You are on page 1of 2
Agricultura Familiar Sustentável No Rio Grande do Norte Autor (a): Letícia de Souza Amaral Coautor
Agricultura Familiar Sustentável No Rio Grande do Norte Autor (a): Letícia de Souza Amaral Coautor
Agricultura Familiar Sustentável No Rio Grande do Norte Autor (a): Letícia de Souza Amaral Coautor
Agricultura Familiar Sustentável No Rio Grande do Norte Autor (a): Letícia de Souza Amaral Coautor
Agricultura Familiar Sustentável No Rio Grande do Norte Autor (a): Letícia de Souza Amaral Coautor

Agricultura Familiar Sustentável No Rio Grande do Norte

Autor (a): Letícia de Souza Amaral Coautor (a): Mariana Bezerra Câmara Orientador: João Matos Filho

INTRODUÇÃO

O objetivo deste texto é analisar o grau de sustentabilidade da agricultura familiar no estado

do Rio Grande do Norte, tomando como referência o conceito de desenvolvimento sustentável e

como base empírica os dados relativos à produção, produtividade e valor da produção dos produtos

típicos da agricultura familiar no âmbito estadual.

Estende-se desenvolvimento sustentável como processo de mudanças que atende às

necessidades presentes e futuras, sem comprometer as necessidades das próximas gerações. Como

decorrência, agricultura sustentável é aquela que satisfaz essas condições nas dimensões econômica,

social e ambiental. Agricultores familiares, por sua vez, são entendidos como aqueles que utilizam o

trabalho familiar tanto para a produção quanto para a direção do processos de trabalho desenvolvidos

nas suas respectivas unidades de produção.

A agricultura familiar, erroneamente, esteve sempre associada à pobreza no meio rural e a

ineficiência no uso dos fatores produtivos. Embora seja responsável por 70% da produção de

alimentos, responda por 35% do PIB nacional, e abrigue 40% da população economicamente ativa,

mantendo emprego de milhões de brasileiros (ROSA COUTO, 1999).

METODOLOGIA

De início foram realizadas pesquisas em torno de trabalhos semelhantes a este para auxiliar o

seu desenvolvimento. Foi feito um levantamento de dados sobre quais são os fundamentos da

agricultura familiar sustentável, ressaltando quais são suas contribuições para a economia, melhoria

da qualidade de vida e preservação da natureza.

Paralelo a isso, foi realizado um levantamento de dados no IBGE/SIDRA, a respeito da

produção agrícola familiar do estado, a fim de perceber qual é o seu grau de sustentabilidade e quais

os seus problemas produtivos.

Então, foi feita uma análise sobre políticas sustentáveis que poderão ser aplicadas à

agricultura familiar a fim de garantir eficiência econômica, equidade social e o respeito ao meio

ambiente.

Natal/RN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte 10 a 12 de abril de 2013

1
1
RESULTADOS A análise dos dados coletados no IBGE/SIDRA sobre a produção agrícola familiar no Rio
RESULTADOS A análise dos dados coletados no IBGE/SIDRA sobre a produção agrícola familiar no Rio
RESULTADOS A análise dos dados coletados no IBGE/SIDRA sobre a produção agrícola familiar no Rio
RESULTADOS A análise dos dados coletados no IBGE/SIDRA sobre a produção agrícola familiar no Rio
RESULTADOS A análise dos dados coletados no IBGE/SIDRA sobre a produção agrícola familiar no Rio

RESULTADOS

A análise dos dados coletados no IBGE/SIDRA sobre a produção agrícola familiar no Rio

Grande do Norte mostrou que os produtos da cesta básica das famílias rurais, como milho e feijão,

foram os que apresentaram maior variação na produção em intervalos mais curtos, indicando um

baixo grau de sustentabilidade dessas culturas. Por outro lado, produtos como mel de abelha tem

menor variação da produção, indicando uma maior adaptação ao meio ambiente à região semiárida e

um maior grau de sustentabilidade. Finalmente, dentre os rebanhos, o melhor grau de

sustentabilidade foi do rebanho caprino, indicando uma maior adaptação ecossistema da região

semiárida.

REFERÊNCIAS

Rosa Couto, S.L. Agricultura familiar e desenvolvimento local sustentável. 37º Congresso Brasileiro

de Economia e Sociologia Rural - SOBER, Foz dos Iguaçu, 1999.

Tratado das ONGs. Eco/92. Santos, 1992.

BRASIL.

Ministério

do

Desenvolvimento

Social. Agricultura

Familiar.

Disponível

em:

Natal/RN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte 10 a 12 de abril de 2013

2
2