You are on page 1of 30

Servidores Públicos

3

TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ

Conselheiro Presidente: Francisco de Paula Rocha Aguiar Conselheiro Vice-Presidente: José Marcelo Feitosa Conselheiro Corregedor: Hélio Parente de Vasconcelos Filho Conselheiro Artur Silva Filho Conselheiro Ernesto Saboia de Figueiredo Junior Conselheiro Manoel Beserra Veras Conselheiro Pedro Ângelo Sales Figueiredo

Composição do Pleno

David Santos Matos Fernando Antonio Costa Lima Uchôa Júnior Manassés Pedrosa Cavalcante

Auditores

Procuradora Geral de Contas Leilyanne Brandão Feitosa Procurador de Contas Júlio César Rôla Saraiva Procuradora de Contas Cláudia Patrícia Rodrigues Alves Cristino

Composição da Procuradoria

Juraci Muniz Junior

Diretor Geral

Francisco Eunivaldo Pires Pereira

Assessoria de Imprensa Assessoria Jurídica Controladoria Ouvidoria

Bruno Caminha Scarano

Luiz Mario Vieira

Telma Maria Escóssio Melo

Fernando Antônio Diogo de Siqueira Cruz

Secretaria

Diretoria de Administração e Finanças
Virgílio Freire do Nascimento Filho

Zivaldo Rodrigues Loureiro Junior

Diretoria de Fiscalização

Diretoria de Tecnologia e Informação
Adalberto Ribeiro da Silva Júnior

Diretoria de Assistência Técnica e Planejamento
Danielle Nascimento Jucá

Sandra Valéria de Morais Santos

Escola de Contas e Gestão

Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará Caderno Servidores Públicos 3 Fortaleza 2013 .

130 Cambeba. Servidor Público Municipal. 28p. 2. Cep: 60. 3. II.Ecoge Ceará. I.822-32 Fortaleza – Ceará PABX: (85) 3218-14-13 FAX: (85) 3218-12-12 . Controle Externo. Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará. / Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará. Administração Pública Municipal.Direção Geral Conselheiro José Marcelo Feitosa Elaboração Rebeca Varela Plutarcho Revisão Ortográfica Márcia de Oliveira Nunes Projeto Gráfico Roberto Santos Mikael Baima Editoração Eletrônica Kahic Rocha Mikael Baima Ilustração Fernando Antônio da Justa Guabiras Supervisão Escola de Contas e Gestão .Fortaleza: TCM-CE. Série: TCM cidadania e controle social: Caderno 3 1. Título Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará Av. . Tribunal de Contas dos Municípios do Estado. C387 Servidores públicos. Gal. 2013. Afonso Albuquerque Lima.

......................2 Provimento de cargo público............................. 15 2...................................................... 12 2.......................3 Ingresso...................................................................................................................................................................................................................9 Aposentadorias dos Servidores Públicos Civis no Regime Próprio de Previdência Social... 16 2.......................................9................. conhecidas como regras de transição................ 10 2.... 18 2...................................................................1.............. 13 2.......5 Sistema Remuneratório...................................................... 47/05 e 70/12............................. Legislação: art............ 16 2....................................... 14 2.......................................... 21 2.......................................................... 10 2.................9............................7 Direitos Sociais...................1 Conceito ...........................6 Acumulação de Cargos............................................................................................................ 10 2................................ 25 ................................................SUMÁRIO 1 Considerações gerais...............................................................................................3..................................................................... 12 2............................................................................ Servidores Públicos.......3..........4 Estabilidade...9 2.............................................. nº 41/03............... 18 2......................4 Vacância de cargo público.........................................8 Regime Previdenciário...........................................................................................2 Modalidades................................................................................. 40 da CF e disposições das Emendas Constitucionais nº 20/98. 17 2...........10 Pensão.......................................................2 Regime Jurídico...

.

Consórcios Públicos e Convênios. Criança e Adolescência e Meio Ambiente (Plano Diretor).Apresentação O Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará criou o Programa TCM Cidadania e Controle Social. Impactos Ambientais. É com essa perspectiva que entregamos uma série composta de 06 cadernos que trazem temas de relevância e considerados como boas práticas de gestão pública. O propósito é fornecer subsídios aos cidadãos para que exerçam. Controle Interno e Prestação de Contas. de forma mais efetiva e direcionada. na condução ética da gestão e na obrigação de prestar contas. Por fim. tais como: Transparência e Controle Social. Assistência Social. bem como na observância das demandas de interesse coletivo. esperamos que este material possa ser utilizado para disseminação do conhecimento e engajamento da sociedade civil no uso dos mecanismos de controle social. Saúde. o controle social da gestão pública no âmbito das administrações municipais. Educação. Conselheiro Francisco de Paula Rocha Aguiar Presidente 7 . Estrutura Administrativa. Obras Públicas e Atos de Pessoal. Arrecadação de Tributos Municipais. A principal ferramenta é a capacitação dos agentes municipais permitindo que estejam atentos e preparados para a correta aplicação dos recursos que administram.

.

