ERGONOMIA INFORMACIONAL: PROJETO DE SINALIZAÇÃO PARA PARQUE ECOLÓGICO NA CIDADE DE MANAUS INFORMATIONAL ERGONOMICS: SIGNAL DESIGN FOR ECOLOGICAL

PARK IN MANAUS
Gauthier, Elizabeth Souza1, Almeida, Marina Silva de2, Oliveira, Rayssa Mendonça de3, Mota, Sheila Carvalho4, Falcão, Franciane5 (1) Acadêmica,Universidade Federal do Amazonas e-mail: bethgauthier@hotmail.com (2) Acadêmica,Universidade Federal do Amazonas e-mail: niina_14@hotmail.com (3) Acadêmica,Universidade Federal do Amazonas e-mail: rayssaoliveira_@hotmail.com (4) Msc,Universidade Federal do Amazonas e-mail: sheimota@yahoo.com.br (5) Msc,Universidade Federal do Amazonas e-mail: francifalcao@gmail.com.br

Sinalização, Parque Ecológico, Ergonomia
O objetivo do referente trabalho é foi desenvolver um sistema de sinalização eficiente para o parque ecológico Bosque da Ciência localizado na cidade de Manaus. O estudo faz referência a conceitos de visibilidade, legibilidade, cognição e interação dos usuários com o sistema sinalizador, a fim de que a proposta desenvolvida possa fazer com que a sinalização alcance seu objetivo atendendo às necessidades dos usuários.

Signaling,Ecological Park, Ergonomics
The aim of this paper referring was to develop an efficient signaling system for the ecological park Bosque da Ciência in the City of Manaus. The study refers to the concepts of visibility, readability, cognition and user interaction with the signaling system, in order that the proposal developed can cause the signal to reach its goal meeting the needs of users.

1. Introdução O Bosque da Ciência é um parque ecológico localizado na zona central leste da cidade de Manaus. É um ponto turístico muito conhecido por fazer parte de um dos mais importantes institutos de pesquisa da cidade, o INPA (Instituto Nacional de Pesquisa do estado do Amazonas). O parque atende aos moradores locais, estudantes e turistas nacionais e internacionais, e dispõe de atrações animais, compondo um pequeno zoológico com exposição de fauna e flora, possui alguns pontos de comércio como feiras de artesanato e loja de lembranças referentes às atrações locais, juntamente com tudo isso o bosque também expõe os resultados das pesquisas realizadas pelo INPA para o público visitante. 2. Problema

A ocupação do mesmo refere-se a uma área de 13 hectares, sendo a sua maior parte composta ao ar livre. Através da realização de um estudo de campo, foi possível identificar alguns problemas referentes à sinalização do local (Figura 01), tais como: falta de legibilidade, visibilidade e durabilidade das placas sinalizadoras, demonstrando que elas não foram projetadas com base nas condições climáticas da região onde se localiza, nem suas cores foram pensadas a fim de destacarem em meio a vegetação, falta de padronização do sistema de sinalização vigente, falta de visibilidade de monitores “guias” por conta do uniforme, falta de padronização e uniformidade pictográfica, entre outros problemas. Estes fatores acabam fazendo com que os visitantes, sentindo dificuldade na sua orientação, recorram a obtenção de informações verbalizadas de funcionários, muitas vezes inaptos a fornecer tais informações, a respeito de coisas já especificadas no

mas de uma maneira diferente. onde todos os elementos sinalizadores remetem à identidade visual desenvolvida. espaçamento entre palavras e etc). ser de alta durabilidade e evitar o reflexo da luz solar. padronizado. através de signos visuais e elementos sinalizadores referenciais. fazendo com que a sinalização cumpra corretamente com as suas funções de orientar os visitantes. 4. direcionais e identificativos. Cada alternativa é representante de um conceito diferenciado. o material utilizado nos elementos sinalizadores deve resistir à intempéries. onde a primeira alternativa é toda composta de elementos circulares que representam os tanques do animal peixe boi. formas e tipografia. pictogramas. onde é especificado que deve ser realizado o redesign da marca atual do bosque. gerando um conceito mais alegre. deve haver melhora na uniformização dos monitores. Figura 02: Painel de alternativas 5. é satisfazer as necessidades dos usuários do devido sistema. elementos cromáticos. foram desenvolvidas alternativas (Figura 02). mais simples e minimalista. por priorizar o conceito da marca tanto para a forma das placas quanto para as cores e por deixar o sistema de sinalização padronizado. levando em consideração a identidade visual.de forma que a mesma gere mais pregnância e seja perceptível sua presença em todo o sistema sinalizador. uniformes de monitores. elementos pictóricos (contemplando identificação. a principal atração do bosque. demonstrando a ineficiência de tal sistema. fazendo com que o símbolo remetesse a atração principal do parque.portanto. bem como informá-los a respeito da diversidade de atrações do local e suas características principais. o formato dos elementos sinalizadores deve facilitar sua instalação. fachada e elementos sinalizadores. visualização e identificação. desenvolvimento de pictogramas que representem de forma clara cada atração do bosque. por tornar a marca mais pregnante. onde cada alternativa conta com o desenvolvimento da identidade visual. . estabelecer padronização cromática e tipográfica e desenvolver identificação para áreas externas. informacionais. Com relação aos pictogramas. A segunda alternativa prioriza a setorização das atrações do parque por cores. o mapa do local deve ser reestruturado atendendo a aspectos mais fieis a realidade.sistema de sinalização vigente. Resultados e Discussão Depois de analisados os problemas vigentes no sistema de sinalização atual do bosque foram gerados requisitos projetuais. interativo e lúdico. semiótica e visualização) e elementos alfa-numéricos (contemplando proporção do tipo. e a terceira alternativa segue o mesmo principio de cores. dotando um único conceito de cores. Referencial Teórico A intenção de tal projeto. Baseado nos requisitos gerados. Figura 01: Painel de problemas 3. o sistema de sinalização como um todo deve ser Através da análise das 3 alternativas propostas foi escolhida a primeira alternativa (Figura 03) por ser a que mais atendeu aos requisitos e parâmetros projetuais. que chamam maior atenção e possuem contraste com a vegetação do local. Objetivo Decidiu-se então desenvolver um novo sistema de sinalização para o local com o objetivo de fazer com que o novo sistema contemple a diversidade de visitantes e auxilie os visitantes a se encontrar no espaço onde estão e identificar o espaço para onde desejam ir.

GIBSON. Princeton Architectural. e então. 220 p. 2007. (Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito . o conjunto inteiro tem o intuito de atingir a todos os públicos inclusive os que poderiam encontrar alguma dificuldade (crianças. Referências Bibliográficas Conselho Nacional de Trânsito (Brasil) (CONTRAN). . 1 IIDA. cada alternativa pictográfica foi avaliada e serviu de inspiração para que se pudesse chegar a um novo conjunto final de pictogramas que atendesse os requisitos pré-estabelecidos de legibilidade. e ampl. estrangeiros e idosos). 2ª edição – Brasília : Contran. Figura 03: Alternativa Escolhida 5. traços simples e de fácil assimilação através da cognição. 2005. David.cada alternativa gerou uma série de pictogramas. São Paulo: Edgard Bluncher. Sinalização vertical de regulamentação / Contran-Denatran. New York. 2 edição rev. analfabetos. 2009. Itiro. Ergonomia: Projeto e Produção. Além disso. : il. de acordo com as necessidades especificadas. . The Wayfindind Handbook: Information Design for Public Places.