PNV 2442

Laboratório

Laboratório de PNV 2442

Métodos Computacionais para Engenharia II

Introdução à Análise de Elementos Finitos Utilizando os Programas MSC Patran e Nastran.

Gustavo Henrique B. Donato Prof. Dr. Claudio Ruggieri Outubro - 2007

1

PNV 2442

Laboratório

Índice:
Ferramentas e Convenções ..................................................................................3 Tutorial 1: Elemento de Barra ...............................................................................4 1.1 - Objetivos .....................................................................................................4 1.2 – Modelo Proposto .......................................................................................4 1.3 – Construção do modelo .............................................................................4 1.4 – Processamento do modelo.....................................................................17 1.5 – Pós-processamento e análise dos resultados......................................19 Tutorial 2: Elemento de Viga/Pórtico .................................................................22 2.1 - Objetivos ...................................................................................................22 2.2 – Modelo Proposto .....................................................................................22 2.3 – Construção do modelo ...........................................................................23 2.4 – Processamento do modelo.....................................................................39 2.5 – Pós-processamento e análise dos resultados......................................39 Tutorial 3: Elementos Viga e Casca/Painel Reforçado .....................................40 3.1 - Objetivos ...................................................................................................40 3.2 – Modelo Proposto .....................................................................................40 3.3 – Construção do modelo ...........................................................................41 3.4 – Processamento do modelo.....................................................................61 3.5 – Pós-processamento e análise dos resultados......................................61 Tutorial 3a: Exercício 3 considerando peso próprio. .......................................62 3a.1 - Objetivos .................................................................................................62 3a.2 – Passos suscetíveis a alterações ..........................................................62 Exercício 4 - Prático: Elementos Triangulares Planos .....................................65 4.1 - Objetivos ...................................................................................................65 4.2 – Modelo Proposto .....................................................................................65 4.3 – Pede-se.....................................................................................................65 Exercício 5 - Prático: Cálculo de Kt ....................................................................66 5.1 - Objetivos ...................................................................................................66 5.2 – Modelo Proposto .....................................................................................66 5.3 – Pede-se.....................................................................................................66 Exercício 6 - Prático: Tensões em dutos. ..........................................................67 6.1 - Objetivos ...................................................................................................67 6.2 – Modelo Proposto .....................................................................................67 6.3 – Pede-se.....................................................................................................67

2

(2) um solver e (3) um pósprocessador. *** Códigos de elementos finitos não reconhecem unidades. enquanto o software MSC Nastran é utilizado como solver. Estes 3 programas são responsáveis. Assim. o software MSC Patran é utilizado como pré e pós- processador. através da discretização do contínuo em nós e elementos. a saber: (1) um pré-processador. por: (1) gerar o modelo de elementos finitos. respectivamente. os resultados serão apresentados em unidades não usuais e de difícil avaliação. ** Na disciplina PNV 2442. ou seja.PNV 2442 Laboratório 0 Ferramentas e Convenções * Os “pacotes” de elementos finitos geralmente possuem 3 softwares que se complementam. Caso contrário. os programas só recebem (e entregam) números puros (sem suas respectivas unidades dimensionais). o usuário é responsável por fornecer ao solver os parâmetros em um sistema coerente de unidades. 3 . (2) resolver o sistema de equações e (3) apresentar os resultados ao usuário.

• Processar o modelo de elementos finitos.0 +7.Objetivos • Construir um modelo para a estrutura treliçada proposta no item 1.1 – Criação dos nós e elementos Para criar nós e elementos iremos (1) acessar o menu Elements.0 0. (II) criação dos elementos. (2) selecionar a opção Create na caixa Action.0 +3. (V) definição do material e (VI) definição das propriedades da seção das barras.0 +2.1 .5 -7.3. 1.5 +5. (3) selecionar a opção Node na caixa 4 .0 X Nó X X Elemento X 1 tf 2 tf 4 4 3 E = 210000 MPa A = 250 mm2 υ = 0.0 0.2 através de elementos unidimensionais do tipo barra (Rod). avaliando os deslocamentos resultantes no nó 4 da estrutura.0 0.0 0.0 +2.2 – Modelo Proposto Nó 1 2 3 4 5 6 Posição (m) X 0. • Pós-processar os resultados.0 Z 0.0 0.3 5 9 8 7 3 2 5 6 6 1 1 2 1.0 -3.0 Y 0. (III) definição das condições de contorno.PNV 2442 Laboratório 1 Tutorial 1: Elemento de Barra 1.5 0. 1.3 – Construção do modelo A construção deste modelo irá obedecer a seguinte ordem: (I) criação dos nós. (IV) aplicação de carregamento.0 0.5 0.

(4) desativar a opção Associate with Geometry e entrar com as coordenadas nodais na caixa Node Location List na forma: [posX posY posZ] (1) Acessar o menu Elements (2) Na caixa Action selecionar a opção Create (3) Na caixa Object selecionar a opção Node (4) Desativar a opção Associate with Geometry e entrar com as coordenadas nodais na caixa Node Location List. Clicar em Apply para criar o nó. Repetir para o número de nós desejado. 5 .PNV 2442 Laboratório Object.

(8) Clicar no primeiro e depois no segundo nó do elemento. (6) acessar novamente a caixa Object e selecionar a opção Element. Criados os nós. e (8) clicar respectivamente no primeiro e segundo nós desejados para cada elemento. (7) Na caixa Shape. devemos criar os elementos. (6) Na caixa Object selecionar a opção Element. (5) Clicar no botão Node size para facilitar a visualização dos nós. Repetir esta operação até que todos os elementos sejam criados. (7) acessar a caixa Shape e selecionar a opção Bar.PNV 2442 Laboratório Neste ponto todos os nós de interesse foram criados e para facilitar a visualização pode-se (5) clicar no botão Node size. 6 . selecionar a opção Bar. Para tal.

3. (13) definir um nome para o primeiro “tipo” de vínculo na caixa New Set Name e clicar no botão Input Data. (9) Acessar o menu Loads/BCs.PNV 2442 Laboratório Nesta etapa o modelo deve estar da seguinte forma: 1. (9) acessar o menu Loads/BCs. Para tal. 7 .2 – Condições de Contorno Agora serão aplicadas condições de contorno e carregamentos. (11) selecionar a opção Displacement na caixa Object. (10) ativar a opção Create na caixa Action. (12) selecionar a opção Nodal na caixa Type.

Existem dois campos onde serão definidos: (a) as restrições translacionais e (b) as restrições rotacionais. Agora serão selecionados os nós que receberão tais vínculos. deve ser usado um espaço em branco. clicar em Apply. (11) Selecionar a opção Displacement na caixa Object. (17) selecionar o(s) nó(s) onde serão aplicadas as restrições . O botão Input Data abrirá um novo menu. Para tal. Os passos 14 a 17 devem ser repetidos até que todas as condições de vinculação desejadas tenham sido criadas. (15) clicar no botão Select Application Region e (16) selecionar a opção FEM. 8 . Após definir as restrições. clicar no botão Add e depois em OK. Caso um grau de liberdade deva ser definido como livre.PNV 2442 Laboratório (10) Ativar a opção Create na caixa Action. identificado através de vírgulas como caracteres separadores. Para confirmar e finalizar o procedimento. no qual (14) serão definidos os graus de liberdade restritos para cada vínculo. clicar em OK para retornar ao menu anterior. respectivamente nas formas <TX TY TZ> e <RX RY RZ>. (13) Definir um nome para o primeiro “tipo” de vínculo na caixa New Set Name e clicar no botão Input Data. (12) e selecionar a opção Nodal na caixa Type.

clicar no botão Add e depois em OK.PNV 2442 Laboratório (13) Definir as restrições do modelo e clicar em OK. Restrições translacionais. (15) Clicar no botão Select Application Region. (16) Selecionar a opção FEM. Restrições rotacionais. 9 . (17) Selecionar o(s) nó(s) onde serão aplicadas as restrições .

(22) definir um nome para o primeiro carregamento na caixa New Set Name e clicar no botão Input Data. 10 . aplicaremos o carregamento pretendido. (19) manter ativa a opção Create na caixa Action. (20) selecionar a opção Force na caixa Object. Para isso.3. o modelo deve estar da seguinte forma: 1.3 – Condições de Carregamento Definidas as restrições aos graus de liberdade. (18) ainda no menu Loads/BCs. (21) selecionar a opção Nodal na caixa Type. (18) Ainda no menu Loads/BCs.PNV 2442 Laboratório Com a vinculação definida.

Após entrar com as forças clicar em OK para retornar ao menu anterior. Caso uma direção não tenha cargas. Para confirmar e finalizar o procedimento devemos clicar em Apply. no qual (23) serão definidas as magnitudes e direções dos carregamentos aplicados no(s) nó(s) pretendido(s). deve ser usado um espaço em branco. clicar no botão Add e depois clicar em OK. (22) Definir um nome para o primeiro carregamento na caixa New Set Name e clicar no botão Input Data. Existem dois campos onde serão definidos: (a) as forças e (b) os momentos. respectivamente nas formas <FX FY FZ> e <MX MY MZ>. (24) Clicar então no botão Select Application Region. (25) selecionar a opção FEM. Forças Momentos 11 . (20) selecionar a opção Force na caixa Object.PNV 2442 Laboratório (19) Manter ativa a opção Create na caixa Action. (23) Definir o carregamento aplicado ao modelo e clicar em OK. (21) e selecionar a opção Nodal na caixa Type. identificado através de vírgulas como caracteres separadores. Os passos 23 a 16 devem ser repetidos até que todas as condições de carregamento tenham sido criadas. (26) selecionar o(s) nó(s) que receberá(ão) esta força. O botão Input Data abrirá um novo menu.

PNV 2442 Laboratório (24) Clicar então no botão Select Application Region. clicar no botão Add e depois clicar em OK. Após a aplicação das cargas o modelo deve estar da seguinte forma: 12 . (25) Selecionar a opção FEM. (26) Selecionar o(s) nó(s) que receberá(ão) este carregamento (neste caso só nó 4).

Adicionalmente. selecionar as opções: (28) Create na caixa Action. (29) Isotropic na caixa Object.3. (28) Selecionar Create na caixa Action. (31) definir um nome a este material no campo Material Name e clicar em Input Properties. (30) e Manual Input na caixa Method. (27) acessar o menu Materials. 13 . (29) Isotropic na caixa Object e (30) Manual Input na caixa Method.PNV 2442 Laboratório 1. Para tal.4 – Definição de Material para os Elementos Agora devemos informar ao programa de elementos finitos o material do qual os elementos de nossa estrutura serão constituídos. (31) Definir um nome a este material no campo Material Name e clicar em Input Properties. (27) Acessar o menu Materials.

(36) 1D na caixa Object e (37) Rod na caixa Type. devemos (32) informar ao programa o módulo de elasticidade e o coeficiente de Poisson. 14 .PNV 2442 Laboratório Após clicar no botão Input Properties irá aparecer um novo menu. clicar em OK para voltar ao menu anterior e (33) clicar em Apply para confirmar a criação do material. Na sequência devemos (38) definir um nome para esta propriedade no campo Propertie Set Name e clicar em Input Properties. (32) Definir o módulo de elasticidade e o coeficiente de Poisson. (33) Clicar em Apply para confirmar a criação do material.3. Para tal.5 – Definição de Propriedades das Seções da Barras Neste momento devemos informar ao programa as propriedades dos elementos que compõem a estrutura. 1. (34) acessar o menu Properties e selecionar as opções: (35) Create na caixa Action. Na seqüência. então. no qual são dadas as características do modelo constitutivo do material em definição. e clicar em OK. Módulo de Elasticidade Coeficiente de Poisson. Neste caso. trabalharemos com material elástico linear.

(41) clicar em OK para voltar ao menu anterior. (35) Selecionar Create na caixa Action. Um novo menu aparecerá na tela. (38) Definir um nome para a propriedade no campo Propertie Set Name e clicar em Input Properties.PNV 2442 Laboratório (34) Acessar o menu Properties. clicando sobre o ícone de seleção de materiais e posteriormente clicando sobre o material de interesse na lista e (40) definir a área da seção transversal dos elementos em estudo. e aí devemos: (39) selecionar o material. (37) e Rod na caixa Type. 15 . Ao fim. (36) 1D na caixa Object.

Para confirmar (45) clicar em Add e (46) em Apply. Para tal. (43) clicar no botão Beam element e (44) selecionar todos os elementos. (43) Clicar no botão Beam element. (42) Posicionar o cursor clicando no campo Select Members. Área da seção transversal. Definida a propriedade. clicando sobre o ícone de seleção de materiais. (39) selecionar o material.PNV 2442 Laboratório Ícone de seleção de materiais. devemos escolher quais elementos receberão estas características. 16 . (40) definir a área da seção transversal dos elementos em estudo. (42) posicionar o cursor clicando no campo Select Members. Os elementos selecionados serão exibidos no campo Select Members. (41) clicar em OK.

bdf”. (47) Acessar o menu Analysis. Devemos também (51) dar um nome ao modelo no campo Job Name e em seguida (52) clicar em Apply. 1.4 – Processamento do modelo A construção do modelo foi finalizada na seção 1. (47) acessar o menu Analysis. (49) Entire Model na caixa Object e (50) Analysis Deck na caixa Method. (45) clicar em Add.3 através do software MSC Patran. 17 . O Patran gera. (46) e clicar em Apply. na pasta onde está localizado o modelo.PNV 2442 Laboratório (44) Selecionar todos os elementos. selecionar as opções: (48) Analyse na caixa Action. Assim. Devemos então fazer com que o Patran gere um arquivo que seja interpretado como o “input” do Nastran. o qual será utilizado pelo Nastran para processar os cálculos. os quais serão exibidos no campo Select Members. (50) e Analysis Deck na caixa Method. (49) Entire Model na caixa Object. (48) Selecionar Analyse na caixa Action. Para tal. um arquivo “nome. esta etapa envolve o processamento do modelo através do Solver MSC Nastran. o qual resolve o sistema de equações gerado para a estrutura em estudo.

minimizar o Patran e. (55) clicar em Run. A seguir. (54) Apontar o arquivo “nome. O modelo será executado em aproximadamente cinco segundos e os arquivos de resultados postados na mesma pasta do arquivo de entrada.bdf” gerado e clicar em Abrir. (52) clicar em Apply.PNV 2442 Laboratório (51) dar um nome ao modelo no campo Job Name.bdf” e clicar em Abrir. (53) abrir o MSC Nastran. (54) apontar o arquivo “nome. Para rodar o Solver Nastran. 18 . (53) Abrir o MSC Nastran. No novo menu. na área de trabalho do Windows.