Agentes Administrativos: são os agentes públicos que se vinculam à Administração Pública Direta ou às Autarquias e Fundações Públicas por relações profissionais. os membros do Ministério Público. • Agentes Administrativos. exercem atribuições constitucionais. mandatos ou comissões. eleição. • servidores comissionados. por nomeação. investidos em cargos. A maioria dos doutrinadores classifica os agentes públicos em quatro categorias: • Agentes Políticos. ͳͳ Têm normas específicas para sua escolha. • Agentes Delegados. os representantes diplomáticos e outras autoridades que atuem com independência funcional. Nessa categoria encontram-se os Chefes do Executivo (Presidente. designação ou delegação para o exercício de atribuições constitucionais. conduta e processo por crimes funcionais e de responsabilidade. definitiva ou transitoriamente. investidura. os membros dos Tribunais de Contas (Ministros e Conselheiros). ͳͳ Respondem por simples culpa ou dolo pelos atos ilícitos civis. ou em outras palavras. 9 . alguma função estatal. em razão da sua condição cívica. • Agentes Honoríficos. é toda pessoa física que presta serviços ao Estado e às pessoas jurídicas da administração indireta. Governadores e Prefeitos) e seus auxiliares imediatos (Ministros. sem remuneração. determinados serviços ao Estado.Servidores Públicos 1 Considerações gerais Segundo o saudoso Hely Lopes Meirelles. Agentes Políticos: são os componentes do Governo nos seus primeiros escalões. de sua honorabilidade ou de sua notória capacidade profissional. AGENTE PÚBLICO é toda pessoa física que desempenha. transitoriamente. Os agentes administrativos: ͳͳ Sujeitam-se à hierarquia funcional. • servidores temporários. ͳͳ Têm regime jurídico único (estatutário). que lhes são privativos. penais ou administrativos que praticarem. constituem os servidores públicos subespécies do gênero agentes públicos administrativos. Estes serviços constituem os serviços públicos relevantes (também chamado munus público). funções. nas seguintes modalidades: • servidores públicos concursados. Os servidores públicos constituem subespécie dos agentes administrativos. ͳͳ São remunerados mediante subsídio. Agentes Honoríficos: são os agentes convocados ou nomeados para prestar. Secretários de Estado e de Município). e em geral. mas sem qualquer vínculo empregatício.

com isso. Em 1998.Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará Exs. Considerando o STF a existência de aparentes indícios de inconstitucionalidade formal. Exs: os tradutores e intérpretes públicos. ͳͳ Somente para fins penais são equiparados aos servidores públicos quanto aos crimes relacionados com o exercício da função. decidiu em caráter liminar na ADIN nº 2. que teve como uma das suas alterações mais comentadas o fim da obrigatoriedade do regime jurídico único previsto no art. 327 do Código Penal. voltandose. caput. obra ou serviço e o realizam em nome do Estado e sob a permanente fiscalização do delegante. autárquica e fundacional. depois. Nessa categoria encontram-se os concessionários e permissionários de obras e serviços públicos. 10 . a obrigatoriedade de que os entes federativos instituam novamente um único regime para os seus servidores. contra o agente público delegado. editou-se a EC nº 19. indireta. denominada “Reforma Administrativa Federal”. e. tornando-o matéria infraconstitucional.: jurados. comissários de menores. etc.2 Regime Jurídico: A relação jurídica que interliga os servidores ao Poder Público pode ser: Estatutária (Servidores) possuem CARGOS Celetista (Empregados Públicos) possuem EMPREGOS Temporária (Servidores Temporários) possuem FUNÇÃO Cargo – criado por lei é o lugar instituído na organização do serviço público. nos termos do art. 2. direta. 2 Servidores Públicos 2. ͳͳ Respondem criminalmente como servidores públicos pelos crimes que cometerem no exercício de sua função. tendo em vista erro de procedimento na tramitação da referida Emenda. atribuições e responsabilidades específicas e remuneração correspondente. os serventuários de Cartório.135 que deve prevalecer a redação inicial do art. ͳͳ A Administração Pública responde pelos danos causados a terceiros por este agente. Função – é a atribuição ou conjunto de atribuições que a Administração confere a cada categoria profissional. com denominação própria. mesários eleitorais ͳͳ Enquanto exercem uma função pública sujeitam-se à hierarquia e disciplina do órgão a que estão servindo. Agentes Delegados: são os particulares que recebem a incumbência da execução de determinada atividade. 39 da CF. 39. ou comete individualmente a determinados servidores para a execução de serviços eventuais ou temporários.1 Conceito: São todas as pessoas físicas que mantêm relação de trabalho com a Administração Pública. Emprego – criado por lei é núcleo de encargo de trabalho a ser preenchido por agentes contratados sob uma relação trabalhista (celetista). os leiloeiros oficiais.

• Submete-se a regra do concurso público. No entanto. tem-se: Regime Estatutário é estabelecido por lei em cada esfera de governo (natureza legal). a sua dispensa terá de fundamentar-se em um dos motivos legais. se a contratação passar indevidamente a ter cunho de permanência. pois possuem vínculo previdenciário com o Regime Geral de Previdência Social. 37. • Exigência do Concurso Público. não tendo.Servidores Públicos A unicidade de regime jurídico alcança tão-somente os servidores permanentes. Para os servidores temporários continua subsistente o regime especial. • Tem como requisitos: prazo determinado. prevista pelo art. • Segundo o STF ( 70. O servidor ao tomar posse no cargo público. mas submete-se às normas constitucionais (natureza contratual). inclusive nas Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista. • Os empregados em geral regidos pela CLT possuem um regime contratual o que significa dizer que em princípio ajustam as condições de trabalho e assim ajustadas não podem ser modificadas unilateralmente. Regime Administrativo Especial é adotado na forma da lei de cada pessoa política. Entretanto. o direito à persistência das mesmas condições de trabalho existentes no momento em que ele tomou posse. mas também na Indireta. • Regime Estatutário significa a inexistência de um acordo de vontades no que tange às condições de prestação do serviço – A Administração não celebra contrato com o Servidor Estatutário – as condições de prestação do serviço estão traçadas na Lei (Estatuto). • Sua aposentadoria é regulada pelas regras dos arts. coloca-se sob essas condições. • A aposentadoria se rege pelas regras do Regime Geral da Previdência Social. temporariedade e a excepcionalidade. • Uma vez instituído a Administração deve encerrar a vinculação do servidor as normas da CLT com a conseqüente anotação da mudança na CTPS. • As regras sobre aposentadoria são as constantes no art. Regime Trabalhista é regido pela CLT. que não se limitou ao ingresso na Administração Direta. diverso dos contratos administrativos em geral pelo fato de expressar um vínculo de trabalho subordinado entre a Administração e o servidor. o regime especial fica desnaturado. Trata-se de um regime legal. pois se trata de contrato administrativo de caráter funcional.40 e seus parágrafos. 11 . Assim.226-PA 3ª Seção) os litígios são processados e julgados na justiça comum. para a contratação temporária de excepcional interesse público. no entanto. devendo-se considerar-se o vínculo trabalhista comum. com exceção dos ocupantes exclusivamente de cargos comissionados.201 e 202 da CF. que constituem o Regime Geral da Previdência Social (RGPS) • Não adquiri estabilidade. muito embora estejam subordinados ao estatuto dos servidores. • O servidor celetista é ocupante de emprego público. IX. da CF. • Tem natureza contratual.

• nomeação para exercício de cargo comissionado. • processo seletivo simplificado para as funções temporárias. • o limite de idade para a inscrição só se legitima em face do art. podendo apenas simplificá-lo naquilo que não interfira com a necessária publicidade. Será obrigatório. • contratação para emprego público. desde que tenham sido contratados a partir de anterior processo seletivo efetuado por órgãos ou entes da administração direta ou indireta do Estado. por igual período. ainda. regulamentada pela Lei nº 11. É o exercício que confere 12 . de 14/02/2006. Com a posse ocorre a chamada investidura” do servidor. Na âmbito do Poder Executivo é competência exclusiva do Chefe desse Poder. • contratação por tempo determinado. prorrogáveis uma vez. dispensados de concurso público e processo seletivo simplificado. da CF. porém não é possível o concurso apenas de títulos. seja por que o titular não pertencia ao serviço público anteriormente. seja porque pertencia a quadro funcional regido por estatuto diverso do que rege o cargo provido. Exceção: Após a promulgação da Emenda Constitucional nº 51. 2.3. quando possa ser justificado pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido. Processo Seletivo Simplificado: tem que apresentar características similares às do concurso público. que é o travamento da relação funcional. empregos e funções. que as provas ou provas e títulos guardem relação com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego.1 Provimento de cargo público: O ato formal de designação de alguém para titularizar cargo público denomina-se provimento. • pode ser de provas e títulos. Como regra. Originário: aquele em que o preenchimento do cargo dá início a uma relação estatutária nova. O provimento pode ser originário e derivado. XXI. Nomeação é o ato administrativo que materializa o provimento originário de um cargo. os Agentes Comunitários de Saúde ou de Combate às Endemias podem ser contratados diretamente. Exercício: é o efetivo desempenho das funções atribuídas ao cargo.Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará 2. a nomeação exige que o nomeado tenha sido aprovado em concurso público. Condições do ingresso: • concurso público para cargos e empregos públicos. Concurso Público: procedimento administrativo que tem por fim aferir as aptidões pessoais e selecionar os melhores candidatos ao provimento de cargos. igualdade dos concorrentes e lisura do certame. • poderá ter validade de até dois anos. com exceção da nomeação para cargos em comissão. 7º.3 Ingresso: As formas de ingresso do servidor são as seguintes: • nomeação para cargo efetivo.350 de 05/10/2006. Posse é o ato de aceitação do cargo e um compromisso de bem-servir. Distrito Federal ou Município ou por outras instituições.

Ela implicava em uma mudança de um quadro para outro. Provimentos Inconstitucionais: Transferência: era a passagem de um Servidor de um quadro para outro dentro de um mesmo poder.3. não poderá ser exonerado a pedido. Aproveitamento: é o retorno do servidor que se encontrava em disponibilidade a cargo de atribuições e vencimentos compatíveis com o anteriormente ocupado (o qual foi extinto ou declarado desnecessário). estável ou não. 13 . Readaptação: é a aquele em que o servidor é transferido para outro cargo compatível com a superveniente limitação de capacidade física ou mental. antes mesmo de realizar concurso para aquele cargo. é a elevação de um servidor de uma classe para outra dentro de uma mesma carreira.Servidores Públicos ao servidor o direito à retribuição pecuniária como contraprestação pelo desempenho das funções inerentes ao cargo. Foi considerada inconstitucional. quando insubsistentes os motivos da aposentadoria. vacância é o ato administrativo pelo qual o servidor é destituído do cargo público.  Reintegração: é o retorno do Servidor anteriormente demitido. 2. Reversão: é o retorno do servidor aposentado por invalidez. Se o servidor estiver respondendo a processo administrativo. Derivado: As formas derivadas de provimento dos cargos públicos decorrem de um vínculo anterior entre Servidor e Administração. As formas de vacância. Ascensão: significava a passagem de uma carreira para outra.2 Vacância de cargo público: Ao inverso do provimento. apesar de não haver um consenso doutrinário sobre o tema. com ressarcimento de todas as vantagens a que teria feito jus durante o período de seu afastamento ilegal. são: a aposentadoria. Sendo elas: • Promoção • Readaptação • Reversão • Aproveitamento • Reintegração • Recondução Promoção: é o progresso dentro de uma mesma carreira. ferindo uma norma constitucional. ou seja. o falecimento. Recondução: é o retorno ao cargo anteriormente ocupado do servidor que não logrou êxito no estágio probatório de outro cargo para o qual foi nomeado decorrente de outro concurso. A Administração deve realizar o aproveitamento de forma prioritária. Exoneração a pedido: não assume caráter disciplinar. mediante decisão administrativa ou judicial que determina sua demissão invalidada. a exoneração e a demissão. voltando este para o mesmo cargo que ocupava.

