Paulo/SP. 1ª Ed. FEB. Rio de Janeiro/RJ. 1993 CALLIGARIS..BIBLIOGRAFIA ESPIRITISMO .. Pedro Franco — Espiritismo Básico. 1ª Ed. Rio de Janeiro/RJ. 6ª Ed. 5ª Ed. 1976 XAVIER.. Rio de Janeiro/RJ. 1976 Pelo Espírito André Luiz — Ação e Reação.. FEB.. do Destino e da Dor. Rio de Janeiro/RJ. 17ªEd. Rio de Janeiro/RJ. Edit. FEB. 2004 — O Evangelho Segundo o Espiritismo.BÍBLIA DE JERUSALÉM. 1985 — O Que é o Espiritismo. 21ª Ed. 1992 — O Problema do Ser. PETIT. São Paulo/SP.Allan — O Livro dos Espíritos. Francisco C. São Paulo/SP. PETIT. 1976 DENIS.. 2001 CITAÇÕES BÍBLICAS: .