(60) Clicar então em Select Results File. 1. (58) Attach XDB na caixa Object. clicar em OK e no menu anterior clicar em Apply. Os resultados serão anexados ao modelo.xdb”. (60) Clicar então em Select Results File. Para tal. (58) Attach XDB na caixa Object e (59) Result Entities na caixa Method. 19 . (56) acessar menu Analysis.5 – Pós-processamento e análise dos resultados Com a solução da estrutura já processada pelo Nastran. (61) selecionar o arquivo “nome.PNV 2442 Laboratório (55) Clicar em Run para processar o modelo. selecionar as opções: (57) Access Results na caixa Action. voltaremos ao MSC Patran para o pós-processamento (ou visualização) dos resultados. (56) Acessar menu Analysis. (57) Selecionar Access Results na caixa Action. (59) e Result Entities na caixa Method.

(65) Selecionar Displacement. (65) Selecionar Displacement. (62) Acessar o menu Results. Para visualizarmos. Translational no campo Select Fringe Result. em termos de componentes de reações nodais. (67) Selecionar Displacement. e (68) clicar em Apply. 20 . por exemplo. clicar em Apply para confirmar. (66) e Magnitude na caixa Quantity. Podemos então visualizar os resultados obtidos.xdb” e clicar em OK. Translational no campo Select Fringe Result. deslocamentos ou tensões. (63) Selecionar Create na caixa Action. selecionar as opções: (63) Create na caixa Action e (64) Quick Plot na caixa Object. Após isso. Translational no campo Select Deformation Result. e (66) Magnitude na caixa Quantity. no menu anterior. faremos o seguinte: (62) acessar o menu Results.PNV 2442 Laboratório (61) Selecionar o arquivo “nome. o deslocamento do nó 4 proposto no início do tutorial. (64) e Quick Plot na caixa Object.

PNV 2442 Laboratório (67) Selecionar Displacement. Translational no campo Select Deformation Result. o usuário pode escolher o tipo de saída desejada (alterando os passos 65 e 66). assim como as componentes exibidas na tela para cada resultado (alterando o passo 67). 21 . Vale a pena explorar um pouco estas variantes. o problema proposto foi finalizado. (68) e clicar em Apply. Para avaliar outros resultados. como por exemplo as componentes x e y do deslocameno do nó 4. O resultado desejado será mostrado na tela na seguinte forma: Assim.

2 através de elementos unidimensionais do tipo viga (Beam) e com carregamentos distribuídos.Objetivos • Construir um modelo para o pórtico proposto no item 2.3 Viga Horizontal: I 460x25 / 300x20 Vigas verticais: I 260x25 / 200x20 Q=1 tf/m Q Q 22 .1 . • Pós-processar os resultados. • Processar o modelo de elementos finitos.2 – Modelo Proposto Q E=210000 MPa ‫=ע‬0. avaliando a flecha resultante no ponto central da viga superior.PNV 2442 Laboratório 2 Tutorial 2: Elemento de Viga/Pórtico 2. 2.

3. (3) Point na caixa Object. (2) Create na caixa Action. (IV) definição do material. Assim.1 – Criação das geometrias Inicialmente devemos criar os pontos e curvas sobre os quais criaremos futuramente os nós e elementos. Para tal. porém.3 – Construção do modelo A construção deste modelo tem diversos pontos em comum com o exercício 1. a ordem de modelagem será a seguinte: (I) criação das geometrias. 2. (4) e XYZ na caixa Method. (5) Entrar com as coordenadas dos pontos na caixa Point Coordinates List na forma [posX posY posZ] e clicar em Apply. (II) criação dos nós e elementos. (1) Acessar o menu Geometry. 23 . (3) Point na caixa Object e (4) XYZ na caixa Method. Repetir até que todos os pontos de interesse tenham sido criados (no caso.PNV 2442 Laboratório 2. selecionar as opções (2) Create na caixa Action. (V) definição das propriedades da seção das vigas e (VI) criação e aplicação de carregamentos distribuídos. (1) acessar o menu Geometry. (5) Entrar com as coordenadas dos pontos na caixa Point Coordinates List na forma [posX posY posZ] e clicar em Apply. (III) definição das condições de contorno. Repetir até criar todos os pontos. os 4 vértices do pórtico). incorpora dois procedimentos adicionais: (a) uso de geometrias para a geração da malha de elementos finitos (nós e elementos) e (b) aplicação de carregamentos distribuídos.

Para tal. (8) e Point na caixa Method. Repetir até que todas as curvas sejam criadas. ainda no menu Geometry. Repetir até que todas as curvas sejam criadas. respectivamente nas caixas (9) Starting Point List e Ending Point List. (7) Curve na caixa Object. (9) Nas caixas Starting Point List e Ending Point List. clicar nos pontos de início e fim de cada curva.PNV 2442 Laboratório Criados os pontos. (6) Selecionar Create na caixa Action. devemos criar as curvas que ligam estes pontos e sobre as quais serão criados os elementos. selecionar as opções (6) Create na caixa Action. clicar nos pontos de início e fim de cada curva. Na seqüência. o modelo deve estar da seguinte forma: 24 . Neste ponto. (7) Curve na caixa Object e (8) Point na caixa Method.

(14) Selecionar a opção Number of Elements e (15) especificar um número de 10 elementos por curva na caixa Number. selecionar as opções (11) Create na caixa Action. Para isso.PNV 2442 Laboratório 2. (15) Especificar 10 elementos por curva na caixa Number. 25 . devemos especificar o número de elementos que queremos em cada uma das curvas. (11) Selecionar Create na caixa Action.3. (12) Mesh Seed na caixa Object. (10) Acessar o menu Elements. (10) Acessar o menu Elements. (16) Selecionar as curvas que terão estes elementos. criaremos os nós e elementos diretamente sobre esta. (14) Selecionar a opção Number of Elements. (13) e Uniform na caixa Method.2 – Criação dos nós e elementos Criada a geometria do pórtico. (17) e clicar em Apply. Na caixa Curve List (16) selecionar as curvas que terão estes elementos e (17) clicar em Apply. (12) Mesh Seed na caixa Object e (13) Uniform na caixa Method.

PNV 2442 Laboratório O modelo será apresentado da maneira abaixo. selecionar as opções (18) Create na caixa Action. ainda no menu Elements. embora ainda não tenham sido criados. (19) Mesh na caixa Object. estão com suas dimensões e posições demarcadas por pequenos círculos amarelos. (22) Clicar em Apply. 26 . a malha pode ser de fato criada. (19) Mesh na caixa Object e (20) Curve na caixa Method. (18) Selecionar Create na caixa Action. Assim. (20) e Curve na caixa Method. (21) Selecionar as curvas de interesse na caixa Curve List. Os 30 elementos serão criados. Para tal. Note que os elementos. Na seqüência (21) selecionar as curvas de interesse na caixa Curve List e (22) clicar em Apply.

