You are on page 1of 20

Fundação Getúlio Vargas Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas EBAPE

Governo Eletrônico como Política de Gestão Pública

Trabalho final da Disciplina Laboratório de Políticas Públicas Professor Francisco Gaetani

Aluno Benjamin Soares de Azevedo Neto Julho 2013

2 Governo Eletrônico como Política de Gestão Pública Benjamin Soares de Azevedo Neto

Sumário: Este estudo apresenta um panorama do Programa de Governo Eletrônico Brasileiro, como Política de Gestão Pública, tomando por base levantamento feito nos portais do Governo Federal. O estudo também apresenta a posição brasileira em relação a outros países, com base nas pesquisas de Governo Eletrônico da ONU publicadas desde 2001. Apresentamos um histórico e alguns exemplos de excelência do governo eletrônico brasileiro. E uma análise da Pesquisa de Municípios MUNIC-2012 do IBGE, como forma de ter uma primeira visão da situação nos 5.565 municípios brasileiros. Inclui também a apresentação da comunidade de colaboração e inovação aberta Software Público Brasileiro – SPB, de difusão gratuita de soluções tecnológicas para a administração pública brasileira, federal, estadual e municipal.

Abstract: Based on information available on Brazilian Federal Government portals, this study presents an overview of the Brazilian e-government program, as a Public Management Policy. Study also shows the relative Brazilian position compared to other countries, based on the United Nations e-government surveys published since 2001. We present the history and some examples of excellence of Brazilian electronic government. There is also the analysis of MUNIC-2012, the national towns survey from official Brazilian Census authority, IBGE, as a way to have a first look on the situation on the 5.565 Brazilian cities. It includes also the presentation of the open collaboration and innovation community Brazilian Public Software (SPB), aimed to the free diffusion of technological solutions to the Brazilian Public Administration, at federal, state and local level.

empresas e também entre os órgãos do próprio governo de forma a aprimorar a qualidade dos serviços prestados. é uma política de grande visibilidade. como política de gestão pública transversal e catalizadora de outras políticas públicas. empresas (G2B).. a própria definição evoluiu. O governo eletrônico é política de gestão pública. Nos anos seguintes. através do uso das tecnologias de informação e comunicações. firmou-se na agenda política mundial e foi se expandindo e agregando novas funções e aumentando sua importância em todo o mundo. Acompanhando o avanço nas tecnologias da informação e das comunicações (TICs). um olhar responsável sobre governo eletrônico deve considerar o conjunto deste entes federados. e por outro lado servindo de canal para a comunicação das empresas e dos cidadãos com o governo. A página de apresentação Conheça o Programa de Governo Eletrônico Brasileiro (Brasil. tem campo em quase todas as áreas e como característica mais marcante e distintiva. o conceito de governo eletrônico. que “perpassa potencialmente toda a administração pública e vem se constituindo em uma das mais importantes ferramentas transformadoras das atividades governamentais” (Gaetani. servindo seus resultados e rankings como um benchmarking para orientação e estímulo a todos os países para que se empenhem continuamente na direção de sistemas de governo eletrônico mais efetivos. Mais ainda considerando que constitucionalmente foram delegadas aos estados e municípios responsabilidade por diversas áreas de interesse do cidadão. inclusão e participação democrática. O estudo Benchmarking E-government A Global Perspective (ONU. O governo eletrônico é o aprimoramento das relações do Governo com os cidadãos (G2C). de dimensões continentais.3 INTRODUÇÃO Nosso tema de estudo é o governo eletrônico brasileiro. promover a interação com empresas e indústrias. A metodologia das pesquisas de e-governement da ONU considera o serviço de governo eletrônico a nível nacional e acompanha métricas do próprio governo eletrônico e outras estruturais que afetam a maturidade para o processo e a participação dos cidadãos. . 2004). e fortalecer a participação cidadã por meio do acesso a informação e a uma administração mais eficiente“. ou abreviadamente e-Gov.565 municípios. mais abrangentes e mais inclusivos. servidores (G2E) e entre órgãos de governo (G2G). assim como outros organismos internacionais. inclusive no exercício de seus direitos de acesso à informação e participação democrática ativa. Em pouco mais de dez anos evoluiu da simples publicação de informações para a transformação do próprio funcionamento do governo e de seu relacionamento com cidadãos e empresas. mas ao contrário. 2013) define como objetivo do programa “a transformação das relações do Governo com os cidadãos. em sucessivas pesquisas conduzidas pela ONU. firmando-se como instrumento de políticas públicas de transparência. São trabalhos valiosos. facilitando o acesso aos serviços prestados pelo governo e o cumprimento de obrigações. organizado como uma federação de 27 estados e o Distrito Federal e mais 5. 2001) trazia uma definição singela para o termo governo eletrônico: “a disponibilização pela Internet informações e serviços governamentais aos cidadãos”. racionalização. Num país como o Brasil. tem acompanhado e estimulado a evolução do e-government. provendo como parte desta ação pesquisas específicas a nível mundial desde 2001. de características completamente díspares entre si. de natureza transversal. A ONU. O governo eletrônico não se fixa em algumas poucas questões específicas.

para compartilhamento livre e gratuito de softwares para a administração pública. competências. utilizaremos a Pesquisa de Informações Básicas Municipais – MUNIC 2012 do IBGE. que podem ser objeto de soluções comuns. CONCEITOS Definições de governo eletrônico O conceito de governo eletrônico pelo seu uso comum é de fácil entedimento. necessidades e recursos entre os entes federados. Destaca-se neste particular a comunidade Software Público Brasileiro . constituída como comunidade de inovação aberta. Foram incluídas nesta pesquisa de 2012 questões relacionadas ao governo eletrônico. participação de todos e governança. para entrega de melhores serviços aos cidadãos. sempre em evolução. É uma conquista da sociedade e veio para ficar. possivelmente sem um fim. acesso à informação ou gerenciamento público mais eficiente. empresas e também entre os órgãos do próprio governo de forma a aprimorar a qualidade dos serviços prestados. Muito já foi feito. . 2013) define objetivo do governo eletrônico “a transformação das relações do Governo com os cidadãos. é a contínua otimização da entrega de serviços. que traz um rico panorama de todos os municípios brasileiros.4 Para um olhar no contexto subnacional. e fortalecer a participação cidadã por meio do acesso a informação e a uma administração mais eficiente“. A publicação Benchmarking E-government A Global Perspective (ONU. Há uma infinidade de processos e necessidades semelhantes ou mesmo idênticos em diversos órgãos e esferas da administração pública. O Programa de Governo Eletrônico Brasileiro (Brasil. Se por um lado temos este contexto de heterogeneidade. interação aprimorada com as empresas. O Banco Mundial por sua vez dizia referir-se ao uso pelas agências governamentais de tecnologias de informação que transformem a relação com cidadãos. evitando duplicidade de esforços e desperdício de recursos públicos. com diversidades extremas de tamanho. O governo eletrônico é um trabalho em andamento. promover a interação com empresas e indústrias. da Internet e das novas mídias. também divulgada em julho de 2013.SPB. pela transformação de relações internas e externas através da tecnologia. não se pode perder de vista a semelhança das necessidades e soluções requeridas. mas é interessante trazermos algumas definições da literatura. Toda a série de pesquisas de municípios está disponível online no sítio eletrônico do IBGE (2013) e constitui valiosa fonte de informações. Para o Gartner Group. mas muito falta fazer. trazendo informação dos serviços disponíveis nos municípios do país. com um conjunto de dados que só uma pesquisa com tal abrangência e capilaridade poderia trazer. empresas e outras organizações governamentais. 2001) definiu governo eletrônico como a disponibilização pela Internet informações e serviços governamentais aos cidadãos.

Vinnova. O governo relaciona-se com contribuintes. como os cidadãos (G2C) e as empresas (G2B). 2002 Accenture. a agência sueca de sistemas de inovação. passivo. como no mesmo contexto o SPED e a NF-e. Escalas de Estágios de Desenvolvimento do Governo Eletrônico na literatura Escala 1° 2° Interação 3° Transação 4° Transformação Conectado Integrado 5° Gartner Group Presença Baum e Maio. 2001-2012 Banco Mundial.5 Escalas de Estágio de Desenvolvimento do eGovernment A literatura internacional apresenta várias escalas de classificação dos estágios tecnológicos aplicáveis ao governo eletrônico. 2000). O nível de adoção das ferramentas de governo eletrônico é um indicador de sucesso do programa. Uma característica do governo eletrônico é sua multidimensionalidade de seus relacionamentos. o contribuinte possa emitir uma segunda via para pagamento do seu IPTU. que tomaremos como padrão na eventual avaliação de exemplos específicos ao longo deste trabalho. 2005 Anderson e Henrikson. passando por um site interativo onde. . com mudança da própria forma pela qual as funções do governo são concebidas. defende novos enfoque voltados para a satisfação do cidadão e na percepção do cidadão como usuário do governo eletrônico. 2003 Siau e Long. 2010 Presença Aprimorado Interativo Emergente Publicar Presença Online Presença Web Cultivo Catalogo Interagir Transacionar Capacidades Serviço Básicas Disponível Interação Extensão Interação Transação Maturidade Entrega Madura Transformação Revolução Transformação do serviço E-Democracia Comunicação Transação Moldagem Integração E-Governança Apresenta Assimilação Reforma Estas escalas estão centradas no resultado que a capacidade tecnológica permite obter com a aplicação de governo eletrônico. daí evoluindo para um site onde o cidadão possa realizar uma transação como entregar sua declaração anual de imposto de renda. organizadas e executadas. apresentar um recurso à Receita Federal ou pedir um parcelamento de débito através do sistema. desde um simples site informativo. até o estágio de transformação. Estágios avançados de governo eletrônico contemplam esta multiplicidade. como a escala com quatro estágios do Gartner Group (Baum & Maio. Outra preocupação moderna é saber o que o cidadão deseja / necessita e como pode acessar o governo eletrônico. por exemplo. e também com outros órgão de governo (G2G) e ainda com seus servidores (G2E). 2006 Mausavi. 2008 Lee. 2000 Web ONU.

2008. Prover serviços com relação custo-benefício favorável. G2C / C2G. em especial as de informação e comunicação. Foco na inclusão: desafio é fazê-lo acessível a todos. Os serviços que podem ser fornecidos pela internet ainda estão sendo concebidos. Pesquisas ONU sobre Governo Eletrônico Edição Título da Pesquisa e pontos de atenção 2001 Benchmarking E-government: A Global Perspective Assessing the UN Member States Definição de governo eletrônico como disponibilização pela Internet informações e serviços governamentais aos cidadãos. G2G.6 POSICIONAMENTO INTERNACIONAL Em 2001 as Nações Unidas. e o posicionamento relativo do governo eletrônico no Brasil em comparação aos outros países do mundo. publicaram o levantamento Benchmarking E-government: A Global Perspective . Promover o desenvolvimento e crescimento econômico. 2004 UN GLOBAL E-GOVERNMENT READINESS REPORT 2004 TOWARDS ACCESS FOR OPPORTUNITY Capacitação para governo eletrônico (e-gov readiness) Acesso a oportunidades (e-participation) Os benefícios das novas tecnologias.Assessing the UN Member States. das quais extrairemos uma visão histórica da evolução do conceito e dos objetivos do governo eletrônico. 2005. devem estar acessíveis a todos (ONU 2000: Declaração do Milênio). Oportunidade de tornar organizações públicas centradas no cidadão. 2003 UN Global E-Government Survey 2003 Capacitação para governo eletrônico (e-gov readiness) Participação do cidadão (e-participation) Governo eletrônico como meio para um fim: o desenvolvimento para todos. Uso das tecnologias de informação e comunicação para disseminar a prestação de serviços e informações e o acesso a oportunidades. 2010 e a última em 2012. 2004. Desde então têm sido geradas pesquisas periódicas atualizando o panorama mundial do governo eletrônico. Foram divulgadas pela ONU pesquisas de governo eletrônico em 2003. por seu Department of Economic and Social Affairs – DESA. G2B / B2G Ferramenta de desenvolvimento dependente da infra-estrutura tecnológica. combatendo a exclusão digital. Melhorar a governança através da transparência . capital humano e conectividade. Brasil 35° 36° Brasil 41° 29° Brasil 18° .

processos e tecnologias. redução de custos financeiros e tempos de transação. Governança como a soma das diversas maneiras pelas quais indivíduos e instituições. Gestão do conhecimento: estratégias para levar o conhecimento certo. 2010 United Nations E-Government Survey 2010 Leveraging e-government at a time of financial and economic crisis Desenvolvimento do governo eletrônico (e-gov development) Participação dos cidadãos (e-participation) Governo eletrônico como uma força para efetiva governança e participação dos cidadãos. colaboração e integração entre as esferas de governo. Paradigma: Governança Socialmente Inclusiva para a sociedade da Informação Acesso para todos. municipal) e horizontal (entre diferentes órgãos e agências. educação. Um governo menor e mais eficiente. ministérios e unidades da administração. Aumentar o valor dos serviços oferecidos. públicas e privadas. 2008 United Nations e-Government Survey 2008 From e-Government to Connected Governance Capacitação para governo eletrônico (e-gov readiness) Acesso às oportunidades (e-participation) Governo eletrônico como a contínua inovação na oferta aos cidadãos de serviços de mais valor. através do aperfeiçoamento dos processos internos. E-inclusão como a inclusão e participação através do uso das TICs. gênero. idade. com máxima economia de custos. Parceria interjurisdicional. estadual. rural/urbano. integração entre diferentes agências. Igualdade de oportunidades. suportados pela integração. deficiências. Brasil 61° 42° Brasil 45° 24° Brasil 33° 18° .7 2005 UN Global E-government Readiness Report 2005 From E-government to E-inclusion Capacitação para governo eletrônico (e-gov readiness) Acesso às oportunidades (e-participation) A ligação entre desenvolvimento tecnológico. Entre países e nos países. além de organizações privadas).cl e-educação no México: treinamento para servidores e-procurement: comprasnet – Brasil. minorias étnicas. consolidação e inovação nos processos e sistemas internos. o papel do governo e o desenvolvimento humano. acesso a comunicação. no tempo certo e no formato certo. Integração vertical (federal. Pessoas. gerenciam suas relações. a nível nacional e local. Alguns destaques positivos na América Latina e-emprego no Chile: ofertas e inscrições para empregos em infoempleo. Governança conectada como o instrumento para conseguir entregar um serviço de mais qualidade e menor custo. idioma. contra barreiras de divisão por renda. às pessoas certas.

leis e regulações e desenvolver processos e instituições que permitam aos cidadãos se beneficiarem das novas tecnologias. Preocupação com segurança e privacidade. . horizonte temporal para o MDG – Millenium Development Goal. acordos de cooperação internacional. de modo que as soluções resultantes sejam sustentáveis. Acessível por múltiplos canais: website convencional. a agenda de desenvolvimento nacional. correlação entre cada indicador e os resultados finais. dados de infraestrutura. Enfoque holístico de governança. Aproxima-se 2015. transparentes. correio e contato presencial. e a questão é a escolha de onde aplicar as TICs. passando pelas métricas usadas para a montagens dos rankings. enquanto no Brasil numericamente predomina a telefonia e a internet móveis. proteção do ambiente ou outras áreas. desde simples comparações dos países por continentes. e no uso de múltiplos canais. Esta simples questão metodológica reduziu a nota brasileira no item comunicação a 30% do máximo. na inclusão. tendo avançado duas posições em relação à pesquisa anterior (2010) onde figurava como 61°. perfis populacionais. como por exemplo esta tomar comunicação e internet via linha fixa com alta pontuação. Uma das funções chaves é prover um conjunto integrado de políticas. além dos meios convencionais como telefone. educação. Podemos levantar algumas objeções à metodologia. apps e pagamento mobile). Note-se que apesar da evolução do egov no Brasil nos últimos anos. sem acumular os empates) Governo eletrônico com ênfase no uso do serviço. acessíveis e eficientes. Open Data. do qual o governo eletrônico faz parte. O governo eletrônico está no centro da construção de um ambiente estratégico de desenvolvimentos sustentável. 2012 United Nations E-Government Survey 2012 E-Government for the People Desenvolvimento do governo eletrônico (e-gov development) e-Participação (A pesquisa lista como 14°. o posicionamento comparado que era de 18° em 2001 caiu acentuadamente ao longo das sucessivas edições da pesquisa. Leva em conta os aspectos de eficiência e distribuição das políticas setoriais e seus resultados. sms. além de bastante informação conceitual sobre os tópicos de atenção de cada edição. acesso mobile (sites mgovernment especiais para tablets e smartphones. e com que velocidade os ganhos podem se realizar. barreiras de inclusão. “todo governo”. Centrado no cidadão. Na pesquisa de 2012 o Brasil aparece na 59ª posição. se em saúde.8 A crise financeira trouxe a necessidade dos governantes serem competentes. Brasil 59° 31° Estas pesquisas cobrem muito mais detalhes do que resumimos aqui. kiosks de serviço.

com a criação de Grupo de Trabalho Interministerial. diversas métricas ligadas ao setor público que se constituem em importante fator para a inovação e o desenvolvimento dos países. é publicada a primeira pesquisa de avaliação de serviços eletrônicos prestados no Brasil pelos governos de todas as esferas: federal. Sistemas Legados e Licenças de Software. GOVERNO ELETRÔNICO BRASILEIRO COMO POLÍTICA DE GESTÃO PÚBLICA Programa Brasileiro de Governo Eletrônico O Governo Eletrônico surgiu em 2000. e como segunda preocupação de que maneira o governo eletrônico pode incrementar a participação e a confiança governo-cidadão. a eficiência. Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do MPOG. A agência governamental sueca para sistemas de inovação. fez em 2006 prognósticos para o que seria o governo eletrônico em 2016. Cornell University e INSEAD. infra-estrutura avançada. Duas linhas mestras emergem do estudo: primeiramente como aproveitar as tecnologias disponíveis para melhorar a governança. também divulgado no início de julho/2013.Livro Verde (Brasil. e em novo trabalho datado de 2009. governo ao alcance de todos. VINNOVA. Gestão de Sítios e Serviços Online. estaria em 30° lugar nesta pesquisa de desenvolvimento do governo eletrônico em 2012. Infra-Estrutura de Rede. .9 Tivesse o Brasil nota próxima aos países desenvolvidos. Integração de Sistemas. Em 2003 são delegadas à SLTI. revisou as previsões e projetou cenários para o e-gov em 2020. como componentes do índice. que àquela época já listava diversos critérios de avaliação. Em 2006. encarregado de coordenar e articular a implantação de ações unificadas e integradas de governo eletrônico. foi lançada a publicação Sociedade da Informação no Brasil . as atribuições de apoio e supervisão dos trabalhos de oito Comitês Técnicos: Implementação do Software Livre. Governo para Governo – G2G. Este índice avalia os países com relação à inovação em sentido amplo. A par de questões metodológicas das pesquisas. 2007). à mesma época que o Grupo de Trabalho Novas Formas Eletrônicas de Interação apresentava sua Proposta de Política de Governo Eletrônico para o Poder Executivo Federal (Brasil. Gestão de Conhecimentos e Informação Estratégica. 2000). 2000). No mesmo ano. para a 62ª posição em 2013. Inclusão Digital. Em 2004. No ranking da inovação o Brasil caiu da 54ª posição obtida em 2012. a qualidade dos serviços e a participação do cidadão. cujas foram incorporadas às metas do programa Sociedade da Informação. embora inclua também. coordenado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. a relação custo-benefício. cujo capítulo 6 (Governo ao Alcance de Todos) traz diagnósticos e propostas de ações referentes ao governo eletrônico. estadual e municipal segundo a Metodologia de Indicadores e Métricas de Serviços de Governo Eletrônico (Brasil. é criado o Departamento de Governo Eletrônico. não restrita ao setor ao setor público. em três linhas mestras: universalização de serviços. Interessante observar que o posicionamento internacional do Brasil nesta última pesquisa de governo eletrônico da ONU é praticamente equivalente à atual posição do Brasil no Global Innovation Index 2013 da WIPO. estas posiççoes medianas reforçam a noção de que ainda há muito a se fazer no Brasil.

o governo eletrônico interage com praticamente todas as demais políticas públicas. manter e atualizar sistemas legados. e gerenciar contratos num contexto de rigidez jurídica. O avanço do governo eletrônico envolve desafios. governos de outras nacionalidades.gov. inova nos produtos e serviços que são disponibilizados aos cidadãos e na velocidade desta interação. inclusive para celulares. Exemplos na administração pública brasileira Em virtude do seu grande impacto começaremos com a Lei 12. O governo eletrônico é política de gestão pública intrinsecamente inovadora e transformadora em diversas dimensões: transforma os processos e a organização da administração pública.527/2011.gov. mais conhecida como Lei de Acesso à Informação (LAI). com programas e portais específicos para esta finalidade. todos visando premiar inovações na área de atuação destes órgãos. Também de interesse é o portal Dados Abertos http://dados. Já surgem aplicativos. é meio e instrumento catalizador de políticas públicas. Outro portal. permitindo de lá acesso a serviços e informações em outros portais e serviços a nível federal. assim como profissionais e demais membros da sociedade que se interessem pelo tema. fazendo uso deste portal através de técnicas de data mining para gerarem informações que de outra forma seriam de difícil obtenção.gov.br com a filosofia de ponto único de entrada. trouxe a imposição de publicação de informações e manutenção de canal de consultas em sítio na Internet a que ficaram obrigados todos os órgãos da administração direta. fundações. como ensina Saravia (2006). integrar. ou muito trabalhosas. A diferença aqui é que a informação está disponível em formato visando seu processamento e sua utilização em massa. ou o Prêmio Innovare promovido no âmbito do Judiciário.governoeletronico. estadual e municipal). instituições acadêmicas e de pesquisa.br. Secretaria do Orçamento Federal e Tesouro Nacional. empresas públicas. inova na forma como são construídas as soluções e ferramentas necessárias a esta transformação. Oferece também diversos prêmios de inovação.brasil. os quais se constituem em um incentivo a mais para servidores e outros cidadãos contribuírem com idéias inovadoras em prol da administração pública. . como os patrocinados pela Receita Federal. o www. autarquias. sociedades de economia mista. ações e projetos do Programa Brasileiro de Governo Eletrônico e tem como público-alvo as três esferas de governo (federal. e altera a forma de participação do cidadão no governo com a crescente expansão dos meios de acesso pelos quais os cidadãos podem acessar o serviços do governo e inversamente também contribuírem e participarem das decisões. Por sua natureza de política de gestão pública transversal. demandando interação e coordenação com outras áreas. como a interoperabilidade necessária dentro da tendência atual de ignorar barreiras entre áreas do governo.br/ onde é possível obter-se uma gama crescente de informações.10 Desde então a Administração Pública brasileira tem empreendido esforço persistente de aperfeiçoamento de suas ferramentas e ofertas de serviços ao cidadão através do governo eletrônico. destina-se à informação sobre as políticas. Disponibilizou programas de financiamento e repasses como o Programa para Modernização da Administração Tributária PMAT e o Programa Nacional de Apoio à Modernização Administrativa e Fiscal – PNAFM. O portal nacional para o cidadão brasileiro localiza-se em www.

Progressivamente foram automatizados procedimentos de declaração de imposto de renda. que começam a fazer parte do dia a dia da população e/ou das empresas. Legislativo (incluindo cortes de Contas). Ao incluir um rol mínimo de informações e um canal de consultas com atendimento obrigatório. otimizando o processo com a eliminação de remessa postal de declarações. a NF-e. último estágio de desenvolvimento do governo eletrônico. Outro exemplo importante é o Portal da Transparência (www. a LAI. podendo até mesmo celebrar parcelamento de débitos online. mantido pela Receita Federal para o registro e emissão de documentos fiscais. O órgão cuidou também de deixar algumas alternativas para interação mais simples com parcela da população. como a polêmica divulgação de salários individuais. O registro fiscal da operação deixa de ser o cupom ou nota fiscal. Com a edição da LAI. Como exemplo de transações eletrônicas na SRF. exigindo o CPF na nota e com isto garantindo a receita tributária.gov. a par de seus enormes benefícios relacionados à transparência. A segurança é tratada com rigor. pela exposição destes em tempo real proporcionada pelo portal. A arrecadação tributária passa a ter o acompanhamento do imposto em tempo real e sem depender de fiscalizações física nos estabelecimentos. foram incluídas informações de servidores também. já coloca todos estes portais como ponto de partida no segundo estágio da escala do Gartner Group. . O programa de premiação acoplado à NF-e em algumas localidades passou a inverter a lógica convencional e colocar o cidadão como fiscal. firmando-o como obrigação legal de todos estes entes. desrespeito ao teto constitucional do funcionalismo (em especial para servidores com atuação em diferentes esferas ou poderes). As implicações são extremamente importantes e extensas. em todas as esferas federativas. interage. eliminando também as crítica e correções que eram feitas há cerca de vinte anos. Receitas e Convênios do Governo Federal. Seu site não só informa. atingindo toda a população ativa e as empresas. A LAI trouxe assim um impulso tremendo ao governo eletrônico. Judiciário e Ministério Público. como acumulações. diminuindo o esforço e aumentando a performance da arrecadação. como a declaração de isento por telefone. Este portal tem sido importante instrumento de controle social dos gastos do governo. como a obrigação de declaração em computador ou o uso de certificados digitais. da subseqüente digitação central das mesmas. Também estão disponíveis informações de demissões no serviço público. Há vários anos o próprio contribuinte. suas exigências foram mesmo moldando alguns aspectos. incluindo situações complexas como apresentação de recursos e impugnações.11 demais entidades controladas e também entidades privadas que recebam recursos públicos para ações de interesse público. que estaria no estágio mais avançado conforme a classificação do Gartner Group. viabilizando cruzamentos automáticos. Mesmo estas tem um forte aspecto positivo.br) onde podem ser consultados dados de Despesas. dada a sensibilidade de seus dados. que são criticados na hora. através de acesso aos dados do SIAFI – Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal. realiza a entrada de dados. através de programa amigável.transparencia. Dado seu caráter universal. E como exemplo de inovação transformadora. eliminando a maior parte das inconsistências e diminuindo a carga de trabalho da administração pública. o contribuinte consegue através do portal eCac realizar auto atendimento para a maior parte dos casos. nos poderes Executivo. Como exemplo de excelência temos a Secretaria da Receita Federal. podemos incluir o SPED. desenvolvido em 1987 pelo Serpro para STN – Secretaria do Tesouro Nacional. permite transações e tem ação transformadora dos processos da administração e da sociedade. tendo sido identificadas através deles diversas irregularidades. e passa a ser o seu registro no SPED em tempo real.

tem-se acesso ao Diário Oficial da União. como se fossem manchetes de um jornal. os cartórios de registro de imóveis criaram através de sua associação local serviço online de registro que permite consultas e certidões com prazo quase imediato. por exemplo. principalmente não alinhados com as exigência de governança . que também pode ser feita a edições anteriores. carecem de controle e precisam caminhar para mais eficiência e menores custos. com consultas de editais. Neste caso específico existe. um conflito de interesses na forma de participação de fundos em favor da OAB / Mútua dos Advogados. Vão se expandindo. A edição eletrônica ecológicamente substituiu inteiramente a publicação convencional. Concursos e Seleções e Destaques Especiais trazem em destaque temas de maior interesse. que está disponível para realização e acompanhamento de processos eletrônicos de aquisições e licitações da Administração Pública Federal. e frequentemente mesmo este prazo não é cumprido. Tal qual os serviços prestados pelo estado diretamente. num exemplo de fator organizacional que prejudica a implementação de melhores práticas. Orçamento e Gestão – MPOG. vê-se com freqüência maus exemplo de governo eletrônico. os riscos de ofensa à privacidade. pelo Sistema de Envio Eletrônico de Matérias – INCOM por usuários cadastrados. Idêntico serviço solicitado na Junta Comercial do Rio de Janeiro passou a ser feito online. conferindo agilidade e economia a quem precisa informar-se sobre estas empresas. dando mais publicidade a atos relevantes. Exemplos de deficiências Seja na falta do serviço. Em outro exemplo de excelência. Outro exemplo brasileiro notável de governo eletrônico. disponível toda manhã. mas com pagamento de cerca de oitenta reais e liberação na compensação do pagamento. a Junta Comercial de São Paulo fornece online e gratuitamente certidão das empresas lá registradas. o que torna as Corregedorias de Justiça. O governo passa a saber em tempo real quanto as empresas venderam e o quanto o contribuinte comprou e aonde ele está. responsáveis por esta normatização. porém. O custeio da Junta vem das taxas de arquivamento e consultas especiais. É um tema para ser analisado em estudos futuros: as ameaças do big-brother / big-data. Também em São Paulo. mas pode também permitir representa invasão de privacidade do cidadão. muitas vezes através de empresas de pesquisa. reféns de interesses corporativistas que dificultam uma política pública mais afinada com o interesse público. com busca textual agregada por períodos anuais.gov. A postagem das publicações também é feita eletronicamente. fundos de capacitação do Judiciário e do Ministério Público sobre as receitas cartoriais.12 Este mesmo exemplo da NF-e serve. que mereceu inclusive citação especial na pesquisa de governo eletrônico da ONU em 2005 é o Portal de Compras do Governo Federal e Pregão Eletrônico (ComprasNet ) gerenciado pelo Ministério do Planejamento. enquanto no Estado do Rio deJaneiro o padrão é de trinta dias. Os serviços cartoriais são serviços públicos prestados por particulares por delegação. embora tenha a mesma estrutura de taxas de registro que sua congênere paulista. As seções Destaques do Diário Oficial da União. completando novs registros em menos de cinco dias. legislação e contratações realizadas. com recurso de busca de texto. para mostrar riscos inerentes ao avanço do processo de governo eletrônico. na edição convencional em papel tais buscas eram feitas de modo arcaico. estando disponíveis as edições desde 1990. Na ferramenta online.br também exemplifica bem os benefícios do governo eletrônico. cadastro de fornecedores e opção de recebimento de avisos de licitações e de cotações por e-mail. A Imprensa Nacional no endereço in. Anteriormente. publicações. porém. Isto pode ser usado para controle de arrecadação e como pulso da economia. ou deficiências em sua implementação. que por muito tempo eram manuais.

que exaltamos no item anterior. mas tão somente cumprir um passo específico. E também que o Detran compatibilizasse a capacidade de vistoria de seus postos às respectivas demandas. Evidentemente o certo seria o cidadão poder escolher o posto e o sistema dar as opções de data livres mais próximas naquele posto. pois as marcações são liberadas aos poucos. Outro exemplo. e princípios básicos a incorporar. também relativo a agendamento refere-se à vinculação do atendimento presencial a uma única providência específica. e com prejuízo ao cidadão que tem que perder seu tempo retornando várias vezes para conseguir algo que seria possível atender em uma única visita. Um olhar nos municípios através da Pesquisa de Municípios MUNIC 2012 (IBGE) A MUNIC. programas e ações públicas locais. recursos institucionais. oferta de serviços à população e infraestrutura urbana. pois o agendamento original tinha outra finalidade. a dinâmica e o funcionamento das instituições públicas municipais. Vivemos recentemente situação paradoxal. O mesmo INSS. que exemplifica bem a deficiência na concepção do serviço. O órgão maximiza a ocupação de seus recursos de atendimento deslocando o cidadão para postos mais distantes que tenham posições disponíveis. Realiza levantamento pormenorizado de informações sobre a estrutura. Até a Receita Federal. políticas de planejamento. no INSS. O cidadão ali presente não podia requerer a cópia naquele atendimento. mas em convênio com o Banco do Brasil oferece a mesma consulta dentro do ambiente do Internet Banking. A pesquisa. através do qual o cidadão apenas marca visita presencial. funcional. Ao final de um atendimento presencial destes surgiu a necessidade e a possibilidade de obter cópia digital do processo. ainda que mais à frente.13 eletrônica. o padrão é agendar nova data para que seja protocolado o pedido da cópia digital e não para entrega da mesma. Não vai ali tratar da aposentadoria. quando inúmeros sites hoje permitem que este campo seja informado com ou sem a máscara usual de edição. tem deficiência num aspecto singelo: suas consultas de CPF e CNPJ exigem a entrada dos campos sem pontuação. ao invés de estar ali para resolver o seu problema previdenciário holisticamente. usando como autenticação do contribuinte o login no sistema do banco. com informações do histórico de contribuições previdenciárias. seu quadro. vai . instrumentos fiscais. Em completa negação dos princípios de foco no cliente e one-stop-shop. Pior do que isto. Mas a cópia não era fornecida na hora: tinha que ser agendada. num conceito avançado. porém. e costumam estar esgotadas nas datas disponibilizadas. facilitando a vida do usuário que pode copiar o campo diretamente de outros documentos e colar na consulta. se define como pesquisa institucional e de registros administrativos da gestão pública municipal. Existe atendimento pela internet e por telefone. que só seria feita em uma terceira data. Um outro mau exemplo simplório ocorre no agendamento de vistorias no Detran/RJ: o cidadão não consegue agendar sua vistoria para o posto mais conveniente para ele. Há um longo caminho a percorrer. O contribuinte não pode agendar o tratamento de mais de um tipo.Cadastro Nacional de Informações Sociais. em seus sistemas mediante anacrônico cadastramento prévio e presencial de senha. O objeto de interesse da pesquisa engloba notadamente a estrutura da prefeitura. Ao comparecer ao posto somente pode tratar especificamente da questão agendada. como foco no cidadão e seus interesses e quanto à acessibilidade. com tão avançados sistemas. Pesquisa de Informações Básicas Municipais. porém disponibiliza consulta ao CNIS .

aferindo-se a presença ou não destas funções. o que não parece crível. Em função do incremento da informática como meio de desenvolvimento e de difusão de informações.9% 5.0% Evidentemente as respostas não refletem a real operação dos sites municipais.001 a 50. transporte.001 a 20. instrumentos de planejamento. Fica assim prejudicada a possibilidade de classificar o estágio de desenvolvimento do governo eletrônico nos municípios a partir destas respostas. §4. Uma das questões referia-se à existência de página do município na internet.000 Mais de 500.000 50. Nos valeremos destas informações para inferir algumas conclusões com relação à situação do governo eletrônico nos municípios brasileiros.497 26.226 40.388 1.0% 23. com a coleta das informações sendo realizada entre maio e dezembro de 2012.000 10. cultura.054 327 250 38 100.9% 4. interativo.565 1.7% 24. investigou informações sobre recursos humanos.298 1.0% Transacional 780 14. Presença dos municípios na internet em 2012 Site do Município Quantidade % Sem página Internet 2. o mais avançado segundo a escala de Gartner. se informativo.000 100. como em anos anteriores. segurança pública e meio ambiente.060 19. substituindo a classificação subjetiva por uma lista de funções esperadas de um site de município.5% 0. O Questionário Básico utilizado na MUNIC 2012. Perfil dos Municípios Brasileiros por população MUNIC 2012 (IBGE) Brasil Até 5.9% Interativa 1.0% Informativa 1.000 5. transacional.001 a 500.3& 21. com 780 municípios afirmando possuir site transacional.7% A LAI – Lei de Acesso à Informação em seu artigo 8°. comunicação e informática. assistência social.000 20.14 além destes aspectos e investiga vários outros aspectos da realidade local.001 a 100.000 5.001 a 10. recursos para a gestão. perguntando ainda como classificaria o serviço existente. nesta pesquisa o IBGE aprofundou o levantamento de informações referentes ao campo temático de comunicação e informática nas prefeituras. para daí construir a classificação como informativo. ao dispensar os município até .210 1. interativo ou transacional. O questionário precisaria diferenciar mais precisamente os estágios da iniciativa online do município.

estando todos os computadores ligados em rede e com acesso à Internet. O documento Software Público Brasileiro: Perspectiva Sistêmica (CTI.3% dos municípios era oferecido acesso WiFi pela prefeitura. reforçando a necessidade da utilização pelos governos municipais da tecnologia disponível. Em 268 municípios (4. em sua maioria pequenos (89% deles com população até 20.289 (95.1%). O melhor exemplo são os municípios. Nesta direção iniciativas do Governo Federal.br). 2012).000 habitantes da divulgação em sítio na Internet das informações previstas naquele artigo.15 10. Este atraso pode ter múltiplas causas. Todos os 5.softwarepublico. Em 3.000 habitantes a presença de intranet subia para 84.000 habitantes). e esta dispensa deveria ser revogada. mas a obtenção da tecnologia necessária parece ser a estratégia natural. pois são incorporadas à comunidade como um bem público.149 (56. facilitando o catch-up. o que permite que aplicações necessárias em boa parte das unidades da administração sejam assim disponibilizadas e possam ser utilizadas em inúmeras organizações praticamente sem alterações.123 (38.565 municípios possuíam computadores em funcionamento na administração direta municipal. A evolução tecnológica nos municípios ocorre com atraso. inclusive através do SPB.6%) municípios todos os computadores estavam ligados em rede e em 2. pois as necessidades da administração pública apresentam elementos comuns. eliminando duplicação de esforços e de custos. organizada como uma comunidade de inovação aberta.3%) a Internet esta disponível como meio de comunicação. Comunidade Software Público Brasileiro – SPB A comunidade Software Público Brasileiro – SPB (www. Como exemplo tem-se a importância de se informatizar cadastros e cobrança de taxas de competência municipal. A nosso ver já há meios destes municípios atenderem plenamente as obrigações de transparência. Em 14. constituída em 2007. como IPTU e ISS. Em 5. para os quais é de grande valia a disponibilidade de soluções abertas.555 (99. conforme quadro a seguir.7%) municípios existia intranet.372 (24. apenas parte dos computadores estava ligada em rede.689 (84.gov. O aumento de atribuições dos governos municipais gerou a necessidade de uma gestão mais eficiente dos recursos disponíveis. é uma rica fonte de soluções tecnológicas para entes da administração pública. informações mais rápidas e precisas para a tomada de decisões e para prestar contas à sociedade. A oportunidade existente é que a tecnologia necessária existe.565. rede interna privativa que possibilita a integração de tecnologias nos seus próprios sistemas de informação. Em 5. como a comunidade Software Público Brasileiro – SPB podem trazer esta tecnologia a um baixo custo. com ambiciosa proposta de fazer a disseminação destas soluções sem cobrança de licença.2%. no total de 5. em . acarretando por conseqüência estágios mais atrasados também com relação ao governo eletrônico. mantendo apenas as obrigações relacionadas à LRF – Lei de Responsabilidade Fiscal.8% do total) nenhum computador estava ligado em rede.8%) dos municípios estes computadores possuíam acesso à Internet. sendo que em 4. Nos municípios com mais de 500. excluiu da obrigação 45% dos municípios. traz uma boa visão geral do SPB. e pode ser obtida com relativa facilidade.0%) dos municípios existia algum tipo de atendimento ao público à distância. A importância desta comunidade é muito grande. sem custo de licenciamento e cobrindo suas rotinas das municipalidades. Em 1. com a possibilidade de assessoria para implantação e treinamento.

inovam com a criação de novos fluxos de comunicação. altamente interdisciplinar. A principal fonte de conhecimento e melhores práticas no SPB é a própria comunidade. Venezuela e Chile. gestão educacional e gestão de frotas. com o auxílio também de instrumentos como o SPB. CONCLUSÃO As iniciativas de governo eletrônico se constituem em políticas de gestão públicas recursivamente inovadoras. Temos exemplos de excelência. com experiências variadas e relevantes para o ecossistema. saúde. expandindo de forma compulsória o alcance e a orientação do governo eletrônico. reunidas no canal 4CMBr (Colaboração. Paraguai. ao lado de municípios que sequer tem presença online. Argentina. além das demais funções que compõe as soluções. com módulos financeiro. inovam no conjunto de produtos que oferecem ao cidadão. em direção a uma ainda nebulosa e-democracia. O SPB conta hoje com mais de 60 soluções voltadas a diversos setores da administração pública brasileira e tem também despertado o interesse de usuários de outros países como Portugal. Alguns reforços institucionais.16 grande parte padronizadas. Muito há a fazer com relação à abordagem com foco no cidadão. inovam na forma como produzir os produtos e serviços a serem oferecidos. podem ser instrumentos de avanço na qualidade e penetração do governo eletrônico. que dispensam a instalação de servidores e programas no órgão utilizador. também recebendo informações do cidadão. nos permite prever impulso adicional por conta da nova arquitetura. Hoje formalmente está em posição mediana conforme a pesquisa de governo eletrônico da ONU. . além do avanço da inclusão através de política pública específica e também pelo próprio avanço da tecnologia e sua adoção mesmo pelas classes mais desfavorecidas. Na esfera municipal as soluções oferecidas. dados geo-referenciados. patrimonial. ainda ignorada na maioria das situações. recursos humanos e auto atendimento ao cidadão. como o e-Cidade e o Prefeitura Livre. Comunidade. como fez a LAI. inovam no processo pelo qual os governos se relacionam com o cidadão. Casos de sucesso são relatados no portal e já começam a aparecer também na literatura. posição que teve alguma influência de fatores de metodologia e das nossas deficiências com relação à inclusão digital. como Cesar (2012). soluções que trazem uma substancial mudança nestas prefeituras a partir do produtos e serviços que se tornam possíveis. com soluções hospedadas remotamente. Estão disponíveis também sistemas para emissão de nota fiscal eletrônica. O Brasil esteve preocupado com governo eletrônico desde o início do movimento a nível mundial. O Brasil segue evoluindo e tem todos elementos para aprimorar o governo eletrônico e ter sua excelêcia reconhecida pelas métricas internacionais da ONU nas próximas pesquisas. educação. Uruguai. tributário. refletindo em última instância até na eficiência da arrecadação pela melhor gestão tributária. o que permite a eles avançarem tecnologicamente e se equiparem para a gestão de suas receitas tributárias. O progressivo avanço da computação em nuvem. Conhecimento e Compartilhamento – Municípios Brasileiros) destinam-se a informatizar a gestão municipal de forma integrada. Há porém grande incremento no governo eletrônico a partir da LAI. num circulo virtuoso: inovam ao interagirem com outras políticas públicas através do uso de novas tecnologias. e também disponibilização de soluções que podem melhorar esta situação (SPB).

2012. Pesquisa de Informações Municipais – MUNIC. 2012.07.br/home/estatistica/economia/perfilmunic/2009/munic2009. MCT. IBGE. Build It and They Will Come? The Accenture Digital Citizen Pulse Survey and the Future of Government Operations. Acesso em 12. Pesquisa de Informações Municipais – MUNIC.0. Acessado em 12. A.br/acoes-e-projetos/indicadores-e-metricaspara-avaliacao-de-e-servicos BRASIL. CTI.0/download BRASIL. IBGE. 2011.Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer.2013 em http://www. Pesquisa de Informações Municipais – MUNIC. A.shtm BRASIL. 2009.ibict. CTI . Campinas: CTI . MCT. Grupo de Trabalho Novas Formas Eletrônicas de Interação.gov.gov. 2006.gov.2013 em http://www. Gartner’s four phases of e-government model.br/biblioteca/arquivos/e-mag-3. Acessado em 13/07/2013 em https://www.gov.br/bitstream/1/434/1/Livro%20Verde. Sociedade da Informação no Brasil .Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer. Acesso em 13/07/2013 em http:// www.2013 em http://www.pdf BRASIL. Acessado em 12.ibge.softwarepublico.edu/1007717/Implementation_of_e-Government_Advantages_and_Challenges BARBOSA. Acesso em 13/07/2013 em http://livroaberto.br/anexos/E15_90proposta_de_politica_de_governo_eletronico. GTTI.governoeletronico.pdf BRASIL.07. 2012.ibge.pdf ALSHEHRI M.07.br/ spb/download/file/Perspectiva_Sistemica BRASIL. Indicadores e métricas para avaliação de e-Serviços.07..17 REFERÊNCIAS ACCENTURE. S.softwarepublico. Research note: Gartner Group: 2000.gov.gov. 2000. Proposta de Política de Governo Eletrônico para o Poder Executivo Federal. MPOG/SLTI.br/5cqualibr/2-documentos-tecnicos/view/vetor-interoperabilidade/ Tutorial_Interoperabilidade. IBGE. J. 2011.07.pdf BAUM.accenture.2013 em http://www. D. Acessado em 12.shtm BRASIL.07. 2009.governoeletronico.2013 em http://www.governoeletronico.gov. MAIO. MPOG/SLTI.ibge. Tadao Takahashi (org).07. Integrando Aplicações com Enterprise. IBGE.br/home/estatistica/economia/perfilmunic/2011/default.gov. SLTI. Implementation of e-Government: Advantages and Challenges. 2011..br/home/estatistica/economia/perfilmunic/2012/default. Acesso em 12.Livro Verde.2013 em http://www.com/SiteCollectionDocuments/PDF/Accenture-Digital-CitizenFullSurvey.versão 3. Modelo de Acessibilidade de Governo Eletrônico .br/home/estatistica/economia/perfilmunic/2012/default. Acesso em 12.ibge. 2007. Acessado em 13/07/2013 em . MPOG/SLTI. Acessado em 13/07/2013 em http://www.2013 em http://academia. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01. 2000. DREW. 2010.gov.pdf BRASIL. Pesquisa de Informações Municipais – MUNIC. Acessado em 13/07/2013 em http://www.shtm BRASIL. C. BRASIL. Acesso em 12. Software Público Brasileiro: Perspectiva Sistêmica.

Conheça o Programa de Governo Eletrônico Brasileiro. 2012. MPOG.pdf GAETANI. GUTIERREZ. MPOG. Acessado em 12/07/2013 em http://unpan1. SINGH. 2009. 2012. In Electronic Journal of e-Government Volume 9 Issue 2 2011. PINHO. (Monografia) – UNB. C. VIII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública.0. P. novos.gov. Panamá.br/5cqualibr/2-documentos-tecnicos/view/vetor-rcossistemas/tudosobre-o-modelo-de-refer-ncia/xowiki/modelo_de_maturidade_SPB. Public management policy initiatives of the Lula’s government.. 2003. VILLARROEL.edu/~gvaldesu/articles/CapabilityMaturityFrameworkForEgov. Public management policy change in Brazil: 1995-1998. CONCHA.br BRASIL. VASQUEZ.softwarepublico. L. Revista do Serviço Público.Versão 1. G. F. G.pdf CESAR. F. Rio de Janeiro: Editora FGV.softwarepublico.. A. SOLAR.br/o-gov.pdf GAETANI. O recorrente apelo das reformas gerenciais: uma breve comparação Brasília.pdf BRASIL. VALDES.org/intradoc/groups/public/documents/clad/clad0047309.bce. 2003.gov. Acessado em 13/07/2013 em http://bdm. Inovação no campo da gestão pública local: novos desafios. (Orgs). Capability Maturity Framework for e-Government: A Multi-dimensional Model and Assessing Tool.gov. ANDRADE.un. 2002. Políticas de gestão pública e políticas regulatórias: contrastes e interfaces.Ecossistema SPB .php?option=com_docman&task=doc_view&gid=2617 GAETANI.unb.. F. Acessado em 13/07/2013 em http://www. 2009.br/5cqualibr/2-documentos-tecnicos/view/vetorrcossistemas/tudo-sobre-o-modelo-de-refer-ncia/xowiki/modelo_de_referencia_SPB.A. P. Impactos sociais e econômicos da adoção do Software Público i-Educar na gestão escolar.un.governoeletronico.5CQualiBr.br/Documents/MARE/Terceiros-Papers/05Gaetani_dic. M.. Acessado em 12/07/2013 em http://unpan1. (pp166 .softwarepublico.com/issue/download. 28-31 Oct. L.pdf BRASIL.pdf GAETANI.gov.. Inovação na gestão pública: compreensão do conceito a partir . Lisboa. Trabalho apresentado IX Congreso Internacional del CLAD sobre la reforma del Estado y de la Administración Pública.pdf JACOBI.18 http://www. Acessado em 12/07/2013 em http://www. J.enap.br/spb/download/file/in_spb_01.gov.VII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública. MPOG.ejeg. 2004.org/intradoc/groups/public/documents/CLAD/clad0043325. F. Determinants of eGovernment Maturity in the Transition Economies of Central and Eastern Europe. P. Acessado em 12/07/2013 em http://www. Acessado em 13/07/2013 em http://softwarepublico.html?idArticle=235 IRIBARREN.org.pdf IFINEDO. Modelo de Referência SPB .bresserpereira. M. 54(4). T. J. M. 2006 KLERING.. Acessado em 13/07/2013 em http://www. Qualidade do Ecossistema SPB. R. Acessado em 13/07/2013 em http://www. out-dez/2003. Madrid..182).gov. M.br/file/54585137/Manual_do_Ofertante. Departamento de Administração.pdf BRASIL. Acessado em 13/07/2013 em http://www. Manual do Ofertante .br/index.. A.br/bitstream/10483/4343/1/2012_AndreiaLuizaCorreaCesar. 2011 Acessado em 13/07/2013 em www.. MPOG. A.stanford.

07. In: Government at a Glance. L.org/intradoc/groups/public/documents/un/unpan028607. 2003.pdf ONU. United Nations E-Government Survey 2012: E-Government for the People. Acessado em 12. Estudos internacionais sobre inovação no setor público: como a teoria da inovação em serviços pode contribuir? Revista de Administração Pública RAP v.Future scenarios for 2020. n.Teoria e Prática. e-Government Studies: Rethinking e-Government Services . 2006.org/intradoc/groups/public/documents/un/unpan019207. LINDELL. 2005. Acessado em 12.From E-government to E-inclusion. Acessado em 12. 2 (mar/abr 2012).vinnova.pdf OECD. L.pdf ONU.2013 em http://unpan1.org/governance/government-at-a-glance-2009/egovernment-readiness_9789264061651-33-en ONU. 2010.oecd-ilibrary. OECD Publishing. United Nations e-Government Survey 2008 .H.pdf ONU. Vinnova. 2009. Acesso em 12.pdf OECD.07. J. 2012. Benchmarking E-government: A Global Perspective --..07. Acesso em 13/07/2013 em www..2013 em http://www.softwarepublico.gov. ERICSON. . 2009.gov.pdf ONU...pdf NORDFORS. eGovernment of Tomorrow . 2006.pdf ONU. H. Acessado em 12.2013 em http://www. In: JACOBI.07. PINHO. E-Government readiness. Acessado em 12. UN GLOBAL E-GOVERNMENT READINESS REPORT 2004 .un.pdf ONU. 2009. E-Government Survey 2010 .2013 em http://unpan1.User-Centred Approaches.un.07. The Future of eGovernment . Campinas: CTI . UN Global E-Government Survey 2003.Assessing the UN Member States..2013 em http://unpan1.07. LINHALIS.2013 em http://unpan1. Acessado em 12. A. H.TOWARDS ACCESS FOR OPPORTUNITY. Inovação no campo da gestão pública local.org/intradoc/groups/public/documents/un-dpadm/unpan038853. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro: FGV Editora.se/upload/EPiStorePDF/vr-06-11.From e-Government to Connected Governance..br/5cqualibr/2-documentos-tecnicos/view/vetor-interoperabilidade/ Tutorial_Web_Semantica. ERICSON. P. VARGAS. Web Semântica .org/intradoc/groups/public/documents/un/unpan021888.pdf NORDFORS.07. B. UN Global E-government Readiness Report 2005 .un. 46.2013 em http://unpan1. D. LIMA.Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer.org/intradoc/groups/public/documents/un/unpan048065.07. E.se/upload/epistorepdf/vr-09-28.Scenarios 2016 – Vinnova.planejamento. Acesso em 13/07/2013 em www. 2008. 2009.br/secretarias/upload/Arquivos/seges/arquivos/OCDE2011/OECD_Re thinking_Approaches.un.un.org/intradoc/groups/public/documents/un/unpan016066.07.19 da teoria e da prática.Leveraging e-government at a time of financial and economic crisis. LINDELL. H.2013 em http://unpan1.vinnova. Acessado em 12.2013 em http://www. F.un. Acessado em 12. 2004. B.

.145-164. Acessado em 12. H. V. C.Informática Pública. Acessado em 13/07/2013 em http://www.. E-Government and E-Governance: Definitions/Domain Framework and Status around the World.2013 em http://www. Acessado em 13/07/2013 em http://iist.anpad. E. pp. Acessado em 13/07/2013 em http://www.ANPAD-3Es. A. L. ENAP.academic-journals..Junho/Agosto 2009 SARAVIA... ¾. BRETAS.V. issue 06.br/diversos/trabalhos/3Es/3es_2013/3Es89. VI Encontro de Estaudos em Estratégias . D. n. 2006. R. FREITAS.iceg.gov. MEFFE. 2005. J.org. LONG. A.. Y.org.3. G.Coletânea. Materialização do Conceito de Software Público: Iniciativa CACI. p. C. SANTOS.pdf PEREIRA. 2013. Vol. 2011. ESTEVEZ. P.org/intradoc/groups/public/documents/un/unpan021547.pmi. S. E. A.2013 em http://www. DASTBAZ. Synthesizing e-government stage models: a meta-synthesis based on meta-ethnography approach.Government Stage Model: Based on Citizen-Centric Approach in Regional Government in Developing Countries. N.in/manageindia/volume3/issue06/manage.07.softwarepublico. S. C. SHARMA. Acessado em 12. In: Revista InfoBrasil Especial . C. C.20 2001. International Journal of Electronic Commerce Studies. P. n.org/ojs2/index.07. SUABRAHMANYAM... CASTRO. K..unu. O conceito de política pública .un. A. Z. JAHANKHANI. 105. S.. In: IP . M..pdf SALVIANO. VERA. 2. Qualidade para Desenvolvedores e Prestadores de Serviço no Software Público Brasileiro. 7. ZOUCAS.S. No. M. S. GIULIANELLI.2013 em http://www..2013 em http://unpan1. J.net/2007/books/1/1_369. M. 2007.unu.. ZAPELINI.br/spb/ArtigoMatConceitoSPB RODRIGUEZ..pdf PETERLE. 443. Relação entre Inovações e Estratégias de Competição e Crescimento: um Caso de Estudo no Setor de Tecnologia da Informação e Comunicação.pdf PALVIA. S.edu/files/Assessing%20e-Government%20Maturity %20through%20Municipal%20Websites.Introdução à teoria da política pública 21 In: Políticas públicas . S. R. BOUZADA.php/ijecs/article/viewFile/1020/107 SIAU. A. F. BARBOSA. Industrial Management + Data Systems.07. v. J. G. Project Management in e-Governance: What Got You Here Won’t Get You There in Manage India. M. Acessado em 12.india. P.. 2012. Assessing e-Governance Maturity through Municipal Websites – Measurement Framework and Survey Results. (set/2005fev/2006).edu/sites/iist. v. E. C. SHAREEF..pdf .1. 03. J.07. Acessado em 12.