You are on page 1of 17

Mec. dos Sólidos & Mec.

das Estruturas 2007/2008

CAPITULO 8

Flexão

Sumário: Flexão

Esforços internos de flexão e cortantes Flexão pura Equação matemática para cálculo das tensões normais Distribuição das tensões normais nos corpos solicitados Superfície neutra e linha neutra Carregamento axial excêntrico Flexão simétrica e não simétrica Momentos de Inércia e eixos principais de Inércia

Competências: Determinar o diagrama de esforços internos de flexão e cortantes. Relacionar as tensões com as deformações. Relacionar as tensões normais com os esforços de flexão e propriedades geométricas dos corpos deformáveis. Calcular as tensões relacionadas com a flexão pura, carregamento axial excêntrico, flexão simétrica e assimétrica para diferentes geometrias. Perceber o significado físico de linha neutra e superfície neutra. Determinar a localização da linha neutra. Desenhar a distribuição dos vectores tensão na secção transversal do corpo solicitado.

1

determine as forças reactivas nos apoios. 2 . Aplique as equações de equilíbrio estático nos diagramas de corpo livre assim obtidos. Para a viga de madeira e para o carregamento indicado. de modo a determinar os esforços internos cortantes e de flexão. • Seccione a viga junto aos apoios e pontos de aplicação de cargas. • Convenção de sinais positivos para os esforços cortantes V e V’ e esforços de flexão M e M’: Exercício Resolvido 1 Método das Secções: • Considerando a viga como um corpo rígido. tal como ilustrado nas figuras (a) e (b) (Método das Secções). • Represente graficamente a distribuição dos esforços internos cortantes e de flexão em função do comprimento da viga. desenhe os diagramas de esforços internos cortantes e de flexão. • Os esforços internos cortantes e de flexão num ponto podem ser determinados seccionando a viga pela secção transversal correspondente e realizando uma análise de equilíbrio estático na porção da viga à esquerda ou à direita desse ponto.Diagramas de Esforços Internos Cortantes e de Flexão • A determinação das tensões normais e tangenciais máximas requer a identificação dos esforços internos cortantes e de flexão máximos.

• Cálculo das reacções nos apoios: ∑F y = 0 = ∑ M B : RB = 46 kN RD = 14 kN • Análise de equilíbrio estático: ∑ Fy = 0 ∑ M1 = 0 ∑ Fy = 0 ∑ M2 = 0 − 20 kN − V1 = 0 V1 = −20 kN M1 = 0 V2 = −20 kN M 2 = −50 kN ⋅ m (20 kN )(0 m ) + M1 = 0 − 20 kN − V2 = 0 (20 kN )(2.5 m ) + M 2 = 0 V3 = +26 kN V5 = −14 kN M 3 = −50 kN ⋅ m M 5 = +28 kN ⋅ m V4 = +26 kN M 4 = +28 kN ⋅ m V6 = −14 kN M 6 = 0 • Representação gráfica dos esforços internos cortantes e de flexão: 3 .

Para a viga e para o carregamento indicado. 4 . determine as forças reactivas nos apoios. Esforço Cortante e Esforço de Flexão • Relação entre carregamento e esforço cortante: ∑ Fy = 0 : V − (V + ∆V ) − w ∆x = 0 ∆V = − w ∆x dV = −w dx VD − VC = − ∫ w dx xC xD • Relação entre esforço cortante e esforço de flexão: ∑ M C′ = 0 : (M + ∆M ) − M − V ∆x + w∆x ∆x = 0 w (∆x )2 ∆M = V ∆x − 1 2 2 dM =V dx M D − MC = xD xC ∫ V dx Exercício Resolvido 2 Método Gráfico: • Considerando a viga como um corpo rígido. • Aplique a relação entre esforço cortante e esforço de flexão para representar o diagrama de esforços internos de flexão. • Aplique a relação entre carregamento e esforço cortante para representar o diagrama de esforços internos cortantes.Relação entre Carregamento. represente os diagramas de esforços internos cortantes e de flexão.

• Cálculo das reacções nos apoios: ∑MA = 0 0 = D(24 ft ) − (20 kips )(6 ft ) − (12 kips )(14 ft ) − (12 kips )(28 ft ) D = 26 kips ∑ Fy = 0 0 = Ay − 20 kips − 12 kips + 26 kips − 12 kips Ay = 18 kips • Representação gráfica do diagrama de esforços internos cortantes: dV = −w dx dV = − w dx • Representação gráfica do diagrama de esforços internos de flexão: dM =V dx dM = V dx 5 .

b) método gráfico.m 1m 1m 1m 2m 2m 6 . Exercício de Esforços Internos 2 Para o carregamento indicado na figura represente os diagramas de esforços cortantes (V) e de esforços de flexão (M) utilizando os seguintes métodos: a) método das secções. b) método gráfico. 2 kN/m 8 kN 12 kN.Exercício de Esforços Internos 1 Para o carregamento indicado na figura represente os diagramas de esforços cortantes (V) e de esforços de flexão (M) utilizando os seguintes métodos: a) método das secções.

e a um momento flector. 7 . iguais e de sentidos opostos. • Princípio da Sobreposição: Combinar as tensões originadas pela carga com as tensões provocadas pela flexão pura.Flexão Pura Flexão Pura: Membros prismáticos sujeitos a dois momentos. origina esforços internos equivalentes a uma força normal e a um momento flector. e de sentido oposto. actuando no mesmo plano longitudinal. Outros Tipos de Carregamento • Carregamento excêntrico: Um carregamento axial excêntrico à secção considerada. • Carregamento transversal: Uma carga concentrada na extremidade livre A origina esforços internos equivalentes a uma força igual.

é sempre o mesmo. paralela às faces superior e inferior. • flecte uniformemente formando um arco de circunferência. em flexão pura: • a barra permanece simétrica em relação ao plano. • A soma das componentes dessas forças em qualquer direcção é igual a zero. • deve existir uma superfície neutra. e positivas (tracção) abaixo dela. para a qual o comprimento não varie. 8 . • O momento flector. é igual a zero. • O momento flector. em relação a qualquer eixo perpendicular ao seu plano. em relação a qualquer eixo contido no seu plano. Fx = ∫ σ x dA = 0 M y = ∫ zσ x dA = 0 M z = ∫ − yσ x dA = M Deformações na Flexão Pura Barra prismática que contém um plano de simetria. • qualquer secção plana perpendicular ao eixo da barra permanece plana. • a linha AB diminui de comprimento e a linha A’B’ aumenta.Análise das Tensões na Flexão Pura • O momento flector M consiste em duas forças iguais e de sentidos opostos. • tensões e deformações são negativas (compressão) acima da superfície neutra.

 y  M = ∫ − yσ x dA = ∫ − y − σ m  dA  c  σm 2 σmI M= y dA = c ∫ c Mc M = σm = I S y Substituin do em σ x = − σ m c My σx = − I σ 0 = − m ∫ y dA c A linha neutra passa pelo centro geométrico da secção. Depois da deformação. o comprimento da superfície neutra permanece igual a L. σ x = Eε x = − Eε m y = − σ m (tensão varia linearmente) c • A partir da estática. 9 . Nas outras secções.Deformações na Flexão Pura Considere uma barra prismática de comprimento L. y Fx = 0 = ∫ σ x dA = ∫ − σ m dA c y c • Do equilíbrio estático. L′ = (ρ − y )θ δ = L − L′ = (ρ − y )θ − ρθ = − yθ yθ y δ =− (extensão varia linearmente) εx = = − L ρθ ρ εm = c ρ y c or ρ= c εm εx = − εm Tensões e Deformações no Regime Elástico • Para um material homogéneo.

Departamento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial Propriedades dos Perfis 10 .Resistência dos Materiais Tensões e Deformações no Regime Elástico σm = Mc M = I S I = momento de inércia I = módulo resistente c S= S= 3 1 I 12 bh = =1 bh3 = 1 Ah 6 6 c h2 DEMGi .

m. determinar: (a) as máximas tensões de tracção e compressão. (b) o raio da curvatura. Sabendo-se que E = 165 GPa e desprezando o efeito da curvatura das arestas do perfil. 1 ρ ε σ 1 Mc = m = m = c Ec Ec I M = EI ε y = −νε x = νy ρ ε z = −νε x = νy ρ 1 ρ′ = ν = curvatura anticlástica ρ Exercício Resolvido 3 Uma peça de máquina de ferro fundido fica submetida à acção do momento flector M = 3 kN. 11 .Deformações numa Secção Transversal • A deformação da barra submetida à flexão é medida pela curvatura da superfície neutra.

Area. mm3 90 × 103 24 × 103 ∑ yA = 114 × 10 3 ∑ yA 114 × 10 = = 38 mm 3000 ∑A 1 bh 3 + A d 2 I x′ = ∑ I + A d 2 = ∑ 12 1 90 × 203 + 1800 × 12 2 + 1 30 × 403 + 1200 × 182 = 12 12 ( ( ) ( )( ) ) I = 868 ×10 mm = 868 ×10 m 3 -9 4 • Calcular as máximas tensões de tracção e compressão.3 MPa • Calcular a curvatura. mm 2 1 20 × 90 = 1800 2 40 × 30 = 1200 ∑ A = 3000 Y = 3 y . 1 ρ = = M EI (165 GPa )(868 ×10-9 m 4 ) 3 kN ⋅ m 1 ρ ρ = 47. Mc I M c A 3 kN ⋅ m × 0.95 × 10 −3 m -1 12 .0 MPa σ B = −131.Calcular a localização do centro geométrico da secção e o momento de inércia.7 m = 20.038 m σB = − =− I 868 ×10 −9 mm 4 σm = σ A = +76. mm 50 20 yA.022 m σA = = I 868 ×10 −9 mm 4 M cB 3 kN ⋅ m × 0.

A = 3 ×10 −3 m 2 Y = 0.038 m I = 868 ×10 −9 m 4 13 .Carregamento Axial Excêntrico num Plano de Simetria σ x = (σ x )força centrada + (σ x )flexão N = P My − A I • Carregamento excêntrico. Do exercício resolvido 3. N=P M = Pd • Os resultados só são válidos quando as condições de aplicação do princípio da sobreposição e de Saint-Venant forem satisfeitas. Exercício Resolvido 4 A peça mostrada é feita de ferro fundido e tem tensões admissíveis de 30 MPa à tracção e de 120 MPa à compressão. Determinar a maior força P que pode ser aplicada à peça.

028 P )(0.028 P )(0. • A linha neutra da secção transversal coincide com o eixo do momento flector. P = 79.010 = 0.038 − 0.028 P = momento flector • Sobreposição. • Em geral.6 kN σ A = +377 P = 30 MPa σ B = −1559 P = −120 MPa P = 77.028 m P = força centrada M = Pd = 0.0 kN P = 77.0 kN Flexão Fora do Plano de Simetria • Permanecem simétricas e flectem no plano de simetria. a linha neutra da secção não coincide com eixo do momento flector. 14 .022 ) = +377 P + =− + A I 3 × 10 −3 868 × 10 −9 (0. σA = − P Mc A P (0.• Força e momento flector aplicados em C. d = 0. • Não podemos supor que a barra vá flectir no plano de simetria.038) = −1559 P P Mc P σB = − − B = − − A I 3 × 10 −3 868 × 10 −9 • Máxima força que pode ser aplicada.

segundo z e y. • Decompor o vector M em dois vectores.Flexão Fora do Plano de Simetria   • 0 = Fx = ∫ σ x dA = ∫  − σ m dA y  c  ou 0 = ∫ y dA linha neutra passa pelo centro geométrico.   • M = M z = − ∫ y − c σ m dA y   σmI ou M = I = I z = momento de inércia c define a distribuição de tensões. M y = M sin θ σx = − • Obtém-se.  y  0 = M y = ∫ zσ x dA = ∫ z − σ m dA  c  ou 0 = ∫ yz dA = I yz = produto de inércia Fx = 0 = M y M z = M • Flexão Fora do Plano de Simetria • Aplicação do princípio da sobreposição. M z = M cosθ • Sobrepor. Mzy Myz + Iz Iy σx = 0 = − tgφ = (M cos θ )y + (M sin θ )z Mz y M yz + =− Iz Iy Iz Iy y Iz = tgθ z Iy 15 .

5 in )(1.6 + 609.359 in 4 I z = 12 3 1 I y = 12 (3.in é aplicado a uma viga de madeira de secção rectangular.9844 in4 3 σ1 = M z y (1386 lb ⋅ in )(1. M z = (1600 lb ⋅ in ) cos 30 = 1386 lb ⋅ in M y = (1600 lb ⋅ in )sin 30 = 800 lb ⋅ in 1 (1.5 in)(3. num plano que forma um ângulo de 30º com a vertical.75 in ) = 609.Exercício Resolvido 5 Um momento flector de 1600 lb. (b) O ângulo que a linha neutra forma com o plano horizontal. σ max = σ1 + σ 2 = 452.5 in ) = 0.6 psi Iz 5.75 in ) = = 452.9844 in 4 • A maior tensão de tracção devida ao carregamento combinado ocorre em A.359 in 4 M yz Iy = σ2 = (800 lb ⋅ in )(0.5 σ max = 1062 psi 16 . • Determinar a tensão máxima na viga.5 in) = 5.5 psi 0. Determinar: (a) A tensão máxima na viga.

9844 in 4 = 3. tgφ = Iz 5. σx = P Mz y M yz − + A Iz Iy • Se σx = 0.359 in 4 tgθ = tg 30 Iy 0. My Mz P y− z= Iz Iy A 17 . P = força centrada M y = Pa M z = Pb • Aplicando o princípio da sobreposição.143 φ = 72.• Determinar o ângulo que a linha neutra forma com o plano horizontal. que representa a linha neutra da secção.4o Caso Geral de Carga Excêntrica • A força excêntrica é equivalente a um sistema constituído por uma força centrada e dois momentos flectores. obtém-se a equação de uma recta.