como os elementos foram criados através das 3 curvas. (24) All na caixa Object e (25) Tolerance Cube na caixa Method.3. (25) e Tolerance Cube na caixa Method. (27) Os dois nós duplicados foram deletados. nos dois vértices superiores do pórtico existem nós duplicados (1 nó pertencente a cada elemento).PNV 2442 Laboratório Neste ponto. Para tal. (26) Clicar em Apply. Porém. (29) ativar a opção Create na caixa Action. (31) a opção Nodal na caixa Type. (24) All na caixa Object. (35) clicar em OK para retornar ao menu original. (34) especificar as restrições desejadas nas formas <TX TY TZ> e <RX RY RZ>. ainda no menu Elements. (26) Clicar em Apply para verificar nós coincidentes. (23) Selecionar Equivalence na caixa Action. (28) acessar o menu Loads/BCs. Para tal.3 – Definição das condições de contorno Agora serão aplicadas condições de contorno ao modelo. No novo menu. selecionar as opções (23) Equivalence na caixa Action. (36) clicar no botão 27 . (32) definir um nome para o primeiro “tipo” de vínculo na caixa New Set Name e (33) clicar no botão Input Data. Para solucionar tal problema. Após definir as restrições. (27) A mensagem indica que os dois nós duplicados foram deletados. todos os nós e elementos foram criados. (30) selecionar a opção Displacement na caixa Object. 2. devemos. o que faz com que os elementos da viga superior estejam desvinculados dos elementos das vigas verticais. Agora serão selecionados os nós que receberão tais vínculos.

(28) acessar o menu Loads/BCs. (30) Displacement na caixa Object. (29) Selecionar a opção Create na caixa Action.PNV 2442 Laboratório Select Application Region e (37) selecionar a opção FEM. (31) e Nodal na caixa Type. (32) Definir um nome para o vínculo na caixa New Set Name. (38) selecionar o(s) nó(s) onde serão aplicadas as restrições. clicar no botão Add e depois em OK. Para confirmar e finalizar o procedimento. (34) Especificar as restrições desejadas nas formas <TX TY TZ> e <RX RY RZ>. (39) clicar em Apply. 28 . (33) Clicar no botão Input Data.

(36) Clicar no botão Select Application Region. (37) Selecionar a opção FEM.PNV 2442 Laboratório (35) clicar em OK. 29 . (39) clicar em Apply. clicar no botão Add e depois em OK. (38) Selecionar o(s) nó(s) onde serão aplicadas as restrições.

(43) e Manual Input na caixa Method.3. selecionar as opções: (41) Create na caixa Action. (40) Acessar o menu Materials. Para tal.PNV 2442 Laboratório O modelo será apresentado da seguinte maneira. (42) Isotropic na caixa Object e (43) Manual Input na caixa Method.4 – Definição do material da estrutura Agora devemos informar ao programa de elementos finitos o material do qual os elementos de nossa estrutura serão constituídos. exatamente como feito no exercício 1. Adicionalmente. (42) Isotropic na caixa Object. (40) acessar o menu Materials. com engastes em ambos os nós da base. (44) definir um nome a este material no campo Material Name e clicar em Input Properties. 2. 30 . (41) Selecionar Create na caixa Action.

PNV 2442 Laboratório (44) Definir um nome para este material no campo Material Name e clicar em Input Properties. Na seqüência. então. 31 . no qual são dadas as características do modelo constitutivo do material em definição. clicar em OK para voltar ao menu anterior e (46) clicar em Apply para confirmar a criação do material. trabalharemos com material elástico linear. Módulo de Elasticidade Coeficiente de Poisson. e clicar em OK. devemos (45) informar ao programa o módulo de elasticidade e o coeficiente de Poisson. (46) Clicar em Apply para confirmar a criação do material. (45) Definir o módulo de elasticidade e o coeficiente de Poisson. Após clicar no botão Input Properties irá aparecer um novo menu. Neste caso.

(51) Definir um nome para esta propriedade no campo Propertie Set Name e clicar em Input Properties. Ao clicar no botão Input Properties. Para tal. (50) e Beam na caixa Type. (47) acessar o menu Properties. Na sequência devemos (51) definir um nome para esta propriedade no campo Propertie Set Name e clicar em Input Properties. (48) Selecionar Create na caixa Action. selecionar as opções: (48) Create na caixa Action. (49) 1D na caixa Object e (50) Beam na caixa Type. surgirá um novo menu no qual devem ser fornecidas as propriedades das vigas. (49) 1D na caixa Object.3.4 – Definição das propriedades da seção das vigas Neste momento devemos informar ao programa as propriedades dos elementos que compõem a estrutura. (47) Acessar o menu Properties.PNV 2442 Laboratório 2. Existem duas opções de definição de tais propriedades no Patran: (a) informar ao programa os valores de área da seção 32 .

Neste tutorial usaremos a biblioteca de perfis do Patran na definição dos perfis I. 33 . (57) Clicar para selecionar o perfil I simétrico. como segue. (60) clicar em Cancel e voltar ao menu original. (56) Definir um nome ao perfil na caixa New Section Name. (57) clicar para selecionar o perfil I simétrico. (55) e Nastran Standard na caixa Type. momento de inércia e outros dados relevantes ou (b) usar a biblioteca de perfis para definir a viga de interesse. 56 53 54 55 58 57 59 60 (60) Clicar em Cancel para voltar ao menu original. (52) clicar no botão Create Sections – Beam Library. promovendo a abertura de outro submenu. (52) Clicar no botão Create Sections – Beam Library. Ao final. Para especificar a seção da viga. (58) Especificar as características geométricas. Selecionar então as opções: (53) Create na caixa Action.PNV 2442 Laboratório transversal. (54) Standard Shape na caixa Object e (55) Nastran Standard na caixa Type. (56) Definir um nome ao perfil na caixa New Section Name. (58) especificar as características geométricas e (59) clicar em Apply. (53) Selecionar Create na caixa Action. (59) clicar em Apply. (54) Standard Shape na caixa Object.

Por exemplo. (62) selecionar o material desta propriedade. (67) Clicar em Apply. para a viga superior do pórtico. Agora os passos 47 a 67 devem ser repetido a fim de criar a propriedade para as vigas verticais. verificando a nova orientação <1 0 0>. (65) Selecionar na caixa Select Members os elementos aos quais se deseja vincular esta propriedade. A propriedade da viga superior está criada. (64) clicar em OK. o vetor de orientação deve ser definido como <0 1 0>. (66) clicar em Add e (67) clicar em Apply. 61 (61) Selecionar o perfil criado. (62) selecionar propriedade. (63) definir o vetor de orientação da viga* e (64) clicar em OK. (61) selecionar o perfil criado. * O vetor de orientação da seção transversal da viga deve ser definido como normal ao plano neutro da viga pretendida. 64 No campo Select Members. cujo plano neutro é XZ. o material desta 63 62 (63) definir o vetor de orientação da viga. especificaremos material e a orientação da viga. 34 . (65) selecionar os elementos aos quais se deseja vincular esta propriedade. Para isto. (66) Clicar em Add.PNV 2442 Laboratório Definido o perfil desejado. na forma <X Y Z>.

