You are on page 1of 2

REFLEXÕES NA PRIMEIRA CARTA DE JOÃO (7

)

CAPÍTULO 2. 18-23

(v.18) Filhinhos, esta é a última hora; e, conforme ouvistes que vem o anticristo, já muitos
anticristos se têm levantado; por onde conhecemos que é a última hora.

1. Alguns autores concordam que havia uma expectativa da iminência da volta do
Senhor, isto é, já no fim do primeiro século (Ver Rm 13.11).
2. Quando escreveu aos Tessalonicenses a sua segunda carta, Paulo disse que eles não
deviam deixar-se enganar, “supondo tenha chegado o dia do Senhor” (2.2); um dos
sinais da vinda do Senhor está em 2.3. Paulo escreveu a sua carta em 51 d.C.
3. Tendo João escrito a sua primeira carta em 90 d.C, com certeza o cenário político já
não era o mesmo do tempo de Paulo.
4. João sentiu na própria pele (Ap. 1.9) o ódio daqueles que eram anticristos, e por
conseguinte, anticristãos. O próprio Jesus alertou os seus discípulos de que estariam
expostos às atividades anticristãs daqueles que odeiam o evangelho (João 17.6-26).

(v.19) Saíram dentre nós, mas não eram dos nossos; porque, se fossem dos nossos, teriam
permanecido conosco; mas todos eles saíram para que se manifestasse que não são dos
nossos.

1. É possível que os anticristos (v.18) se levantaram e saíram da própria comunidade
cristã.
2. Quando saíram da comunidade cristã, os falsos crentes puderam ser vistos como na
verdade eram, pois a máscara da falsa piedade caiu.
3. A saída do grupo de falsos crentes (joio) possibilitou que, de modo muito mais visível,
os verdadeiros crentes (trigo) professassem a Jesus como seu Senhor e Cristo.

(v.20) Ora, vós tendes a unção da parte do Santo, e todos tendes conhecimento.

1. A Bíblia de Estudo Vida traz a seguinte nota: “Aqui, a unção do Espírito Santo
significa um tipo de certificado. A nossa unção sugere que estamos completos em
Cristo. Essa unção também dá a entender uma contínua presença e ministério interno
do Espírito, protegendo-nos de falsos mestres e líderes e auxiliando-nos a discernir
entre o certo e o errado”.
2. Hoje há muita confusão em relação ao assunto ‘unção’. Tem muitos crentes rogando
unção; mas, a qual unção eles estão se referindo? O recebimento do Espírito, sendo ato
único e definitivo, acontece quando, pelo convencimento do próprio Espírito,
reconhecemos nossos pecados e confessando-os, aceitamos o sacrifício e o senhorio de
Cristo.
3. Os benefícios de termos o Espírito, entre muitos, são: o selo (Ef 1.13), o dinamismo
(Atos 1.8) o fruto (Gálatas 5.22ss) e os dons (Romanos 12.6-8; 1 Co 12 e 14 e Efésios
4.11).

1
(v.21) Não vos escrevi porque não soubésseis a verdade, mas porque a sabeis, e porque
nenhuma mentira vem da verdade.

1. João não teve a intenção de dar um ensino novo, mas reforçar na mente e coração da
comunidade de crentes, as coisas que eles já sabiam.
2. O problema principal na igreja era a infiltração dos falsos ensinos, das heresias.
Homens que se diziam cristãos, e tinham até cadeira de mestres na comunidade,
quiseram implantar a heresia do gnosticismo e do docetismo.
3. Gnosticismo: “Gnósticos acreditam que a matéria é essencialmente perversa e que o
espírito é bom. Como resultado dessa pressuposição, os Gnósticos acreditam que
qualquer coisa feita no corpo, até mesmo o pior dos pecados, não tem valor algum
porque vida verdadeira existe no reino espiritual apenas (Internet)”. Diziam que: “o
conhecimento e superior à virtude” (Bíblia Anotada).
4. Docetismo: “Jesus já existia como homem quando o "espírito de Cristo" veio
controlá-lo, não houve verdadeira encarnação de Cristo, nem o Cristo sofreu ou
morreu, tão somente o Cristo Divino apossou-se de Jesus, quando de seu batismo, e o
abandonou quando de sua morte na cruz. O homem Jesus em sentido algum seria
Deus, mas tão-somente um homem um pico melhor e mais sábio do que os demais”
(Internet).

(v.22) Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Esse mesmo é o
anticristo, esse que nega o Pai e o Filho.

1. A falsa doutrina ensinava ser inconcebível a possibilidade do Jesus, homem, ser o
Cristo, sendo este divino.
2. Os falsos mestres eram a continuidade da semente da dúvida plantada pelo diabo: “Se
é o Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães” (Mat. 4.3).
Satanás falhou em sua tentação, mas mesmo assim conseguiu implantar a dúvida e a
mentira.

(v.23) Qualquer que nega o Filho, também não tem o Pai; aquele que confessa o Filho, tem
também o Pai.

1. A negação do Filho é abrir mão do Pai; confessar o Filho, é ter também o Pai; qualquer
exclusão de Um leva o indivíduo a não ter Nenhum.
2. Jesus mesmo se encarregou de explicar o estreito relacionamento Dele com o Pai,
quando Filipe lhe pede que lhes mostre o Pai (João 14.8-11).

PR. Eli da Rocha Silva
Igreja Batista em Jardim Helena – Itaquera – São Paulo – SP
(Nota: as reflexões 1 a 6 podem ser lidas em: www.pastor-elirocha.blogspot.com)

2