You are on page 1of 6

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ___ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE FORTALEZA/CE.

Ref. Processo n.º

Autoras: Ré:

XXXXXXXXXXXXXX já qualificadas nos autos em epígrafe, vem, através de seus advogados eletronicamente assinado, interpor o presente RECURSO DE APELAÇÃO, tendo em vista, “data maxima venia”, inconformidade com a r. Sentença de fls. XXXXXX, que julgou, com análise de mérito, AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS E MATERIAIS proposta contra o XXXXXXXXXXXXX, também qualificado nos autos, fundamentando seu pleito recursal nos arts. 513 e ss. do Código de Processo Civil, bem como nas razões fáticas e jurídicas inclusas, pelo que requer, desde já, que sejam os autos remetidos ao EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ.

RAZÕES DA APELAÇÃO CÍVEL

1

18141-2 Nessa ação ficou estabelecido que a casa situada à Rua XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX. comando sentencial exarado não aplicou corretamente as normas jurídicas ao caso concreto submetido a sua percuciente análise. conforme adiante demonstrar-se-á: I – SINOPSE FÁTICA Em 1998. ingressou juntamente com seu ex-marido. sentença recorrida. sob o nº 98. seria destinada à venda 2 . não fez a necessária justiça. O R.92. XXXXXXXXXXX.º Ação de Indenização por Danos Morais e Materiais Origem: XXXX Vara Cível da Comarca de Fortaleza-Ce Apelante: Apelado: EGRÉGIO TRIBUNAL COLENDA CÂMARA O provimento do presente recurso é um imperativo dos fatos e do direito. a Sra. face ao conteúdo fático e processual constante destes fólios. que tranmitou perante o juízo da 18ª vara de família de Fortaleza. mãe das apelantes. com uma Ação de Separação Judicial consensual. Prolator.Processo n. eis que a R. XXXXXXXXXXXX. inobstante a cultura de seu D.

portanto. requer a esse Egrégio Tribunal seja o recurso CONHECIDO e. para reformar a sentença recorrida no sentido de acolher o pedido formulado pelo Apelante para. III. Senão vejamos: Depreende-se. . 3 . DAS RAZÕES PARA REFORMA DA SENTENÇA Na r. Sentença proferida nos autos de flsXXXXX. DO REQUERIMENTO Por todo o exposto.. quando do seu julgamento. lhe seja dado integral PROVIMENTO.II.. que a sentença merece ser reformada.

5 – Após o divórcio. a Requerida passou a ter a guarda das filhas do casal. afeto e segurança tão forte.O Requerente e a filha criaram entre si um vínculo de convivência. 1.1 – DOS FATOS 1. que o afastamento poderá importar grave dano psicológico podendo comprometer a formação moral. XXXXXXXXXXXXXXXXX.3 – A criança são frutos do casamento entre o Requerente e a Requerida.4 – Com o divórcio. 1. 4 . amor. emocional e afetiva da menor. 1. social. carinho.1 – A Requerida é mãe das menores. 1. conforme atesta a certidão de nascimento anexa. 1. a requerida passou a proibir as visitas do requerente à filha.6 .2 – O Requerente é o pai da referida criança.

2. 16 e 17. 5 . violência e opressão (art. além de colocá-la a salvo de toda forma de negligência. permitindo o pai. 19. que a conduta da Requerida. já que. pede o requerente: a) o deferimento da tutela antecipada. com até 24 horas de antecedência.069/1990). configura ameaça aos direitos básicos de liberdade e respeito à criança.1 – Informa a Constituição da República que a família e o Estado têm o dever de assegurar à criança. nos exatos termos em que dispõe o art. e apoiando a conduta do Requerente que. impedindo as visitas. b) a imposição do direito irrestrito de visitas do pai à filha. situação que a coloca em risco.1 – Pelo exposto. visitar a filha que se encontra sob a guarda materna.2 . comprometendo-se o requerente a confirmar data. impedindo a menor de possuir convivência familiar com o pai configura violação dos direitos fundamentais de liberdade e respeito da criança. o respeito. a dignidade. 227). restando comprovado o risco de dano irreparável ou de difícil reparação. em seu art. 4 – DOS PEDIDOS 4. impede também a requerida o acompanhamento por parte do requerente da integridade física e emocional das netas.1 – A negativa de convivência entre o Requerente e a filha. em seus arts. visitando regularmente as netas tem a chance de atuar preventivamente na proteção de ameaça à integridade física da menor.3 – O ECA trata ainda da importância da convivência familiar. desde já.2 – DO DIREITO 2. a liberdade e a convivência familiar. 70 do Estatuto (é dever de todos prevenir a ocorrência de ameaça ou violação dos direitos da criança). com absoluta prioridade. 2. visitas estas livres. horário e condições com a Requerida. 3 – DA TUTELA ANTECIPADA 3.Neste mesmo raciocínio informa o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.

f) a procedência do pedido para regulamentar a visita requerida. não dispondo de recursos para arcar com as custas dos processo. conforme declaração anexa. 6 . XXXXXXXXXXXXXXXX. ratificando a tutela antecipada porventura deferida. por ser o requerente hipossuficiente na forma da lei.1 – Atribui-se à causa o valor de R$ Pede e espera deferimento. e) deferir os benefícios da gratuidade judiciaria. d) a intimação do ilustre representante do Ministério Público. sem prejuízo próprio e de sua família. g) a condenação da Requerida em custas e em honorários advocatícios equivalentes a R$ 5 – DO VALOR DA CAUSA 5.c) citação da requerida para responder á presente ação. Fortaleza.