ESTÁGIO PROBATÓRIO. O prazo de aquisição de estabilidade não está vinculado ao prazo de estágio probatorio. 2. Ocorre com servidor não estável que ingressou no período de cinco anos anteriores ao advento da Carta Constitucional de 1988. 2. pois necessita obedecer ao procedimento estabelecido na lei e apontar os motivos em que se fundamenta. Não aprovação no estágio probatório: Característica de ato vinculado. Em relação aos ocupantes de cargos em comissão: a Administração não precisa motivar o ato. 1. este é o posicionamento da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça. • Se houver indicação dos motivos.373/DF. relatado pela Ministra Laurita Vaz.4 Estabilidade: É o direito outorgado ao servidor estatutário nomeado em virtude de concurso. ESTABILIDADE. o servidor será observado pela Administração com a finalidade de apurar sua aptidão para o exercício de um cargo determinado. o servidor será avaliado por uma comissão especial constituída para esta finalidade.2004.Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará Exoneração de Ofício: 1. Demissão: é uma penalidade funcional. Efetividade. É uma característica do cargo provido mediante concurso público. SERVIDORES PÚBLICOS. Ressalte-se que a exoneração é a saída do servidor a pedido ou de ofício. Durante o período de 24 (vinte e quatro) meses do estágio probatório. Ao término de três anos de efetivo exercício. nos casos previstos em lei. Pressupõe processo administrativo disciplinar no qual se assegura a amplitude de defesa. não entra em exercício no prazo estabelecido na lei. no julgamento do Mandado de Segurança 9. 14 . e o ente ultrapassar o limite permitido em lei com as despesas com pessoal. ao passo que a demissão é a dispensa do servidor a título de penalidade funcional. A estabilidade é o direito de permanência no serviço público outorgado ao servidor que tenha transposto o estágio probatório. ao término de três anos de efetivo exercício. ORDEM CONCEDIDA. que concluiu que o prazo de aquisição de estabilidade no serviço público não resta vinculado ao prazo de estágio probatório: MANDADO DE SEGURANÇA. DJ 20. 4. pois o mesmo é discricionário – Servidor demissível “ad nutum”. Estabilidade é o direito de permanência no cargo. outorgado ao servidor que tenha transposto o estágio probatório.112/90. Estágio Probatório é o período pelo qual o servidor é avaliado quanto aos requisitos necessários para o desempenho do cargo. de permanecer no serviço público após três anos de efetivo exercício. ou seja. 169 da CF. sem caráter sancionatório. Quando o servidor que já tomou posse no cargo público. mediante a verificação de específicos requisitos legais. art. 2. INSTITUTOS DISTINTOS.20 DA LEI Nº8. no serviço público. 3. estabilidade e estágio probatório: Efetividade se refere ao cargo. ART. decorrente da prática de ilícito administrativo.09. a Administração ficará vinculada a esses motivos – é a aplicação da TEORIA DOS MOTIVOS DETERMINANTES – terá que comprová-los.

dos Ministros do Supremo Tribunal Federal. verbas de representação ou outra espécie remuneratória.41. funções e empregos públicos da administração direta. § 1º da CF. • Teto Remuneratório: a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos. • a remuneração dos servidores públicos e o subsídio somente poderão ser fixados ou alterados por lei específica.Servidores Públicos 3. dos Estados. o servidor público estável só perderá o cargo: I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado. na forma de lei complementar.37. abono de permanência. e que não tenham sido admitidos na forma regulada no art. não poderão exceder o subͳ sídio mensal. 19. Segundo o art. integrantes da Advocacia Pública e da Defensoria Pública e os servidores policiais: serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única. Estabilidade Excepcional O art. 41. autárquica e fundacional. III - mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho. do Distrito Federal e dos Municípios. 15 . • O membro de Poder. prêmios. podem gerar remuneração superior ao teto: décimo terceiro salário. Ministros do TCU. e. O prazo de aquisição de estabilidade no serviço público não resta vinculado ao prazo de estágio probatório. assegurada revisão geral anual. Subsídio = espécie de remuneração que proíbe o acréscimo de qualquer gratificação. Os servidores admitidos no período de 06/10/1983 a 04/10/1988 permaneceram no serviço público.112/90. em espécie. os Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais. passaram a ser regidos pelo Estatuto dos Servidores com todos os direitos e vantagens. observada a iniciativa privativa em cada caso. sempre na mesma data e sem distinção de índices. • A remuneração não pode ser inferior ao salário mínimo. Interpretação dos arts. autárquica e das fundações públicas. inclusive previdenciários. abonos. Os servidores públicos civis da União. adicionais. membros do Ministério Público. o terço constitucional de férias. Remuneração = Vencimento + vantagens pecuniárias (adicionais).5 Sistema Remuneratório: Vencimento = vencimento-base = retribuição pelo exercício do cargo público. da Constituição. II - mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa. com a obrigatoriedade de um único regime jurídico. trabalho extraordinário. 2. há pelo menos cinco anos continuados. o detentor de mandato eletivo.19 do ADCT dispõe: Art. em exercício na data da promulgação da Constituição. § 4º da Constituição Federal e 20 da Lei nº8. Os institutos são distintos. da administração direta. Há parcelas que por sua natureza. assegurada ampla defesa. são considerados estáveis no serviço público. • os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário não poderão ser suͳ periores aos pagos pelo Poder Executivo. exceto efetividade.

para os que recebem remuneração variável. • Adotar-se o salário mínimo como indexador de base de cálculo das vantagens pecuniárias. percebe remuneração superior ao teto fixado no art.714-SP). é vedadA: • a vinculação (subordinação de um cargo a outro) ou equiparação (tratamento jurídico paralelo de cargos com funções desiguais) de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público. quando houver compatibilidade de horários. um terço a mais do que o salário normal.segundo José dos Santos Carvalho Filho (2008692/693). • Gozo de férias anuais remuneradas com. que com amparo na legislação pertinente.os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão computados nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores. • Repouso semanal remunerado. OU quando forem observados os requisitos do teto remuneratório. • Décimo Terceiro Salário. no caso. 2. • IRREDUTIBILIDADE DE VENCIMENTOS E SUBSÍDIOS . com profissões regulamentadas • a proibição de acumular estende-se a empregos e funções e abrange autarquias. não pode sofrer redução no seu montante. da CF. • EFEITO CASCATA . remuneração mínima para servidores de determinada categoria. RE 565. exceto. sociedades de economia mista. pelo poder público.6 Acumulação de Cargos É vedada a acumulação remunerada de cargos públicos. • Pode-se assegurar. • Garantia de salário.37. nunca inferior ao mínimo. § 3º. 2. fundações.Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará • As vantagens pecuniárias devem ser acrescidas tomando como base o vencimento do cargo. técnico ou científico. será apenas o de manter irreajustável a remuneração até que as elevações remuneratórias subsequentes possam absorver o montante. b) a de um cargo de professor com outro. o servidor. • Salário-família para os seus dependentes. • Remuneração do trabalho noturno superior ao trabalho diurno. O direito do Poder Público. Poderão acumular cargos (Exceção): a) a de dois cargos de professor. XI. e sociedades controladas. suas subsidiárias. empresas públicas. nem que seja reajustado com base na elevação do salário mínimo (STF. em situações excepcionais. 16 .7 Direitos Sociais O art. 39. quais sejam: • Salário Mínimo. pelo menos. • Licença à gestante. direta ou indiretamente. c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde. da CF/88 estendeu alguns direitos sociais outorgados aos trabalhadores em geral para os servidores públicos.

mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho. em cinqüenta por cento à do normal. da CF). nos termos da lei. a exemplo dos empregados privados ou públicos. os RPPS destinam-se aos servidores públicos ocupantes de cargos efetivos e estabilizados (Parecer nº GM-030 da AGU) e aos militares.8 Regime Previdenciário No Brasil. norma emitida pela União define o direito à paridade para alguns coexiste como o reajuste dos benefícios reajuste desatrelado dos servidores ativos 17 . a capitalização e a repartição de capitais de cobertura a limitação é o valor da remuneração na ativa. 2. Tanto o RGPS quanto o RPSS possuem natureza estatal e filiação compulsória. DIFERENÇAS ENTRE RGPS E RPPS CARACTERÍSTICA SEGURADOS REGIME DE FINANCIAMENTO FORMA DE CÁLCULO DA CONTRIBUIÇÃO E DOS BENEFICIOS PREVIDENCIÁRIOS VALOR DO BENEFÍCIO FORMA DE REAJUSTE RGPS Todo individuo. • Licença. • redução dos riscos inerentes ao trabalho.Servidores Públicos • Duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais. que exerça atividade produtiva não incluídos no regime próprio. entretanto a partir da EC 41/2003 poderá haver definição desse teto de contribuição/benefício coexistem aqueles cujo beneficio será definido de acordo com a remuneração da atividade (integralidade) com aqueles que terão seus benefícios calculados pela média das contribuições. os regimes complementares são os de natureza privada.paternidade. no mínimo. mediante incentivos específicos. o RGPS agrega todos os demais trabalhadores. idade. de exercício de funções e de critério de admissão por motivo de sexo. Os regimes básicos são o RGPS – Regime Geral de Previdência Social e os RPPS – Regimes Próprios de Previdência Social – RPPS. • Proteção do mercado de trabalho da mulher. • Remuneração do serviço extraordinário superior. Por sua vez. 40. adota o regime de partição. • Direito à sindicalização. garantiu: • Direito de greve. por meio de normas de saúde. § § 14. nos termos fixados em lei. 202 da CF) e o de natureza pública. a previdência social é composta por regimes básicos e por regimes complementares. além dos facultativos. que será exercido nos termos da lei. 37 VI e VII. • proibição de diferença de salários. definido pela média das contribuições RPPS servidores ocupantes de cargo efetivo dos entes federados adotam a repartição. Em relação aos segurados. sempre haverá um teto de contribuição e benefícios. destinado a complementar os benefícios de qualquer segurado (art. A Emenda Constitucional nº 19 que deu nova redação ao art. higiene e segurança. e os autônomos em geral. 15 e 16. Por sua vez. facultada a compensação de horários e a redução da jornada. cor ou estado civil. servidores comissionados e temporários. cuja finalidade é complementar os RPPS (art.

Destinados apenas aos dependentes 1 – Pensão por morte.887/2004 a da lei instituidora do RPPS no respectivo ente. existem as regras de transição.9 Aposentadorias dos Servidores Públicos Civis no Regime Próprio de Previdência Social 2. 47/05 e 70/12. Os benefícios previdenciários são os seguintes: 1 – Aposentadoria por invalidez. do Art. será vinculado obrigatório ao RGPS o nascimento da relação depende de disposição legal O RGPS. 8 – Salário-maternidade. 5º). é vinculado obrigatório ao RPPS do seu ente federado. 18 . ou seja. por entidades de direito público • BENEFÍCIOS Somente poderão ser concedidos pelos Estados e Municípios os benefícios previstos pelo Regime Geral de Previdência Social — RGPS (Lei Federal n. 40 da CF traduz o que a doutrina chama de “regras permanentes do RPPS”.9.887/04 dentre outras normas. art. 2 – Auxílio-reclusão. Legislação: art. o RPPS. 6 – Auxílio-doença 7 – Salário-família. 40. 3 – Aposentadoria voluntária por idade e tempo de contribuição. Incide também no disciplinamento da matéria a Lei nº 8. constantes exclusivamente das Emendas Constitucionais.213. às situações que refletem direito adquirido. Antes da vigência da Emenda Constitucional nº 20/98 as regras eram simples. O art. aplicáveis àqueles que ingressaram antes da vigência da atual disposição do art. eis que se trata de competência concorrente. BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Destinados apenas aos segurados 2.1. a Lei nº 10. da lei 10. 4 – Aposentadoria voluntária por idade 5 – Aposentadoria especial. cujo critério de aplicabilidade estava relacionado ao preenchimento de um único requisito. 8.112/98. No âmbito da legislação infraconstitucional as regras gerais são ditadas pela Lei nº 9. conhecidas como regras de transição. aplicáveis para os entes federativos. 24.717/98. 201 da CF e das leis 8. por força do disposto no art. de 24/07/91.213/91. 40 da CF e disposições das Emendas Constitucionais nº 20/98. da CF. se não for. 2 – Aposentadoria compulsória. nº 41/03. Paralelamente. 40.212 e 8. aplicáveis àqueles que ingressaram no serviço público a partir de sua vigência.Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará SEMELHANÇA ENTRE O RGPS E RPPS VINCULADO A OBRIGATÓRIA RELAÇÃO INSTITUCIONAL BENEFÍCIO DEFINIDO GESTÃO no desenvolvimento de atividade produtiva se o indivíduo for ocupante de cargo efetivo. inciso XII e parágrafos da CF. nos termos do Art.

8º). caráter contributivo associado ao princípio do equilíbrio financeiro e atuarial e exclusão dos professores do ensino superior do rol dos beneficiados pela aposentadoria especial. A regra de transição desta Emenda disciplina apenas as aposentadorias voluntárias. perderiam o direito a uma aposentadoria especial. além de atribuir uma bonificação para aqueles servidores. além de mantidas todas as situações previstas anteriormente. A Emenda Constitucional nº 41/03 A Emenda Constitucional nº 41/2003 introduziu quatro regimes normativos de aposentação.Servidores Públicos A Emenda Constitucional nº 20/98 A regra geral do art. um regime geral (regra geral de aposentadoria) e três regimes de transição (regras de transição de aposentadoria). • Delimitação dos destinatários do regime próprio. 40 da Constituição Federal. idade e pedágio de forma cumulativa. aplicáveis a quem ingressou no serviço público antes de 15/12/1998. as aposentadorias serão deferidas nas seguintes situações: • Invalidez – integral ou proporcional • Compulsória – aos 70 anos • Voluntária: Por tempo de contribuição com proventos integrais • 35 anos de contribuição/60 anos de idade – homem • 30 anos de contribuição/55 anos de idade – mulher • 10 anos de serviço público 19 . • Os proventos são fixados com base na última remuneração. • Preservou a regra do direito adquirido aplicável a qualquer tempo a todos os servidores que em 15/12/1998 tivesse preenchido os requisitos para aposentar-se. Já as regras de transição são as positivadas nos arts. • O reajuste é feito na mesma data e em idêntico percentual àquele concedido aos servidores em atividade. • Previsão de concessão de até duas aposentadorias pelo RPPS desde que enquadradas nas hipóteses de cargos acumuláveis. ou seja. 40 da Constituição Federal disciplina todas as modalidades de aposentadoria. com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20/98. (Art. 3º e 6º da EC nº 41/03. Citada emenda trouxe várias alterações. A exemplo da Emenda anterior o direito adquirido até 31/12/2003 foi assegurado. que por conta da edição da Emenda. • Direito a paridade entre proventos de inatividade e os vencimentos dos servidores da ativa. estabelece critérios de tempo. com exceção do art. A regra geral de aposentadoria está prevista no art. 2º. além de proibição de contagem de tempo de contribuição fictício. 8º de referida Emenda que trata da regra de transição. tais como: • Fixa critérios cumulativos para a concessão do benefício e acaba com a aposentadoria proporcional.

da seguinte forma: Art. que deixou de ser a remuneração do cargo e passou a ser a média das 80% maiores contribuições sobre os salários recebidos. • O art. As principais alterações trazidas por esta Emenda foram: • Inclusão dos aposentados e pensionistas no rol dos contribuintes do RPPS. • Criou uma quarta regra de transição (art. Contudo. 5º da EC nº 47/05 revoga o parágrafo único do art. para cada ano que o servidor exceder no tempo de contribuição poderá ser reduzido na idade. ou seja. • Sem integralidade e paridade como regra permanente. porém com redutor nos proventos. aplicável a todos os servidores que ingressaram no serviço público até 16/12/1998 (data de publicação da Emenda Constitucional nº 20/1998). 20 . 2º da Emenda Constitucional nº 41/03 • 35 anos de contribuição/53 anos de idade – homem • 30 anos de contribuição/48 anos de idade – mulher • Adicional de 20% (pedágio) sobre o tempo que faltou em 15/12/1998 • 05 anos no cargo em que se dará a aposentadoria • Redutor de 3. Com relação a transição foi mantida a parte que estabelecia condições para aposentadoria integral. em toda a sua extensão. • Alterou o tempo mínimo de serviço de 10 para 20 anos. 3º).Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará • 05 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Por idade com proventos proporcionais • 65 anos de idade – homem • 60 anos de idade – mulher • 10 anos de serviço público • 05 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Para o Professor de educação infantil. o art. 7º da EC nº 41/03. 6º da Emenda 41/03 manteve a aposentadoria pela última remuneração como base de cálculo. • O art. 6º da EC nº 41/03 que estabelecia a paridade apenas mitigada para os servidores que se aposentassem após a EC nº 41/03. ensino fundamental e médio permaneceu o redutor de 05 anos de idade e de contribuição. • Substituição do instituto da integralidade pelo sistema do cálculo de proventos com base na média aritmética das contribuições do servidor – Lei nº 10887/04. 2º da EC nº 47/05 estendeu a todos os servidores aposentados na forma do art.5% para quem vier a atingir a idade (60 ou 55 anos) em 2004 ou até 31/12/2005 ou redutor de 5% para quem atingir a idade somente a partir de 1º de janeiro de 2006. no que se refere a idade. • Alterou a base de calculo. 6º da EC nº 41/03 a paridade e a integralidade na forma assegurada no art. A Emenda Constitucional nº 47/05 A Emenda Constitucional nº 47/2005 modificou alguns aspectos das regras de aposentadoria especificamente no que diz respeito à integralidade e à paridade e veio para atenuar os efeitos da Emenda anterior.

com proventos integrais . 8º e 17 do art. Aplica-se ao valor dos proventos de aposentadorias concedidas com base no caput o disposto no art. dos servidores públicos que ingressaram no serviço público até a data da publicação daquela Emenda Constitucional (31/12/2003).decorrente de acidente em serviço. 6º-A. incluídas suas autarquias e fundações.integrais ou proporcionais. e que tenha se aposentado ou venha a se aposentar por invalidez permanente.9. ou doença grave. 40 da CRFB. conforme o caso. ͳͳ Art.concedidos ou a conceder. que tenha ingressado no serviço público até a data de publicação desta Emenda Constitucional e que tenha se aposentado ou venha a se aposentar por invalidez permanente. • APOSENTADORIAS VOLUNTÁRIAS: • POR IDADE COM PROVENTOS PROPORCIONAIS ͳͳ Art. 40. na forma da lei.demais casos não estabelecidos para invalidez com proventos integrais. Parágrafo único. com fundamento no inciso I do § 1º do art. 40 da Constituição Federal. com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20/98. com proventos proporcionais . diz respeito somente a quem se aposentou por invalidez. do Distrito Federal e dos Municípios. dos Estados. 1º da Lei nº 10887/04. 21 . assim dispondo referido artigo 6º-A: Art. inciso III. observando-se igual critério de revisão às pensões derivadas dos proventos desses servidores.integral ou proporcional . • Regra Geral .Art. inciso II da Constituição Federal. calculados com base na remuneração do cargo efetivo em que se der a aposentadoria e não mais calculado conforme art. estabelecendo critérios para o cálculo e a correção dos proventos da aposentadoria por invalidez . a base de cálculo é o valor da última remuneração. ou seja. terá direito a proventos de aposentadoria . Se o ingresso se deu a partir de 01/01/2004 proventos calculados pela Emenda Constitucional nº 41/03. O servidor mencionado que tenha ingressado no serviço público até 31/12/2003. com fundamento no inciso I do § 1º do art. 40. 2. 40. contagiosa ou incurável. 40 da Constituição Federal. data da publicação da EC 41/2003. 7º desta Emenda Constitucional. especificadas em Lei. Por invalidez permanente. não sendo aplicáveis as disposições constantes dos §§ 3º. se os requisitos foram implementados antes da edição da Emenda nº 41/03. inciso I da Constituição Federal Se o ingresso se deu até 31/12/2003 proventos calculados com base na Emenda Constitucional nº 70/12. O servidor da União.2 Modalidades • APOSENTADORIA POR INVALIDEZ Por invalidez permanente. (grifamos). pelas médias. • APOSENTADORIA COMPULSÓRIA Aos 70 anos de idade. Acrescenta o artigo 6º-A ao texto da EC 41/2003. Sempre de forma proporcional. ou seja. tem direito a proventos de aposentadoria calculados com base na remuneração do cargo efetivo em que se der a aposentadoria. alínea “b” da Constituição Federal. moléstia profissional. com base nas médias aritméticas das 80% maiores contribuições.Servidores Públicos A Emenda Constitucional nº 70/12 Emenda Constitucional nº 70/2012.

2º e 6º da Emenda Constitucional nº 41/03 • Art. 2º da Emenda Constitucional nº 20/98 solicita: • Homem: 53 anos de idade e 35 anos de contribuição • Mulher: 48 anos de idade e 30 anos de contribuição • 05 anos de efetivo exercício no cargo em que se dará a aposentadoria • Pedágio de 20% do tempo que. Reajuste do Benefício: dar-se-á nas mesmas datas e com os mesmos índices utilizados para o reajuste dos benefícios do RGPS. 8º da Emenda Constitucional nº 20/98 • Art. 8º da Emenda Constitucional nº 20/98: • Ingresso regular no serviço público em cargo efetivo até 16.5% para quem vier a atingir a idade (60 ou 55 anos) em 2004 ou até 31/12/2005 ou redutor de 5% para quem atingir a idade somente a partir de 1º de janeiro de 2006.12. faltaria para completar os 35 ou 30 anos de contribuição Regra de transição – art. alínea “a”. Forma de cálculo: Aplicação da média aritmética simples das maiores contribuições efetuadas a partir de julho/1994. 40. 40.12. faltaria para completar os 35 ou 30 anos de contribuição • Redutor de 3. inciso III. (Lei nº 10887/04). Teto do benefício: Remuneração do servidor no cargo efetivo. alínea “a” da Constituição Federal • Art. terá os proventos calculados com base nas médias de que tratam a Lei nº 10887/04.98 • Homem: 53 anos de idade e 35 anos de contribuição • Mulher: 48 anos de idade e 30 anos de contribuição • 05 anos de efetivo exercício no cargo em que se dará a aposentadoria • Pedágio de 20% do tempo que. cinco anos de redução no tempo e na idade para professor exclusivo do ensino fundamental e médio. Regra de transição – art. em 16. 22 .98. § 5º da Constituição Federal (Professor) Regra de Transição • Art. • POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO COM PROVENTOS INTEGRAIS Regra Geral • Art.Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará Caso os requisitos tenham sido implementados após referida emenda.12. 2º e 3º da Emenda Constitucional nº 47/05 A regra geral solicita como requisitos: • 10 anos de efetivo exercício no serviço público • 05 anos no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria • Homem: 60 anos de idade e 35 anos de contribuição • Mulher: 55 anos de idade e 30 anos de contribuição • Se professor.98. para preservação do valor real. • A base de cálculo dos proventos é a média aritmética. inciso III. em 16.

5% 0% % A RECEBER 75.5% 79% 82.5% 100% PARA QUALQUER SERVIDOR QUE COMPLETAR OS REQUISITOS DO ART.) 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% % A RECEBER 65% 70% 75% 80% 85% 90% 95% 100% 23 . IDADE HOMEM/MULHER 53/48 54/49 55/50 56/51 57/52 58/53 59/54 60/55 % A REDUZIR (3. incluindo-se o magistério que não seja de educação infantil e do ensino fundamental e médio. com tempo de magistério. 2º da EC nº 41/2003 PARA QUALQUER SERVIDOR QUE COMPLETAR OS REQUISITOS DO ART.5% a.5% 93% 96. Calcula-se primeiro o bônus de 17% e depois o pedágio. INCLUSIVE PROFESSORES QUE NÃO SEJAM DE EDUCAÇÃO INFANTIL E DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO.5% a. 2º da EC 41/2003 APÓS 1º /01/2006. coordenação e assessoramento pedagógico. O teto do benefício: Remuneração da servidora no cargo efetivo. além da docência. IDADE HOMEM/MULHER 53/48 54/49 55/50 56/51 57/52 58/53 59/54 60/55 % A REDUZIR (3. os profissionais que exercem direção de unidade escolar. 2º da EC 41/2003 ATÉ 31/12/2005.a. exclusivamente. acréscimo de 17%(homem) e 20%(mulher) no tempo de efetivo exercício até 16/12/98. INCLUSIVE PROFESSORES QUE NÃO SEJAM DE EDUCAÇÃO INFANTIL E DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO. Observação: a Lei nº 11. aplica-se a tabela de redução. TABELAS DE REDUÇÃO PARA CONCESSÃO DE APOSENTADORIA PELA REGRA DE TRANSIÇÃO – Art. A forma de cálculo: Aplicação da média aritmética simples das maiores contribuições efetuadas a partir de julho/1994.a.5% 21% 17.5% 86% 89.5% 14% 10.) 24.5% 7% 3. para preservação do valor real. desde que se aposente. Posteriormente.301/2006 considerou para efeito de aposentadoria especial do professor.Servidores Públicos Reajuste do Benefício: dar-se-á nas mesmas datas e com os mesmos índices utilizados para o reajuste dos benefícios do RGPS. Para o professor.

cinco anos de redução no tempo e na idade para professor exclusivo do ensino fundamental e médio. 6º da Emenda Constitucional nº 41/03 requer: • 10 anos de efetivo exercício no serviço público • 05 anos no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria • Homem: 60 anos de idade e 35 anos de contribuição • Mulher: 55 anos de idade e 30 anos de contribuição • Se professor. pela regra de transição. 2º da EC 41/2003 APÓS 1º/01/2006 (**) 53/48 54/49 55/50 10% 5% 0% 90% 95% 100% * Para o cálculo dos proventos dos professores.5% a.mulher • 25 anos de serviço público • 15 anos de carreira • 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria • Redução de ano de idade para cada ano que exceder o tempo de contribuição. • Redutor conforme § 5º.) 7% 3. o teto do benefício é a remuneração do servidor no cargo efetivo e o reajuste é pela paridade com a remuneração dos servidores ativos. 6º da Emenda Constitucional nº 41/03. As pensões derivadas dos proventos dos servidores que se aposentaram de acordo com esta regra. 40 da CF. A base de cálculo dos proventos é a última remuneração.5% 0% % A RECEBER 93% 96. 40 da CF Regra de transição – art.Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL E DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO QUE COMPLETAREM OS REQUISITOS DO ART. art. não será aplicada a redução de idade e tempo de contribuição prevista no § 5º do Art. 2º da EC 41/2003. Regra de transição – art. ** Para o cálculo do redutor previsto no § 1º do Art. 2º da Emenda Constitucional nº 47/05 requer: Os mesmos requisitos do art. Regra de transição – art. também serão reajustados pela paridade. A forma de cálculo é pela última remuneração no cargo efetivo. 3º da Emenda Constitucional nº 47/05 requer: • 35 anos de contribuição – homem. 2º da EC 41/2003 aplica-se a redução estabelecida no § 5º do Art. 24 . 2º da EC 41/2003 ATÉ 31/12/2005 (*) IDADE HOMEM/MULHER 53/48 54/49 55/50 % A REDUZIR (3. o teto do benefício é a Remuneração do servidor no cargo efetivo e o reajuste se dará pela paridade com a remuneração dos servidores ativos. 30 anos de contribuição . apenas o disposto no § 4º do art. 40 da CF.5% 100% PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL E DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO QUE COMPLETAREM OS REQUISITOS DO ART.a.

art. ou (Incluído pela Emenda Constitucional nº 41. assim como as respectivas autarquias e fundações. § 7º . ou inválido de qualquer idade – Dependência comprovada. § 7º. caso aposentado à data do óbito.ao valor da totalidade dos proventos do servidor falecido. caso em atividade na data do óbito. A pensão por morte está amparada na Constituição Federal. OBS.. 40. 40.2003) I . com base na redação dada ao § 1º do art. 19.ao valor da totalidade da remuneração do servidor no cargo efetivo em que se deu o falecimento.. concedidas a partir de 1º de janeiro de 2004.Servidores Públicos 2. filho não emancipado ou equiparado (tutelado. à revisão das aposentadorias. os Estados.2003). incisos I e II.A União. e das pensões delas decorrentes. de 15 de dezembro de 1998. que será igual: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 41. até o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social de que trata o art. . 19. com efeitos financeiros a partir da data de promulgação desta Emenda Constitucional.. União estável comprovada. de 29/03/2012 veio para estabelecer critérios para o cálculo e a correção dos proventos da aposentadoria por invalidez dos servidores públicos que ingressaram no serviço público até a data da publicação daquela Emenda Constitucional.2003) A Emenda Constitucional nº 70. II . 201.Lei disporá sobre a concessão do benefício de pensão por morte. Classe II – Os pais – dependência comprovada Classe III – Irmão não emancipado. no prazo de 180 (cento e oitenta) dias da entrada em vigor desta Emenda Constitucional. conforme artigo abaixo citado: Art. até o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social de que trata o art. 201. A existência de dependente da classe I exclui do direito à pensão os dependentes das demais classes. o Distrito Federal e os Municípios. onde a dependência é presumida. O benefício tem início a partir do óbito ou do Requerimento. Observando-se igual critério de revisão às pensões derivadas dos proventos desses servidores. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 41.12. DEPENDENTES CLASSE I – cônjuge. menor de 21 anos de idade. 19. enteado) menores de 21 anos ou inválido de qualquer idade. companheiro.10 PENSÃO Pensão por morte é o benefício previdenciário mensalmente devido ao conjunto dos dependentes do servidor municipal segurado do Regime Próprio de Previdência Social. Art.12. acrescido de setenta por cento da parcela excedente a este limite. 25 .12. 2º . acrescido de setenta por cento da parcela excedente a este limite. de qualquer condição. 40 da Constituição Federal pela Emenda Constitucional nº 20. procederão. sob guarda. das demais classes deverá ser comprovada. A dependência econômica das pessoas indicadas na classe I é presumida.

Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará 26 .