You are on page 1of 12

civilize-se.webnode.

com
APOSTILA DE SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA JURÍDICA

Sumário – Objeto da socióloga jurídica; A eficácia das normas e seus efeitos sociais; Sentido sociológico da Constituição; Aspectos sociais da Constituição de 1988; Processos sociais; Isolamento social; Métodos da Sociologia Jurídica; Violência urbana e poder paralelo; Criminalidade de colarinho branco; A Macrodelinquência.

Elaborada por David Maxsuel Lima
“Advogado é uma consciência que se aluga”

Doistoiévski OBJETO DA SOCIOLOGIA JURÍDICA São três os objetos de estudo da Sociologia Jurídica: 1. Estudo da eficácia das normas jurídicas e dos seus efeitos sociais; 2. Estudo dos instrumentos humanos e das instituições; 3. Estudo da opinião pública a respeito do direito, de suas instituições e de seus operadores. A EFICÁCIA DAS NORMAS E DOS SEUS EFEITOS SOCIAIS No campo da eficácia da norma jurídica temos que nem sempre tudo que é válido é eficaz, isto é, para a sociologia jurídica a norma atingirá sua eficácia quando for socialmente adequada, ou, nas palavras de Ana Lucia Sabadell, quando for respeitada por seus destinatários ou quando a sua violação é efetivamente punida pelo Estado. Conclui-se, pois, que toda norma deveria ser formulada visando sua eficácia social. Efeitos positivos da norma Dentre os diversos efeitos positivos, destacam-se quatro: 1. Controle social; 2. Educativo; 3. Conservador; 4. Transformador. Efeito educativo da norma

1

Nos países plenamente desenvolvidos. a sociedade deve equiparar-se. o conservador. As normas. a manutenção da ordem vigente pode ser desastrosa. Um exemplo clássico é a implantação do divórcio no Brasil. 3ª Antecipação da realidade social – Seguidas vezes o legislador deseja implantar no nosso Estado institutos jurídicos que não fazem parte da nossa tradição jurídica e que não estão de acordo com a nossa realidade social. consequentemente. mas também pode tornar-se prejudicial em determinados contextos sociais. são inumeráveis. onde a veiculação de determinados assuntos. a transgressão sem punição vai estimulando novas transgressões. sendo um meio. Em janeiro de 1997. ocasionada por apego a velhos costumes. econômicos etc. Quem transgride a lei impunemente sente-se encorajado a transgredir novamente. ao estabelecerem novas diretrizes a serem seguidas. Efeitos Negativos pela Omissão da em Aplicar a Lei Se a lei é transgredida e. tanto negativos quanto positivos.É a aversão sistemática às inovações ou transformações do status quo. e o seu exemplo serve de estímulo a outros. Parte-se da percepção de que o processo legislativo leva a um debate que. Efeitos negativos da norma Efeito negativo pela ineficácia Para Acyole Filho. o direito deve zelar pela manutenção da ordem social existente. que já nascem desatualizados. incompetência ou irresponsabilidade da autoridade. caso não admita mudança. transformar-se. de certo modo. cuja utilização importa em consolidação de bens jurídicos relevantes. quando foi editado. vai se enfraquecendo aquela disciplina que a norma impõe a todos. pior do que não ter leis. 2ª Misoneísmo . não uma finalidade em si. vai se diluindo a sua função preventiva e. a eficácia. o educador. três são as causas da ineficácia: 1ª Desatualização – Deve-se às leis que deveriam ter sido revogadas há muito tempo. Há que se examinar que determinados assuntos se tornam mais conhecidos pelo grupo social depois de serem disciplinados pela lei. devido a possibilidade de perpetuar profundas desigualdades sociais. hábitos ou interesses políticos. é tê-las e não aplicá-las. aparelhar-se. dada a severidade de 2 . uma norma socialmente eficaz não corresponde a uma norma agradável a todos. fixam novos princípios a serem observados de modo que. bem como projetos de leis ultrapassados.com Trata-se de mudança através do conhecimento. Exterioriza-se quando as normas.civilize-se. de maneira que consequências negativas constituem anomalias. muito embora existam situações que não podem ser protegidas perpetuamente. havia uma grande expectativa de que ele haveria de por ordem em nosso trânsito caótico. oportuniza a efetivação da norma. cujos efeitos. Dentre os efeitos positivos temos: o controle social. Efeito Conservador da norma É válido. visto como limitador do grau de liberdade do individuo. Por isso é comum dizer-se que. estabilizados e organizados. quando objetos da disciplina legal. a sanção não é aplicada. assim. no âmbito sociológico. Em síntese. são feitas para produzir resultados positivos. para cumprir a lei. tem sentido distinto daquele empregado no campo jurídico. transmite a população o conteúdo da norma. Efeito transformador Trata-se de elemento que visa transformar o corpo social. enquanto que nos países em desenvolvimento. por desídia. Exemplo eloquente disso é o Código de Trânsito Brasileiro.webnode.

tudo dependendo de representar ela o efetivo poder social (forças políticas. E quando a lei é aprovada e nada faz acontecer. é a Constituição que cria ou constitui o Estado de Direito. Só nos falta uma lei. falta tudo enfim. A mulher de até um ano de escolaridade e renda baixa tem média de filhos de 4. continua sendo o nosso grande problema atual. Depois de um começo promissor. Torna-se impossível aplicar a lei sem os recursos humanos e materiais necessários. Diz ainda que a divisão de tarefas entre a Polícia Militar. São também necessárias ações sociais preventivas. nada é do que uma folha de papel. bem diferente. Efeitos Negativos pela Falta de Estrutura Adequada à Aplicação da Lei Nesta terceira hipótese.4. econômicas. Famílias sem renda e instrução têm o dobro de filhos da média brasileira de 2. confunde-se o projeto com a realização. executá-las. Segundo Luiz Eduardo Soares. autoridades competentes e responsáveis. as taxas de elucidação de homicídios mostram uma tendência à impunidade. Vista pelo prisma sociológico.12. ex-secretário nacional de Segurança Pública. a Justiça fica impedida de julgar em decorrência da falta de estrutura do organismo policial e de seus institutos de criminalística. a verdadeira 3 . A Polícia. como o seu próprio nome diz. Por meio de um prodigioso processo mental. Exemplo disso é o Estatuto da Criança e do Adolescente: a simples edição de uma lei e a criação de uma entidade governamental foi tomada por uma solução.com suas normas e a gravidade das penas. Nada aconteceu de positivo em relação ao menor depois da vigência do ECA dada a distância entre a lei e a sua execução. o Ministério Público e o próprio Judiciário não estão suficientemente aparelhados para aplicar a lei. em sua clássica obra ─ Que é uma constituição? Para . a que mande cumprir todas as outras. toma-se o dito pelo feito. onde se encontram os princípios fundamentais da sua estrutura organizacional. A realidade. uma mera fantasia burocrática virou remédio. Enquanto a criminalidade cresce assustadoramente. porém. os legisladores se reúnem e aprovam outra lei. todavia. É chamada de Carta Magna ou Lei Fundamental porque. pois a Constituição real e efetiva é o fato social que lh e dá alicerce. Quais serão as consequências dessa falta de estrutura? As mesmas anteriormente mencionadas: transgressão sem punição e estímulo à ilicitude. Esse. ou distanciar-se dele. poderemos ter leis boas e eficazes. responsável pelas investigações. sequer reduziu a incidência de infrações graves como excesso de velocidade e embriaguez ao volante. em média. principalmente no denominado poder paralelo. Lamentavelmente. faltam instalações.48 filho. Está ameaçado de cair em desuso se não forem resgatadas com urgência a sua letra e o seu espírito. Falta pessoal. já que apenas 4% dos casos no Rio de Janeiro e 12% em São Paulo são resolvidos. mas de poder. a mulher tem. mas a norma não atingirá seus objetivos sociais por falta de estrutura para uma eficiente aplicação do Direito. SENTIDO SOCIOLÓGICO DA CONSTITUIÇÃO Entende-se por Constituição a Lei corporificadora do Estado. é outra. ser legítima e eficaz. Capistrano de Abreu denunciou-o com ironia dizendo que temos uma legislação quase perfeita. O Brasil é campeão em resolver problemas elaborando leis. equipamentos. esse irrealismo ilusório de nossa legislação escrita é bastante antigo e conhecido. sem. encarregada de fiscalizar. quando a Constituição não é o somatório dos fatores reais de poder. cria uma “esquizofrenia institucional”.). em vez de se discutir o que fazer para dar-lhe execução. a intenção de resolver o problema com a solução em si. No passado. “Os problemas constitucionais” ─ sustenta Lassale─ “não são problemas de direito. falta material. e a Polícia Civil. com onze ou mais anos de instrução. por carência de aparelhos e de material humano. 1.webnode. ideológicas etc. o mais expressivo representante do sociologismo constitucional. entre as quais a perda da carteira. as estatísticas demonstram que o planejamento familiar poderia contribuir decisivamente para a redução da desigualdade.civilize-se. ou ilegítima. como bem colocou Ferdinand Lassale. lamentavelmente.

absoluta. juntamente com a EC n. as Constituições podem ser normativas. a dinâmica do processo político não se adapta às suas normas. voltadas para um dia serem realizadas na prática. Para Loewenstein isso se deve. sendo condutor dos processos de poder. É Constituição a serviço dos que estão no Poder. considerando a classificação ontológica das constituições de Loewenstein. ao fato de que a decisão condutora da promulgação da Constituição foi prematura. na maior parte. 1934 e 1946 foram NOMINAIS. até hoje. nominais ou semânticas. Para ele. Esta é aquilo que os detentores e destinatários do Poder fazem dela na prática. encontram-se submetidas ao poder político prevalecente. os grupos de poder é que conduzem a Constituição. seria normativa. 1/69. enquanto os Textos de 1937. estariam em total consonância com o processo político. todas as classificações anteriores são falaciosas. isto é. Situam-se entre a constituição normativa e a constituição semântica.com Constituição de um país somente tem por base fatores reais e efetivos do poder que naquele país reagem. podemos citar as Constituições de 1937. há uma adequação entre o texto e a realidade social. Suas normas são plenamente eficazes. Trata-se de um documento formal criado para beneficiar os detentores do poder de fato. A Classificação Ontológica das Constituições de Karl Loewenstein Loewenstein formulou classificação própria das Constituições em face da realidade à qual ele denominou de ontológica. Vejamos o significado de cada uma delas.civilize-se. É Constituição sem valor jurídico cujas normas. na qual. ontologia é o estudo dor ser. que possuem valor jurídico. É o que diferencia algo de tudo mais. Este autor busca o que é realmente é uma Constituição. Seriam constituições prospectivas. o estudo da essência de algo. 1967. No Brasil. Mas. estas não se adaptando àquelas.cit. Loewenstein se refere a este tipo de Constituição como sendo "a roupa guardada por um certo tempo no armário e que será vestida quando o corpo nacional houver crescido". provavelmente. que dispõem de meios para coagir os governados. um caráter educativo. SEMÂNTICOS. 117). O seu texto não conduz os processos de poder. cujas normas dominam o processo político. E a Constituição de 1988. as Constituições normativas são aquelas. ou seja. a vida institucional não sentiria qualquer 4 . entre as normas constitucionais e as exigências do processo político. 1967 e 1969. A Constituição Semântica Semântica é a Constituição cujas normas foram elaboradas para a legitimação de práticas autoritárias de poder. Note-se que. porque elas trabalham o texto da Constituição. Segundo ele. temos o seguinte quadro: As Cartas de 1891. Como exemplo. com vistas ao futuro da sociedade. Nelas. É como se fossem uma roupa guardada no armário que será vestida futuramente.webnode. Se inexistisse constituição formal ou escrita. Além de juridicamente válidas. isto é. podemos citar as Constituições de 1934. se a dinâmica do processo político não se adaptar às normas da Constituição. o texto constitucional normativo poderia ser comparado a uma roupa que assenta bem e que realmente veste bem. continuaria a desarmonia entre os pressupostos formais nelas insculpidos e a sua aplicabilidade. Como exemplo. A Constituição Normativa Segundo Loewenstein. Em Filosofia. sendo deles um instrumento que visa estabilizar e eternizar a intervenção dos dominadores fáticos do poder político. Seriam aquelas perfeitamente adaptadas ao fato social. é aquela. logrando submetê-lo à observação e adaptação de seus termos.p. semântica ou nominal? Sem dúvida. enquanto não realizarem todo o seu programa. embora elas conservem. A Constituição Nominal Quando não há uma concordância. quando o corpo nacional tiver crescido. o seu texto traduz os anseios de justiça dos cidadãos. No dizer de Loewenstein. e as constituições escritas não têm valor nem são duráveis a não ser que exprimam fielmente os fatores do poder que imperam na realidade social: eis aí os critérios fundamentais que devemos sempre lembrar” (op. geralmente decorrem da usurpação do Poder Constituinte do povo. 1946 a de 1988. nominal. sendo o contrário. são ineficazes. Diversamente das anteriores. esta será nominal. em sua estrutura. não tivemos um texto constitucional normativo. ou seja.

os quais refletem no texto do documento.com diferença. cooperativas. pode ser direta ou indireta. ressalte-se que a Constituição de 1988 tem dispositivos que ainda não passaram de “uma folha de papel” tendo o referido texto emendado mais de 70 vezes. etc. Este propicia a adesão e conformidade às normas estabelecidas. de divergência. valores e ideologias em relação a tudo ao seu redor. Acomodação . quando as relações estabelecidas são negativas. indicando a inter-relação entre individuo e sociedade. Essa interação é regulada por normas. e dissociativos.É um processo social em que o individuo ou grupo se ajusta a uma situação de conflito. mas dissimula.civilize-se. então. São as formas pelas quais os indivíduos se relacionam uns com os outros. as formas de estabelecer as relações sociais. disfarça os seus defeitos. cada um possui suas próprias crenças. É a forma de intervenção na qual diferentes grupos de pessoas ou comunidades trabalham juntas para o mesmo fim – não necessariamente fazem a mesma coisa. A tendência natural dos seres vivos é de se associarem e desassociarem conforme seus interesses. ASPECTOS SOCIAIS DA CONSTITUIÇÃO DE 1988 Teoricamente uma Assembleia Nacional Constituinte pode tudo. provocados pelo desenvolvimento individual e social que resulta em modificação do grupo. quando os indivíduos estabelecem relações positivas. de cooperação e de consenso. com a situação que é imposta por um outro indivíduo ou pela sociedade. e tende a excluir o uso 5 . a fim de privilegia-los de alguma maneira. pela assimilação os conflitos são superados. ou seja. Se partirmos do pressuposto de que cada indivíduo é singular. porque implica transformações. O estudo do processo social enfoca o desenvolvimento da personalidade individual e o seu relacionamento com a sociedade. Trata-se do processo social de ajustamento pelo qual indivíduo ou grupos diferentes tornam-se semelhantes. Difere-se da Acomodação. Outrossim. entretanto. Formas de processo social Os processos sociais se distinguem em associativos. posto ao dispor dos poderosos. sem ocorrer mudanças internas. O aparato coativo do Estado.webnode. de oposição. concluímos que os tipos de processos sociais estabelecidos entre as pessoas irão depender de cada um. o processo no qual um indivíduo se contenta. pessoal ou impessoal. Karl Loewenstein compara a carta semântica a uma roupa que não veste bem. esconde.: princípio da continuidade do serviço público. sem satisfação. Assimilação é o processo que ocorre quando indivíduos de grupos antagônicos se tornam semelhantes. os representantes do povo carregam consigo inumeráveis compromissos com as suas origens sociais. à diminuição de conflitos e o estabelecimento de um modo de vida. PROCESSOS SOCIAIS Pode ser interpretado como toda movimentação da sociedade e a inter-relação entre seus indivíduos. Acomodação é. Ex. Processos sociais dissociativos Competição Competição é uma forma de interação que envolve luta ou disputa por bens limitados ou escassos. ou seja. funcionaria do mesmo jeito. Assimilação – É a solução definitiva e tranquila do conflito social. Processos sociais associativos Cooperação – É indispensável para a manutenção e continuidade dos grupos e sociedades.

nações. A competição pode levar indivíduos a agir uns contra os outros em busca de uma situação melhor. É importante também observar que a competição "tende a excluir o uso da força". portanto. às vezes seguidas (ou precedidas) de assassinatos de líderes sindicais a mando de grandes fazendeiros. de um processo social. discussão. Conflito Quando a competição assume características de elevada tensão social. porém. na qual o objetivo dos contendores é neutralizar ou aniquilar seus oponentes. A essência da competição é um choque tal de interesses que o atendimento de um indivíduo ou entidade impede o atendimento de outro indivíduo ou entidade.civilize-se.da mesma forma que o número de vagas no vestibular é pequeno em comparação com o número de candidatos em disputa. Ora. vencer um torneio esportivo. A competição pode se transformar em um conflito. nem todos podem obter os melhores lugares nas esferas sociais. Em contraste com a competição. o emprego da violência. ocupações de fazendas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) no interior do Brasil. Quando. podem ficar 6 . pois os postos mais importantes são em número muito menor do que seus pretendentes. as relações não são tão acentuadamente competitivas como na sociedade capitalista. choques armados entre soldados norte-americanos e rebeldes muçulmanos no Iraque. numa escola. Comparando a competição e conflito. dignidade ou recompensa não material. grupos ou sociedades por bens que não chegam para todos (bens escassos). tal como a competição. podemos destacar o seguinte: · A competição toma a forma de luta pela existência. litígio. isto é. os alunos lutam para passar de ano. Entre as tribos indígenas do Brasil. transforma-se em conflito. nas palavras de Friedsam. Isso porque ela constitui um tipo de interação regulada por normas. Quando a competição viola essas normas. lemos e ouvimos no noticiário dos jornais. do rádio e da televisão relatos de conflitos em diversas partes do mundo: combates na Colômbia entre tropas do governo e guerrilheiros ou narcotraficantes.com da força e da violência. conflitos entre israelenses e palestinos no Oriente Médio. seitas religiosas.. etc. assuntos de estima pessoal. em maior ou menor escala. conquistar riqueza e poder. · O conflito toma as formas de rivalidade. por leis. o conflito envolve. Ela nasce dos mais variados desejos humanos. disputa. competição é uma disputa entre indivíduos. os que pretendem alcançar esses postos ou vagas entram em competição com os demais concorrentes. Estes estudantes. Diariamente. exacerbando o individualismo em prejuízo da cooperação. Dessa forma. por exemplo. eles não consideram seus companheiros de classe como adversários: o que existe é uma forma de competição inconsciente e impessoal. ou mesmo pelos costumes. Assim. Nessa disputa. pois sua atenção ainda está dirigida para a obtenção de boas notas. de um emprego etc. são escassos . Os bens em jogo podem ser objetos físicos ou materiais. as atenções de cada competidor estão voltadas para a recompensa e não para os outros concorrentes. Há sociedades que estimulam mais a competição do que outras. Em outras palavras. vencer um concurso.webnode. Trata-se. passar no vestibular.na escola. é mais evidente na luta entre partidos políticos. guerra. Vejamos o seguinte exemplo. ter maior importância no grupo social. O conflito social é um tipo de interação que se desenrola no tempo e provoca mudanças na sociedade. valores ou recursos escassos. sobrevém o conflito. ao contrário da competição. como ocupar uma posição social mais elevada. como a obtenção de alimento. ele consiste em uma luta por bens. Esta última estimula os indivíduos a competirem em todas as suas atividades . no trabalho e até no lazer -. que ilustra a comparação entre competição e conflito. ser o primeiro da classe.

É constituído pelas diferenças biológicas tais como sexo. o primeiro impulso é tentar destruir o adversário. Por outro lado. queremos significar que ela mantém contatos pouco frequentes com outras comunidades. instaurando-se o conflito. Na sociedade industrialmente desenvolvida. mesmo que esporadicamente. A sociedade atribui funções e atividades diversas a homens e mulheres e. a comunicação. em São Paulo. ódio e crítica fortemente carregada de emoção. o conflito é consciente. portanto. Os movimentos da juventude de hoje. surdez. o estudante A não deseja apenas passar de ano. Na Arábia Saudita. demonstrando bem que. isto é. do individuo dentro do seu grupo ou sociedade. formando “colônias” próprias. é pessoal. contatos com outros grupos ou indivíduos. até certo ponto. emocional.webnode. em consequência. já o conflito é intermitente. no passado. O conflito implica em violência ou ameaça de violência. a não considerar as qualidades uns dos outros e a exagerar os defeitos. Assim. diferentemente da competição. Os três tipos de isolamento mais importantes são: estrutural. os movimentos feministas são extremados. como reduzi-la a um processo de acomodação. em todos os campos. principalmente o profissional. Um grupo em conflito tanto pode canalizar sua tensão para uma revolução ou uma guerra. ISOLAMENTO SOCIAL O isolamento pode ser entendido como a falta de contato ou de comunicação entre grupos ou indivíduos. Os oponentes tendem. que lutam pela igualdade da mulher. Por exemplo. existem essas diferenças determinada pelo sexo. é praticamente geral. em virtude de os grupos de idade serem. em muitas sociedades). Tem origem nos defeitos físicos – cegueira. A rivalidade. como em países do Oriente Médio (muçulmanos). isto é. na reunião dos japoneses no bairro da Liberdade. em nossa sociedade. a segregação dos sexos era estritamente rígida e. como no caso mais conhecido de Hellen 7 . nas raras ocasiões em que a mulher pudesse estar em presença de outros. emitindo juízos pessoais e subjetivos.com conscientes da competição e passar a encarar seus colegas como rivais. no Harlen negro. Os adversários em conflito estão conscientes de suas divergências. havendo entre eles rivalidade. Mas o costume da separação de sexos determinou a criação de unidades especiais. vamos encontrar o isolamento dos velhos que se está transformando num problema da sociedade atual. não pode durar permanentemente com o mesmo nível de tensão social. em todas as sociedades. em geral. muitas vezes. mas superar o colega B. o conflito é pessoal e. Essas deficiências impedem. O estudante que pretende passar em primeiro lugar pode entrar em conflito com outros estudantes que pretendem o mesmo. A idade também acarreta isolamento nas sociedades. foi necessária uma atitude firme por parte do rei Faiçal para que a educação fosse extensiva ao sexo feminino. · Impessoal. devia ter o rosto coberto por véu. mudez e outras limitações físicas. No conflito. Raros são os grupos humanos que não mantêm.civilize-se. Assim. cria diferenças de interesses. mesmo hoje. antipatia. podemos dizer que a competição é: · Inconsciente. nos Estados Unidos (New York). A competição é contínua. praticamente não existe isolamento absoluto. Ainda dentro do fator idade. idade. encontramos isto sim. funcional e psíquico. raça. Isolamento estrutural. é um bom exemplo desse tipo de isolamento. O Relativo isolamento de grupos étnicos pode ser observado nos guetos de judeus (afastamento obrigatório. variações no grau de isolamento. acompanhava lição do professor através de um circuito interno de televisão. No mundo atual. ao nos referirmos a uma comunidade isolada. que não seus familiares. segregados. Isolamento Funcional. o isolamento pode ser individual.

Ana assemelhava-se a um bebê: imóvel e indiferente a tudo. mas não total. e as atividades dos indivíduos padronizadas.com Keller. De todos os casos relatados. temos uma mentalidade retardada. em virtude de seus efeitos serem diferentes: antes de ser socializado. Após um processo de socialização. apresentavam características de animais: andavam sobre quatro membros. devidamente organizados e coordenados. permaneceram trancafiadas em um quarto. Há sobrevivência deste fato na Índia. Isabel procedida quase como um animal selvagem. em virtude de sua cultura característica. soltavam grunhidos e tinham apurada visão noturna. ou para comunicá-lo. porque a estrutura da sociedade é altamente integrada. manifestando receio e hostilidade. Ambas as crianças. por exemplo. se a criança for afastada inteiramente do convívio de outro seres humanos. MÉTODOS DA SOCIOLOGIA JURÍDICA Método é o meio mais racional e eficiente para se atingir um fim desejado. às vezes até repugnância. faleceram em poucos anos. Quando encontradas. mas. Antigamente. Ana permaneceu sozinha e somente suas necessidades biológicas de sobrevivência foram satisfeitas. cristalizados. O primeiro e mais obvio exemplo é o daqueles que não falam a mesma língua. Torna-se difícil compreender os valores de um povo que pratica o canibalismo. É o conjunto dos meios ou processos dispostos convenientemente para alcançar um fim. Isolamento psíquico. recursos. principalmente depois da atividade ecumênica do Papa João XXIII. costumes. oriundo da Inglaterra e Escócia. apresentavam mentalidade retardada. tem sua participação limitada em muitas das atividades grupais. Poucos são os casos devidamente estudados por cientistas sobre crianças que foram encontradas vivendo isoladas ou em companhia de animais. Diz respeito à separação ocasionada pela diferença de hábitos. Há um máximo de estabilidade e acomodação pessoal. podendo chegar à loucura. religião e outros fatores. Nenhuma das duas falava. o fanatismo religioso levava a uma total impossibilidade de comunicação entre elementos de credos diversos. Isabel foi mantida em reclusão juntamente com a mãe. o isolamento prolongado provocará a diminuição das funções mentais. Canadá. pois é uma atitude de supervalorização das características de “nosso grupo” e de menosprezo por tudo o que é do “grupo alheio”. de que dispõe uma ciência para realizar seu objeto. É o caminho utilizado para a realização de um objetivo. o infanticídio ou a eliminação de pessoas idosas – gerontocídio. comem carne deteriorada e o conteúdo semi-digerido do estômago do caribu. e especialmente para chegar a um conhecimento científico. instrumentos e atividades. As conseqüências do isolamento no individuo e no grupo: em relação ao individuo. infelizmente.civilize-se. São os meios. que falam francês arcaico e mantém inalterados seus costumes desde sua imigração: povo que vive nas montanhas do sul dos Estados Unidos. que praticamente não se alteram. que conserva intacta sua cultura original de 200 anos. Diferentes povos. isto é. 8 . Os esquimós. que a isolava do mundo. Mas essa diferença de linguagem não é a única entre eles. criam diferenças de hábitos e até de perspectivas em relação ao mundo. cuja comunicação só poderia ser feita através de gestos. tornar-se-á o chamado homo ferus. Foram constatados tais casos entre prisioneiros e também entre eremitas. no Ocidente. cujo processo de socialização só foi possível quando sua preceptora. o isolamento produz costumes sedimentados. é importante salientar a época em que ocorre o isolamento. reduzindo-se ao mínimo a desorganização pessoal e a possibilidade de mudança social. uma possibilidade de dialogo. conseguiu vencer a barreira formada por sua deficiência física. ao serem descobertas. Muitos hábitos de higiene corporal e de alimentação causam espanto. o mais famoso é o das “meninas-lobo” da Índia. Kingsley Davis cita o caso de duas meninas ilegítimas que até a idade de mais ou menos seis anos. linguagem. Os portadores de defeitos físicos. Exemplos: habitantes de uma área rural de Quebec. extremamente dedicada. surda-muda. Quando um grupo. a tolerância religiosa permite. nos primeiros anos de vida. Hoje.webnode. Se o afastamento for pronunciado. usos. apresentaram progressos notáveis. O etnocentrismo concorre para o isolamento. Depois que o individuo estiver socializado. mesmo quando vencem a barreira da comunicação.

leis. A primeira regra e mais fundamental é considerar os fatos sociais como coisas. como vimos. a ponto de não se conseguir dominá-las completamente. Com base nesses documentos é possível. saber quantos casamentos. conjectura uma solução provável.webnode.civilize-se. que segue caminho inverso. b. Pode a observação ser realizada em diferentes tipos de sociedades. extraindo-se deles as primeiras conclusões. pois as fontes de informações são abundantes.. a saber: a. muito embora a aplicação de ambos no campo sociológico seja severamente criticada. as coleções de jurisprudência. divórcios etc. Nessa tarefa podem-se utilizar vários métodos. mas sim o momento em que exercem sua influência. Quem se propõe a realizar uma pesquisa. a fim de conhecer a realidade social através de suas manifestações concretas. ocorreram no Rio de Janeiro no ano passado. b. Consiste em ouvir pessoalmente os indivíduos componentes de determinado grupo que se deseja estudar. Nas sociedades contemporâneas de tipo moderno a observação é bastante fácil. dentre as quais podemos destacar: a. interessam mais os efeitos sociais produzidos pelo escrito do que o sentido original do texto. Tratando-se de documento escrito. registros cartorários etc. c. o seu tempo social. sociedades desaparecidas. por seu turno. coleta os dados. Interpretação A interpretação que. os documentos de caráter técnico. bem como a indução das leis a que tais fenômenos globalmente obedeçam.com A observação Consiste a observação na coleta de dados ou fatos sociais importantes para o estudo que se está realizando e que posteriormente deverão ser examinados. como os códigos. adotar uma postura de observador. a sua pureza ou o seu teor verídico. por meio das quais sabemos como as leis estão sendo aplicadas. entende-se por método estatístico o conjunto de processos que tem por objeto a observação. sociedades contemporâneas de tipo primitivo. etc. e o indutivo. sociedades contemporâneas de tipo moderno. Deve. Assim sendo. As mais importantes fontes nessas sociedades são as escritas. classificação formal e análise dos fenômenos coletivos ou de massa. pois é o agrupamento metódico dos fatos sociais suscetíveis de avaliação quantitativa. uma vez que sobre as coisas não podemos ter prejulgamentos ou prenoções. define o seu objeto. entretanto. separações judiciais. do particular para o geral. os textos legislativos ou regulamentares. isto é. como o dedutivo. que parte do geral para o particular (o que vale para o geral há de valer para o particular). consiste no exame e classificação dos fatos sociais coletados. Interessa ao jurista sociólogo não o momento em que se verificam materialmente os fatos. enumera a frequência dos fenômenos sociais. Entende-se por inquérito a pesquisa. classificados e interpretados. como os processos. superabundantes mesmo. ou processo de investigação feito muitas vezes por meio de questionário. Tratar os fatos sociais como coisas é liberar o espírito dos prejulgamentos e prenoções. 9 . sujeitando-se a posteriori verificação. isenta de qualquer juízo de valor. pois todos esses atos ficaram devidamente registrados. c. por exemplo. Estatístico A estatística. é a segunda operação do método da Sociologia Jurídica.

Porém. que atinge cidadãos. estadual e municipal. Ferreira (1998). a criança. a fim de se estabeleceram as relações. VIOLÊNCIA URBANA E PODER PARALELO A violência se apresenta nas mais diversas configurações e pode ser caracterizada como agressão contra a mulher.civilize-se. portanto. e que por isso mesmo evolui também incessantemente. Combater a violência urbana de forma pontual e isolada é o mesmo que tentar matar a árvore só arrancando as folhas. torna-se importante pesquisar suas raízes históricas. o idoso. É preciso disposição política das três esferas de poder . desempregados. considera que para compreender a natureza e a função das instituições. hospitais e o comércio em geral. suas origens no passado. Estados e Municípios. por meio da reconstrução artificial e formal dos fatos e fenômenos do passado. miséria ou falta de instrução. nem são ali industrializadas. semelhanças e diferenças entre elas existentes e chegar-se a outras conclusões. diferença ou relação. até mesmo do país. Tudo vem de fora. dos costumes. No comando dela está o crime organizado. a repressão controlada e a policia tem um papel crucial no controle da criminalidade. Drogas não nascem nos morros. A violência urbana. pelo menos omissão. isto é. é fato público e notório. mais abrangentes e definitivas. O combate à violência urbana não depende de medidas sociais porque ela não é promovida pelos pobres. No entender da citada autora. sendo utilizado. tão pouco decorre da falta de leis ou da atuação do Judiciário. psicológica.federal. Comparação A comparação que vulgarmente significa examinar simultaneamente duas ou mais coisas para lhes determinar semelhança. moradias. escolas.com Um texto jurídico é visto como uma espécie de ser vivo destinado a produzir seus efeitos dentro de um ambiente em constante evolução. na realidade atingiu patamares vergonhosos e insuportáveis. planejada e duradoura. para indicar o cotejo ou confronto das conclusões parciais obtidas na fase da interpretação. ocuparam os espaços deixados e formaram verdadeiro poder paralelo. de sorte que sem uma ação integrada da União. E a organização é tão forte que a realidade demonstrou que alguns chefões continuam no comando mesmo depois de presos. das diversas formas atuais de vida social. Em um estado democrático. verbal. Muda. dentre outras. constantemente de sentido e a noção de autenticidade chega a suscitar um interesse muito restrito. não haverá reconquista dos espaços perdidos. gerando sentimento de insegurança generalizado e sem precedentes. nem por crianças desnutridas e sem escola. armas não são fabricadas por favelados.webnode. política. muito menos pelos favelados. física. 10 . portanto. na ausência do estado. Histórico Consiste em investigar acontecimentos. do Poder Público. Conclui-se do exposto que a violência urbana não é uma consequência da pobreza. Não é possível combatê-lo com medidas paliativas e demagógicas como as que estão sendo anunciadas. essa repressão deve ser simultaneamente apoiada e vigiada pela sociedade civil. processos e instituições do passado para verificar a sua influência na sociedade contemporânea e para melhor compreender o papel que atualmente desempenham na sociedade. É ação direta de um poder paralelo que nasceu e cresceu com a tolerância. muito menos da segurança que todos almejamos. quadrilhas de traficantes de tóxicos e armas que. Do ponto de vista sociológico o termo não foge desse sentido. A violência pode ser sexual. Nunca os assaltantes agiram com tanta ousadia e desenvoltura como na última década. o método histórico busca construir uma estratégia para conseguir estabelecer o processo de continuidade e de entrelaçamento entre os fenômenos.

visto que. Trata-se de uma categoria não convencional de crimes e criminosos. são capazes de abalar a própria estrutura econômica ou política do país. por isso mesmo. sequer dispomos de recursos técnicos para a sua rápida e eficiente apuração. todavia. encontram-se acima da lei. Sutherland deferiu o termo como crime cometido por uma pessoa de respeitabilidade e elevado status social.com CRIMINALIDADE DE COLARINHO-BRANCO (WHITE COLLAR CRIME) Em síntese. além de atingirem a coletividade. que. ou o patrimônio de indeterminado número de pessoas. atingindo em regra a coletividade. esses delitos são praticados com o emprego da moderna tecnologia e decorrem. O termo colarinho branco surgiu em 1939 durante um discurso de Edwin Sutherland à sociedade americana de sociologia.civilize-se. Pode-se destacar que os fatos que constituem tal criminalidade apresentam as seguintes características: a) os autores pertencem.webnode. financeira ou política) da formação social. segundo o Professor Fragoso. além do que comumente esses crimes não são considerados nefastos. A MACRODELINQÜÊNCIA Essa expressão é modernamente utilizada para indicar o crime organizado. Acrescente-se que as provas para condenar aqueles que comentem esse tipo de crime são de difícil produção se comparadas aos crimes comuns. às elites dirigentes (econômica. como já se disse. destacar os fatos que acarretam: a) danos contra a vida e a saúde da coletividade. a antropologia se debruçou. Mas o pior de tudo é que ficam impunes os seus autores. visto que não são cometidos por aquela parcela sobre a qual a criminologia. c) produção industrial imprópria ou defeituosa. no curso de sua ocupação. De difícil detecção. Lamentavelmente. c) danos contra o patrimônio estatal da coletividade. do uso abusivo de 11 . podem ser aqui colocados: a) abusos praticados em relação à força de trabalho. Os fatos antissociais que acarretam danos à vida ou à saúde da coletividade. b) o fato antissocial é praticado no exercício da atividade. c) O dano causado pela ação é extenso e considerável. tais crimes são muito mais graves do que o furto e o roubo que punimos com tanta severidade. Não sendo possível a enumeração exaustiva das ações antissociais que caracterizam os crimes de colarinhobranco. b) exploração predatória dos recursos naturais. b) danos contra o patrimônio da coletividade. basicamente. o crime do colarinho branco é caracterizado por quebrar estereótipos. a nossa legislação penal ainda é deficiente na configuração e punição dessa criminalidade chamada de colarinho-branco. o que faz crescer o sentimento de impunidade para os que não são pobres. envolvendo a prática de ilícitos sofisticados em que a vítima é a coletividade (os danos são difusos). ocorrendo quase sempre uma violação de confiança. a sociologia. detentoras de poder político ou econômico. Pela extensão dos resultados. podemos. nada lhes acontecendo. Ela se distingue da criminalidade convencional pelo fato de ser integrada por pessoas de alta classe e respeitabilidade.

Tem alguns pontos em comum com a criminalidade do colarinho branco. Para elaborar leis eficazes nesta área da criminalidade. por um lado em razão da sofisticação dos meios usados aliada a estrutura e. condições de vida subumanas. 12 . Bons estudos. A transnacionalização é uma das maiores dificuldades no combate à macrocriminalidade. c) reveste-se de uma aparência de legalidade absoluta. De uma coisa. Estão entre os países preferidos os chamados paraísos fiscais. o legislador teria que ter profundo conhecimento da realidade econômica e estar permanentemente atento para prever as possíveis mutações de seus mecanismos. Impõe-se assim a recomendação de ampla pesquisa.civilize-se. A estrutura política e econômica existente está de tal forma montada que oculta e protege essa criminalidade dourada.webnode. falsificação de moeda e títulos da dívida pública. pela falta de leis penais adequadas. fraude no mercado acionário e de câmbio. com o estabelecimento de uma ordem social mais justa e democrática. de modo que pouco ainda sabemos a seu respeito. fraudes com transferências bancárias. valendo-se com constância do uso indevido de informações privilegiadas a título de consultoria. o combate ficará circunscrito aos sintomas.com instrumentos da economia. até a reformulação da legislação penal. crises econômicas. ela já não mais se encontra no patamar que se pretendia regulamentar. podendo ser identificada pelas seguintes características: a) abuso de poder econômico e político. lavagem de dinheiro obtido ilicitamente. e) mutabilidade na forma de operar-se. Os criminosos utilizam países de acordo com os seus interesses e as facilidades que neles encontram. onde o dinheiro ilícito entra e sai com facilidade. sem nunca chegar-se às causas. deverão abranger desde a completa reforma da estrutura política e econômica do país. Quanto às medidas a serem adotadas. em constante consonância com as mudanças dos mecanismos econômicos e para dificultar a identificação das operações ilícitas. É a macrocriminalidade que provoca desníveis sociais. aumentos incontroláveis de preços. como. Enquanto isso não acontecer. d) condutas criminosas transnacionais. f) impunidade dos autores. pois o Direito Penal e a atuação da polícia são limitados pelo princípio da territorialidade e da soberania dos Estados. o que não acontece com o legislador e as leis. pois costuma apoiar-se em atividades legais que lhe dão cobertura tática para os negócios ilícitos. Quando o legislador vai trabalhar em cima da realidade econômica. causas principais. elevação da inflação. da criminalidade comum. b) requer alta especialização profissional e completo domínio operacional dos meios tecnológicos para a sua execução. devendo ser utilizadas as técnicas de pesquisa sociológica aperfeiçoadas pela experiência. por exemplo. por outro. de nada adiantará a repressão à criminalidade convencional. por sua vez. devemos nos conscientizar: enquanto tivermos crimes e criminosos acima da lei. onde as ações examinadas deveriam ser tipificadas como crimes sujeitos a graves penas. entretanto. Outra dificuldade no combate da macrocriminalidade resulta do fato de conseguirem os criminosos adaptar-se rapidamente às constantes mudanças da economia. inclusive o estudo de casos.