You are on page 1of 26

Florestas e Mudanças Climáticas

Adaptado e traduzido do material do CIFOR por Almeida Sitoe e Benard Guedes

TopicCurso 1, Slide de 1 ofcapacitação 47

sobre o REDD+, Nampula 21-22 de Julho de 2011

Objectivos
 Apresentar as ligações entre as mudanças
climáticas, florestas e agricultura

 Identificar formas de abordar as questões das
mudanças climáticas em programas de florestas e agricultura

Módulo 1, Slide 2 de 25

Estrutura
1. Serviços de ecossistemas de terras florestais e
agrícolas

2. Florestas e mitigação 3. Florestas e adaptação

4. Pagamento por serviços ambientais:
Armazenamento de carbono e UNFCCC

Módulo 1, Slide 3 de 25

1. Serviços de ecossistemas e mudanças climáticas  As paisagens proporcional serviços de ecossistemas

• • • • •

Armazenamento de carbono  mitigação Regulação da qualidade da água  adaptação Regulação do microclima  adaptação Oportunidades económicas  adaptação Valores da biodiversidade e culturais  adaptação

 Os serviços ambientais são vulneráveis a variabilidade
e mudanças climáticas • Práticas para reduzir a vulnerabilidade dos ecossistemas  adaptação

Módulo 1, Slide 4 de 25

2. Florestas e mitigação: Armazenar o carbono terrestre

Módulo 1, Slide 5 de 25

Escala global: O Ciclo de carbono
Aumento na atmosfera 4.1

7.2
2.2 1.6

2.6

Aborção residual terrestre

Emissões de combustíveis fósseis

Absorção dos oceanos
Módulo 1, Slide 6 de 25

Desmatamento

O que é uma tonelada de CO2?
 Exemplos do dia-a-dia

• • • •

Viajar de avião de Maputo para Pemba = 0.4 tCO2/pessoa Uso médio de um automóvel nos Estados Unidos = 5.4 tCO2/ano Uma pessoa nos Estados Unidos = 25 tCO2/ano Uma pessoa na India = 1 tCO2/ano

 Algumas médias nacionais

www.epa.gov/climatechange/emissions/ind_calculator.html www.nature.org/initiatives/climatechange/calculator/
Módulo 1, Slide 7 de 25

Uma floresta = stock de carbono
Floresta tropical (IPCC, 2003):

Escala de uma floresta: Stocks e fluxos
Uma floresta = fluxos de carbono
CO2 Atmosférico

1 kg de madeira seca ≈ 0.5 kg de carbono  Biomassa acima do solo: 65 a 430 tC/ha  Solo: 44 a 130 tC/ha
Fotossíntese
Respiração

∑= Fluxo de absorção líquida

Folhas

Ramos

Mineralização

Troncos
Sub-bosque

Mortalidade Produtos

Madeira e folhas mortas

Humificação

Solo
Roots
Módulo 1, Slide 8 de 25

Ligação entre stock e fluxo
Se o stock aumenta…. Fluxo: Carbono incorporado Se o stock reduz…

Fluxo: Carbono libertado

CO2 Atmosférico: Reduz (menos mudanças climáticas) Processo: C fixação, absorção, remoção Forest: C sumidouro Example: Floresta cresce

CO2 Atmosférico : Aumenta (mais mudanças climáticas) Processo: C emissão Forest: C fonte Example: Floresta degradada ou queimada

Módulo 1, Slide 9 de 25

Comparando cenários
Para mitigação de mudanças climáticas, qual é a melhor alternativa?  Uma planície degradada (A)  Uma floresta plantada que é destruida ou queimada regularmente (B)
Carbono

A
Anos

Carbono

B
Anos

Resposta: B
Carbon

Carbono adicional armazenado na alternativa B comparado com alternativa A = carbono que não contribui para as mudanças climáticas (ainda que seja temporário)
Years

Módulo 1, Slide 10 de 25

Floresta não perturbada
 Uma floresta não perturbada:

• •

Elevado stock Mas não um elevado sumidouro
Carbono

 +/- equilíbrio (climax)  Debate científico: • Medições: sumidouro (fertilização de
CO2, recuperação de distúrbios passados, amostragem espacial)

Mesmo que uma floresta não perturbada não absorve GeE da atmosfera, é melhor conservá-la do que converté-la para outros usos

Anos

 Ver próximo slide

Módulo 1, Slide 11 de 25

Comparando cenários
Para mitigação de mudanças climáticas, qual é a melhor alternativa?
• Conservar uma floresta não perturbada (A) • Converter esta floresta para uma plantação florestal (B)?
Carbono Carbono

A
Anos

B
Anos

Resposta: A
Carbono

Carbono emitido para a atmosfera no cenário B comparado com o cenário A =

Carbono que contribui para mudanças climáticas
Anos
Módulo 1, Slide 12 de 25

Produtos florestais
 Produtos florestais podem
substituir:
CO2 Lenha CO2 Energia

• •

Materiais de construção tais como aluminio, ferro, cuja produção emite elevados GeE Energia, tal como petróleo, carvão mineral, gas

 Lenha:

CO2 Energia

Existe um baixo balanço de CO2 se a colheita for sustentável e a produção elevada.

Módulo 1, Slide 13 de 25

Como é que o sector de florestas pode mitigar as mudanças climáticas?
 Aumentando stocks de carbono
Estabelecendo florestas Carbono (NÃO é uma definição politica) Projecto Benefício

Desenvolvendo Sistemas agroflorestais

Baseline
Anos

Floresta

 Evitando perdas de stocks carbono Carbono
Com conservação Reduzindo desmatamento Benefício Baseline (Desmatamento) Anos

 Reduzindo emissões causadas
por actividades florestais
Menos energia, combustiivel, fertilizantes...

Energia

 Produzindo bio-materiais e bio-energia
Módulo 1, Slide 14 de 25

3. Florestas e adaptação: Serviços ambientais de apoio

 As discussões das florestas nas mudanças climáticas têm
enfoque na mitigação  O papel das florestas na adaptação é subestimado  Porquê?

• • •

Adaptação é um assunto local Não facilmente quantificada Maiores incertezas Florestas provem serviços que são importantes para a adaptação Adaptação é importante para florestas porque estas são vulneráveis aos impactos climáticos

 Duas razões para considerar florestas na adaptação


Módulo 1, Slide 15 de 25

Florestas são importantes para adaptação
Florestas provem bens e serviços ambientais

 

Controle da erosão e deslizamento de terras para infraestruturas, e hidroelectricidade Regulação do ciclo da água (redução das cheias, conservação para a época seca) para infraestrutura, assentamentos Provem madeira e produtos florestais não-madeireiros para o consumo, venda, e saúde

Módulo 1, Slide 16 de 25

Maior resiliência em Niger
 Através de um projecto da USAID  Impactos:


Mais de 4 milhões de hectares do Niger tornaram-se mais verdes e cobertas de árvores do que nos anos 1970 Aumento da diversidade de alimentos e fontes de subsistência

 Menor pobreza  Maior resiliâneica a

secas cíclicas e pragas de gafanhotos
aumentam a subsistência e reduzem a degradaçã

 Paisagens com árvores

Módulo 1, Slide 17 de 25

Adaptação é importante para as florestas
 Florestas são ecossistemas vulneráveis • Stress climático directo:
 Mudança no regime de precipitação, temperatura, vento…

• •

Stress indirecto:

 Aumento das queimadas, pragas, cheias…
Consequências:

 Perda de produtividade, biodiversidade, carbono, protecção
do solo…

 Perda de bens e serviços ambientais

Módulo 1, Slide 18 de 25

Medidas de adaptação para aumentar a resiliência dos ecossistemas florestais
 Uso de espécies ou variedades com maior tolerância às

queimadas Manejar ou reduzir as queimadas, insectos, risco de cheias através de:

Desbastes, queimadas controladas, remoção de material morto, ajuste da exploração, planificação, fiscalização

 Ajuste do processamento da madeira para usar

diferentes tamanhos e qualidades Aumentar a matéria orgânica do solo, práticas agroflorestais

Módulo 1, Slide 19 de 25

Conseguir serviços múltiplos dos ecossistemas: Uma abordagem integral de ecossistemas para adaptação e mitigação

 Florestas são parte integrante de ecossistemas  Agricultura nas áreas adjacentes tem sido a maior causa
de desmatamento

 Muitas vezes, para resolver assuntos de desmatamento
é preciso resolver assuntos relacionados com direitos de uso de terra e melhorar a produtividade agrícola

 Aumentar o cabono do solo e plantar árvores nos
sistemas agrícolas pode aumentar a produtividade agrícola, ao mesmo tempo que facilita a mitigação e a adaptação

Módulo 1, Slide 20 de 25

4. Pagamento por serviços ambientais: Armazenamento de carbono e a UNFCCC
 Principais acordos internacionais para mudanças climáticas

• •

1992: Convenção Quadro das Nações Unidas para as Mudanças Climáticas (UNFCCC) 1997: Protocolo de Kyoto

 Complementado pelos acordos das CoP
e.g. Marrakesh CoP7 2001, Milan CoP9 2003

 Adaptação e acordos internacionais

• • •

Quase nenhum Impactos e adaptação nas comunicações nacionais NAPA – Plano de Acção Nacional de Adaptação

 Ênfase na mitigação

Módulo 1, Slide 21 de 25

Estado de ratificação do protocolo de Kyoto

Source: Wikipedia 2008, permission granted under the GNU Free Documentation license

Módulo 1, Slide 22 de 25

O Protocolo de Kyoto
Redução das emissões (para 2008-2012: 95% em média do nível de 1990)
Países do Anexo I tC

Mecanismos de flexibility

Países do Anexo I

Emissions Trading (ET)

$

Project

Joint Implementation (JI)

tC

$

Países do Anexo I

tC

Project
Países Non-Annex I

Mecanismo de desenvolvimento Limpo (CDM)

Esforços Nacionais
Módulo 1, Slide 23 de 25

$

Florestas e o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

 Actividades elegíveis

 Requisitos

• • • • • •

Florestamento e Reflorestamento (pode incluir sistemas agroflorestais) Áreas sem florestas em 31 Dezembro 1989 Aditionalidade e linha de base Metodologias Permanência e créditos temporários Questões de escala

 Complexidade e custos de transação  Estado em 20 Abril 2010

• •

15 projectos florestais registados (entre um total de 2151 projectos CDM) 17 metodologias aprovadas

Módulo 1, Slide 24 de 25

Redução das emissões de desmatamento, etc: “REDD+”
 Também conhecido como

  

REDD (Redução das Emissões do Desmatamento e Degradação florestal) Desmatamento nas regiões tropicais = 17.4% emissões Não está incluido em nenhum acordo tal como CDM Em 2005: início de nocvas discussões sobre o RED • Principais assuntos:

 Ligar ao mercado de carbono ou aos fundos?  O que é que deve ser recompensado (reduçoes comparados a uma linha de base)  Impactos no desenvolvimento sustentável,
redistribuição de benefícios  Monitoria

• • • •

Bali 2007: acordo de acções piloto Programa do Banco Mundial: Forest Carbon Partnership Facility UN-REDD Muitas iniciativas bilaterais REDD+ • Redução de emissões do desmatamento e degradação florestal • Conservação de florestas, maneio florestal sustentado, aumento dos sumidouros de carbono

Módulo 1, Slide 25 de 25

Obrigado

Topic 1, Slide 26 of 47