You are on page 1of 46

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

REGIMENTO ESCOLAR BÁSICO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE SAQUAREMA TÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO
Art.1º - O presente Regimento Escolar é documento legal da Secretaria Municipal de Educação e Cultura que define a estrutura pedagógica, administrativa e disciplinar das Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino de Saquarema. Art.2º - As Escolas Municipais criadas por ato legal do governo da Municipalidade ministram a Educação Infantil, o Ensino Fundamental nas modalidades Regular e EJA e Educação Especial, com frequência mista em turnos diurno e noturno. Art.3º - As Escolas Municipais são mantidas pelo Poder Público Municipal de Saquarema, subordinadas a Secretaria Municipal de Educação e Cultura, que as supervisiona através de seus órgãos competentes. Art.4º - A Escola Poder Público, desenvolvimento socioeconômica, discriminações. Municipal é pública e gratuita, de direito da população e de dever do a serviço das necessidades e peculiaridades do processo de e aprendizagem dos alunos, independente de sexo, raça, cor, situação credo religioso, político e livre de quaisquer preconceitos ou

TÍTULO II DAS FINALIDADES, DOS PRINCÍPIOS E DOS OBJETIVOS. Art.5º - As Escolas Municipais têm como finalidade difundir e aprimorar a educação nas comunidades onde estão inseridas, consonante as diretrizes e bases da Educação Nacional e em conformidade com as metas, planos, proposta político-pedagógica e programas do Governo Municipal. Art.6º - O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I. igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; II. liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; III. respeito à liberdade e apreço à tolerância; IV. valorização do profissional da educação escolar; V. gestão democrática do ensino público; VI. garantia de padrão de qualidade; VII. valorização da experiência extraescolar; VIII. vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais.
1

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

Art.7º - O objetivo geral da Educação Pública Municipal de Saquarema é propiciar ao educando a formação básica necessária ao desenvolvimento e aperfeiçoamento da consciência social, crítica, solidária e democrática onde todos sejam sujeitos de sua própria história, participantes ativos e criativos na sociedade, buscando construir, reconstruir e transformar o conhecimento e as relações entre os homens, com base nas suas experiências, no saber socialmente organizado e na sua relação teórico-prática. TÍTULO III DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Art.8º - O Conselho Municipal de Educação de Saquarema é um órgão colegiado criado pela Lei nº 258/97, reestruturado pela Lei nº 573 de 21 de dezembro de 2001, regulado por regimento próprio, com funções normativa, deliberativa, fiscalizadora, mobilizadora e de assessoramento ao Sistema Municipal de Ensino; Art. 9º - O Conselho Municipal de Educação tem por finalidade básica promover, no nível de sua competência, o desenvolvimento da educação no município e o fortalecimento do Sistema Municipal de Ensino, atuando em estreita articulação com a Secretaria Municipal de Educação e Cultura; Art.10 - Os atos normativos emanados do Conselho Municipal de Educação devem ser respeitados pelas Unidades Escolares vinculadas à Secretaria Municipal de Educação e Cultura; Art.11 - A composição e as competências do Conselho Municipal de Educação estão descritas na Lei de criação e regimento interno do próprio Conselho. Art.12 - O Regimento do Conselho Municipal de Educação prevê estratégias para ouvir a comunidade, acolher denúncias, mobilizar segmentos sociais em parceria com a Secretaria Municipal de Educação e Cultura, buscar formas de acompanhar, avaliar e qualificar a educação em nosso município, atuando na definição das políticas sociais e planejamento educacional. TÍTULO IV DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Art.13 - A Secretaria Municipal de Educação e Cultura tem por objetivos: I. elaborar e implementardiretrizes educacionais; II. atender a demanda de Educação Infantil, em creches e pré-escolas; III. atender a demanda de Ensino Fundamental, Regular e EJA; IV. prover Atendimento Educacional Especializado; V. elaborar atos normativos que regulamentem a organização e o funcionamento das Unidades Escolares, sob sua responsabilidade; VI. promover a autonomia financeira das Unidades Escolares, por meio de repasses de recursos próprios; VII. valorizar o profissional por meio de oferta e de incentivo à Formação Continuada; VIII. acompanhar e avaliar a implantação do Plano Municipal de Educação de Saquarema; IX. participar e responsabilizar-se pela elaboração, implementação e avaliação das políticas educacionais para a Rede Municipal de Ensino de Saquarema;

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

X. Acompanhar o desenvolvimento do Projeto Político Pedagógico das Unidades Escolares; XI. Realizar reuniões junto aos gestores das Unidades Escolares para orientações e para avaliação de implementação das políticas educacionais da Rede Municipal de Ensino de Saquarema; XII. Homologar calendário escolar; XIII. Homologar matriz curricular; XIV. Oficializar o início do funcionamento das Unidades Escolares bem como Salas de Recursose entidades conveniadas, pertencentes a Rede Municipal; XV. Zelar pela existência e funcionamento legais das Unidades Escolares sob a responsabilidade do Sistema Municipal de Ensino; XVI. Zelar pelo cumprimento do Regimento Básico da Rede Municipal de Ensino de Saquarema nas Unidades Escolares; Art. 14 - A estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Educação e Cultura compreende: - Gabinete do Secretário Municipal de Educação e Cultura - Departamento Administrativo - Departamento Financeiro - Departamento de Educação - Departamento de Projetos e Eventos Parágrafo Único: Os departamentos que compõem a Secretaria Municipal de Educação e Cultura devem trabalhar em regime de parceria, articulando suas ações, visando sempre a qualidade da educação nas Unidades Escolares. TÍTULO V DA INSPEÇÃO ESCOLAR Art. 15 - As atividades da Inspeção Escolar são exercidas por profissionais devidamente habilitados sendo lotados na Secretaria Municipal de Educação e Cultura. Art. 16 - O Inspetor Escolar tem como função assessorar e inspecionar as Unidades Escolares municipais e as escolas privadas que atendam a Educação Infantil, de forma a cumprir e fazer cumprir todas as determinações deste Regimento Escolar, da Secretaria Municipal de Educação e Cultura e da legislação educacional vigente.

Art. 17 - São atribuições do Inspetor Escolar: I. Atuar como elemento de ligação entre a equipe central da Secretaria Municipal de Educação e Cultura e a Unidade Escolar em assuntos de sua competência; II. Divulgar normas e orientar a Unidade Escolar no que se refere ao cumprimento do Regimento Escolar e demais legislações vigentes; III. Verificar o cumprimento do Calendário Escolar do ano letivo; IV. Verificar a organização da escrituração escolar e a funcionalidade dos arquivos; V. Examinar periodicamente os Diários de Classe para verificar: a. Se os alunos relacionados são matriculados; b. Se os dias letivos e a carga horária estão condizentes com o plano curricular e com o Calendário Escolar;

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

c. Se a frequência e os conteúdos estão sendo devidamente registrados. VI. Verificar a regularidade da vida escolar dos alunos através de exames dos documentos constantes das pastas individuais, analisando casos de matrícula, classificação e reclassificação de alunos, juntamente com a Equipe Técnico-Administrativo-Pedagógica; VII. Examinar, com vistas à expedição, os históricos escolares e os registros da vida escolar de alunos concluintes do Ensino Fundamental; VIII. Analisar, conferir e assinar os instrumentos individuais e coletivos da vida escolar do aluno; IX. Integrar a comissão de recolhimento de arquivo ou de apuração de irregularidades na Unidade Escolar, quando for o caso; X. Participar de iniciativas que visem ao crescimento profissional, tais como: seminários, cursos e plenárias do Conselho Municipal de Educação; XI. Assinar juntamente com o Diretor, o Histórico Escolar do aluno de Unidades Escolares que não tenham Secretário Escolar habilitado; XII. Participar do Conselho de Classe quando se fizer necessário a fim de solucionar assuntos de sua competência; XIII. Participar da elaboração do Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar; XIV. Analisar problemas e apresentar soluções, juntamente com a Equipe TécnicoPedagógica, relacionados ao rendimento dos alunos; XV. Participar das comissões para autorização de funcionamento e acompanhamento das Unidades Escolares de Educação Infantil da rede privada; TÍTULO VI DO CONSELHO ESCOLAR Art.18 - O Conselho Escolar tem por finalidade e principal objetivo a integração comunitária e o assessoramento à Direção em assuntos de interesse coletivo tais como: I. Incentivo à permanente integração da Unidade Escolar com a comunidade em que se insere e da qual faz parte; II. Incentivo ao desenvolvimento da integração social no âmbito interno da Unidade Escolar; III. Avaliação do nível de correspondência entre as expectativas dos usuários da Unidade Escolar e a atuação efetiva desta; IV. Avaliação do nível de adequação dos profissionais com exercício na Unidade Escolar às normas estabelecidas no Estatuto e às características da comunidade alvo; V. Guarda, controle e aplicação dos recursos financeiros, de acordo com as normas legais que regem a atuação da Unidade Executora, resultantes do movimento de eventos sociais/culturais realizados no âmbito da Unidade Escolar, convênios, doações, contribuições voluntárias, verbas oriundas de Órgãos Públicos; VI. O Conselho Escolar não se envolverá em questões religiosas, político-partidárias, ou em quaisquer outras que não se coadunem com seus objetivos educacionais; VII. Auxílio no desenvolvimento e qualificação do corpo docente, dos funcionários e dos membros do Conselho da Unidade Escolar, através de realizações de cursos e palestras; VIII. O Conselho Escolar pode e deve acompanhar a execução dos cardápios e o funcionamento do sistema ligado a merenda escolar da Unidade de Ensino e quando se fizer necessário, colaborar como voluntário, desde que seja solicitado; IX. Incentivo à integração entre os conselhos escolares.

1.A Direção das Unidades Escolares compõe-se dos seguintes elementos: I. Diretor Adjunto III. Corpo Discente V. 5.A Direção da Unidade Escolar é responsável por todo o processo de gestão. coordenação. integração. Corpo Docente Estrutura de Apoio Operacional. 3. supervisão. 23 . Inspetor de Aluno Auxiliar de Creche Responsável pela merenda. 4. Orientação Educacional 3. competindo-lhe cumprir e fazer cumprir a legislação sobre o ensino e as orientações e normas da Secretaria Municipal de Educação e Cultura.Os Estatutos dos Conselhos Escolares das Unidades de Ensino deverão ser registrados em cartório de acordo com a legislação vigente. Merendeira e Ajudante de Cozinha.Para o preenchimento da função de Diretor e Diretor Adjunto são exigidos os seguintes requisitos: III.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Art. TÍTULO VII DA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR Art. Supervisão Escolar ou Orientação Pedagógica 2. 22 . 20 . com base nas decisões tomadas coletivamente. Diretor II. Dos Pais ou Responsáveis CAPÍTULO I DA ESTRUTURA TÉCNICO-ADMINISTRATIVA SEÇÃO I DA DIREÇÃO Art.Para o desempenho de suas atividades. Coordenador de turno Art. 21 . Estrutura Técnico-Administrativa 1. Auxiliar de Serviços Gerais Porteiro IV. Estrutura Técnico-Pedagógica 1. Secretaria 3. as Unidades Escolaresdispõem da seguinte estrutura básica: I. planejamento. orientação. 2. Direção 2. assessorada e/ou auxiliada pelos setores que lhes estão subordinados.19 . . culturais e comunitários desenvolvidos pela escola. execução e avaliação dos trabalhos educativos. Conselho Escolar II . Art.

Cumprir. encaminhando-os e acompanhando-os no Atendimento Educacional nas Salas de Recursos Multifuncionais ou no Centro de Apoio à Inclusão Escolar . bem como fazer o acompanhamento. Promover a integração de toda a comunidade escolar. XV. controle de estoque de gêneros. sociais.São atribuições do Diretor: I. Garantir a divulgação. Divulgar eventos de natureza pedagógica que visem a formação continuada do profissional do magistério. VII. técnico-pedagógica e de apoio operacional. 24 . científicos. salvo nas questões decididas em assembleia do Conselho Escolar. XII.CAIE. ao Conselho Tutelar. Comunicar. em comum acordo com o Conselho Escolar. de acordo com a necessidade da Unidade Escolar. as disposições contidas neste Regimento e zelar pelo fiel cumprimento do calendário escolar. Acompanhar o processo pedagógico desenvolvido na Unidade Escolar. fazer cumprir as leis de ensino. Zelar pela conservação do patrimônio que lhe é confiado e encaminhar anualmente cópia do inventário dos bens patrimoniais sob sua responsabilidade a Secretaria Municipal de Educação e Cultura. XVI. 2. Realizar levantamento e triagem dos alunos público alvo da Educação Especial. VI. favorecendo a implantação de estratégias que visem a redução dos índices de retenção e evasão escolar constatados. além dos serviços prestados através das parcerias estabelecidas. prestando contas de investimento da verba escolar. Ser habilitado ou estar cursando o Ensino Superior. IV. presidir e superintender todas as atividades e serviços escolares. no mínimo. Supervisionar e responsabilizar-se pela organização financeira e controle das despesas da escola. Zelar para que seja respeitada a plena gratuidade de todos os serviços e atividades oferecidas pela Unidade Escolar. as determinações legais das autoridades competentes. X. valorizando os aspectos pedagógicos. Assinar a documentação escolar isoladamente ou em conjunto com o Secretárioe/ou Inspetor Escolar. responsabilizando-se por seu funcionamento. V. II. responsabilizando-se por seu funcionamento. Art. avaliação e controle de sua execução. . Supervisionar a qualidade e a distribuição da merenda escolar. Dirigir. VIII. de 02 (dois) anos. IX. reiteração de faltas injustificáveis. com o apoio do Conselho Escolar. de reprovação e abandono da escola. Representar a Unidade Escolar. maus tratos praticados contra os seus alunos. dos alunos com transtornos funcionais específicos e com dificuldades acentuadas de aprendizagem. III. XIV. em conformidade com o Plano Municipal de Educação do Município. a circulação e o acesso de toda e qualquer informação do interesse da comunidade escolar. Ter experiência no Magistério. Convocar e presidir as atividades e reuniões da equipe técnico-administrativa. assim como os Conselhos de Classe. por escrito. incentivando e viabilizando a participação dos interessados. esportivos e culturais. quando necessário. XI. preferencialmente em Pedagogia ou Pós-graduação em Gestão Escolar. perante os órgãos e entidades públicos e privados. XIII.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA 1. a fim de possibilitar um clima de harmonia e cooperação em todos os envolvidos no processo educacional. Participar da elaboração da Proposta Pedagógica e do Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar. atentando para o mapa mensal de distribuição.

XVII. nessas ocasiões todas as competências do titular da função. Art. Coordenar os trabalhos do seu turno. . assumindo. Substituir o Diretor. chegando 30 (trinta) minutos antes do horário previsto para o início das atividades do turno e retirando-se somente após o encerramento das mesmas. 25 . Encaminhar ao Diretor as ocorrências que transcendem às normas estabelecidas. manter a disciplina e fazer cumprir os respectivos horários. Registrar e comunicarao Diretor enfermidades eventuais. XX. XXI. cumprindo e fazendo cumprir as disposições legais nele expressas. Informar à Secretaria Municipal de Educação e Cultura os casos de afastamento de funcionários para que se tomem providências necessárias quanto à substituição dos mesmos. assumindo. nestas ocasiões. XXII. XI. IX. em última instância escolar. VII. X. as decisões e responsabilidades relativas à função. IV. V.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Entregar na data estabelecida os documentos solicitados pelos diversos setores da Secretaria Municipal de Educação e Cultura e demais órgãos. Partilhar com o Diretor. II. instruções e ordem superiores. XVIII. Substituir o Diretor em suas faltas e impedimentos. Decidir. Observar e fazer observar as leis. o Diretor Adjunto e o professor regente. Solicitar à Secretaria Municipal de Educação e Cultura os recursos humanos e materiais necessários ao pleno funcionamento da Unidade Escolar. Assessorar o Diretor na administração da Unidade Escolar e nos demais atos para os quais for por ele convocado. Art. comunicando-as a Secretaria Municipal de Educação e Cultura para análise e providências. Adotar medidas administrativas em conjunto com o Conselho Escolar quanto às possíveis irregularidades constatadas na Unidade Escolar. Participar da elaboração dos horários da aula juntamente com o Diretor e com os Orientadores. no âmbito da sua atuação. XIX.São atribuições do Diretor Adjunto: I. Executar as demais tarefas que lhes forem atribuídas pelo Diretor. III. zelando pelo seu bom funcionamento. VIII. Participar das reuniões pedagógicas. II. acidentes com os alunos. VI.São atribuições do Coordenador de Turno: I. em suas faltas ou impedimentos. administrativas. e articular-se com a equipe Técnico-Administrativa e Pedagógica da Unidade Escolar. Colaborar com o Diretor no levantamento de dados de natureza estatística e no controle da merenda escolar. Registrar as faltas de professores e pessoal administrativo do seu turno. do Conselho de Classe e do Conselho Escolar. todas as competências do titular da função. Zelar pelo cumprimento rigoroso dos horários de funcionamento de sua Unidade Escolar. Conhecer e divulgar o Regimento Escolar para toda a comunidade escolar. 26 . auxiliando-o no acompanhamento e controle de todas as atividades que compõem o cotidiano escolar no turno sob sua responsabilidade. Participar da construção e elaboração coletiva do Projeto Político Pedagógico e da Proposta Pedagógica da Unidade Escolar. como também encerrar o ponto. regulamentos. ou qualquer outra ocorrência durante o seu horário de trabalho. XII. III. os problemas e casos omissos.

bem como a ele compete a coordenação e a organização da documentação dos arquivos e dos expedientes necessários ao funcionamento da Unidade Escolar. juntamente com o diretor. Providenciar a escrituração. se necessário. Zelar para que os trabalhos da secretaria se desenvolvam dentro das condições de organização. dentro da Unidade Escolar. de forma a assegurar a comprovação da legalidade e regularidade de seu funcionamento. fornecendo informações relativas as notas e frequência de alunos . Art. VII.O Secretário Escolar é responsável por todos os atos e procedimentos relativos ao registro da vida escolar do aluno. Art. V. X. Organizar e manter atualizada a pasta individual com a ficha funcional e cópia dos documentos dos professores e funcionários da Unidade Escolar. IX. 27 . autenticidade e legalidade da vida escolar dos alunos. Organizar e arquivar toda a documentação relativa à Unidade Escolar. Participar de todas as reuniões para as quais for convocado ou onde haja necessidade de informações ou esclarecimentos pertinentes ao trabalho da secretaria. toda a documentação escolar. coordenar e responder pelo expediente geral da secretaria. 28 . pastas e etc. a legislação de ensino vigente. IV. tais como livros. Trabalhar de forma integrada com o corpo técnico-administrativo-pedagógico da Unidade Escolar. XVII. quer seja federal. 29 . Manter atualizada a frequência e o rendimento escolar dos alunos. divulgar e cumprir. Computar e manter registrados e atualizados os dados necessários à estatística escolar e à pesquisa educacional. Organizar. Manter atualizados e em ordem os registros e arquivos da Unidade Escolar especialmente os que se referem à vida escolar do aluno. em tempo hábil de livros de registros. orientando e fiscalizando as atividades por eles desenvolvidas.São atribuições do Secretário Escolar: I. Receber. formulários. Proceder e organizar a efetivação de matrículas de acordo com as normas emanadas da Secretaria Municipal de Educação e Cultura. atenção e integração indispensáveis ao seu bom funcionamento.A função do Secretário Escolar é exercida por profissionais que tenham a habilitação exigida por lei. através da verificação do diário de classe regularmente. VI. fichas individuais e demais documentos necessários para garantir a regularidade. XV. II. Distribuir entre os funcionários a ele subordinados atribuições e tarefas. XI. estadual ou municipal. inclusive dos Conselhos de Classe. III. XII. Assinar. preparar e expedir a correspondência oficial da escola. XVI. ordem. XIII. Conhecer. sigilo. Recepcionar condignamente o público e. encaminhá-lo aos devidos setores da Unidade Escolar. XIV. Providenciar todo o material necessário ao registro da vida escolar dos alunos.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA SEÇÃOII DA SECRETARIA Art. VIII.

Pesquisar. auxiliando a articulação do ensino teórico com o prático. por pessoas estranhas ao serviço. estudar e selecionar assuntos específicos de seu campo profissional. salvo quando oficialmente requeridos por órgão autorizados. com base nas orientações e diretrizes da Secretaria Municipal de Educação e Cultura e em concordância com a realização da comunidade escolar. II. livros. V. propondo a construção e dinamização da Proposta Pedagógica sugerida pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura. Art. IV. adaptando-o a realidade da Unidade Escolar. diários de classe e registro de qualquer natureza. Articular as ações pedagógicas desenvolvidas. Preparar e expedir certificados. Art. Orientar a atualização e/ou modificaçãodo planejamento de ensino com a participação direta dos professores e da Direção. 33 .A função da Supervisão Escolar/Orientação Pedagógica é exercida por profissional legalmente habilitado para a função de acordo com a legislação vigente. VIII. propondo medidas corretivas. Participar da elaboração e avaliação permanente do Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar. graduadas em função do ato cometido por falta de cumprimento as determinações do artigo anterior. Observar os princípios da ética profissional. adequando à realidade da comunidade escolar. Orientar e participar da escolha dos livros didáticos. 31 . Art. III. em conformidade com as leis em vigor. de forma participativa. .O Secretário Escolar e/ou os auxiliares da Secretaria estão sujeitos a penalidades. a fim de que o sistema de registro da vida escolar dos alunos ocorra com eficácia. IX. históricos ou outros documentos que comprovem a escolaridade dos alunos dentro do prazo estabelecido por lei. 32 . procurando manter-se atualizado.O Supervisor Escolar/Orientador Pedagógico é lotado na Secretaria Municipal de Educação e Cultura ou na Unidade Escolar em que atua sendo responsável pela orientação e acompanhamento do processo ensino-aprendizagem com o assessoramento técnico da equipe pedagógica da Secretaria Municipal de Educação e Cultura. VII. Evitar o manuseio. Promover constantemente a revisão da Proposta Pedagógica da Unidade Escolar e do referencial curricular da Rede Municipal de Ensino. Avaliar e analisar o trabalho de cada professor como também o rendimento escolar das turmas. oferecendo suporte técnico pedagógico para a implementação do mesmo. 30 . bem como a retirada do âmbito da escola. orientando e estimulando o trabalho dos professores. se for o caso. XIX. XVIII. CAPÍTULO II DA ESTRUTURA TÉCNICO PEDAGÓGICA SEÇÃO I DA SUPERVISÃO ESCOLAR/ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA Art.São atribuições do Supervisor Escolar/Orientador Pedagógico: I. VI. Estimular o corpo docente no aprimoramento permanente de sua formação. de pastas.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA transferidos.

XIX. XXIX. buscando soluções satisfatórias para as dificuldades de aprendizagem. Elaborar. Verificar e conferir. periodicamente. operacionalizando quando necessário. fazendo conhecer e atendendo as determinações dele emanadas. alunos e responsáveis. as situações de alunos regressos de outras Unidades Escolares e/ou de outros sistemas de ensino. XVI. XXVII. os diários de classe quanto ao registro de conteúdos. observando e respeitando as atribuições específicas de cada profissional. XVIII. Analisar. bem como na seleção do material didático. trocar experiências e propor modificações quando necessárias. Acompanhar. Trabalhar integrado com o Orientador Educacional no atendimento aos professores. Elaborações pedagógicas junto com os docentes com a orientação do Setor de Educação Especial da Secretaria Municipal de Educação e Cultura. Colaborar com o professor na sua auto avaliação. XXIII. revisar e assinar os relatórios bimestrais dos alunos da Educação Infantil. incentivando-os a exporem e defenderem seus pontos de vista. na medida de suas possibilidades. planejamento e relatórios dos alunos da Educação Especial. orientando quanto ao seu preenchimento. dificuldades e transtornos de aprendizagem. Acompanhar. Prestar assistência didático-pedagógica direta aos professores. Colaborar no entrosamento entre a Unidade Escolar e a comunidade. cursos e oficinas oferecidos pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura. XIV.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA X. participando intensamente das atividades gerais da Unidade Escolar. XXVI. Auxiliar os professores na compreensão das diferenças individuais de seus alunos e como atender às suas necessidades. Participar diretamente de todos os eventos promovidos pela Unidade Escolar. Participar das reuniões. visando a sua adequada adaptação ao ano de escolaridade em que sejam matriculados ou que pleiteiam a matrícula. o processo de adequação curricular. XXVIII. . XXII. junto com a equipe Técnico-Administrativo-Pedagógica. Acompanhar o cumprimento do calendário escolar. Planejar e participar junto com a equipe técnico-administrativo-pedagógica os Conselhos de Classe. XIII. Colaborar com os professores na elaboração e planos anuais de disciplinas e atividades extracurriculares. XXV. realizando um trabalho integrado com a equipe técnico-pedagógica. Orientar e acompanhar os processos de classificação e reclassificação dos alunos. XXX. Cumprir quaisquer outras atribuições previstas neste Regimento ou determinadas pela direção no âmbito de sua competência. Aceitar as sugestões dos professores. principalmente ao que se refere aos recursos audiovisuais e sonoros. Assegurar a divulgação do Regimento Escolar. a execução das estratégias a serem utilizadas nos estudos de recuperação. XXI. XXIV. analisar e acompanhar de forma articulada com os demais membros da equipe técnico-pedagógica e corpo docente. para atendimento aos alunos com deficiências. XII. XI. XV. XX. Organizar e dirigir reuniões com o corpo docente para avaliar os planejamentos. capacitações. acompanhando e supervisionando suas atividades diárias. XVII. revisar e assinar o plano de metas. visando a melhoria da qualidade de ensino.

VIII. II. Planejar e coordenar o processo de sondagem de interesses. IX. execução.A função da Orientação Educacional é exercida por profissional legalmente habilitado para a função de acordo com a legislação vigente. daqueles que exigirem uma assistência especial. reiteração de reprovações e de faltas não justificadas evitando a evasão escolar. junto com a equipe docente. 35 . discutindo-o com a Equipe TécnicoAdministrativo-Pedagógicada Unidade Escolar. Interagir com o aluno. Elaborar anualmente um plano de ação. Realizar entrevistas com alunos e com seus pais e/ou responsáveis. superação ou correção dos desajustes detectados. IV. XI.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA SEÇÃO II DA ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL Art. . com seu meio ambiente e com a produção cultural de forma a torná-lo um cidadão participativo. de modo a facilitar uma melhor compreensão de sua personalidade como um todo.O Orientador Educacional é lotado na Secretaria Municipal de Educação ou na Unidade Escolar em que atua sendo responsável peloacompanhamento do aluno no processo de construção de conhecimento incluindo o aspecto conceitual. XIV. visando a sua relação com as pessoas. Participar da organização das turmas. bem como do processo de avaliação e recuperação dos alunos. esportivas e culturais. XII. VII. sempre que houver casos de abandono da Unidade Escolar. Participar da elaboração. XV. Planejar e participar junto com toda a equipe Técnico-Administrativo-Pedagógica dos Conselhos de Classe. Art. VI. Analisar. devendo comunicar ao Conselho Tutelar. Participar do processo de integração escola-família-comunidade. propondo o encaminhamento. X. Participar das reuniões de pais e de todas as outras para as quais for convocado pela direção. visando despertar no educando a compreensão do mundo social e produtivo. o perfil de resultados alcançados pelo aluno. garantindo a sua participação efetiva nas atividades pedagógicas. Acompanhar a frequência dos alunos. Acompanhar o processo de integração e desenvolvimento dos alunos com Necessidades Educacionais Especiais no contexto educacional. implantação. por escrito. III. registrando características individuais e coletivas que possibilitem orientações no relacionamento na Unidade Escolar. Sistematizar o processo de acompanhamento dos alunos. XIII. 36 . Art.São competências do Orientador Educacional: I. logo após os conselhos de classe. a outros especialistas. aptidões e habilidades. Acompanhar o aluno no processo ensino-aprendizagem. realizando ações que favoreçam envolvimento dos pais. a fim de avaliar os índices de aprovação e reprovação propondo alternativas de melhoria. familiares e da comunidade escolar no processo educativo. V. avaliação e atualização do Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar a fim de integrar todas as influências educativas no processo de desenvolvimento do educando de forma prazerosa. Entrosar-se com o Orientador Pedagógico ou Supervisor Escolar a fim de manter a unidade da filosofia educacional adotada pela Unidade Escolar. procedimental e atitudinal visando a sua formação integral. 34 .

sobre as consequências legais no que se refere à infrequência e rendimento do aluno. à avaliação e ao desenvolvimento profissional. além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento. IV.A docência é exercida por professor legalmente habilitado. de acordo com a legislação vigente. como forma de aperfeiçoamento. sem comparações nem preferências. II. 40 . propostas curriculares e sua execução. dentro das possibilidades da Unidade Escolar. estudos de grupo e outras atividades que possam promover o enriquecimento dos alunos. de administração e de disciplina. além dos direitos que lhe são assegurados pelo Estatuto do Funcionalismo Público Municipal e do Plano de Carreira e Remuneração dos Profissionais da Educação do Município de Saquarema. reflexões. Informar à Direção. 39 . e. IV. utilizar os livros e material da biblioteca. 37 . periodicamente palestras. abusos e bulling. comparecer às reuniões ou cursos relacionados com as atividades docentes que lhe sejam pertinentes. Art. requisitar material didático necessário às aulas e atividades. .A seleção de profissionais que integram o corpo docente é feita através de concurso público. zelar pela aprendizagem dos alunos. III. nos casos de grave infração disciplinar ou da inobservância de seus deveres. necessários ao exercício de suas funções.O professor. através de relatório. de acordo com sua área de atuação nos termos da legislação vigente. técnicas e métodos utilizados ao exercício de suas funções e adoção do livro didático. ainda. tem ainda as prerrogativas de: I. os casos de suspeita de maus tratos domésticos.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA XVI. V. VI. V. elaborar e cumprir plano de trabalho. III. ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos. XIX. XVII. XVIII. 38 . de avaliação. propor a equipe Técnico-Administrativo-Pedagógica medidas que objetivem o aprimoramento dos métodos de ensino. ser considerado e valorizado em sua individualidade. Programar. participar da elaboração do PPP (Projeto Político Pedagógico) e da proposta pedagógica da Unidade Escolar. Orientar pais e/ou responsáveis sobre a importância de manter e acompanhar seu filho na escola. Desenvolver ações socioeducativas que visem à adequação do aluno. especialização ou atualização. as dependências e as instalações da Unidade Escolar. II. Art. SEÇÃO III DO CORPO DOCENTE Art. Art. estabelecer estratégias de recuperação paralela para os alunos de menor rendimento. registrando as intervenções em livros ou atas próprias. participar e opinar sobre programas. segundo a proposta pedagógica da Unidade Escolar.Os docentes das Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino devem incumbir-se de: I.

os problemas surgidos com os alunos. encaminhar à Direção. selecionar. X. XVIII. XXV. XV. e se fazer multiplicador das mesmas quando solicitado. participar das reuniões administrativo-pedagógicas. XIV. replanejando o trabalho. pesquisar e estudar assuntos específicos de seu campo de trabalho. XI. entregando sua documentação pronta na Secretaria Escolar. as ausências programadas a fim de não prejudicar o bom funcionamento do turno. criar estratégias e recursos apropriados às especificidades dos alunos com Necessidades Educativas Especiais. registrando seus avanços e dificuldades. mantendo uma conduta compatível com o ato de educar. dentro dos conteúdos curriculares. respeitando os horários de entrada e saída e avisar. participar ativamente dos Conselhos de Classe com a documentação das turmas sob sua responsabilidade. conhecendo. quando necessário. respeitando o ritmo e a fase própria de cada um. assegurar a divulgação do Regimento Escolar. elaborar anualmente seu plano de atividade ou de disciplina e entregá-lo na época solicitada ao Orientador Pedagógico. fazendo conhecer e cumprindo as determinações dele emanadas. segundo o sistema de avaliação adotado por esta Municipalidade. não puder comparecer ao Conselho de Classe. XXIV. XVI. visando a avaliação da ação educativa. propor. promover o desenvolvimento do aluno com Necessidades Educativas Especiais. manter com os colegas e demais integrantes da comunidade escolar o espírito de cordialidade e cooperação indispensáveis à eficiência da ação educativa. XII. XIX. avaliar os alunos. organizada e atualizada. . manter atualizado seu Diário de Classe. atender aos prazos de entrega da documentação inclusive da Educação Especial. XXII. comparecer com assiduidade ao trabalho. VIII. de cursos e palestras promovidas pela Rede Municipal de Ensino e/ou pela Unidade Escolar. procurando manter-se atualizado quanto aos processos de ensino e aprendizagem. XX. XXI. VI. VII.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade. com antecedência. participar da escolha do livro didático. especialmente no aspecto da frequência e notas dos alunos e registrar continuamente as ações pedagógicas. XIII. disponibilizando-as em tempo suficiente para os registros da Secretaria da Unidade Escolar. cumprir todos os seus deveres para o pleno desenvolvimento da sua cidadania. discutir e desenvolver projetos específicos para sua ação pedagógica. zelar para que o princípio disciplinar estabelecido no Regimento Municipal e Escolar seja preservado nas atividades desenvolvidas. proceder contínua e permanentemente a avaliação do aproveitamento escolar. XXIII. zelar pelo bom nome da Unidade Escolar. comunicar antecipadamente à Direção sua ausência quando por motivo justo. IX. XVII. XXVI. ao Orientador Educacional ou Supervisor Escolar/Orientador Pedagógico. bem como a baixa frequência e baixo rendimento escolar.

bem como sob influência de substâncias alcóolicas e/ou alucinógenas. VIII. XIII. utilizar o prédio escolar sem a prévia autorização da direção. projetar filmes. X. aplicar aos alunos penalidades outras que não sejam de advertência e repreensão oral e/ou por escrito. desde o início até o término dos períodos de atividades escolares. alterar notas ou frequências bimestrais de aluno após a entrega das mesmas. livros. orientando os alunos sobre a normas disciplinares para manter a ordem e prevenir acidentesna Unidade Escolar. bens patrimoniais da escola sem a prévia autorização da direção. tais como celular. encerrados e assinados. responsável pela merenda.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Art. salvo com a autorização da Direção. CAPÍTULO III DA ESTRUTURA DE APOIO OPERACIONAL Art. inspetor de aluno. participar de atividades que estejam em desacordo com os fins e objetivos previstos neste Regimento. sair de férias ou recesso entre os períodos letivos sem estar com a documentação e diários preenchidos. XVIII. usar indevidamente o nome da Unidade Escolar. faltar com respeito à dignidade do aluno. fazer uso de aparelhos eletrônicos. retirar diários. XV. merendeira e ajudante de cozinha. bem como entrar em atraso na classe ou desta sair antes de terminado o horário da mesma. II. XVI. SEÇÃO I DO INSPETOR DE ALUNO Art. fumar.àOrientação Pedagógica e à Inspeção Escolar. II. XI. IV. IV. zelar pela segurança individual e coletiva. dirigindo-se a ele em termos ou atitudes inadequadas a um educador. dispensar turmas ou alunos de suas aulas sem o prévio consentimento da Direção. XII. XVII. auxiliar de creche. promover excursões ou outras atividades fora da escola sem a prévia autorização por escrito da direção e/ou dos pais e/ou responsáveis. ausentar-se da Unidade Escolar no horário normal de trabalho sem comunicar à direção. III.É vedado ao Professor: I. comparecer a Unidade Escolar com roupas impróprias ao exercício do Magistério. XIV. 41 . IX. 42 -O apoio escolar é exercido pelos seguintes profissionais: I. dar informações aos alunos que não sejam de sua competência. II. músicas e textos inadequados aos alunos. Ipod e outros durante as aulas. V. sem comunicação imediata à Secretaria. jogar. auxiliar de serviços gerais. . V. VI. MPs. ocupar-se em sala de aula de assuntos alheios a sua função de professor. 43 -São atribuições do Inspetor de Aluno: I. III. coordenar e orientar a movimentação dos alunos. modificar qualquer resultado obtido em consenso nos Conselhos de Classe. usar bebidas alcóolicas ou drogas no recinto escolar. porteiro. VII.

para evitar riscos e prejuízos. X. organização e instalação de equipamentos e materiais didático-pedagógicos. acompanhar as crianças em sua movimentação pelas dependências. XIX. V. cuidar das trocas de roupas. III. VII. solicitando os reparos necessários. 44 . utilizar com racionalidade. vigiar as crianças durante o repouso. XIII. fazer a recepção das crianças e o contato com os pais na ausência da professora. percorrer as diversas dependências da Unidade Escolar. caso haja necessidade. estimular a independência dos alunos. observar as condições de funcionamento dos equipamentos. inclusive em atividades externas. XIV. VII. observar a entrada e a saída dos alunos para prevenir acidentes e irregularidades. XII. pedagógicas e outras atividades que fomentem e promovam os processos de socialização das crianças. executar outras atividades correlatas. IX. situação que evidencie riscos a segurança dos alunos. auxiliar e participar junto aos professores educadora na execução de atividades lúdicas. SEÇÃO II DA AUXILIAR DE CRECHE Art. . encaminhar ao setor competente da Unidade Escolar. IX. XX. acompanhar a clientela em atividades sociais e culturais programadas pela Unidade Escolar. XVIII. os alunos que necessitarem de orientação ou de atendimento. higiene pessoal. observar as alterações físicas e de comportamento. VIII. participar juntamente com o professor das reuniões com os pais e responsáveis.São atribuições do Auxiliar de Creche: I. VIII. impedindo a agressividade dos alunos. requisitar e manter o suprimento necessário à realização das atividades. colaborar na fixação e divulgação de avisos de atividades sociais. educação. bem como controlar a ingestão de líquidos e alimentos variados. manter atenção no acompanhamento e controle de entrada e saída de alunos. cultura. VI. XVII. V. XI. auxiliar a equipe técnico-pedagógica no remanejamento. ter ética em relação aos acontecimentos internos. acompanhar e participar sistematicamente dos cuidados essenciais referentes à alimentação. XV. recreação e lazer das crianças. III. zelar pela higiene e limpeza do ambiente e dependências sob sua guarda. instrumentos e bens patrimoniais. sua organização. responsabilizar-se pela alimentação direta das crianças dos berçários. II. materiais de consumo e pedagógicos pertinentes ao trabalho. receber e acatar criteriosamente as orientações e as recomendações do professor no trato e atendimento à clientela.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA comunicar imediatamente à Direção. observando os alunos quanto às necessidades de orientação e auxílio. XVI. cuidar da higiene e do banho das crianças. assim como. IV. administrativas e pedagógicas da Unidade Escolar. IV. economia e conservação os equipamentos. VI. educar e reeducar quanto aos hábitos alimentares.

executar as atividades relacionadas ao preparo das refeições. SEÇÃO V DO PORTEIRO Art. X.São atribuições do Auxiliar dos Serviços Gerais: I. utilizar o material de limpeza sem desperdícios e comunicar à Direção. executar outras tarefas correlatas. fiscalizar. servir as refeições. II. 45 . higienizar os utensílios. observando os cuidados básicos de higiene e de segurança. MERENDEIRA E AJUDANTE DE COZINHA Art. VIII. V. avental e sapato. providenciando as condições necessárias para evitar deterioração e perdas. zelar pela conservação dos alimentos estocados. auxiliar nos demais serviços correlatos a sua função. conforme exigências sanitárias. II. de acordo com o cardápio estabelecido pelo Setor de Nutrição Escolar da Secretaria Municipal de Educação e Cultura. auxiliar na vigilância da movimentação dos alunos em horário de recreio. . receber e armazenar os gêneros alimentícios. equipamentos e o ambiente da cozinha em geral. III. 46 . IV. VI. IX. executar outras tarefas de mesma natureza ou nível de complexidade. controlar a movimentação da entrada e saída de materiais. identificar e controlar a entrada e a saída de pessoas. selecionar e preparar lanches e refeições do educando. respeitar as normas de segurança ao manusear fogos. de início e de término dos períodos. prestar informações gerais. mantendo a ordem e a segurança dos estudantes quando solicitado pela Direção. zelar pelo ambiente da cozinha e por suas instalações e utensílios cumprindo as normas estabelecidas na legislação sanitária em vigor. IV. a necessidade de reposição dos produtos. aparelhos de preparação ou manipulação de gêneros alimentícios e de refrigeração. com antecedência. Merendeira e Ajudante de Cozinha: I. III. respeitar as normas de higiene pessoal e o uso obrigatório de touca. VII. V. auxiliar nos serviços correlatos a sua função. sempre que se fizer necessário. higienizar o ambiente físico da escola e de suas instalações cumprindo as normas estabelecidas na legislação sanitária vigente. II. 47 . III. participando das diversas atividades escolares. IV.São atribuições da Responsável pela merenda. VI. auxiliar na guarda das dependências da Unidade Escolar. coletar lixos de todos os ambientes do estabelecimento de ensino dando-lhe o devido destino.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA SEÇÃO III DA RESPONSÁVEL PELA MERENDA.São atribuições do Porteiro: I. associadas a sua especialidade. V. SEÇÃO IV DO AUXILIAR DESERVIÇOS GERAIS Art.

Art. regularmente. Art.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CAPÍTULO IV DO CORPO DISCENTE Art. X. na Unidade Escolar. XIII. receber. ministrado por profissionais capacitados para o exercício de suas funções e atualizados em suas áreas de atuação. ser considerado e valorizado em sua individualidade. receber seus trabalhos. previstos nos termos deste Regimento Escolar. dentro da Unidade Escolar. a equipe técnicoadministrativo-pedagógica e demais membros da comunidade escolar devem ser desenvolvidas a partir de princípios de liberdade e respeito mútuo. de liberdade de expressão. devidamente corrigidos e avaliados em tempo hábil. ter garantidas novas oportunidades de aprendizagem através de estudos de recuperação paralela. ser encaminhado ao Setor de Educação Especial para receber segundo avaliação técnico-pedagógica específica. 51 . quando apresentar Necessidades Educacionais Especiais. além dos decorrentes das disposições legais e do preceituado especificamente neste Regimento: . V. IV. recorrer dos resultados das avaliações do processo ensino-aprendizagem. XV.O corpo discente é constituído de todos os alunos regularmente matriculados. conhecer os critérios utilizados nos processos de avaliação qualitativo. quantitativo e de recuperação. por toda comunidade escolar. receber nas salas comuns. 50 . assim como do Estatuto da Criança e do Adolescente. quando apresentar Necessidades Educacionais Especiais. além dos que lhe são concedidos pela legislação educacional vigente e pelo Estatuto da Criança e do Adolescente: I. respeitando-se o limite da capacidade de atendimento da Unidade Escolar. III. ter acesso aos recursos materiais didático-pedagógicos da Unidade Escolar e as dependências do espaço escolar com a prévia autorização da Direção. dispor. receber. o corpo docente. um Atendimento Educacional Especializado em Salas de Recursos Multifuncionais. XVI.As relações entre o corpo discente. VI. receber ensino de qualidade. tarefas e atividades. 49 . sem comparações nem preferências. em igualdade de condições. ter acesso ao Regimento Escolar e as normas de funcionamento da escola. atenção adequada. bem como participar de iniciativas de natureza recreativa. XI. apresentar as dificuldades encontradas no estudo de qualquer atividade ou disciplina para buscar orientação e auxílio por parte dos professores. VII. XIV. cívica ou social promovidas pela Unidade Escolar. IX. nos termos da lei em vigor. dentro das normas estabelecidas por este Regime Escolar. XII. a frequência e as notas obtidas em cada bimestre. a orientação necessária para realizar suas atividades escolares.Constituem deveres do aluno. ter acessibilidade garantida em todos os espaços comuns da Unidade Escolar quando apresentar Necessidades Educacionais Especiais. VIII. 48 . Art.São direitos do aluno. II. através do boletim escolar. matricular-se na Unidade Escolar mais próxima de sua residência. sempre que se sentir prejudicado.

É vedado ao Aluno: I. XVIII. MPs. ser assíduo e pontual em todas as atividades escolares. XII. telefone celular e outros. dedicar-se. V. tomar parte dentro ou fora da Unidade Escolar. em manifestações ofensivas a pessoas ou instituições. zelar pelo nome da Unidade Escolar. comunicar à Direção. obedecer às determinações deste Regimento. quando menor. VII. IV. o seu afastamento temporário. funcionários e demais integrantes da comunidade escolar. bem como utilizar aparelhos eletrônicos. professores. por motivo de doença com atestado médico. VII. efetivamente. zelar e preservar o bom estado de conservação do prédio. XIV. salvo os casos de medicamentos sob prescrição médica. distribuir. apresentar comportamentos condignos em todas as dependências da Unidade Escolar e nas proximidades. aos estudos. apresentar solicitação por escrito e assinada pelo responsável para fins de saída antecipada. por escrito. móveis ou carteiras da Unidade Escolar. IX. em sala de aula. bem como as normas e diretrizes estabelecidas pela Equipe Técnico-Administrativo-Pedagógica da Unidade Escolar. ler ou dedicar-se a qualquer atividade estranha às aulas durante as mesmas. ausentar-se da sala de aula sem a permissão do professor e da Unidade Escolar sem a autorização da direção. VI. III. nas salas de aula ou em qualquer local da Unidade Escolar. estabelecer relações de respeito com seus colegas. 52 . respeitar e acatar as instruções e recomendações da equipe técnico-administrativopedagógica e demais funcionários da Unidade Escolar. realizar todas as atividades escolares que visem ao crescimento e à avaliação de seu desempenho escolar. Art. faltar com respeito ou praticar quaisquer ato de violência física. XI. . 75% (setenta e cinco por cento) do período letivo anual. quaisquer folhetos ou impressos sem autorização da direção. entregar documentos no prazo estipulado. V. psicológica ou moral contra as pessoas da comunidade escolar. cumprir todos os seus deveres para o pleno desenvolvimento da sua cidadania. zelar pelos livros didáticos. IX. permanecendo na Unidade Escolar durante o horário estabelecido. II. Ipod. comparecer às comemorações e atividades educativas promovidas pela Unidade Escolar. X. equipamentos. VI. ficando o transgressor passível das penalidades definidas neste Regimento. VIII. quando uniformizado. II. assim como os mobiliários. utilizar-se de meios fraudulentos na prática escolar. XV. XVI. utilizar e portar drogas lícitas e/ou ilícitas de qualquer natureza dentro da Unidade Escolar. através de seu responsável. trazer consigo objetos ou impressos considerados inadequados bem como armas ou utensílios de uso perigoso. com respeito e disciplina. no recinto da Unidade Escolar. através dos pais ou responsáveis. no mínimo. quando maior de idade e. III. XVII. utensílios e material escolar do uso individual e coletivo. escrever ou causar danos nas paredes. portar-se. VIII. IV. devolvendo os mesmos à escola no período estipulado. XIII. frequentar. cumprir as normas disciplinares da escola.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA I.

suspensão de aulas. descumprir o presente Regimento. Art. IV. III e IV ou em caso de falta grave que possa resultar em dano material. obrigação de reparar o dano material. § 3º . Art. III. V. após a aplicação das medidas descritas nos incisos I. advertência escrita. conforme a decisão aplicada.As medidas previstas pelos incisosI. Conselho Tutelar e em última instância. advertência verbal.A medida prevista no inciso V é aplicada pelo Diretor da Unidade Escolar após análise dos registros de todas as ocorrências feitas em livros próprios durante o ano letivo em curso e pronunciamento dos professores e da equipe Técnico-AdministrativoPedagógica. CAPÍTULO V DOS PAIS OU RESPONSÁVEIS Art.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA X. o motivo do desligamento do aluno da Unidade Escolar. II. solicitar a presença do mesmo para o retorno do aluno à Unidade Escolar. para o retorno do aluno à escola. II. ao Ministério Público. além daqueles outorgados por toda a legislação aplicável: I.São direitos dos pais ou responsáveis. II. de no máximo 05 (cinco) dias.55 . causado à Unidade Escolare/ou aos membros da comunidade escolar.A Secretaria Municipal de Educação e Cultura se responsabilizará pelo encaminhamento do aluno para outra Unidade Escolar.As medidas disciplinares são aplicadas. com o direito a documentação de transferência. moral e físico a Unidade Escolar ou à Comunidade Escolar. comunicando à Secretaria Municipal de Educação e Cultura. § 4º . deveres e vedações. § 5º . exigindo a presença obrigatória do responsável. desligamento e impossibilidade de renovação de matrícula do aluno nesta Unidade Escolar.O aluno com Necessidades Educacionais Especiaistem os mesmos direitos. pela equipe Técnico-Administrativo-Pedagógica. § 1º . aplicada pelo Diretor. II.É assegurado ao aluno o direito de defesa e recurso ao Conselho Municipal de Educação de efeito suspensivo. devendo a Unidade Escolar comunicar à Secretaria Municipal de Educação e Cultura qualquer situação atípica que necessite de um procedimento diferenciado. III e IV são aplicadas pela Equipe TécnicoAdministrativo-Pedagógica da Unidade Escolar. atentando-se para a gravidade das faltas e os antecedentes do aluno. . 53 . por escrito. comunicando ao responsável. participarem das discussões do Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar. 54 . mantendo o registro das mesmas em livros próprios e atas específicas. cabendo ciência imediata à Direção. como medida disciplinar.Aos alunos que não cumprirem o disposto nos artigos 50 e 51 poderão ser aplicadas as seguintes penalidades: I. sendo garantido à Unidade Escolar o direito de ser ouvida antes da tomada da decisão final pelo Conselho Municipal de Educação. serem respeitados. Em caso de reincidência. § 2º .

matricular o aluno na Unidade Escolar. acompanhar o desenvolvimento escolar do aluno pelo qual é responsável. Art. comparecer às reuniões e demais convocações pedagógicas e administrativas da Unidade Escolar. III. . no que lhe couber. discriminando-o. VIII. encaminhar aos atendimentos especializados. manter relações cooperativas no âmbito escolar. comparecer as reuniões do Conselho Escolar. II. exigir que a Unidade Escolar cumpra com sua função social. qualquer documento ou material pertencente à Unidade Escolar. 57 . identificar-se na Secretaria para que seja encaminhado ao setor competente da Unidade Escolar. entrando no ambiente escolar sem a permissão da autoridade competente. XII. III. interferir no trabalho dos docentes. XIII. desrespeitar qualquer integrante da comunidade escolar. IX. ações que viabilizem o melhor funcionamento das atividades. retirar e utilizar. requerer transferência do aluno. V. XI. IX. respeitar e fazer cumprir as decisões deliberadas pelos Conselhos que representa. IV. propiciar condições para o comparecimento e a permanência do aluno na Unidade Escolar. VIII. VII.São deveres dos Pais ou Responsáveis: I. assumir junto à escola ações de corresponsabilidade que assegurem a formação educativa do aluno. IV. no decorrer do ano letivo. sobre a frequência e o rendimento escolar obtido pelo aluno.Aos Pais ou Responsáveis é vedado: I. II. de acordo com a legislação vigente. VI. tomar conhecimento dos acontecimentos relevantes da vida escolar do aluno. professor ou qualquer pessoa da comunidade escolar a situações constrangedoras. cumprir as disposições do Regimento Escolar.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA sugerir. VII. quando criança ou adolescente. funcionário. V. expor o aluno pelo qual é responsável. sem a devida permissão da autoridade competente. IV. XI. aos diversos setores da Unidade Escolar. contestar critérios avaliativos. usando de violência simbólica. VI. respeitar os horários estabelecidos pela Unidade Escolar para o bom andamento das atividades escolares. ter assegurado o direito de votar e/ou ser votado representante do Conselho Escolar e associações afins. inclusive o aluno pelo qual é responsável. X. quando criança ou adolescente. V. o aluno pelo qual é responsável. 56 . sempre que se fizer necessário. podendo recorrer às instâncias escolares superiores. que venham a prejudicar o desenvolvimento escolar do aluno pelo qual é responsável. ser informado. tomar decisões individuais. ter garantido o princípio constitucional de igualdade de condições para o acesso e a permanência do aluno na Unidade Escolar. quando for integrante. III. agredindo-o fisicamente e/ou verbalmente. ter acesso ao calendário letivo da Unidade Escolar. X. Art. ter conhecimento efetivo do Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar e das disposições contidas neste Regimento.

da qual depende a possibilidade de conquistar todos os demais direitos definidos na Constituição Federal. com as respectivas assinaturas. como é o caso. 62 .Na organização da Educação Básica devem-se observar as Diretrizes Curriculares Nacionais comuns a todas as suas etapas. o mesmo será validado por assinaturas de testemunhas. divulgar por qualquer meio de publicidade. perpassando todo o currículo e propiciando a interlocução entre os saberes de diferentes campos do conhecimento. Parágrafo Único – A interdisciplinaridade e a contextualização devem assegurar a transversalidade do conhecimento de diferentes disciplinas e eixos temáticos.A Educação Básica é direito universal e alicerce indispensável para o exercício da cidadania em plenitude. Art.O currículo da Rede Municipal de Ensino de Saquarema configura-se como um conjunto de valores e práticas que proporcionam a produção. estarão sujeitos às penalidades impostas pelos órgãos competentes. são diversas quando se atenta para sujeitos que fogem à norma. Art. no entanto. as quais. por parte das pessoas envolvidas. Art.59 . EJA e Educação Especial – obedecem ao previsto nas Diretrizes Curriculares .Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA VI.Os fatos ocorridos em desacordo com o Regimento Escolar devem ser verificados e registrados. § 2º . respeitadas as suas especificidades e as da clientela a que se destinam.61 . ouvindo-se os envolvidos e as testemunhas.São etapas da Educação Básica correspondentes a diferentes momentos constitutivos do desenvolvimento educacional: Educação Infantil e o Ensino Fundamental. sem a prévia permissão da autoridade competente. assuntos que envolvam direta ou indiretamente o nome da Unidade Escolar. a continuidade de seus processos peculiares de aprendizagem e desenvolvimento. II.60 . Os pais e responsáveis que descumprirem o que lhes é vedado nesse Regimento. § 1º .A organização e a estrutura da Educação Infantil e do Ensino Fundamental – Regular. a socialização de significados no espaço social e contribuem para a construção da identidade sócio cultural dos educandos. 58 . de Jovens e Adultos sem escolarização ou com esta incompleta e de alunos portadores de Necessidades Educacionais Especiais. modalidades e orientações temáticas. § 3º . entre outros. TÍTULO VIII DA ESTRUTURA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA CAPÍTULO I DA ESTRUTURA CURRICULAR Art. sem tensões e rupturas. Nos casos de recusa de assinatura do registro. Art.A transição entre as etapas e suas fases requer forma de articulação que assegurem aos educandos. I.Estas etapas tem previsão de idades próprias.

67 . Parágrafo Único: Os conteúdos de cada área de conhecimento. explicitando todas as etapas.A organização curricular das Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino garante aos alunos acesso a uma Base Nacional Comum de maneira a legitimar a unidade e a qualidade da ação pedagógica na diversidade nacional. os princípios éticos de autonomia. social e a ampliação de seu universo. desenvolvimento e avaliação de suas propostas pedagógicas. § 3º . solidariedade e respeito ao bem comum. não implicando em retenção no ano/fase. atendidas as diretrizes legais. 62. Parágrafo Único: Qualquer modificação da estrutura prevista nas matrizes ora apresentadas vigorarão a partir do início do período letivo imediatamente posterior. 63 . os princípios estéticos da sensibilidade. III. articulação.As matrizes curriculares relativas à Educação Infantil e ao Ensino Fundamental Regular e Educação de Jovens e Adultos.As Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino oferecem a seus alunos uma parte diversificada para enriquecer e complementar a Base Nacional Comum. a introdução de projetos e atividades do interesse de sua comunidade.A ação pedagógica das Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino é baseada na construção de conhecimentos significativos. 66 .A Atividade Complementar será oferecida em Língua Portuguesa e Matemática do 6° ao 9° ano no Ensino Fundamental e através de projetos integrados ao currículo e ao PCN na Educação de Jovens e Adultos. responsabilidade.A Base Nacional Comum e a parte diversificada se integram em torno do paradigma curricular que estabelece a relação entre o Ensino Fundamental. 63. . 60. § 1º .Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Nacionais e na legislação em vigor que norteiam as instituições na organização.O Projeto Político Pedagógico fundamenta-se em como o educando se desenvolve e aprende. Art. procurando atender as suas necessidades e capacidades. ludicidade e diversidade de manifestações artísticas e culturais. Art. apresentar em seu planejamento um cronograma. Art. eficientes e eficazes e não na mera transmissão de informações. 65 e 66deste Regimento. bem como as estratégias de avaliação. 64. 64 . § 2º . encontram-se respectivamente às fls. 65 . sendo imprescindível. diurno e noturno elaboradas em consonância com as finalidades didático-pedagógicas das Unidades Escolares e com as determinações legais. valorizando a participação do aluno. Art. a vida cidadã e as áreas de conhecimento. II.As ações pedagógicas das Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino de Saquarema são definidas em consonância com: I. criatividade. Art. bem como a metodologia a ser utilizada e a descrição das ações farão parte do Projeto Político Pedagógico. do exercício da criticidade e do respeito à ordem democrática. propiciando de maneira específica. oferecendo diferentes experiências que possibilitem seu desenvolvimento pessoal. os princípios políticos dos direitos e deveres de cidadania. 61.

em seus aspectos físico. 68 . conhecer algumas manifestações culturais. sentimentos.A Educação Infantil. enriquecendo cada vez mais sua capacidade expressiva. interação e comunicação. IX. conhecidos ou imaginados através da brincadeira e demais formas de expressão. representar e evocar diversos aspectos vividos. de respeito e autorrespeito. aprendendo aos poucos a articular seus interesses e pontos de vista com os demais. com confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações. Art. necessidades. sociais. II. culturais. cabendo a esta última à responsabilidade final na elaboração do documento. Direção. respeito à dignidade e aos direitos da criança. econômicas.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Parágrafo Único: O Projeto Político Pedagógico é um trabalho conjunto de Professores.A Educação Infantil tem duração de 06 (seis) anos. estabelecer vínculos afetivos e de troca com adultos e crianças. II. considerada nas suas diferenças individuais. respeitando a diversidade e desenvolvendo atitudes de ajuda e colaboração. dependente e agente transformador do meio ambiente e valorizando atitudes que contribuam para sua conservação. gráfica. direito da criança de brincar como forma particular de expressão. de ser e estar com os outros em uma atitude básica de aceitação e autoaceitação. Art. VI. valorizando a diversidade. SEÇÃO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL Art. de confiança e autoconfiança que permitirão o acesso simultâneo aos conhecimentos mais amplos da realidade social e cultural das crianças. III. oferecida em creche em horário integral e pré-escola em horário parcial. fortalecendo sua autoestima e ampliando gradativamente suas possibilidades de comunicação e interação social. percebendo-se cada vez mais como integrante. demonstrando atitude de interesse. plástica. intelectual e social. desejos e avançar no seu processo de construção de significados. VII. complementando a ação da família e da comunidade. corporal. descobrir e conhecer progressivamente seu próprio corpo. 69 . utilizar as diferentes linguagens (verbal. suas potencialidades e seus limites. musical e matemática) ajustadas às diferentes interações e situações de comunicação. desenvolver uma imagem positiva de si. expressar suas ideias. respeito e participação frente a elas. desenvolvendo e valorizando hábitos de cuidado com a própria saúde e bemestar. criar condições para desenvolver as capacidades de convivência. considerando-se os seguintes princípios fundamentais: I. primeira etapa da Educação Básica. IV. observar e explorar o ambiente com atitudes de curiosidade. 70 . psicológico.São objetivos da Educação Infantil em relação a criança: I. étnicas e religiosas. VIII. . pensamento. estabelecer e ampliar cada vez mais as relações sociais. tem por finalidade o desenvolvimento integral da criança até 05 (cinco) anos de idade. Orientação Educacional e Pedagógica. de forma a compreender e ser compreendida. atuando de forma cada vez mais independente. V.

VII. III. construção do pensamento crítico reflexivo. XI. com duração de 09 (nove) anos. utilizando e aplicando os conhecimentos adquiridos na construção de uma sociedade democrática e solidária. ética e estética. pela legitimação das normas morais que lhe garanta essas realizações. valorizar e empregar o diálogo como forma de esclarecer conflitos e tomar decisões coletivas. construir uma imagem positiva de si. étnico e cultural. . perceber. VII. IV. o respeito próprio traduzido na confiança em sua capacidade de escolher. na comunidade local) e em situações especiais. V. apreciar e valorizar a diversidade natural e sociocultural. 72 . saber utilizar diferentes fontes de informações e recursos. V. SEÇÃO II DO ENSINO FUNDAMENTAL Art. na escola. econômico e sociocultural identificando fatores de risco à saúde pessoal e coletiva presentes no meio em que vive. VI. VI. materiais e culturais como meio para construir progressivamente a noção de identidade nacional e pessoal e o sentimento de pertinência ao país. compreender a importância da vida escolar no processo público. II. realizar seu projeto de vida. conhecer as características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais. em relação ao discente: I. atendimento aos cuidados essenciais associados à sobrevivência e ao desenvolvimento de sua identidade. X.O Ensino Fundamental na Rede Municipal de Ensino de Saquarema. interação social. conhecer e compreender.71 . IV.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA acesso da criança aos bens socioculturais disponíveis. III. gráfica. adotando posturas de respeito aos diferentes aspectos e formas do patrimônio natural. plástica. compreender que a condição de saúde é produzida nas relações com o meio físico. Art. ampliando o desenvolvimento das capacidades relativas à expressão. matemática. as noções básicas relacionadas ao meio ambiente. VIII. desenvolvimento cognitivo.São objetivos do Ensino Fundamental. comunicação. interpretar e usufruir das produções da cultura. conhecer e compreender as normas escolares que definem os deveres e os direitos dos educandos. valorizando o saber popular oriundo do ambiente em que vive o aluno. utilizar diferentes linguagens: verbal. de modo integrador e sistêmico. atuar de forma solidária em situações cotidianas (em casa. pensamento. destina-se à formação básica do cidadão e varia de conteúdos e métodos segundo as fases de desenvolvimento dos alunos. IX. socialização da criança por meio de sua participação e interação nas mais diversificadas práticas sociais. corporal como meio para expressar e comunicar suas ideias. sem discriminação alguma.

dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social. desenvolver o fortalecimento dos vínculos de família.A Educação de Jovens e Adultos se constitui em modalidade específica da Educação Básica e destina-se àqueles que não tiveram acesso ou continuidade de estudos no Ensino Fundamental na idade própria. XII. Art. da escrita e do cálculo. condições de vida e de trabalho.O planejamento da Educação de Jovens e Adultos do Ensino Fundamental é elaborado de forma a garantir oportunidades educacionais apropriadas às características deste alunado composto de jovens e adultos. XVII. proporcionar o desenvolvimento da capacidade de aprender. XVI.73 . tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura. reconhecendo a diversidade cultural como um direito dos povos e dos indivíduos e elemento de fortalecimento da democracia. seus interesses.74 . da família e dos grupos que compõem a comunidade. das artes. Art.A Educação de Jovens e Adultos oferecida pela Rede Municipal de Ensino de Saquarema é destinada àqueles que não tiveram acesso ou continuidade de estudos no Ensino Fundamental na idade própria e necessitam beneficiar-se das oportunidades oferecidas pela educação continuada.São objetivos da Educação de Jovens e Adultos em relação aos discentes: I. compreender e respeitar os direitos e deveres da pessoa humana. solidariedade e justiça contribuindo significativamente tanto para a inserção no mercado de trabalho quanto para a formação de uma consciência individual e coletiva dos significados e contradições presentes no mundo do trabalho e do consumo e suas possibilidades de transformação. compreender o ambiente natural e social do sistema político. do estado.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA conhecer a diversidade do patrimônio etno-cultural brasileiro. da economia. do cidadão. garantir a formação cultural. considerando os princípios filosóficos da Educação Básica Nacional e levando em conta seus interesses.Para ingressar na Educação de Jovens e Adultos será considerada a idade mínima de 15 (quinze) anos completos no ato da matrícula. da tecnologia. habilidades e atitudes de cooperação. tendo atitude de respeito para com pessoas e grupos que a compõem. XIV. .75 . § 3º . SEÇÃO III DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Art. condições de vida e de trabalho. XIII. 62 e 63 deste Regimento. § 2º .As Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino devem estabelecer suas metas de trabalho e organizar suas ações educativas em consonância com a Proposta Curricular da Rede Municipal de Ensino e com o Projeto Político Pedagógico elaborado pela comunidade escolar. considerado as características do alunado. 61. favorecendo o desenvolvimento de conhecimentos. § 1º . Parágrafo Único: As matrizes curriculares relativas ao Ensino Fundamental encontram-se nas folhas 60. XV. da cultura e dos valores em que se fundamenta a sociedade. desenvolver a capacidade de aprendizagem tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores.

compreende-se um processo educacional definido por uma Proposta Pedagógica que assegure recursos e serviços educacionais especiais. complementar. aperfeiçoar as formas de comunicação. garantir a transversalidade das ações da Educação Especial no ensino regular. conhecimentos. Art. considerando o perfil de sua clientela e os interesses e necessidades característicos de sua faixa etária. especialmente a língua nacional. suplementar e em alguns casos substituir os serviços educacionais comuns.reconhecendo e valorizando as diferenças e potencialidades.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA recuperar e elevar a autoestima do alunado. Art. considerada como expressão da cultura brasileira.800 (um mil e oitocentas) horas. em todas as etapas e modalidades da Educação Básica.A matrícula da Educação de Jovens e Adultos será realizada no início de cada semestre letivo. suas características biopsicossociais e faixa etária. II. dando-lhe condições de desenvolverse plenamente em seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. 80 .a elaboração dos seus respectivos planejamentos. obedecerá às Diretrizes Curriculares Nacionais vigentes. organizados institucionalmente para apoiar. respeitar as liberdades fundamentais do homem.O processo formativo da Educação de Jovens e Adultos. Art.600 (um mil e seiscentas) horas. prover condições de acesso. no Ensino Fundamental. de modo a garantir a educação escolar e promover o desenvolvimento das potencialidades dos educandos que apresentem necessidades educacionais especiais.São objetivos do Atendimento Educacional Especializado: I. IV.79 . dominar recursos científicos e tecnológicos que lhe permitam situar-se criticamente diante da realidade e assumir responsabilidade pessoal e social.76 . 82 . conforme o disposto neste Regimento. V. de cada educando. habilidades e competências de cada aluno. modalidade da Educação Escolar. distribuídas ao longo de dois anos e de 1. distribuídas em dois anos para os anos finais. pautando-se em princípios éticos e assegurando a busca da identidade de cada um. II.77 . Art.A Educação de Jovens e Adultos corresponde aos anos iniciais do Ensino Fundamental com a carga horária mínima de 1. ampliando valores. Art.78 . participação e aprendizagem no ensino regular e garantir serviços de apoio especializados de acordo com as necessidades individuais dos estudantes.O princípio da Educação Especial respeitará as situações singulares. . III. assim como as necessidades educacionais especiais no processo de ensino aprendizagem. 81 .Por finalidade da Educação Especial.Os conteúdos programáticos das diferentes disciplinas do currículo em todos os níveis da Educação de Jovens e Adultos são selecionados a partir da Proposta Curricular da Rede Municipal de Ensino de Saquarema e dos objetivos estabelecidos pelo Projeto PolíticoPedagógico da Unidade Escolar. SEÇÃO IV DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Art. cabendo aos Professores. com o acompanhamento do Orientador Pedagógico. Art.

assegurando-lhes condições indispensáveis para uma educação de qualidade. atuação colaborativa de professores e de profissionais do Atendimento Educacional Especializado. IV. de modo que essas turmas comuns se beneficiem das diferenças e ampliem positivamente as experiências de todos os alunos. realizar reuniões pedagógicas com a finalidade de acompanhamento do trabalho realizado pelo professor da classe regular em parceria com o Atendimento Educacional Especializado. 85 . dentro dos princípios de educar para a diversidade. orientando para o atendimento às Necessidades Educacionais Especiais dos alunos com transtornos funcionais específicos (dislexia. transtorno de atenção e hiperatividade. VIII. equipamentos e III. atua de forma articulada com o ensino regular. III. discalculia. VI.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA fomentar o desenvolvimento de recursos didáticos e pedagógicos que eliminem as barreiras no processo de ensino e aprendizagem. assegurar condições para a continuidade de estudos nos demais níveis etapas e modalidades de ensino. Art. Art. sempre que se evidenciem a necessidade de Atendimento Educacional Especializado. entre outros). considerando seus fatores extrínsecos e intrínsecos.Para atendimento aos alunos com Necessidades Educacionais Especiais as escolas municipais devem prever e prover na organização de suas classes comuns e salas de recursos: I.A Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de Saquarema na perspectiva da Educação Inclusiva. distribuição dos alunos especiais pelas várias classes. conforme ano de escolaridade que deverá frequentar. III. mediante avaliação do professor e da equipe técnicopedagógica da Unidade Escolar e do Setor de Educação Especial em interação com a família e a comunidade. atuação de auxiliar de classe adequado às Necessidades Educacionais Especiais. contar com a experiência e com o envolvimento do seu corpo docente e equipe técnico-pedagógica com a colaboração da família e a cooperação de outros serviços da comunidade e do setor público quando necessário. VII. promove-se o encaminhamento do aluno em documento próprio ao Setor de Educação Especial para avaliação pela equipe multiprofissional. garantia de acessibilidade aos alunos especiais mediante eliminação das barreiras arquitetônicas urbanísticas na edificação – incluindo instalações. com observância das normas vigentes. Art. .As escolas regulares de Educação Infantil e de Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino dentro de uma política educacional inclusiva atendem aos alunos com Necessidades Educacionais Especiais.Para identificação das Necessidades Educacionais Especiais e a tomada de decisões quanto ao atendimento necessário. II. disgrafia. atuação de professores intérpretes das linguagens e códigos aplicáveis. II. 84 .86 . IV. disortografia. elaborar estratégias com a equipe técnico-administrativo-pedagógica que busquem contribuir para o progresso do processo de ensino aprendizagem do aluno. observar o aluno. V. professores especializados e/ou capacitados na modalidade de Educação Especial. número de alunos por turma adequados à natureza do trabalho e às Necessidades Educacionais Especiais. Art. após a realização das etapas acima descritas. IV. V. incentivo à formação continuada dos profissionais de educação na área de Educação Especial. 83 . a Unidade Escolar deve: I. quando necessário e com observância às normas vigentes.

integração escola-comunidade-família. o Atendimento Educacional Especializado em Salas de Recursos Multifuncionais ou em centros de Atendimento Educacional Especializado. demonstrando o educando. quebra de barreiras arquitetônicas e atitudinais. provendo as escolas dos recursos humanos e materiais considerando as normas de acessibilidade vigentes. evitar grande defasagem idade/ano escolar. projeto de aceleração para superdotados. XV. bem como do Centro de Apoio Escolar. XIII. Art. fundamentada em avaliação pedagógica.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA mobiliários. através do setor responsável pela Educação Especial. poderá o mesmo ser beneficiado com a Terminalidade Específica. as Salas de Recursos criadas nas Escolas Regulares recebem apoio.87 . Comunicação Alternativa para alunos com graves comprometimentos. utilização de recursos técnicos e tecnológicos que auxiliem o processo de ensinoaprendizagem. em horário alternado ao ensino regular. professor intérprete de LIBRAS para deficientes auditivos (através da língua brasileira de sinais-LIBRAS). comunicação permanente entre a escola e a Secretaria Municipal de Educação e Cultura. atendimento e acompanhamento de equipe multiprofissional do setor.Aos alunos com Necessidades Educacionais Especiais que estiverem incluídos no Ensino Regular deve ser garantido: I. através de reuniões periódicas. segundo avaliação e direcionamento da equipe multiprofissional. . respeitada a legislação vigente. os alunos com Necessidades Educacionais Especiais que até 15 (quinze) anos não apresentarem o domínio da leitura. XI. com Histórico Escolar que apresente. bem como de barreiras nas comunicações. VI. IV. XIV. XII. a fim de direcionar o seu encaminhamento para o mundo do trabalho. IX. sistema braile para deficientes visuais. a relação ano/objetivos/idade e após avaliação específica. principalmente nos anos finais do Ensino Fundamental. II. para alunos que apresentem necessidades especiais semelhantes. XVII. após avaliação da equipe multiprofissional. temporalidade flexível do ano letivo para atender às Necessidades Educacionais Especiais dos alunos de forma que possam concluir em tempo maior o currículo previsto para cada ano escolar. acompanhamento sistemático do seu processo ensino-aprendizagem. as habilidades e competências atingidas pelos educandos com grave deficiência mental ou múltipla. V. pela equipe da escola na qual está inserido. XVI. não ter conseguido alcançar o nível do conhecimento exigido para a conclusão do Ensino Fundamental. que registrará as competências e habilidades alcançadas pelos alunos. VIII. Terminalidade Específica é uma certificação de conclusão de escolaridade. III. de forma descritiva. a terminalidade específica é permitida para alunos com idade limite de 22 (vinte dois) anos que após o encaminhamento à Educação de Jovens e Adultos não apresentarem o domínio da leitura da escrita e do cálculo. mesmo recebendo o apoio necessário. da escrita e do cálculo serão encaminhados para a Educação de Jovens e Adultos. procurandose. X. porém. os serviços pedagógicos oferecidos nas Salas de Recursos são realizados individualmente ou em pequenos grupos. considerando o desenvolvimento global do aluno com Necessidades Educacionais Especiais. VII.

88 . X. II. as metas a serem alcançadas por bimestre. o aprofundamento e enriquecimento de aspectos curriculares em Salas de Recursos ou outros espaços definidos pela escola e pelo Setor de Educação Especial. Art. Art.90 . se assim for necessário. é contínua e periódica. Esta avaliação deve ser de responsabilidade de todos os profissionais envolvidos no seu processo de aprendizagem. matrícula no ano escolar correspondente ao seu grau de desenvolvimento e experiência. § 1º . sem justificativa.As formas de avaliação dos alunos com Necessidades Educacionais Especiais devem ser previstas no Projeto Político-Pedagógico da Unidade Escolar e devem garantir: I. Conselhos de Classe e Reuniões de Devolução.A Unidade Escolar deve ouvir e respeitar a famílianos momentos decisórios do processo de inclusão. sem prejuízo da continuidade de seus estudos.A família do aluno com Necessidades Educacionais Especiais responsabiliza-se por: I. Art. ser encaminhado/reencaminhado ao Setor de Educação Especial até o final do primeiro bimestre. ambiente específico para aluno que possua baixa concentração. Parágrafo Único: O aluno da Sala de Recursos que se ausentar por 30(trinta) dias consecutivos.Aos alunos que apresentam altas-habilidades/superdotação são garantidos: I. conforme este Regimento Escolar. Art. . tomar as providências cabíveis encaminhadas pela Unidade Escolare pela Equipe Multiprofissional do Setor de Educação Especial. ter definidas por disciplina. III.89 . utilização da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS na avaliação dos alunos com deficiência auditiva. maior tempo para execução. de caráter qualitativo. § 2º . mediante avaliação feita pela Unidade Escolar e Setor de Educação Especial em conformidade com a legislação vigente.Os casos de omissão da família são encaminhados ao Conselho Tutelar ou outro órgão de igual competência.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA IX. atendimento e avaliação do aluno com Necessidades Educacionais Especiais. A tomada de decisões quanto a sua vida escolar deve ser feita em reuniões pedagógicas. a conclusão em menor tempo do período escolar no qual estejam matriculados. perderá sua vaga.A avaliação dos alunos com Necessidades Educacionais Especiais com laudo ou que frequentem as Salas de Recursos. III. II. quando apresentarem dificuldade com a modalidade oral da língua. fornecer à Unidade Escolar às informações solicitadas. adaptações dos métodos de acordo com a necessidade e o nível de desenvolvimento do aluno. feita através de relatório bimestral descritivo levando em conta o desempenho do mesmo na classe inclusiva e na Sala de Recursos. II. só podendo retornar ao atendimento no ano seguinte.91 . comparecer à Unidade Escolarou ao Setor de Educação Especial sempre que for solicitada. III. passando então a ser avaliado por nota no ano em curso. IV.

deve seguir o Calendário Escolar elaborado e aprovado pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura. Art. 98 . Art. V.96 . ter uma Proposta Pedagógica em consonância com o Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar. ter um Plano de Metas por disciplina para cada aluno. CAPÍTULO II DO CALENDÁRIO ESCOLAR Art.Os alunos que apresentem deficiências graves que a Unidade Escolarnão consiga prover de modo significativo com atenção individualizada nas atividades da vida autônoma e social. 93 . considerando também os serviços setoriais da saúde. III.O público alvo da Educação Especial que frequentar a Sala de Recursos Multifuncionais deve ter matrícula específica como aluno do Atendimento Educacional Especializado em formulário próprio do Setor de Educação Especial. de acessibilidade e de equipamentos específicos. 97 . através de relatório bimestral descritivo.O Calendário Escolar ordena a distribuição dos dias letivos previstos por lei.O Atendimento da Educação Especial ofertado em Sala de Recursos Multifuncionais deve: I.identificando as Necessidades Educacionais Específicas dos alunos.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Art. recursos. é composto por no mínimo 200 (duzentos) dias de efetivo trabalho escolar. II. estas deverão ser feitas pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura. recursos pedagógicos. ter um professor habilitado e/ou capacitado. com a definição dos recursos necessários e das atividades a serem desenvolvidas. levando em conta o desempenho do mesmo na classe inclusiva e na Sala de Recursos. Art. bem como adaptações curriculares. Art. da assistência social. 92 . fixando as épocas de recessos e férias escolares. reuniões pedagógicas e atividades especiais. feriados. períodos de recuperação. mobiliário.A avaliação dos alunos com Necessidades Educacionais Especiais é contínua e periódica. materiais didáticos.O ano letivo. Art. Parágrafo Único: A Educação Infantil embora não tenha a obrigatoriedade de 200 (duzentos) dias letivos. IV. com a participação de todos os profissionais envolvidos no seu processo de aprendizagem não só em Conselhos de Classe como também nas Reuniões de Devolução. poderão ser encaminhados em caráter excepcional a Unidade Escolar ou instituição especializada para que sejam adequadamente atendidos. 94 . 100 (cem) dias e 400 (quatrocentas) horas para Educação de Jovens e Adultos. independente do ano civil. Conselhos de Classe. de pelo menos 800 (oitocentas) horas para as turmas do Ensino Fundamental Regular e Regular Noturno. apoios intensos e contínuos. ter um cronograma de atendimento aos alunos. em articulação com os demais Professores do Ensino Regular e interface com o Setor de Educação Especial. quando se fizer necessárias alterações no calendário no decorrer do ano letivo. 95 . . ser oferecido no contra turno da escolarização regular.As Salas de Recursos Multiprofissionais instaladas nas Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino têm espaço físico próprio.

responsável e aluno emancipado ou maior autoriza o uso de imagens em exposições e-mails eletrônicos com fins pedagógicos. Caso não autoriza a utilização.No ato da matrícula na Unidade Escolar.Responde o responsável pelo aluno por qualquer dano ou consequência advinda de matrícula com documento falso. atualização e aprimoramento de pessoal estabelecidos no Calendário Escolar não são computados como dias letivos. CAPÍTULO III DAS MATRÍCULAS E TRANSFERÊNCIAS Art. perdendoportanto. 99 .A matrícula nas Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino de Saquarema é feita antes do início do ano letivo. sendo passível ao responsável arcar com as sanções que a Lei determina.Educação Infantil Creche I – 10 alunos Creche II – 15 alunos Creche III – 20 alunos Creche IV – 20 alunos Pré I – 25 alunos . 102 .Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Art.O mesmo dispositivo se aplica ao aluno emancipado ou maior. em período determinado pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura ou em qualquer época. atendidas as disposições legais.Por motivo justo.Os dias destinados exclusivamente a Conselho de Classe.O dia letivo abrange no mínimo. quatro horas de efetivo trabalho escolar. Art. § 1º . deverá declarar por escrito. Art. o responsável pelo aluno aceita e obriga-se a respeitar as determinações deste Regimento.É nula de pleno direito.Número máximo de vagas por turma: I . § 2º .O aluno que deixar de frequentar as aulas sem justificativa por um período superior a 45 (quarenta e cinco) dias consecutivos será considerado evadido perdendo o direito à vaga que ficará a disposição da comunidade.Ao assinar o requerimento de matrícula. adulterado ou irregular. que está a sua disposição para dele tomar conhecimento por inteiro. sem qualquer responsabilidade para a Unidade Escolar. § 6º. a critério da Direção da Unidade Escolar. a matrícula feita com documento falso ou adulterado. § 4º. 100 . arcando o aluno com ônus. pode ser aceita matrícula fora do prazo normal. § 3º . desde que haja disponibilidade de vaga.O aluno emancipado ou maior fica sujeito a mesma sanção estabelecida no parágrafo anterior. como a perda de frequência e avaliação que porventura lhe possa advir. a vaga que lhe havia sido concedida. § 2º . § 1º . 103 .O aluno da EJA é considerado evadido quando deixar de frequentar por 30 (trinta) dias consecutivos. o pai. reuniões. 101 . § 5º . Art.

caso a equipe técnico-pedagógica da Unidade Escolar reconheça. fotocópia do Comprovante de Residência.Excepcionalmente. a matrícula do aluno só pode ser feita até 15(quinze) dias após o início das aulas. o aluno com idade inferior ao mínimo estabelecido no caput do artigo pode ser matriculado. fotocópia do Título de Eleitor (para maiores de 18 anos). 106 . o Histórico Escolar pode ser substituído por comprovante da escolaridade anterior. Art. . psicomotoras e afetivas para cursar aquele ano.Para matrícula de Educação Infantil exige-se que o aluno tenha a idade mínima: I – de 6 meses para Creche I II – de 1 ano para Creche II III – de 2 anos para Creche III IV – de 3 anos para Creche IV V – de 4 anos para o Pré I VI – de 5 anos para o Pré II § 1º .Para a matrícula no Ensino Regular Noturno e EJA é exigida a idade mínima de 15 (quinze) anos completos. além dos documentos mencionados no artigo anterior. fotocópia do Certificado do Serviço Militar. fotocópia da Certidão de Nascimento ou Casamento.Ensino Fundamental 1º ao 3º Ano – 25 alunos 4º ao 5º Ano – 35 alunos 6º ao 9º Ano – 40 alunos Art. Art. fotocópia da Carteira de Identidade do Responsável.O aluno da Educação Infantil deve contemplar a idade necessária em cada fase estipulada no caput deste artigo até 31 de março. III. 105 . Parágrafo Único: Considerando a curta duração do período letivo da EJA. VII. 104 . para a matrícula na Educação Infantil. VIII. com validade não superior a 30 (trinta) dias. documento atualizado que comprove a necessidade de atendimento especializado. § 1º . Histórico Escolar em 1ª via. IV. § 1º .O laudo da Equipe Técnico-Pedagógica referido no parágrafo anterior passará a fazer parte da vida escolar do aluno. 107 .Para a matrícula de alunos oriundos de outraUnidade Escolarexige-se. após o período de observação no ambiente escolar e avaliação escrita da Orientação Pedagógica e Educacional.Para matrícula inicial no 1º ano do Ensino Fundamental é exigida a idade mínima de 06 (seis) anos completos até 31 de março. V. fotocópia da Carteira de Identidade (para maiores de 16 anos). fotocópia da Carteira de Vacinação atualizada. Art. ter o candidato condições cognitivas. II.Provisoriamente. VI.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Pré II – 25 alunos II . § 2º . Art. 2fotos (3X4) recentes. 108 . IX.Para efetuar a matrícula do aluno são exigidos os seguintes documentos pessoais: I.

§ 2º . em ano compatível com seu nível de desenvolvimento afetivo e cognitivo.O responsável pelo aluno deve declarar. § 3º . Parágrafo Único: A não apresentação desses laudos ou pareceres implicará no encaminhamento do aluno para a avaliação com os profissionais da Equipe Multiprofissional do Setor de Educação Especial da Secretaria Municipal de Educação e Cultura. na própriaUnidade Escolar. a inexistência ou a impossibilidade justificada de comprovar a vida escolar anterior do mesmo. que o encaminhará. 113 . dentro da mesma Unidade Escolar ou dentro da Rede Municipal de Ensino de Saquarema.As Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino podem reclassificar os alunos do Ensino Fundamental transferidos. por escrito e nas formas da lei.Não pode haver reclassificação de alunos do 1º ano ao 9º ano do Ensino Fundamental. quando necessário. 110 .O aluno sem comprovante de escolaridade anterior pode matricular-se no Ensino Fundamental. por escrito.Para a matrícula a partir do 6º ano. Art. Art. 109 .A reclassificação para o ano compatível com seu desenvolvimento será feita mediante avaliação específica realizada pela Equipe Técnico-Pedagógica da Unidade Escolar.Os resultados das avaliações especiais de classificação e de reclassificação são registrados em atas que passam a constar do Histórico Escolar do aluno. renovação de sua matrícula.O aluno que cursou. mediante avaliação específica preparada e aplicada pela Equipe Técnico-Pedagógica e pelos docentes do ano da Unidade Escolar para classificação no ano adequado. para Atendimento Especializado. para prosseguir os estudos interrompidos. o aluno após o prazo mencionado acima ficará em situação irregular na Unidade Escolar. tendo como base as normas curriculares gerais. Regular e Educação de Jovens e Adultos. é necessário que a Inspeção Escolar da Secretaria Municipal de Educação e Cultura aceite a comprovação de não ter havido escolarização anterior ou de que existam razões que impeçam a apresentação de documento. Art.Como a matrícula só pode se concretizar com a apresentação do Histórico Escolar. . 111 . período letivo anterior ou que volta a frequentá-lo. § 3º .Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA § 2º . o aluno com Necessidades Educacionais Especiais deve apresentar além dos documentos exigidos no artigo 106. Art. após afastamento por um ou mais períodos letivos.O aluno do Ensino Regular Noturno da própria Rede que esteja ausente do convívio escolar pode ser reclassificado dentro da mesma Unidade Escolar pertencente à Rede Municipal de Ensino de Saquarema. laudos médicos e/ou pareceres técnicos atualizados. § 2º .A reclassificação só poderá ocorrer durante o 1º bimestre do ano letivo para os alunos do Ensino Fundamental Regular e no 1º mês de cada semestre letivo para os alunos da Educação de Jovens e Adultos. Art.A avaliação deve abranger os conteúdos da Base Nacional Comum. § 4º . deve requerer. § 1º .Na matrícula inicial ou por transferência. § 1º . 112 . inclusive os oriundos da Unidade Escolar situados no exterior.

117 . a respectiva carga horária. bem como o ano a que correspondem.Quando a transferência ocorrer durante o ano letivo. Art. 115 . dando-se especial atenção à comunicação em Língua Portuguesa. a apresentação de Histórico Escolar. Art.A documentação do aluno com Necessidades Educativas Especiais.As Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino de Saquarema não podem negar transferência a qualquer de seus alunos nem exigir declaração de vaga da Unidade Escolarpara onde eles se transferem.O documento de transferência deve ser entregue aos responsáveis legais. esta deverá ser efetuada: I – normalmente. . poderá ser feita a reclassificação de alunos com ano(s) cursado(s) em Unidade Escolar estrangeira. devendo o responsável pelo aluno requerê-la dentro do prazo previsto para garantir a vaga na Unidade Escolar. o número de faltas dos períodos cursados.Todos os documentos devem ser traduzidos por tradutor público juramentado. § 1º . a ficha individual do aluno do ano em curso. deverá estar anexado ao histórico. Art. 120 . § 1º . Art. com proveito.O Ajustamento Curricular é feito através de Plano de Estudo. 116 . Parágrafo Único: Na declaração de escolaridade deverá constar uma observação referente ao Atendimento Educacional Especializado. além dos documentos da classe comum deve ser anexada cópia dos relatórios referente ao Atendimento Educacional Especializado. § 2º . devendo ser feitos os ajustamentos curriculares necessários. Art. aluno maior de idade ou emancipado. no Ministério das Relações Exteriores. a estudos para o ajustamento curricular.O aluno será matriculado no ano a que corresponderem os estudos realizados. no ato da matrícula. critério de avaliação do rendimento escolar e o significado dos símbolos para exprimir resultados. Art. 119 . ficando a sua sistemática a cargo do Professor dadisciplina e o acompanhamento a cargo do Supervisor Escolar ou Orientador Pedagógico.Para matrícula de alunos oriundos do estrangeiro.Sempre que recomendável. Art. com a autenticidade comprovada pelo Consulado Brasileiro no país onde foram feitos os estudos.É necessário o reconhecimento. § 5º . contendo os dias letivos cursados. § 4º . 118 .A transferência de aluno para Unidade Escolar da Rede Municipal de Ensino fazse pela Base Nacional Comum. num prazo máximo de 20 (vinte) dias a partir da data de entrada de seu requerimento.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Parágrafo Único: Não há renovação automática de matrícula. o novo currículo. exige-se. de maneira metódica e progressiva. a Unidade Escolar registrará a equivalência e o aproveitamento dos estudos feitos. § 3º . nas férias consecutivas ao término do ano letivo. 114 .Nos documentos escolares. da firma do Cônsul Brasileiro aposta ao certificado que acompanha o Histórico Escolar do aluno. sendo o Histórico Escolar analisado pela Inspeção Escolar que o encaminha se necessário.Com a finalidade de atender adequadamente às exigências de ajustamento curricular e demais consequências da transferência.Ajustamento Curricular é o procedimento pedagógico que tem por finalidade atingir os ajustamentos necessários para que o aluno possa seguir. § 2º .

125 . sendo obrigatório o registro diário da frequência do aluno pelo professor. que não o início do ano letivo. 121 .Na ausência do Secretário Escolar que atenda a Unidade Escolar. sendo que nos dois últimos meses. 124 . sendo facultativa somente ao aluno: I – que cumpra jornada de trabalho igual ou superior a 06 (seis) horas. ao aluno.O controle de frequência contabiliza a presença do aluno nas atividades escolares programadas. II – maior de trinta anos de idade. para fins de promoção.É assegurado o regime dos exercícios domiciliares. no decorrer do ano letivo. o Histórico Escolar é assinado pelo Diretor juntamente com o Inspetor Escolar. . somente por motivos relevantes. § 1º . frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) do total da carga anual. como forma de compensação da ausência às aulas.A frequência às aulas do componente curricular Educação Física é obrigatória.Em caso de transferência. deve ser computada a frequência registrada na Unidade Escolar de origem. a frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) do total da carga horária do ano letivo. 122 . com acompanhamento pedagógico da Unidade Escolar. o controle de frequência deve ser feito a partir da data de efetivação da matrícula. § 3º . em situação similar. Art.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA II – eventualmente. IV – amparado pelo Decreto-Lei nº 1044/69.É obrigatória. CAPÍTULO IV DA FREQUÊNCIA Art. conforme condições previstas na legislação vigente. § 2º . Art. VI – que tenha prole.O Diretor da Unidade Escolar deve notificar ao Conselho Tutelar do município ou ao Juiz competente da Comarca ou ao Ministério Público as 10 (dez) faltas consecutivas ou as 20 (vinte) faltas intercaladas referentes aos alunos menores de 18 (dezoito) anos. das quais estão obrigadas a participar. 123 . sendo exigida. Art. estiver obrigado à pratica de educação física. V – amparado pela Lei nº 6202/75. Art. 126 . aos alunos que apresentarem impedimento de frequência. III – que estiver prestando serviço militar inicial ou que.Caso o aluno se matricule em outra época do ano. excluídos os casos de rendimento escolar insuficiente.O controle da frequência fica a cargo de cada Unidade Escolar. Art.

Art. Parágrafo Único: É vedado submeter o aluno a uma única oportunidade e a um único instrumento de avaliação. Desenvolvimento Cognitivo. 132 .Na Educação Infantil. a avaliação faz-se mediante o acompanhamento e registro do desenvolvimento de cada aluno. a verificação do rendimento escolar compreende a avaliação do aproveitamento e apuração da frequência. (EO) Em Observação. cognitivo e psicomotor. II – conteúdos trabalhados/habilidades/competências. III – os objetivos não alcançados/alcançados. devendo refletir o desenvolvimento global do aluno com preponderância dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos.No Ensino Fundamental Regular e EJA.O resultado da avaliação deve proporcionar dados que permitam a reflexão sobre a ação pedagógica. Art. contribuindo para que a Equipe Técnico-AdministrativoPedagógicada Unidade Escolar.A avaliação do processo de ensino e de aprendizagem é cumulativa. Art. provas.A avaliação do aproveitamento é o resultado da observação contínua e sistemática do Professor e da apreciação de trabalhos. 129 . possam reorganizar conteúdos.O critério adotado para traduzir o grau de aproveitamento do aluno do1º ao 9º ano do Ensino Fundamental. instrumentos e métodos de ensino. § 2º . devendo o Professor promover tantas situações quantas forem necessárias à verificação dos objetivos propostos. atividades individuais e grupais. com Escala de Avaliação (S) Sim. IV – as dificuldades encontradas e as ações para busca de soluções. mesmo para o acesso ao Ensino Fundamental. Art.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CAPÍTULO V DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO Art. Art. nos aspectos – Desenvolvimento Sócio Emocional. (N) Não. sendo vedada a repetição automática do mesmo. 131 . que deve conter: I – os objetivos propostos. do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental Regular Noturno e da . 133 . 127 . (AV) Às vezes. de acompanhamento contínuo e de registro.A avaliação do aproveitamento compreende o acompanhamento do processo de aprendizagem nos aspectos afetivo. Art. Parágrafo Único: O critério adotado para a avaliação do desempenho da Educação Infantil é através da ficha de Observação Pedagógica. com acompanhamento da Equipe Técnico-Pedagógica. processual e diagnóstica. § 1º . pesquisas. sem o objetivo de promoção. Formação de Hábitos e Atitudes e Desenvolvimento Sensorial e Motor. 130 . 128 . coerentes com as concepções e finalidades educativas expressas no Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar. e dos alunos com Necessidades Educacionais Especiais é através de relatório bimestral descritivo e desenvolvido pelo Professor. (NO) Não Observado.A avaliação deve ser realizada por meio de instrumentos diversificados e procedimentos de observação.O controle da frequência é feito pelo Professor no diário de classe e registrado bimestralmente na Ficha Individual.

deve o professor prever tantas atividades quantas forem necessárias à verificação dos objetivos propostos. § 2º . à medida que forem percebidas as necessidades dos alunos. Art.No processo de recuperação. Art. do 2º ao 9ºano do Ensino Regular Noturno. 137 . Art. 138 .Será promovido ao ano seguinte o aluno do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental.A nota obtida nas atividades da recuperação paralela substituirá a nota anterior se for maior. 140 . cujo somatório das avaliações dos quatros bimestres. de acordo com o alcance dos objetivos estabelecidos para cada ano ou fase.A recuperação tem sua organização e o seu planejamento estabelecido na Proposta Pedagógica. através de atividades diversas e deverá ser registrado no Diário de Classe a respectiva revisão dos resultados. § 1º .A recuperação é um processo contínuo que cada professor faz paralelamente ao desenvolvimento dos trabalhos escolares.Para efeito de avaliação da aprendizagem. não alcançando o mínimo de 50 (cinquenta) pontos bimestrais durante o processo de avaliação em cada disciplina ou demonstrar vontade de rever seus resultados. sempre que o aluno apresentar dificuldades no processo de aprendizagem.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA II a IX Fase da EJA é a utilização de notas de 0 (zero) a 100 (cem).Será promovido à fase seguinte o aluno da II a IX Fase da EJA cujo somatório das avaliações dos dois bimestres totalize no mínimo 100 (cem) pontos. sob a responsabilidade do Professor e coordenada pela Equipe Técnico-Pedagógicada Unidade Escolar. 134 . o professor deve ser orientado no sentido de rever sua prática pedagógica. sendo oferecidos. 136 . o aluno que não totalizou no mínimo 200 (duzentos) pontos no somatório dos quatros bimestres e o aluno que não totalizou no mínimo 100 (cem) pontos no somatório dos dois bimestres.Quando 70% (setenta por cento) da turma não obtiver resultado positivo na avaliação.Será retido no ano/fase o aluno que não alcançar o mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) de frequência no total de horas previstas no período letivo. Art. no mínimo 02 (dois) instrumentos avaliativos diferenciados. Parágrafo Único: Nas avaliações bimestrais deverão ser utilizados. o aluno será reavaliado. 135 . CAPÍTULO VI DA RECUPERAÇÃO Art. 139 . Art.Os estudos de recuperação são obrigatórios. . Art. totalize no mínimo 200 (duzentos) pontos. 141 . de forma paralela e concomitante. Parágrafo Único: O resultado do bimestre será a média aritmética decorrente do número de instrumentos de avaliação utilizado. Art.

propor soluções para os problemas levantados e/ou identificados através da ação conjunta de todos os seus membros.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CAPÍTULO VII DO CONSELHO DE CLASSE Art. Supervisores e/ou Orientadores Pedagógicos e Direção. possibilitando uma contínua autoavaliação da metodologia pela Equipe Técnico-Administrativo-Pedagógica da Unidade Escolar. também no Conselho de Classe. 145 . obrigatoriamente. V. III. sendo dispensados do Conselho de Classe do 4º bimestre. situa-se no contexto do processo ensino-aprendizagem como fator integrador da ação pedagógica e como técnica para avaliação numa concepção sistemática e contínua.O Conselho de Classe. excepcionalmente. para resolver situações inerentes ao processo educativo. atenderá aos seguintes objetivos: I. Art.O Conselho de Classe é constituído. 143 . ao final de cada bimestre letivo. contribuindo para a melhoria de todo o processo ensino-aprendizagem. estimular o desenvolvimento da capacidade de reflexão crítica. sendo coordenado por um dos elementos da Equipe Técnico-Pedagógica e presidido pela Direção da Unidade Escolar. não participam de todo o Conselho de Classe.O Conselho de Classe se reúne. por todos os Professores da turma. . possibilitar clima favorável à troca de experiências e ao entrosamento mais harmonioso de seus integrantes. Parágrafo Único: O Conselho de Classe poderá se reunir.Cada turma elege um representante de turma e um Professor Conselheiro. dos três primeiros Conselhos de Classe. precisas e relevantes. Art. do aproveitamento individual e global nas turmas. obtida através de observações criteriosas. propor ações que visem a eficácia do trabalho desenvolvido. que a oriente e aconselhe. reformular ou replanejar a sistemática de trabalho. Art.Os alunos representantes participarão. representando-a. de instância deliberativa. VIII. quando convidados. 142 . possibilitar a análise da problemática específica da escola e do aluno. VI. Orientadores Educacionais. VII. sempre que necessário. normalmente. em datas definidas no Calendário Escolar. constituindo-se em instrumento de mudanças desejadas no processo educacional. II. somente no momento da avaliação geral da turma. criar. detectando as causas do alto ou baixo rendimento escolar. 144 . § 2º . IV. tendo em vista o aperfeiçoamento do processo educativo.O Conselho de Classe. § 3º . § 1º . permitir uma visão real do aluno. fornecidas pelo corpo docente e equipe Técnico-Administrativo-Pedagógica da Unidade Escolar.Os alunos representantes de cada turma. promover a avaliação permanente e global do processo educativo.

Art.É obrigatória a presença do Diretor Adjunto ou do Coordenador de Turno na Unidade Escolar na ausência do Diretor. decotados e outros de não condignam com o ambiente escolar. 148 . Art. que devem estar registradas em ata lavrada pelo Coordenador do mesmo e assinada por todos os presentes. 147 . § 2º . após comunicação escrita e apuração dos fatos nos termos da legislação vigente. os professores devem estar com todo o material necessário à análise dos alunos devidamente preenchido. curtos. inclusive o Diário de Classe. . Parágrafo Único: As alterações do Regimento Escolar que forem elaboradas durante o período em curso só terão validade a partir do período letivo seguinte. Art.O Conselho de Classe é autônomo para tomar decisões. TÍTULO IX DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. será modificado ou complementado sempre que ocorrerem alterações legais de ordem superior que revoguem ou tornem sem efeito alguma de suas disposições ou quando assim exigir o aperfeiçoamento do processo educativo. Art. § 2º .entrar e permanecer na Unidade Escolar com trajes transparentes. Art. aplicadas. implica na aceitação pelo mesmo das decisões tomadas pelos demais participantes.A ausência do Professor ao Conselho de Classe.Ao iniciar o Conselho de Classe. Art. 150 . 146 .O presente Regimento. respeitando este Regimento Escolar. devem ser sempre precedidas de apurações dos fatos sendo assegurado ao funcionário o direito de defesa e recurso junto à Secretaria Municipal de Educação e Cultura com o efeito suspensivo se for o caso.Todos os funcionários da Unidade Escolar estão sujeitos as penalidades graduadas em função doato cometido por falta de cumprimento às determinações de suas funções. de modo a preservar a ética e a contribuir para o clima de confiança que deve envolver seus membros. 152 . elaborado com base nas normas vigentes.As penalidades de advertências verbais ou de repreensões escritas. 149 . além de motivar sanções de ordem administrativa.É vedado a todos os membros da Comunidade Escolar: § 1º . § 1º . 151 .Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Art.Os participantes do Conselho de Classe devem manter sigilo sobre os problemas abordados.portar armas de qualquer natureza nas dependências da Unidade Escolar. sem direito a pleitear mudanças posteriores.As demais penalidades disciplinares previstas no Estatuto do Funcionalismo Público Municipal são aplicadas pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura. 153 .

155 .Este Regimento entra em vigor após seu registro no Cartório de Títulos e Documentos. as Matrizes Curriculares dos Cursos mencionados no mesmo.Os casos omissos neste Regimento são resolvidos pela Direção. Art. § 1º . _______ de ________________________ de ________. Art. 157 . de acordo com a legislação em vigor. 154 . 158 .São anexos neste Regimento.todos os elementos envolvidos no processo ensino-aprendizagem estão obrigados ao sigilo especificados nesse artigo. na forma legal vigente. em consonância com a Equipe da Secretaria Municipal de Educação e Cultura e o Conselho Municipal de Educação.Incorporam-se a este Regimento as determinações legais baixadas por órgãos ou poderes competentes. Art.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA § 3º . SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO MUNICIPIO DE SAQUAREMA 2013. até que possam ser apresentados ao conhecimento público. 156 . Art.São sigilosos todos os atos da administração. MATRIZ CURRICULAR EDUCAÇÃO INFANTIL Âmbitos de Creche I experiência 1Formação Pessoal e Social Eixos: Creche II Creche III Creche IV Pré I Pré II .fazer uso de drogas lícitas ou ilícitas no ambiente escolar nas dependências da Unidade Escolar. Saquarema. Art.

procedimentais eatitudinais 8 40 8 40 8 40 8 40 4 20 4 20 horária ATIVIDADES COMPLEMENTARES Repouso Artes Atividades Recreativas Sala de Leitura Video – Educação CARGA HORÁRIA 2h/diárias 2h/semanais 2h/semanais 2h/semanais 2h/semanais OBSERVAÇÕES: 1. 2. A atividade de repouso não está presente na pré-escola. As creches funcionam em horário integral. MATRIZ CURRICULAR ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 5º ANO . A pré-escola funciona em horário parcial.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA  Identidade e * Autonomia 2Conhecimento do Mundo Eixos: *  Movimento   Música Artes Visuais * * * e * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *  Linguagem oral e escrita  Natureza Solidariedade  Matemática Categorias Curriculares Carga horária diária Carga semanal Conteúdos conceituais. 3.DIURNO Áreas de Conhecimento Língua Portuguesa Artes Educação Física 1º ano * * * 2º ano * * * 3º ano * * * 4º ano * * * 5º ano * * * .

NOTURNO Áreas de Conhecimento Língua Portuguesa Artes Ciências Matemática Geografia História 2º ano * * * * * * 3º ano * * * * * * 4º ano * * * * * * 5º ano * * * * * * . Ano letivo com 40 semanas 7. 6. Educação Religiosa  através da transversalidade. Trabalho e Consumo 4 20 800 4 20 800 4 20 800 4 20 800 4 20 800 OBSERVAÇÕES: 4. Sexualidade. Hora-Aula de 1º ao 5º ano  60 minutos. Vida Familiar e Social. Meio Ambiente. 5.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Ciências Matemática Geografia História Educação Religiosa Vida Cidadã Carga horária diária Carga horária semanal Carga horária anual * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * Saúde. Sempre presente (*) MATRIZ CURRICULAR ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 5º ANO .

Ano Letivo com 40 semanas.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Educação Religiosa Vida Cidadã Carga horária diária Carga horária semanal Carga horária anual * * * * Saúde. Meio Ambiente. Educação Religiosa através da transversalidade. 3.DIURNO Áreas de Conhecimento Língua Portuguesa 6º ano 05 7º ano 05 01 02 02 02 04 05 01 03 03 02 8º ano 05 01 02 02 02 04 05 01 03 03 02 9º ano 05 01 02 02 02 04 05 01 03 03 02 Atividade Complementar de 01 Língua Portuguesa Língua Estrangeira (Inglês) Artes Educação Física Ciências Matemática 02 02 02 04 05 Atividade Complementar de 01 Matemática Geografia História Estudos Turísticos 03 03 02 . Sempre presente (*) MATRIZ CURRICULAR ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO . Trabalho e Consumo 4 20 800 4 20 800 4 20 800 4 20 800 OBSERVAÇÕES: 1. 2. Vida Familiar e Social. Sexualidade. Hora-Aula de 2º ao 5º ano  60 minutos. 4.

3. Sexualidade. MATRIZ CURRICULAR ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO . Educação Religiosa através da transversalidade e sempre presente (*). Vida Familiar e Social. 4. Meio Ambiente. Trabalho e Consumo 06 30 1200 06 30 1200 06 30 1200 06 30 1200 OBSERVAÇÕES: 1.NOTURNO Áreas de Conhecimento Língua Portuguesa 6º ano 05 7º ano 05 01 02 02 02 04 05 01 03 03 02 * 8º ano 05 01 02 02 02 04 05 01 03 03 02 * 9º ano 05 01 02 02 02 04 05 01 03 03 02 * Atividade Complementar de 01 Língua Portuguesa Língua Estrangeira (Inglês) Artes Educação Física Ciências Matemática 02 02 02 04 05 Atividade Complementar de 01 Matemática Geografia História Estudos Turísticos Educação Religiosa Vida Cidadã 03 03 02 * Saúde. Vida Familiar e Social.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Educação Religiosa Vida Cidadã Carga horária diária Carga horária semanal Carga horária anual * * * * Saúde. Trabalho e Consumo . Meio Ambiente. Hora-Aula de 6º ao 9º ano  50 minutos. 2. Ano Letivo com 40 semanas. Sexualidade. Estudos Turísticos  não incide na promoção do aluno.

Estudos Turísticos  não incide na promoção do aluno.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA Carga horária diária Carga horária semanal Carga horária anual 06 30 1200 06 30 1200 06 30 1200 06 30 1200 OBSERVAÇÕES: 1. Educação Físicadada fora do horário normal da aula e da carga horária mínima obrigatória. 4. 3. Ano Letivo com 40 semanas.793 de 1º de dezembro de 2003. 2. 2. MATRIZ CURRICULAR ENSINO FUNDAMENTAL EJA Áreas de Conhecimento Língua Portuguesa Artes Educação Física Ciências Matemática Educação Religiosa Geografia História Vida Cidadã Carga horária diária Carga horária semanal Carga horária semestral FASE II * * * * * * * * FASE III * * * * * * * * FASE IV * * * * * * * * FASE V * * * * * * * * Saúde. Educação Religiosa através da transversalidade e sempre presente (*). Hora-Aula de 6º ao 9º ano  50 minutos. . uma vez que sua pratica é facultativa conforme determinação de Lei Federal nº 10. Sexualidade. Vida Familiar e Social. Meio Ambiente. Trabalho e Consumo 04 20 400 04 20 400 04 20 400 04 20 400 OBSERVAÇÕES: 1. Educação Religiosa  através da transversalidade e sempre presente (*).

Atividade complementar (2)  não incide na promoção do aluno (*) desenvolvida através de projetos integrados ao PCN. desenvolvidos no conteúdo de História e Geografia. 2. Meio Ambiente. 3.Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Saquarema SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATRIZ CURRICULAR ENSINO FUNDAMENTAL EJA Áreas de Conhecimento Língua Portuguesa Atividade Complementar (1) Língua Estrangeira (Inglês) Artes Educação Física(**) Ciências Matemática Atividade Complementar (2) Geografia (*) História (*) Vida Cidadã Carga horária diária Carga horária semanal Carga horária semestral OBSERVAÇÕES: Hora/aula = 50 minutos. (**) Educação Física  Dada fora do horário normal de aula e da carga horária mínima obrigatória. uma vez que sua prática é facultativa conforme determinação da Lei federal nº 10. Sexualidade.793 de 1º de dezembro de 2003. 1. Vida Familiar e Social. Atividade complementar (1)  não incide na promoção do aluno (*) desenvolvida através de projetos integrados ao currículo do Ensino Fundamental. 4. Trabalho e Consumo 04 22 440 04 22 440 04 23 460 04 23 460 . FASE VI 05 01 02 02 02 02 04 02 02 FASE VII 05 01 02 02 02 02 04 02 02 FASE VIII 05 01 02 02 02 05 02 02 02 FASE IX 05 01 02 02 02 05 02 02 02 Saúde. (*) Estudos Turísticos não incide na promoção do aluno.