Agora definiremos a função descritora do carregamento linear no campo Vector Function. (72) Dar um nome ao field. Adicionalmente. Por exemplo. (73) selecionar as opções Vector e Real. (70) Spatial na caixa Object e (71) PCL Function na caixa Method. Já o carregamento linear exige que seja definido um Spatial Field. as quais correspondem às orientações globais X. ou seja. (72) dar um nome ao field e (73) selecionar as opções Vector e Real. de equação: -10000+(('Y)*(10000/9)). (71) e PCL Function na caixa Method. uma expressão que rege a variação do carregamento ao longo de sua região de aplicação. selecionar as opções (69) Create na caixa Action. no carregamento da esquerda do pórtico. No Patran existem três variáveis globais ‘X. ‘Y e ‘Z. Estas devem ser as variáveis utilizadas para definir a função desejada. (68) Acessar o menu Fields. como será feito em seguida.PNV 2442 Laboratório 2. (68) acessar o menu Fields. um constante e outro linearmente variável. Criação dos Spatial Fields Para tal. 35 . (70) Spatial na caixa Object. Repetir os mesmos passos criando o carregamento da direita. a expressão será: 10000(('Y)*(10000/9)). Y e Z. Esta expressão deve (74) ser aplicada no campo Second Component e depois (75) devemos clicar em Apply para criar o Field. O constante é bastante simples e será aplicado diretamente mais adiante.5 – Criação e aplicação de carregamentos distribuídos O presente modelo apresenta dois tipos de carregamentos distribuídos.3. sempre lembrando que as unidades devem ser coerentes. (69) Selecionar Create na caixa Action. pelo fato deste tutorial ter usado metros e Newtons.

Aplicação dos carregamentos Para aplicar os carregamentos. (84) selecionar a opção FEM. Na seqüência (83) clicar em Select Application Region. Repetir para criar o carregamento da direita. (76) acessar o Menu Loads/BCs. (79) e Element Uniform na caixa Type. (78) Distributed Load na caixa Object e (79) Element Uniform na caixa Type. Ao final. (86) clicar em Add e (87) clicar em OK. (75) Clicar em Apply para criar o Field. (85) selecionar os elementos alvo do carregamento na caixa Select 1D Elements. (80) Definir o nome do carregamento (no caso estamos começando com o uniformemente distribuído superior) e (81) clicar em Input Data. (77) Selecionar Create na caixa Action. (82) Definir a carga distribuída na caixa Distr Load. 36 . (88) clicar em Apply para confirmar a criação do primeiro carregamento.PNV 2442 Laboratório (74) Inserir a expressão no campo Second Component. (76) acessar o Menu Loads/BCs e selecionar as opções: (77) Create na caixa Action. (78) Distributed Load na caixa Object. na forma (FX FY FZ) e clicar em OK.

na forma (FX FY FZ) e clicar em OK. (82) Definir a carga distribuída na caixa Distr Load.PNV 2442 Laboratório (80) Definir o nome do carregamento. (81) Clicar em Input Data. (83) clicar em Select Application Region. 37 . (84) Selecionar a opção FEM.

seguido de OK para voltar ao menu anterior. ao invés de digitar o valor da carga distribuída. (87) clicar em OK. os mesmos passos (76) a (88) devem ser repetidos para os carregamentos distribuídos laterais. (86) clicar em Add. com a única diferença que no passo (82). Agora.PNV 2442 Laboratório (85) Selecionar os elementos alvo do carregamento na caixa Select 1D Elements. (88) clicar em Apply. 38 . devemos (89) clicar dentro do campo Distr Load <f1 f2 f3> e (90) clicar sobre o Field correspondente disponível na caixa Spatial Fields. seguido de OK para voltar ao menu anterior. O carregamento distribuído constante da parte superior do pórtico foi aplicado. (90) Clicar sobre o Field correspondente disponível na caixa Spatial Fields. (89) clicar dentro do campo Distr Load <f1 f2 f3>.

O resultado apresentado para os deslocamentos deve ser o seguinte: O segundo tutorial foi finalizado e nota-se que o deslocamento vertical do ponto central da viga superior do pórtico foi de aproximadamente -7. Assim. proceder os passos da seção 1.4. o pós-processamento dos resultados é análogo ao tutorial 1. 39 .4 – Processamento do modelo A etapa de processamento do modelo é exatamente igual à do tutorial 1.5 – Pós-processamento e análise dos resultados Da mesma maneira.PNV 2442 Laboratório Assim.9 mm.5. Assim. proceder os passos da seção 1. todas as cargas foram aplicadas e o modelo deve aparecer da seguinte forma (para modelagem em metros): 2. 2.

assim como a tensão equivalente no ponto central da chapa.3 tchapa =2. avaliando a flecha resultante.2 através de elementos unidimensionais do tipo viga (Beam) e elementos bidimensionais planos do tipo casca (Shell). submetido à carga de pressão.1 . 40 50 mm .PNV 2442 Laboratório 3 Tutorial 3: Elementos Viga e Casca/Painel Reforçado 3. • Processar o modelo de elementos finitos.2 – Modelo Proposto P 5 250 mm mm 0 0 45 mm 2. • Pós-processar os resultados.5 x 10-3 MPa 25 mm Condições de contorno: didaticamente apoiar as quatro extremidades do painel.5 ν ** E =210000 MPa =0.Objetivos • Construir um modelo para o painel reforçado proposto no item 3.5 mm P =3. com restrição de todos os graus de liberdade translacionais. 3.

além dos elementos de viga estudados no exercício 2. Repetir até que todos os pontos de interesse tenham sido criados. (II) criação dos nós e elementos. (V) definição das propriedades das vigas e cascas. (2) Selecionar Create na caixa Action. (1) acessar o menu Geometry. (6) clicar no botão Point Size. os seguintes pontos devem ser criados: Ponto X Y Z 0 0 0 1 500 0 0 2 0 250 0 3 500 250 0 4 0 125 0 5 500 125 0 6 Para tal. (1) acessar o menu Geometry. selecionar as opções (2) Create na caixa Action.1 – Criação das geometrias Inicialmente. (5) Entrar com as coordenadas dos pontos na caixa Point Coordinates List na forma [posX posY posZ] e clicar em Apply. Assim. elementos do tipo “Shell” (casca) e a aplicação de pressão sobre superfícies. a fim de configurar os limites da chapa base do modelo.3. 41 . a ordem de modelagem será a seguinte: (I) criação das geometrias. (IV) definição do material. (4) e XYZ na caixa Method. Para visualizar melhor os pontos criados.PNV 2442 Laboratório 3.3 – Construção do modelo A construção deste modelo envolve. (III) definição das condições de contorno. 3. e (VI) aplicação dos carregamento inercial e de pressão. (3) Point na caixa Object e (4) XYZ na caixa Method. (3) Point na caixa Object.

Repetir até criar todos os pontos. selecionar as opções (7) Create na caixa Action. Na seqüência. (7) Selecionar Create na caixa Action. ainda no menu Geometry. (10) Nas caixas Starting Point List e Ending Point List. Na seqüência devem ser criadas as curvas que definirão a chapa e os reforçadores. (8) Curve na caixa Object e (9) Point na caixa Method. clicar nos pontos de início e fim de cada curva. Repetir até que todas as curvas sejam criadas. clicar nos pontos de início e fim de cada curva. Para tal. respectivamente nas caixas (10) Starting Point List e Ending Point List. Repetir até que todas as curvas sejam criadas. 42 . (6) Clicar no botão Point Size. (9) Point na caixa Method. (8) Curve na caixa Object.PNV 2442 Laboratório (5) Entrar com as coordenadas dos pontos na caixa Point Coordinates List na forma [posX posY posZ] e clicar em Apply.

clicar nas curvas de início e fim de cada superfície (eg. A e B / B e C). Repetir até que as duas superfícies sejam criadas. (12) Surface na caixa Object e (13) Curve na caixa Method. (14) Nas caixas Starting Curve List e Ending Curve List. clicar nas curvas de início e fim de cada superfície. ainda no menu Geometry. B e C. o modelo deve estar da seguinte forma (excetuando as letras indicativas): C B A Criadas as curvas. Repetir até que as duas superfícies sejam criadas. para a futura criação dos elementos de casca devemos criar as duas superfícies definidas entre as curvas A.PNV 2442 Laboratório Neste ponto. selecionar as opções (11) Create na caixa Action. (13)e Curve na caixa Method. respectivamente nas caixas (14) Starting Curve List e Ending Curve List. Na seqüência. 43 . (11) Selecionar Create na caixa Action. Para tal. (12) Surface na caixa Object.

44 . (15) acessar o menu Elements. Primeiramente. selecionar as opções (16) Create na caixa Action. a fim de garantir o número e a distribuição de elementos desejada. (19) Selecionar a opção Number of elements. devem ser criados os nós e elementos. Na seqüência. o padrão da malha será parametrizado. (20) Especificar quantos elementos são desejados em uma das curvas. Para tal. (22) Clicar em Apply. (17) Mesh Seed na caixa Object.PNV 2442 Laboratório 3. (17) Mesh Seed na caixa Object e (18) Uniform na caixa Type. (16) Selecionar Create na caixa Action.3. (15) Acessar o menu Elements.2 – Criação dos nós e elementos Definida a geometria do modelo. (21) Selecionar a curva que receberá este número de nós e (22) clicar em Apply. Curvas horizontais – 40 elementos e Curvas verticais – 10 elementos cada. (18) Uniform na caixa Type. (21) Selecionar a curva que receberá este número de nós. totalizando 20 nas arestas verticais). (19) selecionar a opção Number of elements e (20) especificar quantos elementos são desejados em uma das curvas já criadas (eg.

PNV 2442 Laboratório Neste ponto. 45 . com o padrão da malha definido. (26) selecionar a primeira superfície a gerar a malha e (27) clicar em Apply. (24) Mesh na caixa Object e (25) Surface na caixa Type. Repetir para a outra superfície. (25) e Surface na caixa Type. ainda no menu Elements. selecionar as opções (23) Create na caixa Action. Para tal. Na caixa Surface List. Repetir para a outra superfície. (27) Clicar em Apply. o modelo deve ser mostrado da seguinte forma: Definido o padrão. (24) Mesh na caixa Object. (26) Selecionar a superfície a “malhar” na caixa Surface List. (23) Selecionar Create na caixa Action. devem ser criados os nós e elementos.

(29) Posicionar o cursor FEM Shrink em 0.PNV 2442 Laboratório Neste ponto. os elementos quadriláteros de 4 nós foram criados. como mostra a figura seguinte: Faltam. 46 . (30) Clicar em Apply.35 e (30) clicar em Apply. os quais serão criados na seqüência. Para facilitar a visualização dos diferentes elementos (já que os elementos de viga representados por linhas serão coincidentes a algumas arestas dos elementos bidimensionais).35. facilitando a distinção entre entidades. os elementos de viga que configurarão os reforçadores. Os elementos bidimensionais serão representados em escala reduzida. (29) posicionar o cursor FEM Shrink em 0. configurando o chapeamento pretendido. (28) Acessar o menu Display/Finite Elements. (28) acessar o menu Display/Finite Elements. porém.

(35) Clicar em Apply. 47 . Repetir o procedimento para as outras duas curvas horizontais. (34) selecionar uma curva sobre a qual serão criados elementos e (35) clicar em Apply. (32) Mesh na caixa Object.PNV 2442 Laboratório O modelo deve ser apresentado da seguinte forma: Para criar os elementos de viga. Na caixa Curve List. selecionar as opções (31) Create na caixa Action. ainda no menu Elements. (33) e Curve na caixa Type. (34) Na caixa Curve List selecionar uma curva sobre a qual serão criados elementos. (31) Selecionar Create na caixa Action. (32) Mesh na caixa Object e (33) Curve na caixa Type.

ou seja. Agora serão selecionados os nós que receberão tais vínculos. o que os torna independentes. 3. (40) Os 164 nós coincidentes foram deletados. ainda no menu Elements. A mensagem na barra inferior do Patran mostrará que (40) 164 nós coincidentes foram deletados. são coincidentes em alguns pontos. (37) All na caixa Object e (38) Tolerance Cube na caixa Method.3. (38) Tolerance Cube na caixa Method. (48) clicar em OK para retornar ao menu original. mas possuem nós distintos. (51) selecionar o(s) 48 . porém. (39) Clicar em Apply. (36) Selecionar Equivalence na caixa Action. selecionar as opções (36) Equivalence na caixa Action. Para tal. (41) acessar o menu Loads/BCs. Para unir os reforçadores à chapa tornando a estrutura contínua. (49) clicar no botão Select Application Region e (50) selecionar a opção FEM. os elementos bidimensionais e unidimensionais estão desconexos entre si. (47) especificar as restrições desejadas nas formas <TX TY TZ> e <RX RY RZ>. Para definir estas condições de contorno.PNV 2442 Laboratório Neste momento todos os elementos desejados foram criados. Para tal. selecionar as opções (42) Create na caixa Action. devemos unir os nós coincidentes com a função Equivalence. (45) definir um nome para o primeiro “tipo” de vínculo na caixa New Set Name e (46) clicar no botão Input Data. Após definir as restrições. No novo menu.3 – Definição das condições de contorno O modelo deve ser apoiado nas 4 extremidades. Na seqüência. (39) clicar em Apply. (37) All na caixa Object. (43) Displacement na caixa Object. (44) Nodal na caixa Type.

PNV 2442 Laboratório nó(s) onde serão aplicadas as restrições. (43) Displacement na caixa Object.0>.0. 49 . (46) Clicar no botão Input Data. (47) Especificar as restrições translacionais desejadas na forma <0. (42) Selecionar Create na caixa Action. (41) Acessar o menu Loads/BCs. Para confirmar e finalizar o procedimento. (44) Nodal na caixa Type. (52) clicar em Apply. (45) Definir um nome para o vínculo na caixa New Set Name. clicar no botão Add e depois em OK.

(51) Selecionar o(s) nó(s) onde serão aplicadas as restrições. 50 . (52) Clicar em Apply. (49) Clicar no botão Select Application Region. (50) Selecionar a opção FEM.PNV 2442 Laboratório (48) Clicar em OK para retornar ao menu original. clicar no botão Add e depois em OK.

(53) acessar o menu Materials. 51 .4 – Definição do material da estrutura Agora devemos informar ao programa de elementos finitos o material do qual os elementos de nossa estrutura são constituídos.PNV 2442 Laboratório O modelo deve ser apresentado já com os apoios nas extremidades da seguinte maneira: 3. exatamente como realizado nos tutoriais 1 e 2. selecionar as opções: (54) Create na caixa Action.3. (53) Acessar o menu Materials. (56) e Manual Input na caixa Method. (55) Isotropic na caixa Object. Adicionalmente. (54) Selecionar Create na caixa Action. (57) definir um nome a este material no campo Material Name e clicar em Input Properties. (55) Isotropic na caixa Object e (56) Manual Input na caixa Method. Para tal.

e clicar em OK. devemos (58) informar ao programa o módulo de elasticidade e o coeficiente de Poisson. (58) Definir o módulo de elasticidade e o coeficiente de Poisson. Na seqüência. 52 . trabalharemos com material elástico linear. clicar em OK para voltar ao menu anterior e (59) clicar em Apply para confirmar a criação do material. (59) Clicar em Apply para confirmar a criação do material. no qual são dadas as características do modelo constitutivo do material em definição. Módulo de Elasticidade Coeficiente de Poisson. Neste caso. Após clicar no botão Input Properties irá aparecer um novo menu.PNV 2442 Laboratório (57) Definir um nome para este material no campo Material Name e clicar em Input Properties. então.

PNV 2442

Laboratório

3.3.5 – Definição das propriedades das cascas e vigas Inicialmente para os elementos de casca (Shell), para definir as propriedades devemos (60) acessar o menu Properties, selecionar as opções (61) Create na caixa Action, (62) 2D na caixa Object e (63) Shell na caixa Type, (64) definir um nome para a propriedade na caixa Property Set Name e (65) clicar em Input Properties. No novo menu devemos (66) selecionar o material “aço” criado e (67) definir a espessura da chapa de 2.5mm. Feito isso (68) clicar em OK. Na seqüência, (69) clicar dentro da caixa Select Members, (70) ativar a opção Shell Element, (71) selecionar todos os elementos do modelo (só serão selecionados os do tipo Shell), (72) clicar em Add e em Apply. A propriedade dos elementos de casca está criada como elementos Shell de 2.5 mm de espessura e material aço.

(60) Acessar o menu Properties.

(61) Selecionar Create na caixa Action; (62) 2D na caixa Object; (63) e Shell na caixa Type,

(64) Definir um nome para a propriedade na caixa Property Set Name; (65) Clicar em Input Properties.

53

PNV 2442

Laboratório

66 (66) Selecionar criado; o material “aço” 67

(67) Definir a espessura da chapa de 2.5mm; (68) Clicar em OK.

(69) Clicar dentro da caixa Select Members.

(70) Clicar no botão Shell Element.

54

PNV 2442

Laboratório

(71) Selecionar todos os elementos do modelo (só serão selecionados os do tipo Shell); (72) clicar em Add e em Apply.

Agora deve ser criada a propriedade referente aos reforçadores, ou seja, uma propriedade com elementos do tipo viga. Para tal, ainda no menu Properties, selecionar as opções: (73) Create na caixa Action, (74) 1D na caixa Object e (75) Beam na caixa Type. Na sequência devemos (76) definir um nome para esta propriedade no campo Propertie Set Name e (77) clicar em Input Properties. (73) Selecionar Create na caixa Action; (74) 1D na caixa Object; (75) e Beam na caixa Type.

(76) Definir um nome para esta propriedade no campo Propertie Set Name; (77) Clicar em Input Properties.

55

Existem duas opções de definição de tais propriedades no Patran: (a) informar ao programa os valores de área da seção transversal. (83) clicar para selecionar o perfil I simétrico. (84) especificar as características geométricas e (85) clicar em Apply. 85 86 (86) clicar em Cancel para voltar ao menu original. promovendo a abertura de outro submenu. (78) clicar no botão Create Sections – Beam Library. Assim como no exercício 2. como segue. Selecionar então as opções: (79) Create na caixa Action. usaremos a biblioteca de perfis do Patran na definição dos perfis I. (86) clicar em Cancel e voltar ao menu original. (81) Nastran Standard na caixa Type. (79) Selecionar Action. (84) especificar as características geométricas.PNV 2442 Laboratório Ao clicar no botão Input Properties. Para especificar a seção da viga. (80) Standard Shape na caixa Object e (81) Nastran Standard na caixa Type. 56 . (85) clicar em Apply. Ao final. momento de inércia e outros dados relevantes ou (b) usar a biblioteca de perfis para definir a viga de interesse. (82) Definir um nome ao perfil na caixa New Section Name. (83) Clicar para selecionar o perfil I simétrico. surgirá um novo menu no qual devem ser fornecidas as propriedades das vigas. (78) Clicar no botão Create Sections – Beam Library. (82) Definir um nome ao perfil na caixa New Section Name. Create na caixa 79 80 81 84 82 83 (80) Standard Shape na caixa Object.

Para isto.25> em ambos os nós. (92) clicar no botão Beam Element. para a viga superior do pórtico. o vetor de orientação deve ser definido como <0 1 0>. (93) selecionar todos os elementos de interesse (só serão pegos elementos do tipo Beam. (88) selecionar o material desta propriedade. (91) Clicar dentro da caixa Select Members.PNV 2442 Laboratório Definido o perfil desejado. Na seqüência (90) clicar em OK. na forma <X Y Z>. (90) Clicar em OK. (87) Selecionar o perfil criado. especificaremos material e a orientação da viga. (89) definir o vetor de orientação da viga*. ou seja. 57 . (90) definir o offset dos perfis na vertical**. cujo plano neutro é XZ. estes devem ser deslocados em Z de uma distância igual a meia altura do perfil mais meia espessura da chapa (25mm + 1. o painel pode ser selecionado como um todo). Como os perfis propostos estão com a aba inferior sobre a chapa. Por exemplo. 91 90 89 87 88 Para selecionar os elementos que receberão esta propriedade. ** Perfis são por default posicionados com seu centro geométrico sobre a curva que define o elemento. (94) clicar em Add e (95) clicar em Apply.25mm). (89) definir o vetor de orientação da viga* e (90) definir o offset dos perfis na vertical** . na forma <0 0 26. * O vetor de orientação da seção transversal da viga deve ser definido como normal ao plano neutro da viga pretendida. (88) selecionar o material desta propriedade. (87) selecionar o perfil criado. assim. (91) clicar dentro da caixa Select Members.

58 . No novo menu. (102) definir a pressão de 3.3. (99) e Element Uniform na caixa Type. (98) Pressure na caixa Object. (96) acessar o menu Loads/BCs.PNV 2442 Laboratório (92) Clicar no botão Beam Element. selecionar as opções (97) Create na caixa Action.Aplicação do carregamento de pressão Para aplicar o carregamento de pressão.5e-3 na caixa Top Surf Pressure e (103) clicar em OK. (94) clicar em Add.6 . (97) Selecionar Create na caixa Action. (96) Acessar o menu Loads/BCs. (95) clicar em Apply. (93) Selecionar todos os elementos de interesse. (99) Element Uniform na caixa Type. 3. (100) definir um nome para o carregamento na caixa New Set Name e (101) clicar em Input Data. (98) Pressure na caixa Object.

(105) selecionar a opção Geometry. (107) selecionar as superfícies 1 e 2. (106) clicar no botão Surface or Face. (104) clicar em Select Application Region.PNV 2442 Laboratório (100) Definir um nome para o carregamento na caixa New Set Name.5e-3 na caixa Top Surf Pressure. (108) clicar em Add e (109) clicar em OK. (105) Selecionar a opção Geometry. Definida a magnitude da pressão iremos selecionar a área de sua aplicação. 59 . (102) Definir a pressão de 3. (103) Clicar em OK. Para isso. (101) clicar em Input Data. (104) Clicar em Select Application Region.

O modelo será apresentado da seguinte maneira: 60 . Para facilitar a visualização do modelo. (108) clicar em Add. (107) Selecionar as superfícies 1 e 2. (110) Clicar em uma das opções de perspectiva isométrica.PNV 2442 Laboratório (106) Clicar no botão Surface or Face. (110) clicar em uma das opções de perspectiva isométrica abaixo. (109) clicar em OK.

4.8 MPa. 61 .4 – Processamento do modelo A etapa de processamento do modelo é exatamente igual à dos tutoriais1 e 2. proceder os passos da seção 1. o pós processamento dos resultados é análogo aos tutoriais 1 e 2. com uma tensão de Von Mises de aproximadamente 25. proceder os passos da seção 1.5 – Pós-processamento e análise dos resultados Da mesma maneira. O resultado apresentado para os deslocamentos deve ser o seguinte: Adicionalmente. Assim. Assim. o resultado em termos de tensões de Von Mises deve ser o seguinte: O terceiro tutorial foi finalizado e nota-se que o deslocamento vertical do ponto central do painel reforçado foi de aproximadamente -0.PNV 2442 Laboratório 3.602 mm. 3.5.

considerando peso próprio. (1) deve ser informado ao Patran o valor da densidade do aço em unidades coerentes com a usada no tutorial. o peso próprio da estrutura. Densidade. o coeficiente de Poisson.PNV 2442 Laboratório 3a Tutorial 3a: Tutorial 3.2 – Passos suscetíveis a alterações O primeiro passo a sofrer mudanças é a definição do material (Passo 58 do tutorial 3). após o passo (10) do tutorial 3 proceder o seguinte: Ainda no menu Loads/BCs. selecionar as opções (2) Create na caixa Action.1 . (1) Definir o módulo de elasticidade. Módulo de Elasticidade Coeficiente de Poisson. porém considerando.Objetivos O objetivo deste exercício proposto é repetir o tutorial de número 3. a densidade. Para que a densidade informada para o material tenha significado e efeito físico. Além do módulo de elasticidade e do coeficiente de Poisson. deve ser definida para o programa a aceleração da gravidade. como mostrado adiante. 3a. O segundo passo a sofrer alteração é a etapa de criação dos carregamentos. com exceção da definição de material e criação de uma carga inercial referente à aceleração da gravidade. 3a. A grande maioria dos procedimentos previamente descritos é igual. através da criação de uma carga inercial (Inertial Load). Para tal. e clicar em OK. (3) Inertial Load na caixa Object e (4) Element 62 . além do carregamento de pressão.

(4) e Element Uniform na caixa Type. (2) Selecionar Create na caixa Action. (9) clicar em Apply para confirmar. Está criado o carregamento inercial. (5) Definir um carregamento. Por fim. Na seqüência (5) definir um nome para o carregamento e (6) clicar em Input Data. (7) definir o valor da aceleração da gravidade em unidades coerentes e (8) clicar em OK. (7) Definir o valor da aceleração da gravidade em unidades coerentes. nome para o (6) Clicar em Input Data. (8) Clicar em OK. (3) Inertial Load na caixa Object. No novo menu.PNV 2442 Laboratório Uniform na caixa Type . 63 .

o uso de “Load Cases” pode ser de grande valia. 64 . Detalhes desta ferramenta fogem do escopo desta obra por questões de brevidade. incluindo o processamento e pós-processamento são análogos ao tutorial de número 3. Nota: * Para modelos onde haja interesse na simulação de diferentes condições de carregamento. mas seu uso é bastante intuitivo (Ícone Load Cases do Patran) e auxílio pode ser facilmente encontrado na documentação oficial da MSC. como por exemplo a consideração ou não de peso próprio.PNV 2442 Laboratório (9) Clicar em Apply para confirmar. Todas as demais etapas.

2 – 40 elementos). b) Calcular as deflexões no ponto A (de aplicação de carga) pela teoria de vigas. discussão crítica dos resultados e mídia com TODOS os arquivos gerados pelo Patran e pelo Nastran.Prático: Elementos Triangulares Planos 4. e) Refinar o modelo usando elementos triangulares de 3 nós até que a solução se estabilize (avaliar ∆A-modelo/ ∆A-teoria versus nº de elementos). A 1000 mm ν 4.Objetivos • Calcular pela teoria de vigas as tensões no engaste e as deflexões no ponto de aplicação de carga da viga proposta. d) Comparar os resultados anteriores (tensões e deflexões) com um modelo de elementos finitos usando elementos triangulares de 6 nós e malha grosseira (mesma malha apresentada no item 4.3 tviga = ∑ NUSP 3 * t – arredondar para uma casa decimal.PNV 2442 Laboratório 4 Exercício 4 . • Modelar a mesma viga por elementos finitos com diferentes elementos triangulares (3 e 6 nós) e diferentes graus de refinamento a fim de verificar a estabilização da solução e comparar os resultados com os obtidos da teoria. 4. c) Comparar os resultados anteriores (tensões e deflexões) com um modelo de elementos finitos usando elementos triangulares de 3 nós e malha grosseira (mesma malha apresentada no item 4.2 – Modelo Proposto 1 ton.1 . a) Calcular as tensões no engaste pela teoria de vigas. Nota: Entregar relatório IMPRESSO com detalhes e justificativas da modelagem. 65 50 mm .2 – 40 elementos).3 – Pede-se E = 210000 MPa = 0.

o fator de concentração de tensões (Kt) através de um modelo de elementos finitos.2 – Modelo Proposto 100 MPa a b L W ν = 0.2 através de soluções encontradas na literatura e comparar com o resultado obtido por elementos finitos.Objetivos • Calcular o fator de concentração de tensões (Kt) da chapa do item 5. W. 5.3 E = 210000 MPa L= W= NUSP 10 NUSP 20 a = ∑ NUSP tchapa = ∑ NUSP 5 b= NUSP 100 * Utilizar as condições de simetria possíveis. b) Calcular.Prático: Cálculo de Kt 5. usando elementos triangulares de 3 nós e o grau de refinamento que considerar adequado.t – arredondar para uma casa decimal. Nota: Entregar relatório IMPRESSO com detalhes e justificativas da modelagem. 66 .PNV 2442 Laboratório 5 Exercício 5 . 5. b. discussão crítica dos resultados e mídia com TODOS os arquivos gerados pelo Patran e pelo Nastran. a – arredondar para inteiros. ** L.1 .3 – Pede-se a) Calcular o fator de concentração de tensões (Kt) teórico por uma ou mais soluções da literatura.

Nota: Entregar relatório IMPRESSO com detalhes e justificativas da modelagem.3 – Pede-se a) Resolver a estrutura utilizando elementos planos (2D) adequados ao modelo para os dois casos propostos. t – arredondar para uma casa decimal.Objetivos • Modelar um duto de parede fina e um tubo mecânico a fim de comparar a distribuição de tensões circunferenciais com a solução analítica adequada a cada caso.2 – Modelo Proposto Re MPa 20 Ri ν = 0. b) Comparar e discutir os resultados numéricos com a solução analítica mais adequada para cada um dos casos (discutir as diferenças de distribuição e magnitude das tensões).1 . 6. discussão crítica dos resultados e mídia com TODOS os arquivos gerados pelo Patran e pelo Nastran. ** R. 67 .Prático: Tensões em dutos. 6.3 t= E = 210000 MPa Caso 1) Caso 2) Re = t Re = t NUSP (mm) 50 NUSP (mm) 400 ∑ NUSP (mm) 5 * Utilizar as condições de simetria possíveis. 6.PNV 2442 Laboratório 6 Exercício 6 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful