Maria José Farias de Santana

O Fenômeno Bullying: e os problemas de aprendizagem

Brasília 2012

0

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO - FAHUD CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA

Jussara Teixeira L. Rodrigues Maria José Farias de Santana Rafael Lima dos Santos

1

Suely Muniz Rocha

O Fenômeno Bullying: Uma realidade ainda desconhecida?

Trabalho

apresentado

como

exigência parcial para conclusão do curso de pedagogia da Universidade Metodista de São Paulo sob a

orientação do Professor Edson Fasano

Brasília 2012

Sumário
Resumo..............................................................................................................03

Introdução..........................................................................................................03

Origem e significado..........................................................................................06

Fundamentos Teóricos......................................................................................07

Tipos de Bullying................................................................................................08

Ciberbullying......................................................................................................10

2

.. por isso merece atenção especial...............................................................................................................32 Referências..............11 Consequencias e Casos de Bullying no Brasil e no Mundo...29 Conclusão........ onde elas convivem com diversas outras............................. Esses comportamentos são mais frequentes em crianças.............. é de suma importância que os educadores conheçam essa problemática e quais as 3 .................................................................... Nos últimos tempos.................... principalmente em ambiente escolar........................... em que a violência está cada vez mais presente na nossa sociedade. Brigas.............. agressões físicas e psicológicas intencionais praticadas repetidas vezes é sinal de bullying...... maus tratos....................................Caracterização dos Protagonistas.... Em virtude disso...........17 Leis que defendem essa ideia...................33 RESUMO Estamos vivenciando um momento da história................... apelidos.......... essa prática tem-se tornada crescente em todo mundo................................................................

o que vem a confirmar a nossa opinião a respeito do crescimento da violência escolar. A violência praticada na escola é considerada como um dos maiores problemas que aflige a toda comunidade de alunos. no âmbito familiar e entre vizinhos. caracterizar.consequências dela na sua prática docente e principalmente os efeitos do Bullying na vida de seus educandos. universidades. O bullying pode acontecer em qualquer contexto entre alunos que interajam. os traumas. Palavras-chave: Violência. Nosso trabalho teve como objetivo principal. pesquisar e nos dar um entendimento mais claro sobre as causas e consequências na aprendizagem do educando e principalmente os efeitos do Bullying no convívio escolar. como também contra a própria instituição de ensino. Segundo a Organização não Governamental Internacional Plan que atua em 66 países em defesa dos direitos da criança e do adolescente que entrevistou 12 mil estudantes brasileiros em seis estados e 70% afirmaram terem sido vítimas de violência escolar. tais como nas escolas. não estando restrito a nenhum tipo específico de lugar. familiares e todos os segmentos da sociedade. Não só cresceu a violência entre os alunos e professores. e as consequências que isso pode ocasionar. Consequência. Traumas. um fenômeno encontrado em qualquer ambiente. O Bullying é um problema mundial. 4 . e como os professores reagem diante de tal acontecimento. educadores. classe social ou idade. INTRODUÇÃO Este trabalho acadêmico tem o objetivo de conceituar. Outros 84% desse total apontaram suas escolas como violentas. pesquisar se o bullying é uma realidade desconhecida no âmbito escolar.

bater. consequências no contexto escolar demonstrando assim que o bullying pode ser para muitos educadores uma realidade ainda desconhecida.Bullying é uma palavra utilizada para descrever atos de violência física ou psicológica. difamam. tripudiar. caçoar. lanches e pertences de outros estudantes. mexer. em sua caminhada ao longo da vida estudantil passando por vários períodos onde o bullying esteve presente em nossas vidas seja como vitimas em algumas situações ou espectador em outras. gozações. com intenção e de forma repetida. O bullying no Brasil é traduzido como o ato de bulir. ridicularizar. E como isso refletiu em nossa vida e o porquê do fenômeno ser tão pouco questionado no âmbito escolar sendo muitas vezes visto por alguns educadores como algo natural na vida estudantil Na escola os bullies (agressores) fazem brincadeiras de mau gosto. ameaçam. colocar em dúvida a masculinidade ou feminilidade da vítima são as práticas mais comuns. praticadas por uma pessoa ou um grupo. Furtam ou roubam dinheiro. Como o bullying tem sido encarado na realidade escolar? Qual o papel do professor diante desse problema? Suas atitudes em sala de aula podem acarretar situações de bullying? Ele tem consciência das consequências do bullying na vida das vítimas? Como o professor age nessas situações? Esse trabalho de conclusão de curso busca responder algumas questões. 5 . suas prováveis causas. zombar. Divertem-se à custa do sofrimento alheio. colocar apelidos jocosos. O interesse pelo tema partiu das experiências dos autores deste trabalho. Costumam ser populares na escola e estão sempre enturmados. conscientizar os professores sobre a existência do bullying. constrangem e menosprezam alguns alunos. por este não se enquadrar por ser considerado diferente ou estranho. tocar. soquear. ameaças constantes de agressão ou atitudes de excluir ou desprezar o indivíduo de determinado grupo. Bully termo da língua inglesa significa tirano ou valentão. Origina-se de um apelido de mau-gosto. colocam apelidos pejorativos.

sem valor algum. e seu comportamento pode se agravar de tal maneira que pode causar um quadro irreversível. e negam as reclamações da escola. demonstrando superioridade. e poder perguntar que tipo de violência é esta! O que poderá acontecer com as nossas crianças. Tauil (2009) e Abrapia (2000). 11). Tendem a adquirir sérios problemas de relacionamento. 29). p. professores e alunos pudesse discutir este tema muito importante na sociedade de hoje. as vítimas desta discriminação podem até mesmo se tornarem pessoas sem referência alguma. Pereira (2002). muitas vezes de forma mascarada entre os comportamentos das crianças” (FANTE. mantêm atitudes desafiadoras e agressivas em relação aos familiares. 2005. por se sentirem nulas na sociedade. Hoje ele é considerado um fenômeno mundial que cada vez mais vem despertando interesse de pesquisadores na área da educação. Tais casos já registrados. no falar e no vestir. (SILVA. Costumam voltar da escola com objetos ou dinheiro que não possuíam. 2010. São arrogantes no agir.No ambiente doméstico. podemos dizer que “O bullying é uma realidade bem presente no cotidiano escolar. p. Manipulam pessoas para se safar das confusões em que se envolveram. dando assim a devida importância no assunto. Muitos agressores mentem. Fante (2005). Por meio de leitura e estudos realizados por pesquisadores tais como Olweus (1991). Esse trabalho acadêmico nos dará um conhecimento e entendimento maior sobre o tema é nos orientará para que de certa forma possamos tomar certos cuidados ou até providência tendo maturidade suficiente para alertar e 6 . pois há uma mudança tão avassaladora em seus comportamentos que são capazes até mesmo de se alto destruírem. A partir dos estudos acima e que se abriu espaço para que os pais. dos irmãos ou dos empregados domésticos. de forma convincente. As crianças ou adolescentes que sofrem bullying podem se tornar adultos com sentimentos negativos e baixa autoestima.

onde cresce a cada dia entre crianças. Hercèlement Quotidien (França). foram utilizados diversos tipos de materiais e os dados foram pesquisados baseando-se em publicações como: livros. além de publicações na internet. adotados por um estudante ou grupo contra outro estudante. dissertações. Com esse objetivo.enfrentar esse perigo que com certeza iremos vivenciar em nossa vida futura como educadores. Os bullies podem ser identificados em um individuo pelo seu comportamento agressivo e bruto. Mobbning (Suécia e Finlândia). Palavra de origem inglesa adotada em muitos Países como “desejo consciente e deliberado de maltratar uma pessoa e colocá-la sobtensão”. que ocorrem sem motivação aparente. Agressionen Unter Shülern (Alemanha). Termo utilizado para definir comportamentos agressivos e antissociais repetitivos. A sequência de procedimentos se deu da seguinte forma: Inicialmente foram feitas uma seleção dos materiais encontrados sobre o tema. Yjime (Japão). optando pelas fontes consistentes e pertinentes de acordo com os objetivos da pesquisa. TCCs. Conhecido também como Mobbing (Noruega e Dinamarca). Optamos por utilizar o método bibliográfico de verificação buscando encontrar na literatura existente as definições e as possíveis implicações do “fenômeno bullying”. Origem e significado Muitas definições podem dar a esta prática. que tem como finalidade a hostilidade e a intimidação. adolescentes. Prepotenza ou Bulismo (Itália). revistas. teses. A partir do que se encontrou na literatura foi desenvolvido este trabalho em cima do tema escolhido pelo grupo. artigos impressos. mais conhecida como Bullying. Esses conceitos são confirmados pelo ponto de vista da autora Cléo 7 . meninos e meninas. causando dor e angústia de forma intimidadora e cruel. Acoso e Amenaza ou Intimidación (Espanha).

300 a 400 professores e mil pais entre os vários períodos de ensino. [. que inseriu em âmbito acadêmico as preocupações das sociedades daquelas nações diante de um incrível número de relatos de crianças e estudantes acerca do assédio e violência que vinham sofrendo no ambiente escolar. 8 . atuação de grupos que hostilizam. p. intencionais e repetitivas que ocorrem sem motivação evidente. angústia e sofrimento.] Bullying é um conjunto de atitudes agressivas. adotado por um ou mais alunos contra outro (s). causando dor. intimidações. apelidos cruéis. ridicularizam e infernizam a vida de outros alunos levando-os à exclusão. e por eles foi constatado que um em cada sete estudantes estavam envolvidos em algum caso de bullying. acusações injustas. bem como avaliar o impacto das intervenções que já vinham sendo adotadas. gozações que magoam profundamente. Olweus iniciou sua pesquisa acerca de 84 mil estudantes. Um fator fundamental para a pesquisa sobre a prevenção do bullying foi estimar a sua natureza e ocorrência. Fundamentos Teóricos Os estudos iniciais referentes ao bullying datam de 1970 e são originários dos países escandinavos (Suécia e principalmente Noruega). além de danos físicos.Fante. são algumas das manifestações do “comportamento bullying (FANTE. Como os estudos de observação direta ou indireta são longos.. Os primeiros resultados sobre o diagnóstico do bullying foram informados em 1989 por Dan Olweus e Erling Georg Roland. o procedimento adotado foi o uso de questionários. Insultos.. 28 e 29)”. morais e materiais. merecendo destaque a contribuição do autor Dan Olweus. 2005. o que serviu para fazer a verificação das características e extensão do bullying.

podemos conceitua os comportamentos do bullying em três categorias. fato este que fez os pesquisadores tentarem descobrir as principais causas para tanta agressividade entre os companheiros de escola. outros países. 9 . p. Olweus publicou o livro “Bullying at School” apresentando e discutindo o problema. como o Reino Unido. A partir dos anos 2000 começaram as pesquisas sobre o Bullying no Brasil. A maior incidência está em Portugal. com isso houve uma redução em cerca de 50% os casos de bullying nas escolas. que até hoje trabalha e para mostrar a sociedade o perigo do Bullying. Tipos de Bullying Baseando-se em vários autores sobre o tema. que apresentam 40% das vítimas do fenômeno. projetos de intervenção e uma relação de sinais ou sintomas que poderiam ajudar a identificar possíveis agressores e vítimas. 49). (FANTE. Essa obra teve bastante repercussão. com o apoio do Governo da Noruega. na Suíça e na Áustria. 2008. E foi feita a diferenciação entre as brincadeiras naturais e saudáveis características da vida escolar e do bullying. Canadá e Portugal desenvolverem suas próprias ações. A primeira pesquisadora no Brasil foi Cléo Fante. para saber mais um pouco deste fenômeno que tanto estava matando nossas crianças e acabando com o sonho dos outros. Pesquisas do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em 21 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre a qualidade de vida das crianças e dos adolescentes demonstra que o índice de bullying são alarmantes.Em 1993. os estudos foram ainda mais aprofundados por causa dos altos índices de suicídios entre crianças e adolescentes. os resultados de seu estudo. Na Europa. dando origem a uma Campanha Nacional. Através desta campanha.

gestos. que oferece exemplos de vida restritos à aparência. salientar qualquer característica ou deficiência de um colega de forma negativa. (OLWEUS. . ameaçar com frequência a perda da amizade ou a exclusão do grupo como forma de obter algo do outro ou como retaliação de uma suposta ofensa prévia. etc. incluindo palavras. Vários fatores nos leva a crê que o bullying é uma questão social e cultural. Porém ele lembra que há uma clara associação entre as duas maneiras. forçar comportamentos sexuais ou ameaçar fazê-lo. 1993). O direto envolve ataques de um estudante contra outro. Na definição de Olweus. os jovens perdem muitos dos valores humanos e morais. em suma manipular a vida social dos pares. 2005). Por isso. extorquir dinheiro ou ameaçar fazê-lo. . A sociedade de hoje é muito mais complexa. Existem fenômenos como a globalização.Direto e verbal: engloba insultar.. obrigar ou ameaçar os colegas a realizar tarefas servis contra a sua vontade. roubar ou estragar objetos que pertençam aos colegas. filmadoras. (MARTINS. Devendo-se citar também o Bullying virtual ou Ciberbullying: que ocorre por meio de ferramentas tecnológicas como celulares. expressões faciais e contato físico.Direto e físico: inclui bater ou ameaçar fazê-lo. Todos esses aspectos produzem o aumento da agressividade. 10 . dar pontapés. assim como a pressão da mídia sobre os jovens.Indireto: se refere a situações como excluir alguém sistematicamente do grupo de pares. fazer gozações. consumismo e o aumento da desigualdade econômica. pôr alcunhas desagradáveis. O indireto implica a exclusão da vítima de seu grupo de pares fazendo com que tenha problemas para fazer novos amigos em sua sala de aula. fazer comentários racistas. internet. espalhar boatos sobre os atributos e/ou condutas de alguém com vista a destruir a sua reputação. o bullying pode ocorrer: o bullying direto e o bullying indireto. pois os alunos que sofrem bullying direto geralmente são isolados e rejeitados entre seus pares.

No entanto. passar despercebidas. estudos revelam um pequeno predomínio dos meninos sobre as meninas.Bullying direto é mais executado pelo sexo masculino. as meninas costumam praticar bullying mais na base de intrigas. é mais presente no sexo feminino e nas crianças. o ciberbullying acontece fora da escola e todo o “mundo” pode ficar sabendo e a criança fica sem saber onde pode ir. e o Bullying indireto. ao contrario do Bullying que acontece somente dentro da escola saindo desta acabou. mas não impossível. (SILVA. 11 . contar suas imperfeições e ate falar mal e todos podem ter acesso a este material e suas intimidades invadidas a não tem férias e nem finais de semanas fazendo com a vitima não se sinta mais segura em lugar algum e em momento nenhum. 2010). por utilizarem mais a força física. Já para Cléo Fante. lembrando também que a linguagem não verbal é bastante utilizada através de olhares intimidadores aterrorizadores. religião e incapacidade entre outro. raça. como identificou em suas pesquisas (FANTE. pois através dos sites de relacionamento pode se difamar. usa-se a tecnologia para mostrar o mundo à deficiência ou o desgosto pelo outrem. caracterizada por forçar as vitimas ao isolamento social. Segundo a autora Ana Beatriz. e cada vez mais difícil identificar os agressores. Onde geralmente elas espalham comentários maldosos da vitimas. para ridicularizar o outro. podendo. critica o modo de vestir. surgiu um novo tipo de bullying. com isso. as atitudes dos meninos são mais visíveis. 2005). porém usam coisas do dia a dia escolar. fofocas e através de isolamento entre as colegas. O ciberbullying ocorre fora das escolas. recusa em se socializar com á vitima e impede que outros também se socializem. Ciberbullying Com o desenvolvimento e o aprimoramento dos recursos tecnológicos de comunicação e informação especialmente a internet e celulares.

os pais se casam muitas vezes.br) (FANTE. pois não são responsáveis o bastante para assumirem aquilo que fazem. pois através da internet os insultos se multiplicam rapidamente e ainda contribuem para contaminar outras pessoas que conhecem a vítima. 68). entidade não governamental que se dedica a promover e defender os direitos humanos na sociedade da informação. não 12 . torpedos. Segundo levantamento de dados no final do ano letivo de 206. a media de denúncias mensais saltou de 286 em 2005. Caracterização dos protagonistas Agressores Na maioria dos casos os personagens desses atos se definem por atributos relacionados ao comportamento familiar. e o filho tem que aceitar.Os meios virtuais utilizados para transmitir difamações e calúnias são as comunidades. tem que conviver com outra realidade e muitas vezes não aceita e se revolta. A família fica vulnerável. Essa falta de afetividade e desestruturação provoca sentimentos de agressividade que é liberado de maneira explosiva. os filhos ficam sem um guia. 2008. sem um ponto de referência para o seu crescimento moral. para 3. Hoje os pais trabalham e a criança fica sozinha. blogs e fotologs. É importante dizer que mesmo anônimos. os autores são incapazes de se identificar. interessando. 63% eram meninas. Apesar de ser praticado de forma virtual.1 mil entre 2006 e começo de 2007(www. p.se por diversos tipos de violência. desses. em um grupo de 503 alunos do primeiro ano do ensino médio de uma escola da rede pública do Distrito Federal.org. o indivíduo busca suprir seu sentimento de vazio. os responsáveis pela calúnia sempre são descobertos. as famílias de hoje são muito diferentes das anteriores. o ciberbullying tem preocupado pais e professores. Assim. e-mails. os dados revelaram que 20% foram vítimas de ataques online. De acordo com o relatório da safernet Brasil.safernet. Além de discriminar as pessoas.

crianças vítimas de uma má educação permissiva ou agressiva em excesso são levados a se constituírem como agentes dessa violência. ocorre o distanciamento e a falta de adaptação aos objetivos escolares. seu temperamento explosivo faz com que ele tenha certo domínio entre os coleguinhas. bonzões. Admite-se que os que praticam o bullying têm grande probabilidade de se tornarem adultos com comportamentos antissociais e/ou violentos. Transtornos comportamentais. despertando o medo e a admiração de muitos. que as veem positivamente como espertas. aquela criança ou jovem que busca satisfazer sua carência através do sofrimento de outros. busca em uma prática gradativa de humilhações realizarem sua satisfação pessoal. para evitar que sofra de solidão no ambiente escolar. não cumpre leis ou regras. O autor que pratica o bullying acredita ser um indivíduo intocável. p. é comum que essa atitude seja o reflexo de uma violência doméstica. Para os agressores. Afasta as pessoas com atitudes agressivas. à supervalorização da violência como forma de obtenção de poder.se importando com teores escolares. ou por grupos que usam a intolerância. são fisicamente mais fortes e possuem uma autoestima elevada acredita que a violência é a única forma de resolver as coisas. É na infância que começamos a observar este tipo de comportamento. surge então o autor do bullying. o tornando um delinquente. 2005. portadores de psicose e. onde a criança demonstra uma agressividade mais aguçada. a discriminação e a violência como meios de expressão e de afirmação da identidade narcísica. machões. reproduzida no ambiente social. porém com tempo isto pode virar uma grande mudança em seu caráter. 13 . atitudes delinquentes e criminosas (FANTE. Crianças que repetem atos de intolerância e de violência para com o outro podem estar sendo reforçadas pelos pais. Não há apenas uma única característica que leva uma criança a ser um autor de bullying. na maioria dos casos. inclusive.81). podendo vir a adotar.

sempre retraída. Diante dessa passividade e constrangimento não recorrem à ajuda de outras pessoas para resolver o problema. baixa 14 . 2010). timidez. Fante relata que suas características mais comuns são: Aspectos físicos mais frágeis que o de seus companheiros. coordenação motora deficiente. • Vítima típica: São aquelas geralmente encontradas em maior número neste papel. insegurança. extrema sensibilidade. uma das grandes dificuldades de relacionamento. Pois costumam ser retraídas. submissão. baixa autoestima o isolam da convivência social. Pesquisa feita pela Organização não Governamental Internacional Plan. as que não reagem e acreditam ser merecedoras de tal humilhação. E sua insegurança. ocorre devido a uma proteção em excesso por parte dos familiares que impede que a criança adquira a confiança para enfrentar os desafios. relata que 28% dos alunos entrevistados foram vítimas de bullying pelo menos uma vez no ano de 2009.Vítimas Do lado contrário está à vítima. sobretudo no caso dos meninos. aquelas que revidam as intimidações. medo de lhe causem danos ou de ser fisicamente ineficaz nos esportes e nas brigas. facilmente classificadas por Ana Beatriz como: alunos que apresentam pouca habilidade de socialização (SILVA. especialmente entre os meninos. E 10% mais de uma vez no mesmo ano. passivas. pouco sociável. passando a maior parte de seu tempo em isolamento e não tem muitos amigos. passividade. Em geral são tímidas ou reservadas e não conseguem reagir aos comportamentos provocadores e agressivos dirigidos contra ela. tornando assim sua situação ainda pior. A vítima se divide em três modos. sem amigos que lhes dê apoio ou as protejam. e por fim aquelas que buscam indivíduos ainda mais frágeis para reproduzir as agressões sofridas.

raça ou grupo dentro da sociedade pode sofrer já o Bullying 15 . pois ela teme que a qualquer momento possa passar por qualquer tipo de constrangimento. dispersivas. ansiedade e aspectos depressivos. 190) O bullying causa uma grande ansiedade na vítima. impulsivas. pais e comunidade percebam o que esta acontecendo. ainda mais frágil e vulnerável. têm dificuldade de convívio social e são muito impulsivas. 2010). • Vítima agressora: Para autora a vítima agressora reproduz os maus tratos sofridos como forma de compensação. p. demonstrando assim sua insegurança. em geral discutem ou brigam quando são atacadas ou insultadas (SILVA. p.autoestima. sem que os professores. No geral provocam tensão nos ambientes em que frequentam despertando o interesse de agressores. (FANTE. No entanto. 2005). e comete contra ela todas as agressões sofridas (SILVA. fazendo com que o bullying se transforme numa dinâmica expansiva. A discriminação é algo que um determinado povo. ou seja. Não podemos afirmar com veemência que sofrer o bullying e sofrer discriminação são as mesmas coisas. A tendência que a vítima agressora tem em reproduzir os maus tratos assegura que tem sido evidenciada entre as vítimas. ofensoras. 2005. abalando assim sua estrutura emocional e psíquica. imaturas. não conseguem responder aos revides de forma satisfatória. algumas dificuldades de aprendizado.72) • Vítima provocadora: A autora Ana Beatriz afirma que as vítimas provocadoras são aquelas capazes de insuflar em seus colegas reações agressivas contra si mesmas. 2010). Elas. Podem ser tolas. hiperativas. costumam ser irritantes. na complexidade de suas relações e reproduções se tornando um problema difícil de controlar. Pois elas são tão ansiosas quanto agressivas. funcionários. Segundo Fante os alunos que são vitimas de bullying podem sofrer por muito tempo no ambiente escolar. (FANTE. Geralmente é um tipo inquieto e irritante propenso a níveis elevados de estresse. cujos resultados incidem no aumento no número de vítimas (FANTE. ela procura outra vítima. Tornando o bullying uma epidemia mundial pelo círculo vicioso a que se forma. 2005.

Além disto. sem nenhuma defesa aparente e com muita dificuldade em se relacionar com os demais. Infelizmente podemos afirmar que o bullying está crescendo cada vez mais no mundo e se expandindo ainda mais dentro das escolas. os que têm sua opção sexual adversa. quietos. Os alvos para este tipo de ameaça são na maioria aos alunos que são considerados pela turma como diferentes. submissos. que são os mais incidentes. uma vez que a escola interfere e muito na formação do indivíduo. pois em nossa sociedade ainda existe um grande preconceito e conservadorismo de regras e tabus. tendo em vista que na grande maioria também os professores praticam o Bullying contra seus alunos.a vítima é atacada repetidas vezes durante um período prolongado de tempo. Podem também desenvolver sentimento de culpa por nada terem feito. pois são muitas vezes humilhados e discriminados pelos alunos e pelos próprios colegas de profissão. Mas são parte do problema justamente por terem esta atitude passiva. Nem mesmo os professores escapam do Bullying. estes são os retratos da vítima. Espectador Os espectadores são os terceiros atores no palco do bullying. ansiosos. retraídos. As escolas ainda não estão preparadas para este tema. deixando-os inseguros ao verem cenas de violência. 16 . e de certa maneira acaba até piorando a situação. um fenômeno praticado em diversos países com apelidos depreciativos. O bullying também afeta os espectadores. Os homossexuais são algumas das vítimas preferidas do Bullie. submissão e dificuldade de autoestima. se irrita com facilidade e seu aspecto é de alguém com depressão profunda. demonstrando insegurança. tímidos. algum tipo de sotaque. não havendo motivos aparentes para os ataques. tornando a vítima cada vez mais isolada e frágil. ou opta por alguma religião contrária. devido à formação religiosa desde os tempos passados. São aqueles que presenciam o bullying embora não tenham nenhum papel ativo na situação.

sendo em alguns casos o provocador das agressões. mas não fazem nada para intervir. chegam a fingir que estão se divertindo com a „brincadeira‟. Ele passa a acreditar que é inferior em relação aos outros.Cléo Fante diz que os espectadores representam a maioria dos alunos de uma escola. não só para a vida de suas vítimas.  Espectadores passivos ou “testemunhas silenciosas” são aqueles que se calam com medo de ser a próxima vítima. se omitem sempre deixando os agressores impunes e deixam de revelar a verdade. 2009). Para Neto (2005). ficando de fora rindo da situação do outro. que não pode pertencer a algum grupo. médio ou longo prazo. depreciações e zombaria a que são submetidos transformam as diferenças em anormalidades. dando risadas e estimulando. Outros até apoiam e incentivam. emocionais e legais. nas esferas sociais. Consequências e Casos de bullying no Brasil e no mundo As consequências do bullying podem ser desastrosas.  Espectadores neutros não se incomodam com a prática do bullying e nunca “sabem de nada”. quer se isolar do 17 . mesmo não concordando com a situação são obrigadas a ficarem calados por meio de ameaças (CALHAU.  Espectadores ativos geralmente apoiam os agressores com risadas. Essas consequências podem se apresentar a curto. mas para todos os envolvidos no contexto. Muitos espectadores não aceitam a ação dos agressores. Porém são raros os adultos que enxergam essas consequências e a gravidade que isso representa na vida de quem recebe as agressões e não sabe lidar com essas situações. Como uma forma de defesa. As constantes humilhações. “pessoas que sofrem bullying quando crianças são mais propensas a sofrerem depressão e baixo estima quando adultos”. num ato bárbaro de violência contra a identidade pessoal de seu alvo.

tem dificuldades em se relacionar. Em seguida se suicidou. o qual anunciava o massacre. assassinou 32 pessoas. Na ocasião. Outro caso que foi destaque na imprensa mundial foi o massacre em Columbine. Estudos realizados em diversos países já sinalizaram para a possibilidade de que autores de bullying. isolamento do cotidiano. Em novembro de 2007. um aluno de 18 anos de uma escola em 18 . em Jokela (Finlândia). 17. um aluno de 22 anos matou nove estudantes e um professor em Kauhajoki (Finlândia). o caso mais frequente nas meninas é bulimia e anorexia. se suicidou. em abril de 1999. As consequências do bullying na escola são imprevisíveis e podem ter até um desfecho desastroso. deixou 21 feridas e. No ocorrido. que divulgou um vídeo no YouTube. Na vida adulta. Os estudantes não eram populares na escola e eram ridicularizados pelos atletas. Ele sofria rejeição e depressão. Estados Unidos. assassinato em massa que ocorreu na Virginia Tech. e Dylan Klebold. Esses traumas são graves e em alguns casos podem levar a óbito. saúde física e mental. no Colorado. O estudante era ridicularizado durante o ensino médio pela sua timidez e pelo jeito de falar. na época da escola venham a se envolver mais tarde em atos criminosos ou de delinquência. se tornando dependente do outro e buscando por constante aprovação. levando até mesmo a morte. 18. No dia 25 de maio de 2008. alunos da Columbine High School. mataram doze colegas e um professor antes de se suicidarem. Tragédias como o Massacre em Virginia. também há registros de casos de violência extrema relacionada ao bullying. O pior é que as consequências geradas são levadas por muitos anos pelas vitimas. No Brasil. Em 2004. 23 anos. algumas delas são depressão. em abril de 2007. são exemplos de consequências extremas a que a prática do bullying pode levar. em seguida. o estudante sul-coreano Cho Seung-Hiu. oito pessoas foram assassinadas por um aluno. os estudantes Eric Harris. Infelizmente até os dias de hoje o bullying ainda tem sido um problema universal.mundo.

Segundo a policia apurou com familiares. Os sujeitos da pesquisa Os questionários foram respondidos por nove professores que lecionam desde 1ºano até o 5º ano do ensino fundamental de uma escola particular da cidade do Guará I no Distrito Federal A escola está situada em uma região periférica é tem uma clientela que em suas características gerais. a fonte direta dos dados pesquisados é o ambiente natural do sujeito a ser pesquisado. Em seguida ele entrou na sala em frente. Através de um questionário aberto. o motivo da revolta seria as constantes humilhações que o aluno sofria por estar acima do peso. todos com idade entre 12 a 14 anos. Ainda recentemente ocorreu o Massacre em Realengo. no segundo andar da escola. que são identificar na ação do professor e da escola como o bullying visto no contexto escolar. tirou uma pistola da bolsa e começou a atirar. Segundo LUDKE e ANDRÉ (1986) a pesquisa qualitativa é de abordagem naturalista. Morreram dez meninas e dois meninos. onde tornou a disparar contra as crianças. irão responder questões pertinentes às atitudes tomadas pela equipe pedagógica e administrativa com relação ao bullying. são de origem sócia econômica media. o ex-aluno Wellington Menezes de Oliveira foi para uma sala da oitava série. Em todos estes casos no Brasil e no mundo. na Zona Oeste da capital fluminense. a metodologia científica escolhida para o levantamento dos dados necessários foi à pesquisa qualitativa. todos os algozes eram vitimas e alvo de bullying. suicidaram após levar um disparo na barriga. no interior de São Paulo. ou seja. Metodologia De acordo com os objetivos desse trabalho. na Escola Municipal Tasso da Silveira. onde cerca de 40 alunos assistiam à aula de português. 19 .Taiúva. os professores-alvos desta pesquisa. feriu oito pessoas e se suicidou em seguida.

Já duas professoras não souberam definir o tema mostrando assim um pouco de falta de conhecimento sobre o tema. que neste trabalho terão suas identidades preservadas. ao aumento da exposição de casos como este nos noticiários e às discussões sobre o tema apresentadas em programas de televisão. a aplicação do termo. mas. em parte.As questões foram respondidas individualmente pelos professores. A análise dessas respostas permitiu aos autores da pesquisa acreditar que há o conhecimento do fenômeno bullying e suas principais características por parte dos professores. Análise da pesquisa Primeira questão: O que você conhece sobre Bullying? As respostas para esta questão foram quase unânimes. definindo de forma abreviada. sete deles demonstraram ter conhecimento sobre o que é bullying e suas principais características. 20 . corretamente. Os professores pesquisados seis possuem formação superior em pedagogia. Esse conhecimento se deve. dois deles ainda estão cursando e somente um tem o magistério. Dos nove professores entrevistados.

Soube identificar.1. 100% Segunda questão: Você já foi vitima de bullying? Onde? Seis dos nove professores entrevistados responderam que não foram vitimas de bullying e três responderam que sim e colocaram a escola como lugar da agressão.O que você conhece sobre bullying? Sim. A análise dessa questão mostrou aos pesquisadores que pela faixa etária do pesquisados que o bullying na vida escolar dos mesmos era visto como brincadeira comum entre crianças e não como uma violência como acontece hoje. 21 .

5 e 6 atribuíram a pratica do bullying a baixa estima e falta de respeito e educação ao próximo a professora 2 diz que a falta de dialogo em casa e principal causa do problema e as demais colocam a falta de preparação dos profissionais da escola como causa principal de bullying A análise das respostas dessa questão permite aos pesquisadores constatar que a maioria dos professores percebe o bullying como decorrência da baixa autoestima e falta de respeito e despreparo dos profissionais da escola todos sabemos que escola tem um papel fundamental para reduzir o bullying no ambiente escolar estabelecendo regras claras. 33% 67% Terceira questão: À que você atribui à prática do bullying nas escolas? Por quê? As professoras 4 . mas não é apenas no colégio que o trabalho precisa ser feito em casa os pais também têm a função de identificar se os seus filhos estão envolvidos com esse problema. Não.Você já foi vítima de bullying? Onde? Sim. não fazendo vista grossa às piadinhas sabendo identificar quais alunos são alvo e quem lidera as agressões. na escola. 22 .2.

7. sabem da possibilidade de consequências emocionais. Acreditam que o bullying pode acarretar traumas. mas apenas dois professores reconhecem que podem ocorrer consequências em relação à aprendizagem escolar.A que você atribui à prática do bullying nas escolas? Por quê? Falta de respeito Falta de diálogo Competição Falta de preparação da escola Auto-baixa estima 11% 11% 11% Quarta questão Você acha que sofrer bullying traz consequências na vida de suas vítimas? Quais? Os professores 1. Dentre eles. como baixo rendimento decorrente da perda do interesse pela escola.2.3. 3. As respostas desta questão permitem constatar que os professores têm conhecimento das consequências que o bullying pode acarretar na vida dos envolvidos. insegurança. e depressão por vezes ocasionando o suicídio. 9 têm consciência das consequências na vida das vítimas. insegurança. 5. baixa alto-estima. 8. os professores 4 e 6 mencionaram também consequências na aprendizagem. 56% 11% 23 . isolamento.

graves consequências que pode chegar até em suicidio. 100% Quinta questão Você já participou de alguma reunião de formação ou capacitação que tratasse do tema Bullying? Dos nove professores entrevistados apenas um fez um curso de capacitação sobre o tema pesquisado A análise das respostas permitiu aos autores da pesquisa concluir que há divergência em relação ao quesito capacitação dos profissionais envolvidos nas pesquisas.4. dos educadores seria interessante uma padronização de oportunidades. 24 .Você acha que sofrer bullying traz consequências na vida de suas vítimas? Quais? Sim. Todos os professores devem ter informações e formação sobre o assunto. pois 99% dos entrevistados nunca participou de reuniões de formação sobre o assunto sendo que só 1% fez algum curso sobre o tema Como o bullying se trata de um assunto de interesse público e principalmente.

7. na faculdade.5 e 6 dizem interferir através de conversas de orientação com os alunos. 25 . 11% 89% Sexta questão Alguma vez você já presenciou situações de bullying em sua sala de aula? Se sim. Quando os professores sustentam a afirmação de não registrarem a ocorrência de casos de bullying.5 e 6 responderam que já presenciaram esse tipo de situação em sala de aula. como você interferiu no problema? Os professores 2. Quanto aos professores que afirmam já ter presenciado casos de bullying no ambiente da sala de aula. onde foram feitas vária pesquisas em outras escolas. Sendo que os professores 1. ficou evidente que a única medida tomada foi à conversa com os envolvidos.Você já participou de alguma reunião de formação ou capacitação que trarasse do tema bullying? Não Sim. As pesquisas apontam que os casos de bullying ocorrem em sua maioria em ambientes sem a supervisão de um adulto ou que muitas vezes são confundidas com brincadeiras.3.8 e 9 responderam que nunca presenciaram situações de bullying em sala de aula.4. As respostas desta questão se mostraram interessantes quando relacionadas às características de casos de bullying.5. Já os professores 1. não provam a inexistência do mesmo em suas respectivas salas de aula.

Acreditam que com um bom argumento o aluno é convencido das consequências do seu ato. pois muitas das vezes. A opção foi conversar com todos os alunos expondo o problema e as consequências. Quanto aos professores 2. Sim. A análise destas respostas permite ao autor chegar à conclusão de que a maioria dos professores acredita que depois da conversa com os alunos o problema está resolvido. já que afirmam não presenciar situações de bullying.6. 38% 62% Sétima questão Qual foi o resultado de sua ação? Surtiu efeito? Para os professores 1. passa a ser motivo para retaliação e inibe o aluno alvo de relatar nova ocorrência.8 e 9 não responderam a questão. Já o professor 6 acredita que às vezes a sua ação é eficaz. como você interferiu no problema? Não. o sermão ministrado pelo professor após a ocorrência de um fato.7.Alguma vez você já presenciou situações de bullying em sua sala de aula? Se sim. Esta sensação é ilusória.4.3.e 5 sua ação foi eficaz. mas em outras. 26 . o aluno leva na brincadeira e continua a não obedecer às regras sendo necessária a intervenção da direção da escola.

de agressão encaminham o aluno à direção. por exemplo. um projeto sobre o assunto. Mas só no inicio. também pode ser interpretada como “castigo” se não estiverem atreladas a outras medidas como. Essa atitude da equipe gestora. Já as professoras 3. e não merece ser comunicado a equipe gestora. A análise das respostas permite aos autores da pesquisa concluir que a ação dos professores é sempre de ordem combativa. Positivo. 27 . e sempre após a ocorrência de um fato.5 e 6 dependendo do tipo. a não ser para serem aplicadas penalidades que não competem ao professor.4 .7. Acreditam que o professor tem mais intimidade com o aluno e pode resolver isso dentro de sala de aula. 33% 45% 22% Oitava questão Você costuma encaminhar esse tipo de problema á direção ou resolve dentro de sala de aula com os alunos? Qual a atitude da direção? Os professores 1 . como advertência e suspensão.Qual foi o resultado de sua ação? Surtiu efeito? Não.2 .7 e 8 não costumam encaminhar esse tipo de ocorrência à direção. O professor parece acreditar que é apenas mais um problema de sala de aula. Positivo.

Já o professor 4 diz estar realizando esse tipo de trabalho diariamente dentro de sala de aula.7. Sendo que apenas a professora 2 mencionou ter assistido a algumas palestras sobre o tema pela faculdade que esta cursando As respostas desta questão demonstram desarticulação na proposta dos objetivos. sete deles. E apenas uma afirmar que realiza esse trabalho em sala de aula. mas. 33% 22% 45% Nona questão Na escola onde você leciona é realizado algum trabalho contínuo de prevenção e combate ao bullying? Os professores 1. não há um trabalho efetivo de prevenção e combate ao bullying nessa escola. Então. 28 . dependendo da situação Na direção. do ponto de vista geral. Os nove professores lecionam na mesma escola.Você costuma encaminhar esse tipo de problema á direção ou resolve dentro de sala de aula com os alunos? Qual a atitude da direção? Resolvo na sala Na direção.8.6.8.9 responderam que não há nenhum trabalho de prevenção e combate ao bullying na escola onde lecionam. através de conversas com o s alunos.3.5. afirmam não existir um trabalho de prevenção e combate ao bullying.

para que juntas possam superar o problema.Na escola onde você leciona é realizado algum trabalho conínuo de prevenção e combate ao bullying? Não Sim. os professores 1 e 3 mencionaram. Sendo que dentre eles. 5. a importância do diálogo entre escola e a família. em parceria com a família e a comunidade. Quando há consciência da importância da conscientização. fica evidente que os professores têm o conhecimento de que o combate e prevenção ao bullying só é possível se concretizar através das ações de conscientização e diálogo com os alunos. também. 2. palestras de concientização 22% 78% Décima questão Qual atitude você considera ideal para combater o bullying nas escolas? Os professores 1. 6. 7. Mas apenas um professor mencionou a importância da capacitação do professor para lidar com o assunto. ao fazer a análise dessas respostas. 4. mas não 29 . 8. 3. O professor 1 citou também a necessidade de capacitação e preparo dos professores para lidar com o assunto e a realização de uma campanha anti-bullying Felizmente.9.e 9 acreditam que o caminho para o combate e prevenção ao bullying é a conscientização através do diálogo com os alunos.

no Estatuto da Criança e do Adolescente. o Estatuto da Criança e do Adolescente e a Convenção sobre os Direitos da Criança da Organização das Nações Unidas (ONU) que são à base de entendimento com relação ao desenvolvimento e educação de crianças e adolescentes. sendo a educação entendida 30 . estão previstos os direitos ao respeito e à dignidade. A escola pode se defender em três documentos legais de abrangência nacional e internacional para solucionar o problema do bullying: a Constituição da República Federativa do Brasil.há resultados positivos. cogita-se que este diálogo. talvez pela falta de informação do professor e da escola. 10. Em todos esses documentos. cabendo ao Judiciário aplicar as regras e sanções previstas na Constituição Federal. no Código Penal.Qual atitude você considera ideal para combater o bullying nas escolas? Conversar com os alunos sobre o assunto Fazer campanhas e palestras 44% 56% Leis que defendem essa ideia Não obstante a iniciativa de alguns estados e municípios em adotar uma política para adoção de um programa de combate ao bullying. não existe uma legislação específica tratando do tema. não tem acontecido de forma positiva.

de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da educação nacional). se for o caso. o Projeto: Altera a Lei nº 9. Esta proposta foi aprovada pela Comissão de Educação do Senado no dia 14 de junho de 2011. não porque estão autorizados pelo nosso ordenamento jurídico. No Estado do Espírito Santo. sob o princípio da responsabilidade conjunta. que são: encaminhar para o conselho tutelar. transferência compulsória. fazer ocorrência policial. o projeto será encaminhado para a sanção da presidente Dilma Rousseff e poderá se 31 . Os atos de assédio escolar configuram atos ilícitos. sendo os procedimentos que a escola deve tomar no artigo 89.como um meio de prover o pleno desenvolvimento da pessoa e seu preparo para o exercício da cidadania. E caso seja aprovado pela Câmara dos Deputados. os júris estão agora mais inclinados do que nunca a se simpatizarem com as vítimas. (Atividade Legislativa–Projetos e Matérias. Dado que a cobertura da mídia tem exposto quão alastrada é a prática do bullying. muitas vítimas têm movido ações judiciais diretamente contra os agressores por “imposição internacional de sofrimento emocional” e incluindo suas escolas como acusadas. mas por desrespeitarem princípios constitucionais e o Código Civil. Em anos recentes. existe um Regimento Comum das Escolas Estaduais (RCEE). que determina que todo ato ilícito que cause dano a outrem gera o dever de indenizar. é dada como ato infracional a prática do Bullying.394. No Brasil existe um Projeto de Lei (nº 228 de 2010) do senador Gim Argello (PTB-DF). 2011). para incluir entre as obrigações dos estabelecimentos de ensino a promoção de ambiente escolar seguro e a adoção de estratégias de prevenção e combate ao bullying. tendo em vista que as escolas prestam serviços aos consumidores e são responsáveis por atos de assédio escolar que ocorram nesse contexto seja ela pública ou privada. menores de 12 anos. que orientam quanto os casos de Bullying em seu artigo 83. de acordo a ementa. A responsabilidade pela prática de atos de assédio escolar pode se enquadrar também no Código de Defesa do Consumidor.

32 . Como está em tramitação ainda no Congresso. Pois fará parte das normas que rege a nova LDB. De caráter obrigatório. a lei deve envolver escolas e faculdades brasileiras a utilizar táticas contra o bullying (combate e prevenção). por isso é necessário que os pedagogos acompanhem a promulgação pela presidente Dilma Rousseff.tornar a primeira lei antibullying do Brasil. para um processo de auxiliar a escola em sua pratica profissional. mediante o acréscimo da ementa já citada.

não só para as vítimas. o professor não pode ficar leigo sobre ideias de resolução do problema. para que haja mudanças de atitudes dos envolvidos nos problemas citados. mas também aos agressores. porém ainda não há muitas práticas de projetos políticos pedagógicos que indiquem a necessidade de priorização das ações de prevenções nas escolas e que trabalhem com os alunos durante suas vidas acadêmicas. se você criar um escudo ele não te acertará. A escola é uma das grandes responsáveis pela socialização das crianças. pois pelas informações obtidas. Por isso é importante que os professores estejam preparados e cientes sobre o assunto. conscientizando-os das tristes consequências. analisamos que nem os professores e nem as escolas estão devidamente preparadas e amparadas para lidar com esse fenômeno bullying. podemos perceber a importância de se falar sobre bullying nas escolas. Conhecer e obter tantas informações sobre o bullying contribuiu positivamente para nossa formação no curso de pedagogia. se torna necessária uma maior conscientização das autoridades.CONCLUSÃO Ao realizar esse trabalho de conclusão de curso (TCC). esse tema é conhecido. Notamos que atualmente a mídia mobiliza diversas pessoas através dos meios de comunicação. Assim é necessário que as escolas e seus componentes possam estar informados dos problemas e das consequências que essas agressões são geradas. ''o bullying é uma flecha. Em nossa pesquisa de campo. precisam saber qual atitude tomar numa situação como essa. e pelas pesquisas podemos perceber que esse tema sempre existiu e que somente nos dias de hoje esta sendo discutido e repercutido. porem. comunidade escolar e de toda a sociedade. e o mais importante. pois com essas informações ficamos cientes das necessidades de ficarmos cada dia mais apto sobre o assunto. Portanto. o que demonstra uma grande evolução no combate do bullying. família. é o segundo convívio depois do familiar. Com este trabalho nos conscientizamos que o bullying não é uma realidade desconhecida. pois ao se deparar com essa situação em sala. 33 . e quando formados procurar sempre planejar aulas e projetos que trabalhem devidamente com os alunos.

Washington.br/pdf/jped/v81n5s0/v81n5Sa06. CALHAU. Aggression in the schools: bullies and whipping boys . São Paulo. Cléo. 67-73. 2011. Editora Impetus. Portal Atividade Legislativa. Neto A. Jornal de pediatria. LOPES./jul.br> 34 . 5(supl. Washington. Acesso em: Agosto de 2012.br/atividade/materia/> Acesso em: Setembro de 2012. OLWEUS. Dan.O que você precisa saber. Fenômeno Bullying: Analise de pesquisas em psicologia publicada no período de 200 a 2006. OLWEUS. MAURO. n. 2010. A. Carmem Maria Bueno. 2005.scielo. Aggression in the schools: bullies and whipping boys . Disponível em: <http://www. Campinas São Paulo: Verus Editora.scielo. Dan.pdf >Acesso em: Setembro de 2012. Disponível em: <http://www. Bullying.com. Bullying . V.br/pdf/jped/v81n5s0/v81n5Sa06. jun. Beatriz S. 2005. Cyber Bullying violência virtual. Disponível em:< >Acesso em: Agosto de 2012. Disponível em:<http://www. Jornal Pediatria. Disponível em: <http://www. Revista Nova Escola. Bullying-comportamento agressivo entre estudantes. p.). NEME. Fenômeno Bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz.bullying. 2005. Lélio Braga. 81. 164-172 Rio de Janeiro. ABRAPIA.senado.REFERENCIAS FANTE. 2ª edição. Aramis.gov. Bullying – comportamento agressivo entre estudantes. NETO.pdf>. p.

ARGELLO. Gim.com. Conselho Nacional de Justiça.PROJETO DE LEI DO SENADO.abril.shtml> Acesso em: Setembro de 2012.br/especiais_online/bullying/ping. de 13 de julho de 1990. PLS . Bullying: Cartilha 2010 de junho/julho de 2010. Nº 228 de 2010. CNJ. Estatuto da Criança e do Adolescente.<http://veja. Lei nº 8. 35 .069. BRASIL.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful