You are on page 1of 0

1-1

Capítulo
UM
Bases Numéricas
1. 1 Introdução
Quando o homem aprendeu a contar, ele foi obrigado a desenvolver símbolos que
representassem as quantidades e grandezas que ele queria utilizar. Estes símbolos, os
algarismos, constituem a base dos sistemas de numeração.
Nos tempos pré-históricos o homem utilizou uma correspondência um-para-um entre os
objetos a serem contados e os seus dedos, ou então para pedrinhas ou mesmo para “riscos”.
Um sistema deste tipo seria um “sistema unário” (com um único símbolo):
Os primeiros algarismos encontrados consistiam em marcas horizontais ou verticais (como as
acima) com traços de ligação entre elas para definir as quantidades superiores a um. Os
símbolos romanos básicos podem ser considerados como uma evolução do sistema acima.
Os algarismos romanos são basicamente aditivos: assim, por exemplo, III = I + I + I. Para
facilitar a representação de grandes quantidades, foram introduzidos símbolos especiais para
grupos:
I=1 V=5 X=10 L=50 C=100 D=500 M=1000
Além disto, utilizam-se uma série de regras (como por exemplo a posição relativa dos
símbolos aos seus vizinhos), que permitiam interpretar estes símbolos e determinar qual o
número que estava sendo representado:
VI=5+1=6 CXVI=100+10+5+1=116
IV=5-1=4 MCMLIX=1000+(1000-100)+50+(10-1)=1959
A realização de cálculos com este sistema, especialmente para operações como multiplicação
e divisão, era entretanto extremamente complexa e de aplicação praticamente impossível.
Posteriormente, os árabes utilizaram-se de um sistema originário da Índia, que possuía 10
símbolos (0 a 9), com os seguintes símbolos (da esquerda para direita, 1234567890):
Este sistema começou a ser utilizado na Europa no século 12, e é conhecido atualmente como
sistema de numeração arábica (mas com outros algarismos), e se destaca pelas seguintes
características:
• existe um símbolo para o valor nulo.
• cada algarismo utilizado é uma unidade maior que o seu predecessor.
1-2
• a notação é posicional, ou seja, o valor de um algarismo é determinado pela sua
posição dentro do número. Cada posição possui um determinado peso.
1. 2 Representação de números
Os sistemas atuais formam os números pela fórmula a seguir, onde a representa o número
propriamente dito, B representa a base do sistema de numeração (B≥2), x
i
representam os
algarismos (0≤x
i
<B), e n representa o número de posições utilizadas. Com B=10 tem-se o
sistema decimal.
n
a =
Σ(x
i
.B
i
)
i=–m
O algarismo x
i
tem peso B
i
, determinado pela sua posição. Para i com valores positivos,
tem-se pesos maiores que a unidade; para i=0 tem-se exatamente o peso unitário (B
0
=1).
Para valores negativos de i, tem-se pesos menores que a unidade (fracionários). Para o caso
específico de números inteiros, utilizando-se n dígitos (ou “casas”), indexados de 0 até n–1,
a fórmula fica:
n-1
a =
Σ(x
i
.B
i
)
i=0
ou, por extenso, expandindo-se o somatório:
a =x
n-1
.B
n-1
+x
n-2
.B
n-2
+. . . . +x
2
.B
2
+x
1
.B
1
+x
0
.B
0
ou ainda, simplificando-se a expressão:
a =x
n-1
.B
n-1
+x
n-2
.B
n-2
+. . . . +x
2
.B
2
+x
1
.B+x
0
Para os sistemas de numeração utilizam-se as seguintes regras:
• A base B de um sistema é igual à quantidade de algarismos distintos utilizados. Para a
base decimal, tem-se 10 algarismos distintos (de 0 a 9).
• Quando uma posição é ocupada pelo maior algarismo, e ela deve ser aumentada de uma
unidade, então esta posição recebe o símbolo nulo e a posição seguinte deve ser
aumentada de uma unidade. Assim, 9+1=10, 19+1=20, 99+1=100, 1999+1=2000.
• O algarismo mais a direita (denominado de dígito menos significativo) tem peso um. O
algarismo imediatamente a esquerda tem o peso da base B, o seguinte a esquerda tem
peso de B ao quadrado, depois B ao cubo, e assim por diante.
• O valor de cada algarismo de um número é determinado multiplicando-se o algarismo
pelo peso de sua posição.
• O valor de um número é determinado pela soma dos valores de cada algarismo.
1. 3 Transformação entre bases
Os computadores atuais utilizam internamente somente um sistema de numeração: o sistema
binário (B=2), com os algarismos 0 e 1. Este sistema foi estudado profundamente pelo
matemático alemão Leibniz, no século 17. Somente com o advento dos computadores
eletrônicos digitais, entretanto, tal sistema começou a ser utilizado na prática. Atualmente,
1-3
todos os computadores utilizam internamente o sistema binário para armazenamento e
manipulação de números e dados. O tratamento de números representados em outras bases
ocorre através de rotinas de codificação e decodificação. O mesmo ocorre com símbolos
alfanuméricos.
1. 3. 1 Método polinomial
Como cada número pode ser representado por um polinômio em uma certa base, tudo o que
se deve fazer para transformar um número de uma base para outra é interpretar este número
como um polinômio utilizando-se aritmética da base de destino:
110001
2
=1.2
5
+1.2
4
+0.2
3
+0.2
2
+0.2
1
+1.2
0
=32+16+0+0+0+1=49
10
110001
2
=1.2
5
+1.2
4
+0.2
3
+0.2
2
+0.2
1
+1.2
0
=40
8
+20
8
+0+0+0+1
8
=61
8
Nos exemplos acima, simplesmente aplicou-se a fórmula:
a = x
n-1
.B
n-1
+x
n-2
.B
n-2
+. . . . +x
2
.B
2
+x
1
.B+x
0
onde B é a base de origem e a é o número resultante na base destino. Observe-se que todos
os cálculos são realizados na aritmética da base de destino.
1. 3. 2 Método de subtrações
Sabendo-se que um número em uma determinada base B é representado pela fórmula
a =x
n-1
.B
n-1
+x
n-2
.B
n-2
+. . . . +x
2
.B
2
+x
1
.B+x
0
a conversão para determinação dos coeficientes x
i
é iniciada da esquerda (x
n-1
) para a direita
(até x
0
). Inicia-se determinando os valores de n (a quantidade de dígitos necessária) e de x
n-1
(o dígito mais significativo). Para tanto procura-se o produto (na base origem) do maior
coeficiente com a maior potência da nova base, que está contido no número a ser convertido,
ou seja, procura-se o maior produto x
n-1
.B
n-1
que seja menor (ou igual) que a. Este
coeficiente x
n-1
é o algarismo a ser utilizado na posição mais à esquerda (dígito mais
significativo) do número na nova base. Subtrai-se este produto do número a ser convertido.
Com isto tem-se:
a ' = a – x
n-1
.B
n-1
= x
n-2
.B
n-2
+. . . . +x
2
.B
2
+x
1
.B+x
0
Para determinar-se o algarismo seguinte à direita (x
n-2
), repete-se o processo, usando agora a
diferença do passo anterior (a') e a potência imediatamente inferior (se no passo anterior
usou-se a potência B
i
, utiliza-se agora B
i-1
), e assim sucessivamente até todos os n dígitos
terem sido determinados. Note-se que o resultado das diversas subtrações sempre deve ser
positivo (ou zero). Se a subtração não for possível, isto indica que o coeficiente x
i
é zero.
681-1.2
9
=681-512=169 169-0.2
8
=169-0.256=169
169-1.2
7
=169-128=41 41-0.2
6
=41-0.64=41
41-1.2
5
=41-32=9 9-0.2
4
=9-0.16=9
9-1.2
3
=9-8=1 1-0.2
2
=1-0.4=1
1-0.2
1
=1-0.2=1 1-1.2
0
=1-1=0
Ou seja, o número final, em binário, é 1010101001.
1-4
Se o resultado de uma subtração produzir resultado zero, isto significa que todos os dígitos
restantes são zero, como ilustrado no exemplo a seguir.
680-1.2
9
=680-512=168 168-0.2
8
=168-0.256=168
168-1.2
7
=168-128=40 40-0.2
6
=40-0.64=40
40-1.2
5
=40-32=8 8-0.2
4
=8-0.16=8
8-1.2
3
=8-8=0
Os coeficientes restantes (x
2
, x
1
e x
0
) são iguais a zeros, e o número final, em binário, é
1010101000.
O método também se aplica para números com frações. Se não for possível chegar a zero
após um certo número de posições, então interrompe-se o método após o número de casas
desejado.
6,125-1.2
2
=6,125-4=2,125 2,125-1.2
1
=2,125-2=0,125
0,125-0.2
0
=0,125-0.1=0,125 0,125-0.2
-1
=0,125-0.0,5=0,125
0,125-0.2
-2
=0,125-0.0,25=0,125 0,125-1.2
-3
=0,125-0,125=0
Ou seja, o número final é 110,001.
O método também se aplica para outras bases. Seja a conversão de 6,8125 de decimal para
octal:
6,8125-6.8
0
=6,8125-6=0,8125 0,8125-6.8
-1
=0,8125-0,7500=0,0625
0,0625-4.8
-2
=0,0625-0,0625=0
Ou seja, 6,8125
10
=6,64
8
. Note-se que sempre se utiliza a aritmética da base de origem.
1. 3. 3 Método das divisões
O número a ser convertido é dividido pela nova base (na aritmética da base de origem). O
resto desta divisão forma o algarismo mais a direita (menos significativo) do número
convertido. O quociente é novamente dividido, e assim sucessivamente, até o quociente final
ser zero. A sequência de todos os restos forma o novo número.
Note-se que ao dividir o número a pela base B obtém-se:
a /B=(x
n-1
.B
n-1
+x
n-2
.B
n-2
+. . . . +x
2
.B
2
+x
1
.B+x
0
)/B
ou seja
a /B=x
n-1
.B
n-2
+x
n-2
.B
n-3
+. . . . +x
2
.B
1
+x
1
, com resto igual a x
0
A divisão seguinte por B produz como resto x
1
, e assim sucessivamente até x
n-1
.
53÷2=26, resta 1 26÷2=13, resta 0
13÷2=6, resta 1 6÷2=3, resta 0
3÷2=1, resta 1 1÷2=0, resta 1
Número binário resultante: 110101
Para frações, o método se modifica um pouco: a fração é multiplicada pela nova base; a parte
inteira resultante forma o algarismo mais à esquerda da nova fração e a parte fracionária é
submetida novamente ao método, até o resultado ser zero (ou até atingir-se o número de
dígitos significativos desejado).
1-5
Exemplo:
0,828125 . 2 = 1,65625 Parte inteira = 1 Fração = 0,1
0,65625 . 2 = 1,3125 Parte inteira = 1 Fração = 0,11
0,3125 . 2 = 0,625 Parte inteira = 0 Fração = 0,110
0,625 . 2 = 1,25 Parte inteira = 1 Fração = 0,1101
0,25 . 2 = 0,5 Parte inteira = 0 Fração = 0,11010
0,5 . 2 = 1,0 Parte inteira = 1 Fração = 0,110101
1. 3. 4 Método da substituição direta
Este é o método mais fácil, entretanto funciona somente para bases que são potências inteiras
entre si, como por exemplo de octal para binário (e vice-versa) ou de hexadecimal para
binário (e vice-versa). Seja B1=B2
m
; para um determinado m inteiro, então tem-se as
seguintes regras:
• para converter de B1 (a maior base) para B2 (a menor base), cada algarismo de B1 é
substituído por m algarismos equivalentes de B2:
5 1 7
8
= 101 001 111
2
7 0 C
16
= 0111 0000 1100
2
• para converter de B2 para B1, agrupam-se os algarismos em grupos de m, tomando-se
a vírgula como referência, ou seja, formam-se grupos de m algarismos tanto para a
esquerda da vírgula (parte inteira) como para a direita (parte fracionária). Cada grupo é
então transformado no seu algarismo equivalente na nova base:
1110,01101
2
= 001 110 , 011 010 = 1 6 , 3 2
8
1110,01101
2
= 1110 , 0110 1000 = E , 6 8
16
Observe-se que este método também pode ser utilizado entre duas bases que não seja
diretamente uma potência da outra, desde que ambas sejam potências inteiras de uma terceira
base. Assim, por exemplo, pode-se converter da base octal para hexadecimal (usando-se a
base 2 como terceira base).
1. 4 Exercícios propostos
1. Converter para a base decimal os seguintes números:
a) 101010
2
b)1010
3
c) 1021
4
d) 1025
6
e) 2165
8
f) 1FA2
16
g) E1A
16
h) 707
8
2. Usando o método das divisões, converter os seguintes números decimais para a base
indicada:
a) 96 para a base ternária
b) 96 para a base octal
c) 258 para a base hexadecimal
d) 258 para a base binária
e) 49 para a base quaternária
f) 57 para a base ternária
1-6
g) 56 para a base binária
3. Usando o método das subtrações, converter os seguintes números decimais para a base
indicada:
a) 96 para a base ternária
b) 96 para a base octal
c) 258 para a base hexadecimal
d) 258 para a base binária
e) 49 para a base quaternária
f) 57 para a base ternária
g) 56 para a base binária
4. Usando o método das substituições, converter os seguintes números para a base indicada:
a) 101100011010
2
para a base octal
b) 101100011010
2
para a base hexadecimal
c) 00101100101
2
para a base octal
d) 00101100101
2
para a base hexadecimal
e) 347
8
para a base binária
f) 7241
8
para a base binária
g) 3AF
16
para a base binária
h) 7E4B
16
para a base binária