UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE – UNESC CURSO DE ARTES VISUAIS - LICENCIATURA

HELEN DOS SANTOS

OUVIR, VER E SENTIR PROJETO DE ESTÁGIO III TURMA: 3º ANO – ENSINO MÉDIO

CRICIÚMA, MAIO DE 2012.

Orientadora: Édina Regina Baumer CRICIÚMA. VER E SENTIR PROJETO DE DOCÊNCIA NO ENSINO MÉDIO TURMA: 3º ANO Projeto para aplicação do Estágio Supervisionado referente à docência no Estágio III.UNESC.HELEN DOS SANTOS OUVIR. MAIO DE 2012. . pela Universidade do Extremo Sul Catarinense . da 7ª fase do Curso de Artes Visuais – Licenciatura.

” Fernando Pessoa . a cada estado de alma uma alma.“Dar a cada emoção uma personalidade.

1 .IDENTIFICAÇÃO Nome da escola: E. Nereu Ramos. E. Carga horária do projeto: 16 horas/aula.1 . Número de alunos: 32 alunos. Telefone da escola: (48) 3524-1011. PROFª.TEMA: Apreciação Estética 1. Telefone da estagiária (o): (48) 9957 – 6695. Endereço da escola: Rua Pres. 2 . Diretor (a): Maria Helena Périco da Silva. ver e sentir. Ponto de Referência: Próximo à Igreja Sagrada Família. Estagiário (a): Helen dos Santos. Professor (a) de Arte: Margarida Beatriz Michels Turma: 3º ano. B. MARIA GARCIA PESSI. . Cronologia: Maio à Julho. Nº 334. Cidade Alta – Araranguá.Título do projeto: Ouvir.

pelas diversas interpretações e significações possíveis que ela propõe. Sabemos que [. 65). que está localizada no bairro Cidade Alta. 2009. o fortalecimento da identidade. pretendo com este projeto possibilitar ao aluno a capacidade de interagir com o espaço e com o mundo em que vive. apud OSTETTO. (DIAS. Vivendo em uma época em que nunca houve tanta música e imagens a disposição das pessoas. pela imagem e seus signos dentro da arte. inevitavelmente esse fato torna-se muito significativo no estudo e ensino da arte. já que é um de seus papéis (pois a arte e o seu ensino tem muitos alcances) a educação da sensibilidade.. o conhecimento. 1999. a compreensão e a ampliação de visão de mundo. ampliar e enriquecer suas experiências sensíveis.3. me motivando assim a querer saber cada vez mais sobre o assunto.] contribuir para a formação da sensibilidade significa incentivar e criar oportunidades para que elas se expressem com vivacidade e possam desenvolver. p. aumentando as redes de entendimento e de significação do mundo. Considerando que a arte é fundamental na construção do ser humano enquanto sujeito crítico e transformador da sociedade. com atitudes de pouco interesse por questões culturais e nenhum tipo de reflexão/fruição . JUSTIFICATIVA Este estágio se dará na Escola de Ensino Básico Professora Maria Garcia Pessi. a querer vivenciar essas experiências cada vez mais e a pensar se é possível desenvolvê-la sob a perspectiva das linguagens da música e das artes visuais. Partindo desse pressuposto penso nos alunos do Ensino Médio. Meu interesse pelo tema apreciação estética partiu de minha admiração pela música.. na cidade de Araranguá (SC). dentro das aulas de arte no ensino médio e perceber de que forma a educação estética desses alunos tem sido trabalhada nas escolas. tendo como base as conclusões que obtive durante o período de observação onde percebi os alunos um pouco despreparados para ouvirem/verem arte. pelo “que” filosófico e cultural de que ela consiste e pelas minhas tantas experiências estéticas pessoais vivenciadas através dela. Torna-se assim a apreciação estética uma poderosa ferramenta para o ensino da arte.

” (ESTÉVEZ. atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação. desafiadoras. meu objetivo neste estágio é proporcionar atividades diversificadas. p. já que a utilização de imagens. apreciar. p. ouvir e sentir a tudo isso que nos cerca? Os alunos estão compreendendo sobre a relação entre artes visuais e a música com o mundo e o espaço em que vivemos e as inúmeras possibilidades que ela pode oferecer? Utilizando-me da diversidade musical e imagética buscarei oportunizar aos alunos a compreensão sobre a relação das artes visuais com a música. sentido e experienciado” (OSTETTO.] a mais efetiva forma de educar esteticamente o estudante só se consegue inserindo-o em um processo criativo. “a arte interessa como processo vivido. com o mundo e o espaço em que vivemos e as inúmeras possibilidades que ela pode oferecer. 07). em contextos públicos e privados. vídeos e músicas é cada vez mais presente no cotidiano. pesquisar e divulgar o conhecimento e valorização da experiência do aluno . p. bem como aspectos sócios culturais de outros povos e nações (PPP. Sendo assim. e questionadoras. o ensino tem como base alguns princípios como: liberdade para aprender.estética durante um vídeo assistido. 37). De acordo com o documento. será que paramos para realmente olhar. gráfica. pois para o aluno. proponho um projeto que tenha como ponto norteador a apreciação estética em música e artes visuais. No que se refere ao Projeto Político Pedagógico da escola. 66) e “[.” (PPP. interpretando e usufruindo das produções culturais. expressar e comunicar suas ideias. plástica e corporal. musical. capazes de desenvolver a capacidade criativa dos alunos. 2009. 2006. podemos realizar o ensino utilizando “diferentes linguagens: verbal. Desta forma.. como meio para produzir. Refletindo sobre como eles se comportam e como é o processo de aprendizagem no ensino da educação estética dentro das aulas de artes. recriarem e aprenderem a ouvir. . p. 73 apud ZANELLA.. 2003. 2010. ensinar. 2010. 06). assim como “conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sócio cultural brasileiro. levando-os principalmente a pensarem. viver e a conviver. p. interessantes. criarem.

5 . conhecendo.FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 7. ver e sentir. 6 .CONTEÚDOS • • Apreciação Estética. Música 7 . na qual estão projetadas diferentes formas . a criação. Realizar produções artísticas a partir dos conteúdos trabalhados. criando e pensando sobre a produção humana de seu tempo e de outros tempos. O desenho.OBJETIVOS ESPECÍFICOS • • • • Experimentar a apreciação estética do vídeo disponibilizado por Cristiano Forte.OBJETIVO GERAL Possibilitar aos estudantes a ampliação de conhecimentos sobre arte através da apreciação estética.4 .1 . a música. apreciando.Ensino da Arte A proposta de trabalhar artes na educação é permitir ao aluno o contato com diversos materiais e linguagens que podem ser explorados e usados como expressão livre do pensamento e oportunizar que ele ponha em movimento suas faculdades para que possa participar totalmente das culturas. a pintura. Refletir sobre a relação entre ouvir. O mundo pode ser comparado a uma tela criada por um notável artista. a construção são formas iguais de interação social e comunicam sentimentos. Apreciar as produções realizadas durante o estágio.

7. E é pensando sobre essas transformações que através da arte podemos contribuir para a definição e a concepção filosófica de mundo. necessariamente. além de tudo isto. está o valor da música como arte. sentimentos. a música tem executado parte importante na educação em diferentes períodos da história. [.e por que não. facilita o aprendizado. De acordo com as Orientações Curriculares para o Ensino Médio. de ser humano e de escola de cada aluno. fortalecendo processos de identidade e cidadania. como a expressão de sons harmônicos. p. representa a possibilidade de imprimir-lhe marcas. E isso a torna uma importante área de estudo no currículo da educação. se tornar um artista. de modo a assegurar a vida e o A arte serve para refletir: o mundo mudou.e retorna às escolas. possibilitando a ele conhecer o que existe e projetar o que se pretende ser e como poderá contribuir para melhorar o mundo em que vive..] se entende que o objetivo último e fundamental da educação – e da presença da arte nos currículos como uma forma particular de conhecimento – é capacitar o aluno a interpretar e a representar o mundo à sua volta. proporciona a oportunidade de interagir em grupo e desenvolve a comunicação. E é através da música que o homem tem. de sociedade. do mesmo modo a linguagem sonora também se faz presente. (OCEM.. Como uma das artes. expressado . sons? bem comum. muitas vezes. imaginação e instinto criativo do homem.e cores . 183) O ensino da arte tem a preocupação de abrir muitas ideias para que o aluno tenha possibilidade de obter um modo singular de pensar o mundo e ter sua própria poética e não de. pois estimula diversas áreas do cérebro. Mas. de todos continentes em todas as épocas. 2006. pensamentos.apoiada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9394/96 . pois assim como outras linguagens da arte aparecem em todos os povos. Conhecê-lo.2 – Música Após uma ausência de cerca de 30 anos dos currículos escolares a música é reconhecida novamente como disciplina . muda e continuará a mudar. mergulhar nele através da arte. Seu estudo tem sido reconhecido como necessário para tornar o homem um ser completo e bem equilibrado desenvolvendo importantíssimo papel no processo de formação do indivíduo.

. provocar sensações. ao mesmo tempo. instruir sobre a verdade ou sobre o sentido de existir. A Música não atinge a precisão: não limita. p. a educação musical é de extrema importância. O tempo.e um inovador. tudo o que é verdadeiro. regra e rebeldia. dividido. A Música tem. E ai encontra. Assim sendo. pode ser contado. comunicar. Assim a música tranqüiliza porque conserva. tão presentes no cotidiano e sempre em constante transformação. p. 83) A música tem o poder de evocar memórias e pensamentos. estudam e praticam música.) Portanto. subdividido e retomado. pela contemplação somos transformados e se estamos continuamente contemplando o magnificente em música e literatura ou arte. valores. 1993. não cerca nossos pensamentos. o caótico e a retitude. mas não somente pelas pesquisas que comprovam que a memória. (SWANWICK. É essencialmente humano ser ao mesmo tempo um herdeiro – parte de uma cultura . determinado. tudo . 73) “o som musical tem acesso direto à alma.. ao contrário do tempo na vida.algumas de suas mais profundas experiências e compreensões do significado da vida. A ambigüidade da Música nos autoriza a viver nossas ambiguidades: não mais acreditamos que somos obrigados a recusar incompatibilidades e contradições. tratar da educação musical e do quanto ela procede dos hábitos. p. Mas pelo fato de se poder aprender a sentir. matemática. Nossa alegria provém de vivermos tais conflitos sem rejeitá-los. artes e música. 30 apud MENDES E CUNHA. Na relação dominante-tônica o ouvinte experimenta um sentido de coerência buscada e perdida em certos momentos. E se afinal. Paulo expressa isto desta maneira: "Finalmente. um eco imediato”. 2001. mas também damos forma à cultura por meio de ações individuais. (SNYDERS. porque o homem tem ‘a música em si mesmo’. Por isso. tem a possibilidade de múltiplas interpretações. e ela deve acontecer o mais cedo possível. e visão de mundo da sociedade a cada época é acima de tudo contribuir para a formação do caráter humano . estamos portanto realmente sendo transformados no melhor. a imaginação e a comunicação verbal e corporal ficam mais aguçadas nas pessoas que escutam. a expressar e a pensar as manifestações sonoras. Pois como afirma Kandinsky (1996. emocionar e movimentar. Cada um de nós é moldado pela sociedade na qual se encontra. que se identifica com suas próprias hesitações.. irmãos. p. a música é uma das linguagens que o homem precisa conhecer. Somos capazes de interagir com o mundo precisamente porque utilizamos formas simbólicas como linguagem. trabalhando criativamente dentro ou contra a tradição. 1992. organização e soltura.

tudo o que é amável. tudo o que é puro. tudo o que é de boa fama. se alguma virtude há e se algum louvor existe.o que é respeitável. tudo o que é justo. E como diz a letra de uma canção do Skank: Uma Canção é Pra Isso Uma canção é pra acender o Sol No coração da pessoa Pra fazer brilhar como um farol O som depois que ressoa Uma canção é pra trazer calor Deixar a vida mais quente Pra puxar o fio da paixão No labirinto da gente Pra consertar Pra defender a cidadela Pra celebrar Pra reunir bairro e favela Uma canção me veio sem querer Naquela hora difícil Joguei-a logo nesse iê iê iê Por profissão ou por vício Pra clarear a escuridão Que o mundo encerra Pra balançar Pra reunir o céu e a terra . seja isso o que ocupe o vosso pensamento" (Filipenses 4:8).

estabelecer essa nova relação com o mundo. um rico instrumento que pode fazer a diferença no processo de ensino e aprendizagem. Ela desperta emoções e sentimentos de acordo com a capacidade de percepção que ele possui para assimilá-la. E a partir dessa nova relação. mas sim. Ou seja. é de suma importância visto que ela desperta o sujeito para uma nova relação com o mundo em que vive. Portanto mostrar que a música não é somente uma associação de sons e palavras. necessários para discernirmos .Uma canção é pra fazer o Sol Nascer de novo Pra cantar o que nos encantou Na companhia do povo Pra consertar Pra defender a cidadela Pra celebrar Pra reunir bairro e favela Uma canção é pra acender o Sol No coração da pessoa Pra fazer brilhar como um farol O som depois que ressoa Pra clarear a escuridão Que o mundo encerra Pra balançar Pra reunir o céu e a terra A música está de fato na vida do ser humano. obtermos então o conhecimento. tornar-se redescobridor e transformador dele é além de tudo despertar o olhar estrangeiro. torna-se redescobridor e transformador desse mundo. seja com maior ou menor intensidade. o olhar de discernimento para toda essa massa musical que nos é imposta e. o senso crítico.

religião) contemplando os aspectos subjetivos e sensíveis de ver e compreender esse mundo. dentro do ensino das aulas de artes. estabelecendo conexões entre o processo cognitivo e a estimulação dos sentidos..3 – Apreciação Estética Para falarmos sobre apreciação estética.. através dos sentidos ou ainda como o estudo das sensações. E para reafirmar isso.entre o que é contribuinte na formação do caráter humano e entre o que não é. Para Zanella (2006. ideias e ideais pré-estabelecidos no mundo em geral. perceber/percepção e que acabou sendo designada como uma área da filosofia e da arte que refere-se ao conhecimento sensível. A palavra “estética” nos é bem comum atualmente.” (1 Coríntios 6:12) 7. que significa sentir/sensação. . Estética é uma palavra originalmente grega aisthesis. cito novamente uma passagem bíblica onde Paulo afirma: “Todas as coisas me são lícitas.” A apreciação estética tem por finalidade. auto-imposta e deliberada. A todo o momento ouvimos e falamos desta palavra que carrega consigo diferenciadas designações e diferentes usos. 33) Falar sobre estética.]. nesse caso. mas nem todas as coisas convêm. Provocação.] a vida é algo mais que aquilo que os nossos olhos vêem. Ou seja. por meio do incentivo ao pensar. contribuindo na formação do sujeito. mas eu não me deixarei dominar por nenhuma. penso ser necessário que saibamos e entendamos um pouco do que nos diz a palavra estética. imaginação e constituição do sujeito é uma provocação. pois desafia a criação. Todas as coisas me são lícitas. à criatividade na produção e fruição da arte. ao questionar. sob um ponto de vista fragmentado ou como um todo (cultura.. economia.. de forma que amplie as possibilidades cognitivas. expressivas e também afetivas. Pois como afirmou Richard Bach “[. p. o movimento de objetivar o imaginado ou de refletir sobre o já objetivado em uma prática[. interpretar e agir que esteja além da superfície perceptível das lógicas. sociedade. a apuração da percepção e da sensibilidade. provocar múltiplas formas de pensar.

pavor. do perceber e da capacidade de organizar os estímulos ocorridos na inter-relação exterior/interior do indivíduo com o meio. pensar. a educação estética vai contra o gosto e contra as opiniões dirigidos pela cultura de massa. Vivência esta que ocorre diante de uma obra artística e objetiva ir além de repetir no espectador o sentimento ou a percepção do artista. cito a obras “Carcaça de boi” de Rembrandt e “O grito” de Edward Munch. Faço aqui as mesmas perguntas que fez Martins (2011. da inquietude da desaprendizagem de nossas amarras conceituais.] o outro e a nós mesmos para viver experiências estéticas. não mais da maneira espontaneísta da escola que só valorizava o fazer. na percepção dos próprios processos de criar.] como agregadora de valores na formação de . pelo imediatismo. p.. desconforto.. desespero e medo. Ao observarmos a obra de Rembrandt somos remetidos a um sentimento de asco. pois existe um distanciamento entre o fazer arte e o pensar arte. a apreciação estética acaba tornando-se uma ação de difícil exercício. buscando ultrapassar os limites de um ensino de arte fragmentado.. contra o olhar ocidental que busca pelo belo idealizado. pois busca superar os sentimentos causados por ela. após a experiência do primeiro contato. produzir significados. mas na consciência de si. 2011. de compartilhá-la com outros na conversa que se torna espaço do diálogo. (MARTINS. superando todas essas sensações e impressões. industrialista e mercadológica. tecnicista e padronizado. Da mesma forma a obra de Munch nos causa uma sensação de agonia. repulsa. entre prática e teoria. Porém ao vê-las. impostos por uma sociedade que supervaloriza a visão científica e tecnicista. Porém. p.Compreendemos então que por meio da educação estética torna-se possível o despertar da sensibilidade. de se colocar vivo na experiência. movendo [.. 314) Nesse sentido. Podemos então assim afirmar que a apreciação estética pode ser de fato reconhecida “[. 312): “Por que separar os objetivos estéticos de outros ligados à formação? Estaria a estética desligada de preocupações mais amplas?” Apreciação estética é uma vivência. Essa vivência estética contribui para a organização de nossos comportamentos. ultrapassamos estes sentimentos e nos colocamos acima deles. romper com essa separação. Como exemplo. do enfrentamento da diferença. Faz-se necessário então.

e veja o que tem dentro. sem que suas palavras permitam que o colega que ainda não foi até a caixa descubra o que há dentro dela.p. iniciarei uma conversa falando sobre o espelho. do ouvir e do sentir. o propósito dessa atividade e provocando uma nova conversa reflexiva com os seguintes questionamentos: Quem sou eu? O que penso? De onde venho? Como me vejo? Do que gosto? Do que não gosto? O que ouço? O que faço? O que gostaria e não gostaria de fazer? Como os outros me vêem? O que pretendo fazer aqui? O que espero das aulas de arte? Pensei em trazer 2 obras do Magritte (La reproduction interdite e Les Liaisons Dangereuses) para instigar a reflexão um . 8. Feito isto. histórica e cultural. 2006.1º encontro – (Duas aulas) No primeiro encontro iniciarei a aula realizando uma dinâmica de apresentação onde trarei uma caixa contendo um espelho. De uma maneira geral a educação estética está presente na formação integral do sujeito. revelando e construindo novos olhares. audições e movimentos. pois uma vez vivenciada.184) Torna-se então a apreciação estética uma forma de propiciar um processo de ensino e aprendizagem mais significativo e amplo. tendo a arte como base para a educação integral do indivíduo e para sua relação numa perspectiva social. pois está voltada para a faculdade do observar. e responda: “Que história você contaria a partir do que está vendo?” utilizando adjetivos e substantivos. Pedirei que cada aluno vá até a caixa. contemplando ampliar “sua capacidade de vivenciar.1 . p. sentimentos e situações.indivíduos” (MARTINS. 312).2 – METODOLOGIA 8. 2011. descortinando novos significados e sentidos. comunicar e interpretar diferentes idéias. se insere no processo do desenvolvimento pessoal do ser.” (OCEM. tanto em seus aspectos sensíveis quanto cognitivos. abra. representar.

3º encontro (Duas aulas) Neste dia a aula terá dois momentos onde serão realizadas duas atividades. . com palavras soltas.2 .pouco mais e também ampliar o acervo imagético. iniciaremos uma atividade que se dará a partir de 5 imagens de obras de artistas escolhidos aleatoriamente. Os poemas serão lidos para o grupo. pedindo que (cada um ou em grupo) escolha um artista musical ou banda e uma música. na próxima aula. e criarão um poema utilizando as palavras retiradas das respostas de ambos. Cada imagem terá uma respectiva pergunta que a classe deverá responder individualmente. Por fim. 8. os grupos deverão selecionar e anotar trechos musicais que cada imagem lhes fez lembrar respectivamente. No segundo momento apresentarei 10 imagens de obras de artistas também escolhidos aleatoriamente. Depois de responderem. Após os trechos serem escolhidos e anotados. Durante essa conversa. estarei mostrando para a classe um trabalho chamado “The Disciples” feito pelo fotógrafo queniano James Mollison. faremos o registro fotográfico e audição das músicas escolhidas para a classe. A partir da escolha. No primeiro momento. seguindo a ordem em que as imagens estiverem dispostas. o grupo deverá apresentar cantando em coro todos os trechos. 8. formarão duplas. os alunos devem.2º encontro (Duas aulas) Nesse encontro os alunos deveram caracterizar-se conforme a banda/cantor escolhido. virem caracterizados conforme o artista/banda escolhidos trazendo a música escolhida em cd ou pendrive. farei a introdução para a próxima aula.3 . Estando eles já caracterizados. A classe será dividida em grupos de 5 alunos em média e partir dessas imagens.

os alunos realizarão uma análise sobre o que há de visual na música e o que há de musical nas artes visuais. A partir dessas observações. Trarei também duas imagens iguais.8. uma em preto e branco e a outra colorida.6 . Individualmente. serão disponibilizados alguns minutos para a socialização dos questionamentos e das opiniões formuladas durante a apreciação.6º encontro (Duas aulas) Apresentações de slides: Música e Artes Visuais . individualmente. Os alunos farão a apresentação dessa produção em PowerPoint que poderá ser elaborado em casa ou nesta mesma aula. 8. iniciaremos a atividade de apreciação musical. cada aluno deverá escolher. A cada apresentação. As apresentações se darão nas próximas aulas. ambas retiradas aleatoriamente da internet. Com a apreciação do vídeo e das imagens faremos observações sobre as diferentes sensações que nos é provocada ao intervirmos com diferentes sons e diferentes cores em uma mesma imagem. 8. reeditado por Cristiano Forte.5º encontro (Duas aulas) A partir deste encontro.4º encontro (Duas aulas) No quinto encontro trarei para a classe um vídeo com intervenção musical a partir de uma cena do filme “Matrix”.4 . uma música de algum artista de sua preferência e relacionála com a imagem de alguma obra visual de qualquer artista também de sua preferência. na internet no laboratório de informática da escola.5 .

Apreciação musical. .7º encontro (Duas aulas) Apresentações de slides: Música e Artes Visuais 8.Apresentação do vídeo.Elaboração da escrita. .Apreciação musical.7 .RECURSOS DE MATERIAIS . . .Caracterização e audição musical. . 10 .8.Atividades com imagens. .Apreciação musical.8º encontro (Duas aulas) No último encontro pedirei que os alunos façam um relato por escrito descrevendo o que sentiram e como foi a experiência de apreciação estética em diálogo com relação entre as linguagens sonora e visual. . 5 .Atividade com o espelho.8 .CRONOGRAMA Data 11/05 18/05 25/05 01/06 08/06 15/06 22/06 29/06 Dia 6ª feira 6ª feira 6ª feira 6ª feira 6ª feira 6ª feira 6ª feira 6ª feira Horário 8h00 às 9h30 8h00 às 9h30 8h00 às 9h30 8h00 às 9h30 8h00 às 9h30 8h00 às 9h30 8h00 às 9h30 8h00 às 9h30 Atividades .

bem como as habilidades de percepção de cada um e da leitura da própria produção artística e dos colegas. no que diz respeito à aprendizagem.] não é somente pensar um momento da atividade educativa.PROFESSOR Data-show Aparelho de som Imagens das obras visuais Vídeos Imagens em preto e branco . estando de acordo e sendo realizada junto com os objetivos de ensino e de aprendizagem. fruição e criação. É observar e promover experiências significativas que ampliem o conhecimento do aluno. tomar decisões. buscar procedimentos pedagógicos que levem o aluno a pensar possibilidades além das imediatas.. p. é fazer com que o aluno aprenda.. [. passando pelo processo de reflexão.AVALIAÇÃO A avaliação se dará durante todo o processo de docência. essencialmente. a partir do comportamento. (PCSC. É. É questionar. Sendo que a avaliação. e trabalhando para que todos aprendam. 179) REFERÊNCIAS . possibilitando a reflexão sobre a ação e propondo uma nova. 2005. interesse e respeito mútuo. principalmente.internet ALUNO Computador Cola Tesoura Figurino para caracterização conforme as bandas/artistas músicos Cd ou pendrive 11 . acompanhar todo o processo pedagógico e. é reorganizar o planejamento para superar as deficiências encontradas.

QUEIROZ. . Uma canção é para isso. 2001.terra. Pereira de. v. Arte. Do Espiritual na arte e na pintura em particular . OSTETTO. SP: Papirus. São Paulo: Cultrix. Secretaria de Estado da Educação. 2. Um universo sonoro nos envolve .br/skank/719790/. Adriana. Florianópolis: IOESC. 34. A escola pode ensinar as alegrias da Música? São Paulo: Cortez. BRASIL. SKANK. 1996. códigos e suas tecnologias / Secretaria de Educação Básica.BRASIL. só na aula de arte? Educação. . Secretaria de Educação Básica. Volume 1– Brasília : Ministério da Educação. 2009. Gregório J. Proposta Curricular de Santa Catarina: Estudos Temáticos. São Paulo: Martins Fontes. – Brasília: A Secretaria. 2001. A música compõe o Homem. Campinas.). Georges. 1992. 2012. Ciência e Tecnologia. CUNHA. Ed. o Homem compõe a música. Glória. Educação Infantil: saberes e fazeres da formação de professores. KANDINSKY. 2011. MENDES. MARTINS. Secretaria da Educação Fundamental. Disponível em: http://letras. 2. 2006. SP: Papirus. Porto Alegre. Vassily.com. p. ed. Sueli (org. In: FERREIRA. Acesso em: 13 mai.3. Mirian Celeste. 2005. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte / Ministério da Educação. 311-316. 239 p. SANTA CATARINA. Luciana Esmeralda. SNYDERS. Orientações curriculares para o ensino médio: Linguagens. ed. O ensino das artes: construindo caminhos . 2000. Campinas. set/dez.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful