LA LU Z FR ACTUR ADA

Recopilación y presentación: L. Cervantes-Ortiz

O Light Invisible, we praise thee! Too bright for mortal vision, O Greater Light, we praise Thee for the less; The eastern light our spires touch at morning. The light that slants upon our western doors at evening. The twilight over stagnant pools at batflight, Moon light and star light, owl and moth light, Glow-worm glowlight on a grassblade. O Light Invisible, we worship Thee! We thank Thee for the lights that we have kindled, The light of altar and sanctuary; Small lights of those who meditate at midnight And lights directed through the coloured panes of windows And light reflected from the polished stone, The gilded carven wood, the coloured fresco. Our gaze is submarine, our eyes look upward And see the light that fractures through unquiet water. We see the light but see not whence it comes. O Light Invisible, we glorify Thee! T.S. Eliot, The Rock

Oh Luz Invisible, nosotros te alabamos! demasiado brillante para la visión mortal, Oh luz Mayor, nosotros te alabamos por la menor; la luz del este que toca nuestras agujas por la mañana, a luz que se inclina sobre nuestras puertas del oeste al atardecer, la penumbra sobre quietos estanques al vuelo de murciélagos, luz de luna y luz de estrellas, luz de lechuza y polillas, luciérnaga resplandor sobre una brizna de hierba. Oh luz Invisible, nosotros Te adoramos! Te damos gracias por las luces que hemos encendido, la luz del altar y del santuario; las pequeñas luces de aquellos que meditan a medianoche y las luces dirigidas a través de los rosetones y la luz que refleja la piedra pulida, la madera grabada dorada, los colores del fresco. Nuestra mirada es submarina, nuestros ojos miran hacia arriba y ven la luz que se fractura a través de aguas inquietas. Vemos la luz pero no vemos de dónde viene. Oh Luz Invisible, nosotros Te glorificamos! T.S. Eliot, La roca

R

ubem Alves ha llegado a los 80 años, una edad no solamente hermosa sino también llena de

sabiduría poética, filosófica y teológica, aunque esta última sea muy a su pesar. Su trayectoria como pensador y escritor ha alcanzado una etapa climática que no tiene nada que ver con su edad. Eterno niño dispuesto a asombrarse, hoy lleva a sus lectores por caminos que nunca imaginó transitar, cuando en su primera infancia soñaba con ser músico. Acaso nunca perdió ese rumbo y ahora la poesía que brota de su pluma y de sus labios, con todo y la modestia que no deja de expresar siempre, estuvo siempre en germen en su corazón. Su tránsito por la teología, la educación, el psicoanálisis, la narrativa infantil es una lección de vida, como reza el lugar común, aunque también, al sumergirse en los vericuetos que le permitieron llegar hasta donde está, es posible hallar algunos de los tesoros que fueron preludiando los logros a los que llegaría con el tiempo. Alves ha conseguido romper todas las etiquetas que han querido contenerlo: si fue precursor de la teología de la liberación, muy pronto se deshizo de esa marca y en plena libertad siguió la llamada de un pensamiento más amplio y lúdico. Si ha sido analista, también se desembarazó de esa tarea con un donaire personal que también obtuvo reconocimiento y lucidez. Si ha sido educador, quizá la labor que más lo satisface, no descansa en su afán por instigar transformaciones basadas en sus sueños. Si ha escrito tantas historias para niños, otra labor en la que se solaza sin término, es porque hubiera querido que ese tipo de narraciones lo acompañasen desde antaño. ―Del paraíso al desierto‖: fórmula que acuñó para describir una etapa fundamental en su vida, y que lo reubicó vitalmente en el mundo sin ninguna forma de remordimiento. Es un texto seminal. Como integrante de una generación de pensadores protestantes influidos por la sombra y el magisterio de alguien como Richard Shaull, no dudó en radicalizar las intuiciones de su maestro y en llevarlas por confines que aquél apenas se aventuró, aunque sin desdeñar nunca los años de aprendizaje. Muchas de las quejas y denuncias hacia el ambiente religioso en el que creció y que elaboró desde hace ya 50 años siguen vigentes a pesar de los vaivenes y las transformaciones ideológicas y los cambios que efectivamente se han alcanzado. Ese talante eminentemente protestante tampoco lo abandonó, como se ve en varios de los trabajos reunidos en Dogmatismo y tolerancia, todo un tratado de amor atribulado hacia esa tradición de fe. Porque precisamente el cruce de caminos entre la fe personal, la religión, la política, la lucha social, la formación escolar y una práctica literaria sostenida ha hecho de Alves un autor imprescindible dentro y fuera de su país, un Brasil cuya palabra, música y cultura está presente entre nosotros gracias a él, en medio de sus contradicciones, sinsabores y alegrías. Los énfasis liberadores, en todos los sentidos, impregnan sus textos con una frescura que se ha ido decantando más y más, de ahí que, cuando mira al pasado hacia sus tratados más serios y solemnes, trata de descartarlos como secos y áridos, pero también reconoce que su palabra auténtica buscaba cauces para manifestarse libremente. Lo consiguió, no sin sus buenas dosis de

Ésa fue su conversión sin duda definitiva y más definitoria. Porque la fe poética es la que salva ya desde esta vida. en medio de su cocina verbal y literaria de la que salen esos manjares que inevitablemente son paladeados por una mirada que no deja de asomarse a los confines del infinito. hoy puede ser visto como un gran poema teológico pues recupera el talante de los profetas ¡y ellos/as siempre hablaron en verso! En La teología como juego (o El hechizo erótico-herético de la teología o Variaciones sobre la vida y la muerte). exigen y propician la liberación plena de los seres humanos en el amor. como casi nadie en ese momento. como todo un pionero. en su vida completa. Hijos del mañana. Sus ―crónicas‖. pues. Ya antes lo había intentado con los abalorios de su admirado Hesse. por ejemplo. la belleza y la nostalgia de ese Dios que siempre está escondido detrás de todas las cosas. . entreabrió las puertas de una verdadera nueva teología.S. poemas en prosa aderezados con sus más puras obsesiones y la medida del palpitar con que se relaciona con la existencia. como ahora denomina a la Biblia. Vaya. anticipan. Además de que nunca se desprendió de la huella de los ―poemas sagrados‖. abrumadora y casi absoluta del cuerpo. de la vida.sufrimiento. de la vivencia física de todas las cosas. este homenaje agradecido de algunos de sus lectores/as agradecidos a quien no ceja en su empeño de mostrar la belleza del mundo. pero ante el definitivo contacto con la poesía todo cambió para siempre en sus ojos. Es también la ocasión para dejarse seducir por el lenguaje que le brota a borbotones. pues ella le permitió asomarse al milagro de ―la luz fracturada‖. pues el trato con el lenguaje y su feliz encuentro con la poesía estuvieron precedidos de búsquedas que pueden apreciarse en sus primeros libros. ése que le produce tanta nostalgia. las vicisitudes de la humanidad desde la realidad dominante. Eliot. en su trato diario con las palabras. Hay que agradecer su encuentro con la poesía de T. puesto que consideró. extraordinaria visión que bien puede definir todos los esfuerzos de Alves por acceder a las entrañas del misterio último. aunque sin renunciar jamás a la necesidad de advertir los telones de fondo oscuros que. como la más profumnda noche. por ese ―libro sin fin‖ que ha seguido escribiendo y que lo escribe a él incesantemente. De ahí su acercamiento al gran tema cristiano de la resurrección. del lenguaje. llegan a nosotros como resultado de ebulliciones inevitables en el magma de su pensamiento y sensibilidad. porque el sacramento delicioso que reparte continuamente entre sus comulgantes es un alimento delicioso en el que lo vemos a él una y otra vez. Celebrar con él este aniversario es la gran oportunidad para comenzar a ver su obra océanica no únicamente con la delectación que produce en una lectura atenta y en todas las relecturas posibles de su vida y escritos.

E. Posso dizer que Rubem me fez ver o quanto a vida valia a pena e como era possível não ter medo de fazer essa entrega na busca desse sentido. Explico: todos os demais pensadores focaram muito os métodos pedagógicos. ele colocou ―o ovo em pé‖. seja nos lugares do mundo onde ele passou e falou com toda sua . Nunca vi Rubem tão belo e tão resplandescente como naquele dia! E com os recursos levantados pudemos dar início ao Projeto Quero-Quero que atendeu e ainda atende centenas e centenas de crianças. adolescentes e suas famílias. Não! Não estou exagerando. Trata-se de desenvolver na criança e no ser pensante. Nesse sentido. Ninguém fez isso antes de Rubem Alves. Nada mais importante e que antecede todo o mais. Pude sentir-me alguém melhor e com melhores condições de levar adiante os projetos que me motivavam e davam sentido à minha vida. com sua generosidade e grandeza.. não terei as palavras para exprimir com rigor o que penso. querido Rubem.. marcou minha vida para sempre.. Foram tantos e tantos que você seria incapaz de imaginar! Quanto ao Rubem filósofo e Educador. E eu sempre disse ao Rubem que ele provocou uma verdadeira revolução em termos do olhar para o exercício da profissão do educador..S SO OB BR RE EO OR RU UB BE EM M. Graças a sua generosidade foi capaz de despertar o melhor que poderia haver em mim e aprender a reconhecer o quanto isto teria de ser reconhecido primeiro por mim mesma. mas deixaram de lado o mais importante que foi o que viabiliza qualquer aquisição de conhecimento. crendo nele. É o saber pelo sabor. Elaborei e fundei o Projeto Quero-Quero. Mas só pudemos implantá-lo porque ele. Não tinha nenhum recurso sequer além das pessoas que tanto me ajudaram a compor o trabalho que sonhávamos fazer. Mas tentarei: para mim Rubem Alves é um dos maiores pensadores sobre Educação que já passaram por este mundo. o Rubem Alves é uma das pessoas que de forma indelével. Não foi a mim que você ajudou somente. A Educação nunca mais foi a mesma depois de Rubem Alves. E l i a n a F r a n ç a L e m Eliana França Leme e E m poucas palavras eu diria que. palestra essa que versava exatamente sobre o milagre da vida e seu significado. bem. pude acreditar em mim também. por isto. Acreditou nas minhas competências como profissional e ser humano como ninguém. para mim. o sabor pelo conhecimento. os processos da aprendizagem. dentro do Parque Ecológico de Campinas. antes de o ser pelos demais. E quanto mais sempre nos ajudou e acompanhou. O local. o desejo... assim. seja no Brasil. que atendia crianças da favela do Paranapanema em Campinas. Obrigada. ficou lotado de pessoas que pagaram para ouvir suas palavras que evocaram tanta sabedoria de vida. fez uma das mais belas palestras que já ouvi de qualquer mestre nesta minha vida.

. que se coloca à altura dos mais comuns dos mortais e assim é. viva por aqueles que o querem forte. querido Rubem Alves. querido amigo e um abraço apertado de quem você sabe que te quer tanto bem. mas eu tenho de fazê-lo. cheio de vida e sonhos. mas até quando nós. por este homem que me fez sentir confiança na vida. um amor profundo por este ser. sinto profunda gratidão por tudo o que recebi por intermédio de sua generosa amizade. mas o amo exatamente naquele seu lado humano. mas é esse lado do homem comum é o que mais me faz te amar. por favor. Por Rubem então. E o faço com lágrimas nos olhos..espontaneidade. assim o quisermos. igual a qualquer outra.. E por isso tens o dever de permanecer firme e forte e viver por muitos e muitos anos. Mas você não é igual a qualquer outra. Beijo. Mas te amaria mesmo que você fosse uma pessoa. pois você veio a esta vida para encantar. que sofre. Não pela sua contribuição como intelectual que é inegável e que é reconhecida no mundo inteiro. te amo pelo que você é.Ele não gosta quando eu o agradeço assim.. no potencialidade que ele generosamente a mim atribuiu e também confiança no ser humano que ele me ensinou a ter.tanto. pois sinto além da gratidão.. sensível. Foi tanto. os seus amigos. com toda sua capacidade de enxergar e sentir esperança onde outros não conseguiam ver nada. não até quando você cansar. Rubem. como diria. E por causa disso não quero que pense que o meu profundo afeto se deve ao fato de você ser visto e sentido como um ponto fora da curva.. Rubem.

él eligió la mejor forma de estar incómodo: hacer poesía con su vida para desestabilizar la no vida que le circunda. No es tarea de los poetas describir la realidad. Por eso es que se parece menos a un teólogo y más a un poeta. saltar la página. sobrecogernos. se puede ser puede ser poeta sin palabras. está lleno de preguntas. Todorov dirá que la literatura fantástica. pero no sin imaginación. Es la firme convicción de que la utopía es posible. La imaginación es la posibilidad de ser creadores de mundos. es aceptar la fantasía como realidad. ―la imaginación es capaz de crear nuevas condiciones‖. No ajustarse a la realidad es la forma más digna de habitar el mundo y uno de los pocos lugares para denunciar la injusticia. Para ser poeta se necesita imaginación. El mundo como lo conocemos debe escandalizarnos cada mañana. si nos negamos a vivir en la absurda fantasía de la modernidad. exige imaginación. envuelta en celofán y celuloide. No se trata tampoco de fantasear con la realidad.. su tarea es incomodar lo establecido. No tiene caso sustituir la realidad por una fantasía. La imaginación nos libra de la costumbre. Podemos vivir sin respuestas. realmente posible. Eso da libertad para encajar otro cuestionamiento. escribir sobre lo escrito. Más la imaginación nos permite. porque es una realidad inaceptable. se nos acusa de locos. un incómodo y un incomodador de su realidad. la normalidad y el dogma. de que otro mundo es posible. Entonces. un silencio. de la indiferencia y de la pereza. la imaginación es una combatiente de la muerte. Llegar a ser poeta implica salirse de la línea. un suspenso o una duda. La poesía es pregunta permanente. sino de tener la fuerza de cambiar lo injusto del mundo porque podemos imaginarlo distinto. Ninguna persona debería aceptar la realidad en la que vivimos. E EL LP PO OE ET TA A G a b r i e l a M i r a n d a Gabriela Miranda Y o creo que Rubem Alves es un teólogo sin Dios. ―El cautiverio se caracteriza por la yuxtaposición dolorosa de los sueños de libertad con la conciencia de la impotencia (…) El que . más que la respuesta. oculta sus víctimas con la promesa del progreso infinito. la poesía contiene de suyo una pregunta y responde sin punto final. indignarnos.R RU UB BE EM MA AL LV VE ES S. La fantasía de la modernidad. pero no debemos vivir sin preguntas. es la promesa de un futuro prometedor que no llega nunca y que impunemente. Como él escribió. Debe ser así porque la teología está llena de certezas y Alves. de rebeldes. de utópicos y de poetas. Por eso Alves es un poeta. significa estar convencidos de que lo que vemos no puede ser lo único que existe. Se nos obliga a vivir en esta fantasía pero se nos prohíbe imaginar. a su paso cobra víctimas. Poeta es Rubem Alves. como Alves mismo dice ―alterar el curso de la realidad‖ y también. No es fácil serlo. Por eso. que se rebela contra los valores. Significa incomodar a la realidad. La modernidad es una fantasía. La pregunta. escribir torcido en renglones rectos. se nos niega la posibilidad de ver más allá de lo evidente.

Se acomoda a él. . se hace funcional. ser como los dioses. ser creadores.no sueña.‖ Esta es la más grande alegría que el trabajo de Alves nos deja: la posibilidad de romper con la más grande prohibición de quienes viven en sometimiento. el que no tiene visiones se sumerge en el mundo establecido.

E em abril de 2012. decidimos que não valia a pena continuar a procura. Depois de um sem númerros de rejeições. Semanas e meses passaram. fomos surpreendido com a grande notícia de que o Transparências da eternidade havia recebido um prêmio assim anunciado: ―The Montaign Medal is given in honor of the great French philosopher and awarded to the most thought-provoking titles each year‖. e eu. Rubem é ―mais chegado que um irmão‖. Ele voltou ao Brasil. e ambos estivemos. uma ex-colega (estiveram juntos em Princeton) ouviu que ele não estava bem de saúde. a pedido do Rubem. por força das circunstâncias. E apesar da distância os laços que nos uniram nunca enfraqueceram. seu amigo. admiradores. No decurso da troca de emails fizemos referência ao Transparências. traduzimos para o Inglês o seu livro Transparências da eternidade. e ele como professor. e em parte graças à mágica da Internet que lhe permite fazer o que sempre fez com brio: manter-se em contacto com os seus numerosos discipulos. e artigos originais. Uma vez devidamente revisado pelo autor. e passou o texto a um editor. Na verdade até se fortaleream. eu e minha esposa. ―Thought-provoking‖! Não podemos imaginar melhor descrição desse grande homem e ―primus inter pares‖ da sua geração. até que um dia. sem sucesso. procurando um editor para publicá-lo. ambos fomos rejeitados pelas nossas denominações religiosas. não é dizer tudo. que o publicou e distribuiu. nos Estados Unidos: eu como auto-exilado. fiquei. Joan Ramos. Através dos anos temos sido colegas. Pediu-nos que lhe enviássemos a tradução. profundos e maravilhosos. ambos tivemos problemas com a ditadura militar no Brasil. colegas e amigos. com aquela saudade. e nos mandou um email perguntando sobre ele e sua evolução teológica. companheiros e confidentes. Gostou.R RU UB BE EM MA AL LV VE ES S J o v e l i n o R a m o s Jovelino Ramos D izer que Rubem Alves é meu amigo. para usar a linha central de um dos hinos evangélicos. Anos atrás. Na verdade. O livro não só teve boa recepção. ensaios. A ele a aquela saudação. novamente. ambos tivemos a opoutnidade de post graduação nos Estados Unidos. Estivemos juntos por vários anos como colegas de dormitório no Seminário Presbiteriano de Campinas. . em parte graças à sua capacidade incrível de produzir livros. passamos meses. mas eventualmente foi re-publicado como E-Book.

em frente à minha casa havia um pé de imbu. descrita no conto de Khalil Gibran. Meu pequeno lugarejo nunca mais foi o mesmo. em muito do que ele dizia. decorrente da qualidade do próprio solo. Após concluir o curso de filosofia fui aluno de Rubem Alves na Faculdade de Educação da Unicamp. bem anterior ao nosso encontro. ganhava a superfície. o que antes se encontrava escondido em alguma região subterrânea de minha existência. percebia nele um companheiro de caminhada. sendo ele também um dos meus orientadores nas pesquisas que desenvolvia naquela . Com suas palavras nomeava muito do que eu não era capaz de expressar simbolicamente. mas uma confluência. os símbolos por ele pronunciados traziam a água da qual eu estava sedento. Quando criança. dos excluídos em situações opressoras. e com isso meu mundo se expandia. sentia o medo da queda se apossando de mim. em anos de convivência. Líquidos que indicavam os caminhos da vida. que foi um dos primeiros voos dos quais tenho recordação. evento que convidava pensadores a debater sobre diversos assuntos de natureza filosófica. meu mundo crescia. Já não me sentia tão só em minhas convicções. seu tronco ficava próximo ao chão. e a abundância de galhos permitiram escalá-la sem dificuldade. Aqui recordo de um fato. resolvi subir naquela árvore. nem sempre acompanhava ou compreendia. arvore frutífera. meu olhos deslumbravam uma paisagem tão diferente daquela que estava cansado de ver desde o terreiro de casa. ajudou-me a olhar um pouco mais longe. maior era o meu encanto. escondido de meus familiares. Ainda que decidido. U UM ME ET TE ER RN NO OM ME ES ST TR RE E A n t ô n i o V i d a l N u n e s Antônio Vidal Nunes C onheci Rubem Alves no final da década de 1970. própria das regiões secas do nordeste brasileiro. Carrego até hoje as imagens daquele momento mágico. À medida que me elevava do solo. Naquele ano. os seus frutos.. quando me mudei para Campinas a fim de estudar filosofia na PUCAMP. aprendi com este mestre a trocar as estradas batidas pelas veredas desconhecidas. sua boca trazia as palavras que meu ouvido queria ouvir. ainda assim. Logo no início do semestre letivo realizou-se a ―Semana da Filosofia‖. E assim. denunciavam a situação dos condenados do mundo. encontrava-se entre os presentes um expositor irreverente que falava de forma apaixonada. que me ajuda a explicar e entender o que a amizade com Rubem Alves me representou. a exemplo daquela árvore. pouco maiores que uma azeitona. Creio ter feito a experiência da Violeta Rebelde.R RU UB BE EM MA AL LV VE ES S. Sendo eu um recém-chegado. À medida que eu me encontrava em suas palavras. Parafraseando Nietzsche. suas palavras seduziam. a optar pelos riscos do mar aberto à tranquilidade ilusória do porto seguro. Um dia. Em relação ao nosso pensador posso dizer que houve não propriamente uma influência. Quanto mais subia. mas me encontrava. possuíam gosto bastante ácido. Rubem Alves. Éramos partícipes de um mesmo mundo.

cidade que ele reside. mas são confortadoras as palavras de Baltasar Gracián (1601-1658). muitos outros serão‖. Rubem. Penso que ainda não demos a este pensador brasileiro. A este inesquecível mestre. em uma das escolas mais importantes que já encontrei na reeducação dos sentidos. sobretudo a academia. muito anos depois. Se este não é seu século. Chico Buarque. para continuar os estudos. que se encontrava uma vez por semana em sua casa para ler poesia. Todas as coisas têm suas estações. afim de alimentar aqueles que vinham direto do trabalho para o encontro. Existi ali. Também escolhia e separava vinhos que tomávamos durante as leituras. . Clarice Lispector. Sophia Breyner e outros importantes poetas. que cultivava um apreço pela culinária. Sou eternamente grato a ela por um dia ter me aproximado deste homem que enxergava longe e que me levou a olhar as estrelas mais distantes. Primeiro a vida nos escolhe. preparava com antecedência uma grande panela de sopa. me transferi para outro estado e só retornei a Campinas. em seu livro a Arte da Prudência: ―Os sujeitos de qualidades extraordinárias dependem do tempo em que vivemos. minha eterna gratidão. depois escolhemos nós. Com ele li Fernando Pessoa. todo o reconhecimento e valor que ele tem e merece. Nem todos tiveram a época que mereciam. Alguns mereceram tempos melhores.instituição. e muitos que tiveram não souberam aproveitá-la. Acredito que Alves realizou em mim o grande projeto que sempre perseguiu: despertar a beleza que estava adormecida em cada pessoa. Mas o sábio tem uma vantagem: é eterno. até os valores estão sujeitos à moda. Naquele momento ele coordenava um grupo conhecido como ―Os canoeiros da terceira margem‖. Adélia Prado. pois nem tudo que é bom triunfa sempre. Walt Wiltman. Finalizando os meus trabalhos. Vinícius de Moraes.

. Afortunadamente los censores habían escuchado poco o nada de Paul Lehmann. el arte. sin duda alguna. al menos. Él era uno de esos autores ausentes y/o vedados. la imaginación. portugués e inglés. que anhelamos la libertad de todos y todas? ¿No es que para eso supuestamente se hacen las revoluciones? La satisfacción de las necesidades y la danza no se oponen ¡Se necesitan! Así.R RU UB BE EM MA AL LV VE ES S:: E EL LG GU UE ER RR RE ER RO OQ QU UE EA AD DM MI IR RO O M a r t í n O c a ñ a F l o r e s Martín Ocaña Flores S i hubiese una palabra que sintetice lo que pienso y siento respecto a la obra del maestro Rubem Alves sería. sociología. sean éstos escuelas o facultades universitarias. la alegría. la eroticidad. mediatizado primero en el seno del hogar y luego en los espacios institucionales que se llaman ―educativos‖. literatura. etcétera. Sucede —y creo no ser el único— que aprendí a leer historia. Haríamos bien en recordar la opinión de José Míguez Bonino quien ha dicho que ―la inspiración de Alves está indisolublemente ligada a la realidad latinoamericana‖. la poesía. Alves era en definitiva un nombre peligroso. Pero siempre tuve la impresión que pocos eran los alumnos y los profesores que lo leían. la belleza. en definitiva el amor y la vida? ¿No es para eso. el baile. Hugo Assmann y José Míguez Bonino. lo cual me obligó —con deleite— a ampliar mis conocimientos de los dos últimos idiomas para poder leerlos. Hans Küng. Si la teología brota de la vida humana en sus diversas experiencias y concreciones. Pero sin proponérselo el profesor resumió una actitud generalizada en ciertas teologías que de ―latinoamericanas‖ sólo tienen el nombre y que más bien son tan dogmáticas y solemnes como aquellas que critican. la comida. Realmente me siento agradecido a este maestro de quien no aprendí en las aulas sino a través de su amplia producción bibliográfica en estas últimas casi tres décadas. a veces sin percatarnos de ello! En la biblioteca de la institución donde hice el bachillerato no había nada de Alves. la palabra gracias. lo aprendí de Alves. que Alves ―no es pertinente para el quehacer teológico latinoamericano‖. Pero ¡cuánto nos condicionan estos espacios! ¡Y cuánto nos distorsionan. y no sólo de la ―praxis liberadora‖ ¿Por qué cerrarse a la polifonía de la vida? ¿Por qué menospreciar el perfume. No recuerdo ningún sílabo haciendo mención de Alves en bibliografía alguna. ¿No pertinente? Esa respuesta no sólo no me satisfizo sino que me indignó porque me parecía bastante injusta. con ojos ajenos. Karl Rahner y Richard Shaull… Tiempo después hice la licenciatura en otra institución. No había censura pero sí una indiferencia hacia sus escritos. Su nombre infundía no poca alarma sino hasta espanto en la facultad. Absolutamente nada. Luego entendí el por qué: un destacado profesor comentó en clase. Allí sí había algunos escritos de Alves en español. Y junto a él estaban Gustavo Gutiérrez. con aire de superioridad. acaso.

¿No soñaron los profetas hebreos. que quien lee sólo teología no sabe de teología. Leímos y leemos a Alves algunas veces con nostalgia. Antoine de Saint-Exupéry. Y a eso puedo añadir que hay más de una generación que somos lo que somos –en América Latina y fuera de ella. ni siquiera por el teológico.es una tarea inconclusa como desafiante. Y con ello los deseos y los sueños más profundos están siendo colonizados por los viejos y los nuevos poderes que no creen en la plenitud de vida para todos. a espaldas de todo escolasticismo. para que disfruten del sexo. sobretodo. Ezra Scotland. que habían otras formas de leer a San Agustín. Marx. Dios creó a un varón y una mujer para que se complementen. ―Yo mismo soy lo que soy por los escritores que devoré‖.con que nos desafía una y otra vez a vivir y amar la vida en toda su plenitud. De ahí la necesidad de bucear en otros mares y de descubrir la belleza de esas profundidades. Y aprendí. sino porque ella se encuentra en el origen de toda gestación. para que hagan poesía. Existe. Kolakowski o Nietzsche (de hecho en mi tesis de maestría comienzo con una cita de este último). de toda creación y de todo renacimiento. ha dicho con acierto Alves. lo que anhelamos con ansias. Por ello es que la exploración de nuevos lenguajes –tan trabajado por Alves desde su disertación doctoral.¿Por qué las censuras? ¿Por qué las indiferencias? ¿Por qué las inquisiciones sin hogueras? Dios quiere que hoy pensemos e imaginemos proféticamente lo que aún no vemos. para que bailen. . Hay excesivos sonidos pero con poca significación. con un Reino de Vida donde todas las personas coman y beban con alegría del fruto de su trabajo? No puedo estar más de acuerdo con Alves cuando dice que ―un Dios que me impide pensar es un Dios que no merece mi respeto‖. entre otros. sin embargo. con frecuencia a escondidas y en soledad o con cómplices que compartían nuestros sufrimientos y sueños. ¡Pero ciertas instituciones y teologías con presunciones de universalidad (un virus muy extendido) han pretendido en nombre de ―Dios‖ silenciar las voces alternas! Dios. además.porque devoramos a Alves lejos de las aulas. y que no había irreverencia alguna en citar a Wittgenstein. acaso. para que disfruten del trabajo no alienado. Thomas Mann. De mis lecturas de Alves concluyo que Dios no puso en el huerto del Edén a una pareja de teólogos (o sociólogos o psicólogos) para que reflexiones sobre él. para que sueñen juntos. para que tengan hijos. Las palabras y los conceptos están siendo asombrosamente deteriorados. sonrisas y carcajadas por el fino humor –es todo un maestro en ese arte. Con Alves comprendí. no por un defecto de ideología de pequeña-burguesía mal entendida. mucho ruido teológico (y no teológico) en la presente época de incertezas orientadas. Barth y Moltmann. Necesitamos hoy lenguajes que comuniquen con claridad y pasión lo concreto de la vida humana. pero no pocas veces con ilusión. el ―Gran Misterio‖ nunca puede ser enjaulado por ningún discurso. desde entonces han estado entre nuestros preferidos.

mucho más de lo que él imagina a las personas que lo admiran y que lo censuran. Alves ha ofrendado con gratitud su vida a la Vida. Creo que debemos creerle. entre otras cosas. Ha dado –y sigue dando. Ha sido y es un guerrero a quien admiro. Se cree que éstos son cansados. Rubem Alves no cabe en este imaginario. Esa libertad que se saborea.para que se amen y vivan en libertad. Dice Oliver Sacks. y utilizan su tiempo de manera poco productiva. que él encuentra placer en la vejez y que éste es un tiempo de pleno esparcimiento y libertad. el famoso neurólogo inglés quien cumplió recientemente ochenta años. Ese es el Paraíso. ¿O acaso hay otro? Necesitamos retornar del Desierto al Paraíso… En la tradición japonesa la vejez es una señal de status y al que corresponde un trato deferente. fastidiosos. por el contrario. ¡Gracias maestro Alves! . En Occidente. el proyecto de Dios. Por eso mi homenaje en sus ochenta años. que se siente y que nos baña con su fragancia. el ser viejo se relaciona a un estereotipo poco deseado. Bueno. Nos ha hecho soñar con la libertad.

Forte abraço.E Elliia an na aR Riib be eiirro o Q ue a vida siga valendo ser vivida. .

solidaridad. que significa compartir el pan. de compañerismo con todos ellos y me siento deudor. Philip Potter. Óscar Bolioli. Leopoldo Niilus. Sin embargo. . de quienes han enriquecido mi existencia. Con quienes tengo esa relación de proximidad que acabo de mencionar son mis compañeros. Tomiko Born. con algunas personas que tienen un valor inmenso en mi vida. Pueden producirse en circunstancias diferentes: a veces oyendo un trozo de una composición musical. me llevan a que me sienta deudor de otros (y de otras). mas sin saberlo me han enseñado cosas que redundaron en mi beneficio. Considero que. y otros tienen el sentimiento de que pronto habrán de llegar al fin del camino. En la mayoría de los casos hay un ―otro‖ u ―otra‖ que es una presencia significante que desempeña el papel de quien dialoga conmigo. a pesar de que no vivamos con muchos de ellos y ellas en lugares cercanos. Son amigos y amigas que nos sentimos muy juntos. pesares y esperanzas. algunos ya murieron. diálogo. con ellos formo parte de una comunidad en la diáspora. Carlos Delmonte. Híber Conteris. de alguna manera. Esos momentos tan importantes tienen características que. a sabios y a no sabios soy deudor‖ (Rom. 1:14). como escribió el apóstol Pablo a los romanos: ―A griegos y a no griegos. Son muchas las ocasiones en las que esas personas se hacen presentes y que me inducen a pensar en esa región de mi vida donde prevalece el misterio de Dios. al menos en mi caso. son algunos de los compañeros. que sostienen mi existencia. indudablemente. Algunos lingüistas indican que el término compañero proviene del latín “cum panis” . Leonardo Franco. Con Rubem formamos parte de una comunidad dispersa.permanecen registradas con rasgos indelebles en mi conciencia. personas que marcaron mi existencia y me ofrecieron elementos que contribuyeron (y continúan haciéndolo) a mi crecimiento. No son muchos. A veces son encuentros y conversaciones que permiten avanzar en el conocimiento del mundo. Tengo conciencia de que. reflexiones. alegrías. tengo la impresión de mantener una relación de proximidad. Otros también. a memorias de vivencias que –no obstante el paso de los años.R RU UB BE EM MA AL LV VE ES SC CU UM MP PL LI IR RÁ Á8 80 0A AÑ ÑO OS S:: P PA AR RA AB BÉ ÉN NS S!! J u l i o d e S a n t a A n a Julio de Santa Ana E xisten situaciones que en mi memoria son muy gratas. otras cuando leo un texto que ilumina dimensiones desconocidas de la realidad. Entre ellos. Y lo soy. Uno de ellos es Rubem Alves. o en momentos en los que el sentido que esas personas tienen para mí. Nos conocemos desde hace 50 años: medio siglo ha transcurrido desde entonces y nuestra amistad sigue avanzando. pero muy unida: Jether Pereira Ramalho. Entre ellas sobresalen los momentos en los que tuve el privilegio de compartir compañerismo. me impacta de tal manera que me ayuda a resolver cuestiones que me preocupan. dando lugar a que se forme una corriente de simpatía profunda que perdura a través del tiempo. tal como ocurre en la celebración eucarística de las comunidades cristianas. Christian Lalive d’Epinay.

según escribiera Unamuno. Julio Cortázar. gran amante de la naturaleza.aunque ya cumplieron su camino: José Míguez Bonino. Ésta tuvo lugar en tiempos en los que la teología de Karl Barth prevalecía entre quienes tuvimos el privilegio de participar en los grupos del Movimiento de Estudiantes Cristianos (FUMEC). siguiendo caminos que habían sido abiertos por Carpentier. Mario Benedetti. son motivos muy precisos que me inducen a hacerlo: ¡Rubem cumple 80 años! Ocho décadas bien vividas merece que se festejen. Pero también aprovecho la ocasión invocando otras razones para hacerlo. También en el plano . un lugar muy agradable de la periferia de la metrópolis paulista. Reconozco que desde entonces comencé a interesarme más en cuestiones ambientales y en el pensamiento que actualmente se desenvuelve en favor de una sociedad sostenible. que daban oportunidad al desarrollo de reflexiones teológicas avanzadas entre los evangélicos latinoamericanos. Augusto Roa Bastos. y desde entonces nos hemos encontrado en oportunidades que conservamos en nuestra memoria. Richard Shaull. Nos reunimos en Chacra Flora. de modo particular. Ellas perduran a través de estas cinco décadas. En un momento del encuentro. Emilio Castro. Nos conocimos en 1963. No obstante el ascendiente que tenía Richard Shaull en los grupos de estudiantes cristianos. Mario Vargas Llosa. Shaull estaba entre quienes lo hicieron de manera más contundente. El boom de la novela latinoamericana tuvo un impacto comparable al que a fines de los años l950s y 1960s tuvo la revolución cubana en la manera de entender y hacer política. Por un lado. Nuestros encuentros en este período han posibilitado que creciera esa ―flor rara que es la amistad‖. José María Arguedas y otros. Richard Shaull fue quien orientó la reunión. Waldo César. Mauricio López. Quiero referirme brevemente a este magisterio ejercido por Rubem Alves. la deuda que a lo largo de los años he contraído con Rubem Alves. en una reunión de un grupo de estudios convocado por ISAL (Iglesia y Sociedad en América Latina). Guimaraes Rosa. Irrumpió una generación de jóvenes escritores. Rubem. Jorge Luis Borges. y a través de ellas Rubem me ayudó a comprender mejor el mundo que me rodea. y sobre Rubem Alves en particular. Valdo Galland. económico y político de Latinoamérica. Lezama Lima. y lo hizo notar. que aportaron una nueva sensibilidad y conciencia: Gabriel García Márquez. algunos de los participantes expresaron críticas muy duras a la ―teología natural‖. no aceptó la posición barthiana. el cuidado atento que éste ha prestado siempre a la condición natural de nuestro mundo ha sido constante. Juan Rulfo. Julio Barreiro… Descubriendo la creación En este texto deseo reconocer. Conciencia latinoamericana La década de los años 1960 fue muy importante en el desarrollo cultural. social. La primera vez que nos encontramos fue en Sao Paulo.

Uruguay. buscaban con empeño una teología adecuada que les ayudase a entender las transformaciones socioeconómicas y políticas que ponían en tela de juicio las comunidades cristianas. Desde entonces. por ejemplo. entendían que debía prevalecer la corriente liderada por Jürgen Moltmann. a principios de la década de los 1960. Ese libro marca un hito en el proceso de la teología. Esa reflexión influyó el trabajo de tesis de Rubem. Fui designado para hacer un examen social. tiene que acompañar las transformaciones y circunstancias históricas contemporáneas. y la atracción que ejerció el movimiento ecuménico. Otros. no sólo en Latinoamérica. Durante la segunda mitad del siglo pasado ―la teología de la liberación‖ ocupó un lugar central en los debates relacionados con la fe. Todos ellos fueron elementos que contribuyeron al surgimiento de tendencias teológicas que entienden que dar cuenta de la fe en términos claros. Aquellos evangélicos que simpatizaban con el pensamiento ecuménico y los programas del Consejo Mundial de Iglesias. Las comunidades eclesiales de base dieron sustancia a ―la Iglesia de los pobres‖. económico y político de la situación latinoamericana. y la registró con el título ―Teología de la Liberación Humana‖. cuando reflexiono teológicamente. Moltmann hizo eco en su teología al pensamiento de Bloch. fueron muchos más los que se opusieron airadamente a la reflexión teológica que algunos osaron exponer. a fines de 1967. Rubem (que por esos días estaba terminando su tesis de doctorado en el Seminario Teológico de Princeton) fue invitado a exponer las reflexiones teológicas que suscitaba el proceso histórico latinoamericano. por la editorial Papirus). Rubem Alves formó parte del grupo que reflexionó teológicamente sobre el sentido de la liberación humana en el correr de la segunda mitad del siglo pasado. Rubem Alves escribió su tesis de doctorado para la Universidad de Princeton. reflexionaban tratando de relacionar la fe cristiana con una versión de un marxismo no dogmático. con el nombre Da Esperança. Rubem Alves es uno de mis mentores. Son muchos los llamados ―teólogos del Tercer Mundo‖ que aceptan el nuevo paradigma que pone de relieve las luchas por la liberación humana. tan racionales como sea posible.religioso hubo transformaciones importantes: el Concilio Vaticano II tuvo claras consecuencias eclesiales. publicó su libro ―Teología de la Esperanza”. con la filosofía de Ernst Bloch. Las ideas de Moltmann eran las que tenían mayor aceptación entre aquellos teólogos que. varios organismos ecuménicos convocaron a una reunión en Piriápolis. que dio importancia a la esperanza. que al ser publicado hubo acuerdo en llamarlo Theology of Human Hope (traducido y publicado por Tierra Nueva. algunos se referían a una ―teología de la revolución‖. como el pensador alemán. la casa editorial de ISAL. con el título: Religión: ¿Opio o Liberación Humana? La versión en portugués sólo fue publicada en 1985. . Si bien algunos dirigentes cristianos que se interesaron en los programas y el pensamiento de ISAL. En el marco de un proceso complicado y tenso. así como también la influencia del pentecostalismo en las camadas populares. el teólogo alemán que.

muy humana. Son varios aquellos que reclaman ser del grupo de los ―adelantados‖ que abrieron senderos y contribuyeron al desarrollo de la teología de la liberación. Cuando ocurre que las personas. y la teología de la liberación. es un pensamiento que reconoce la primacía de la ortopraxis sobre la ortodoxia. Mauricio López entre otros subrayaron este punto. Es necesario comprender estos aspectos. Sería muy largo detenerme en cada uno de ellos. que somos llamados a vivir la libertad de los ―hijos de Dios‖. . hay que tener en cuenta a Gustavo Gutiérrez. Para comprender de manera adecuada este aspecto —¡tan importante!— en su existencia. en las que hay pobreza e injusticia.Entiende que no se puede hacer teología sin tener en cuenta los esfuerzos históricos por la liberación. vale la pena que nos detengamos algunos momentos sobre la práctica de la vida comunitaria y los elementos simbólicos que la sostienen. Al principio de lo que aquí he escrito. los pueblos. José Míguez Bonino. las naciones se liberan. Valdo Galland. que ayudaron a transformar el entendimiento de quienes no se satisfacían con el pietismo individualista que predominaba en ese entonces en el mundo evangélico latinoamericano. Así lo ha entendido Rubem Alves desde que reflexionó sobre el sentido de la fe en sociedades que sufren arbitrariedad y opresión. Juan Luis Segundo. Entre ellos. que se manifiesta como vida en el Espíritu Santo (2 Cor. es necesario tener en cuenta que nuestra generación recibió una formación especial en grupos del Movimiento Estudiantil Cristiano. no hay una liberación católica o protestante. Richard Shaull. Jon Sobrino. Rubem Alves nos condujo a una reflexión que contribuye a plasmar la búsqueda de lo que el apóstol Pablo escribió a los corintios. Hugo Assmann. que es cristiano en un sentido muy amplio. Y. Por eso. Enrique Dussell. además. Cuando se trata de ―liberación‖ no tiene sentido argumentar que es una u otra. Quiero analizar dos asuntos en los que sus reflexiones han abierto caminos muy fecundos. Vida en comunidad Hay muchos otros aspectos en los que el pensamiento de Rubem Alves se destaca. Como en lo que dije previamente al discurrir de modo breve sobre la sustentabilidad de la creación. José Míguez Bonino lo dijo de manera muy clara al discutirse si la teología de la liberación era ―católica‖ o ―evangélica‖. Ese volumen tuvo un fuerte impacto entre jóvenes que se interesaban en dar razón de su fe en la sociedad moderna. José Míguez Bonino.4:17). además de Rubem. al mismo tiempo que la teología se libera de los lastres que pesan sobre ella. Considero que se trata de un pensamiento generacional. hice una rápida referencia al significado de la vida en comunidad para Rubem. la liberación es humana. Óscar Bolioli corrió el riesgo de hacer traducir el libro de Dietrich Bonhoeffer que trata de este tema.

A pesar de ser considerado extraño en la red social predominante. la vida en comunidad florece cuando hay una esperanza viva compartida por todos los compañeros. si bien no llegó a ser médico del cuerpo. Lo que he mencionado se refiere a aspectos que tienen una cierta dimensión pública: el medio ambiente y la naturaleza. El cuidado del espíritu Asumo la libertad de una palabra más. obligados muchas veces por fuerza de las circunstancias. pero él me indicó lo necesario para que siguiese un buen rumbo. gracias a Dios por Rubem Alves. fue terapeuta de la psique. No se distinguía con la nitidez necesaria la vida en comunidad y la sociedad. FUMEC. eclesiásticas. el espíritu comunitario nace y evoluciona en tensión con las formas y estructuras sociales. ¡Con un fuerte abrazo por tus 80 años! . se puede indicar otra situación: la comunidad existe. Frente a esta posición se manifestó una minoría que reunió a diversos organismos: ISAL. incluso entre quienes viven aislados. En este plano debo a Rubem una de las más importantes experiencias de mi existencia: Rubem no fue el psicoanalista que se ocupó de mi persona. la liberación.una gran deuda con Rubem Alves. que cuando era joven admiraba a Alberto Schweitzer. En estos planos de la realidad tengo –como ya he mencionado. Rubem Alves supo discernir que la vida en comunidad es concomitante con el Reino de Dios. a veces bajo la presión arbitraria de quienes consiguen adueñarse de los instrumentos de poder. Será muy breve. Se hace evidente que quienes participan en la comunidad tienen un mismo impulso: si bien hay un pasado común entre ellos. No obstante. este pequeño grupo dio testimonio del Espíritu (fue fiel al Espíritu del Señor) . en situaciones que se dan en el espacio y en el tiempo. ULAJE. con vínculos muy firmes. memorias colectivas que los mantienen unidos. la vida en comunidad. Rubem Alves fue quien contribuyó de manera decisiva a sistematizar una posición que la mayoría consideró herética. Por todo esto y por mucho más. entre personas que no están compartiendo lugares y espacios de tiempo. Esto parece innegable. mantuvo la fe (el coraje de mantener la certeza y la convicción de que viene el Reino) y la esperanza (motor de la vida en comunidad).En la mayoría de los casos entendemos que la vida en comunidad se manifiesta en lugares concretos. Es una visión del futuro que mantiene vivos los vínculos que existen entre los adherentes. Y también esa deuda existe porque Rubem. las Iglesias Evangélicas de América Latina organizaron su Tercera Conferencia. En l969. eso dio lugar a una gran tensión sobre la vivencia y el concepto de comunidad: la inmensa mayoría entendía que la vida en comunidad necesitaba estructuras institucionales.

Que se alegra con las y los niños.U UN NA AT TE EO OL LO OG GÍ ÍA AD DE EL LA AE ES SP PE ER RA AN NZ ZA A ((H HO OM ME EN NA AJ JE EA AR RU UB BE EM MA AL LV VE ES S)) J u a n J a c o b o T a n c a r a C h a m b e Juan Jacobo Tancara Chambe E l cuerpo y la nostalgia son dos elementos sobre los que Alves construye su teología. No presume de nada. Aquel recuerdo permanecerá para siempre en nuestro cuerpo y nos producirá una sensación de belleza.. Dar esperanzas no es mero ―juego de palabras‖. Alves cree que hacer teología es hacer poesía y que la poesía también consuela. que irremediablemente se escabullen. ¿para que se hace teología? Cierto que no es un mero ―juego de palabras‖. que come junto a su pueblo. ¿Qué puede estar más allá del cuerpo? ¿Dios? ¿Cuál Dios? Si el Dios en el que Rubem Alves cree -y nosotros también. Cuando se puede hacer muy poco. Pero Alves prefiere sobretodo la caída de la tarde. El crepúsculo. cocinar o atender los jardines. por aquellas que partieron. pero de forma seria y responsable. ¿Por quiénes? La respuesta la tiene cada quién. que ya no volverá. Cómo quisieramos eternizar una mirada. ¿Quiénes somos? Nos estábamos buscando y no nos habíamos encontrado. pero también de la cena. Es el final del día. a alguien que ya no esá. . Es el cuerpo el que siente una enorme nostalgia (―saudade‖. La belleza está en las cosas pequeñas. ―Somos lo que no somos‖.. dice Alves. El atardecer. no somos. en los cánticos que llaman a la reunión y la resistencia. que sin embargo se hace presente. por ejemplo. dice Alves) por las cosas queridas. pero que se amaron. dio esperanzas al pueblo adolorido. Todos y todas extrañamos algo que perdimos. La luz del crepúsculo nos recuerda quiénes somos.en el cual se ha estado junto al ser amado. La finalidad de la vida. en la lucha del pueblo por pan y mejor futuro. Aunque sí implica jugar con las palabras. ¿Qué es finalmente la teología?.hacer lo que puede hacer un teólogo: jugar con las palabras y consolar a quienes lloran. las olas del mar que se mecen serenas. Somos ausencia. Quizás añoramos momentos. que aguardaba con ansias las Palabras de vida eterna que él dijo. un bosque nublado. Cierto. De ese momento irrepetible. sino que halla que es ahí donde puede hacer teología. ¿Qué hizo Jesús? Trajo Buenas Nuevas. Una presencia ausente. En realidad no estábamos. solo desea -como teólogo. porque Dios (Él/Ella) es parte del pueblo. de ninguna manera. En la quietud del día. una cena -dice Alves. porque estamos donde no nos pensamos. Y no por que el teólogo sea insensible. instantes. sino igualmene por las personas. que también en el combate al medio día. Tenemos ―saudade‖ de la persona. Por las cuales se siente pasión. es más que eso. Más que todo conmovido por el sufrimiento de las personas y de todos los seres que habitan en la Madre Tierra. ¿Qué cosas son estas? No solo por las cosas. Quedando solo escribir.es un Dios con cuerpo. En los intersticios de la vida. sino dar esperanzas y llorar con los que lloran (al menos la teología que Alves quiere hacer). en esos detalles que no olvidaremos jamás.

Se afirma ahí el sujeto corporal y necesitado. lleva necesariamente a la rebelión y aspirar permanentemene la libertad. que sin embargo muchas veces pasamos por alto.que no estamos donde nos buscamos. no queda sino hacer poemas. Pero era una teología donde yacía. Por cuando se hablaba del ser humano y sus aspiraciones en el lenguaje de la ciencia (teológica).. Las palabras son ―meras palabras‖ y no se puede con ellas describir la experiencia estética del crepúsculo. ese momento nuestra existencia es trastornada y somos. transformados. Pensar en y desde el cuerpo y la nostalgia. ―reprimido‖. Hay que vivenciarlo. Pero el cielo de colores inauditos nos recuerda que somos más de lo que somos. ¿Qué buscamos? El cuerpo lo sabe. que surgiera de la creación y recreación cultural. seres conscientes. La poesía no es final es recomenzar. La teología de Alves sigue un camino de lo ético hacia lo estético. resucitar. no se aguarda nada. Se podía . y la belleza se hace aparece en el cielo o en el beso del cielo con las montañas. Es un regalo diario.. De pronto sufrimos una enorme extrañeza y llegamos a pensar que no somos de aquí. Que sin embargo trasciende y aspira a ser infinito. Ese momento. el lenguaje poético. Que los proyectos que hemos emprendido y por los cuáles hemos caminado todos los días y por los cuales incluso estábamos dispuestos a dar la vida. También estaba presente en sus escritos la nostalgia. depende dónde se esté en el momento crepuscular. ni ―consumistas‖. que pertenecemos a otro tiempo y espacio. como sujetos. es el de la poesía. Donde todas las cosas sean hechas nuevas. Sus primeros escritos teológicos hablaban de liberación y del humanismo. como tendría que ser la filosia y la teología: un constante asombrarse y recomenzar. Se hace también filosofía y ocurre un despliegue de cuestiones que parecieran no tener final. ¿Regresamos acaso hacia algún origen? Y pensamos que hemos extraviado el camino.las dimensiones humanas. las pasiones y las utopías. No quedando otro remedio que vivenciarlo. No somos un número. ―En el principio era el cuerpo. no sabemos en qué. sin esperar nada. como presencia ausente. Aunque siempre comprometida con la liberación. del cielo con los árboles. y transbordados hacia la belleza. del cielo con el mar. lo demás sería especular.‖ escribía Alves. Los deseos de otro mundo. En el centro siempre de sus escritos y pensamientos. cuando el sol se sumerge en el abismo y deja ir sus últimas fuerzas que rezuman por todos los enseres y seres. solo se está ahí. de cielo abrasado. cuando todo permanece quieto y encendido. Cuando se pone como tema los deseos y los otros lenguajes. debido a que estamos imbuidos en actividades y afanes que parecieran no tener fin ni finalidad. Pero antes nos lleva a redescubrirnos como personas. si se quiere. que a esa hora parecieran sombras antiquísimas. a ser un sujeto estético. Simplemente a la belleza. Pero el lenguaje que mejor hilvana -o al menos lo intenta. el de la magia y los deseos. a la vez. tampoco un ―factor de producción‖. del cielo con las dunas.Nos redescubrimos a la hora del crepúsculo. incluso mejor que la cabeza. no era lo que andábamos buscando en verdad. estaba el ser humano y su cuerpo.

a despertar la belleza que hay en cada uno de nosotros/as.―somos seres para el amor‖. como la había en las narraciones de Jesús. El carpintero de Nazaret era un gran contador de historias. Se trata de una teología poética. No puede sino confiar en el poder que está en su cuerpo y en sus palabras poéticas que recrean el mundo o que convierten su mundo nefasto en un mundo de amor. Alves nos deja eso y más. La que también nosotros/as estamos invitados/as a hacer. de la magia.empezar el mundo otra vez. sobretodo. Entonces obra la magia. Era una teología del renacimiento humano y por ende el renacimiento de su mundo (no hay mundo sino el humano). Finalmente. Eso. la cual nos da fuerza para respirar y asombranos de la hermosura de cuanto ven nuestros ojos o de cuánto nos ve. Si bien no se puede dar una respuesta defintiva a la pregunta ¿quiénes somos?. Por conmovernos con las cosas pequeñas que nos acompañarán por siempre. Gracias Rubem por animarnos a soñar con un mundo más cariñoso y a redescubrir el poder que duerme en nosotros/as. es una teología que termina en la belleza. Para lo cual el género más apropiado pueden ser las crónicas de la vida cotidiana o los cuentos para niños y niñas. Nuestra propia teología. con el lenguaje de la poesía y la imaginación. Hacer una creación de la nada. pues sus deseos de transformar el mundo es mucho. A pesar de los datos duros que le dicen: ―no es posible‖. sin embargo. Pero está nostalgia esta poderosamente instalado en el corazón del teólogo poeta. La teología de Alves esá compuesta con el lenguaje de los deseos. La teología del día a día. podemos estar seguros que somos hechos por amor y para el amor. Esto nos recuerda que muchas veces el oprimido solo tiene el poder de su nostalgia y de la palabra. un compañero o amigo íntimo (¿Dios?) que se marchó para siempre. . De su capacidad creadora para humanizar su mundo y renombrarlo. a pesar del dolor y el sufrimiento que nos rodea y que sentimos nosotros/as mismos/as. En esas crónicas y cuentos hay mucha teología o filosofía. Porque pese a todo lo que se diga en contra -atestigua Alves. que hecha de menos una ausencia que ninguna presencia puede llenar: una comida que no existe.

uma vez viajar naqueles dias era caro. Editor da revista eletrônica ―Tempo e Presença‖. Rubem A. As transformações históricas vividas pelas sociedades latinoamericanas. do mês já não me lembro. Desde então foi reescrito diversas vezes. Mas. MG onde cursei o Ensino Médio e o tive como professor. as possibilidades de um enfoque da natureza do que nos é permitido apresentar num pequeno texto como este. se encontram ideologicamente divididos em relação ao projeto histórico que propugnam para suas sociedades. marcou minha vida enquanto pastor. Federal de Juiz de Fora (UFJF).. especialmente para um estudante de parcos recursos. também se encontram no interior do Catolicismo e já ultrapassaram as diferenças teológico-doutrinárias entre este e o Protestantismo. Estas divisões atravessam as separações históricas que deram origem às diversas instituições eclesiásticas protestantes. Este texto foi escrito e publicado há muito tempo. É esta igreja que importa e não aquela teórica e virtual dos dogmas. suas atividades e formas de relacionamento com estas sociedades. Prof. crianças.. de Hamburg. Fiquei hospedado em sua casa e pude acompanhar seu empenho na produção de um texto sobre a responsabilidade social da comunidade local.. especialmente nos últimos 50 anos. Mas também queria que eu o ajudasse nos trabalhos da igreja uma vez que tinha se operado recentemente das amígdalas e não podia pregar. pois sabia que eu tinha uma namorada lá. documentos e preceitos que preservam a estrutura institucional mas que oprimem e impedem o desabrochar livre da vida de todos.I IN NS ST TI IT TU UI IÇ ÇÃ ÃO OE EA AC CO ON NT TE EC CI IM ME EN NT TO O:: N NO OT TA AS SS SO OB BR RE EA AS ST TE EN NS SÕ ÕE ES SE EN NT TR RE EO O E C L E S I Á S T I C O E O E C L E S I A L N O I N T E R I O R D A C O M U N I D A D E C R I S T Ã ) ECLESIÁSTICO E O ECLESIAL NO INTERIOR DA COMUNIDADE CRISTÃ) Z Zw wiin ng glliio oM M. MG. de ― Koinonia – Presença Ecumênica e Serviço‖. jovens e idosos que sofrem e se alegram em meio às agruras e incongruências da vida.. D Diia as s* *Doutor em Teologia pela Univ. Aceitei com alegria o convite. T . Com todas as mudanças que sofreu continua firmemente ancorado na inspiração primeira oriunda das reflexões eclesiológicas de Rubem Alves. Dedico este texto ao meu amigo. Isto. Com ele aprendi que a verdadeira igreja é a comunidade de homens e mulheres. o problema está colocado pela própria realidade que nós. e muito. Rubem era pastor na pequena cidade de Lavras. e demandava muito tempo. Alves em seu octogésimo aniversário! Preâmbulo da saudade. produziu não poucas tensões entre os cristãos que.. no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião da Univ... Trata-se de um verdadeiro divisor de águas ideológico que está na base das formas de mediação histórica do acontecimento cristão primordial. a totalidade do acontecimento cristológico . de certo modo. leis. por sua vez. Esta é sua última versão. experimentamos no interior de nossas instituições eclesiásticas e de nossas sociedades como um todo.ou seja. com nossa dupla identidade de latino-americanos e cristãos.exigem um tratamento interdisciplinário que ultrapassam. Partilhou suas ideias comigo e me ajudou a perceber a dimensão dialética entre o local e o universal no que se refere à concreção histórica da comunidade dos discípulos de Jesus de Nazaré. impactaram as Igrejas e mudaram. Assim a carona foi providencial. Estava cursando o primeiro ano do Seminário Presbiteriano de Campinas. Introdução anto a análise do desenvolvimento histórico da instituição Igreja como o estudo do acontecimento fundamental que deu origem ao cristianismo .. O ano era 1960. positiva ou negativamente. pastor e mestre Dr. embora unidos numa mesma intenção de fidelidade ao Evangelho. SP e vivia meus inquietantes e esperançosos 19 anos. Pastor da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil. na medida em que este se foi cristalizando numa forma institucional. Alemanha.. Desde então a importância da comunidade local cresceu em minhas inquietações teológicas e. Voltando certa vez de Campinas para Lavras convidoume para acompanhá-lo.

contradizendo o discurso ―ortodoxo‖ da instituição) que.) como a única forma de manter-se aberta à atuação sempre inédita do Espírito e não deixar-se instrumentar pelos diferentes grupos de poder que. em seguida. Emil Brunner. etc. Emil. uma vez que esta expressão é. movimentos. obras e fé. O Equívoco sobre a Igreja. para destacar as tensões oriundas da dialética constitutiva de seu ser-no-mundo. Antes. em nosso continente. procuraremos destacar algumas das características da instituição como fenômeno social e da Igreja. amputando assim um dos termos da relação dinâmica que preside a ação do Espírito nos entremeios da experiência humana. memória e esperança. A emergência histórica da Igreja 1. grupos de base. muitas vezes. Metodologicamente. simplesmente. a Ecclesia do Novo Testamento. do Reino de Deus. Sua vida se caracterizou por uma acentuada ênfase escatológica que o enquadrou na linha dos grandes profetas de Israel. instituição e acontecimento. instituindo-se na sociedade e nas estruturas organizacionais eclesiásticas.. como instituição sociologicamente marcada. e procurar seus vestígios nas diferentes concreções históricas assumidas. em suas formas históricas institucionais. de forma particular. estabelecer um marco histórico-teológico de referência e um marco sociológico de análise que nos possibilitem um novo horizonte de reflexão capaz de ajudarnos a superar as tentações de unilateralismo que nos levam a ver. H. inquirir a respeito da continuidade histórica da Igreja. falar da Igreja. domesticar os portadores do testemunho do Evangelho para torná-los transmissores de sua particular e interessada visão-de-mundo. em forma dramática. mas não se preocupou em “programar” a Igreja para os tempos vindouros. Isto é. a Ecclesia do Novo Testamento. implica em compreender o que foi o movimento de Jesus.Com estas ressalvas procuraremos destacar alguns elementos que estão na raiz das tensões criadas pela interação dialética entre o Eclesiástico (ou seja.. e. ou. trataremos do conflito sempre presente entre carne e espírito. ou nas instituições eclesiásticas historicamente dadas ou nos acontecimentos eclesiais de emergência recente. portanto. A luta que manteve com as autoridades religiosas de seu tempo se inscreve no tradicional conflito 1 Cf. procuram. o único meio de manifestação do Espírito. 2004. o que parte da estrutura normativa da instituição eclesiástica e que configura o seu discurso) e o Eclesial (isto é. Brunner. São Paulo: Novo Século. conforme os relatos do Novo Testamento. Seguindo a acurada reflexão desenvolvida pelo teólogo reformado suíço. E isto faremos com o objetivo de destacar o lugar e a importância da persistência de tais tensões no seio da comunidade cristã global (com suas instituições. lei e graça. para dizer como Lutero. Toda a pregação e ensino de Jesus estiveram centralizados numa única preocupação: a proclamação da instauração e realização a partir dele. conservação do passado e abertura ao futuro. ainda que de forma sumaríssima e limitada. as manifestações que irrompem no meio dos cristãos reivindicando maior grau de fidelidade ao acontecimento-fonte. historicamente. Uma rápida mirada às páginas do relato neotestamentário nos permite inferir duas coisas com respeito à formação da Igreja cristã: (a) Jesus anunciou o Reino de Deus.1 tentaremos. uma e outra vez. o oficial. H. examinando alguns aspectos do relato neotestamentário e. mas consequente. ou seja. ao longo do tempo. Procuraremos. . em primeiro lugar. vamos ocupar-nos. ―obscura e ambígua‖.Falar da instituição eclesiástica e do acontecimento fundamental que a trouxe à existência não significa. do processo de formação da Igreja. tanto no Ocidente como no Oriente e. em relação à comunidade de Jesus (a koinonia christou ou koinonia pneumatos). caracterizaram até aqui a prática cristãevangélica. de forma modesta. pelas formas eclesiológicas que se querem herdeiras da Ecclesia primordial.

como símbolo da ceia celestial dos homens no Reino de Deus. neste sentido. Os modernos tratamentos exegéticos dispensados aos documentos que constituem o Novo Testamento são unânimes em constatar que a Igreja que nós conhecemos a partir dos relatos dos Atos dos Apóstolos não fazia parte dos planos de Jesus. motivados por uma necessidade testemunhal ou urgência kerigmática A partir do relato do livro dos Atos dos Apóstolos. de modo a levar à prática a promessa uma vez feita a Abraão de que nele ―serão benditas todas as famílias da terra‖ (Gn 12. pg.). Seu anúncio não foi outra coisa que a proclamação do cumprimento da promessa uma vez feita ao povo escolhido.. Nesta perspectiva escatológico-messiânica não há lugar para a Igreja. a salvação de todos (a Humanidade) depende da conversão de alguns (Israel). mas especialmente com os marginalizados. Boff. Boff: ―As várias ceias que Jesus realizou não só com os discípulos.3 (b) Sob a inspiração do Espírito. o juízo e a restauração das doze tribos de Israel (Mt 19. Cumprimento este que se realiza nele. trata-se de um particularismo que não se esgota em si mesmo. Como muito bem assinalou L. L. 3). cuja eficácia histórica só se concretizará por meio da eficácia do Povo. Lc 22. Como bons judeus a atentos às recomendações de Jesus. trataram de conquistar seus compatriotas para o Reino. possuíam um significado salvífico-escatológico: Deus oferece a salvação a todos e convida indistintamente bons e maus à sua intimidade. da nova ordem de relações a ser instaurada entre os humanos. Para ele. escatologicamente. não é formar mais uma facção ou tendência. eles simbolizavam.59. ―levedo na massa‖. porém se constitui no fundamento da intenção salvífica universal de Deus. essênios etc. Sua pregação.2 Na proclamação de Jesus o Reino tem uma significação essencialmente escatológica. narrados pelos evangelistas. que só vai aparecer depois da ressurreição. Escatologicamente. A importância dos discípulos não se baseava no fato de serem eles apóstolos (isto ocorrerá depois) mas no fato de que eram doze. da eficácia histórica da atuação de um grupo como sinal do Reino. é particularista. Os doze que ele chamou para que o acompanhassem em seu trabalho não foram convocados para se constituírem no grupo inicial de uma suposta sociedade jesuânica. 28. Idem. Petrópolis: Vozes. ao lado de tantas outras já existentes. Sua pregação. Não se trata de uma teocracia nacional. transparece muito claramente no texto lucano‖. Mesmo nos relatos sobre a Santa Ceia. É neste sentido que devemos compreender as expressões metafóricas ―sal da terra‖. tradicionalmente se pensava. 29). confiados em que o Ressuscitado 2 3 Cf. se deduz que estes não fundaram a Igreja imediatamente depois do evento pentecostal. geograficamente delimitada e politicamente configurada. social e religiosamente. como era esperado tanto pelo judaísmo oficial como pelos grupos messiânicos então existentes (zelotes. a todo Israel como povo escolhido. portanto. 1977. Mas. a Igreja surge de uma decisão dos discípulos. portanto. O caráter escatológico da última ceia. . não há evidência do contrário como. ―luz do mundo‖. 62. que surge como portador e instaurador do Reino de Deus entre os humanos. pois. para tornar realidade esse Reino entre os humanos. A realização do plano universal de Deus dependia. como muitas vezes somos levados a pensar.entre profetas e sacerdotes do Antigo Testamento e a multidão o seguiu porque viu nele a continuidade da grande tradição profética israelita. o Reino se traduz num novo ordenamento histórico do mundo cujo centro é Deus mesmo. P. Eclesiogênese. mas a conversão do Povo de Deus (Israel) à vontade soberana do Deus da aliança. Seu objetivo. Tanto é assim que o evangelista Marcos quando se refere a eles o faz sempre com a expressão ―os doze‖. se dirige fundamentalmente a todos os judeus. etc.

transformando sua pregação do Reino numa doutrina da Igreja e do futuro dos humanos. Jesus mesmo passou a ser entendido com o elo entre a Igreja e o Reino. Sua vocação é. A Igreja. o incidente de Cornélio. Isto é.. Não foi apenas a palavra e o ensinamento do Jesus pré-pascal. portanto. a eucaristia assume um lugar de preponderância na vida da comunidade que. essencial e existencialmente. um acontecimento sacramental (mysterion) para o mundo. uma comunhão. em virtude de sua progressiva adesão e sujeição às distintas realidades sócio-políticas.Jesus de Nazaré – como em sua dimensão teológica – o Cristo da fé. tanto em sua dimensão histórica .4 A história que se desenvolve das páginas do Novo Testamento até nossos dias nos apresenta uma Igreja que. do corpo e do sangue do Crucificado. surgindo como comunidade informal. mas sim a ação de Deus. a prisão de Pedro.logo retornaria para restaurar definitivamente a Israel. H. em toda ação de Deus em Jesus Cristo. Aquela surgia assim no plano da história como o instrumento de proclamação do Reino a todas as criaturas. como muito bem expressou Hans Küng: ―A Igreja tem a sua origem. é sinal evidente disso. não simplesmente nos discípulos. sua razão de ser. Daí que. apanhando-a num processo dialético onde sua (in)fidelidade ao acontecimento crístico passou a ser determinada em maior ou menor grau pelos interesses da instituição social em que se foi desenvolvendo. na ressurreição do Crucificado e na plenitude dos dons do Espírito. um povo. ou seja. foi se institucionalizando de maneira cada vez mais complexa. Em conseqüência. uma união ou uma unidade de pessoas. o é tendo como seu centro estruturante a pessoa mesma de Jesus. como continuadora de seu serviço ao mundo se alimenta. é parte integrante do nascimento da Igreja. ao darem um sentido missionário a sua pregação eles criaram as condições para o surgimento da Igreja. Mas se a Igreja não irrompe entre os humanos como um acontecimento pré-pascal isto não significa que ela não tenha tido ali os germes que possibilitaram sua manifestação pós-pascal. no entanto. tornando-se ela mesma corpo de Cristo para o mundo. em seu 4 Küng. que transformou o grupo daqueles que em comum acreditavam em Jesus ressuscitado na comunidade daqueles que – ao contrário do antigo povo de Deus descrente – reclamavam ser o Povo de Deus escatológico‖. mas ainda não plenamente realizado para todos os humanos. Entretanto a conversão helenista. Vol. Os discípulos se transformaram em apóstolos. Com efeito. nos desígnios e na missão do Jesus pré-pascal. uma comunidade de pessoas. tiveram eles de reinterpretar a mensagem escatológica de Jesus. que ficara desfalcado com a ―saída‖ de Judas. assim. A completa realização do Reino dependerá agora da eficácia histórica de sua ação sob as orientações inéditas do Espírito. a pregação do Reino por parte de Jesus.I pg. Os relatos dos Atos dos Apóstolos deixam claramente estabelecidos que se a Igreja é um (evento pneumatológico. 1969. 111. uma koinonia pneumatos. vida pública e chamamento dos discípulos. metaforicamente. ou seja. mas sim no conjunto do acontecimento cristológico. ou seja. o que o levou à cruz. nunca uma ―coisa‖. ou seja. culturais e econômicas das sociedades humanas nas quais foi assumindo contornos sociológicos definidos. Como tais eles pertencem agora à Igreja e não ao Reino. em enviados. a falta de interesse dos judeus por sua pregação os levaram a ir em pós dos gentios e a não mais esperar a Parusia do Senhor como iminente. o martírio de Estevão e. desde o seu nascimento. Para dar este passo. como anunciadora do Reino já instaurado em Jesus Cristo e. uma instituição. na história como produto da ação salvífica e transformadora do Espírito para anunciar a mensagem libertadora do Reino já inaugurado em Cristo. . até a sua morte e ressurreição e à descida do Espírito sobre as testemunhas do Ressuscitado. Lisboa: Moraes Ed. As formas de sua institucionalização foram-se diferenciando segundo às conjunturas históricas que se foram sucedendo. Ela nasce como uma ―comunidade para os outros‖. provocado pela ação do Espírito. O fato de recompor o grupo dos doze. A realidade da Igreja emerge. fundamentalmente. Por seu lado.

Com a expressão Reino de Deus. o fato de que eles estão unidos em um organismo que inclui tanto igualdade quanto diferença. mas no empenho de proclamação.. Creiam nesta alegre notícia. Por isso suas primeiras palavras de anúncio são: “Terminou o tempo de espera. portanto.6 Esta perspectiva se fundamenta na compreensão da existência de uma única história criada e permeada pela ação de Deus. devessem tentar encontrar um substituto para o que estava faltando.peregrinar histórico tenha ela tanto obscurecido como revelado a Jesus Cristo aos humanos. a fé. quando este poder e unidade original não existiam mais na mesma abundância. Assim é que ele se apresenta em sua dupla dimensão de Reino histórico e Reino escatológico. que nada tem a ver com uma realidade que se desenvolve fora dos limites de nosso mundo histórico: ele é expressão da atividade de Deus em nossa história em função de seu projeto escatológico: a libertação do horizonte da vida dos humanos para. Ou seja. ou não. pois a koinonia repousa sob a inspiração do Espírito Santo. H. pg. o que significa esta expressão? Que realidades o Reino descobre e articula? A tentativa de definição formulada por L. Boff. com isso. Diz ele: ―Reino de Deus é a expressão que designa o senhorio absoluto de Deus sobre este mundo sinistro e oprimido por forças diabólicas. 1974. E promete que já não será utopia. Petrópolis: Vozes. no anúncio de uma salvação de almas individuais ou de uma nova interpretação religiosa do mundo e da vida... Jesus articula um dado radical da existência humana. Boff nos parece muito sugestiva. Esta tentativa de garantia e substituição assume três formas diferentes: a palavra viva de Deus está assegurada – e ao mesmo tempo substituída – pela teologia e o dogma. Como assinalou Brunner: ― A Palavra de Deus está verdadeira e efetivamente na Igreja como a palavra do Espírito Santo. que prova sua realidade pelo amor. pg..‖(Mc 1. da possibilidade de libertação dos humanos de todas as formas de escravidão e medo que os oprimem e os tornam menos humanos. E isto na justa medida em que se ia abrindo ou fechando-se à direção do poder do Espírito que lhe deu origem. alguma coisa de especial que se concretiza em algum momento do seu desenvolvimento. Mas. portanto. Salvação em Jesus Cristo e processo de libertação. objeto de alegria para todo o povo (Lc 2. e assegurar a presença do que estava rapidamente desaparecendo. . Concilium. O Reino de Deus está próximo. Nº 96. A proclamação do trabalho escatológico de Jesus Cristo por parte da Igreja não consiste. na medida em que se deixou. 378. Eu sou a libertação total de todo mal e a libertação absoluta para o bem. o Reino se apresenta em Jesus Cristo como a manifestação central da atividade sempre presente de Deus na história.9). Deus assume a totalidade da condição 5 6 Brunner.14). então. . L. Em Jesus Cristo. pois este é o que justifica a sua existência e orienta a sua presença na história.‖ (.5 2.) ― É compreensível que num tempo posterior. Mudem de vida.E..‖ (. e. em razão de seu caráter totalizante. a comunhão dos homens uns com os outros.. cit. desde a perspectiva do Novo Testamento não se pode conceber a Igreja sem referenciá-la integralmente ao Reino anunciado por Jesus Cristo. Deus vai sair de seu silêncio milenário para proclamar: Eu sou o sentido e o futuro último do mundo. possibilitar-lhes a liberdade para a construção de seu próprio futuro.) ―. seu princípio-esperança e sua dimensão utópica.. pelo testemunho vivo da comunidade. questionar-se pelo Acontecimento que a ocasionou. numa unidade do ―logos‖ com a energia dinâmica que se encontra além de toda compreensão.Pelo visto até aqui torna-se evidente que não se pode fazer um discurso sobre a Igreja sem falar ao mesmo tempo do Reino de Deus. está assegurada –e substituída – por um credo e um código moral. Esta ação não é. 59. objeto de ansiosa expectação (Lc 3. A Igreja surgiu na história por e para a proclamação desse Reino. a comunidade está assegurada – e substituída – pela instituição. op. implicando. a igualdade fundamental de todos e sua subordinação mútua uns aos outros. Mas. 15) mas topia.

O fato da justaposição de diferentes teologias no Novo Testamento. a visão de mundo própria dos poderosos. muitas vezes por demais distante da koinonia experimentada pela Ecclesia do Novo Testamento. A contínua conversão da Igreja aos propósitos do Reino. não se identifica com ele. surgidos em conseqüência da própria dinâmica que ela. enquanto comunidade de homens e mulheres solidários e interdependentes. o perdão para os pecadores e a vida para os mortos (Lc 4. Do Acontecimento à Instituição O processo de institucionalização do acontecimento fundamental . perder os rastros do Espírito em meio às marchas e contra-marchas da história humana. A igreja. disse ele (Lc 11. não é o Reino. cujo discurso sempre respondeu aos interesses dos grupos dominantes na Igreja e na sociedade. está provocando entre os humanos. ainda que a supere. então.o evento cristológico em sua totalidade – foi e tende a ser sempre mediado pelos elementos culturais e ideológicos dominantes dentro da sociedade onde esse processo ocorre. econômicos e culturais que a partir de então.3-5). e . a Igreja passou a se constituir numa das mais importantes instituições sociais por ser justamente aquela que se encarregaria de elaborar o discurso ideológico que explicitaria. Daí que o viver institucional da Igreja deva ser encarado sempre como provisional e necessitado de transformação. O Reinado está entre vocês. Interesses estes impostos pelas exigências de funcionalidade do aparelho do Estado ao qual foi atraída e outros. como instituição. dá-lhe um novo conteúdo que se expressa na boa notícia para os pobres. 18-21. Jesus pregou exatamente o contrário. o Cristianismo sempre viveu dominado por uma tensão entre uma versão institucionalizada do acontecimento crístico. Mt 11. a história da Igreja Cristã. ―herética‖ em relação ao discurso oficial. tanto do próprio acontecimento (desmascaramento ideológico) como da própria conjuntura histórica (exigência de análise de realidade fora de uma perspectiva de poder).humana e lhe imprime uma direção totalmente outra. a ser interpretado pela instituição segundo os variáveis interesses de suas funções sociais. Estes sempre defenderam uma explicitação do acontecimento por parte da instituição mais próximo da realidade por eles experimentada. em função daquilo que a atividade de Deus que se desenvolve além dela mesma. sendo articulado como uma versão ideológico-religiosa legitimadora da ideologia predominante dentro da sociedade. O conjunto de fenômenos sócio-políticos. assim. libertação para os oprimidos. Como a história nos demonstra. constitui manifestação objetiva disso. mas uma orientação qualitativamente nova de sua manifestação histórica. por exemplo. Ou seja. A partir do momento em que o Cristianismo passou a ser objeto de instrumentalização por parte dos setores sociais dominantes. que se revela na busca constante do significado do acontecimento original (a koinonia christou) para a sua presente conjuntura histórica. pois. a eficácia histórica dos humanos tenha sido subestimada. daí por diante. Entretanto isto não quer dizer que.20 e 17-21). Isto é. e uma versão discordante que se lhe contrapõe. a proclamação do Reino aponta para a revelação do futuro no meio do presente e nos recorda o fato de que na prática de Jesus de Nazaré. portanto. em termos do universo simbólico religioso. pôs em andamento. o Reino de Deus foi instaurado com toda a sua eficácia histórica. em função da atividade de Deus. O Acontecimento fundamental passou. pois. a fé tem necessidade de um conduto ideológico que a expresse e articule. Deve estar continuamente sob o juízo do acontecimento do qual se originou sob pena de negá-lo totalmente e. defendida por grupos sem poder tanto no interior da Igreja como na sociedade. exige dela não uma simples reforma ou modernização de suas estruturas. mas o assinala e promove seus valores no meio da história. assim como os conflitos que desde o princípio vêm dividindo os cristãos. o Reinado acontece em e através da história que os humanos vão construindo. Isto começou de modo claro e determinante na era constantiniana e caracterizou.

memória prática que preserva as soluções sem. A partir desse momento a 7 8 (7) Alves..em forma crescente. da transformação. 3. (8)8 Por estas características as instituições tendem sempre a conter as manifestações vitais da comunidade humana onde atuam. é feita com o propósito de se derivar dela o imperativo. pois a vida é regida pelas leis da mudança. Em outras palavras: o comportamento deve ser adaptativo. os comportamentos. Com isto queremos apenas sublinhar que a Igreja enquanto instituição social tende a funcionar como todas as instituições que surgem da convivência humana.A descrição das realidades institucionais. descrição ideológica. entretanto. Mas a forma exagerada com que estamos nos referindo a estes fatos da história procura desnudar ao máximo este dado fundamental que tem caracterizado a relação entre a fé e as formas ideológicas de apreensão e explicitação da realidade pelos condutos religiosos. ela não inova. . Rubem Alves destaca. O indicativo das instituições é o imperativo do comportamento.7 De acordo com esta definição se poderia dizer que a instituição transmite e impõe normas e comportamentos que. seja o pensamento. R. definição de R. as crenças e as ações dos indivíduos.Suspendemos todas as nossas dúvidas a seu respeito. 1975. 10. Esta é a função de fórmulas como ―a instituição é a criação divina‖. (Elas). ―o corpo de Cristo‖. para apenas mencionar os mais conhecidos) ocorrerão em grande medida determinados pelos problemas oriundos desta forma de mediação. ainda. tende a ser estática. A função do indivíduo é ajusta-se ao todo e contribuir para a sua preservação e expansão. in Cadernos do ISER. as atitudes.. ―o mistério da Igreja‖.Finalmente. respostas a problemas concretamente vividos e se justificam na medida em que preservam sua eficácia prática‖. em sua concreção histórica. pg. Alves: ―Uma instituição é um mecanismo social especializado que programa o comportamento humano. do inédito. Assim. surge a crise entre estas e aqueles aos quais deveria oferecer novas soluções.O discurso sobre as instituições assume a forma de justificação ideológica das mesmas.P.. inclusive a Igreja. de que se trata quando falamos de instituição? De acordo com uma curta. pois seu horizonte ficou no passado. Mas a instituição tende ao imobilismo. 9. da criação e da ―re-criação‖. A instituição é uma necessidade divina. assim. 4. é a memória socializada da sociedade. justificação teológica. no momento em que novas situações e novos problemas começam a surgir e para os quais as instituições não possuem uma resposta satisfatória. não foram tão simples como as temos esquematizado. o discurso se caracteriza pela proibição do dizer crítico e pela obrigatoriedade do dizer apologético‖. Ou seja. Rio de Janeiro: ISER. A vida é movimento. Funcionalidade é interpretada como verdade. Cisma de Avinhão.. A repetição de respostas que uma vez se mostraram eficazes e a imposição destas respostas como norma axiológica constitui seu princípio fundamental. darão origem a uma diversificação de instituições eclesiásticas (Cisma de Constantinopla. são. ―a objetivação do Espírito‖ etc. segundo a natureza de seus fins. Reforma. 2. por terem resultado ―funcionais‖ para a obtenção de determinados objetivos passam a ser considerados como os que melhor correspondem às necessidades dos indivíduos. ter consciência de suas origens. È por isso que a instituição é incapaz de propiciar atitudes criativas. (Ela). busca incessante do novo. a instituição programa. E as instituições deixam de ser entendidas como historicamente contingentes e passam a ser interpretadas como ontologicamente necessárias. Naturalmente que as coisas. Mas. que ―na medida em que as instituições funcionam de forma adequada o discurso a seu respeito se caracteriza pelos seguintes elementos: 1. Movimentos reavivalistas dos séculos XVIII e XIX. No caso específico da Igreja. mas objetiva. Ibidem. seja a ação. Mas pelo fato de viver do passado cada instituição.. ―Instituição e Comunidade‖.

em si mesma num poderoso obstáculo à emergência da verdadeira comunidade cristã no coração da história humana. em princípio. H. Para tal 9 Brunner. por conseguinte. Desde o Cristianismo até os primeiros tempos da era da Reforma. e a necessidade de sua multiforme variedade. constituindo-se. A vida da Igreja é. muitas vezes tem se perdido em sua busca de correspondência com a Ecclesia do Novo Testamento. ortodoxo) e as tentativas de novos discursos oriundos de grupos eclesiais (não-institucionais. 124. a verdadeira comunidade de irmãos e irmãs. seja por se auto-compreender. Em todas estas situações se observa a presença de um denominador comum: a referência ao acontecimento fundamental e o esforço para que o discurso original da fé guarde sua pertinência em relação às novas experiências históricas que a instituição não percebe ou não pode perceber. também. mas somente para a Ecclesia. Brunner chama a atenção para o fato de que a Igreja. oficial. Uma comunidade marcada pelo exercício da reciprocidade. a história das tensões. de modo a permitir a expressão real da igualdade entre todos e todas. E. marcará o caminho da Igreja na história. não-oficiais) para alcançar uma nova interpretação ou uma nova mediação revitalizadora do acontecimento primordial que deu origem à instituição. No caso da Igreja. entre o discurso eclesiástico (institucional. A Reforma é um exemplo característico do empenho na busca de maior correspondência entre a mensagem original e a realidade de uma determinada conjuntura histórica. Novas tentativas sempre tem sido feitas para dar à comunidade cristã a forma externa que melhor se ajusta a ela. manipulações e. por isso.‖. desde então. como a expressão fidedigna e atualizada da Ecclesia primordial. orgulhosamente. op. È por este caminho que a instituição pode chegar às formas mais ousadas de repressão dos focos ―heréticos‖. pg. Um dos mais importantes resultados do movimento ecumênico tem sido fazer o Cristianismo consciente da multiplicidade destas formas externas. seja por atender à exigências que contrariam o Evangelho..9 Frente ao que vimos até aqui.instituição perde sua autoridade frente a eles e. ocultas ou abertas. o surgimento de grupos com um discurso diferente do oficial (institucional) sempre se deu quando a instituição eclesiástica deixou de perceber as transformações da realidade e continuou insistindo num tipo de ―mensagem‖ que perdera a pertinência por continuar referindo-se a uma realidade já superada. Este fato está muito bem exemplificado nas contendas dos primeiros cristãos e.cit. que nos descortina um vasto panorama de incompreensões. o monopólio das respostas. em meio a nossa história. vaso da igreja que a continha. assim. enquanto instituição. um vaso da Ecclesia. da solidariedade. distinguível do. Pois será desta visão renovada que surgirão as iniciativas capazes de restaurar o equilíbrio entre a Palavra e o Espírito de modo a fazer ressurgir a Ecclesia. O movimento profético do Antigo Testamento é como que uma manifestação paradigmática deste mesmo fato. equívocos. . sob o signo da liberdade e da justiça. Em suas palavras: ― A Igreja é uma forma evoluída historicamente. A tensão aflora e um novo discurso começa a tomar forma buscando uma interpretação totalmente distinta do discurso elaborado pela instituição em função de situações passadas mas que ela ainda procura impor pela força de uma autoridade criada e alimentada pela crença de sua necessidade ontológica. e em parte oposto ao. fica o desafio para o aprofundamento da compreensão do que seja a verdadeira comunidade em Cristo. busca sincera de entendimento do significado e papel da comunidade cristã nos tempos que atravessamos. A modo de conclusão Em sua obra paradigmática a que já nos referimos neste texto. entendeu-se o fato que a essência da Ecclesia era. não foi dada para ela a promessa de invencibilidade e durabilidade eterna.

Neste caso a realidade do Reino não iluminaria mais seu horizonte e o Cristo louvado em seu interior não seria mais do que um ídolo. que existe como resultado de uma mediação histórica. para usar a expressão cunhada por João Calvino.devemos levar em conta as afirmações abaixo listadas: 1. ideologicamente condicionada.A instituição eclesiástica. à justiça e à fraternidade. Ou. como um dos modos da revelação e ação de Deus entre os humanos tem de estar sempre atenta aos ―sinais dos tempos‖ para perceber os movimentos do Espírito e secundá-lo em seu trabalho libertador. a comunidade dos seguidores e seguidoras de Jesus de Nazaré se constitui na pia conspiratio para a transformação do mundo segundo os desígnios de Deus. pois seu cometido é o Reino de Deus e não a Igreja.A preservação do espaço profético no interior da instituição é a condição única que possibilita e garante sua verdadeira obediência. Somente no reconhecimento humilde e na acolhida das chamadas proféticas (Kenosis da instituição) que continuamente a remetem ao acontecimento cristológico e a convidam a uma permanente conversão (metanoia) à ação do Espírito na história.A permanência desta tensão é de fundamental importância para o contínuo devir da Igreja como comunidade do Senhor Ressuscitado. 4.A atuação do Espírito na história ultrapassa as fronteiras sociológicas da Igreja e se revela em todas as aspirações verdadeiramente humanas à liberdade. 3. 2. Esta. . vive a tensão permanente entre as ―solicitações do mundo‖ (por ser uma instituição social) e as exigências de fidelidade ao Espírito que a empurram pelos caminhos da história para a manifestação do Reinado de Deus entre os humanos. da totalidade do acontecimento cristológico. uma criação demônica a serviço da perversão da proposta evangélica original. Sua supressão revelaria não apenas a debilidade dos laços da instituição com o Acontecimento-fonte como sua total submissão ―aos principados e potestades deste mundo‖. se tonará ela serva fiel de Deus a serviço dos humanos.

e consequentemente. o homem é um ser histórico. que aqui denominaremos fase teológica10. tanto individualmente como coletivamente. Aqui poderíamos chamar de processo de humanização. O seu pensamento representa um grande grito e protesto contra tudo aquilo que oprime e subjuga os humanos.H HU UM MA AN NI IZ ZA AÇ ÇÃ ÃO OE ED DE ES SU UM MA AN NI IZ ZA AÇ ÇÃ ÃO O:: U UM MA AR RE EF FL LE EX XÃ ÃO OA AP PA AR RT TI IR RD DA A C O N T R I B U I Ç Ã O D E R U B E M A L V E S CONTRIBUIÇÃO DE RUBEM ALVES A An nttô ôn niio oV Viid da all N Nu un ne es s Introdução omo o próprio tema indica. nada restou para o novo teólogo senão a retirada de sua pátria. Através de sua ação possibilita um movimento interno e externo que o leva permanentemente a configurações novas. 10 . que há sempre uma libertação de. como objetivas. que se encontra no livro O que eles pensam de Rubem Alves e de seu humanismo na religião. mas também realiza alterações em si mesmo. Na relação com o mundo e os outros da sua espécie não apenas transforma a realidade que o cerca. Humanização significa justiça na distribuição dos bens produzidos socialmente. com a perseguição que começa a sofrer. a cultura). individualmente e socialmente. Trata-se do trabalho do jovem teólogo que na década de 1960. vive em função dos projetos e interesses alheios. que teima em permanecer. o homem pátrio é privado das condições básicas para uma vida digna. sensibilizado com a situação de dominação e desumanidade que vivia o homem brasileiro em função do processo colonizador. com Xavier Zubiri. de um lado há o status quo. Este dois momentos estão intimamente vinculados à história dos homens. Estas construções culturais. tanto por parte dos militares como pelas autoridades religiosas da sua igreja. publicado em 2008. O primeiro implica se desvencilhar de tudo que segura. de Campinas e por mim organizado. sempre foi sensível ao homem em suas dores e anseios. no sentido de uma superação permanente dos limites. e do outro os sonhos que procura arrastar o homem para além dos limites do mundo fixado. ao mesmo tempo em que somos modelados por eles. Podemos dizer. Em seguida. desumaniza o homem. assim como. Em nosso itinerário para esta reflexão percorreremos três momentos fundamentais. tornam-se obstáculos para o pleno desenvolvimento de potencialidades individuais e coletivas gerando com isso processos de desumanização. de maneira soberana. Portanto. busca os caminhos de libertação e afirmação da comunidade nacional enquanto povo livre e realizador do seu futuro. O segundo aponta um horizonte de possibilidade de afirmação e realização humana. Em terras distantes ele dará início a uma reflexão que o levará à formulação do seu humanismo. (a sociedade. Há uma tensão permanente que marca a atividade criadora. pensador brasileiro. Diferentemente dos demais animais. Assim se vai configurando mundos. pela editora Papirus. No primeiro explicitaremos como Alves. Um tipo de animal que constrói a si mesmo a partir das múltiplas escolhas que vai fazendo. sugiro a leitura do meu artigo. Não mais focalizará apenas o homem C Para um aprofundamento dos vários momentos do pensamento de Rubem Alves. estabelecer um projeto para si. em muitas circunstâncias. portanto obras humanas. afirmação de uma nova identidade nacional e a possibilidade do povo. Rubem Alves. uma libertação para. não está preso aos limites do seu corpo. tematizou a humanização e a desumanização nas elaborações que realizou durante a sua juventude intelectual. Com o golpe militar em 1964. na educação e na poesia. É um ser de transcendência. tanto subjetivas. impede. libertação é um conceito chave na experiência humana. evidenciaremos o humanismo que começa a ser desenvolvido por Alves desde sua partida para o exílio. A desumanização é patente. Etapas do itinerário reflexivo de Rubem Alves: a dança da vida e dos símbolos. a nossa preocupação fundamental nesta reflexão será o homem.

Humanização e desumanização: o pensamento do jovem teólogo Os primeiros escritos de Alves surgem no início da década de 1960.brasileiro em sua reflexão. Como ele percebia nossa realidade? Estava convencido o jovem teólogo que a sociedade brasileira. Aos poucos se libertou da visão dogmática e pieguista com a qual foi educado. era levada para o exterior. Em outras palavras. e publicado pelo CEDI-RJ em 1985. No seminário que frequentou Alves passou por mudanças profundas em sua compreensão da religião. nas possibilidades de decisão e escolha de um caminho para a nação brasileira. sempre estivemos a responder aos interesses das metrópoles. poderá dar ao leitor uma ideia da importância e do significado da Teologia da Revolução. assim como do homem e do mundo. Por séculos fomos explorados em nossas riquezas. Um das pessoas decisivas na sua formação foi o professor americano Richard Shaull. 12 O livro De Dentro do Furacão. mas todo aquele que se encontrar em situação de dominação e opressão. Antes de chegar ao Brasil. realizada no prolongamento do humanismo e com base nele. Ele chegara a esta instituição de ensino em 1953. Com ele. havia vivido na Colômbia. a responder às suas necessidades. após concluir o seu curso de teologia no Seminário Presbiteriano de Campinas em 1957. Ao longo da história estivemos sob a dominação de vários países distintos. publicado no Brasil pela editora Recorde em 2003. viveu em outras cidades mineiras antes de mudar-se para a então capital brasileira. o ajudou a compreender a nossa situação de subserviência na economia. A categoria de vida reflexa. como meio de humanização do próprio homem. Também não foi permitido à jovem nação um destino histórico. portanto. e aquela produzida pelo trabalho. Shaull foi. assumido uma prática transformadora nas situações opressivas. organizado por Rubem Alves. na política e na cultura. A experiência religiosa não deveria se constituir em um refúgio do mundo. Por último. no plano econômico. viveu sempre sob o signo dos interesses externos. Como a riqueza natural. nos deteremos na sua reflexão pedagógica. encontrava-se também um componente importante de humanização. onde morou por vários anos. No ato reflexo respondemos a um estímulo externo de forma imediata. Nesse momento. depois de realizar os seus estudos iniciais na cidade do Rio de Janeiro. com uma ideologia que pudesse explicitar nossa identidade e que servisse de orientação para o nosso agir no mundo em função de um projeto de nação específico. Por outro lado. Não se trata de uma resposta refletida. mas deveria levar o homem de fé a olhar o mundo na sua realidade nua e crua. Na política também sempre procuramos viver de acordo com o poder autoritário de fora. um projeto que pudesse estabelecer a sua identidade como nação livre e soberana. de Richard Shaull e Os primórdios da Teologia da Libertação. Nascido na cidade de Boa Esperança. Alves descobrirá os caminhos de uma fé comprometida. de onde saiu perseguido pelos militares e pela elite política em função do seu trabalho com as comunidades carentes e pobres daquele país11. conceito emprestado da biologia. atendendo às necessidades daqueles que se encontram em terras distantes. Não havia preocupação com os que aqui habitavam. sugiro a leitura de seu livro autobiográfico intitulado Surpreendido pela graça. Assim. em processo de desumanização. Alves está preocupado com o seu país e a situação do homem brasileiro. na década de 1950. consciente. a desumanização estaria no fato de Para uma melhor compreensão da vida e das atividades que Richard Shaull realizou na América Latina. pouco sobrava para garantir em nosso país uma vida digna para a sua população que vivia em extrema precariedade. 11 . um dos criadores do pensamento religioso conhecido como Teologia da Revolução12. Também não fomos capazes de definir uma forma de nos conceber na qual estivesse presente uma preocupação com os nossos interesses e um projeto particular próprio. desde o início do seu processo de colonização. em 1933. em nossos trabalhos. Exporemos a forma como ele concebe a educação. mas sempre inconsciente. Para Alves. o referido mestre. Esse processo de dominação levou o país à miséria e a uma permanente desumanização do homem brasileiro.

Ele não deixava de perceber que as instituições religiosas também foram partícipes do processo de desumanização à medida que elas estiveram atreladas ao poder temporal e gozaram de suas benesses. Deus havia se feito carne. de ser agente da sua própria história. Uma mudança econômica deve ser feita para tornar a humanização uma realidade. Não se permitia o mínimo para uma sobrevivência digna à grande população brasileira. administradora de sua própria riqueza. que pudesse permitir a todos a participação nos resultados do trabalho produzido. 100). dando qualidade de vida aos filhos desta terra. Para Alves. p. Por isso ressaltará. Para o pensador mineiro. 26)‖. o processo revolucionário vivido pela nação brasileira representa o fim do processo desumanizador. ―Há então um estado de espírito negativo sobre a igreja e a crença de que nossa igreja não só está alienada do mundo. A qualidade da vida reflexa da realidade nacional tem alienado o povo. Certamente isso implicaria. Os cristãos não deveriam fugir do mundo. Essa mudança em curso foi denominada de revolução. Para nosso autor. mas se envolver nele na busca de soluções que permitissem ao homem condições de humanização. Não entraremos aqui em detalhes da sua reflexão teológica. Pois. as presentes estruturas da vida reflexa têm de ser destruídas. A pneumatologia docética. e nela. as pessoas comuns. e com a busca de uma forma nova de ser e viver. por parte dos religiosos e das instituições religiosas. 2004. de estabelecer um projeto para si. a encarnação de Jesus Cristo representou uma afirmação do mundo e do homem. para o autor. Não há como falar de humanização sem garantir uma nova qualidade de vida para o homem. 2004. a dominação existente iria contra o plano de Deus não permitindo aos homens participação naquilo que chamou de dádiva do natural. impediu a igreja de uma relação significativa com nossa situação histórica” (ALVES. Representava possibilidade de construção de uma nação com interesses próprios. ―Deparamos-nos com poderes desumanos. porque elas não produzem nem trabalham para si mesmas. vivido como qualquer ser humano em suas vicissitudes e grandeza. a estrutura baseada nessa vida reflexa que gerava toda essas contradições tinha que ser abolida. A interpretação . as pessoas sofridas. Dessa forma. No seu entender. Para ele. Acrescente-se a isso a exclusão à educação. mas também alienando. dos frutos daquilo que elas produzem. Concluindo esse momento de nossa reflexão poderemos dizer que. neste contexto histórico. era fundamental o comprometimento dos religiosos no questionamento da ordem estabelecida e da participação na construção de uma nova sociedade. tudo que era natural foi elevado em sua dignidade. ao não levar seriamente Jesus Cristo como doador do natural. Isto é desumano (ALVES. os cristãos não poderiam deixar de participar deste processo de construção. negador do homem e o início de uma nova etapa que poderia possibilitar ao homem brasileiro condições de vida digna e afirmação de uma consciência participava e criadora de seus destinos. para ter sucesso neste plano. pois ela era negadora da dignidade humana. Mas. um renascimento.não se permitir ao homem explorado condições básicas de vida. a humanização deve inseri-lo de novo nele. o da encarnação. saúde etc. A desumanização é uma consequência da privação do homem do natural. Uma nova consciência emergia. Para ele. moradia. O povo iniciava uma tomada de consciência da sua situação e ao mesmo tempo começava a alimentar os sonhos de construir uma nova sociedade. procurou formular uma teologia que justificasse e estimulasse os cristãos a participarem daquele momento revolucionário brasileiro. Sociedade essa que pudesse permitir ao homem uma experiência humanizadora onde pudesse desenvolver suas potencialidades. a sociedade acordava após séculos de dominação. Com esse acontecimento. Esta falta de participação na economia despojou a vida de qualquer conteúdo significativo. segundo ele. p. Ela representava uma ruptura com o passado. a sociedade brasileira passava por mudanças profundas.

Como entrar no mundo humano sem uma socialização prévia da herança deixada pelos nossos antepassados? Sem ela não teríamos como nos tornar humanos. adquirindo marca da liberdade. histórico porque tornou-se diferente. uma vez instalados nesta realidade não estamos condenados ao legado deixado. Começa a ocorrer uma metamorfose em seu pensamento. Com as respostas e as maneiras como o homem vai fazendo a si e ao seu mundo. Ela é um repertório dinâmico e aberto das ações humanas nos instantes de sua trajetória existencial. acabado. p. pertence à esfera da liberdade. a humanização depende da reintegração do homem ao contexto natural de sua vida. Como ressalta Alves. Por ser aberto é capaz de responder. O exílio e novo humanismo Como já nos referimos anteriormente. contudo. O responder. preso às determinações da natureza ele não se autopossui e nem é capaz de atividade criadora. p. com caracteres filosóficos. o homem. Na esfera histórica tanto o homem quanto o mundo permanecem inconclusos. 2004. sofre um duro golpe com a tomada do poder pelos militares em 1964. Ele se faz na e com a história. o ser humano não é o mesmo de antes. assim ficaremos em condições de evidenciar o que é humanização e desumanização com base em suas elaborações realizadas neste período. Freud. Marx. mas aos poucos ele se distancia do discurso teológico à medida que tece um outro. precisamente nesse mesmo ato. 1987. presente ou futuro. E. No retorno. O reagir é um ato que se localiza na esfera do biológico. Após sua resposta. Nem sempre as receitas que serviram para orientar os humanos em um determinado momento da sua vida pretérita serão adequadas para as respostas do presente. Também ele passava a ser perseguido pela ditadura dos militares. assim sendo. No exílio fará uma avaliação crítica da teologia que tinha começado a desenvolver. O seu ser é resultado de um processo de construção a partir da sua relação com o mundo e os outros homens. O homem responde porque descobre o seu mundo como se fosse uma mensagem a ele endereçada. Muitos colegas foram presos. pois as relações possíveis entre eles jamais se exaurem (ALVES. E isso indica que o homem nunca é um ser pronto. 53). Agostinho. Como ele então concebe o homem? Vamos explicitar os conceitos fundamentais do seu humanismo. Deixa-se de ser a isolada esfera da natureza. Neste momento manterá interlocução com vários pensadores: Nietzsche. alguns partiram para o exílio. etc. O homem é possuidor de uma existência aberta e por isso faz história. O pretérito é sempre uma referência a partir do qual ele se constrói. Trata-se de uma realização permanente e dinâmica. Contudo. o homem se faz histórico.revolucionária de nossa situação e qualidade de seu projeto podem ser resumidas nesta declaração: na realidade brasileira. o sonho de uma nação brasileira nossa e de uma nova qualidade de vida humana. Alves ainda se encontrava fora do Brasil neste momento. Um cachorro não tem passado. era hora de partir. como um horizonte em direção ao qual pode se projetar. outros foram brutalmente assassinados. Seu mundo é fechado. Kiekegaarde. construímos a história. Mas. A preocupação com o homem e sua humanização permanecerá. logo percebeu que não havia como permanecer em sua pátria. . 46). Cada homem é uma tensão entre o passado e o futuro. E ao responder. Wittgenstein. O homem primeiramente é um ser histórico. pois assim como o homem. O presente sempre impõe novas demandas e exigências. ao invés de simplesmente reagir. E esta reintegração depende da mudança qualitativa em nossas estruturas econômicas e políticas (ALVES. precisamos atualizar as respostas dadas outrora. é durante o período do exílio que Alves vai desenvolver seu humanismo. estava estudando nos Estados Unidos. Não precisamos falar da distância que existe entre qualquer outro animal e o homem. o mundo também muda. o mundo torna-se diferente: torna-se histórico.

a necessidade de nos desfazermos dos símbolos. p. Podemos então perceber que a linguagem não é algo estático. Enquanto que para os demais animais o passado está inscrito em seu corpo. isso já ressaltamos. e como parte da cultura. Desta forma o pensador mineiro está identificado com uma linha de pensamento que passa por Feuerbach. Na visão imediatista do senso comum as criações históricas do homem ganham a mesma fixidez presente na natureza. Passemos a outro conceito importante de sua concepção de homem: o desejo. para aprendermos a olhar as coisas e a realidade de uma forma nova.Muitas vezes temos uma certa percepção enganosa de que o mundo e o homem encontramse estabelecidos de forma fixa e perene. Nietzsche. as suas possibilidades. A linguagem está na história e a história está na linguagem. e assim sempre será!‖. mas é proferida como uma resposta às situações concretas. Com razão dirá Alves A linguagem do homem constitui um espelho de sua historicidade. Alves não gosta deste termo. Para ele. segundo Alves: ele é um ser simbólico. o seu lugar. E se isso acontece é porque o homem é um ser histórico. o que não implica uma simples descrição. resistem à morte cedendo lugar a atualizações necessárias à vida do homem. criativa. a linguagem se constitui memória. 46). com a sua valorização dos símbolos. à medida que através dela vamos sendo socializados com as descobertas pretéritas humanas.―Sempre foi assim. mas dinâmico. Trata-se de símbolos que. continuam buscando corpos disponíveis para se encarnarem. Não julgo que o posicionamento de Alves possa ser considerado idealista. Daí que para ele. Mas há outro componente importante definidor do homem. Temos aqueles que olham para o futuro e aqueles que estão presos ao passado. a primeira é marcada pelo dinamismo. em sintonia com as necessidades de seu tempo. ela conta a história humana. Há uma tensão permanente entre o que está estabelecido e o que poderá ser.. Nesse sentido. 1987. apesar dos limites desse olhar sobre o mundo. prefere usar a palavra linguagem. Uma histórica e outra a-histórica. O que o pensador brasileiro quer dizer com isso? Os humanos estão marcados pela linguagem. Certamente que as mudanças nem sempre são tranquilas. Kierkegaard. atualizada com sua época. pelo amor. e a sua função no mundo‖ (ALVES. Postula ele que o homem é movido pelo desejo. são capazes de realizar certas ações com base sem sua memória corporal. úteis no passado. Nela encontram-se registradas as realizações humana.] Quando a linguagem é histórica. não sendo assim apenas um meio de comunicação humana. Alves ainda distingue dois tipos de linguagens. com isso. É obvio que a linguagem nem sempre está na expressão da historicidade humana. o papel da filosofia é quebrar o feitiço que a linguagem realiza em nós. Há como que uma naturalização de ambos. Ela está articulada diretamente com a história. afirmando o que acredita que seja sua vocação. identificado com Wittgenstein. que não apenas estão em nossas cabeças. No entanto. Por milhares de anos as novas experiências que dão certo vão sendo incorporadas em suas estruturas biológicas. Ela vira ideologia. se passarem por um processo de aprendizagem. Uns são prisioneiros da herança e outros são reféns do novo amanhã. Ela não emerge simplesmente do metabolismo que se dá entre o ser humano e o mundo. O homem mora no símbolo. a sua capacidade de sedução. Freud e outros . Eles estão cristalizados. Mas para o homem a linguagem não apenas guarda o passado. ela também nomeia as possibilidades vindouras. contemporânea.. As novas realidades vão se fixando à mediada que somos capazes de criar uma linguagem que possa expressar o novo. [. A outra. Há determinados animais que. Ela contém a interpretação humana da mensagem e do desafio que este lança ao mundo. o que de fato ocorre é que o homem está sempre a fazer e refazer a si e seu mundo. parados no tempo. Não há como reconhecer o seu poder. perdeu o seu tempo. no homem ele se inscreve na linguagem. Sempre olhamos a partir dos símbolos que interiorizamos. Quando a linguagem se fixa ela distorce a realidade. mas que se alojaram em nossos corpos. É através dela que entramos no mundo humano. viva. Não poucas vezes ouvimos a seguinte manifestação: .

Talvez uma pergunta possa ajudar-nos na continuidade de nossa reflexão: Quais são os fatores obstacularizadores da realização plena do homem? Se a criação é um fator importante da afirmação do homem enquanto homem. ele denuncia com veemência a sociedade tecnicista pelas suas promessas enganosas de felicidade oferecidas para o homem. Eles florescem a partir das dinâmicas inconscientes da vida. mas também sociais. para mundos possíveis. [. 1986. sempre irreconciliado com o seu mundo. Feito a magia e o jogo. pois ela consiste no pré-requisito do ato criativo. É o desejo enquanto componente fundamental do homem que faz dele um eterno peregrino. Para Alves. para os povos da periferia do mundo. em sua tese de doutorado. é uma tarefa que nunca finda. Vimos até este momento de nossa reflexão que o homem é um ser histórico. faz parte do próprio homem e se faz presente em toda criação do homem. um político. a um mundo ainda sem nome. emotivo. A imaginação é a mãe da criatividade ” (Alves. o homem emigra. Um cientista. Ele não vive por aquilo que possui.] Considerar a utopia como produtos irracionais da consciência é recusar a ouvir a voz da própria vida (ALVES. tem um valor ontológico. uma liderança popular sem imaginação é como um pássaro sem asa. o papel que a tecnologia teria no prolongamento da dominação humana. É ele que move os humanos em sua transcendência constante em relação a si e ao mundo. foi publicada no Brasil com o nome Da Esperança. Percebia no novo sistema Esta tese foi publicada nos Estados Unidos em 1969. ele constrói a sua liberdade historicamente. Assim estes nascem da dinâmica inconsciente da vida não apenas em formas individuais. para aquele do terceiro mundo. pois é alimentada pelas forças mais potentes que imanam do coração humano. os sonhos Não devem ser considerados como meios de predizer o futuro. “É preciso que se comece com a imaginação. quais os desafios que encontramos hoje? Qual o lugar que o homem ocupa em nossa sociedade? Humanização e desumanização Não seria exagero dizer que no contexto latino americano Rubem Alves foi uma das vozes mais importante na defesa do homem e na crítica a todo sistema de opressão e domesticação humana. Desde os Estados Unidos pode visualizar a partir dos primeiros frutos. com o título A Theology of Human Hope. Quando a realidade se mostra dura e desumana. Enquanto os demais animais estão fixados no mundo dado. Os sonhos de quem sonha acordado está estreitamente relacionados com a realização de nossa liberdade. 1986. a universos próximos do seu anseio de felicidade.. que definem o homem primordialmente como um ser afetivo. mas que poderá responder a uma nova ordo amoris. podendo revelar ou ocultar segredos. Apenas em 1987. p. mas pelo que não tem e deseja. A imaginação enquanto filha do desejo para Alves. sobretudo. e o ato criativo na mais alta expressão da vida humana. que mora na linguagem e é movido pelo desejo na busca de realização da sua liberdade e do sentido erótico da própria existência. ou seja. A sua paixão e seu compromisso para com o homem encontra-se na base de tudo aquilo que ele produziu. 13 . sobretudo.pensadores. em situações de insatisfação. O homem sem sonho seria eternamente enquadrado e ajustado ao meio. o desejo. Com base nessas convicções. Liberdade não é algo abstrato. as utopias são sonhos sociais. p 83). um educador. O homem não é um ser livre. através da imaginação. traz novas possibilidades.. 114). que sempre privilegiou a razão como realidade fundamental definidora do próprio homem. pela Editora Papirus de Campinas. um labor que nunca perde força. O prefácio foi feito pelo reconhecido pensador americano Harvey Cox. Alves coloca-se em embate com toda uma cultura racionalista que se fixou em nossa civilização desde séculos. um conceito importante no humanismo alvesiano. é construção permanente na história e com a história. Toward a Theology of Liberation13. A utopia é uma marca indelével do ser humano. No final da década de 1960.

mas objeto. O caráter profético desta vivência deve indicar e recusar tudo aquilo que representa uma ameaça à integridade humana. virá a morte. p. Estamos condenados a este tênue e minúsculo espaço. a exploração desordenada da natureza também poderia levar o homem a um processo de desumanização. perfumado. Para Alves. subtraída toda possibilidade de afirmação enquanto homo creator. Para ele. Preservar o corpo é mantêlo vivo. Enquanto organismo nós temos um problema a resolver: nos livrarmos das toxinas que produzimos. uma peça em uma engrenagem. Útero quente. A tecnologia está. e se tornaria aquilo que Hebert Marcuse chamou de homem unidimensional. Não podemos importar ar. e no seu messianismo tecnológico mais uma ameaça à liberdade e à criatividade humana. Continua com a convicção de que o homem religioso tem um compromisso com a humanização do homem nesta situação de indigência e desumanização. p. nosso corpo inorgânico. Por meio dos órgãos excretores nos livramos dos resíduos venenosos ao corpo. talvez um dos primeiros brasileiros preocupado com a questão ecológica. mas segundo Alves não temos onde colocar o veneno indesejável que foi produzido. nossos destinos estão ligados. criando um tipo de homem que tornou-se unidimensional e obeso devido aos bens produzidos pelo sistema tecnológico. Consequentemente. E quem fala de sobreviver fala do corpo. realizada pelos interesses econômicos potencializados pelo desenvolvimento tecnológico. A degradação . 1987. perdido nas imensidões vazias e sem vida do universo. Começou então a denunciar o ideal de progresso e desenvolvimento que orientava as grandes iniciativas do domínio do natural. 30). 67). tornou-se incapaz de pensar e agir criticamente. Assim ela corre o risco de morrer com o veneno que o progresso desordenado produziu. 72). se terminar a comida. com a usurpação do direito de decidir sobre o seu destino. O que se impõe para ele é a humanização da tecnologia. irremediavelmente. seria engolido por um sistema total. A sociedade tecnicista. Quem fala do corpo fala também da natureza. Ar. Tornou-se um sistema que envolve. As críticas de Alves não representam um recusa da tecnologia. baseada na produtividade. o fato de que ―ela tem que permanecer um instrumento a serviço de sujeitos livres. Entendendo por isso. verdadeiro milagre da natureza. comparara a terra com uma bolha de sabão. impedir que a mágica bolha de sabão arrebente. transformando-se em um ser a-hitórico e sem futuro. O ser humano não usa mais a tecnologia: ele é agora parte deste sistema total. Quando a sopramos ela cresce. ―A natureza é um organismo sem anus”. eternamente (ALVES. (ALVES. com características distintas daquelas até então conhecidas. Para nosso autor vivemos em uma bolha de sabão. que possibilitou as condições necessárias para o surgimento da vida. água: se terminar o ar. comida. doador da vida. mas da forma como esta racionalidade quantificadora busca sacrificar o sujeito e sua realização. e água de outras galáxias. atinge um estado crítico e estoura. Antes de mais nada é preciso sobreviver. Entende o nosso autor que a esperança prometida pelo novo paradigma é uma ameaça ao homem e ao seu meio. se terminar a água. condiciona e determina o homem. comprometidos com a criação de um novo amanhã ” (ALVES. 30). Para ele. O humano e o divino se interpenetram. p. p. a Terra. A experiência religiosa não implica uma negação do homem em sua humanidade. É dela que arrancamos a vida. 1986. Alves.que surgia. a nova racionalidade científica. seria uma nova forma de domesticação do homem. comida. A natureza também é um grande organismo. que se sente à vontade num sistema convertido em seu lar e em seu amanhã permanente (ALVES. amigo colorido. A grande questão para nosso pensador é o de como evitar a loucura de soprar a bolha sem parar. 1986. Diante dessa degradação humana ele postula que a comunidade religiosa poderá ser um aliado importante. Também mereceu atenção de Alves a degradação da natureza. O destino do homem seria decidido pelos tecnocratas do poder. com efeito. O homem não se constituiria em agente.

A vida do homem será dinâmica sempre na busca de novas opções previamente planejadas e disponibilizadas. Um castelo com inúmeros quartos belos e cheios de atrativos. em seu livro Choque do Futuro. seria difícil perceber que as portas e janelas estiveram fechadas o tempo todo. talvez como busca frustrada de autoafirmação. Para Alves. Não é preciso mais esclarecimentos para evidenciar o quanto esse sistema não é apenas desumanizador. Ao se cansar de um espaço. O donos do poder estabelecem e estimulam as formas adequadas de prazer. Ela não lhe será um problema. Em um dos livros do jovem Marx. 1986. Pergunta-se Alves. A busca de saída e liberdade seria óbvia. o conceito de . mas uma ameaça à própria existência humana. em pouco tempo estaríamos em uma situação de mal estar. Caso estivéssemos presos em uma casa sem portas e janelas. Em tal situação. Você na verdade é um prisioneiro. Marx. Para Alves. Alves ainda indica um segundo princípio de controle da imaginação que encontra-se presente nesta nova variação de organização econômica: Não deve haver prazer livre ou gratuito. absorvidos pelas feiras de coisas novas. com inúmeras surpresas e experiências de prazer. As denúncias que Alves fez há 40 anos continuam cada vez mais vivas em função do que estamos testemunhando nos dias de hoje. embora não seja capaz de perceber a real situação na qual se encontra. Enquanto o homem é jogado em uma corrida doentia e desenfreada pelas novidades. se passaria para outro onde encontraria uma infinidade de novidades com a qual gastaria seu tempo. p. Os manuscritos econômicos e filosóficos.da natureza vincula-se diretamente com desumanização do próprio homem. A claustrofobia seria inevitável. indo de um a outro sem nunca ser capaz de transcendê-lo” (ALVES. Diferentemente das sociedades anteriores e tradicionais. o que poderá oferecer esta racionalidade econômica para o homem. que tanto havia denunciado a situação de desumanização do homem no interior do sistema capitalista. a liberdade criadora em uma situação dessa torna-se impossível. Mas pensemos em outra situação. Eles serão produzidos pela própria racionalidade que se apropriará das estranhas humana. as condições de existência em nosso planeta se deterioram. A imaginação humana será prisioneira de uma infinidade de objetos provisórios e descartáveis. muito apreciado por Alves. uma imaginação domesticada? Para o nosso autor a possibilidade desta sociedade já tinha sido questionada por Aldous Huxley. permanecerá acreditando que goza das mais amplas liberdades. há um primeiro princípio que comanda toda esta operação: “Criar inúmeros objetos de desejos de forma que a mente se mantenha em movimento. onde as coisas eram possuidoras de grande permanência e duração. não tinha como perceber com clareza as consequências ecológicas que resultariam do domínio do homem sobre a natureza. Esta dinâmica foi explicitada de forma minuciosa por Alvin Toffler. que foi profundamente criticado por Alves. agora tudo muda com velocidade estrondosa. Narra ele sem seu livro Gestação do Futuro. por mais bela que fosse. Um prazer que se apresenta como um forma de mercadoria cujo acesso alimenta o próprio monstro que a gerou. Nosso autor então imagina uma situação para ilustrar o controle da liberdade humana pensada desde essa racionalidade. em seu livro Admirável Mundo Novo. Explicitou muito bem o domínio do homem sobre o homem no processo de produção das condições da sua existência. ainda que possamos nos sentir com a sensação de liberdade. As suas promessas de felicidade para o homem no futuro o aprisiona nas malhas da máquina que produz sonhos e desejos compatíveis com os interesses do próprio sistema. senão uma liberdade ilusória. O homem não terá como desenvolver a sua sensibilidade e desejos. de 1884. Alves ainda ressaltará que a racionalidade tecnicista messiânica é uma inimiga da imaginação da liberdade humana. 46). A humanidade do homem não pode desenvolver e desabrochar senão mediante uma relação harmoniosa com a natureza e os outros homens. se fixará sempre nas próximas novidades que se encontram à disposição. É essa produção que está colocando a Terra no seu limite.

postulou que a saída da situação de dominação implica um ato de fé. A força de trabalho é uma mercadoria que o operário tem para vender ao capital para garantir a sua existência. mas no seu poder para catalisar. Mas o possível só pode ser pensado através da imaginação. Falar dele é falar da própria vida. Alves procura tirar as consequências dos vários aspectos da vida cultural. Alves ressalta um elemento fundamental da criação e humanização que é a imaginação. 1984. encontra-se no coração da lógica capitalista. na leitura de Alves. a superação da alienação e consequentemente as possibilidades de uma humanização do homem só será possível fora da ordem existente. Ela abre caminhos à medida que o homem está em situação de desumanização e opressão. O resultado é uma deserotização do corpo e da vida. Quem produz não é proprietário do seu labor. Este antagonismo é a própria condição de alienação” (ALVES. p. 64). Como ressalta Alves. sonham com sua abolição (ALVES. mas como pensá-la? Alves. Ela é um componente fundamental do homem. enquanto ser de histórico. Fé no futuro. ele pertence ao dono do capital. A transferência não ocorreu por acaso. mas inclusive aquele que produz os produtos. Para ele Falar da abolição da alienação é necessário que a consciência saia do círculo fechado dos determinismos econômicos. o ―conceito de alienação conduz a uma divisão radical que racha a sociedade capitalista em dois grupos antagônicos: aqueles que trabalham e aqueles a quem pertencem o produto do trabalho. Para Marx. que se encontrava identificado com Marx na sua crítica ao capitalismo. simbólico e de desejo é o bem maior. portanto. Essa imaginação não é vista a partir de um horizonte meramente psicológico. A sua reflexão propriamente pedagógica ocorre a partir de 1976. Humanização através da educação Com base no seu humanismo. como superação do passado e presente. Nesse sentido o homem é um peregrino incansável na busca de uma terra nova movido pelo desejo. para a Faculdade de Educação da Unicamp. na verdade. Parece-me. Nesse sentido. 1984. A mercadoria ganha vida à medida que o trabalho a perde. Ela parte da busca de novas possibilidades e desenhos que possam representar uma superaração do presente amargo e de um mundo que possa estar mais próximo dos anseios humanos de viver a sua humanidade de forma plena e livre. quando ele se transfere da Faculdade de Filosofia Ciência e Letra. na ordem econômica que ele analisa tudo se transforma em mercadoria. p. Para Marx. e o que recebe não representa aquilo que produziu. nisto consiste a alienação. Para Alves. portanto. . A alienação é compreendida a partir da Economia. exprimir o desejo daqueles que sofrem sob as condições de alienação e. E não existe forma de alienação que não seja alimentada pelo amor e pelo desejo. na esperança que o para além pode representar algo diferente do aqui. e ao ideal de cientificidade ia contra a concepção de ciência hegemônica existente naquele contexto histórico. A consciência sai dos limites do real e ingressa nos limites do possível. Na faculdade de Educação encontrará alguns amigos e um ambiente acadêmico menos hostil ao seu posicionamento humanista. 61). o produzido torna-se estranho e distante daquele que produziu. Por outro lado. assim a educação deve considerar estes elementos como fundamentais no processo de humanização. A extração da mais-valia. Isto representa concretamente um processo de desumanização. Não apenas os produtos. o homem. diferentemente de Feuerbach que explora a alienação a partir de um viés psicológico. Ela ocorre a partir do trabalho. A vida da mercadoria é a morte do corpo.alienação humana será explorada de forma minuciosa. a exploração e a degradação da vida humana representa a vida da mercadoria. pois esta deve ser sua preocupação maior. A concepção que Alves tem da educação encontra-se intimamente articulada à sua concepção de homem. A crítica que ele realizou à ciência. O trabalhador é sugado em suas energias. que a explicação mais simples para o poder histórico do marxismo não se encontra no rigor de suas análises científicas.

Educação é isto: um processo pelo qual o corpo vai ficando igual às palavras que nos ensinam. mas na forma como a assimilamos. um novo passo do processo de humanização. a busca do saber ocorrerá com sabor e afirmará a própria existência. 34). Não se trata de buscar facilidades. Não se trata de renunciar certos conteúdos. se articule com o seu viver e os problemas por ele enfrentados em sua existência. Escapamos de um mundo fechado da natureza para adentrarmos em um mundo aberto que também nos chama à criatividade. Assim. As palavras plantadas do passado poderão gerar novas palavras quando formos movidos pelos sonhos de novas possibilidades. esta pratica educativa torna-se um componente de desumanização. Eu não sou. O seu ponto de partida deve ser aquilo que é significativo para a criança. Dessa forma. virando uma outra coisa diferente do que era. 1994. O autor mineiro está convicto de que o processo de humanização do homem começa com a herança que recebe. Educação não é apenas o processo de recebimento. que pressupõe por sua vez uma antropologia racionalista. à medida que se constitui em uma ação castradora e repressora. portanto. Uma educação a serviço da vida A finalidade da educação é possibilitar ao homem um desenvolvimento em suas potencialidades que o leva a plenitude da vida em todos os seus aspectos. palavras nos vão sendo ditas. Nela se valoriza os conteúdos estabelecidos e consagrados ignorando as dimensões de vivências e os processos concretos vividos pelos alunos. Através dos símbolos somos capazes de mergulhar em nossas raízes históricas mais distantes. Trata-se de uma educação racionalista e intelectualista que se encontra presente nos sistemas atuais de ensino. eu sou as palavras que os outros plantaram em mim (ALVES. assim como. tão necessária para a continuidade da humanização antes iniciada. significativo. que inibe a atividade criativa do aluno. Nem sempre as repostas dadas no passado atende às exigências dos tempos novos. Ela deve se tornar presente a partir das questões que a vida no presente suscita. A transmissão do saber não tem como ponto de partida a própria vida do aluno no seu processo de autoconstrução. Desde que nascemos. que ocorre mediante a educação. Vejamos alguns aspectos de uma educação humanizadora defendida pelo autor. e que. assim como. às práticas educativas delas decorrentes. ―Terra firme: as milhares de perguntas para as quais as gerações passadas já descobriram as respostas. dar consistências aos nossos sonhos e esperanças fazendo com que eles possam ganhar concretude e realidade. mas uma preparação para a criação. começa com a transmissão. ele vai sendo transformado. o processo humanizador. 83). p. Nesse processo vamos sendo empanados com símbolos e mergulhando em um mundo novo. Ela nos permite caminhar por terra firme. 1994. mas quando é feito de forma motivada e prazerosa. de possibilidades insondáveis. p. Uma educação questionadora e criadora Como já vimos. Isso acontece quando o homem percebe que as representações que orientavam o agir e o conhecimento do mundo tornam-se insuficientes . Elas entram no nosso corpo. O homem e o mundo estão em uma dinâmica de mudança constante. O primeiro momento da educação é a transmissão ‖ (ALVES. mas não se esgota nela. Será uma educação prazerosa.No horizonte das considerações anteriores Alves endereça uma pontiaguda crítica às concepções pedagógicas existentes. que por sua vez ocorre quando o homem vive uma certa insatisfação com o seu mundo. O trabalho intelectual também é possuidor de uma certa aridez. que se inicia com a atividade crítica e questionadora. O problema não está em receber uma herança. continuamente. as dificuldades são superadas sem comprometer a alegria presente da descoberta que cada um também realiza a sua própria humanização.

1983). Conclusão Chegamos ao final de nossa breve exposição. e a plenitude de sua realização sempre na e com a história. Que espaços-tempos são dados para a estética em nossas escolas? A educação da sensibilidade é coisa rara em nosso processo educativo. Assim a sensibilidade se alarga e aprofunda porque em nós está tudo. com a logificação do conhecimento e da nossa cultura? Certamente que este fato histórico também reflete na prática escolar. Como dirá Alves. que não está a serviço de sua afirmação e realização. não são capazes de recriar o seu mundo. que em seu Livro do desassossego. à medida que permite aos humanos estabelecer veredas novas nas imensas planícies ainda desconhecidas. A erudição da sensibilidade nada tem a ver com a experiência da vida. Para isso os alunos devem aprender a fazer perguntas. Mas há também uma erudição da sensibilidade. como a história nada informa. p. Partindo do pressuposto que o homem por natureza é um ser sempre se fazendo. escrito com o heterônomo de Bernardo Soares diz. Daí a dificuldade. Um de seus escritores preferido é Fernando Pessoa. As críticas e os questionamentos indicam muitas vezes os limites de nossas ideias e de nossa própria identidade em um determinado momento. que é propriamente o que se chama erudição. Precisamos morrer para renascer. quando perdemos a capacidade avaliativa paralisamos. São palavras com as quais Alves certamente encontra-se identificado. sofreu perseguição. as escolas existem não apenas para nos ensinar respostas. A experiência da vida nada ensina. A verdadeira consciência consiste em restringir o contato com a realidade e aumentar a análise desse contato. A sua vida e a sua obra foi uma disponibilização permanente no sentido de abrir caminhos para que o homem pudesse chegar ao máximo de suas possibilidades. basta que o procuremos e o saibamos procurar (SOARES. Na atual sociedade que vivemos o homem está relegado a último plano. pois elas têm raízes profundas em nós. em suas possibilidades de recriação. 287-8). 1996. Alves sempre olhou para o futuro. estabeleceu interlocução com muitos pensadores. É nessa direção que nossas escolas têm de trabalhar. Não é por acaso que Alves sempre manteve um contato muito próximo com artistas e poetas. vivemos apenas do passado. Mas somente as perguntas nos permitem entrar pelo mar desconhecido‖ (ALVES. 1994.nas novas circunstâncias que a realidade apresenta. quando esta já se tornou inimiga do próprio homem. Apenas uma coisa o guiou: a esperança. de torná-lo mais humano e próximo dos desejos que alimenta o homem de felicidade. Contudo. era um visionário. A desumanidade estaria em querer educar para a realidade. ―As respostas nos permitem andar sobre a terra firme. Em sua trajetória intelectual passou por vários momentos. olhava para frente na busca de uma brecha que pudesse indicar novos caminhos e alternativas para os filhos da Terra. Possibilitar ao educando um comportamento crítico e criativo é permitir-lhe versatilidade no trato com o mundo. Como pudemos perceber o homem sempre foi uma preocupação do nosso autor. Pois o homem é um ser histórico e é nela que sua humanização de faz. Quanto mais se deparava com as dores e os sofrimentos humanos. Ou seja. Há uma erudição do conhecimento. ou a desumanização se impõe. mas para ensinar as perguntas. Há homens que vivem do passado apenas. tão desqualificada por quase toda história da filosofia. por isso é mais fácil corrermos. mas nunca desanimou. Ele é função do sistema Uma educação dos sentidos Rubem Alves busca uma reabilitação dos sentidos. que é o que se chama cultura. É preciso lembrar que as ideias que temos são as mesmas que nos têm. Como falar da vida sem trazer uma valorização da sensibilidade. e há uma erudição do entendimento. A crítica e os questionamentos é sempre um momento de tensão que temos que enfrentar. É a esperança que mantêm o homem em sua integridade mesmo nas situações de extrema . as perguntas e questionamentos se configuram como um elemento humanizado.

(Org). não pode ser eterna. Rubem. 1982 _______. 2002. 1984 _______. MARX. Pois a vida é mais do que podemos observar. ele nos provoca a encarar os desafios e ameaças que hoje nos angustia. IFTAV-. Da esperança. Xavier. 1985. MARCUSE. Por isso. e é nesse transbordar que ela traz em sua dinâmica as possibilidades humanizadoras para o homem à medida que este realize o seu trabalho de conquistá-la. O primeiro é aquele que acredita em um futuro possível a partir das evidências do passado. . Referencias bibliográficas ALVES. São Paulo: Paulinas. Sendo um produto histórico do homem ela pode ceder lugar a um mundo alternativo. Eros e Civilização. 1986. por mais desumanizadoras que sejam. ________. Vendo o que ocorre hoje posso. Temos que apostar que a situação de desumanização que vivemos.desumanização. Karl. Rio de Janeiro: CEDI/CLAI. 1975 ZUBIRI. Teologia da libertação em suas origens. O homem de esperança é aquele que a despeito das evidências do presente. Investigações filosóficas. acredita em um novo dia para o homem. São Paulo: Nova Cultura. Vitória. João Dias. e fragilizado não consegue mais trocar as estradas batidas pelas veredas novas que podem representar um novo amanhã. Gestação do futuro. São Paulo: Martin Claret. _______. Manuscritos econômicos-filosóficos. 2004. com os meios que disponho. 1985. Alves continua sendo um pensador de muita atualidade. 1989. L. Ela é sempre transbordante. WITTGENSTEIN. Sobre El Sentimento y la volicion. Uma humanização do homem e da natureza que possa garantir a presença de todos nós nesta nave tão frágil e solitária que chamamos Terra. Madri: Alizana Editorial. ARAÚJO. estabelece a distinção entre o otimista e o homem de esperança. De dentro do furacão: Richard Shaulll e os primórdios da Teologia da Libertação. Inquisição sem fogueira. que ele denunciou em sua obra. Hebert. Rio de Janeiro: ISER. Campinas: Papirus. Rio de Janeiro: Zahar. prever um cenário possível para o futuro. São Paulo: Paulinas. Daí a necessidade do compromisso de cada um numa recriação do homem e do mundo. Variações sobre a vida e a morte. Ela nunca deixa se aprisionar em nossas representações. em que nossos filhos e netos poderão seguir sua vida com tranquilidade. 1993. Suspiro dos oprimidos. 1987. Uma interpretação teológica do significado da revolução no Brasil – 1963. _______. Quando esta se encontra ausente o homem nada pode. Campinas: Papirus.

. Más adelante. Costa E Rica). coloca a las iglesias frente a posiciones con posibilidades utópicas o ideológicas. Para Rubem. Paulus. para ellos. O que eles pensam de Rubem Alves e de seu humanismo na religião. 2007. P PO OE ES SÍ ÍA AY YL LI IB BE ER RT TA AD DE EN N R U B E M A L V E S RUBEM ALVES L L.desde sus orígenes la mentalidad protestante implicaba un rechazo radical al carácter acabado o sagrado de cualquier estructura . Y hasta se cambiaron de casa: se establecieron en las universidades. Fue así que transformaron la teología. 231-252. aún abiertas. Tampoco puede pasarse por alto el volumen Filosofía de la liberación. las he ordenado en tres partes: primero.A. Asume carácter de protesta contra el mismo protestantismo cuando éste pierde su capacidad de transformarse. apelando a aquellos elementos fundantes contestatarios de la Reforma. Con todo. La teología protestante latinoamericana: entre la Iglesia y el pensamiento n 1995 la revista Pasos. que . el cual transciende la tradición evangélicoprotestante.. a la hora de explicar la emergencia de esta teología en el ambiente eclesial latinoamericano. Y empezaron a pensar y escribir del mismo modo en que piensan y escriben quienes viven en el mundo académico. La hechicería se volvió teología científica o teología moral. con un lugar propio. Se reconocían. citando a Rubem Alves: El principio protestante es anti-idolátrico. Trataron. Esta triple aportación resultaba fundamental. C Ce errv va an ntte es s--O Orrttiiz z Antonio Vidal Nunes. de negar sus orígenes. Una segunda reflexión. las confesiones. Sus propósitos en dicho texto merecen ser citados: Las reflexiones. es protesta ―profética‖. ante las perspectivas planteadas desde Alemania por el filósofo cubano Raúl Fornet-Betancourt. los nombres de autores(as) protestantes cuyo trabajo trascendió los límites confesionales para . 1. del Departamento Ecuménico de Investigaciones (San José. quien intentaba acercar el pensamiento religioso del continente a lo más granado de la reflexión actual. Su madre pasó a ser. los dogmas e incluso la unicidad de sentido de la Biblia. particularmente el principio protestante planteado por el teólogo luterano Paul Tillich. entonces. Para Rubem Alves.. Insiste Alves. cuando se afinca en el statu quo y se hace estático. pp. Helio Gallardo desglosaba muy bien los diferentes tipos de teologías de liberación que flotaban en el ambiente. con lo que considero es la piedra de ángulo del espíritu protestante. [. las iglesias. gira en relación con la disyuntiva que nos plantea la tensión existente entre cristiandad y protestantismo. el protestantismoevangélico tiene esa disyuntiva. las Jerarquías. veo que el espíritu contestatario está en la esencia de la Teología de la Liberación. maestro de vida y amigo entrañable La razón para nuestro desentendimiento es simple: los teólogos académicos se avergüenzan de ser hijos de la hechicería.] Sobre todo en momentos de crisis. Franz Hinkelammert contextualizaba puntualmente dicha corriente teológica. São Paulo. publicó un número especial sobre la teología de la liberación (TL) y su relación con el pensamiento latinoamericano. las clases sociales.. y las posibilidades utópicas las puede fundamentar esta tradición. redactado precisamente en los años más explosivos y creativos de esta teología. más aún. como lo son las ideologías.. y José Duque la vinculaba con las ideas dominantes del protestantismo.. el contemplar y asumir la realidad histórica de nuestro mundo. motivo de vergüenza. de Horacio Cerutti. el elemento protestante no aparecía. en cosa respetable. na educação e na poesia. pues es esencia del evangelio y esta es evangélica ‖. algo maldito.E EL LM MA AN NA AN NT TI IA AL LE ET TE ER RN NO O:: T TE EO OL LO OG GÍ ÍA A. agrega. R. en él no se sacraliza lo finito. del espíritu contestatario.. En una tercera parte. eso sí. ed.

la lectura minuciosa de la obra de Alves constituyó la revelación de un autor que efectivamente había sido uno de los fundadores de la TL en el campo protestante y fuera de él. que el cuerpo es el centro de todo y allí se decide la felicidad o infelicidad de los seres humanos.paráfrasis poética.dialogar con las urgencias del momento: José Miguez Bonino y la carta abierta del teólogo reformado alemán Jürgen Moltmann. por ejemplo. a pesar de las reservas de muchos estudiosos. de la labor teológica. cuando emprendí la construcción de un proyecto de investigación. pues éstas van más allá de lo económico o visceral. 2. Se trata de un libro que ha merecido una nueva y hermosa reedición. por ejemplo. Algo similar sucedió con Creo en la resurrección del cuerpo. era casi un tabú suponer que existían componentes afines a la misma que participaran en la TL. al interior de las iglesias e instituciones de educación teológica pertenecientes a esta tradición eclesial. Pero la teología. y Dogmatismo y tolerancia. Paralelamente. el papel que el mundo moderno le otorgó a la teología resulta bastante cruel. eran algunos de los hitos más sobresalientes en este campo religioso. tal era el grado de satanización de que fue objeto. una reunión de ensayos que celebran las virtudes de la teología reformada así como señalan sus abismos. Elsa Tamez y su relectura de la justificación por la fe. sólo que en él lo que se debate es la vida y la muerte de las personas. Julio de Santa Ana y sus enfoques sobre la relación entre teología y economía. un severo ajuste de cuentas con la tradición presbiteriana. pues. pues no era un buen ingrediente para la latinoamericanidad de esta teología el hecho de que un pensador protestante fuera uno de sus pioneros. y más tarde. dogmática. centrado originalmente en la necesidad de unDiccionario de teólogos/as latinoamericanos. En este juego. de la oración por excelencia. pues en él lleva a cabo una crítica profunda de la civilización actual. La insistencia de la teología en crear símbolos que otorguen esperanza y sentido a la vida es. cuando se le mencionaba. efectivamente. Cada capítulo (o variación) de este libro es una inmersión en las verdades que los cuerpos humanos reclaman para saciar sus necesidades. Al romper las amarras del lenguaje y del pensamiento. Mortimer Arias y Alan Preston Neely se encuentran más argumentos históricos acerca de la participación protestante en el surgimiento del movimiento más amplio de la TL. Las ideas son presentadas como un juego de cuentas de vidrio que iluminan y se iluminan mutuamente con sus destellos. para lo que después se llamó Una teología de la esperanza humana. La teología como juego (cuyo título original era toda una provocación:Variaciones sobre la vida y la muerte: el hechizo herético-erótico de la teología) sacudió completamente el edificio de las ideas que abrigaba sobre una concepción cerrada. creyentes o no. al encuentro directo con uno de los más formidables renovadores de la teología producida en el continente. Alves se liberó de las ataduras del convencionalismo y . Victorio Araya y su acercamiento al concepto de Dios en varios autores católicos y. todavía sin saberlo. sólo se hacía colateralmente y pasando rápido a otra cosa. despreciada y relegada al desván de las antigüedades aún tiene mucho que decir. pues quienes controlan el mundo no toman en serio lo que hacen los teólogos al saberse dueños y señores del ámbito secular. y con Padre Nuestro. en los trabajos de Carmelo Álvarez. Los títulos se multiplicaron y al impacto inicial siguió Protestantismo y represión.Cristianismo: ¿opio o liberación?) fue seguido por Hijos del mañana. Hacia una teología de la liberación (título original en inglés. Alves parte de la idea de que la teología es precisamente un juego. libérrima. Eso ya se anunciaba en Hijos del mañana. De ahí que en 1997. De la teología de la liberación a la poesía Por todo lo anterior. un auténtico manifiesto renovador del pensamiento religioso. una cuestión de vida o muerte. abordaje inédito a la doctrina cristiana tradicional. más tarde. Inspirado en Hermann Hesse. me encaminaba. para proyectarla hacia el ámbito del juego. Pero Rubem Alves era la rara avis de la historia. Y es que. pero ahora era toda una realidad. Su libro inicial. Y es que él representaba cierta incomodidad para los círculos teológicos. el erotismo y la poesía.

subjetivo. No obstante. Pero ni siquiera estos antecedentes logran explicar la extrañeza de un quehacer intelectual sui generis. Eliot. por el contrario. un género anfibio entre el ensayo y la narración. aunque eso sí. Alves salió para siempre del gueto de las iglesias para entrar de lleno en el terreno de la imaginación. sino felicidad en quien lo lee ‖.S. es decir. precisamente por esas fuerzas sociales e ideológicas. su respuesta fue tajante: ―mi trabajo no espera producir tesis académicas. por ejemplo. poner a dialogar fecundamente la teología y la poesía. 3.la solemnidad. los fundamentos de una fe adocenada y domesticada. que comenzó a inquietarlo debido a su trabajo como profesor universitario. acceder a la participación plena en la transformación social. pues al seguir el hilo cronológico del pensamiento alvesiano fui encontrando una especie de espejo en la tarea intelectual de Alves. que su respetabilidad académica se fue a pique cuando rompió con el lenguaje académico y se entregó a los brazos de la poesía. a las verdades religiosas. al subrayar que. hasta una ocasión en que al final de una conferencia. No intenté responder a la pregunta sobre dicha ruptura. en el sentido más amplio. Alves nunca ha abandonado la forma de pensar que aprendió en sus ya lejanos años de Princeton. destinatarios originales de esta teología. estético. más acorde con los propósitos de tamaña obra. Alves ―fue asumiendo de manera creciente un hablar sobre Dios. que nunca había oído hablar de T. en sí misma. Pero. no sólo los pobres. a quien conoció en el seminario presbiteriano de Campinas. Teología y poesía: la ruptura epistemológico-estética de Alves ¿Cómo explicar la ruptura epistemológica experimentada por Alves? Cuando me dirigí a él. es un intento por socavar. asimismo. Para él. hasta la fecha. en junio de 1997. sin ser un teórico de la teopoética. António Carlos de Melo Magalhães ha evaluado con justicia la labor literaria y teológica de Alves. sus propios compañeros de la TL no comprendieron su evolución y lo consideraron un bicho raro en el espectro del pensamiento teológico latinoamericano. Esto sonó y suena. lo llevaron más tarde a la escritura de cuentos infantiles y crónicas. en ello se refugió para ejercer. la labor pastoral. Él confiesa. Prueba de ello son los volúmenes que sigue dedicando a los temas teológicos. Su teología siguió siendo liberadora. dominante. el cuerpo y la educación. Además. su labor puede ubicarse en lo que algunos han denominado teopoética. Para ello. pues parece que únicamente reproduce los esquemas mentales predominantes. como una concesión al pensamiento burgués. Aunque. una forma de reflexión teológica dominada. un acercamiento personal. integral. sino más en la línea del diálogo ludo-poético-erótico. hay que aclarar. practica profesionalmente el psicoanálisis. es decir. no por los resortes escolásticos de la teología dogmática o sistemática. la ha puesto en marcha mediante una práctica escritural que es. cuando estuvo bajo la dirección de su maestro Richard Shaull. tratados ahora con un desenfado y un alegre escepticismo que no dejan de llamar la atención. desde las raíces. Confiesa. Sus intuiciones sobre el juego. Semejante reacción desarmó mis intenciones iniciales y me llevó a experimentar una auténtica aventura poética. todo un modelo dentro de esta corriente de diálogo entre teología y literatura. que ahora desarrolla frenéticamente. en busca de su ―aprobación‖ y apoyo para el proyecto. quien se acercó a la poesía de la única manera posible: el azar. recurre ahora al auxilio de las ciencias sociales filtradas mediante un proceso que no queda más remedio que calificar de humanístico. alguien lo mencionó. pues. secularmente. que . paradójicamente. De ese modo. para los ortodoxos teólogos de la izquierda cristiana. Lamentablemente. aunque ahora con un marco referencial radicalmente distinto: sólo desde la belleza podrán todos los seres humanos. Acaso sólo podría decirse que la experiencia vital se conjugó con una conversión estética que le ha permitido. que en rigor.

obliga a que los lectores asuman la intertextualidad como una forma de vida. mediante el cual es posible adivinar o atisbar la alegría con que el autor de los textos alvesianos se ha ido encontrando con más y más autores. Se come el cuerpo de un muerto para apropiarse de sus virtudes.tiene en los poetas y otros autores literarios sus principales interlocutores en la presentación de sus imágenes sobre Dios‖. sin el subtítulo mencionado. hasta Livrosem fim. una búsqueda intensa de sentido dirigida siempre por la imaginación para la Lições de feitiçaria es la resurrección continua de O poeta. La secreta esperanza de todo poeta es que sus versos realizarán de nuevo el milagro del nacimiento virginal. pero con el infaltable tono teológico: La literatura es un proceso de transformaciones alquímicas. que los temas teológicos no son meros objetos de racionalización y conceptualización. Y si escribo es con la esperanza de ser devorado por mis lectores‖. En este sentido. es decir. esto es. si prefieren una palabra en desuso. sino a la vida cotidiana. La idea de lo profético en relación con lo sagrado está muy cerca de las ideas de Octavio Paz y el contacto cotidiano con la realidad que. De ese modo. seguramente. La experiencia literaria es un ritual antropofágico. sino que viven en los cuerpos de las personas. Son dignas de citarse algunas palabras del prólogo a la edición intermedia. Yo mismo soy lo que soy por los escritores que devoré. transforman el valle de los huesos secos en una multitud de niños. algo que ha expresado diáfanamente.. pues Alves transmite obsesivamente su experiencia antropofágica. siendo la misma todo el tiempo.. La teología. pero gozoso. que ha ido desde ser . El escritor transforma —o. El nuevo prólogo apunta profundiza la búsqueda de horizontes: ―Este libro es una meditación sobre la poesía. pues allí recupera una visión teopoética indispensable para avanzar en sus indagaciones: ―Me gustaría que la teología fuese esto: las palabras que vuelven visibles los sueños y que. es posible trazar un arco que va desde Variações sobre a vida e a morte. caracterizado por una serie de reiteraciones que. Se consuma así la sustitución plena de la teología por parte de su hermana la poesía. entre otros. es magia. Esta manera de experimentar la interacción teología-vida ha alcanzado varias etapas en las obras de Alves. agrega que Alves reconoce.. muy en la estela de Oswald de Andrade. La antropofagia no es gastronomía. entonces. bombardea la imaginación del lector (decir mente sería un atentado contra la esencia de esta literatura) para construir referencias intermitentes continuas que tocan a los autores caros a Alves. una estación importantísima en el diálogo alvesiano entre teología y poesía. Su pasión por Adélia Prado. o guerreiro. el ritual antropofágico supremo? Se come y se bebe la carne y la sangre de Cristo para hacerse semejante a él. esconde misterios que esperan la atención de los ojos y oídos humanos. pues ésta ―se entrelaza en la tela simbólica. De ahí parte. nada de saber. por ejemplo. provee a la lectura de un toque informativo. o profeta. ésta es mi sangre!‖. casi imperceptible en sus libros más recientes. Desde un punto de vista personal. formando las diversas relaciones que nos forman ‖. en un guiño psicoanalítico acaso nunca confesado. pasando por Lições de feiticaria y Transparências da eternidade. El agregado de nuevos nombres. ―transustancia‖— su carne y su sangre en palabras y dice a sus lectores: ―¡Lean! ¡Coman! ¡Beban! ¡Ésta es mi carne. utilizada por los teólogos antiguos. en primer lugar. de aceptación obligatoria para todos. no pertenece a la academia.. Los poetas siempre reconocieron que la poesía y la magia son hermanas gemelas.‖. cuando se pronuncian. Aquí es muy palpable la frase de Valéry que ha seducido a Alves durante mucho tiempo: ―¿Qué sería de nosotros sin el auxilio de aquello que no existe?‖. todo de belleza‖. así. a desembarazarse de la primera y volverse un tratado íntegramente dedicado al potencial poético de los seres humanos como forma de vida. hacia el acecho del silencio y se dirige a romper el hechizo de lo establecido como real. El estilo alvesiano. esas obras son los cruces de camino que Alves ha recorrido hasta llegar al punto en que su escritura es claramente reconocible. ¿No es ése el propósito de la Eucaristía. De ahí la sugerencia que hago: que la palabra teología sea sustituida por la palabra teopoesía. por lo que ahora su nuevo subtítulo es Meditações sobre a poesia.

. de resumen vital. más justas. Cada experiencia de belleza es el inicio de un universo.. El título del libro refleja muy bien lo sucedido y el contenido se despliega de una manera libre. como creo en los colores del crepúsculo.recuperación de otros ojos con qué mirar el mundo. a declarar su amor por la Iglesia con base en lo que los artistas han producido a partir de ella. erótica. mientras tanto. El libro concluye con una oda a la belleza: La belleza es infinita. Porque el cuerpo lo procesa todo y si es iniciado en la belleza. más benignas. entonces.. Sobre la existencia de Dios. pues. El mismo poema. Porque fuera de la belleza no hay salvación. un eterno retorno de una experiencia pasada que debe permanecer viva. pero me hace llorar. irrebatible: ―Claro que creo en Dios. El mismo tema debe ser repetido. de cómo surgió del cuerpo de Alves para hacerse a sí mismo desde el desaprendere barthesiano y el aprendizaje de los saberes y los sabores del cuerpo (variaciones). como llamada de atención. En Livro sem fim. con las citas y notas que. sin contenido dogmático. con la nostalgia de lo aprendido en años pasados. nunca es la misma cosa. Y ese es el tono de todo el libro. una de las cuentas de colores de su juego. Dios es Belleza‖. especialmente cuando se trata de hablar de las palabras ―buenas para comer‖ como le sucedió al profeta Ezequiel y al vidente de Patmos. Lo que yo quiero es un Dios que juegue con las cuentas de vidrio. Aunque en otro lugar. Estamos. Por su parte. con cada repetición. como creo en la belleza de la mirada que me contempla en silencio.. Pues. Esto se evidencia en que Alves se atreve. roto por las pedradas al azar. si me hace llorar. sin palabras ni catecismo. hacia lo sagrado. Y. Es como si sus cinco secciones respondieran las dudas planteadas por sus crónicas dedicadas a Dios: desde ―¿Dios existe?‖ hasta ―La apuesta‖. El esquema del libro es claro: una explicación sobre sus características de cajón de sastre. Y. de una forma diferente. Éste es el centro de la obra... lo era ya desde Hijos del mañana y . pero anhela y ve en él un esteta que juega: ―Quiero a Dios como un artista que recoge los trozos de mi vitral. y concluye al respecto: ―Deja que la belleza. que cada capítulo esté presidido por epígrafes tomados de poetas o de la Biblia. una peregrinación lúdica. la mirada de Alves sobre Dios y lo sagrado coloca al misterio en un ámbito insondable pero discernible plenamente desde la imaginación poética. como creo en el perfume del mirto. tal como decía Paul Valéry. Todo es tan frágil. sino más bien su complemento o posibilidad. Transparências da eternidade sintetiza nuevamente la teología alvesiana en una nueva etapa del pensamiento alvesiano.‖. evangelice al mundo. para que los rayos de sol pasen por ellos de nuevo. ella nunca se satisface con su forma final. invaden el campo visual del lector. y los pone de nuevo en la ventana de la catedral. la misma música... no mayor ni superior a la otra. estética. Es un pedazo de Dios. Cada repetición es una resurrección. ante un caso de fe poética. la misma historia. cada vez. y quiero ser yo una de las cuentas de vidrio. hasta la política y la educación serán realidades más amables. su profesión de fe es diáfana. pues cobra vida propia y quiere tener una existencia aparte. Alves se muestra de cuerpo entero en la lucha del escritor consigo mismo: planea una obra que se le resiste y él tiene que abandonarla. es sagrado. Alves se confiesa incapaz de amar a Dios en abstracto.‖. la belleza renace nueva y fresca como el agua que brota del manantial. aún. tan inexistente. No es otra cosa la poesía según el ideal bíblico-romántico de volver a nombrar las cosas como si se vieran por primera vez. No resulta extraño.

el niño: esos son los seres paradisíacos. El poeta.aquí reclama una vez más su reino. Es la voz de los poetas. el artista. merecidamente. en este caso San Agustín. de la educación con sus diversos matices y propósitos. porque sabe sin saber: ―Yo busco la filosofía del cuerpo. su verborrea traída y llevada por la felicidad y el asombro. las investigaciones. Es la sabiduría. famoso por su concreción y la extrema estilización de sus textos. Lea poesía para volverse más bonito. habitantes del infierno. Muy al modo del escritor guatemalteco Augusto Monterroso. está la ―Feria de la fruición‖. En el Paraíso no existe el trabajo. De ese modo. pues a través de acercamientos transversales. Los aterrizajes de este libro interminable son exactos: teología-filosofía-economía-cocina. Alves ha alcanzado en Quarto de badulaques y Mais badulaques. Así. sus comparaciones de la política con los jardines. han dicho sobre Dios. de naturaleza relampagueante. como cuando habla de Emily Dickinson. filosófica. o de los pensamientos que le propició una cocinera. Allí mismo declara su amor por la poesía y expone su tardío acercamiento a ella: ―¡Qué pena! ¡Cuánto tiempo perdido! La poesía es una de mis mayores fuentes de alegría y sabiduría ‖. No obstante. al lado de la ―Feria de las Utilidades‖ de la creación originaria.. Pero Alves no puede olvidarse de Dios y su retorno al tema está presidido por una exquisita ironía al preguntarse ―¿Qué sería de nuestra alma sin la sociología. […] El juego y el arte son las únicas actividades permitidas en el Paraíso. del goce.. se conocieron póstumamente y con quien Alves congenia perfectamente. de los niños. Y es que en Alves poesía y teología son inseparables. Lea poesía para aprender a oír. por ejemplo. su teopoética desgrana momentos intensos de felicidad lingüística y. resultan deslumbrantes episodios de reflexión y observación vital. de los artistas. del deseo. Sólo juego y arte‖. Este tipo de escritura hace que sus lectores más desprevenidos lleguen incluso a escribirle para preguntar si sigue creyendo. para referirse a las abrumadoras cifras sobre la población creyente. la máxima condensación de su estilo fragmentario. sobre todo en este poema que él hubiera querido escribir y que traduce como sigue: Algunos guardan el domingo yendo a la iglesia – Yo lo guardo permaneciendo en casa – . Como nuevo teólogo ya no husmea en la fisiología divina sino en lo que otros. sesgados. ganaría la medalla de oro: la población de los reinos de Satanás. quien se solaza en dejar que su flujo imaginativo. Brasil obtendría la medalla de plata. todo alrededor del cuerpo de Rubem.. Frecuentemente sus lectores llaman la atención al hecho de que nunca habían imaginado una variación mental o vivencial del modo que Alves interroga los sucesos de la cotidianidad. a lo que él responde siempre con una sonrisa y otro texto más agudo que el responsable de la consulta personal. se manifieste como una epifanía de sí mismo y de lo que ha vivido. escribe: ―Por la lectura de los textos sagrados fui informado acerca de que hay un pueblo más religioso que el nuestro y que. esto es. extrañas criaturas poliédricas.. todos breves.‖. Curiosa. adonde Dios se recrea y juega con las cosas en apariencia inútiles: ―Una sugerencia poética para los teólogos: Dios como dueño de una tienda de juguetes. Alves experimenta la misma pasión de los emisarios anónimos que en San José (Costa Rica) inundan la ciudad con letreros que invitan a acercarse a la poesía. microscópicos a los más variados aspectos de la realidad. Y concluye observando que la fe popular en Dios no garantiza que dejen de surgir los grupos religiosos más exóticos imaginables. la solitaria de Nueva Inglaterra cuyos poemas. Y no sólo creen sino que se estremecen al escuchar su nombre‖. las estadísticas?‖. 100% de los demonios creen en Dios. Y recomienda: ―Lea poesía para ver mejor. La filosofía sobre el cuerpo es lo que los filósofos piensan. La filosofía del cuerpo son los saberes que el cuerpo sabe sin saber. Así. por qué no decirlo. pero no casualmente. ¿Ya pensó en la posibilidad de que tal vez habla demasiado‖. corto. No busco una filosofía sobre el cuerpo.

de subrayar lo doloroso y difícil.. justo. presente y hablando en los seres vivos. es todo un ajuste de cuentas con la exterioridad eclesiástica administrada por misioneros extranjeros insensibles a las circunstancias específicas de las personas. sus hermanos que lo hacen volar en el viento para encontrar una sabiduría que está al alcance de todos. la luz de la experiencia ilumina de otra forma lo sucedido. los nombres del misterio. por sentir el asombro del Misterio que nos rodea. Pero por eso mismo. pasa revista a las historias sagradas y les extrae un jugo vital aderezado con toques de ironía basados en una profunda observación de las realidades humanas. Las primeras palabras del libro son otra declaración de fe: Me preguntaron si creo en Dios. despreciaba lo que decían sobre él los religiosos‖. predicador admirable – Y su sermón siempre es corto. con un delicado sentido del Misterio. Como Walt Whitman. Dickinson-Alves se vuelve a un Dios callejero.. el título del libro remite a las dudas de los lectores de sus crónicas para producir un remanso textual que no sólo coloca en su lugar la nueva fe alvesiana sino que rescata de la Biblia algunos aspectos que no brillarían de otra manera.. quien encontraba cartas dejadas por Dios en todas partes.‖.. El retrato de Dickinson es entrañable: ―Mujer frágil dotada de alas. . Los fuegos que enciendo con ellos iluminan mi rostro y me calientan. además de una reinterpretación jocosa de los motivos de sus padres para asistir a los cultos presbiterianos. Con la insistencia temática manifestada hasta aquí. – Algunos guardan el domingo en ropas blancas – Pero yo sólo uso mis alas – Y en vez del repicar de las campanas – Nuestro pájaro canta en la palmera – Es Dios que está predicando. La anécdota que narra Alves no podía terminar mejor: ―Las meretrices entrarán al Reino de Dios antes que vosotros. Pero el abismo permanece oscuro y silencioso. poetas-teólogos. Sólo que el aprendizaje alvesiano es una peregrinación hacia el deseo.Con un gran árbol como cantor – Y un pomar por santuario. limpio. Los construyo con poesía y música. Es preparar el cuarto para el hijo muerto‖. desde el Arca de Noé hasta las peculiaridades de una oración heterodoxa que rompe los esquemas establecidos para indagar en los abismos del deseo humano porque el mundo sea diferente. Con Perguntaram-se me acredito em Deus. Respondí con versos de Chico: ―La nostalgia es el revés del parto. Pues aunque no deja de poner el dedo en la llaga. se descubre que guarda un as bajo la manga. La reconstrucción de esas horas interminables pasadas en la iglesia. se reinventa como teólogo al crear una serie de fábulas bíblicas renovadas que bucean profundamente en la sabiduría de las Escrituras para transmitir una forma de vida libérrima. es decir. las atmósferas de la infancia. El Maestro Benjamín. Porque Alves ha encontrado sus poetas-compañeros. Nuevamente. Su incursión en la autobiografía es otra lección de cómo desde la memoria fragmentaria es posible revisitar los lugares. Cuando se suponía que Alves no podía sorprender como antes. su texto sobre ―Los domingos‖ es una pieza perfecta de superación de lo vivido mediante la imaginación del recuerdo.. alter ego de Alves. ¿Cuál es la madre que más ama? ¿La que prepara el cuarto para el hijo que volverá o aquella que lo hace para el hijo que no regresará? Construyo altares junto a un abismo oscuro y silencioso..

preocupado también por la labor educativa. En cuanto al psicoanálisis. En La alegría de enseñar. asumiendo la otra. ha aportado una serie de volúmenes que critican también profundamente los usos y costumbres pedagógicos prevalecientes. la fecunda hibridez de la escritura alvesiana ha conseguido ir más allá de la religión convencional. su propia personalidad y desarrollen las de los alumnos más apegados a la vida misma. a la vida diaria. audiolibros y videos le han proporcionado otra forma de acceso a quienes no recurrirían tan fácilmente a la letra escrita. En ocasión de la presentación del volumen Series de sueños. envió un video entrañable que conmovió intensamente al auditorio. sobre todo.Como se ve. por ejemplo. poesía y búsqueda de la liberación integral de los seres humanos. propone que los maestros y maestras asuman. Parecería pues. que. la abolición de los exámenes de admisión. una síntesis impensable entre teología. una y otra vez. pues los varios Rubem Alves con que es posible encontrarse en sus textos hacen que la escritura que brota de sus manos cumpla la función que él sueña para ella: propiciar felicidad en sus lectores. la religiosa. aquélla le ha servido para conocerse mejor y a aquellos a quienes atiende. Además. al ritmo que marca ésta para el aprendizaje de cada quien. pues. podría decirse que es otra fe que ha adquirido. . corrobora lo sucedido con los heterónimos de su admirado Fernando Pessoa. que él considera innecesarios. en las fórmulas ya establecidas. así. como una duda bondadosa. El teólogo que fue y sigue siendo Alves. desde estas premisas. Y lo consigue plenamente. a pesar de las limitaciones del idioma. Su pleito permanente es. en vez de recaer. en el fondo. su desdoblamiento como autor de historias infantiles. pero también de la idea de literatura tradicionalmente aceptada El carácter experimental de su producción literaria en la que ha llegado al extremo de publicar agendas con selecciones de aforismos. siempre luchó por lo mismo. Alves representa.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful