SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS FACULDADE DE OCEANOGRAFIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

JEAN JOSIAS DOS SANTOS FIGUEIREDO

Conversão da energia termal oceânica e seu uso econômico na Zona Econômica Exclusiva do Brasil entre as latitudes de 5°N e 15°S

BELÉM-PA 2008

1

JEAN JOSIAS DOS SANTOS FIGUEIREDO

Conversão da energia termal oceânica e seu uso econômico na Zona Econômica Exclusiva do Brasil entre as latitudes de 05°N e 15°S

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Oceanografia do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Pará, para obtenção do grau de Bacharel em Oceanografia. Área de concentração: Recursos Energéticos Oceânicos, Engenharia Oceânica, Oceanografia Física. Orientador: Prof. Dr. Estanislau Luczynski

BELÉM-PA 2008

2

Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação(CIP) Biblioteca Geól. Rdº Montenegro G. de Montalvão

F475c

Figueiredo, Jean Josias dos Santos Conversão da energia termal oceânica e seu uso econômico na Zona Econômica Exclusiva do Brasil entre as latitudes de 05°N e 15°S. / Jean Josias dos Santos Figueiredo. – 2008 121 f. : il. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Oceanografia) – Faculdade de Oceanografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, Primeiro Semestre de 2008. Orientador, Estanislau Luczynski

1. Recursos energéticos oceânicos. 2. OTEC. 3. Circulação oceânica. 4. ZEE. I. Universidade Federal do Pará II. Luczynski, Estanislau, Orient. III. Título. CDD 20º ed.:333.7909163

3

JEAN JOSIAS DOS SANTOS FIGUEIREDO

Conversão da energia termal oceânica e seu uso econômico na Zona Econômica Exclusiva do Brasil entre as latitudes de 05°N e 15°S
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Oceanografia do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Pará, para obtenção do grau de Bacharel em Oceanografia.

Data de aprovação:

Banca Examinadora:

_______________________________________ Prof. Estanislau Luczynski - Orientador
Doutor em Interunidades em Energia. Universidade Federal do Pará

______________________________________ Prof. Mâamar El-Robrini - Membro
Doutor em Fisiografia Oceânica e Litorânea Universidade Federal do Pará

__________________________________________ Profa. Maria Oziléa Bezerra Menezes - Membro
Doutora em Geologia Universidade Federal do Pará

4

Para : Flor (Mãe querida), Cayo Murilo (minha vida), Jeanne (mana batalhadora), Flávio (Babo) e Renan (Nam) Ray Dantas (grato pela companhia).

Aos Homens e Mulheres, que em um mundo repleto de ignorância, ousam fazer Ciência.

5

AGRADECIMENTOS

Ao Prof. Dr. Estanislau Luczynski, por despertar meu interesse com relação à importância da questão sobre recursos energéticos, e pelo precioso auxílio na elaboração deste trabalho. Aos professores e professoras da graduação em Oceanografia, pela transmissão de conhecimento ao longo do curso. Aos prezados amigos da turma de 2003 e àqueles pertencentes a turmas de outros anos (companheiros nessa jornada introdutória na Oceanografia). Muitas felicidades a todos vocês (“Zezé praguinha”, bem-vindo ao mundo). A equipe de trabalho da Biblioteca Setorial do Centro de Geociências, pela presteza e cortesia no atendimento. A secretária do curso (Ana) pela solicitude aos nossos pedidos de alunos. A Jean Michel Jarre, Pink Floyd, Beethoven, Los Hermanos e tanto outros, por suas sonoras treks, essenciais nos angustiantes momentos de vácuo mental durante a gênese deste trabalho. Aos meus pais, familiares e amigos que de alguma forma me incentivaram nessa viagem inicial nos domínios da Oceanografia.

6

A essência do conhecimento é a prática”

(Confúcio)

Por onde vou guiar O olhar que não enxerga mais Dá-me luz, ó Deus do tempo Dá-me luz, ó Deus do tempo Nesse momento menor Pr'eu saber seu redor

(Marcelo Camelo)

7

RESUMO No Brasil, estimativas de crescimento econômico e populacional indicam o aumento da demanda por energia no futuro. Uma das vias para contornar essa necessidade é o aumento de oferta de energia através de fontes comercialmente estabelecidas. Porém, a longo prazo, é prudente diversificar os tipos de fonte de energia. Neste contexto, os oceanos apresentam um grande potencial a ser explorado. Dentre os recursos energéticos oceânicos existentes, a Conversão da Energia Térmica Oceânica (OTEC) é a que apresenta a maior quantidade teórica disponível de energia. Um sistema OTEC está baseado nas diferenças de temperatura entre a água do mar superficial quente e a água do mar profunda fria. Fez-se uma análise geral sobre OTEC e uma pesquisa teórica do potencial de utilização da OTEC na Zona Econômica Exclusiva do Brasil, entre as latitudes de 05°N e 15°S, como alternativa de recurso energético renovável. A costa Nordeste e parte da costa Central têm vantagem sobre a costa Norte (compartimentação segundo REVIZEE), pois apresenta massas d‟águas com diferença de temperatura adequada mais próximas do continente do que na ZEE/NO (menor custo com transporte de energia). As duas primeiras regiões possuem

aproximadamente em conjunto um intervalo de potência teórica disponível entre 12,2 GW 32,6 GW. No entanto, as duas costas podem receber usinas flutuantes, a grande aposta para o futuro dessa tecnologia. É importante que estudos sejam conduzidos no mar brasileiro para mapear áreas adequadas para testes de sistemas OTEC com objetivo de avaliar seus benefícios e limitações.

Palavras-chave: Recursos energéticos oceânicos. OTEC. Circulação Oceânica ZEE.

8

ABSTRACT Estimations of economical and population growth indicate that in the future the demand for energy will increase in Brazil. One solution for this question is to increase the energy supply by sources commercially established. But, in the long run, a wise decision is to diversify the types of power source. In this context, the oceans have a huge potential to be explored. Among the existing oceanic energy resources, Ocean Thermal Energy Conversion (OTEC) shows the biggest available theoretical amount of energy. An OTEC system is based on the temperature difference between the warm surface seawater and the cold deep seawater. A general analysis on OTEC and a theoretical research of potential OTEC use in areas between 05°N and 15°S that belongs to Brazilian Exclusive Economic Zone were made. The Northeast coast and part of Central coast have advantage over the North coast (division according to REVIZEE), because they have water masses with appropriate temperature differences and they are closer to the continent (lesser energy transport cost). The two first regions have approximately an interval of available theoretical power from 12,2 to 32,6 GW. However, floating OTEC plants can be operated in both coasts. This type of plant seems to be the future application of this technology. It is important that researches were made in the Brazilian sea to map suitable areas for systems OTEC tests purposing to evaluate these systems in relation to its benefits and limitations.

Key-words: Oceanic energy resources. OTEC. Oceanic circulation. EEZ.

9

LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Mapa 1 - Área em estudo e suas subdivisões...................................................................24 Figura- 1 Influência da latitude da Terra na distribuição da radiação solar no planeta...........................................................................................................28 Figura 2 - Influência da inclinação do eixo da Terra na distribuição da radiação solar no planeta........................................................................................................28 Figura 3 - Influência da inclinação do eixo da Terra na distribuição da radiação solar no planeta...........................................................................................................29 Figura 4 - Influência do movimento de translação da Terra na distribuição da radiação solar no planeta................................................................................29 Gráfico1 - Variação com a latitude da radiação solar absorvida versus reirradiação terrestre de energia......................................................................30 Mapa 2 - Distribuição de temperatura superficial do mar (50 km global analysis)......................................................................................30 Figura 5 - Seção Transversal Generalizada das Principais Camadas Termais nos Oceanos........................................................................................................32 Gráfico 2 - Termoclina permanente em baixas latitudes...................................................32 Mapa 3 - Diferença de temperatura entre as água superficiais e à profundidade de 1000 m................................................................................................................33 . Foto 1 - Instalação de um tubo de captação de água do mar fria para teste da usina OTEC de Claude na baia de Matanzas, Cuba .........................................36 . Foto 2 - Navio “Tunísia” transladado para o Brasil no qual foi instalado o sistema OTEC de Claude .................................................................36 Foto 3 - Mini-OTEC montado pelo NELHA ......................................................................39 Foto 4 - Navio-usina OTEC “SAGAR SHAKTI” do NIOT com potência bruta de 1 MW................................................................................................................40 Figura 6 - Ilustração de sistema OTEC com detalhe ampliado da parte superior do sistema.........................................................................................................42

10

Esquema 1- Sistema OTEC de ciclo fechado e seus principais subsistemas.................................................................................43 Figura 7 - Permutador de calor do tipo placa-aleta com detalhe ampliado do arranjo placa-aleta.......................................................................................................44 Gráfico 3 - Diagrama p-V para o ciclo OTEC Rankine......................................................45 Gráfico 4 - Diagrama T-s para o ciclo Rankine padrão.....................................................45 Esquema 2 - Sistema OTEC de ciclo aberto e seus principais sub-sistemas...............................................................................................47 Foto 5 - Evaporador do tipo flash em ação com destaque para o lançamento de água pulverizada..................................................................................................48 Gráfico 5 - Diagrama T-s típico para sistema OTEC de ciclo aberto.................................................................................................49 Esquema 3 - Sistema OTEC de ciclo híbrido e seus principais sub-sistemas...............................................................................................51 Foto 6 - Vista aérea de usina OTEC instalada no continente ( Kealohe Point, Hawaii).....................................................................53 Figura 8 - Sistema OTEC instalado na plataforma continental.........................................55 Figura 9 - Navio-usina “SAGAR SHAKTI” e seu sistema de ancoramento................................................................................................56 Esquema 4 - Funcionamento de uma máquina térmica...........................................................................................57 Foto 7- Montagem de um CWP........................................................................................60 Foto 8 - CWP do navio-usina “SAGAR SHAKTHI”, projeto conjunto de NIOT/IOES .........................................................................................................61 Figura 10 - Formação de escamas inorgânicas................................................................62 Foto 9 - Bioincrustação em uma embarcação...................................................................63 Gráfico 6 - Tipos de razão de emergia líquida de diferentes concentrações................................................................................65

11

Gráfico 7 - Capital de investimento necessário para implantação de sistema OTEC ................................................................................................67 Esquema 5 - Produtos passíveis de serem obtidos a partir de um sistema OTEC..............................................................................................70 Figura 11- Circulação atmosférica na costa brasileira......................................................77 Mapa 4 - Desenvolvimento da plataforma continental na área em estudo...........................................................................................................81 Mapa 5 - Altura significativa e direção média de ondas no litoral norte. (Análise para 30 de outubro de 2007 (00h))......................................................82 Mapa 6 - Altura significativa e direção média de ondas no litoral nordeste (Análise para 30 de outubro de 2007 (00h)).....................................................83 Mapa 7 - Representação esquemática do Giro Subtropical do Atlântico Sul..................................................................................................84 Figura12 - Circulação oceânica simplificada do Oceano Atlântico...................................86 Figura 13 - Estrutura simplificada de massas d‟águas presentes na costa Norte do Brasil........................................................................................87 Figura 14 - Estrutura simplificada de massas d‟águas presentes na ZEE-NE/parte da costa Central..................................................................88 Figura 15 - Distribuição vertical das massas de água ao longo do transecto Perfil (A/S) durante o período de descarga mínima do rio Amazonas.................................................................................................90 Gráfico 8 - Distribuição vertical de temperatura oceânica no litoral norte do Estado da Bahia e suas vizinhanças .................................................................91 Mapa 8 - Temperatura da AT a 52 m de profundidade obtida pelo modelo OCCAM para a região oeste do Atlântico Sul...............................92 Mapa 9 - Temperatura anual na superfície do Atlântico Sul/parte do Atlântico Norte..............................................................................93 Gráfico 8 - Variação da TSM na região ATO (1978-1986)................................................93 Mapa 10 - Temperatura da AIA a 989 m de profundidade................................................94

12

Mapa 11 - Temperatura anual do Atlântico Sul/parte do Atlântico Norte à profundidade de 1000m..................................................94 Mapa 12 - Relevo submarino da região oeste do Atlântico Sul até a latitude de 15°S (Projeto LEPLAC).................................................................95

13

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Tipos de fonte de energia oceânica e estimativa de quantidade de potência disponível....................................................................................25

Tabela 2 - Formas de energia marinha e potencial tecnicamente explorável........................................................................................................26

Tabela 3 - Estimativa de custo unitário de eletricidade a partir do uso de OTEC na Índia............................................................................................................66

Tabela 4 - Relação largura x profundidade da quebra de alguns locais da plataforma continental norte brasileira...............................................................................80

14

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

AAF

Água Antártica de Fundo

ACAS

Água Central do Atlântico Sul

ACAN

Água Central do Atlântico Norte

AIA

Água Intermediária Antártica

APAN

Água Profunda do Atlântico Norte

AT

Água Tropical

COOPE/UFRJ Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

CWP

Cold Water Pipe (Tubo para Água Fria)

IOES

Institute of Ocean Energy of Saga University (Instituto de Energia Oceânica da Universidade de Saga - Japão)

NELHA

Natural Energy Laboratory of Hawaii Authority (Laboratório de Energia Natural da Autoridade do Hawaii)

NIOT

National Institute of Ocean Technology of India (Instituto Nacional de Tecnologia Oceânica da India)

NREL

National Renewable Energy Laboratory of USA (Laboratório Nacional de Energia Renovável dos EUA)

15

OCCAM

Ocean Circulation and Climate Advanced Modelling Project (Projeto de Modelagem Avançada do Clima e Circulação Oceânica)

OTEC

Ocean Thermal Energy Conversion (Conversão da Energia Térmica Oceânica)

tep

Tonelada equivalente de petróleo

TSM

Temperatura superficial do mar

ZEE

Zona Econômica Exclusiva

ZEE-NO

Zona Econômica Exclusiva da costa Norte do Brasil

ZEE-NE

Zona Econômica Exclusiva da costa Nordeste do Brasil

16

LISTA DE SÍMBOLOS

°N °S °W „ °C K % bbl W GW TW KWh MWh TWh km km2 mi2 m.n. Sv US$

grau de latitude norte grau de latitude sul grau de longitude oeste minuto (latitude/longitude) grau Celsius Kelvin por cento barril de petróleo Watt Gigawatt Terawatt Quilowatt.hora Megawatt.hora Terawatt.hora Quilômetro Quilômetro quadrado milha quadrada milha náutica Sverdrup Dólares americanos

17

SUMÁRIO 1 2 2.1 2.2 3 4 5 6 INTRODUÇÃO................................................................................................... 19 OBJETIVOS....................................................................................................... 22 OBJETIVO GERAL............................................................................................. 22 OBJETIVOS ESPECÍFICOS.............................................................................. 22 METDOLOGIA................................................................................................... 22 OCEANOS E O POTENCIAL DA TECNOLOGIA OTEC.................................. 24 FORMAÇÃO DOS GRADIENTES TÉRMICOS OCEÃNICOS.......................... 27 HISTÓRICO DA TECNOLOGIA OTEC E ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO ATUAL.......................................................................... 34

7 SISTEMAS OTEC.............................................................................................. 41 7.1 CONCEITO......................................................................................................... 41 7.2 CLASSIFICAÇÕES DOS SISTEMAS OTEC...................................................... 42 7.2.1 Quanto ao ciclo do fluido................................................................................. 42 7.2.1.1 Ciclo fechado...................................................................................................... 43 7.2.1.2 Ciclo aberto........................................................................................................ 46 7.2.1.3 Ciclo híbrido......................................................................................................... 51 7.2.2 Quanto à localização do sistema.................................................................... 52 7.2.2.1 Instalação no continente..................................................................................... 52 7.2.2.2 Instalação na plataforma continental.................................................................. 53 7.2.23 Instalação flutuante............................................................................................. 54 7.3 DESAFIOS TÉCNICOS E ECONÔMICOS......................................................... 56 7.4 SUBPRODUTOS OTEC E O CONCEITO “DEEP OCEAN WATER APPLICATIONS” (DOWA)…………………………….. 69 7.4.1 Água dessalinizada.......................................................................................... 70 7.4.2 Maricultura........................................................................................................ 71 7.4.3 Sistemas de refrigeração................................................................................. 72 7.4.4 Produtos químicos........................................................................................... 73 8 8.1 POSSIBILIDADES DE USO NO BRASIL.......................................................... 74 BRASIL E A CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DIREITO DO MAR............................................................................................. 74 8.2 LOCALIZAÇÃO DA ÁREA EM ESTUDO........................................................... 75 8.3 DESCRIÇÃO DA ÁREA EM ESTUDO............................................................... 76 8.3.1 Aspectos meteorológicos................................................................................ 76 8.3.1.1 Circulação atmosférica....................................................................................... 76 8.3.1.2 Clima................................................................................................................... 78 8.3.2 Aspectos da plataforma continental............................................................... 79

18

8.3.3 Aspectos oceanográficos................................................................................ 8.3.3.1 Formação de ondas............................................................................................ 8.3.3.2 Circulação superficial......................................................................................... 8.3.3.3 Circulação profunda........................................................................................... 8.4 GRADIENTES TÉRMICOS OCEÂNICOS NA ÁREA EM ESTUDO...................................................................................................... 8.5 POSSÍVEIS IMPACTOS AMBIENTAIS NA ÁREA EM ESTUDO....................... 9 10

82 82 83 85 88 96

DISCUSSÃO..................................................................................................... 101 CONCLUSÕES................................................................................................. 107

REFERÊNCIAS ........................................................................................................... 109

19

1 INTRODUÇÃO

Capacidade de realizar trabalho é a mais simples e mais comum definição de energia. Para Radovic (1998) energia é uma propriedade da matéria que pode ser convertida em trabalho, calor ou radiação. Segundo Branco (2004); Oliva e Giansanti (1999), nosso universo é entremeado por matéria e energia, duas características permutáveis, de modo que matéria pode se tornar energia, e vice-versa. Além disso, um tipo de energia pode ser convertido em outro. A energia se manifesta de formas variadas: energia proveniente da radiação solar; energia geotérmica oriunda do interior da Terra; energia nuclear presente em alguns minerais como urânio e tório; energia gravitacional contida no movimento das marés oceânicas. Através de fenômenos naturais, a energia, especialmente a solar, pode passar por modificações, sendo encontrada, por exemplo, na forma de energia combustível, energia hidráulica (OLIVA; GIANSANTI, 1999) ou energia térmica (SKINNER; TUREKIAN, 1988). Para Branco (2004); Oliva e Giansanti (1999), a moderna sociedade industrial exige uma infra-estrutura apropriada com constituição de um sistema energético confiável para seu estabelecimento. Faz-se necessário, então, o desenvolvimento de técnicas de aproveitamento dos sistemas energéticos naturais. Conforme Skinner e Turekian (1988), como a necessidade de energia dessa sociedade cresce muito, ela torna-se diariamente mais dependente de um abastecimento constante de energia. O uso racional de energia é possível, mesmo assim, o suprimento de fontes convencionais de energia, tais como gás, petróleo, carvão mineral e hidroeletricidade teriam restrições para satisfazer a demanda por elas (SKINNER; TUREKIAN, 1988). Portanto, o fornecimento de energia suplementar ao trabalho humano tornou-se vital nas sociedades modernas, e a extensão de seu estudo até o mar tem se constituído uma recente preocupação (NESHYBA, 1987; SKINNER; TUREKIAN, 1988; THURMAN; TRUJILLO, 2004). No Brasil, mais de 95% da matriz energética nacional é constituída das fontes convencionais citadas somadas às contribuições de lenha, carvão vegetal e derivados

20

de cana-de-açúcar. Os dados indicam que a oferta interna de energia em 2005 foi de aproximadamente 218,7 milhões de toneladas equivalentes de petróleo (tep), sendo que cerca de 10% deste montante foi importado predominantemente na forma de carvão mineral, gás natural e energia elétrica. Já o consumo final de energia em 2005 alcançou a cifra de 195,9 milhões de tep (BRASIL, 2006). Conforme Estados Unidos1 (2006 apud BRASIL, 2006), em um cenário de referência, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil durante o período de 2003-2030 teria um crescimento de 3,5% ao ano (a.a.), enquanto que para a população, espera-se um aumento de 1% a.a.. Neste cenário, em 2030, o Brasil alcançaria o consumo de energia de 433,5 milhões de tep, praticamente o dobro da oferta interna de energia em 2005, o que representa uma taxa de crescimento de 2,5% a.a.. Para satisfazer essa demanda de energia, o Brasil deve aumentar a oferta de energia paralelamente ao incentivo de um consumo mais eficiente de energia por parte dos diversos setores da sociedade. O aumento pode ser feito através das fontes convencionais ou por meio de fontes alternativas. Com tecnologia já estabelecida comercialmente, as fontes convencionais parecem ser o caminho mais óbvio, porém existem entraves a esse modelo. O maior deles atualmente diz respeito ao uso de combustíveis fósseis, e sua conseqüente contribuição para o lançamento de gases que intensificam o efeito estufa no planeta (BRANCO, 2004; Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), 2001, 2007), além da emissão de outros poluentes (BRANCO, 2004). Entretanto, outros pesquisadores como Faria Junior (informação verbal)
2

e Leroux (2003) discordam da

contribuição da queima desses combustíveis para intensificação do efeito estufa. Finalmente, não se pode ignorar que esse tipo de fonte provém de um recurso nãorenovável. Com relação à energia hidroelétrica, alguns estudiosos acreditam que ela apresenta grande capacidade de crescimento, pois o Brasil usa somente cerca de 25% de seu potencial hídrico para este fim (OLIVA; GIANSANTI, 1999; ROSA, 2006). Porém,
1

ESTADOS UNIDOS. International Energy Outlook (IEO). Departamento de Energia do Governo dos Estados Unidos. Washington, DC, 2006. 2 FARIA JÚNIOR, L. E. do C. Informação transmitida em aula da disciplina Sedimentologia aplicada à Oceanografia. Belém, 2003.

21

como lembrado por Branco (2004), é preciso que a instalação de uma usina hidroelétrica seja bem planejada e executada para evitar projetos ineficientes como a usina de Balbina (AM). Além disso, sempre existe risco de se confiar quase toda a produção de energia elétrica a uma única fonte, que embora renovável, depende do regime de chuvas. Portanto, além de aumentar a oferta de energia, é imprescindível que se diversifique a matriz energética do país, incentivando-se a pesquisa de fontes alternativas. Neste contexto, os oceanos apresentam possibilidades de outros recursos energéticos, que não somente petróleo e gás submarino. Dentre eles, este trabalho discutirá o aproveitamento da tecnologia Oceanic Thermal Energy ConversionConversão da Energia Térmica Oceânica (OTEC) na Zona Econômica Exclusiva (ZEE) do Brasil, em áreas limitadas por 05°N e 15°S. Esta área é caracterizada por massas de água pertencentes à circulação oceânica do Atlântico Sul Ocidental que podem ser estudadas com auxilio de modelos numéricos, tais como Ocean Circulation and Climate Advanced Modelling ProjectProjeto de Modelagem Avançada do Clima e da Circulação Oceânica (OCCAM) usado por Cirano et al.(2006) ou o Experimento ATL6 baseado no código numérico paralelizado Océan Parallélisé- Oceano Paralelizado (OPA) utilizado por Silva (2006). Nessa região, conforme Avery e Wu (1994); Neshyba (1987); USA National Renewable Eenrgy Laboratory (NREL) (2007) é possível encontrar diferenças de temperatura entre massas de água superficial e profunda, que apresentam potencial teórico para pesquisa de uso da tecnologia OTEC. Este trabalho está estruturado em 10 seções. A primeira trata dos objetivos do trabalho, enquanto que a segunda relata a metodologia utilizada. Já a terceira seção aborda a questão dos oceanos e o potencial da tecnologia OTEC, ao passo que a quarta seção analisa a formação dos gradientes térmicos oceânicos. Na 5ª seção é levantado o histórico da tecnologia OTEC e seu desenvolvimento atual. A 6ª seção tem por assunto os sistemas OTEC e sua classificação, além dos desafios ao uso dessa tecnologia e seus possíveis subprodutos econômicos. As possibilidades de uso dessa tecnologia no Brasil são avaliadas na sétima seção, enquanto a discussão e conclusões

22

são feitas na 8ª e 9ª seções, respectivamente. Por fim, as referências bibliográficas são apresentadas na décima seção.

2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL

Avaliar o potencial da Conversão de Energia Térmica Oceânica na Zona Econômica Exclusiva do Brasil.

2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Analisar as características da tecnologia OTEC; Avaliar as possibilidades de uso da tecnologia OTEC na ZEE do Brasil, dentro dos limites de 05°N e 15°S; Identificar locais com maior probabilidade teórica de interesse para estudos pilotos sobre tecnologia OTEC dentro dos limites propostos.

3 METODOLOGIA

Pesquisa bibliográfica em literatura especializada e correlata sobre o assunto, totalizando 117 referências, assim distribuídas: 32 artigos, entre científicos ou simplesmente informativos; 25 páginas na internet; 17 livros; 10 trabalhos publicados em anais de eventos; 9 Relatórios; 4 dissertações de mestrado; 3 trabalhos de conclusão de curso; 2 teses de doutorado; 2 estudos compiladores; 1 plano de manejo; 1 projeto de gerenciamento costeiro; 1 estudo teórico; 1 nota técnica; 1 proposta de pesquisa; 1 boletim estatístico; 1 enciclopédia eletrônica; 1 apresentação em slides de

23

palestra; 1 correio eletrônico, 1 banco de imagens de satélite; 1 banco de imagens de temperatura superficiais oceânicas; 1 banco de imagens de temperaturas oceânicas mundiais e 1 banco de imagens de previsão de ondas. Algumas referências foram lidas total ou parcialmente do acervo das Bibliotecas Central da Universidade Federal do Pará (UFPA) e Setorial do Instituto de Geociências da UFPA, além de material particular. Outras referências foram obtidas através da Internet. A área estudada é a parte da ZEE brasileira compreendida entre as latitudes de 5°N e 15°S. Esses limites englobam águas das costas Norte (05°N) e Nordeste e parte da costa Central (15°S) segundo divisão proposta pelo programa Avaliação do Potencial Sustentável de Recursos Vivos na Zona Econômica Exclusiva (REVIZEE) (mapa 1). Como a definição da extensão da ZEE é dada pela distância de 200 milhas náuticas a partir da linha de base a partir da qual é medido o mar territorial, a ZEE atinge várias coordenadas de longitude. Por exemplo, a ZEE do Amapá alcança valores por volta de 51°W; já a ZEE em torno do arquipélago de Fernando de Noronha pode apresentar longitude próxima de 29°W, enquanto que na latitude de 15°S a ZEE tem valores de longitude de até aproximadamente 36°W. Os critérios para avaliação da possibilidade de uso econômico da tecnologia OTEC na área em questão foram o gradiente térmico oceânico vertical, as características morfológicas da plataforma continental e batimetria do fundo oceânico, além da produtividade biológica ocorrente.

24

Mapa 1: Área em estudo e suas subdivisões.
Fonte: Adaptado de Montes (2003).

4 OCEANOS E O POTENCIAL DA TECNOLOGIA OTEC

Vários autores, como Avery e Wu (1994); Béguery (1979); Branco (2004); Brown et al. (1995); Neshyba (1987); Thurman e Trujillo (2004), relatam a possibilidade de uso de recursos energéticos peculiares da água do mar, bem como, a utilização dos

oceanos como suporte para aproveitamento de outros tipos de energia, a exemplo da eólica. Os autores supracitados destacam a característica da renovabilidade dos recursos energéticos oceânicos, embora haja previsão de que num cenário de aquecimento global, o aproveitamento da OTEC pode ser comprometido (em fase de elaboração) 3·. Contudo, Avery e Wu (1994); Avery e Berl (1997); Thurman e Trujillo (2004) afirmam que esses recursos seriam obtidos e utilizados sem poluição oceânica ou atmosférica relevante.

3

An estimate of Atlantic Ocean Thermal Energy Conversion (OTEC) resources, de autoria de Gérard C. Nihous, a ser editado por Ocean Enegineering/Elsevier, jun. 2007.

25

Neshyba (1987) aponta ainda mais uma qualidade dos oceanos como fornecedor de energia para a população humana: o fato de que eles, em dado instante, devido suas grandes capacidades térmicas, possuem maior quantidade de energia derivada do sol, estocada em uma coluna d‟água de área unitária do que aquela contida numa coluna de área igual na atmosfera ou no continente. As tabelas 1 e 2 mostram como estão distribuídos os recursos energéticos oceânicos. Teoricamente qualquer uma dessas fontes pode se usada, contudo, de modo geral, pode-se dizer que estas fontes se encontram em fase pré-comercial, embora Skinner e Turekian (1988) relatem que projetos de energia maré-motriz já foram testados em escala comercial. No Brasil, existe um projeto liderado pela Coppe/ UFRJ que pretende aproveitar o potencial energético das ondas para produção de eletricidade (FURTADO, 2006).

Tabela 1: Tipos de fonte de energia oceânica e estimativa de quantidade de potência disponível. Fonte de energia oceânica Estimativa teórica de potência disponível (MW) 6x106 10x106 25x106 1400x106 40.000x106

Ondas e Marés Bioconversão Correntes Oceânicas e Ventos Gradientes de salinidade Gradientes térmicos

Total
4

41.141x106

Fonte: Adaptado de Constans (1979 apud Neshyba,1987).

4

CONSTANS, J. Marine sources of energy. Nova Iorque: United Nations department of international economic and social affairs. 1979.

26

Tabela 2: Formas de energia marinha e seu potencial tecnicamente explorável. Potencial Tecnicamente Explorável (TWh/ano) OTEC Ventos e Ondas Marés Total
Fonte: Adaptado de Gauthier ( 2003).

Participação Potencial em %

100.000 18.400 e 1.400 800 120.000

82 17 <1 100

Entre todas as fontes possíveis de energia relatadas nas tabelas 1 e 2, a de maior potencial está relacionada à diferença de temperatura entre as águas quentes superficiais e as águas frias mais profundas. Para Avery e Wu (1994); Avery e Berl (1997), essa diferença é passível de ser usada para transferir calor, o qual pode ser aproveitado beneficamente. Avery e Wu (1994) postulam que em média, num dia, o calor absorvido pelas águas superficiais por 1 mi2 (≈2,6 km2) de área oceânica é maior do que aquele produzido pela queima de 7000 bbl 5. Já conforme estimativas de NREL (2007), num dia, em média, os mares tropicais com área de 23 milhões de mi2 (≈60x106 km2) absorvem uma quantidade de radiação solar semelhante ao conteúdo de calor de cerca de 250 bilhões de bbl. Para Vega (1999), a quantidade de energia solar anual absorvida pelos oceanos é equivalente a pelo menos 4000 vezes a taxa de consumo anual de energia no mundo daquele período. Dados de British Petroleum (2007) indicam o consumo mundial de energia primária foi de 9071,1 milhões de tep e a geração de energia elétrica bruta foi de 14735,6 TW.h6 no ano de 1999.

5 6

1bbl = 159 L 1tep=12MW.h

27

Esta fonte potencial recebe uma denominação peculiar: Conversão da Energia Térmica Oceânica - Ocean Thermal Energy Conversion (OTEC). Conforme Skinner e Turekian (1988), tal como a vazão de uma massa d´água de uma altura a outra é utilizada para produzir energia elétrica, da mesma forma, um fluxo de calor entre corpos com diferentes temperaturas pode servir para o mesmo objetivo. Mantida a taxa de consumo anual de energia da década de 90, a partir de sistemas OTEC com eficiência de 3% em converter energia térmica oceânica para eletricidade, menos de 1 % desta fonte seria necessário para suprir essa demanda de energia. Entretanto para que a retirada desta energia não traga impactos ambientais danosos, é preciso primeiro identificar e desenvolver os meios para transformá-la numa forma útil e de trazê-la até o consumidor (Vega, 1999).

5 FORMAÇÃO DOS GRADIENTES TÉRMICOS OCEÂNICOS

A radiação solar é a fonte primária de energia para a Terra. De 65 a 70% dessa radiação, em média, penetram a atmosfera terrestre, com aproximadamente 50% da radiação total alcançando diretamente a superfície. Desta ultima percentagem, uma parte é refletida devido o albedo dos diversos corpos terrestres e a outra é absorvida pela superfície (BROWN et al, 1995; NESHYBA, 1987). O calor derivado da radiação absorvida é distribuído de maneira desigual no planeta, sendo essa a razão pela movimentação das massas atmosféricas e oceânicas e, formação de gradientes térmicos nos oceanos, tanto latitudinais quanto verticais (BROWN et al, 1995; KENNETT,1982; NESHYBA, 1987; THURMAN E TRUJILLO, 2004). Alguns fatores concorrem para essa distribuição não-uniforme. Neshyba (1987) mostra a influência da latitude da Terra (Fig.1), em que a radiação solar é mais concentrada no Equador do que em latitudes mais altas. Brown et. al. (1995) citam a contribuição da inclinação do eixo da Terra (Figs.2 e 3) em relação a sua orbita em torno do Sol, além do próprio movimento de translação do planeta - estações do ano (Fig.4).

28

Figura 1: Influência da latitude da Terra na distribuição da radiação solar no planeta.
Fonte: Adaptado de Krygier (2005).

Figura 2 : Influência da inclinação do eixo da Terra na distribuição da radiação solar no Planeta.
Fonte: Adaptado de Miskulin (2001).

29

Figura 3: Influência da inclinação do eixo da Terra na distribuição da radiação solar no Planeta.
Fonte: Adaptado de Miskulin (2001).

Figura 4: Influência do movimento de translação da Terra na distribuição da radiação solar no planeta.
Fonte: Adaptado de Grimm (1999).

O resultado da ação conjunta dos fatores citados é uma maior absorção de calor por unidade de área por dia na região equatorial que nas zonas temperadas e polares (Gráfico1). Isto leva a um gradiente decrescente latitudinal de temperatura superficial do Equador para os pólos conforme pode ser observado no mapa 2.(BROWN et al, 1995; KENNETT,1982; NESHYBA, 1987; THURMAN; TRUJILLO, 2004).

30

Gráfico1: Variação com a latitude da radiação solar absorvida versus reirradiação terrestre de energia.
Fonte: Adaptado de Cooperative Institute For Meteorological Satellite Studies (CIMSS) [2007?].

Mapa 2: Distribuição de temperatura superficial do mar (50 KM Global Analysis).
Fonte: Adaptado de Estados Unidos (2007).

Em resposta a esse desequilíbrio térmico, massas atmosféricas e oceânicas tendem a transportar calor do Equador em direção às altas latitudes. Uma parte da água do mar que chega às zonas polares onde sofre processo de resfriamento pode se

31

transformar em gelo, o que resulta em uma água do mar remanescente mais salgada. Ambos os processos implicam em maior densidade da água do mar nessa região, promovendo o seu afundamento. Outra parte da água do mar presente na região se insere na circulação superficial através do giro subpolar (BROWN et al., 1995; KENNETT,1982; NESHYBA, 1987; THURMAN; TRUJILLO, 2004). Ao afundar, essa água mais densa atinge grandes profundidades, chegando até o assoalho oceânico, de onde se espalha pelas bacias oceânicas. Esta água fria mais densa só emerge em certas regiões dos oceanos devido ao fenômeno da ressurgência (NESHYBA, 1987; THURMAN; TRUJILLO, 2004). Forma-se, assim, uma estabilidade térmica nos oceanos, onde existe uma água superficial menos densa (circulação superficial controlada pelo vento) continuamente aquecida, apresentando temperaturas médias superiores a 20°C até aproximadamente a latitude de 35° (giro subtropical). Esta camada não se mistura de maneira relevante com a água fria profunda mais densa (circulação termohalina) que exibe temperaturas próximas de 3 a 4°C. Entre elas, se estabelece uma região (200-300 a 1000 m de profundidade) onde a temperatura decresce de maneira rápida. Tal fato é decorrente da absorção nãouniforme, especialmente concentrada nas camadas mais superiores do oceano, pela água do mar dos comprimentos de onda que constituem a radiação solar. Esta região é conhecida como termoclina, que em certas partes do oceano apresenta um perfil vertical permanente (BROWN et al., 1995; NESHYBA, 1987; THURMAN; TRUJILLO, 2004). A figura 5 e o gráfico 2 esquematizam a situação descrita nos parágrafos anteriores:

32

Figura 5: Seção Transversal Generalizada das Principais Camadas Termais nos Oceanos.
Fonte: Adaptado de Brown et al. (1995).

Gráfico 2: Termoclina permanente em baixas latitudes.
Fonte: Adaptado de University Corporation for Atmospheric Research (UCAR) (2001).

33

Desta forma, pode-se entender o Oceano como uma grande máquina térmica, na qual a água funciona como fluido de trabalho, movendo-se entre a camada superficial dos oceanos tropicais (fonte quente) e, as regiões polares e subpolares (fonte fria), de onde parte dela afunda e se espalha pelas bacias oceânicas (NESHYBA, 1987; SKINNER; TUREKIAN, 1988). Segundo Avery e Wu (1994); Brown et al. (1995); Kennett (1982), nos oceanos tropicais, as camadas mais superiores se comportam como um grande reservatório de água quente, conservado a temperaturas médias anuais de até 28°C através do balanço entre a absorção de calor do sol e a perda de calor por intermédio dos processos de evaporação, convecção e emissão de radiação de ondas longas. Esta temperatura se mantém aproximadamente constante dia e noite e mês a mês. Nestas regiões, entre as latitudes de 15°N e 15°S para Avery e Wu (1994) ou entre 20°N e 20°S conforme NREL, podem-se encontrar diferenças de temperatura, entre a água superficial e a água a 1000 m de profundidade, que são passiveis para implantação de usinas OTEC (mapa 3). Estas usinas poderiam utilizar estas diferenças de temperatura para convertê-las em energia elétrica ou química (AVERY; BERL, 1997; AVERY; WU, 1994).

Mapa 3: Diferença de temperatura entre as águas superficiais e à profundidade de 1000 m.
Fonte: Adaptado de NREL (2007).

34

6 HISTÓRICO DA TECNOLOGIA OTEC E ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO ATUAL

A história inicial desta tecnologia é a mesma do desenvolvimento das primeiras máquinas térmicas a partir do estabelecimento das Leis da Termodinâmica, baseadas nos trabalhos de Sadi Carnot, escrito em 1824; o de Lord Kelvin, apresentado em 1849 a Royal Society da Inglaterra; o de Rudolph Clausius, proposto em 1851; além de varias contribuições de William Rankine. A partir de então, a acumulação de conhecimento e o melhor entendimento dos princípios físicos e químicos do funcionamento das máquinas térmicas levaram ao estabelecimento de sistemas comerciais (AVERY; WU, 1994). Os primeiros passos para concretização do conceito OTEC foram dados principalmente por estudiosos franceses. Conforme Avery e Wu (1994), o cientista Le Bom, em artigo publicado em 1881, vislumbrou o uso futuro de certos gases comprimidos como potência motora visto suas propriedades de estocar e transportar energia. A publicação deste artigo induziu Arsene D‟Arsonval, físico francês considerado pai da tecnologia OTEC, a propor o uso de máquinas térmicas com gases liquefeitos como fluido de trabalho para obter energia de fontes à baixa temperatura disponíveis na natureza. Dentre essas fontes, ele citou a ocorrência de uma diferença de temperatura apropriada nos oceanos tropicais, onde a 1000 m de profundidade, uma temperatura de 4°C pode ser verificada (AVERY; WU, 1994). Assim, com colaboração de Campbell, Dornig e Boggia (JOHNSON, 2006), D‟Arsonval sugeriu que determinados engenhos poderiam utilizar água quente superficial dos mares tropicais para evaporar um fluido, enquanto água fria profunda produziria sua condensação, de modo a fornecer diferença de pressão suficiente para o funcionamento desses engenhos (OCEAN THERMAL ENERGY CONVERSION, 2007; BÉGUERY, 1979). Para este fim, ele imaginou o uso de uma máquina térmica oceânica de ciclo fechado (AVERY; WU, 1994; JOHNSON, 2006).

35

Contudo, segundo Béguery (1979), apenas em 1926, o engenheiro George Claude (ex-aluno de D‟Arsonval) iniciou os primeiros projetos concretos desse conceito. Claude
7

(1930 apud JOHNSON, 2006, p.5), ao analisar o projeto de seu professor, fez
Tal solução é carregada de um número de inconveniências. Sendo uma delas o equipamento extra para o fluido de trabalho e seu custo adicional, e outra é a necessidade de transmitir quantidades enormes de calor através das paredes inevitavelmente sujas dos imensos evaporadores.

algumas ponderações sobre certas dificuldades do sistema OTEC de ciclo fechado:

Para contornar os problemas de construção de permutadores de calor de grande área, e sua conseqüente corrosão e bioincrustação ele sugeriu um sistema OTEC de ciclo aberto, utilizando a própria água quente do mar como fluido de trabalho. Tal sistema é atualmente também denominado de ciclo de Claude (AVERY; WU, 1994). Claude primeiramente mostrou a exeqüibilidade desta idéia em 1928 através da instalação de uma usina em Ougree-Marhaye, na Bélgica. Neste local, foi usada como fonte de água quente para o evaporador, a água de refrigeração a 30°C de uma usina de aço, ao passo que como fluido condensante, utilizou-se a água do Rio Meuse a 10°C. Neste experimento, a potência de saída foi de cerca de 50 a 60 quilowatts (kW) (AVERY; WU, 1994; BÉGUERY, 1979; JOHNSON, 2006). Em 1930, após o teste bem-sucedido na Bélgica, Claude deslocou a usina para a baia de Matanzas (Foto 1), Cuba, para demonstrar a viabilidade da produção de potência térmica a partir da combinação de água quente superficial do mar com água fria extraída de profundidade adequada (AVERY; WU, 1994; BÉGUERY, 1979; JOHNSON, 2006).

7

CLAUDE, G. Power from the tropical seas. dez.1930.

Mechanical Engineering. Nova Iorque, vol 52, p. 1039 -1044,

36

Foto 1: Instalação de um tubo de captação de água do mar fria para teste da usina OTEC de Claude na baia de Matanzas, Cuba.
Fonte: Claude (1930 apud BROWN; GAUTHIER; MEURVILLE, 2002).
7

Johnson (2006) relata que Claude, então, após duas tentativas fracassadas, conseguiu operar o sistema, que gerou 22 kW de potencia de saída a partir de uma diferença de temperatura de 14 °C. Entretanto, conforme Béguery (1979) a potência útil fornecida pelo sistema era nula devido à energia requerida para o bombeamento de água. Cinco anos depois das experiências em Cuba, Claude montou outra usina, do tipo flutuante, instalada à bordo de um navio cargueiro de 10.000 t (Foto 2). A sua intenção era operar a usina na costa brasileira, porém, o plano não foi adiante devido ao naufrágio do flutuador e perda da tubulação ocasionados por mau tempo e ondas (OCEAN THERMAL ENERGY CONVERSION, 2007; BÉGUERY, 1979).

Foto 2: Navio “Tunísia” que foi transladado para o Brasil no qual foi instalado o sistema OTEC de Claude.
Fonte: Gauthier (2004).

37

Em 1942, o Governo francês criou L‟Office de L‟Energie Thermique des Mers (Agência da Energia Térmica dos Mares) para pesquisa e construção de usinas OTEC. Esta agência promoveu uma serie de pesquisas na França, Senegal e Costa do Marfim (JOHNSON, 2006; BEORSE, 1977). Para Costa do Marfim, as pesquisas levaram ao planejamento em de uma usina para gerar 40.000 kW de potência, a qual, devido empecilhos orçamentários foi reduzida para 5.000 kW (BÉGUERY, 1979), embora Ocean Thermal Energy Conversion (2007) registra que a potência inicial chegaria a 3 MW. Contudo, este projeto que data de 1956 não chegou a ser totalmente concluído (JOHNSON, 2006; BEORSE, 1977). Depois do pioneirismo no estabelecimento da tecnologia OTEC, a França somente voltou a mostrar interesse nesta fonte de energia nos primeiros anos da década de 80, quando o governo desse país, através do Centre National pour l‟Exploitation des Océans (CNEXO), atualmente Institut Français de Recherche pour l'Exploitation de la Mer (IFREMER), fez estudos para a construção de uma usina piloto de 5 MW na Polinésia Francesa. Tal projeto foi abandonado pela falta de competitividade econômica do sistema OTEC em relação a sistemas baseados no uso de combustíveis fósseis (GAUTHIER, 2006; EUROPEAN CENTRE FOR INFORMATION ON MARINE SCIENCE AND TECHNOLOGY [EUROCEAN], 2004). Na atualidade, existe uma associação cientifica francesa denominada Le Club des Argonautes, que busca informar a sociedade, entre outras coisas, sobre o uso potencial da energia dos oceanos como pode ser visto pelos trabalhos de Brown; Gauthier; Meurville (2002); Gauthier (2003, 2006). Nos Estados Unidos, o desenvolvimento da tecnologia OTEC se deu a partir do retorno de Bryn Beorse para este país, depois de ele ter entrado em contato, nos anos de 1947 e 1948, com os estudos sobre OTEC realizados na França (JOHNSON, 2006; BEORSE, 1977). Segundo Johnson (2006); Beorse (1977), o Laboratório de Conversão de Água do Mar da Universidade da Califórnia foi o ponto de partida das pesquisas nos EUA sobre sistemas OTEC. Esta universidade construiu e testou, sob a liderança de Bryn Beorse, três usinas OTEC. A partir do conhecimento obtido com o teste das três usinas OTEC, a Universidade da Califórnia planejou uma usina comercial de dessalinização para

38

implantá-la no cânion próximo ao Scripps Oceanographic Institution em La Jolla na Califórnia. Contudo esta usina não chegou a ser construída, devido à preferência do Governo e dos cidadãos norte-americanos por outro projeto (JOHNSON, 2006; BEORSE, 1977). Em 1962, J. Hilbert Anderson e James H. Anderson, Jr. planejaram uma usina de ciclo fechado com o intuito de aperfeiçoar as idéias de Claude. A preocupação deles foi a de criar componentes novos mais eficientes (OCEAN THERMAL ENERGY CONVERSION, 2007). Em 1977, os dois pesquisadores apresentaram para o Congresso americano um engenho piloto em pequena escala (JOHNSON, 2006; BEORSE, 1977). Segundo Johnson (2006); Beorse (1977), com a elevação abrupta do preço do petróleo nos anos 70, o Governo americano, através da Fundação Nacional da Ciência, custeou pesquisas sobre sistemas OTEC. Várias instituições se envolveram na questão, como: Universidade de Massachusetts, Laboratório de Física Aplicada da Universidade John Hopkins, além das Universidades do Texas, do Hawaii, de New Orleans e da Florida. Paralelo a isso, o setor privado também investiu nessa área, e diversas empresas contribuíram com suas análises, entre elas: Lockheed, Bechtel, TRW, Andersons‟ Sea Solar Power, Hydronautics e Batelle. Com a necessidade de investigação de novas fontes de energia devido à crise de petróleo, outras instituições governamentais foram criadas para pesquisar sobre fontes alternativas aos combustíveis fósseis. Uma delas, criado em 1977, foi o Solar Energy Research Institute (SERI), atual National Renewable Energy Laboratory (NREL), que em 1984 melhorou eficiência de conversão de energia de um sistema OTEC. No momento, NREL não está conduzindo estudos sobre tecnologia OTEC (NREL, 2007). Conforme Avery e Wu (1994); Offshore Infrastructure Associates, Inc. (OIA) (2007), outra iniciativa dessa época foi a proposta de construção de uma usina OTEC em Punta Tuna (Porto Rico) que seria gerenciada pela Puerto Rico Eletric Power Authority. Outra ação governamental norte-americana, durante esse período, foi a criação, em 1974, do Natural Energy Laboratory of Hawaii (NELH), atualmente transformado para Natural Energy Laboratory of Hawaii Authority (NELHA).Este laboratório

39

transformou-se num dos lideres mundiais atuais sobre tecnologia OTEC com vários experimentos na área que vão desde a montagem do primeiro sistema de ciclo fechado bem-sucedido na produção de potência líquida conhecido como “Mini-OTEC” (Foto 3), em 1979 (OCEAN THERMAL ENERGY CONVERSION, 2007), até pesquisas com subprodutos úteis dessa tecnologia como os relatados por T.H. Daniel em seu trabalho "The Promise of OTEC and Its By-Products", apresentado em um simpósio ocorrido no ano de 1994 no Japão (NELHA, 2007).

Foto 3: Mini-OTEC montado pelo NELHA.
Fonte: Vega (1999).

Outras nações também investiram em projetos de tecnologia OTEC. Em 1981, os japoneses conceberam uma instalação com potência bruta de 100 kW que foi operada na nação insular de Nauru (AVERY; WU, 1994; NREL, 2007; VEGA,1999). Conforme Institute of Ocean Energy of Saga University (IOES) (2005), as pesquisas japonesas sobre o assunto continuam até o momento. Segundo Wu (2006), Taiwan possui o Industrial Technology Research Institute (ITRI) que, entre outros ramos do conhecimento, lida com essa tecnologia. Outra instituição que investiga usinas OTEC é a National Taiwan Ocean University (NTOU), como pode ser visto no trabalho de Yeh; Su; Yang (2004) sobre a saída máxima de uma usina OTEC.

40

A Índia também mostra interesse no desenvolvimento dessa tecnologia. Em 1982, uma equipe de trabalho sobre o assunto foi formada no Instituto Indiano de Tecnologia em Madras (Ravindran, 2000). Em 1993, o National Institute of Ocean Technology (NIOT) foi criado, e a partir de então assumiu o comando das pesquisas sobre OTEC na Índia. Em colaboração com a Universidade de Saga, este Instituto planejou, construiu e realizou testes com um navio-usina OTEC de 1 MW de potência bruta (Foto 4) (EUROCEAN, 2004; NIOT, 2004).

Foto 4: Navio-usina OTEC “SAGAR SHAKTI” do NIOT com potência bruta de 1 MW.
Fonte: IOES (2005).

No Brasil, há registros de trabalhos de Sotelo Jr., que em sua dissertação de Mestrado na USP em 1976, trabalhou com hidrodinâmica de sistemas oceânicos, incluindo sistemas OTEC. Posteriormente, doutourou-se em 1981 pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), EUA, onde apresentou a tese “Modeling, Off-Design Performance and Control of OTEC Power Plants” . Outro trabalho relacionado ao tema é o de Martins apresentado à EnergytecK 2002, denominado “Fontes Alternativas de Energia: Maremotriz (Rance) e gradiente térmico (OTEC)”. O artigo escrito mais recente sobre a questão do aproveitamento dos gradientes térmicos no Brasil é o de Almeida (2007), intitulado “As fontes de energia do oceano”.

41

De um modo geral, a evolução da tecnologia OTEC tem ocorrido de maneira oscilante, influenciada pela variação do preço dos combustíveis fósseis. Nos EUA, o maior aporte de recursos financeiros nos anos 70 foi diretamente influenciado pela grande elevação do valor do petróleo durante esse período, e conseqüente busca de fontes alternativas de energia. Apenas o NELHA consolidou-se no desenvolvimento dessa tecnologia. Na França, a opção se deu pela energia nuclear, já que os sistemas OTEC seriam mais propícios para as regiões ultramarinas.

7 SISTEMAS OTEC 7.1 CONCEITO

Um sistema OTEC é basicamente uma máquina térmica na qual a fonte quente é a água superficial do oceano e a fonte fria é a água profunda (Vega, 1999). Um fluido de trabalho é vaporizado pela fonte quente, enquanto a fonte fria o resfria até condensá-lo. Durante este ciclo, o trabalho mecânico do fluido é utilizado para gerar energia elétrica através do acionamento de uma turbina. Para Avery e Wu (1994); NREL (2007) esta energia pode ser transmitida para uso no continente, ou pode ser aproveitada em usinas-flutuantes nos oceanos para produção de combustíveis ou outros produtos químicos. Para Avery e Wu (1994, p.3), um sistema OTEC apresenta os seguintes subsistemas:
1Uma máquina térmica ou usina de força, incluindo permutadores de calor, turbinas, geradores elétricos, bombas de água e fluido de trabalho, tubulações associadas e controles; 2Um sistema de tubulação de água, que inclui um tubo de água fria (Cold Water Pipe - CWP) através do qual a mesma é trazida de uma profundidade de 900 a 1000 m. Além de entrada de água quente e tubos de fluxo de escape de gás; 3Um sistema de transferência para carregar energia produzida no oceano para consumidores no continente, tanto na forma de eletricidade bem como na de combustível; 4Um sistema de controle de posição, incluindo equipamentos de propulsão e ancoramento, controles e sistemas de potência de reserva; e 5Uma plataforma para sustentar a usina de força, sistema de tubulações, equipamento de embarcação auxiliar, acomodações para os técnicos operacionais, junto com equipamentos de segurança e outros requisitos de habitabilidade.

42

A figura 6 apresenta uma ilustração de sistemas OTEC com alguns desses subsistemas:

Figura 6: Ilustração de sistema OTEC. No detalhe, parte superior do sistema.
Fonte: Adaptado de Thurman e Trujillo (2004).

Os sistemas OTEC podem ser divididos de dois modos. Um leva em consideração o tipo de ciclo do fluido de trabalho. O outro se refere ao local de instalação do sistema OTEC (OCEAN THERMAL ENERGY CONVERSION, 2007; NREL, 2007). Cada tipo apresenta certos inconvenientes técnicos e econômicos, algumas dessas dificuldades serão apresentadas ao longo do subitem a seguir. Outras serão analisadas no subitem 7.3 “Desafios técnicos e econômicos”.

7.2 CLASSIFICAÇÕES DOS SISTEMAS OTEC 7.2.1 Quanto ao ciclo do fluido

Basicamente essa classificação exibe três grupos: ciclo fechado, ciclo aberto e, um tipo intermediário denominado misto ou híbrido.

43

7.2.1.1 Ciclo fechado

Um sistema desse tipo leva esse nome porque o fluido operante (fluido de trabalho) utilizado para produzir trabalho mecânico percorre um circuito fechado ao longo do funcionamento desse sistema (Esquema 1).

Esquema 1: Sistema OTEC de ciclo fechado e seus principais subsistemas.
Fonte: Adaptado de NREL (2007).

Conforme Avery e Wu (1994); NREL (2007); Beavis; Charlie e Meye (1986), neste sistema, um fluido operante de baixo ponto de ebulição, como amônia ou freon, é vaporizado pela água do mar quente, ao passar por um permutador de calor (evaporador). Ocorre uma expansão moderada do vapor que então aciona um turbogerador que produz eletricidade. Ao entrar em contato com outro permutador de calor (condensador), o fluido operante é condensado ao ceder calor para o meio devido à passagem de água do mar profunda que possui baixa temperatura. Esta água profunda é bombeada até este ponto através do tubo de água fria (CWP).

44

Tanto no condensador, como no evaporador, não existe um contato direto entre o fluido operante e água do mar. Existe apenas uma troca de calor através dos permutadores de calor. Depois de se mover pelo condensador, o fluido condensado é então bombeado de volta para o evaporador para reiniciar o ciclo. Assim, se estabelece uma circulação fechada para o fluido de trabalho, que numa situação ideal iria se movimentar continuamente enquanto houver água do mar com temperatura adequada. Para Avery e Wu (1994); NREL (2007), dentre os subsistemas presentes num sistema de ciclo fechado, os permutadores de calor têm uma importância considerável. Por causa da pequena diferença de temperatura, esses componentes precisam ser projetados com uma área suficientemente grande para garantir a transferência de calor necessária. Um arranjo mais moderno de se transpor essa dificuldade é o chamado de placa-aleta (Fig.7). Neste caso, as aletas entre as placas aumentam a superfície de contato do permutador.

Figura 7: Permutador de calor do tipo placa-aleta. À direita, detalhe ampliado do arranjo placa-aleta.
Fonte: Adaptado de NREL (2007).

Um arranjo termodinâmico muito comum para tentativa de otimização do funcionamento de sistemas de ciclo fechado é o ciclo Rankine (AVERY; WU, 1994; DUNN, 1977). O ciclo Rankine se comporta basicamente como descrito nos parágrafos iniciais desse subitem, porém sua aplicação abrange outras formas de máquinas térmicas além de sistemas OTEC.

45

Os gráficos 3 e 4 abaixo mostram o comportamento de um fluido de um sistema OTEC que se encontra sob regime de um ciclo Rankine padrão.

Gráfico 3: Diagrama p-V para o ciclo OTEC Rankine.
Fonte: Adaptado de Avery e Wu (1994).

Gráfico 4: Diagrama T-s para o ciclo Rankine padrão.
Fonte: Adaptado de Dunn (1977).

Conforme Dunn (1977), com base no gráfico 4, inicia-se a análise do comportamento do fluido pelo processo 5-1(processo a-b do gráfico 3), no qual o fluido operante é bombeado até o evaporador. Conforme Avery e Wu (1994), durante esse bombeamento, o fluido sofre compressão isentrópica até atingir a pressão projetada. No evaporador, o fluido, a uma pressão constante, é levado ao limite da região líquidovapor pelo pré-aquecedor (processo1-2), onde atinge a temperatura máxima do ciclo Rankine. No processo 2-3, o fluido de trabalho é vaporizado a pressão e temperatura constantes. No gráfico 3, os processos 1-2 e 2-3 correspondem ao processo b-c. Após isso, no processo 3-4, o vapor se expande isoentropicamente através da turbina

(processo c-d do gráfico 3). Num sistema ideal, essa expansão seria isoentrópica reversível, resultando numa expansão adiabática como proposta por Avery e Wu (1994). Finalmente, o fluido retorna ao estado líquido, a uma pressão e temperatura

46

constante, no condensador (processo 4-5 equivalente ao processo d-a do gráfico 3), onde alcança a temperatura mínima do ciclo Rankine. Dunn (1977), utilizando o arranjo termodinâmico descrito anteriormente, ao investigar analiticamente o desempenho de um sistema OTEC de ciclo fechado, mostrou que a potência máxima líquida por área unitária é dada por: (Pnet / A) max = C. Ho . (Δt - to)2 onde, Pnet = potência líquida; A = área unitária; C = função, que dentre entre outras variáveis, se relaciona diretamente com as eficiências da turbina e do gerador (ηT e ηG, respectivamente) e de maneira inversa com a temperatura da água do mar fria (TC); Ho = máximo da função H, que depende da área dos permutadores de calor (AE – Área do evaporador; AK -- Área do condensador), além dos coeficientes de transferência total de calor do evaporador (UE) e do condensador (UK); Δt = diferença de temperatura entre a água do mar quente (TH) e a água do mar fria (TC); e, to = parâmetro ligado principalmente às quedas de pressão através dos sistemas de bombeamento de água do mar quente e fria. Nesta análise, fica evidente a importância dos permutadores de calor e da diferença de temperatura adequada para otimização da potência líquida.

7.2.1.2 Ciclo aberto

Sistemas OTEC de ciclo aberto utilizam a própria água do mar como fluido de trabalho. Neste tipo, a água do mar é liberada após o uso, não retornando para o ponto inicial do ciclo, daí o nome de ciclo aberto (AVERY; WU, 1994; NREL, 2007; OCEAN THERMAL ENERGY CONVERSION, 2007; VEGA, 1999).

47

Neste ciclo, água do mar quente é bombeada para uma câmara, na qual a pressão é reduzida através de uma bomba de vácuo até um valor baixo suficiente para fazer a água sofrer uma evaporação flash parcial (evaporação de volume rápida). Logo após, o vapor se expande passando por uma turbina de baixa pressão, que está ligada a um gerador elétrico. Depois de passar pelos processos anteriores, o vapor é, então, condensado numa câmara similar pela água do mar fria que é bombeada das profundezas oceânicas através de um CWP. Por fim, a água é despejada no oceano. Contudo, em vez de ser condensado pelo contato direto com a água fria do mar, o vapor pode ser direcionado para um permutador de calor resfriado pela água fria do mar. Neste caso, o vapor d‟água condensado torna-se água doce, pois, o vapor deixou a maior parte de seu sal na câmara de evaporação à baixa pressão. O esquema 2 ilustra o funcionamento de um sistema OTEC de ciclo aberto descrito acima.

Esquema 2: Sistema OTEC de ciclo aberto e seus principais sub-sistemas.
Fonte: Adaptado de NREL (2007).

Um sub-sistema essencial nesse tipo de ciclo é o evaporador flash, que permite a evaporação da água do mar à baixa pressão. Os modelos convencionais, como o de fluxo de canal aberto, têm performance termodinâmica entre 70 a 80 %. Bharathan; Penney8 (apud NREL, 2007) desenvolveram um novo modelo, chamado evaporador de

8

Bharathan, D.; Penney, T. Flash Evaporation from Turbulent Water Jets. Journal of Heat Transfer. American Society of Mechanical Engineers (ASME). Estados Unidos, v. 106, pp. 407-415. 1984.

48

fluxo-vertical, no qual é transportada ascendentemente ao longo de um cano vertical e violentamente pulverizada para fora deste, através de um jato de escape (Foto 5). Para aumentar a eficiência deste evaporador, a água pulverizada pode cair em telas que dissolvem as gotas de água, melhorando a taxa de evaporação. Este tipo de evaporador alcança um desempenho termodinâmico de 90%.

Foto 5: Evaporador do tipo flash em ação com destaque para o lançamento de água pulverizada.
Fonte: NREL (2007).

Avery e Wu (1994) descreveram os estados termodinâmicos de sistema de ciclo aberto, utilizando um ciclo Rankine básico, através de um diagrama temperaturaentropia (Gráfico 5).

49

Gráfico 5: Diagrama T-s típico para sistema OTEC de ciclo aberto.
Fonte: Adaptado de Avery e Wu (1994).

O ciclo inicia pelo estado 1, no qual a água do mar quente da superfície está a 27 °C à pressão atmosférica. A água do mar flui para a entrada de um desaerador no estado 2‟, onde a pressão é rapidamente reduzida para um valor um pouco acima da pressão de vapor saturado à temperatura correspondente. Grande parte dos gases dissolvidos, que possuem uma alta pressão parcial na água, será liberada devido à rápida queda de pressão. A água do mar flui então para dentro do evaporador de ação rápida (tipo flash) no estado 2, onde a pressão ambiente é reduzida para a pressão de vapor saturado equivalente à temperatura do vapor de saída; esta queda de pressão é a força motora para a evaporação. Uma pequena quantidade de fluido de trabalho é rapidamente transformada em vapor juntamente com rápida queda de temperatura. O estado termodinâmico do fluido no evaporador do tipo flash é representado pelo estado 3. A fase de vapor do fluido de trabalho no estado 3g se expande numa turbina, convertendo energia térmica em trabalho mecânico. A água do mar, ligeiramente concentrada, no estado 3f é bombeada de volta ao oceano no estado 7, onde sua

50

temperatura é menor do que a temperatura da água do mar quente na entrada. A descarga de gás pela turbina no estado 4 é condensada pela liberação de calor à água fria e termina no estado 5, como condensado saturado antes de ser bombeado de volta para meio ambiente no estado 6. Este condensado, quando submetido a um condensador superficial, se torna água doce, que pode ser utilizada como subproduto de uma usina OTEC de potência. Se o condensado é colocado de volta para o oceano, ele eventualmente será misturado com água do mar e percorrerá as vias do processo dos estados 6 e 7 para o estado 1 através de um mecanismo natural de convecção originado da absorção da energia termal solar pelos oceanos e atmosfera terrestre. Para AVery e Wu (1994), pode-se desprezar o pequeno efeito do calor sensível na produção de vapor, de modo que combinando os balanços de massa e energia no evaporador do tipo flash, turbina e condensador superficial, calculam-se as taxas de transferência de calor e produção de potência num sistema OTEC de ciclo aberto básico através das seguintes equações:

Ǭin= ṁHCP(TH -TW); Pg = ηT Ǭin (1- TC/TH); Ǭout = Ǭin - Pg; Pn = Pg – PSWS - PCSW - Pmiw; e, η = Pn/ Ǭin onde Ǭin = taxa de transferência de calor para o sistema; ṁH = taxa de fluxo de massa de água quente; TH = temperatura de entrada da água do mar quente; TW = temperatura de saída de água do mar quente; CP = calor específico; Pg = potência bruta; ηT = eficiência da turbina; TC = temperatura de condensamento do vapor;

51

Ǭout = taxa de remoção de calor do sistema; Pn = a potência líquida; PSWS = perdas parasíticas de potência no circuito de água quente; PCSW = perdas parasíticas de potência no circuito de água fria; Pmiw = perdas parasíticas de potência nos circuitos de vários equipamentos; e, η = eficiência do sistema. Nota-se através das duas primeiras equações, a necessidade de temperaturas de água do mar quente e fria apropriadas para o bom funcionamento do sistema.

7.2.1.3 Ciclo híbrido

Na tentativa de maximizar o uso de sistemas OTEC, foi criado um ciclo que combina as características dos dois ciclos anteriormente discutidos. Este ciclo é denominado, então, de ciclo híbrido, visto no esquema 3. Para Avery e Wu (1994), o ciclo híbrido pode ser visto como uma variação do ciclo aberto. Outras variações do ciclo aberto incluem o ciclo de levantamento de espuma e o ciclo de levantamento de névoa.

Esquema 3: Sistema OTEC de ciclo híbrido e seus principais sub-sistemas.
Fonte: Adaptado de NREL(2007).

52

Segundo NREL (2007), num ciclo híbrido, água do mar quente entra numa câmara de vácuo, na qual sofre evaporação rápida de maneira semelhante ao processo ocorrido num ciclo aberto. O vapor resultante é usado para vaporizar o fluido de trabalho de um circuito de ciclo fechado do outro lado de um evaporador de amônia. Depois disso, o fluido de trabalho vaporizado aciona uma turbina que produz eletricidade. No final, o vapor se condensa dentro do permutador de calor adequado e fornece água dessalinizada. Conforme Pacific Islands Applied Geoscience Commission (SOPAC) (2005), outra variação deste ciclo é primeiramente o uso de um ciclo fechado para gerar eletricidade para a criação do ambiente de baixa pressão necessário para o funcionamento de um ciclo aberto.

7.2.2 Quanto à localização do sistema

Os sistemas OTEC apresentam modelos diversificados, implantados ou teóricos, que podem ficar localizados próximos a costa ou em águas oceânicas. Cada modelo apresenta benefícios e limitações de acordo com as características do ambiente onde está instalado. Esta classificação será vista a seguir:

7.2.2.1 Instalação no continente

Este tipo de sistema OTEC é montado no continente ou em áreas próximas à costa abrigadas de tempestades e águas turbulentas. Um exemplo desse tipo de instalação é a usina do NELHA em Kealohe Point, Hawaii (Foto 6). Conforme Vega (1999), testes de produção de eletricidade nesta usina foram conduzidos no período de 1993 a 1998. Atualmente não há geração de energia elétrica nesta usina, porém a água do mar fria é utilizada no sistema de refrigeração dos prédios da administração e laboratório, além de outros fins como aqüicultura. As regiões mais apropriadas para esse tipo de sistema precisam apresentar certas características geomorfológicas, como: plataformas continentais estreitas (ex. ilhas

53

vulcânicas), taludes inclinados (15- 20°) e fundos marinhos relativamente planos. Isto reduz o tamanho do CWP (NREL, 2007).

Foto 6: Vista aérea de usina OTEC instalada no continente ( Kealohe Point, Hawaii).
Fonte: Vega (1999).

Conforme NREL (2007), aspectos vantajosos dessa instalação incluem a dispensa de ancoramento sofisticado, cabos de transmissão de energia longos e manutenção mais extensiva relacionada com ambientes de oceano aberto. O acesso mais fácil para montagem e operação desse tipo de sistema auxilia na diminuição do custo da energia gerada. Outra característica interessante de sistemas instalados no continente é a possibilidade de usinas OTEC atuarem conjuntamente com outras indústrias no continente, as quais serão vistas no subitem 7.4.

7.2.2.2 Instalação na plataforma continental

Segundo NREL (2007), na tentativa de evitar a zona de surfe turbulenta, bem como ter um acesso mais próximo da fonte de água profunda, sistemas OTEC podem

54

ser instalados na plataforma continental, onde a profundidade alcança até 100 m (Fig.8). Esse arranjo também procura evitar a poluição visual que usinas OTEC poderiam causar em área continental, bem como outros impactos ambientais zona costeira. A construção desse sistema pode ser feita num estaleiro, e depois ser levado ao local escolhido, para sua fixação ao assoalho marinho. Antes, porém, considerações geotécnicas devem ser feitas para garantir integridade das fundações desse tipo de instalação. Este tipo de montagem já é usado para plataformas petrolíferas.

Figura 8: Sistema OTEC instalado na plataforma continental. No detalhe ampliado, observam-se sistema OTEC, embarcação transportadora de subprodutos OTEC (ex. combustíveis) e fluxo de água do mar fria.
Fonte: Adaptado de Ciência Viva (2004) e Ocean Engineering & Energy Systems (OCEES) (2007).

7.2.2.3 Instalação flutuante

Projetos de Sistemas OTEC de grande potência devem ser preferencialmente desenhados neste modelo, como é o caso do navio-usina “SAGAR SHAKTI”, projeto conjunto de NIOT e IOES, com potência bruta de 1 MW. Grandes quantidades de água do mar com diferença de temperatura adequada são necessárias para esse tipo de

55

empreendimento. Deste modo, o melhor local para captar e posteriormente despejar esse montante de água do mar são águas oceânicas profundas. Outra questão importante é que devido o grande tamanho de suas instalações, é necessário local onde a probabilidade de ocorrer conflitos por uso de espaço costeiro ou marinho seja mínima. Além disso, sistemas de fixação para usinas de OTEC desse porte tenderiam a ser mais sofisticados do que para os tipos anteriormente discutidos e, portanto, mais caros. Deste modo, esse tipo de sistema opera em águas oceânicas para além da plataforma continental, utilizando sistemas de ancoramento (Fig.9). Projetos de pequeno porte como foi o “Mini-OTEC”, visto no item 5 (Foto 3), também podem utilizar plataforma flutuante. Uma variação do sistema OTEC flutuante é conhecida como usina de “pastoreio”. Embora possa possuir sistemas de ancoramento, ela não é fixa no assoalho marinho, de modo a estar em movimentação continua. Devido uma usina de “pastoreio” possuir capacidade de procurar águas com maior diferença de temperatura possível para sua operação, ela pode se movimentar para além da ZEE de uma nação, alcançando águas internacionais (WORLD ENERGY COUNCIL [WEC], 2001; TAKAHASHI, 2003). Outras variações de sistemas OTEC incluem projetos de modelos semisubmersos que podem ter a parte inferior fixa no assoalho marinho ou flutuante nas águas oceânicas, como o exemplo visto na figura 6.

56

Figura 9: Navio-usina “SAGAR SHAKTI” e seu sistema de ancoramento e de tubulação de água do mar.
Fonte: Adaptado de IOES (2005).

7.3 DESAFIOS TÉCNICOS E ECONÔMICOS

Para o uso em escala comercial de sistemas OTEC, existem obstáculos a serem contornados. Primeiramente, é necessário lidar com os limites das leis da Termodinâmica (Vega, 1999). Como foi visto em 6.1, estes sistemas são simplesmente máquinas térmicas adaptadas ao ambiente marinho, cuja fonte quente é a água do mar superficial (≥25°C) e a fonte fria é a água do mar profunda (4 a 5 °C). Assim, sistemas OTEC estão submetidos à 2ª Lei da Termodinâmica estabelecida por Clausius em 1850 e Kelvin em 1851. Para Máximo e Alvarenga (2000, p. 142), esta lei pode ser enunciada da seguinte forma:

57

“É impossível construir uma térmica que, operando em ciclo, transforme em trabalho todo calor a ela fornecido.” Este enunciado é equivalente ao proposto em Halliday, Resnick e Walker (1996, p. 242): “Não existem máquinas térmicas perfeitas.” Portanto, qualquer máquina térmica, para completar o ciclo, não transforma todo calor absorvido da fonte quente em trabalho. A máquina sempre rejeita parte do calor absorvido para uma fonte fria (Esquema 4) (HALLIDAY; RESNICK; WALKER, 1996; MÁXIMO; ALVARENGA, 2000).

Esquema 4: Funcionamento de uma máquina térmica.
Fonte: Adaptado de Máximo e Alvarenga (2000).

Para avaliar numericamente o exposto acima, existe uma relação física conhecida como rendimento (R), dada por:

R= W/Q1; onde, W= trabalho realizado pela máquina; Q1= calor absorvido através da fonte quente;

58

Em termos de rendimento, diz-se, então, que qualquer máquina térmica apresenta rendimento menor que 100%. Estudando o máximo rendimento de uma maquina térmica, Sadi Carnot em 1824, encontrou um ciclo teórico (hoje conhecido como Ciclo de Carnot), que apresentava o maior rendimento possível de uma máquina térmica qualquer operando entre as temperaturas das fontes, T1(Fonte quente) e T2 (Fonte fria) (AVERY; WU, 1994; HALLIDAY; RESNICK; WALKER, 1996; MÁXIMO; ALVARENGA, 2000). Este rendimento máximo é dado por: R=1-T2/T1 ou R= ΔT/T1; onde, Δ T= variação de temperatura entre as duas fontes, com T na escala Kelvin. Contudo, o ciclo de Carnot é uma situação teórica ideal, que apresenta certos inconvenientes na prática, de modo que os projetistas de sistemas OTEC optaram por outro ciclo para construí-los. O ciclo escolhido foi o ciclo Rankine, como foi visto em 7.2.1. Conforme Avery e Wu (1994), no ciclo Rankine, o intervalo de temperatura disponível para o funcionamento da máquina é limitado a aproximadamente metade da diferença de temperatura entre as águas quente e fria. Assim, deve existir certa diferença de temperatura, de modo a haver calor suficiente a fim de ser transferido da água quente para o fluido de trabalho no evaporador, bem como, outra diferença de temperatura para transferência de calor do fluido de trabalho para a água fria no condensador (AVERY E WU, 1994). A partir das informações expostas acima, pode-se então fazer uma análise numérica do rendimento de um sistema OTEC. Ciclo de Carnot Ciclo Rankine R= ΔT/T1 R‟= ΔT‟/ T1‟; porém ΔT‟≈ ΔT/2, assim: R‟=ΔT/(2 T1‟); como pode ser observado em 7.2.1.1, segundo Dunn (1977), tem-se T1‟< T1(TM < TH), de modo que: R>R‟>R/2.

59

Utilizando valores que podem ser encontrados em águas tropicais, chega-se aos seguintes resultados. TH=25°C Tc=5°C TH=298 K; Tc= 278 K;

R= (298-278)/298= 6,7%, implicando que R‟> 3,35%.

Com as eventuais perdas decorrentes das quedas de pressão durante o funcionamento do ciclo, além de outras possíveis combinações de TH e Tc, o rendimento de um sistema OTEC baseado num ciclo Rankine sofre pequena redução adicional (AVERY; WU, 1994). Deste modo, segundo Neshyba (1987), na prática, o rendimento desse sistema varia de 2 a 3%. Para Vega (1999), no entanto, ele oscila de 3 a 4%. Ainda assim, com foi visto no item 4, para Vega (1999), a partir desses sistemas é possível satisfazer as necessidades de energia da população humana. Para melhorar o rendimento do ciclo Rankine, pesquisas realizadas nos EUA e no Japão levaram a algumas modificações no arranjo básico do mesmo. Em 1985, o físico americano Kalina apresentou uma variação do ciclo Rankine que foi batizado com seu nome. A principal modificação proposta no ciclo Kalina foi a utilização de uma mistura de amônia e água como fluido de trabalho, além da implantação de um subsistema extra: o recuperador (IOES, 2005; OCEES, 2007). A Universidade de Saga, no Japão, ao estudar o ciclo Kalina, conseguiu melhorar seu desempenho, criando, então, o ciclo Uehara que, entre outras modificações, diminuiu a carga do condensador, atingindo um rendimento de 5 a 6% (IOES, 2005). Outra questão relevante que se soma ao exposto acima sobre a viabilidade técnica de uma usina OTEC é o cálculo da quantidade de potência líquida produzida. Grosso modo, pode-se dizer que a potência líquida desse tipo de usina é obtida pela diferença entre a potência bruta gerada e a potência necessária para manter o sistema de bombeamento de água do mar e do fluido de trabalho (AVERY; WU, 1994; DUNN, 1977). Segundo Vega (1999), o consumo do sistema de bombas varia de 20 a 30% da potência gerada no conjunto tubina-gerador. É importante ter em mente que além da diferença de temperatura apropriada, há também que se fazer considerações sobre o volume adequado de água do mar a ser

60

bombeado. Conforme Vega (1999), para a produção de cada MW de potência líquida, é preciso o bombeamento de 4m3/s de água quente do mar bem como o bombeamento de 2m3/s de água do mar fria, com diferença de 20°C entre elas. Para Vega (1999), usinas OTEC comercialmente atrativas teriam que produzir 100 MW de potência líquida no caso de nações industrializadas, enquanto que em pequenos estados insulares em desenvolvimento poderiam ser construídas usinas de menor porte de 1,5 a 2 MW. Considerando estes números, para uma usina de grande porte, haveria, então, a necessidade de uma entrada de 400 m 3/s de água do mar quente e 200 m3/s de água do mar fria para o sistema. Vê-se, pois, que um sistema OTEC demanda um bom projeto de subsistema de tubulação de entrada e descarga de água. Este desafio de engenharia é bem exemplificado na construção e instalação de um CWP (Foto 7), que pode atingir extensões de até 1 km (Foto 8) ou mais. Seu projeto, a um custo aceitável, tem de levar em consideração condições naturais de mudança de direção das correntes marinhas o que ocasiona a movimentação do CWP nas três direções axiais, bem como a sua rotação em vários eixos (OFFICE OF TECHNOLOGY ASSESSMENT,1980), alem do ataque químico da água do mar.

Foto 7: Montagem de um CWP.
Fonte: Brown; Gauthier; Meurville (2002).

61

Foto 8: CWP com aproximadamente 1 km de extensão. A tubulação desta foto faz parte do projeto em parceria de NIOT/IOES do navio-usina “SAGAR SHAKTHI”.
Fonte: IOES(2005).

Nos EUA, conforme Vega (1999); Office of Technology Assessment (1980) vários trabalhos foram conduzidos sobre essa questão. Diversos materiais mostraram bons resultados em testes laboratoriais e no ambiente marinho. Entre eles, citam-se plástico reforçado com fibra de vidro (fiberglass reinforced plastic - FRP), polietileno de alta densidade (high-density polyethylene – HDPE) e borracha reforçada com nylon. Outros métodos incluem a construção de parte do CWP de usinas OTEC próximas a costa com materiais mais rígidos como aço e concreto. Isto ocorre quando esta parte da tubulação está acima água do mar e escoa a água fria do mar em direção ao continente para outros objetivos (BEAVIS; CHARLIE; MEYE, 1986). Ainda que não se esgote o assunto sobre os desafios técnicos, aqui neste trabalho esta questão será finalizada com uma breve análise sobre processos de corrosão, bioincrustação e escamas inorgânicas. Como já foi visto no subitem sobre ciclo OTEC fechado, um fator importante num projeto desse tipo é a eficiência do permutador de calor. Quando ocorre a formação de camadas finas de material estranho sobre a superfície deste subsistema, esta eficiência é reduzida (NREL, 2007; MORSE; KANEL; CRAIG, JR., 1979). Esta deposição tem basicamente três fontes, já citadas anteriormente: bioincrustação, produtos de corrosão

62

e escamas inorgânicas (Fig.10). Para Morse; Kanel; Craig, Jr. (1979) é provável que exista uma interrelação complexa entre esses processos. Laque (1969) relata o ataque a uma superfície de aço inoxidável correlacionado aos cirripédios fixados a esta superfície. Um material estudado para construção de permutadores de calor é o titânio, devido sua resistência à corrosão. Porém, seu alto custo impulsionou a procura de novos materiais. As pesquisas concluíram, então, que os materiais mais indicados são ligas de alumínio (NREL, 2007). Porém, Morse; Kanel; Craig, Jr. (1979) estudando sobre a formação de escamas inorgânicas em permutadores de calor, concluíram que a corrosão do alumínio pode criar condições para a formação dessas escamas.

Figura 10: Formação de escamas inorgânicas.
Fonte: Adaptado de Hall e Graham (1996).

É notório que materiais imersos na água do mar tendem a se tornar locais para fixação de microorganismos (Foto 9). Segundo Horbund e Freiberger (1970), um padrão de desenvolvimento de bioincrustação se dá pela colonização inicial por bactérias. Muitas dessas bactérias produzem secreção mucilaginosa que age como um substrato capturador de algas, como as diatomáceas. Após a etapa exposta acima, organismos maiores como cracas e briozoários se instalam no material submerso. Conforme Horbund; Freiberger(1970), algumas bactérias que se fixam a superfícies

63

metálicas podem produzir ácidos que as corroem, enquanto outras podem destruir revestimentos orgânicos.

Foto 9: Bioincrustação em uma embarcação.
Fonte: Mårtensson (2005).

Testes de laboratório mostram que a bioincrustação em permutadores de calor pode ser evitada através da mistura intermitente de cloro nos tubos, por um período de aproximadamente 1 hora por dia, a uma concentração de 70 ppb (NREL, 2007). Outra linha de pesquisa investiga substâncias químicas de outros seres vivos que inibam o crescimento dos organismos incrustantes. O NIOT conduz estudos sobre butanol extraído de três espécies de esponjas, além de testes com butanol e propanol presentes em uma espécie de baiacu - Tetradon innermis (NIOT, 2004). No Brasil, uma pesquisa sobre um antiincrustante natural extraído de algas vermelhas foi desenvolvida na Universidade Federal Fluminense (LENT, 2000). Por fim, existem no mercado tintas antiincrustantes que trabalham com outro conceito. Estas tintas contêm silicone em sua composição. Quando aplicada, elas produzem uma superfície muito lisa e escorregadia, de modo que se torna difícil a fixação de organismos incrustantes (HEMPEL, 2007). Pelo exposto sobre os desafios técnicos, em especial aqueles referentes ao baixo rendimento alcançado por um sistema OTEC e ao desenvolvimento de subsistemas apropriados para usina OTEC, como CWP, permutadores de calor e subsistemas de ancoragem, nota-se claramente a necessidade de certo investimento financeiro para a utilização de usinas OTEC em escala comercial.

64

Odum9 (1996 apud ORTEGA, 2002) criou a metodologia emergética, que entre outras variáveis, leva em conta o aspecto econômico. Emergia pode ser entendida como toda energia necessária para se obter um produto. Em Odum et al. (1997), é proposto uma avaliação de emergia líquida de várias fonte de energia (gráfico 6), incluindo OTEC. Propostas de novas fontes de energia têm de apresentar razão de emergia líquida maior que 1, além disso, para que sejam competitivas economicamente, esta razão deve ser maior que a razão de uma atual fonte de energia. Caso a fonte de energia possui razão de emergia líquida inferior a 1, ela consome mais energia do que gera e, deste modo, não se comporta como uma fonte, mas sim como um consumidor. Fontes desse tipo existem somente quando são ricamente abastecidas por outras energias que fornecem subsídio. Fontes que têm rendimento positivo de emergia líquida estão sobre o eixo horizontal. Fontes abaixo desse eixo, localizadas ao lado esquerdo, são tão diluídas que requerem mais emergia para ser concentradas do que podem render. Ainda que restem dúvidas sobre o potencial de utilização da tecnologia OTEC, Odum et al. (1997) classificaram essa tecnologia com razão próxima a -10, portanto como inviável para ser uma fonte alternativa de energia. Para os autores isto se deve ao custo de ancoragem e de manutenção de embarcações e tubulações em mar profundo e agitado por tempestades.

9

Odum, H.T. Environmental accounting, emergy and decision making. Nova Iorque: John Wiley & Sons, 1996. 370 p.

65

Razão de emergia líquida

Concentração de emergia Gráfico 6: Tipos de razão de emergia líquida de diferentes concentrações.
Fonte: Odum et al. (1997).

Vega (1999) concorda que sistemas OTEC necessitam de grande capital de investimento e que, as primeiras usinas comerciais serão provavelmente de pequeno porte e segundo WEC (2007) os custos de capital para um sistema OTEC variam de US$ 7 000 a 15 000/kW, cerca de dez vezes o custo de capital para sistemas convencionais de energia. Para Avery e Wu (1994) são vários os fatores que estão relacionados com o esse custo total de um sistema OTEC. O primeiro a ser levado em consideração é a variação de temperatura ΔT, que logicamente quando é a maior possível (≈ 24°C) minimiza os custos. Em seguida, deve-se analisar qual o rendimento termodinâmico do sistema. Importante também nesse levantamento de custo é a distancia da usina para o continente. Outros fatores dependem do tipo de sistema OTEC. Por exemplo, uma usina de ciclo fechado, como já mencionado, precisa de permutador de calor eficiente. Conforme Avery e Wu (1994), devido ao baixo gradiente de temperatura oceânico, este subsistema deve ter uma área de transferência de calor por kilowatt de potencia gerada

66

de cerca de 10 vezes àquela dos permutadores usados em usinas a gás. Assim, se o custo por área unitária do permutador de calor de uma usina OTEC for igual ao de uma usina a gás, este subsistema torna-se uma parte principal no projeto de uma usina OTEC. Conforme Beavis, Charlie e Meye (1986), este custo pode chegar até a 40% do investimento total. Deste modo, uma meta do desenvolvimento da tecnologia OTEC tem sido encontrar permutadores de calor que tenham um pequeno custo por kilowatt e necessidades mínimas de estruturas de suporte (AVERY; WU, 1994). Conforme foi visto, sistemas OTEC necessitam de um ótimo projeto de um CWP. O custo de um projeto de CWP inclui sua montagem, instalação no local de operação e sua manutenção. Assim, essa estrutura tem relevante papel no custo total de uma usina OTEC. Kobayashi (2002) mostra uma estimativa de custo feita pelo NIOT para o funcionamento de um sistema OTEC levando em consideração alguns dos fatores elencados acima, além de outros elementos (Tabela 3).

Tabela 3: Estimativa de custo unitário de eletricidade a partir do uso de OTEC na Índia.(continua) Potência bruta (MW) Potência líquida (MW) Permutador de calor (milhões US$) 1 25 50 100 0,617 15,39 30,88 64,23 1,70 44,40 88,22 152,58 0,69 1,74 2,67 4,65 0,69 2,33 4,65 9,30 de CWP (milhões US$) de Embarcação (milhões de US$)

67

(conclusão) Ancoragem (milhões de US$) Turbina mais custo de instalação (milhões de US$) 2,09 3,49 4,65 5,81 1,16 17,44 34,48 69,76 0,189 0,082 0,079 0,068 Custo da

eletricidade (US$/kWh)

Fonte: Adaptado de Kobayashi (2002).

Avery e Wu (1994), comentando sobre custos de sistemas OTEC, relatam a influencia do porte (potência gerada) da usina, bem como do seu local de instalação. Isto é corroborado por Vega (1999) (gráfico 7).

Gráfico 7: Capital de investimento necessário para implantação de sistema OTEC.
Fonte: Adaptado de Vega (1999).

68

Para Avery e Wu (1994), uma grande parte dos custos totais de um sistema OTEC flutuante seriam de componentes comercialmente disponíveis que poderiam ser obtidos a um custo fixo. Além do mais, toda construção seria possível com a tecnologia existente, com instalações adaptadas para as exigências do uso OTEC. Um sistema OTEC flutuante pode ter seus subsistemas padronizados de modo a serem produzidos em escala, com conseqüente redução de custos. A produção de unidades idênticas irá reduzir os custos por um fator de 0.85 até 0.95 para cada duplicação do numero produzido (AVERY; WU, 1994). Desta maneira, o custo total de 32 evaporadores de uma usina de 160 MW composta de unidades de 5 MW seria 19 a 27 vezes o custo do primeiro evaporador produzido. Com relação ao porte da usina, Avery e Wu (1994) comentam que se for aumentada a potência de um sistema de 5 MW para 25 MW, o custo se elevaria por um fator de 2.5 até 3.5, ao invés de 5. A combinação de aumento de potência gerada com produção em escala de subsistemas poderia reduzir os custos de um sistema OTEC flutuante entre uma unidade de demonstração e a produção completa em 50% ou mais. Esta redução de custo dificilmente é atingida por sistemas OTEC instalados no continente, pois de modo geral, são projetados para solucionar exigências de usuário específico, de modo que se comportam como sistemas não padronizados, sem as vantagens da produção em escala. De modo geral, a tecnologia OTEC ainda não conseguiu avançar da fase de teste para a fase comercial. Este fato está diretamente ligado ao fato de que as fontes de combustíveis convencionais são mais baratas. Nos anos 70, a alta do preço do petróleo justificava os investimentos nessa fonte de energia por parte do governo americano. Os Estados Unidos gastaram, então, US$1,2 milhões em 1974 e US$ 2,8 milhões em 1975 em financiamento para projetos de sistemas OTEC (JOHNSON, 2006). Volumosos relatórios foram produzidos, propondo vários arranjos de sistemas OTEC. Porém com o controle sobre o preço do petróleo, a grande maioria desses projetos foi arquivada, restando apenas o trabalho do NELHA sobre o assunto neste país. Mesmo assim segundo Takahashi (2003), o governo americano já investiu mais de US$ 250 milhões em projetos relacionados à tecnologia OTEC.

69

Atualmente, ainda que por motivos diferentes da crise anteriores que motivaram a elevação do preço do petróleo, aparentemente tem se desenhado um cenário de alta contínua do custo deste recurso energético. A escalada do preço do petróleo começou em 2000 e, até julho de 2006 tinha subido 235% (GALÁN; GUERRA, 2006). Na bolsa de Nova Iorque, no fim do dia 2 de outubro de 2007, os contratos de Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) alcançaram o valor de US$ 80,05 por barril (UOL ECONOMIA, 2007). A partir desse cenário, é possível que os sistemas OTEC, além de outras fontes alternativas de energia, ganhem competitividade econômica. A questão é saber se governos e empresas privadas terão interesse em investir na tecnologia OTEC. 7.4 SUBPRODUTOS OTEC E O CONCEITO “DEEP OCEAN WATER APPLICATIONS” (DOWA)

Como foi visto no item 3, o potencial para a tecnologia OTEC é enorme, porém no subitem anterior se observou que ela carece de competitividade econômica em relação a fontes convencionais no que diz respeito à produção de eletricidade. Contudo, um pacote de subprodutos (Esquema 5) pode ser obtido a partir dessa tecnologia, o que ajudaria na viabilidade econômica de um sistema OTEC. Atualmente, muitos pesquisadores que trabalharam com a tecnologia OTEC focam seus estudos nesses subprodutos. Isto é compreensível quando o interesse dos financiadores das pesquisas, no momento, está direcionado para estes subprodutos.

70

Esquema 5: Subprodutos passíveis de serem obtidos a partir de um sistema OTEC.
Fonte: Adaptado de NREL (2007).

Esse conjunto de produtos e serviços oriundos da água fria oceânica, que pode ser obtido a partir de um sistema OTEC, recebe a denominação de “Deep ocean water applications” (DOWA) – “Aplicações de água oceânica profunda”. Para algumas indústrias, existe mercado potencial para seus produtos. Entre elas, incluem-se a indústria de bebidas, alimentar, farmacêutica e cosmética (KOBAYASHI, 2002; WU, 2006). Já Avery e Berl (1997); Avery e Wu (1994); MacKenzie e Avery (1996) relatam a possibilidade da conversão da energia térmica oceânica em energia química. Neste subitem alguns desses produtos serão descritos: 7.4.1 Água dessalinizada

Como foi visto nos subitens sobre ciclo aberto e híbrido, um subproduto que um sistema OTEC pode fornecer é água dessalinizada (AVERY; WU, 1994; NREL, 2007; TAKAHASHI, 2003; VEGA, 1999). Esta água pode ser utilizada para dessedentação humana e animal, além de servir à agricultura.

71

Para Block e Lalenzuela (1985 apud NREL, 2007), uma usina de 2 MW de potência líquida produziria cerca de 4.300 m3 de água dessalinizada por dia. Já Takahashi (2003) relata que uma usina de 1 MW conseguiria produzir até 3.500 m 3 por dia. Comunidades humanas que vivem em ilhas são candidatas em potencial para esse tipo de abastecimento de água doce (NESHYBA, 1987; TAKAHASHI, 2003, VEGA, 1999). Embora, por volta dos anos 1950, a Universidade da Califórnia tenha projetado uma usina de dessalinização de água do mar que iria abastecer parte da Califórnia. Sua produção seria de 18,79 x106 L de água doce por dia (JOHNSON, 2006). Aplicações mais refinadas e com maior valor agregado também podem ser feitas a partir de água dessalinizada. Pesquisas resultaram na fabricação de água mineral e bebidas isotônicas (KOBAYASHI, 2002; NELHA, 2007; WU, 2006). Na agricultura, a água do mar fria pode permitir o cultivo de culturas de zonas temperadas em áreas tropicais, diversificando a oferta de vegetais nessas regiões (OCEES, 2007; TAKAHASHI, 2003; WU, 2006).

7.4.2 Maricultura

Um sistema OTEC pode integrar uma operação de policultura que alia a produção de energia com a de proteína (NREL, 2007). Isto é possível devido a água profunda bombeada ser rica em nutrientes e relativamente livre de patógenos. Assim, ela é um meio excelente para crescimento de plâncton que pode sustentar a criação em cativeiro de certos peixes e mariscos de valor comercial ampliando a utilidade de uma usina instalada no continente (NESHYBA, 1987; NREL, 2007; WU, 2006). Da mesma maneira que acontece com a agricultura, a água oceânica profunda permite a criação de espécies não nativas de regiões tropicais dentro de tanques (NREL, 2007). Além disso, conforme Kobayashi, 2002; Takahashi, 2003, o bombeamento de água oceânica profunda para a superfície do mar provoca uma ressurgência artificial. Isto possibilita condições para o estabelecimento de uma área propícia à pesca próxima, por exemplo, a uma usina de “pastoreio”.

72

Produtos de alto valor como biofármacos e biopigmentos (por exemplo, astaxantina) também podem ser obtidos a partir do cultivo de certas microalgas em tanques abastecidos de maneira contínua pela água oceânica profunda proveniente do sistema OTEC (TAKAHASHI, 2003).

7.4.3 Sistemas de refrigeração

A água do mar fria (5°C) disponibilizada por um sistema OTEC pode ser aproveitada em sistemas de refrigeração de processos que estão relacionados ou próximos a usina. Os organismos criados em cativeiro citados anteriormente, por exemplo, precisam, após sua retirada dos tanques, de um correto armazenamento a uma temperatura adequada para garantia de sua qualidade. Um sistema de refrigeração com uso de água do mar fria como fluido refrigerante passando através de serpentinas poderia ser utilizado para este objetivo (NREL, 2007). Este mesmo princípio pode ser usado para condicionamento de ar em prédios (NREL 2007; OCEES, 2007). Conforme NREL (2007), se estima que um tubo de 0,3 m de diâmetro pode fornecer 0,08 m3 de água por segundo. Se essa água for recebida a 6°C num tubo como esse, ela pode produzir condicionamento de ar suficiente para um prédio grande. NELHA tem economizado até US$4.000 por mês desde que ele trocou o sistema convencional de condicionamento de ar nos seus três prédios pelo resfriamento baseado na água do mar profunda (NELHA, 2007). Segundo Neshiba (1987), outro destino para água descartada por um sistema OTEC pode ser sua utilização como água de resfriamento para outras indústrias que por ventura se localizem ao longo da costa próxima ao sistema OTEC.

73

7.4.4 Produtos químicos

Pesquisas feitas pelo Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory (APL) entre 1975 e 1982 demonstraram a viabilidade técnica da construção de usinas OTEC de “pastoreio”. Este tipo de usina produz, com auxilio da energia elétrica gerada por ela própria, substâncias químicas que podem atuar como combustíveis (AVERY; BERL, 1997). Nesta usina, através da eletrolização da água, pode-se obter hidrogênio (H2) e oxigênio (O2) que são capazes de abastecer naves espaciais. Segundo Ogden (2006), o hidrogênio também é objeto de pesquisas para abastecimento de automóveis, com previsão de inicio de fase comercial entre 2010 e 2020. Outra forma de converter a energia elétrica em energia química aproveitável em uma usina OTEC de “pastoreio” é a síntese de amônia, através da combinação do hidrogênio com o nitrogênio (N2) extraído do ar via liquefação (AVERY; BERL, 1997). Segundo Avery e Berl (1997), testes com motores Toyota de quatro cilindros indicaram que a amônia pode ser utilizada como combustível de automóveis, com menor emissão de óxidos de nitrogênio que os automóveis convencionais. Para MacKenzie e Avery (1996), o uso de amônia ao invés de hidrogênio evitaria os problemas de armazenamento, segurança e logística deste último. Outro destino da amônia produzida num sistema desse tipo seria a fabricação de fertilizantes agrícolas nitrogenados. Finalmente, conforme Avery e Berl (1997), metanol combustível pode ser obtido numa usina OTEC de pastoreio. O carbono necessário para formação desse composto seria fornecido por meio de navios carvoeiros.

74

8

POSSIBILIDADES DE USO NO BRASIL

8.1 BRASIL E A CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DIREITO DO MAR O Brasil ratificou em 22 de dezembro de 1988 sua assinatura à Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM) concluída em 10 de dezembro do mesmo ano em Montego Bay. Ela apresenta e/ou confirma os conceitos de mar territorial, zona econômica exclusiva e plataforma continental. Em 4 de janeiro de 1993, o Governo brasileiro sancionou a Lei nº 8.617, que tornou os limites marítimos brasileiros coerentes com os limites preconizados pela CNUDM (Souza, 1999). Em WEC (2001), afirma-se que antes do estabelecimento desta Convenção, nenhum investidor, seja publico ou privado, poderia ter interesse sério de financiamento de empreendimentos em áreas oceânicas. Segundo Souza (1999):
“A zona econômica exclusiva é uma zona situada além do mar territorial e a este adjacente[..].” (CNUDM, art. 55) e “[...] não se estenderá além de 200 milhas marítimas das linhas de base a partir das quais se mede a largura do mar territorial” (CNUDM, art. 57).

Este limite da ZEE terá alteração quando a plataforma continental se estenda além das 200 m.n., o que dá o direito ao Estado costeiro de estender a sua ZEE a até 350 m.n. (GONÇALVES, 2002). Conforme Gonçalves (2002, p.2, grifo nosso):
O art. 56 da CNUDM reconhece os direitos de soberania do Estado costeiro “para fins de exploração e aproveitamento, conservação e gestão de recursos naturais, vivos ou não vivos, das águas sobrejacentes ao leito do mar, do leito do mar e de seu subsolo, e no que se refere a outras atividades com vista à exploração e aproveitamento da zona para fins econômicos, como a produção da energia a partir da água, das correntes e dos ventos.

Segundo Souza (1999), no artigo 60, parágrafo 1, esta Convenção reconhece ainda que o Estado costeiro tem o direito exclusivo de executar, autorizar e regulamentar a construção, operação e utilização de ilhas artificiais, instalações e estruturas com finalidades econômicas e/ou científicas.

75

Observa-se nestes dois últimos artigos a preocupação de seus elaboradores com relação à exploração econômica dos oceanos por parte dos países costeiros, inclusive a produção de energia. Logicamente, conforme Gonçalves (2002), que tal exploração deve ocorrer concomitamente com a proteção e preservação do meio marinho. Desde o estabelecimento da CNUDM, então, várias nações trabalham no planejamento e execução de políticas gerais para gestão e exploração de recursos oceânicos (WEC, 2001). No Brasil, segundo Souza (1999), a CNDUM impulsionou a criação do Plano de Levantamento da Plataforma Continental Brasileira (LEPLAC), cujo enfoque é a delimitação da Plataforma Continental Jurídica Brasileira (PCJB). Outro programa derivado da aceitação brasileira da CNDUM é o denominado Avaliação do Potencial Sustentável de Recursos Vivos na Zona Econômica Exclusiva (REVIZEE). Segundo Magalhães (2006) oficialmente este programa durou dez anos e terminou em setembro de 2006, sendo substituído pelo Programa de Avaliação do Potencial Sustentável e Monitoramento dos Recursos Vivos Marinhos na Zona Econômica Exclusiva (REVIMAR). Deste modo, se observa que o Governo brasileiro ainda não efetuou um programa de levantamento sobre os recursos energéticos renováveis presentes na ZEE do país. Assim, nesta parte do trabalho, pretende-se discutir sobre a possibilidade de aproveitamento de sistemas OTEC em áreas limitadas por 05°N e 15°S pertencentes à ZEE do Brasil.

8.2 LOCALIZAÇÃO DA ÁREA EM ESTUDO

O Brasil possui áreas de sua ZEE que estão geograficamente dentro dos limites de 15°N a 15°S, propostos por Avery e Wu (1994), ou dos limites de 20°N a 20°S indicados por NREL (2007) favoráveis ao uso de sistemas OTEC. Neste trabalho

optou-se pela primeira proposta. Na ZEE brasileira esses limites englobam águas das costas Norte (05°N) e Nordeste e parte da costa Central (15°S) segundo divisão proposta pelo REVIZEE ( Vide mapa 1).

76

A costa Norte inclui a região da ZEE brasileira que vai da foz do rio Oiapoque até a foz do rio Parnaíba. A partir desse ponto até Salvador, incluindo Fernando de Noronha, Atol das Rocas e o Arquipélago de São Pedro e São Paulo, tem-se a costa Nordeste. A região compreendida entre Salvador e 15°S pertence a costa Central.

8.3 DESCRIÇÃO DA ÁREA EM ESTUDO 8.3.1 Aspectos meteorológicos 8.3.1.1 Circulação atmosférica

A área em estudo, especialmente a costa Nordeste e a parte da costa Central, está sob influência do anticiclone semi-estacionário do Atlântico Sul (NIMER 10, 1989 apud ABAURRE et al., 2004.) resultante da ação da célula de Hadley, afetando o clima do Brasil tanto no inverno quanto no verão. A partir desse anticiclone os ventos divergem em várias direções. O principal sistema de ventos que chega até a costa brasileira são os denominados ventos alísios que procedem basicamente de duas direções: E-SE e NE (Fig.11). A região onde ocorre a mudança de direção dos ventos alísios é chamada de Zona de Divergência (ZD), de maneira que a norte da ZD os alísios são de SE, enquanto que ao sul da ZD os alísios sopram de NE. Esta zona localiza-se em torno de 15°S, porém esta posição varia ao longo do ano. Na costa Norte, além da influência do anticiclone do Atlântico Sul, de acordo com Santos e Cohen
11

(1998 apud FRAZÃO, 2001 ), ocorre a atuação do anticiclone do Atlântico

Norte originando ventos alísios de nordeste. Os alísios provenientes do anticiclone do Atlântico Sul alcançam predominantemente essa costa com direção E.
10

NIMER, E. Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,

1989.

SANTOS, L. F. S; COHEN, J. C. P. Distribuição da nebulosidade coletada a bordo do navio oceanográfico “Antares” na área norte do programa REVIZEE nos períodos chuvosos de 1995 e menos chuvosos de 1997. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 10., 1998, Brasília. Anais... Brasília: SBMT, 1998. p. [?].

11

77

Conforme Abaurre et al. (2004) junto à ação dos ventos alísios, massas polares se misturam com o ar tropical movimentando-se ao longo das bordas oeste e sudoeste da célula de alta pressão do Atlântico Sul originando frentes frias que se deslocam para as costas Central e Nordeste, podendo alcançar 10°S ou latitudes mais baixas (Fig.11). Para Aquino e Setzer (2005), outro sistema atmosférico importante para a região em estudo é a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), que é basicamente uma banda de nuvens formada principalmente pela confluência dos alísios de nordeste do hemisfério norte com os alísios de sudeste do hemisfério sul. Para Santos e Cohen
11

(1998 apud FRAZÃO, 2001), este sistema é altamente instável, caracterizado por

baixa pressão atmosférica, alta nebulosidade com chuvas associadas e altos índices de umidade.

Figura 11: Circulação atmosférica na costa brasileira.
Fonte: Adaptado de Dominguez ( 1999 apud ABAURRE et al., 2004).
12 DOMINGUEZ, J. M. L. Erosão costeira na região Leste-Nordeste do Brasil. 1999. 176f. Tese (Professor Titular em Geologia Costeira e Sedimentar) - Departamento de Sedimentologia da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1999.

12

78

Com relação à atuação de ciclones, é importante salientar que não há atuação direta destes na região em estudo, pois os ciclones extratropicais que alcançam a região oceânica brasileira, o fazem pela costa Sul e em alguns casos seus efeitos atingem a costa Central da ZEE brasileira. Contudo, em eventos raros, ciclones tropicais enfraquecidos são intensificados por ciclones extratropicais no hemisfério norte o que pode resultar em propagação de ondas com muita energia na direção sul rumo à área em estudo (FILGUEIRAS, 2001).

8.3.1.2 Clima

A costa Norte apresenta clima do tipo tropical úmido ou superúmido com altas taxas pluviométricas. Conforme Frazão (2001), no Maranhão a média pode ser superior a 2000 mm/ano, com maior concentração de chuvas no período de março a agosto. Já na zona costeira do Amapá e do Pará, segundo Silva (2000), o índice pluviométrico é aproximadamente de 2500 mm/ano, podendo alcançar 3000 mm/ano no litoral do Pará (ABREU, 2004), sendo que o período de maior concentração de chuvas se estende de novembro a março. Conforme Clima (2007), utilizando a classificação de Köppen, a região Norte apresenta predominância de clima equatorial dos tipos Af e Am ( Quente sem estação seca e quente com estação seca na primavera, respectivamente), alem de áreas com clima tropical Aw ( quente com chuvas de verão e outono). Vários sistemas atmosféricos contribuem para o estabelecimento desse regime climático na zona litorânea da costa Norte. Um deles é a presença e deslocamento meridional da ZCIT que resulta em períodos chuvosos e menos chuvosos nessa área (SANTOS; COHEN,
12

1998 apud FRAZÃO, 2001). Este sistema atmosférico é

primordial na precipitação pluviométrica ocorrente na ZEE-N, chegando até a influenciar o setor norte da ZEE-NE (até Cabo Branco - PB) (AQUINO; SETZER, 2005). Segundo Silva (2000), outro sistema que atua na faixa litorânea da costa Norte associado a alto índice pluviométrico são as linhas de instabilidades (LI‟s), que se formam devido à brisa marítima.

79

Apesar da vizinhança com a costa Norte, o clima verificado na costa Nordeste é bastante diferente. Situada em área influenciada pelo anticiclone do Atlântico Sul, a costa Nordeste apresenta características como poucas nuvens e precipitação escassa (MONTES, 2003). Nesta área, conforme classificação de Köppen, há a predominância do clima do tipo As (tropical quente e úmido, com estação seca no inverno) no litoral oriental do Nordeste, onde os índices pluviométricos ficam em torno de 1600 mm/ano (Clima, 2007) . No litoral do Rio Grande Norte é possível encontrar a ocorrência do clima do tipo Bsh (Quente e seco, com chuvas de inverno), cujo índice pluviométrico não excede 1000 mm/ano. A distribuição espacial e temporal da precipitação pluviométrica na ZEE-NE, assim como na ZEE-N, também é influenciada pelo deslocamento da ZCIT sobre a região. Conforme Uvo (1998), o período de tempo em que a ZCIT permanece na sua posição mais ao sul determina se estação chuvosa será úmida ou seca. Aquino e Setzer (2005) relatam que nesta região há ainda a atuação marcante dos ventos alísios que sopram de leste e de nordeste em direção à costa brasileira, ao longo de todo o ano, trazendo umidade, contribuindo na formação de nuvens e, conseqüentemente, chuvas. Por fim na parte da costa Central, no litoral da Bahia, desde os arredores de Salvador em direção ao sul do estado, verifica-se o clima do tipo Af. Nesta área, observa-se a influência dos ventos alísios de leste e nordeste em conjunto com frentes polares que aí chegam para o estabelecimento do regime de chuvas.

8.3.2 Aspectos da plataforma continental

A plataforma continental brasileira compreendida entre o cabo Orange-AP e Acaraú-CE (costa Norte/parte da costa Nordeste) é uma depressão estrutural e topográfica extensa de bacias marginais mesozóicas, como a de Marajó, e da parte norte da bacia do Maranhão. Advêm desse fato, suas características morfoestruturais tais como grandes larguras (Tabela 4), declividades pequenas e reentrâncias na linha de costa (PETROBRAS, 1979).

80

Observa-se que nessa região, a largura da plataforma continental acompanha o relevo costeiro (PETROBRAS, 1979). O alargamento dessa feição fisiográfica em frente ao Golfão Amazônico coincide com a depressão costeira existente. Para Muehe e Garcez (2005), outro fator que colabora para esse alargamento é o aporte sedimentar proveniente da descarga do rio Amazonas. Justamente nesse ponto a plataforma continental brasileira alcança sua maior largura, cerca de 330 km com a quebra da plataforma ocorrendo por volta de 105 m. A partir desse setor em direção tanto ao cabo Orange quanto à região de Acaraú, verifica-se o estreitamento gradativo da plataforma continental (Tabela 4) acompanhando a elevação da costa.

Tabela 4- Relação largura x profundidade da quebra de alguns locais da plataforma continental norte brasileira Local Largura (km) cabo Orange (AP) foz do Amazonas foz do rio Pará Bragança (PA) foz do rio Gurupi (MA) baía do Tubarão (MA) Acaraú (CE)
Fonte: Petrobras (1979).

Profundidade da quebra (m) 105 105 77 77 85 77 60

133 330 259 143 203 69 83

A partir de Acaraú até o cabo Calcanhar (RN), a plataforma continental sofre controle morfotectônico, evidenciado por lineamentos estruturais e morfológicos proeminentes. Em alguns pontos sua largura é pequena, sendo a mínima de 19 km em frente a Macau (RN) (PETROBRAS, 1979). O restante da costa Nordeste mais a parte da costa Central em estudo também exibem plataforma continental mais estreita do que aquela da região Norte (Mapa 4).

81

Mapa 4: Desenvolvimento da plataforma continental na área em
estudo.
Fonte: Adaptado de Muehe e Garcez (2005).

Entre os fatores atribuídos para explicar esse fato, Summerhayes, Fainstein e Ellis
13

(1976 apud PETROBRAS, 1979) elencam a própria configuração estrutural desta

faixa de bloco sul-americano, além da dimensão restrita e o caráter tropical das bacias de drenagem da faixa emersa adjacente que resulta em reduzidas taxas de erosão terrestre e de sedimentação marinha. Deste modo, nessa área encontram–se trechos como o entre Maceió-AL e foz do rio São Francisco, cuja largura da plataforma continental varia entre 20 a 25 km, enquanto que no setor das proximidades de AracajuSE a Salvador- BA a largura média da plataforma é a menor registrada, cerca de 22,5 km, inclusive com a ocorrência da menor largura da plataforma continental brasileira que é de 8 km nas proximidades de Salvador (PETROBRAS, 1979), embora Muehe e Garcez (2005) afirmem que o ponto de maior estreitamento tenha largura de 17 km.

13

SUMMERHAYES, C. P.; FAINSTEIS, R.; ELLIS, J. P. Continental margin off Sergipe and Alagoas, Northeastern Brazil: a reconnaissance geophysical study of morphologhy and structure. Marine Geology. Amsterdam, n. 20, p.345361. 1976.

82

8.3.3 Aspectos oceanográficos

8.3.3.1 Formação de ondas

De modo geral, o sentido de movimentação de ondas oceânicas é reflexo da direção de propagação dos ventos dominantes que as formam. Para Innocentini et al. (2000), o litoral brasileiro pode ser dividido basicamente em quatro áreas. Neste item será descrito brevemente apenas duas dessas áreas que compreendem a região da ZEE brasileira em estudo. A primeira área inclui toda a costa Norte e mais parte da costa Nordeste, indo do Amapá até as proximidades de Natal- RN. Nesta área, as ondas incidentes são formadas pelos alísios e apresentam altura abaixo de 1-1,5 m em mar aberto (Mapa 5). Eventualmente, chegam ondas com período de 15-20 s provenientes de tempestades formadas no extremo norte do Atlântico.

Mapa 5: Altura significativa e direção média de ondas no litoral norte (Análise do Modelo WWatch III – Atlântico para 30 de outubro de 2007 (00h)).
Fonte: Sistema de previsão de ondas/UFRJ (2007).

83

A segunda área engloba o restante da costa Nordeste mais parte da costa Central (de Natal até Vitória- ES) (Mapa 6). Ela é atingida por ondas que chegam geralmente de nordeste, formadas pelos ventos do flanco esquerdo do anticiclone subtropical do Atlântico Sul. Às vezes recebem pistas enormes com ventos de sudeste, formadas ao longo de frentes polares, que se associam aos ventos alísios originando ondas de ESE. Conforme Abaurre et al. (2004), as ondas de N-NE chegam a zona costeira com alturas de 1 m e períodos de 5 s ou menos, já as ondas de E-SE possuem alturas em torno de 1,5 m e períodos de 6 a 7 s nesta zona.

Mapa 6: Altura significativa e direção média de ondas no litoral nordeste (Análise do Modelo WWatch III – Atlântico 30 de outubro de 2007 (00h)).
Fonte: Sistema de previsão de ondas/UFRJ (2007).

8.3.3.2 Circulação superficial

Segundo Cirano et. al (2006), o sistema de correntes marinhas superficiais nessa área esta associado ao Giro Subtropical do Atlântico Sul (mapa 7) resultante da ação

84

do Anticiclone atmosférico do Atlântico Sul, mencionado no subitem 8.3.1.1. Decorrente dos efeitos dos alísios de sudeste, a Corrente Sul Equatorial (CSE) flui no sentido lesteoeste, influenciando a ZEE- NE (MONTES, 2003). Ao sul de 10°S, a CSE se bifurca originando a Corrente do Brasil (CB) e a Corrente Norte do Brasil (CNB). A CB flui se movimenta para o sul ao longo da costa brasileira, com uma temperatura média de 26°C (MONTES, 2003), indo até a zona de Convergência Subtropical (38°S± 2°). Para Cirano et al. (2006), a CB pode ser definida como o fluxo associado ao movimento da Água Tropical (AT) e Água Central do Atlântico Sul (ACAS). Enquanto isso, a CNB segue no sentido noroeste rumo ao Equador, influenciando a costa Norte.

Mapa 7: Representação esquemática do Giro Subtropical do Atlântico Sul. Fonte: Adaptado de Cirano et al. (2006).

A AT é resultante da radiação intensa e da evaporação excessiva em relação à precipitação características do Atlântico Sul equatorial, sendo transportada para Sul pela CB (CIRANO et al., 2006). Emilson
14

(1961 apud CIRANO et al., 2006)

caracterizou a AT por águas com temperaturas maiores do que 20°C e salinidades
14

EMILSON, I. The shelf and coastal waters off Southern Brazil. Boletim do Instituto Oceanográfico da

Universidade de São Paulo. São Paulo, n.17, vol.2, p.101–112. 1961.

85
15

acima de 36 ups. A ACAS, segundo Miranda

(1985 apud CIRANO et al., 2006),

apresenta temperaturas superiores a 6°C e inferiores a 20°C, além de salinidades entre 34,6 e 36 ups. Sua origem se dá na zona de confluência da CB com a Corrente das Malvinas. Segundo alguns autores como Brasil (1989) e Silva (2006), ocorre uma intrusão em sub-superfície da Água Central do Atlântico Norte (ACAN) na costa Norte, em região próxima ao Amapá. Estas massas d‟águas podem ocupar níveis de profundidade diferentes ao longo da costa em estudo, por isso uma representação por faixas isopicnais de suas ocorrências seria mais realista. Porém para efeito de definição de limites generalizados de profundidade, pode-se adotar níveis fixos conforme modelo proposto por Cirano et al. (2006): 0 a 116 m para AT e, 116 a 657 m para ACAS. Neste trabalho também será usado para fins de ilustração, níveis fixos de profundidade para as águas profundas segundo valores propostos por Cirano et al. (2006). Por sobre a plataforma continental, próxima a zona costeira, existe a Água Costeira (AC), que possui salinidade próxima de 33 ups e temperatura superior a 28°C. Conforme Silva (2006), ela é basicamente uma mistura das águas superficiais oceânicas com fluxo de água continental que chega ao ambiente marinho. Deste modo, sua presença é marcante em zonas costeiras que recebem aporte considerável de descarga fluvial.

8.3.3.3 Circulação profunda

No Oceano Atlântico, a partir da região Antártica, origina-se a Água Antártica de Fundo (AAF) (Fig.12), a massa d‟água mais fria e densa dos oceanos, constituindo-se desta forma na camada de água mais próxima ao assoalho oceânico. Por sobre ela, movimenta-se a Água Profunda do Atlântico Norte (APAN)

15

MIRANDA, L. B. Forma de correlação T-S de massa de água das regiões costeira e oceânica entre o Cabo de

São Tomé (RJ) e a Ilha de São Sebastião (SP), Brasil. Boletim do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. São Paulo, n.33, vol.2, p.105–119, 1985.

86

(Fig.12), cuja formação se dá pela junção de água proveniente do Ártico (Mar da Noruega, Mar do Labrador e Mar de Irminger) com a água mais salgada e quente do Mar Mediterrâneo (NESHYBA, 1987; THURMAN E TRUJILLO, 2004). Segundo Cirano et al. (2006), na área em estudo, a APAN apresenta-se como um fluxo organizado, movimentando-se para o sul ao longo do contorno oeste, cruzando a costa brasileira com seu núcleo sempre atrelado à região do talude continental. Esta massa d‟água ocupa níveis entre 1234 m e 3472 m de profundidade, exibindo temperaturas entre 3° e 4°C e salinidades variando de 34,6 a 35,0 ups. A massa d‟água logo acima da APAN é conhecida como Água Intermediária Antártica (AIA), pois ela separa a água superficial quente da água fria profunda (Fig.12). Ela é proveniente da Zona de Convergência Antártica. Conforme Sverdrup, Johnson e Fleming
16

(1942 apud CIRANO et al., 2006), seus limites são

de 3°a 6°C para

temperatura e 34,2 a 34,6 ups para salinidade.
17

A AIA move-se ao longo costa

brasileira, na direção do equador ao norte de 25°S, fluindo para o sul em 28°S (MÜLLER et al. 1234 m. , 1998 apud CIRANO et al., 2006), ocupando os níveis entre 657 m e

Figura 12: Circulação oceânica simplificada do Oceano Atlântico.
Fonte: Adaptado de Thurman e Trujillo (2004); Universidade Santa Cecília (2007).
16

SVERDRUP, H.U.; JOHNSON, M.W.; FLEMING, R.H. The oceans: their physics, chemistry and general biology. Englewood Cliffs, Prentice-Hall Inc. 1942. 1087 p. 17 MÜLLER, T.J.; IKEDA, Y.; ZANGENBERG, N.; NONATO, L.V.. Direct measurements of the western boundary currents between 20◦S and 28◦S. J. Geophys. Res. 103(C3): 5429–5437. 1998.

87

As figuras 13 e 14 ilustram a estrutura conjunta da circulação oceânica superficial e profunda até a base da APAN na ZEE-N e ZEE-NE mais parte da costa Central, respectivamente.

Figura 13: Estrutura simplificada de massas d‟águas presentes na costa Norte do Brasil. (A figura não está em escala).
Fonte: Elaborado pelo autor a partir de dados de Cirano et al. (2006); Google Earth (2007); Silva (2006).

88

Figura 14: Estrutura simplificada de massas d‟águas presentes na ZEE-NE/parte da costa Central. (A figura não está em escala).
Fonte: Elaborado pelo autor a partir de dados de Brasil (1987); Cirano et al (2006); Google Earth (2007).

8.4 GRADIENTES TÉRMICOS OCEÂNICOS NA ÁREA EM ESTUDO

Conforme já visto no item 5, os oceanos apresentam uma estrutura térmica estável, com águas quentes superficiais e águas frias nas camadas mais profundas. Na área em estudo, as águas mais superficiais (100-200 de profundidade) são constituídas pela AC e AT (figuras 13 e 14). Segundo o modelo de Cirano et al. (2006), em relação às águas profundas de 657 m até cerca de 3500 m, observa-se na área em estudo a ocorrência de AIA e APAN (com a primeira massa d‟água apresentando temperaturas entre 3 e 6°C e a última possuindo valores entre 3 e 4°C). Medidas de temperatura feitas em trabalhos anteriores na área em estudo

indicam uma variação de aproximadamente 28°C na AC até valores próximos de 26 °C (superfície) ou menos (subsuperfície) na AT. Abreu (2004), em estudos feitos na área compreendida pelas coordenadas de latitude 01°29‟06”N, 00°27‟29,88”N, 00°45‟59,76”N e 00°23‟30”S e longitudes 47°18‟57,6”W, 48°16‟48”W, 46°35‟16,8”W e

89

47°23‟42”W, verificou que a temperatura da água costeira oscilou entre 28,1 e 28,9°C, enquanto que na AT o intervalo de temperatura encontrado foi de 24,8 a 27,9°C. Nos estudos de Silva (2000) na região limitada por 1°53,58‟N e 2°17,35‟N e 48°55,02‟W e 48°00,86‟W, a temperatura superficial do mar (TSM) observada ficou entre 28,82 e 27,10°C. Frazão (2001) obteve valores de TSM variando de 28,60°C a 27,40°C na área entre as latitudes de 0°80‟S e 2°20‟S e longitudes de 44°40‟W e 43°25‟W. Em Brasil (1987) é relatada a observação de temperaturas de até 29,14°C na superfície e de até 27,85°C na profundidade de 12 m em regiões da zona costeira da Bahia entre as latitudes de aproximadamente 13° e 14°S e longitudes em torno de 38°30‟ e 38°40‟W. Por outro lado, Dardengo e Silva (1998), trabalhando com dados pretéritos de parâmetros oceanográficos físicos da costa Central em condições de primavera, encontraram uma TSM máxima de 26,5°C. Em Silva, Araújo e Bourlès (2005), a análise de dados de três cruzeiros oceanográficos, realizados na ZEE-NO entre 2,5°S e 7°N e 46°W e 51°W, indica as presenças da AC com temperaturas entre 26 e 28,87°C e da AT com temperaturas superiores a 18°C (Fig. 15). No trabalho citado, também foi encontrada a AIA que apresentou temperaturas entre 4,92 e 5,90°C, sendo que seu topo, dependendo da época e do ponto geográfico, podia ser encontrado em profundidades por volta de 400 a 600 m (Fig. 15). Montes (2003), baseado em dados das comissões ZEE-NE (I a IV) mais os da Operação Nordeste III da Marinha brasileira, verificou que em áreas da ZEENE entre as latitudes de aproximadamente 5° e 13°S, a TSM oscilou de 26,1°C

(inverno e primavera) a 29, 2 °C (outono). Montes (2003) também analisou a temperatura na profundidade de 500 a 600 m, encontrando valores em torno de 9 a 14°C.

90

Figura 15: Distribuição vertical das massas de água ao longo do transecto Perfil (A/S) durante o período de descarga mínima do rio Amazonas. Fonte: Silva, Araújo e Bourlès (2005).

Em determinado perfil feito na Operação Nordeste III, verificou-se que a temperatura do mar à profundidade de 20 a 40 m ficava em torno de 27 a 28°C, caracterizando a presença da AT, enquanto por volta de 600 a 700 m, iniciava-se a AIA com temperaturas próximas de 5°C (BRASIL, 1986). Já na Operação Pavasas I, em certo perfil, foi observado que a 50 m de profundidade a temperatura variava de 26 a 28,25°C, ao passo que perto da profundidade de 600 m, ela se aproximava de 6°C (BRASIL,1989a). Em outra iniciativa da Marinha do Brasil, determinado perfil da Operação Monitor III indicou a temperatura de 26°C ocorrendo na superfície até cerca de 80 m de profundidade, e a temperatura de 5°C presente em profundidades logo abaixo de 700m (BRASIL, 1989b). Em Bahia (2003), foi realizada uma distribuição vertical de temperatura baseada em dados do Banco Nacional de Dados Oceanográficos relativos ao período de 1952 a 1988. A área de localização dessa distribuição é o litoral norte do Estado da Bahia,

91

envolvendo a plataforma continental e suas vizinhanças entre as latitudes de aproximadamente 11°40‟S e 13°07‟S. Observa-se pelo gráfico 8 que a TSM máxima ficou perto de 28,5°C- 29°C, enquanto que por volta de 600-700 m de profundidade, a temperatura atingiu 5°C.

Gráfico 8: Distribuição vertical de temperatura oceânica no litoral norte do Estado da Bahia e suas vizinhanças.
Fonte: Bahia (2003).

Desta maneira, os dados expostos acima tendem a corroborar os dados fornecidos no mapa 2 por NREL (2007) de que na costa brasileira em estudo podem existir diferenças de temperatura de 22 a 24°C entre as águas superficiais e águas no nível de profundidade de 1000 m. Cirano et al. (2006) obtiveram resultados semelhantes ao aplicarem o modelo OCCAM para analisar a circulação oceânica na região oeste do Atlântico Sul como pode ser observado nos mapas 8 e 10, cujos valores modelados foram próximos dos observados que constam do banco de dados do National Oceanographic Data Center (NODC) do Governo americano (Mapas 9 e 11). Cirano et al. (2006) escolheram como profundidade do núcleo da AT o nível de 52 m, encontrando valores máximos de temperatura próximos de 26°C entre as latitudes de 10°S e 15°S. Menezes (1999) estudou a variação de temperatura superficial do mar

92

(TSM) em área compreendida por 40°/50°W-20°W e 2°N-10°S, a qual denominou de Atlântico Tropical Oeste (ATO), durante o período de 1978 a 1986 e concluiu que as temperaturas mantêm-se elevadas e variam pouco ao longo do ano, aproximadamente em 1°C (gráfico 9). Para a AIA, Cirano et al. (2006) escolheram como profundidade do núcleo desta massa d‟água o nível de 989 m que apresentou a temperatura máxima próxima de 4°C na costa brasileira.

Mapa 8: Temperatura da AT a 52 m de profundidade obtida pelo modelo OCCAM para a região oeste do Atlântico Sul.
Fonte: Cirano et al. (2006).

93

Mapa 9: Temperatura anual na superfície do Atlântico Sul/parte do Atlântico Norte.
Fonte: Adaptado de Locarnini et al. (2006).

Gráfico 9: Variação da TSM na região ATO (1978-1986).
Fonte: Adaptado de Menezes (1999).

94

Mapa 10: Temperatura da AIA a 989 m de profundidade. obtida pelo modelo OCCAM para a região oeste do Atlântico Sul.
Fonte: Adaptado de Cirano et al. (2006).

Mapa 11: Temperatura anual do Atlântico Sul/parte do Atlântico Norte à profundidade de 1000m.
Fonte: Adaptado de Locarnini et al. (2006).

95

Dada a disposição da plataforma continental na região em estudo vista no item 8.3.2, observa-se que as isóbatas em torno de 1000 m estão bem mais afastadas da linha de costa na ZEE-NO do que na ZEE-NE/parte da costa Central (mapa 12). Deste modo, diferenças de temperatura de 20°C ou mais entre as águas superficiais e águas à profundidade de 1000 m ocorrem mais próximas a linha de costa da segunda área. Como dito antes no subitem 8.3.3.2, massas d‟águas tendem a não ocupar níveis fixos de profundidade, assim, segundo Almeida (2007), a diferença de temperatura de 20°C na ZEE-NE/parte da costa Central pode até mesmo ser encontrada entre as águas superficiais e águas à profundidade de cerca de 500 m. Enquanto em Brasil (1986, 1989b), como visto neste 0subitem, foi relatado que essa diferença pode ser observada entre a superfície e profundidades entre 600 a 700 m. Já com relação à costa Norte, Silva; Araújo; Bourlès (2005) encontraram o topo da AIA a 500 m de profundidade em média em certas localizações e épocas do ano.

Mapa 12: Relevo submarino da região oeste do Atlântico Sul até a latitude de 15°S (Projeto LEPLAC).
Fonte: Adaptado de Torres et al. (2003).

96

8.5 POSSÍVEIS IMPACTOS AMBIENTAIS NA ÁREA EM ESTUDO

Ao se fazer análise de impactos ambientais decorrentes do funcionamento de sistemas OTEC, deve-se levar em consideração o fato de que tais sistemas ainda não foram testados em grande escala por um longo período de tempo. Tampouco isso seria desejável sem ao menos o conhecimento prévio de limites teóricos aceitáveis para tais impactos que segundo Sands (1979) podem modificar a qualidade da água, do solo e do ar. Deste modo, especialmente nos EUA, vários relatórios já foram produzidos a respeito desse assunto e, segundo Club des argonautes (2006) uma ferramenta importante para avaliação desses impactos é o emprego de modelos computacionais para simulação de vários cenários de acordo com o porte e a finalidade do sistema OTEC. Na zona costeira adjacente à área em estudo existe uma diversidade de ambientes de alta relevância ecológica que na costa Norte inclui manguezais exuberantes, matas de várzeas de marés, campos de dunas, praias, (BRASIL, 2007) além de algumas áreas de restingas como as descritas por Bastos; Senna; Costa Neto (2002). Na zona costeira adjacente à ZEE-NE/parte da costa Central em estudo encontram-se dunas, manguezais, restingas, matas (BRASIL, 2007) e falésias (BRASIL, 2007; MUEHE, 2003). Segundo Muehe (2003) essa área vem sofrendo com ocupação desordenada e utilização econômica sem critérios que tendem a levar à degradação dos ecossistemas presentes. Caso a opção escolhida de sistema OTEC seja o do tipo instalado no continente, ele poderá contribuir para essa degradação e, no caso de haver atividades que aproveitem sub-produtos OTEC, como maricultura, esse risco será ainda maior,

quando tal atividade é feita em desacordo com normas ambientais. Um sistema OTEC desse tipo também pode afetar o acesso da população a áreas de recreação, além de provocar impacto visual na paisagem. A área pretendida para a instalação do sistema pode conter sitos arqueológicos ou paleontológicos de modo que o processo deve ser conduzido de acordo com legislação vigente sobre a questão para não haver danos aos mesmos. Finalmente, o assentamento de um longo e grosso tubo para captação de

97

água do mar pode afetar comunidades bentônicas, além de interferir na circulação de sedimentos no local podendo causar erosão (BEAVIS; CHARLIER; MEYER, 1986). Os sistemas OTEC instalados na plataforma continental podem afetar

comunidades bentônicas presentes no local de sua instalação, como recifes de corais. Conforme Wilde (1981), a energia elétrica produzida nestes sistemas pode ser levada para o continente por meio de um cabo submarino, havendo necessidade de avaliação de seu impacto em ecossistemas marinhos no assoalho oceânico e na zona costeira. Estes sistemas podem indiretamente afetar os ambientes da zona costeira, visto que chegando à zona costeira, a energia elétrica poderia ser utilizada por algum tipo de indústria que, então, poderia causar impactos nos ambientes costeiros. Se a energia elétrica não fosse usada na zona costeira e sim conduzida continente adentro, seriam necessárias torres de transmissão de energia que poderiam ter algum efeito danoso nos ambientes costeiros. Tanto sistemas OTEC flutuantes quanto o do tipo instalado na plataforma continental podem ao invés de fornecer energia elétrica, produzir químicos como o hidrogênio combustível. Assim, seria necessária a construção de portos de desembarque ou que locais sejam adaptados para essa operação na zona costeira. Sistemas OTEC também podem afetar a composição atmosférica. Conforme Biague (2006) no caso de sistemas de ciclo fechado, CO 2 presente na água do mar profunda é passível de ser liberado quando ela é aquecida no condensador. Em sistemas de ciclo aberto, os gases presentes na água do mar são separados da mesma no desaerador a fim de não reduzir a eficiência do sistema, podendo ser liberados diretamente para atmosfera. A longo prazo, a composição atmosférica na vizinhança iria se modificar podendo alterar o microclima local (WILDE, 1981). Contudo o lançamento desses gases poderia ser feito abaixo da camada superficial misturada, minimizando esse problema. Já Vega (1999) afirma que a liberação de CO2 pelo funcionamento de um sistema OTEC, tanto de ciclo aberto quanto de ciclo fechado, é menor do que aquela proveniente da operação de usina a combustível fóssil. Outros impactos dependem do tipo de ciclo escolhido. Por exemplo, em sistemas de ciclo fechado ou ciclo misto pode ocorrer vazamento acidental do fluido de trabalho para o ambiente (JONES; RUANE, 1977; LEVRAT, 2004; SMITH, 1987, WILDE, 1981).

98

Conforme Smith (1987), o fluido de trabalho pode agir como biocida para os peixes locais bem como para a população planctônica. Levrat (2004), embora sem apontar dados quantitativos, destaca que essa ação prejudicial ao ecossistema só ocorreria caso a quantidade do fluido de trabalho liberado para o ambiente marinho fosse considerável. Deste modo, tubos de material apropriado para circulação do fluido de trabalho além de manutenção preventiva do sistema OTEC minimizariam esse risco. Se o ciclo escolhido for o aberto ou misto e havendo interesse na produção de água dessalinizada, uma questão a ser levantada é destino dos resíduos químicos resultantes dessa operação. Segundo Pantell et al.(1993) efluentes de usinas de dessalinização podem conter além dos sais marinhos, substâncias como biocidas, substâncias anti-formação de escamas e outras usadas na limpeza das tubulações. Desta forma o processo de dessalinização a partir de um sistema OTEC precisa ser avaliado quanto à natureza dos efluentes para a escolha de tratamento adequado antes dos mesmos serem lançados no ambiente, sob pena de prejuízos ao ecossistema marinho local. No item 6.3 foi relatado o uso de agente anti-incrustante nas estruturas de sistemas OTEC, principalmente para impedir a redução da eficiência dos permutadores de calor em sistemas de ciclo fechado. Wilde (1981) afirma que dependendo da concentração desses biocidas, seu lançamento no ambiente marinho pode afetar os organismos presentes. Esse risco é aumentado quando o anti-incrustante usado é o cloro e fluido de trabalho é a amônia. No caso de combinação acidental dessas duas substancias, ocorre sinergia entre ambas originando compostos ainda mais tóxicos para os organismos existentes no meio. Contudo Vega (1999) afirma que a quantidade de cloro utilizada em sistemas OTEC é inferior a 10% dos limites (máximo de 0,5 mg/l) da Agencia de Proteção Ambiental (EPA) do Governo americano. Outro impacto ao ambiente marinho a ser considerado é a possibilidade de íons metálicos e partículas de escama provenientes de corrosão nos permutadores de calor (SANDS, 1979; VEGA, 1999; WILDE, 1981). Para Wilde (1981), estes íons e partículas poderiam ter efeitos tóxicos diretos sobre organismos marinhos ou de longo prazo através da sua incorporação ao seu suprimento alimentar particulado de modo a sofrer bioacumulação nesses organismos.

99

Conforme Wilde (1981), um sistema OTEC no meio marinho, à semelhança de um recife artificial, atrairá uma variedade de organismos. Os efeitos a longo prazo irão depender dos tipos, tamanho e abundância de organismos atraídos ou fixados nas estruturas do sistema o que afetaria a população local. Efeitos regionais na população também podem ocorrer pela interferência ou modificação tanto de hábitos de refúgio quanto de rotas de migração. O impacto de maior preocupação de um sistema OTEC está relacionado aos grandes volumes de água do mar necessários para seu funcionamento (BIAGUE, 2006; ROSE, 1985; SMITH, 1987; VEGA, 1999; WILDE, 1981). Após a passagem desse volume de água pelo sistema OTEC, ele terá de ser liberado no ambiente, seja através de uma tubulação única onde água do mar fria e água do mar quente fluem misturadas, seja através de tubulações especificas para cada uma. Parâmetros oceânicos, como temperatura, salinidade, oxigênio dissolvido, carbonatos, particulados e assim por diante, da área da liberação da água utilizada sofrerão modificações (WILDE, 1981). Sabendo-se que os organismos marinhos estão adaptados a certos valores desses parâmetros, esta variação pode causar efeitos danosos sobre o seu desenvolvimento. Por exemplo, na costa Nordeste/parte da costa Central, existem formações recifais importantes, inclusive com espécies endêmicas brasileiras (MAIDA; FERREIRA, 2004), adaptadas a certos valores de temperatura e luminosidade que sofreriam com essa variação de parâmetros oceanográficos. As águas oceânicas profundas possuem grandes quantidades de nutrientes. Assim a redistribuição desses elementos na camada fótica precisa ser avaliada, pois se por um lado essa bioestimulação poderá ser benéfica levando a um aumento do estoque de pescado, ela também poderá originar um florescimento algal excessivo de modo a eliminar outras espécies da área, além de agravar o problema de bioincrustação no sistema OTEC (JONES; RUANE, 1977). Por fim, metais traços oriundos de outras profundidades podem ter efeitos tóxicos sobre espécies ocorrentes no local de lançamento da água do mar usada no sistema OTEC (WILDE, 1981). Várias espécies marinhas não terão capacidade natatória suficiente para se livrarem da sucção do bombeamento da água do mar de modo que sofrerão colisão ou aprisionamento nas estruturas da usina OTEC (JONES; RUANE, 1977; ROSE,

100

1985; SMITH, 1987; VEGA, 1999; WILDE, 1981). Organismos sugados sofrerão colisão com telas existentes para evitar entupimento na tubulação de entrada de água do mar. Os que passarem pelas telas serão aprisionados no fluxo de água dentro da usina OTEC, onde sofrerão abrasão mecânica, variações de temperatura e pressão, além de cloração proveniente do tratamento anti-incrustante. A mortalidade dos organismos nesses processos é estimada em valores próximos de 100% (SANDS
18

, 1980 apud ROSE, 1985; SMITH, 1987). Segundo Smith (1987)

levando em conta que larvas e ovos de peixes e de outras espécies junto com organismos planctônicos adultos estão presentes nas camadas quentes superficiais, essa mortalidade é um grande problema especialmente em áreas com alta produtividade biológica como segundo Muehe e Garcez (2005) é a costa Norte. Para Rose (1985) existe ainda o que ele chama de aprisionamento secundário. Certa quantidade da água do mar presente na área de lançamento da água usada pelo sistema OTEC, através de mistura turbulenta, se tornará parte da pluma de descarga. Organismos podem ser capturados nesta pluma e sentirem os efeitos da variação de temperatura e de cloro residual. Finalmente, há uma questão que extrapola o nível regional, embora com possíveis reflexos nele, que precisa ser avaliada num foro apropriado se no futuro usinas OTEC forem largamente utilizadas nos oceanos. Devido aos grandes volumes de água do mar utilizados nos sistemas OTEC, é preciso limitar o numero dessas usinas e/ou o volume usado de água por elas sob pena de comprometimento da circulação termohalina oceânica. Conforme Club des argonautes (2006), a literatura técnica aponta o valor de 10 TW como potência elétrica teórica global dos sistemas OTEC o que levaria ao bombeamento de 25 Sv19 de água do mar fria. Este valor é próximo daquele resultante de todas as ocorrências de ressurgência natural (30 Sv). Assim o pleno uso dessa capacidade teórica de potência teria efeitos sobre a dinâmica do oceano e sua interação com a atmosfera trazendo conseqüentes impactos para os padrões climáticos

18

Sands, M. D. Ocean thermal energy conversion (OTEC) programmatic environmental analysis. Berkeley:
6 3

Lawrence Berkeley Laboratory, 1980. vol. 1. 213 p.
19

1Sv=10 m /s

101

globais podendo afetar regionalmente cada área de exploração de sistemas OTEC e suas vizinhanças. Finalmente, não se pode esquecer que essas usinas serão operadas por técnicos, de forma que haverá efluentes sanitários e resíduos alimentares que precisam ser corretamente descartados. Resumindo, grosso modo, é possível afirmar que os impactos provocados por usinas OTEC poderiam levar a um conflito de interesses de uso da área com a atividade pesqueira e/ou a mudanças em padrões climáticos locais ou globais. Contudo medidas mitigadoras desses impactos podem ser implantadas, tais como a instalação de sistemas OTEC em ambientes pouco produtivos biologicamente (SMITH, 1987), bem como o lançamento das águas utilizadas em profundidades adequadas (WILDE, 1981), além de um espaçamento mínimo entre as usinas e limitação da sua potência máxima (AVERY; WU, 1994).

9 DISCUSSÃO

Uma vantagem do sistema OTEC sobre a maior parte das energias renováveis é que ele pode funcionar de maneira contínua, pois, o recurso termal dos oceanos garante que esta fonte de energia esteja disponível dia e noite, com pequenas variações do verão para o inverno (AVERY; WU, 1994; WORLD ENERGY COUNCIL, 2001). Do ponto de vista puramente termodinâmico, é inegável o potencial teórico da OTEC para suprir ao menos parcialmente as demandas energéticas crescentes da sociedade industrial. Entretanto as estimativas desse potencial vêm sofrendo correções ao longo do tempo. Como foi visto na tabela 1 no item 4, Constans 1 (1979 apud Neshyba,1987) indica o fabuloso valor de 40.000 TW. Este valor, no entanto, foi reduzido à medida que outros trabalhos sobre o assunto foram realizados. Nihous (2005
20

20

; 2007

21

apud

NIHOUS, G. C. An order-of-magnitude estimate of Ocean Thermal Energy Conversion (OTEC) resources. Journal of Energy Resources and Technology. Estados Unidos, v. 4, n.127, p. 328-333. 2005. 21 NIHOUS, G. C.. A preliminary assessment of Ocean Thermal Energy Conversion.(OTEC) resources. Journal of Energy Resources and Technology. Estados Unidos, v. 1, n.129, p.10-17. 2007.

102

NIHOUS 3, em fase de elaboração) através de pesquisa bibliográfica observou que a potência disponível a partir da tecnologia OTEC fica entre 10 e 1000 TW. Conforme visto no item 8.5, Club des argonautes (2006) relatou o valor teórico disponível de 10 TW, porém limites técnicos, econômicos e principalmente ambientais diminuem esse valor para 3 TW. Para uma correta avaliação da disponibilidade desse recurso, Nihous
3

(em fase de

elaboração) afirma que modelos do tipo Ocean General Circulation Model (OGCM), como o usado por Cirano et al. (2006), são adequados para tal objetivo. Contudo, modelos unidimensionais mais simples constituídos de caixas-múltiplas também podem ser utilizados, enquanto sistemas OTEC não forem empregados em larga escala. Desta maneira, usando um modelo do último tipo, Nihous 3 (em fase de elaboração) concluiu que para o Atlântico Tropical do Hemisfério Norte, o valor disponível de potência máxima líquida por unidade de área é igual a 83 kW/km 2, superior a média mundial de 27 kW/km2. Estes valores são inferiores a 190 kW/km2 proposto por Avery e Wu (1994) para que o funcionamento de usinas OTEC não cause grandes impactos ao ambiente marinho. Como se pode observar a partir dos dados de temperatura no item 8.4, do ponto de vista termodinâmico a área em estudo apresenta possibilidade de aproveitamento da tecnologia OTEC, em concordância com afirmação de Beorse em 1978, que recomendava a construção de usinas OTEC no Brasil (JOHNSON, 2006). Contudo, não existe um estudo sobre a potência OTEC líquida disponível por unidade de área na região em estudo. Desta maneira, pode-se apenas fazer um calculo aproximado da potência líquida total dessa área, a partir das informações encontradas na literatura. A área da ZEE brasileira é igual a 3.500.000 km2; supondo que área da costa Norte mais a área da costa Nordeste/parte da costa Central em estudo corresponda a metade desse valor, então, teríamos: 1.750.000 km2 disponíveis para sistemas OTEC. Utilizando-se valores próximos daqueles fornecidos por Nihous
3

(em fase elaboração),

encontraríamos os seguintes limites de potência total líquida disponível: Limite mínimo Limite máximo 1.750.000 km2 x 30 kW/km2 = 52,5 GigaWatts (GW); 1.750.000 km2 x 80 kW/km2 = 140 GW.

Entretanto há empecilhos para o pleno uso desse recurso energético. Por exemplo, os impactos já descritos no item 8.5, resultantes de sistemas OTEC e das

103

estruturas de um possível aproveitamento de sub-produtos instalados no continente devem reduzir o número de local apropriado para essa atividade. Porém, o maior

impedimento para que este tipo de sistema OTEC seja instalado na área em estudo é a distância da linha de costa para os locais com diferenças de temperatura apropriada para funcionamento de sistemas OTEC que para Crews (1998) tem de ser no máximo de 10 km por causa do custo com o CWP. Outros autores sugerem que ela deve ser no máximo de 3 km. Conforme PETROBRAS (1979) apenas nas vizinhanças de Salvador a plataforma continental se estreita para valores inferiores a 10 km, de modo que nesta região há possibilidade de ocorrência de diferença de temperatura adequada dentro do limite de distância proposto por Crews (1998). A alternativa técnica para esse problema é o sistema OTEC instalado na plataforma continental ou do tipo flutuante. Porém, mesmo assim, na costa Norte, a rasa e muito larga plataforma continental impede ou no mínimo dificulta que as diferenças de temperatura adequadas para aproveitamento OTEC encontrem-se numa distância viável economicamente, 25 km segundo NREL (2007), para o transporte de energia (química e/ou elétrica). Estas grandes distâncias também encareceriam o transporte dos técnicos necessários para operação e manutenção desses sistemas. Aliada a essa grande distancia, fatores como a forte hidrodinâmica da plataforma continental amazônica e a presença de extensas áreas de sedimentos lamosos nesse setor dificultariam a implantação de sistemas OTEC a serem fixados no substrato da plataforma e do cabo submarino de transmissão de energia elétrica. Além do mais, como viso item 8.5, Muehe e Garcez (2005) apontam a costa Norte como uma área, de modo geral, de grande produtividade biológica. Desta forma, a operação de sistemas OTEC nessa região implicaria em possíveis impactos ambientais, já descritos no item 8.5, nos organismos marinhos. A costa Nordeste/parte da costa Central em estudo possui diferenças de temperatura adequadas para operações OTEC mais próxima da linha de costa que a ZEE/N, possibilitando o uso de usinas instaladas na plataforma continental ou do tipo flutuante. Isso diminuiria os custos com o transporte da energia dos sistemas OTEC para os usuários no continente e do transporte de pessoal para operação/manutenção dos sistemas. Em termos de produtividade biológica, essa área é de modo geral

104

considerada oligotrófica. Montes ( 2003 ) estudando a ZEE brasileira entre 5°S e 14°S concluiu que a região apresenta baixa produtividade de biomassa primária. Todavia, existem áreas de ressurgências com grande valor pesqueiro como as descritas por Okuda e Cavalcanti 22(1963 apud MONTES, 2003) a nordeste de Natal-RN. Já Muehe e Garcez (2005) consideram que o setor de maior valor pesqueiro desta área está localizado na ZEE adjacente ao Piauí, Ceará e à região norte do rio Grande do Norte (Noroeste do cabo Calcanhar). Assim, aparentemente a área mais apropriada para instalação de sistemas OTEC na área em estudo está de acordo com a sugerida por Takahashi e Trenka23 (1996 apud CREWS, 1998) que compreende um setor com extensão de 1.100 km do norte de Natal-RN ao sul de Salvador-BA. Portanto, os cálculos aproximados sobre a potência líquida disponível na área em estudo precisam ser refeitos: Área disponível: 1.100 km x 200 m.n. x 1, 852 km/m.n. = 407.440 km2. Limite mínimo: 407.440 km2 x 30 kW/km2 ≈ 12,2 GW. Limite máximo: 407.440 km2 x 80 kW/km2 ≈ 32,6 GW. Estes valores são cerca de um quarto dos limites calculados baseado apenas no ponto de vista termodinâmico. Mesmo assim, tomando como referência o limite máximo calculado, a potência disponível é maior que um terço da capacidade instalada das centrais de geração de energia elétrica do Brasil em 2005 (93,2 GW), incluindo centrais de serviço público e autoprodutoras segundo dados de Brasil (2006). Deste modo, teoricamente, o potencial OTEC na área em estudo não é irrelevante. Porém, como pode ser observado no item 6.3, o grande obstáculo a ser superado é o de ordem econômica. O custo de instalação de um sistema OTEC é de 6 a 7 milhões de US$ de 1999 segundo a tabela 3 para uma usina de 1 MW de potência bruta, com o custo da eletricidade gerada igual a 189 US$ de 1999/MWh, que transformado para reais, com o cambio atual e sem levar em conta a taxa de depreciação do dólar, resultaria em R$328,3 /MWh.
22

OKUDA, T; CAVALCANTI, L. B. Algumas condições oceanográficas na área Nordeste de Natal. Trabalhos do Instituto Oceanográfico. Recife, v. 3-4, n. 1, p. 3-25. P. 1963. 23 TAKAHASHI, P.; TRENKA, A. Ocean Thermal Energy Conversion. Nova Iorque: John Wiley & Sons , 1996. 96 p.

105

Considerando que o custo da tabela 3 se repetisse nas condições brasileiras, ele seria maior que aquele de outras fontes de energia elétrica possíveis no Brasil: R$120 a R$130/MWh para a hidroeletricidade, R$175 a R$190/MWh para gás natural com ciclo combinado, R$ 190/MWh com o uso de diesel (NAVARRO, 2006); R$133/MWh usandose carvão mineral (LEAL, 2007) e R$121,6 a R$139/MWh utilizando-se energia eólica (CENTRO BRASILEIRO DE ENERGIA EÓLICA, 2007). Contudo conforme Kobayashi (2002), uma usina OTEC de 50 MW de potência bruta teria um custo de eletricidade gerada de cerca de R$137,2/MWh, o que seria competitivo com os valores anteriormente relatados. Além do mais, numa outra perspectiva de regulação de mercado, se no uso de combustíveis fósseis pudessem ser incluídos seus custos ambientais, o preço de mercado desses recursos seriam maiores (AVERY; WU, 1994). Finalmente sistemas OTEC poderiam ser beneficiados através de mecanismos como o crédito de carbono (TAKAHASHI, 2003). Para efeito de comparação com o custo da energia das marés, pode-se levar em conta um estudo feito em 2002 pela empresa BC Hydro que concluiu que o custo da energia maremotriz variava de R$189 a R$430/MWh, com expectativa de queda no valor para R$86 a R$120,4/MWh, à medida que ocorra o desenvolvimento desta

tecnologia (MARTIN, 2004). Através de correio eletrônico, o pesquisador da COPPE, Eliab Beserra (2007), informou que o custo da energia esperado para a usina de ondas a ser instalado no porto de Pecém (CE) é de R$177,16/MWh (convertido de dólares para reais). Este pesquisador ressalta que para uma comparação mais apropriada de diferentes fontes de energia deve se levar em conta alguns fatores, como: taxa de retorno, prazo de amortização para o investimento e ainda o fator de capacidade anual do vetor energético. Assim, a princípio, a aplicação mais viável a curto prazo para a tecnologia OTEC na ZEE do setor Natal-Salvador seria o fornecimento de água dessalinizada para abastecimento de atividades comerciais, residenciais, industriais ou agrícolas, e/ou suprimento de água do mar profunda para aqüicultura. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (2002) relata que água do Oceano Atlântico poderia abastecer as cidades costeiras e toda a faixa situada a até 200 km do litoral nordestino. Isto permitiria

106

que a água hoje utilizada nas grandes cidades do nordeste pudesse ser usada no Semi-Árido. Sistemas OTEC para essa finalidade não forneceriam eletricidade; a energia produzida serviria apenas para bombeamento da água do mar e da água dessalinizada. Deste modo, estes sistemas poderiam operar com menor diferença de temperatura entre o evaporador e o condensador do que aquela necessária para uma usina OTEC geradora de eletricidade como descrito em Johnson (2006); Vega, (1999). Neste caso, haveria diminuição de custos com a necessidade de tubulações menores. A longo prazo, um mercado para a potência OTEC disponível na ZEE do setor Natal-Salvador, poderia ser a obtenção de produtos como amônia para fertilizantes, ou combustíveis como hidrogênio. Van Ryzin et al. (2005) concluíram que sistemas OTEC são os mais viáveis técnica e ambientalmente para a produção em larga escala de hidrogênio combustível. Neste estudo, estes autores afirmam que a produção anual de 40 milhões de toneladas desse combustível necessitaria de uma potência de 216 GW a partir de sistemas OTEC. Assim, esta área em estudo tem possibilidades de tomar parte num futuro mercado de hidrogênio combustível. Por último, um sistema de co-geração OTEC/usina a carvão poderia dar uma utilidade para plataformas abandonadas de petróleo, onde a usina a carvão seria a principal geradora de potência, enquanto o sistema OTEC ficaria responsável pelo seqüestro de CO2 (MASUTANI; TAKAHASHI,24 1998 apud TAKAHASHI, 2003). Dentro dessa perspectiva, estudos poderiam ser feitos para verificar a viabilidade técnica, financeira e ambiental de que apenas sistemas OTEC fossem adaptados nas plataformas abandonadas.

24

MASUTANI, S.; TAKAHASHI, P.

Proceedings of the International Ocean Alliance Floating Platform

Summit, for the Hawaii State Legislature, Honolulu, 3-5 dez. 1998.

107

10 CONCLUSÕES

No cenário mundial, as áreas mais promissoras para implantação de sistemas OTEC estão localizadas na região do Pacífico Oeste. Comercialmente ainda não está estabelecido um tipo padrão para sistemas OTEC, contudo, pela possibilidade de redução de gastos com a produção em grande escala, a escolha deverá ser por sistemas flutuantes. Quanto ao ciclo do fluido, a opção dependerá, embora não exclusivamente, do desejo ou não de se ter água dessalinizada como subproduto do sistema. Para efetivar uma transição de fase de testes para uma fase comercial de sistemas OTEC, investidores públicos ou privados deveriam se informar sobre o trabalho do Natural Energy Labortatory of Hawaii Authority (NELHA) e do Institute of Ocean Energy of Saga University (IOES), além de empresas privadas como OCEES International, Inc.. No Brasil, faz- se necessário pesquisas não somente sobre o potencial OTEC, bem como de outros tipos de recursos energéticos oceânicos e suas limitações. Uma boa proposta nesse sentido é a de um Programa Nacional de Energias Renováveis do Mar, defendido pelo pesquisador Segen Estefen da COPPE (Furtado, 2006). Neste programa, seriam mapeados os recursos da costa e do mar territorial brasileiro, além disso, haveria estímulo a cooperação com a indústria elétrica. Neste trabalho de conclusão de curso, defende-se, apenas, que a área de investigação desses recursos inclua também a ZEE. Devido às limitações técnicas, econômicas e ambientais, não se deve encarar sistemas OTEC como a única fonte alternativa de energia renovável para o Brasil. Ela deve ser uma opção dentre um conjunto de outras fontes possíveis. Para a correta avaliação da potência elétrica líquida disponível a partir de sistemas OTEC nas condições oceanográficas da ZEE em estudo é preciso o desenvolvimento de modelos numéricos para este fim, além de medições de temperatura na área em estudo para a correta calibragem dos modelos.

108

Por

ora,

devido

o

desenvolvimento

tecnológico

atual

desses

sistemas

(especialmente o baixo rendimento) e seu custo, provavelmente, eles não seriam utilizados para a produção de energia elétrica na área em estudo, a não ser, talvez, para as ilhas da região. Porém, pode-se pensar no uso de sistemas OTEC para a implantação de uma indústria baseada nas aplicações de água oceânica profunda. Desta forma, na costa Norte, OTEC seria viável provavelmente apenas por sistemas flutuantes em áreas limítrofes às águas internacionais, e caso existisse no mercado a procura por um produto passível de ser obtido nestes sistemas (por exemplo, hidrogênio, amônia ou metanol) a um preço competitivo com outras fontes desses produtos. O mesmo raciocínio pode ser aplicado à área da ZEE em torno das ilhas oceânicas da costa Nordeste/parte da costa Central. No Brasil, o trecho da ZEE entre Natal e Salvador é a região com maior potencial para implantação de sistemas OTEC. Nele, próximo de Salvador, ocorre o maior estreitamento da plataforma continental brasileira, de modo, que há possibilidade de se encontrar diferenças de temperatura adequadas para funcionamento de usinas OTEC, com a menor distância possível entre o ponto de implantação da usina e a linha de costa na área em estudo. Isto diminuiria os custos com o envio de energia para o continente, além de facilitar o transporte dos técnicos para a operação e manutenção da usina. Desta maneira, essa área é a mais propicia para implantação de sistemas OTEC pilotos para análise da viabilidade destes sistemas nas condições

oceanográficas da ZEE em estudo.

109

REFERÊNCIAS ABAURRE, M. da G. B. et al. Plano de manejo do parque estadual de Itaúnas: Meio físico. Vitória: PETROBRÁS/CEPEMAR – Serviços de consultoria em meio ambiente Ltda. 2004. Disponível em: <http://www.iema.es.gov.br/download/OceanografiaA.pdf>. Acesso em 20 out. 2007. ABREU, M. W. M. de. Estudo das massas d’águas oceânica da plataforma continental Norte entre as latitudes 01°29’06”N, 00°27’29,88”N, 00°45’59,76”N e 00°23’30”S e longitudes 47°18’57,6”W, 48°16’48”W, 46°35’16,8”W e 47°23’42”W e suas características físicas. 2004. 71f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Oceanografia) – Centro de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2004.
®

ALMEIDA, E. G. de. As fontes de energia do oceano. AmbienteBrasil Notícias . 2007. Disponívelem:<http://www.ambientebrasil.com.br/noticias/index.php3?action=ler&id=33478>. Acesso em: 23 set. 2007.

AQUINO, F. E.; SETZER, A. O clima da Amazônia azul . In: Chaves, P. de T.(Org.). O mar no espaço geográfico brasileiro. Brasília: Ministério da educação, Secretaria de educação básica, 2005. (Coleção explorando o ensino, v.8).p.226-230.Disponível em: <http://www.cptec.inpe.br/prod_antartica/publicacoes/2005_clima_amazonia_azul.pdf>. Acesso em 21 out. 2007. AVERY, W. H.; BERL, W. G. Solar energy from the tropical oceans. Issues in science and technology on line. Dallas: Universidade do Texas, 1997. Disponível em: <http://www.issues.org/14.2/index.html>. Acesso em: 7 out. 2007.

AVERY, W. H.; WU, C. Renewable energy from the ocean: a guide to OTEC. Oxford: Oxford University Press, 1994. 450p. Disponível em: < http://books.google.com/books?hl=ptBR&lr=&id=HP3BXSWeQwIC&oi=fnd&pg=PP7&dq=otec+wu+avery&ots=zJ66mUXydT&sig=MJeeugU nUbjKsp1o5n0KUZTxMck >. Acesso em: 06 jun. 2007.

BAHIA. Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH). Centro de Recursos Ambientais (CRA). Projeto de gerenciamento costeiro: Diagnóstico oceanográfico e proposição de disciplinamento de usos da faixa marinha do litoral norte do Estado da Bahia. Salvador, 2003. BASTOS, M. N. C. ; SENNA, C. ; COSTA NETO, S. V. Comunidades vegetais em paisagens litorâneas do estado do Pará: as restingas do Crispim e Algodoal. In: Furtado, L.G.; QUARESMA, H. D. B. (Org.). Gente e ambiente no mundo da pesca artesanal. Belém: Goeldi Editoração, 2002. p. 239-258.

110

BEAVIS, A.; CHARLIE, R. C.; MEYE, C. De. On-shore siting of OTEC plants. In: OCEANS, 17., 1986, [?]. Anais ... Whasington DC : Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE). IEEE publications, vol 18, p.174 179 , 1986.Disponível em: <http://ieeexplore.ieee.org/xpl/freeabs_all.jsp?arnumber=1160537>. Acesso em: 10 out. 2007.

BÉGUERY, M. A exploração dos oceanos: a economia do futuro. São Paulo: DIFEL/ Difusão Editorial S.A. 1979. 137p. BEORSE, B. Shamcher Beorse - OTEC history: letters of 1977. Disponível em: <http://shamcher.wordpress.com/otec-history/>. Acesso em 30 ago. 2007.

BESERRA, E. R. Estudante de oceanografia Belem-PA [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por <jjoceano@oi.com.br> em 21 ago. 2007.

BIAGUE, M. F. Planejamento integrado de recursos energéticos no oeste do Estado de São Paulo - Módulo 3: Produção de energia e impactos ambientais. In: SIMPÓSIO DE ÁGUAS E ENERGIA, 2., 2006, Araçatuba. Palestra em slides. BRANCO, S.M. Energia e meio ambiente. 2. ed. reform. São Paulo: Moderna, 2004. (Coleção Polêmica). 144p.

BRASIL. Marinha. Diretoria de Hidrologia e Navegação. CXXV Comissão oceanográfica: Operação nordeste III NOc. Almirante Saldanha (22/04 a 12/07/86). Niterói, 1986.

_______. Marinha. Diretoria de Hidrologia e Navegação. CXXXIII Comissão oceanográfica: Operação Bahia I costa leste – oceanografia física, química, biológica e geologia marinha NOc. Almirante Saldanha (20/05 a 26/05/87). Niterói, 1987.

_______. Marinha. Diretoria de Hidrologia e Navegação. CXXXV Comissão oceanográfica: Operação Pavasas I costa norte – oceanografia física, química, biológica e geológica NOc. Almirante Saldanha (28/06 a 19/09/87). Niterói, 1989a.

_______. Marinha. Diretoria de Hidrologia e Navegação. CXL Comissão oceanográfica: Operação Monitor III costa leste – oceanografia física, química e biológica NOc. Almirante Saldanha (15/09 a 17/11/88). Niterói, 1989b.

111

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Empresa de Pesquisa Energética. Balanço energético nacional 2006: Ano base 2005. Rio de janeiro, 2006. Disponível em: <http://www.mme.gov.br/site/search.do?previousQuery=matriz+energetica+brasil&pageNum=1>. Acesso em: 15 mai. 2007.

_______. Ministério do Meio Ambiente. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Ecossistemas brasileiros costeiros. Brasília, 2007. Disponível em: http:<//www.ibama.gov.br/>. Acesso em 6 nov. 2007.

BRITISH Petroleum. Statistical Review of World Energy 2007 . Londres: British Petroleum publications. 2007. Disponível em: <http://www.bp.com/productlanding.do?categoryId=6848&contentId=70334 71>. Acesso em 11 nov. 2007.

BROWN, E. et al. Seawater: its composition properties and behaviour. 2. ed. Oxford: Pergamon Press, 1995. (Série The Oceanography Course Team). 168p.

BROWN, M. G.; GAUTHIER, M.; MEURVILLE, J. George Claude's Cuban OTEC experiment: a lesson of tenacity for entrepreneurs. International OTEC/DOWA Association (IOA) Newsletter. HsinChu , n.4, vol. 13, 2002. Disponível em: <http://www.clubdesargonautes.org/otec/vol/vol13-4-2.htm>. Acesso em: 30 ago. 2007.

CENTRO brasileiro de energia eólica. Custo da energia eólica. Recife, 2007. Disponível em: < http://www.eolica.org.br/index_por.html>. Acesso em: 15 nov. 2007.

CIÊNCIA viva. Diário de bordo. 2004. Disponível em: <http://www.cienciaviva.pt/projectos/semapp/diario1.asp>. Acesso em: 20 set. 2007.

CIRANO, M. et al. A circulação oceânica de larga-escala na região oeste do Atlântico Sul com base no modelo de circulação global OCCAM. Revista Brasileira de Geofísica. São Paulo, ano 25, vol. 24, n. 2, p. 209-230, abr./jun. 2006. Disponível em: < http://www.mcirano.ufba.br/ftp/articles/cirano_et_al_2006.pdf >. Acesso em: 27 abr. 2007.

CLIMA. Classificação dos climas do Brasil. EMBRAPA florestas. 2007. Disponível em: < http://www.cnpf.embrapa.br/pesquisa/efb/temp/clima.htm>. Acesso em 25 out. 2007.

112

CLUB des argonautes. A study of impacts from the seawater intakes and effluent discharge associated with ocean thermal energy conversion (OTEC). 2006. Disponível em: <http://www.clubdesargonautes.org/energie/etmupwellingseng.htm>. Acesso em 25 set. 2007.

COOPERATIVE Institute For Meteorological Satellite Studies (CIMSS). General circulation of the atmosphere. Madison: University of Wisconsin-Madison, [2007?]. Disponível em: <http://cimss.ssec.wisc.edu/wxwise/class/gencirc>. Acesso em: 25 ago. 2007. CREWS, R. OTEC Sites. Aquarius rising prospectus on line. [?]: First Millennial Foundation, fev. 1998. Disponível em: <http://www.trellis.demon.co.uk/reports/otec_sites.html >. Acesso em: 23 out. 2007. DARDENGO, L.V.; SILVA, L. C. F. da. Análise comparativa dos dados oceanográficos físicos da região central da costa brasileira para condições de primavera – programa REVIZEE. In: SEMANA NACIONAL DE OCEANOGRAFIA, 11., 1998, Rio Grande. Resumos expandidos. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas. Editora Universitária, 1998. p. 354-356.

DUNN, H. S. Optimization of an ocean thermal energy conversion system. Ocean Engineering. Oxford, vol.4, n.1, p.23-39. Mar. 1977.

ESTADOS UNIDOS. National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA). Sea surface temperature images. 2007. Disponível em: <http://www.osdpd.noaa.gov/PSB/EPS/SST/da ta/FS_km5000.gif>. Acesso em: 24 ago. 2007.

EUROPEAN Centre for Information on Marine Science and Technology (EUROCEAN). OTEC. 2004. Disponível em: < http://www.eurocean.org/contents.php?id=68>. Acesso em: 01 set. 2007.

FILGUEIRAS, O. Vigia de ventos e ondas. Pesquisa FAPESP. São Paulo: n. 62, p.5055, mar. 2001.

FRAZÃO, E.P. Estudo dos parâmetros físicos de temperatura e salinidade na plataforma continental do Maranhão entre as latitudes de 0°80’S e 2°20’s e longitudes de 44°40’W e 43°25’W: uma analise ambiental. 2001. 87 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Geologia) – Centro de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2001. FURTADO, F.; Tsunami energético. Ciência Hoje. Rio de Janeiro, vol. 38, n.227, p.5051, jun. 2006.

113

GALÁN , A. E.; GUERRA, U. G. A elevação dos preços do petróleo coloca novamente a energia nuclear no centro do debate energético mundial. Universidade da Pensilvânia, Wharton School, 2006. Disponivel em: <http://www.wharton.universia.net/index.cfm?fa=viewfeature&id=1205&language=portug uese>. Acesso em: 02 out. 2007.

GAUTHIER, M. Introducing Marine Energy Systems. Le Club des Argonautes, 2003. Disponível em: < http://www.clubdesargonautes.org/energie/energies.htm>. Acesso em: 07 de set. 2007.

GAUTHIER. La découverte des grands fonds, L'Energie Thermique des Mers (ETM). Issy-les-Moulineaux: Institut Français de Recherche pour l'Exploitation de la Mer (Ifremer). 2004. Disponível em: <http://www.ifremer.fr/exploration/enjeux/etm/index.htm>. Acesso em 12 out. 2007.

____________. Proposal for a European contribution to the development of the exploitation of the marine resource known as "Ocean Thermal Energy Conversion OTEC" for the production of electricity and fresh water in the Ultra Peripheral Regions of the Union. Le Club des Argonautes, 2006. Disponível em: <http://www.clubdesargonautes.org/energie/plaidoyeren.htm>. Acesso em: 01 set. 2007.

GONÇALVES, J. B. Direitos brasileiros de Zona Econômica Exclusiva e de Plataforma Continental em torno do arquipélago de São Pedro e São Paulo. Senado federal. Consultoria legislativa. Disponível em: < http://www.senado.gov.br/web/conleg/artigos/direito/DireitosBrasileirosdeZona.pdf>. Acesso em 15 out. 2007.

GOOGLE Earth. Banco de imagens de satélite. Estados Unidos. Image NASA, Europa Technologies, Tele Atlas, TerraMetrics, 2007.

GRIMM, A. M. Meteorologia básica: Notas de aula. Curitiba: UFPR, 1999. Disponível em: <http://fisica.ufpr.br/grimm/aposmeteo/cap2/cap2-1.html>. Acesso em 25 ago. 2007.

HALL, C.; GRAHAM, G. Scanning probe microscopes (SPM) applications in geochemistry and minerals technology. TopoMetrix Applications Newsletter. Santa Clara, vol. 96. 1996. Disponível em: <http://elchem.kaist.ac.kr/jhkwak/TopometrixWeb/geochem.htm>. Acesso em 26 ago. 2007.

HALLIDAY, D; RESNICK, R; WALKER, J. Fundamentos de física 2: gravitação, ondas e termodinâmica. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1996. 292p.

114

HEMPEL. Tintas marítimas. 2007. Disponível em: http:<//www.hempel.pt/internet/ineptc.nsf/vHEMPELDOC/7C4C688BC6EC3291C1256BE4004E1518?O penDocument&1>. Acesso em: 30 set. 2007.

HORBUND, H. M.; FREIBERGER, A. Slime films and their role in marine fouling: a review. Ocean Engineering. Oxford, v.1, n.6 , p. 631-633. 1977.

INNOCENTINI, V. et al. Marulhos no Litoral Norte do Brasil Geradas por Furacões: caso 24 de Outubro de 1999. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 11., 2000, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2000. Disponível em:< http://www.lamma.ufrj.br/spo/teses/frameset_teses.htm>. Acesso em 29 out. 2007.

INSTITUTE of Ocean Energy of Saga University (IOES). OTEC. 2005. Disponível em: < http://www.ioes.saga-u.ac.jp/>. Acesso em: 03 set. 2007.

INTERGOVERNMENTAL Panel on Climate Change (IPCC). Working group I: the scientific basis. Third Assessment Report: Climate Change 2001. Genebra, 2001. Disponível em: < http://www.ipcc.ch/ >. Acesso em: 14 jun. 2007.

_________________________________________. Working group I: the scientific basis. Fourth Assessment Report: Climate Change 2007. Genebra, 2007. Disponível em: < http://www.ipcc.ch/ >. Acesso em: 16 jun. 2007.

JOHNSON, M. Shamcher: A memoir of Bryn Beorse and his struggle to introduce ocean energy to the United States. Vancouver: Alpha Glyph Publications Ltd., 2006. 134p. Disponivel em: <http://www.shamcher.org/resources/MansurShamcherMemoir.pdf>. Acesso em: 13 ago. 2007.

JONES, W.J.; RUANE, M. Alternative electrical energy sources for Maine: Report n°. MIT-E1 77-010. Cambridge: Massachusetts Institute of Technology, 1977. Disponível em: <http://dspace.mit.edu/bitstream/1721.1/31237/11/MIT-EL-77-010-J-05238394.pdf>. Acesso em: 7 nov. 2007.

KENNETT, J. Marine Geology. New Jersey: Prentice Hall, 1982. 813p. KOBAYASHI, H. “Water” from the ocean with OTEC. Forum on desalination using renewable energy, 1., 2002, Koror. Anais… Saga: Saga University. Institute of Ocean Energy. 2002. Disponivel em: <http://www.ioes.saga-u.ac.jp/FDE2002/02_Hitachi%20Zosen(f).pdf>. Acesso em 01 out.2007.

115

KRYGIER, J. B. Introduction to physical geography and environmental studies : Introduction to Earth's atmosphere. Ohio: Ohio Wesleyan University, 2005. Disponível em : <http://go.owu.edu/~jbkrygie/krygier_html/geog_111/geog_111_lo/geog_111_lo05.html>. Acesso em: 21 ago. 2007.

LAQUE, F.L. Deterioration of metals in an ocean environment. Ocean Engineering. Oxford, vol.1, n.3, p. 299-312. 1969. LEAL, A. O lobby das termelétricas. 2007. Artigo da revista Epoca n. 468 em Clipping – Notícias nos veículos de comunicação no país - Ministério do Planejamento. Disponível em: < http://clipping.planejamento.gov.br/Noticias.asp?NOTCod=352765>. Acesso em: 15 nov. 2007.

LENT, P. Jovem pesquisador desenvolve tinta antiincrustante. C H on-line. Rio de Janeiro, jul. 2000. Disponível em: <http://ich.unito.com.br/3790>. Acesso em: 30 set. 2007.

LEROUX, M. Aquecimento global: uma impostura científica. Fusion, n. 95, p.[?], mar/abr. de 2003. Disponível em : <http://resistir.info/climatologia/impostura_cientifica.html>. Acesso em: 13 ago. 2007.

LEVRAT, D. OTEC: OcéanoThermie. David Levrat personal home page. 2004. Disponível em: <http://home.tele2.fr/levrat/Etude_OTEC_Levrat.pdf>. Acesso em: 5 nov. 2007.

LOCARNINI, R. A. et al. World Ocean Atlas 2005: Temperature. S. Levitus: Ed. NOAA Atlas NESDIS 61, U.S. Government Printing Office, Washington, D.C., 2006. Vol.1. 182 p. Disponível em: <http://www.nodc.noaa.gov/cgi-bin/OC5/WOA05F/woa05f.pl>. Acesso em 4 de Nov. 2007.

MACKENZIE, J. J.; AVERY, W.H. Ammonia fuel: the key to hydrogen-based transportation. In: ENERGY CONVERSION ENGINEERING CONFERENCE, 31.,1996. Washington. Anais... Washington DC: IEEE. IEEE Publications, vol. 3, p. 1761-1766, 1996.Disponívelem: <http://ieeexplore.ieee.org/xpl/tocresult.jsp?isnumber=11981&isYear=1996&count=123&page=1&ResultSt art=25>. Acesso em: 26 set 2007.

MAGALHÃES, L. Brasil traça mapa para pesca sustentável. Projeto Potenciais Impactos Ambientais do Transporte de Petróleo e Derivados na Zona Costeira Amazônica (PIATAM mar). 2006. Disponível em: <http://www.naea.ufpa.br/piatammar/noticias.aspx?OP=N&cod=171>. Acesso em 16 out. 2007.

116

MAIDA, M.; FERREIRA, B. P. Os recifes de coral brasileiros. In: ESKINAZI-LEÇA, E.; NEUMANN-LEITÃO,S.; COSTA, M. F. da (Orgs.). Oceanografia: um cenário tropical. Recife: Edições Bagaço, 2004. p. 617-640.

MÅRTENSSON, L. Lena Mårtensson personal home page. 2005. Disponível em: <http://vivaldi.zool.gu.se/PersonalPages/LenaMartensson/LenaMartensson.htm>. Acesso em: 28 set. 2007.

MARTIN, B. Tidal Energy. BC Sustainable Energy Association. 2004. Disponível em: < http://www.bcsea.org/sustainableenergy/tidal.asp>. Acesso em 05 abr. 2008.

MÁXIMO, A.; ALVARENGA, B. Curso de física. 5ª ed. São Paulo: Scipione, 2000. vol. 2. 415p.

MENEZES, V. V. Relação entre processos físicos e a cor do Oceano Atlântico tropical. 1999. 177 f. Dissertação (Mestrado em Sensoriamento Remoto). Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, 1999.

MISKULIN, R. G. S. A Geometria através da estrelas. Campinas: UNICAMP, 2001.Disponível em: <http://www.cempem.fae.unicamp.br/lapemmec/cursos/el654/2001/juliana_e_vera/EL65 4/menu2.htm>. Acesso em 24 ago. 2007.

MONTES, M. de J. F. Fatores que influenciam na produtividade dos oceanos: a importância do fluxo de difusão de nutrientes para a biomassa do fitoplâncton na região oceânica do nordeste brasileiro. 2003. 198 f. Dissertação (Mestrado em Oceanografia) – Departamento de oceanografia, Universidade Federal de Pernambuco , Recife, 2003.

MORSE, J. W.; KANEL, J.; Craig, Jr, H. L. A literature review of the saturation state of seawater with respect to calcium carbonate and its possible significance for scale formation on OTEC heat exchangers. Ocean Engineering. Oxford, vol.6, n.3 , p. 297315.1979.

MUEHE, D. O litoral brasileiro e sua compartimentação. In: CUNHA, S. B. da; GUERRA, A. J. T. (Org.). Geomorfologia do Brasil. 3. ed. Rio de janeiro: Bertrand Brasil LTDA. 2003. p. 273-349. _

117

MUEHE, D.; GARCEZ, D. S. A plataforma continental brasileira e sua relação com a zona costeira e a pesca. Mercator - Revista de Geografia da UFC. Fortaleza, ano 4, n.8, p.69-88, 2005.Disponívelem: <http://www.mercator.ufc.br/revista%20mercator%208%20em%20pdf/mercator%208%20dieter.pdf>. Acesso em 01 11 2007.

NATIONAL Institute of Ocean Technology (NIOT). Ocean thermal energy conversion. 2004. Disponível em: < http://www.niot.res.in/ >. Acesso em: 30 set. 2007.

NATIONAL Renewable Energy Laboratory (NREL). Ocean Thermal Energy Conversion. 2007. Disponível em:< http://www.nrel.gov/otec/>. Acesso em: 25 ago. 2007.

NATURAL Energy Laboratory of Hawaii Authority (NELHA). NELHA research articles and bibliography: Ocean Related Topics. 2007. Disponível em: <http://www.nelha.org/index.asp>. Acesso em: 01 set. 2007. NAVARRO, T. Custos ambientais podem elevar preço de energia. Estadão.com.br. São Paulo, 28 out. 2006. Ciência e Meio Ambiente. Disponível em: <http://estadao.com.br/ciencia/noticias/2006/out/28/138.htm >. Acesso em 15 nov. 2007.

NESHYBA, S. Oceanography: perspectives on a fluid Earth. New York: John Wiley & Sons, Inc., 1987. 506p. OCEAN Engineering & Energy Systems (OCEES). OTEC. 2007. Disponivel em: < http://www.ocees.com/mainpages/otec.html>. Acesso em: 20 set. 2007.

OCEAN thermal energy conversion . 2007. Disponível <http://www.answers.com/otec?cat=technology>. Acesso em : 26 2007.

em: ago.

ODUM, H. T. et al. Ecossistemas e políticas públicas. Campinas: Laboratório de Engenharia Ecológica/Unicamp, 1997. Disponível em: <http://www.unicamp.br/fea/ortega/eco/index.htm>. Acesso em 01 out. 2007.

OFFICE of technology assessment (OTA). Oceans program staff. Technical memorandum on recent developments in ocean thermal energy. Washington, DC, 1980. Disponível em: <http://govinfo.library.unt.edu/ota/Ota_5/DATA/1980/8016.PDF>. Acesso em 26 set. 2007.

118

OFFSHORE Infrastructure Associates, Inc. (OIA). History of OTEC. 2007. Disponível em: <http://www.offinf.com/>. Acesso em: 31 ago. 2007.

OGDEN, J. Economia movida a hidrogênio. Scientific american. São Paulo, ano 5, n.53, p.72-79, out. 2006. (ed. especial Brasil).

OLIVA, J. ; GIANSANTI, R. Espaço e Modernidade : Temas da Geografia do Brasil. São Paulo: Atual, 1999. 360p.

ORTEGA, E. Engenharia de alimentos e meio ambiente: Método de ensino à distância. Campinas: Laboratório de engenharia ecológica e informática Aplicada/Unicamp, 2002. Disponível em: < http://www.unicamp.br/fea/ortega/plan-disc/TA530-1a.htm>. Acesso em: 01 out. 2007.

PACIFIC Islands Applied Geoscience Commission (SOPAC). OTEC energy. 2005. Disponível em:<http://www.sopac.org/tiki/tiki-index.php?page=OTEC%20Energy>. Acesso em: 15 set. 2007. PANTELL, S. E et al. Seawater desalination in California. California Coastal Commission. San Francisco, 1993. Disponível em: <http://www.coastal.ca.gov/desalrpt/dtitle.html#TOCDesalination>. Acesso em 11 nov. 2007.

PETROBRÁS. Reconhecimento global da margem continental brasileira (Projeto REMAC). Geomorfologia da margem continental brasileira e das áreas oceânicas adjacentes (Relatório final). Rio de Janeiro: CENPES, DINTEP, 1979. (Série Projeto REMAC, n.7).

RADOVIC, L. R. Energy and fuels in society. Pensilvania: Penn State University, 1998. 460p. Disponível em: <http://www.ceu.hu/crc/Syllabi/west-syllabi/documents/Envsci/env5.html>. Acesso em: 9 out. 2007.

RAVINDRAN, M. The Indian 1 MW floating OTEC plant - An overview. IOA Newsletter. HsinChu, ano 10, n. 2, vol.11, [?] 2000. Disponível em: <http://www.clubdesargonautes.org/otec/vol/vol11-2-1.htm>. Acesso em: 04 set. 2007.

ROSA, L.P. Os desafios energéticos brasileiros. Scientific American. São Paulo, ano 5, n. 53, p. 90-93, out. 2006. (ed. especial Brasil).

119

ROSE, R. E. Ocean thermal energy conversion power plants: My role in the NOAANMFS preliminary fishery impacts study. 1985. 151 f. Dissertação parcial (Master of Science) – College of Oceanography, Oregon State University, Corvallis, 1985. SANDS, M. D. Environmental impact assessment for operational OTEC platforms. In: OCEANS IEEE CONFERENCE, [?], 1979, [?]. Anais...Washington, DC: IEEE. IEEE publications. 1979. vol. 10. p. 546-547. Disponível em: <http://ieeexplore.ieee.org/xpl/freeabs_all.jsp?tp=&arnumber=1151347&isnumber=25887>. Acesso em: 10 nov. 2007.

SILVA, A. C. da. Campos de temperatura e salinidade na plataforma continental do Amazonas, durante a descarga mínima (outubro de 1997) do rio amazonas: uma análise ambiental. 2000. 67 f.Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Geologia) – Centro de Geociências, Universidade federal do Pará, Belém, 2000.

___________. An analysis of water properties in the western tropical Atlantic using observed data and numeric model results. 2006. 135 f. Tese (Doutorado em Oceanografia) – Centro de Tecnologia e Geociências, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

___________; ARAÚJO, M.; BOURLÈS, B. Variação sazonal da estrutura de massas de água na Plataforma Continental do Amazonas e área oceânica adjacente. Revista Brasileira de Geofísica, São Paulo, ano 24, vol.2, n.23, p.145-157, jun. 2005. SISTEMA de previsão de ondas/UFRJ. Modelo ATLASUL/UFRJ. Análise para 30 de outubro de 2007 (00h). 2007. Disponível em : <http://www.lamma.ufrj.br/spo/previsoes/UFRJWAV/WWATCH_GB/frameset_watch.htm >. Acesso em: 30 out. 2007.

SKINNER, B.J.; TUREKIAN, K.K. Homem e o oceano. São Paulo: Ed. Blücher, 1988. 155p.

SMITH, G. F. Ocean electrical energy generation: an overview and potential for Oregon's territorial sea. 1987. 45 f. Dissertação parcial (Master of Science ) - College of Oceanography, Oregon State University , Corvallis, 1987. Disponível em: <http://ir.library.oregonstate.edu/dspace/bitstream/1957/6580/1/Gary_Frederick_Smith_ ocr.pdf>. Acesso em: 7 nov. 2007.

120

SOCIEDADE Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Água do oceano pode reduzir problemas de abastecimento no Nordeste. Jornal da Ciência. São Paulo, 30 abr. 2002. Disponível em: <http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=2010>. Acesso em: 16 nov. 2007.

SOUZA, J. M. de. Mar territorial, zona econômica exclusiva ou plataforma continental?. Revista brasileira de geofísica. São Paulo, vol.17, n.1, p.79-82, mar. 1999.

TAKAHASHI, P. Energy from the sea: the potential and realities of ocean thermal energy conversion (OTEC). In: IOC BRUUN MEMORIAL LECTURES, 21., 2003, Paris. Anais... Paris: United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (UNESCO). UNESCO publications. 2003. p. 143. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001352/135278e.pdf>. Acesso em 5 out. 2007.

THURMAN, H.V.; TRUJILLO, A.P. Introductory oceanography. 10 ed. New Jersey: Pearson Prentice Hall, 2004. 608p.

TORRES, L. C. et al. Base de dados batimétricos para o Atlântico Sul. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CARTOGRAFIA, 21., 2003. Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais. 2003. Disponível em: <http://www.cartografia.org.br/xxi_cbc/046-H02.pdf >. Acesso em: 05 nov. 2007. UNIVERSIDADE Santa Cecília (UNISANTA). Oceanografia: correntes oceânicas e massas d‟águas. Santos, 2007. Disponível em: <http://cursos.unisanta.br/oceanografia/correntes_marinhas.htm>. Acesso em 24 out. 2007. UNIVERSITY Corporation for Atmospheric Research (UCAR). Windows to the universe. Temperature of the ocean water. Boulder, 2001. Disponível em: <http://www.windows.ucar.edu/tour/link=/earth/Water/temp.html&edu=mid&back=/searc h/search_navigation.html>. Acesso em: 25 ago. 2007.

UOL Economia. Petróleo Texas cai para a casa dos US$ 80 no mercado de Nova York. Bol notícias. Brasil, 2 out. 2007. Economia. Disponível em: < http://noticias.bol.uol.com.br/economia/2007/10/02/ult1767u104122.jhtm>. Acesso em 03 out. 2007.

UVO, C. B. Influence of sea surface temperature on rainfall and runoff in Northeastern south America: Analysis and modeling. 1998. 175 p. Tese (Doutorado em Meteorologia) – Department of Water Resources Engineering, Lund University, Lund, 1998.

121

WILDE, P. Environmental programs for ocean thermal energy conversion (OTEC). OCEANS IEEE CONFERENCE, [?], 1981, Boston. Anais…Washington, DC: IEEE. IEEE publications. 1981. vol. 13. p. 854-861. Disponível em: <http://ieeexplore.ieee.org/xpl/freeabs_all.jsp?arnumber=1151568>. Acesso em: 12 nov. 2007.

WORLD ENERGY COUNCIL (WEC). Survey of energy resources 2001. Londres, 2001.Disponível em: <http://kier.re.kr/download.html?idx=2447&d_idx=1&filename=20051107_Otec.pdf&table=board>. Acesso em: 23 set. 2007.

______________________________. Survey of energy resources 2007. Londres, 2007. Disponivel em: <http://www.worldenergy.org/publications/survey_of_energy_resources_2007/default.asp>. Acesso em 02 out. 2007. WU, J. Y. Deep Ocean Water: An Underwater Gold Mine. Industrial Technology Research Institute (ITRI) Today. Hsinchu, ano [8?], n. 44, p.1-4, jan/fev/mar. de 2006. Disponível em: <http://www.itri.org.tw/eng/about/download/itri-today/20061st.pdf >. Aceso em: 03 set. 2007.

VAN RYZIN, J. et al. The hydrogen economy of 2050: OTEC driven?. In: IEEE/MARINE TECHNOLOGY SOCIETY OCEANS CONFERENCE, 36., 2005, Washington, DC. Anais… Washington, DC: IEEE. IEEE publications. 2005. vol. 3. p. 26752682. Disponível em: <http://ieeexplore.ieee.org/xpl/freeabs_all.jsp?tp=&arnumber=1640177&isnumber=34367>. Acesso em: 16 nov. 2007.

YEH, R.H.; SU, T.Z.; YANG, M.S. Maximum output of an OTEC power plant. Ocean Engineering. Amsterdam, ano 36, n. 32, p. 685-700, abr. 2005. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science?_ob=ArticleListURL&_method=list&_ArticleListID=615290808&_so rt=d&view=c&_acct=C000050221&_version=1&_urlVersion=0&_userid=10&md5=5b60b5d3755d073041 e1d507ccfdbd8f>. Acesso em 23 jul. 2007.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful